ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES."

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES. Autores: LAISE FERNANDES DE PAIVA, DANILO AUGUSTO DE HOLANDA FERREIRA, ALINE MENEZES GUEDES DIAS DE ARAÚJO, YOLANDA ABRANTES PALETOT, THAIS BELO MOREIRA, TAÍS GREBOS TEIXEIRA, MARIA FABIANA BONFIM DE LIMA, PALAVRAS-CHAVE: voz, distúrbios da voz, docentes Introdução A voz é o principal instrumento de trabalho do professor e um importante recurso na relação professor/alunos, com implicações importantes no processo ensinoaprendizagem. Estudos nacionais 1-5 e internacionais 6, 7 citam, que está classe de profissionais da voz é a mais suscetível a ter distúrbios da voz, devido à multifatoriedade característica do seu contexto de trabalho Pesquisas referem, que um a cada dois professores que estão em atividade apresentam queixas e/ou sintomas e sensações de algum tipo de alteração vocal. 11 Quanto as sensações laringofaríngeas mais encontradas em professores, estudos apontam: ardor na garganta, pigarro e esforço para falar. 12 Entretanto, em uma pesquisa internacional, a garganta seca aparece como uma das sensações laringofaríngeas, mais referida pelos professores. 13 Os distúrbios de voz nessa categoria são consequências de diversos fatores internos (do próprio organismo) e externos (do trabalho, da formação entre outros). As principais causas que podem levar a sensações laringofaríngeas, são o uso intensivo da voz, estresse, infecções

2 e alergias, esforço ao falar, refluxo gastresofágico, condições ambientais inadequadas (acústica, nível de competição sonora ambiental, umidade, poeira), falta de preparo/treinamento vocal e hábitos. 14,15 O fato é que o professor ao falar em condições ambientais e organizacionais inadequadas ocasionam uma sobrecarga no sistema de fonação. Além disso, a autora aponta ainda que tal situação acompanhada de pouca hidratação, leva a um desconforto entendido como garganta seca. 3 Nesta mesma pesquisa às sensações laringofaríngeas mais referidas foram pigarro, garganta seca, e ardor na garganta. Comparar a autorreferência das sensações laringofaríngeas e as possíveis causas em professores é relevante para auxiliar no planejamento e no desenvolvimento de ações de promoção a saúde, tais como, triagem vocal de professores em escolas, com intuito de atender diferentes demandas e elaborar ações próximas à realidade do professor. A ausência de estudos que propõe a associação das sensações laringofaríngeas as possíveis causas do distúrbio da voz em professores justificam também o interesse. Objetivo Identificar se existe associação entre as sensações laringofaríngeas e as causas autorreferidas por professores de escolas públicas. Métodos Este estudo se caracteriza por ser do tipo observacional, transversal, descritivo e de caráter quantitativo. O mesmo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da instituição de origem, processo número 091/13, e possui termo de consentimento livre e esclarecido das professoras participantes.

3 A presente pesquisa foi desenvolvida em seis escolas da rede pública de ensino da cidade de João Pessoa. A seleção dessas escolas foi baseada nos critérios: serem escolas grandes, inclusivas e atenderem a alunos do ensino fundamental I e II, Após o aceite da direção dessas escolas, todos os professores foram convidados a participar da pesquisa, que correspondia a 181 das seis escolas selecionadas. Os critérios de inclusão para o estudo foram: consentimento das professoras; participação de todas as etapas propostas pela pesquisadora, ministrar disciplinas do ensino fundamental e ser do sexo feminino. Esta última condição teve o intuito de evitar as características anatomofisiológicas da voz determinadas pelo sexo. Foram excluídos professores por estarem readaptados (8), afastados (7), em licença prêmio (2), professoras que realizaram ou realizou terapia fonoaudiológica durante o período da pesquisa (2), professores que apresentaram acometimento das vias aéreas superiores no momento da pesquisa (1) e professores que não quiseram participar desta pesquisa (10). Ao final, fizeram parte deste estudo 151 docentes pertencentes equitativamente às três escolas. A pesquisa constou da aplicação do questionário de autopercepção, denominado Condição de Produção Vocal do Professor CPV-P. 4 O questionário CPV-P é composto por 79 questões relativas aos seguintes aspectos: identificação do questionário; identificação do entrevistado; situação funcional; aspectos gerais de saúde; hábitos vocais e aspectos vocais. Todas as questões desse instrumento foram documentadas, porém, para esta pesquisa, foram utilizados os dados referentes às variáveis: sociodemográficas (idade, sexo, tempo de magistério, e carga horária de trabalho); queixa vocal (no passado e no presente); os sintomas vocais (rouquidão, falha na voz, perda de voz, falta de ar, voz fina, voz grossa, voz variando grossa/ fina, voz fraca); as sensações laringofaríngeas (picada na garganta, areia na garganta, bolo na garganta, ardor na garganta, secreção na garganta, garganta seca, pigarro, tosse seca, tosse com catarro, dor ao falar, dor ao engolir, dificuldade para engolir, cansaço ao falar e esforço ao falar).

4 Os dados foram analisados através do Statistical Package for Social Sciences 20 (SPSS). A estatística descritiva foi realizada para caracterização da amostra quanto ao sexo, idade, estado civil, escolaridade, sensações vocais autorreferidas e suas possíveis causas. A associação entre sensações e causas foi avaliada através do teste de Quiquadrado, com significância de 5%. Resultados Participaram do estudo 151 professores, dos quais a maioria era do sexo feminino (81,5%), com média de idade de 42,98 anos (DP=10,19), estado civil casado (49%) e possuindo ensino superior completo (90,1%), conforme Tabela 1. Tabela 1 - Distribuição numérica (n) e percentual (%) dos indivíduos, segundo sexo, idade, estado civil e escolaridade Variável n % Sexo Feminino ,5% Masculino 28 18,5% Idade De 18 a 29 anos 11 7,3%

5 De 30 a 39 anos 55 36,4% De 40 a 49 anos 40 26,5% De 50 a 59 anos 35 23,2% 60 anos 10 6,6% Estado civil Solteiro 51 33,8% Casado 74 49,0% Divorciado 18 11,9% Viúvo 8 5,3% Escolaridade Superior Completo ,1% Superior Incompleto 7 4,6% Médio Completo 8 5,3% Quando perguntados sobre a ocorrência de alterações vocais durante a vida profissional, 126 professores (83,4%) relataram apresentar ou já terem apresentado algum tipo de alteração vocal, já 25 professores (16,6%) afirmaram que nunca tiveram.

6 As sensações mais relatadas pelos professores foram: garganta seca (60,3%), pigarro (52,3%), cansaço ao falar (47,0%), esforço ao falar (46,4%), tosse seca (45,0%) e 43% relataram ardor na garganta (Tabela 2). Tabela 2 - Distribuição numérica (n) e percentual (%) dos indivíduos segundo as sensações autorreferidas Sensações N % Garganta seca 91 60,3% Pigarro 79 52,3% Cansaço ao falar 71 47,0% Esforço ao falar 70 46,4% Tosse seca 68 45,0% Ardor na garganta 65 43,0% Secreção / catarro na garganta 43 28,5% Picada na garganta 41 27,2% Tosse com catarro 41 27,2% Bola na garganta 40 26,5% Dor ao falar 35 23,2% Areia na garganta 33 21,9% Dor ao engolir 28 18,5% Dificuldade para engolir 26 17,2% Nenhuma 25 16,6% Total de participantes ,0%

7 Ao se questionar sobre as possíveis causas das sensações autorreferidas, observouse que o uso intensivo da voz foi relatado como sendo a principal causa, representando 27,6% das ocorrências, seguida por estresse e alergia com 15,7% e 14,9%, respectivamente (Tabela 3). Tabela 3 - Distribuição numérica (n) e percentual (%) das ocorrências de causas para as sensações autorreferidas pelos professores Causas n % Uso intensivo da voz 85 27,6% Estresse 57 15,7% Alergia 54 14,9% Exposição ao barulho 49 13,5% Gripe constante 26 7,2% Exposição ao frio 26 7,2% Infecção respiratória 25 6,9% Nenhuma 25 6,9% Total de ocorrências ,0% No cruzamento das sensações mencionadas e possíveis causas, foram encontradas associações significativas entre a causa uso intensivo da voz e as sensações areia na garganta (p=0,048), tosse seca (p=0,045), secreção na garganta (p=0,036),

8 garganta seca (p=0,013) e cansaço ao falar (p=0,008). Além delas, também se observou associação significante entre a causa gripe constante e a sensação bola na garganta (p=0,011), e entre a causa alergia e a sensação cansaço ao falar (p=0,044), conforme mostra a Tabela 4. Tabela 4 - Distribuição numérica (n) e percentual (%) dos indivíduos segundo a relação entre sintomas e prováveis causas Ocorrência da Sensação Presente Ausente Tipo de Sensação Causa Valor p* n % N % Não 25 23,8% 1 4,8% Areia na garganta Uso intenso da voz Sim 80 76,2% 20 95,2% Total ,0% ,0% Uso Não 24 24,5% 2 7,1 0,048 Tosse seca intensivo da Sim 74 75,5% 26 92,9% 0,045 Garganta seca voz Total ,0% ,0% Uso Não 18 30,0% 8 12,1% intensivo da voz Sim 42 70,0% 58 87,9% 0,013 Total ,0% ,0%

9 Uso intensivo da voz Não Sim ,8% 71,2% ,4% 90,6% 0,008 Total ,0% ,0% Não 47 64,4% 25 47,2% Cansaço ao falar Alergia Sim 26 35,6% 28 52,8% Total ,0% ,0% 0,044 Bola na garganta Gripe constante Não Sim ,0% 16,0% ,5% 38,5% Total ,0% ,0% 0,011 *Teste de Qui-Quadrado Conclusão Existe associação entre as sensações laringofaríngeas e as causas autorreferidas por professores pesquisados de escolas públicas. Os dados indicam, portanto, que os professores participantes desta pesquisa percebem que os fatores relacionados à saúde e a voz (alergia, infecções respiratórias e o uso intensivo da voz) interferem na produção vocal. Referências 1. Ferreira LP, Giannini SPP, Figueira S, Silva EE, Karmann DF, Souza TMT. [Condições de produção vocal de professores da rede do município de São Paulo]. Ver Disturb da Comum. 2003; 14 (2):

10 2. Caporossi C, Ferreira LP. [Sintomas vocais e fatores relativos ao estilo de vida em professores]. Rev. CEFAC. 2011; 13(1): Lima-Silva MFB, Ferreira LP, Oliveira IB, Silva MAA, Ghirardi ACAM. [Distúrbio de voz em professores: autorreferencia, avaliação perceptiva da voz e das pregas vocais]. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2012; 17(4): Ferreira LP, Giannini SPP, Latorre MRDO, Simões-Zenari M. [Distúrbio de voz relacionado ao trabalho: proposta de um instrumento para avaliação de professores]. Rev Distúrb Comum. São Paulo, 2007; 19(1): Silva POC. Relação entre distúrbio vocal, fatores ocupacionais, e aspectos biopsicossociais em professores. [Dissertação]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba. 2013; 111p. Mestrado em Modelos de Saúde. [Português] 6. Roy N, Merril RM, Thibeault S, Gray SD, Smith EM. Voice disorders in teachers and the general population: effects on work performance, attendance, and future career choices. J. Speech. Lang. Hear. Res.2004; 47(3): [Inglês] 7. Dragone MLS, Ferreira LP, Giannini SPP, Simões-Zenari M, Vieira VP, Behlau M. [Voz do professor: uma revisão de 15 anos de contribuição fonoaudiológica]. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010; 15(2); [Português] 8. Guimarães SMA. Análise De Programas De Saúde Vocal Na Docência [Monografia]. Curso de Especialização em Fonoaudiologia Clinica (CEFAC) Curitiba-PR; [Português]

11 9. Ferreira LP. A discussão sobre o distúrbio de voz como doença relacionada ao trabalho sete anos depois. In: Ferreira LP, Andrada e Silva, Fiorini AC, Santoni CB, Souza Mt, Bernardi APA. Anais Do Xiv Seminário De Voz PUCSP; 2004; São Paulo; p Lima-Silva MFB, Ferreira LP, Oliveira IB, Silva MAA, Ghirardi ACAM. [Distúrbio de voz em professores: autorreferencia, avaliação perceptiva da voz e das pregas vocais]. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol. 2012; 17(4): Jardim R, Barreto SM, Assunção AA. [Voice disorder: case definition and prevalence in teachers]. Rev. Bras. Epidemiol. 2007; 10(4): [Inglês] 12. Simões M.; Latorre M. R. D. O. [Prevalência de alteração vocal em educadoras e sua relação com a auto-percepção]. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 6, p , dez Zambon F. Sintomas vocais e perfil de professores em um programa de saúde vocal. Ver. CEFAC vol.12 no.5 São Paulo sep./out Epub 23-Abr Servilha EAM, Leal ROF, Hidaka MTU. [Riscos ocupacionais na legislação trabalhista brasileira: destaque para aqueles relativos à saúde e à voz do professor]. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010, 15(4):

12 15. Assis JR. Avaliação do conhecimento relativo a saúde vocal em acadêmicos do curso normal superior de uma universidade.[dissertação]. Franca: Universidade de Franca. 2005; 81 p. Mestrado em Promoção de saúde. [Português] 16. Rodrigues G, Zambon F, Mathieson L; Behlau M. Vocal Tract Discomfort in Teachers: Its Relationshipto Self-Reported Voice Disorders. J Voice 2013; 27:

13

RISCOS OCUPACIONAIS À SAÚDE E VOZ DE PROFESSORES: ESPECIFICIDADES DAS UNIDADES DE REDE MUNICIPAL DE ENSINO

RISCOS OCUPACIONAIS À SAÚDE E VOZ DE PROFESSORES: ESPECIFICIDADES DAS UNIDADES DE REDE MUNICIPAL DE ENSINO RISCOS OCUPACIONAIS À SAÚDE E VOZ DE PROFESSORES: ESPECIFICIDADES DAS UNIDADES DE REDE MUNICIPAL DE ENSINO As relações entre o professor e seu trabalho motivam pesquisas, em nível mundial, pelas repercussões

Leia mais

CONDIÇÕES DVOCAIS E DE TRABALHO EM PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES

CONDIÇÕES DVOCAIS E DE TRABALHO EM PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES CONDIÇÕES DVOCAIS E DE TRABALHO EM PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES Autores: CÍNTIA NAIARA JANUÁRIO DE FREITAS, DANILO AUGUSTO DE HOLANDA FERREIRA, ANNA ALICE ALMEIDA, VANDERSSOM CORREIA

Leia mais

Mara Behlau, Fabiana Zambon, Ana Cláudia Guerrieri, Nelson Roy e GVP(*) Instituições: Panorama epidemiológico sobre a voz do professor no Brasil

Mara Behlau, Fabiana Zambon, Ana Cláudia Guerrieri, Nelson Roy e GVP(*) Instituições: Panorama epidemiológico sobre a voz do professor no Brasil Mara Behlau, Fabiana Zambon, Ana Cláudia Guerrieri, Nelson Roy e GVP(*) Instituições: Centro de Estudos da Voz CEV, Sindicato dos Professores de São Paulo SINPRO-SP e University of Utah, EUA Panorama epidemiológico

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ

PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ Denise Cintra Villas Boas Léslie Piccolotto Ferreira Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUC/SP Área: Voz

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

AÇÕES DE SAÚDE VOCAL O QUE O PROFESSOR UTILIZA NA ROTINA PROFISSIONAL EM LONGO PRAZO?

AÇÕES DE SAÚDE VOCAL O QUE O PROFESSOR UTILIZA NA ROTINA PROFISSIONAL EM LONGO PRAZO? AÇÕES DE SAÚDE VOCAL O QUE O PROFESSOR UTILIZA NA ROTINA Autora: Maria Lúcia Suzigan Dragone PROFISSIONAL EM LONGO PRAZO? Instituição: Centro Universitário de Araraquara, UNIARA. Programa de Pós-Graduação

Leia mais

SINTOMA VOCAL E SUA PROVÁVEL CAUSA: LEVANTAMENTO DE DADOS EM UMA POPULAÇÃO

SINTOMA VOCAL E SUA PROVÁVEL CAUSA: LEVANTAMENTO DE DADOS EM UMA POPULAÇÃO 110 SINTOMA VOCAL E SUA PROVÁVEL CAUSA: LEVANTAMENTO DE DADOS EM UMA POPULAÇÃO Vocal sympton and its probable cause: data colleting in a population Léslie Piccolotto Ferreira (1), Janine Galvão dos Santos

Leia mais

merece cuidados professor e o mundo da escola Estudo realizado para traçar perfil vocal dos professores em escolas privadas

merece cuidados professor e o mundo da escola Estudo realizado para traçar perfil vocal dos professores em escolas privadas professor e o mundo da escola 1 :: débora meurer brum fonoaudióloga 1 Especialista em Voz pelo Centro de Estudos da Voz (CEV SP), Especialista em Audição (IPA-RS) e Mestranda em Distúrbios da Comunicação

Leia mais

Análise de voz e comunicação oral de professores de curso pré-vestibular. Voice and oral communication analysis of preparatory school teachers

Análise de voz e comunicação oral de professores de curso pré-vestibular. Voice and oral communication analysis of preparatory school teachers Artigo Original Análise de voz e comunicação oral de professores de curso pré-vestibular Voice and oral communication analysis of preparatory school teachers Andressa Consentino Vieira 1, Mara Behlau 2

Leia mais

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES Autores: Thays Vaiano, Mara Behlau, Ana Cláudia Guerrieri Palavras Chave: Dor, Voz, canto Introdução: Dor pode ser definida como "experiência sensitiva

Leia mais

Questionário Condição de Produção Vocal Professor (CPV-P): comparação. Autores: SUSANA PIMENTEL PINTO GIANNINI, MARIA DO ROSÁRIO DIAS

Questionário Condição de Produção Vocal Professor (CPV-P): comparação. Autores: SUSANA PIMENTEL PINTO GIANNINI, MARIA DO ROSÁRIO DIAS Questionário Condição de Produção Vocal Professor (CPV-P): comparação entre respostas em duas escalas. Autores: SUSANA PIMENTEL PINTO GIANNINI, MARIA DO ROSÁRIO DIAS DE OLIVEIRA LATORRE, LÉSLIE PICCOLOTTO

Leia mais

TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS.

TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS. TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais

aspectos do sofrimento vocal profissional

aspectos do sofrimento vocal profissional aspectos do sofrimento vocal profissional Fabiana Zambon Fonoaudióloga Especialista em Voz Mestranda em Distúrbios da Comunicação Humana pela UNIFESP-EPM Fonoaudióloga responsável pelo programa de Saúde

Leia mais

O DISTÚRBIO DE VOZ RELACIONADO AO TRABALHO DO PROFESSOR E A LEGISLAÇÃO ATUAL

O DISTÚRBIO DE VOZ RELACIONADO AO TRABALHO DO PROFESSOR E A LEGISLAÇÃO ATUAL 628 O DISTÚRBIO DE VOZ RELACIONADO AO TRABALHO DO PROFESSOR E A LEGISLAÇÃO ATUAL The voice disorders related to work of teacher and current legislation Cristiane Cunha Soderini Ferracciu (1), Marcia Soalheiro

Leia mais

SAÚDE VOCAL: LEVANTAMENTO DAS LEIS BRASILEIRAS 1

SAÚDE VOCAL: LEVANTAMENTO DAS LEIS BRASILEIRAS 1 SAÚDE VOCAL: LEVANTAMENTO DAS LEIS BRASILEIRAS 1 Léslie Piccolotto Ferreira Emilse Aparecida Merlin Servilha 3 Maria Lúcia Vaz Masson 4 Micheline Baldini de Figueiredo Maciel Reinaldi 5 RESUMO Objetivo:

Leia mais

UMA ANÁLISE SOBRE A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS PELOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO DE PRESIDENTE PRUDENTE

UMA ANÁLISE SOBRE A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS PELOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO DE PRESIDENTE PRUDENTE UMA ANÁLISE SOBRE A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS PELOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO DE PRESIDENTE PRUDENTE Dayane de Oliveira Pinto SILVA 1 Rosimeire Cabral Romeiro COSTA 2 Mario Augusto Andreta CARVALHO 3

Leia mais

A VOZ DO PROFESSOR. Palavras-chave: Voz; Docentes; Bibliografia como Assunto.

A VOZ DO PROFESSOR. Palavras-chave: Voz; Docentes; Bibliografia como Assunto. A VOZ DO PROFESSOR Resumo Maria Lúcia Suzigan Dragone 1 Susana Pinto Pimentel Giannini 2 Érika Sousa Ditscheiner 3 Bruna Mateus Rocha de Andrade 3 Léslie Piccolotto Ferreira 4 Introdução: o Comitê de Voz

Leia mais

1. A adoção da auto avaliação como

1. A adoção da auto avaliação como Questionário de Auto avaliação da Saúde Vocal: * Aqui específico para professores, podendo ser adaptado para demais profissões que utilizem a voz. 1. A adoção da auto avaliação como parte integrante dos

Leia mais

Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil

Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Maestrelli Ribas, Tânia; Zanella Penteado, Regina; García- Zapata, Marco Tulio A. QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À VOZ: IMPACTO

Leia mais

PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009

PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009 Isabella Caroline Belem 1 ; Raphael de Oliveira Delfino 2 ; Valquíria Félix Rocha

Leia mais

Palavras-chave: Professores de Educação Física; alterações vocais;

Palavras-chave: Professores de Educação Física; alterações vocais; PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA: INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES VOCAIS Roberta Moreno Sas, UFSCar/ Sao Carlos-SP robertasas@hotmail.com Sheila Glaucieli Fenske, UFSCar/ Sao Carlos-SP sheilafenske@yahoo.com.br

Leia mais

MULHERES NO CLIMATÉRIO: FATORES RELACIONADOS AO SOBREPESO/OBESIDADE

MULHERES NO CLIMATÉRIO: FATORES RELACIONADOS AO SOBREPESO/OBESIDADE MULHERES NO CLIMATÉRIO: FATORES RELACIONADOS AO SOBREPESO/OBESIDADE Maria do Carmo A. Duarte de Farias (E-mail: carmofarias@hotmail.com) 1 Renan Alves Silva 1 Raimunda Andrade Duarte 2 Rosimery Cruz de

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005. Revisada e Ampliada

A VOZ NO TELEJORNALISMO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005. Revisada e Ampliada A VOZ NO TELEJORNALISMO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005 Revisada e Ampliada Leny R. Kyrillos 1 ALENCAR, F. O Desenvolvimento da Comunicação do Perfil do Telejornalismo nos 50 anos da Televisão

Leia mais

CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DE UM HOTEL DE SINOP-MT

CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DE UM HOTEL DE SINOP-MT CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DE UM HOTEL DE SINOP-MT JONATHA TENUTTI, FRANCIANNE BARONI ZANDONADI Bacharel em Engenheira Florestal (UFMT) e Estudante de Pós Graduação em Engenharia e

Leia mais

Distúrbio de voz relacionado ao trabalho docente: um estudo caso-controle

Distúrbio de voz relacionado ao trabalho docente: um estudo caso-controle Artigo Original Original Article Distúrbio de voz relacionado ao trabalho docente: um estudo caso-controle Susana Pimentel Pinto Giannini 1,2 Maria do Rosário Dias de Oliveira Latorre 2 Léslie Piccolotto

Leia mais

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 54 60 POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento ROUQUIDÃO Prevenção e Tipos de Tratamento O que é Rouquidão? Quais são as causas da rouquidão? Como a rouquidão é avaliada? Quando devo procurar uma avaliação especializada? Como tratar as desordens vocais?

Leia mais

CONDIÇÃO DE PRODUÇÃO VOCAL PROFESSOR

CONDIÇÃO DE PRODUÇÃO VOCAL PROFESSOR CONDIÇÃO DE PRODUÇÃO VOCAL PROFESSOR Prezado professor: O questionário CPV-P tem como objetivo fazer um levantamento das condições da voz do professor. Por gentileza, responda todas as questões marcando

Leia mais

Prevalência de alteração vocal em educadoras e sua relação com a auto-percepção

Prevalência de alteração vocal em educadoras e sua relação com a auto-percepção Rev Saúde Pública 2006;40(6):1013-8 Marcia Simões I Maria do Rosário Dias de Oliveira Latorre II Prevalência de alteração vocal em educadoras e sua relação com a auto-percepção Prevalence of voice alteration

Leia mais

Sintomas vocais e causas autorreferidas em professores

Sintomas vocais e causas autorreferidas em professores Revista CEFAC Speech, Language, Hearing Sciences and Education Journal doi: 10.1590/1982-021620161817915 Artigos originais Sintomas vocais e causas autorreferidas em professores Vocal symptoms and self-reported

Leia mais

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD Renato Diniz Silveira 1 Allisson Vasconselos Oliveira 2 Cláudio Alves Taioba Júnior

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT 1 TATIANA CORREA YAMACIRO DOS REIS 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel

Leia mais

Cássia Rafaela de Oliveira Ribeiro

Cássia Rafaela de Oliveira Ribeiro Cássia Rafaela de Oliveira Ribeiro ANSIEDADE E DISFONIA EM PROFESSORAS Trabalho de Conclusão de Curso da acadêmica Cássia Rafaela de Oliveira Ribeiro, apresentado como requisito para a obtenção do título

Leia mais

AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA GONÇALVES, RAFAEL MONTEIRO BORGES, VANESSA FURTADO REIS

AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA GONÇALVES, RAFAEL MONTEIRO BORGES, VANESSA FURTADO REIS TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA DE CUIDADORES DE IDOSOS COM DEMÊNCIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA

Leia mais

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR Carla Roane de Souza Santana¹; Ana Priscila da Silva Lima²; Albertina Marília Alves Guedes³ ¹Aluna do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal do Sertão

Leia mais

Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil

Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Merlin Servilha, Emilse Aparecida; Teixeira Fialho da Costa, Aline CONHECIMENTO VOCAL E A IMPORTÂNCIA DA VOZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Leia mais

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO Thatianny Tanferri de Brito PARANAGUÁ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA. Faculdade de Enfermagem Universidade Federal de Goiás ttb.paranagua@gmail.com;

Leia mais

PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA

PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA INTRODUÇÃO MARIANA BLEYER DE FARIA HEILIANE DE BRITO FONTANA MARCELO BITTENCOURT NEIVA DE LIMA Universidade do Estado de

Leia mais

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO TÍTULO:AVALIAÇÃO DA INCIDÊNCIA DA DENGUE NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO ATRAVÉS DA CONFIRMAÇÃO SOROLÓGICA AUTORES: Cavalcanti, A. C.; Oliveira A. C. S. de; Pires, E. C. ; Lima, L.

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis

Leia mais

Discentes do curso de psicologia,centro Universitário de Maringá (CESUMAR), Maringá - Pr- Brasil, umbelinajusto@wnet.com.br 2

Discentes do curso de psicologia,centro Universitário de Maringá (CESUMAR), Maringá - Pr- Brasil, umbelinajusto@wnet.com.br 2 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 SINTOMAS DE TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE A UTILIZAÇÃO DE METILFENIDATO NA

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DA CLÍNICA ESCOLA DE ATENDIMENTO PSICOLÓGICO CEAP

1. CARACTERIZAÇÃO DA CLÍNICA ESCOLA DE ATENDIMENTO PSICOLÓGICO CEAP 1. CARACTERIZAÇÃO DA CLÍNICA ESCOLA DE ATENDIMENTO PSICOLÓGICO CEAP Das Atribuições O CEAP-AJES tem como atribuição específica a coordenação geral das atividades destinadas a proporcionar aos acadêmicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE UM TRABALHO DE ASSESSORIA VOCAL COM PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE UM TRABALHO DE ASSESSORIA VOCAL COM PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE UM TRABALHO DE ASSESSORIA VOCAL COM PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS Máryam de Paula Arbach Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida maryarbach@puccamp.edu.br Emilse Aparecida

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO DE ALTERAÇÕES VOCAIS E DE ABSENTEÍSMO EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

AUTOPERCEPÇÃO DE ALTERAÇÕES VOCAIS E DE ABSENTEÍSMO EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO AUTOPERCEPÇÃO DE ALTERAÇÕES VOCAIS E DE ABSENTEÍSMO EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MEDEIROS, Camila Macêdo Araújo de 1 FRANÇA, Fernanda Pereira 2 SILVA, Ingrid Jessie Freitas Coutinho da

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA APLICAÇÃO ISOLADA E SIMULTÂNEA DAS ANÁLISES ESPECTROGRÁFICA E PERCEPTIVO-AUDITIVA NA CONFIABILIDADE DA AVALIAÇÃO DA VOZ

ESTUDO COMPARATIVO DA APLICAÇÃO ISOLADA E SIMULTÂNEA DAS ANÁLISES ESPECTROGRÁFICA E PERCEPTIVO-AUDITIVA NA CONFIABILIDADE DA AVALIAÇÃO DA VOZ ESTUDO COMPARATIVO DA APLICAÇÃO ISOLADA E SIMULTÂNEA DAS ANÁLISES ESPECTROGRÁFICA E PERCEPTIVO-AUDITIVA NA CONFIABILIDADE DA AVALIAÇÃO DA VOZ Introdução: A voz é produzida no trato vocal e é resultado

Leia mais

AUTOR(ES): ANA CAROLINA HOLANDA, CAROLINE MENDOZZA, INGRID TUNIN DA SILVA

AUTOR(ES): ANA CAROLINA HOLANDA, CAROLINE MENDOZZA, INGRID TUNIN DA SILVA TÍTULO: MOTIVAÇÃO DOS IDOSOS EM FREQUENTAR BAILES DA TERCEIRA IDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): ANA CAROLINA

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS COM PARALISIA FACIAL ADQUIRIDA CRÔNICA RESUMO

ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS COM PARALISIA FACIAL ADQUIRIDA CRÔNICA RESUMO ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS COM PARALISIA FACIAL ADQUIRIDA CRÔNICA Zelita Caldeira Ferreira Guedes (UNIFESP) zelitaferreira@uol.com.br Rayné Moreira Melo Santos (UNIFESP) raynefono@yahoo.com.br

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Pedro Henrique Marques Andreo 1 ; Thyemi

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

Origem dos dados... 3. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4. Variáveis de conteúdo... 4

Origem dos dados... 3. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4. Variáveis de conteúdo... 4 Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas artrite/reumatismo, problema crônico de coluna, distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho (DORT), depressão e outros problemas mentais Notas

Leia mais

Situação do papel do fisioterapeuta nas unidades públicas de saúde enquanto integrante da equipe multiprofissional no município de Jataí-GO.

Situação do papel do fisioterapeuta nas unidades públicas de saúde enquanto integrante da equipe multiprofissional no município de Jataí-GO. Situação do papel do fisioterapeuta nas unidades públicas de saúde enquanto integrante da equipe multiprofissional no município de Jataí-GO. ASSIS, Thaís Rocha; FERREIRA, Walkyria Silva; REIS, Silênio

Leia mais

Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais

Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais Cristiane Miranda CARVALHO 1 Marina Pereira COELHO 1 Ronaldo RADICCHI 2 RESUMO Conhecer as causas odontológicas

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

Regressão logística como modelo de decisão para a disfonia em professores e não professores

Regressão logística como modelo de decisão para a disfonia em professores e não professores Priscila Oliveira Costa Silva¹ Luciana Alves da Nóbrega¹ Anna Alice Figueirêdo de Almeida¹ César Cavalcanti da Silva¹ Logistic regression for model decision as to dysphonia in teachers and non teachers

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 1 Mayara Muniz Dias Rodrigues 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Fabiana

Leia mais

Distúrbio de Voz Relacionado ao Trabalho. Saúde do Trabalhador Protocolo de Complexidade Diferenciada

Distúrbio de Voz Relacionado ao Trabalho. Saúde do Trabalhador Protocolo de Complexidade Diferenciada MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Distúrbio de Voz Relacionado ao Trabalho Saúde do Trabalhador Protocolo de Complexidade Diferenciada

Leia mais

Distúrbio de voz, estresse no trabalho e perda de capacidade de trabalho realizado com professores de São Paulo

Distúrbio de voz, estresse no trabalho e perda de capacidade de trabalho realizado com professores de São Paulo I 50 CONGRESO años de la Fonoaudiología INTERNACIONAL en Colombia EN VOZ Y TRABAJO Septiembre 16, 17 Y 18 DE 2016 Bogotá, Colombia Distúrbio de voz, estresse no trabalho e perda de capacidade de trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO Patrícia Santos de Oliveira¹ Melina Thais da Silva² RESUMO A proposta de trabalho

Leia mais

Questionário de Auto-avaliação Vocal: Instrumento Epidemiológico de Controle da Síndrome Disfônica Ocupacional em Professores

Questionário de Auto-avaliação Vocal: Instrumento Epidemiológico de Controle da Síndrome Disfônica Ocupacional em Professores Artigo Original Questionário de Auto-avaliação Vocal: Instrumento Epidemiológico de Controle da Síndrome Disfônica Ocupacional em Professores Vocal Self Assessment Questionnaire: Epidemological Control

Leia mais

SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO

SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO Revista Eletrônica FACIMEDIT, v2, n2, jul/dez 2015 ISSN 1982-5285 ARTIGO ORIGINAL SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO KNOWLEDGE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1

AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1 AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1 Roberto Dias de Oliveira orientador 2 Cidade Universitária

Leia mais

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR Vitor Key Assada 1 ; Kristoffer Andreas Wendel Ribas 2 ; Willian Augusto de Melo 3 RESUMO: Condições

Leia mais

INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI)

INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI) INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI) Nayana Pinheiro Machado 1,2,3, Relândia Cristina Machado Reinaldo Ratts 4, Veruska Cronemberger

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA TEIXEIRA, Fabiano Augusto UFSC fb_teixeira@hotmail.com MOLETTA, Andréia Fernanda UFSC andreia.moletta@hotmail.com Praticas e Estágios nas Licenciaturas Agência Financiadora:

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO DE FUNCIONÁRIOS DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA NO RIO DE JANEIRO

ACIDENTE DE TRABALHO DE FUNCIONÁRIOS DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA NO RIO DE JANEIRO Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2012, v. 15, edição especial, p. 01 06 ACIDENTE DE TRABALHO DE FUNCIONÁRIOS DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA NO RIO DE JANEIRO BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C.

DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C. DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C. 5 1,2,3,4,5 Universidade do Vale Paraíba/Faculdade de

Leia mais

Perfil comunicativo de crianças de 2 a 24 meses atendidas na atenção primária à saúde

Perfil comunicativo de crianças de 2 a 24 meses atendidas na atenção primária à saúde Perfil comunicativo de crianças de 2 a 24 meses atendidas na atenção primária à saúde Palavras-chave: atenção primária à saúde, comunicação, fonoaudiologia Introdução: A comunicação humana é um importante

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO

A VOZ NO TELEJORNALISMO A VOZ NO TELEJORNALISMO Leny Rodrigues Kyrillos (1) RESUMO O presente trabalho é a compilação e a organização dos trabalhos científicos publicados nos formatos de artigos, capítulos de livro, trabalhos

Leia mais

Distúrbio de voz relacionado ao trabalho docente: um estudo caso-controle.

Distúrbio de voz relacionado ao trabalho docente: um estudo caso-controle. Distúrbio de voz relacionado ao trabalho docente: um estudo caso-controle. Susana Pimentel Pinto Giannini Maria do Rosário Dias de Oliveira Latorre Leslie Piccolotto Ferreira O professor ocupa lugar privilegiado

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 Apesar dos diversos benefícios trazidos pelo progresso, os impactos ambientais decorrentes

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO 90 ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO Débora Fernandes dos Santos, Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Raquel Lino de Menezes 8, Francielda Geremias da Costa Luz¹, Maycon Allison Horácio de

Leia mais

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT):

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Idosos c/limitação

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

Total de feridas 65 100 45 100

Total de feridas 65 100 45 100 AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DE ÚLCERAS VASCULARES DE PACIENTES ATENDIDOS EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA Cynthia Assis de Barros NUNES 1 Maria Márcia BACHION 2 Jaqueline Evangelista C. BEZERRA 3 Juliana

Leia mais

ANÁLISE DA PERSONALIDADE DE INDIVÍDUOS COM DIFERENTES DIAGNÓSTICOS DE DISFONIA

ANÁLISE DA PERSONALIDADE DE INDIVÍDUOS COM DIFERENTES DIAGNÓSTICOS DE DISFONIA ANÁLISE DA PERSONALIDADE DE INDIVÍDUOS COM DIFERENTES DIAGNÓSTICOS DE DISFONIA Autores: ANNA ALICE FIGUEIREDO DE ALMEIDA, LARISSA NADJARA ALVES ALMEIDA, DENISE BATISTA DA COSTA, RAYNERO AQUINO DE ARAÚJO,

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE ASPECTOS FONOAUDIOLÓGICOS VOCAIS E TELELARINGOSCOPIA EM INDIVÍDUOS SEM QUEIXAS

CORRELAÇÃO ENTRE ASPECTOS FONOAUDIOLÓGICOS VOCAIS E TELELARINGOSCOPIA EM INDIVÍDUOS SEM QUEIXAS AVALIAÇÃO EM INDIVÍDUOS SEM QUEIXA VOCAL 37 CORRELAÇÃO ENTRE ASPECTOS FONOAUDIOLÓGICOS VOCAIS E TELELARINGOSCOPIA EM INDIVÍDUOS SEM QUEIXAS THE CORRELATION BETWEEN ASPECTS OF SPEECH-VOICE DISORDERS AND

Leia mais

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA Autores: THAISY SANTANA DA SILVA, ADRIANA DE OLIVEIRA CAMARGO GOMES, ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO, JONIA ALVES LUCENA, ZULINA SOUZA DE LIRA,

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL

INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL CARNEIRO 1 Cláudia; CAVALVANTI 2 Hannalice; NETA 3 Ivanilde; SOUZA 4 Dayse Centro de Ciências da Saúde /Departamento de

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ TÍTULO: PREVALÊNCIA DE DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADO AO TRABALHO EM CIRURGIÕES-DENTISTAS ATUANTES NA REDE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Aleitamento materno: estudo da associação das variáveis do instrumento de avaliação da prontidão do prematuro para iniciar alimentação oral *

Aleitamento materno: estudo da associação das variáveis do instrumento de avaliação da prontidão do prematuro para iniciar alimentação oral * Aleitamento materno: estudo da associação das variáveis do instrumento de avaliação da prontidão do prematuro para iniciar alimentação oral * Palavras chave: prematuro; aleitamento materno. Introdução

Leia mais

Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP.

Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) O Programa

Leia mais

Art. 6º A inscrição deverá ser realizada de acordo com a ficha constante no anexo I, desta Lei.

Art. 6º A inscrição deverá ser realizada de acordo com a ficha constante no anexo I, desta Lei. LEI Nº 1.947, DE 13 DE OUTUBRO DE 2015. Autoriza o Poder Executivo a premiar os Profissionais da Educação Básica, na categoria de Gestor e Professor, da Rede Municipal de Ensino, que obtiverem experiências

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR

RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR 178 RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR Renan Meirelles da Silva Luciano Haussen Pinto Centro Universitário Franciscano Resumo

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA EM PSICOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA EM PSICOLOGIA CLÍNICA ESCOLA PARA ATENDIMENTO PSICOLÓGICO (CEAP) CEAP O Núcleo de Prática em Psicologia - CEAP do Curso de Bacharelado em Psicologia da AJES Instituto Superior de Educação do Vale do Juruena, da entidade

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

ÍNDICE DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA - SESI/SC

ÍNDICE DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA - SESI/SC ÍNDICE DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA - SESI/SC SUMÁRIO EXECUTIVO 2015 Apresentação Integrando a agenda mundial para a promoção da saúde e produtividade, o SESI Santa Catarina realizou

Leia mais

Título do projeto: Incidência de Queixas Músculo-esqueléticas em Profissionais Intensivistas.

Título do projeto: Incidência de Queixas Músculo-esqueléticas em Profissionais Intensivistas. PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA. COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA Anápolis, 4 de junho de 2009. OFÍCIO 127 / 2009 CEP Número de Protocolo: 0031/2009 Título do projeto: Incidência

Leia mais

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL Julyana Cândido Bahia 1, Dálete Delalibera Corrêa de Faria Mota 2 1 Acadêmica da Faculdade de Enfermagem/ Universidade Federal de Goiás

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS Coordenadoras: Karla da Costa Seabra (Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Educação) Susana Engelhard Nogueira (Instituto Federal

Leia mais

Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade

Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade Palavras chaves: Transtorno de falta de atenção com hiperatividade; distúrbios da voz em criança;

Leia mais