RELATÓRIO DA DIMENSÃO PESQUISA (volume II e pág. de 100 a 172) 1- Material de referência: Iniciação Científica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA DIMENSÃO PESQUISA (volume II e pág. de 100 a 172) 1- Material de referência: Iniciação Científica"

Transcrição

1 ERRATAS RELATÓRIO DA DIMENSÃO PESQUISA (volume II e pág. de 100 a 172) 1- Material de referência: Iniciação Científica 1.1- Página 124, tabelas 4b e 5b, onde se lê ( registrado em vermelho): Essa distribuição está indicada nas duas tabelas seguintes: Tabela4.b - Número de projetos, professores e alunos com bolsa considerados na análise de Centro Faculdades Vigência Vigência Vigência s 2º Sem. 03 a 1 sem.04 1º e 2 Sem. 04 2º Sem. 04 a 1 sem. 05 Nº al. Pro Nº al. Nº al. Proj Prof Proj Proj Prof CCJEA Direito Economia, Adm. Contabilidade e Atuária Total Centro CE Educação Fonoaudiologia Total Centro CCH Depto. de Teologia e Ciências. da Religião Psicologia Serviço Social Ciências Sociais Comunicação e Filosofia Total Centro CCET CCMB Matemática, Fís. Tecnol Total Centro Ciências Biológicas Ciências Médicas Total Centro Total Geral Tabela 5.b - Número de projetos, professores e alunos com bolsa considerados na análise de Centro Faculdades Vigência Vigência Vigência s 2º Sem. 04 a 1 sem.05 1º e 2 Sem. 05 2º Sem. 05 a 1 sem. 06 Pro Prof Nº al. Pro Pro Nº al.. Proj Prof Nº al. CCJEA Direito Economia, Adm. Contabilidade e Atuária Total Centro CE Educação Fonoaudiologia Total Centro CCH Psicologia Serviço Social Ciências Sociais Comunicação e Filosofia Depto. de Teologia e Ciências da Religião Total Centro CCET Matemática, Fís. Tecnol Total Centro CCMB Ciências Biológicas Ciências Médicas Total Centro Total Geral Fonte: CONSULTEC PUC-SP. Dez.05 1 Vide Anexos 14 e 15 do Vol. Políticas do Relatório de Auto-Avaliação Institucional da PUC-SP. 2 Vide Anexos 14 e 16 do Vol. Políticas do Relatório de Auto-Avaliação Institucional da PUC-SP.

2 Essa distribuição está indicada nas duas tabelas seguintes: Início 2º Sem. 03 Início 1º sem.04 Início 2º Sem. 04 Tabela4.b- Número de projetos, professores e alunos com bolsa PIBIC considerados na análise de Centros Faculdades Proj Prof Nº al. Proj Prof Nº al. Proj Prof Nº al. CCJEA Direito Economia, Adm. Contab. e Atuária Total Centro CE Educação Fonoaudiologia Total Centro CCH Depto. de Teologia e Ciências da Religião Psicologia Serviço Social Ciências Sociais Comunicação e Filosofia Total Centro CCET Matemática, Física e Tec Total Centro CCMB Ciências Biológicas Ciências Médicas Total Centro Total Geral Início 2º Sem. 04 Início 1º Sem. 05 Início 2º Sem. 05 Tabela 5.b - Número de projetos, professores e alunos com bolsa PIBIC considerados na análise Centros Faculdades de Proj Prof Nº al. Proj Prof Nº al.. Proj Prof Nº al. CCJEA Direito Economia, Adm. Cont. e Atuária Total Centro CE Educação Fonoaudiologia Total Centro CCH Psicologia Serviço Social Ciências Sociais Comunicação e Fil Depto. de Teologia e Ciências da Religião Total Centro CCET Mat., Física e Tec Total Centro CCMB Ciências Biológicas Ciências Médicas Total Centro Total Geral Fonte: CONSULTEC PUC-SP. Dez.05 3 Vide Anexos 14 e 15 do Vol. Políticas do Relatório de Auto-Avaliação Institucional da PUC-SP. 4 Vide Anexos 14 e 16 do Vol. Políticas do Relatório de Auto-Avaliação Institucional da PUC-SP.

3 1.2- Página 125, todos os parágrafos e tabela 6.b: Onde se lê (registrado em vermelho): Pode verificar que o número de projetos de 2004 perfazem 378, sendo 276 iniciados em 2004 (no primeiro ou segundo semestres) o que representa 73 dos projetos e 102 projetos iniciados em agosto de 2003 e concluídos em julho de 2004, o que representa 27 dos projetos. A situação de 2005, por sua vez, totaliza 434 projetos, sendo 265 iniciados em 2005 (no primeiro ou segundo semestres), o que representa 61, e 169 iniciados em 2004 e concluídos em julho de 2005, o que representa 39 dos projetos em realização no ano de Com vistas a uma análise comparativa da situação de 2004/2005, e considerando esses dados especificados, foi composta a tabela a seguir, contemplando os projetos de iniciação científica com concessão de bolsas e realizados na PUC-SP nos dois anos considerados, independente do período de vigência de bolsa do projeto. Tabela 6.b - Projetos de iniciação científica com concessão de bolsas* em realização na PUC-SP nos anos de 2004 e 2005: professores e alunos envolvidos Centros Faculdades Proj. Prof. Nº alun CCJEA Direito Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Total Centro CE Educação Fonoaudiologia Total Centro CCH Psicologia Serviço Social Ciências Sociais Comunicação e Filosofia Depto. de Teologia e Ciências da Religião Total Centro CCET Matemática, Física e Tecnologia Total Centro CCMB Ciências Biológicas Ciências Médicas Total Centro Total Geral Fonte: CONSULTEC PUCSP. Dez.05 Obs.: * Bolsas do Programa PIBIC-CEPE, PIBIC-CNPq e bolsas FAPESP. Pode-se afirmar, portanto, que em 2004 foram realizados e acompanhados na Universidade 378 projetos de iniciação científica, com a participação de 511 professores orientadores doutores e 620 alunos pesquisadores. Em 2005 tais índices se elevaram para 434 projetos, 566 professores e 733 alunos. As diferentes Faculdades e o Departamento de Teologia, como indicado na tabela anterior, mantiveram projetos de iniciação científica como componente de sua

4 proposta pedagógica. É possível verificar, considerando a situação 2004 e 2005, um incremento na atividade, revelado tanto pelo aumento do número de projetos desenvolvidos, como de professores e de alunos participantes. Pode verificar que o número de projetos de 2004 perfazem 353, sendo 260 iniciados em 2004 (no primeiro ou segundo semestres) o que representa 73,6 dos projetos e 93 projetos iniciados em agosto de 2003 e concluídos em julho de 2004, o que representa 26,3 dos projetos. A situação de 2005, por sua vez, totaliza 408 projetos, sendo 246 iniciados em 2005 (no primeiro ou segundo semestres), o que representa 60,3, e 162 iniciados em 2004 e concluídos em julho de 2005, o que representa 39,7 dos projetos em realização no ano de Com vistas a uma análise comparativa da situação de 2004/2005, foi composta a tabela a seguir, contemplando os projetos de iniciação científica com concessão de bolsas realizados na PUC-SP nesse período, independente do período de vigência de bolsa do projeto. Foram quantificados, também, os projetos com concessão de bolsas da FAPESP. Tabela 1.b - Projetos de iniciação científica com concessão de bolsas* em realização na PUC-SP nos anos de 2004 e 2005: professores e alunos envolvidos. Centros Faculdades Proj. Prof. Nº alun CCJEA Direito Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Total Centro CE Educação Fonoaudiologia Total Centro CCH Psicologia Serviço Social Ciências Sociais Comunicação e Filosofia Depto. de Teologia e Ciências da Religião Total Centro CCET Matemática, Física e Tecnologia Total Centro CCMB Ciências Biológicas Ciências Médicas Total Centro Total Geral Fonte: CONSULTEC PUCSP. Dez.05 Obs.: * Bolsas do Programa PIBIC-CEPE, PIBIC-CNPq e bolsas FAPESP. Pode-se afirmar, portanto, que em 2004 foram realizados e acompanhados na Universidade 372 projetos de iniciação científica, com a participação de 504 professores orientadores doutores e 613 alunos pesquisadores. Em 2005 tais índices se elevaram para 434 projetos, 584 professores e 741 alunos.

5 As diferentes Faculdades e o Departamento de Teologia, como indicado na tabela anterior, mantiveram projetos de iniciação científica como componente de sua proposta pedagógica. É possível verificar, considerando a situação 2004 e 2005, um incremento na atividade, revelado tanto pelo aumento do número de projetos desenvolvidos, como de professores e de alunos participantes Página 126, gráfico 2b: Onde se lê (registrado em vermelho): O gráfico abaixo, possibilita visualizar essa situação em 2004 e 2005 nas diferentes Faculdades da Graduação, podendo-se verificar um incremento no número de projetos na maioria das unidades. Gráfico 2.b - N de Projetos de iniciação científica com concessão de bolsas nas diferentes Faculdades e Departamento de Teologia e Ciência da Religião. Nº de projetos de IC Direito FEA Educação Fonoaudiologia Ciências Biológicas Ciências Médicas Mat. Fisica e Tec. Psicologia Serviço Social Ciências Sociais COMFIL Depto. de T. e C. da Religião Fonte: CONSULTEC - PUC-SP O gráfico abaixo, possibilita visualizar essa situação em 2004 e 2005 nas diferentes Faculdades da Graduação, podendo-se verificar um incremento no número de projetos na maioria das unidades.

6 Gráfico 1.b - N de Projetos de iniciação científica com concessão de bolsas nas diferentes Faculdades e Departamento de Teologia e Ciência da Religião Direito FEA Educação Fonoaudiologia Psicologia Serviço Social Ciências Sociais COMFIL Depto. de T. e C.da Religião Mat., Física e Tec. Ciências Biológicas Ciências Médicas 1.4- Página 127, tabela 7.b e último parágrafo: Onde se lê ( registrado em vermelho): Tabela 2.b - Número e porcentagem de professores e alunos (com bolsa e sem bolsa) participantes de Projetos de iniciação científica nas Faculdades dos diferentes Centros Centros Faculdades De Projetos Professores Alunos CCJEA Na faculdade Em projeto Na facul dade Em proje to Direito , ,7 Econ.,Adm , ,8 Contábil. e Atuária Total Centro , ,1 CE Educação , ,1 Fonoaudiologia , ,4 Total Centro , ,1 CCH Psicologia , ,3 Serviço Social , ,0 Ciências Sociais , ,0 Comunicação e , ,5 Filosofia Depto. de Teologia e Ciên. da Religião Total Centro , ,3 CCET Matemática, Física e Tecnologia , ,3 Total Centro , ,3 CCMB Ciências Biológicas , ,6 5 Ciências Médicas , ,6 Total Centro , ,5 Total Geral , ,7 Fonte: CONSULTEC- PUC-SP: 2005 Obs: Há casos de dupla contagem de professores e alunos tendo em vista a vigência dos projetos.

7 Constata-se que nas Faculdades de Fonoaudiologia, Ciências Biológicas e Ciências Médicas, de 15,6 a 42,4 dos alunos participam de projetos, sendo 42,4, 23,6 e 15,6 respectivamente. As demais Faculdades apresentam índices menores de participação. Quanto à participação de professores constata-se que a maioria das Faculdades (sete) conta com a participação de mais de 10 dos docentes na orientação dos projetos de iniciação científica cadastrados. Tabela 7.b - Número e porcentagem de professores e alunos (com bolsa e sem bolsa) participantes de Projetos de iniciação científica nas Faculdades dos diferentes Centros Centros Faculdades De Professores Alunos Projetos Na Em Na Em faculdade projeto faculdade projeto CCJEA Direito , ,7 Econ. Adm. Contabilidade e Atuária , ,8 Total Centro , ,1 CE Educação , ,0 Fonoaudiologia , ,5 Total Centro , ,5 CCH Psicologia , ,5 Serviço Social , ,0 Ciências Sociais , ,9 Comunicação e Filosofia , ,4 Depto. de Teologia e Ciências da Religião Total Centro , ,1 CCET Matemática, Física e Tecnologia , ,9 Total Centro , ,9 CCMB Ciências Biológicas , ,4 Ciências Médicas , ,9 Total Centro , ,8 Total Geral , ,4 Fonte: CONSULTEC- PUC-SP: 2005 Obs: Há casos de dupla contagem de professores e alunos tendo em vista a vigência dos projetos. Constata-se que nas Faculdades de Fonoaudiologia, Ciências Biológicas e Ciências Médicas, de 13,9 a 39,5 dos alunos participam de projetos, sendo 39,5, 22,4 e 13,9 respectivamente. As demais Faculdades apresentam índices menores de participação. Quanto à participação de professores verifica-se que a maioria das Faculdades (sete das 10) conta com a participação de mais de 10 dos docentes na orientação dos projetos de iniciação científica cadastrados, atingindo mais de 25 em quatro faculdades (Ciências Biológicas, Fonoaudiologia, Ciências Sociais e Ciências Médicas).

8 1.5- Página 127, último parágrafo: Onde se lê (registrado em vermelho): Um aspecto importante a ser assinalado na atividade de iniciação científica da PUC-SP, é a organização dos projetos de pesquisa nos cursos. Percebe-se que projetos desenvolvidos por determinada Faculdade ou curso têm alunos de outras Faculdades ou de outros cursos da mesma Faculdade. Tal situação representou mais de 33 dos participantes, tanto em 2004 como em Em 2005, de 789 alunos envolvidos em projetos de pesquisa vinculados a determinada faculdade ou curso, 294 eram alunos cursando outra faculdade ou outro curso da mesma faculdade, o que representa 37,3; em 2004, isso ocorreu com 222 alunos de 654 envolvidos nos projetos, perfazendo 34. Essa manifestação é reveladora da preocupação dos professores com um trabalho interdisciplinar nos projetos pedagógicos dos cursos. Um aspecto importante a ser assinalado na atividade de iniciação científica da PUC-SP, é a organização dos projetos de pesquisa nos cursos. Percebe-se que projetos desenvolvidos por determinada Faculdade ou curso têm alunos de outras Faculdades ou de outros cursos da mesma Faculdade 5. Tal situação representou mais de 33 dos participantes, tanto em 2004 como em Em 2005, de 741 alunos envolvidos em projetos de pesquisa vinculados a determinada faculdade ou curso, 225 eram alunos cursando outra faculdade ou outro curso da mesma faculdade, o que representa 30,6; em 2004, isso ocorreu com 197 alunos de 613 envolvidos nos projetos, perfazendo 32,1. Essa manifestação é reveladora da preocupação dos professores com um trabalho interdisciplinar nos projetos pedagógicos dos cursos. científica 2- Material de referência: Pesquisa discente: bolsas de Iniciação 2.1- Página 139: Tabela 11b, 3 e 4. Onde se lê (registrado em vermelho): Foram registrados na PUC-SP, em 2005, 733 alunos bolsistas de iniciação científica (considerando os períodos de vigências de bolsas diferenciados) e em , conforme se pode visualizar na tabela, a seguir. 5 O Departamento de Teologia e Ciências da Religião não está incluído na análise desse item dada sua especificidade de atendimento a alunos de todos os cursos.

9 Tabela 11.b - Bolsas de iniciação científica concedidas aos alunos da PUC-SP: 2004 / 2005 * Financiadores Nº de bolsas concedidas PIBIC-CEPE e PIBIC- CNPq FAPESP Total * Foram computados os projetos com as seguintes vigências: 1-2 semestre do ano anterior e que foram concluídos no meio do semestre do ano em questão; 2- projetos iniciados no início do ano; e 3- os projetos iniciados no meio do semestre do ano analisado. Cumpre ainda destacar que muitos dos projetos de iniciação científica, que contaram com as bolsas já indicadas, receberam apoio de outro agente financiador: o FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos). Tal apoio beneficiou 9 dos 412 projetos de 2005 e 11 dos 358 projetos de A FAPESP também teve esse tipo de participação tanto em 2004 como em 2005, beneficiando 1 a 2 dos projetos com bolsa. Foram registrados na PUC-SP, em 2005, 741 alunos bolsistas de iniciação científica (considerando os períodos de vigências de bolsas diferenciados) e em , conforme se pode visualizar na tabela, a seguir. Tabela 11.b - Bolsas de iniciação científica concedidas aos alunos da PUC-SP: 2004 / 2005 Financiadores Nº de bolsas concedidas PIBIC-CEPE e PIBIC- CNPq FAPESP Total * Foram computados os projetos com as seguintes vigências: 1-2 semestre do ano anterior e que foram concluídos no meio do semestre do ano em questão; 2- projetos iniciados no início do ano; e 3- os projetos iniciados no meio do semestre do ano analisado. Cumpre ainda destacar que muitos dos projetos de iniciação científica, que contaram com as bolsas já indicadas, receberam apoio de outro agente financiador: o FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos). Tal apoio beneficiou aproximadamente 10 dos projetos, tanto em 2004 como em A FAPESP também teve esse tipo de participação tanto em 2004 como em 2005, beneficiando 1 a 2 de projetos com bolsa PIBIC. 6 6 Vide Anexos 17 e 18 do Vol. Políticas do Relatório de Auto-Avaliação Institucional da PUC-SP.

10 3- Material de referência: Participação dos alunos em atividades complementares Página 160: quadro 13.b, 6 e 7. Onde se lê (registrado em vermelho): Os dados evidenciaram que uma pequena porcentagem dos alunos assinalou sua participação em atividades complementares, atingindo um maior número de alunos nos centros CCJEA (34) E CCET (42,5), como mostra o quadro a seguir: Quadro 13.b - Porcentagem de alunos dos diferentes centros universitários que indicaram sua participação em atividades complementares. Total de alunos que assinalaram a participação em uma ou mais atividades complementares CCJEA 34 CE 9.5 CCH 19.7 CCET 42.5 CCMB 5.7 Os dados evidenciaram que apenas 23,2 dos alunos assinalaram não participar de atividades complementares, como mostra o quadro a seguir: Quadro 13.b - Porcentagem de alunos dos diferentes centros universitários que indicaram sua participação em atividades complementares. Participação em uma ou mais atividades complementares pelos alunos CCJEA CE CCH CCET CCMB 66 90,5 80,3 57,5 94,3 4- Material de referência: Participação dos ex-alunos em atividades complementares: 4.1- Pág. 165, Gráfico 23.b. Onde se lê (registrado em vermelho): Gráfico 23.b - Participação dos ex-alunos em atividades complementares. não nenhuma atividade 90,9 uma ou mais atividades 9,1

11 Gráfico 23.b - Participação dos ex-alunos em atividades complementares uma ou mais atividades 90,9 não nenhuma atividade 9,1 5 - Material de referência: Encaminhamentos para tomada de decisões 5.1- Página 168: último parágrafo. Onde se lê (registrado em vermelho): Destacou-se a organização e qualidade da implementação do trabalho de Iniciação Científica, sistematizado a partir de 1988 com a criação do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica que tem se ampliado a cada ano. É mantido um sistema de orientação contínua do estudante realizado pelo docente orientador e controlado pela Comissão de Pesquisa, para assegurar a produção científica do aluno. A iniciação científica, estruturada com projetos devidamente aprovados e com concessão de bolsas instalou-se nos diferentes centros universitários, faculdades e cursos, havendo, porém, diferenciação quanto ao índice de participação. Em 2005 participaram dos projetos alunos orientados por 566 docentes doutores. Embora abrangente, ainda não se consegue atingir todos os alunos, o que fica evidenciado nos dados relativos à manifestação da comunidade sobre pesquisa. Destacou-se a organização e qualidade da implementação do trabalho de Iniciação Científica, sistematizado a partir de 1988 com a criação do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica que tem se ampliado a cada ano. É mantido um sistema de orientação contínua do estudante realizado pelo docente orientador e controlado pela Comissão de Pesquisa, para assegurar a produção

12 científica do aluno. A iniciação científica, estruturada com projetos devidamente aprovados e com concessão de bolsas instalou-se nos diferentes centros universitários, faculdades e cursos, havendo, porém, diferenciação quanto ao índice de participação. Em 2005 participaram dos projetos alunos orientados por 584 docentes doutores. Embora abrangente, ainda não se consegue atingir todos os alunos, o que fica evidenciado nos dados relativos à manifestação da comunidade sobre pesquisa Página 169: 3º. Onde se lê (registrado em vermelho): Buscando possibilitar condições institucionais para a participação de docentes e discentes nas atividades de pesquisa, a PUC-SP apresentou uma política de produção de conhecimento integrada com a formação do aluno e com o aperfeiçoamento docente. Quanto ao docente foram oferecidas bolsas de incentivo à pesquisa e existe instituída uma carga horária que abre possibilidade para dedicação à pesquisa. Os alunos foram favorecidos com a política de bolsas viabilizadas pela verba do Fundo de Assistência à Pesquisa (FAP) e por meio de outras modalidades, especialmente pelas parcerias com órgãos de fomento à pesquisa. Foram oferecidas 733 bolsas de pesquisa na graduação, nem sempre anuais, e 1884 bolsas na Pós- Graduação. Buscando possibilitar condições institucionais para a participação de docentes e discentes nas atividades de pesquisa, a PUC-SP apresentou uma política de produção de conhecimento integrada com a formação do aluno e com o aperfeiçoamento docente. Quanto ao docente foram oferecidas bolsas de incentivo à pesquisa e existe instituída uma carga horária que abre possibilidade para dedicação à pesquisa. Os alunos foram favorecidos com a política de bolsas viabilizadas pela verba do Fundo de Assistência à Pesquisa (FAP) e por meio de outras modalidades, especialmente pelas parcerias com órgãos de fomento à pesquisa. Foram oferecidas 741 bolsas de pesquisa na graduação, nem sempre anuais, e 1884 bolsas na Pós- Graduação. 7 Foram considerados todos os alunos com bolsa em 2005, tanto os com bolsa durante todo o ano como os com bolsa de um semestre, iniciadas no 2 semestre do ano anterior ou no 2 semestre do ano em curso. 8 Foram considerados todos os alunos com bolsa em 2005, tanto os com bolsa durante todo o ano como os com bolsa de um semestre, iniciadas no 2 semestre do ano anterior ou no 2 semestre do ano em curso.

13 RELATÓRIO DA DIMENSÃO ENSINO (volume II e pág. de 11 a 99) 1- Material de referência: Cursos Seqüenciais Pág. 39, último parágrafo do item 1.1.5: onde se lê ( registrado em vermelho), Os dados de 2004 e 2005 revelaram que o desempenho da PUC SP nessa área é ainda reduzido, pois, em 2004, foram atendidos 14 alunos no curso de Intérprete em Língua Inglesa e, em 2005, 10 alunos realizaram cursos seqüenciais, sendo 06 no curso de Intérprete e 04 nos cursos da Faculdade de Psicologia. Os dados de 2004 e 2005 revelaram que o desempenho da PUC SP nessa área é ainda reduzido, pois, em 2004, 14 alunos concluíram o curso de Intérprete em Língua Inglesa e, em 2005, 12 alunos concluíram cursos seqüenciais, sendo 06 no curso de Intérprete e 06 nos cursos da Faculdade de Psicologia. 2- Material de referência: Participação dos ex-alunos em atividades complementares Pág. 57, gráfico 15.a e último parágrafo, onde se lê (registrado em vermelho) Gráfico 15.a Participação dos ex alunos em atividades complementares não nenhuma atividade 90,9 uma ou mais atividades 9,1 Constatou se que apenas 9,1 dos ex alunos indicaram sua participação em atividades consideradas complementares. Esses alunos apontaram em quais atividades tiveram participação, o que pode ser visualizado no gráfico a seguir.

14 Gráfico 15.a Participação dos ex alunos em atividades complementares uma ou mais atividades 90,9 não nenhuma atividade 9,1 Constatou se que 90,9 dos ex alunos indicaram sua participação em atividades consideradas complementares. Esses alunos apontaram em quais atividades tiveram participação, o que pode ser visualizado no gráfico a seguir. 3- Material de referência: Participação dos alunos em atividades complementares Pág. 52, quadro 10.a e penúltimo e último. Onde se lê ( registrado em vermelho): Quadro 10.a Porcentagem de alunos dos diferentes centros universitários que indicaram participação em atividades complementares. Participação em uma ou mais atividades complementares pelos CCJEA CE CCH CCET CCMB alunos Os dados evidenciaram que uma pequena porcentagem dos alunos assinalou sua participação em atividades complementares, atingindo a um maior número de alunos nos centros CCJEA (34) e CCET (42,5) e porcentagens mais baixas no CE e no CCMB. Quadro 10.a Porcentagem de alunos dos diferentes centros universitários que indicaram participação em atividades complementares. Participação em uma ou mais atividades complementares pelos CCJEA CE CCH CCET CCMB alunos 66 90,5 80,3 57,5 94,3 Os dados evidenciaram que uma porcentagem de 76,8 dos alunos assinalou sua participação em atividades complementares, atingindo um maior número

15 de alunos nos centros CE (90,5) e CCMB (94,3) e porcentagens mais baixas no CCJEA (66) e no CCET (57,5). 4- Material de referência: Encaminhamentos para tomada de decisões. Possibilidades e Fragilidades Pág Onde se lê (registrado em vermelho): Embora exista um trabalho importante de acompanhamento e orientação dessas atividades visando garantir seu caráter pedagógico, numa universidade com as dimensões da PUC SP, não tem condições de atingir grande porcentagem dos alunos. Verificou se que não apresenta grande visibilidade para parte da comunidade universitária, haja vista o grau de desconhecimento das mesmas pelos alunos participantes da avaliação. Embora exista um trabalho importante de acompanhamento e orientação dessas atividades visando garantir seu caráter pedagógico, numa universidade com as dimensões da PUC SP, nem todos os estudantes tiveram acesso às principais modalidades de atividades complementares oferecidas.

16 RELATÓRIO DA DIMENSÃO ATENDIMENTO AO ESTUDANTE (volume II e pág. de 345 a 429) 1- Material de referência: Participação dos alunos em atividades complementares: 1.1- Pág. 405, 2 e 3 e quadro 9.d, onde se lê ( registrado em vermelho): As atividades complementares também foram avaliadas. Foi considerado descritor importante para analisar a relação dos discentes com o ensino na PUC-SP, a informação do aluno sobre sua participação em atividades acadêmicas consideradas complementares ao seu curso de graduação. Os quadros, a seguir, reúnem as informações concernentes à participação dos respondentes nestas atividades. Quadro 9.d Porcentagem de alunos dos diferentes centros universitários que indicaram participação em atividades complementares. Participação em uma ou mais atividades complementares pelos alunos CCJEA 34 CE 9.5 CCH 19.7 CCET 42.5 CCMB 5.7 Os dados evidenciaram que uma pequena porcentagem dos alunos assinalou sua participação em atividades complementares, dentre as quais um maior número de alunos nos centros CCJEA (34) e CCET (42,5) e porcentagens mais baixas no CE e no CCMB. Quadro 9.d Porcentagem de alunos dos diferentes centros universitários que indicaram participação em atividades complementares. Participação em uma ou mais atividades complementares pelos alunos CCJEA CE CCH CCET CCMB 66 90,5 80,3 57,5 94,3 Os dados evidenciaram que uma grande porcentagem de alunos assinalou sua participação em atividades complementares, atingindo um maior número de alunos nos centros CE (90,5) e CCMB (94,3) e porcentagens mais baixas no CCJEA (66) e no CCET (57,5).

17 2- Material de referência: Participação dos ex-alunos em atividades complementares: 2.1- Pág. 422, Gráfico 18.d, onde se lê ( registrado em vermelho): Gráfico 18.d - Participação dos ex-alunos em atividades complementares não nenhuma atividade 90,9 uma ou mais atividades 9,1 Gráfico 18.b - Participação dos ex-alunos em atividades complementares uma ou mais atividades 90,9 não nenhuma atividade 9,1

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

Bolsas e Programas de Financiamento de Estudo

Bolsas e Programas de Financiamento de Estudo Bolsas e Programas de Financiamento de Estudo A PUC Minas fechou o ano de 2006 tendo cerca de 35% dos alunos da graduação beneficiados com bolsa de estudo. O benefício contemplou 16.047 estudantes - incluindo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 O Programa Institucional de Bolsas e Auxílios

Leia mais

Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata PESQUISA REGULAMENTO - 2013

Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata PESQUISA REGULAMENTO - 2013 PESQUISA REGULAMENTO - 2013 REGULAMENTO DA PESQUISA NA FACISB CAPÍTULO I Caracterização Artigo 1º. A Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB) tem o desenvolvimento científico,

Leia mais

PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 1 - APRESENTAÇÃO Com o objetivo de estimular e promover o desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da inovação, compete à Pró - Reitoria

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS Art. 1º. O Núcleo de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, doravante

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS

FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA VAGAS REMANESCENTES (PIBID/FAI 2014) EDITAL N O. 07/2014 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Resultados da pesquisa: Você sabe o que é extensão Universitária?

Resultados da pesquisa: Você sabe o que é extensão Universitária? Resultados da pesquisa: Você sabe o que é extensão Universitária? INTRODUÇÃO A pesquisa Você sabe o que é extensão universitária? foi elaborada por Juliana Oliveira (joliveira@dcc.ufba.br), graduanda do

Leia mais

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional UESC Missão: Formar profissionais, construir conhecimento e criar cultura fomentadora da cidadania, do desenvolvimento humano, social, econômico, artístico

Leia mais

EDITAL DE INCENTIVO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

EDITAL DE INCENTIVO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Coordenação de Educação a Distância CEAD, Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD, Pró-Reitoria de Extensão e Cultura PROExC, Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROPG e Diretoria de Assuntos Comunitários

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA BELÉM PARÁ

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA BELÉM PARÁ FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA BELÉM PARÁ 1 2015 O Programa de Iniciação Científica da Faculdade Estácio de Belém, doravante denominada Estácio

Leia mais

Este documento não substitui o original aprovado pelo Conselho de Administração da FEST. Página 1/7

Este documento não substitui o original aprovado pelo Conselho de Administração da FEST. Página 1/7 RESOLUÇÃO FEST Nº 001/2004 Dispõe sobre a concessão de bolsas de apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Extensão Universitária pela Fundação Espírito-Santense de Tecnologia FEST. A Fundação Espírito-Santense

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EDITAL DE INCENTIVO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA PROJETO

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO*

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* Maria Benedita Lima Pardo Tatiana Cardoso Andrade Ilka Thiziane Teixeira

Leia mais

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da Universidade Nove de Julho UNINOVE destinase a alunos de graduação para desenvolvimento de pesquisa científica (IC) ou tecnológica

Leia mais

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 O MANUAL DE APOIO À PESQUISA DA UEMG... 4 3 OS PROGRAMAS... 4 3.1 Programas Financiados

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL N º 13 /PRPPGI/2015 CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS COM FINALIDADE DIDÁTICO- PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO EXECUÇÃO: MAIO A NOVEMBRO DE 2015. A Reitora

Leia mais

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU RESOLUÇÃO Nº 928/2012 - Aprova o Regulamento do Programa de Bolsas de Extensão (PROBEX). Pró-Reitoria de Extensão (PROEX). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Cruzada Maranata de Evangelização UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Batista Brasileira, com sede no

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento objetiva disciplinar os procedimentos

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE PESQUISA CACOAL 2014 Art. 1º - A Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal Facimed, por compreender que a pesquisa

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2014 PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE BOLSAS DE EXTENSÃO

EDITAL Nº. 01/2014 PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE BOLSAS DE EXTENSÃO EDITAL Nº. 01/2014 PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE BOLSAS DE EXTENSÃO A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Regional do Cariri URCA, no uso de suas atribuições legais, torna público a todos os Campi e

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX EDITAL Nº

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX EDITAL Nº PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX EDITAL Nº 43 /2014 Segunda Chamada para seleção de bolsistas de Extensão para o período de 1º de junho de 2014 a 31

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

MEC e MCTI. Programa Quero ser professor Quero ser cientista

MEC e MCTI. Programa Quero ser professor Quero ser cientista MEC e MCTI Programa Quero ser professor Quero ser cientista Contexto: Censo da Educação Superior 2012 Posição Nome OCDE Total % Matrícula % Acumulado 1 Administração 833.042 11,9 11,9 2 Direito 737.271

Leia mais

Programa Atleta Cidadão

Programa Atleta Cidadão Programa Atleta Cidadão 1 Índice I. Identificação... 3 II. Carta de apresentação... 3 III. Nome do Programa... 3 IV. Objetivo Geral... 3 V. Objetivos Específicos... 4 VI. Justificativa... 4 VII. Relevância

Leia mais

LIGA DE ENSINO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE EDITAL DE DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

LIGA DE ENSINO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE EDITAL DE DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA LIGA DE ENSINO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE EDITAL DE DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA BOLSA PIBIC E BOLSA INSTITUCIONAL PROCESSO SELETIVO 2015-2016

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1. Definição A Iniciação Científica é uma atividade de investigação, realizada por estudantes de graduação, no âmbito de projeto de pesquisa, orientada por

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS GABINETE DO REITOR FÓRMULA SANTANDER PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS GABINETE DO REITOR FÓRMULA SANTANDER PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL O Gabinete do Reitor da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás), no uso de suas atribuições, torna público este Edital de seleção de estudantes de graduação da PUC Goiás para a realização

Leia mais

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011)

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) Aplicável a partir de 2013/1 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 Quais os critérios para que a Instituição de Ensino Superior altere a

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor nº

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015 EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015 O Reitor do CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS CEULP, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto na Resolução de n 374/2010

Leia mais

CALENDÁRIO DE PROVAS DAS DISCIPLINAS OFERTADAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DOS CURSOS PRESENCIAIS

CALENDÁRIO DE PROVAS DAS DISCIPLINAS OFERTADAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DOS CURSOS PRESENCIAIS CALENDÁRIO DE PROVAS DAS DISCIPLINAS OFERTADAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DOS CURSOS PRESENCIAIS CAMPUS: SÃO PAULO CURSO TURNO SEMESTRE DISCIPLINA DATA HORÁRIO SALA UNIDADE ENFERMAGEM INTEGRAL 2 LINGUAGEM

Leia mais

I FÓRUM DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UFMT

I FÓRUM DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UFMT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL I FÓRUM DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UFMT 4 a 6 de março de 2013 O I Fórum de Assistência Estudantil

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PROGRAMA DE MONITORIA

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PROGRAMA DE MONITORIA FACULDADE DARCY RIBEIRO Credenciada pela Portaria No. 3.324, Publicado no D.O.U. em 14/11/2003. EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PROGRAMA MANTENEDORA: CENTRO DE EDUCAÇÃO TECNOLOGICA DARCY RIBEIRO LTDA

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA- PIBID/2016 EDITAL Nº 01/2016- SELEÇÃO DE ALUNOS BOLSISTAS PARA O PIBID. O Núcleo de Pesquisa da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1 o. - As Atividades Curriculares são parte integrante

Leia mais

UNIVERSIDADE NILTON LINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE NILTON LINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL INICIAÇÃO CIENTÍFICA/2015-2016 Programa de Iniciação Científica PROIC/NILTON LINS A Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade NILTON LINS, por meio da Coordenação de Iniciação Científica,

Leia mais

Normas referentes a disciplina FR904 - Atividades Complementares do Curso de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Normas referentes a disciplina FR904 - Atividades Complementares do Curso de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Normas referentes a disciplina FR904 - Atividades Complementares do Curso de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Considerando: A Lei 9.394 de 1996. Lei de Diretrizes

Leia mais

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Faculdade Fucapi Instituto de Ensino Superior Fucapi Coordenação de Pesquisa CPESQ Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica

Leia mais

Estrutura Acadêmica e Administrativa da PUC Goiás

Estrutura Acadêmica e Administrativa da PUC Goiás Estrutura Acadêmica e Administrativa da PUC Goiás Estruturas Organizacionais da Instituição: histórico 1950 1960 Universidade de Goiás Incorporadas: - Faculdade de Filosofia (1948) - Faculdade de Ciências

Leia mais

Edital nº 01/2011 Processo Seletivo de Alunos Bolsistas para o PIBID/UNICRUZ

Edital nº 01/2011 Processo Seletivo de Alunos Bolsistas para o PIBID/UNICRUZ Edital nº 01/2011 Processo Seletivo de Alunos Bolsistas para o PIBID/UNICRUZ A Presidência da Fundação Universidade de Cruz Alta e a Vice-Reitoria de Graduação, por meio da Coordenação Institucional do

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015 PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015 O Departamento de Apoio Acadêmico (DAA), da Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD), da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU Estabelece objetivos e dimensões da avaliação institucional, cria a Comissão Central Permanente de Avaliação Institucional da Unioeste e as Comissões Setoriais de Avaliação nos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA UNIBAN BRASIL

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA UNIBAN BRASIL REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA UNIBAN BRASIL Artigo 1º. O Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica da UNIBAN Brasil tem por objetivo,

Leia mais

DIMENSÃO 8 ATENDIMENTO AOS ESTUDANTES

DIMENSÃO 8 ATENDIMENTO AOS ESTUDANTES DIMENSÃO 8 ATENDIMENTO AOS ESTUDANTES 8.1 CONDIÇÕES INSTITUCIONAIS PARA OS DISCENTES 8.1.1 Facilidade de acesso aos dados e registros acadêmicos 8.1.2 Apoio à participação em eventos, produção e divulgação

Leia mais

Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão) CURSO PRÉ-VESTIBULAR DA UNIOESTE UM AMBIENTE INTERDISCIPLINAR PARA FORMAÇÃO DE EDUCADORES Área Temática: Educação Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Aparecida Favoretto 2, Bruna S.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Coordenação de Educação a Distância CEAD, Pró-Reitoria de Graduação- PROGRAD, Pró- Reitoria de Extensão e Cultura PROExC, a Pró-Reitoria de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014 UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade da Região de Campanha

Leia mais

COMUNICADO SOBRE MUDANÇAS NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS A PARTIR DE 2006

COMUNICADO SOBRE MUDANÇAS NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS A PARTIR DE 2006 COMUNICADO SOBRE MUDANÇAS NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS A PARTIR DE 2006 A partir de 2006 uma parte das atividades referentes à Licenciatura passou a ser realizada no próprio curso de Ciências

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

AUTOR(ES): ADRIANA LAURA VICTORETTI, HENRIQUE MARINHO MASCARENHAS, LAÍS REGINA RODRIGUES CARVALHO

AUTOR(ES): ADRIANA LAURA VICTORETTI, HENRIQUE MARINHO MASCARENHAS, LAÍS REGINA RODRIGUES CARVALHO TÍTULO: INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ESTAMOS ATUANDO CORRETAMENTE? CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE SOROCABA AUTOR(ES): ADRIANA LAURA

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí RESOLUÇÃO Nº 05 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova alteração da matriz curricular do curso de Pedagogia.. A PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DAS FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IVAÍ, no uso da delegação

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA FASETE - CEPEX REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FASETE PROICSETE

CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA FASETE - CEPEX REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FASETE PROICSETE CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA FASETE - CEPEX REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FASETE PROICSETE RESOLUÇÃO CONSUP Nº 010/2005 PAULO AFONSO-BA Setembro de 2015 1 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina

Leia mais

Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007

Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007 Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa UNIBRAL, apoiado no acordo de cooperação assinado entre Brasil e Alemanha em 31 de outubro de 2000, tem como objetivo estimular

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ANHEMBI MORUMBI

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ANHEMBI MORUMBI EDITAL 03/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ANHEMBI MORUMBI A Pró-reitora de Pesquisa, por meio da Coordenadoria de Pesquisa da Universidade Anhembi Morumbi torna público o

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE Cleudimar Pereira Dias Benvinda Barros Dourado (Orientadora) O Centro de Apoio Popular Estudantil do Tocantins

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Programa Institucional de Bolsa a Iniciação a Docência do Curso de Educação Física Licenciatura da Universidade Federal de Santa

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA

A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA 1 A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA Maria José Lima da Silva 1 Os programas de pós-graduação desempenham importante papel na formação

Leia mais

PROGRAMAS DE BOLSAS DE ESTUDO E BOLSAS DE PESQUISA DO ESTADO DE SANTA CATARINA

PROGRAMAS DE BOLSAS DE ESTUDO E BOLSAS DE PESQUISA DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROGRAMAS DE BOLSAS DE ESTUDO E BOLSAS DE PESQUISA DO ESTADO DE SANTA CATARINA DA GARANTIA DOS DIREITOS CONSTITUCIONAIS AO CUMPRIMENTO DE SUAS CONDICIONALIDADES Florianópolis abril 2011 1 Fundamentação

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA INOVATEC/UERGS 2012

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA INOVATEC/UERGS 2012 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA INOVATEC/UERGS 2012 EDITAL PROPPG 011/2011 O Reitor da UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE As Pró-Reitorias de Graduação e de Pesquisa e Pós-Graduação, CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR 1- PREÂMBULO O PROBEXT SERVIDOR é um instrumento que abrange Programas e Projetos de Extensão, com

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES O objetivo deste Regulamento é apresentar o Programa de Estímulo a Formação de Pesquisadores e definir os critérios para concessão de bolsas de estudo aos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES COMUNITÁRIAS REGULAMENTO DE BOLSA DE EXTENSÃO COM FINANCIAMENTO EXTERNO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES COMUNITÁRIAS REGULAMENTO DE BOLSA DE EXTENSÃO COM FINANCIAMENTO EXTERNO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES COMUNITÁRIAS REGULAMENTO DE BOLSA DE EXTENSÃO COM FINANCIAMENTO EXTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA DA BOLSA Art. 1º A Bolsa de Extensão

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E VOLUNTARIADO EM INICIAÇÃO CIENTÍFICA NAS AÇÕES AFIRMATIVAS (ENSINO

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A FACIPLAC compreende a importância do desenvolvimento da Iniciação Científica em uma faculdade de ensino superior como alicerce na construção

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS CENTRO DE EXTENSÃO, PESQUISA E ATIVIDADES EXTRACLASSE NÚCLEO DE PESQUISA E PRODUÇÃO ACADÊMICA

FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS CENTRO DE EXTENSÃO, PESQUISA E ATIVIDADES EXTRACLASSE NÚCLEO DE PESQUISA E PRODUÇÃO ACADÊMICA FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS CENTRO DE EXTENSÃO, PESQUISA E ATIVIDADES EXTRACLASSE NÚCLEO DE PESQUISA E PRODUÇÃO ACADÊMICA Regulamento para Grupo de Estudo e Pesquisa (GEP) Art. 1º A criação e organização

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX 073/2010

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX 073/2010 PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX 073/2010 A Pró-Reitora de Extensão da Universidade Estadual de Londrina, considerando a seleção de projetos para o Programa de Extensão Universitária Universidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE XXX DEPARTAMENTO DE XXX

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE XXX DEPARTAMENTO DE XXX SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE XXX DEPARTAMENTO DE XXX CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 10, de 06 de março de 2015, publicado no Diário

Leia mais

Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades

Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades Esta etapa do projeto contitue uma análise de algumas universidades do Brasil, em especial do Rio de Janeiro. Foi pesquisada a estrutura dessas universidades

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2014

CHAMADA PÚBLICA 2014 EDITAL N º 34/PROPPI/2014 CÂMPUS URUPEMA CHAMADA PÚBLICA 2014 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO CÂMPUS URUPEMA EXECUÇÃO:

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento de Educação Continuada Docente. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

EDITAL PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA EXERCÍCIO 2015

EDITAL PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA EXERCÍCIO 2015 FACULDADE DOS GUARARAPES EDITAL PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA EXERCÍCIO 2015 A Direção Geral da Faculdade dos Guararapes-FG abre inscrições para os alunos desta instituição de ensino,conforme Resolução 02

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí ESTRUTURA E CONTEÚDO CURRICULAR Organização Curricular do Curso A grade curricular do Curso de Bacharelado em Administração das Faculdades Integradas do Vale do Ivaí está fundamentada em dois grandes blocos.

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O Diretor da FAPE Faculdade de Presidente Epitácio, no uso de suas atribuições, faz divulgar o presente

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Antônio Vieira UF: RS ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, com sede no

Leia mais