EFEITO DA RADIAÇÃO GAMA EM MELÃO FRESCO MINIMAMENTE PROCESSADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DA RADIAÇÃO GAMA EM MELÃO FRESCO MINIMAMENTE PROCESSADO"

Transcrição

1 EFEITO DA RADIAÇÃO GAMA EM MELÃO FRESCO MINIMAMENTE PROCESSADO Trigo, M.J.*; Sousa, M.B 1.; Sapata, M. 1 ; Ferreira, A. 1 ; Curado, T. 1 ; Andrada, L. 1 ; Ferreira, E. 1 ; Horta, M.P. 1 ; Botelho, M.L. 2 ; Veloso, M.G. 3 1 DTPA, Estação Agronómica Nacional - INIAP, Quinta do Marquês, Oeiras, Portugal 2 Instituto Tecnológico e Nuclear, E.N. 10, 2696 Sacavém, Portugal 3 Faculdade de Medicina Veterinária, UTL, Lisboa, Portugal *Tef.: ; Fax: ; Resumo Os produtos hortofrutícolas estão frequentemente em contacto com o solo, insectos, animais e seres humanos não só durante o desenvolvimento e colheita como por vezes na indústria de processamento. Por essas razões as camadas superfíciais dos produtos podem estar expostas a contaminantes naturais, chegando a atingir 10 4 a 10 6 microrganismos por grama. Embora as bactérias saprófitas, os bolores e as leveduras sejam a flora dominante, os microrganismos patogénicos também podem estar presentes. Nos últimos anos tem havido um aumento de surtos de toxi-infecções associados ao consumo de frutos e vegetais crus. Surtos de toxi-infecções provocados por Salmonella (Chester, Poona e Enteritidis), Escherichia coli O157:H7, Shigella, Campylobacter spp. e virus Norwalk têm sido associados ao consumo de melão. Os frutos submetidos ao processamento mínimo são mais perecíveis do que os produtos intactos donde provêm, pois o corte aumenta a deterioração microbiana, pela transferência de microrganismos do exterior para o interior, sendo a lavagem dos frutos inteiros com água clorada aplicada para reduzir a contaminação, contudo esta redução pode não ser suficiente. Assim, a irradiação é um processo alternativo, que pode ser aplicado, após a embalagem final do produto, evitando recontaminações. O objectivo deste trabalho foi a avaliação do efeito da irradiação gama na descontaminação do melão (Cucumis melo L. cv. Piel de Sapo) minimamente processado, para aumentar o tempo de vida útil. O melão inteiro foi lavado com água clorada a 125 ppm, descascado, cortado em cubos, colocado em caixas de Nutrip-PS (polistireno) e seguidamente embalado em filme polimérico (PE) com aplicação de atmosfera modificada passiva. As amostras foram submetidas a radiação gama, com doses de 0,5 e 1 kgy. Foram avaliados parâmetros microbiológicos, físico-químicos e sensoriais ao longo do período de conservação (11 dias). Os resultados evidenciam que a irradiação provocou uma redução de 1,5 log na carga microbiana, sem alteração da qualidade organoléptica do produto. Palavras chave: Radiação gama, melão, minimamente processado 1. INTRODUÇÃO A frequência de surtos de toxi-infecções associados ao consumo de frutos frescos tem vindo aumentar nas últimas décadas devido não só às novas práticas e tecnologias utilizadas, mas também às alterações dos hábitos alimentares e à globalização do comércio. Os frutos e os vegetais podem ser contaminados com microrganismos patogénicos durante o crescimento no campo, colheita, manuseamento pós-colheita e posteriormente durante o processamento e distribuição. Os microrganismos susceptíveis de provocar doenças no homem compreendem bactérias, vírus e parasitas que podem estar presentes na água de rega ou no solo. Por sua vez, é provável a contaminação dos produtos por patogénicos em países onde se utilizam estrumes e efluentes líquidos como fertilizantes. A matéria prima dos alimentos minimamente processados poderá estar contaminada com patogénicos como Escherichia coli 0157:H7, Listeria monocytogenes, Salmonella, oocistos de Cryptosporidium e virus Norwalk. [1, 2, 3]. Nesta conformidade contaminações em melão têm aparecido 359

2 associadas a surtos provocados por Salmonella spp incluindo Chester, Enteritidis, Oranienburg, Poona e Saphra [4], Escherichia coli O157:H7 [5], Shigella, Campylobacter spp. e virus Norwalk [6]. A utilização de técnicas para aumentar o tempo de vida útil, como a embalagem em atmosfera modificada, pode permitir que os microrganismos como Listeria monocytogenes, que toleram baixas temperaturas, atinjam elevadas concentrações antes do produto apresentar características sensoriais inadequadas [7]. A indústria utiliza geralmente água clorada para controlar o crescimento microbiano, contudo, o hipoclorito tem um baixo poder de inactivação para alguns patogénicos como a L. monocytogenes conforme foi demonstrado por Zang e Farber [8]. Outra forma de descontaminação destes produtos é a aplicação de radiações ionizantes, que sem causar aquecimento, é um conceito antigo [9] contudo, a sua utilização não está vulgarizada. Trata-se de uma metodologia com perspectivas de aplicação como tecnologia de barreiras altamente promissora. É um tratamento físico em que o alimento é exposto a radiação ionizante com o objectivo de desinfestar e ou descontaminar de modo a aumentar o tempo de vida útil do produto. O objectivo deste estudo foi avaliar o efeito da irradiação no melão minimamente processado para aumentar o tempo de vida útil. 2. Material e métodos 2.1. Matéria prima, processamento e conservação O melão (Cucumis melo L. cv. Piel de Sapo) dquirido no mercado, foi limpo, lavado em água clorada (25ppm NaClO, 3min), descascado, cortado em cubos, embalado em caixas de polistireno (Nutrip-PS) envolvidas em sacos de polietileno (Cryovac-PE65S) e aplicação de atmosfera modificada passiva (20,9% de O 2 e 0,03% de CO 2 ). A irradiação teve lugar na Unidade de Tecnologias de Radiação do Instituto Tecnológico e Nuclear, Sacavém. Foram irradiadas dezoito embalagens por dose (0,5; 1,0 kgy) com uma taxa de dose de 3,7 kgy/h. Em cada ensaio foram colocados três dosímetros Gamachrome YR. A uniformidade de dose foi de 1,1. As embalagens foram conservadas a 4ºC numa câmara frigorífica Zanotti, Vizuete, S, e retiradas para avaliação da qualidade aos 1º, 4º, 7º, 9º e 11º dia Parâmetros avaliados Os parâmetros microbiológicos, físico-químicos e sensoriais foram avaliados nas amostras irradiadas (0,5; 1,0 kgy) e não irradiadas (0,0 kgy) ao longo da conservação. Foram utilizadas três embalagens em cada dia de amostragem. Na análise microbiológica foram efectuadas: contagens totais de mesófilos e psicrotróficos aeróbios em Plate Count Agar (Oxoid), a 30ºC, 3 dias e a 7ºC, 14 dias, respectivamente. As contagens foram expressas em CFU/g (unidades formadoras de colónias/g). As análises foram efectuadas em triplicado. As análises físico-químicas determinadas foram: textura, expressa em N texturómetro Stable Microsystems TA-Hdi utilizando um punção de 6 mm de diâmetro, velocidade de 1,5mm.s -1 e distância de penetração de 10mm; ph potenciómetro Crison-Micro ph 2002; teor de sólidos solúveis totais (ºBrix) refractómetro ATAGO; exsudato liquido libertado pelo melão na embalagem, expresso em percentagem; cor superficial colorímetro de reflectância Minolta Chroma Meter CR 200b, determinados os valores L*, a*, b*, coloração [H* = arc tang (b*/a*)] e saturação [C*= (a* 2 +b* 2 ) 1/2 ]. A análise sensorial foi realizada por um painel de 8 provadores, tendo-se utilizado uma escala hedónica de 1 a 5. A pontuação 3 foi considerada como limite de comercialização. 360

3 Análise estatistica: Statistical Analysis System (SAS) software, (SAS, 1999). Foi avaliado o efeito da dose de radiação, tempo de armazenamento, bem como a interacção entre os dois factores recorrendo ao Teste de Duncan para a separação das médias ao nível de P Resultados e discussão Níveis semelhantes de contaminação inicial, em melão, foram observados por Boynton [10]e Okuku e Sapers [11]Segundo Vadlamudi [12] esta contaminação deve-se à transferência dos microrganismos da casca para o interior durante o corte. Segundo Fonseca e Rushing [13]a utilização, em melancia, de radiação ultravioleta-c teve um efeito semelhante na redução da flora microbiana, não tendo afectado o exudato, cor e qualidade visual. A irradiação provocou uma redução de 1,5 logs nas contagens de mesófilos e psicrotróficos totais. Esta redução manteve-se constante durante o período de conservação (Fig. 1). Reduções idênticas foram obtidas, anteriormente, em melancia [14] e com electrões acelerados em melão [10]. Trigo et al. [15, 16, 17] em alface, nabo e salsa observaram reduções superiores (4 logs). Fig. 1. Contagens de mesófilos e psicrotróficos totais em melão, submetido a várias doses de radiação e ao longo do tempo de armazenamento. A irradiação e o tempo de conservação não afectaram o ph, ºBrix, exsudato e cor superficial do melão (dados não apresentados). Valores semelhantes foram observados em alface, salsa, nabo e melancia [15, 16, 17] com aplicação de electrões acelerados Boynton [10] também não observou diferenças significativas na cor do melão submetido a várias doses de radiação. A irradiação pode afectar a firmeza dos produtos através do seu efeito nas membranas e paredes celulares. O amolecimento dos frutos está associado ao aumento da pectina solúvel em água e à diminuição do conteúdo do oxalato de pectina solúvel [18, 19]. Relativamente à textura (Fig. 2), no dia 1, os valores das amostras de melão não irradiado foram significativamente superiores aos das amostras irradiadas, observando-se que a dose de radiação influenciou negativamente a textura. Contudo, esta diferença atenuou-se ao longo do tempo. Resultados semelhantes obteve Boynton [10], em que as amostras do controlo apresentaram valores significativamente superiores em relação às amostras irradiadas. Este autor observou também um decréscimo da textura ao longo do tempo de conservação, o que está de acordo com os resultados por nós observados. N Textura Tempo (dias) 0,0 kgy 0,5 kgy 1,0 kgy Fig.2. Efeito da irradiação na textura (N) do melão ao longo do tempo de conservação 361

4 Do ponto de vista sensorial o melão irradiado a 0,5 e 1,0 kgy apresentou características semelhantes às do melão não irradiado durante todo o tempo do ensaio (11 dias). O melão irradiado (0,5 e 1,0 kgy) apresentou uma vida útil (9 dias) semelhante à do melão não irradiado, contudo verificou-se uma redução dos níveis microbianos da ordem do 1,5 log o que a nível de segurança alimentar é muito favorável. Referências [1] D.E. Gombas, Y. Chen, R.S. Clavero, V.N. Scott - Survey of Listeria monocytogenes in readyto-eat foods. J. Food Prot. 66 (2003) [2] P.W. Horby, S.J. O brien, G.K. Adak, C. Graham, J.I. Hawaker, P. Hunter, C. Lane, A.J. Lawson, R.T. Mictchell, M.H. Reacher, E.J. Threlfall, L.R. Ward - A national outbreak of multiresistent Salmonella enterica serovar Typhimurium definitive phage type (DT) 104 associated with consumption of lettuce. Epidemiology and Infection (2003) [3] R. Monge, M. Chinchilla - Presence of Cryptosporium Oocysts in fresh vegetables. J. Food Prot. 59 (1996) [4] FDA - Program Information Manual, Retail Food Safety, Produce Safety at Retail: Safe Handling Practices for Melons (2001) [5] B.A. Del Rosario, L.R. Beuchat - Survival and growth of enterohemorrhagic Escherichia coli O157:H7 in cantaloupe and watermelon. J Food Prot 58 (1995): [6] L.R. Beuchat Ecological factors influencing survival and growth of human pathogens on raw fruits and vegetables. Microbes Infect. 4 (2002) [7] L.R. Beuchat, Pathogenic microorganisms associated with fresh produce. J. Food Prot. 59 (1996) [8] S. Zhang, J.M. Farber - The effects of various disinfectants against Listeria monocytogenes on fresh-cut vegetables. Food Microbiology 13 (1996) [9] B. Schwartz - Effect of X-rays on trichinae. J. Agriculture Research 20 (1921) 845. [10] B.B. Boynton - Determination of the effects of modified atmoshpere packaging and irradiation on sensory characteristics, microbiology, texture and color of fresh-cut cantaloupe using modeling for package design. University of Florida (2004) [11] D.O. Ukudo, G.M. Sapers -. Effect of time before storage and storage temperature on survival of Salmonella inoculated on fresh-cut melons. Food Microbiol. 24 (2007): [12] S. Vadlamudi- Effect of sanitizer treatments on Salmonela Enterica serotype Poona on the surface of cantaloupe and cell transfer to the internal tissue during cutting practices. Texas A&M University (2004) [13] J.M. Fonseca, J.W. Rushing Effect of ultraviolet-c light on quality and microbial population of fresh-cut watermelon. Posttharvest Biol. Technol. 40 (2006) [14] M.J. Trigo, M.B. Sousa, M.M. Sapata, A. Ferreira, T. Curado, L. Andrada, E.S. Ferreira, M.L. Botelho, G. Veloso - Effects of low-dose gamma radiation on shelf life of watermelon. Poster 148. Congresso Internacional de Ciencia y Tecnología de los Alimentos, Córdoba Argentina, Novembro. Livro de actas p. 195 (2006)[15] M.J. Trigo, L. Andrada, T. Curado, A. Ferreira, E.S. Ferreira, M.P. Horta, M.M. Sapata, M.B Sousa, M.L Botelho,. G. Veloso - Effect of γ radiation on minimally processed lettuce. Poster. Seminário Qualidade e Segurança Alimentar, Instituto Superior de Agronomia, Lisboa, Portugal, de Maio, Livro de Actas, p. 143 (2002) [16] M.J. Trigo, M.B. Sousa, M.M. Sapata, A. Ferreira, T. Curado, L. Andrada, E.S. Ferreira, C. Antunes, M.P. Horta, A.R Pereira, M.L Botelho, M.G. Veloso - Efeito da radiação gama em nabo minimamente processado. Proc. 6º Encontro de Química de Alimentos, INIAP-IPIMAR/SPQ, Lisboa, Portugal p: (2003) [17] M.J. Trigo, M.B. Sousa, M.M. Sapata, A. Ferreira, T. Curado, L. Andrada, E.S; Ferreira, C. Antunes, R. Cordeiro; M.L. Romão, M.P. Horta, M.C. Pegado, M.L. Botelho, G. Veloso, Qualidade de Salsa Minimamente Processada Submetida a Radiação Ionizante. Actas em CD do 7º Encontro de Química dos Alimentos. Tradição e Inovação, Saúde e Segurança. ESAV-IPV/SPQ, Viseu, Portugal, P3.10. (2005) 362

5 [18] C. Willmot, M. Marcotte, L. Deschênes. Ionizing radiation for preservation of fruits. In: L.P Somogyi,. H.S. Ramaswamy, Y.H Hui (Ed.), Biology, Principles and Applications, vol.1, Technomic Publishing Cco., Inc., Lancaster, USA, pp (1996) [19] G. Gunes, C.B. Watkins, J.H. Hotchkiss.. Effects of gamma irradiation on the texture of minimally processed apples slices. J Food Sci 66 (2001):

Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares*

Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares* Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares* Os produtos minimamente processados são geralmente reconhecidos como alimentos submetidos a pequenas

Leia mais

Tecnologia de Alimentos. QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES

Tecnologia de Alimentos. QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES p. 1/5 Tecnologia de Alimentos QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES 1 Rufino Fernando Flores Cantillano, 2 Maurício Seifert*, 2 Jardel Araujo

Leia mais

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação . Novas Técnicas de Avaliação Elsa Gonçalves Ano 2003 Objectivos Revisão crítica do estado de conhecimento sobre: A influência do processo de congelação na qualidade dos produtos vegetais; Novas técnicas

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

Processamento Geral de Alimentos Módulo II

Processamento Geral de Alimentos Módulo II Processamento Geral de Alimentos Módulo II TRABALHO REALIZADO POR: Diana Ventura, nº20603005 Joana Rufino, nº20803006 Cláudia Nunes, nº20803008 Nuno Mendes, nº20803054 Fontes de radiação de ionização;

Leia mais

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana AGRICULTURA URBANA Principais ameaças à prática da Agricultura urbana 19 de Junho de 2012 AGRICULTURA URBANA A actividade agrícola urbana está sujeita a várias fontes de poluição que podem afectar a qualidade

Leia mais

Flora microbiana natural dos alimentos

Flora microbiana natural dos alimentos 1 Flora microbiana natural dos alimentos 2 Produtos cárneos crus e prontos a comer carcaças contêm diversos tipos de m.o., sobretudo bactérias bactérias patogénicas entéricas presentes, em pequeno número

Leia mais

CONTAMINAÇÃO FECAL DE HORTALIÇAS PROCESSADAS MINIMAMAMENTE CONSUMIDAS NA REGIÃO DE CAMPINAS SP: II PRODUTOS DE ORIGEM ORGÂNICA

CONTAMINAÇÃO FECAL DE HORTALIÇAS PROCESSADAS MINIMAMAMENTE CONSUMIDAS NA REGIÃO DE CAMPINAS SP: II PRODUTOS DE ORIGEM ORGÂNICA CONTAMINAÇÃO FECAL DE HORTALIÇAS PROCESSADAS MINIMAMAMENTE CONSUMIDAS NA REGIÃO DE CAMPINAS SP: II PRODUTOS DE ORIGEM ORGÂNICA Laura Medure Queiroga 1a, Neliane Ferraz de Arruda Silveira 1b, Margarete

Leia mais

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS Tipo de amostra Análises SIF Método CQ Método Água M 04 Contagem de Clostridium perfringens Membrana Filtrante M 08 Contagem de Coliforme Total Membrana

Leia mais

Segurança de Alimentos: visão e legislação

Segurança de Alimentos: visão e legislação S & S Consultoria Implementação em Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Segurança de Alimentos: visão e legislação Nut. Dra. Sabrina Bartz Introdução O mundo tem 7 bilhões de pessoas e a garantia

Leia mais

Tratamento pós-colheita de castanha por irradiação. Chestnut fruits post-harvest preservation by irradiation

Tratamento pós-colheita de castanha por irradiação. Chestnut fruits post-harvest preservation by irradiation Tratamento pós-colheita de castanha por irradiação Chestnut fruits post-harvest preservation by irradiation Amilcar L. Antonio, Albino Bento e Isabel C.F.R. Ferreira Os Factos Fumigação com Brometo de

Leia mais

Hortaliças minimamente processadas prontas para o consumo. Cristiano Psillakis - Grupo Horta

Hortaliças minimamente processadas prontas para o consumo. Cristiano Psillakis - Grupo Horta Hortaliças minimamente processadas prontas para o consumo Cristiano Psillakis - Grupo Horta Nichos de mercado são segmentos ou públicos cujas necessidades particulares são pouco exploradas ou inexistentes.

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

Embrapa Agroindústria Tropical. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Documentos 103

Embrapa Agroindústria Tropical. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Documentos 103 ISSN 1677-1915 Dezembro, 2006 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 103 Frutas Minimamente Processadas:

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Programa 1. Processos de alteração dos alimentos: físicos, químicos e biológicos. 2. Processos de conservação de alimentos: métodos fermentativos, conservantes alimentares,

Leia mais

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies Página 1 de 6 Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies ALTERAÇÃO (ÕES) À ÚLTIMA VERSÃO Pág. 3 RESPONSÁVEIS PELO DOCUMENTO Nome Função Rubrica/Data Elaborado por Isabel Costa

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA ANÁLISE DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS Fonte: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/racao.asp Para a realização dos ensaios foram utilizados os seguintes documentos:

Leia mais

Utilização de fibras alimentares como substitutos de gordura em linguiça tipo toscana

Utilização de fibras alimentares como substitutos de gordura em linguiça tipo toscana Utilização de fibras alimentares como substitutos de gordura em linguiça tipo toscana Beatriz Silva Reis TEIXEIRA 1 ; Rogério Amaro GOLÇALVES 2 ; Ana Karoline Ferreira IGNÁCIO 3 1 Aluna do Curso Superior

Leia mais

TRADUCCION PÚBLICA TRADUÇÃO JURAMENTADA Em todas as páginas do documento original, que tem 6 páginas, aparece o seguinte encabeçado:

TRADUCCION PÚBLICA TRADUÇÃO JURAMENTADA Em todas as páginas do documento original, que tem 6 páginas, aparece o seguinte encabeçado: TRADUCCION PÚBLICA TRADUÇÃO JURAMENTADA Em todas as páginas do documento original, que tem 6 páginas, aparece o seguinte encabeçado: Secretaria da Agricultura, Pecuária, Pesca e Alimentos.---- Subsecretaria

Leia mais

Maria Paula J. Gonçalves 1, Paulo Maurício C. Gomes 1, Ricardo F. Corrêa 2 e Márcia Cristina Souza 1 RESUMO 1. INTRODUÇÃO

Maria Paula J. Gonçalves 1, Paulo Maurício C. Gomes 1, Ricardo F. Corrêa 2 e Márcia Cristina Souza 1 RESUMO 1. INTRODUÇÃO 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ESTUDO DAS IRRADIAÇÕES

Leia mais

colas. Qualidade e segurança

colas. Qualidade e segurança Curso Tecnologia Pós-Colheita P e Processamento Mínimo M de Produtos Hortofrutícolas colas. Qualidade e segurança Legislação respeitante à produção e comercialização de produtos minimamente processados

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI. AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI. Equipe técnica: Dra Rosa Maria Valdebenito Sanhueza, Pesquisadora Vanderlei

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

Qualidade e Segurança de Produtos Minimamente Processados

Qualidade e Segurança de Produtos Minimamente Processados Qualidade e Segurança de Produtos Minimamente Processados Maria Luísa Beirão da Costa ISA/DAIAT O consumidor e o crescimento Económico mico. Rendimento Segurança Rastreabilidade Ambientais Conveniência

Leia mais

ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS AO PROCESSO DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA SEGUIDA DE SECAGEM EM ESTUFA

ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS AO PROCESSO DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA SEGUIDA DE SECAGEM EM ESTUFA Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0398-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0398-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L398- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Food safety and food security: IPM strategies on rice for consumption. Maria Otília Carvalho IICT, Portugal motiliac@iict.pt

Food safety and food security: IPM strategies on rice for consumption. Maria Otília Carvalho IICT, Portugal motiliac@iict.pt Segurança alimentar: estratégias de Protecção Integrada no arroz para consumo Food safety and food security: IPM strategies on rice for consumption Maria Otília Carvalho IICT, Portugal motiliac@iict.pt

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Introdução Os micro organismos estão diretamente

Leia mais

Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano

Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano Dorit Schuller 1. Recolha de amostras para análise microbiológica 3 2. Contagem total de microrganismos 4 3. Pesquisa e quantificação de Escherichia

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

Qualidade da Água e Saúde Pública

Qualidade da Água e Saúde Pública Qualidade da Água e Saúde Pública Principais doenças de origem microbiana difundidas através de águas contaminadas Doença Agente Causa da doença Origem Bactérias Cólera Vibrio cholerae Enterotoxina.ingestão

Leia mais

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Produção Segura de Hortaliças Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Alimentos seguros Antes de mais nada, um direito do consumidor!! Práticas que buscam a Segurança do Alimento geralmente contribuem

Leia mais

FRUTAS E DERIVADOS. Profa. Flávia Meneses

FRUTAS E DERIVADOS. Profa. Flávia Meneses Maturação e metabolismo pós-colheita Fonte de vida: Fotossíntese CO 2 + H 2 O + energia solar Glicose + H 2 O + O 2 Respiração Glicose + O 2 CO 2 + H 2 O + energia Após a colheita: transformações químicas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

Alzira Maria da Silva Martins

Alzira Maria da Silva Martins Faculdade de Ciências Farmacêuticas Dep. Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica Curso de Tecnologia Químico-Farmacêutica Dissertação para obtenção do grau de Mestre Alzira Maria da Silva Martins Orientadora:Prof.

Leia mais

http:// www.insa.pt _ consumo de água de nascentes naturais Um problema de saúde pública. _DSA Departamento de Saúde Ambiental 2010 _Nascentes Naturais 01 _Introdução A convicção, ainda hoje frequente

Leia mais

Ação dos Raios UV em bactérias contaminantes do Queijo Minas Frescal

Ação dos Raios UV em bactérias contaminantes do Queijo Minas Frescal Ação dos Raios UV em bactérias contaminantes do Queijo Minas Frescal Polyanne Alencar de Paula 1,6 ; Sarah Borges Feitosa 2,6 ; Maurício Pereira Borges 3,6 ; Evellyn Cardoso Mendes Costa 4,6 ; Lilian Carla

Leia mais

Caracterização química e microbiológica de pêras secadas em estufa solar

Caracterização química e microbiológica de pêras secadas em estufa solar Caracterização química e microbiológica de pêras secadas em estufa solar BARROCA Maria João*, GUINÉ Raquel, PINTO António, GONÇALVES Fernando, SALOMÉ Cristina, MONTEIRO Vera, FERREIRA Dulcineia Departamento

Leia mais

Parede celular. Membrana celular

Parede celular. Membrana celular 1. A célula como Unidade Básica de Vida A célula é a unidade básica da vida, uma vez que todos os seres vivos são formados por células. De acordo com o número de células, os seres vivos podem classificar-se

Leia mais

Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica

Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica Introdução Ao longo deste trabalho, vamos falar de um gravíssimo problema ambiental, A NIVEL MUNDIAL! que poucos ou quase ninguém

Leia mais

APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO MÍNIMO EM VEGETAIS PRODUZIDOS POR AGRICULTORES URBANOS DE SÃO PAULO

APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO MÍNIMO EM VEGETAIS PRODUZIDOS POR AGRICULTORES URBANOS DE SÃO PAULO APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO MÍNIMO EM VEGETAIS PRODUZIDOS POR AGRICULTORES URBANOS DE SÃO PAULO Emilly Heringer Ribeiro¹; Cynthia Jurkiewicz Kunigk² ¹Aluna de Iniciação Científica da Escola

Leia mais

Processamento de bacalhau salgado seco

Processamento de bacalhau salgado seco Outubro 2007 LEAL Processamento Geral de Alimentos Processamento de bacalhau salgado seco Trabalho elaborado por: João Vaz n.º 20503003 Bruno Lopes n.º 20503026 Joana Sousa n.º 20603070 Introdução Quando

Leia mais

REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS

REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS Marina Massarollo (UNICENTRO), Vivian Buriol (UNICENTRO), Katielle R. V. Córdova (Orientadora), e-mail: kvcordova@hotmail.com

Leia mais

29/8/2011. Eduardo Amaral de Toledo. Mauá da Serra PR. Supervisor da Qualidade. II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e Indicadores na

29/8/2011. Eduardo Amaral de Toledo. Mauá da Serra PR. Supervisor da Qualidade. II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e Indicadores na II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e indicadores de higiene Deteriorantes e Indicadores na Indústria de Cereais Eduardo Amaral de Toledo Supervisor da Qualidade SL Alimentos e Cereais Ltda Mauá

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 6 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Microrganismos Mesófilos Aeróbios Totais edição, 2010. 5.5.3.1.2 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Fungos

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR IRRADIAÇÃO

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR IRRADIAÇÃO CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR IRRADIAÇÃO Aula 4 Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira CONCEITO A irradiação é uma técnica eficiente na conservação dos alimentos reduz as perdas naturais causadas por processos

Leia mais

Caracterização de um detector de partículas alfa CR-39 exposto a uma fonte de rádio

Caracterização de um detector de partículas alfa CR-39 exposto a uma fonte de rádio Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin Caracterização de um detector de partículas alfa CR-39 exposto a uma fonte de rádio Aluno: Leandro Marcondes Maino Orientador: Sandro

Leia mais

Efeito de diferentes armazenamentos na qualidade de frutos de abóbora (Cucurbita moschata Duch) minimamente processados.

Efeito de diferentes armazenamentos na qualidade de frutos de abóbora (Cucurbita moschata Duch) minimamente processados. Efeito de diferentes armazenamentos na qualidade de frutos de abóbora (Cucurbita moschata Duch) minimamente processados. Tatiana Maria Rodrigues de Mello Pino 1 ; Gilma Silva Chitarra 2 ; Adriana Quixabeira

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=376>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Utilização de irradiação em carne de aves Karen Franco de Godoi Cardoso Doutoranda do

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES

CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES Monitorização de parâmetros num estabelecimento do sector da panificação e pastelaria Joana Afonso e Manuela V. da Silva Os estabelecimentos de panificação e pastelaria

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires Enquadramento O INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

Construction. SikaFuko Eco-1. Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques. Descrição do produto.

Construction. SikaFuko Eco-1. Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques. Descrição do produto. Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 07.209 Versão nº 1 SikaFuko Eco-1 Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques Descrição do produto Tubo de

Leia mais

Tratamentos químicos na sanitização de morango (Fragaria vesca L) Chemical treatments in the sanitation of strawberries (Fragaria vesca L)

Tratamentos químicos na sanitização de morango (Fragaria vesca L) Chemical treatments in the sanitation of strawberries (Fragaria vesca L) Braz. J. Food Technol., Campinas, v. 13, n. 1, p. 11-17, jan./mar. 2010 DOI: 10.4260/BJFT2010130100002 Chemical treatments in the sanitation of strawberries (Fragaria vesca L) Autores Authors Maristela

Leia mais

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br Associação Brasileira de Esterilização - ABE Esterilização de material cirúrgico

Leia mais

DESENVOLVIMENTO, ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE DOCE DE BANANA EM MASSA ADICIONADO DE AMENDOIM

DESENVOLVIMENTO, ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE DOCE DE BANANA EM MASSA ADICIONADO DE AMENDOIM DESENVOLVIMENTO, ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE DOCE DE BANANA EM MASSA ADICIONADO DE AMENDOIM SILVA, W.J. 1 ; GONÇALVES, C.A.A. 2 ; SILVA, M.B. L. 3 ; PEREIRA, E.A.A. 4 ; MANZAN, J.R.G. 5 ; SILVA,

Leia mais

28.10.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 281/7

28.10.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 281/7 28.10.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 281/7 REGULAMENTO (UE) N. o 1086/2011 DA COMISSÃO de 27 de Outubro de 2011 que altera o anexo II do Regulamento (CE) n. o 2160/2003 do Parlamento Europeu e

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS

BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS CENCI, S. A. ; GOMES, Carlos Alexandre Oliveira ; ALVARENGA, André Luis Bonnet ; JUINIOR, Murillo Freire. Boas Práticas de Processamento Mínimo de Vegetais

Leia mais

Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura

Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura HACCP aplicado ao pescado História e Definições Princípios Implementação Considerações acerca da aplicação do HACCP ao pescado Fontes: Huss (1992) Development

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

ANALISE DA CONCENTRAÇÃO DE CLORO ATIVO EM ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS EM PARÁ DE MINAS SUBMETIDAS A DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO.

ANALISE DA CONCENTRAÇÃO DE CLORO ATIVO EM ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS EM PARÁ DE MINAS SUBMETIDAS A DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO. SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.2, n.2, 120-126, nov. 2010 ISSN 2177-823X 120 ANALISE DA CONCENTRAÇÃO DE CLORO ATIVO EM ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS EM PARÁ DE MINAS SUBMETIDAS A

Leia mais

Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies?

Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies? Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies? Compostos que liberam cloro em contato com a água são os desinfetantes mais comuns. Cloro Gás Hipoclorito de sódio Hipoclorito de

Leia mais

Revista Iberoamericana de Tecnología Postcosecha ISSN: 1665-0204 rebasa@hmo.megared.net.mx. Asociación Iberoamericana de Tecnología Postcosecha, S.C.

Revista Iberoamericana de Tecnología Postcosecha ISSN: 1665-0204 rebasa@hmo.megared.net.mx. Asociación Iberoamericana de Tecnología Postcosecha, S.C. Revista Iberoamericana de Tecnología Postcosecha ISSN: 1665-0204 rebasa@hmo.megared.net.mx Asociación Iberoamericana de Tecnología Postcosecha, S.C. México Daiuto, Érica Regina; Tremocoldi, Maria Augusta;

Leia mais

Prática 2: Cultura de Microrganismos

Prática 2: Cultura de Microrganismos Prática 2: Cultura de Microrganismos Introdução Os microrganismos tal como outros organismos vivos necessitam de obter os nutrientes apropriados do seu meio ambiente. Assim se queremos cultivar e manter

Leia mais

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor 333 escolha do local para realizar teste local pode influenciar resultados localização amostragem percepção sensorial podem ocorrer diferenças para um mesmo produto, em diferentes locais, devido a: diferenças

Leia mais

DESINSECTAÇÃO DOS ALIMENTOS ATRAVÉS DE CO 2

DESINSECTAÇÃO DOS ALIMENTOS ATRAVÉS DE CO 2 DESINSECTAÇÃO DOS ALIMENTOS ATRAVÉS DE CO 2 WORKSHOP Refrigeração e Atmosferas modificadas em Arroz armazenado Oliveira de Azemeis (Portugal) 26 27 novembro 2008 GASIN - CARBUROS, grupo Air Products Mais

Leia mais

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo Estudo do Solo 1. Introdução O estudo e a caracterização dos parâmetros físicos e químicos do solo constituem uma metodologia de trabalho essencial na realização de levantamentos das comunidades vegetais,

Leia mais

Avaliação da Qualidade da Água e do Ar de Piscinas

Avaliação da Qualidade da Água e do Ar de Piscinas ENCONTRO TÉCNICO A QUALIDADE DA ÁGUA EM PISCINAS E EQUIPAMENTOS AFINS EFEITOS NA SAÚDE Avaliação da Qualidade da Água e do Ar de Piscinas Componente laboratorial MARIA HELENA REBELO IPQ - 6 Maio de 2015

Leia mais

II Seminário Iniciação Científica IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009.

II Seminário Iniciação Científica IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E ENZIMÁTICA EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE DESENVOLVIMENTO DA FRUTA DE UVAIEIRA (EUGENIA PYRIFORMIS CAMBESS), CULTIVADA NO TRIÂNGULO MINEIRO AZEVEDO, K.P. 1 ; GONÇALVES, C.A. 2 ; CIABOTTI,

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias SEGURANÇA ALIMENTAR Prevenir a presença de agentes patogénicos nos alimentos agentes biológicos microrganismos parasitas agentes tóxicos origem microbiana origem no

Leia mais

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail. A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.com (1) Faculdade de Castanhal FCAT, Castanhal PA, Brasil. RESUMO A

Leia mais

Orgão oficial da Sociedade Portuguesa de Biotecnologia \\SPBT\\ Número 78 \\ Setembro de 2004 \\ Edição Trimestral ISSN 1645-5878.

Orgão oficial da Sociedade Portuguesa de Biotecnologia \\SPBT\\ Número 78 \\ Setembro de 2004 \\ Edição Trimestral ISSN 1645-5878. Orgão oficial da Sociedade Portuguesa de Biotecnologia \\SPBT\\ Número 78 \\ Setembro de 2004 \\ Edição Trimestral ISSN 1645-5878 EM DESTAQUE Bioengenharia de Células Estaminais BOLETIM DE BIOTECNOLOGIA:

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

condições de higiene das embalagens bebidas

condições de higiene das embalagens bebidas condições de higiene das embalagens de bebidas ESTUDO CETEA/ITAL Lata de alumínio é vítima de mensagens falsas na internet Circularam pela Internet de tempos em tempos, nos últimos anos, mensagens com

Leia mais

Novosprodutoscárneos de origem ovina e caprina

Novosprodutoscárneos de origem ovina e caprina REUNIÃO da SPOC sobre o Tema "" Novosprodutoscárneos de origem ovina e caprina, Escola Superior Agrária, Centro de Investigação de Montanha, Instituto Politécnico de Bragança, Apt. 1172, 5301-855, Bragança,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP Mariane L. ESPERANDIO Discente FACULDADE DE TECNOLOGIA TECMED Mario A.VERGANI Discente

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

VIDA-DE-PRATELEIRA DE GOIABAS, CV. SASSAOKA, MINIMAMENTE PROCESSADAS E ARMAZENADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS 1

VIDA-DE-PRATELEIRA DE GOIABAS, CV. SASSAOKA, MINIMAMENTE PROCESSADAS E ARMAZENADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS 1 4 VIDA-DE-PRATELEIRA DE GOIABAS, CV. SASSAOKA, MINIMAMENTE PROCESSADAS E ARMAZENADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS FLÁVIA APARECIDA DE CARVALHO MARIANO 2, APARECIDA CONCEIÇÃO BOLIANI, LUIZ DE SOUZA CORRÊA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL LABOR TRÊS Nome Empresarial: LABOR TRÊS LABORATÓRIOS E CONSULTORIA TÉCNICA LTDA. CNPJ: 02.021.076/0001-29 Endereço: Av. Damasceno Vieira, 542 Bairro: Vila Mascote CEP: 04363-040 Cidade: São Paulo-SP Fone:

Leia mais

DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO. Soluções Concentradas para Hemodiálise

DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO. Soluções Concentradas para Hemodiálise DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO Soluções Concentradas para Hemodiálise ENQUADRAMENTO O INFARMED, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos;

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; MICRORGANISMOS E MEIO AMBIENTE Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; 1 Os microrganismos vivem em comunidades,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA. ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS,

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

BOLETIM DE ENSAIO - AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES

BOLETIM DE ENSAIO - AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES BOLETIM DE ENSAIO - AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES EDP Valor Setúbal Data de emissão: 27-Set-2010 Índice 1. Sumário... 4 2. Metodologia... 4 3. Avaliação da concentração de poluentes... 4 3.1.

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP)

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais