HEMOCULTURAS POSITIVAS DE PACIENTES DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL ESCOLA DE GOIÂNIA- GO, ENTRE 2010 E

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HEMOCULTURAS POSITIVAS DE PACIENTES DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL ESCOLA DE GOIÂNIA- GO, ENTRE 2010 E"

Transcrição

1 HEMOCULTURAS POSITIVAS DE PACIENTES DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL ESCOLA DE GOIÂNIA- GO, ENTRE 2 E 23* MÔNICA ALVES DE SOUSA, NALLIGIA MORGANA MEDEIROS, JOSÉ ROBERTO CARNEIRO, ALESSANDRA MARQUES CARDO- SO Resumo: a sepse é a principal causa de óbito em UTI, sendo o diagnóstico precoce fundamental, uma vez que a mesma evolui de forma rápida, frequentemente com sintomatologia inespecífica. Foram evidenciadas 17 hemoculturas positivas no período estudado, sendo recuperadas bactérias Gram positivas em 52,3% das amostras e Gram negativas em 47,7%. Staphylococcus coagulase negativa (23,5%) foi o microrganismo mais prevalente. Palavras-chave: Infecção hospitalar. Sepse. Hemocultura. UTI. As infecções hospitalares (IH) representam uma importante causa de morbidade e mortalidade em pacientes internados, particularmente aqueles em unidades de terapia intensiva (UTI), devido às características dos pacientes e dos procedimentos invasivos aos quais são submetidos (ALVES, 2). As IH figuram-se entre as seis principais causas de óbito no Brasil, juntamente com as doenças cardiovasculares, neoplasias, doenças respiratórias e doenças infecciosas (SACHA et al., 29). Estudos evidenciam que aproximadamente 5% das causas de morte em hospitais são devidos às IH (ALVES et al., 21). As UTI concentram os pacientes clínicos ou cirúrgicos mais graves da clientela hospitalar. Quase todos apresentam doenças ou condições clínicas predisponentes a infecções, sendo que muitos já se encontram colonizados ao serem admitidos na UTI e, quase todos, são submetidos a procedimentos invasivos ou imunossupressivos, com finalidade diagnóstica e/ou terapêutica, 627

2 628 alguns deles, realizados em condições de emergência, violando os tradicionais princípios de assepsia e antissepsia (MENEZES et al., 26). A sepse é a principal causa de óbito nas UTI, situando-se entre as principais causas de óbito nos Estados Unidos, com taxas variando de 2% a 8%, dependendo da definição utilizada. Dados sobre a incidência e evolução da sepse em UTI da América Latina, incluindo o Brasil, são raros. O Consenso Brasileiro de Sepse revela uma incidência de sepse e choque séptico de 27% e 23%, respectivamente (CARVALHO et al., 2). O diagnóstico de infecção em um paciente séptico é de fundamental importância. Embora nem sempre seja fácil detectar o foco primário, esta deve ser uma preocupação constante para o controle da sepse grave. A correta individualização do local primário do processo infeccioso possibilita a realização de exames específicos, que podem conduzir à identificação dos microrganismos responsáveis (RIGATTO et al., 21). O termo sepse refere-se à condição pela qual a resposta do hospedeiro frente ao agente infeccioso se manifesta, por meio de sinais e sintomas da doença, como a síndrome da resposta inflamatória sistêmica. De etiologia e níveis de comprometimento variados, a sepse pode ter evolução rápida e sintomatologia pouco específica, sendo o diagnóstico precoce difícil (ARAÚJO, 22). Do ponto de vista epidemiológico, os cocos Gram positivos têm emergido como os principais agentes recuperados nas hemoculturas, destacando-se Staphylococcus aureus, Staphylococcus coagulase negativa e Enterococcus spp. (FERNAN- DES et al., 21). Os microrganismos Gram negativos entéricos, tais como Escherichia coli, Klebsiella spp. e Enterobacter spp., são frequentemente associados à IH. Os bastonetes Gram negativos não fermentadores (BGN-NF) são raros na microbiota humana, sendo considerados patógenos oportunistas. Sua maior importância está relacionada com IH, onde representam em torno de 1% dos bastonetes Gram negativos isolados em espécimes clínicos. Apesar da diversidade de gêneros e espécies nesse grupo, os mais frequentemente envolvidos em caso de colonização/infecção são Pseudomonas aeruginosa, Acinetobacter baumannii, Stenotrophomonas maltophilia e o complexo Burkholderia cepacia (SANTOS, 26). O aumento do isolamento de fungos em amostras oriundas de pacientes de UTI, em particular Candida spp. Está re lacionado à utilização de antibióticos de amplo espectro, cateter venoso central, nutrição parenteral, hemodiálise e a administração de corticosteroides (MORAES; SANTOS, 2). É importante a coleta de amostras para a realização das culturas, pois estas constituem o principal meio de diagnóstico etiológico disponível na prática clínica. As hemoculturas têm papel primordial, pois na sepse pode haver microrganismos circulando na corrente sanguínea de forma contínua ou intermitente. Os microrganismos alcançam a circulação sanguínea a partir de um ou mais focos infecciosos, independente de sua localização e podem se instalar em outros tecidos, formando focos secundários. Entre 3% a 5% dos pacientes com sepse grave têm hemoculturas positivas (RIGATTO et al., 21). Dessa forma, o médico deve contar com uma cuidadosa avaliação clínica, bem como com o apoio laboratorial, incluindo a coleta de amostras para culturas, especialmente para as hemoculturas, com a finalidade de nortear o diagnóstico e a conduta clínica (VOTANO et al., 24).

3 A hemocultura é considerada um dos mais importantes exames laboratoriais no diagnóstico da sepse, embora ainda possa apresentar problemas inerentes às técnicas e resultados (CECCON et al., 1998). A coleta deve ser realizada preferencialmente antes do início da antibioticoterapia, em pacientes que apresentem quadro clínico sugestivo de infecção. A antissepsia adequada da pele é parte fundamental do processo, sendo o fator que determina a probabilidade de uma hemocultura positiva ser considerada contaminação ou infecção. As hemoculturas, preferencialmente, não devem ser coletadas a partir de cateter, exceto para diagnóstico de infecção relacionada ao dispositivo. Neste caso, a amostra obtida através do cateter deve ser sempre acompanhada por uma ou duas amostras de veia periférica, de forma sequencial ou concomitante, identificando corretamente as amostras quanto ao local de punção (ARAÚJO, 22). A interpretação de hemoculturas positivas é particularmente difícil devido ao fato de ocorrer possíveis contaminações durante a coleta do sangue. Assim, o diagnóstico da sepse tem sido realizado com base nos dados clínicos do paciente e no isolamento do mesmo microrganismo em duas ou mais hemoculturas (VOTANO et al., 24). Visando melhoria na adequação das políticas e práticas de prevenção e controle das infecções hospitalares, pesquisas para avaliar os principais indicadores referentes ao tema, como a taxa de IH, prevalência, tipos de infecções mais comuns, microrganismos envolvidos e perfil de suscetibilidade aos antimicrobianos destes agentes tornam-se extremamente relevantes (SACHA et al., 29). A partir dos dados obtidos é possível definir o perfil epidemiológico das infecções, os fatores de riscos e priorizar medidas de controle (ALVES, 2). Neste contexto, o objetivo desse estudo foi estabelecer a prevalência dos microrganismos isolados de hemoculturas de pacientes internados na unidade de terapia intensiva de um hospital escola de Goiânia-GO. MATERIAL E MÉTODOS O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, conforme Protocolo nº CEP-PUC Goiás. Trata- -se de um estudo retrospectivo, o qual foi desenvolvido por meio de consulta às informações armazenadas em banco de dados, tendo como fonte prontuários do sistema de informação do laboratório de análises clínicas de um hospital escola de Goiânia-GO. As amostras avaliadas foram hemoculturas realizadas pelo setor de microbiologia, cuja coleta de sangue fora precedida da requisição do médico responsável. Foram incluídas todas as amostras provenientes de pacientes da UTI e excluídas amostras de origem ambulatorial, ressaltando que a UTI do hospital pos sui 2 leitos e admite pacientes com idade superior a 15 anos em situação crítica ou semicrítica. As amostras foram obtidas por punção venosa periférica e arterial, realizada segundo as seguintes recomendações: 1) Foi realizada a higienização das mãos do profissional coletador com água e sabão; 2) removeram-se os lacres da tampa dos frascos de cultura e foi feita a desinfecção prévia nas tampas com álcool a 7%; 3) garroteou-se o braço do paciente e foi selecionada uma veia ou artéria adequada; 4) luvas estéreis foram utilizadas para a coleta e foi realizada a anti-sepsia da pele com álcool a 7% 629

4 de forma circular e de dentro para fora; 5) aplicou-se solução de clorexidina a 2% com movimentos circulares e de dentro para fora deixando secar por dois minutos antes de efetuar a coleta; 6) realizou-se a punção coletando a quantidade de sangue estabelecida para cada frasco do meio de cultura; 7) inoculou-se a amostra injetando, assepticamente, nos frascos com meio de cultura Hemocult I TSB (Laborclin) adulto. Os frascos permaneceram incubados a 35ºC por um período máximo de sete dias ou até detecção da positividade, os quais eram homogeneizados manualmente três vezes ao dia. A inspeção visual dos frascos era feita diariamente a partir de 6h as 12h à procura de sinais de hemólise, turbidez, produção de gás, bolhas, película de crescimento, grumos, etc. que podem ser sinais de positividade até o 7º dia. Todas as hemoculturas foram submetidas à subcultivos em ágar sangue de carneiro 5% a 35ºC e à bacterioscopia pelo método de Gram após os sete dias de incubação. Tanto os frascos de hemocultura como as placas de subcultivos, foram mantidos à temperatura de 35 ± 2ºC. A identificação do gênero e espécie das bactérias isoladas foi realizada através do equipamento semi-automatizado VITEK (Bio-Mérieux, Hazelwood, MO, EUA) utilizando-se os painéis de identificação de Gram positivo (GPI) e Gram negativo (GNI), de acordo com as recomendações técnicas do fabricante. Cepas padrão foram utilizadas, rotineiramente, com a finalidade de certificar a exatidão dos testes microbiológicos, garantindo assim a qualidade dos exames. A identificação de leveduras foi realizada após cultivo em ágar sabouraud e mycosel, à 35ºC e em temperatura ambiente, com leitura em até quinze dias. Após o crescimento foi realizado exame microscópico pela coloração de Gram e exame microscópico entre lâmina e lamínula com corante azul de lactofenol. RESULTADOS Das 2.21 hemoculturas realizadas em amostras de pacientes da UTI, de janeiro/2 a janeiro/23, no hospital escola em estudo, 2.4 foram negativas e 17 positivas. Dentre as hemoculturas positivas, em 89 foram isoladas bactérias Gram positivas, em 8 foram isoladas bactérias Gram negativas e em uma foi isolada levedura. Das 17 amostras positivas, 96 (56,47%) eram de pacientes do sexo masculino e 74 (43,53%) feminino. Os dados referentes à frequência das bactérias Gram positivas estão apresentados na tabela 1, sendo Staphylococcus coagulase negativa o microrganismo mais prevalente (23,5%), seguido de Staphylococcus aureus (21,15%), Enterococcus spp. (5,29%), Streptococcus spp. (1,76%) e Leuconostoc spp. (,6%). 63

5 Tabela 1: Prevalência de bactérias Gram positivas isoladas em hemoculturas de pacientes da UTI de um hospital escola de Goiânia-GO, de janeiro/2 a janeiro/23 Microrganismos isolados Sexo masculino Sexo feminino Amostras positivas N % Staphylococcus CN Staphylococcus aureus Enterococcus spp. Streptococcus spp. Leuconostoc spp ,5 21,15 5,29 1,76,6 Total ,3 Legenda: Staphylococcus CN= Staphylococcus coagulase negativa. A tabela 2 apresenta a frequência de bactérias Gram negativas e leveduras isoladas nas hemoculturas em estudo, sendo observados os seguintes resultados: Pseudomonas spp. (14,3%), Klebsiella pneumoniae (8,24%), Enterobacter spp. (5,29%), Stenotrophomonas maltophilia (4,71%), Acinetobacter baumannii (4,71%), Serratia spp. (4,71%), Escherichia coli (2,94%), Proteus mirabilis (1,71%), Burkholderia cepacia (,6%), Citrobacter freundii (,6%) e Candida spp. (,6%). Tabela 2: Prevalência de bactérias Gram negativas e leveduras isoladas em hemoculturas de pacientes da UTI de um hospital escola de Goiânia-GO, de janeiro/2 a janeiro/23 Microrganismos isolados Sexo masculino Sexo feminino Amostras positivas N % Pseudomonas spp. Klebsiella pneumoniae Enterobacter spp. S. maltophilia Serratia spp. Acinetobacter baumanni Escherichia coli Proteus mirabilis Burkholderia cepacia Citrobacter freundii Candida spp ,13 8,24 5,29 4,71 4,71 4,71 2,94 1,17,6,6,6 Total ,7 Legenda: S. maltophilia= Stenotrophomonas maltophilia. 631

6 DISCUSSÃO 632 A hemocultura é considerada um dos mais importantes exames laboratoriais para o auxílio no diagnóstico da sepse. Atualmente existem diversos equipamentos automatizados disponíveis no mercado para a realização de hemoculturas, os quais apresentam vantagens em relação às metodologias manuais, principalmente no que tange à rapidez dos resultados e à diminuição do trabalho técnico (ARAÚJO, 22). O tratamento de pacientes com infecção de corrente sanguínea representa um grande desafio, de forma que conhecimentos da epidemiologia e dos padrões de suscetibilidade dos isolados oriundos das hemoculturas auxiliam no manejo da sepse (FAL- AGAS et al., 26). O baixo número de hemoculturas positivas encontrado neste estudo pode ser justificado pela utilização da metodologia manual. Embora ainda utilizado, principalmente por razões de custo, o método manual pode apresentar baixa sensibilidade quando comparado aos métodos automatizados, pode ser mais trabalhoso, além de favorecer a possibilidade de contaminação das amostras examinadas e de acidentes operacionais durante o processamento e repiques sucessivos (subcultivos). A sensibilidade e a especificidade das hemoculturas podem ser afetadas pela técnica de coleta, gerando resultados falso-positivos ou falso-negativos (ARAÚJO, 22). Em relação à prevalência de microrganismos associados à sepse, em um estudo realizado no Brasil por MENEGUETTI et al. (24), foram encontrados os seguintes resultados de hemoculturas positivas: cocos Gram positivos (53,92%), bacilos Gram negativos não-fermentadores (17,6%), bacilos Gram negativos fermentadores (16,64%) e leveduras (4,88%). FALAGAS et al. (26), em estudo realizado no sul da Europa, sobre microrganismos isolados de hemoculturas, foi reportada uma frequência maior de Staphylococcus coagulase negativa (52,5%) do total das hemoculturas positivas, seguida por Escherichia coli (8,9%), Staphylococcus aureus (5,9%), Pseudomonas aeruginosa (5,2%), Klebsiella spp. (4,8%), Acinetobacter baumannii (4,1%), Enterococcus faecalis (2,2%) e Enterococcus faecium (1,8%). Em nosso estudo, bactérias Gram positivas foram recuperadas em 52,3% das hemoculturas positivas, sendo Staphylococcus coagulase negativa prevalente, N= 4 (23,5%), seguido de Staphylococcus aureus N= 36 (21,15%), Enterococcus spp. N= 9 (5,29%), Streptococcus spp. N= (1,76%) e Leuconostoc spp. N= (,6%). Staphylococcus coagulase negativa faz parte da microbiota autóctone humana, estando também relacionado a quadros infecciosos. Em alguns casos, esse microrganismo presente na pele pode ser coletado junto com o sangue do paciente, não estando associado a nenhum processo infeccioso, caracterizando a contaminação acidental do exame de hemocultura, gerando resultado falso positivo. Em outros casos, o microrganismo pode ser recuperado genuinamente de amostras de sangue, estando diretamente associado ao quadro de sepse (SILBERT et al., 1997). No Brasil, Staphylococcus aureus é o microrganismo mais frequentemente isolado em casos de IH (OLIVEIRA et al., 2). GARG et al. (27), em estudo retrospectivo, analisaram 2.4 hemoculturas e demonstraram que as bactérias Gram negativas (67,5%) foram mais frequentes que as

7 Gram positivas, sendo assim distribuídas: Pseudomonas aeruginosa (16,%), Salmonella spp. (14,2%), Acinetobacter spp. (12,6%), Escherichia coli (11,%), Klebsiella pneumoniae (7,3%) e Citrobacter spp. (5,%). Em nosso estudo, a prevalência de bactérias Gram negativas foi 47,1%, observando-se os seguintes resultados: Pseudomonas spp. 24 (14,3%), Klebsiella pneumoniae 14 (8,24%), Enterobacter spp. 9 (5,29%), Stenotrophomonas maltophilia 8 (4,71%), Acinetobacter baumannii 8 (4,71%), Serratia spp. 8 (4,71%), Escherichia coli 5 (2,94%), Proteus mirabilis (1,71%), Burkholderia cepacia (,6%) e Citrobacter freundii (,6%). Discordando dos resultados encontrados por GARG et al. (27), nosso estudo apontou o isolamento de bactérias Gram positivas em 52,3% das amostras, sendo Staphylococcus coagulase negativa o patógeno mais frequente, seguido pelos Gram negativos, com predomínio de Pseudomonas spp. e leveduras em apenas uma amostra (,6%). Esse achado possivelmente está relacionado à microbiota estabelecida no ambiente da UTI em estudo, microbiota essa que se torna prevalente em cada unidade hospitalar, podendo variar de um hospital para o outro, de acordo com as enfermidades e o perfil clínico dos pacientes atendidos. O presente estudo pode ser comparado ao de ALVES et al. (21), no qual foi verificada diversidade de isolamento bacteriano nos exames de hemocultura realizados. Os microrganismos encontrados nas hemoculturas avaliadas no trabalho destes autores foram semelhantes aos encontrados em nosso estudo, ou seja, Staphylococcus coagulase negativa foi prevalente, seguido por Staphylococcus aureus e Pseudomonas spp. CONCLUSÃO O baixo número de hemoculturas positivas encontrado neste estudo poderia ser justificado pela utilização da metodologia manual. Quanto aos microrganismos isolados, pode-se dizer que a frequência e evolução das infecções por Staphylococcus spp. em pacientes hospitalizados, especialmente em UTI, demonstra a necessidade de medidas profiláticas imediatas com o objetivo de impedir a disseminação desse fenômeno. No que tange às bactérias Gram negativas, a exemplo Pseudomonas spp. e Klebsiella spp., constituem importantes agentes de IH, sendo o rastreamento desses microrganismos no ambiente hospitalar fundamental para a identificação de fontes de contaminação. A prevenção e o controle das IH representam um desafio para todos envolvidos com os cuidados hospitalares, e o conhecimento da epidemiologia da sepse, reveste-se de fundamental importância, pois pode direcionar a adoção de medidas de controle e prevenção. POSITIVE BLOOD CULTURES IN INTENSIVE CARE UNIT PATIENTS AT A SCHOOL-HOSPITAL OF GOIÂNIA-GO, BETWEEN 2 AND 23 Abstract: sepsis is the first cause of death in the ICU, which is paramount in the earlier diagnosis, since it evolves quickly, often with unspecific symptoms. Were detected 17 positive blood cultures in the period studied, and isolated Gram-positive bacte- 633

8 ria (52.3%) and Gram-negative (47.7%), with predominance of coagulase-negative Staphylococcus (23.5%). Keywords: Nosocomial infection. Sepsis. Blood cultures. ICU. Referências 634 ALVES, C. Prevenção de infecção hospitalar em unidade de terapia intensiva neonatal, Unisa.br., v., p. 63-9, 2. ALVES, L. et al. Hemoculturas: estudo da prevalência dos microrganismos e o perfil de sensibilidade dos antibióticos utilizados em Unidade de Terapia Intensiva. Journal of the Health Sciences Institute, v. 3, p. 44-7, 21. ARAÚJO, M. R. E. Hemocultura: recomendações de coleta, processamento e interpretação dos resultados. Jornal Infect. Control., v. 1, n. 1, p. 8-19, 22. CARVALHO, R. H. D. et al. Sepse, sepse grave e choque séptico : aspectos clínicos, epidemiológicos e prognóstico em pacientes de Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Universitário. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 43, n. 5, p , 2. CECCON, M.; KREBS, V.; VAZ F. Sepse no período neonatal. Manual of Neonatal Care, p , FALAGAS, M. E. et al. Secular trends of antimicrobial resistance of blood isolates in a newly founded Greek hospital. BMC infectious diseases. 26 Jan;6 (October 2):99. FERNANDES, A. P. et al. Incidência Bacteriana em Hemoculturas no Hospital das Clínicas Samuel Libânio de Pouso Alegre - MG. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 2, p , 21. GARG, A. et al. Bacteriological Profile and Antimicrobial Resistance of Blood Culture Isolates from a University Hospital. Journal Indian Academy of Clinical Medicine, v. 8, n. 2, p , 27. MENEGHETTI, B. H. et al. Epidemiologia das infecções bacterianas e fúngicas diagnosticadas através de hemocultivos no Hospital Universitário de Santa Maria - HUSM, RS, Brasil. RBAC., v. 36, n.3, p , 24. MENEZES, E. A. et al. Antimicrobianos nas Unidades de Terapia Intensiva e Semi- Intensiva do Hospital Geral de Fortaleza. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 38, n. 2, p , 26. MENEZES, E. A. et al. Frequência e percentual de suscetibilidade de bactérias isoladas em pacientes atendidos na unidade de terapia intensiva do Hospital Geral de Fortaleza. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v. 43, n. 3, p , 27. MORAES, A., SANTOS, R. Infecções em UTI Geral de um Hospital Universitário. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 15, n. 35, p , 2. OLIVEIRA, G. A. et al. Characterization of the Brazilian endemic clone of methicillin-resistant Staphylococcus aureus (MRSA) from hospitals throughout Brazil. The Brazilian journal of infectious diseases: an official publication of the Brazilian Society of Infectious Diseases, v. 5, n. 4, p , aug./2. RIGATTO, O. et al. Diretrizes para tratamento da sepse grave/choque séptico abordagem do agente infeccioso - diagnóstico. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 23, n. 11, p , 21.

9 SACHA, P. et al. Perfil da Infecção Hospitalar em um Hospital Universitário. Revista de Enfermagem, v. 17, n. 1, p. 96-1, 29. SANTOS, L. F. Identificação de bastonetes gram negativos não fermentadores. Manual de microbiologia clínica, 4ªed., João Pessoa-PB, p , 26. SILBERT, S. et al. Staphylococcus sp. coagulase-negativa em hemoculturas de pacientes com menos de sessenta dias de idade: infecção versus contaminação. Jornal de Pediatria, v. 73, n , VOTANO, J.; PARHAM, M.; HALL, L. Incidência Bacteriana em Hemoculturas de Recém-nascidos e perfil de suscetibilidade frente aos antimicrobianos. Chemistry & amp., v. 5, p. 1-1, 24. *Recebido em: Aprovado em: MÔNICA ALVES DE SOUSA, NALLIGIA MORGANA MEDEIROS Discentes do curso de Biomedicina da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás). JOSÉ ROBERTO CARNEIRO Doutor e Mestre em Parasitologia, Professor Adjunto da PUC Goiás. brturbo.com.br. ALESSANDRA MARQUES CARDOSO Doutora e Mestre em Medicina Tropical e Saúde Pública Microbiologia (UFG), Biomédica (SES-GO), Professora Adjunta do Departamento de Biomedicina e Farmácia da PUC Goiás

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle.

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. INFORME TÉCNICO XXXVII Outubro 2010 Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. Definição de microorganismos multi-resistentes: São microrganismos resistentes

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR Definição: Infecção relacionada ao cateter: Isolamento de um mesmo microorganismo da ponta do cateter

Leia mais

COMPARAÇÃO DE AGENTES INFECCIOSOS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES AMBULATORIAIS VERSUS PACIENTES HOSPITALIZADOS

COMPARAÇÃO DE AGENTES INFECCIOSOS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES AMBULATORIAIS VERSUS PACIENTES HOSPITALIZADOS COMPARAÇÃO DE AGENTES INFECCIOSOS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES AMBULATORIAIS VERSUS PACIENTES HOSPITALIZADOS Freitas MAA 1, Kroll CM 2, Silveira GC 3, Morais WV 4, Giana HE 5, Beltrame N 6 Laboratório

Leia mais

PROTOCOLO PARA COLETA DE HEMOCULTURA

PROTOCOLO PARA COLETA DE HEMOCULTURA PARA COLETA 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO Descrever técnica correta para coleta de hemocultura e conduta frente a possíveis

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE MICRORGANISMOS E PERFIL DE SUSCEPTIBILIDADE ANTIMICROBIANA EM UROCULTURAS POSITIVAS DO LABORATÓRIO EVANGÉLICO DE ANÁPOLIS

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE MICRORGANISMOS E PERFIL DE SUSCEPTIBILIDADE ANTIMICROBIANA EM UROCULTURAS POSITIVAS DO LABORATÓRIO EVANGÉLICO DE ANÁPOLIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PREVALÊNCIA DE MICRORGANISMOS E PERFIL DE SUSCEPTIBILIDADE ANTIMICROBIANA EM UROCULTURAS POSITIVAS

Leia mais

PRINCIPAIS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE

PRINCIPAIS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE O QUE É INFECÇÃO HOSPITALAR? PRINCIPAIS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Atualmente, tem sido sugerida a

Leia mais

SUSCEPTIBILIDADE DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS

SUSCEPTIBILIDADE DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS SUSCEPTIBILIDADE DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS ALGARVE RELATÓRIO CUMULATIVO DE SUSCEPTIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA NO ALGARVE Objectivo Fornecer

Leia mais

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Introdução Em 1930 a D.G.S. aborda o problema Em 1974 vai a enf.franco Henriques ao grupo de trabalho do Conselho da Europa Em 1978 criada a 1ª CCI,no

Leia mais

RELATÓRIO CUMULATIVO DA SUSCETIBILIDADE DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS

RELATÓRIO CUMULATIVO DA SUSCETIBILIDADE DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS RELATÓRIO CUMULATIVO DA SUSCETIBILIDADE DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS ALGARVE RELATÓRIO CUMULATIVO DE SUSCETIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA NO ALGARVE

Leia mais

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Médico Assistente da Disciplina de Moléstias Infecciosas e Tropicais HC-FMRP-USP Médico da CCIH do Hospital Estadual de Ribeirão (HER) e HSP

Leia mais

INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DURANTE O SEGUNDO SEMESTRE DE 2010.

INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DURANTE O SEGUNDO SEMESTRE DE 2010. INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DURANTE O SEGUNDO SEMESTRE DE 2010. 1 FAVARIN, Simone S. 2 ; CAMPONOGARA, Silviamar 3 ;.WILHELM,

Leia mais

Bastonetes Gram Negativos Multi-Resistentes. SCIH Hospital Pró-Cardíaco Marisa Santos, Kátia Marie Senna, Giovanna Ferraiuoli.

Bastonetes Gram Negativos Multi-Resistentes. SCIH Hospital Pró-Cardíaco Marisa Santos, Kátia Marie Senna, Giovanna Ferraiuoli. Bastonetes Gram Negativos Multi-Resistentes SCIH Hospital Pró-Cardíaco Marisa Santos, Kátia Marie Senna, Giovanna Ferraiuoli. Origem dos dados: Hospital privado terciário com 88 leitos ativos 55% dos leitos

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES

Leia mais

PERFIL DE SENSIBILIDADE APRESENTADO POR BACTÉRIAS ISOLADAS DE CULTURAS DE SECREÇÃO TRAQUEAL

PERFIL DE SENSIBILIDADE APRESENTADO POR BACTÉRIAS ISOLADAS DE CULTURAS DE SECREÇÃO TRAQUEAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 PERFIL DE SENSIBILIDADE APRESENTADO POR BACTÉRIAS ISOLADAS DE CULTURAS DE SECREÇÃO TRAQUEAL Luzia Néri Machado 1, Cristane

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTINA DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA CLÍNICA. Palavras chaves: Isolamento, antimicrobianos, leite, resistência.

AVALIAÇÃO DA ROTINA DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA CLÍNICA. Palavras chaves: Isolamento, antimicrobianos, leite, resistência. AVALIAÇÃO DA ROTINA DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA CLÍNICA Crisan Smaniotto 1 ; Ediane Kuhn 2 ; Andieli Cristiane Nino 2 ; Diego Luiz Schröpfer 2 ; Milena Tomasi Bassani 3 Palavras chaves: Isolamento,

Leia mais

O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde

O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde Sandra Paulo Laboratório de Microbiologia Serviço de Patologia Clínica - CHCB Infeções associadas

Leia mais

Controvérsias: FIM da vigilância para MRSA, VRE, ESBL

Controvérsias: FIM da vigilância para MRSA, VRE, ESBL Controvérsias: FIM da vigilância para MRSA, VRE, ESBL M A R T A F R A G O S O I N F E C T O L O G I S T A / E P I D E M I O L O G I S T A G E R E N T E N G S A / E Q H O S P I T A I S V I T A M É D I C

Leia mais

DETECÇÃO PRECOCE E EVOLUÇÃO DA SEPSE NO HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA

DETECÇÃO PRECOCE E EVOLUÇÃO DA SEPSE NO HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA UNIMED PAULISTANA DETECÇÃO PRECOCE E EVOLUÇÃO DA SEPSE NO HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA Autores: Enf. Priscila Senna Mayrbaurl Enf. Izabela Tortoza Enf. Luciane Matos Torrano SEPSE Trata-se de uma síndrome

Leia mais

CONSENSO DE DIAGNÓSTICO MULTIRRESISTÊNCIA RECOMENDAÇÃO CONJUNTA DA AECIHERJ / SBPC. Marisa Santos Infectologista/Epidemiologista Presidente AECIHERJ

CONSENSO DE DIAGNÓSTICO MULTIRRESISTÊNCIA RECOMENDAÇÃO CONJUNTA DA AECIHERJ / SBPC. Marisa Santos Infectologista/Epidemiologista Presidente AECIHERJ CONSENSO DE DIAGNÓSTICO MULTIRRESISTÊNCIA RECOMENDAÇÃO CONJUNTA DA AECIHERJ / SBPC Marisa Santos Infectologista/Epidemiologista Presidente AECIHERJ Participaram da elaboração: Jorge Sampaio - Laboratório

Leia mais

Infecções por Gram Positivos multirresistentes em Pediatria

Infecções por Gram Positivos multirresistentes em Pediatria Infecções por Gram Positivos multirresistentes em Pediatria FABIANE SCALABRINI PINTO JUNHO DE 2017 Principais tópicos Importância dos Gram positivos nas infecções pediátricas Fatores relacionados à resistência

Leia mais

Análise dos casos de meningites em residentes do município do Rio de Janeiro, 2014.

Análise dos casos de meningites em residentes do município do Rio de Janeiro, 2014. Análise dos casos de meningites em residentes do município do Rio de Janeiro, 14. Foram notificados 928 casos suspeitos de meningite em residentes do município do Rio de Janeiro (MRJ) em 14 (início dos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

INCIDÊNCIA E PERFIL DE SUSCEPTIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DE MICRORGANISMOS ISOLADOS EM HEMOCULTURAS EM UM HOSPITAL ESCOLA DO OESTE DO PARANÁ

INCIDÊNCIA E PERFIL DE SUSCEPTIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DE MICRORGANISMOS ISOLADOS EM HEMOCULTURAS EM UM HOSPITAL ESCOLA DO OESTE DO PARANÁ V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INCIDÊNCIA E PERFIL DE SUSCEPTIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DE MICRORGANISMOS ISOLADOS EM HEMOCULTURAS EM UM HOSPITAL

Leia mais

INDICADORES DE RESULTADOS

INDICADORES DE RESULTADOS INDICADORES DE RESULTADOS INQUÉRITO DE PREVALÊNCIA DE INFECÇÃO HOSPITAL SÃO MARCOS - BRAGA JUNHO DE 2006 as Jornadas Nacionais Controlo de Infecção Maio 2007 CCI - HSM MISSÃO Promover a segurança dos doentes

Leia mais

Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais

Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais Maria Teresa Neto Hospital Dona Estefânia Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Coordenadora do Programa de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Antibióticos. O impacto causado pelo mau uso no desenvolvimento de resistência bacteriana. Caio Roberto Salvino

Antibióticos. O impacto causado pelo mau uso no desenvolvimento de resistência bacteriana. Caio Roberto Salvino Antibióticos O impacto causado pelo mau uso no desenvolvimento de resistência bacteriana Caio Roberto Salvino Laboratório Saldanha Hospital Nossa Senhora dos Prazeres SBAC-SC Resistência Bacteriana Problema

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Introdução Questão 1 Questão 2 DESAFIOS DO TESTE DE SENSIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS Antônia Maria de Oliveira Machado. Médica, Patologista Clínica, Microbiologia, Doutora em Medicina.

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Infecções Respiratórias Bacterianas Pesquisa de antígenos urinários Caio Mendes Consultor Médico em Microbiologia i Clínica Grupo de Consultoria em

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

Contaminação do material de enfermagem em contexto domiciliário

Contaminação do material de enfermagem em contexto domiciliário SEMINÁRIO - Infeções Associadas aos Cuidados de Saúde (IACS) Contaminação do material de enfermagem em contexto domiciliário Cristina Fernandes CCI ACES Pinhal Litoral Coimbra, 2013 Comissão de Controlo

Leia mais

Prof. Deise Laura Cocco Microbiologia Cursos da Saúde BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE

Prof. Deise Laura Cocco Microbiologia Cursos da Saúde BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE Prof. Deise Laura Cocco Microbiologia Cursos da Saúde BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE MICROBIOTA NORMAL O corpo humano é continuamente habitado por vários microrganismos diferentes, em

Leia mais

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCC DATA DO ENPI A GENERAL INFORMATION ABOUT THE FACILITY

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCC DATA DO ENPI A GENERAL INFORMATION ABOUT THE FACILITY Infecção associada a cuidados de saúde, resistência antimicrobiana, uso de antibióticos e recursos para controlo de infecção em unidades de cuidados continuados Anexo V - QUESTIONÁRIO INSTITUCIONAL Nota:

Leia mais

A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E O APOIO ÀS NECESSIDADES BÁSICAS DA FAMILIA

A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E O APOIO ÀS NECESSIDADES BÁSICAS DA FAMILIA Pós-Graduação Saúde A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E O APOIO ÀS NECESSIDADES BÁSICAS DA FAMILIA Gláucio Jorge de Souza glauciojsouza@ig.com.br Ana Lúcia Santana Maria Belém

Leia mais

SUPERBACTÉRIAS: UM PROBLEMA EMERGENTE

SUPERBACTÉRIAS: UM PROBLEMA EMERGENTE SUPERBACTÉRIAS: UM PROBLEMA EMERGENTE Yasmim de Souza; Kely Raiany Araujo da Costa; Prof Ms.Silvana Barbosa Santiago. yaasmimsouza@gmail.com; kellyraianny@outlook.com; silvanasantiago@unifan.edu.br Instituto

Leia mais

Perfil epidemiológico das infecções hospitalares por bactérias multidrogarresistentes em um hospital do norte de Minas Gerais

Perfil epidemiológico das infecções hospitalares por bactérias multidrogarresistentes em um hospital do norte de Minas Gerais PUBLICAÇÃO OFICIAL DO NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL SANTA CRUZ E PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DA SAÚDE - DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E FARMÁCIA DA UNISC ISSN 2238-3360 Ano III -

Leia mais

Sepse por Klebsiella pneumoniae - Revisão de 28 casos

Sepse por Klebsiella pneumoniae - Revisão de 28 casos Sepse por Klebsiella pneumoniae - Revisão de 28 casos Ana M. U. Escobar, Solange S. Rocha, Sérgio Sztajnbok, Adriana P. Eisencraft, Sandra J.F E. Grisi J pediatr (Rio J) 1996;72(4):230-234 Introdução A

Leia mais

INFECÇÃO NO TRATO URINÁRIO ASSOCIADO AO CATETERISMO VESICAL: UMA ABORDAGEM DA ENFERMAGEM

INFECÇÃO NO TRATO URINÁRIO ASSOCIADO AO CATETERISMO VESICAL: UMA ABORDAGEM DA ENFERMAGEM INFECÇÃO NO TRATO URINÁRIO ASSOCIADO AO CATETERISMO VESICAL: UMA ABORDAGEM DA ENFERMAGEM Raysa Maria Liberalino Ferreira de Souza 1 ; Cristiano Lucas de Farias 2 ; Giuseph Marques Alexandre 3 ; Jaine Roberta

Leia mais

A urina é constituída por uréia e outras substâncias químicas orgânicas e inorgânicas dissolvidas em água. Podem ocorrer grandes variações na

A urina é constituída por uréia e outras substâncias químicas orgânicas e inorgânicas dissolvidas em água. Podem ocorrer grandes variações na A urina é constituída por uréia e outras substâncias químicas orgânicas e inorgânicas dissolvidas em água. Podem ocorrer grandes variações na concentração dessas substâncias, devido à influências de fatores

Leia mais

Cadernos da Escola de Saúde INCIDÊNCIA DE BACILOS GRAM-NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DE GLICOSE ISOLADOS DE HEMOCULTURAS DE PACIENTES ONCOLÓGICOS

Cadernos da Escola de Saúde INCIDÊNCIA DE BACILOS GRAM-NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DE GLICOSE ISOLADOS DE HEMOCULTURAS DE PACIENTES ONCOLÓGICOS Cadernos da Escola de Saúde ISSN 1984 7041 INCIDÊNCIA DE BACILOS GRAM-NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DE GLICOSE ISOLADOS DE HEMOCULTURAS DE PACIENTES ONCOLÓGICOS INCIDENCE OF NON-FERMENTING GRAM NEGATIVE

Leia mais

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Infecções Hospitalares do Estado de São Paulo Análise dos dados de 2005

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Infecções Hospitalares do Estado de São Paulo Análise dos dados de 2005 Rev Saúde Pública 2007;41(4):674-683 Informes Técnicos Institucionais Technical Institutional Reports Divisão de Infecção Hospitalar do Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac. Coordenadoria

Leia mais

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES 10º Encontro de Higienização e Lavanderia AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES CONTROLE MICROBIOLÓGICO NO PROCESSO DE LAVAGEM DE ROUPAS HOSPITALARES AVALIAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS

Leia mais

PESQUISA DE BACILOS GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES PRESENTE EM TORNEIRAS DE UM HOSPITAL PRIVADO DO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA, RJ

PESQUISA DE BACILOS GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES PRESENTE EM TORNEIRAS DE UM HOSPITAL PRIVADO DO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA, RJ PESQUISA DE BACILOS GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES PRESENTE EM TORNEIRAS DE UM HOSPITAL PRIVADO DO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA, RJ Carlos Alberto Sanches Pereira 1. Josely Alvarenga 2, Aline Luiza de

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria Infectologista e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada 14/04/2015 13:19 1 O QUE É USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Atualizado em Agosto/2014 PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR 1- FATORES PREDISPONENTES Individuais Relacionados à cateterização vascular - Idade - Gravidade da doença de base -

Leia mais

das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: características clínicas e microbiológicas

das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: características clínicas e microbiológicas GISELE MADEIRA DUBOC DE ALMEIDA Rhodotorula spp. isoladas de hemocultura no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: características clínicas e microbiológicas Tese

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA EFICÁCIA IMEDIATA DE TRÊS AGENTES ANTI-SÉPTICOS UTILIZADOS NA DEGERMAÇÃO DAS MÃOS

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA EFICÁCIA IMEDIATA DE TRÊS AGENTES ANTI-SÉPTICOS UTILIZADOS NA DEGERMAÇÃO DAS MÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA EFICÁCIA IMEDIATA DE TRÊS AGENTES ANTI-SÉPTICOS UTILIZADOS NA

Leia mais

PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ADQUIRIDA NO HOSPITAL E DO USO DE ANTIMICROBIANOS NOS HOSPITAIS PORTUGUESES

PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ADQUIRIDA NO HOSPITAL E DO USO DE ANTIMICROBIANOS NOS HOSPITAIS PORTUGUESES Departamento da Qualidade na Saúde PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ADQUIRIDA NO HOSPITAL E DO USO DE ANTIMICROBIANOS NOS HOSPITAIS PORTUGUESES INQUÉRITO 2012 Abril 2013 AUTORES: Elaine Pina Coordenadora do Programa

Leia mais

Bactérias não-fermentadoras

Bactérias não-fermentadoras Universidade Estadual do Oeste do Paraná Centro de Ciências Médicas e Farmacêuticas Especialização em Microbiologia Aplicada II Bactérias não-fermentadoras Profª. Graziela Braun Bactérias não-fermentadoras

Leia mais

Relatório. Inquérito de Prevalência de. Infeção Programa Nacional de Prevenção e. Controlo da Infeção Associada aos Cuidados.

Relatório. Inquérito de Prevalência de. Infeção Programa Nacional de Prevenção e. Controlo da Infeção Associada aos Cuidados. Relatório Inquérito de Prevalência de Infeção 2010 Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infeção Associada aos Cuidados de Saúde Autores Elaine Pina Goreti Silva Etelvina Ferreira Departamento da

Leia mais

Cultura microbiológica do leite na fazenda: uma nova ferramenta para o diagnóstico de mastite

Cultura microbiológica do leite na fazenda: uma nova ferramenta para o diagnóstico de mastite sanidade Texto: Susana N. de Macedo Cristina S. Cortinhas Marcos V. dos Santos Cultura microbiológica do leite na fazenda: uma nova ferramenta para o diagnóstico de mastite O tratamento para os casos de

Leia mais

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem Introdução: Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem causar infecções em pacientes suscetíveis, tais como pacientes em Unidades de Terapia Intensiva, portadores

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ELIMINAÇÃO DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES (BMR) USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS

PLANO ESTADUAL DE ELIMINAÇÃO DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES (BMR) USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS 2016 PLANO ESTADUAL DE ELIMINAÇÃO DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES (BMR) USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS Uso racional de antimicrobianos Luis Gustavo Oliveira Cardoso, Milton Lapchik, Thaís Guimarães, Valquíria

Leia mais

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Guarda Junho 2015 Arminda Jorge Particularidades na criança Prematuridade Alteração da barreira cutânea Imunodepressão Ambientes

Leia mais

Unidade de Terapia Intensiva

Unidade de Terapia Intensiva Cristiane Uyeno Enfermeira Coordenadora do CC e CME Hospital do Idoso Zilda Arns. Especialista em CC e CME - Instituto São Camilo; Especialista em Gestão Empresarial da Saúde - PUCPR; Coordenadora do grupo

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE

REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE Autores: Enf. Izabela Tortoza Enf. Luciane Torrano Dr. Marcelo Nunes Superintendência de Recursos Próprios O QUE

Leia mais

SEPSE Como reduzir morbimortalidade? Camila Almeida Médica Infectologista Infectologia/Controle de Infecção Hospitalar HMSJ

SEPSE Como reduzir morbimortalidade? Camila Almeida Médica Infectologista Infectologia/Controle de Infecção Hospitalar HMSJ SEPSE Como reduzir morbimortalidade? Camila Almeida Médica Infectologista Infectologia/Controle de Infecção Hospitalar HMSJ DEFINIÇÕES SEPSE SIRS * + foco infeccioso Mortalidade 20-40% SEPSE GRAVE Sepse

Leia mais

Módulo I: Processos Patológicos Gerais (108

Módulo I: Processos Patológicos Gerais (108 Semana Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Turn Unidades Curiculares Seg Ter Qua Qui Sex o 3 4 5 6 7 Módulo I: Processos Patológicos Gerais ( horas) Profª.

Leia mais

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde 09 Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde - Rede RM Relatório da resistência microbiana em infecções primárias

Leia mais

PURELL ADVANCED Foam Antisséptico para Mãos

PURELL ADVANCED Foam Antisséptico para Mãos Fórmula 9870-532 PURELL ADVANCED Green Certified Instant Hand Sanitizer Foam PURELL ADVANCED Espuma Alcoólica Antisséptica para Mãos FICHA TÉCNICA Indicação: Antisséptico para as mãos, utilizado para reduzir

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Resistência bacteriana em trabalhadores de um hospital veterinário

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Resistência bacteriana em trabalhadores de um hospital veterinário ALMEIDA, L.P., ROSSI, D.A. e CARRIJO, K.F. Resistência bacteriana em trabalhadores de um hospital veterinário. PUBVET, Londrina, V. 4, N. 15, Ed. 120, Art. 809, 2010. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária

Leia mais

Diagnóstico bacteriológico de diversas patologias de cães e gatos e verificação da suscetibilidade a antimicrobianos

Diagnóstico bacteriológico de diversas patologias de cães e gatos e verificação da suscetibilidade a antimicrobianos Diagnóstico bacteriológico de diversas patologias de cães e gatos e verificação da suscetibilidade a antimicrobianos Marília Scartezzini Denise de Moura Cordova Diane Alves de Lima Jeniffer Carolina Jaques

Leia mais

PREVALÊNCIA DE INFECÇÕES EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA E NEONATAL

PREVALÊNCIA DE INFECÇÕES EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA E NEONATAL PREVALÊNCIA DE INFECÇÕES EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA E NEONATAL PREVALÊNCIA DE INFECÇÕES EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA E NEONATAL Prevalence of infection in a pediatric

Leia mais

3/23/17. https://www.ted.com/talks/maryn_mckenna_what_do_we_do_whe n_antibiotics_don_t_work_any_more?language=en

3/23/17. https://www.ted.com/talks/maryn_mckenna_what_do_we_do_whe n_antibiotics_don_t_work_any_more?language=en https://www.ted.com/talks/maryn_mckenna_what_do_we_do_whe n_antibiotics_don_t_work_any_more?language=en 1 Escherichia, Klebsiella, Proteus Thomas Hänscheid Definições e terminologia Enterobacteriaceae

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA Ano/Semestre: 2006/1 CURSO: Medicina DEPARTAMENTO: Microbiologia e Parasitologia

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECCÇÃO ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL / CVC. Data Versão/Revisões Descrição Autor

PREVENÇÃO DE INFECCÇÃO ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL / CVC. Data Versão/Revisões Descrição Autor 1 de 9 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial FP, MTS, SRPT 1 Objetivo: Prevenir infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central ()

Leia mais

REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS

REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos Processos sistêmicos conhecidos desde tempos

Leia mais

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Quais são os principais agentes da meningite? Etiologia meningites Brasil 2007-2010 (fonte: SINAN) Etiologia

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE - PCI NORMA Nº 709

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE - PCI NORMA Nº 709 Página: 1/9 1- OBJETIVO Definir as ações pertinentes ao controle de infecções associadas aos cuidados de saúde na instituição. 2- DEFINIÇÕES 2.1- Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Por

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADESÃO ÀS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO RELACIONADAS A CATETERES ENTRE PROFISSIONAIS DE SAUDE DE HOSPITAIS DE MARINGÁ PR

AVALIAÇÃO DA ADESÃO ÀS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO RELACIONADAS A CATETERES ENTRE PROFISSIONAIS DE SAUDE DE HOSPITAIS DE MARINGÁ PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DA ADESÃO ÀS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO RELACIONADAS A CATETERES ENTRE PROFISSIONAIS DE SAUDE DE

Leia mais

Microbiota das mãos de mães e de profissionais de saúde de uma maternidade de Goiânia

Microbiota das mãos de mães e de profissionais de saúde de uma maternidade de Goiânia Artigo Original Microbiota das mãos de mães e de profissionais de saúde de uma maternidade de Goiânia Hand microbiota of mothers and healthcare workers of an obstetric hospital in Goiânia Microbiota de

Leia mais

BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA. Profa. Dra. Teresinha Covas

BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA. Profa. Dra. Teresinha Covas BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA Profa. Dra. Teresinha Covas Introdução Controle de Infecção Hospitalar; Qualidade dos profissionais; Área Suja (críticas) potencialmente

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO NOSOCOMIAL

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO NOSOCOMIAL INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO NOSOCOMIAL DEFINIÇÃO A infecção de trato urinário (ITU) nosocomial é definida como qualquer ITU relacionada a procedimento urológico ou ITU diagnosticada após a admissão em serviço

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PLANO DE CURSO. Permitir ao aluno desenvolver as seguintes habilidades:

Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PLANO DE CURSO. Permitir ao aluno desenvolver as seguintes habilidades: CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Código: ENF-219 Pré-requisito:

Leia mais

Infecção Nosocomial em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal

Infecção Nosocomial em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal 1 Universidade de Brasília Faculdade de Ceilândia Curso de Graduação em Enfermagem Infecção Nosocomial em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal Isabela Fernanda Barreto de Oliveira Brasília 2013 1 2 Universidade

Leia mais

Epidemiologia das infecções de corrente sangüínea. de origem hospitalar em hospital de assistência. terciária, São Paulo, Brasil

Epidemiologia das infecções de corrente sangüínea. de origem hospitalar em hospital de assistência. terciária, São Paulo, Brasil Patricia Rodrigues Naufal Spir Epidemiologia das infecções de corrente sangüínea de origem hospitalar em hospital de assistência terciária, São Paulo, Brasil Dissertação apresentada a Faculdade de Medicina

Leia mais

AVALIAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA ENTRE O CHROMAGAR E OS MEIOS USUAIS DE ANÁLISE MICROBIOLÓGICA

AVALIAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA ENTRE O CHROMAGAR E OS MEIOS USUAIS DE ANÁLISE MICROBIOLÓGICA AVALIAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA ENTRE O CHROMAGAR E OS MEIOS USUAIS DE ANÁLISE MICROBIOLÓGICA Luiz Antônio Ximenes RESUMO O meio de cultura cromogênico é um meio que possuem na sua formulação uma série

Leia mais

GÉIS CONDUTORES E LUBRIFICANTES

GÉIS CONDUTORES E LUBRIFICANTES GÉIS CONDUTORES E LUBRIFICANTES Sumário Os géis condutores e os lubrificantes de dispositivos médicos são produtos usados rotineiramente na prática clínica. Apesar de se saber que muitas das infecções

Leia mais

Prevalência de infecções hospitalares em um hospital geral de alta complexidade no município de Ponta Grossa

Prevalência de infecções hospitalares em um hospital geral de alta complexidade no município de Ponta Grossa Acta Scientiarum http://www.uem.br/acta ISSN printed: 1679-9291 ISSN on-line: 1807-8648 Doi: 10.4025/actascihealthsci.v34i1.8943 Prevalência de infecções hospitalares em um hospital geral de alta complexidade

Leia mais

PROTOCOLOS PARA O RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE E CONSCIENTIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS

PROTOCOLOS PARA O RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE E CONSCIENTIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS PROTOCOLOS PARA O RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE E CONSCIENTIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS PROTOCOLS FOR EARLY RECOGNITION OF SEPSIS AND AWARENESS PROFESSIONALS CFM* * Conselho Federal de Medicina. Palavras-chave

Leia mais

Rotinas Gerenciadas. Departamento Materno Infantil. Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Rotinas Gerenciadas. Departamento Materno Infantil. Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Rotinas Gerenciadas Departamento Materno Infantil Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Prevenção doença estreptocócica neonatal Versão eletrônica atualizada em Outubro 2007

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO IRAS PAINEL GERAL O risco de um passageiro morrer numa viagem aérea é de cerca de um em dez milhões

Leia mais

Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC

Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC Hospital Santa Isabel 22.900m² de área construída. N total de leitos: 250. 20 leitos provisórios

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR ASSOCIADA A CATETER VESICAL

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR ASSOCIADA A CATETER VESICAL PREVENÇÃO ASSOCIADA A CATETER VESICAL INSTALAÇÃO DO CATETER VESICAL 1. Realizar primeiramente rigorosa higiene da genitália externa com água e sabão, utilizando luvas de procedimento. Higiene feminina:

Leia mais

Uma simples técnica para detectar metrite

Uma simples técnica para detectar metrite Uma simples técnica para detectar metrite Stephanie Stella, Anne Rosi Guadagnin, Angelica Petersen Dias, and Dr. Phil Cardoso Não existem dúvidas que o parto é uma situação estressante para a vaca e seu

Leia mais

Orientações Programáticas

Orientações Programáticas Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistências aos Antimicrobianos Orientações Programáticas 1 - Enquadramento As infeções associadas aos cuidados de saúde dificultam o tratamento adequado

Leia mais

Simone Suplicy Vieira Fontes

Simone Suplicy Vieira Fontes Simone Suplicy Vieira Fontes Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Perfil etiológico e terapêutico da meningite bacteriana aguda: contribuindo para a vigilância dos serviços de saúde

Perfil etiológico e terapêutico da meningite bacteriana aguda: contribuindo para a vigilância dos serviços de saúde 140 Perfil etiológico e terapêutico da meningite bacteriana aguda: contribuindo para a vigilância dos serviços de saúde Aurigena A. A. Ferreira 1 Maria do Socorro C. F. Alves 2 Luiz Alberto Marinho 3 Resumo

Leia mais

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ÁGUA E ALIMENTOS 1

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ÁGUA E ALIMENTOS 1 DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ÁGUA E ALIMENTOS 1 TERMOS CORRESPONDENTES : Doenças Transmitidas por Água e Alimentos (DTAs); Doenças Veiculadas por Água e Alimentos; Enfermidades Veiculadas por Água e Alimentos;

Leia mais

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCCI. NÚMERO DE ESTUDO DA UCCI PROPRIETÁRIO DA UCCI Privado Público Sem fins lucrativos

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCCI. NÚMERO DE ESTUDO DA UCCI PROPRIETÁRIO DA UCCI Privado Público Sem fins lucrativos Infeção associada a cuidados de saúde, resistência antimicrobiana, uso de antibióticos e recursos para controlo de infeção em unidades de cuidados continuados QUESTIONÁRIO INSTITUCIONAL Nota: Cada Unidade

Leia mais

FARMÁCIA CODIGO DISCIPLINA TEÓRICA

FARMÁCIA CODIGO DISCIPLINA TEÓRICA UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro IMPPG - Instituto de Microbiologia Paulo de Góes Curso: Farmácia Professor Responsável: Maria Helena da Silva Carga Horária: 180h Período de realização: 2011.1

Leia mais

Infecções por Bacterias Multiresistentes a Antimicrobianos: Medidas de Controle

Infecções por Bacterias Multiresistentes a Antimicrobianos: Medidas de Controle Infecções por Bacterias Multiresistentes a Antimicrobianos: Medidas de Controle Tigeciclina e Polimixina B, Glicopeptídeos S. aureus Acinetobacter spp. Enterobacter spp. Carbapenêmicos K. pneumoniae Carbapenêmicos

Leia mais

ANÁLISE DE CELULARES COMO FATOR DE RISCO PARA INFECÇÕES

ANÁLISE DE CELULARES COMO FATOR DE RISCO PARA INFECÇÕES ANÁLISE DE CELULARES COMO FATOR DE RISCO PARA INFECÇÕES Marcelo Augusto Feitosa Oliveira (1); Daniela Pontes Andrade Lima Vital (2) (1) Graduando em Biomedicina, Faculdade Maurício de Nassau, marcelo16augusto@hotmail.com;

Leia mais

Exame Bacteriológico de Secreções Vulvares em Matrizes Suínas

Exame Bacteriológico de Secreções Vulvares em Matrizes Suínas Exame Bacteriológico de Secreções Vulvares em Matrizes Suínas Bacteriological Examination of Vulval Discharges in Sows Schenkel, André C. - Graduado do Curso de Medicina Veterinária, ano 2004 1, Universidade

Leia mais

Vigilância Epidemiológica

Vigilância Epidemiológica Vigilância Epidemiológica Vigilância NNIS Investigação e Prevenção de Infecção e Eventos Adversos Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Agência Nacional Vigilância Epidemiológica Definição

Leia mais

Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos

Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos QUESTÕES PARA AS PROVAS; CONTEÚDO DAS AULAS; HORÁRIO DE ATENDIMENTO ON-LINE; blog do professor: http://chicoteixeira.wordpress.com As Enterobacteriaceae

Leia mais

Oliveira Angélica rocha 3 ; Machado Karine Cáceres 2 ; Pereira Simone Barbosa 3 RESUMO 1.INTRODUÇÃO

Oliveira Angélica rocha 3 ; Machado Karine Cáceres 2 ; Pereira Simone Barbosa 3 RESUMO 1.INTRODUÇÃO INFECÇÃO HOSPITALAR E SUA CONEXÀO NO CONTEXTO DO USO IRRACIONAL DE ANTIMICROBIANOS, ALIADO A MEDIDAS DE TRANSMISSÃO E PREVENÇÃO DE DOENÇAS INFECCIOSAS EM UNIDADE HOSPITALAR 1. Oliveira Angélica rocha 3

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA Lucas Moreira Alves 1 Thales Aníbal Leite Barros Agostinho 2 André Luiz Pinheiro de Menezes 3 1 Introdução/ Desenvolvimento Para a equipe de saúde permanece incerta

Leia mais

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta FIBRILAÇÃO ATRIAL NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CIRURGIA CARDÍACA COM CIRCULAÇÃO EXTRA-CORPÓREA. Avaliação de fatores pré-operatórios predisponentes e evolução médio prazo. Marcos Sekine Enoch Meira João

Leia mais

Projeto. Implantação da Rede Nacional de Monitoramento Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Projeto. Implantação da Rede Nacional de Monitoramento Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Projeto Implantação da Rede Nacional de Monitoramento Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Propostas dos I e II Seminário de Gerenciamento de Informação sobre Resistência Microbiana I - RESUMO EXECUTIVO

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE SURTO

INVESTIGAÇÃO DE SURTO INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE ORIGEM HOSPITALAR Dra Dominique Thielmann Infectologista Coordenação da CCIH do Hospital Pró Cardíaco RJ Serviço de Doenças Infectoparasitárias HUPE / UERJ Laboratório DASA RJ

Leia mais