Cateter Venoso Farmacológico e Contaminação Microbiana. Dra. Cristhieni Rodrigues

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cateter Venoso Farmacológico e Contaminação Microbiana. Dra. Cristhieni Rodrigues"

Transcrição

1 Cateter Venoso Farmacológico e Contaminação Microbiana Dra. Cristhieni Rodrigues

2 Uso de Cateteres Intravasculares Prática Médica São essenciais e indiscutíveis: - Administração de medicamentos e fluídos - Infusão de sangue e hemoderivados - Nutrição parenteral - Hemodiálise - Monitorização hemodinâmica Aumento do seu uso (hospitalar - assistência domiciliar) EUA: mais de 5 milhões de cateteres ano Infecção relacionada a CVC /ano

3 Infecção Relacionada a Cateter Intravascular Epidemiologia Alta Incidência 10% to 40% Fonte de Bacteremia em UTI 87% Mortalidade Atribuída 13% to 25% Permanência Hospitalar 5 a 20 dias Custos Atribuídos $34,000 to $56,000 Wey et al. Arch Intern Med 1988; Voss et al. Infection 1997 Pelz et al. J Int Care Med 2000; Blot et al. Am J Med 2002

4 Infecção Relacionada a Cateter Intravascular Epidemiologia Fisiopatogenia e Fatores de Risco Medidas de Prevenção

5 Infecção Relacionada a Cateter Intravascular Fisiopatogenia (60%) (1%) Microbiota da pele do paciente Mãos dos profissionais de saúde Fluídos contaminados Foco a distância

6 Infecção Relacionada a Cateter Intravascular Colonização - Biofilme Reação Hospedeiro X Superfície do cateter Formação de micro ecossistemas Aderência de micro-organismos Proteínas do hospedeiro Cateter Formação é rápida (24 horas) Proteção contra o sistema imune e a ação de antimicrobianos Dificuldade no tratamento Cateter biocompatíveis Menor aderência de micro-organismos

7 Infecção Relacionada a Cateter Intravascular Fatores de Risco Cateterização prolongada Material do cateter Número de lúmens Sítio de inserção Tipo de curativo Número de manipulação Predisposição do hospedeiro Experiência do profissional Prevenção Educação dos p. de saúde (1A) Higienização das mãos (1A) Técnica asséptica na inserção (1A) Uso de antisséptico na inserção (1A) Desinfecção com álcool a 70% (1A) Técnica asséptica na troca do curativo (1A) Uso de cateter farmacológico (1A)

8 Cateteres Farmacológicos Antissépticos/Antimicrobianos Introduzidos na prática médica na década de 80 Várias apresentações: - Cateteres de 1ª. e 2ª. Geração - Diferentes fármacos: - clorexidina/sulfadiazina prata - rifampicina/minociclina - rifampicina/miconazol - Cefazolina - Glicopeptídeos - Íons prata Tempo de ação é curto (maioria até 10 dias) Estudos controversos Recomendações para populações e situações específicas

9 Sociedades Científicas Internacionais Manuais de Prevenção ICS-RC - Populações específicas: - Queimados - Neutropênicos DI > 3.3X1000 cvc-dia - Unidade de Terapia Intensiva - Acesso femoral - Situações específicas: - Instituições onde a incidência de IR-C não diminuam após outras estratégias de prevenção - Paciente com previsão de uso de cateter > 5 dias Society of Critical Care Medicine (SCCM), Infectious Diseases Society of America (IDSA), Society for Healthcare Epidemiology of America (SHEA), Surgical Infection Society (SIS), American College of Chest Physicians (ACCP), American Thoracic Society (ATS), American Society of Critical Care Anesthesiologists (ASCCA), Association for Professionals in Infection Control and Epidemiology (APIC), Infusion Nurses Society (INS), Oncology Nursing Society (ONS), American Society for Parenteral and Enteral Nutrition (ASPEN), Society of Interventional Radiology (SIR), American Academy of Pediatrics (AAP), Pediatric Infectious Diseases Society (PIDS), and the Healthcare Infection Control Practices Advisory Committee (HICPAC) of the Centers for Disease Control and Prevention (CDC)

10 Infectious Diseases Society of America - IDSA Clinical Infectious Diseases 2011; 52(9) e162-e193

11 Cateter Farmacológico Evidências Científicas Autores População Tipo de Cateter Resultados Veenstra e cols, 1999 Metanálise N: 2602 Sulfadiazina prata/clorexidina (1ª. G) Redução da colonização/ics Falagas e cols, 2007 Raad e cols, 2010 Novikov e cols, 2012 Lai e cols, 2013 Armstrong e cols, 2013 Metanálise - 8 estudos: UTI, Neoplasia e pósoperatório N: M/R X não impregnado Redução da colonização/ics Sem evidência de MDR Aumento da colonização por fungo Melanoma e renal Silicone M/R X não impregnado Bacteremia: 0% X 12% (p=0.06) Redução da Colonização metastático (Il-2) Média tempo: 11 dias N: 107 Metanálise-21 estudos randomizados: UTI N: 5972 Revisão sistemática-56 estudos : UTI, hematológicos, neoplasia N: Queimados - PICC N: 49 Redução da Bacteremia Íons de prata Rifampicina/minociclina Sulfadiazina prata/clorexidina Rifampicina/miconazol Cloridrato de benzalconio X não impregnado 11 tipos de cateteres impregnados Impregnados X não impregnados Impregnados X impregnados Avaliação da colonização - Sem # colonização S. aureus e SCN - Redução da colonização Acinetobacter ssp, diphtheroids e coliformes CHSS - Sem # colonização por Candida spp - Aumento da colonização por Candida spp nos cateteres rifampicina/minociclina Sem evidências de Multirresistência Sem eventos adversos importantes Diminuição da colonização/ics Sem alteração sepse/mortalidade/eventos adversos NNT-ICS: 50 NNT-Colonização: 10 - M/R X não impregnado Bacteremia: 0 X 50% (p<0.001). Baskin e cols, 2014 UTI pediátrica PICC N: M/R X não impregnado IRC: 0.86 X 5.5/1000 CVC-dia (p<0.036)

12 Qual o melhor cateter? Qual a população? Alto risco X Baixo risco Mortalidade? Tempo de internação? Custos? Aumento da colonização por fungos Se é tão bom, por que não utilizamos mais? Alteração da microbiota Bundles X cateteres farmacológicos

13 Novos Cateteres Modificados Jamal e cols, 2014: modelo experimental, avaliou a prevenção da colonização do biofilme por MRSA, VRE, P. aeruginosa, C. albicans e C. glabrata em cateteres: - Cateter impregnado com M/R e sequencialmente coberto por clorexidina (superfície mais lisa) X M/R (1G) X clorexidina/sulfadiazina-prata X clorexidina X não impregnado - Resultados: os cateteres impregnados com M/R+CHX inibiram completamente a colonização por bactérias R com efeito prolongado (> 3 semanas) Antimicrob. Agents Chemother, 2014, 58:

14 Novos Cateteres Modificados Impregnado pelo polímero polihexanida (biguanida): polarização positiva na superfície do cateter desestabiliza a parede celular bacteriana morte do microorganismo (sem liberação de componentes ativos na corrente sanguínea) Ivo Kricava et al, unpublished data

15 Conclusão Estudos mostram uma diminuição na colonização/bacteremia com o uso de cateteres impregnados com antisséptico/antimicrobianos Cateteres impregnados com R/M apresentam maior período de ação e atividade anti-estafilocócica superior aos cateteres impregnados com CHSS embora uma tendência maior a colonização por fungos Até o momento não houve associação entre o uso de cateteres impregnados com o surgimento de bactérias resistentes Sem associação com aumento de reações adversas pelas substâncias utilizadas para impregnar os cateteres Serão necessários estudos de farmacoeconomia e do uso destes fármacos em cateteres de longa permanência

16 Obrigada

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Atualizado em Agosto/2014 PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR 1- FATORES PREDISPONENTES Individuais Relacionados à cateterização vascular - Idade - Gravidade da doença de base -

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea: o que há de novo? Vera Lúcia Borrasca Coord. Segurança Assistencial Hospital Sírio Libanês

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea: o que há de novo? Vera Lúcia Borrasca Coord. Segurança Assistencial Hospital Sírio Libanês Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea: o que há de novo? Vera Lúcia Borrasca Coord. Segurança Assistencial Hospital Sírio Libanês Estratégia para Prevenção de Infecção Relacionada ao Acesso Vascular

Leia mais

PRINCIPAIS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE

PRINCIPAIS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE O QUE É INFECÇÃO HOSPITALAR? PRINCIPAIS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Atualmente, tem sido sugerida a

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECCÇÃO ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL / CVC. Data Versão/Revisões Descrição Autor

PREVENÇÃO DE INFECCÇÃO ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL / CVC. Data Versão/Revisões Descrição Autor 1 de 9 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial FP, MTS, SRPT 1 Objetivo: Prevenir infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central ()

Leia mais

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle.

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. INFORME TÉCNICO XXXVII Outubro 2010 Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. Definição de microorganismos multi-resistentes: São microrganismos resistentes

Leia mais

Cateter Venoso Farmacológico e Contaminação Microbiana

Cateter Venoso Farmacológico e Contaminação Microbiana Cateter Venoso Farmacológico e Contaminação Microbiana Felipe Pinn de Castro Anestesiologista SMA (Serviços Médicos de Anestesia) Hospital Sírio Libanês / Oswaldo Cruz / Samaritano CLABSI cuidados previníveis

Leia mais

Safeflow. Registro ANVISA n

Safeflow. Registro ANVISA n Registro ANVISA n 1.00085.30420 1) Terapia Infusional 2) Conceito de Infecção hospitalar 3) Acidente de trabalho e Legislação 4) Apresentação do Safelow 5) Importância do Safelow na terapia de infusão

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADESÃO ÀS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO RELACIONADAS A CATETERES ENTRE PROFISSIONAIS DE SAUDE DE HOSPITAIS DE MARINGÁ PR

AVALIAÇÃO DA ADESÃO ÀS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO RELACIONADAS A CATETERES ENTRE PROFISSIONAIS DE SAUDE DE HOSPITAIS DE MARINGÁ PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DA ADESÃO ÀS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO RELACIONADAS A CATETERES ENTRE PROFISSIONAIS DE SAUDE DE

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR Definição: Infecção relacionada ao cateter: Isolamento de um mesmo microorganismo da ponta do cateter

Leia mais

CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES CONTROLO DE INFEÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR OPERACIONALIDADE COM VPH PPCIRA

CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES CONTROLO DE INFEÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR OPERACIONALIDADE COM VPH PPCIRA CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES PPCIRA OPERACIONALIDADE COM VPH CHL CENTRO HOSPITALAR DE LEIRIA HABLO Hospital de Alcobaça HSA Hospital de Santo André HDP Hospital Distrital de Pombal

Leia mais

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M DEFINIÇÃO É a inflamação de uma veia, na qual as células endoteliais da parede venosa ficam bem irritadas.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO. Ignaz Semmelweis

1. INTRODUÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO. Ignaz Semmelweis HIGIENE DAS MÃOS 1. INTRODUÇÃO A higienização das mãos é reconhecida mundialmente como a medida mais simples, de baixo custo e com maior impacto para prevenir as infecções relacionadas à assistência à

Leia mais

Bastonetes Gram Negativos Multi-Resistentes. SCIH Hospital Pró-Cardíaco Marisa Santos, Kátia Marie Senna, Giovanna Ferraiuoli.

Bastonetes Gram Negativos Multi-Resistentes. SCIH Hospital Pró-Cardíaco Marisa Santos, Kátia Marie Senna, Giovanna Ferraiuoli. Bastonetes Gram Negativos Multi-Resistentes SCIH Hospital Pró-Cardíaco Marisa Santos, Kátia Marie Senna, Giovanna Ferraiuoli. Origem dos dados: Hospital privado terciário com 88 leitos ativos 55% dos leitos

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ELIMINAÇÃO DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES (BMR) USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS

PLANO ESTADUAL DE ELIMINAÇÃO DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES (BMR) USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS 2016 PLANO ESTADUAL DE ELIMINAÇÃO DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES (BMR) USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS Uso racional de antimicrobianos Luis Gustavo Oliveira Cardoso, Milton Lapchik, Thaís Guimarães, Valquíria

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO IRAS PAINEL GERAL O risco de um passageiro morrer numa viagem aérea é de cerca de um em dez milhões

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM. Silvia Helena Frota Mendonça

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM. Silvia Helena Frota Mendonça UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM Silvia Helena Frota Mendonça Impacto do uso de conectores sem agulha para sistema fechado de infusão na ocorrência de infecção de corrente sanguínea relacionada

Leia mais

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS FACULDADE UNIGRAN CAPITAL TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PRINCÍPIOS E TÉCNICAS DA ENFERMAGEM CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Definido como acesso ao sistema venoso sistêmico por punção

Leia mais

Fatores de risco e recomendações atuais para prevenção de infecção associada a cateteres venosos centrais: uma revisão de literatura

Fatores de risco e recomendações atuais para prevenção de infecção associada a cateteres venosos centrais: uma revisão de literatura PUBLICAÇÃO OFICIAL DO NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL SANTA CRUZ E PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DA SAÚDE - DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E FARMÁCIA DA UNISC ISSN 2238-3360 Ano III -

Leia mais

VACINANDO O PROFISSIONAL DE SAÚDE. Luciana Sgarbi CCIH - FAMEMA

VACINANDO O PROFISSIONAL DE SAÚDE. Luciana Sgarbi CCIH - FAMEMA VACINANDO O PROFISSIONAL DE SAÚDE Luciana Sgarbi CCIH - FAMEMA Vacinando o Profissional da Saúde O Ambiente Hospitalar Maior risco de aquisição e transmissão de doenças infecciosas Vacinando o Profissional

Leia mais

Alberto Chebabo. Chefe do Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias HUCFF/UFRJ Diagnósticos da América/DASA RJ

Alberto Chebabo. Chefe do Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias HUCFF/UFRJ Diagnósticos da América/DASA RJ Alberto Chebabo Chefe do Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias HUCFF/UFRJ Diagnósticos da América/DASA RJ HIV NEUTROPENIA DECH QUEIMADO UTI TMO CORAÇÃO FÍGADO PÂNCREAS T R A N S P L A N T E cateter

Leia mais

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Airton Bagatini Vice-Presidente da SBA Corresponsável pelo CET do SANE Coordenador da Perspectiva Assistencial

Leia mais

Módulo 3: INFECÇÃO. O que é sepse? Quais são suas complicações? Como um bebê pode contrair sepse na UTI neonatal? Como prevenir a sepse?

Módulo 3: INFECÇÃO. O que é sepse? Quais são suas complicações? Como um bebê pode contrair sepse na UTI neonatal? Como prevenir a sepse? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 3: INFECÇÃO O que é sepse? Quais são suas complicações? Como um bebê pode contrair sepse na UTI neonatal? Como prevenir a sepse?

Leia mais

INFECÇÃO RELACIONADA A CATETER VENOSO CENTRAL:

INFECÇÃO RELACIONADA A CATETER VENOSO CENTRAL: INFECÇÃO RELACIONADA A CATETER VENOSO CENTRAL: UM DESAFIO NA TERAPIA INTENSIVA Roberta F. Passamani Sonia Regina O. e S. de Souza RESUMO As unidades de terapia intensiva (UTIs) se utilizam de medidas extremas

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO RELACIONADAS AO CATETER VENOSO CENTRAL: INDICADORES CLÍNICOS

AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO RELACIONADAS AO CATETER VENOSO CENTRAL: INDICADORES CLÍNICOS 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC FACULDADE DE FARMÁCIA, ODONTOLOGIA E ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM FRANCISCA JANE GOMES DE OLIVEIRA AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS

Leia mais

Enfa Loriane Konkewicz Comissão de Controle de Infecção Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Enfa Loriane Konkewicz Comissão de Controle de Infecção Hospital de Clínicas de Porto Alegre Enfa Loriane Konkewicz POLÍTICA DE HIGIENE DE MÃOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Enfa Loriane Konkewicz EVIDÊNCIAS: HIGIENE X MORTALIDADE Allison E. AJIC. 2008 EVIDÊNCIAS: HIGIENE X MORTALIDADE

Leia mais

DANIELA BICUDO ANGELIERI AVALIAÇÃO DE INFECÇÃO DA CORRENTE SANGÜÍNEA ASSOCIADA AO CATETER VENOSO CENTRAL EM UNIDADES DE TERAPIA

DANIELA BICUDO ANGELIERI AVALIAÇÃO DE INFECÇÃO DA CORRENTE SANGÜÍNEA ASSOCIADA AO CATETER VENOSO CENTRAL EM UNIDADES DE TERAPIA DANIELA BICUDO ANGELIERI AVALIAÇÃO DE INFECÇÃO DA CORRENTE SANGÜÍNEA ASSOCIADA AO CATETER VENOSO CENTRAL EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista

Leia mais

Tecnologia de ponta que reduz o refluxo

Tecnologia de ponta que reduz o refluxo Tecnologia de ponta que reduz o refluxo para ajudar a manter a desobstrução do cateter Neutron Dispositivo de Permeabilidade do Cateter Sem Agulha O primeiro e único dispositivo aprovado pela FDA que mostra

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADESÃO ÀS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO RELACIONADAS A CATETERES ENTRE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DE HOSPITAIS DE MARINGÁ PR

AVALIAÇÃO DA ADESÃO ÀS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO RELACIONADAS A CATETERES ENTRE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DE HOSPITAIS DE MARINGÁ PR Iniciação Científica CESUMAR Jan./Jun. 2008, v. 10, n.01, p. 43-48 AVALIAÇÃO DA ADESÃO ÀS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO RELACIONADAS A CATETERES ENTRE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DE HOSPITAIS DE MARINGÁ

Leia mais

SUPERBACTÉRIAS: UM PROBLEMA EMERGENTE

SUPERBACTÉRIAS: UM PROBLEMA EMERGENTE SUPERBACTÉRIAS: UM PROBLEMA EMERGENTE Yasmim de Souza; Kely Raiany Araujo da Costa; Prof Ms.Silvana Barbosa Santiago. yaasmimsouza@gmail.com; kellyraianny@outlook.com; silvanasantiago@unifan.edu.br Instituto

Leia mais

recipiente de roupa o paciente pelo suja após a conclusão hospital.

recipiente de roupa o paciente pelo suja após a conclusão hospital. Paciente que necessite Quando a transferência Quando o transporte é fazer exames em ou movimento entre as necessário, cobrir outras áreas do unidades de saúde é áreas do paciente hospital, os necessário,

Leia mais

GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE

GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE Kazuko Uchikawa Graziano Professora Titular do Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica da Escola de Enfermagem da USP Produtos Saneantes

Leia mais

Data da aprovação: 1. CONCEITOS

Data da aprovação: 1. CONCEITOS Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Tiago Elaborado por: Gilson B. Vieira - Enfermeiro CCIH Enf a. Taise Costa Ribeiro Klein Enfermeira SCIH Patrícia Vanny - Médica SCIH Fernanda Lunardi

Leia mais

Enfª Francielle Toniolo Enf ª Luiza Casaburi

Enfª Francielle Toniolo Enf ª Luiza Casaburi Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Universidade Federal do Triângulo Mineiro Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Precauções e isolamentos Enfª Francielle Toniolo Enf ª Luiza Casaburi

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA A ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA - PAV

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA A ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA - PAV DE PREVENÇÃO 1 de 6 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A pneumonia relacionada à assistência à saúde (PNM-RAS) está entre as infecções

Leia mais

JAQUELLINE MARIA JARDIM

JAQUELLINE MARIA JARDIM JAQUELLINE MARIA JARDIM AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA ASSOCIADA AO CATETER VENOSO CENTRAL DE CURTA PERMANÊNCIA POR MEIO DE INDICADORES CLÍNICOS Dissertação

Leia mais

INFECÇÕES NO TRANSPLANTE DE FÍGADO. Edson Abdala 2016

INFECÇÕES NO TRANSPLANTE DE FÍGADO. Edson Abdala 2016 INFECÇÕES NO TRANSPLANTE DE FÍGADO Edson Abdala 2016 HISTÓRIA NATURAL CLÁSSICA Primeiro mês Fatores de risco perioperatórios/ IRAS Segundo sextomês Fatores de risco imunossupressão/ IOs >6meses Infecções

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE

REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE Autores: Enf. Izabela Tortoza Enf. Luciane Torrano Dr. Marcelo Nunes Superintendência de Recursos Próprios O QUE

Leia mais

Concurso Público 2016

Concurso Público 2016 Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Concurso Público 2016 Enfermagem em Pesquisa Clínica na Terapia Intensiva Pediátrica Prova Discursiva Questão 01 O suporte nutricional adequado de crianças

Leia mais

DETECÇÃO PRECOCE E EVOLUÇÃO DA SEPSE NO HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA

DETECÇÃO PRECOCE E EVOLUÇÃO DA SEPSE NO HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA UNIMED PAULISTANA DETECÇÃO PRECOCE E EVOLUÇÃO DA SEPSE NO HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA Autores: Enf. Priscila Senna Mayrbaurl Enf. Izabela Tortoza Enf. Luciane Matos Torrano SEPSE Trata-se de uma síndrome

Leia mais

Promover o acesso da via endovenosa para administração de medicamentos e soluções parenterais.

Promover o acesso da via endovenosa para administração de medicamentos e soluções parenterais. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Punção Venosa Periférica em Recémnascidos Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP 1. Definição POP N 14 Área de Aplicação: Neonatologia

Leia mais

INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA

INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA Associação Beneficente Pró-Matre INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA Vitória 2013 Enfª Katiusi R. Christ Associação Beneficente Pró-Matre Instituição Filantrópica; Realiza em média 400 a 450

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea relacionada ao uso de cateter venoso central

Diretrizes Assistenciais. Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea relacionada ao uso de cateter venoso central Diretrizes Assistenciais Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea relacionada ao uso de cateter venoso central Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea

Leia mais

USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS. Prof. Dra. Susana Moreno

USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS. Prof. Dra. Susana Moreno USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS Prof. Dra. Susana Moreno 1 Antibióticos Uma das mais importantes descobertas da medicina moderna Salva milhões de vidas ANTIBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS 3 Antibióticos Beta Lactâmicos

Leia mais

Diretrizes para a Prevenção de Infecções Relacionadas a Cateteres Intravasculares

Diretrizes para a Prevenção de Infecções Relacionadas a Cateteres Intravasculares Diretrizes para a Prevenção de Infecções Relacionadas a Cateteres Intravasculares Elaborado por Naomi P. O'Grady, M.D. 1 Mary Alexander 2 E. Patchen Dellinger, M.D. 3 Julie L. Gerberding, M.D., M.P.H.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMNTINO FRAGA FILHO DIVISÃO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMNTINO FRAGA FILHO DIVISÃO DE ENFERMAGEM /09/21 30/09/21 30/09/23 Pág. 1 1. Definição: Procedimento técnico asséptico de acesso, via cateter periférico, à rede venosa do indivíduo. 2. Indicação: Ter uma veia de acesso segura para a equipe e para

Leia mais

Cateter Venoso Profundo Recoberto com Antibiótico para Reduzir Infecção. Estudo Piloto*

Cateter Venoso Profundo Recoberto com Antibiótico para Reduzir Infecção. Estudo Piloto* RBTI 2008:20:2:160-164 ARTIGO ORIGINAL Cateter Venoso Profundo Recoberto com Antibiótico para Reduzir Infecção. Estudo Piloto* Antibiotic Coated Catheter to Decrease Infection. Pilot Study Pedro Kurtz

Leia mais

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Guarda Junho 2015 Arminda Jorge Particularidades na criança Prematuridade Alteração da barreira cutânea Imunodepressão Ambientes

Leia mais

RESUMO DOS 120 ANOS DA EEAP BUNDLE DE PREVENÇÃO DA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA: O QUE SABEM OS ENFERMEIROS A ESSE RESPEITO?

RESUMO DOS 120 ANOS DA EEAP BUNDLE DE PREVENÇÃO DA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA: O QUE SABEM OS ENFERMEIROS A ESSE RESPEITO? RESUMO DOS 120 ANOS DA EEAP BUNDLE DE PREVENÇÃO DA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA: O QUE SABEM OS ENFERMEIROS A ESSE RESPEITO? Andreia Macedo Gomes 1, Roberto Carlos Lyra da Silva 2 RESUMO Objetivos:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais CHECKLIST CIRÚRGICO TIME OUT. Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2012

Diretrizes Assistenciais CHECKLIST CIRÚRGICO TIME OUT. Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2012 Diretrizes Assistenciais CHECKLIST CIRÚRGICO TIME OUT Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2012 Checklist Cirúrgico TIME OUT Introdução Dados do Institute of Medicine (IOM) estimam que cerca de 98.000

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS Fco Eugênio D. de Alexandria Prof. Mestrando em Genética e Toxicologia Aplicada Infectologista As lições retiradas do tempo de guerra devem ser transferidas aos médicos civis.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ EDIVANE PEDROLO CURATIVO DE CLOREXIDINA PARA CATETER VENOSO CENTRAL: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ EDIVANE PEDROLO CURATIVO DE CLOREXIDINA PARA CATETER VENOSO CENTRAL: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ EDIVANE PEDROLO CURATIVO DE CLOREXIDINA PARA CATETER VENOSO CENTRAL: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO CURITIBA 22 EDIVANE PEDROLO CURATIVO DE CLOREXIDINA PARA CATETER VENOSO CENTRAL:

Leia mais

DESCRITORES: Infecção hospitalar; Cateter venoso central; Enfermagem; Neutropenia. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 1 INTRODUÇÃO 2.1 CATETER VENOSO E NEUTROPENIA

DESCRITORES: Infecção hospitalar; Cateter venoso central; Enfermagem; Neutropenia. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 1 INTRODUÇÃO 2.1 CATETER VENOSO E NEUTROPENIA 46 PREVENÇÃO DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER VENOSO CENTRAL EM PACIENTES NEUTROPÊNICOS [Prevention of infections associated with central venous catheter in neurotropenic patients] Elaine Drehmer de Almeida

Leia mais

Manual de administração e cálculo de medicamentos DADOS TÉCNICOS 240 PÁGINAS TAMANHO 12 CM X 15 CM CAPA: COLORIDA/BROCHURA MIOLO: P/B

Manual de administração e cálculo de medicamentos DADOS TÉCNICOS 240 PÁGINAS TAMANHO 12 CM X 15 CM CAPA: COLORIDA/BROCHURA MIOLO: P/B Manual de administração e cálculo de medicamentos DADOS TÉCNICOS 240 PÁGINAS TAMANHO 12 CM X 15 CM CAPA: COLORIDA/BROCHURA MIOLO: P/B Autores José Jardes da Gama Bitencourt Farmacêutico Bioquímico e Mestre

Leia mais

PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara

PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara II Controvérsias em Infecção Hospitalar - APECIH 11 de junho de 2011 Nós e eles Interação

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

OPÇÕES TERAPÊUTICAS. Alginatos Colagenase Colagénio Copolímero acrílico Espumas de poliuretano Hidrocolóides

OPÇÕES TERAPÊUTICAS. Alginatos Colagenase Colagénio Copolímero acrílico Espumas de poliuretano Hidrocolóides OPÇÕES TERAPÊUTICAS OPÇÕES TERAPÊUTICAS Alginatos Colagenase Colagénio Copolímero acrílico Espumas de poliuretano Hidrocolóides Hidrofibras Hidrogéis Iodo Polihexanida Prata OPÇÕES TERAPÊUTICAS ALGINATOS

Leia mais

Infecção, reação local e má fixação de curativos para cateter venoso central

Infecção, reação local e má fixação de curativos para cateter venoso central Artigo Original Infecção, reação local e má fixação de curativos para cateter venoso central Infection, local reaction and poor fixation of dressings for central venous catheter Edivane Pedrolo 1 Mitzy

Leia mais

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Introdução Em 1930 a D.G.S. aborda o problema Em 1974 vai a enf.franco Henriques ao grupo de trabalho do Conselho da Europa Em 1978 criada a 1ª CCI,no

Leia mais

Elaborado por: Revisado por: Dr.ª Zamara Brandão Ribeiro. Dr.º Luciano Correa. Aprovado por: Enfª Solange X. da Silva Borges

Elaborado por: Revisado por: Dr.ª Zamara Brandão Ribeiro. Dr.º Luciano Correa. Aprovado por: Enfª Solange X. da Silva Borges Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Enfª Solange X. da Silva Borges Dr. Luciano Corrêa Ribeiro Enfª. Gisela Santos Fabrício da Silva Dr.ª Zamara Brandão Ribeiro Dr.º Luciano Correa Elaboração: REVISÃO:

Leia mais

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA Porto Alegre 2014 1 INTRODUÇÃO A prática da terapia intravenosa ocupa segundo estudos 70% do tempo da enfermagem durante sua jornada de trabalho, sem levar em

Leia mais

EMENTAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA EM INFECTOLOGIA EAD

EMENTAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA EM INFECTOLOGIA EAD S DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA EM INFECTOLOGIA EAD DISCIPLINA: Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica Histórico da farmácia clínica, áreas de atuação da farmácia clínica, situação

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA A VENTILAÇÃO MECÂNICA (PAV)

PNEUMONIA ASSOCIADA A VENTILAÇÃO MECÂNICA (PAV) PNEUMONIA ASSOCIADA A VENTILAÇÃO MECÂNICA (PAV) Pedro Caruso UTI Respiratória do Hospital das Clínicas da FMUSP UTI do Hospital A C Camargo CONCEITO PAV é causada por agentes que não estavam presentes

Leia mais

PROTOCOLO DE TRATAMENTO ANTIMICROBIANO EMPÍRICO PARA INFECÇÕES COMUNITÁRIAS, HOSPITALARES E SEPSE

PROTOCOLO DE TRATAMENTO ANTIMICROBIANO EMPÍRICO PARA INFECÇÕES COMUNITÁRIAS, HOSPITALARES E SEPSE PROTOCOLO DE TRATAMENTO ANTIMICROBIANO EMPÍRICO PARA INFECÇÕES COMUNITÁRIAS, HOSPITALARES E SEPSE Sumário Introdução...6 Informações Importantes...6 Infecções Comunitárias...8 Infecções Relacionadas

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA ASSOCIADA A CATETERES CENTRAIS

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA ASSOCIADA A CATETERES CENTRAIS Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Saúde PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA ASSOCIADA A CATETERES CENTRAIS PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE

Leia mais

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino A segurança do paciente na Farmacovigilância Zenith Rosa Silvino NOTIVISA - VIGIPÓS O NOTIVISA é o sistema de informação que visa fortalecer a vigilância pós-uso/ póscomercialização, hoje conhecida como

Leia mais

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem Introdução: Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem causar infecções em pacientes suscetíveis, tais como pacientes em Unidades de Terapia Intensiva, portadores

Leia mais

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA Graduação 1 FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA UNIDADE 5 ALIMENTAÇÃO PARENTERAL Nesta unidade estudaremos a importância

Leia mais

Simone Suplicy Vieira Fontes

Simone Suplicy Vieira Fontes Simone Suplicy Vieira Fontes Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI

ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI A inserção de CVP é atualmente uma prática indispensável

Leia mais

PROFILAXIA DA INFECÇÃO ASSOCIADA A ACESSOS INTRAVASCULARES

PROFILAXIA DA INFECÇÃO ASSOCIADA A ACESSOS INTRAVASCULARES HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Norma n.º 10 Actualizada em 2006 PROFILAXIA DA INFECÇÃO ASSOCIADA A ACESSOS INTRAVASCULARES Os acessos vasculares

Leia mais

SURTOS DE INFECÇÕES MULTI- RESISTENTES EM CTIs: ALGUÉM ESTÁ IMUNE?

SURTOS DE INFECÇÕES MULTI- RESISTENTES EM CTIs: ALGUÉM ESTÁ IMUNE? 16ª Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto Bactérias multiresistentes: testando nossa resistência SURTOS DE INFECÇÕES MULTI- RESISTENTES EM CTIs: ALGUÉM ESTÁ IMUNE? Dra Luci Corrêa

Leia mais

LISSANDRA CHAVES DE SOUSA SANTOSS A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO AO PACIENTE COM CATETER PARA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA.

LISSANDRA CHAVES DE SOUSA SANTOSS A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO AO PACIENTE COM CATETER PARA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/ DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENFERMAGEM

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS. Patrícia Ruiz Spyere

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS. Patrícia Ruiz Spyere HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Higienização das mãos Conceito Importância Finalidade Como e quando fazer Insumos e equipamentos necessários Técnicas Higienização das mãos - Histórico - Semmelweis, 1846. A preocupação

Leia mais

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Alessandra Maria Stefani NOGUEIRA Franceline Gravielle Bento PEREIRA Lisliana Garcia BELCHIOR Leizer Cordeiro da Silva FREITAS Discentes

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA 18 de Novembro de 2016 UNIMED VITÓRIA / ES 328.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 32.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.360 MÉDICOS COOPERADOS; 260 PRESTADORES DE SERVIÇO;

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE - PCI NORMA Nº 709

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE - PCI NORMA Nº 709 Página: 1/9 1- OBJETIVO Definir as ações pertinentes ao controle de infecções associadas aos cuidados de saúde na instituição. 2- DEFINIÇÕES 2.1- Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Por

Leia mais

osmose reversa: Mitos X Realidade Sustentabilidade do Planeta

osmose reversa: Mitos X Realidade Sustentabilidade do Planeta Água tratada por método de osmose reversa: Mitos X Realidade ea Sustentabilidade do Planeta Silma Pinheiro Belo Horizonte -MG REALIDADE Presença de microrganismos na água Pseudomonas spp Flavobacterium

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH 15 de agosto de Incidência de Queda de Paciente Incidência de Queda de Paciente 3,0

Leia mais

PREPARATÓRIO SAÚDE RECIFE

PREPARATÓRIO SAÚDE RECIFE PREPARATÓRIO SAÚDE RECIFE CIRÚRGICA I PROFª FÁTIMA BARBOSA SEGURANÇA DO PACIENTE CONCEITO Redução dos riscos de danos desnecessários associados à assistência em saúde até um mínimo aceitável. (OMS, 2009);

Leia mais

Análise da administração de medicamentos intravenosos pela enfermagem: uma prática segura.

Análise da administração de medicamentos intravenosos pela enfermagem: uma prática segura. Análise da administração de medicamentos intravenosos pela enfermagem: uma prática segura. Flavia Giron Camerini 1; Lolita Dopico da Silva 2; Marglory Fraga de Carvalho³ Manassés Moura dos Santos ³; Raquel

Leia mais

Uso Racional de Antibióticos

Uso Racional de Antibióticos Uso Racional de Antibióticos ticos O que háh de novo Denise Marangoni UFRJ Uso Racional de Antibiótico tico Indicação Finalidade Condições do paciente Fatores da infecção Fatores do antibiótico tico O

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)¹ MANUAL DA CCIH. POP nº 10. Versão: 01

CLASSIFICAÇÃO DAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)¹ MANUAL DA CCIH. POP nº 10. Versão: 01 PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO DE CIRURGIA CARDÍACA OBJETIVO Padronizar a prática de medidas preventivas para minimizar a ocorrência de infecção de sítio cirúrgico, destinadas a equipe multiprofissional

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE NAGEH - Enfermagem Benchmarking em Saúde 22 de fevereiro de 2017 Coordenação: Rosemeire K. Hangai Indicadores Assistenciais de Enfermagem 2015-2016 Incidência de Queda de Paciente

Leia mais

HEMOCULTURAS POSITIVAS DE PACIENTES DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL ESCOLA DE GOIÂNIA- GO, ENTRE 2010 E

HEMOCULTURAS POSITIVAS DE PACIENTES DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL ESCOLA DE GOIÂNIA- GO, ENTRE 2010 E HEMOCULTURAS POSITIVAS DE PACIENTES DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL ESCOLA DE GOIÂNIA- GO, ENTRE 2 E 23* MÔNICA ALVES DE SOUSA, NALLIGIA MORGANA MEDEIROS, JOSÉ ROBERTO CARNEIRO, ALESSANDRA

Leia mais

PRECAUÇÕES NA ASSISTÊNCIA EM ISOLAMENTOS POR AEROSSÓIS

PRECAUÇÕES NA ASSISTÊNCIA EM ISOLAMENTOS POR AEROSSÓIS PRECAUÇÕES NA ASSISTÊNCIA EM ISOLAMENTOS POR AEROSSÓIS Fernando Di Frank Rosa Rangel Medeiros Martins Acadêmicos de Enfermagem - UNISUL Histórico SÉCULO XIV - Os doentes eram impedidos de sair às ruas

Leia mais

RESISTÊNCIA BACTERIANA AOS ANTIBIÓTICOS

RESISTÊNCIA BACTERIANA AOS ANTIBIÓTICOS RESISTÊNCIA BACTERIANA AOS ANTIBIÓTICOS Um fantasma que nós tornamos real Goreth Barberino & Ana Verena Mendes [10.08.2016] [Type the abstract of the document here. The abstract is typically a short summary

Leia mais

PATOGENICIDADE BACTERIANA

PATOGENICIDADE BACTERIANA PATOGENICIDADE BACTERIANA Fatores de de Virulência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DE CATETERES VENOSOS PERIFÉRICOS EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE

AVALIAÇÃO DO USO DE CATETERES VENOSOS PERIFÉRICOS EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE AVALIAÇÃO DO USO DE CATETERES VENOSOS PERIFÉRICOS EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE RESUMO Dieslley Amorim Souza * Márcio Vasconcelos Oliveira ** Os cateteres venosos periféricos são dispositivos de grande

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS José Artur Paiva MD, PhD Coordenador do Programa Nacional de Prevenção de Resistências aos Antimicrobianos Departamento de Qualidade Direcção

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

Epidemiologia das infecções de corrente sangüínea. de origem hospitalar em hospital de assistência. terciária, São Paulo, Brasil

Epidemiologia das infecções de corrente sangüínea. de origem hospitalar em hospital de assistência. terciária, São Paulo, Brasil Patricia Rodrigues Naufal Spir Epidemiologia das infecções de corrente sangüínea de origem hospitalar em hospital de assistência terciária, São Paulo, Brasil Dissertação apresentada a Faculdade de Medicina

Leia mais

Pneumonia Associada ao Tubo Traqueal PAT?

Pneumonia Associada ao Tubo Traqueal PAT? Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica - PAV Reduzindo riscos Marcelo Alcantara Holanda Prof. Medicina Intensiva/Pneumologia, Universidade Federal do Ceará UTI respiratória do Hospital de Messejana,

Leia mais

Terapêutica na Sepsis

Terapêutica na Sepsis Terapêutica na Sepsis Carlos Palos Serviço de Urgência Geral. Gabinete de Coordenação Local de Prevenção, Controlo de Infecção e Resistência aos Antimicrobianos (GCLPCIRA) Hospital Beatriz Ângelo Organização

Leia mais

Revisão da literatura sobre risco de infecção em catéter venoso relacionado ao tratamento dialítico Clube de Periódico do OBJN

Revisão da literatura sobre risco de infecção em catéter venoso relacionado ao tratamento dialítico Clube de Periódico do OBJN ISSN: 1676-4285 Revisão da literatura sobre risco de infecção em catéter venoso relacionado ao tratamento dialítico Clube de Periódico do OBJN Débora Holanda G. de Paula, Isabel C.F. da Cruz RESUMO A revisão

Leia mais

CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR

CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR A Circulação Extracorpórea marcou o início da fase moderna da Cirurgia Cardiovascular. Seu desenvolvimento e evolução permitiu que patologias cardiovasculares

Leia mais

Critérios diagnósticos: quais são as principais mudanças?

Critérios diagnósticos: quais são as principais mudanças? Critérios diagnósticos: quais são as principais mudanças? Mirian de Freitas Dal Ben Corradi CCIH- Hospital Sírio Libanês GCIH- Hospital das Clínicas da FMUSP Standardized Infection Ratio VAC/VAP ISC MBI-ICS

Leia mais

ALIANÇA INTERSECTORIAL PARA A PRESERVAÇÃO DOS ANTIBIÓTICOS

ALIANÇA INTERSECTORIAL PARA A PRESERVAÇÃO DOS ANTIBIÓTICOS ALIANÇA INTERSECTORIAL PARA A PRESERVAÇÃO DOS ANTIBIÓTICOS José Artur Paiva MD, PhD Coordenador do Programa Nacional de Prevenção de Resistências aos Antimicrobianos Departamento de Qualidade Direcção

Leia mais

ANTIBIOTERAPIA ORAL CRÓNICA: UMA PRÁTICA COMUM?

ANTIBIOTERAPIA ORAL CRÓNICA: UMA PRÁTICA COMUM? ANTIBIOTERAPIA ORAL CRÓNICA: UMA PRÁTICA COMUM? Mafalda van Zeller Centro Hospitalar de São João 3ª REUNIÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS DE BRONQUIECTASIAS Antibioterapia oral crónica: uma prática comum? Sumário

Leia mais

Arrow Cateter venoso central ARROWg + ard Blue PLUS. Proteção tanto no interior como no exterior contra agentes patogénicos de largo espectro

Arrow Cateter venoso central ARROWg + ard Blue PLUS. Proteção tanto no interior como no exterior contra agentes patogénicos de largo espectro Arrow Cateter venoso central Proteção tanto no interior como no exterior contra agentes patogénicos de largo espectro Eficácia de largo espectro A clorexidina, o poder por detrás da tecnologia ARROWg +

Leia mais