MANUAL DE MEDICINA NUCLEAR EM ONCOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE MEDICINA NUCLEAR EM ONCOLOGIA"

Transcrição

1 MANUAL DE MEDICINA NUCLEAR EM ONCOLOGIA

2

3 INTRODUÇÃO A Medicina Nuclear encontra várias novas aplicações em Oncologia, decorrente da introdução de traçadores com afinidade para diversos tipos de patologias. Acresce a este fato o advento da tomografia computadorizada nuclear ou SPECT ( Single Photon Emission Computed Tomography ) e da tomografia por emissores de pósitrons ou PET ( Positron Emission Tomography ), acoplado a equipamento de Tomografia Computadorizada Multislice (PET- CT). Estes procedimentos permitem o acesso ao corpo humano, total ou segmentado, nos planos transversal, coronal e sagital, possibilitando uma melhor localização anatômica e caracterização detalhada das lesões identificadas durante a realização dos exames. Contudo, os princípios das técnicas de Medicina Nuclear, baseados na fisiologia e na fisiopatologia dos vários órgãos e sistemas, distinguem-se das demais modalidades de diagnóstico por imagem que geralmente averiguam alterações morfológicas. Daí serem os exames com radioisótopos de interpretação mais dinâmicos e dedutivos do que simplesmente de observação estática. O conhecimento desses princípios, assim como dos detalhes da metodologia dos exames, certamente é de grande utilidade para que seu potencial possa ser bem aquilatado pelo clínico e para que este possa devidamente explicá-los ao seu paciente.

4

5 ÍNDICE RADIOTRAÇADORES...9 APLICAÇÕES CLÍNICAS...11 CÂNCER DE MAMA...14 CÂNCER DE PRÓSTATA...19 CÂNCER DE PULMÃO...25 PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA...27 CÂNCER DE MAMA...28 CÂNCER GINECOLÓGICO - VULVA...30 LINFOMA...34 CÂNCER DE PULMÃO...40 CÂNCER COLORRETAL...43 TUMORES CEREBRAIS...45 AVALIAÇÃO DE CARDIOTOXICIDADE EM PACIENTES ONCOLÓGICOS...47 VENTRICULOGRAFIA RADIOISOTÓPICA...48 AVALIAÇÃO DE CARDIOTOXICIDADE EM PACIENTES ONCOLÓGICOS...49 CINTILOGRAFIA DE PERFUSÃO MIOCÁRDICA (GATED-SPECT)...50 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...51

6

7 SPECT SYMBIA Siemens PET-CT BYOGRAPH Siemens

8

9 RADIOTRAÇADORES 1. Tecnécio ( 99m Tc): Descoberto em 1938 por Seabourg e Segre, sua utilidade clínica só foi alcançada com o desenvolvimento dos geradores portáteis na década de 60, tornando esse radioisótopo mais acessível. A associação deste radionuclídeo com diversos fármacos permite a avaliação de órgãos e sistemas, com especificidade para cada tipo de composto, ou radiofármaco, utilizado. - Radiofármacos citados neste trabalho: - 99m Tc-MDP (metilenodifosfonato) cintilografia óssea - 99m Tc-Fitato pesquisa de linfonodo sentinela - 99m Tc-PYP (pirofosfato) ventriculografia radioisotópica - 99m Tc-Sestamibi cintilografia do miocárdio 2. Gálio-67 (67Ga-citrato de gálio): Radioisótopo análogo ao íon Ferro 3+ é amplamente utilizado na avaliação de infecções, abscessos e neoplasias, destacando-se o linfoma de Hodgkin. Sua biocinética ainda não está totalmente esclarecida, mas sabe-se que o gálio-67 liga-se à transferrina plasmática e que a sua captação é mediada por receptores específicos de transferrina na membrana celular. 3. FDG-18F (18F-fluorodeoxiglicose): Esse análogo radioativo da glicose tem metabolismo intracelular semelhante ao da glicose, por isso concentra-se intensamente nas células tumorais. Normalmente, as células 9

10 tumorais apresentam maior expressão do gene GLUT 1, com consequente maior expressão de proteínas de membrana transportadoras de glicose e maior captação desta e do FDG-18F. O FGD-18F difere-se da glicose, por não seguir a via glicolítica normal, possibilitando a realização de imagens, por ficar retido nas células. A intensidade da atividade metabólica local traduz-se pela maior ou menor quantidade de FDG-18F acumulado na área avaliada. 10

11 APLICAÇÕES CLÍNICAS CINTILOGRAFIA ÓSSEA Neste procedimento, o radiofármaco empregado é o MDP-99mTc. O exame é realizado cerca de 3 horas após a administração intravenosa do traçador. A participação dos fosfonatos no metabolismo ósseo leva à fixação do traçador aos cristais de hidroxiapatita, de forma homogênea e simétrica. Desta forma, uma cintilografia do esqueleto se apresenta uniformemente radioativa. Os principais fatores que levam à maior ou menor fixação do radiofármaco nos ossos são a integridade da vascularização e a reação osteoblástica à lise óssea. Assim, geralmente, as imagens patológicas apresentamse como áreas de hiperfixação anormal do radiofármaco na estrutura lesada. A lesão óssea lítica, sem reação osteogênica e/ ou hipoperfundida, sem a presença de hiperemia circunjacente, apresenta-se, cintilograficamente, como zona de hiporradioatividade, frequentemente chamada de área fotopênica, ou ainda, como área de aspecto cintilográfico normal. A eliminação do radiofármaco ocorre pela via urinária, por isso os estudos delineiam as silhuetas renal e vesical. 11

12 Cintilografia do esqueleto revelando acúmulo homogêneo e simétrico do radiofármaco MDP- 99m Tc nas estruturas ósseas (exame normal). 12

13 A cintilografia do esqueleto é realizada mediante a aquisição de imagem plana do corpo inteiro que pode ser complementada pela tomografia radioisotópica (SPECT) do segmento ósseo a ser investigado. O exame dura cerca de 30 minutos (sistemas de detector único) ou 15 minutos (sistemas de detector duplo) e o paciente permanece em decúbito dorsal durante toda a realização do estudo. Cintilografia tomográfica (SPECT) do quadril, nos planos coronal, sagital e axial. Cintilografia do corpo inteiro 13

14 CÂNCER DE MAMA CINTILOGRAFIA ÓSSEA É o método mais sensível para a detecção precoce de doença óssea metastática. As alterações cintilográficas podem preceder os achados radiográficos em 4 a 6 meses. O estagiamento inicial da doença assume grande importância na medida em que cerca de 2,5% dos pacientes em estágio I apresentam metástases ósseas. O acompanhamento cintilográfico dos pacientes póstratamento também deve ser realizado a intervalos regulares de tempo, nos indivíduos assintomáticos, ou na eventualidade de queixas álgicas. 14

15 Carcinoma ductal infiltrante de mama direita em paciente de 58 anos. Cintilografia óssea realizada 1 ano após mastectomia direita. Qt + / Rt Assintomática. A cintilografia óssea de corpo inteiro mostra hiperfixação do traçador em projeção de 2ª vértebra lombar (lesão suspeita solitária seta). As imagens tomográficas (SPECT) revelam o acometimento do corpo vertebral. Sugeriu-se correlação radiológica para avaliação entre envolvimento ósseo secundário e processos traumático ou degenerativo. SPECT Corte Transversal Corte Sagital 15

16 Carcinoma ductal infiltrante de mama direita em paciente de 47 anos. Cintilografia óssea realizada em período pós-operatório tardio em decorrência de lombalgia. O exame mostra áreas de hiperfixação do traçador em projeção de manúbrio, porção posterior do 7º arco costal esquerdo, 2ª à 4ª vértebra lombar e terço médio da tíbia direita, além de fixação irregular e assimétrica em calota craniana (setas). 16

17 Carcinoma ductal infiltrante de mama direita em paciente de 78 anos. Mastectomizada há 4 anos. Qt + / Rt Queixa de dores ósseas generalizadas. Lateral esquerda Lateral direita 17

18 A cintilografia óssea mostra áreas de hiperfixação do radiotraçador em projeção de esterno, úmero e escápula esquerdos, gradil costal, coluna tóraco-lombar e quadril (setas). Carcinoma ductal infiltrante bilateral em paciente de 67 anos. Primeira cirurgia há 5 anos (mama esquerda). Segunda cirurgia há 3 anos (mama direita). Qt + / Rt + Queixa de dores ósseas generalizadas. A cintilografia óssea mostra múltiplas áreas de hiperfixação do radiofármaco nos ossos do esqueleto axial e apendicular, caracterizando implantes secundários disseminados. 18

19 CÂNCER DE PRÓSTATA CINTILOGRAFIA ÓSSEA Procedimento de grande utilidade no estagiamento inicial dos pacientes portadores de adenocarcinoma de próstata, na detecção precoce de doença metastática e na avaliação dos pacientes durante e após a terapêutica instaurada, com valor na estratificação prognóstica desses indivíduos. A cintilografia óssea correlaciona-se com os níveis de PSA, isto é, em geral, pacientes com baixos níveis de PSA apresentam baixa probabilidade de exames cintilográficos positivos para doença metastática e vice-versa. Pacientes submetidos previamente a ou em curso de terapia anti-androgênica podem apresentar níveis de PSA dentro da normalidade não estando livres de doença ou a mesma encontrar-se estabilizada, daí a importância da investigação cintilográfica na presença de queixas álgicas. 19

20 Adenocarcinoma de próstata em paciente de 63 anos. Cirurgia há 1 ano. Qt + / Rt Terapia hormonal + Assintomático. Sem relato de traumas prévios recentes. A cintilografia óssea mostra hiperfixação do radiofármaco em projeção de porção lateral do 3º arco costal esquerdo (lesão suspeita solitária setas), além de acometimentos osteoarticulares degenerativos. Sugeriu-se correlação radiológica para avaliação entre comprometimento maligno e remodelação óssea pós-trauma. 20

21 Adenocarcinoma de próstata em paciente de 56 anos. Cirurgia há 1 ano. Qt / Rt + Terapia hormonal + Queixa de lombalgia. A cintilografia óssea mostra hiperfixação do radiofármaco em projeção de articulação sacroilíaca direita (seta), além de acometimentos osteoarticulares degenerativos. Sugeriu-se correlação radiológica para avaliação diferencial entre comprometimento maligno e processo inflamatório/degenerativo. 21

22 Adenocarcinoma de próstata em paciente de 79 anos. Cirurgia há 6 anos. Qt + / Rt + Terapia hormonal + Queixa de dores ósseas generalizadas. A cintilografia óssea mostra hiperfixação do radiofármaco em projeção de 10ª e 12ª vértebras torácicas, 2ª vértebra lombar, quadril e extremidade proximal de ambos os fêmures (setas vermelhas). As imagens do corpo inteiro revelam, ainda, retenção do traçador no sistema pielocalicial do rim esquerdo, com visualização do ureter homolateral (seta verde), e em rim direito, cuja silhueta encontra-se aumentada de tamanho (seta amarela). 22

23 Adenocarcinoma de próstata em paciente de 57 anos. Cirurgia há 3 anos. Qt + / Rt + Terapia hormonal + Assintomático. A cintilografia óssea mostra áreas de hiperfixação anômala do radiofármaco em projeção de gradil costal direito, 5ª vértebra torácica, 4ª vértebra lombar (setas verdes). Nota-se, ainda, área hiporradioativa na topografia da metade esquerda da 8ª vértebra torácica, podendo corresponder à lesão lítica (seta vermelha). 23

24 Adenocarcinoma de próstata em paciente de 82 anos. Cirurgia há 4 anos. Qt / Rt + Terapia hormonal ( ) Queixa de dores ósseas generalizadas. A cintilografia óssea mostra intensa hiperfixação anômala difusa do radiofármaco nos ossos do esqueleto axial e apendicular. Note-se a ausência da imagem das silhuetas renais e vesical, que, associada ao padrão de fixação acima descrito, caracteriza o achado cintilográfico de Super Scan 24

25 CÂNCER DE PULMÃO CINTILOGRAFIA ÓSSEA Este procedimento não é rotineiramente utilizado na avaliação inicial dos pacientes portadores de neoplasia pulmonar, a menos que existam queixas específicas. Achados positivos na cintilografia óssea indicam um mau prognóstico para pacientes com carcinoma broncogênico. Estudos mostram que dor óssea e achados cintilográficos positivos são indicadores independentes associados à significativa redução da sobrevida em neoplasias pulmonares de qualquer tipo histológico. A cintilografia óssea pode evidenciar, ainda, sinais indicativos de osteoartropatia hipertrófica pulmonar. 25

26 Neoplasia pulmonar em paciente feminina de 77 anos. Queixa de lombalgia. A cintilografia óssea mostra discreta hiperfixação do radiofármaco em projeção de 5ª vértebra lombar (seta verde). Observa-se, ainda, fixação difusa e irregular do traçador em membros inferiores, evidenciando-se áreas de maior e menor intensidade de captação. Este aspecto cintilográfico é altamente sugestivo de osteoartropatia hipertrófica pulmonar (setas vermelhas). 26

27 PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA Designa-se como Linfonodo Sentinela (LS) o primeiro linfonodo para o qual o tumor primário drena, obedecendo à fisiologia da drenagem linfática do local acometido. A linfocintilografia é um método não invasivo, que permite não só a realização de imagens pela injeção do colóide radioativo (de tamanho e tipo variados) via intradérmica, atingindo assim os grupos de linfonodos regionais através dos vasos linfáticos, como também a exata localização do linfonodo sentinela durante a cirurgia, com o auxílio do gama probe. O propósito do exame cintilográfico é indicar a via de drenagem, determinar o número de linfonodos sentinela, diferenciar o sentinela dos demais nódulos linfáticos, localizar os linfonodos sentinela situados fora das regiões usuais e marcar a localização do linfonodo na pele. A pesquisa de acometimento ganglionar pelo LS pode ser até mesmo superior à abordagem de toda a cadeia, por permitir o estudo mais detalhado e o emprego de técnicas visando à detecção de micrometástases. A redução do número de linfonodos analisados permite que o patologista não só aumente o número de secções no linfonodo, como também aplique técnicas de maior sensibilidade. Dentro deste contexto, a biópsia do linfonodo sentinela foi bem aceita, adquirindo grande importância não só no estagiamento do câncer de mama, mas também no estagiamento do melanoma e, mais recentemente, câncer de pênis, vulva, cérvice uterino e de cabeça e pescoço. 27

28 CÂNCER DE MAMA PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA Entre os procedimentos terapêuticos do câncer de mama, podemos citar o manejo cirúrgico, que pode ser dividido em dois componentes: a mastectomia e a linfadenectomia axilar. A dissecção axilar é fundamental para o correto estagiamento, uma vez que a presença de linfonodos acometidos é o principal determinante isolado do prognóstico da neoplasia de mama. Além disso, é a principal responsável pela morbidade da cirurgia. Por isso, a biópsia do linfonodo se popularizou e obteve maior interesse no estagiamento do câncer de mama. As técnicas de injeção podem ser divididas em: 1 Profundas (tumor relacionadas): peritumoral e intratumoral. 2 Superficiais: periareolar, subareolar, intradermal e subcutânea. 28

29 Linfocintilografia em paciente de 52 anos com carcinoma ductal em mama direita. Exame realizado cerca de 1 hora após a administração intradérmica do radiocolóide (Fitato- 99m Tc) em quatro áreas perpendiculares na região periareolar. As imagens cintilográficas evidenciam a presença de um linfonodo sentinela em topografia de cadeia mamária interna. Linfocintilografia em paciente de 50 anos com carcinoma ductal em mama esquerda. Exame realizado cerca de 1 hora após a administração intradérmica do radiocolóide em quatro áreas perpendiculares na região periareolar. As imagens cintilográficas evidenciam a presença de dois linfonodos sentinela em topografia de cadeia axilar esquerda. Imagem imediata (pós-injeção) Imagens tardias (1 a 2 hora) 29

30 CÂNCER GINECOLÓGICO - VULVA PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA Na neoplasia de vulva a disseminação linfática é precoce, em consequência da abundância de vasos linfáticos nesta região. A invasão linfática segue a seguinte ordem cronológica, na maioria das vezes: inguinofemorais superficiais, inguinofemorais profundos, goteira inguinal, ilíacos e disseminação à distância. A disseminação hematogênica é rara. O tratamento do câncer de vulva é cirúrgico. Porém o tipo de cirurgia adequada para cada caso varia de acordo com o estagiamento e a localização do tumor. Na tentativa de melhorar a morbidade da cirurgia, alguns autores propuseram cirurgias mais conservadoras. Assim, vulvectomias ultra-radicais foram substituídas por vulvectomias parciais com linfadenectomia inguinal superficial unilateral. Atualmente, o estudo do linfonodo sentinela promete diminuir ainda mais a extensão da cirurgia. Dessa maneira, a nova técnica de abordagem cirúrgica do linfonodo sentinela inguinal pode trazer benefícios com relação à morbidade, sobrevida global e, principalmente, à qualidade de vida. 30

31 Linfocintilografia em paciente de 69 anos. Exame realizado cerca de 1 hora após a administração intradérmica do radiocolóide em quatro áreas na região vulvar perilesional. As imagens cintilográficas de corpo inteiro e da região pélvica, ambas na incidência anterior, revelam a presença de dois linfonodos sentinela na topografia da região inguinal direita (setas). 31

32 Linfocintilografia em paciente de 73 anos. Exame realizado aproximadamente 1 hora após a administração intradérmica do radiocolóide em quatro áreas na região vulvar perilesional. As imagens cintilográficas da região pélvica, nas incidências anterior e lateral direita, revelam a presença de um linfonodo sentinela na topografia da região inguinal direita (setas). ANTERIOR LATERAL DIREITA 32

33 CINTILOGRAFIA COM GÁLIO-67 A cintilografia com gálio-67 é particularmente importante na avaliação de infecções, abscessos e determinadas neoplasias, notadamente no estagiamento e seguimento de pacientes com doença de Hodgkin, assim como em alguns tipos de linfomas não-hodgkin. As imagens cintilográficas do corpo inteiro e do segmento corporal de interesse podem ser obtidas 24, 48 e 72 horas após a administração intravenosa do radiofármaco. A biodistribuição do gálio-67 compreende fígado, baço, ossos e medula óssea, com captações variáveis em mamas, glândulas salivares e lacrimais, mucosa nasal e genitália externa. Em crianças, pode haver captação normal do radiofármaco pelo timo, assim como em base do crânio e na projeção das epífises de crescimento. Alguns fatores podem alterar a biodistribuição normal deste radioelemento, tais como quimio e/ou radioterapia prévias, uso de Gadolínio como meio de contraste em exames de Ressonância Magnética e níveis de ferro sérico alterados. Pode-se encontrar acúmulo anormal de gálio-67 na projeção de feridas cirúrgicas por períodos variando desde algumas semanas até mais de um mês e em áreas focais de ossos fraturados ou submetidos à biópsia de medula e manipulações cirúrgicas. 33

34 LINFOMA CINTILOGRAFIA COM GÁLIO-67 A captação do gálio-67 pelos linfomas está ligada aos níveis de expressão dos receptores tanto de transferrina, os quais tendem a se correlacionar com a taxa de crescimento e o grau tumoral, como de ferritina sérica. Tumores com menos de 1 cm de diâmetro podem não ser identificados com facilidade no exame cintilográfico, assim como os tumores muito grandes podem apresentar um aspecto pouco exuberante devido à presença de área central de necrose. A localização anatômica do tumor também pode influenciar a sensibilidade do exame cintilográfico, em decorrência do padrão normal de distribuição do gálio-67. A avaliação cintilográfica dos pacientes pré e póstratamento é útil no monitoramento da resposta terapêutica do tumor. 34

35 Linfoma de Hodgkin em paciente masculino de 32 anos. Avaliação pré-tratamento. As imagens cintilográficas do corpo inteiro, obtidas 48 e 72 horas após a administração do gálio-67, revelaram intenso acúmulo anômalo do traçador na projeção da região axilar direita (setas), sítio de massa tumoral definido por exames radiológicos prévios. Imagens de 72 horas 35

36 Linfoma de Hodgkin em paciente masculino de 32 anos. Avaliação pós-tratamento. Intervalo entre os exames cintilográficos pré e póstratamento = 3 meses. As imagens cintilográficas do corpo inteiro, obtidas 48 e 72 horas após a administração do gálio-67, apresentam-se sem evidências de doença recorrente ou residual. Imagens de 72 horas 36

37 PET-CT Multislice O PET-CT, tecnologia híbrida de imagens médicas que associa o detalhe anatômico oferecido pela Tomografia Computadorizada (CT) Multislice com as informações metabólicas fornecidas pela Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET), tem-se constituído em metodologia essencial na avaliação dos pacientes oncológicos. Já é reconhecido que o PET apresenta acurácia entre 80-90% para o diagnóstico, estagiamento e reestadiamento de diversas formas de câncer, assim como para avaliação da terapêutica instituída, atualmente suplantando a cintilografia com gálio-67 nestas indicações. Baseando-se no princípio clássico que as células malignas proliferam-se de forma indiscriminada e geralmente metabolizam glicose a uma taxa maior, o PET permite a identificação de focos tumorais no corpo todo, enquanto a CT acoplada a esse equipamento avalia com altíssima resolução as características anatômicas da área comprometida. O PET-CT Multislice, exame de alto grau de complexidade, pode reduzir os custos em saúde porque sua tecnologia é a única na propedêutica médica que avalia adequadamente a real extensão da doença, fator que determina a terapêutica de escolha para o paciente, evitando cirurgias inúteis, procedimentos diagnósticos invasivos desnecessários, internações dispensáveis e quimioterapias prolongadas, custosas e altamente tóxicas, todos fatores que repercutem nos custos gerais, assim como na morbimortalidade dos pacientes. Em uma doença como o câncer, da qual se conhece apenas certos aspectos, que até há poucos anos era analisada de forma indireta e que tem efeitos catastróficos tanto nos pacientes quanto nos custos da saúde, o PET-CT multislice permite não só conhecer melhor seu comportamento em cada indivíduo, mas também diminuir os custos e melhorar as condições de vida desses pacientes. 37

38 PET CT Imagem de Fusão PET-CT Linfoma de Hodgkin em paciente masculino de 30 anos. Diagnóstico de linfonodomegalia submandibular em janeiro/2008. O PET-CT realizado antes do tratamento quimioterápico mostrou lesões em linfonodos submandibulares (assinalado) e em linfonodo axilar esquerdo (seta). 38

39 PET CT Imagem de Fusão PET-CT Linfoma de Hodgkin em paciente masculino de 30 anos. Diagnóstico de linfonodomegalia submandibular em janeiro/2008. O PET-CT de controle, realizado após o tratamento quimioterápico, mostrou a redução volumétrica das lesões submandibulares com ausência de captação do FDG-18F (assinalado) e discreta captação em linfonodo axilar direito (seta), em decorrência de provável processo reacional. 39

40 CÂNCER DE PULMÃO PET-CT Multislice As limitações da radiografia simples e da CT Multislice do tórax para o diagnóstico diferencial entre os tumores pulmonares malignos e benignos são bem conhecidas. O PET-CT possui alta sensibilidade, entre 83 e 100%, e especificidade discretamente menor, entre 62 e 100%, para definição da malignidade de lesões pulmonares. O valor preditivo negativo do PET é elevado, em torno de 95%, o que auxilia a descartar presença de nódulo maligno com certa margem de segurança. A acurácia, por sua vez, varia de 86 a 100%. A aquisição de imagens precoces e tardias pode auxiliar a diferenciação entre a captação de FDG-18F em processos inflamatórios ou em lesões granulomatosas, como a tuberculose, histoplasmose ou silicoantracose, entre outras. Os tumores malignos tendem a apresentar aumento da captação de FDG-18F nas imagens tardias (2 a 3 horas após a administração do radiofármaco), em comparação com as imagens convencionais (60 minutos após a administração da glicose marcada). Os processos inflamatórios, no entanto, tendem a apresentar redução da fixação do radiofármaco nas imagens tardias, auxiliando na diferenciação entre lesões benignas e malignas. 40

41 PET-TC Multislice Outra aplicação da quantificação de acúmulo do radiotraçador numa lesão é quando se comparam imagens obtidas pré e pós-quimioterapia ou radioterapia. A diminuição da intensidade de acúmulo do radiotraçador, em um segundo exame, permite constatar a resposta positiva da lesão à terapêutica instituída. O PET-CT Multislice encontra, ainda, ampla aplicação na pesquisa de metástases à distância de tumores pulmonares, como para o fígado e esqueleto, ou mesmo na avaliação de linfonodos mediastinais, com elevada sensibilidade para confirmar ou descartar tal possibilidade mediante a varredura do corpo inteiro. Ou seja, ele permite um estagiamento mais preciso de corpo inteiro mediante um único exame. Além disso, não necessita da administração de contraste iodado endovenoso, não havendo praticamente nenhum risco de reação alérgica ao FDG-18F. Outra vantagem do PET é na diferenciação entre o local exato do tumor e a área circunjacente de atelectasia que pode estar associada, características únicas deste método, uma vez que a CT não pode fazer esta diferenciação. 41

42 Paciente feminina, 72 anos, tabagista por 30 anos. Diagnóstico de adenocarcinoma pulmonar há 4 anos. Qt + com melhora do quadro. Há 2 anos, quadro agudo de isquemia miocárdica, sendo submetida à revascularização. Há 1 ano, o estudo radiológico de controle revelou nódulo em pulmão esquerdo. Reestadiamento realizado por PET-CT Multislice, confirmando a recidiva do nódulo pulmonar. À época, levantou-se a possibilidade de tratar-se de processo inflamatório, por isso recorreu-se à quantificação do acúmulo de FDG-18F na lesão, nas imagens obtidas no início do exame e duas horas após. O aumento da radioatividade na lesão, observado nas imagens tardias, permitiu descartar eventual processo inflamatório. PET CT Imagem de Fusão PET-CT Imagem de CT multislice mostra nódulo de contorno espiculado, medindo 1 cm de diâmetro, no segmento anterior do lobo superior do pulmão esquerdo (seta). O PET e a imagem de fusão PET-CT revelam a intensa atividade do mesmo, caracterizada pelo acúmulo de FDG-18F (setas). Imagens compatíveis com processo neoplásico. 42

43 CÂNCER COLORRETAL PET-CT Multislice No câncer colorretal, tanto o prognóstico quanto a evolução da doença depende do estagiamento do tumor. Sabese também que os níveis do antígeno carcinoembriogênico (CEA) são bons marcadores do câncer colorretal, sobretudo na recorrência, porém não permitem a localização da lesão. Certamente é fundamental a definição da presença ou ausência de metástases à distância, pois obviamente a cirurgia só consegue bons resultados na ausência de doença disseminada. Eventualmente as técnicas de imagem anatômica podem encontrar dificuldades para a localização de lesões à distância. O PET, através do seu elevado valor preditivo negativo para detecção de tumor, que pode chegar a 100%, contribui de forma decisiva na conduta cirúrgica dos portadores de câncer colorretal. O PET revela maior sensibilidade que a CT isolada na detecção de metástases hepáticas, sendo sua sensibilidade de 88% contra 38% da CT e a especificidade de 100% contra 97% da CT. Outra importante aplicação do PET no estudo do câncer colorretal reside na investigação pós-radioterapia, para avaliar os resultados do tratamento. Recomenda-se realizar a cintilografia com o PET cerca de 3 a 6 meses depois da última aplicação, para evitar resultados falso-positivos decorrentes do acúmulo do FDG pela área recentemente submetida a actinoterapia. Neste caso, torna-se de grande importância a realização do estudo pré-tratamento para comparação posterior com as imagens pós-tratamento. 43

44 Paciente feminina, 62 anos, com diagnóstico de adenocarcinoma colorretal (Dukes B1). Ressecção da lesão há 5 anos. Qt adjuvante por 7 meses com melhora do quadro clínico e queda dos marcadores tumorais. Há 2 anos, os exames de controle detectaram aumento dos níveis de CEA. A CT revelou diversos nódulos hepáticos. O rastreamento do corpo inteiro com PET-CT Multislice mostrou diversas zonas de acúmulo do FDG-18F no fígado, compatíveis com implantes secundários. Verificou-se, ainda, área focal de aumento do metabolismo glicolítico na região retroperitoneal para-aórtica esquerda. A fusão dos estudos anatômico e funcional revelou doença em estágio avançado (Dukes D), o que resultou na reavaliação da conduta terapêutica em curso. A varredura do corpo inteiro, realizada em poucos minutos, revela lesões hepáticas com área hipocaptante central (implantes secundários com necrose central), além de linfonodomegalia para-aórtica esquerda, apresentando envolvimento secundário (setas). PET CT Imagem de Fusão PET-CT 44

45 TUMORES CEREBRAIS PET-CT Multislice Embora a RM ainda seja o padrão-ouro para o diagnóstico e seguimento de tumores cerebrais, a caracterização desses tumores, possuidores de grande variedade de processos biogenético-metabólicos, pode e deve ser realizada com o uso do PET-CT. O PET-CT tem valor potencial na obtenção de informações prognósticas. Em pacientes previamente tratados, o PET-CT pode ser útil na diferenciação entre tumores recorrentes e radionecrose, sobretudo quando realizado em fases mais tardias pós-tratamento. Apresenta, ainda, a vantagem do monitoramento dos gliomas de baixo grau, especialmente em casos de tratamento conservador ou de ressecção parcial, podendo demonstrar a transformação maligna dessas lesões antes dos métodos estruturais. O PET-CT realiza uma melhor seleção da área a ser biopsiada por estereotaxia, indicando uma terapêutica mais apropriada, além de ter valor prognóstico em tumores irressecáveis. 45

46 Paciente feminina, 10 anos. Portadora de glioma de alto grau localizado em ponte. O PET-CT Multislice demonstra a intensa captação do FDG-18F na lesão, de intensidade maior que a observada no parênquima adjacente (setas). A elevada captação da glicose radiomarcada sugere neoplasia de alto grau. PET CT Imagem de Fusão PET-CT 46

47 AVALIAÇÃO DE CARDIOTOXICIDADE EM PACIENTES ONCOLÓGICOS O tratamento antineoplásico, através de quimio ou radioterapia, pode acarretar algum grau de morbidade por lesão transitória de diferentes órgãos, a curto e longo prazo, que se manifestam, clinicamente, quando o déficit funcional atinge um nível crítico. Apesar das drogas modernas e nova tecnologia em radioterapia induzirem menor toxicidade, a intensificação do tratamento, assim como a maior sobrevida do paciente eleva a possibilidade de efeitos colaterais, manifestados clinicamente (quimioterapia) ou através de lesões sub-clínicas (radioterapia). QUIMIOTERAPIA A cardiotoxicidade de alguns quimioterápicos é um dos efeitos colaterais importantes do tratamento oncológico. A avaliação precoce da função cardíaca, sobretudo através de métodos funcionais não invasivos, é uma estratégia que permite controlar os efeitos tóxicos dos quimioterápicos. 47

48 VENTRICULOGRAFIA RADIOISOTÓPICA A ventriculografia radioisotópica é um método não invasivo, exato e reprodutível, que não sofre interferência do operador e que avalia os parâmetros funcionais de fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) e função diastólica, todos tendo valor prognóstico no manejo do paciente oncológico, principalmente quando o exame cintilográfico é realizado nas fases pré-quimioterapia (estudo basal), durante e após o tratamento. Os critérios para definir a cardiotoxicidade, baseados na FEVE, são: 1. Leve - diminuição da FEVE em 10 pontos - FEVE: 50-45% 2. Moderada 3. Grave - redução da FEVE 15% - FEVE <45% >30% - FEVE 30% Ventriculografia realizada em paciente feminina após o término do tratamento quimioterápico. Fração de ejeção (EF) estimada em 21%, indicando disfunção cardíaca grave. 48

49 AVALIAÇÃO DE CARDIOTOXICIDADE EM PACIENTES ONCOLÓGICOS RADIOTERAPIA A lesão cardíaca por radioterapia é freqüente nos casos de linfoma de Hodgkin e câncer de mama. Pode manifestar-se de forma aguda e, na maioria da vezes, é reversível requerendo, para tanto, avaliação precoce do paciente pós-tratamento. Os tipos de lesão cardíaca pós-radioterapia podem ser: pericardite, miocardite e cardiopatia isquêmica (lesão micro e macrovascular). A avaliação da lesão pode ser feita por ventriculografia radioisotópica e por cintilografia de perfusão miocárdica sincronizada pelo ECG (Gated-SPECT). Seguindo-se protocolos de avaliação funcional, podese reduzir em até quatro vezes a incidência de complicações cardíacas. 49

50 CINTILOGRAFIA DE PERFUSÃO MIOCÁRDICA (GATED-SPECT) Paciente feminina, 65 anos. Queixa de precordialgia aos esforços. Histórico de câncer de mama. Qt + / Rt + PÓS-ESRESSE EM REPOUSO A cintilografia miocárdica revela hipoperfusão da parede ântero-septal e da região apical do ventrículo esquerdo na fase pós-estresse, a qual reverte para acúmulo normal do radiotraçador na fase em repouso. Cintilografia de perfusão miocárdica compatível com isquemia. 50

51 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Sandler MP, Coleman RE, Patton JA, Wackers FJ, Gottschalk A. Diagnostic nuclear medicine. 4th ed.. Philadelphia LWW, , Croll Mn, Brady LW, Dadparvar S. Implications of lymphoscintigraphy in oncologic practice: principles and differences vis- a- vis other imaging modalities. Sem Nucl Med XIII (1): 4-8, Bergqvist L, Strand SE, Persson BRR. Particle sizing and biokinetics of interstitial lymphoscinitgrafhic agents. Sem Nucl Med XIII (1): 9-18, Fristachi CE. Câncer de Vulva: algumas considerações sobre o tratamento cirúrgico. Disponível em: br 5. Sarian LOZ, Marshall OS, Derchain SFM, Torres JCC, Santos ACP, Souza GA. Invasão linfática clinicamente não detectável do câncer vulvar. Revista da Associação Médica Brasileira. Julho/Agosto 2005, 51 (4). Disponível em: 6. Merric MV, Merric JM. Bone scintigraphy in lung cancer: a reappraisal. Br J Rad 59: 1185, Murray IPC, Ell PJ. Gallium scintigraphy in tumour diagnosis and management. In: Nuclear Medicine in clinical diagnosis and treatment. Churchill Livingstone,4th ed; vol 2: , Czernin J, Phelps ME. Positron emission tomography scanning: current and future applications. Annu Rev Med 53: , Schelbert H, Czernin J. PET-CT imaging: facts, opinions, hopes and questions. J Nucl Med 45: 15-35, Kostakoglu L et al. Clinical role of of FDG PET in evaluation of cancer patients. Radiographics 23: , Bielendorf J. FDG PET reimbursement. J Nucl Med Tech 34: 33-38, Weber WA. Use of PET for monitoring cancer therapy and for predicting outcome. J Nucl Med 46: , PET scan online. Disponível em: com/faq/faq_fr.asp 51

52 14. Pfister DG et al. American Society of Clinical Oncology. Treatment of Non Small-Cell Lung Cancer Guideline: Update Journal of Clinical Oncology 22: , Verhagen AFT et al. FDG-PET in staging lung cancer: how does it changes the algorithm? Lung Cancer 44: , 2004 (abstract). Disponível em: udi=b6t9c-4bhy4n1-1&_user=10&_handle=v-wa-a-w-ww- MsSAYVW- 16. Fukunaga H et al. Fusion image of Positron Emission Tomography and Computed Tomography for the diagnosis of local recurrence of rectal cancer. Annals of Surgical Oncology 12: , Disponível em: content/abstract/12/7/ Chin BB, Wahi RL. 18-F-Fluoro-2-deoxyglucose positron emission tomography in the evaluation of gastrointestinal malignancies. Gut 52: 23-29, Chen W. Clinical Applications of PET in brain tumors. J Nucl Med 48: , Ell PJ. President s Conference Paper: The contribution of PET/CT to improved patient management. The British Journal of Radiology 79: 32-36, Di Chiro G, DeLaPaz RL, Brooks RA et al. Glucose utilization of cerebral glioma measured by [18F] fluordeoxyglucose and positron emission tomography. Neurology 32: , Di Chiro G, Oldfield E, Wright DC et al. Cerebral necrosis after radiotherapy and/or intraarterial chemotherapy for brain tumor: PET and neuropathologic studies. AJNR 150: , Mut F. Avaliação de cardiotoxicidade em pacientes submetidos à quimioterapia. Trabalho apresentado no 24º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Rio de Janeiro SOCERJ pelo Centro de Medicina Nuclear da Guanabara. Disponível em: cmng.com.br Responsável Técnico DR. ANTÔNIO FIEL CRUZ JÚNIOR CRM-PR RQE:

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO GUIA PET-CT TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA

Leia mais

Sérgio Altino de Almeida

Sérgio Altino de Almeida Project and Uses of PET Scan LAS ANS SYMPOSIUM 2005 Sérgio Altino de Almeida Hospital Samaritano - Clínica Radiológica Luiz Felippe Mattoso Rio de Janeiro - Junho - 2005 Geração e Interpretação das Imagens

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer Data: 27/11/2012 Nota Técnica 23/2012 Medicamento Material Procedimento X Cobertura Solicitante: Bruna Luísa Costa de Mendonça Assessora do Juiz da 2ª Vara Cível Numeração Única: 052512020931-3 Tema: Uso

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico EMENTA 1. PET/CT com FDG: Conceitos básicos 2. PET/CT-FDG no CA de Pulmão e NPS: a. Indicações aprovadas pela ANS b. Bases científicas

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 APLICAÇÕES NA ÁREA MÉDICA RADIODIAGNÓSTICO RADIOTERAPIA MEDICINA NUCLEAR USO DE FONTES DE RADIAÇÃO NA ÁREA MÉDICA RAIOS-X DIAGNÓSTICO: equipamentos emissores

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país José Soares Junior Presidente da SBBMN (Sociedade Brasileira de Biologia, Medicina Nuclear e Imagem Molecular)

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

WDS, masculino, 57 anos

WDS, masculino, 57 anos Módulo: Câncer de Pulmão Não-Pequenas Células Metastático Caso 1 WDS, masculino, 57 anos FEV/2010: Dor lombar e em quadril E; ausência de tosse com hemoptise; sem sintomas neurológicos Cintilografia óssea:

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

PET- TC aplicações no Tórax

PET- TC aplicações no Tórax PET- TC aplicações no Tórax Disciplina de Pneumologia InCor- HCFMUSP Prof. Dr. Mário Terra Filho 1906 1863 Eisenberg 1992 (J. Kavakama) RxTC- Sec XIX-XX Lyons-Petrucelli 1978 Sec XIX PET- Sec XX-XXI PET

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PET/CT NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER THE IMPORTANCE OF PET / CT DIAGNOSTIC EARLY CANCER

A IMPORTÂNCIA DO PET/CT NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER THE IMPORTANCE OF PET / CT DIAGNOSTIC EARLY CANCER Centro de Imagem e Saúde CIMAS São Paulo SP A IMPORTÂNCIA DO PET/CT NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER THE IMPORTANCE OF PET / CT DIAGNOSTIC EARLY CANCER Juliana Thaina Lopes Pinéo Fone: (85)8737-6812 Endereço:

Leia mais

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT)

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Biociências Departamento de Biofísica Biofísica Biomédica III BIO10016 Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Franciele Giongo e Luíza Fortes

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.;

Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.; VALOR DO 99m Tc-SESTAMIBI EM PACIENTES COM MELANOMA MALIGNO Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.; Braga, Helton M.; Moraes, Renata F.; Rezende,Marta O.;

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM)

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem 01. Radiografia anteroposterior do terço proximal da perna esquerda. Imagem 02. Ressonância magnética do mesmo paciente, no plano coronal

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

Junho/2011: durante investigação de quadro gripal observado nodulo em LID

Junho/2011: durante investigação de quadro gripal observado nodulo em LID Módulo: Câncer de Pulmão de Pequenas Células Caso 1 MRC, femin, 70 anos Junho/2011: durante investigação de quadro gripal observado nodulo em LID CT de Torax: nodulo 28 2,8 x 1,9 19 cm junto à pleura base

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA TORÁCICA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA TORÁCICA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA TORÁCICA Caso da Semana: Nódulo Pulmonar sem captação no PET scan Serviço de Cirurgia Torácica do Pavilhão Pereira Filho Santa Casa de Porto Alegre Apresentador: R3 Tiago

Leia mais

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Caso 1 Paciente fumante crônico, 61 anos, bom estado geral. Diagnosticado tumor de LSD de 3,7 cm,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Sumário NORMAS OPERACIONAIS Fluxograma dos Pacientes Fluxo de Pacientes antes ou após Cintilografia sem Ergometria e/ou Acompanhantes Fluxo de Pacientes após Ergometria Protocolo

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

TUMORES NEUROENDÓCRINOS

TUMORES NEUROENDÓCRINOS TUMORES NEUROENDÓCRINOS MEDICINA NUCLEAR Inês Lucena Sampaio Serviço de Medicina Nuclear do IPO-Porto TNE: DEFINIÇÃO The North American Neuroendocrine Tumor Society (NANETS) (NANETS Guidelines, The Pathologic

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar?

PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar? PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar? ESÔFAGO ESÔFAGO - AVALIAÇÃO DO TUMOR PRIMÁRIO ULTRASSONOGRAFIA ENDOSCÓPICA É o método de escolha ESTADIAMENTO TUMORAL extensão do

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 1 O SEMESTRE DE 2015 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM)

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Dra. Luciana Baptista Artigo originalmente publicado no caderno Application do Jornal Interação Diagnóstica n.01, abril/maio

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

Doença de Paget. Definição:

Doença de Paget. Definição: Definição: É uma doença sistêmica de origem desconhecida que determina alteração no Processo de Remodelação Óssea. Apresenta um forte componente genético. Se caracteriza por um aumento focal no remodelamento

Leia mais

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Definição Nódulo pulmonar é uma estrutura circular de margens definidas, de 2 a 30 mm de diâmetro. Micronódulo menos de

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Data: 07/12/2012. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. TEMA: Pet CT no câncer de colon e no câncer gástrico

Data: 07/12/2012. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. TEMA: Pet CT no câncer de colon e no câncer gástrico NT 43/2012 Solicitante: Ilma Dra Jacqueline de Souza Toledo e Dutra Juíza de Direito do 2º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0162231-94.2012.8.13.0525 Data: 07/12/2012 Medicamento

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Metastatis (grego) Transferência, mudança de lugar Disseminação da doença Sinal de doença avançada Qual a via preferencial de metástase

Leia mais

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital São José São SoPaulo uo Caso 1 Paciente com 70 anos, fumante crônico 20 cig/d/42 anos,,p parou há 11 anos, tosse há 3 meses Rx de tórax: massa em LIE

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA A cintilografia tomográfica da perfusão cerebral (SPECT) detecta alterações da perfusão sanguínea cerebral inclusive na ausência

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO PREVENÇÃO Use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

Manejo do Nódulo Pulmonar

Manejo do Nódulo Pulmonar Manejo do Nódulo Pulmonar Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e INSCER PUC/RS Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS brunohochhegger@gmail.com Manejo do Nódulo Pulmonar

Leia mais

Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre

Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre NT 40/2013 Solicitante: NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Data: 04/04/2013 Medicamento Material Procedimento x Cobertura Numeração: 004561-6/13

Leia mais

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS)

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS) LINFONODOS A capacidade de reconhecer linfonodos normais, assim como os anormais, na TC esta diretamente relacionada com a quantidade de tecido adiposo mediastinal presente. Os linfonodos aparecem com

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

SNM Orientação Prática para PET/CT ósseo com 8F-Fluoreto de Sódio 1.0 *

SNM Orientação Prática para PET/CT ósseo com 8F-Fluoreto de Sódio 1.0 * SNM Orientação Prática para PET/CT ósseo com 8F-Fluoreto de Sódio 1.0 * November 2011 PREÂMBULO A Sociedade de Medicina Nuclear (SNM) é uma organização internacional profissional e científica fundada em

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

25/11 - SEXTA-FEIRA. Sala/Horário SALA RITZ SALA CC1 SALA CC2

25/11 - SEXTA-FEIRA. Sala/Horário SALA RITZ SALA CC1 SALA CC2 I CONGRESSO SUL-SUDESTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA ONCOLÓGICA VI JORNADA DE ONCOLOGIA DO CEPON 25 e 26 de Novembro de 2016 Centro de Convenções - Majestic Palace Hotel - Florianópolis - SC PROGRAMAÇÃO

Leia mais

22ª Imagem da Semana: Fotografia e radiografia da face

22ª Imagem da Semana: Fotografia e radiografia da face 22ª Imagem da Semana: Fotografia e radiografia da face Enunciado Paciente do sexo feminino, 34 anos. Diagnóstico de glomerulonefrite aos 12 anos de idade, em tratamento de substituição hemodialitica há

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Posicionamento, Imobilização e. Técnica de Tratamento nos Tumores. do Pulmão

Posicionamento, Imobilização e. Técnica de Tratamento nos Tumores. do Pulmão Posicionamento, Imobilização e Técnica de Tratamento nos Tumores do Pulmão INTRODUÇÃO Tumores malignos que ocorrem no Tórax. Carcinoma de Esôfago, Timoma, Tumores de células germinativas, Doenças Metastáticas,

Leia mais

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Nódulo: - Pcp manifestação clínica das dçs da tireóide - 5% das mulheres e 1% dos

Leia mais

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Oncologia

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Oncologia Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear Oncologia Este documento foi elaborado conforme orientações da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear, visando aproximar ainda mais nossa

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO TOMOGRAFIA DE PESCOÇO INTRODUÇÃO O exame de pescoço por TC é realizado com o paciente decúbito dorsal, com a cabeça voltada para gantry, imagens axiais contínuas com espessura de corte de 5mm e 5mm de

Leia mais