Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Oncologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Oncologia"

Transcrição

1 Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear Oncologia

2 Este documento foi elaborado conforme orientações da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear, visando aproximar ainda mais nossa especialidade à prática médica diária. Qualquer dúvida ou informação adicional, estaremos a disposição para atendê-lo ou acesse nosso site Atenciosamente, Dr. Thércio M.S.Rocha e Equipe Cintilus - Medicina Nuclear

3 Cintilografia óssea Como deve ser solicitado: Cintilografia óssea Código AMB Código CBHPM Indicação:A cintilografia óssea convencional (sem fluxo) é indicada na pesquisa de metástases ósseas. Preparo: Não há. Beber de 4 a 6 copos de água após a injeção e esvaziar a bexiga com frequência. O estudo é iniciado 2 a 3 horas após administração por via venosa do radiofármaco. Radiofármaco: MDP-Tc 99m Paciente em decúbito dorsal horizontal. São realizadas Varredura anterior e posterior de corpo inteiro e imagens adicionais a critério médico.

4 Fluxo Sanguíneo ósseo Como deve ser solicitado: Cintilografia óssea trifásica Código AMB e Código CBHPM e Indicação: O estudo trifásico é indicado na suspeita de inflamação e infecção (celulite/osteomielite/ artrite), tumores ósseos primários, doença de Paget, próteses, displasia fibrosa, distrofia simpática reflexa, ossificação heterotópica, osteonecrose doença de Legg Perthes, enxerto ósseo pediculado, fratura de stress, hiperplasia de côndilo mandibular, entre outras. Preparo: Não há. Beber de 4 a 6 copos de água após a injeção e esvaziar a bexiga com frequência. O estudo é início imediato após administração por via venosa em bolo do radiofármaco e imagens tardias são realizadas de 2 a 3 horas após. Radiofármaco: MDP-Tc 99m Fase 1- São realizadas imagens dinâmicas por 1 minuto da região de interesse. Fase 2- Imagem estática (imagem de equilíbrio) após 5 minutos da mesma região. Fase 3- Imagem estática (tardia) da mesma região de interesse e varredura anterior e posterior de corpo inteiro. Imagens adicionais e SPECT a critério médico. Comentário: O SPECT ósseo é indicado em: suspeita de espondilólise e espondilolistese, discite, osteoma osteóide na coluna, lombalgia em criança/jovem sem alteração na imagem plana, necrose de cabeça femoral / Legg-Perthes, hiperplasia de côndilo mandibular.

5 Fluxo Sanguíneo ósseo e imagens de equilíbrio Fluxo sanguíneo para joelhos (projeção anterior) Equilíbrio joelhos anterior Equilíbrio joelhos posterior

6 Cintilografia de corpo inteiro com Gálio 67 Como deve ser solicitado: Cintilografia de corpo inteiro com Gálio-67 ou PCI gálio. Código AMB Código CBHPM Indicação: diagnóstico e estadiamento de linfomas, na pesquisa de febre de origem indeterminada e infecções (atividade peri-próteses ortopédicas, vasculares ), etc. Preparo: Estudos recentes com bário podem prejudicar a avaliação abdominal O estudo é iniciado 48 horas após administração por via venosa do radiofármaco. Radiofármaco: Citrato de Gálio 67 Paciente em decúbito dorsal horizontal. São realizadas varreduras anterior e posterior de corpo inteiro e imagens adicionais a critério médico.

7 Cintilografia Mamária Como deve ser solicitado: Cintilografia mamária (definir qual mama, se direita, esquerda ou bilateral) Código AMB Código CBHPM Indicação: avaliação de lesões mamárias, como por exemplo em pacientes com próteses mamárias e lesões nodulares a esclarecer. Preparo: Não há O estudo é iniciado 10 a 20 minutos após administração por via venosa do radiofármaco. Radiofármaco: MIBI- 99m Tc (sestamibi marcado com 99m Tecnécio) Imagens estáticas da região de interesse e imagens adicionais a critério médico. Cintilografia de mama esquerda

8 Cintilografia de Corpo Inteiro com MIBG- 131 I e MIBG- 123 I Como deve ser solicitado: Cintilografia de Corpo Inteiro com MIBG Código AMB Código CBHPM Indicação: avaliação de tumoração de linhagem neuroectodérmica como o feocromocitoma, neuroblastoma. Preparo: Tomar 2 colheres de sopa de Iodetal, Iodepol ou Iodeto de Potássio uma vez ao dia durante 10 dias, iniciando 5 dias antes da data marcada para a realização do exame. Suspender drogas (ver relação abaixo) após contato com médico solicitante. (Obs: Pode receber propranolol) O estudo é iniciado 48 horas após administração por via venosa do radiofármaco. Radiofármaco: MIBG- 131 I ou MIBG- 123 I Paciente em decúbito dorsal horizontal. São realizadas varreduras anterior e posterior de corpo inteiro e imagens adicionais a critério médico. PCI MIBG 123 I

9 Cintilografia de Corpo Inteiro com 131 I ou 123 I Como deve ser solicitado: Cintilografia de Corpo Inteiro com Iodo ou PCI- IODO Código AMB Código CBHPM Indicação: Pesquisar restos tireoidianos após tireoidectomia total e metástases de carcinoma diferenciado de tireóide. Preparo: Evitar substâncias que contenham iodo ou interfiram na função tireoideana (alimentação, medicação, cosméticos, estudos contrastados). Na data do agendamento uma dieta será passada para ser seguida rigorosamente. O estudo é iniciado 48 horas após administração por via oral do radiofármaco. Radiofármaco: iodeto- 131 I Paciente em decúbito dorsal horizontal. São realizadas varreduras anterior e posterior de corpo inteiro e imagens adicionais a critério médico. PCI Iodo-131

10 Cintilografia de Corpo Inteiro com Octreotide- 111 In Como deve ser solicitado: Cintilografia de Corpo Inteiro com Octreotide Código AMB ainda sem código Código CBHPM Indicação: utilizado principalmente na avaliação de processos oncológicos de linhagem neuroendócrinas. Preparo: Suspender uso de sandostatina (octreotide frio) O estudo é iniciado de 4 a 6 horas e 24 horas após administração por via venosa do radiofármaco. Radiofármaco: Octreotide- 111 In (octreotide marcado com 111 Indio) Paciente em decúbito dorsal horizontal. São realizadas varreduras anterior e posterior de corpo inteiro e imagens adicionais a critério médico. PCI - Octreotídeo

11 Cintilografia de Corpo Inteiro com Tálio-201 Como deve ser solicitado: Cintilografia de Corpo Inteiro com Tálio-201 Código AMB ainda sem código Código CBHPM ainda sem código Indicação: O exame pode ser utilizado na avaliação de pacientes que foram submetidos à tireoidectomia total por carcinoma diferenciado da tireóide como alternativa à pesquisa de corpo inteiro com iodo-131, não sendo necessária a suspensão da reposição hormonal tireoidiana. O exame pode ser utilizado também na avaliação de outros processos oncológicos. Preparo: Não há O estudo é iniciado 10 a 20 minutos e repetido 2 após administração por via venosa do radiofármaco. Radiofármaco: Cloreto de 201 Tálio Paciente em decúbito dorsal horizontal. São realizadas varreduras anterior e posterior de corpo inteiro e imagens adicionais a critério médico.

12 Cintilografia de Corpo Inteiro com MIBI- 99m Tc Como deve ser solicitado: Cintilografia de Corpo Inteiro com MIBI- 99m Tc Código AMB ainda sem código Código CBHPM ainda sem código Indicação: O exame pode ser utilizado na avaliação de pacientes que foram submetidos à tireoidectomia total por carcinoma diferenciado da tireóide comoalternativa à pesquisa de corpo inteiro com iodo-131, não sendo necessário a suspensão da reposição hormonal tireoidiana. O exame pode ser utilizado também na avaliação de outros processos oncológicos como o mieloma múltiplo, avaliação de predição de resposta ao tratamento quimioterápico em pacientes com sarcomas de partes moles. Preparo: Não há O estudo é iniciado 10 minutos após administração por via venosa do radiofármaco e repetido após 2 horas. Radiofármaco: MIBI- 99m Tc (sestamibi marcado com Tecnécio-99m) Paciente em decúbito dorsal horizontal. São realizadas varreduras anterior e posterior de corpo inteiro e imagens adicionais a critério médico. PCI MIBI 99m TC

13 Cintilografia de Corpo Inteiro com DMSA-V- 99m T c Como deve ser solicitado: Cintilografia de Corpo Inteiro ou Pesquisa de Corpo Inteiro com DMSA pentavalente Código AMB ainda sem código Código CBHPM ainda sem código Indicação: O exame é um dos utilizados para avaliação de tumoração de linhagem neuroectodérmica, como por exemplo o carcinoma medular da tireóide. Preparo: Não há O estudo é iniciado 90 minutos após administração por via venosa do radiofármaco. Radiofármaco: DMSA-V- 99m Tc (ácido dimercaptosuccínico pentavalente marcado com Tecnécio 99m) Paciente em decúbito dorsal horizontal. São realizadas varreduras anterior e posterior de corpo inteiro e imagens adicionais a critério médico.

14 Linfocintilografia de Membros Superiores ou Membros Inferiores Como deve ser solicitado: Linfocintilografia de Membros Superiores ou Membros Inferiores Código AMB Código CBHPM Indicação: avaliação funcional da drenagem linfática de membros superiores ou inferiores. Preparo: Não há O estudo é iniciado imediatamente após administração intradérmica/subdérmica do radiofármaco e repetida 1 hora e 3 horas após. Radiofármaco: Soro Albumina Humana - 99m Tc (Soro Albumina Humana marcada com Tecnécio 99m) Paciente em decúbito dorsal horizontal. São realizadas varreduras anterior e posterior de corpo inteiro e imagens adicionais a critério médico. Linfocintilografia MMII

15 Pesquisa de Linfonodo Sentinela (Mama) Como deve ser solicitado: Pesquisa de linfonodo sentinela Código AMB - ver comentário abaixo* Código CBHPM - ver comentário abaixo* Indicação: A pesquisa de linfonodo sentinela geralmente é realizada para o estadiamento ganglionar do carcinoma de mama no estádio I. Preparo: não há Podem ser realizadas injeções peri tumoral (com auxílio de métodos anatômicos como ultra-sonografia ou mamografia), periareolar e intradérmica.o estudo é iniciado 60 minutos após administração do radiofármaco. Radiofármaco: Dextran-99mTc ou Fitato- 99m Tc. Paciente deitado em decúbito dorsal, imagens do tórax e axilas são realizada nas projeções anterior, posterior e laterais. *Comentário: Esse procedimento é dividido em 3 etapas: 1. Cintilografia :código AMB e CBHPM Demarcação: código não possui e CBHPM Pesquisa Intra-operatória: código AMB não possui e CBHPM Realizada geralmente após a realização da cintilografia para pesquisa de linfonodo sentinela, com o objetivo de auxiliar a localização intra-operatória do linfonodo com a utilização de um detector de raios gama portátil (probe).

16 Pesquisa de Linfonodo Sentinela (melanoma) Como deve ser solicitado: Pesquisa de linfonodo sentinela Código AMB ver comentário abaixo * Código CBHPM ver comentário abaixo * Indicação: A pesquisa de linfonodo sentinela geralmente é realizada para o estadiamento ganglionar. Preparo: não há Podem ser realizadas injeções peri tumoral (com auxílio de métodos anatômicos como ultra-sonografia ou mamografia), periareolar e intradérmica. O estudo cintilográfico é iniciado 60 minutos após administração do radiofármaco. Radiofármaco: Dextran-99mTc ou Fitato- 99m Tc. Paciente deitado em decúbito dorsal, imagens do tórax e axilas são realizada nas projeções anterior, posterior e laterais. *Comentário: Esse procedimento é dividido em 3 etapas: 1. Cintilografia :código AMB e CBHPM Demarcação: código não possui e CBHPM Pesquisa Intra-operatória: código AMB não possui e CBHPM Realizada geralmente após a realização da cintilografia para pesquisa de linfonodo sentinela, com o objetivo de auxiliar a localização intra-operatória do linfonodo com a utilização de um detector de raios gama portátil (probe).

17 Localização intra-operatória de lesão mamária não palpável (ROLL) Como deve ser solicitado: Pesquisa de linfonodo sentinela e localização intraoperatória de lesão mamária não palpável (geralmente é realizado em conjunto com a pesquisa de linfonodo sentinela). Código AMB ver comentário abaixo* Código CBHPM ver comentário abaixo* Indicação: Auxiliar a ressecção cirúrgica de uma lesão mamária não palpável. Preparo: não há Injeção do radiofármaco próximo à lesão mamária suspeita, com o auxílio de métodos anatômicos (ultra-sonografia ou mamografia). O estudo cintilográfico é realizado normalmente 2 a 4 horas após a administração do material. Radiofármaco: Dextran- 99m Tc (Dextran marcado com Tecnécio 99m) Paciente deitado em decúbito dorsal, imagens do tórax e axilas são realizada nas projeções anterior, posterior e laterais. *Comentário: Esse procedimento é dividido em 4 etapas: 1. Injeção e método anatômico de imagem 2.Cintilografia :código AMB e CBHPM Demarcação: código AMB - não possui e CBHPM Pesquisa Intra-operatória: código AMB não possui e CBHPM Realizada geralmente após a realização da cintilografia e demarcação, com o objetivo de auxiliar a localização intra-operatória da lesão com a utilização de um detector de raios gama portátil (probe).

18 Tratamento da dor óssea com Samário Como deve ser solicitado: Samário Código AMB não possui Código CBHPM Indicação: Tratamento de dor óssea proveniente de metástases Preparo: Realizar consulta com médico nuclear 20 dias antes do agendamento da dose para receber as orientações do tratamento e para cálculo da dose, trazer hemograma completo realizado na mesma semana da dose no dia agendado. O estudo é iniciado 4 horas após administração por via endovenosa do radiofármaco. Radiofármaco: 153 Samário Paciente em decúbito dorsal horizontal. São realizadas varreduras anterior e posterior de corpo inteiro. PCI Samário

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Ortopedia

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Ortopedia Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear Ortopedia Este documento foi elaborado conforme orientações da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear, visando aproximar ainda mais nossa

Leia mais

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Endocrinologia

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Endocrinologia Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear Endocrinologia Este documento foi elaborado conforme orientações da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear, visando aproximar ainda mais

Leia mais

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Neurologia

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Neurologia Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear Neurologia Este documento foi elaborado conforme orientações da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear, visando aproximar ainda mais nossa

Leia mais

www.imaginologia.com.br Imaginologia.com.br - Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões.

www.imaginologia.com.br Imaginologia.com.br - Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões. www.imaginologia.com.br Imaginologia.com.br - Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões. 1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE EXAMES DE MEDICINA NUCLEAR R e d a t o r

Leia mais

I Data: 11/01/2007. IV Especialidade(s) envolvida(s): Medicina Nuclear, Mastologia

I Data: 11/01/2007. IV Especialidade(s) envolvida(s): Medicina Nuclear, Mastologia Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 01/07 Tema: Definição de procedimentos e códigos para utilização da localização radioguiada (ROLL) na lesão de mama, no linfonodo sentinela no câncer de mama

Leia mais

CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Sumário NORMAS OPERACIONAIS Fluxograma dos Pacientes Fluxo de Pacientes antes ou após Cintilografia sem Ergometria e/ou Acompanhantes Fluxo de Pacientes após Ergometria Protocolo

Leia mais

Manual de Exames Medicina Nuclear

Manual de Exames Medicina Nuclear Manual de Exames Medicina Nuclear AGENDAMENTO DE EXAMES 31-36670867 Rua Ipanema, 95 1º Andar Coronel Fabriciano MG Manual de Exames Medicina Nuclear Introdução 1. Apresentação Atuando há mais de 24 anos

Leia mais

Carcinoma de tireóide ide na infância

Carcinoma de tireóide ide na infância Carcinoma de tireóide ide na infância Dra. Rossana Corbo INCa/UFRJ 2006 Incidência: 5 casos/milhão /ano EUA (1973 1977) crianças as com idade inferior a 20 anos Apresentação clinica: predomínio em meninas

Leia mais

O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil

O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil Jair Mengatti Diretor de Produtos e Serviços IPEN-CNEN/SP " XI ENAN 26 de novembro de 2013 Recife, Pernambuco Radiofármaco De acordo com a RDC nº

Leia mais

Cintilografia cerebral

Cintilografia cerebral MÉDICOS RESPONSÁVEIS Dr. José Ribamar Villela Dra. Ivana Moura Abuhid Dr. Hermes Pardini MEDICINA NUCLEAR é uma especialidade médica que utiliza pequenas quantidades de material radioativo de maneira segura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Tireóide. Dr. Pedro Collares Maia Filho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Tireóide. Dr. Pedro Collares Maia Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO Câncer da Tireóide Maia Filho Revisão da Anatomia REVISÃO ANATOMIA REVISÃO ANATOMIA REVISÃO ANATOMIA REVISÃO

Leia mais

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO NOBEMBRO 2007 1 A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC) CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E CUSTO ELEVADO, PORTANTO

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Introdução Na Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET), diferentemente dos exames de Raio-x ou CT, a emissão da radiação é realizada diretamente

Leia mais

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país José Soares Junior Presidente da SBBMN (Sociedade Brasileira de Biologia, Medicina Nuclear e Imagem Molecular)

Leia mais

Resposta Imune contra o Câncer

Resposta Imune contra o Câncer Câncer é um termo genérico, que compreende em torno de 200 doenças, cujas células causadoras partilham algumas características em comum: Mutações genéticas; Crescimento descontrolado; Capacidade de migração

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

GAL-IPEN citrato de gálio (67 Ga)

GAL-IPEN citrato de gálio (67 Ga) GAL-IPEN citrato de gálio (67 Ga) ATENÇÃO GAL-IPEN É PARA USO EXCLUSIVO EM RADIODIAGNÓSTICO NA MEDICINA NUCLEAR USO RESTRITO A HOSPITAIS E CLÍNICAS ESPECIALIZADAS APRESENTAÇÃO O GAL-IPEN possui as seguintes

Leia mais

Difusão por Ressonância Magnética

Difusão por Ressonância Magnética Difusão por Ressonância Magnética A difusão é definida basicamente como o movimento aleatório pelo qual as moléculas de um soluto migram em direção a um gradiente mais baixo de concentração da solução.

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

Noções em Medicina Nuclear e Radiofármacos

Noções em Medicina Nuclear e Radiofármacos Noções em Medicina Nuclear e Radiofármacos Elementos Radioativos em Medicina Nuclear RADIONUCLÍDEOS PARA DIAGNÓSTICO EM MEDICINA NUCLEAR NUCLÍDEO MEIA-VIDA (h) DECAIMENTO ENEGRGIA (kev) 99mTc 6 IT 140

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.;

Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.; VALOR DO 99m Tc-SESTAMIBI EM PACIENTES COM MELANOMA MALIGNO Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.; Braga, Helton M.; Moraes, Renata F.; Rezende,Marta O.;

Leia mais

CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO

CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE LINFONODO SENTINELA (LINFOCINTILOGRAFIA E CIRURGIA RADIOGUIADA)

INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE LINFONODO SENTINELA (LINFOCINTILOGRAFIA E CIRURGIA RADIOGUIADA) INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE LINFONODO SENTINELA (LINFOCINTILOGRAFIA E CIRURGIA RADIOGUIADA) Importante: A linfocintilografia NÃO deve ser realizada em mulheres grávidas! Caso haja qualquer dúvida

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE PESQUISA DE CORPO INTEIRO (PCI)

INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE PESQUISA DE CORPO INTEIRO (PCI) INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE PESQUISA DE CORPO INTEIRO (PCI) Importante: A Pesquisa de Corpo Inteiro (PCI) NÃO deve ser realizada em mulheres grávidas! Caso haja qualquer dúvida de risco de gestação,

Leia mais

METÁSTASES ÓSSEAS. Felipe Trevisan Radioterapia HCFMRP USP. Fevereiro de 2012

METÁSTASES ÓSSEAS. Felipe Trevisan Radioterapia HCFMRP USP. Fevereiro de 2012 METÁSTASES ÓSSEAS Felipe Trevisan Radioterapia HCFMRP USP Fevereiro de 2012 Epidemiologia Grande parte das 500.000 mortes anuais estão relacionadas a metástases Metástases ósseas estão em terceiro lugar

Leia mais

Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose

Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose Definição Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose Distúrbio osteometabólico, de origem multifatorial, caracterizado pela diminuição da densidade mineral óssea e deterioração de sua micro

Leia mais

SNM Orientação Prática para PET/CT ósseo com 8F-Fluoreto de Sódio 1.0 *

SNM Orientação Prática para PET/CT ósseo com 8F-Fluoreto de Sódio 1.0 * SNM Orientação Prática para PET/CT ósseo com 8F-Fluoreto de Sódio 1.0 * November 2011 PREÂMBULO A Sociedade de Medicina Nuclear (SNM) é uma organização internacional profissional e científica fundada em

Leia mais

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Serviços de Endocrinologia e Medicina Nuclear do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco Apresentadora: Maíra Melo da

Leia mais

Preparo para Simulação: ações do enfermeiro. Cinthia Greicim Adriana Marques da Silva

Preparo para Simulação: ações do enfermeiro. Cinthia Greicim Adriana Marques da Silva Preparo para Simulação: ações do enfermeiro Cinthia Greicim Adriana Marques da Silva Radioterapia ICESP Inauguradoem22/06/2010com2AL; Em janeiro/2011 foi inaugurado o último AL; Chegou dia 20/06/12 a Braquiterapia

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br

XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br Caso 1 Paciente T. F. R. M., 56 anos, sexo feminino. História prévia: - Câncer de mama com metástase pleural. - Mastectomia

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. As doenças sexualmente transmissíveis que mais frequentemente se manifestam por úlcera genital têm como causa os seguintes agentes etiológicos, exceto:

Leia mais

Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre

Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre NT 40/2013 Solicitante: NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Data: 04/04/2013 Medicamento Material Procedimento x Cobertura Numeração: 004561-6/13

Leia mais

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui O Desenvolvimento e o funcionamento da glândula mamária são presididos pelo lobo anterior da hipófise, com o ovário na função

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

Adriano Nesrallah. Divisão de Urologia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Adriano Nesrallah. Divisão de Urologia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Adriano Nesrallah Divisão de Urologia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Anatomia do espaço retroperitoneal Limites: Anterior: Peritônio. Posterior: Fascia Transversal. Superior: 12 ª costela

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES MAPA AUDITÓRIO LARGO DA ORDEM (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:15 8-30 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:30

Leia mais

MDP-TEC. ácido medrônico

MDP-TEC. ácido medrônico MDP-TEC Ácido medrônico Conjunto de reagente liofilizado para marcação com solução injetável de pertecnetato de sódio (99m Tc) medronato de sódio (99m Tc) ATENÇÃO MDP-TEC É PARA USO EXCLUSIVO EM RADIODIAGNÓSTICO

Leia mais

25/11 - SEXTA-FEIRA. Sala/Horário SALA RITZ SALA CC1 SALA CC2

25/11 - SEXTA-FEIRA. Sala/Horário SALA RITZ SALA CC1 SALA CC2 I CONGRESSO SUL-SUDESTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA ONCOLÓGICA VI JORNADA DE ONCOLOGIA DO CEPON 25 e 26 de Novembro de 2016 Centro de Convenções - Majestic Palace Hotel - Florianópolis - SC PROGRAMAÇÃO

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

Anatomia da Medula Vertebral

Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Vértebra Disco Intervertebral Anatomia da Coluna Vertebral Características Gerais: Corpo Vertebral Foramens Vertebrais: Forame Medular: Medula Vertebral Forames

Leia mais

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo.

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. CÂNCER EM CRIANÇAS O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. O câncer é comum em crianças? Nos

Leia mais

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Sumário Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Seção 1 Introdução 1 Epidemiologia 3 2 Diretrizes de rastreamento do câncer de mama na população geral e de alto risco 9 3 Mamografia 17 4 BI-RADS ACR (Breast

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

GE Healthcare. Equipamento avançado de radiografia digital com o detector FlashPad

GE Healthcare. Equipamento avançado de radiografia digital com o detector FlashPad GE Healthcare Equipamento avançado de radiografia digital com o detector FlashPad O Discovery* XR656 oferece produtividade e fluxo de trabalho graças ao FlashPad*, um detector sem fio 1 totalmente digital

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

Anatomia da mama Função biológica

Anatomia da mama Função biológica Dr.Jader Burtet Ginecologia e Obstetrícia Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas de Porto Alegre Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL. Marília da Glória Martins

NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL. Marília da Glória Martins NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL Resumé NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL A nomenclatura proposta por Ewing em 1910, mantém-se atual. Ratificada pela União Internacional de Combate ao Câncer (UICC)

Leia mais

99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%)

99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%) 99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%) Livre ionizada (50-60%) Anion inorgânico (5-10%) Valor

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11. São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11. São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11 QUESTÃO 17 São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO: a) nervo vago. b) nervo acessório. c) nervo hipoglosso. d) veia jugular interna.

Leia mais

Caso Clínico para Site SBM

Caso Clínico para Site SBM Caso Clínico para Site SBM 18/03/13 Primeira consulta Paciente 35 anos Feminino Parda Casada Brasileira Natural de Pacatuba-CE Queixa Principal: Nódulo doloroso em MAMA DIREITA há 2 meses. Refere Ultrasonografia

Leia mais

10/12/14 DIAGNÓSTICO DE PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO DIAGNÓSTICO FUNCIONAL ELEMENTOS FUNCIONAIS ELEMENTOS FUNCIONAIS

10/12/14 DIAGNÓSTICO DE PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO DIAGNÓSTICO FUNCIONAL ELEMENTOS FUNCIONAIS ELEMENTOS FUNCIONAIS EN 2319 - BASES BIOLOGICAS PARA ENGENHARIA I DIAGNÓSTICO DE PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO DIAGNÓSTICO FUNCIONAL Professores: Patrícia da Ana Reginaldo Fukuchi Ilka Kato 1 2 ELEMENTOS FUNCIONAIS ELEMENTOS

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

Sérgio Altino de Almeida

Sérgio Altino de Almeida Project and Uses of PET Scan LAS ANS SYMPOSIUM 2005 Sérgio Altino de Almeida Hospital Samaritano - Clínica Radiológica Luiz Felippe Mattoso Rio de Janeiro - Junho - 2005 Geração e Interpretação das Imagens

Leia mais

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko NEOPLASIAS MSc. Isabela Brcko Proliferações locais de clones celulares cuja reprodução foge ao controle normal, e que tendem para um tipo de crescimento autônomo e progressivo, e para a perda de diferenciação

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores

Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores Introdução Objetivos Ags expressados pelas células cancerosas Natureza da resposta Imune Como o câncer escapa do sistema Imune Imunoterapia Introdução ao Câncer Crescimento descontrolado produz um tumor

Leia mais

PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO

PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO O FUTURO DA PRÁTICA DA ONCOLOGIA EM PORTUGAL: BASEADA NO ÓRGÃO VERSUS ENTIDADE NOSOLÓGICA CASE STUDY: TUMORES NEUROENDÓCRINOS PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO Inês Lucena Sampaio Assistente Hospitalar

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos

Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos Prof. Rivaldo Assuntos Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos Administração e Gerenciamento de Enfermagem Enfermagem na Atenção à Saúde da Mulher e da Criança Enfermagem nas Doenças Transmissíveis

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância Câncer de Tireóide Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O câncer de tireóide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula

Leia mais

CBHPM 4.03.01.40-0 AMB 28.01.032-9. 20 40,078 1.112 K 1,0 1.713 K 1,550 g/cm 3 Ca [Ar]4s 2 Cálcio

CBHPM 4.03.01.40-0 AMB 28.01.032-9. 20 40,078 1.112 K 1,0 1.713 K 1,550 g/cm 3 Ca [Ar]4s 2 Cálcio CÁLCIO Ca CBHPM 4.03.01.40-0 AMB 28.01.032-9 Sinonímia: Ca. Calcemia. Cálcio total. Calciúria. Cálcio urinário. Sulkowitch = prova obsoleta para calciúria. Fisiologia: 20 40,078 1.112 K 1,0 1.713 K 1,550

Leia mais

7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Caso Clínico. Hospital de Braga

7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Caso Clínico. Hospital de Braga 7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo Hospital de Braga Serviço de Cirurgia Director: Dr. Mesquita Rodrigues Sónia Ribas 12 de Dezembro F.C.R, sexo masculino, 69 anos Antecedentes

Leia mais

Obs- Pacientes do sexo feminino em idade fértil e com suspeita de gravidez ou atraso menstrual devem informar ao técnico de exame.

Obs- Pacientes do sexo feminino em idade fértil e com suspeita de gravidez ou atraso menstrual devem informar ao técnico de exame. PREPAROS PARA RESSONÂNCIA RESSONÂNCIA CRÂNIO - Trazer exames anteriores (tomografiae ressonância de crânio, rx de crânio, eletroencefalograma). RESSONÂNCIA SELA TÚRCICA - Trazer exames anteriores (tomografia

Leia mais

ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO

ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO Guth, G. Z. 1 ; Martins, J. F. F. 2 ; Lourenço, L. A. 3 ; Ataíde, L. O. 4 ; Richwin, N. J. 5 ; Oliveira, J. M. X. 6 ; 1 Diretor do Departamento de Cirurgia

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br 01. Sabe-se que a esteatose hepática é resultante de depósito intracelular de triglicerídeo no hepatócitos e seu aspecto ultra-sonográfico já é bastante conhecido. Qual das questões abaixo é a mais correta

Leia mais

Propedêutica: Tripé Propedêutico: Ordem de Procedimentos com o Objetivo de Diagnosticar Corretamente e Definir o Tratamento Adequado de uma Patologia.

Propedêutica: Tripé Propedêutico: Ordem de Procedimentos com o Objetivo de Diagnosticar Corretamente e Definir o Tratamento Adequado de uma Patologia. Prof André Montillo Ordem de Procedimentos com o Objetivo de Diagnosticar Corretamente e Definir o Tratamento Adequado de uma Patologia. Tripé Propedêutico: Anamnese Exame Físico Exames Complementares

Leia mais

RMN prostática multiparamétrica: correlação com os resultados da anatomia

RMN prostática multiparamétrica: correlação com os resultados da anatomia RMN prostática multiparamétrica: correlação com os resultados da anatomia patológica. Melina Friguglietti; Federico Martin Olivera Plata; Ana Calderwood; Anabel María Lourdes Cardarelli; Martin Diego Carnevale;

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino

Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino Coordenação de Pesquisa Clínica - INCA Serviço de Oncologia Clínica - HSE COI - Clínicas Oncológicas Integradas Definição de emergência oncológica

Leia mais

Eduardo Silveira Dantas Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Eduardo Silveira Dantas Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Eduardo Silveira Dantas Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço ASPECTOS GERAIS» São divididos em três tipos principais:

Leia mais

Medicina Nuclear. Cintilografia

Medicina Nuclear. Cintilografia Medicina Nuclear Cintilografia Conheça o serviço Corredor de Acesso Porta Entrada Sala Quente Espera Sala Injeção Injetados Espera Injetados Teste Ergométrico Conheça o Serviço Comando Sala de Exames Composição

Leia mais

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Objetivo da aula; Diagnóstico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica; Limitações do método. Definição

Leia mais

ANEXO VI. Senhor Secretário Municipal de Saúde,

ANEXO VI. Senhor Secretário Municipal de Saúde, ANEXO VI Ofício nº 000 /2015. MODELO Goiânia, xx de xxxx de 2015. Senhor Secretário Municipal de Saúde, A par de cumprimentá-lo, servimo-nos do presente para SOLICITAR a V. Exa. informações acerca da atuação,

Leia mais

Sociedade Brasileira de Mastologia

Sociedade Brasileira de Mastologia EDITAL Concurso para Obtenção do Título de Especialista em Mastologia 2016 Pelo presente edital, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), a Comissão Executiva do Título de Especialista em Mastologia

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes. MAPA AUDITÓRIO PARQUE TINGUI (280 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. ESPACO DO TRAUMA (SBAIT) SEGUNDA FEIRA 03 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular SoBRICE Colégio Brasileiro de Radiologia

Leia mais

MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA

MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA CENTRAL MUNICIPAL DE REGULAÇÃO Secretaria Municipal de Saúde 2014 SUMÁRIO PÁGINA 1. COMISSÃO ONCOLOGIA 03 2. CONSULTA COM ONCOLOGISTA (Criança) 03 3. CONSULTA COM ONCOLOGISTA

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Patologia geral Neoplasias - quarta Alunos 4º semestre Prof. Jane Maria Ulbrich Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Material utilizado em sala de aula com alunos Neoplasia Neoplasia:

Leia mais

16/08/2009. Modo A Amplitude. Modo A Amplitude. Modo B - Brilho. Formação de imagens por Varredura. Mais antigo (1930);

16/08/2009. Modo A Amplitude. Modo A Amplitude. Modo B - Brilho. Formação de imagens por Varredura. Mais antigo (1930); Formação de imagens por Varredura Modo A Amplitude Existem vários métodos para se extrair uma imagem a partir dos ecos: A-MODE (amplitude mode); B-MODE (brightness mode); M-MODE (motion mode). Informações

Leia mais

Manual de Exercícios SPP

Manual de Exercícios SPP Manual de Exercícios SPP 1/6 Manual de exercícios SPP- IGN 1. Posicionamento: deitado de barriga para cima, com os joelhos estendidos. 2. Dobrar e estender uma perna. Fazer 10 repetições em cada lado alternadamente.

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais