Relatório do Projeto C&L. Equipe de Desenvolvimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório do Projeto C&L. Equipe de Desenvolvimento"

Transcrição

1 Relatório do Projeto C&L Equipe de Desenvolvimento Carolina Felicissimo Leonardo Amaral Reubem Alexandre Richard Werneck Roberto Christoph Prof. Júlio César Sampaio do Prado leite

2 1) Contexto O objetivo desse estudo é verificar as características da evolução de software em um projeto acadêmico. Para isso foi utilizado o projeto To Sobrando que foi elaborado pelos alunos do professor Júlio César Sampaio do Prado Leite na matéria Projeto de Engenharia de Software no período da graduação. Com o intuito de evoluir o projeto, este sofreu algumas modificações para seu aperfeiçoamento. Durante o curso de evolução de software, os alunos da matéria se organizaram procurando reproduzir a cultura de desenvolvimento da comunidade de software aberto. O trabalho de desenvolvimento da equipe do projeto foi dividido em grupos onde os integrantes se organizaram segundo seus interesses de estudo e conhecimentos prévios. Dessa forma, alguns integrantes acabaram participando de mais de um grupo. Os seguintes grupos foram formados: grupo de desenvolvimento, grupo de qualidade, grupo de controle de versão, grupo de documentação, grupo de banco de dados e grupo de gerência e administração. Foi criada uma estrutura hierárquica para centralizar coordenação do projeto. Um participante com perfil de gerente ficou encarregado de acompanhar o progresso dos trabalhos e, na medida do possível, resolver os conflitos e demandas dos diversos grupos. Além disso, semanalmente havia um encontro presencial de todos os integrantes de todos os grupos onde eram apresentados os resultados obtidos durante a semana e definidas as atividades da semana seguinte. Esse encontro também servia para troca de experiências. Analisamos o produto original e identificamos algumas oportunidades de melhorias tais como a troca do banco de dados de PostGre para MySQL, substituição da versão da linguagem Php3 para Php4, implementação de novas funcionalidades e melhoria das existentes. Além do uso da prática de engenharia reversa para melhorar a documentação existente. Com o intuito de preparar o ambiente colaborativo, instalamos um programa para gerência de configuração e outro de acesso remoto.

3 2) tarefas realizadas O software produzido pelo antigo grupo de desenvolvimento se encontrava em um servidor pertencente a esse grupo, e portanto a primeira tarefa a ser realizada seria a instalação de um servidor próprio para o projeto e que se encontrasse dentro da universidade( para que todos os membros pudessem ter acesso). Um computador foi cedido pelo departamento em conjunto com uma licença do Windows NT Server. Após a formatação da máquina e a instalação do sistema operacional, era necessário a instalação dos softwares necessários para que a aplicação pudesse rodar. Esse softwares seriam um servidor HTTP, um banco de dados e o suporte a linguagem da aplicação. O objetivo seria conseguir softwares que fossem gratuitos e possuíssem boa confiabilidade e desempenho. Após algum tempo de pesquisa, chegamos a seguinte escolha de softwares: Servidor HTTP : Apache HTTP Server 2.0 É um famoso servidor HTTP gratuito, sendo amplamente usado pelo mercado. É um servidor bem simples de se usar e possui um bom desempenho e confiabilidade. Banco de dados: MySQL - É um banco de dados gratuito e bem famoso. Essa foi nossa primeira grande decisão sobre uma evolução no projeto, já que o banco original era o PostGre e uma mudança na base de dados acarretaria em diversos problemas. Essa decisão foi tomada em conjunto com o grupo responsável pelo banco de dados que fez uma comparação entre esses dois bancos(os documentos relativos se encontram no relatório deste grupo) e chegou a conclusão de que a mudança da base seria uma boa evolução para o software. A versão usada foi a que era a mais estável na época da instalação. Linguagem de programação utilizada: Php4. O software foi inicialmente feito usando Php3 e a versão 4 da linguagem possuía várias diferenças muito significativas, a ponto de que a aplicação necessitaria de diversos ajustes para poder rodar como antes. Essa foi a segunda grande decisão de evolução do projeto, já que caso instalássemos a versão 4, teríamos que gastar um tempo considerável para fazer tudo voltar a funcionar. Decidimos por essa versão já que ela possuía diversas novas funções, além de que todas as novas versões da linguagem usariam essa nova versão como base e não a 3. Foi

4 necessário instalar não somente o pacote básico, mas também as bibliotecas de XSL adicionais. Todos os softwares foram instalados no servidor a contento, sendo que todos eram gratuitos com exceção do sistema operacional cuja licença foi fornecida pelo departamento. Cogitou-se o uso do Linux como sistema operacional do servidor, já que todos esses softwares instalados possuíam versão para esse sistema operacional e ao contrário do Windows, o Linux é gratuito. Após uma análise essa opção foi descartada pois já possuíamos uma licença do Windows NT e a grande maioria dos membros não tinha muita intimidade com o Linux, e o tempo disponível para o aprendizado era demasiado curto( o tempo completo de desenvolvimento foi de apenas 3 meses ). De posse de um servidor com todos os softwares necessários instalados, o próximo passo era a instalação do software em si, que era composto de diversas páginas php e html, a base de dados usando PostGre e alguma documentação( Diagrama dos cenários e o MER ). Todos os arquivos php e html foram colocados no servidor HTTP, mas a base de dados precisou ser convertida para o MySQL. Essa operação não foi tão trivial, já que nem todos os tipos de dados suportados pelo banco antigo eram suportados no MySQL e vice-versa, essa operação de conversão foi realizada em conjunto com o grupo responsável pelo banco de dados e demorou por volta de 1 semana. Após a conversão da base de dados para o MySQL era necessário fazer algumas alterações na código fonte da aplicação, para que essa estivesse de acordo com o novo banco, essas conversões demoram mais 2 semanas, pois a aplicação fazia uso de algumas bibliotecas exclusivas para PostGre e era necessário que todas fossem convertidas manualmente. Mesmo após a instalação da nova base, muito pouco da aplicação estava funcional, devido ao fato de estarmos usando php4. Os problemas resultantes devido ao uso dessa versão foram bem maiores do que o esperado, já que a aplicação fazia uso extensivo de várias técnicas usadas em php3 que não foram trazidas para a versão 4, uma dessas era a forma de como era feita a passagem de parâmetros para outras páginas, com isso muito pouco da aplicação estava funcional. A equipe de desenvolvimento contava com 6 integrantes, mas apenas 2 já tinham tido contado com a linguagem de programação usada na aplicação, por causa disso a equipe demorou um pouco para se familiarizar com seus conceitos e a conversão total da aplicação para a versão 4 do Php demorou cerca de 1 mês. Após esse tempo, tínhamos finalmente a aplicação plenamente funcional e devidamente convertida para usar o MySQL e o Php4.

5 Durante o período de desenvolvimento foram feitas várias melhorias no código, assim como a implementação de diversas novas funcionalidades, entre elas podemos citar: Esqueci Senha Foi incluída a opção de se ter a sua senha enviada por em caso de esquecimento por parte do usuário do sistema. Essa opção se encontra logo abaixo da tela de login, e para ter acesso a ela basta preencher o um campo relativo ao login do usuário solicitante que a senha será enviado para o cadastrado no banco de dados. Alterar Cadastro Foi incluída uma opção para o caso de um usuário que já esteja cadastrado no sistema possa alterar seus dados( o que pode ser necessário por exemplo no caso de uma mudança de ). Essa opção está disponível assim que o usuário se autentica no sistema. Javascripts de testes de formulários Foi feita a inserção de diversas funções feitas em JavaScript que tem a funcionalidade de checar se os dados entrados pelos usuários são válidos e podem ser adicionados sem problemas no banco de dados. Novo Logo O nome da aplicação foi mudado. O antigo nome era To Sobrando e o novo nome escolhido foi C&L ( Editor de Cenários e Léxicos ). Para acompanhar essa mudança foi desenvolvido um novo Logo que foi colocado em diversos pontos da aplicação. Sair Foi feita uma opção para que o usuário que esteja dentro do sistema possa sair. Antes dessa opção o único meio de entrar no sistema novamente era fechando o navegador e abrindo outro, já que as variáveis de sessão não permitiam ao usuário utilizar a mesma janela. Essa opção termina toda e qualquer variável da sessão corrente e chama novamente a página de entrada.

6 Gerar XML Uma nova opção de geração e armazenamento de XML foi incluída. Agora é possível gerar um XML do projeto corrente ( com ou sem XSL ) e armazená-lo no banco de dados com uma versão para futura referência. Recuperar XML Juntamente com a opção de geração de XML, foi feita uma de recuperação. Com ela é possível recuperar ou apagar XMLs gerados pela opção acima através de sua versão. Tabelas novas no BD Foram adicionadas novas tabelas ao banco de dados, algumas já são utilizadas, como é o caso da tabela publicação(que é usada para armazenar e recuperar XMLs do projeto), outras como a tabela Status ainda não são usados, mas serão no futuro. Correção de Bugs Diversos bugs foram corrigidos durante a fase de desenvolvimento. Durante essa fase, alguns membros da equipe se responsabilizaram por percorrer a aplicação inteira e mapear todos os problemas encontrados(por menor que fossem) para que esses pudessem ser corrigidos. Os problemas variaram desde problemas graves( travamento do sistema) até triviais(erros de português). 3) Produtos produzidos Nesta seção, estaremos enumerando os produtos produzidos pela equipe de desenvolvimento durante o processo de evolução do software em questão. Para isso, podemos tomar como base à seção anterior, tarefas realizadas, como subsídio para obter tais produtos produzidos. No caso da equipe de desenvolvimento, estes são basicamente o código fonte gerado. Por isso, vamos referenciar o código gerado de cada tarefa a partir dos nomes dos arquivos relacionados com tal tarefa. Como dito na seção tarefas realizadas, houveram dois grandes processos durante a fase inicial da evolução do sistema. A primeira foi a migração do banco de dados. A segunda é referente à mudança na versão da linguagem Php utilizada. Ambos geraram várias alterações no código, abrangendo quase todos os arquivos que compunham a aplicação.

7 Para a migração do banco de dados, podemos enumerar como produtos produzidos os seguintes arquivos: Add_lexico.php Add_projeto.php Add_usuario.php Alt_cenario.php Alt_lexico.php Bd_class.php Call_UpdUser.php Code.php Enviar_senha.php Frame_inferior.php Funcoes_genericas.php Gerador_xml.php Heading.php login.php main.php mostraprojeto.xml mostraxml.php projetos.php recuperarxml.php rel_usuario.php ver_pedido_cenario.php ver_pedido_lexico.php upduser.php bd.inc httprequest.

8 A migração do PHP3 para a versão 4 desta mesma linguagem gerou alterações em todos os arquivos que continham código php, já que foram necessárias várias mudanças e algumas inclusões de novas bibliotecas criadas: bd.inc httprequest.inc Abaixo encontra a relação de novas funcionalidades desenvolvidas no sistema e os respectivos arquivos produzidos ou alterados: Esqueci Senha Foi incluída a opção de se ter a sua senha enviada por em caso de esquecimento por parte do usuário do sistema. Login.php esquecisenha.php Alterar Cadastro Foi incluída uma opção para o caso de um usuário que já esteja cadastrado no sistema possa alterar seus dados. heading.php Call_UpdUser.php upduser.php Javascripts de testes de formulários Alt_cenario.php Alt_lexico.php login.php Add_lexico.php Add_projeto.php Add_usuario.php Novo Logo index.php

9 heading.php login.php Sair Foi feita uma opção para que o usuário que esteja dentro do sistema possa sair. heading.php logout.php Gerar XML Uma nova opção de geração e armazenamento de XML foi incluída. main.php form_xml.php gerador_xml.php projeto.xsl Recuperar XML Juntamente com a opção de geração de XML, foi feita uma de recuperação.. main.php recuperarxml.php mostraxml.php projeto.xsl Tabelas novas no BD Foram adicionadas novas tabelas ao banco de dados. gerador_xml.php motrarprojeto.php projetos.php recuperarxml.php Correção de Bugs Diversos bugs foram corrigidos durante a fase de desenvolvimento.

10 4- Relação com a literatura, com ênfase na evolução. Nesse capitulo, vamos procurar traçar um paralelo da nossa experiência no desenvolvimento do C&L, com as 8 leis da evolução de software apresentadas por Lehman em [Law]. I Mudança Contínua Um sistema de informação que é usado deve ser continuamente adaptado caso contrário se torna progressivamente menos satisfatório. No nosso projeto, as mudanças que nortearam a evolução do sistema foram definidas no início do curso a partir de análise prévia do produto original e não devido ao seu uso. II- Complexidade crescente À medida que um programa é desenvolvido, sua complexidade cresce a menos que um trabalho seja feito para mantê-la ou diminui-la. Uma vez que a necessidade de adaptação cresce e as mudanças são sucessivamente implementadas, interações e dependências entre os elementos do sistema crescem em um padrão desestruturado e levam a um crescimento da entropia do sistema. Uma constatação dessa lei dentro do nosso projeto foi novamente a migração da linguagem Php3 para o Php4. Essa necessidade de evolução, que foi originalmente determinada pela primeira lei, desencadeou uma série de mudanças em diversas partes do código que deixaram de funcionar devido à migração, e tiveram, portanto, que ser revistas. III Auto-regulação O processo de evolução de software é auto-regulado próximo a distribuição normal com relação às medidas de produtos e atributos de processos. Não chegamos a estabelecer medidas que nos possibilitassem constatar empiricamente essa característica de evolução no nosso projeto. Mesmo porque, o porte/duração do projeto não nos possibilitaria gerar um conjunto de medições suficiente para tal.

11 Por outro lado, uma observação não empírica sugere que o processo de evolução não sofreu grandes variações, que, se caso ocorressem, poderiam ir contra essa lei. IV Conservação da estabilidade organizacional (taxa constante de trabalho) A taxa de atividade global efetiva média em um sistema em evolução é constante sobre o tempo de vida do produto. A taxa de trabalho foi na maioria das vezes constante, mesmo que em alguns momentos, percebemos alguns picos de desenvolvimento, como por exemplo, a troca do banco de dados, que precisava ser feita no menor tempo possível. V Conservação da Familiaridade Durante a vida produtiva de um programa em evolução, o conteúdo de lançamentos sucessivos é estatisticamente invariante. Um dos fatores que determina o progresso do desenvolvimento do software é a familiaridade de todos os envolvidos com seus objetivos. Quanto mais mudanças e adições forem associadas a uma determinada versão, maior será a dificuldade para que todos os envolvidos se familiarizem com elas. A taxa e qualidade de progresso e outros parâmetros são influenciados, até mesmo limitado, pela taxa de aquisição da informação necessária pelos participantes coletivamente e individualmente. Durante o projeto tivemos duas grandes mudanças que permearam praticamente todo o sistema. A primeira foi a foi a mudança do banco de dados, e a segunda a alteração do Php3 para o Php4. Ambas envolviam a familiaridade da equipe com todo o sistema legado. A segunda mudança foi muito mais demorada e seu progresso foi visivelmente menor que a segunda, isso se deveu principalmente ao maior tamanho desta tarefa e não ao seu nível superior de complexidade, ao ponto que foi necessário alterar partes de todos os arquivos com extensão php do software. VI Crescimento contínuo O conteúdo funcional de um programa deve ser continuamente aumentado para manter a satisfação do usuário durante seu tempo de vida. Á medida que o usuário adquire familiaridade com o produto, ele tende a fazer pressão por novas funcionalidades. A maioria das mudanças implementadas pelo grupo durante o curso foi definida no início do projeto, e aparentemente foram fruto da experiência da equipe com outros

12 sistemas, e não percebidas pelo uso rotineiro desse. A única funcionalidade que talvez tivesse essa característica foi a criação de um repositório de publicações. Essa mudança foi demandada por um dos participantes de um dos grupos, que era um usuário da ferramenta. VII Qualidade decrescente Programas apresentarão qualidade decadente a menos que sejam rigorosamente mantidos e adaptados às mudanças no ambiente operacional. A motivação da mudança de linguagem de php3 para o php4 tem base nessa lei. A tendência é que todo novo suporte a linguagem seja oferecida a para sua versão mais recente. Dessa forma, se mantivéssemos a versão anterior do php, poderíamos perder o seu suporte e manutenção do sistema ficaria obsoleta. VIII Sistema de Feedback Processos de programação constituem sistemas de multi-loop, multi-level e devem ser tratados como tais para serem modificados e melhorados com sucesso. O processo de desenvolvimento adotado previa reuniões presenciais que geravam feedback para o sistema. 5- Aprendizado: O trabalho de desenvolvimento da equipe do projeto foi dividido em grupos onde cada integrante especializou-se naquilo que mais tinha afinidade. O trabalho, na maioria das vezes, foi remoto num ambiente de desenvolvimento colaborativo (tanto de desenvolvedores quanto de usuários), baseado no processo de desenvolvimento conjunto e compartilhado. Os programadores do projeto, como os programadores de softwares livres, são pessoas completamente diferentes que usam da prática de programação do software livre um hobby, ou seja, não existe um período ou horário pré-estabelecido para o desenvolvimento. É sobretudo uma atividade prazerosa. Vale ressaltar que, apesar da flexibilidade de horário do desenvolvimento, existe a preocupação com o cumprimento de prazos pré-estabelecidos.

13 Para que o desenvolvimento do projeto desse certo, criou-se uma estrutura hierárquica em que existiam pessoas com determinadas responsabilidades e deveres e o próprio desenvolvimento também caminhou com regras específicas para cada grupo. Esta prática já é percebida na comunidade de software livre e foi um aprendizado para a viabilização do trabalho em conjunto. Desse desenvolvimento, tivemos a geração de produtos com qualidade. A cultura do software livre que, apesar de já ser robusto e eficiente ainda possui interface com o usuário pobre no sentido do conceito "user-friendly", foi assimilada. Essa afirmativa foi confirmada ao se tentar utilizar o software de controle de versão usado nessa cultura, o CVS. Isto porque, não conseguimos instalar a sua versão Windows ("user-friendly") para o uso nos clientes tendo, assim, que estes utilizarem o software via linha de comando. Assim, a vontade, o conhecimento e entendimento de comandos básicos e a tentativa existiram mas, infelizmente, o uso efetivo do software não aconteceu. Vale lembrar que a rica documentação dos software livres ajudou muito no desenvolvimento do projeto. Seja por tutoriais em diversos níveis de dificuldades e idiomas, seja por bibliotecas já desenvolvidas, seja por dúvidas mais freqüentes já respondidas. No entanto, houve a criação de uma lista eletrônica de discussão própria do grupo em que várias mensagens foram trocadas. Novidades foram informadas, votações foram feitas, gerenciamento através de cobrança de prazos e divisão de tarefas, documentação criada e divulgada. As mensagens trocadas podem ser conferidas em: Também houve a prática do exercício da engenharia reversa em que, a partir de códigos-fontes, geramos documentação (ex: Arquitetura do sistema) e, até, novos módulos do projeto (ex: Funcionalidade Sair ). Para isto, houve um estudo e análise do software original. Por fim, tivemos o aprendizado da teoria e prática de uso de cenários e léxicos num nível de entendimento tão satisfatório que foi possível para o grupo de qualidade a prática de outro aprendizado, o de inspeção de software.

14 6- Referências: [Law] Lehman M M, Laws of Software Evolution Revisted.

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS Aluno: Maurício Pedro Silva Gonçalves Vieira Orientador: Karla Figueiredo Introdução Uma partida de futebol robótico

Leia mais

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP VitorFariasCoreia INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Vitor Farias Correia Graduado em Sistemas de Informação pela FACITEC e especialista em desenvolvimento de jogos

Leia mais

Instruções para fazer o cadastro para acessar o SEstatNet

Instruções para fazer o cadastro para acessar o SEstatNet Instruções para fazer o cadastro para acessar o SEstatNet O SEstatNet é uma ferramenta de apoio às disciplinas ministradas nesta Universidade que facilita o aprendizado dos estudantes e ao mesmo tempo

Leia mais

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009)

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) GESTÃO DE PROCESSOS UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) 1. O QUE É PROCESSO? Processos têm sido considerados uma importante ferramenta de gestão, um instrumento capaz de aproximar

Leia mais

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation GMP Corporation Gerenciador de Multi-Projetos Manual do Usuário 2000 GMP Corporation Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 24/08/2004 1.0 Versão inicial do documento Bárbara Siqueira Equipe

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Guia de início rápido do Alteryx Server

Guia de início rápido do Alteryx Server Guia de início rápido do Alteryx Server A. Instalação e licenciamento Baixe o pacote de instalação do Alteryx Server e siga as instruções abaixo para instalar e ativar a licença. 2015 Alteryx, Inc. v1.4,

Leia mais

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s Plano de Projeto Versão Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s 2010 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores 07/04/2010 1.0 Criação da primeira versão do Plano

Leia mais

APRESENTAÇÃO. questões que constantemente chegam ao Suporte de Informática do Órgão Central.

APRESENTAÇÃO. questões que constantemente chegam ao Suporte de Informática do Órgão Central. APRESENTAÇÃO O presente documento Aplicativos de E-mail / Webmail Nível Básico Perguntas e Respostas tem como principal objetivo disponibilizar aos servidores das Escolas Estaduais do Estado de Minas Gerais

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO QUALIDADE DE SOFTWARE Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura

Leia mais

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA 1 ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA Andréa Pereira de Castro Universidade de Cruz Alta UNICRUZ, Cruz Alta andreap@unicruz.edu.br Adriana Pereira Cocco Universidade

Leia mais

* Técnicas Avançadas. Desenvolvimento de SOFTWARES. Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo com Joomla e Magento

* Técnicas Avançadas. Desenvolvimento de SOFTWARES. Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo com Joomla e Magento * Técnicas Avançadas Desenvolvimento de SOFTWARES Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo com Joomla e Magento * Tópicos Sistema de Gerenciamento de Conteúdo CMS. Fron-end Back-end Instalando Site e Lojas

Leia mais

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor.

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE Apresentação. O mais famoso tipo de arquitetura utilizada em redes de computadores

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS GERAIS PARA ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS GERAIS PARA ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS GERAIS PARA ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.01.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.01.01.pdf Data: 27/07/2000 STATUS: EM VIGOR A Assessoria

Leia mais

Software Planejamento Tributário

Software Planejamento Tributário Software Planejamento Tributário Bem vindo ao segundo manual de instalação do software de Planejamento Tributário, este irá lhe mostrar os passos para o término da instalação e configuração do software

Leia mais

Sistema de Georreferenciamento. Versão 1.0 Manual do Usuário. Copyright 2013 CINTE

Sistema de Georreferenciamento. Versão 1.0 Manual do Usuário. Copyright 2013 CINTE Sistema de Georreferenciamento Versão 1.0 Manual do Usuário Copyright 2013 CINTE Central de rastreamento: (84) 3034-9263 Email: rastreamento@cinte.com.br Sistema de Georreferenciamento 1.0 Manual 2 Índice

Leia mais

Tutorial de uso do Subversion com RapidSVN

Tutorial de uso do Subversion com RapidSVN Universidade Federal de São Carlos Departamento de Computação Tutorial de uso do Subversion com RapidSVN João Celso Santos de Oliveira Orientação: Prof.ª Dra. Marilde T. P. Santos - São Carlos - Agosto

Leia mais

EVOLUÇÃO DE SOFTWARE

EVOLUÇÃO DE SOFTWARE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE Dinâmica da evolução de programas Manutenção de software Processo de evolução Evolução de sistemas legados 1 Mudança de Software 2 Manutenção de software Mudança de software é inevitável

Leia mais

Problemas básicos nos. Serviços Gladius MP

Problemas básicos nos. Serviços Gladius MP Problemas básicos nos Serviços Gladius MP I. Quando um funcionário não consegue marcar ponto a) Problemas de Nível Operacional b) Um ponto de ajuda c) Identificando em que fase o problema está d) Problemas

Leia mais

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP CAPÍTULO 1 O melhor do PHP Este livro levou bastante tempo para ser feito. Venho usando agora o PHP por muitos anos e o meu amor por ele aumenta cada vez mais por sua abordagem simplista, sua flexibilidade

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS Hélio Pereira da Rosa Neto Universidade Anhanguera-Uniderp Fernando Conter Universidade Anhanguera-Uniderp O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS RESUMO Este artigo científico tem como

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

Agenda Semântica. Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo

Agenda Semântica. Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Agenda Semântica Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo Vitória 2007/02 Agenda Semântica

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA

MANUAL PARA USO DO SISTEMA Clínicas Odontológicas MANUAL PARA USO DO SISTEMA (GCO) GERENCIADOR CLÍNICO ODONTOLÓGICO SmilePrev Versão 1.0 SmilePrev Clínicas Odontológicas www.smilepev.com 2008 REQUISITOS BÁSICOS DO SISTEMA HARDWARE

Leia mais

Trabalho de Sistema de Informações. Instalação e configuração aplicativo Ocomon

Trabalho de Sistema de Informações. Instalação e configuração aplicativo Ocomon Trabalho de Sistema de Informações Aluno: Paulo Roberto Carvalho da Silva Instalação e configuração aplicativo Ocomon O trabalho tem como objetivo o estudo de caso,a instalação, configuração e funcionamento

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

O QUE É A CENTRAL DE JOGOS?

O QUE É A CENTRAL DE JOGOS? O QUE É A CENTRAL? A Central de Jogos consiste de duas partes: Um site na Internet e um programa de computador (Central) que deve ser instalado em sua máquina. No site www.centraldejogos.com.br, você pode

Leia mais

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 DESENVOLVEDOR JORGE ALDRUEI FUNARI ALVES 1 Sistema de ordem de serviço HMV Apresentação HMV/OS 4.0 O sistema HMV/OS foi desenvolvido por Comtrate

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0

PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0 PLASAC - POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0 Tecnologia da Informação. Índice: 1. Introdução 2. Objetivos da política 3. Princípios da política 4.

Leia mais

Guia de Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.6

Guia de Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.6 Guia de Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.6 2006-2015 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que seja expressamente concedida por escrito, nenhuma licença será

Leia mais

Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2

Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2 Desenvolvimento Web III Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2 Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Nesta aula iremos trabalhar a manipulação de banco de dados através

Leia mais

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Para acessar sua senha: 1. Entrar no portal Metodista online Acesse o site www.bennett.br. No lado superior direito aparecerá a janela da área de login,

Leia mais

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia LGTi Tecnologia Soluções Inteligentes Manual - Outlook Web App Siner Engenharia Sumário Acessando o Outlook Web App (Webmail)... 3 Email no Outlook Web App... 5 Criar uma nova mensagem... 6 Trabalhando

Leia mais

JavaServer Faces. Parte 2

JavaServer Faces. Parte 2 JavaServer Faces Parte 2 Recapitulando Aplicações web são aplicações que executam em um servidor Recebem requisições de usuários Retornam respostas ao usuário Browsers só entendem e exibem html O servidor

Leia mais

Medical Office 2015 Instruções de Instalação e Configuração

Medical Office 2015 Instruções de Instalação e Configuração Medical Office 2015 Instruções de Instalação e Configuração 1) Faça o download do Medica Office através do nosso site www.medicaloffice.com.br opção do Download; 2) Após realizado o download do arquivo

Leia mais

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Estudo de Viabilidade GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Recife, 20 de Janeiro de 2012 1 Sumário 1. Motivação... 3 2. Problema identificado...

Leia mais

APÓS A INSTALAÇÃO, MÃOS À OBRA. E AO TECLADO. MANUAL DE INSTALAÇÃO

APÓS A INSTALAÇÃO, MÃOS À OBRA. E AO TECLADO. MANUAL DE INSTALAÇÃO APÓS A INSTALAÇÃO, MÃOS À OBRA. E AO TECLADO. MANUAL DE INSTALAÇÃO 1 SEJA BEM-VINDO AO SIENGE. PARABÉNS! A partir de agora a sua empresa irá contar com os benefícios do Sienge. Conte conosco para ajudá-lo

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE Manual de Utilização do MSDN-AA Software Center Aracaju/SE 2009 Sumário Apresentação... 3 1. Solicitando ativação no MSDN-AA... 3 2. Acessando o Portal

Leia mais

Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES. Manual de Procedimentos

Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES. Manual de Procedimentos Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES Manual de Procedimentos 2004 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVOS...3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...3

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Cenários do CEL. Acessar ao sistema

Cenários do CEL. Acessar ao sistema Cenários do CEL Acessar ao sistema Permitir que o usuário acesse ao Sistema de Léxicos e Cenários nas seguintes condições: logando-se, quando já estiver cadastrado; ou incluindo usuário independente, quando

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitário ConfigXpress no CA IdentityMinder a minha solução de gerenciamento de identidades pode se adaptar rapidamente aos requisitos e processos de negócio em constante mudança? agility

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

Tutorial Report Express. Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença.

Tutorial Report Express. Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença. Tutorial Report Express Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença. Índice Apresentação Pág. 3 Passo 1 Pág. 4 Instalação do MasterDirect Integrações Passo 2 Pág. 8 Exportar clientes Linha Contábil

Leia mais

Portal da madeira manejada

Portal da madeira manejada Portal da madeira manejada Manual do administrador Catherine Perroud, Manaus, 05/2007 Tarefas do administrador A- Atualizar as notícias B- Gerenciar o fale conosco C- Gerenciar o balcão de negócios D-

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRIVACIDADE HANDSOFT TECNOLOGIA

DECLARAÇÃO DE PRIVACIDADE HANDSOFT TECNOLOGIA DECLARAÇÃO DE PRIVACIDADE HANDSOFT TECNOLOGIA Consentimento Coleta de dados Uso e finalidade dos dados colhidos Endereços IP Ferramentas automáticas Links incorporados Cookies Endereços de e-mail Compras

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Operador de Computador. Informática Básica

Operador de Computador. Informática Básica Operador de Computador Informática Básica Instalação de Software e Periféricos Podemos ter diversos tipos de software que nos auxiliam no desenvolvimento das nossas tarefas diárias, seja ela em casa, no

Leia mais

Instalação do software e de opções da Série Polycom RealPresence Group e acessórios. Visão geral

Instalação do software e de opções da Série Polycom RealPresence Group e acessórios. Visão geral Instalação do software e de opções da Série Polycom RealPresence Group e acessórios Visão geral Quando você atualiza o software Polycom ou adquire opções adicionais do sistema, sua organização pode continuar

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Windows

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Windows Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Windows Abril de 2015 Inicialização rápida O Novell Filr permite que você acesse facilmente todos os seus arquivos e pastas do desktop,

Leia mais

Descrição do Serviço Serviços Dell System Track

Descrição do Serviço Serviços Dell System Track Visão geral dos Termos e Condições Descrição do Serviço Serviços Dell System Track Este contrato ( Contrato ou Descrição do Serviço ) é firmado entre o cliente ( você ou Cliente ) e a entidade Dell identificada

Leia mais

Guia de usuário Auvo @

Guia de usuário Auvo @ Guia de usuário Auvo @ Sobre a Auvo O Auvo é um serviço gratuito que comunica todas as pessoas de sua empresa em todas as plataformas (desktop, web e mobile) de maneira muito fácil. Além disso nós ajudamos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise

Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise Índice Introdução 2 Interface administrativa 2 Status 2 Minha conta 3 Opções 3 Equipes de suporte 4 Jumpoint 5 Jump Clients 6 Bomgar Button 6 Mensagens

Leia mais

SOLUÇÃO EM DISPOSITIVO MÓVEL PARA ATENDIMENTO DE RESTAURANTES E LANCHONETES EM VIÇOSA-MG 1

SOLUÇÃO EM DISPOSITIVO MÓVEL PARA ATENDIMENTO DE RESTAURANTES E LANCHONETES EM VIÇOSA-MG 1 615 SOLUÇÃO EM DISPOSITIVO MÓVEL PARA ATENDIMENTO DE RESTAURANTES E LANCHONETES EM VIÇOSA-MG 1 Guilherme Paulo de Barros 2, Arthur Lemos 3, Heber Fernandes Amaral 4 Resumo: Nos dias atuais, com a popularização

Leia mais

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP. Versão 1.2.0.1

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP. Versão 1.2.0.1 Padrão ix Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP Versão 1.2.0.1 Copyright 2000-2014 Padrão ix Sistemas Abertos Ltda. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste manual estão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

Este artigo abaixo foi produzido originalmente para a Network Core Wiki. Reproduzo-a aqui na íntegra. Publicado originalmente em 07/12/2007.

Este artigo abaixo foi produzido originalmente para a Network Core Wiki. Reproduzo-a aqui na íntegra. Publicado originalmente em 07/12/2007. Vírus no Linux? Este artigo abaixo foi produzido originalmente para a Network Core Wiki. Reproduzo-a aqui na íntegra. Publicado originalmente em 07/12/2007. Interface de uma distribuição Linux Uma das

Leia mais

Tecnologia WEB III. Prof. Erwin Alexander Uhlmann. PHP e MySQL. UHLMANN, Erwin Alexander. Introdução ao PHP. Instituto Siegen. Guarulhos, 2012.

Tecnologia WEB III. Prof. Erwin Alexander Uhlmann. PHP e MySQL. UHLMANN, Erwin Alexander. Introdução ao PHP. Instituto Siegen. Guarulhos, 2012. Tecnologia WEB III Prof. Erwin Alexander Uhlmann PHP e MySQL UHLMANN, Erwin Alexander. Introdução ao PHP. Instituto Siegen. Guarulhos, 2012. Agradecimentos Agradeço à minha esposa Kátia por entender minha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROJETO DE RESIDÊNCIA EM SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROJETO DE RESIDÊNCIA EM SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROJETO DE RESIDÊNCIA EM SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Filipe Henrique S. G. de Oliveira, Eugênio Cézar Maciel Marques, Francisco Caio Silva Ladislau, Jorge

Leia mais

Administração pela Web Para MDaemon 6.0

Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos Reservados. Os nomes de

Leia mais

7 Mudanças Realizadas

7 Mudanças Realizadas 7 Mudanças Realizadas Este capítulo tem o objetivo de detalhar as mudanças realizadas no ambiente de trabalho da equipe estudada. Ele cita as alterações no produto de software utilizado pela equipe, que

Leia mais

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS Objetivo da unidade Objetivo Geral Apontar as noções básicas do Windows Praticar o aprendizado sobre o Sistema Operacional Objetivos Específicos Entender como

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

Whatsquestions Tire dúvidas online

Whatsquestions Tire dúvidas online Whatsquestions Tire dúvidas online Caio Souza Costa 1,Allison Silva 2, João Souza 3, Antônio Souza Magalhães 4, Cynara Carvalho Souza 5 Departamento de Computação Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

Sumário. Tutorial de acesso ao Veduca 2

Sumário. Tutorial de acesso ao Veduca 2 Sumário Tutorial de acesso ao Veduca 2 Introdução... 3 Sobre o Veduca... 3 Navegação... 5 Página inicial... 5 Primeiro acesso... 6 Como fazer o seu login... 7 Como acessar seu perfil... 7 Recursos da área

Leia mais

SISTEMA MEDLINK E-TISS PASSO-A-PASSO (USE JUNTO COM A VÍDEO AULA)

SISTEMA MEDLINK E-TISS PASSO-A-PASSO (USE JUNTO COM A VÍDEO AULA) 1 / 16 SISTEMA MEDLINK E-TISS PASSO-A-PASSO (USE JUNTO COM A VÍDEO AULA) Este guia passo-a-passo tem o objetivo de facilitar o entendimento: - da ordem de execução dos processos. - dos conceitos do sistema.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretária de Gestão Estratégica e Participativa da Saúde SGEP. Coordenação de Desenvolvimento dos Sistemas de Saúde - CDESS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretária de Gestão Estratégica e Participativa da Saúde SGEP. Coordenação de Desenvolvimento dos Sistemas de Saúde - CDESS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretária de Gestão Estratégica e Participativa da Saúde SGEP Coordenação de Desenvolvimento dos Sistemas de Saúde - CDESS Departamento de Informática do SUS - DATASUS Manual operacional

Leia mais

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional Belo Horizonte, 11 de junho de 2013 À Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Rod. Pref. Américo Gianetti, Serra Verde - Prédio Minas, 11º andar 31.630-900 Belo Horizonte Minas Gerais Ref.: Consulta

Leia mais

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual para realização do Donwload de Arquivos. Versão 1.0.1.0

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual para realização do Donwload de Arquivos. Versão 1.0.1.0 Padrão ix Q-Ware Cloud File Publisher Manual para realização do Donwload de Arquivos Versão 1.0.1.0 Copyright 2000-2013 Padrão ix Sistemas Abertos Ltda. Todos os direitos reservados. As informações contidas

Leia mais

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnologia EIA Escola de Informática Aplicada TIN0033 Projeto de Graduação II Orientadora: Renata Araújo Alunos:

Leia mais

Funcionalidades da ferramenta zabbix

Funcionalidades da ferramenta zabbix Funcionalidades da ferramenta zabbix Jordan S. Romano¹, Eduardo M. Monks¹ ¹Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves,

Leia mais

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Pró-Reitoria de Educação a Distância Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Como acessar o ambiente 1. Entre no Ambiente Virtual de Aprendizagem localizado na página principal do Portal

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

Tutorial de Instalação do software e-sus AB PEC

Tutorial de Instalação do software e-sus AB PEC Tutorial de Instalação do software e-sus AB PEC Tutorial de Instalação do software e-sus AB PEC OBJETIVO: PÚBLICO-ALVO: Esse tutorial pretende orientar o processo de Atualização do software e-sus AB PEC.

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS

APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS Marina Pasquali Marconato Mancini CER, DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza

Leia mais

SOS Aluno: uma ferramenta de auxílio e orientação ao aluno

SOS Aluno: uma ferramenta de auxílio e orientação ao aluno Introdução SOS Aluno: uma ferramenta de auxílio e orientação ao aluno Thiago Stein Motta Centro de Processamento de Dados Universidade Federal do Rio Grande do Sul thiago@cpd.ufrgs.br Resumo. Esse artigo

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Orientações para Implantação das alternativas de e-sic. CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria de Transparência e Prevenção da Corrupção jan/2015

Orientações para Implantação das alternativas de e-sic. CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria de Transparência e Prevenção da Corrupção jan/2015 Orientações para Implantação das alternativas de e-sic CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria de Transparência e Prevenção da Corrupção jan/2015 Apoiar Estados e Municípios na implementação da Lei de

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0 COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2015 SUMÁRIO 1. O MOODLE 3 2. Acesso à Plataforma 3 2.1. Cadastrar-se em uma disciplina 4 2.2. Página Inicial do Curso 5 3.

Leia mais

Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009

Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009 Microsoft Dynamics AX Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009 White paper Este white paper descreve como configurar e usar a integração de livros fiscais entre o Microsoft Dynamics

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas.

MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas. MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas. INDÍCE 1. Características gerais 2. Guia rápido de instalação 3. Processo de instalação 4. Opções avançadas de

Leia mais

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL.

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL. Nome do Software: Gerenciador de Projetos Versão do Software: Gerenciador de Projetos 1.0.0 1. Visão Geral Este Manual de Utilização do Programa Gerenciador de Projetos via Web, tem por finalidade facilitar

Leia mais

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac Abril de 2015 Inicialização rápida O Novell Filr permite que você acesse facilmente todos os seus arquivos e pastas do desktop, browser

Leia mais

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Introdução a Banco de Dados Aula 03 Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Arquiteturas de Banco de Dados Arquiteturas de BD - Introdução Atualmente, devem-se considerar alguns aspectos relevantes

Leia mais

Manual de Instruções TELEMETRIA. MANU-7310-TLP Rev. A

Manual de Instruções TELEMETRIA. MANU-7310-TLP Rev. A Manual de Instruções TELEMETRIA MANU-7310-TLP Rev. A MANUAL DE INSTRUÇÕES TELEMETRIA STARA S.A. - INDÚSTRIA DE IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS CNPJ: 91.495.499/0001-00 AV. STARA, 519 CEP 99470-000 - Não-Me-Toque/RS

Leia mais

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1 ] Blinde seu caminho contra as ameaças digitais Manual do Produto Página 1 O Logon Blindado é um produto desenvolvido em conjunto com especialistas em segurança da informação para proteger os clientes

Leia mais

Rastreabilidade de requisitos através da web

Rastreabilidade de requisitos através da web Rastreabilidade de requisitos através da web Fernando dos Santos (FURB) fds@inf.furb.br Karly Schubert Vargas (FURB) karly@inf.furb.br Christian Rogério Câmara de Abreu (FURB) crca@inf.furb.br Resumo.

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais