AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA NA CONSTRUÇÃO DO SENTIDO DO TEXTO: UMA VISÃO VIA LINGUÍSTICA TEXTUAL RESUMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA NA CONSTRUÇÃO DO SENTIDO DO TEXTO: UMA VISÃO VIA LINGUÍSTICA TEXTUAL RESUMO"

Transcrição

1 AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA NA CONSTRUÇÃO DO SENTIDO DO TEXTO: UMA VISÃO VIA LINGUÍSTICA TEXTUAL Míriam Godinho Romano Valéria Cristina Costa Rafael Cardoso Ferreira (G CLCA UENP/CJ) Luiz Antônio Xavier Dias (Orientador CLCA UENP/CJ) RESUMO Na atualidade, saber utilizar-se de estratégias de leitura é um instrumento cognitivo muito importante, pois segundo Solé (1998) é por meio das estratégias de leitura que se consegue um desenvolvimento do leitor proficiente. Sua utilização permite compreender e interpretar de forma autônoma os textos lidos e pretende despertar o professor para a importância em desenvolver um trabalho efetivo no sentido da formação do leitor independente, crítico e reflexivo. Com esses pressupostos, o presente trabalho visa apresentar diversas estratégias de leitura para a formação do leitor, a fim de aumentar sua capacidade interpretativa ao observar determinados gêneros. O trabalho é de caráter bibliográfico e se fundamenta na linguística textual Koch & Elias (2008) e em teorias cognitivistas de leitura, Solé (1998). 1 Introdução O ato de ler está ligado à decodificação durante as provas e leitura em sala de aula, quase sempre com conceito avaliativo. Então o aluno torna-se condicionado a idéia de que ler não passa de uma obrigação momentânea e sua utilização vinculada à escola e nada mais. Solé (1998) aborda o conceito de que é preciso ir além da obtenção de nota, é necessário que o aluno consiga integrar o conhecimento adquirido também em sua vida cotidiana. Durante o ato de leitura, o leitor coloca em prática todo seu conhecimento para que assim consiga construir o sentido sobre aquilo que está lendo, a leitura também é um exercício como qualquer outro, exige atenção e rigor, não existe um bom escritor se não existir um bom leitor capacitado e com pratica para exercê-lo. 2 Para que servem as estratégias? 278

2 Solé nos faz questionar o porquê de ensinar as estratégias de compreensão, e afirmam o seguinte: Em síntese por que queremos formar leitores autônomos, capazes de enfrentar de forma inteligente textos de índole muito diversa, na maioria das vezes diferentes dos utilizados durante a instrução. Ainda segundo Solé (1998p.72)formar leitores autônomos também significa formar leitores capazes de apreender a partir dos textos. Para isso, quem lê deve ser capaz de interrogar-se sobre sua própria compreensão, estabelecer relações entre o que lê e o que faz parte de seu acervo pessoal, questionar esse conhecimento e modificá-lo estabelecendo generalizações que permitam transferir o que foi aprendido para outros contextos diferentes. È necessário conscientizar os estudantes que a leitura vai além, ela envolve sentimentos, a imaginação e não deve ser encarada como perca de tempo. As várias bibliotecas espalhadas pelo mundo estão repletas de livros e incontáveis coleções, desde clássicos consagrados pela historia ate mesmo um gibi de banca de jornal, porém com pouco movimento e sem demonstração de interesse por parte dos leitores alunos. As estratégias de leitura implantadas pelo professor na sala de aula são indispensáveis para recuperar esses leitores. É necessário envolver as crianças, os jovens e outros membros da comunidade, atendendo não somente necessidades básicas, mas criar novas possibilidades que envolvam esse tipo de público. Para KOCH (2011 p.10) a leitura assim é entendida como atividade de captação das idéias do autor, sem levar em conta as experiências e os conhecimentos do leitor, a interação autor- texto-leitor com propósitos constituídos sociocognitivo-internacionalmente. Muitos professores tentam implantar o habito da leitura em suas salas de aula, porém, ainda seguem a forma tradicional, sem articular os textos com a realidade vivida e sem levar em conta o conhecimento de mundo do individuo. O importante é que o estudante esteja em contato com diferentes tipos de texto, seja através de suas próprias produções ou através de textos encontrados na forma da linguagem falada. Para Solé, leitura é um processo mediante no qual se compreende a linguagem escrita (...). Para ler necessitamos simultaneamente manejar com destreza as habilidades de decodificação e apartar ao texto nossos objetivos, idéias e experiências prévias (...) (p.23). Segundo a autora, para uma pessoa se envolver em qualquer atividade de leitura, é necessário que ela sinta que é capaz de ler, de compreender o texto, tanto de forma autônoma, como apoiada em leitores mais experientes. 279

3 3 As estratégias fundamentais são Definição de objeto da leitura, atualização de conhecimentos prévios, previsão de leitura atualização de conhecimentos de previsão, inferências e resumo. Estratégias para se trabalhar HQ na sala de aula: Área do conhecimento: Língua Portuguesa - Tema ou assunto da aula: Histórias em Quadrinhos - Nível de escolarização: 6ºano (5ª série) do Ensino Fundamental 3.1 Apresentação: História em quadrinho Nas HQ podemos observar a combinação da imagem com o texto escrito nos balões, e na maioria das vezes são elaborados em três ou em quatro quadrinhos, dessa maneira compõem-se de frases curtas, um fato é relatado e transcrito. Este tipo de texto utiliza figuras de linguagem, tais como, metáforas e metonímias, uso de icônicos e dos sinais de pontuação, bem como para a representação dos sons o uso da onomatopeia. Portanto a produção breve marca um grau de informalidade e uma pitada humorística. Estilo: São os recursos lexicais utilizados e que dão destaque às frases que geram o humor na HQ. 280

4 Propósito comunicacional: Mostra qual objetivo da HQ: fazer uma crítica ou divertir, através do humor, temas normalmente de problemática da sociedade ou temas políticos. Suporte: Publicada em jornais revistas e gibis. Desenvolvimento: Para melhor detalhar este tópico ele foi dividido em A, B e C. Momento A - Antes da leitura; atividades cujo objetivo é trazer o repertório do leitor (seus conhecimentos prévios) para a compreensão textual, discutindo os elementos contextualizadores do texto: autor, portador, título, sumário, capas, assunto/tema e ilustrações. Momento B durante a leitura; atividade cuja finalidade é apresentar alguns objetivos, orientadores do ato de ler, por meio de um levantamento de aspectos que auxiliem a construção dos sentidos do texto: o tema, o gênero textual em suas funções e características, os recursos expressivos utilizados pelo autor entre outros. Dessa forma, estabelece com os estudantes alguns objetivos para antecipar aspectos importantes do texto, por meio de um mapa textual que ajude os leitores na compreensão global do que vão ler. Momento C depois da leitura; atividade cujo objetivo é ampliar as referências culturais dos leitores, especialmente os conteúdos das várias áreas do conhecimento implicadas no texto, refletindo sobre seus aspectos polêmicos e, ainda, discutir as perspectivas do narrador e do leitor. É também momento de ensinar o estudante a fazer paráfrases (orais ou escritas) do que leu e produzir textos em outras linguagens (desenho, pintura, dramatização, etc.). Após o término dos exercícios propostos, serão aplicados também exercícios de criação, e deverão ser avaliadas as participações em sala, durante os dois primeiros módulos, como as pesquisas realizadas e as respostas dos questionários de compreensão, bem como a criação de novas histórias pelos alunos. 4 Considerações finais Esperamos que este artigo esclareça o quanto é importante conhecer as estratégias de leitura, como podemos aplicá-la no momento da leitura de um determinado gênero. O objetivo principal foi colaborar na solução dos problemas que envolvem o tema: leitura em sala de aula é necessário que professores e alunos tomem consciência da importância de estar atualizado, conhecendo às novas formas de tecnologias existentes no mercado, e que estão conquistando cada vez mais seu espaço no mundo, vendo-a como um desafio a ser vencido e melhorar a pratica docente. 281

5 5 Referências KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Ler e Compreender: Os sentidos do texto. 3 ed, 5 reimpressão. São Paulo: Contexto, SOLÉ, Isabel; Estratégias de leitura: trad. Cláudia Schilling, 6.ed. Porto Alegre: Artmed,1998. Para citar este artigo: COSTA, Valéria Cristina; FERREIRA, Rafael Cardoso; ROMANO, Miriam Godinho. As estratégias de leitura na construção do sentido do texto: uma visão via linguística textual. In: IX SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA SÓLETRAS - Estudos Linguísticos e Literários Anais... UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná Centro de Letras, Comunicação e Artes. Jacarezinho, ISSN p

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Docente: Marcela Rodriguês dos Santos/ Rubinaldo da Silva Araújo Carga horária: 80h Disciplina: Produção Textual Serie: 6 Ano Plano de Curso I Unidade Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

OS METAPLASMOS NO GÊNERO TEXTUAL CHARGE

OS METAPLASMOS NO GÊNERO TEXTUAL CHARGE OS METAPLASMOS NO GÊNERO TEXTUAL CHARGE Ana Carolina Mendes Camilo Jéssica Luzia Machado Vanessa Aparecida Clemente (G-CLCA UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias (Orientador CLCA - UENP/CJ) 1 Introdução Segundo

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL GONÇALVES, Raquel Pereira Universidade Estadual de Goiás, Câmpus de Iporá raquelpg.letras@gmail.com MOURA,

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Na realização de uma avaliação educacional em larga escala, é necessário que os objetivos da

Leia mais

MAIS RESENHA: UMA PROPOSTA PARA FORMAÇÃO DO LEITOR CRÍTICO NA ESCOLA

MAIS RESENHA: UMA PROPOSTA PARA FORMAÇÃO DO LEITOR CRÍTICO NA ESCOLA MAIS RESENHA: UMA PROPOSTA PARA FORMAÇÃO DO LEITOR CRÍTICO NA ESCOLA Adriana Letícia Torres da Rosa adrianarosa100@gmail.com Cristina Lúcia de Almeida krisluci@yahoo.com.br José Batista de Barros Instituto

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

SANTOS, Leonor Werneck. RICHE, Rosa Cuba. TEIXEIRA, Claudia Souza. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012.

SANTOS, Leonor Werneck. RICHE, Rosa Cuba. TEIXEIRA, Claudia Souza. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012. Resenhas 112 SANTOS, Leonor Werneck. RICHE, Rosa Cuba. TEIXEIRA, Claudia Souza. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012. Fernanda Cristina Ferreira* nandacferreira@hotmail.coml * Aluna

Leia mais

II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Uma reflexão sobre a prática docente na formação das habilidades de leitura

II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Uma reflexão sobre a prática docente na formação das habilidades de leitura II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Uma reflexão sobre a prática docente na formação das habilidades de leitura Luciana Negrão de Carvalho Aluna da 8ª. Etapa do Curso

Leia mais

PRÁTICA SIGNIFICATIVA DO GÊNERO TEXTUAL AOS JOGOS DE CONSCIÊNCIA SILÁBICA PROFESSORA RAFAELA NATIVIDADE SE MARY CONTÊ CMEI RECANTO INFANTIL

PRÁTICA SIGNIFICATIVA DO GÊNERO TEXTUAL AOS JOGOS DE CONSCIÊNCIA SILÁBICA PROFESSORA RAFAELA NATIVIDADE SE MARY CONTÊ CMEI RECANTO INFANTIL PRÁTICA SIGNIFICATIVA DO GÊNERO TEXTUAL AOS JOGOS DE CONSCIÊNCIA SILÁBICA PROFESSORA RAFAELA NATIVIDADE SE MARY CONTÊ CMEI RECANTO INFANTIL Gêneros Textuais São modelos comunicativos que nos possibilitam

Leia mais

A MATEMÁTICA NA HUMANIDADE INTRODUÇÃO

A MATEMÁTICA NA HUMANIDADE INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA NA HUMANIDADE Guilherme Zanette (G CLCA - UENP/CJ) Hugo Luiz Santos Oliveira (G CLCA - UENP/CJ) Penha Lucilda de Souza Silvestre (Orientadora CLCA - UENP/CJ) INTRODUÇÃO Neste presente artigo,

Leia mais

LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO

LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO Maria Solange de Lima Silva FCU/UNIFUTURO Sol_lyma@hotmail.com INTRODUÇÂO A característica básica

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Série/período: 1º ano Carga

Leia mais

A DECODIFICAÇÃO DA LEITURA E O PROCESSO DE COMPREENSÃO DO TEXTO

A DECODIFICAÇÃO DA LEITURA E O PROCESSO DE COMPREENSÃO DO TEXTO A DECODIFICAÇÃO DA LEITURA E O PROCESSO DE COMPREENSÃO DO TEXTO Maria de Fátima de Souza Aquino Universidade Estadual da Paraíba fatimaaquinouepb@yahoo.com.br RESUMO A leitura é uma atividade complexa

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO EVANGE GUALBERTO

INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO EVANGE GUALBERTO Plano de Aula INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO EVANGE GUALBERTO PLANO DE AULA: ALFABETIZANDO E LETRANDO ATRAVÉS DE CONTOS

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

PROJETO PIBID: RELATANDO EXPERIÊNCIAS EM SALA DE AULA

PROJETO PIBID: RELATANDO EXPERIÊNCIAS EM SALA DE AULA PROJETO PIBID: RELATANDO EXPERIÊNCIAS EM SALA DE AULA Mayara Carvalho Peixoto 1 (UFCG) mayaracarvalho-@hotmail.com Márcia Candeia Rodrigues 2 (UFCG) marciac_rodrigues@hotmail.com Introdução Este relato

Leia mais

Documento curricular. 2º Trimestre

Documento curricular. 2º Trimestre Documento curricular 9º ano 2º Trimestre - 2017 Língua Portuguesa Caros pais, Relacionamos no quadro abaixo os conteúdos que serão trabalhados com os alunos neste 2º trimestre. Entenda-se por conteúdos

Leia mais

O MENINO DE LÍNGUA DE FORA: ANÁLISE CRÍTICA E PROPOSTA DE LEIITURA

O MENINO DE LÍNGUA DE FORA: ANÁLISE CRÍTICA E PROPOSTA DE LEIITURA O MENINO DE LÍNGUA DE FORA: ANÁLISE CRÍTICA E PROPOSTA DE LEIITURA Fernando de Oliveira Saladini Taline Pauliukevicius Aline Teixeira Penha Lucilda de Souza Silvestre (Orientadora CLCA - UENP/CJ) Introdução

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL

A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL 00604 Resumo A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL Célia Aparecida Bettiol Arliete Socorro Da Silva Neves O presente texto faz parte de um trabalho em andamento e se constitui em pesquisa documental,

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 08 de março de 2012 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

Diário de Classe. Aulas, projetos, experimentos, dinâmicas.

Diário de Classe. Aulas, projetos, experimentos, dinâmicas. Diário de Classe Aulas, projetos, experimentos, dinâmicas. A escola é, ou deveria tornar-se, um local privilegiado para diminuir a distância entre os jovens e a leitura. Essa atividade é necessária e vital

Leia mais

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS?

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? II Encontro Orientadores de Estudo PNAIC A criança no ciclo de alfabetização Mônica Correia Baptista monicacb.ufmg@gmail.com Professora Departamento de Administração

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA 53 14 PLANOS DE DISCIPLINAS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA -

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - Rio de Janeiro / 2014 0 SUMÁRIO Público-alvo p. 2 Justificativa p.2 Objetivos Gerais p. 3 Objetivos Específicos

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO

LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO Escutar para aprender e construir conhecimentos LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO COMPREENSÂO DO ORAL Prestar atenção ao que ouve de modo a tornar possível: -apropriar-se de padrões de entoação e ritmo; - memorizar

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º 1.º CEB Agrupamento de Escolas Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º Saber escutar para reproduzir pequenas mensagens e Compreensão do oral Leitura Escrita para cumprir ordens e pedidos Prestar

Leia mais

II SEMINÁRIO DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E SUAS LITERATURAS

II SEMINÁRIO DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E SUAS LITERATURAS U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E L A V R A S Departamento de Ciências Humanas - DCH LETRAS PORTUGUÊS-INGLÊS II SEMINÁRIO DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E SUAS LITERATURAS Tema O ensino de Língua

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº 134 de 04/10/12 Etec Ermelinda Giannini Teixeira Código: 187 Município: SANTANA

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

E.E. TENENTE JOSÉ LUCIANO PROJETO:PASSAPORTE DA LEITURA 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO LIVRO 2º ANO

E.E. TENENTE JOSÉ LUCIANO PROJETO:PASSAPORTE DA LEITURA 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO LIVRO 2º ANO E.E. TENENTE JOSÉ LUCIANO PROJETO:PASSAPORTE DA LEITURA 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO LIVRO 2º ANO ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO PROJETO:PASSAPORTE DA LEITURA-2015 Um livro tem asas longas e leves,

Leia mais

COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES

COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES Aula 4 META Apresentar os comportamentos leitores e escritores como conteúdos das aulas sobre gêneros textuais. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Esta linha de pesquisa objetiva o exame dos processos de construção do conhecimento docente do professor de línguas, com ênfase no papel da linguagem

Leia mais

ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O

ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO? Na perspectiva do desenvolvimento das habilidades e competência do eixo do Programa de Aprendizagem em Atenção

Leia mais

Concepções de leitura e correspondente prática docente; O conceito de sequência didática.

Concepções de leitura e correspondente prática docente; O conceito de sequência didática. COMO ENSINAR A LER E COMPREENDER? UMA PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE LEITURA NO PIBID Erica Reviglio Iliovitz 1 Introdução O ensino da leitura e da compreensão leitora é um processo complexo que envolve

Leia mais

COMPETÊNCIAS DA DISCIPLINA

COMPETÊNCIAS DA DISCIPLINA ESCOLA ALEMÃ CORCOVADO DEUTSCHE SCHULE ASSOCIAÇÃO ESCOLAR E BENEFICENTE CORCOVADO PLANEJAMENTO CURRICULAR 2016 Área: Linguagens Disciplina: Língua Portuguesa/Literatura Ciclo: 11º / 12º anos COMPETÊNCIAS

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

P R O G R A M A. O léxico português. Processos de criação e renovação

P R O G R A M A. O léxico português. Processos de criação e renovação UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS CLÁSSICAS E VERNÁCULAS DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA II (Red. e Expressão Oral) CARGA HORÁRIA: 45 horas

Leia mais

Produção Textual Parte 2

Produção Textual Parte 2 Produção Textual Parte 2 A Linguagem: Uma Forma de Interação Com base nas pesquisas desenvolvidas pelo filósofo russo Mikhail Bakhtin (1895-1975), a linguagem passa a ser concebida como um constante processo

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Língua Portuguesa

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano. Disciplina de Português Ano Letivo /2017. Domínios/Conteúdos/Descritores. Unidade 0 Apresentações

PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano. Disciplina de Português Ano Letivo /2017. Domínios/Conteúdos/Descritores. Unidade 0 Apresentações AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALE DE MILHAÇOS ESCOLA BÁSICA DE VALE DE MILHAÇOS PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano Disciplina de Português Ano Letivo - 2016/2017 Metas de aprendizagem/objetivos Domínios/Conteúdos/Descritores

Leia mais

Critérios de Avaliação. Desempenhos / Critérios

Critérios de Avaliação. Desempenhos / Critérios Português Ano Departamento de Ciclo 2012/2013 - Realização de fichas de trabalho - Trabalhos individuais - Envolvimento em trabalho de grupo - Testes escritos Desempenhos / Critérios Exprime-se com clareza

Leia mais

PROJETO: SOU LETRANDO.

PROJETO: SOU LETRANDO. PROJETO: SOU LETRANDO. Acadêmicos: Thainara Lobo e Ailton Ourique Escola Estadual de Ensino Fundamental Dr Mário Vieira Marques (CIEP) São Luiz Gonzaga, 2016 1.TEMA Projeto de Leitura: Sou Letrando. 2.PROBLEMA

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: LINGUÍSTICA I Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 2 Semestre: 2015.1 Carga Horária:

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO Língua Portuguesa 1º ano Capítulo 1 O Mundo das Letras Reconhecer as letras do alfabeto em caixa-alta; Ler e escrever as letras do próprio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.933, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA III CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA III CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA III CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 3º ANO CARGA HORÁRIA: 3 A/S - 120 H/A

Leia mais

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto dissertativo-argumentativo

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto dissertativo-argumentativo Caro Aluno, Oficina inaugural de produção textual Oficina inaugural de produção textual sobre o texto dissertativo-argumentativo Esta oficina tem como objetivo geral criar a oportunidade para ter o primeiro

Leia mais

Integrada de Química. Prof. Dr. Carlos Eduardo Bonancêa

Integrada de Química. Prof. Dr. Carlos Eduardo Bonancêa Integrada de Química Prof. Dr. Carlos Eduardo Bonancêa Agora veremos a uma Apresentação sobre Relações CTS no Ensino de Química. Ao seu final, espera-se que você aprenda sobre relações existentes entre

Leia mais

CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES E ATIVIDADES 9º ANO A 4º BIMESTRE

CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES E ATIVIDADES 9º ANO A 4º BIMESTRE CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES E ATIVIDADES 9º ANO A 4º BIMESTRE Outubro Novembro Dezembro D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S 1 2 3 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 4 5 6 7 8 9 10 8 9 10 11 12 13 14 6 7 8 9 10

Leia mais

PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental

PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental UNIDADE I: GÊNEROS LITERÁRIOS Poesias Trabalhar conceitos, estruturas e produções do gênero. Biografia Entrevista Texto informativo

Leia mais

A REESCRITA DE CONTOS COMO GATILHO PARA A ALFABETIZAÇÃO INICIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Escola Estadual Conselheiro Antônio Prado

A REESCRITA DE CONTOS COMO GATILHO PARA A ALFABETIZAÇÃO INICIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Escola Estadual Conselheiro Antônio Prado A REESCRITA DE CONTOS COMO GATILHO PARA A ALFABETIZAÇÃO INICIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Escola Estadual Conselheiro Antônio Prado Professor(es) Apresentador(es): Maria Gildacy Araújo Lôbo Gomes Realização:

Leia mais

META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores.

META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores. ATIVIDADES PERMANENTES COM GÊNEROS TEXTUAIS Aula 8 META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo.

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo. Língua Portuguesa - Ensino Médio SISPAE 2013 01 Abaixo do Básico 1º e 2º ano até 200 pontos Neste Padrão de Desempenho, os estudantes se limitam a realizar operações básicas de leitura, interagindo apenas

Leia mais

Aula 03. Níveis de leitura de um texto. A Importância da leitura

Aula 03. Níveis de leitura de um texto. A Importância da leitura Aula 03 Níveis de leitura de um texto A aula de hoje tratará mais um pouco sobre a importância do ato de ler. Estudamos e começamos a perceber como a leitura é importante em nossas vidas, vimos que é interessante

Leia mais

PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR:

PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR: PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR: NOS CAMINHOS DA ALFABETIZAÇÃO E DO LETRAMENTO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO: NOS CAMINHOS DA ALFABETIZAÇÃO E DO LETRAMENTO JUSTIFICATIVA: Produzir bons leitores é o grande desafio

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora PLANIFICAÇÃO ANUAL /2015 DISCIPLINA: Português CURSO: PROFISSIONAL

Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora PLANIFICAÇÃO ANUAL /2015 DISCIPLINA: Português CURSO: PROFISSIONAL COMPETÊNCIAS GERAIS Compreensão oral / Leitura o Antecipar significados o Distinguir diferentes tipos de texto o Apreender sentidos explícitos o Inferir sentidos implícitos o Distinguir factos de opiniões

Leia mais

Sequência Didática / Interdisciplinar / 1º Ano

Sequência Didática / Interdisciplinar / 1º Ano Sequência Didática / Interdisciplinar / 1º Ano SÉRIE: 1º ano CONTEÚDO: LÍNGUA PORTUGUESA LEITURA E ESCRITA: Lendo Fábula ANÁLISE LINGUÍSTICA: Formação de Frases, Símbolos e Palavras CIÊNCIAS: Seres Vivos:

Leia mais

O TRABALHO COM A LEITURA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA RESPONSABILIDADE DE TODAS AS DISCIPLINAS

O TRABALHO COM A LEITURA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA RESPONSABILIDADE DE TODAS AS DISCIPLINAS O TRABALHO COM A LEITURA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA RESPONSABILIDADE DE TODAS AS DISCIPLINAS Resumo Angela Maria Pelizer de Arruda 1 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 5º ANO 1º BIMESTRE EIXO CONTEÚDO HABILIDADE ABORDAGEM

LÍNGUA PORTUGUESA 5º ANO 1º BIMESTRE EIXO CONTEÚDO HABILIDADE ABORDAGEM PRÁTIC DE LEITUR ORLIDDE LÍNGU PORTUGUES 5º NO 1º BIMESTRE EIXO CONTEÚDO HBILIDDE BORDGEM Escuta de textos Escutar textos de diferentes gêneros, sobretudo os mais formais, analisando-os criticamente. mpliar

Leia mais

Desvendando os mistérios da pesquisa escolar contados em quadrinhos: e a saga continua

Desvendando os mistérios da pesquisa escolar contados em quadrinhos: e a saga continua Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Desvendando os mistérios da pesquisa escolar contados em quadrinhos: e a saga continua Valéria dos Santos Gouveia Martins (UNICAMP) - valeria@unicamp.br João Vilhete Viegas

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

CURSO: ARTE EM AÇÃO - LITERATURA

CURSO: ARTE EM AÇÃO - LITERATURA CURSO: ARTE EM AÇÃO - LITERATURA Docente: Mariana Felix de Oliveira Carga Horária Total do Projeto: 295 hrs Resumo: A oficina de literatura é uma das três vertentes que compõe o projeto Arte em ação. Terá

Leia mais

O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS

O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS INTRODUÇÃO Este plano foi criado para trabalhar com uma turma de 2º ano do Ensino Fundamental, com alunos que possuem em torno de 7 a 8 anos de idade, para que se aprofundem

Leia mais

Usos e funções: código oral e código escrito

Usos e funções: código oral e código escrito 3ª Objeto de estudo A linguagem como espaço de interação. A linguagem como espaço de interação. A linguagem e a formação para a cidadania A linguagem e a formação para a cidadania Língua Portuguesa 1º

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Aula 2 - Prof. Bruno Moreno 25/05/11 A Técnica Pomodoro Quem utilizou? Quais resultados? Proposta de Atividades Duas atividades 1- Prova 2- Trabalho final ou Seminário Texto Científico/Filosófico

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Leitura e Produção Textual Professor: Wilma Cléa Ferreira e-mail: wilmaclea@yahoo.com.br Código: Carga Horária: 60 H Créditos:

Leia mais

Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS. Planificação Anual / Mensal 2º ANO

Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS. Planificação Anual / Mensal 2º ANO Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS Planificação Anual / Mensal 2º ANO 2014/2015 Agrupamento PARA O de Escolas Piscinas - Olivais PLANIFICAÇÃO ANUAL / MENSAL DE PORTUGUÊS 2º ANO 1.º PERÍODO

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

COMPETÊNCIAS DA DISCIPLINA

COMPETÊNCIAS DA DISCIPLINA ESCOLA ALEMÃ CORCOVADO DEUTSCHE SCHULE ASSOCIAÇÃO ESCOLAR E BENEFICENTE CORCOVADO PLANEJAMENTO CURRICULAR 2016 Área: Linguagens Disciplina: Língua Portuguesa/Literatura Ciclo: 11º / 12º anos COMPETÊNCIAS

Leia mais

COMPETÊNCIAS DA DISCIPLINA

COMPETÊNCIAS DA DISCIPLINA ESCOLA ALEMÃ CORCOVADO DEUTSCHE SCHULE ASSOCIAÇÃO ESCOLAR E BENEFICENTE CORCOVADO PLANEJAMENTO CURRICULAR 2016 Área: Linguagens Disciplina: Língua Portuguesa/Literatura Ciclo: 9º / 10º anos COMPETÊNCIAS

Leia mais

Unidade de Licenciaturas Colegiado de Letras

Unidade de Licenciaturas Colegiado de Letras Unidade de Licenciaturas Colegiado de Letras PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO:GEOGRAFIA DISCIPLINA: Leitura e produção textual PERÍODO MINISTRADO:NOITE SEMESTRE/ANO:1/ 2013 PROFESSOR:Wandercy de

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

III ENCONTRO FORMAÇÃO PNAIC Ceale* Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita Sara Mourão Monteiro Faculdade de Educação (FaE) UFMG

III ENCONTRO FORMAÇÃO PNAIC Ceale* Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita Sara Mourão Monteiro Faculdade de Educação (FaE) UFMG III ENCONTRO FORMAÇÃO PNAIC Ceale* Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita Sara Mourão Monteiro Faculdade de Educação (FaE) UFMG Quanto ao encontro como um todo: COMENTÁRIOS ajudou a compreender o tema

Leia mais

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE BÁSICA, DAS HABILIDADES, DOS CONHECIMENTOS E DAS ATITUDES

Leia mais

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.9/2014 TÓPICO DE ESTUDO: Práticas de leitura

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.9/2014 TÓPICO DE ESTUDO: Práticas de leitura Faculdade Adventista da Bahia Assessoria Pedagógica BR-101, km 197, Capoeiruçu Caixa Postal 18 Cachoeira BA CEP: 44.300-000 Brasil e-mail: selcr25@gmail.com ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.9/2014 TÓPICO DE ESTUDO:

Leia mais

Período Gênero textual Expectativa

Período Gênero textual Expectativa DISCIPLINA: Produção de texto ANO DE REFERÊNCIA: 2016 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: 6ºano Período Gênero textual Expectativa P35 Compreender o papel do conflito gerador no desencadeamento dos episódios narrados.

Leia mais

PROCEDIMENTOS GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS E INGLÊS DA UTFPR CAMPUS PATO BRANCO

PROCEDIMENTOS GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS E INGLÊS DA UTFPR CAMPUS PATO BRANCO PROCEDIMENTOS GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS E INGLÊS DA UTFPR CAMPUS PATO BRANCO Aqui apresentar-se-ão os procedimentos gerais para

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Língua Portuguesa - (1ª série)

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Língua Portuguesa - (1ª série) Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Língua Portuguesa - (1ª série) COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS Compreender/Interpretar textos Distinguir textos descritivos, narrativos,

Leia mais

O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 5º A 8º SÉRIES

O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 5º A 8º SÉRIES O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 5º A 8º SÉRIES Ariany Maldonado Querino Lucélia de Fátima Ribeiro Mônica Tironi Silvana Tangleica Taymara Daiane Ribeiro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: História Série: 1 Eixo Tecnológico:

Leia mais

Elementos que favorecem o aprendizado do aluno

Elementos que favorecem o aprendizado do aluno Elementos que favorecem o aprendizado do aluno Acesso ao computador e à internet Nas escolas públicas encontramos os alunos oriundos das camadas sociais mais pobres e carentes, com renda familiar de 1

Leia mais

FONTANA, Niura Maria; PAVIANI, Neires Maria Soldatelli; PRESSANTO, Isabel Maria Paese. Práticas de linguagem: gêneros discursivos e interação

FONTANA, Niura Maria; PAVIANI, Neires Maria Soldatelli; PRESSANTO, Isabel Maria Paese. Práticas de linguagem: gêneros discursivos e interação 12 FONTANA, Niura Maria; PAVIANI, Neires Maria Soldatelli; PRESSANTO, Isabel Maria Paese. Práticas de linguagem: gêneros discursivos e interação Caxias do Sul: Educs, 2009 Simone Viapiana * O livro Práticas

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA

COLÉGIO SANTA TERESINHA EU CONFIO COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 3ª ETAPA 2016 PROFESSOR (A): Juliana Silva Cordeiro TURMA: 4º

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MANOEL FONTANILLAS FRAGELLI PROJETO VIAJANDO PELO ENCANTAMENTO DAS FÁBULAS

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MANOEL FONTANILLAS FRAGELLI PROJETO VIAJANDO PELO ENCANTAMENTO DAS FÁBULAS ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MANOEL FONTANILLAS FRAGELLI PROJETO VIAJANDO PELO ENCANTAMENTO DAS FÁBULAS ANGÉLICA MS MARÇO/ABRIL 2012 ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MANOEL FONTANILLAS FRAGELLI PROJETO VIAJANDO PELO

Leia mais

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB )

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) GT 4 LINGUAGENS, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO. Gilmara Teixeira Costa (gilmara-teixeira-01@hotmail.com/ Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) Juliana Maria Soares dos Santos (PPGFP UEPB)¹

Leia mais

D01 Reconhecer especificidades da linguagem escrita.

D01 Reconhecer especificidades da linguagem escrita. MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA PAEBES ALFA 1º ao 3º ano do Ensino Fundamental Tópicos Competências Descritores Níveis de Complexidade 1º ANO 2º ANO 3º ANO T1- Reconhecimento de convenções do

Leia mais

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR MÓDULO 4 EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 O JOGO

Leia mais

AVALIAÇÃO: CONCEPÇÕES

AVALIAÇÃO: CONCEPÇÕES AVALIAÇÃO: CONCEPÇÕES Paulo Ricardo Soares Pereira (UFCG) pauloricardo_sp_@hotmail.com Monaliza Mikaela Carneiro Silva (UFCG) mikaelamona@hotmail.com Orientadora: Profª. Drª. Márcia Candeia Rodrigues (UFCG)

Leia mais

Disciplina: Fundamentos da Educação dos Surdos Professora: Karin Lilian Strobel

Disciplina: Fundamentos da Educação dos Surdos Professora: Karin Lilian Strobel Disciplina: Fundamentos da Educação dos Surdos Professora: Karin Lilian Strobel Graduandos: Ananda, Antonia, Jéssica, João, Kamilla, Michel, Rayana, Rodrigo e Valéria. PEDAGOGIA SURDA Definição e Surgimento

Leia mais

Planejamento do Trabalho Pedagógico: elaboração de plano de curso e plano de aula. Profa. Dra. Hilda Mara Lopes Araujo DMTE/CCE

Planejamento do Trabalho Pedagógico: elaboração de plano de curso e plano de aula. Profa. Dra. Hilda Mara Lopes Araujo DMTE/CCE Planejamento do Trabalho Pedagógico: elaboração de plano de curso e plano de aula Profa. Dra. Hilda Mara Lopes Araujo DMTE/CCE Definição: Planejamento é um processo que exige organização, sistematização,

Leia mais

PIBID UMA BREVE REFLEXÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA DOCENTE

PIBID UMA BREVE REFLEXÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA DOCENTE PIBID UMA BREVE REFLEXÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA DOCENTE Andrieli Petrouski Guardacheski Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein,

Leia mais

PLANILHA EXEMPLO N.º 1 - SEQUÊNCIA DE ATIVIDADES PARA A ÁREA DE LÍNGUA E LINGUAGEM

PLANILHA EXEMPLO N.º 1 - SEQUÊNCIA DE ATIVIDADES PARA A ÁREA DE LÍNGUA E LINGUAGEM PLANILHA EXEMPLO N.º 1 - SEQUÊNCIA DE ATIVIDADES PARA A ÁREA DE LÍNGUA E LINGUAGEM O exemplo apresentado adota o conceito de Sequência Didática, aqui entendida com um conjunto de atividades pedagógicas

Leia mais

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes Géneros textuais e tipos textuais [texto de apoio para o curso de doutoramento em ciências da linguagem aplicadas ao ensino de línguas/universidade Pedagógica, Maputo, Outubro de 2015] Armando Jorge Lopes

Leia mais