1 - O LEITE COMO NEGÓCIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 - O LEITE COMO NEGÓCIO"

Transcrição

1

2 APRESENTAÇÃO Este Resumo Técnico é destinado aos produtores que freqüentaram o Curso de Bovinos de Leite realizado no Centro de Treinamento de Agricultores em Canguçu. Os dados aqui apresentados são um resumo das aulas administradas no Módulo I, que são organizadas com base em resultados obtidos por pesquisadores, extensionistas e produtores rurais. A adoção das tecnologias contidas neste resumo permitirá alcançar níveis elevados de produtividade já comprovados em várias propriedades do Rio Grande do Sul. Sempre visando a construção do desenvolvimento rural sustentável, com base nos princípios da Agroecologia, objetivando o fortalecimento da agricultura familiar e suas organizações, de modo a incentivar o pleno exercício da cidadania e a melhoria da qualidade de vida. 2

3 1 - O LEITE COMO NEGÓCIO Para ter sucesso na produção de leite é preciso: CONHECER GOSTAR FAZER O produtor de leite deve ser o GERENTE de sua propriedade, independente do seu tamanho. Deve administrar essa propriedade como uma EMPRESA RURAL. O que faz um bom Gerente? Toma decisões!!! SOBRE O que? Quando? Onde? Como? Por que? FAZER 3

4 Preciso de informações! Terei de fazer anotações! O bom gerente é aquele que melhor administra Terra Mão-de-obra Dinheiro COM BOM CONHECIMENTO 4

5 ANÁLISE DO PREÇO DO LEITE 1945 A 1991 (O preço era controlado pelo Governo). A PARTIR DE 1991 (O preço foi liberado). ALTERNATIVAS PARA ELEVAR O PREÇO DO LEITE: 5

6 COMPARAÇÃO ENTRE 3 PROPRIEDADES PRODUTORAS DE LEITE: Baixa produção Média produção Boa produção Propriedade 1 Baixa Produção Propriedade 2 Média Produção Propriedade 3 Boa Produção Preço médio R$ 0,40 por litro R$ 0,40 por litro R$ 0,40 por litro Produtividade 5 litros/vaca/dia 10 litros/vaca/dia 15 litros/vaca/dia Valor recebido R$ 2,00 por dia R$ 4,00 por dia R$ 6,00 por dia Custo por vaca R$ 0,97 por dia R$ 1,93 por dia R$ 2,90 por dia Sobra por vaca R$ 1,03 por dia R$ 2,07 por dia R$ 3,10 por dia Produção de 5 vacas 10 vacas 15 vacas Renda das vacas R$ 5,15 por dia R$ 20,70 por dia R$ 46,50 por dia Renda mensal R$ 154,50 R$ 621,00 R$ 1.395,00 RESUMO: COMO O AGRICULTOR PODERÁ GANHAR MAIS NA ATIVIDADE LEITEIRA: 1º Elevar o preço do leite 5 Gastar bem o dinheiro 2º Aumentar a produção por vaca 6º Eliminar animais improdutivos 3º Aumentar o número de vacas 7º Baratear o custo da alimentação 4 Utilizar melhor a mão-de-obra 8 Melhorar a qualidade do leite A PRODUÇÃO LEITEIRA DEVERÁ TER COMPETÊNCIA, NA: PRODUÇÃO PRODUTIVIDADE QUALIDADE DO LEITE GERENCIAMENTO DA PROPRIEDADE O leite é um bom negócio, para quem o encara exatamente como um negócio. 6

7 2 DESEMPENHO IDEAL DA VACA LEITEIRA A vaca deve ter uma cria a cada doze meses A vaca deve ser coberta entre 50 e 90 dias após o parto A produção de leite: - Como deve ser? A vaca deve atingir o PICO de produção entre 35 e 50 dias depois de parir Após o pico, a diminuição da produção de um mês para o outro deverá ser de 5% a 10%. 1 litro no pico = 200 litros na lactação 7

8 A vaca deve ser secada dois meses antes do próximo parto A vaca deve manter um estado corporal adequado: Os indicadores são: REPETE O CIO PICO DE PRODUÇÃO COBERTURA PERÍODO SECO PERÍODO DE LACTAÇÃO QUEDA PÓS-PICO INTERVALO ENTRE PARTOS cada 21 dias dias pós - parto dias pós - parto 60 dias antes do parto 10 meses 10% por mês 12 meses O produtor só vai conseguir estes índices se: * Fizer anotações; * Analisar estas anotações; * Manejar bem o rebanho. 8

9 4. ANATOMIA E FISIOLOGIA DO APARELHO DIGESTIVO Esofago 9

10 INTRODUÇÃO Os ruminantes tem capacidade de consumir grandes quantidades de alimentos fibrosos( com proteínas de baixo valor biológico) e transformá-los em carne e leite(com proteínas de alto valor biológico) daí serem de grande valor como animais de criação pelo homem. Nenhum outro animal tem capacidade de produzir proteína animal com tão poucas perdas. Os outros animais são mais ou menos concorrentes do homem. Uma vaca que produza 10 litros de leite, pode comer só volumosos, mas não pode comer só concentrados. A fibra do volumoso é imprescindível, pois estimula os movimentos do rúmen. Muito concentrado provoca um desbalanceamento no processo ruminal, que produz muito ácido graxo ( propiônico), comprometendo o seu metabolismo e provocando acidose e até mesmo laminite. O leite ficará mais ácido, podendo se tornar inadequado para a produção de alguns derivados como leite longa vida, doce de leite, etc. Produção depende : Potencial do animal Potencial do alimento PERCENTAGEM DA ENERGIA CONSUMIDA PELOS ANIMAIS QUE PODERIA SER CONSUMIDA PELO HOMEM Vaca leiteira (4000 l/leite) 5 a 10% Vaca leiteira (8000 l/leite) 5 a 30% Gado de corte 10 a 20% Suínos 60 a 90% Aves 60 a 80% Terneira 70 a 95% EVOLUÇÃO DO APARELHO DIGESTIVO SEMANAS ADULTO

11 Rúmen/Retículo Omaso Abomaso RECÉM NASCIDO - Monogástrico - Alimentos diretos ao abomaso pela goteira esofágica. Reflexo líquido e de sais na faringe estimula a formação da goteira esofageana TIPOS DE SISTEMAS DIGESTIVOS O sistema digestivo é um tubo. Começa na boca e termina no ânus. MONOGÁSTRICOS - (Porco, cachorro, homem). O alimento recebe ataque de substâncias ácidas e enzimas no estômago. Há uma passagem rápida do alimento. A absorção dos nutrientes se dá no I.Delgado. A fermentação principal ocorre no I.Delgado. SUÍNOS - Estômago corresponde a 20% do trato digestivo. POLIGÁSTRICOS - Ruminantes RÚMEN E VACA SÃO SISTEMAS DISTINTOS: Vaca ingere pasto que alimenta as bactérias do rúmen. Há uma passagem lenta dos alimentos. Há grande desenvolvimento bacteriano (microorganismos que vão desdobrar o alimento). A fermentação ocorre no rúmen. BOVINOS - Pré- estômagos correspondem a 70% do trato digestivo. O ruminante não deve comer grãos em excesso, pois isto diminui o ph e a fermentação que ocorre provoca acidez (acidose ruminal ou acidose láctica). No caso do milho (rico em energia) há uma fermentação violenta, baixando o ph e provocando cetose. Em animais que consomem muito concentrado, é necessário fornecer bicarbonato de sódio (Tamponante). ÓRGÃOS PRINCIPAIS DO APARELHO DIGESTIVO 11

12 Boca, faringe, esôfago, estômago( rúmen, retículo, omaso e abomaso ), intestino delgado ( duodeno, jejuno e íleo ) intestino grosso ( ceco cólon e reto ) e por glândulas acessórias ( gl. Salivares, pâncreas e fígado). O RÚMEN DA VACA É COMPOSTO DE 4 ESTÔMAGOS. VELOCIDADE DE PASSAGEM DO ALIMENTO Depende do tamanho das partículas do alimento, e das condições de passar no orifício retículo - omasal. a) CONCENTRADOS E PELLETS - Por serem mais densos e mais divididos, são comidos mais rapidamente. Tem que Ter fibra para estimular a ruminação. b) FORRAGEM - Requer mais mastigação para a formação do bolo alimentar. Aumenta a produção de saliva O tempo gasto comendo, afeta a fermentação ruminal e a distribuição do tempo entre comer, ruminar e outras atividades. O normal é Divididos em Comem, ruminam e descansam. CONSUMO VOLUNTÁRIO DE ALIMENTO 1) FATORES REFERENTES AO ANIMAL a) Tamanho (peso do animal) consumo de 10 a 12 % do peso do animal b) Fatores fisiológicos diminuem após o parto, diminui no final da gestação. Maior consumo da vaca ocorre entre 70 a 90 dias após o parto. c) Fatores genéticos é um caráter individual de cada animal. A maior produção de leite significa aumento no consumo de alimento. 2) FATORES REFERENTES AO ALIMENTO a) Digestibilidade b) Aspecto do alimento (Seleção pela visão, olfato, sabor etc) 3) OUTROS FATORES a) Clima - O calor diminui o consumo de alimentos (dias muito quentes o animal consome mais a noite). Frio - Aumenta o consumo de alimentos. 12

13 NÍVEL DE CONSUMO Quanto mais tempo o alimento permanece no rúmen, mais digerida será a fibra e consequentemente mais gordura terá o leite (Fibra - Lignina). O consumo do volumoso vai depender da qualidade do mesmo. Alimento volumosos de baixa qualidade com muita fibra mais tempo para digerir com menor consumo de volumosos. O ideal é o consumo da maior quantidade possível de volumoso. A fermentação da fibra é mais demorada. Se o alimento possui pouca fibra, há uma passagem mais rápida e em conseqüência a fibra não é aproveitada. A fibra é importante, pois provoca salivação. A saliva mantém o PH do rúmen entre 6 e 7, e é importante na dieta de vacas em lactação. Ácidos Graxos Ac. Acético gordura do leite Ácido propiônico glicose lactose DIGESTÃO DA FIBRA Se dá pela ação de bactérias, protozoários e fungos anaeróbios presentes no rúmen. A digestibilidade da fibra depende da competição entre a taxa de passagem e de digestão. CONSUMO DE ALIMENTOS E DIGESTIBILIDADE A sensação de saciedade dos ruminantes, depende do enchimento do rúmen, logo: Quanto maior a digestibilidade dos alimentos, mais depressa ele passa pelo trato digestivo. Quanto mais depressa o rúmen fica vazio, mais rápido retorna a fome e assim maior quantidade de alimento será consumido. Concluímos que para alto consumo de alimento fibroso, necessitamos de alimento com alta taxa de digestibilidade. Necessário 2/3 fibra longa e 1/3 fibra curta 18 a 20% fibra Consumo voluntário Aumenta com a digestibilidade da forragem. Para um alto consumo de alimentos fibrosos, além da digestibilidade, há um outro fator importante que é a estrutura física deste alimento. IMPORTÂNCIA DA SALIVA- Uma vaca adulta produz cerca de 150 a 200 litros de saliva por dia, com duas finalidades: 1) Tornar o alimento escorregadio para que possa ser mais facilmente engolido. 2) Neutralizar os ácidos que estão no rúmen (o PH da saliva é de 8,1 a 8,3). Alimentos concentrados, silagem, palha de arroz amonizado diminui o ph. Para vacas de alta produção, devemos aumentar o teor de fibras para cerca de 22%, ou fornecer a alimentação em várias vezes. Quando se fraciona a ração, pode-se trabalhar com a fibra em torno de 17% ou usar tamponantes. ph do rúmen = 6,7 13

14 OBS: A quantidade de saliva produzida, é conseqüência da ruminação e indiretamente da estrutura do alimento. Exemplo de produção de saliva: Comendo - 3 a 6 litros por hora Ruminando - 6 a 10 litros por hora. CONSUMO DE ÁGUA A água representa cerca de 87% da composição do leite A temperatura da água tem relação com a temperatura do rúmen (38 a 40º c ). Por isso a vaca não gosta de água muito fria. A falta de água pode provocar a morte de um animal muito antes que a falta de qualquer outro alimento. O corpo da vaca pode perder praticamente toda a gordura e mais da metade da proteína e ainda permanecer vivo. Contudo a perda de apenas 10% da água do corpo, resultará em sua morte. A água deve ser potável e fresca no verão e é muito importante que seja amornada no inverno. A vaca de leite reduz consideravelmente o consumo de água no inverno, se ela estiver gelada, reduzindo a produção de leite. Limitar o consumo de água, provoca diminuição na produção de leite e também altera a sua composição. Independentemente do peso corporal raça, condições ambientais e produção, uma vaca precisa de 4 a 8 litros de água para cada quilo de matéria seca ingerida, além de 3 a 4 litros de água para cada litro de leite produzido. Necessidade diária de água para uma vaca de 630 kg de peso Temperatura 0 4º c 10º c 21º c 32º c Vaca seca 22, ,5 40 Final lactação 32, ,5 55 Prod. 20 l/dia Prod. 30 l/dia

15 5. ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA NECESSIDADES QUALITATIVAS: Para que a vaca tenha um bom desempenho, deverá estar bem alimentada. Bem alimentada é quando ela esta ingerindo os nutrientes necessários. ENERGIA PROTEÍNA - é o combustível - nutrientes de construção NUTRIENTES: magnésio FIBRA - importante na digestão e ruminação MINERAIS - cálcio, fósforo, sódio, potássio, e outros VITAMINAS ÁGUA - presentes em todo bom alimento - necessária para diluir e deslocar os nutrientes (87% do leite é água). O valor nutritivo de um alimento é medido pela quantidade de nutrientes que ele possui. Quanto maior for a percentagem de energia ou de proteína maior será o valor nutritivo do alimento e melhor será sua qualidade. Uma vaca com rúmen cheio não significa que esteja bem nutrida. Só estará bem nutrida aquela que come os nutrientes necessários para se manter e produzir leite. TIPOS DE ALIMENTOS: 15

16 1. ALIMENTOS CONCENTRADOS 2. ALIMENTOS VOLUMOSOS Os alimentos concentrados possuem grande quantidade de energia e proteína num pequeno volume. Os alimentos concentrados possuem baixa quantidade de fibra. Exemplos de concentrados: - GRÃOS: milho, sorgo, soja e outros. - FARELOS: de soja, de arroz, de trigo e outros. - FARINHAS: de milho, de mandioca e outras. Os alimentos volumosos necessitam de um maior volume para fornecer a mesma quantidade de energia e de proteína que os concentrados. Os alimentos volumosos possuem muito mais fibra, o que faz aumentar o volume. Quanto mais velho o volumoso, mais fibra tem. Quanto mais fibra, menor o valor nutritivo. Volumoso de boa qualidade é o volumoso usado no ponto certo, isto é, quando tem quantidade adequada de fibra, proteína e energia. A fibra é muito importante para os bovinos, pois ela é necessária para uma adequada digestão dos alimentos. Exemplos de volumosos: Pastagens, silagens, fenos, palha e outros. Os concentrados só devem ser usados em situações especiais. A proteína e energia dos volumosos são mais baratas. No volumoso muito maduro (com muita fibra) o consumo é menor e a vaca produz pouco. 16

17 NECESSIDADES QUANTITATIVAS: Os nutrientes dos alimentos consumidos por uma vaca são utilizados para duas finalidades: 1. Manutenção do animal (respirar, digerir, temperatura, coração) 2. Produção (leite, carne e terneira) 1. MANUTENÇÃO DO ANIMAL A vaca necessita nutrientes para viver (respirar, andar, digerir, manter a temperatura do corpo e de todas suas funções vitais); Quanto mais pesado o animal, mais nutrientes necessita par sua manutenção. Para manutenção, a necessidade de nutrientes é sempre a mesma, tanto para produzir pouco leite como para produzir muito leite. NECESSIDADE DE ENERGIA E PROTEINA PARA MANUTENÇÃO DA VACA LEITEIRA VACA (kg) ENERGIA (g) PROTEÍNA (g)

18 2. PRODUÇÃO DE LEITE Quanto maior a produção de leite maior a necessidade de nutrientes. NECESSIDADE DE ENERGIA E PROTEINA PARA PRODUÇÃO DE LEITE LITROS DE LEITE ENERGIA (g) PROTEÍNA (g) Estas necessidades de proteína e energia são para produzir leite com 3,5% de gordura. Uma vaca, para produzir 20 litros de leite por dia, necessita do dobro de nutrientes do que para produzir 10 litros de leite por dia. Uma vaca de 450 kg de peso que estiver produzindo apenas 5 litros de leite por dia, deverá consumir de energia gramas para se manter e mais gramas para produzir os 5 litros de leite. Portanto, esta vaca estará consumindo gramas de energia e produzindo apenas 5 litros de leite. Terá gasto gramas de energia por litro de leite. Agora, se uma vaca de 450 kg de peso estiver produzindo 20 litros de leite por dia, ela estará consumindo gramas de energia para se manter e mais gramas de energia para produzir os 20 litros de leite. Portanto, esta vaca estará consumindo gramas de energia e produziu 20 litros de leite. Terá gasto apenas 489 gramas de energia por litro de leite. 18

19 6. ASPECTOS IMPORTANTES NA PRODUÇÃO DE VOLUMOSOS COMPARAÇÃO ENTRE ALGUNS VOLUMOSOS DE VERÃO VOLUMOSO VANTAGENS DESVANTAGENS Campo nativo Capim elefante Tifton/Flora kirk Hemarthria/ Kikuio Milheto/Sorgo/ Teosinto Silagem (milho/sorgo/ girassol) - baixo custo; - uso de áreas impróprias para agricultura; - pastejo direto. - alta produção de massa verde; - rebrote rápido; - baixo custo por quilo; - boa qualidade; - é permanente. - alta produção de massa verde; - rebrote rápido; - baixo custo por quilo; - boa qualidade; - é permanente. - libera a área no inverno; - boa qualidade; - alta produção. - segurança o ano todo; - facilita mão de obra (uso de máquina); - boa qualidade; - alta produção por ha; - libera área no inverno; - conforto para a família. - alimenta poucas vacas - baixa capacidade de produção de leite - necessita mão de obra para corte; - exige bom manejo, quando pastejado; - ocupa o solo o ano todo; - perde a qualidade quando velho (acima de 1,5 m de altura) - exige bom manejo, quando pastejado; cv- ocupa o solo o ano todo; - perde a qualidade quando velho. - ocupa área de agricultura; - precisa ser plantado todo ano. - ocupa área agrícola; - necessita mão de obra concentrada para o silo encher PASTAGEMS USADAS PARA PASTEJO As pastagens usadas para pastejo, e/ou corte, são preferencialmente o capim elefante, tifton, flora kirk, hemarthria, sorgo, milheto e teosinto. Época de plantio: Capim elefante e as outras perenes: primavera e verão. Sorgo, milheto e teosinto: outubro a janeiro. 13 CRIAÇÃO CORRETA DA TERNEIRA E NOVILHA 19

20 A terneira merece especial atenção do produtor de leite, pois vai ser a futura vaca do rebanho Produtor deve assistir o parto: Só intervir se for necessário. Eu quero parir em um ambiente tranqüilo, seco 20

21 Primeiros cuidados: Corte e desinfeção do umbigo; Limpar e secar a terneira; Dar colostro. E se não houver o colostro? Podemos usar: Colostro congelado Silagem de colostro ou Substituto do colostro substituto do colostro 0,5 l de água; 0,5 l de leite; 1 ovo; 1 colher de óleo de ricino Local de criação: 21

22 Até dois meses de idade: em terneireiras individuais; Dos dois meses aos seis meses de idade: em piquetes coletivos; Dos seis meses à cobertura: em piquetes separados por idade. ALIMENTAÇÃO: Fornecimento do leite Idade (dias) Leite Litros por dia Leite Litros por dia Holandesa Jersei Manhã Tarde Manhã Tarde 1 dia Colostro Colostro 2 ao 14 2,0 2,5 1,5 2,0 15 aos 42 3,5 3,0 42 aos 60 Silagem de colostro Armazenar o colostro em garrafas plásticas limpas Encher completamente ( não deixar ar) Guardar em local seco e escuro por 30 dias. Usar diluída em água (2 litros de água para dois litros de colostro) Temperatura de 38 a 40 graus celsius Adaptar a terneira ao gosto da silagem Substitutivos do leite :Adaptar a terneira ao novo alimento LEMBRETE!!!! Não esquecer de acompanhar mensalmente o peso e o crescimento da terneira, medindo seu peso e altura. A partir da segunda semana fornecer ração (18 a 20% de Pb) e feno de boa qualidade 22

23 Não esquecer que as terneiras devem ter sempre à disposição volumoso de boa qualidade e água limpa à vontade. Após o 42º dia, pode-se suspender o leite para a terneira, desde que ela esteja consumindo 500 gramas de ração concentrada por dia se for Jérsei, fornecendo até 1,5 kg diário. Terneiras holandesas suspender o leite, desde que ela esteja consumindo 700 gramas de ração até 2.0 Kg diários. O produtor deve dar feno de boa qualidade para a terneira já na primeira semana. Silagem de milho : a partir do momento que começar a ruminar uidados Sanitários até os dois meses: Aos dez dias: corte de tetas extras Até trinta dias : amochar - Controle de verminose e carrapatos Preciso ser vacinada! Vacinar Paratifo : Vacinar aos 15 dias Brucelose: 3 ao 8 mês Febre aftosa: apatir do nascimento Carbúnculo Sintomático e hemático: aos 4 meses Manejo da novilha ( apartir dos 6 meses ) 23 Como deve ser a alimentação das novilhas?

24 Fornecer volumoso de boa qualidade e a vontade Fornecer Concentrado de acordo com a qualidade do volumoso disponível: Varia de 1,5 kg a 2,0 kg por dia Cuidar para que tenha acesso ao Sal mineral e água limpa a vontade. 1. VACAS HOLANDESAS: 350 kg de peso 1,2 metros de altura 2. VACAS JERSEY: 250 kg de peso 1,0 metros de altura QUANDO FAZER A PRIMEIRA COBERTURA DAS NOVILHAS? 15 SECAGEM DA VACA LEITEIRA 24

25 A vaca deve ser secada 60 dias antes do parto A vaca deve estar com escore corporal entre 3,5 e 4 Seca-se a vaca para: 1. Recuperar o úbere; 2. Formar reservas corporais; 3. Crescimento do feto. Vacas de baixa produção ( menos de dez litros dia) 1º dia: Ordenhar normalmente, separar a vaca das demais, suspender o concentrado, dar volumoso de baixa qualidade e não fornecer alimento nem água durante a noite; 2º dia: Ordenhar de manhã, colocar o preventivo para mamite, mantendo a mesma isolada e com restrição alimentar; E vacas que estão produzindo mais de 10litros por dia? Como secar? 1º dia: Ordenhar normalmente, separar a vaca das demais, suspender o concentrado, dar volumoso de baixa qualidade e não fornecer alimento nem água durante a noite; 25

26 2º dia: Ordenhar de manhã, 3º dia: Não ordenhar e fornecer água só durante o dia 4º dia: Ordenhar de manhã, colocar o preventivo para mamite, mantendo a mesma isolada e com restrição alimentar; Se a vaca apresentar mamite (úbere inchado e avermelhado), após a secagem, tratar conforme orientação do Médico Veterinário. 26

27 16 ALIMENTAÇÃO DA VACA SECA Recuperar a condição corporal para parir com 3,5 a 4 20 dias antes do parto fornecer ração para adaptar flora ruminal Suspender o sal mineral 15 dias antes do parto 15 dias antes do parto previsto, colocar a vaca num ambiente próprio, que poderá ser um piquete ou uma sala de parto. 27

28 17 CUIDADOS ESPECIAIS NOS PRIMEIROS 100 DIAS DE LACTAÇÃO Nos primeiros 100 dias de lactação a vaca deve receber cuidados especiais. É o período de maior produção de leite Não consigo comer tudo que necessito! É o período de menor apetite da vaca Neste período ocorre o pico de produção Devo entrar em cio A vaca deve ser coberta entre os dias pós-parto 28

29 DESAFIO: O desafio é para provocar a vaca a atingir o máximo de seu potencial genético, o que elevará o pico de produção. 20% de ração concentrada acima da necessidade. Anotações e controles necessários. -- Observação diária da produção de leite; - Anotar uma vez por mês a produção diária de cada vaca; - Anotar para cada vaca: - a data do parto; - a data do cio; - a data da cobertura; - a data de secagem; - a data de abortos, mamite, e outras doenças quando ocorrerem. - Anotar uma vez por mês o peso das terneiras (fita); - Controlar o orçamento mensal para que não falte dinheiro para a compra de ração, sal mineral, sementes forrageiras, fertilizantes, medicamentos e outros; - Anotar as entradas e saídas de dinheiro para poder calcular o resultado econômico da atividade leiteira. 29

30 30

31 31

Formação e manejo de pastagem

Formação e manejo de pastagem Formação e manejo de pastagem Formação de pastagens Pastagens: áreas cobertas por vegetação nativa ou plantas introduzidas e adaptadas, que são utilizadas para o pastoreio dos animais Pastagem artificial

Leia mais

5Cs. Criação de Bezerras. do sucesso para AGRIPOINT. por: Carla Maris Machado Bittar. agripoint.com.br/curso CURSOS ONLINE

5Cs. Criação de Bezerras. do sucesso para AGRIPOINT. por: Carla Maris Machado Bittar. agripoint.com.br/curso CURSOS ONLINE 5Cs do sucesso para por: Carla Maris Machado Bittar agripoint.com.br/curso Você sabia que muitas propriedades de sucesso na criação de bezerras utilizam protocolos baseados nos 5 Cs da criação? Para auxiliar

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

MANUAL DE CAMPO RELATÓRIOS RELATÓRIO 4 SUMÁRIO DO REBANHO

MANUAL DE CAMPO RELATÓRIOS RELATÓRIO 4 SUMÁRIO DO REBANHO MANUAL DE CAMPO RELATÓRIOS RELATÓRIO 4 SUMÁRIO DO REBANHO Este relatório tem por finalidade apresentar mensalmente os índices do rebanhos para o controle atual, medias dos últimos 12 meses e de 12 a 24

Leia mais

AULA 4 DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO (DQL)

AULA 4 DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO (DQL) AULA 4 DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO (DQL) Características Utiliza-se de três princípios básicos da experimentação: repetição, casualização e controle local. Possui um controle local mais eficiente que

Leia mais

Sinais da. Boa Nutrição. Alice Silveira Granado. CRN 3 : 17638 Nutricionista

Sinais da. Boa Nutrição. Alice Silveira Granado. CRN 3 : 17638 Nutricionista ç Sinais da ç Boa Nutrição Alice Silveira Granado CRN 3 : 17638 Nutricionista Crescimento Adequado Funcionamento Regular do Intestino Dentes Fortes e Saudáveis Bom Apetite Boa Imunidade Peso Adequado Pele

Leia mais

TECNOLOGIA NA PRODUÇÃO DA PROTEÍNA ANIMAL E SUA IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA ALIMENTAR. Eficiência no Manejo

TECNOLOGIA NA PRODUÇÃO DA PROTEÍNA ANIMAL E SUA IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA ALIMENTAR. Eficiência no Manejo TECNOLOGIA NA PRODUÇÃO DA PROTEÍNA ANIMAL E SUA IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA ALIMENTAR Eficiência no Manejo Segurança Alimentar Conceito Segurança Alimentar e Nutricional é a garantia do direito de todos ao

Leia mais

Visite:

Visite: Visite: http://mensagensdefenocelular.com.br/ Introdução: Um objetivo tão nobre como o de perder a gordura abdominal é antes de tudo, um passo importantíssimo para se conquistar mais saúde e qualidade

Leia mais

I CONGRESSO ESTADUAL DA AGROPECUÁRIA UMUARAMA. Nova dinâmica da Assistência Técnica e Extensão Rural. (Emater-PR)

I CONGRESSO ESTADUAL DA AGROPECUÁRIA UMUARAMA. Nova dinâmica da Assistência Técnica e Extensão Rural. (Emater-PR) I CONGRESSO ESTADUAL DA AGROPECUÁRIA UMUARAMA Nova dinâmica da Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-PR) Eng. Agr. Hernani Alves da Silva Gerente de Produção Agropecuária e Negocios hernanialves@emater.pr.gov.br

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO. Sila Carneiro da Silva 1

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO. Sila Carneiro da Silva 1 DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO Sila Carneiro da Silva 1 O interesse pela produção animal em pastagens tem crescido bastante nos últimos

Leia mais

Alto grão,dieta que vai bem,

Alto grão,dieta que vai bem, Alto grão,dieta que vai bem, sendo uma alternativa para o confinamento. Engorda de bovinos sem o uso de volumoso, uma dieta de oportunidade e democrática, podendo ser utilizada desde pequenos a grandes

Leia mais

A alimentação é importante para os meus dentes e para a minha saúde? Sabias que há alimentos que protegem os dentes?

A alimentação é importante para os meus dentes e para a minha saúde? Sabias que há alimentos que protegem os dentes? Copyright 2014: Todos os direitos reservados Título: Saúde Oral e Alimentação Autores: Ana Lopes Pereira Cristina Sousa Ferreira Pedro Graça Rui Calado Design e Ilustrações: DEBUTSTRASS Lda. Editor: Direção-Geral

Leia mais

Metabolismo da Glicose. Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas. Metabolismo da Glicose. Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo

Metabolismo da Glicose. Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas. Metabolismo da Glicose. Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Metabolismo da Glicose CHOs Polissacarídeos Dissacarídeos (MAL, SAC, LAC) Monossacarídeos (Glic, Frut, Galact, Mano e

Leia mais

Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA)

Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA) Versão de 2016 1. O QUE É A PFAPA 1.1 O que é? PFAPA significa Febre Periódica, Estomatite

Leia mais

FORMULAÇÃO DE RAÇÃO. Consumo de matéria seca: 3,5% do peso vivo (PV), equivalendo a 21 Kg de MS (matéria seca) por dia.

FORMULAÇÃO DE RAÇÃO. Consumo de matéria seca: 3,5% do peso vivo (PV), equivalendo a 21 Kg de MS (matéria seca) por dia. FORMULAÇÃO DE RAÇÃO Vacas leiteras Uma propriedade com 50 vacas em início de lactação, pesando em média 600 Kg, com uma média de produção de 30 Kg de leite / dia, com um teor de gordura de 3,8%. Estes

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 1/9/2010 Produção Ascom Diáriod@Santana FM 31/08/10 Itaúna Epamig desenvolve bebida láctea inédita no mercado Novo produto, com

Leia mais

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br Fone:(54)2521-3124 Fax:(54)2521-3100 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA É responsabilidade da família: Ensinar a criança a assumir progressivamente responsabilidades sobre o cuidado de si mesma. Informar ã escola sobre alergias e intolerâncias alimentares, o tipo de dieta

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ALIMENTAÇÃO HUMANA ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO

DIAGNÓSTICO DA ALIMENTAÇÃO HUMANA ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO DIAGNÓSTICO DA ALIMENTAÇÃO HUMANA ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO O trato digestório e glândulas anexas constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo oco que se estende da cavidade

Leia mais

NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR MILHETO NA DIETA DE NOVILHOS DE DIFERENTES GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO

NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR MILHETO NA DIETA DE NOVILHOS DE DIFERENTES GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR MILHETO NA DIETA DE NOVILHOS DE DIFERENTES GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO Alexey Heronville G. da SILVA João RESTLE Juliano José R. FERNADES Ubirajara Oliveira

Leia mais

Carboidratos No momento em que você está lendo e procurando entender suas células nervosas estão realizando um trabalho e, para isso, utilizam a

Carboidratos No momento em que você está lendo e procurando entender suas células nervosas estão realizando um trabalho e, para isso, utilizam a A química da Vida A Água A água é o componente biológico essencial à manutenção da vida animal e vegetal. No entanto existem organismos que possuem homeostase (equilíbrio interno) submetida às condições

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO. Saiba quais os benefícios da amamentação para o seu bebê!

A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO. Saiba quais os benefícios da amamentação para o seu bebê! A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO Saiba quais os benefícios da amamentação para o seu bebê! IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO Sabemos que o começo do processo de amamentação nem sempre é fácil. Ele ocorre em um momento

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

Tecnologia EM no Manejo de Resíduos Sólidos

Tecnologia EM no Manejo de Resíduos Sólidos Tecnologia EM no Manejo de Resíduos Sólidos Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar no manejo dos resíduos sólidos. O EM 1 tem uma ampla

Leia mais

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Introdução Para ter uma qualidade de vida favorável, com boa saúde e manter-se ativo, além dos cuidados diários com medicações, acompanhamento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOCULTURA LEITEIRA PROF. JOÃO DARÓS MALAQUIAS JÚNIOR CRIAÇÃO DE BEZERRAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOCULTURA LEITEIRA PROF. JOÃO DARÓS MALAQUIAS JÚNIOR CRIAÇÃO DE BEZERRAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOCULTURA LEITEIRA PROF. JOÃO DARÓS MALAQUIAS JÚNIOR ALEITAMENTO ARTIFICIAL ALEITAMENTO NATURAL 1 Cuidados com a VACA GESTANTE: no

Leia mais

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA FUNCIONAMENTO DOS SERES VIVOS INTERPRETAR E DESCREVER FENÔMENOS DESCOBRIR CAUSAS E MECANISMOS CORRELAÇÕES ENTRE OS ÓRGÃOS DEFINIR FUNÇÕES PROF. CLERSON

Leia mais

Processamento do azeite

Processamento do azeite Processamento Geral dos Alimentos Processamento do azeite Trabalho realizado por: Vanessa Ferraz 20090165 Ano lectivo 2009/2010 Objectivo do trabalho: Com a realização deste trabalho pretende-se fazer

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Cálculo (pedra) da vesícula. Quem pode ter pedra (cálculo) na vesícula? Pedra ou calculo da vesícula e uma doença bastante comum.

Leia mais

Em uma afirmação que foge de todas as outras que se ouve hoje em dia, o clínico geral

Em uma afirmação que foge de todas as outras que se ouve hoje em dia, o clínico geral Pão integral industrializado é pior do que pão branco, defende médico Problema estaria em substâncias presentes no grão integral que prejudicariam absorção de vitaminas, minerais e proteínas Matéria publicada

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

7,2% SISTEMAS DE ENGORDA SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Valor nutritivo. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini. engorda.

7,2% SISTEMAS DE ENGORDA SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Valor nutritivo. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini. engorda. SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE SISTEMAS DE ENGORDA Sistema de engorda Confinamento 27 2.397. 28 2.757. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini Semiconfinamento Pastagem de inverno Demais sistemas

Leia mais

MATERNIDADE CONSCIENTE. Gestação de Doze Meses.

MATERNIDADE CONSCIENTE. Gestação de Doze Meses. MATERNIDADE CONSCIENTE Gestação de Doze Meses. O Conceito da Gravidez de 12 meses, criado pelo médico ginecologista e obstetra Prof. Dr. Sérgio Peixoto, aborda a importância da orientação médica durante

Leia mais

CURSO DE BOVINOS DE LEITE

CURSO DE BOVINOS DE LEITE Centro Regional de Qualificação Profissional de Produtores de Canguçu C E T A C CURSO DE BOVINOS DE LEITE CETAC Mara Helena Saalfeld Reginaldo Clasem Maciel APRESENTAÇÃO Este Resumo Técnico é destinado

Leia mais

Escrito por Ademir Dom, 03 de Janeiro de 2010 21:28 - Última atualização Dom, 03 de Janeiro de 2010 21:31

Escrito por Ademir Dom, 03 de Janeiro de 2010 21:28 - Última atualização Dom, 03 de Janeiro de 2010 21:31 DIETA DA USP Aqui segue o cardápio da dieta da USP. O regime da USP permite você perder gordura e emagrecer devido ao aceleramento do metabolismo e fazendo com que o organismo comece a queimar gordura

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I. Tema 1: Conhecendo deu corpo. Fisiologia

Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I. Tema 1: Conhecendo deu corpo. Fisiologia Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I Tema 1: Conhecendo deu corpo Fisiologia Digestão e Respiração Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br

Leia mais

Manual Groasis Waterboxx para legumes

Manual Groasis Waterboxx para legumes Manual Groasis Waterboxx para legumes 1. Use uma estufa de acordo com o desenho como se mostra na figura abaixo, com a possibilidade de ventilar os lados e com uma tela/sombra dupla de cor branca no topo

Leia mais

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte Suplemento: Desempenho e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta metas de desempenho e rendimento para os seus frangos de corte Cobb500, juntamente

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira Sistema Digestório Função sistema digestivo Constituição sistema digestivo Digestão Deglutição Movimentos Peristálticos Absorção Disfunções do sistema digestivo Prof. Jair Nogueira Sistema Digestivo -

Leia mais

Ciências da Natureza

Ciências da Natureza Ciências da Natureza Os alimentos como veículo de nutrientes Trabalho realizado por: Ana Moreira nº2 6ºD Disciplina de: Ciências da Natureza Professora: Sandra Freitas Fajões, Dezembro,2011 Introdução

Leia mais

CURSO de NUTRIÇÃO - Gabarito

CURSO de NUTRIÇÃO - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de NUTRIÇÃO - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém : PROVA DE

Leia mais

Utilização da Análise do Leite como ferramenta de monitoramento e ajustes de dietas em rebanhos de gado de leite

Utilização da Análise do Leite como ferramenta de monitoramento e ajustes de dietas em rebanhos de gado de leite PECNORDESTE 2014 XVIII Seminário Nordestino de Pecuária IV SEMINÁRIO DSM TORTUGA NORDESTE Utilização da Análise do Leite como ferramenta de monitoramento e ajustes de dietas em rebanhos de gado de leite

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável em Microbacias Hidrográficas do Estado do Rio de Janeiro UNIDADE DE PESQUISA PARTICIPATIVA

Desenvolvimento Rural Sustentável em Microbacias Hidrográficas do Estado do Rio de Janeiro UNIDADE DE PESQUISA PARTICIPATIVA Desenvolvimento Rural Sustentável em Microbacias Hidrográficas do Estado do Rio de Janeiro setembro/2014 UNIDADE DE PESQUISA PARTICIPATIVA DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO DAS PROPRIEDADES LEITEIRAS VISANDO À

Leia mais

Balança Digital BEL - 00237

Balança Digital BEL - 00237 Balança Digital BEL - 00237 l l! Instrumento não submetido a aprovação de modelo/verifi cação. Não legal para uso no comércio. Não legal para prática médica. Conforme portaria INMETRO 236/94 Plebal Plenna

Leia mais

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino Serviço de Gastrenterologia Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada, EPE Diretora: Dra. Maria Antónia Duarte Vera Costa Santos 10 Outubro 2015 TUBO DIGESTIVO Digestão de alimentos Boca Esófago

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 21 de junho de 2016.

Clipping de notícias. Recife, 21 de junho de 2016. Clipping de notícias Recife, 21 de junho de 2016. Recife, 21 de junho de 2016. 21/06/2016 Sem chuva, produção de milho cai em torno de 90% em Cedro, diz IPA A produção de milho para o período junino

Leia mais

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 1 VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 2 3 Como muitas mulheres, Ângela Helena tem uma vida corrida. Ela trabalha, cuida da família, faz cursos e também reserva um tempo para cuidar

Leia mais

Mitos e verdades sobre os adoçantes

Mitos e verdades sobre os adoçantes Mitos e verdades sobre os adoçantes Thaíze de Araújo Mestranda em Alimentos e Nutrição Programa de Pós-graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN Ciclo de Palestras Alimentação e Saúde Para começar... O que

Leia mais

Biscoito de polvilho com queijo Biscoitos delícia

Biscoito de polvilho com queijo Biscoitos delícia 1 de 5 10/16/aaaa 10:40 Agroindústria Farinhas e farináceos - Biscoitos Caseiros Fabricação de Biscoitos Nome Caseiros Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Agroindústria Informações

Leia mais

7º-Curso de Licenciatura em Enfermagem. Nutrição. Crisanta Portugal 11-ÁLCOOL

7º-Curso de Licenciatura em Enfermagem. Nutrição. Crisanta Portugal 11-ÁLCOOL 7º-Curso de Licenciatura em Enfermagem Nutrição Crisanta Portugal 11-ÁLCOOL 1 ÁLCOOL As bebidas alcoólicas são as que contem álcool na sua composição. O álcool das bebidas alcoólicas é o álcool ordinário

Leia mais

Consumo mundial da água

Consumo mundial da água UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SUBPROJETO GEOGRAFIA/CERES Consumo mundial da água Caicó-RN, 2013 ÁGUA Estão preparados para conhecer

Leia mais

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida Planejamento e Desempenho de Custos Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida O que é um orçamento? É o planejamento financeiro para um determinado projeto. Objetivo da aula: apresentar

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

I TORNEIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA TIC

I TORNEIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA TIC I TORNEIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA TIC Edital do Desafio Área: Petróleo, Gás e Biocombustíveis Tema: Produção de Biocombustíveis Maceió 2012 1. INTRODUÇÃO As razões para o interesse pelos biocombustíveis

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

APOSTILA PARA TREINAMENTO EM BOVINOS DE LEITE

APOSTILA PARA TREINAMENTO EM BOVINOS DE LEITE APOSTILA PARA TREINAMENTO EM BOVINOS DE LEITE EMATER/RS-ASCAR NOVEMBRO DE 2004 Porto Alegre, novembro de 2004. SUMÁRIO 1. O leite como negócio 2. Qualidade do leite 3. Desempenho da vaca leiteira 4. Alimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA. Aula - Período seco

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA. Aula - Período seco UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA Aula - Período seco Prof. Luciane Rumpel Segabinazzi Bovinocultura de Leite II 1º sem. 2016 Secagem da vaca 1. O que é o secar a vaca??

Leia mais

03/01/2016. Proteína INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE CADEIA PROTÉICA FUNÇÕES FUNÇÕES BIOLÓGICAS

03/01/2016. Proteína INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE CADEIA PROTÉICA FUNÇÕES FUNÇÕES BIOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Disciplina: Química e Bioquímica de Alimentos Componentes principais Proteína INTRODUÇÃO Proteínas Macromoléculas compostas de vários

Leia mais

POTENCIAL DE PRODUÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS. Maria Aparecida Salles Franco Curso de Veterinária Disciplina: Forragicultura e Plantas Tóxicas

POTENCIAL DE PRODUÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS. Maria Aparecida Salles Franco Curso de Veterinária Disciplina: Forragicultura e Plantas Tóxicas POTENCIAL DE PRODUÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS Maria Aparecida Salles Franco Curso de Veterinária Disciplina: Forragicultura e Plantas Tóxicas Um pouco sobre nutrientes nos alimentos Do ano de 1917 para

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

Cesta Básica de Manaus apresenta alta pelo 5º mês consecutivo

Cesta Básica de Manaus apresenta alta pelo 5º mês consecutivo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Escritório Regional do Amazonas Rua Duque de Caxias, 958, sala 17 Praça 14 de Janeiro CEP 69.020.141 Manaus- AM eram@dieese.org.br Manaus,

Leia mais

Dicas para quem quer vender geleia Durabilidade e Muito Mais

Dicas para quem quer vender geleia Durabilidade e Muito Mais Dicas para quem quer vender geleia Durabilidade e Muito Mais Há algum tempo nós decidimos fazer postagens respondendo perguntas frequentes. Desta forma, além de facilitar a vida de quem tem a dúvida (já

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Observando embalagens

Observando embalagens Observando embalagens A UUL AL A O leite integral é vendido em caixas de papelão laminado por dentro. Essas embalagens têm a forma de um paralelepípedo retângulo e a indicação de que contêm 1000 ml de

Leia mais

Tempo de Ciências. SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA SALA DE AULA Tema 3 Capítulo 1: Alimentação e nutrientes (páginas 82 a 91 do livro)

Tempo de Ciências. SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA SALA DE AULA Tema 3 Capítulo 1: Alimentação e nutrientes (páginas 82 a 91 do livro) Tempo de Ciências 8 SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA SALA DE AULA Tema 3 Capítulo 1: Alimentação e nutrientes (páginas 82 a 91 do livro) Objetivos Alimentação e nutrientes Conhecer os tipos de nutrientes e seus

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

Classificação. Os meios de cultura são classificados em alguns tipos, que seguem abaixo: Seletivo; Diferencial; Enriquecimento; Transporte;

Classificação. Os meios de cultura são classificados em alguns tipos, que seguem abaixo: Seletivo; Diferencial; Enriquecimento; Transporte; Meios de Cultura Introdução Os meios de cultura são preparações nas quais, ao longo de suas formulações, contêm nutrientes necessários para proporcionar o crescimento de microorganismos; Os mesmos podem

Leia mais

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe! Revendo o conceito de margem de contribuição! Existência de limitação na capacidade de produção! Margem de contribuição e fator

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

Até 2100 a temperatura média da terra poderá ter um aumento de aproximadamente 10 C.

Até 2100 a temperatura média da terra poderá ter um aumento de aproximadamente 10 C. Pesquisadores de diversos países afirmam que devido à excessiva emissão de dióxido de carbono e outros gases na atmosfera a temperatura média do planeta está aumentando significativamente. Até 2100 a temperatura

Leia mais

Digestão Comparada. Biologia Alexandre Bandeira e Rubens Oda Aula ao Vivo

Digestão Comparada. Biologia Alexandre Bandeira e Rubens Oda Aula ao Vivo Digestão Comparada Digestão Humana Digestão do tipo extracelular Ações mecânicas e químicas-enzimáticas; O aparelho digestório humano é formado pelo tubo digestivo - Boca, faringe, esôfago,, intestino

Leia mais

BEBIDAS AMIGAS. Aqui você encontra algumas opções interessantes!

BEBIDAS AMIGAS. Aqui você encontra algumas opções interessantes! As Bebidas Amigas são opções saborosas que podem ser utilizadas para matar a sua sede e deixar o seu dia mais refrescante. Elas podem ser consumidas a vontade e você pode usar a criatividade para brincar

Leia mais

Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil. urielrotta@pensa.org.br

Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil. urielrotta@pensa.org.br Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil Uriel Antonio Superti Rotta urielrotta@pensa.org.br O SAG do leite no Brasil O sistema agroindustrial do leite reúne importantes segmentos da

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 16 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Nuflor Minidose 450 mg/ml solução injetável para bovinos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml contém:

Leia mais

Mini-curso. Formação de professores e avaliação: instrumentos para avaliação processual em sala de aula

Mini-curso. Formação de professores e avaliação: instrumentos para avaliação processual em sala de aula Mini-curso Formação de professores e avaliação: instrumentos para avaliação processual em sala de aula Professor responsável Prof. Dr. Daniel Abud Seabra Matos (UFOP) Mariana 2014 2 Prezados/as professores/as,

Leia mais

Normas de Utilização do Laboratório de Fisiologia e Aspectos Práticos e Éticos da Experimentação Animal Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Normas de Utilização do Laboratório de Fisiologia e Aspectos Práticos e Éticos da Experimentação Animal Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas de Utilização do Laboratório de Fisiologia e Aspectos Práticos e Éticos da Experimentação Animal Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba

Leia mais

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo Condicionalidades e Obrigações Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Santarém 28 de fevereiro de 2015 Agenda 1. Definição

Leia mais

CALSAN COMPRIMIDO MASTIGÁVEL

CALSAN COMPRIMIDO MASTIGÁVEL CALSAN COMPRIMIDO MASTIGÁVEL Novartis Biociências S.A. Comprimido mastigável 1.250 mg de carbonato de cálcio (equivalente a 500 mg de cálcio elementar) CALSAN carbonato de cálcio Comprimidos mastigáveis.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

* Exemplos de Cardápios. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia Prates

* Exemplos de Cardápios. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia Prates * Exemplos de Cardápios Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia Prates Café da manhã típico de quatro brasileiros que consomem alimentos in natura ou minimamente processados Repare

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

Abril de 2008. Daniela Alexandra Diogo

Abril de 2008. Daniela Alexandra Diogo O Abril de 2008 Daniela Alexandra Diogo 16 1 Ambos os métodos podem criar severos danos ambientais, portanto, devem ser muito bem controlados. Conclusão Com este trabalho aprendemos que a água é muito

Leia mais

Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010

Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010 Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010 Introdução Fase monogástrica da Terneira; Base nutricional é o leite; Imunidade passiva;

Leia mais

15.053 26 de fevereiro de 2002

15.053 26 de fevereiro de 2002 15.053 26 de fevereiro de 2002 Análise de Sensibilidade apresentado como Perguntas Freqüentes Pontos ilustrados em um exemplo contínuo de fabricação de garrafas. Se o tempo permitir, também consideraremos

Leia mais

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06 Sumário Apresentação 04 O que é um dessalinizador 04 Como funciona o sistema de dessalinização 05 Descrição dos componentes 06 Processo de osmose reversa 07 Instrumentação 07 Verificações importantes antes

Leia mais

Ambiente de Marketing

Ambiente de Marketing Ambiente de Marketing Mercado: Mercado deve ser definido com base na existência de uma necessidade; Se não há necessidade, não há mercado; Condições básicas para que exista um mercado: Que o consumidor

Leia mais

Administração de Cargos e Salários

Administração de Cargos e Salários Administração de Cargos e Salários Professor : Glauco Zambonini Bibliografia base: Pontes, Benito Rodrigues Administração de cargos e salários / Benito Rodrigues Pontes. 12 ed. São Paulo : LTr, 2007 ISBN

Leia mais

& O que é Sal? C p o yrig i ht 2 009 M RP R AN

& O que é Sal? C p o yrig i ht 2 009 M RP R AN têm o prazer de apresentar O sal e a pressão alta Onde vai a corda vai a caçamba Copyright 2009 O que é Sal? O sal é um mineral composto por dois elementos principais: o sódio e o cloro, que se juntam

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS Vantagens da análise de rácios Permitem diagnosticar a performance das empresas em termos de rentabilidade, solvabilidade, liquidez e equilíbrio financeiro. Possibilitam

Leia mais

Bagagem. Voos Nacionais. Dicas Importantes: Bagagem despachada

Bagagem. Voos Nacionais. Dicas Importantes: Bagagem despachada Bagagem Dicas ANAC Bagagem Voos Nacionais Bagagem despachada Nas aeronaves com mais de 31 assentos, cada passageiro (adulto ou criança) tem direito a 23 Kg de bagagem (franquia de bagagem). Pode-se despachar

Leia mais

Porto Alegre, RS Julho Gestão de Sistemas de Produção de Leite

Porto Alegre, RS Julho Gestão de Sistemas de Produção de Leite Porto Alegre, RS 28-30 Julho 2015 Gestão de Sistemas de Produção de Leite Agenda Caracterizar os desafios gerenciais de um sistema de produção de leite Informar sobre o Gisleite - auxílio ao processo de

Leia mais

De Olho nas Reações. Apresentação

De Olho nas Reações. Apresentação De Olho nas Reações Apresentação A atividade lúdica De Olho Nas Reações é um jogo de cartas que foi inspirado no jogo conhecido popularmente como Copo d água. Entretanto, várias adaptações nas regras foram

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

Projeto Rede de Bufetes Escolares Saudáveis

Projeto Rede de Bufetes Escolares Saudáveis Projeto Rede de Bufetes Escolares Saudáveis Completa as palavras com as letras que faltam, sabendo que correspondem a nomes de diferentes hortícolas: O T C U - L R C E N R A E I N A F C B Ó U O P M N Ã

Leia mais

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS Capítulo Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Conhecer os tipos de diabetes mellitus. Descrever os mecanismos de descompensação

Leia mais

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 LEI 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 Artigo 2º, parágrafo 1º, estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. Artigo

Leia mais