1 - O LEITE COMO NEGÓCIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 - O LEITE COMO NEGÓCIO"

Transcrição

1

2 APRESENTAÇÃO Este Resumo Técnico é destinado aos produtores que freqüentaram o Curso de Bovinos de Leite realizado no Centro de Treinamento de Agricultores em Canguçu. Os dados aqui apresentados são um resumo das aulas administradas no Módulo I, que são organizadas com base em resultados obtidos por pesquisadores, extensionistas e produtores rurais. A adoção das tecnologias contidas neste resumo permitirá alcançar níveis elevados de produtividade já comprovados em várias propriedades do Rio Grande do Sul. Sempre visando a construção do desenvolvimento rural sustentável, com base nos princípios da Agroecologia, objetivando o fortalecimento da agricultura familiar e suas organizações, de modo a incentivar o pleno exercício da cidadania e a melhoria da qualidade de vida. 2

3 1 - O LEITE COMO NEGÓCIO Para ter sucesso na produção de leite é preciso: CONHECER GOSTAR FAZER O produtor de leite deve ser o GERENTE de sua propriedade, independente do seu tamanho. Deve administrar essa propriedade como uma EMPRESA RURAL. O que faz um bom Gerente? Toma decisões!!! SOBRE O que? Quando? Onde? Como? Por que? FAZER 3

4 Preciso de informações! Terei de fazer anotações! O bom gerente é aquele que melhor administra Terra Mão-de-obra Dinheiro COM BOM CONHECIMENTO 4

5 ANÁLISE DO PREÇO DO LEITE 1945 A 1991 (O preço era controlado pelo Governo). A PARTIR DE 1991 (O preço foi liberado). ALTERNATIVAS PARA ELEVAR O PREÇO DO LEITE: 5

6 COMPARAÇÃO ENTRE 3 PROPRIEDADES PRODUTORAS DE LEITE: Baixa produção Média produção Boa produção Propriedade 1 Baixa Produção Propriedade 2 Média Produção Propriedade 3 Boa Produção Preço médio R$ 0,40 por litro R$ 0,40 por litro R$ 0,40 por litro Produtividade 5 litros/vaca/dia 10 litros/vaca/dia 15 litros/vaca/dia Valor recebido R$ 2,00 por dia R$ 4,00 por dia R$ 6,00 por dia Custo por vaca R$ 0,97 por dia R$ 1,93 por dia R$ 2,90 por dia Sobra por vaca R$ 1,03 por dia R$ 2,07 por dia R$ 3,10 por dia Produção de 5 vacas 10 vacas 15 vacas Renda das vacas R$ 5,15 por dia R$ 20,70 por dia R$ 46,50 por dia Renda mensal R$ 154,50 R$ 621,00 R$ 1.395,00 RESUMO: COMO O AGRICULTOR PODERÁ GANHAR MAIS NA ATIVIDADE LEITEIRA: 1º Elevar o preço do leite 5 Gastar bem o dinheiro 2º Aumentar a produção por vaca 6º Eliminar animais improdutivos 3º Aumentar o número de vacas 7º Baratear o custo da alimentação 4 Utilizar melhor a mão-de-obra 8 Melhorar a qualidade do leite A PRODUÇÃO LEITEIRA DEVERÁ TER COMPETÊNCIA, NA: PRODUÇÃO PRODUTIVIDADE QUALIDADE DO LEITE GERENCIAMENTO DA PROPRIEDADE O leite é um bom negócio, para quem o encara exatamente como um negócio. 6

7 2 DESEMPENHO IDEAL DA VACA LEITEIRA A vaca deve ter uma cria a cada doze meses A vaca deve ser coberta entre 50 e 90 dias após o parto A produção de leite: - Como deve ser? A vaca deve atingir o PICO de produção entre 35 e 50 dias depois de parir Após o pico, a diminuição da produção de um mês para o outro deverá ser de 5% a 10%. 1 litro no pico = 200 litros na lactação 7

8 A vaca deve ser secada dois meses antes do próximo parto A vaca deve manter um estado corporal adequado: Os indicadores são: REPETE O CIO PICO DE PRODUÇÃO COBERTURA PERÍODO SECO PERÍODO DE LACTAÇÃO QUEDA PÓS-PICO INTERVALO ENTRE PARTOS cada 21 dias dias pós - parto dias pós - parto 60 dias antes do parto 10 meses 10% por mês 12 meses O produtor só vai conseguir estes índices se: * Fizer anotações; * Analisar estas anotações; * Manejar bem o rebanho. 8

9 4. ANATOMIA E FISIOLOGIA DO APARELHO DIGESTIVO Esofago 9

10 INTRODUÇÃO Os ruminantes tem capacidade de consumir grandes quantidades de alimentos fibrosos( com proteínas de baixo valor biológico) e transformá-los em carne e leite(com proteínas de alto valor biológico) daí serem de grande valor como animais de criação pelo homem. Nenhum outro animal tem capacidade de produzir proteína animal com tão poucas perdas. Os outros animais são mais ou menos concorrentes do homem. Uma vaca que produza 10 litros de leite, pode comer só volumosos, mas não pode comer só concentrados. A fibra do volumoso é imprescindível, pois estimula os movimentos do rúmen. Muito concentrado provoca um desbalanceamento no processo ruminal, que produz muito ácido graxo ( propiônico), comprometendo o seu metabolismo e provocando acidose e até mesmo laminite. O leite ficará mais ácido, podendo se tornar inadequado para a produção de alguns derivados como leite longa vida, doce de leite, etc. Produção depende : Potencial do animal Potencial do alimento PERCENTAGEM DA ENERGIA CONSUMIDA PELOS ANIMAIS QUE PODERIA SER CONSUMIDA PELO HOMEM Vaca leiteira (4000 l/leite) 5 a 10% Vaca leiteira (8000 l/leite) 5 a 30% Gado de corte 10 a 20% Suínos 60 a 90% Aves 60 a 80% Terneira 70 a 95% EVOLUÇÃO DO APARELHO DIGESTIVO SEMANAS ADULTO

11 Rúmen/Retículo Omaso Abomaso RECÉM NASCIDO - Monogástrico - Alimentos diretos ao abomaso pela goteira esofágica. Reflexo líquido e de sais na faringe estimula a formação da goteira esofageana TIPOS DE SISTEMAS DIGESTIVOS O sistema digestivo é um tubo. Começa na boca e termina no ânus. MONOGÁSTRICOS - (Porco, cachorro, homem). O alimento recebe ataque de substâncias ácidas e enzimas no estômago. Há uma passagem rápida do alimento. A absorção dos nutrientes se dá no I.Delgado. A fermentação principal ocorre no I.Delgado. SUÍNOS - Estômago corresponde a 20% do trato digestivo. POLIGÁSTRICOS - Ruminantes RÚMEN E VACA SÃO SISTEMAS DISTINTOS: Vaca ingere pasto que alimenta as bactérias do rúmen. Há uma passagem lenta dos alimentos. Há grande desenvolvimento bacteriano (microorganismos que vão desdobrar o alimento). A fermentação ocorre no rúmen. BOVINOS - Pré- estômagos correspondem a 70% do trato digestivo. O ruminante não deve comer grãos em excesso, pois isto diminui o ph e a fermentação que ocorre provoca acidez (acidose ruminal ou acidose láctica). No caso do milho (rico em energia) há uma fermentação violenta, baixando o ph e provocando cetose. Em animais que consomem muito concentrado, é necessário fornecer bicarbonato de sódio (Tamponante). ÓRGÃOS PRINCIPAIS DO APARELHO DIGESTIVO 11

12 Boca, faringe, esôfago, estômago( rúmen, retículo, omaso e abomaso ), intestino delgado ( duodeno, jejuno e íleo ) intestino grosso ( ceco cólon e reto ) e por glândulas acessórias ( gl. Salivares, pâncreas e fígado). O RÚMEN DA VACA É COMPOSTO DE 4 ESTÔMAGOS. VELOCIDADE DE PASSAGEM DO ALIMENTO Depende do tamanho das partículas do alimento, e das condições de passar no orifício retículo - omasal. a) CONCENTRADOS E PELLETS - Por serem mais densos e mais divididos, são comidos mais rapidamente. Tem que Ter fibra para estimular a ruminação. b) FORRAGEM - Requer mais mastigação para a formação do bolo alimentar. Aumenta a produção de saliva O tempo gasto comendo, afeta a fermentação ruminal e a distribuição do tempo entre comer, ruminar e outras atividades. O normal é Divididos em Comem, ruminam e descansam. CONSUMO VOLUNTÁRIO DE ALIMENTO 1) FATORES REFERENTES AO ANIMAL a) Tamanho (peso do animal) consumo de 10 a 12 % do peso do animal b) Fatores fisiológicos diminuem após o parto, diminui no final da gestação. Maior consumo da vaca ocorre entre 70 a 90 dias após o parto. c) Fatores genéticos é um caráter individual de cada animal. A maior produção de leite significa aumento no consumo de alimento. 2) FATORES REFERENTES AO ALIMENTO a) Digestibilidade b) Aspecto do alimento (Seleção pela visão, olfato, sabor etc) 3) OUTROS FATORES a) Clima - O calor diminui o consumo de alimentos (dias muito quentes o animal consome mais a noite). Frio - Aumenta o consumo de alimentos. 12

13 NÍVEL DE CONSUMO Quanto mais tempo o alimento permanece no rúmen, mais digerida será a fibra e consequentemente mais gordura terá o leite (Fibra - Lignina). O consumo do volumoso vai depender da qualidade do mesmo. Alimento volumosos de baixa qualidade com muita fibra mais tempo para digerir com menor consumo de volumosos. O ideal é o consumo da maior quantidade possível de volumoso. A fermentação da fibra é mais demorada. Se o alimento possui pouca fibra, há uma passagem mais rápida e em conseqüência a fibra não é aproveitada. A fibra é importante, pois provoca salivação. A saliva mantém o PH do rúmen entre 6 e 7, e é importante na dieta de vacas em lactação. Ácidos Graxos Ac. Acético gordura do leite Ácido propiônico glicose lactose DIGESTÃO DA FIBRA Se dá pela ação de bactérias, protozoários e fungos anaeróbios presentes no rúmen. A digestibilidade da fibra depende da competição entre a taxa de passagem e de digestão. CONSUMO DE ALIMENTOS E DIGESTIBILIDADE A sensação de saciedade dos ruminantes, depende do enchimento do rúmen, logo: Quanto maior a digestibilidade dos alimentos, mais depressa ele passa pelo trato digestivo. Quanto mais depressa o rúmen fica vazio, mais rápido retorna a fome e assim maior quantidade de alimento será consumido. Concluímos que para alto consumo de alimento fibroso, necessitamos de alimento com alta taxa de digestibilidade. Necessário 2/3 fibra longa e 1/3 fibra curta 18 a 20% fibra Consumo voluntário Aumenta com a digestibilidade da forragem. Para um alto consumo de alimentos fibrosos, além da digestibilidade, há um outro fator importante que é a estrutura física deste alimento. IMPORTÂNCIA DA SALIVA- Uma vaca adulta produz cerca de 150 a 200 litros de saliva por dia, com duas finalidades: 1) Tornar o alimento escorregadio para que possa ser mais facilmente engolido. 2) Neutralizar os ácidos que estão no rúmen (o PH da saliva é de 8,1 a 8,3). Alimentos concentrados, silagem, palha de arroz amonizado diminui o ph. Para vacas de alta produção, devemos aumentar o teor de fibras para cerca de 22%, ou fornecer a alimentação em várias vezes. Quando se fraciona a ração, pode-se trabalhar com a fibra em torno de 17% ou usar tamponantes. ph do rúmen = 6,7 13

14 OBS: A quantidade de saliva produzida, é conseqüência da ruminação e indiretamente da estrutura do alimento. Exemplo de produção de saliva: Comendo - 3 a 6 litros por hora Ruminando - 6 a 10 litros por hora. CONSUMO DE ÁGUA A água representa cerca de 87% da composição do leite A temperatura da água tem relação com a temperatura do rúmen (38 a 40º c ). Por isso a vaca não gosta de água muito fria. A falta de água pode provocar a morte de um animal muito antes que a falta de qualquer outro alimento. O corpo da vaca pode perder praticamente toda a gordura e mais da metade da proteína e ainda permanecer vivo. Contudo a perda de apenas 10% da água do corpo, resultará em sua morte. A água deve ser potável e fresca no verão e é muito importante que seja amornada no inverno. A vaca de leite reduz consideravelmente o consumo de água no inverno, se ela estiver gelada, reduzindo a produção de leite. Limitar o consumo de água, provoca diminuição na produção de leite e também altera a sua composição. Independentemente do peso corporal raça, condições ambientais e produção, uma vaca precisa de 4 a 8 litros de água para cada quilo de matéria seca ingerida, além de 3 a 4 litros de água para cada litro de leite produzido. Necessidade diária de água para uma vaca de 630 kg de peso Temperatura 0 4º c 10º c 21º c 32º c Vaca seca 22, ,5 40 Final lactação 32, ,5 55 Prod. 20 l/dia Prod. 30 l/dia

15 5. ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA NECESSIDADES QUALITATIVAS: Para que a vaca tenha um bom desempenho, deverá estar bem alimentada. Bem alimentada é quando ela esta ingerindo os nutrientes necessários. ENERGIA PROTEÍNA - é o combustível - nutrientes de construção NUTRIENTES: magnésio FIBRA - importante na digestão e ruminação MINERAIS - cálcio, fósforo, sódio, potássio, e outros VITAMINAS ÁGUA - presentes em todo bom alimento - necessária para diluir e deslocar os nutrientes (87% do leite é água). O valor nutritivo de um alimento é medido pela quantidade de nutrientes que ele possui. Quanto maior for a percentagem de energia ou de proteína maior será o valor nutritivo do alimento e melhor será sua qualidade. Uma vaca com rúmen cheio não significa que esteja bem nutrida. Só estará bem nutrida aquela que come os nutrientes necessários para se manter e produzir leite. TIPOS DE ALIMENTOS: 15

16 1. ALIMENTOS CONCENTRADOS 2. ALIMENTOS VOLUMOSOS Os alimentos concentrados possuem grande quantidade de energia e proteína num pequeno volume. Os alimentos concentrados possuem baixa quantidade de fibra. Exemplos de concentrados: - GRÃOS: milho, sorgo, soja e outros. - FARELOS: de soja, de arroz, de trigo e outros. - FARINHAS: de milho, de mandioca e outras. Os alimentos volumosos necessitam de um maior volume para fornecer a mesma quantidade de energia e de proteína que os concentrados. Os alimentos volumosos possuem muito mais fibra, o que faz aumentar o volume. Quanto mais velho o volumoso, mais fibra tem. Quanto mais fibra, menor o valor nutritivo. Volumoso de boa qualidade é o volumoso usado no ponto certo, isto é, quando tem quantidade adequada de fibra, proteína e energia. A fibra é muito importante para os bovinos, pois ela é necessária para uma adequada digestão dos alimentos. Exemplos de volumosos: Pastagens, silagens, fenos, palha e outros. Os concentrados só devem ser usados em situações especiais. A proteína e energia dos volumosos são mais baratas. No volumoso muito maduro (com muita fibra) o consumo é menor e a vaca produz pouco. 16

17 NECESSIDADES QUANTITATIVAS: Os nutrientes dos alimentos consumidos por uma vaca são utilizados para duas finalidades: 1. Manutenção do animal (respirar, digerir, temperatura, coração) 2. Produção (leite, carne e terneira) 1. MANUTENÇÃO DO ANIMAL A vaca necessita nutrientes para viver (respirar, andar, digerir, manter a temperatura do corpo e de todas suas funções vitais); Quanto mais pesado o animal, mais nutrientes necessita par sua manutenção. Para manutenção, a necessidade de nutrientes é sempre a mesma, tanto para produzir pouco leite como para produzir muito leite. NECESSIDADE DE ENERGIA E PROTEINA PARA MANUTENÇÃO DA VACA LEITEIRA VACA (kg) ENERGIA (g) PROTEÍNA (g)

18 2. PRODUÇÃO DE LEITE Quanto maior a produção de leite maior a necessidade de nutrientes. NECESSIDADE DE ENERGIA E PROTEINA PARA PRODUÇÃO DE LEITE LITROS DE LEITE ENERGIA (g) PROTEÍNA (g) Estas necessidades de proteína e energia são para produzir leite com 3,5% de gordura. Uma vaca, para produzir 20 litros de leite por dia, necessita do dobro de nutrientes do que para produzir 10 litros de leite por dia. Uma vaca de 450 kg de peso que estiver produzindo apenas 5 litros de leite por dia, deverá consumir de energia gramas para se manter e mais gramas para produzir os 5 litros de leite. Portanto, esta vaca estará consumindo gramas de energia e produzindo apenas 5 litros de leite. Terá gasto gramas de energia por litro de leite. Agora, se uma vaca de 450 kg de peso estiver produzindo 20 litros de leite por dia, ela estará consumindo gramas de energia para se manter e mais gramas de energia para produzir os 20 litros de leite. Portanto, esta vaca estará consumindo gramas de energia e produziu 20 litros de leite. Terá gasto apenas 489 gramas de energia por litro de leite. 18

19 6. ASPECTOS IMPORTANTES NA PRODUÇÃO DE VOLUMOSOS COMPARAÇÃO ENTRE ALGUNS VOLUMOSOS DE VERÃO VOLUMOSO VANTAGENS DESVANTAGENS Campo nativo Capim elefante Tifton/Flora kirk Hemarthria/ Kikuio Milheto/Sorgo/ Teosinto Silagem (milho/sorgo/ girassol) - baixo custo; - uso de áreas impróprias para agricultura; - pastejo direto. - alta produção de massa verde; - rebrote rápido; - baixo custo por quilo; - boa qualidade; - é permanente. - alta produção de massa verde; - rebrote rápido; - baixo custo por quilo; - boa qualidade; - é permanente. - libera a área no inverno; - boa qualidade; - alta produção. - segurança o ano todo; - facilita mão de obra (uso de máquina); - boa qualidade; - alta produção por ha; - libera área no inverno; - conforto para a família. - alimenta poucas vacas - baixa capacidade de produção de leite - necessita mão de obra para corte; - exige bom manejo, quando pastejado; - ocupa o solo o ano todo; - perde a qualidade quando velho (acima de 1,5 m de altura) - exige bom manejo, quando pastejado; cv- ocupa o solo o ano todo; - perde a qualidade quando velho. - ocupa área de agricultura; - precisa ser plantado todo ano. - ocupa área agrícola; - necessita mão de obra concentrada para o silo encher PASTAGEMS USADAS PARA PASTEJO As pastagens usadas para pastejo, e/ou corte, são preferencialmente o capim elefante, tifton, flora kirk, hemarthria, sorgo, milheto e teosinto. Época de plantio: Capim elefante e as outras perenes: primavera e verão. Sorgo, milheto e teosinto: outubro a janeiro. 13 CRIAÇÃO CORRETA DA TERNEIRA E NOVILHA 19

20 A terneira merece especial atenção do produtor de leite, pois vai ser a futura vaca do rebanho Produtor deve assistir o parto: Só intervir se for necessário. Eu quero parir em um ambiente tranqüilo, seco 20

21 Primeiros cuidados: Corte e desinfeção do umbigo; Limpar e secar a terneira; Dar colostro. E se não houver o colostro? Podemos usar: Colostro congelado Silagem de colostro ou Substituto do colostro substituto do colostro 0,5 l de água; 0,5 l de leite; 1 ovo; 1 colher de óleo de ricino Local de criação: 21

22 Até dois meses de idade: em terneireiras individuais; Dos dois meses aos seis meses de idade: em piquetes coletivos; Dos seis meses à cobertura: em piquetes separados por idade. ALIMENTAÇÃO: Fornecimento do leite Idade (dias) Leite Litros por dia Leite Litros por dia Holandesa Jersei Manhã Tarde Manhã Tarde 1 dia Colostro Colostro 2 ao 14 2,0 2,5 1,5 2,0 15 aos 42 3,5 3,0 42 aos 60 Silagem de colostro Armazenar o colostro em garrafas plásticas limpas Encher completamente ( não deixar ar) Guardar em local seco e escuro por 30 dias. Usar diluída em água (2 litros de água para dois litros de colostro) Temperatura de 38 a 40 graus celsius Adaptar a terneira ao gosto da silagem Substitutivos do leite :Adaptar a terneira ao novo alimento LEMBRETE!!!! Não esquecer de acompanhar mensalmente o peso e o crescimento da terneira, medindo seu peso e altura. A partir da segunda semana fornecer ração (18 a 20% de Pb) e feno de boa qualidade 22

23 Não esquecer que as terneiras devem ter sempre à disposição volumoso de boa qualidade e água limpa à vontade. Após o 42º dia, pode-se suspender o leite para a terneira, desde que ela esteja consumindo 500 gramas de ração concentrada por dia se for Jérsei, fornecendo até 1,5 kg diário. Terneiras holandesas suspender o leite, desde que ela esteja consumindo 700 gramas de ração até 2.0 Kg diários. O produtor deve dar feno de boa qualidade para a terneira já na primeira semana. Silagem de milho : a partir do momento que começar a ruminar uidados Sanitários até os dois meses: Aos dez dias: corte de tetas extras Até trinta dias : amochar - Controle de verminose e carrapatos Preciso ser vacinada! Vacinar Paratifo : Vacinar aos 15 dias Brucelose: 3 ao 8 mês Febre aftosa: apatir do nascimento Carbúnculo Sintomático e hemático: aos 4 meses Manejo da novilha ( apartir dos 6 meses ) 23 Como deve ser a alimentação das novilhas?

24 Fornecer volumoso de boa qualidade e a vontade Fornecer Concentrado de acordo com a qualidade do volumoso disponível: Varia de 1,5 kg a 2,0 kg por dia Cuidar para que tenha acesso ao Sal mineral e água limpa a vontade. 1. VACAS HOLANDESAS: 350 kg de peso 1,2 metros de altura 2. VACAS JERSEY: 250 kg de peso 1,0 metros de altura QUANDO FAZER A PRIMEIRA COBERTURA DAS NOVILHAS? 15 SECAGEM DA VACA LEITEIRA 24

25 A vaca deve ser secada 60 dias antes do parto A vaca deve estar com escore corporal entre 3,5 e 4 Seca-se a vaca para: 1. Recuperar o úbere; 2. Formar reservas corporais; 3. Crescimento do feto. Vacas de baixa produção ( menos de dez litros dia) 1º dia: Ordenhar normalmente, separar a vaca das demais, suspender o concentrado, dar volumoso de baixa qualidade e não fornecer alimento nem água durante a noite; 2º dia: Ordenhar de manhã, colocar o preventivo para mamite, mantendo a mesma isolada e com restrição alimentar; E vacas que estão produzindo mais de 10litros por dia? Como secar? 1º dia: Ordenhar normalmente, separar a vaca das demais, suspender o concentrado, dar volumoso de baixa qualidade e não fornecer alimento nem água durante a noite; 25

26 2º dia: Ordenhar de manhã, 3º dia: Não ordenhar e fornecer água só durante o dia 4º dia: Ordenhar de manhã, colocar o preventivo para mamite, mantendo a mesma isolada e com restrição alimentar; Se a vaca apresentar mamite (úbere inchado e avermelhado), após a secagem, tratar conforme orientação do Médico Veterinário. 26

27 16 ALIMENTAÇÃO DA VACA SECA Recuperar a condição corporal para parir com 3,5 a 4 20 dias antes do parto fornecer ração para adaptar flora ruminal Suspender o sal mineral 15 dias antes do parto 15 dias antes do parto previsto, colocar a vaca num ambiente próprio, que poderá ser um piquete ou uma sala de parto. 27

28 17 CUIDADOS ESPECIAIS NOS PRIMEIROS 100 DIAS DE LACTAÇÃO Nos primeiros 100 dias de lactação a vaca deve receber cuidados especiais. É o período de maior produção de leite Não consigo comer tudo que necessito! É o período de menor apetite da vaca Neste período ocorre o pico de produção Devo entrar em cio A vaca deve ser coberta entre os dias pós-parto 28

29 DESAFIO: O desafio é para provocar a vaca a atingir o máximo de seu potencial genético, o que elevará o pico de produção. 20% de ração concentrada acima da necessidade. Anotações e controles necessários. -- Observação diária da produção de leite; - Anotar uma vez por mês a produção diária de cada vaca; - Anotar para cada vaca: - a data do parto; - a data do cio; - a data da cobertura; - a data de secagem; - a data de abortos, mamite, e outras doenças quando ocorrerem. - Anotar uma vez por mês o peso das terneiras (fita); - Controlar o orçamento mensal para que não falte dinheiro para a compra de ração, sal mineral, sementes forrageiras, fertilizantes, medicamentos e outros; - Anotar as entradas e saídas de dinheiro para poder calcular o resultado econômico da atividade leiteira. 29

30 30

31 31

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira O papel da suplementação na Pecuária Leiteira Nutrição e Suplementação... São a mesma coisa? Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição É o processo biológico pelo qual

Leia mais

Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus. Glândulas Anexas: Glândulas Salivares Fígado Pâncrea

Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus. Glândulas Anexas: Glândulas Salivares Fígado Pâncrea Sistema Digestório Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus Glândulas Anexas: Glândulas Salivares Fígado Pâncrea A maioria dos mamíferos mastiga o alimento

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS Fatores que determinam o sistema de produção de leite Terra área/limitações Capital investimento/tecnologia Mão de obra capacitação/tecnologia

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. 8º ano/ 2º TRIMESTRE Prof Graziela Costa 2017

SISTEMA DIGESTÓRIO. 8º ano/ 2º TRIMESTRE Prof Graziela Costa 2017 SISTEMA DIGESTÓRIO 8º ano/ 2º TRIMESTRE Prof Graziela Costa 2017 Tubo Digestório Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus Glândulas Anexas: Glândulas Salivares

Leia mais

GADO LEITEIRO. NUTRIÇÃO DE RUMINANTES. Givaldo G. Fernandes Junior IRB Ind de Rações do Brasil - Purina

GADO LEITEIRO. NUTRIÇÃO DE RUMINANTES. Givaldo G. Fernandes Junior IRB Ind de Rações do Brasil - Purina GADO LEITEIRO NUTRIÇÃO DE RUMINANTES. Givaldo G. Fernandes Junior IRB Ind de Rações do Brasil - Purina NUTRIÇÃO DE RUMINANTES. Para aumentar a produção do rebanho, praticamente há duas saídas. Aumentar

Leia mais

Menor custo de Produção de Bezzeras Mais leite para a indústria

Menor custo de Produção de Bezzeras Mais leite para a indústria Menor custo de Produção de Bezzeras Mais leite para a indústria Os Produtos Neolac é uma linha de sucedâneos de leite para bezerras lactantes. São produtos completos, com 20% de proteína bruta e alta energia,

Leia mais

Saúde Ruminal e seus Efeitos na Produção de Leite. Ronaldo Braga Reis, PhD

Saúde Ruminal e seus Efeitos na Produção de Leite. Ronaldo Braga Reis, PhD Saúde Ruminal e seus Efeitos na Produção de Leite Ronaldo Braga Reis, PhD 35% 6,5% 3,3% 11,3% Foto: Coelho (1997) Microbiota ruminal Trappeiner (1884) Maior fermentador mundial (100x10 9 litros) Bactérias

Leia mais

Metabolismo energético e digestão de amido em gado de leite: o que se sabe e que ferramentas podem melhorar o desempenho

Metabolismo energético e digestão de amido em gado de leite: o que se sabe e que ferramentas podem melhorar o desempenho Metabolismo energético e digestão de amido em gado de leite: o que se sabe e que ferramentas podem melhorar o desempenho MARCOS NEVES PEREIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS Curva de lactação e consumo

Leia mais

Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos

Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos INTRODUÇÃO Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos Nos organismos heterótrofos os alimentos são obtidos de forma pronta. A digestão é um conjunto de processos que visa

Leia mais

Fatores que afetam a quantidade e a composição do leite

Fatores que afetam a quantidade e a composição do leite 6PIV026 - Inspeção de Leite e Derivados Fatores que afetam a quantidade e a composição do leite Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL vbeloti@uel.br lipoa.uel@gmail.com 13 de Dezembro de 2016 Leite Produto

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS. voltar índice próximo CIÊNCIAS. Unidade º ANO» UNIDADE 1» CAPÍTULO 3

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS. voltar índice próximo CIÊNCIAS. Unidade º ANO» UNIDADE 1» CAPÍTULO 3 HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS CIÊNCIAS Unidade 41 www.sejaetico.com.br 8º ANO ALIMENTAÇÃO E DIGESTÃO NO SER HUMANO Índice ÍNDICE Por que nos alimentamos? www.sejaetico.com.br 3 Por que nos alimentamos? Os

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício Sistema Digestório Prof. MSc. Leandro Felício INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos

Leia mais

Volumosos. Volumosos. Volumosos. Volumosos. Alimentos utilizados na alimentação Animal. Marinaldo Divino Ribeiro

Volumosos. Volumosos. Volumosos. Volumosos. Alimentos utilizados na alimentação Animal. Marinaldo Divino Ribeiro Alimentos utilizados na alimentação Animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Alimentos Volumosos (pelo menos 25% de de FDN na na MS) MS) Concentrados Outros Forragens secas

Leia mais

Tecnologia de Leite e derivados

Tecnologia de Leite e derivados Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Departamento de Ciência e Tecnologia Agroindustrial Tecnologia de Leite e derivados Prof. Wladimir Padilha da Silva 2017 Tabela 1 Comparação

Leia mais

Importância das Pastagens na Produção de Leite dos Campos Gerais

Importância das Pastagens na Produção de Leite dos Campos Gerais Importância das Pastagens na Produção de Leite dos Campos Gerais Eng. Agr. Dr. Igor Quirrenbach de Carvalho O que vamos ver hoje? Fundação ABC Como é a produção de leite no Brasil? Como reduzir os custos

Leia mais

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas).

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos heterótrofos - obtém alimentos de forma

Leia mais

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dra. Camila da Silva Frade

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dra. Camila da Silva Frade DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Dra. Camila da Silva Frade ? Para a manutenção da vida dos animais, pois obtêm nutrientes essenciais para os processos corpóreos a partir

Leia mais

NOÇÕES DE ALIMENTAÇÃO DE NOVILHAS. Esta deve ser considerada a regra mais importante na alimentação destes animais.

NOÇÕES DE ALIMENTAÇÃO DE NOVILHAS. Esta deve ser considerada a regra mais importante na alimentação destes animais. N 66 NOÇÕES DE ALIMENTAÇÃO DE NOVILHAS Uma novilha não é um animal de engorda. Esta deve ser considerada a regra mais importante na alimentação destes animais. Uma novilha criada demasiado gorda desenvolve

Leia mais

PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo. Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS

PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo. Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL.? Característica da palma Cactácea

Leia mais

Prof. João Darós Malaquias Júnior CRIAÇÃO DE BEZERRAS

Prof. João Darós Malaquias Júnior CRIAÇÃO DE BEZERRAS Prof. João Darós Malaquias Júnior CRIAÇÃO DE BEZERRAS CRIAÇÃO DE BEZERRAS ALEITAMENTO ARTIFICIAL ALEITAMENTO NATURAL CRIAÇÃO DE BEZERRAS Cuidados com a VACA GESTANTE: no terço final da gestação é que há

Leia mais

PRODUÇÃO ANIMAL TENDO COMO BASE ALIMENTAR A PALMA FORRAGEIRA

PRODUÇÃO ANIMAL TENDO COMO BASE ALIMENTAR A PALMA FORRAGEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS Avenida Bom Pastor, s/nº - Boa Vista - Garanhuns/PE 55.296-901 - Telefone: (87) 3764.5555 PRODUÇÃO ANIMAL

Leia mais

Criação de Novilhas Leiteiras

Criação de Novilhas Leiteiras Criação de Novilhas Leiteiras Introdução Tópicos Objetivos da criação de novilhas Estimativa do número de novilhas no rebanho Manejo da Novilha Considerações Econômicas (Criar ou Terceirizar?) Salvador,

Leia mais

BENEFÍCIOS E recomendações nutricionais

BENEFÍCIOS E recomendações nutricionais BENEFÍCIOS E recomendações nutricionais Alimentando Vacas Leiteiras com hidropônico verde de forragem (FVH). Deve fornecer de 12 a 18 kg de forragem hidropônica Verde (FVH), divididos em duas partes, geralmente

Leia mais

Ciências Naturais 9.º ano Fonte: Planeta Terra Santillana.

Ciências Naturais 9.º ano Fonte: Planeta Terra Santillana. Sistema digestivo Ciências Naturais 9.º ano Fonte: Planeta Terra Santillana http://isidrodafonseca.wordpress.com Porque nos alimentamos? Todos os seres vivos necessitam de obter matéria e energia permitem

Leia mais

PROBLEMAS DE PATAS EM VACAS LEITEIRAS/NOVILHOS

PROBLEMAS DE PATAS EM VACAS LEITEIRAS/NOVILHOS N 74 PROBLEMAS DE PATAS EM VACAS LEITEIRAS/NOVILHOS É muito frequente o fabricante de alimentos compostos para vacas leiteiras ser responsabilizado pelos problemas de patas (unhas) nos efectivos leiteiros

Leia mais

ESTUDO DOS ALIMENTOS

ESTUDO DOS ALIMENTOS ESTUDO DOS ALIMENTOS A) Alimentos volumosos classificação adaptada de Morrison: 18% de FB. alimentos essenciais para herbívoros (ruminantes); alimentos com função de lastro para os monogástricos,

Leia mais

Aula: Digestão. Noções de feedback e Digestão

Aula: Digestão. Noções de feedback e Digestão Aula: Digestão Noções de feedback e Digestão PROFESSORA: Brenda Braga DATA: 24/04/2014 1. Feedback Causa Consequência Positivo Negativo Sede + + Beber água salgada Sede + - Beber água pura Desequilíbrio

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO FERREIRA, F.O.B. 1 ; BARBOSA, K.A. 1 ; SENE, G.A. 1 ; JAYME, D.G.

Leia mais

Manejo nutricional de vacas em lactação

Manejo nutricional de vacas em lactação Manejo nutricional de vacas em lactação O que se espera das vacas leiteiras? Desafio Pico da produção Concepção de uma nova cria nos primeiros 85 dias de lactação Adequado manejo nutricional durante o

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DO CAVALO ATLETA

MANEJO NUTRICIONAL DO CAVALO ATLETA MANEJO NUTRICIONAL DO CAVALO ATLETA Pâmela Lais Pontes Gomes 1, Geraldo Nardi Junior 2 1 Discente do curso de Tecnologia em Agronegócio da Faculdade de Tecnologia de Botucatu Fatec Botucatu, pamelalpg12@hotmail.com

Leia mais

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Prof. Me.: Whelerson Luiz Vitro vitro@fea.br Disciplina de Bovinocultura FEA Andradina 2015 Introdução O desempenho adequado de qualquer sistema de produção

Leia mais

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES NUTRIENTES SÃO SUBSTÂNCIAS QUE ESTÃO INSERIDAS NOS ALIMENTOS E POSSUEM FUNÇÕES VARIADAS NO ORGANISMO. PODEM SER ENCONTRADOS EM DIFERENTES ALIMENTOS, POR

Leia mais

Todos os Direitos Reservados. Página 1

Todos os Direitos Reservados.  Página 1 http://treinoparamulheres.com.br Página 1 Conteúdo Introdução... 4 Melhores Fontes de Proteína... 5 1º Ovo de Galinha... 5 2º Peixes ( Tilápia, Atum, Salmão)... 6 3º Peito de Frango... 8 4º Leite e seus

Leia mais

Metodologia do Ensino de Ciências Aula 13

Metodologia do Ensino de Ciências Aula 13 Metodologia do Ensino de Ciências Aula 13 IMES Fafica Curso de Pedagogia 3º Ano A Alimentação e os nutrientes 02/10/2017 Millene Crocciari: R.A. 201505064 Aline Zago: R.A. 201505002 Ana Júlia Moro: R.A.

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 02 DIGESTÃO DOS ANIMAIS

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 02 DIGESTÃO DOS ANIMAIS BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 02 DIGESTÃO DOS ANIMAIS Celulose Ruminante Bactérias Como pode cair no enem A digestão da celulose nos ruminantes ocorre graças às condições especiais existentes no trato digestivo

Leia mais

Podemos dizer que existe o bom e o mau carboidrato, assim como existe o bom e o mau colesterol? Tire as suas dúvidas lento este e-book.

Podemos dizer que existe o bom e o mau carboidrato, assim como existe o bom e o mau colesterol? Tire as suas dúvidas lento este e-book. e-book O BOM E O MAU CARBOIDRATO SAIBA QUE TIPO DE CARBOIDRATO VOCÊ DEVE COMER. Podemos dizer que existe o bom e o mau carboidrato, assim como existe o bom e o mau colesterol? Tire as suas dúvidas lento

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO Juntamente com a Fiagril e o Summit Agricultural Group, a F&S Agri Solutions foi criada para produzir etanol de milho e coprodutos na cidade de Lucas do Rio Verde, MT. A Fiagril e o Summit Agricultural

Leia mais

CIÊNCIAS NATURAIS 9º Ano de Escolaridade SISTEMA DIGESTIVO ALIMENTOS E NUTRIENTES MORFOLOGIA E FISIOLOGIA

CIÊNCIAS NATURAIS 9º Ano de Escolaridade SISTEMA DIGESTIVO ALIMENTOS E NUTRIENTES MORFOLOGIA E FISIOLOGIA CIÊNCIAS NATURAIS 9º Ano de Escolaridade SISTEMA DIGESTIVO ALIMENTOS E NUTRIENTES MORFOLOGIA E FISIOLOGIA Ano Lectivo 2009/2010 FUNÇÕES DOS NUTRIENTES Nutrientes Energéticos Plásticos Reguladores Funções

Leia mais

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto A produção de leite no Brasil está baseada principalmente em sistemas que exploram pastagens tropicais ao longo da maior parte do ano. Quando essas

Leia mais

SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO

SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO Por que pasto? Menor investimento inicial Instalações Rebanho Não confinar vacas no período chuvoso do ano

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Alimentação e Saúde ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Todo ser vivo precisa se alimentar para viver. A semente, ao ser plantada, precisa ser adubada e molhada todos os dias

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS PARA INTENSIFICAR O SISTEMA DE PRODUÇÃO

TECNOLOGIAS APLICADAS PARA INTENSIFICAR O SISTEMA DE PRODUÇÃO Interiorização da VI Jornada NESPRO TECNOLOGIAS APLICADAS PARA INTENSIFICAR O SISTEMA DE PRODUÇÃO Leonardo Canali Canellas Médico Veterinário, MSc em Zootecnia Doutorando em Zootecnia - UFRGS Itaqui, 03

Leia mais

Zootecnia Geral 1) INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO ANIMAL 9/8/2017. Thais Schwarz Gaggini

Zootecnia Geral 1) INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO ANIMAL 9/8/2017. Thais Schwarz Gaggini Zootecnia Geral Thais Schwarz Gaggini Médica Veterinária, MSc., Dra. TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1) Introdução à zootecnia; 2) Bioclimatologia; 3) Introdução à nutrição animal; 4) Conceitos de proteína,

Leia mais

Passo a passo para fazer uma silagem com máxima qualidade e o mínimo de perdas

Passo a passo para fazer uma silagem com máxima qualidade e o mínimo de perdas Passo a passo para fazer uma silagem com máxima qualidade e o mínimo de perdas Thiago Carvalho da Silva Professor adjunto (Forragicultura e Pastagens) UFG Barreiras, BA 2017 Sistema produtivo Empresas

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO MÓDULO 7 FISIOLOGIA

SISTEMA DIGESTÓRIO MÓDULO 7 FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO MÓDULO 7 FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO O sistema digestório, responsável pela quebra dos alimentos e absorção dos nutrientes, é composto pelo tubo digestório e pelas glândulas anexas.

Leia mais

Exercícios de Digestão Comparada

Exercícios de Digestão Comparada Exercícios de Digestão Comparada 1. (UEL) No esquema a seguir, estão representados 4 tubos de ensaio com os seus componentes. O material retirado de determinado órgão do rato foi adicionado aos tubos de

Leia mais

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios:

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios: Proteinados Independente da época do ano, a suplementação proteica tem se mostrado uma excelente ferramenta para aumentar o ganho de peso dos animais. O fornecimento do Proteinado agpastto melhora o padrão

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS FORRAGEIRAS TROPICAIS PARA PRODUÇÃO DE FORRAGENS CONSERVADAS. CINIRO COSTA Prof.: Forragicultura e Pastagens FMVZ - UNESP Botucatu

MANEJO DE PLANTAS FORRAGEIRAS TROPICAIS PARA PRODUÇÃO DE FORRAGENS CONSERVADAS. CINIRO COSTA Prof.: Forragicultura e Pastagens FMVZ - UNESP Botucatu MANEJO DE PLANTAS FORRAGEIRAS TROPICAIS PARA PRODUÇÃO DE FORRAGENS CONSERVADAS CINIRO COSTA Prof.: Forragicultura e Pastagens FMVZ - UNESP Botucatu Áreas de pastagens nativas (N) e plantadas (P) nas diferentes

Leia mais

Comportamento ingestivo de bovinos em confinamento

Comportamento ingestivo de bovinos em confinamento Comportamento ingestivo de bovinos em confinamento Nível de concentrado e Frequência do fornecimento da dieta Gustavo L. Sartorello o consumo de matéria seca é uma das variáveis mais importantes que influencia

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 20 SISTEMA DIGESTÓRIO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 20 SISTEMA DIGESTÓRIO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 20 SISTEMA DIGESTÓRIO Relação Superfície x Volume Taxa metabólica rato coelho homem vaca elefante Peso corporal Na esponja, a digestão é intracelular e ocorre em vacúolos digestivos

Leia mais

Aspectos básicos na nutrição da vaca leiteira no pré-parto

Aspectos básicos na nutrição da vaca leiteira no pré-parto Universidade Federal de Pelotas Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária Grupo de estudos Nutrição de Ruminantes Aspectos básicos na nutrição da vaca leiteira no pré-parto A preparação para o

Leia mais

CARACTERÍSTICAS BROMATOLÓGICAS DE PASTAGENS PERENES DE VERÃO CULTIVADAS NO MUNICÍPIO DE PALMITINHO - RS

CARACTERÍSTICAS BROMATOLÓGICAS DE PASTAGENS PERENES DE VERÃO CULTIVADAS NO MUNICÍPIO DE PALMITINHO - RS CARACTERÍSTICAS BROMATOLÓGICAS DE PASTAGENS PERENES DE VERÃO CULTIVADAS NO MUNICÍPIO DE PALMITINHO - RS Josimar dos Santos 1 Patrícia Diniz Ebling 2 e Douglas Antônio Rogeri 3 Palavras chaves: forrageiras,

Leia mais

Sistema Digestivo. Prof a : Telma de Lima. Licenciatura em Biologia. "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.

Sistema Digestivo. Prof a : Telma de Lima. Licenciatura em Biologia. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." Sistema Digestivo Prof a : Telma de Lima Licenciatura em Biologia Função O Sistema Digestivo é um conjunto de vários órgãos que têm como

Leia mais

Sistema digestório. Sistema digestório. Nutrição e alimentação dos suínos. Digestão e absorção. Digestão e absorção

Sistema digestório. Sistema digestório. Nutrição e alimentação dos suínos. Digestão e absorção. Digestão e absorção Disciplina AZ044 - Suinocultura Sistema digestório 9 Nutrição e alimentação dos suínos 2 3 5 4 8 1 6 7 Prof. Marson Bruck Warpechowski 1 - Boca e língua 2 - Larínge, farínge e glote 3 - Esôfago 4 - Estômago

Leia mais

Importância da qualidade de fibra na dieta de bovinos de leite e novos conceitos de fibra em detergente neutro - FDN

Importância da qualidade de fibra na dieta de bovinos de leite e novos conceitos de fibra em detergente neutro - FDN Importância da qualidade de fibra na dieta de bovinos de leite e novos conceitos de fibra em detergente neutro - FDN Marcos Neves Pereira Universidade Federal de Lavras Fibra FDN: Fibra em detergente neutro

Leia mais

UMA VIAGEM AO CORPO HUMANO. Professor: Mário Castro CED. Taquara 8º / 9º Ano

UMA VIAGEM AO CORPO HUMANO. Professor: Mário Castro CED. Taquara 8º / 9º Ano UMA VIAGEM AO CORPO HUMANO Professor: Mário Castro CED. Taquara 8º / 9º Ano - 2017 DESVENDAR A HISTÓRIA DA DIGESTÃO E ABSORÇÃO VIDA VISÃO GERAL Composto por dois grupos: 1. Trato gastrintestinal = tubo

Leia mais

Qualidade da silagem e custo de formulação de ração para vacas leiteiras de médio e alto potencial

Qualidade da silagem e custo de formulação de ração para vacas leiteiras de médio e alto potencial Qualidade da silagem e custo de formulação de ração para vacas leiteiras de médio e alto potencial Ricardo Dias Signoretti Pesquisador Científico APTA Colina/SP Importância Social e Econômica do Agronegócio

Leia mais

Alimentos e Alimentação Para Bovinos. Sistemas de Recria e Terminação. Ricardo Zambarda Vaz

Alimentos e Alimentação Para Bovinos. Sistemas de Recria e Terminação. Ricardo Zambarda Vaz Alimentos e Alimentação Para Bovinos Sistemas de Recria e Terminação Ricardo Zambarda Vaz Desempenho de novilhos em pastagem cultivada e natural de verão e inverno com a utilização de suplementação Adaptado

Leia mais

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da Uma das maneiras de reduzir os efeitos da baixa disponibilidade de forragem sobre o desempenho dos animais é conservar a forragem de uma estação de crescimento para períodos de escassez de alimentos. A

Leia mais

RESULTADOS TÉCNICOS E ECONÔMICOS URT DE COMBINADO FAZENDA PARAISO

RESULTADOS TÉCNICOS E ECONÔMICOS URT DE COMBINADO FAZENDA PARAISO RESULTADOS TÉCNICOS E ECONÔMICOS URT DE COMBINADO FAZENDA PARAISO Equipe Técnica Responsável técnico RURALTINS Carlos Rodrigo Xavier Oliveira Técnico/Tecnólogo em Agropecuária Responsável técnico EMBRAPA

Leia mais

Pastagem para ovinos e caprinos

Pastagem para ovinos e caprinos Pastagem para ovinos e caprinos Hábitos alimentares Classes Ruminante Não ruminante Selecionadores de concentrado, frutos e folhas Brotos e folhas de árvores e arbustos (baixa fibra) Consumidores intermediários

Leia mais

Manejo de pastagens Consumo de forragem

Manejo de pastagens Consumo de forragem Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Manejo de pastagens Consumo de forragem Magno José Duarte Cândido magno@ufc.br Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-

Leia mais

CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA

CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA 1 CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA O mercado de leite no Brasil é historicamente conhecido por apresentar tendências instáveis e impondo, principalmente, estreitas margens ao produtor.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Nutrição e Produção Animal Campus Rio Pomba ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA. Leia, com atenção, antes de começar!

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Nutrição e Produção Animal Campus Rio Pomba ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA. Leia, com atenção, antes de começar! ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA Leia, com atenção, antes de começar! 1. Este Caderno de Prova contém 10 (dez) questões: 5 (cinco) questões: Linha de Pesquisa 1. Nutrição e Produção de Bovinos; 5 (cinco) questões:

Leia mais

Principais constituintes dos alimentos. Glícidos Lípidos Prótidos vitaminas água sais minerais

Principais constituintes dos alimentos. Glícidos Lípidos Prótidos vitaminas água sais minerais Principais constituintes dos alimentos Glícidos Lípidos Prótidos vitaminas água sais minerais Nutrientes e seus constituintes GLÍCIDOS ou HIDRATOS DE CARBONO Função: O seu papel principal é fornecer a

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA E FARMÁCIA SISTEMA DIGESTÓRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA E FARMÁCIA SISTEMA DIGESTÓRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA E FARMÁCIA SISTEMA DIGESTÓRIO Coma bem, viva melhor ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL O que é alimentação saudável?? Refeição saudável variedade

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL Código da Disciplina: VET214 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 5 Faculdade responsável: Faculdade de Medicina

Leia mais

Impacto do pré e pós parto no resultado produtivo e reprodutivo em fazendas leiteiras

Impacto do pré e pós parto no resultado produtivo e reprodutivo em fazendas leiteiras Impacto do pré e pós parto no resultado produtivo e reprodutivo em fazendas leiteiras Rafael Augusto Águido Técnico da Equipe Leite Rehagro Consultor SEBRAE-CE Período de Transição O que é o período de

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA

MODELAGEM MATEMÁTICA: OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA MODELAGEM MATEMÁTICA: OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA Autores : Leonardo Geremias MADEIRA 1, Julian da Silva LIMA 2, Rita de Albernaz GONÇALVES 3. Identificação autores: Acadêmico do curso de Engenharia

Leia mais

Metabolismo da Glicose. Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas. Metabolismo da Glicose. Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo

Metabolismo da Glicose. Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas. Metabolismo da Glicose. Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Metabolismo da Glicose CHOs Polissacarídeos Dissacarídeos (MAL, SAC, LAC) Monossacarídeos (Glic, Frut, Galact, Mano e

Leia mais

Incremento da qualidade da forragem

Incremento da qualidade da forragem Incremento da qualidade da forragem e a relação com as maquinas utilizadas. Ing Agr. Pablo Cattani Hay & Forage Latin America Relação Preço x Custo Preço Custo 14 4 Redução de custo da alimentação Grande

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA. Aula - Período seco

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA. Aula - Período seco UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA Aula - Período seco Prof. Luciane Rumpel Segabinazzi Bovinocultura de Leite II 1º sem. 2016 Secagem da vaca 1. O que é o secar a vaca??

Leia mais

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Como ter uma vida mais saudável comendo bem.

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Como ter uma vida mais saudável comendo bem. NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE Como ter uma vida mais saudável comendo bem. IDADE X NUTRIÇÃO Depois dos 65 anos, o processo de envelhecimento naturalmente acelera e afeta a saúde. Com isso, um dos cuidados

Leia mais

TECNOCALL Plus Bovinos de Leite NUTRACÊUTICO Composição: G/kg

TECNOCALL Plus Bovinos de Leite NUTRACÊUTICO Composição: G/kg TECNOCALL Plus Bovinos de Leite NUTRACÊUTICO Composição: G/kg Fontes Minerais Orgânicos...69,5 g/kg Selênio Orgânico... 0,5 g/kg Levedura Viva... 10 g/kg Fosfato Monoamônico... 20 g/kg O Brasil é o sexto

Leia mais

O sistema digestivo. É composto pelo tubo digestivo e pelas glândulas anexas. Boca. Glândulas salivares. Faringe. Fígado. Esófago.

O sistema digestivo. É composto pelo tubo digestivo e pelas glândulas anexas. Boca. Glândulas salivares. Faringe. Fígado. Esófago. Sistema digestivo O sistema digestivo É composto pelo tubo digestivo e pelas glândulas anexas. Tubo digestivo Boca Faringe Esófago Estômago Intestino delgado Glândulas anexas Glândulas salivares Fígado

Leia mais

Sistema Digestivo. Sistema digestivo 28/10/2016. Franciele Guimarães de Brito

Sistema Digestivo. Sistema digestivo 28/10/2016. Franciele Guimarães de Brito Sistema Digestivo Franciele Guimarães de Brito Sistema digestivo O trato digestório: é um tubo oco que se estende da cavidade bucal ao ânus. As estruturas do trato digestório incluem: Boca, Faringe, Esôfago,

Leia mais

Palavras-chave: concentrado, ruminante funcional, volumoso

Palavras-chave: concentrado, ruminante funcional, volumoso INFLUÊNCIA DE ALIMENTOS SÓLIDOS E DA ÁGUA NO DESENVOLVIMENTO RUMINAL DE BEZERROS Larisse PEREIRA 1, Liziana Maria RODRIGUES 2, Priscila Babosa PEREIRA 3, Lídia da Silva RODARTE 1, Angélica Campos MARTINS

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Ciências 4 o ano Unidade 1 5 Unidade 1 Nome: Data: 1. Quais são os seis nutrientes presentes nos alimentos que são necessários para manter o corpo saudável? Encontre esses nutrientes

Leia mais

Metodologia do Ensino de Ciências Aula 14

Metodologia do Ensino de Ciências Aula 14 Metodologia do Ensino de Ciências Aula 14 IMES Fafica Curso de Pedagogia 3º Ano DIGESTÃO -09/10/2017 Flavia Barbosa R.A201505109. Rosineia Faustino 2: R.A. 201505082 Mariana veteri : R.A. 201505514 Ana

Leia mais

Producote Feed O que é? Como devo fornecer o Producote Feed? Producote Feed Por que utilizar Ureia (NNP) na dieta?

Producote Feed O que é? Como devo fornecer o Producote Feed? Producote Feed Por que utilizar Ureia (NNP) na dieta? Producote Feed O que é? Producote Feed é um aditivo nutricional de liberação controlada, indicado para a suplementação proteica segura de ruminantes, com alta concentração de nitrogênio não proteico de

Leia mais

Nutrição Animal. Aula 2 Classificação dos Alimentos. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto

Nutrição Animal. Aula 2 Classificação dos Alimentos. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Nutrição Animal Aula 2 Classificação dos Alimentos Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Passos para a formulação de uma dieta: - Conhecer as exigências nutricionais de uma categoria animal (idade,

Leia mais

Processos de armazenamento e conservação de forragens. Alberto Amorim de Souza Daniel Barbosa de Miranda Geraldo Alves de Farias Embrapa Semiárido

Processos de armazenamento e conservação de forragens. Alberto Amorim de Souza Daniel Barbosa de Miranda Geraldo Alves de Farias Embrapa Semiárido Processos de armazenamento e conservação de forragens Alberto Amorim de Souza Daniel Barbosa de Miranda Geraldo Alves de Farias Embrapa Semiárido 1 Introdução ARMAZENAR: Guardar; CONSERVAR: Manter; FORRAGEM:

Leia mais

Partícula de. & Silagem. Tamanho tem importância e influi no desempenho animal

Partícula de. & Silagem. Tamanho tem importância e influi no desempenho animal Feno O Martelo & Silagem Partícula de Tamanho tem importância e influi no desempenho animal Fotos: Adilson Rodrigues José Henrique Karsburg* e Luís Felipe Prada e Silva** A tualmente, muito se tem discutido

Leia mais

Bovino. Talho. Origem

Bovino. Talho. Origem A carne, peixe e ovos são constituídos principalmente por proteínas e gordura. São uma fonte de proteínas de alto valor biológico. As vísceras destacam-se por serem ricas em diversos nutrientes: vitamina

Leia mais

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA FUNCIONAMENTO DOS SERES VIVOS INTERPRETAR E DESCREVER FENÔMENOS DESCOBRIR CAUSAS E MECANISMOS CORRELAÇÕES ENTRE OS ÓRGÃOS DEFINIR FUNÇÕES PROF. CLERSON

Leia mais

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo Nutrição, digestão e sistema digestório Profª Janaina Q. B. Matsuo 1 2 3 4 Nutrição Nutrição: conjunto de processos que vão desde a ingestão do alimento até a sua assimilação pelas células. Animais: nutrição

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOSÉ I 2014/15 CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOSÉ I 2014/15 CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOSÉ I 2014/15 CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO Nome N º Ano/Turma 1. Leia atentamente a lista seguinte: pão, proteínas, arroz, alface, laranja, vitaminas e glícidos. a) Indique os que

Leia mais

Móds. 29 ao 34 Setor Prof. Rafa

Móds. 29 ao 34 Setor Prof. Rafa Móds. 29 ao 34 Setor 1403 Prof. Rafa Nutrição: ingestão de nutrientes Nutrientes: substâncias usadas no metabolismo Macronutrientes: carboidratos Energéticos lipídios Plásticos ou proteínas Estruturais

Leia mais

Alimentação das Crias: Aleitamento

Alimentação das Crias: Aleitamento Alimentação das Crias: Aleitamento Profa. Dra. Aurora M. G. Gouveia Médica Veterinária Sanitarista. Professora da Escola de Veterinária da UFMG aurora@vet.ufmg.br Dra. Heloisa H. Magalhães Médica Veterinária.

Leia mais

1- TURMA A. Biologia. a) proteínas. b) glicídios. c) lipídios. d) lipídios e glicídios. e) lipídios e proteínas.

1- TURMA A. Biologia. a) proteínas. b) glicídios. c) lipídios. d) lipídios e glicídios. e) lipídios e proteínas. Biologia Atividade de classe Gabarito 2 os anos Tatiana mar/12 1- TURMA A 1- (PUCCamp modificada) Os fenilcetonúricos têm falta de uma enzima responsável pelo metabolismo do aminoácido fenilalanina. Para

Leia mais

7,2% SISTEMAS DE ENGORDA SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Valor nutritivo. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini. engorda.

7,2% SISTEMAS DE ENGORDA SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Valor nutritivo. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini. engorda. SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE SISTEMAS DE ENGORDA Sistema de engorda Confinamento 27 2.397. 28 2.757. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini Semiconfinamento Pastagem de inverno Demais sistemas

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte. Thiago Bernardes

Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte. Thiago Bernardes Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte Thiago Bernardes II SIMLEITE Dracena, SP 07 de setembro de 2013 Área plantada (milhões ha) 1. A cana agrícola 28 27,7 24

Leia mais

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto, cuidado,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO VIVA E ALCALINA CHAVES PARA UMA NUTRIÇÃO VITAL

ALIMENTAÇÃO VIVA E ALCALINA CHAVES PARA UMA NUTRIÇÃO VITAL ALIMENTAÇÃO VIVA E ALCALINA CHAVES PARA UMA NUTRIÇÃO VITAL ALIMENTAÇÃO VIVA- O QUE É? ALIMENTAÇÃO VIVA é uma forma de alimentação baseada em: Alimentos crus, Frutos frescos e secos (hidratados), Vegetais,

Leia mais

Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos. Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos 28/08/2012

Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos. Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos 28/08/2012 Animais Monogástricos Digestão e Absorção de Carboidratos Animais monogástricos e ruminantes Prof. Dr. Bruno Lazzari de Lima Principais fontes de glicídeos: Polissacarídeos. Amido. Glicogênio. Dextrinas.

Leia mais