Gestão Efluentes Pecuários (GEP)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão Efluentes Pecuários (GEP)"

Transcrição

1 Gestão Efluentes Pecuários (GEP) Poluição Difusa desafios para o futuro IPQ Caparica; 29 Maio 2013 H. Sales Henriques D.G. Agricultura e Desenvolvimento Rural

2 De onde vêm? Dec.-lei 214/2008 Cria Regime de Exercício Actividade Pecuárias REAP. - Aplicável a todas as espécies pecuárias Prot. 631/2009 Normas Regulamentares para a Gestão Efluentes Pecuários GEP.

3 Efluentes Pecuários -EP O que são: A excreta fezes e urinas - dos animais mantidos nas instalações animais, (não a excreta no âmbito do pastoreio) Os restos de alimentos, As águas de lavagens das instalações, Materiais utilizados na cama, que são acumulados nas instalação das explorações pecuárias. Subprodutos Origem Animal (SPOA) ou Produtos Derivados (PD) quando utilizados como Fertilizantes Orgânicos ou Corretivos Orgânicos Solo (FOCOS) (conforme Reg. nº 1069/2009)

4 Balanço mineral da exploração Entradas Alimentos Animais Água Rega Fertelizantes Leguminosas N, P, K, Cu, Zn Volatilização Efluentes Fertilização Alimentos Exploração Pecuária Saídas Carne e Leite Culturas Efluentes Pecuários Lexiviação / Acumulação no solo

5 O balanço mineral 190 Porcas c/ acabamento ---> produção cerca porcos /ano Entradas Animais vendidos 58 ton N/ ano 7 ton P/ ano. 15 ton N/ano 3 ton P/ano 43 ton N e 4 ton P / ano Uso - Acumulação no solo - Perdas Fonte: LPES - USA

6 O balanço mineral 120 Vacas Leite Entradas Produção cerca 1 milhão Ltr Leite / ano Leite e animais 29,2 ton N/ano 2,6 ton P/ano 6,9 ton N/a. 0,8 ton P/a. 22,3 ton N e 1,8 ton P /ano Uso - Acumulação no solo - Perdas Fonte : LPES / USA

7 Gestão Efluentes Pecuário Alimentação Instalações Produção Animal Instalações recolha Armazenagem Registos Caderno de campo Manuseamento Aplicação Produção agrícola Transporte Transferência Tratamento Processo complexo / instável

8 O que é um Plano GEP Inventário: produção e estruturas Estratégias Revisão se necessário Plano Anual Revisão anual Modificação do plano Documentação e registos

9 Efluentes Pecuários são: Recurso Valorizável Sem bem gerido. Fonte de nutrientes minerais das plantas um kg de azoto mineral custa ±1,20 ; + P;+ K; etc A matéria orgânica melhora a fertilidade do solo; Libertação gradual dos elementos minerais, Melhora a estabilidade do solo; Porosidade, capacidade de retenção de água; etc. Melhoria do potencial de fertilização inorgânica Melhora fixação dos minerais no solo. Fornecimento de água às culturas

10 Efluentes Pecuários podem ser Se manuseado de forma imprópria: Causar a poluição dos recursos hídricos; Matéria Orgânica; N; P;. Contaminar água de bebida; Nitratos,. Fonte de odores / Gazes Efeitos Estufa; Amoníaco / Metano / Oxido Nitroso (N 2 O) De moscas e outros insectos; Disseminar infestantes; parasitas; doenças Risco para animais e fauna selvagem.

11 O Ciclo do Azoto (N), Efluente Pecuário Uso pelas Plantas

12 Quem é Gestor de Efluentes Pecuários - GEP? Explorações pecuárias intensivas c/ > 200 ton. ou M3 de EP/ ano; C/ mais de 10 Vacas/ 35 Vitelos engorda; 10 / 35 / 130 Porcos; galinhas / frangos/ano Explorações agrícolas que UTILIZEM > 200 ton. ou M 3 de EP / Ano; Utilizadores de Subprodutos de Origem Animal ou Produtos Derivados (SPOA - PD), como fertilizantes; Unidade de compostagem, biogás, etc. Outras Exp. Pecuária localizada em Zona Vulnerável Desenvolver PGEP

13 O que considerar no PGEP Na procura de um equilibrio Eventos ocasionais; Alimentos / Camas Chuva / Lavagem Produção Excreta Utilizados / Tratados ou Transferidos

14 PGEP: Produção - Armazenagem - Destinos 14

15 PGEP projecto de Valorização Agrícola Efluentes Pecuários Registo aplicações Análises Sistemas de aplicação Protecção de cursos de água Aplicação em em função das culturas Instalações pecuárias Protecção de captações água Opções culturais 15

16 A aplicação PGEP!

17 PGEP Bovinos - Caracterização

18 PGEP Suínos - Caracterização

19 PGEP Suínos - Resumo

20 Valorização Agrícola Efluentes Pecuários - VAEP

21 Assistente de Boas Práticas Fertilização Aplicação GEP / Parcela

22

23 Como se optimiza o PGEP? Pela alimentação animal, Características das instalações, Optimizando o uso da água: lavagens, Tipo de produção ou de animal, Sistema de exploração (intensidade); condicionam a excreta / efluentes pecuários produzidos. Tratamentos Separação sólidos Compostagem Valorização energética As culturas realizadas / Técnicas culturais; Sistemas de aplicação dos efluentes; são determinantes na valorização agrícola.

24 Em Resumo: O objectivo do PGEP deverá incorporar estruturas e praticas que permitam utilizar a excreta dos animais e restos de alimentos, como um recurso valorizável, minimizando os impactos negativos no Ar - Água Solo - Animais - Pessoas. Se os nutrientes excretados, não forem maioritariamente utilizados pelas culturas, (próprias ou de terceiros), não foi atingido o objectivo. pois nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. (A. Lavoisier)

25

26

27 Para mais informação!

28 Agradecido pela atenção

Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas agrícolas e qualidade da água

Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas agrícolas e qualidade da água Blueprint Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal IPQ 9 Abril 2014 Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas

Leia mais

DGADR- Divisão de Gestão e Recursos Naturais

DGADR- Divisão de Gestão e Recursos Naturais DGADR- Divisão de Gestão e Recursos Naturais INIAV_ Fertilidade do Solo e Nutrição das Plantas 22 de setembro de 2015 ÍNDICE 1. Definição de VAEP 2. Benefícios VAEP 3. VAEP: procura de equilíbrio entre

Leia mais

Balanço Bruto de Nutrientes Azoto e Fósforo

Balanço Bruto de Nutrientes Azoto e Fósforo Balanço Bruto de Nutrientes Azoto e Fósforo I - Caracterização geral Descrição: Os Balanços dos Nutrientes, azoto e fósforo, representam uma quantificação dos desequilíbrios observados entre a incorporação

Leia mais

ESTAÇÃO DE COMPOSTAGEM

ESTAÇÃO DE COMPOSTAGEM ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA ESTAÇÃO DE COMPOSTAGEM Tratamento e Valorização Integrada de Resíduos Orgânicos por COMPOSTAGEM Objetivos do projeto: Controlar de forma integral e

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO ANIMAL E IMPACTOS AMBIENTAIS

SISTEMAS DE PRODUÇÃO ANIMAL E IMPACTOS AMBIENTAIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO ANIMAL E IMPACTOS AMBIENTAIS Arnaldo A. Dias da Silva Prof. Catedrático CECAV UTAD, Apartado 1013, 5001 801, Vila Real, Portugal arnaldodiasdasilva@gmail.com Hoje como sempre, toda

Leia mais

Corretivos Adubos e Adubações. Prof. ELOIR MISSIO

Corretivos Adubos e Adubações. Prof. ELOIR MISSIO Corretivos Adubos e Adubações Prof. ELOIR MISSIO ADUBAÇÃO ORGÂNICA Fertilidade dos solos e manejo da adubação de culturas. Carlos A. Bissani; Clesio Gianello; Marino J. Tedesco; Flávio A. O. Camargo. Porto

Leia mais

AJUDA PREENCHIMENTO DA FICHA DE REGISTO DE FERTILIZAÇÃO

AJUDA PREENCHIMENTO DA FICHA DE REGISTO DE FERTILIZAÇÃO ÍNDICE 1. NOTA PRÉVIA... 2 2. ABERTURA DA FICHA DE REGISTO PELA PRIMEIRA VEZ... 2 2.1. No Excel 2003... 3 2.2. No Excel 2007... 4 3. ESTRUTURA GERAL... 4 4. FOLHAS CULTURA... 5 4.1. Identificação (produtor

Leia mais

EMISSOR: Ministérios do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional e da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

EMISSOR: Ministérios do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional e da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas DATA: Terça-feira, 9 de Junho de 2009 NÚMERO: 111 SÉRIE I EMISSOR: Ministérios do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional e da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

Leia mais

Gestão dos solos em viticultura de encosta

Gestão dos solos em viticultura de encosta Workshop Gestão dos solos em viticultura de encosta Pinhão, 28 de outubro de 2013 Sérgio Vieira Inicio de atividade no ano de 2005 Localizada na Zona Industrial de Vila Real Atua na comercialização de

Leia mais

Curso de Agricultura Biológica Geral

Curso de Agricultura Biológica Geral 1 - Objectivo Geral Este curso tem como objectivo geral qualificar os técnicos com conhecimentos práticos e teóricos para o modo de produção biológico, tal como definido no Reg. (CEE) nº 2092/91 e respectivas

Leia mais

PECUÁRIA BIOLÓGICA. (Reg. 2082/91, modificado)

PECUÁRIA BIOLÓGICA. (Reg. 2082/91, modificado) PECUÁRIA BIOLÓGICA (Reg. 2082/91, modificado) SATIVA Controlo e Certificação de Produtos Av. Visconde de Valmor, 11, 3º. 1000-289 Lisboa sativa@sativa.pt www.sativa.pt Introdução consumidores - preocupações

Leia mais

Fluxos de Energia e de Materiais nos Ecossistemas

Fluxos de Energia e de Materiais nos Ecossistemas Fluxos de Energia e de Materiais nos Ecossistemas Uma vez que o fluxo de materiais é um fluxo cíclico nos ecossistemas, é possível analisar estes fluxos usando as técnicas de balanço de materiais: [Taxa

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Agricultura Biológica Geral Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com conhecimentos práticos e teóricos

Leia mais

Modelo de gestão ambiental para a suinocultura. Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves

Modelo de gestão ambiental para a suinocultura. Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves Modelo de gestão ambiental para a suinocultura Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves Conceito: balanço de nutrientes Fertilizantes (NPK) Propriedade

Leia mais

COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR

COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR 19 de Maio de 2006 COMPOSTAGEM DE VERDES: A EXPERIÊNCIA DA ALGAR 1. ALGAR : sistema de gestão integrada de RSU 2. Compostagem de Resíduos Verdes Processo Qualidade

Leia mais

Eco new farmers. Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica. Sessão 2 Princípios da agricultura biológica

Eco new farmers. Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica. Sessão 2 Princípios da agricultura biológica Eco new farmers Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica Sessão 2 Princípios da agricultura biológica Módulo 1 Introdução à agricultura biológica Sessão 2 Princípios da agricultura biológica www.econewfarmers.eu

Leia mais

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA 1 A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA OS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS SÃO FUNDAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO

Leia mais

Projecto EXPLORAÇÃO SUINÍCOLA - QUINTA DO GIÃO. Projecto de Execução

Projecto EXPLORAÇÃO SUINÍCOLA - QUINTA DO GIÃO. Projecto de Execução DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Projecto EXPLORAÇÃO SUINÍCOLA - QUINTA DO GIÃO Projecto de Execução 1. Tendo por base o Parecer Final da Comissão de Avaliação (CA), as Conclusões da Consulta Pública e

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

Jimboê. Geografia. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 2 o bimestre

Jimboê. Geografia. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 2 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou à Unidade 2 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê Geografia 4 o ano Avaliação 2 o bimestre 1 Avaliação Geografia NOME: ESCOLA:

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO USO IRREGULAR DE DEJETOS DE SUÍNOS NO SOLO

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO USO IRREGULAR DE DEJETOS DE SUÍNOS NO SOLO IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO USO IRREGULAR DE DEJETOS DE SUÍNOS NO SOLO Rodrigo de Almeida Silva (1) ; Rita Maria de Souza (2) ; Érica Nacif Rufino Vieira (3) ; (1) Graduando do curso de Gestão Ambiental,

Leia mais

Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade

Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade AGRICULTURA E PECUÁRIA Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade AGRICULTURA CONDIÇÕES NATURAIS: Apesar do grande desenvolvimento técnico e científico ela ainda depende do solo,

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS. Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio

S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS. Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio A Portaria n.º 52-A/2001, de 19 de Julho, estabelece o regime de aplicação da intervenção Medidas Agro-Ambientais do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Sociedade Agrícola da Quinta da Freiria, S.A.

Sociedade Agrícola da Quinta da Freiria, S.A. INSTALAÇÃO EXISTENTE DE PRODUÇÃO AVÍCOLA AVIÁRIO DA QUINTA NOVA DE SÃO JOSÉ SOCIEDADE AGRÍCOLA DA QUINTA DA FREIRIA, S.A. LOCALIZADA NA FREGUESIA DE ALFEIZERÃO CONCELHO DE ALCOBAÇA ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL

Leia mais

ANEXO 1. SISTEMAS AGRO-PECUÁRIOS NA REGIÃO CENTRO Um retrato atualizado para melhor gestão dos efluentes pecuários no futuro

ANEXO 1. SISTEMAS AGRO-PECUÁRIOS NA REGIÃO CENTRO Um retrato atualizado para melhor gestão dos efluentes pecuários no futuro ANEXO 1 SISTEMAS AGRO-PECUÁRIOS NA REGIÃO CENTRO Um retrato atualizado para melhor gestão dos efluentes pecuários no futuro SISTEMAS AGRO-PECUÁRIOS NA REGIÃO CENTRO Um retrato atualizado para melhor gestão

Leia mais

FUTURAMB Especialistas em Vermicompostagem

FUTURAMB Especialistas em Vermicompostagem 2 FUTURAMB Especialistas em Vermicompostagem VERMICOMPOSTAGEM & VERMICULTURA (NÍVEL I - DOMÉSTICO) Conteúdos programáticos 1. Definições, conceitos e objetivos. 2. Onde e como fazer. 3. Minhocas utilizadas.

Leia mais

Incinerados Reduzir Reutilizar Reciclar. com produzindo. contaminação. sanitários. Aterros. céu aberto. Lixeira a

Incinerados Reduzir Reutilizar Reciclar. com produzindo. contaminação. sanitários. Aterros. céu aberto. Lixeira a 64 BioDesafios 12 ọ Ano Guia do Professor 5 Mapa de conceitos Eliminar materiais sólidos Degradação dos recursos pode ser minimizada através de Tratamento de resíduos Águas residuais Resíduos sólidos Política

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/ Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Tema I Ecossistemas

Leia mais

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA.

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA. Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA A01 Agricultura - aspectos gerais A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA B10 Geografia B50 História C EDUCAÇÃO, EXTENSÃO E INFORMAÇÃO C10 Educação

Leia mais

Biodigestores. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1

Biodigestores. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1 Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1 - Cenário A modernização do setor agrícola implica em: maior demanda de energia maior preocupação/legislação com relação aos aspectos sanitários Uma maior

Leia mais

Uso Sustentável da Água na Cultura do Arroz

Uso Sustentável da Água na Cultura do Arroz Uso Sustentável da Água na Cultura do Arroz O Cereal que Alimenta o Mundo Embora se trate da terceira maior cultura cerealífera do mundo, ultrapassada pelo milho e pelo trigo, é responsável por alimentar

Leia mais

Pressão antropogénica sobre o ciclo da água

Pressão antropogénica sobre o ciclo da água O CICLO DA ÁGUA Pressão antropogénica sobre o ciclo da água 2. Poluição difusa 3. Poluição urbana 1. Rega 8. Barragens 7. Erosão do solo 4. Poluição industrial 5. Redução das zonas húmidas Adaptado de:

Leia mais

Modelo de gestão ambiental para a suinocultura. Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves

Modelo de gestão ambiental para a suinocultura. Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves Modelo de gestão ambiental para a suinocultura Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves Conceito: balanço de nutrientes Fertilizantes (NPK) Agricultura

Leia mais

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha 20-03-2014 1 O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Maria José Cunha 20-03-2014 2 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MISSÃO Formar profissionais

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO D - PROTECÇÃO ANIMAL

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO D - PROTECÇÃO ANIMAL D - PROTECÇÃO ANIMAL III.D.1.374 L 0577 Directiva 74/577/CEE do Conselho, de 18 de Novembro de 1974, relativa ao atordoamento dos animais antes do seu abate. (JO L 316/10 de 26.11.1974) Decreto-Lei nº

Leia mais

Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose. Celso Foelkel

Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose. Celso Foelkel Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose Celso Foelkel Celso Foelkel Características de fábricas modernas Alta capacidade de utilização da capacidade e com produção estável

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NAS ZONAS VULNERÁVEIS CADERNO DE OBRIGAÇÕES. BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS ZONAS VULNERÁVEIS (Portaria 259/2012, de 28 de agosto)

PLANO DE AÇÃO NAS ZONAS VULNERÁVEIS CADERNO DE OBRIGAÇÕES. BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS ZONAS VULNERÁVEIS (Portaria 259/2012, de 28 de agosto) PLANO DE AÇÃO NAS ZONAS VULNERÁVEIS CADERNO DE OBRIGAÇÕES Consideram-se zonas vulneráveis, zonas que drenam para águas poluídas ou em risco de virem a tornar-se poluídas com nitratos. Nas zonas vulneráveis,

Leia mais

MOBILIZAÇÃO DE CONSERVAÇÃO DO SOLO 1

MOBILIZAÇÃO DE CONSERVAÇÃO DO SOLO 1 MOBILIZAÇÃO DE CONSERVAÇÃO DO SOLO 1 Henrique Chia 2 & Vasco Correia 3 2 Engº Agrónomo - Ecotill Consultores de Agricultura de Conservação - Rua Distrito de Évora, 48-7000Évora; hchia@sapo.pt 3 Engº Agrónomo

Leia mais

Tecnologia de produção de fertilizantes organominerais utilizando produtos da Compostagem

Tecnologia de produção de fertilizantes organominerais utilizando produtos da Compostagem Tecnologia de produção de fertilizantes organominerais utilizando produtos da Compostagem Palestrante: Organosolvi Vicente Linhares Júnior - Grupo Solvi Introdução A SOLVÍ O Grupo A Solví - Soluções para

Leia mais

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo Condicionalidades e Obrigações Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Santarém 28 de fevereiro de 2015 Agenda 1. Definição

Leia mais

Trabalho Realizado por: Tânia Batista nº3 Andreia Grou nº 12 Ana Carmona nº 5 Neuza Lampreia nº 17

Trabalho Realizado por: Tânia Batista nº3 Andreia Grou nº 12 Ana Carmona nº 5 Neuza Lampreia nº 17 Trabalho Realizado por: Tânia Batista nº3 Andreia Grou nº 12 Ana Carmona nº 5 Neuza Lampreia nº 17 Índice Introdução pág.1 Utilização da água e seus problemas.pág.2 Principais problemas na utilização da

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011 OBJECTIVOS - Contribuir para o desenvolvimento económico e social de Angola - Garantir a sustentabilidade

Leia mais

Tratamento de resíduos

Tratamento de resíduos Tratamento de resíduos Resíduo: Um resíduo é qualquer substância ou objecto de que o ser humano pretende desfazer-se por não lhe reconhecer utilidade. Prioridades a seguir no tratamento de resíduos sólidos:

Leia mais

Cultivo de banana em Modo de Produção Biológico na Região Autónoma da Madeira. Alcino da Silva e José Guerreiro

Cultivo de banana em Modo de Produção Biológico na Região Autónoma da Madeira. Alcino da Silva e José Guerreiro Cultivo de banana em Modo de Produção Biológico na Região Autónoma da Madeira Alcino da Silva e José Guerreiro Primeras PrimerasJornadas de de transferencia transferenciade de I+D+i I+D+i para para una

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura 1 O Azoto O azoto ou nitrogénio, de símbolo químico N, encontramo-lo no estado gasoso e constitui cerca de 78 % do ar da atmosfera terrestre. É um gás

Leia mais

RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrosilvopastoris. >>Redação final: Pesquisa, desenvolvimento e inovação de tecnologias

Leia mais

O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES

O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES LIQUIDA (SOLUÇÃO DO SOLO) ÍONS INORGÂNICOS E ORGÂNICOS/MICROPOROS SÓLIDA - RESERVATORIO DE NUTRIENTES - SUPERFÍCIE QUE REGULA A CONCENTRAÇÃO DOS ELEMENTOS NA SOLUÇÃO

Leia mais

Mestrado em Energia e Bioenergia BALANÇO ENERGÉTICO DA UTILIZAÇÃO DE MISCANTHUS NA PRODUÇÃO DE ENERGIA EM PORTUGAL

Mestrado em Energia e Bioenergia BALANÇO ENERGÉTICO DA UTILIZAÇÃO DE MISCANTHUS NA PRODUÇÃO DE ENERGIA EM PORTUGAL Mestrado em Energia e Bioenergia BALANÇO ENERGÉTICO DA UTILIZAÇÃO DE MISCANTHUS NA PRODUÇÃO DE ENERGIA EM PORTUGAL Paulo Cipriano Orientação: Professora Doutora Ana Luísa Fernando Objectivo Verificar se

Leia mais

Unidade 5 Recursos naturais: utilização e consequências. Planeta Terra 8.º ano

Unidade 5 Recursos naturais: utilização e consequências. Planeta Terra 8.º ano Unidade 5 Recursos naturais: utilização e consequências O que são recursos naturais? Painéis solares. Pesca. Diamantes. Água. Plataforma petrolífera. O que são recursos naturais? Matéria ou energia presentes

Leia mais

Equipe Principal: Jonas Irineu dos Santos Filho, Marcelo Miele,

Equipe Principal: Jonas Irineu dos Santos Filho, Marcelo Miele, Plano de Ação: 12. Avaliação econômica, social e ambiental das tecnologias e elaboração de planos de negócio Equipe Principal: Jonas Irineu dos Santos Filho, Marcelo Miele, Objetivo Final - Plano de Negocio

Leia mais

Influência de uma atividade secular na distribuição e mobilização do cobre em solos da Região vinhateira do Douro: Projeto DVINE

Influência de uma atividade secular na distribuição e mobilização do cobre em solos da Região vinhateira do Douro: Projeto DVINE Influência de uma atividade secular na distribuição e mobilização do cobre em solos da Região vinhateira do Douro: Projeto DVINE Carla Patinha GEOBIOTEC/ Universidade de Aveiro Objetivos DVINE As vinhas

Leia mais

23/6/2010. Dejetos fezes, urina, bebedouros, higienização e resíduos suínos, aves e bovinos leiteiros Confinamento. Dejetos.

23/6/2010. Dejetos fezes, urina, bebedouros, higienização e resíduos suínos, aves e bovinos leiteiros Confinamento. Dejetos. Dejetos fezes, urina, bebedouros, higienização e resíduos suínos, aves e bovinos leiteiros Confinamento Jean Berg Carolina Mendes Dejetos Manejo Riscos sanitários Homem e animal Difusão de microrganismo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MELHORES TÉCNICAS DISPONÍVEIS

IDENTIFICAÇÃO MELHORES TÉCNICAS DISPONÍVEIS Licenciamento mbiental viário Quinta da Póvoa DENTFCÇÃO MELHORES TÉCCS DSPONÍVES BREF LF Boas Práticas grícolas: 1. dentificar e implementar programas de formação teórica e prática para os trabalhadores

Leia mais

A certificação como meio para a internacionalização. Isabel Ramos

A certificação como meio para a internacionalização. Isabel Ramos A certificação como meio para a internacionalização Isabel Ramos 12 de Junho de 2014 LeiteSaudável O PROJETO JUL 2009 A JUN 2012 CAVC Cooperativa Agrícola de Vila do Conde, CRL REQUIMTE/ICETA Universidade

Leia mais

ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 II CONGRESSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA UTFPR CÂMPUS DOIS VIZINHOS ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Fabio César Bratti 1, Laércio

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Curso de Zootecnia Disciplina de Manejo e fertilidade do Solo ADUBAÇÃO ORGÂNICA

Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Curso de Zootecnia Disciplina de Manejo e fertilidade do Solo ADUBAÇÃO ORGÂNICA Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Curso de Zootecnia Disciplina de Manejo e fertilidade do Solo ADUBAÇÃO ORGÂNICA Elisandra Pocojeski Prof. Gustavo Brunetto Santa Maria, 17

Leia mais

Cinética e Eq. Químico Folha 10 João Roberto Fortes Mazzei

Cinética e Eq. Químico Folha 10 João Roberto Fortes Mazzei 01. Em um recipiente de 500 ml, encontram-se, em condições de equilíbrio, 10 mol/l de H 2 (g) e 0,01 mol/l de I 2 (g). Qual é a concentração do HI(g), sabendo-se que, nas condições do experimento, a constante

Leia mais

WORKSHOP GESTÃO DE RESÍDUOS VITIVINÍCOLAS

WORKSHOP GESTÃO DE RESÍDUOS VITIVINÍCOLAS WORKSHOP GESTÃO DE RESÍDUOS VITIVINÍCOLS Reutilização de águas residuais na rega de culturas agrícolas e valorização agrícola de lamas lda Brás Divisão de mbiente e Infraestruturas da Direção Regional

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

ALIMENTOS COMPOSTOS PARA ANIMAIS DE EXPLORAÇÃO ANO DE

ALIMENTOS COMPOSTOS PARA ANIMAIS DE EXPLORAÇÃO ANO DE FABRICANTE DE ALIMENTOS COMPOSTOS PARA ANIMAIS COMUNICAÇÕES OBRIGATÓRIAS RELATIVAS AO FABRICO NACIONAL ALIMENTOS COMPOSTOS PARA ANIMAIS DE EXPLORAÇÃO ANO DE (ALÍNEA D) DO ART.º 5º DO DECRETO-LEI N.º 247/2002,

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS REJEIÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS REJEIÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS REJEIÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, com

Leia mais

Cooperativa Agrícola de Vila do Conde Ana Gomes

Cooperativa Agrícola de Vila do Conde Ana Gomes Cooperativa Agrícola de Vila do Conde Ana Gomes LeiteSaudável MOTIVAÇÕES Agenda 2000 Ganhos de gama Controlo da Qualidade Coesão económica e social Dependência de fontes alimentares Preservação ambiental

Leia mais

Resíduos Agrícolas. SERVIÇO DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DAS FLORES E CORVO Alice Correia da Rocha - Eng.ª Zootécnica

Resíduos Agrícolas. SERVIÇO DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DAS FLORES E CORVO Alice Correia da Rocha - Eng.ª Zootécnica Resíduos Agrícolas Explorações Agrícolas Actualmente existem: 330 explorações na Ilha das Flores; 50 explorações na Ilha do Corvo Os agricultores das Flores e do Corvo, têm vindo a consciencializar-se

Leia mais

INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO

INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO ANO LECTIVO 2008/2009 (2º SEMESTRE) APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA PROFª ANA AMBRÓSIO DE SOUSA LISBOA, MARÇO DE 2009 INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO ANO LECTIVO 2008/2009 2º SEMESTRE APRESENTAÇÃO

Leia mais

Principais problemas da pecuária na Amazônia

Principais problemas da pecuária na Amazônia 4ª ed. reimpresso em maio/2015, 215 páginas Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br www.diasfilho.com.br Principais problemas da pecuária na Amazônia 15,2 13,0 Baixo

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Ciclos Biogeoquímicos Matéria orgânica: são os restos dos seres vivos. É composta essencialmente de compostos de carbono. Decompositores: são responsáveis pela degradação da matéria orgânica e favorecem

Leia mais

Mar: Importância, ameaças e comunidade

Mar: Importância, ameaças e comunidade SEMINÁRIO NACIONAL ECO-ESCOLAS 2011 Teatro Municipal da Guarda 4, 5, 6 de Fevereiro 2011 Mar: Importância, ameaças e comunidade Estrutura de Missão para os Assuntos do Mar Mónica Albuquerque O que é o

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Herdade da Bemposta Apartado 26 7830-909 Serpa Tel.: 284 540 440 Fax: 284 540 449 www.epdrs.pt escola@epdrs.pt União Europeia Fundo Social Europeu

Leia mais

Compostagem de Lamas e outros Resíduos!

Compostagem de Lamas e outros Resíduos! Compostagem de Lamas e outros Resíduos! Idílio Neto! Engº Agrónomo, Consultor! Seminário Fim do Estatuto de Resíduos. Novos Critérios para a Produção de Composto Proveniente de Lamas de ETAR e da Fração

Leia mais

PROTOCOLO DE KYOTO E REDUÇÕES CERTIFICADAS DE EMISSÕES - OPORTUNIDADES ECONÔMICAS PARA OS SUINOCULTORES

PROTOCOLO DE KYOTO E REDUÇÕES CERTIFICADAS DE EMISSÕES - OPORTUNIDADES ECONÔMICAS PARA OS SUINOCULTORES PROTOCOLO DE KYOTO E REDUÇÕES CERTIFICADAS DE EMISSÕES - OPORTUNIDADES ECONÔMICAS PARA OS SUINOCULTORES Paulo Guilherme Furtado Gerente de Operações Ambientais AgCert do Brasil Soluções Ambientais Introdução

Leia mais

População, Recursos e Ambiente

População, Recursos e Ambiente Instituto Superior Técnico População, Recursos e Ambiente Prof. Henrique Miguel Pereira Exame - 2 a Época 1 de Fevereiro de 2006 Duração: 2h15m A primeira parte do exame consiste em perguntas de escolha

Leia mais

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte ARBORICULTURA II Manutenção do Solo 1ªParte 2004-2005 As técnicas de manutenção do solo Mobilização Solo sem vegetação Sem mobilização Herbicida total Orgânico Mulching Inerte Solo coberto Cobertura vegetal

Leia mais

Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo

Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo BOAS PRÁTICAS NA EXPLORAÇÃO PECUÁRIA Auditório da Sede da CAP Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo Susana Souto Barreiros DSVRLVT Lisboa,14 de Abril de 2010 Planos de Controlos Oficiais

Leia mais

GANHOS AMBIENTAIS E MUDANÇAS NO CICLO DO NITROGÊNIO A PARTIR DA SEPARAÇÃO DA URINA HUMANA DO SISTEMA DE SANEAMENTO

GANHOS AMBIENTAIS E MUDANÇAS NO CICLO DO NITROGÊNIO A PARTIR DA SEPARAÇÃO DA URINA HUMANA DO SISTEMA DE SANEAMENTO GANHOS AMBIENTAIS E MUDANÇAS NO CICLO DO NITROGÊNIO A PARTIR DA SEPARAÇÃO DA URINA HUMANA DO SISTEMA DE SANEAMENTO REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG ENGENHARIA INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENG. AMBIENTAL

Leia mais

Pecuária Evolução e inserção tecnológica

Pecuária Evolução e inserção tecnológica Pecuária Evolução e inserção tecnológica Maurício Palma Nogueira, engenheiro agrônomo HISTÓRICO E TENDÊNCIA DA PECUÁRIA - Mercado de bezerros explica a história da pecuária - Queda gradual nas margens

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA

Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA Huambo, Julho 2011 Objectivo & conteúdo da apresentação Esta apresentação é resultado

Leia mais

Grandes Problemas ambientais

Grandes Problemas ambientais Grandes Problemas ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A desflorestação; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos perigosos; A escassez

Leia mais

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia 10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia PROBLEMAS ENERGÉTICOS DA ACTUALIDADE O avanço científico e tecnológico da nossa sociedade provocou o aumento acelerado

Leia mais

Nas últimas duas décadas, o nível de instrução dos agricultores e a sua idade média aumentaram

Nas últimas duas décadas, o nível de instrução dos agricultores e a sua idade média aumentaram Nas últimas duas décadas, o nível de instrução dos agricultores e a sua idade média aumentaram O Instituto Nacional de Estatística produz, desde o início dos anos 80, um vasto conjunto de estatísticas

Leia mais

Recursos naturais: utilização e consequências. Planeta Terra 8.º ano. Hélder Giroto Paiva - EPL

Recursos naturais: utilização e consequências. Planeta Terra 8.º ano. Hélder Giroto Paiva - EPL Recursos naturais: utilização e consequências Hélder Giroto Paiva - EPL O que são recursos naturais? Painéis solares. Pesca. Diamantes. Água. Plataforma petrolífera. O que são recursos naturais? Matéria

Leia mais

Valorização da pecuária extensiva

Valorização da pecuária extensiva Valorização da pecuária extensiva Jornadas Técnicas Guarda, 2015/03/20 Carlos Alarcão Cada território tem as suas potencialidades Território abrangido pela Delegação Regional da Guarda Área Irrigável (%)

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Produção Integrada Animal Nº Local Duração 211 horas Data a Laboral Pós-Laboral Misto Formação-acção Formação à distância

Leia mais

A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite

A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite Idílio Barros Neto Eng.º Agrónomo Enquadramento desta problemática Regime de licenciamento da Actividade Pecuária Directiva Nitratos Lei

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES Versão actualizada em Fevereiro de 211 Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO

Leia mais

SIMPÓSIO ABCZ - CNPC PECUÁRIA E SUA RESPONSABILIDADE NAS EMISSÕES DE GEE. EXPOZEBÚ UBERABA, Maio 2010 Sebastião Costa Guedes Presidente CNPC

SIMPÓSIO ABCZ - CNPC PECUÁRIA E SUA RESPONSABILIDADE NAS EMISSÕES DE GEE. EXPOZEBÚ UBERABA, Maio 2010 Sebastião Costa Guedes Presidente CNPC SIMPÓSIO ABCZ - CNPC PECUÁRIA E SUA RESPONSABILIDADE NAS EMISSÕES DE GEE. EXPOZEBÚ 2010 UBERABA, Maio 2010 Sebastião Costa Guedes Presidente CNPC DESAFIOS PARA 2050 + 2,3 BILHÕES DE PESSOAS. + 70% NA NECESSIDADE

Leia mais

SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO

SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS E SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO AUTORES: FABIANA AQUINO JORGE WERNECK LIMA MARCELA COSTA O que são Serviços Ecossistêmicos? Benefícios diretos e indiretos obtidos pelo Homem a

Leia mais

1.1. A partir de 10 mol de ácido nítrico qual é a massa de nitrato de amónio que se obtém?

1.1. A partir de 10 mol de ácido nítrico qual é a massa de nitrato de amónio que se obtém? Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turma A Paula Melo Silva Ficha de Trabalho 5 Cálculos estequiométricos 1. O ácido nítrico é uma das mais importantes substâncias inorgânicas industriais.

Leia mais

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável Paula Mourão Workshop proteção das culturas, aplicação de produtos fitofarmacêuticos e inspeção de pulverizadores, Nelas,

Leia mais

PROPOSTA DE NOVOS FACTORES DE EMISSÃO DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA PARA A CULTURA DE ARROZ EM PORTUGAL

PROPOSTA DE NOVOS FACTORES DE EMISSÃO DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA PARA A CULTURA DE ARROZ EM PORTUGAL SEMINÁRIO: Boas Práticas no Cultivo de Arroz por Alagamento, em Portugal, 30 Maio 2013, INIAV, Oeiras, Portugal PROPOSTA DE NOVOS FACTORES DE EMISSÃO DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA PARA A CULTURA DE ARROZ

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS GLOSSÁRIO Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011 Glossário

Leia mais

Tecnologias para Valorização de Resíduos Agroindustriais e Sólidos Urbanos Foco: Compostagem Acelerada

Tecnologias para Valorização de Resíduos Agroindustriais e Sólidos Urbanos Foco: Compostagem Acelerada Tecnologias para Valorização de Resíduos Agroindustriais e Sólidos Urbanos Foco: Compostagem Acelerada Apresentação para o Departamento de Ambiente Urbano - DAU/SRHU/MMA Brasília 12/3/2015 Conceitos *

Leia mais

Responsabilidade ambiental na produção agropecuária

Responsabilidade ambiental na produção agropecuária Responsabilidade ambiental na produção agropecuária Sumário Análise de conjuntura; Impactos das atividades agropecuárias sobre o meio ambiente; Responsabilidade ambiental; Boas práticas produtivas. Organograma

Leia mais

Gabriela Assis; Clara Cruz; Marina Martins

Gabriela Assis; Clara Cruz; Marina Martins Gabriela Assis; Clara Cruz; Marina Martins LIVRO BRANCO SOBRE A SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Produção Animal Alimentação Animal Planos nacionais de controlo (Regulamento (CE) n.º 882/2004) Controlo Oficial

Leia mais

Aula Manejo de dejetos suinos 1/9. Produção de suínos. Eduardo Viola

Aula Manejo de dejetos suinos 1/9. Produção de suínos. Eduardo Viola 1/9 Produção de suínos Eduardo Viola 2/9 Manejo de dejetos Suínos Transformando problemas ambientais em alternativas tecnológicas Introdução 3/9 Brasil Aproximadamente 82% dos suínos são criados em pequenas

Leia mais

MINERAIS HIDROGEOLÓGICOS ENERGÉTICOS. de acordo com a finalidade

MINERAIS HIDROGEOLÓGICOS ENERGÉTICOS. de acordo com a finalidade Materiais (sólidos, líquidos ou gasosos), ou suas propriedades (calor interno da Terra ou radioatividade), provenientes da Terra e que o Homem pode utilizar em seu benefício. de acordo com a finalidade

Leia mais

Actividade Prática nº 3 O Guião da Compostagem

Actividade Prática nº 3 O Guião da Compostagem Actividade Prática nº 3 O Guião da Compostagem Página 1 de 7 O que é a compostagem? A compostagem é um processo biológico em que os microrganismos transformam a matéria orgânica, como estrume, folhas,

Leia mais

HORIZONTE Identificar as necessidades de inovação - PEI AGRI Grupo Focal. Teor de matéria orgânica do solo nas regiões mediterrânicas

HORIZONTE Identificar as necessidades de inovação - PEI AGRI Grupo Focal. Teor de matéria orgânica do solo nas regiões mediterrânicas HORIZONTE 2020 Identificar as necessidades de inovação - PEI AGRI Grupo Focal Teor de matéria orgânica do solo nas regiões mediterrânicas António Perdigão Nuno Marques PEI AGRI Grupo Focal? Importância?

Leia mais