Biodigestores. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biodigestores. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1"

Transcrição

1 Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1

2 - Cenário A modernização do setor agrícola implica em: maior demanda de energia maior preocupação/legislação com relação aos aspectos sanitários Uma maior geração de dejetos animais e restos vegetais Os Biodigestores geram os seguintes produtos: Biofertilizante Ausência de odores Além de fertilizante pode ser utilizado como insumo em rações animais Biogás e permitem de forma geral uma redução dos microorganismos patogênicos nos dejetos da propriedade. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 2

3 Características do Biogás O Biogás é uma mistura dos seguintes gases: Metano (CH 4 ) principal componente (60ma 80%) Dióxido de carbono (CO 2 ) Nitrogênio e Gás Sulfídrico em proporções menores O biogás é produzido naturalmente em determinados ambientes: pântanos e outros locais em que a celulose sofre decomposição natural. O biogás é resultado da fermentação anaeróbica (sem ar) de dejetos animais, resíduos vegetais e de lixo orgânico residencial e industrial, em condições adequadas de umidade. O metano é um gás incolor, altamente combustível, queima com chama azul/lilás, sem fuligem e com pouca poluição Fontes alternativas de energia - Biodigestores 3

4 Características do Biogás Em função da percentagem de metano no biogás, o seu poder calorífico varia de a kcal/m 3, podendo atingir kcal/m 3 se todo o CO 2 for eliminado Equivalência do biogás com outras fontes de energia: 1 m 3 de biogás equivale a: 0,61 litro de gasolina 0,57 litro de querosene 0,55 litro de óleo diesel 0,45 kg de GLP (gás liquefeito de petróleo) 0,79 litro de álcool 1,538 kg de lenha 1,428 kwh de energia elétrica Fontes alternativas de energia - Biodigestores 4

5 Características do Biogás Estimativa do consumo residencial de biogás para uma família de 5 pessoas: Atividade m 3 /dia Cozinha 2,10 Iluminação 0,63 Geladeira 2,20 Banho quente 4,00 Total 8,93 Esse total corresponde a ¼ de bujão de gás GLP de 13 kg e pode ser obtido com os dejetos (esterco) de 20 a 24 bovinos. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 5

6 Características Construtivas Os Biodigestores podem ser contínuos ou de batelada (lote): Contínuos: os dejetos são inseridos no sistema em intervalos de tempo curtos e regulares Batelada: o resíduo é inserido com intervalo de tempo prolongado, de uma só vez (lote) e é mantido fechado durante o processo. Os seguintes parâmetros servem de base para o dimensionamento de um biodigestor: Quantidade e tipo de dejetos disponível, Necessidade de energia Necessidade de fertilizante Necessidade de tratamento de dejetos Fontes alternativas de energia - Biodigestores 6

7 Características Construtivas Os modelos mais conhecidos de biodigestores contínuos são o Indiano e o Chinês. Nesse países o biogás é uma importante fonte de energia no meio rural. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 7

8 Modelo Indiano caracteriza-se por possuir uma campânula como gasômetro, a qual pode estar mergulhada sobre a biomassa em fermentação, ou em um selo d água externo, e uma parede central que divide o tanque de fermentação em duas câmaras. A função da parede divisória faz com que o material circule por todo o interior da câmara de fermentação. O modelo indiano possui pressão de operação constante, ou seja, à medida que o volume de gás produzido não é consumido, o gasômetro tende a deslocar-se verticalmente, aumentando o volume, portanto, mantendo a pressão constante no interior. O fato de o gasômetro flutua sobre o substrato ou sobre o selo d água, e issso reduz as perdas durante o processo de produção do gás. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 8

9 Modelo Indiano Esquema construtivo do biodigestor indiano H - é a altura do nível do substrato; Di - é o diâmetro interno do biodigestor; Dg - é o diâmetro do gasômetro; Ds - é o diâmetro interno da parede superior; h1 - é a altura ociosa (reservatório do biogás); h2 - é a altura útil do gasômetro. a - é a altura da caixa de entrada. e - é a altura de entrada do cano com o afluente. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 9

10 Modelo Indiano O resíduo a ser utilizado para alimentar o biodigestor indiano deve apresentar uma concentração de sólidos totais (ST) não superior a 8%, para facilitar a circulação pelo interior da câmara de fermentação e evitar entupimentos dos canos de entrada e saída do material. O abastecimento também deverá ser contínuo, ou seja, geralmente é alimentado por dejetos bovinos e/ou suínos, que apresentam uma certa regularidade no fornecimento. Do ponto de vista construtivo, apresenta-se de fácil construção. O gasômetro de metal pode encarecer o custo final. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 10

11 Modelo Indiano Vista 3D do biodigestor indiano Fontes alternativas de energia - Biodigestores 11

12 Modelo Chinês Formado por uma câmara cilíndrica em alvenaria para a fermentação, com teto abobado, impermeável, destinado ao armazenamento do biogás. Este biodigestor funciona com base no princípio de prensa hidráulica, de modo que aumentos de pressão em seu interior resultantes do acúmulo de biogás resultam em deslocamentos do efluente da câmara de fermentação para a caixa de saída, e em sentido contrário quando ocorre descompressão. O modelo Chinês é constituído quase que totalmente em alvenaria, dispensando o uso de gasômetro em chapa de aço, o que reduz os custos, contudo pode ocorrer problemas com vazamento do biogás caso a estrutura não seja bem vedada e impermeabilizada. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 12

13 Modelo Chinês Esquema construtivo do modelo chinês D - é o diâmetro do corpo cilíndrico; H - é a altura do corpo cilíndrico; Hg - é a altura da calota do gasômetro; hf - é a altura da calota do fundo; Of - é o centro da calota esférica do fundo; Og - é o centro da calota esférica do gasômetro; he - é a altura da caixa de entrada; De - é o diâmetro da caixa de entrada; hs - é a altura da caixa de saída; Ds - é o diâmetro da caixa de saída; A - é o afundamento do gasômetro; Fontes alternativas de energia - Biodigestores 13

14 Modelo Chinês Neste tipo de biodigestor uma parcela do gás formado na caixa de saída é libertado para a atmosfera, reduzindo parcialmente a pressão interna do gás, por este motivo as construções de biodigestor tipo chinês não são utilizadas para instalações de grande porte. Semelhante ao modelo indiano, o substrato deverá ser fornecido continuamente, com a concentração de sólidos totais em torno de 8%, para evitar entupimentos do sistema de entrada e facilitar a circulação do material. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 14

15 Modelo Chinês Vista 3D do modelo chines Fontes alternativas de energia - Biodigestores 15

16 Atividade A produção de biogás no setor avícola é viável economicamente. O custo com energia representa aproximadamente 4% do custo total de produção das aves em um sistema totalmente automatizado. As Tabelas a seguir mostram resultados de produção de biogás a partir da cama dos aviários e do consumo de energia para a produção dessas aves. Todos os dados referem-se a aves de corte. A partir dessa tabelas, faça uma estimativa: a) do porcentual de economia de energia elétrica nessa atividade se a cama for destinada à produção de biogás; b) da redução porcentual do custo de produção das aves. Considere apenas um ciclo e os valores médios dos três tipos de cama. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 16

17 - Atividade Fontes alternativas de energia - Biodigestores 17

18 - Atividade Fontes alternativas de energia - Biodigestores 18

BIODIGESTORES RURAIS: MODELO INDIANO, CHINÊS E BATELADA

BIODIGESTORES RURAIS: MODELO INDIANO, CHINÊS E BATELADA BIODIGESTORES RURAIS: MODELO INDIANO, CHINÊS E BATELADA Dr. Roberto Deganutti 1, Drª Maria do Carmo Jampaulo Plácido Palhaci 2, Ms. Marco ª Rossi 3, Bel. Roberto Tavares 4, Bel. Claudemilson dos Santos

Leia mais

Uso e Aproveitamento do Biogás

Uso e Aproveitamento do Biogás UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA DENA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA DE SEMINÁRIO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA Uso e Aproveitamento do Biogás

Leia mais

Biodigestores. Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti

Biodigestores. Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti Biodigestores Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti 1. Considerações iniciais A utilização de biodigestores: assunto atualmente em evidência pela importância Mais uma fonte alternativa para geração de

Leia mais

BIODIGESTORES RURAIS: MODELO INDIANO, CHINÊS E BATELADA

BIODIGESTORES RURAIS: MODELO INDIANO, CHINÊS E BATELADA BIODIGESTORES RURAIS: MODELO INDIANO, CHINÊS E BATELADA Dr. Roberto Deganutti 1, Drª Maria do Carmo Jampaulo Plácido Palhaci 2, Ms. Marco ª Rossi 3, Bel. Roberto Tavares 4, Bel. Claudemilson dos Santos

Leia mais

Palavras chave: biodigestor, biogás, biofertilizante, combustão, energia

Palavras chave: biodigestor, biogás, biofertilizante, combustão, energia Aspectos teóricos na produção de biogás e biofertilizante pelo mecanismo de biodigestão e geração de energia elétrica limpa através de um gerador específico Hytalo de Oliveira Andrade 1, Gladson Diniz

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES FAMILIARES

A UTILIZAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES FAMILIARES A UTILIZAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES FAMILIARES Helder Rodrigues da Silva 1 ; Mauricio Cesar Vitória Fagundes 2. RESUMO O biodigestor compõe-se, de uma câmara fechada na qual a biomassa

Leia mais

Geração de Renda a Partir dos Dejetos da Suinocultura: Biofertilizante, Biogás e Energia Elétrica

Geração de Renda a Partir dos Dejetos da Suinocultura: Biofertilizante, Biogás e Energia Elétrica APROVEITAMENTO ECONÔMICO DOS RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE SUÍNOS Geração de Renda a Partir dos Dejetos da Suinocultura: Biofertilizante, Biogás e Energia Elétrica Fabiano Coser Fabrício Oliveira Leitão MINISTÉRIO

Leia mais

Análise da implantação de biodigestores em pequenas propriedades rurais, dentro do contexto da produção limpa

Análise da implantação de biodigestores em pequenas propriedades rurais, dentro do contexto da produção limpa Análise da implantação de biodigestores em pequenas propriedades rurais, dentro do contexto da produção limpa Gilson Eduardo Tarrento (Unesp) gilsonet@feb.unesp.br José Carlos Martinez (Unesp) martinez@feb.unesp.br

Leia mais

PROTOCOLO DE KYOTO E REDUÇÕES CERTIFICADAS DE EMISSÕES - OPORTUNIDADES ECONÔMICAS PARA OS SUINOCULTORES

PROTOCOLO DE KYOTO E REDUÇÕES CERTIFICADAS DE EMISSÕES - OPORTUNIDADES ECONÔMICAS PARA OS SUINOCULTORES PROTOCOLO DE KYOTO E REDUÇÕES CERTIFICADAS DE EMISSÕES - OPORTUNIDADES ECONÔMICAS PARA OS SUINOCULTORES Paulo Guilherme Furtado Gerente de Operações Ambientais AgCert do Brasil Soluções Ambientais Introdução

Leia mais

DIMESIONAMENTO DE PLANTA DE PRODUÇÃO DE BIOGÁS UTILIZANDO BIODIGESTOR DO TIPO SERTANEJO

DIMESIONAMENTO DE PLANTA DE PRODUÇÃO DE BIOGÁS UTILIZANDO BIODIGESTOR DO TIPO SERTANEJO DIMESIONAMENTO DE PLANTA DE PRODUÇÃO DE BIOGÁS UTILIZANDO BIODIGESTOR DO TIPO SERTANEJO Fernanda Siqueira Lima; José Mariano da Silva Neto; José Nilton Silva Universidade Federal de Campina Grande fsl_nanda@hotmail.com

Leia mais

Autores: Rosane Bueno Machado Gilberto Theis

Autores: Rosane Bueno Machado Gilberto Theis Utilização de biodigestores em pequenas e médias propriedades rurais com ênfase na agregação de valor: um estudo de caso na região das missões do rio grande do sul Autores: Rosane Bueno Machado Gilberto

Leia mais

(um espaço) PRODUÇÃO DE BIOGÁS A PARTIR DE UM BIODIGESTOR CASEIRO

(um espaço) PRODUÇÃO DE BIOGÁS A PARTIR DE UM BIODIGESTOR CASEIRO PRODUÇÃO DE BIOGÁS A PARTIR DE UM BIODIGESTOR CASEIRO FURMAN, L. P. 1, BARTMER, L. 1, SOUZA, T. R. 1, LIENDO, M. A. 1 1 Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA, Faculdade de Engenharia Química E-mail

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL BIODIGESTOR CASEIRO FABRICADO COM MATERIAIS SIMPLES, DE BAIXO CUSTO E FÁCIL CONSTRUÇÃO PARA A GERAÇÃO DE

Leia mais

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia 10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia PROBLEMAS ENERGÉTICOS DA ACTUALIDADE O avanço científico e tecnológico da nossa sociedade provocou o aumento acelerado

Leia mais

Composição. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé

Composição. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé Composição O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé Na natureza, ele é encontrado acumulado em rochas porosas no subsolo, frequentemente acompanhad

Leia mais

Prof. Luís Fernando Pagotti

Prof. Luís Fernando Pagotti Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti energia não pode ser criada nem destruída, só pode ser transformada! Como Converter Energia? Combustores;

Leia mais

Fontes renováveis e não-renováveis de energia. Amanda Vieira dos Santos Giovanni Souza

Fontes renováveis e não-renováveis de energia. Amanda Vieira dos Santos Giovanni Souza Fontes renováveis e não-renováveis de energia Amanda Vieira dos Santos 8941710 Giovanni Souza - 9021003 Fontes renováveis e não-renováveis de energia Usos para a energia: Com o avanço tecnológico passamos

Leia mais

1.0 Introdução. Resumo

1.0 Introdução. Resumo ESTUDO DA VIABILIDADE DE UM BIODIGESTOR NO MUNICÍPIO DE DOURADOS Mirko V. Turdera e Danilo Yura Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS mirko@uems.br Resumo Este trabalho apresenta a pesquisa

Leia mais

ISSN: Biodigestores: seus modelos e aplicações

ISSN: Biodigestores: seus modelos e aplicações 57 ISSN: 2316-4093 Biodigestores: seus modelos e aplicações Késia Damaris de Azevedo Frigo¹, Armin Feiden², Natasha Barchinsk Galant¹, Reginaldo Ferreira Santos², Angelo Gabriel Mari³, Elisandro Pires

Leia mais

Recursos Energéticos e Ambiente. Aula 4. Organização da Aula. Energia Solar. Contextualização Parte 1. Instrumentalização. 1.

Recursos Energéticos e Ambiente. Aula 4. Organização da Aula. Energia Solar. Contextualização Parte 1. Instrumentalização. 1. Recursos Energéticos e Ambiente Organização da Aula Aula 4 1. Energia solar Profa. Vanessa Mafra Pio 2. Bioeletricidade e biogás História Energia Solar Contextualização Parte 1 1839 efeito fotovoltaico

Leia mais

REDUÇÃO DE SOLIDOS DE DEJETOS DE POEDEIRAS EM BIODIGESTORES OPERADOS COM DIFERENTES TEMPO DE RETENÇÃO HIDRÁULICA

REDUÇÃO DE SOLIDOS DE DEJETOS DE POEDEIRAS EM BIODIGESTORES OPERADOS COM DIFERENTES TEMPO DE RETENÇÃO HIDRÁULICA REDUÇÃO DE SOLIDOS DE DEJETOS DE POEDEIRAS EM BIODIGESTORES OPERADOS COM DIFERENTES TEMPO DE RETENÇÃO HIDRÁULICA Fabiane Ortiz do Carmo Gomes 1 ; Nanci Cappi 2 1 Estudante do curso de Zootecnia da UEMS,

Leia mais

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C.

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. H (g) + 1/2 O (g) ë H O(Ø) (ÐH) H (g) + 1/2 O (g) ë H O(s) (ÐH) A diferença entre os efeitos térmicos, (ÐH) - (ÐH), é igual a) a

Leia mais

Biodigestor, uma solução de baixo custo para pequenas propriedades. Biodigestor, low cost solution for small farms

Biodigestor, uma solução de baixo custo para pequenas propriedades. Biodigestor, low cost solution for small farms 13615 - Biodigestor, uma solução de baixo custo para pequenas propriedades Biodigestor, low cost solution for small farms MARTINS, D 1 ; BICA, G. S. 2 ¹Tecnólogo em Agroecologia pela UFPR Setor Litoral,

Leia mais

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014 INSTALAÇÕES DE GÁS Profª Maria Cleide Curso técnico em edificações 2014 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: Gás natural; Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). Gás natural É composto por uma mistura

Leia mais

I SENEDES I SEMINÁRIO NORDESTINO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL A Água e o Desenvolvimento Sustentável do Nordeste

I SENEDES I SEMINÁRIO NORDESTINO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL A Água e o Desenvolvimento Sustentável do Nordeste IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E SOCIOAMBIENTAL DA BIODIGESTÃO ANAERÓBICA Comunicação Oral Eixo Temático: Planejamento, Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável José Ozildo dos Santos 1 Rosélia Maria de Sousa

Leia mais

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL Prof.º: Carlos D Boa - geofísica Introdução Biocombustíveis (Biodiesel, Etanol e Hidrogênio) Biogás Biomassa Energia Eólica Energia das Marés Energia Hidrelétrica Energia Solar

Leia mais

23/6/2010. Dejetos fezes, urina, bebedouros, higienização e resíduos suínos, aves e bovinos leiteiros Confinamento. Dejetos.

23/6/2010. Dejetos fezes, urina, bebedouros, higienização e resíduos suínos, aves e bovinos leiteiros Confinamento. Dejetos. Dejetos fezes, urina, bebedouros, higienização e resíduos suínos, aves e bovinos leiteiros Confinamento Jean Berg Carolina Mendes Dejetos Manejo Riscos sanitários Homem e animal Difusão de microrganismo

Leia mais

METANO PRODUZIDO EM BIODIGESTOR ANAERÓBICO A PARTIR DE DEJETOS SUÍNOS: FONTE DE ENERGIA PARA A PRODUÇÃO

METANO PRODUZIDO EM BIODIGESTOR ANAERÓBICO A PARTIR DE DEJETOS SUÍNOS: FONTE DE ENERGIA PARA A PRODUÇÃO METANO PRODUZIDO EM BIODIGESTOR ANAERÓBICO A PARTIR DE DEJETOS SUÍNOS: FONTE DE ENERGIA PARA A PRODUÇÃO Arndt, B. E. 1 ; Hartmann, C. R. 1 ; Arndt, F. R. 1 ; da Cruz, Jhuliane A. K. 1 ; Volstein, M. 1

Leia mais

48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04

48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04 48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04 2 OS BENEFÍCIOS DO GÁS NATURAL PARA A INDÚSTRIA CERÂMICA HUDSON BRITO 3 COMGÁS - Fundada em 28/08/1872 Segunda distribuidora mais antiga do Brasil

Leia mais

Fonte Características Vantagens Desvantagens

Fonte Características Vantagens Desvantagens Fonte Características Vantagens Desvantagens Hidrelétrica Uso da força dos rios para produção de energia elétrica Fonte não poluente e renovável Alto custo de implantação e grande impacto ambiental e econômico

Leia mais

DEFINIÇÃO. Define-se por TANQUE como aquele equipamento que acumula produtos (recipiente) em pressões inferiores a 15 psig (condição de operação)

DEFINIÇÃO. Define-se por TANQUE como aquele equipamento que acumula produtos (recipiente) em pressões inferiores a 15 psig (condição de operação) TANQUES 1 DEFINIÇÃO Os processos industriais em geral utilizam-se de tanques e vasos submetidos ou não a pressão para efetuar diversos serviços essenciais à sua continuidade, seja nos serviços de acumulação

Leia mais

Dimensionamento de Biodigestores Indiano para a cidade de Campina Grande

Dimensionamento de Biodigestores Indiano para a cidade de Campina Grande 5º Encontro Regional de Química & Blucher Chemistry Proceedings 4º Encontro Nacional de Química Novembro de 2015, Volume 3, Número 1 Dimensionamento de Biodigestores Indiano para a cidade de Campina Grande

Leia mais

Aula 2 Matriz Energética Brasileira

Aula 2 Matriz Energética Brasileira 1 Matriz Energética Aula 2 Matriz Energética Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Matriz Energética Mundial 3 Matriz Energética

Leia mais

Estimativa na Redução de Gases do Efeito Estufa com Biodigestor no Semiárido

Estimativa na Redução de Gases do Efeito Estufa com Biodigestor no Semiárido Estimativa na Redução de Gases do Efeito Estufa com Biodigestor no Semiárido Fábio dos Santos Santiago 1, Felipe Tenório Jalfim 2, Raíssa Rattes Lima de Freitas 3, Nielsen Christiannni Gomes da Silva 4,

Leia mais

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Usinas termoelétricas ( U = 0) Convertem energia térmica em energia elétrica Vantagens de uma usina termoelétrica A curto prazo, pode fornecer energia

Leia mais

Modelo de gestão ambiental para a suinocultura. Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves

Modelo de gestão ambiental para a suinocultura. Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves Modelo de gestão ambiental para a suinocultura Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves Conceito: balanço de nutrientes Fertilizantes (NPK) Propriedade

Leia mais

Energia da Biomassa Células a combustível

Energia da Biomassa Células a combustível PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula de Fontes Energia da Biomassa Células a combustível slide 1 / 19 BIOMASSA Oleoginosas (palma, canola, girassol, dendê, mamona, etc) Esmagamento Óleos

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIOGÁS POR BIODIGESTOR EM SUINOCULTURA DE SUBSISTÊNCIA

PRODUÇÃO DE BIOGÁS POR BIODIGESTOR EM SUINOCULTURA DE SUBSISTÊNCIA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 PRODUÇÃO DE BIOGÁS POR BIODIGESTOR EM SUINOCULTURA DE SUBSISTÊNCIA Porto, Lia de Mendonça (*), Oliveira, Carlos Eugênio Ávila de, Moreira, Leila de Souza * Universidade

Leia mais

Fontes de Energias Renováveis e Não Renováveis. Aluna : Ana Cardoso

Fontes de Energias Renováveis e Não Renováveis. Aluna : Ana Cardoso Fontes de Energias Renováveis e Não Renováveis Aluna : Ana Cardoso Fontes de Energias Renováveis As fontes de energia renováveis são aquelas que vem de recursos naturais e que se renovam continuamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ENERGÉTICO A PARTIR DE DEJETOS ANIMAIS

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ENERGÉTICO A PARTIR DE DEJETOS ANIMAIS AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ENERGÉTICO A PARTIR DE DEJETOS ANIMAIS T. de A. C. GONÇALVES 1,2, M. A. P. G. COUTO 2 e E. R. BORGES 2 1 Instituto Federal do Norte de Minas Gerais, Departamento de Engenharia Química

Leia mais

INSTALAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS: ANÁLISE DE VANTAGENS SOCIOAMBIENTAIS. GUILHERME DE LUCA BONTURI *& MICHEL VAN DIJK *

INSTALAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS: ANÁLISE DE VANTAGENS SOCIOAMBIENTAIS. GUILHERME DE LUCA BONTURI *& MICHEL VAN DIJK * BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE - UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 INSTALAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS: ANÁLISE DE VANTAGENS

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE BIODIGESTOR DE RESÍDUOS EM ESCALA PILOTO PARA ACOPLAMENTO EM MICRO UNIDADE DE GERAÇÃO DE ENERGIA

AUTOMAÇÃO DE BIODIGESTOR DE RESÍDUOS EM ESCALA PILOTO PARA ACOPLAMENTO EM MICRO UNIDADE DE GERAÇÃO DE ENERGIA AUTOMAÇÃO DE BIODIGESTOR DE RESÍDUOS EM ESCALA PILOTO PARA ACOPLAMENTO EM MICRO UNIDADE DE GERAÇÃO DE ENERGIA P. FERREIRA. F 1, L. GÖBEL 2 e L.R.S. BUENO 2 1 UNISOCIESC - Instituto Superior Tupy, Departamento

Leia mais

ENERGIAS RENOVAVEIS. Biocombustiveis - biomassa sólida; - biocombustíveis gasosos; - biocombustíveis líquidos Energia Solar ENERGIA EÓLICA

ENERGIAS RENOVAVEIS. Biocombustiveis - biomassa sólida; - biocombustíveis gasosos; - biocombustíveis líquidos Energia Solar ENERGIA EÓLICA ENERGIAS RENOVAVEIS Biocombustiveis - biomassa sólida; - biocombustíveis gasosos; - biocombustíveis líquidos Energia Solar ENERGIA EÓLICA 1 1. Biomassa sólida Tem como fonte os produtos e resíduos da agricultura

Leia mais

DISPONIBILIDADE, CARACTERIZAÇÃO, COLETA E PRÉ-TRATAMENTO DA BIOMASSA 13

DISPONIBILIDADE, CARACTERIZAÇÃO, COLETA E PRÉ-TRATAMENTO DA BIOMASSA 13 S U M Á R IO PREFÁCIO...11 DISPONIBILIDADE, CARACTERIZAÇÃO, COLETA E PRÉ-TRATAMENTO DA BIOMASSA 13 1 BIOMASSA NO BRASIL E NO MUNDO 15 1.1 Introdução...15 1.2 Fontes da biomassa...18 1.3 Biomassa no Brasil...

Leia mais

BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO

BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO Atuação do Grupo no Brasil Ribeirão Preto 1995 População Atendida 680.000 Mogi Mirim 2008 População Atendida: 130.000 Tratamento

Leia mais

ENERGIA movimentando a vida

ENERGIA movimentando a vida ENERGIA movimentando a vida Renováveis: é a energia que vem de recursos naturais como sol, vento, chuva e biomassa. Não-renováveis: é a energia que vem de recursos naturais, que, quando utilizados não

Leia mais

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

1. (Fuvest modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química:

1. (Fuvest modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química: Química Avaliação Mensal 3 os anos Décio e Vivian mar/12 Nome: Nº: Turma: GABARITO PROVA MENSAL 1º BIMESTRE 1. (Fuvest 2012 - modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação

Leia mais

COMBUSTÃO DEFINIÇÃO COMBUSTÍVEL - COMBURENTE - TEMPERATURA

COMBUSTÃO DEFINIÇÃO COMBUSTÍVEL - COMBURENTE - TEMPERATURA COMBUSTÃO DEFINIÇÃO COMBUSTÍVEL - COMBURENTE - TEMPERATURA Quadro 1 - Entalpia de combustão ( H), a 25ºC, de algumas substâncias encontradas nos principais combustíveis utilizados. Componente. g/mol kj/mol

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

Prof: Francisco Sallas

Prof: Francisco Sallas Prof: Francisco Sallas Classificado como hidrocarboneto aromático. Todos os aromáticos possuem um anel benzênico (benzeno), que, por isso, é também chamado de anel aromático. É líquido, inflamável, incolor

Leia mais

2º ano do Ensino Médio

2º ano do Ensino Médio 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Professor Vinícius Vanir Venturini Fontes de energia renováveis Solar Fontes de energia não renováveis Geotérmica Nuclear Petróleo Ondas

Leia mais

ATLAS DE BIOENERGIA DO BRASIL

ATLAS DE BIOENERGIA DO BRASIL ATLAS DE BIOENERGIA DO BRASIL Metodologias de cálculo da conversão energética das biomassas selecionadas Para efetuar o cálculo de conversão energética dos diversos tipos de biomassa foram estabelecidas

Leia mais

Cinética e Eq. Químico Folha 10 João Roberto Fortes Mazzei

Cinética e Eq. Químico Folha 10 João Roberto Fortes Mazzei 01. Em um recipiente de 500 ml, encontram-se, em condições de equilíbrio, 10 mol/l de H 2 (g) e 0,01 mol/l de I 2 (g). Qual é a concentração do HI(g), sabendo-se que, nas condições do experimento, a constante

Leia mais

GÁS NATURAL. A LINHA DA ECONOMIA.

GÁS NATURAL. A LINHA DA ECONOMIA. GÁS NATURAL. A LINHA DA ECONOMIA. Gás Natural. Invisível e essencial. O gás natural é o combustível fóssil mais limpo que existe. Com constituição semelhante à do petróleo, pode ser encontrado no subsolo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SUBPRODUTO PROVENIENTE DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS COMO FERTILIZANTE

UTILIZAÇÃO DO SUBPRODUTO PROVENIENTE DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS COMO FERTILIZANTE UTILIZAÇÃO DO SUBPRODUTO PROVENIENTE DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS COMO FERTILIZANTE Marcelo Tavares Vieira Graduando em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Diogo Henrique

Leia mais

USO DE BIODIGESTORES PARA O TRATAMENTO DA CAMA DE FRANGO: CONCEITOS IMPORTANTES PARA A PRODUÇÃO DE BIOGÁS

USO DE BIODIGESTORES PARA O TRATAMENTO DA CAMA DE FRANGO: CONCEITOS IMPORTANTES PARA A PRODUÇÃO DE BIOGÁS USO DE BIODIGESTORES PARA O TRATAMENTO DA CAMA DE FRANGO: CONCEITOS IMPORTANTES PARA A PRODUÇÃO DE BIOGÁS 1 Julio Cesar Pascale Palhares, Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Área de avaliação de impacto

Leia mais

Gás de Aterro. Gás de Aterro: Composição Típica

Gás de Aterro. Gás de Aterro: Composição Típica Gás de Aterro Conceitos Básicos sobre Gás de Aterro Produzido pela decomposição dos resíduos sólidos Quantidade & composição dependem das características dos resíduos Aumentar os resíduos orgânicos aumenta

Leia mais

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v QUÍMICA 1ª QUESTÃO Umas das reações possíveis para obtenção do anidrido sulfúrico é a oxidação do anidrido sulfuroso por um agente oxidante forte em meio aquoso ácido, como segue a reação. Anidrido sulfuroso

Leia mais

Tipos de Usinas Elétricas

Tipos de Usinas Elétricas Tipos de Usinas Elétricas Professor: Xuxu USINAS GERADORAS DE ELETRICIDADE Uma usina elétrica pode ser definida como um conjunto de obras e equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica,

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO USO IRREGULAR DE DEJETOS DE SUÍNOS NO SOLO

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO USO IRREGULAR DE DEJETOS DE SUÍNOS NO SOLO IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO USO IRREGULAR DE DEJETOS DE SUÍNOS NO SOLO Rodrigo de Almeida Silva (1) ; Rita Maria de Souza (2) ; Érica Nacif Rufino Vieira (3) ; (1) Graduando do curso de Gestão Ambiental,

Leia mais

Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: Uma abordagem do custo de geração da energia

Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: Uma abordagem do custo de geração da energia Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: Uma abordagem do custo de geração da energia Anderson Catapan (UFPR) - andecatapan@yahoo.com.br Dariane Cristina Catapan (FATEC) -

Leia mais

Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos

Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos Adriano Divino Lima Afonso 1, João Batista Guerra Júnior 2, Marcelo José da Silva 2 69 1 Professor Adjunto da Universidade Estadual

Leia mais

Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica

Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti Objetivo: Apresentar uma visão geral sobre circuitos elétricos, com ênfase à segurança das instalações e às características

Leia mais

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Florianópolis, 21 de outubro de 2013 Assuntos: Plano de Consultoria do Teste de Queima; Diagnóstico Inicial; Plano do Teste de Queima; Plano de

Leia mais

Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio QUÍMICA AMBIENTAL

Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio QUÍMICA AMBIENTAL Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio QUÍMICA AMBIENTAL COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Combustível: material cuja queima é utilizada para produzir calor, energia ou luz. Características: disponibilidade,

Leia mais

Introdução. Definição

Introdução. Definição Introdução Definição O carvão vegetal é um subproduto florestal resultante da pirólise da madeira, também conhecida como carbonização ou destilação seca da madeira. É um método destrutivo. No processo

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO INDIVIDUAL DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMA DE TRATAMENTO INDIVIDUAL DE ESGOTO SANITÁRIO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Hidráulica e Saneamento Curso: Engenharia Civil Disciplina: TH030 - Sistemas Prediais Hidráulicos Sanitários Prof.ª Heloise Garcia Knapik

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 15.1 Conteúdo: Principais Fontes de Energia

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 15.1 Conteúdo: Principais Fontes de Energia 15.1 Conteúdo: Principais Fontes de Energia 15.1 Habilidade: Verificar as principais fontes de energia utilizadas atualmente, analisando sua importância para o desenvolvimento da sociedade Revisão: Espaço

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS OU CICLOS DA MATÉRIA

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS OU CICLOS DA MATÉRIA CICLOS BIOGEOQUÍMICOS OU CICLOS DA MATÉRIA Conjunto dos processos biológicos, geológicos, químicos e físicos responsáveis pela circulação da matéria (entrada, transferência e reciclagem). Profº. Moisés

Leia mais

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel /

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel / www.metlor.com Caldeira a Pellets aqualuxo Informações de segurança Atenção: o interior da máquina pode atingir em funcionamento elevadas temperaturas que provocam queimaduras graves, manter crianças afastadas

Leia mais

A Digestão Anaeróbia em ETAR / Conceitos. Leonor Amaral

A Digestão Anaeróbia em ETAR / Conceitos. Leonor Amaral A Digestão Anaeróbia em ETAR / Conceitos Objetivo 6. Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos Palavra chave Resultados Anaerobic digestion 1.090.000 Biogas 13.300.000

Leia mais

Prof. Gonçalo Rendeiro

Prof. Gonçalo Rendeiro UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA GRUPO DE ENERGIA, BIOMASSA & MEIO AMBIENTE 2º SEMINÁRIO ESTUDANTIL SOBRE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Gestão Ambiental: Análise de viabilidade e dimensionamento de um biodigestor para geração de energia elétrica e biofertilizante

Gestão Ambiental: Análise de viabilidade e dimensionamento de um biodigestor para geração de energia elétrica e biofertilizante Gestão Ambiental: Análise de viabilidade e dimensionamento de um biodigestor para geração de energia elétrica e biofertilizante Andre Cristiano Pederiva (FAHOR) ap000739@fahor.com.br Thiago Rafael Spillari

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. A tabela

Leia mais

Tipos de Usinas Elétricas

Tipos de Usinas Elétricas Tipos de Usinas Elétricas USINAS GERADORAS DE ELETRICIDADE Uma usina elétrica pode ser definida como um conjunto de obras e equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica, através de aproveitamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUDANÇAS CLIMÁTICAS O Clima está MUDANDO O que isto significa para VOCÊ? Qual a diferença entre tempo e clima? Tempo se refere à chuva, à temperatura,

Leia mais

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt Biogás Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt O que é o Biogás? É um gás produzido através de resíduos orgânicos que estão em

Leia mais

Aula Manejo de dejetos suinos 1/9. Produção de suínos. Eduardo Viola

Aula Manejo de dejetos suinos 1/9. Produção de suínos. Eduardo Viola 1/9 Produção de suínos Eduardo Viola 2/9 Manejo de dejetos Suínos Transformando problemas ambientais em alternativas tecnológicas Introdução 3/9 Brasil Aproximadamente 82% dos suínos são criados em pequenas

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA ENERGIA: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E CONSTEXTO ATUAL ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS 1 PETRÓLEO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO QUEM SOMOS Fundadada em dezembro de 2013 Missão ser um canal de interlocução com a sociedade civil, os governos federal e estaduais, as autarquias e os órgãos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS LADEMIR LUIZ BEAL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA PERCENTUAL DE ENERGIA RENOVÁVEL DIGESTÃO ANAERÓBIA PROCESSO MICROBIOLÓGICO

Leia mais

EMPREGO DO BALANÇO DE MASSA NA AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

EMPREGO DO BALANÇO DE MASSA NA AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EMPREGO DO BALANÇO DE MASSA NA AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Valderi Duarte Leite (1) Professor - UEPB Graduação: Engenharia Química - UFPB Mestrado: Engenharia

Leia mais

Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio FONTE DE HIDROCARBONETOS

Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio FONTE DE HIDROCARBONETOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio FONTE DE HIDROCARBONETOS PETRÓLEO: ECONOMIA E POLÍTICA Energia petróleo fonte de combustível e matéria-prima. Distribuição das reservas de petróleo

Leia mais

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO USO DE BIOGÁS COMO COMBUSTÍVEL

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO USO DE BIOGÁS COMO COMBUSTÍVEL EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO USO DE BIOGÁS COMO COMBUSTÍVEL Rainy da CONCEIÇÃO SOARES (1); Simone RAQUEL CALDEIRA MOREIRA DA SILVA 02 (2) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL DE UTILIZAÇÃO DE BIODIGESTORES EM UMA FAZENDA NO RECREIO DOS BANDEIRANTES, RIO DE JANEIRO.

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL DE UTILIZAÇÃO DE BIODIGESTORES EM UMA FAZENDA NO RECREIO DOS BANDEIRANTES, RIO DE JANEIRO. ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL DE UTILIZAÇÃO DE BIODIGESTORES EM UMA FAZENDA NO RECREIO DOS BANDEIRANTES, RIO DE JANEIRO. SILVIO CARLOS ANIBAL DE ALMEIDA 1 silvioa@gmail.com VIGNICIUS

Leia mais

Estudo e Levantamento das Melhores Soluções Técnicas para uma Unidade de Valorização de Biomassa como Combustível

Estudo e Levantamento das Melhores Soluções Técnicas para uma Unidade de Valorização de Biomassa como Combustível Estudo e Levantamento das Melhores Soluções Técnicas para uma Unidade de Valorização de Biomassa como Combustível 1. Enquadramento De acordo com a prestação de serviços para o Desenvolvimento de uma unidade

Leia mais

Potencial da biomassa florestal para produção de energia térmica

Potencial da biomassa florestal para produção de energia térmica Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Florestal Potencial da biomassa florestal para produção de energia térmica Marcos Antonio da Silva Miranda Orientador:

Leia mais

Funções da Atmosfera. pág Q

Funções da Atmosfera. pág Q A Atmosfera A atmosfera é a mistura de gases que envolve a Terra; O seu limite situa-se a cerca de 1000 Km acima do nível do mar, mas 99% da massa que constitui a atmosfera localiza-se a menos de 40 km

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00016/ SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00016/ SRP 66 - UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ARIDO/RN 153033 - UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00016/015-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - CONJUNTO OXIGÊNIO

Leia mais

09/09/ Agosto/2012

09/09/ Agosto/2012 09/09/2012 1 Agosto/2012 Caldeiras 09/09/2012 2 CALDEIRAS Histórico 1698 - O inglês Thomas Savery patenteou um sistema de bombeamento de água utilizando vapor como força motriz. 1711 Newcomen desenvolveu

Leia mais

Professora Sikandra Silveira

Professora Sikandra Silveira De que materiais são feitos os objetos da imagem? De onde são retirados? MINERAIS E MINÉRIOS Professora Sikandra Silveira MINERAIS E MINÉRIOS Hematita (minério de ferro): Ferro + Oxigênio Galena (minério

Leia mais

APLICATIVO COMPUTACINAL PARA DIMENSIONAMENTO DE UM BIODIGESTOR PILOTO. por ALEX VIANA VELOSO

APLICATIVO COMPUTACINAL PARA DIMENSIONAMENTO DE UM BIODIGESTOR PILOTO. por ALEX VIANA VELOSO Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Núcleo de Engenharia Mecânica APLICATIVO COMPUTACINAL PARA DIMENSIONAMENTO DE UM BIODIGESTOR PILOTO por ALEX VIANA VELOSO Trabalho

Leia mais

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara 1. CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS - Observe um objeto perto de você. Você já parou para pensar do que ele é feito e quantas etapas foram necessárias

Leia mais

Tópico I - Composição da atmosfera da Terra. Notas de aula de Meteorologia Ambiental Profa. Maria de Fatima Andrade

Tópico I - Composição da atmosfera da Terra. Notas de aula de Meteorologia Ambiental Profa. Maria de Fatima Andrade Tópico I - Composição da atmosfera da Terra Notas de aula de Meteorologia Ambiental 2014 Profa. Maria de Fatima Andrade A composição da atmosfera da Terra é o resultado de vários processos que ocorreram

Leia mais

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR ASSESSORIA TÉCNICA Processo Avaliativo Recuperação - 3º Bimestre/2015 Disciplina: QUÍMICA 3ª série EM A/B Nome do aluno Nº Turma A Recuperação deve ser entregue no dia 08/09/2015.

Leia mais

Petróleo. O petróleo é um líquido oleoso, menos denso que a água, cuja cor varia segundo a origem, oscilando do negro ao âmbar.

Petróleo. O petróleo é um líquido oleoso, menos denso que a água, cuja cor varia segundo a origem, oscilando do negro ao âmbar. Petróleo e Carvão Petróleo O petróleo é um líquido oleoso, menos denso que a água, cuja cor varia segundo a origem, oscilando do negro ao âmbar. É encontrado no subsolo, em profundidades variáveis e é

Leia mais

Tratamento de resíduos

Tratamento de resíduos Tratamento de resíduos Resíduo: Um resíduo é qualquer substância ou objecto de que o ser humano pretende desfazer-se por não lhe reconhecer utilidade. Prioridades a seguir no tratamento de resíduos sólidos:

Leia mais

QUÍMICA ENSINO MÉDIO PROF.ª DARLINDA MONTEIRO 3 ANO PROF.ª YARA GRAÇA

QUÍMICA ENSINO MÉDIO PROF.ª DARLINDA MONTEIRO 3 ANO PROF.ª YARA GRAÇA QUÍMICA 3 ANO PROF.ª YARA GRAÇA ENSINO MÉDIO PROF.ª DARLINDA MONTEIRO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Vida e ambiente 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 6 Conteúdos Efeito estufa. Fontes de energia alternativa.

Leia mais

Processamento da Energia de Biocombustíveis

Processamento da Energia de Biocombustíveis Processamento da Energia de Biocombustíveis Professor: Marcello Mezaroba Dr. Email: marcello.mezaroba@udesc.br Junho de 2016 Sumário I. Biomassa II. Cogeração de energia a partir de biocombustíveis III.

Leia mais