UNIVERSALIDADE. O Modelo de Atenção á Saúde ESF INTEGRALIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSALIDADE. O Modelo de Atenção á Saúde ESF INTEGRALIDADE"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE ALAGOAS SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GERÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DE GRUPOS ESPECÍFICOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO INTEGRAL PARA HIPERTENSOS, DIABÉTICOS E RENAIS CRÔNICOS ALAGOAS

2 DIRETRIZES UNIVERSALIDADE DEMOCRATIZAÇÃO E CONTROLE SOCIAL O Modelo de Atenção á Saúde ESF EQUIDADE INTEGRALIDADE

3 PORTARIA Nº 648, DE 28 DE MARÇO DE 2006 Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Estratégia de Agentes Comunitários de Saúde(EACS). Áreas Estratégicas de atuação: Saúde da Criança Saúde da Mulher Saúde do Idoso Controle da HAS e DM Controle da TB Eliminação da Hanseníase Saúde Bucal Eliminação da desnutrição infantil Promoção a Saúde

4 ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Constitui uma estratégia para a organização e fortalecimento da atenção básica no Brasil, objetivando: Areorganização do Modelo de Atenção àsaúde Areorientação das PráticasProfissionais Unidades de Saúde da Família devem ser: A porta de entrada para um sistema hierarquizado e regionalizado Responsáveis por atender e resolver 85% das demandas de saúde da população

5 VIGITEL Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Um dos principais objetivos do VIGITEL é o de propiciar séries históricas que caracterizem a evolução anual da freqüência dos principais fatores de risco e proteção para doenças crônicas no país

6 Cadernos de Atenção Básica Protocolos

7 Assistência farmacêutica: Portaria GM 3237/dez 2007 RENAME Relação Nacional de de Medicamentos Essenciais e Essenciais nos Protocolos e nos Protocolos Elenco de referência : Alfametildopa 250mg -para uso por gestantes Anlodipino 5 mg Captopril 25 mg; Enalapril 5mg Glibenclamida 5mg ; Glicazida (80) 30mg Hidroclorotiazida 25mg Metformina 850mg Propranolol (cloridrato) 40 mg ; Atenolol 50 mg Digoxina 0,25 mg HD Sinvastatina 40 mg Losartana 20mg Insulina R e Insulina NPH 100UI frasco ampola (Aquisição e distribuição de responsabilidade do MS) Insumos para o auto-cuidado de DM (Aquisição e distribuição de responsabilidade de estados e municípios) (Análogos de Insulinas tramita na CITEC para análise de incorporação)

8 Sis-Hiperdia versão 2.0

9 Sis-Hiperdia É um sistema informatizado que permite cadastrar e acompanhar os portadores de hipertensão arterial e/ou diabetes mellitus, captados e vinculados às unidades de saúde ou equipes da Atenção Básica do Sistema Único de Saúde SUS.

10 Número de hipertensos auto-referidos estimados e cadastrados no SISHIPERDIA por regiões de saúde. Alagoas, maio Fonte: MS/SAS/DAB VIGITEL 2009

11 Fonte: MS/SAS/DAB VIGITEL 2009 Percentual de hipertensos auto-referidos cadastrados no SISHIPERDIA por regiões de saúde. Alagoas, maio 2010.

12 Percentual de hipertensos cadastrados no SISHIPERDIA. Alagoas, maio % e mais 6 municípios 0-50% - 76 municípios 0% - 19 municípios Cobertura de ESF menor que 100% - 22 municípios Fonte: MS/SAS/DAB VIGITEL 2009

13 Percentual de hipertensos cadastrados e acompanhados no SIAB. Alagoas, jun % - 95 municípios < 90% - 7 municípios Cobertura de ESF menor que 100% - 22 municípios Fonte: MS/SAS/DAB VIGITEL 2009

14 Número de diabéticos auto-referidos estimados e cadastrados no SISHIPERDIA por regiões de saúde. Alagoas, maio Fonte: MS/SAS/DAB VIGITEL 2009

15 Percentual de diabéticos auto-referidos cadastrados no SISHIPERDIA por regiões de saúde. Alagoas, maio Fonte: MS/SAS/DAB VIGITEL 2009

16 Percentual de pacientes diabéticos cadastrados no SISHIPERDIA. Alagoas, maio % e mais 12 municípios 0-50% - 71 municípios 0% - 19 municípios Cobertura de ESF menor que 100% - 22 municípios Fonte: MS/SAS/DAB VIGITEL 2009

17 Percentual de diabéticos cadastrados e acompanhados no SIAB. Alagoas, jun % - 96 municípios < 90% - 6 municípios Cobertura de ESF menor que 100% - 22 municípios Fonte: MS/SAS/DAB VIGITEL 2009

18 Ranking das três principais causas de internações por condições sensíveis a atenção primária em homens na faixa etária de 20 a 59 anos segundo regiões de saúde. Alagoas, 2009 Ranking 1 a. Região 2 a. Região 3 a. Região 4 a. Região 5 a. Região 1 o. lugar cardíaca (17,99)% (20,60%) (28,55%) (27,42%) (26,86%) 2 o. lugar 3 o. lugar (15,58%) Deficiência nutricionais (10,49%) cardíaca (13,47%) (13,08%) Deficiências nutricionais (11,39%) (11,15%) cardíaca (9,99%) Doenças cerebrovasculares (9,30%) cardíaca (18,35%) Deficiências nutricionais (9,84%) Ranking das três principais causas de internações por condições sensíveis a atenção primária em mulheres na faixa etária de 20 a 59 anos segundo regiões de saúde. Alagoas, 2009 Ranking 1 a. Região 2 a. Região 3 a. Região 4 a. Região 5 a. Região 1 o. lugar cardíaca (13,06%) (16,02%) (28,23%) ( 24,76%) (31,98%) 2 o. lugar 3 o. lugar (12,56%) (11,56%) Doença Inflamatória pélvica (12,32%) (11,01%) Infecção no rim e trato urinário (13,57%) Deficiências nutricionais (8,16%) Infecção no rim e trato urinário (17,35%) Hipertensão (10,88%) Infecção no rim e trato urinário (12,39%) cardíaca (12,16%) FONTE: DATASUS, MS, 2009

19 Ranking das três principais causas de internações por condições sensíveis a atenção primária em homens na faixa etária de 60 anos e mais segundo regiões de saúde. Alagoas, 2009 Ranking 1 a. Região 2 a. Região 3 a. Região 4 a. Região 5 a. Região 1 o. lugar 2 o. lugar 3 o. lugar Doenças cerebrovasculares (19,74%) cardíaca (18,97%) (12,18%) cardíaca (19,03%) Doenças cerebrovasculares (13,12%) (11,74%) cardíaca (18,74%) Doenças cerebrovasculares (15,65%) (14,06%) cardíaca (26,45%) Doenças cerebrovasculares (20,65%) (11,12%) cardíaca (24,35%) (17,20%) Doenças cerebrovasculare s (16,14%) Ranking das três principais causas de internações por condições sensíveis a atenção primária em mulheres na faixa etária de 60 anos e mais segundo regiões de saúde. Alagoas, 2009 Ranking 1 a. Região 2 a. Região 3 a. Região 4 a. Região 5 a. Região 1 o. lugar 2 o. lugar Doenças cerebrovasculares (17,41%) (15,67%) (21,39%) cardíaca (17,60%) (19,83%) (16,17%) cardíaca (19,54%) Doenças cerebrovasculares (18,87%) (20,88%) cardíaca (18,96%) 3 o. lugar cardíaca (15,44%) (14,46%) cardíaca (16,00%) (14,13%) (16,21%) FONTE: DATASUS, MS, 2009

20 OBRIGADA! (82) /1132/2874

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR DIABETES CLORIDRATO DE METFORMINA 500 MG 7898361881566 DIABETES CLORIDRATO DE METFORMINA 500 MG 7898361881573 DIABETES CLORIDRATO DE METFORMINA 850 MG 7898361881580 DIABETES CLORIDRATO DE METFORMINA 850

Leia mais

Prevenção e Cuidado integrados para o. Mellitus

Prevenção e Cuidado integrados para o. Mellitus MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Geral de Hipertensão e Diabetes Prevenção e Cuidado integrados para o Controle da Hipertensão Arterial

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA

REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA Supervisão Técnica de Saúde de Parelheiros REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA Álbum Seriado REMÉDIO EM CASA O que é o Programa Remédio em Casa? O Programa Remédio em Casa consiste na entrega, via

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02 MG 7896026302432 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02 MG 7896026302449 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02 MG 7896026300193 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25 MG 7896026300216 ASMA

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026300193 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302449 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302432 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896026300216 ASMA BROMETO

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR (atualizado em 16/03/2015)

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR (atualizado em 16/03/2015) ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026300193 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302449 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302432 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896026300216 ASMA BROMETO

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR (atualizado em 01/06/2015)

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR (atualizado em 01/06/2015) ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302449 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302432 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896026300216 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896004725420 ASMA BROMETO

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02 MG 7896026302449 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02 MG 7896026302432 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02 MG 7896026300193 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896672202407 ASMA BROMETO

Leia mais

IMPACTO DO PROGRAMA HIPERDIA NO ACESSO A MEDICAMENTOS DE USO CONTÍNUO EM IDOSOS DO SUL E NORDESTE DO BRASIL

IMPACTO DO PROGRAMA HIPERDIA NO ACESSO A MEDICAMENTOS DE USO CONTÍNUO EM IDOSOS DO SUL E NORDESTE DO BRASIL IMPACTO DO PROGRAMA HIPERDIA NO ACESSO A MEDICAMENTOS DE USO CONTÍNUO EM IDOSOS DO SUL E NORDESTE DO BRASIL Vera Maria Vieira Paniz Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini; Andréa Dâmaso Bertoldi;

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026300193 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302449 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302432 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896026300216 ASMA BROMETO

Leia mais

O PAPEL DA SOCIEDADE E DO GOVERNO NA ABORDAGEM DO PACIENTE HIPERTENSO O que o governo faz e pode fazer?

O PAPEL DA SOCIEDADE E DO GOVERNO NA ABORDAGEM DO PACIENTE HIPERTENSO O que o governo faz e pode fazer? O PAPEL DA SOCIEDADE E DO GOVERNO NA ABORDAGEM DO PACIENTE HIPERTENSO O que o governo faz e pode fazer? Políticas públicas são ferramentas indispensáveis para prevenir e controlar as DCNTs prevenir e/ou

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense *

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * ALINE DE MOURA SOUZA 1 SUZANA MARTA CAVENAGHI 2 Introdução Este trabalho tem por objetivo apresentar informações referentes à

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR (atualizado em 11/03/2016)

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR (atualizado em 11/03/2016) ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302432 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302449 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896112157380 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896006210108 ASMA BROMETO

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Coordenadora Nacional de Diabetes Melitus e Hipertensão Arterial Departamento de Atenção Básica

Coordenadora Nacional de Diabetes Melitus e Hipertensão Arterial Departamento de Atenção Básica Situação atual da atenção à hipertensão e diabetes - HiperDia no Sistema Único de Saúde Coordenadora Nacional de Diabetes Melitus e Hipertensão Arterial Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção

Leia mais

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é Diabetes: Proteja Nosso Futuro Ações do Ministério da Saúde 14 de novembro Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no

Leia mais

Guia prático para gestão do cuidado na Atenção Básica / Saúde da Família

Guia prático para gestão do cuidado na Atenção Básica / Saúde da Família Prevenção e Cuidado Integral a Hipertensão Arterial e Diabetes Melitus Uma estratégia nacional Guia prático para gestão do cuidado na Atenção Básica / Saúde da Família Maio 2010 História natural das DCNT

Leia mais

Autor: Ana Letícia Melito

Autor: Ana Letícia Melito 1 ENTREGA DE MEDICAMENTOS EM DOMICÍLIO POR SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE Autor: Ana Letícia Melito Farmacêutica da TPC/Pronto Express Operador Logístico contratado pela SMS SP Atualmente adotado pelas SMS

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º2.831 DE 01º NOVEMBRO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º2.831 DE 01º NOVEMBRO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º2.831 DE 01º NOVEMBRO DE 2007 Atualiza o elenco e o quantitativo de medicamentos para o atendimento das pessoas presas vinculadas às equipes de saúde do Sistema Penitenciário

Leia mais

Oficina de Formação de Tutores

Oficina de Formação de Tutores Estratégia Nacional para o Autocuidado em Diabetes Mellitus Oficina de Formação de Tutores Estaduais Teresina-PI Agosto-2010 Lei Orgânica da Saúde nº 8.080/2000 Universalidade -Equidade - Integralidade

Leia mais

Coordenação da Atenção Básica. Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde

Coordenação da Atenção Básica. Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde Coordenação da Atenção Básica Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde Secretaria Municipal da Saúde São Paulo 2006 manual_remedio_nova_versao.indd 1 31/1/2006 09:51:20 Prefeito José Serra Secretária

Leia mais

Santiago, 25 e 26 maio de 2010

Santiago, 25 e 26 maio de 2010 EDUCACIÓN A DISTANCIA Y ENFERMEDADES CRÓNICAS Santiago, 25 e 26 maio de 2010 SAÚDE - Direito de todos e Dever do Estado Constituição Federal de 1988 Artigo 196 Sistema Único de Saúde- SUS Lei Orgânica

Leia mais

Constituição Federal de 1988 Artigo 196 Sistema Único de Saúde e a enfermagem na assistencia ambulatorial; na assistencia hospitalar com ênfase na

Constituição Federal de 1988 Artigo 196 Sistema Único de Saúde e a enfermagem na assistencia ambulatorial; na assistencia hospitalar com ênfase na 8º. ENCONTRO DO CONSELHO REGIONLA DE ENFERMAGEM DO PIAUI SAÚDE Direito de todos e Dever do Estado Constituição Federal de 1988 Artigo 196 Sistema Único de Saúde e a enfermagem na assistencia ambulatorial;

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

Assistência Farmacêutica

Assistência Farmacêutica Assistência Farmacêutica Farm. Marco Aurélio Pereira Coordenação Geral Gestão / Departamento de Assistência Farmacêutica (DAF/SCTIE/MS) Secretaria DE Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos Ministério

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Decreto nº 7508/2011 e a Vigilância em Saúde no Estado de São Paulo. Marília 07 de março de 2012

Decreto nº 7508/2011 e a Vigilância em Saúde no Estado de São Paulo. Marília 07 de março de 2012 Decreto nº 7508/2011 e a Vigilância em Saúde no Estado de São Paulo Marília 07 de março de 2012 SUS - Sistema de Saúde universal de grande complexidade Política pública inclusiva garantindo direito de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO PORTARIA 85/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO PORTARIA 85/2014 PORTARIA 85/2014 O Secretário Municipal de Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o art. 82, inciso I, da Lei Orgânica do Município, c/c o art. 7º, inciso III, da Lei Complementar nº 465/2013, e

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Práticas Integrativas e Complementares: Avanços e Desafios para MTC-Acupuntura no

Práticas Integrativas e Complementares: Avanços e Desafios para MTC-Acupuntura no OFICINA DE ATUALIZAÇÃO Práticas Integrativas e Complementares: Avanços e Desafios para MTC-Acupuntura no SUS Brasília - DF 25 e 26 de novembro de 2010 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS GRATUITO e UNIVERSAL Princípios

Leia mais

A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro

A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro Novembro - 2012 ObservaRH Estação de Trabalho IMS/UERJ www.obsnetims.org.br Sobre os autores Celia

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Érika Pisaneschi

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL Cenário

Leia mais

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA 1ª Oficina Nacional do QUALIDIA LINHAS DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gbi Gabinete SMS Diadema Linhas de cuidado de HA e DM

Leia mais

O ESTADO DO PARÁ 8 m acrorregiões macrorregiões d e de saúde 23 regiões de saúde

O ESTADO DO PARÁ 8 m acrorregiões macrorregiões d e de saúde 23 regiões de saúde Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado de Saúde Pública Diretoria de Políticas de Atenção Integral a Saúde Oficina de Trabalho "Troca de Experiências em Carreiras, Remuneração por Desempenho e

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

Acompanhamento das Condicionalidades da Saúde no PBF. Brasília - DF

Acompanhamento das Condicionalidades da Saúde no PBF. Brasília - DF Seminário Regional do Programa Bolsa Família (PBF) - 2011 Acompanhamento das Condicionalidades da Saúde no PBF, Paulo Henrique M. Teixeira Coord. Atenção Primária Brasília - DF Apresentação do município

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais

Reunião do Comitê da Saúde. 8 de novembro de 2011

Reunião do Comitê da Saúde. 8 de novembro de 2011 Reunião do Comitê da Saúde 8 de novembro de 2011 ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Em 1998 foi publicada a Portaria GM/MS 3.916, que estabeleceu a POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS (PNM) como parte essencial

Leia mais

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração Americana dos Direitos

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Epidemia de Doenças Crônicas: Como enfrentar esse desafio? Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2010 Martha Oliveira Assessoria da Presidência- ANS

Epidemia de Doenças Crônicas: Como enfrentar esse desafio? Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2010 Martha Oliveira Assessoria da Presidência- ANS Epidemia de Doenças Crônicas: Como enfrentar esse desafio? Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2010 Martha Oliveira Assessoria da Presidência- ANS I A ANS e a Saúde Suplementar I A ANS e a Saúde Suplementar

Leia mais

Câmara Técnica Conass

Câmara Técnica Conass HIPERDIA Assistência Farmacêutica Câmara Técnica Conass Setembro 2010 HISTÓRIA NATURAL DAS DCNT Fatores de risco não modificáveis: i sexo idade herança genética Fatores de risco Modificáveis: Tabagismo

Leia mais

Apresentação da Coordenação. Estadual de Alimentação e Nutrição. do Estado do Paraná

Apresentação da Coordenação. Estadual de Alimentação e Nutrição. do Estado do Paraná Apresentação da Coordenação Estadual de Alimentação e Nutrição do Estado do Paraná Apresentação da Equipe Estadual Estado: PARANÁ Coordenadora: ADRIANE LEANDRO Equipe técnica: ADRIANE LEANDRO CÉLIA RATIGUIERI

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CARGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE - ACS LÍNGUA PORTUGUESA 1. Interpretação de textos

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Medicamentos. Esses medicamentos são Dispensados nas Unidades Básicas, Centro de Saúde e Policlínicas com a apresentação de Receituário Médico.

Medicamentos. Esses medicamentos são Dispensados nas Unidades Básicas, Centro de Saúde e Policlínicas com a apresentação de Receituário Médico. Medicamentos 1. REMUME (RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS). apresentação de Receituário Médico. AAS 500mg Aminofilina 100 Comp. Amoxicilina 500mg Amoxicilina 250-150 ml Susp. Ampicilina 500mg

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 0 Médico Pediatra 1 Médico de Estratégia PSF 3 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 2 Auxiliar de Saúde Bucal 2 Fonoaudiólogo

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Capacifar Saúde Pública 1ª Turma Centro-Oeste

Capacifar Saúde Pública 1ª Turma Centro-Oeste Capacifar Saúde Pública 1ª Turma Centro-Oeste DO OBJETIVO Prover os profissionais farmacêuticos de informações, competências e habilidades, tendo em vista o exercício de suas atribuições no âmbito da Saúde

Leia mais

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015 Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios Para o ano de 2015 O Plano Anual de Saúde de 2015 guarda uma característica própria: é o espelho da programação do PMS 2014/2017 aplicado

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema

Leia mais

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ Dr. EDSON AGUILAR PEREZ QUADRO ATUAL HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO-TRANSMISSÍVEIS APRESENTANDO A MAIOR MAGNITUDE ELEVADO NÚMERO DE CONSULTAS DE ROTINA, DE EMERGÊNCIA E URGÊNCIA

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PIRIPIRI - PI

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PIRIPIRI - PI A IMPLEMENTAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA AGOSTO - 2008 JORGE OTÁVIO MAIA BARRETO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE DE PIRIPIRI

Leia mais

8 Amoxicilina + Clavulanato de potassio comprimido 500 mg \ 125mg. Obs. Protocolo

8 Amoxicilina + Clavulanato de potassio comprimido 500 mg \ 125mg. Obs. Protocolo Secretaria de Saúde BOLETIM DE PUBLICAÇÃO Nº 005/09 Despacho da Secretaria de Saude em 22/07/09. Processo(s) 2294/08. De acordo com o parecer da Comissao de Elaboracao da Relacao de Medicamentos da Farmacia

Leia mais

INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010

INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010 PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010 A Monografia IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO NASF NÚCLEO DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE EXTREMA-MG foi premiada com Menção

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde

Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde Renato Tasca, OPS/OMS Brasil Belo Horizonte, 18 de outubro de 2011 Cenário global de crise dos

Leia mais

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007 Conteúdo: SEÇÃO 1...2 PORTARIA No- 2.831, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...2 PORTARIA No- 2.834, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...4 PORTARIA No- 2.835, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...5 PORTARIA Nº 600, DE 1o- DE

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

FARMACOECONOMIA E NOVAS EXIGÊNCIAS REGULATÓRIAS. Denizar Vianna

FARMACOECONOMIA E NOVAS EXIGÊNCIAS REGULATÓRIAS. Denizar Vianna FARMACOECONOMIA E NOVAS EXIGÊNCIAS REGULATÓRIAS Denizar Vianna Estrutura da Apresentação Cenário Brasileiro Avaliação de Tecnologias em Saúde Fluxo para Incorporação de Tecnologias Evolução dos gastos

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 Vânia Stiepanowez de Oliveira Rocha Dados epidemiológicos Incidência

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Assistência Farmacêutica no SUS

Assistência Farmacêutica no SUS Assistência Farmacêutica no SUS CEMEPAR Centro de Medicamentos do Paraná Setembro/2012 ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Engloba um conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica 10 ANOS DA PNAF

VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica 10 ANOS DA PNAF Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos Coordenação-Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos

Leia mais

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN SOLICITANTE Dra MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA NÚMERODOPROCESSO 0166.14.000132-1 (0001321-35.2014.8.13.0166) DATA 31/01/2014 SOLICITAÇÃO

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO... i EQUIPE... iii METODOLOGIA... v II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 1. CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS E DEMOGRÁFICAS... 1 2. CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS... 1 3.

Leia mais

Brasília - DF - Versão Julho/2012 -

Brasília - DF - Versão Julho/2012 - Brasília - DF - Versão Julho/2012-2 ALTERAÇÕES NO MANUAL INSTRUTIVO 1. Mudança no Título dos Indicadores 1.4 INDICADOR: Proporção de gestantes com pré natal no mês 1.6 INDICADOR: Razão entre exames citopatológicos

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Define a assistência

Leia mais