MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011

2 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA SEGUNDO O VIGTEL, 2009 CADASTRO DE PORTADORES DO SIS-HIPERDIA,

3 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão Geral: - Rosa Sampaio Vila Nova de Carvalho Coordenadora Nacional de Hipertensão e Diabetes Elaboração: - Sônia Maria Dantas de Souza Consultora Técnica/CNHD Colaboração: - Adelaide de Oliveira - Consultora Técnica/CNHD - Ione Melo - Consultora Técnica/CNHD - Liliane de Oliveira - Consultora Técnica/CNHD - Rúbia Lima - Consultora Administrativa/CNHD Fonte: - IBGE - VIGITEL /SVS -SIS- HIPERDIA/DATASUS -CNHD/DAB/SAS VIGITEL 2006-IBGE projeção população Sis-HiperDia 2007 VIGITEL 2007-IBGE projeção população Sis-HiperDia 2008 VIGITEL 2008-IBGE projeção população Sis-HiperDia 2009 VIGITEL 2009-IBGE projeção população Sis-HiperDia

4 APRESENTAÇÃO As Doenças Crônicas Não Transmissíveis DCNT representam um dos principais desafios de saúde para o desenvolvimento global nas próximas décadas. Ameaçam a qualidade de vida de milhões de pessoas, representam o maior custo para os sistemas de saúde de todo o mundo com grande impacto econômico para os portadores, suas famílias e a sociedade em geral dos países, especialmente os de baixa e média renda. Estimativa da Organização Mundial de Saude OMS aponta que as DCNTs já são responsáveis por 58,5% de todas as mortes ocorridas no mundo e por 45,9% da carga global de doenças. No Brasil, em 2008 as DCNT responderam por 62,8% do total das mortes por causa conhecida e séries históricas de estatísticas de mortalidade indicam que a proporção de mortes por DCNT aumentou em mais de três vezes entre as décadas de 30 e de 90. Fatores de risco comuns e potencialmente modificáveis como ausência de uma dieta saudável, sedentarismo e uso de cigarro explicam a maior parte destas mortes, que são expressas através de fatores de risco intermediários como hipertensão arterial, hiperglicemia, deterioração do perfil lipídico e obesidade. As transições demográfica, nutricional e epidemiológica ocorridas no século passado determinaram um perfil de risco em que doenças crônicas como a Hipertensão Arterial e o Diabetes Melitus assumiram ônus crescente e preocupante. Ambas são doenças muito freqüentes, constituindo sérios problemas de saúde pública. A Hipertensão Arterial e um problema crônico bastante comum. Sua prevalência é alta e aumenta em faixas etárias maiores. É responsável 3

5 por complicações cardiovasculares, encefálicas, coronarianas, renais e vasculares periféricas. Estima-se que 40% dos acidentes vasculares encefálicos e em torno de 25% dos infartos ocorridos em pacientes hipertensos poderiam ser prevenidos com terapia anti-hipertensiva adequada. O Diabetes Melitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento da população, a urbanização crescente, o sedentarismo, dietas pouco saudáveis e a obesidade são os grandes responsáveis pelo aumento da prevalência do Diabetes. As conseqüências humanas, sociais e econômicas do diabetes são devastadoras para o mundo: 4 milhões de mortes por ano são determinadas por essa doença e suas complicações, representando 9% do total de mortes. O grande impacto econômico da doença ocorre notadamente nos serviços de saúde, como conseqüência dos crescentes custos do tratamento e, sobretudo das complicações, como a doença cardiovascular, diálise por insuficiência renal crônica e as cirurgias para amputações de membros inferiores No Brasil, o Diabetes e a Hipertensão constituem a primeira causa de hospitalizações no sistema público de saúde. A pesquisa Nacional de Amostra de Domicílio-PNAD de 2008 mostrou que 14,0% e 3,6% da população geral referiram Hipertensão e Diabetes respectivamente. A Secretaria de Vigilância do Ministério da Saúde desde 2006 vem desenvolvendo o VIGITEL Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico com o objetivo de fazer o 4

6 monitoramento contínuo da freqüência e distribuição de fatores de risco e proteção para doenças crônicas em todas as capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal. Através destes dados é possível ter estimativas da freqüência de indivíduos que referem diagnóstico médico prévio de Hipertensão Arterial e de Diabetes Melitus. Esses indicadores obviamente tendem a subestimar a freqüência desses agravos na população, na medida em que não incluem casos não diagnosticados, no entanto, são muito úteis para objetivos relacionados à gestão do cuidado na rede de saúde. Estão bem estabelecidas as ações de saúde que devem ser implementadas para um efetivo controle desses agravos e de seus fatores de risco, visando, sobretudo sua prevenção, diagnóstico e tratamento oportuno e de qualidade; o grande desafio é traduzir esses conhecimentos técnico-científicos em ações concretas na rede de saúde e no âmbito populacional, para que possam beneficiar o maior número possível de pessoas. O Ministério da Saúde vêm adotando várias estratégias e ações para reduzir o ônus das doenças cardiovasculares na população brasileira como as medidas anti-tabágicas, as políticas de alimentação e nutrição e de promoção da saúde com ênfase na escola e ainda as ações de atenção à Hipertensão e ao Diabetes notadamente na rede básica. É importante registrar que a adoção da estratégia Saúde da Família como política prioritária de atenção primária, por sua conformação e processo de trabalho, compreende as condições mais favoráveis para a abordagem das doenças crônicas não transmissíveis. 5

7 Dentre essas ações destacamos o sistema informatizado de cadastro e acompanhamento de portadores na rede básica, o SIS-Hiperdia (http://hiperdia.datasus.gov.br/). É um sistema informatizado não obrigatório de gestão clínica que permite cadastrar e acompanhar os portadores de Hipertensão Arterial e/ou Diabetes Melitus atendidos na rede primária do Sistema Único de Saúde, gerando informações para os gerentes locais, gestores das secretarias municipais, estaduais e Ministério da Saúde. Registros informatizados de determinados agravos à saúde são particularmente importantes. Esses registros são aplicativos eletrônicos utilizados para capturar, gerenciar e fornecer informações sobre uma condição de saúde específica; oferecem um suporte importante e fundamental para a gestão do cuidado de pacientes com uma doença crônica. Podem ser utilizados de diversas maneiras e objetivos, tais como: (1) gerar relatórios de monitoramento de resultados clinicos (gestão clínica) para médicos e profissionais da equipe sobre parâmetros e desfechos clinicos do paciente (2) fornecer relatórios que identificam pacientes que não estão recebendo atendimento de acordo com diretrizes clínicas ou que permanecem fora da meta estipulada (3) criar lembretes para determinados pacientes que possibilitem uma busca ativa para melhor gestão do cuidado (4) criar listas de pacientes de ''alto risco'' que requerem uma gestão mais intensiva (gestão do caso). O SIS-Hiperidia tem como objetivo possibilitar a Gestão do Cuidado com a vinculação do portador á unidade básica ou equipe de saúde, monitorar de forma contínua a qualidade do controle desses agravos na população assistida; fornecer informações gerenciais que permitam subsidiar os gestores públicos para tomada de decisão, estimar acesso aos 6

8 serviços de saúde, fornecer informações que subsidiem a gerência e gestão da Assistência Farmacêutica, possibilitar o Controle Social através de informações que permitem analisar acesso, cobertura e qualidade da atenção, entre outras. Nesse documento apresentamos de forma clara e objetiva, resultados de prevalências de morbidade referida de Hipertensão Arterial e de Diabetes Melitus pelo VIGITEL, como também, coberturas de cadastro pelo SIS-Hiperdia considerando Brasil, grandes regiões e os estados da federação e Distrito Federal. Rosa Sampaio Vila Nova de Carvalho Coordenadora Nacional de Hipertensão e Diabetes 7

9 VIGITEL 2009/HA DM BRASIL 8

10 3 2 % de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial (HA) e de Diabetes Mellitus (DM).VIGITEL, BRASIL 24,4 27,2 21,1 1 5,8 5,3 6,2 Ambos Masculino Feminino HIPERTENSÃO DIABETES Número de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial (HA) e de Diabetes Mellitus (DM).VIGITEL, BRASIL Ambos Masculino Feminino HIPERTENSÃO DIABETES 9

11 Número de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial (HA) e de Diabetes Mellitus (DM), por sexo e faixa etária. VIGITEL, BRASIL HÁ Masculino HÁ Feminino DM Masculino DM Feminino % de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial (HA) e de Diabetes Mellitus (DM), por sexo e faixa etária. VIGITEL, BRASIL HÁ Masculino 5,1 11,8 20,7 30,5 45,9 58,4 HÁ Feminino 9,7 15,4 21,0 37,9 54,0 66,2 DM Masculino 0,4 1,3 3,0 8,0 17,1 22,7 DM Feminino 1,0 3,1 3,7 7,2 14,0 21,7 10

12 % de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial (HA) e de Diabetes Mellitus (DM), por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, BRASIL HÁ DM 0 a 8 anos de escolaridade 24,9 37,3 6,7 9,0 9 a 11 anos de escolaridade 15,4 16,2 3,1 3,1 12 anos e mais de escolaridade 18,9 14,9 4,7 3,0 11

13 VIGITEL 2009/HA DM ESTADOS DA REGIÃO NORTE FAIXA ETÁRIA, SEXO E ANO DE ESCOLARIDADE 12

14 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, ACRE HIPERTENSÃO Masculino 13,5 14,5 20,4 37,0 46,3 66,5 HIPERTENSÃO Feminino 14,5 13,6 29,3 36,4 57,8 68,6 DIABETES Masculino 4,0 6,8 12,8 12,4 DIABETES Feminino 0,1 0,4 4,6 3,4 17,5 20,9 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, ACRE 3 31,7 3 28, ,0 13,2 15,7 15,3 3,6 3,9 4,7 2,2 2,2 3,0 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 13

15 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, AMAPÁ HIPERTENSÃO Masculino 5,8 4,3 14,0 31,8 40,2 67,9 HIPERTENSÃO Feminino 6,6 11,2 18,6 32,8 54,2 61,1 DIABETES Masculino 0,2 2,3 1,8 9,8 17,5 2,6 DIABETES Feminino 0,5 7,1 2,1 5,1 23,3 13,1 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, AMAPÁ 2 23,3 17,1 1 15,2 15,1 13,2 10,2 8,0 3,7 3,0 2,0 1,9 3,0 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 14

16 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, AMAZONAS HIPERTENSÃO Masculino 1,6 10,1 22,5 24,5 39,2 44,2 HIPERTENSÃO Feminino 13,9 23,9 36,0 58,0 61,0 DIABETES Masculino 0,1 2,8 8,5 14,4 15,8 DIABETES Feminino 2,3 0,4 3,7 6,8 15,5 21,7 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, AMAZONAS 3 25,9 2 19,1 1 17,1 15,9 15,5 11,3 5,9 3,5 2,7 2,6 2,3 3,9 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 15

17 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, PARÁ HIPERTENSÃO Masculino 2,5 4,2 21,9 30,5 37,3 52,9 HIPERTENSÃO Feminino 5,6 1 13,2 32,2 49,6 58,8 DIABETES Masculino 0,7 1,5 1,5 7,7 11,8 8,3 DIABETES Feminino 0,5 0,3 0,9 6,7 19,1 19,1 3 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, PARÁ 28,0 2 19,0 1 12,3 14,1 14,1 13,1 5,9 3,1 3,3 4,1 2,4 3,5 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 16

18 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, RONDÔNIA HIPERTENSÃO Masculino 3,5 12,9 18,6 28,3 45,2 53,4 HIPERTENSÃO Feminino 16,0 17,1 21,4 42,3 53,1 77,5 DIABETES Masculino 2,7 3,4 3,2 8,4 17,7 12,8 DIABETES Feminino 9,1 3,2 3,3 8,4 18,4 23,1 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, RONDÔNIA , ,8 1 11,9 15,5 12,7 14,9 10,8 6,0 3,3 4,9 2,3 1,5 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 17

19 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, RORAIMA HIPERTENSÃO Masculino 2,2 14,8 16,0 27,7 38,8 50,4 HIPERTENSÃO Feminino 4,4 8,0 17,1 24,0 50,5 63,9 DIABETES Masculino 10,9 11,4 23,6 DIABETES Feminino 1,9 6,8 3,4 19,3 16,5 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, RORAIMA 18,8 18,7 18,0 16,0 15,1 14,0 12,0 10,8 11,1 12,1 8,0 6,0 4,0 2,0 6,0 4,2 2,4 1,9 0,5 1,3 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 18

20 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, TOCANTINS HIPERTENSÃO Masculino 3,5 8,7 19,7 32,5 41,9 53,7 HIPERTENSÃO Feminino 5,3 10,4 16,3 27,0 42,7 70,4 DIABETES Masculino 7,3 2,4 6,6 10,2 18,3 DIABETES Feminino 0,9 1,2 1,4 7,5 22,6 21,5 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, TOCANTINS 2 20,7 18,3 16,4 1 8,9 8,5 7,3 5,6 4,9 3,9 1,3 2,3 2,5 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 19

21 VIGITEL 2009/HA DM ESTADOS DA REGIÃO NORDESTE FAIXA ETÁRIA, SEXO E ANO DE ESCOLARIDADE 20

22 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, ALAGOAS HIPERTENSÃO Masculino 3,4 6,6 24,0 45,9 57,7 HIPERTENSÃO Feminino 21,0 10,3 20,4 44,2 59,7 66,4 DIABETES Masculino 0,8 2,1 13,6 18,4 21,4 DIABETES Feminino 1,2 2,3 3,6 13,9 22,2 16,8 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, ALAGOAS , ,5 20,6 17,3 16,2 1 12,9 5,4 6,4 8,3 3,7 3,2 5,1 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 21

23 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, BAHIA HIPERTENSÃO Masculino 7,9 1 17,3 36,4 59,2 67,9 HIPERTENSÃO Feminino 8,6 18,1 28,9 45,6 64,7 66,4 DIABETES Masculino 0,3 6,9 3,7 6,6 15,8 35,9 DIABETES Feminino 4,0 3,1 3,4 5,3 20,9 20,4 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, BAHIA 4 41, , ,1 18,7 16,7 15,8 8,6 10,2 4,9 3,0 2,4 2,8 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 22

24 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, CEARÁ HIPERTENSÃO Masculino 3,3 11,4 20,6 3 40,2 54,5 HIPERTENSÃO Feminino 2,4 9,9 21,8 34,3 50,5 5 DIABETES Masculino 1,1 3,8 7,7 10,7 23,2 DIABETES Feminino 0,4 1,8 4,9 8,0 12,1 18,4 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, CEARÁ 3 26,9 2 21,8 23,2 1 13,8 13,7 13,7 5,3 2,3 6,1 5,9 5,3 2,7 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 23

25 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, MARANHÃO HIPERTENSÃO Masculino 11,7 4,0 9,3 18,4 54,0 57,4 HIPERTENSÃO Feminino 10,1 10,8 20,8 37,9 44,9 57,1 DIABETES Masculino 0,8 8,4 0,9 5,6 21,8 12,4 DIABETES Feminino 0,8 2,4 4,1 4,9 16,7 21,2 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, MARANHÃO ,9 2 17,6 15,8 1 12,4 13,6 13,9 7,2 6,6 5,1 3,6 3,3 3,6 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 24

26 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, PARAÍBA HIPERTENSÃO Masculino 6,1 8,0 20,7 3 43,4 50,9 HIPERTENSÃO Feminino 12,8 16,7 20,8 44,1 57,6 63,8 DIABETES Masculino 0,1 0,4 1,3 8,5 18,7 24,3 DIABETES Feminino 0,8 4,4 1,9 10,5 15,3 19,1 4 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, PARAÍBA 4 39, ,5 22,7 18,8 1 14,7 16,2 9,1 5,6 4,8 3,1 3,6 2,7 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 25

27 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, PERNAMBUCO HIPERTENSÃO Masculino 20,9 11,0 19,9 39,3 49,6 69,0 HIPERTENSÃO Feminino 10,3 12,0 19,6 36,5 64,8 68,6 DIABETES Masculino 0,2 2,7 7,9 20,8 19,6 DIABETES Feminino 2,4 7,0 7,9 12,2 25,9 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, PERNAMBUCO ,0 34,5 2 24,6 22,0 17,6 19,2 1 10,6 5,6 6,1 3,0 3,2 3,4 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 26

28 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, PIAUÍ HIPERTENSÃO Masculino 2,5 11,5 19,5 39,7 58,2 58,6 HIPERTENSÃO Feminino 12,0 19,3 32,1 59,6 64,5 DIABETES Masculino 3,2 12,0 18,4 21,7 DIABETES Feminino 0,7 4,1 1,0 7,4 12,8 20,3 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, PIAUÍ ,9 2 22,9 24,5 1 14,6 11,4 13,0 5,7 6,9 6,7 2,4 2,2 2,1 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 27

29 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, RIO GRANDE DO NORTE HIPERTENSÃO Masculino 1,4 11,3 20,7 3 38,9 52,9 HIPERTENSÃO Feminino 9,2 16,5 19,6 37,6 55,3 58,9 DIABETES Masculino 5,3 10,5 4,4 12,3 21,7 DIABETES Feminino 0,9 1,8 4,8 5,7 15,2 21,5 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, RIO GRANDE DO NORTE 3 33, ,5 18,8 16,0 16,3 1 9,6 7,1 2,2 5,1 5,1 2,2 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 28

30 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, SERGIPE HIPERTENSÃO Masculino 1,9 12,6 26,9 35,2 48,4 48,5 HIPERTENSÃO Feminino 5,9 10,4 22,9 33,4 65,5 65,7 DIABETES Masculino 0,7 3,1 13,5 16,3 6,0 DIABETES Feminino 1,0 0,4 5,4 7,0 17,4 25,6 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, SERGIPE 3 32, ,3 21,4 15,7 16,2 1 12,7 7,9 4,8 3,0 4,7 4,0 3,4 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 29

31 VIGITEL 2009/HA DM ESTADOS DA REGIÃO SUDESTE FAIXA ETÁRIA, SEXO E ANO DE ESCOLARIDADE 30

32 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, ESPÍRITO SANTO HIPERTENSÃO Masculino 9,6 11,3 21,7 29,3 50,9 51,5 HIPERTENSÃO Feminino 1,1 8,7 24,0 33,9 56,0 58,2 DIABETES Masculino 0,9 3,6 5,8 13,8 19,6 DIABETES Feminino 0,5 1,0 2,6 7,4 14,2 19,1 4 3 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, ESPÍRITO SANTO 35,6 3 27,3 2 19,8 18,4 18,2 1 10,8 6,9 8,8 4,0 3,3 1,7 1,8 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 31

33 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, RIO DE JANEIRO HIPERTENSÃO Masculino 8,4 9,8 18,1 29,0 47,6 54,6 HIPERTENSÃO Feminino 5,4 13,9 23,6 43,1 54,0 70,6 DIABETES Masculino 1,3 1,0 2,1 4,6 10,4 23,8 DIABETES Feminino 1,1 0,7 2,8 8,1 14,9 23,8 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, RIO DE JANEIRO , ,2 2 23,2 16,6 20,3 16,3 1 11,2 5,4 4,3 6,1 3,1 3,7 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 32

34 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, MINAS GERAIS HIPERTENSÃO Masculino 1,4 5,9 17,3 33,9 63,9 71,1 HIPERTENSÃO Feminino 8,9 9,2 23,2 40,6 63,2 69,9 DIABETES Masculino 0,3 2,2 5,5 17,7 19,2 DIABETES Feminino 0,2 2,0 3,5 7,5 7,7 19,1 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, MINAS GERAIS , ,0 19,6 17,9 1 14,4 13,2 5,3 6,5 3,2 3,3 3,6 3,6 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 33

35 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, SÃO PAULO HIPERTENSÃO Masculino 1,5 14,5 26,8 28,9 41,7 60,1 HIPERTENSÃO Feminino 18,4 21,5 17,9 38,1 47,4 67,0 DIABETES Masculino 4,1 10,8 24,2 26,0 DIABETES Feminino 7,7 4,4 6,3 11,7 21,7 4 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, SÃO PAULO 42, , ,2 17,6 14,3 15,1 9,5 11,0 4,4 2,4 2,5 2,6 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 34

36 VIGITEL 2009/HA DM ESTADOS DA REGIÃO SUL FAIXA ETÁRIA, SEXO E ANO DE ESCOLARIDADE 35

37 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, PARANÁ HIPERTENSÃO Masculino 5,4 15,4 17,7 28,1 40,1 61,1 HIPERTENSÃO Feminino 0,8 9,8 18,7 29,5 52,9 63,7 DIABETES Masculino 0,7 5,6 5,9 21,8 14,5 DIABETES Feminino 0,5 1,0 3,3 8,4 13,6 26,4 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, PARANÁ 3 31,2 3 26,3 2 19,4 1 14,3 12,6 14,7 9,0 6,4 3,0 5,7 3,5 3,1 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 36

38 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, RIO GRANDE DO SUL HIPERTENSÃO Masculino 8,9 10,3 15,2 28,0 40,7 50,4 HIPERTENSÃO Feminino 12,0 17,1 21,1 31,6 52,4 59,6 DIABETES Masculino 2,5 0,9 9,1 15,2 18,8 DIABETES Feminino 0,7 1,9 3,9 14,6 16,8 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, RIO GRANDE DO SUL , ,4 1 15,2 17,1 17,4 14,4 7,3 9,9 4,0 4,1 3,2 2,2 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 37

39 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, SANTA CATARINA HIPERTENSÃO Masculino 2,7 1 11,5 21,0 44,6 48,0 HIPERTENSÃO Feminino 1,4 11,5 18,2 27,4 39,9 66,5 DIABETES Masculino 5,5 1,4 3,0 4,4 11,6 24,8 DIABETES Feminino 0,6 2,1 2,4 5,8 18,4 23,0 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, SANTA CATARINA , ,3 1 14,3 14,5 13,4 9,8 8,3 10,4 4,7 2,8 2,6 2,2 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 38

40 VIGITEL 2009/HA DM ESTADOS DA REGIÃO CENTRO OESTE FAIXA ETÁRIA, SEXO E ANO DE ESCOLARIDADE 39

41 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, DISTRITO FEDERAL HIPERTENSÃO Masculino 5,5 12,2 22,4 30,3 40,5 57,4 HIPERTENSÃO Feminino 2,1 20,3 22,1 31,1 59,0 68,1 DIABETES Masculino 0,6 0,3 0,4 3,0 11,9 26,4 DIABETES Feminino 3,0 0,9 1,8 7,3 12,3 22,1 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, DISTRITO FEDERAL , ,9 1 16,1 16,0 11,1 12,1 4,9 4,7 3,5 3,4 1,1 2,7 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 40

42 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, GOIÁS HIPERTENSÃO Masculino 5,4 14,1 16,3 25,4 48,5 58,3 HIPERTENSÃO Feminino 3,2 10,3 20,2 33,9 59,3 71,0 DIABETES Masculino 2,6 0,7 15,2 20,6 27,1 DIABETES Feminino 0,4 0,4 2,5 5,6 14,8 21,3 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, GOIÁS 3 31, ,5 1 16,8 17,7 15,5 11,4 7,9 3,9 6,2 2,3 2,6 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 41

43 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, MATO GROSSO DO SUL HIPERTENSÃO Masculino 6,2 22,1 23,4 34,3 41,0 59,4 HIPERTENSÃO Feminino 22,5 14,8 20,3 37,2 53,2 63,8 DIABETES Masculino 2,3 0,6 5,6 8,7 20,2 DIABETES Feminino 1,2 2,7 3,7 14,6 14,4 24,9 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, MATO GROSSO DO SUL 4 36, ,9 2 21,8 1 19,4 16,8 14,7 9,9 4,7 1,3 3,7 3,8 2,2 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 42

44 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e faixa etária. VIGITEL, MATO GROSSO HIPERTENSÃO Masculino 9,0 19,0 20,1 33,7 51,4 64,6 HIPERTENSÃO Feminino 3,4 10,9 27,5 4 58,4 73,3 DIABETES Masculino 1,1 4,5 8,3 12,6 24,4 DIABETES Feminino 0,7 6,4 6,7 20,2 Percentual de indivíduos que referem diagnóstico médico de Hipertensão Arterial e de Diabetes Mellitus, por sexo e ano de escolaridade. VIGITEL, MATO GROSSO 3 32,8 3 29,7 2 17,1 16,5 16,4 1 13,7 8,5 5,3 3,5 4,9 2,3 1,5 HIPERTENSÃO - ano de escolaridade DIABETES - ano de escolaridade 0 a 8 anos 9 a 11 anos 12 anos e mais 43

45 VIGITEL /HA DM SÉRIE HISTÓRICA 2006 a

46 ,6 18,4 Série Histórica (%) de morbidade auto referida do VIGITEL: Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus, por Sexo. Período: 2006 a ,4 25,1 22,9 23,1 20,3 20,3 25,5 24,4 21,1 27, ,0 5,3 5,3 5,7 5,2 5,6 4,4 4,8 4,6 5,8 6,2 5, HIPERTENSÃO DIABETES Ambos Masculino Feminino 30 Série Histórica (%) de morbidade auto referida do VIGITEL: Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus, por Região. Período: 2006 a ,4 26, ,6 23,3 22,8 22,6 21,4 21,6 21,8 20,8 20,8 19,4 19,7 18,9 17,3 17,3 18,8 23,8 22,6 22, ,8 5,3 5,7 6,1 5,8 6,2 5,5 5,7 4,54,8 4,9 5,2 4,7 4,9 3,8 4,0 3,9 4,3 4, HIPERTENSÃO DIABETES Norte Nordeste Sudeste Sul C. Oeste 45

47 SIS-HIPERDIA/2010 VIGITEL/2009 CADASTRO DO BRASIL, REGIÕES E ESTADOS 46

48 Número de portadores de Hipertensão Arterial (HA) e de Diabetes Mellitus (DM) cadastrados no Sis-HiperDia até dezembro/2010, em relação aos portadores auto-referidos no VIGITEL, BRASIL VIGITEL Hipertensão Diabetes HIPERDIA 3 3 % cobertura de portadores de Hipertensão Arterial (HA) e Diabetes Mellitus (DM) cadastrados no Sistema HiperDia até dezembro/2010, em relação aos portadores auto-referidos no VIGITEL BRASIL 31,1 2 20,1 1 HIPERDIA Hipertensão Diabetes 47

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

Prevenção e Cuidado integrados para o. Mellitus

Prevenção e Cuidado integrados para o. Mellitus MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Geral de Hipertensão e Diabetes Prevenção e Cuidado integrados para o Controle da Hipertensão Arterial

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Érika Pisaneschi

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Fonte. 5. O indicador não representa os casos de pacientes portadores de diabetes que não têm a diabete diagnosticada.

Fonte. 5. O indicador não representa os casos de pacientes portadores de diabetes que não têm a diabete diagnosticada. Ind020302 Taxa de prevalência da diabete melito na população de 35 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Descrição Fonte Taxa de prevalência da diabete melito na população de 35

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

5.4 Transplantes. 1 Rim. Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos.

5.4 Transplantes. 1 Rim. Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos. 5.4 Transplantes Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos. 1 Rim Entre 1995 e 2001, o número de transplantes renais realizados anualmente cresceu cerca de 66,7% no país (TABELA 150).

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2014 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2014 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2013 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2013 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 ORGAO : 36000 - MINISTERIO DA SAUDE UNIDADE : 36211 - FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE ANEXO I CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 E G R M I F FUNC.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n.º 229/2015-SIC/DIREX/DPF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS ano III nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico Hepatites

Leia mais

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Videoconferências Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 PAUTA Orientações sobre o processo de pactuação para o ano de 2015; Abertura do

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo...

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social Oferta de vagas por instituição UNIVERSIDADES FEDERAIS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE 408 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA 636 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

UNIVERSALIDADE. O Modelo de Atenção á Saúde ESF INTEGRALIDADE

UNIVERSALIDADE. O Modelo de Atenção á Saúde ESF INTEGRALIDADE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE ALAGOAS SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GERÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DE GRUPOS ESPECÍFICOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO

Leia mais

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO 1 ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO - O IPVA é o tributo estadual, cuja arrecadação é a segunda mais importante, depois do ICMS; - A estimativa de arrecadação de IPVA (Imposto

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013

HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 INSTITUTO AVANTE BRASIL Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho VIOLÊNCIA GLOBAL CONTRA DAS MULHERES - (ONU) De acordo com

Leia mais

Portal TRILHAS em números

Portal TRILHAS em números Portal TRILHAS Portal TRILHAS em números Projeção dos Acessos Número de usuários cadastrados: 14.289 * - 20.381 acessos (duração aproximada de 15 minutos); - 12 páginas, em média, acessadas por visita.

Leia mais

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Educação Financeira na Infância 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: A sondagem teve por objetivo identificar informações relacionadas à educação financeira durante

Leia mais

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA JOÃO ELOI OLENIKE GILBERTO LUIZ DO AMARAL LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL FERNANDO STEINBRUCH

Leia mais

Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro

Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro Silvana Costa Caetano Rosanna Iozzi Alcides Carneiro Palavras-chave: Hipertensão Arterial, Idoso Resumo Introdução: A prevalência de Hipertensão

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Abril a Junho/ 2010/ n 2 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Neste segundo boletim de 2010, são apresentados os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009

RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009 Salvador / Ba 2010 Superintendência de Estudos Sociais da Bahia - SEI Diretoria de Pesquisas DIPEQ Coordenação de Pesquisas Sociais COPES RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009 Workshop: A Base de

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 SUMÁRIO

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus

Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus SERGIO DE CARVALHO E SILVA Laboratório de Pesquisa em Ciências de Serviços (LaPCiS), Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS),

Leia mais

SIPS Sistema de Indicadores de Percepção Social

SIPS Sistema de Indicadores de Percepção Social SIPS Sistema de Indicadores de Percepção Social Mobilidade Urbana IPEA 24 de janeiro de 2011 Sumário 1. Introdução 2. Mobilidade e meios de transporte 3. Meios de transporte e questões de infraestrutura

Leia mais

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Erradicação do Trabalho Infantil Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Estrutura do MTE para o Combate ao Trabalho Infantil a Serviço da Rede de Proteção à Infância.

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais