Contabilidade Plano de Contas do Sistema Compensação Página : 001 Governo Municipal de Aquiraz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contabilidade Plano de Contas do Sistema Compensação Página : 001 Governo Municipal de Aquiraz"

Transcrição

1 Plano de Contas do Sistema Compensação Página : SISTEMA COMPENSADO 41 ATIVO COMPENSADO 419 ATIVO COMPENSADO COMPENSAÇÕES ATIVAS DIVERSAS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DO VALOR DOS DEMAIS ATOS PRATICADOS PELA ADMINISTRAÇÃO QUE, PELA SUA NATUREZA, NÃO SÃO POSTOS EM EVIDÊNCIA NEM CONTROLADOS QUER POR CONTAS PATRIMONIAIS, QUER POR CONTAS DE RESULTADO RESPONSABILIDADE POR VALORES, TÍTULOS E BENS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DA RESPONSABILIDADE DA ENTIDADE COM TERCEIROS, OU DESTES COM A ENTIDADE, POR TÍTULOS, VALORES E BENS RESPONSABILIDADES DE TERCEIROS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DO VALOR REFERENTE AS RESPONSABILIDADES DE TERCEIROS POR TÍTULOS, VALORES E BENS CONCEDIDOS PELA ENTIDADE QUE EFETUA O REGISTRO EM CAUÇÃO - RESPONSABILIDADES DE TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE DE TERCEIROS POR TÍTULOS, VALORES E BENS OFERECIDOS EM CAUÇÃO CONCEDIDOS EM CUSTÓDIA - RESPONS.DE TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA O CONTROLE DOS BENS, TÍTULOS E VALORES EM PODER DE TERCEIROS SOB CUSTÓDIA EM COBRANÇA A RECEBER - RESPONS.DE TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA O MONTANTE DA RESPONSABILIDADE DE TERCEIROS POR VALORES, TÍTULOS E BENS EM FASE DE COBRANÇA ADIANTAMENTO CONCEDIDOS - RESP.DE TERC Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DOS VALORES CONCEDIDOS A SERVIDOR RESPONSÁVEL, PARA ATENDER DESPESAS QUE NÃO POSSAM SUBORDINAR SE AO PROCESSO NORMAL DE APLICAÇÃO CONCEDIDOS EM CONSIGNAÇÃO - RESPONS.DE TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE DE TERCEIROS POR VALORES, TÍTULOS E BENS CONCEDIDOS A TÍTULO DE CONSIGNAÇÃO DIÁRIAS - RESPONS.DE TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DAS DIÁRIAS CONCEDIDAS, COM REGISTRO DA RESPONSABILIDADE MEDIANTE CONTROLE INDIVIDUALIZADO POR TITULAR CESSÃO DE USO - BENS CEDIDOS - RESPONS.DE TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE DE TERCEIROS POR BENS CEDIDOS PELA ENTIDADE A TÍTULO DE CESSÃO DE USO, FORMALIZADA MEDIANTE TERMO, NO QUAL DEVERÃO CONSTAR A FINALIDADE DA SUA REALIZAÇÃO E O PRAZO PARA SEU CUMPRIMENTO COMODATO DE BENS - CONCEDIDOS Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE DE TERCEIROS POR BENS NÃO FUNGÍVEIS CONCEDIDOS PELA UNIDADE, A TÍTULO DE EMPRÉSTIMO GRATUITO, OS QUAIS DEVEM SER RESTITUÍDOS NO TEMPO CONVENCIONADO.

2 Plano de Contas do Sistema Compensação Página : MERCADORIAS E BENS EM PODER DE TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DAS MERCADORIAS E DOS BENS QUE ESTÃO EM PODER DE TERCEIROS CONCEDIDOS EM DEPÓSITO - RESPONS.DE TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DOS BENS CONCEDIDOS DECORRENTE DE CONTRATO DE DEPÓSITO BENS EM MANUTENÇÃO - RESPONS.DE TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE DE TERCEIROS POR BENS MÓVEIS EM MANUTENÇÃO PERMISSÃO DE USO - BENS CONCEDIDOS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DOS BENS CONCEDIDOS A PARTICULAR MEDIANTE PERMISSÃO DE USO, POR ATO NEGOCIAL, UNILATERAL, DISCRICIONÁRIO E PRECÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, E CUJA UTILIZAÇÃO SEJA DE INTERESSE DA COLETIVIDADE AUTORIZAÇÃO DE USO - RESPONS.DE TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA O CONTROLE DOS BENS PERTENCENTES A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, SOBRE OS QUAIS FOI A AUTORIZADA A PRÁTICA DE ATIVIDADE INDIVIDUAL, TRANSITÓRIA E IRRELEVANTE PARA O PODER PÚBLICO, POR ATO UNILATERAL, DISCRICIONÁRIO E PRECÁRIO, DISPENSANDO LEI IMÓVEIS SOB A RESPONSABILIDADE DE TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O CONTROLE DE IMÓVEIS DA ENTIDADE QUE ESTÃO SENDO ADMINISTRADOS POR TERCEIROS CONCESSÃO DE USO - RESPONS.DE TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA A DELEGAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICO FEITA PELO PODER CEDENTE, MEDIANTE CONTRATO, PARA SUA EXPLORAÇÃO SEGUNDO DESTINAÇÃO ESPECIFICA PARCERIA PÚBLICO PRIVADA - RESPONS.DE TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA A DELEGAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICO FEITA PELO PODER CEDENTE, MEDIANTE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA, OUTRAS RESPONSABILIDADES DE TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DE OUTRAS RESPONSABILIDADES DE TERCEIROS, DE NATUREZA EVENTUAL, POR TÍTULOS, VALORES E BENS, PARA AS QUAIS NÃO HÁ CÓDIGOS ESPECÍFICOS RESPONSABILIDADES COM TERCEIROS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DO VALOR REFERENTE A RESPONSABILIDADES DO MUNICÍPIO, DE SEUS ÓRGÃOS OU ENTIDADES JUNTO A TERCEIROS POR TÍTULOS, VALORES E BENS RECEBIDOS RECEBIDOS EM CAUÇÃO - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE DA ENTIDADE POR TÍTULOS, VALORES E BENS RECEBIDOS EM CAUÇÃO RECEBIDOS EM CUSTÓDIA - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O TOTAL DA RESPONSABILIDADE DA ENTIDADE COM TERCEIROS PELO RECEBIMENTO DE VALORES, TÍTULOS E BENS PARA GUARDA A COLOCAR - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DAS COMPENSAÇÕES ATIVAS DIVERSAS REFERENTE A RESPONSABILIDADE POR VALORES, TÍTULOS E BENS COM TERCEIROS A COLOCAR.

3 Plano de Contas do Sistema Compensação Página : A ENTREGAR - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O MONTANTE DA RESPONSABILIDADE POR TÍTULOS, VALORES E BENS DE ÓRGÃOS E ENTIDADES COM TERCEIROS, A SEREM ENTREGUES EM COBRANÇA - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O MONTANTE DA RESPONSABILIDADE DA ENTIDADE COM TERCEIROS POR VALORES, TÍTULOS E BENS EM FASE DE COBRANÇA PELOS BENEFICIADOS SUPRIMENTO DE FUNDOS - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE COM TERCEIROS REFERENTE A APROPRIAÇÃO DESPESAS DE CONCESSÃO DE SUPRIMENTO DE FUNDOS RECEBIDOS EM CONSIGNAÇÃO - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE DA ENTIDADE COM TERCEIROS POR VALORES, TÍTULOS E BENS RECEBIDOS EM CONSIGNAÇÃO FIANÇA BANCÁRIA - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE DA ENTIDADE COM TERCEIROS POR TÍTULOS, VALORES E BENS AFIANÇADOS BENEFÍCIOS TRABALHISTAS A LIQUIDAR - R.COM TERCEIR Funcionamento.: REGISTRA OS VALORES CONCEDIDOS A TITULO DE BENEFÍCIOS COM O SEGURO DESEMPREGO E ABONO SALARIAL DO PIS/PASEP - FAT, A SEREM LIQUIDADOS ATRAVÉS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PELOS AGENTES PAGADORES CESSÃO DE USO - BENS RECEBIDOS - RESP.COM TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE DA ENTIDADE JUNTO A TERCEIROS POR BENS RECEBIDOS A TÍTULO DE CESSÃO DE USO FORMALIZADA MEDIANTE TERMO, DO QUAL DEVERÁ CONSTAR A FINALIDADE DA SUA REALIZAÇÃO E O PRAZO PARA SEU CUMPRIMENTO DEPÓSITOS JUDICIAIS - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA OS DEPÓSITOS JUDICIAIS EFETUADOS POR TERCEIROS EM TÍTULOS, EM CONTA VINCULADA ETC, SOB A RESPONSABILIDADE DO MUNICÍPIO OU SEUS ÓRGÃOS OU DEPOSITADOS POR ESTES PARA TERCEIROS DEPÓSITOS PARA RECURSOS - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA OS DEPÓSITOS PARA RECURSOS EFETUADOS POR TERCEIROS, EM TÍTULOS, EM CONTA VINCULADA ETC, SOB A RESPONSABILIDADE DO MUNICÍPIO OU SEUS ÓRGÃOS COMODATO DE BENS - RECEBIDOS - RESPONS.COM TERCEIR Funcionamento.: REGISTRA A RESPONSABILIDADE DA ENTIDADE JUNTO A TERCEIROS POR BENS NÃO FUNGÍVEIS RECEBIDOS A TÍTULO DE EMPRÉSTIMO GRATUITO, DEVENDO SER RESTITUÍDOS NO TEMPO CONVENCIONADO MERCADORIAS APREENDIDAS - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DE MERCADORIAS APREENDIDAS, SOB A RESPONSABILIDADE DA ENTIDADE MERCADORIAS DE TERCEIROS EM DEPÓSITO - R.COM TERCE Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DAS MERCADORIAS DE TERCEIROS EM DEPÓSITOS DA UNIDADE.

4 Plano de Contas do Sistema Compensação Página : RECEBIDOS EM DEPÓSITO - RESPONS.COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DOS BENS RECEBIDOS EM DECORRÊNCIA DE CONTRATO DEPÓSITO PERMISSÃO DE USO - BENS RECEBIDOS - R.COM TERCEIRO Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DOS BENS RECEBIDOS MEDIANTE PERMISSÃO DE USO, POR ATO NEGOCIAL, UNILATERAL, DISCRICIONÁRIO E PRECÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA IMÓVEIS DE TERCEIROS SOB RESPONSABILIDADE Funcionamento.: REGISTRA O CONTROLE DE IMÓVEIS DE TERCEIROS QUE ESTÃO SOB RESPONSABILIDADE DA ENTIDADE OUTRAS RESPONSABILIDADES COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA RESPONSABILIDADES COM TERCEIROS, NÃO INDIVIDUALIZADAS NOS OUTROS CÓDIGOS DESSE GRUPO DIVERSOS RESPONSÁVEIS - EM APURAÇÃO Funcionamento.: REGISTRA AS RESPONSABILIDADES EM FASE DE APURAÇÃO DECORRENTES DE ATOS PRATICADOS POR GESTORES, SERVIDORES OU TERCEIROS QUE POSSAM RESULTAR EM PREJUÍZOS PARA A FAZENDA MUNICIPAL OUTRAS RESPONSABILIDADES EM APURAÇÃO Funcionamento.: REGISTRA AS RESPONSABILIDADES EM FASE DE APURAÇÃO DECORRENTES DE ATOS PRATICADOS POR GESTORES, SERVIDORES OU TERCEIROS QUE POSSAM RESULTAR EM PREJUÍZOS PARA A FAZENDA MUNICIPAL GARANTIAS DE VALORES Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DOS AVAIS, FIANÇAS E HIPOTECAS RECEBIDOS E CONCEDIDOS E OUTRAS GARANTIAS AVAISE FIANÇAS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DO VALOR DA GARANTIA PESSOAL, PLENA E SOLIDÁRIA RECEBIDA OU CONCEDIDA PELOS ÓRGÃOS OU ENTIDADES EM TITULO CAMBIAL RECEBIDOS - AVAISE FIANÇAS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DAS GARANTIAS DE VALORES POR AVAL RECEBIDO NO PAIS OU NO EXTERIOR CONCEDIDOS - AVAISE FIANÇAS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DAS CONCESSÕES DE AVAIS DE EMPRÉSTIMOS CONTRAÍDOS NO PAÍS OU NO EXTERIOR PENHORES E HIPOTECAS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS MÓVEIS E IMÓVEIS SUJEITOS AO PAGAMENTOS DE DÍVIDA, SEM SE TRANSFERIR AO ÓRGÃO, ENTIDADE OU TERCEIROS CREDORES A POSSE DO BEM GRAVADO RECEBIDAS - PENHORES E HIPOTECAS Funcionamento.: REGISTRA O TOTAL DAS GARANTIAS DE VALORES POR PENHORES E HIPOTECAS RECEBIDAS CONCEDIDAS - PENHORES E HIPOTECAS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DAS CONCESSÕES DE PENHORES E HIPOTECA POR OBRIGAÇÕES CONTRAÍDAS SEGUROS GARANTIA Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DOS VALORES DA GARANTIA POR CONTRATO PELO QUAL UMA DAS PARTES SE OBRIGA A INDENIZAR OUTRA DE UM PERIGO OU PREJUÍZO EVENTUAL

5 Plano de Contas do Sistema Compensação Página : RECEBIDOS - SEGUROS GARANTIA Funcionamento.: REGISTRA A GARANTIA DE VALORES POR SEGUROS RECEBIDOS GARANTIAS DA DÍVIDA PÚBLICA Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DAS GARANTIAS DA DÍVIDA PÚBLICA OUTRAS GARANTIAS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DE OUTRAS GARANTIAS DE VALORES DE NATUREZA EVENTUAL RECEBIDAS OU CONCEDIDAS NO PAÍS E NO EXTERIOR, PARA AS QUAIS NÃO HÁ CÓDIGOS ESPECÍFICOS DIREITOS E OBRIGAÇÕES CONVENIADOS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS CONVÊNIOS FIRMADOS ENTRE ENTIDADES, OBJETIVANDO O CUMPRIMENTO DE FINALIDADES COMUNS, DE ACORDO COM OS TERMOS CONSTANTES DO INSTRUMENTO. OS CONVÊNIOS SÃO DE ENTRADA E SAÍDA DE RECURSOS CONSTANTES DO ORÇAMENTO APROVADO AUXÍLIOS, SUBVENÇÕES E CONTRIBUIÇÕES Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DOS VALORES REPASSADOS A ENTIDADES E FUNDOS, A TÍTULO DE RECEITA DE TERCEIROS AUXÍLIOS, SUBVENÇÕES E CONTRIBUIÇÕES CONCEDIDOS Funcionamento.: REGISTRA OS VALORES REPASSADOS A ENTIDADES E FUNDOS, A TÍTULO DE RECEITA DE TERCEIROS- CONCEDIDOS AUXÍLIOS, SUBVENÇÕES E CONTRIBUIÇÕES RECEBIDOS Funcionamento.: REGISTRA OS VALORES REPASSADOS A ENTIDADES E FUNDOS, A TÍTULO DE RECEITA DE TERCEIROS - RECEBIDOS OUTROS CONVÊNIOS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DOS VALORES DE OUTROS CONVÊNIOS FIRMADOS ENTRE ENTIDADES, OBJETIVANDO O CUMPRIMENTO DE FINALIDADES COMUNS, DE ACORDO COM OS TERMOS CONSTANTES DO INSTRUMENTO OUTROS CONVÊNIOS CONCEDIDOS Funcionamento.: REGISTRA OS VALORES REPASSADOS A ENTIDADES E FUNDOS - CONCEDIDOS OUTROS CONVÊNIOS RECEBIDOS Funcionamento.: REGISTRA OS VALORES REPASSADOS A ENTIDADES E FUNDOS - RECEBIDOS DIREITOS E OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS CONTRATOS DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, CONSERVAÇÃO, DE SEGUROS DE NATUREZAS DIVERSAS E DE FORNECIMENTOS DE BENS DE TERCEIROS - DIREITOS E OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS DIREITOS E OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS EM QUE A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEJA SIGNATÁRIA DO CONTRATO COM TERCEIROS CONTRATOS DE SEGUROS - DE TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DO CONTRATO DE SEGUROS EM QUE A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEJA SIGNATÁRIA DO INSTRUMENTO CONTRATUAL COM TERCEIROS.

6 Plano de Contas do Sistema Compensação Página : CONTRATOS DE SERVIÇOS - DE TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DO CONTRATO DE SERVIÇOS EM QUE A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEJA SIGNATÁRIA DO INSTRUMENTO CONTRATUAL COM TERCEIROS CONTRATOS DE ALUGUÉIS - DE TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DO CONTRATO DE ALUGUÉIS EM QUE O PODER PÚBLICO SEJA O LOCADOR DO BEM CONTRATOS DE FORNECIMENTOS DE BENS - DE TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DO CONTRATO DE FORNECIMENTO DE BENS PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A TERCEIROS CONTRATOS DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS - DE TER Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DO CONTRATO DE OBRIGAÇÃO DO ÓRGÃO/ENTIDADE COM TERCEIROS REFERENTE A EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS CONTRAÍDOS NO EXERCÍCIO COM TERCEIROS - DIREITOS E OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DOS VALORES DO CONTRATO ASSINADO ENTRE O ÓRGÃO CONTRATANTE E PARTICULARES OU OUTRO ÓRGÃO OU ENTIDADE CONTRATOS DE SEGUROS - COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DO CONTRATO DE SEGURO ASSINADO ENTRE O ÓRGÃO E TERCEIROS CONTRATADOS CONTRATOS DE SERVIÇOS - COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DO CONTRATO ASSINADO ENTRE A ADMINISTRAÇÃO E O PRESTADOR DE SERVIÇOS A TÍTULO DE OBRAS E INSTALAÇÃO E DEMAIS SERVIÇOS CONTRATOS DE ALUGUÉIS - COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DO CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS ENTRE A ADMINISTRAÇÃO E TERCEIROS LOCADORES DE TAIS BENS CONTRATOS DE FORNECIMENTOS DE BENS - COM TERCEIROS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DO CONTRATO DE FORNECIMENTO DE BENS ENTRE A ADMINISTRAÇÃO E O FORNECEDOR CONTR.DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS - COM TERCEI Funcionamento.: REGISTRA A APROPRIAÇÃO DE AJUSTE OU ASSINATURA DE CONTRATOS DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS A CURTO PRAZO OUTROS DIREITOS OUTRAS COMPENSAÇÕES Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DOS BENS E VALORES EM TRÂNSITO, DAS IMPORTAÇÕES EM ANDAMENTO, DAS OBRAS EM FAVOR DE ENTIDADES POR FORNECEDOR, NÃO ENQUADRADOS NOS CÓDIGOS ESPECÍFICOS DIVERSAS COMPENSAÇÕES Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DOS BENS E VALORES EM TRÂNSITO, DAS IMPORTAÇÕES EM ANDAMENTO, DAS OBRAS EM FAVOR DE ENTIDADES POR FORNECEDOR, NÃO ENQUADRADOS NOS CÓDIGOS ESPECÍFICOS 42 PASSIVO COMPENSADO

7 Plano de Contas do Sistema Compensação Página : COMPENSAÇÕES PASSIVAS DIVERSAS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO EM CONTRAPARTIDA DA COMPENSAÇÃO ATIVA VALORES, TÍTULOS E BENS SOB RESPONSABILIDADE Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DA RESPONSABILIDADE DE TERCEIROS OU COM TERCEIROS REFERENTES A VALORES, TÍTULOS OU BENS CONSIGNADOS, RETIDOS E OUTROS VALORES EM GARANTIA Funcionamento.: REGISTRA OS AVAIS, FIANÇAS E HIPOTECAS RECEBIDAS OU CONCEDIDAS, BEM COMO EMOLUMENTOS CONSULARES E OUTRAS GARANTIAS DIREITOS E OBRIGAÇÕES CONVENIADOS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DOS CONVÊNIOS FIRMADOS ENTRE ENTIDADES, OBJETIVANDO O CUMPRIMENTO DE FINALIDADES COMUNS, DE ACORDO COM OS TERMOS CONSTANTES DO INSTRUMENTO. OS CONVÊNIOS SÃO DE ENTRADA E SAÍDA DE RECURSOS CONSTANTES DO ORÇAMENTO APROVADO DIREITOS E OBRIGAÇÕES CONTRATADAS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DAS OBRIGAÇÕES E DIREITOS CONTRATUAIS DA ADMINISTRAÇÃO COMO SIGNATÁRIA OU CONTRATANTE, REFERENTE A CONTRATOS, ACORDO E AJUSTE FIRMADOS PELA ADMINISTRAÇÃO NO EXERCÍCIO COMPENSAÇÕES DIVERSAS Funcionamento.: REGISTRA O VALOR DAS COMPENSAÇÕES SUBGRUPADAS EM BENS E VALORES EM TRÂNSITO, IMPORTAÇÕES EM ANDAMENTO, OBRAS EM FAVOR DE ENTIDADES E PREVISÃO DE RECEITA POR FORNECEDOR COM CONTROLE NAS CONTAS COMPENSAÇÃO E OUTRAS DE NATUREZA EVENTUAL. Total de contas : 086

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44 Apresentação Este Plano de Contas tem o propósito de atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos atos e

Leia mais

Este Plano de Contas será atualizado pela Gerência de Normas da Diretoria da Contabilidade Pública Genor/Dicop.

Este Plano de Contas será atualizado pela Gerência de Normas da Diretoria da Contabilidade Pública Genor/Dicop. Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda P l a n o d e C o n t a s 1 /3 Apresentação Este Plano de Contas tem o propósito de atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina BALANÇO PATRIMONIAL Em 31/12/2014 - Encerramento 9.817.136,65 40.159.587,34. Prazo 104.

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina BALANÇO PATRIMONIAL Em 31/12/2014 - Encerramento 9.817.136,65 40.159.587,34. Prazo 104. ATIVO PASSIVO Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa - Bancos Conta Movimento - Demais Contas Rede Bancária - Arrecadação Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata - Intra OFSS Recursos Liberados

Leia mais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 28.393.390.678,55 RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 28.527.468.836,27 RECEITAS 13.532.898.028,40 ORÇAMENTÁRIA 13.532.898.028,40 DESPESA ORÇAMENTARIA 10.266.008.652,65

Leia mais

20/07/2015. Receitas. Receitas. Receitas

20/07/2015. Receitas. Receitas. Receitas Em sentido amplo, os ingressos de recursos financeiros nos cofres do Estado denominam-se receitas públicas, registradas como receitas orçamentárias, quando representam disponibilidades de recursos financeiros

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza ATIVO Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1.0.0.00.00.00 1.1.1.1.0.00.00.00 1.1.1.1.1.00.00.00 1.1.1.1.1.01.00.00 CAIXA

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo.

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo. Imposto do Selo O imposto do selo incide sobre determinados atos e contratos, sendo cobrado um valor fixo ou aplicada uma taxa ao valor do ato ou contrato. O campo de aplicação deste imposto tem vindo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000.

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000. RESOLUÇÃO Nº 1748 01/03/2000. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de Altera e consolida critérios para inscrição de valores nas contas de créditos em liquidação e

Leia mais

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ.

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. ENCERRAMENTO DE MANDATO Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. No ano em curso de 2008, dois fatos ocuparão as nossas atenções: O encerramento dos mandatos dos atuais prefeitos,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Compensação de Títulos com Retenção de PIS e COFINS

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Compensação de Títulos com Retenção de PIS e COFINS Compensação de Títulos com 04/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 A Compensação como Forma de Extinção da Obrigação...

Leia mais

MARCELO OLÍMPIO CARNEIRO TAVARES

MARCELO OLÍMPIO CARNEIRO TAVARES D E C L A R A Ç Ã O O Secretário da Fazenda, no uso das suas atribuições e consoante o disposto no artigo 42, 1º, incisos I e IV, da Constituição do Estado do Tocantins, DECLARA para fins de cumprimento

Leia mais

Resolução de Questões Administração Prof. Carlos Ramos 07.10.2008

Resolução de Questões Administração Prof. Carlos Ramos 07.10.2008 01 - (CESPE-ACE-TCU/2004) - No sistema brasileiro de planejamento e orçamento, exige-se a integração entre o plano plurianual, a lei de diretrizes orçamentárias e o orçamento anual. Para tanto, o plano

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/12/2010 a 31/12/2010. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/12/2010 a 31/12/2010. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 9.671.194,34 29.326.303,91 29.462.756,13 9.534.742,12 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 80.215,82 11.749.129,63 11.810.017,76 19.327,69 1.1.1.00.00-9 CAIXA

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Página: 1 AR/DISTRITO FEDERAL EXERCÍCIO DE 2013

Página: 1 AR/DISTRITO FEDERAL EXERCÍCIO DE 2013 Página: 1 11 FINANCEIRO 111 DISPONÍVEL 111.1 DISPONIBILIDADES EFETIVAS 111.1.1 CAIXA 46.773,87 50.640,92 3.867,05 111.1.2 BANCOS-C/MOVIMENTO 171.882,26 87.025,48 84.856,78 111.1.3 APLICAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

Garantia Bancária Parte 02

Garantia Bancária Parte 02 Garantia Bancária Parte 02 Garantias Definição: As garantias tem com objetivo dar reforço a segurança nas operações de crédito. Durante uma operação de crédito as garantias deverão ser examinadas em conjunto

Leia mais

Lançamentos Típicos de entidades do setor público

Lançamentos Típicos de entidades do setor público Lançamentos Típicos de entidades do setor público Efetue os lançamentos típicos a partir das informações captadas em cada caso típico do município de Sinopolandia do Norte. etermine inicialmente a Natureza

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

São princípios do levantamento que devem ser observados quando da sua execução:

São princípios do levantamento que devem ser observados quando da sua execução: ROTEIRO PARA COMISSÕES INVENTARIANTES I - ROTEIRO PARA INVENTÁRIO DOS VALORES EM TESOURARIA 1 - Introdução Correspondem aos valores em espécie e os documentos representativos de direitos reais do órgão/entidade

Leia mais

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Cod.Normal Cód.Reduz. Grau Tipo Natureza Descrição 1. 1 1 S A ATIVO 1.1. 2 2 S AC ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. 3 3 S AC DISPONÍVEL 1.1.1.01. 4 4 S AC BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.001-5 5 A AC Caixa 1.1.1.01.002-6

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

DELPHOS INFORMA CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002

DELPHOS INFORMA CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002 DELPHOS INFORMA ANO 8 - Nº 35 ABRIL / 2002 CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002 Ementa: Aprovar o Regulamento do Parcelamento de Débitos

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 58.764.189,56 169.901.510,67 169.746.419,72 58.919.280,51 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 469.845,67 62.841.447,38 62.796.662,79 514.630,26 1.1.1.00.00-9

Leia mais

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PÁGINA: 1 BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO - 2005 ANEXO 14 ATIVO ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL 450.323.096,72 CAIXA 47.294,31 BANCOS CONTA MOVIMENTO 210.194.091,20

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS [Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Qname siconfi-dca-anexo1abhi : BalancoPatrimonialAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoLineItems siconfi-cor :

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 11º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 1 Professor João Eudes Bezerra

Leia mais

Codigo Nivel Contabil TP Descricao UG Fonte Banco Agencia Conta Corrente

Codigo Nivel Contabil TP Descricao UG Fonte Banco Agencia Conta Corrente Estado do Parana Relacao Cadastral do Plano de Contas Folha: 1 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 S ATIVO 2 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 S ATIVO CIRCULANTE 3 1.1.1.0.0.00.00.00.00.00.00.00 S CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22 I - APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (SIMPLIFICADA) 1 - CONCEITO A Apuração do Resultado do Exercício também chamado de Rédito - consiste em verificar o resultado econômico atingido pela empresa em determinado

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

Total 420.044.577,42 Total 420.044.577,42

Total 420.044.577,42 Total 420.044.577,42 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 1.324.567,17 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

112110103 FATURAS/ DUPLICATAS A RECEBER Sim DB 1211104 DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA - CLIENTES Sim DB 1211105 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS

112110103 FATURAS/ DUPLICATAS A RECEBER Sim DB 1211104 DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA - CLIENTES Sim DB 1211105 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS 112110103 FATURAS/ DUPLICATAS A RECEBER Sim DB 1211104 DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA - CLIENTES Sim DB 1211105 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS NÆo DB 121110501 EMPRESTIMOS CONCEDIDOS A RECEBER Sim

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICIPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICIPIO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICIPIO Manual Técnico de Normas e Procedimentos da Controladoria-Geral (MTNP-CGM-POA) ANEXO NOR 002 Glossário

Leia mais

8 - FONTES DE FINANCIAMENTO DAS DESPESAS DO ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

8 - FONTES DE FINANCIAMENTO DAS DESPESAS DO ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL 8 - FONTES DE FINANCIAMENTO DAS DESPESAS DO ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Fontes de Financiamento das Despesas do Orçamento da Seguridade Social Receitas Vinculadas (A) 261.219.912.063 1.1.2.1.17.00

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos critérios de avaliação de ativos e seus efeitos no patrimônio de uma companhia aberta, julgue os itens a seguir. 51 Um investimento que garanta à sociedade investidora

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Balanço Geral. Período: 31/12/2013 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES

SICOOB - Contabilidade. Balanço Geral. Período: 31/12/2013 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES SICOOB - bilidade Cod. Red. Descrição da 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 13.947.026,08 D 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 142.150,63 D 1.1.1.00.00-9 CAIXA 140.856,84 D 1.1.1.10.00-6 CAIXA

Leia mais

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 Balanço Financeiro Período: 01/01/2012 a 31/12/2012 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO Exercício Anterior

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA s s 100000000000 ATIVO 939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA COMPROVAÇÃO DE OPERAÇÕES DIFERENCIADAS:. Cópia da nota fiscal emitida nos termos do inciso II do Art.

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA COMPROVAÇÃO DE OPERAÇÕES DIFERENCIADAS:. Cópia da nota fiscal emitida nos termos do inciso II do Art. DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA COMPROVAÇÃO DE OPERAÇÕES DIFERENCIADAS: 1) BRINDES: Possíveis CFOP S: 2.910 Entrada de bonificação, doação ou brinde 6.910 Remessa em bonificação, doação ou brinde Art. 652 "Considera-se

Leia mais

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA ANEXO II VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MFDF ao Plano de

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

Classificação por Categoria Econômica

Classificação por Categoria Econômica Classificação por Categoria Econômica 1. Classificação A classificação por categoria econômica é importante para o conhecimento do impacto das ações de governo na conjuntura econômica do país. Ela possibilita

Leia mais

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI AULA 12 Produtos e Serviços Financeiros VI Operações Acessórias e Serviços As operações acessórias e serviços são operações de caráter complementar, vinculadas ao atendimento de particulares, do governo,

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 1. CODIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA Para melhor identificação da entrada dos recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas

Leia mais

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO 100000000000 ATIVO 329.083,39 911.970,67 872.747,07 368.306,99 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 3.073,50 898.201,87 872.747,07 28.528,30 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Página de Transparência Pública - Tabela de Natureza da Despesa Fonte: Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI

Página de Transparência Pública - Tabela de Natureza da Despesa Fonte: Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Página de Transparência Pública - Tabela de Natureza da Despesa Fonte: Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI OBS: utilizar apenas a parte numérica dos códigos, desprezando

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2013 Folha: 1 Consorcio Publico do Extremo Sul

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2013 Folha: 1 Consorcio Publico do Extremo Sul Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2013 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 6.735,34 8.034,62 4.211,61 10.558,35 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 6.735,34 8.034,62

Leia mais

RECEITA. Despesas Correntes, sob forma: Tributária Patrimonial Industrial Recursos financeiros Outras. Tributo: Definição: Receita derivada,

RECEITA. Despesas Correntes, sob forma: Tributária Patrimonial Industrial Recursos financeiros Outras. Tributo: Definição: Receita derivada, RECEITA Definição : receita recebida de pessoa de direito público Definição: Receita recebida de pessoas de direito público ou privado, ou privado, para atender despesas classificáveis em para atender

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO BENEFICIÁRIOS: entidades que em virtude de obrigação legal ou contratual sejam beneficiárias de uma obrigação de caucionar ou de afiançar, em que seja devido, designadamente,

Leia mais

As autarquias locais devem dispor de recursos financeiros adequados ao exercício das suas atribuições.

As autarquias locais devem dispor de recursos financeiros adequados ao exercício das suas atribuições. 12. FINANÇAS LOCAIS 12.1 A LEI DAS FINANÇAS LOCAIS O regime financeiro das freguesias está previsto na Lei n.º 2/2007, de 15 de Janeiro Lei das Finanças Locais (LFL). Este regime, cuja primeira lei data

Leia mais

O ISS e as tarifas bancárias

O ISS e as tarifas bancárias O ISS e as tarifas bancárias No jargão bancário, tarifa é a contrapartida de uma prestação de serviço, é a receita decorrente do serviço prestado. Por conseguinte, sempre que o Banco registra uma receita

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES

INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES 1. DO OBJETIVO 1.1. Esta norma dispõe sobre procedimentos a serem adotados no segmento da carteira de empréstimo pessoal na

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE PATRIMÔNIO CONCEITO: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública.

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos Casos práticos Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente aos casos práticos da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE)

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São Francisco, Estado de São Paulo,

LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São Francisco, Estado de São Paulo, LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício financeiro de 2011 e dá outras providências. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros

Leia mais

12.109,00 12.109,00 384.684,77 384.684,77 30.080,00 30.080,00 211110101000 F SALÁRIOS, REMUNERAÇÕES E BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO

12.109,00 12.109,00 384.684,77 384.684,77 30.080,00 30.080,00 211110101000 F SALÁRIOS, REMUNERAÇÕES E BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO Código MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM BALANCETE ANALÍTICO CONTÁBIL SIMPLIFICADO BALANCETE - Saldo Inicial Movimentação s s 111110200999 F BANCOS CONTA MOVIMENTO 443.573,70 313.822,66 257.740,04 499.656,32

Leia mais

Síntese Execução Orçamental

Síntese Execução Orçamental 2013 janeiro Síntese Execução Orçamental Glossário Ministério das Finanças Glossário A Ativos financeiros (receita) Receitas provenientes da venda e amortização de títulos de crédito, designadamente obrigações

Leia mais

Anexo à Instrução 11/96

Anexo à Instrução 11/96 Anexo à Instrução 11/96 SOCIEDADES CORRETORAS Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 - DISPONIBILIDADES SOBRE

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

Seguro Garantia. Liliana Márquez Superintendente de Garantia. SINCOR São Paulo, 13 de dezembro de 2007

Seguro Garantia. Liliana Márquez Superintendente de Garantia. SINCOR São Paulo, 13 de dezembro de 2007 Seguro Garantia Liliana Márquez Superintendente de Garantia SINCOR São Paulo, 13 de dezembro de 2007 1 1 SEGURO GARANTIA Mercado Brasileiro Fonte: Site SUSEP 1 2 SEGURO GARANTIA Mercado Brasileiro Fonte:

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno INSTRUÇÃO NORMATIVA UCCI 001/2014 Versão 01 ASSUNTO: Instrução Normativa

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José da Lapa

Prefeitura Municipal de São José da Lapa Estado de Minas Gerais Demostração das Variações Patrimoniais - Anexo 15 - Lei 4.320/64 ENTIDADE: 000 - CONSOLIDADO lilian@sonner.com.br 30-03-2015 13:44:25 400000000 VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA 300000000

Leia mais

CARTA-CIRCULAR - N 1177

CARTA-CIRCULAR - N 1177 CARTA-CIRCULAR - N 1177 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. Em decorrência do disposto nas Resoluções n 83, de 03.01.68, e 613, de 08.05.80, nas Circulares n 180, de

Leia mais

neste regulamento. 2. DOS CONCEITOS FUNDAMENTAIS

neste regulamento. 2. DOS CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1. DAS PARTES 1.1. A constituição e o funcionamento de grupos de consórcio formados pela empresa Sponchiado Administradora de Consórcios Ltda., pessoa neste regulamento. 2. DOS CONCEITOS FUNDAMENTAIS promovida

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Brasília-DF Dezembro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Processo CFC n.º 2012/000258

Leia mais

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 ESTADO DO CEARÁ LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 DISPÕE SOBRE A RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS DECORRENTES DE EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS PELO EXTINTO BANCO DO ESTADO DO CEARÁ S/A BEC, POR PARTE DO ESTADO

Leia mais