Dependência linear e bases

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dependência linear e bases"

Transcrição

1 Dependência linear e bases Sadao Massago 2014 Sumário 1 Dependência linear 1 2 ases e coordenadas 3 3 Matriz mudança de base 5 Neste texto, introduziremos o que é uma base do plano ou do espaço 1 Dependência linear Dado uma sequencia de vetores { v 1,, v n }, a soma dos múltiplos α 1 v α n v n é denominado de combinação linear O conjunto de vetores gerados pela combinação linear dos elementos de S será denotados por [S] Exemplo 11 O conjunto gerado por {(1, 0), (1, 1)} é todo plano De fato, { queremos que todo x α + β vetor (x, y) é escrito na forma (x, y) α(1, 0) + β(1, 1) Então temos de modo y β que basta escolher β y e α x β x y Denição 12 Dado uma sequência de vetores { v 1,, v n }, é dito linearmente independente (abreviadamente li), se α 1 v α n v n 0 implica em α 1 α n 0 Isto é, se a combinação linear for nula, seus coecientes devem ser nulos Como o vetor nulo pode ser obtido como a combinação linear com coecientes nulos, ser li signica que só tem uma forma de escrever o vetor nulo como combinação linear dos vetores dados Esta unicidade da representação como combinação linear pode ser generalizado como segue Proposição 13 Um conjunto { v 1,, v n } é li, se, e somente se, a combinação linear é única, isto é, li se, e somente se, α 1 v 1 + α n v n β 1 v β n v n implica α i β i Demonstração ( ) Suponha que é li Então α 1 v 1 + α n v n β 1 v β n v n implica que (α 1 β 1 ) v 1 + (α n β n ) v n 0 e consequentemente, α i β i 0 para todo i Logo, α i β i ( ) Seja α 1 v α n v n 0 então α 1 v 1 + α n v n 0 v v n implica α i 0 Denição 14 O conjunto que não é linearmente independentes é dito linearmente dependentes (abreviadamente, ld) 1

2 Exemplo 15 {(1, 2, 1), ( 1, 1, 2), (0, 3, 3)} é ld, pois α 1 (1, 2, 1) + α 2 ( 1, 1, 2) + α 3 (0, 3, 3) α 1 α (0, 0, 0) implica que 2α 1 + α 3 + 3α 3 0 na qual a matriz do sistema é cuja α 1 + 2α 2 + 3α determinante é nulo Então o sistema tem innitas soluções ou não tem solução Como ele tem pelo menos uma solução que é a solução nula, terá innitas soluções e tem solução não nula Assim, ele será ld (nem todos α i 's são nulas) Observando que no sistema acima, o número de variáveis é igual ao número de vetores dados e o número de equações é igual ao número de coordenadas, podemos concluir que Proposição 16 { v 1,, v n } com n maior que o número de coordenadas do vetor é ld Por exemplo, {(1, 1), ( 1, 2), (3, 1)} é ld Proposição 17 No caso de { v 1,, v n } com n igual ao número de coordenadas, é li se, e somente se, determinante da matriz formado pelos vetores forem não nulas Por exemplo, {(1, 1), ( 1, 2)} é li por ter determinante igual a 3 Teorema 18 O conjunto { v 1,, v n } é ld se, e somente se, algum dos vetores é combinação linear dos restantes Demonstração ( ) Suponha α 1 v α n v n 0 de modo que α i 0 para algum i Então temos α i v i α 1 v 1 α i v i α n v n onde α i v i signica que é para omitir α i v i nesta soma Como α i 0, podemos dividir por ele e obter v i α 1 α i v 1 α i α i v i αn α i v n o que conclui que v i é uma combinação linear dos restantes ( ) Se v i β 1 v β i v i + +β n v n, podemos escrever β 1 v 1 + +( 1) v i + +β n v n 0 que é uma combinação linear na qual coeciente de v i não é nula Corolário 19 Dois vetores não nulos é ld se, e somente se, um for múltiplo do outro Exercício 110 Mostre que {(1, 2, 1), (2, 1, 3)} é li Exercício 111 Mostre que {(2, 4, 2), (3, 6, 3)} é ld Exercício 112 Mostre que { 0, v 2,, v n } é ld Quando o vetor esta escrito em coordenadas, a forma rápida de descobrir se é li ou ld é através do escalonamento Pelo Teorema 18, um conjunto de vetores é ld se tiver pelo algum vetor escrito como combinação linear dos restantes Se montar uma matriz cuja linhas são vetores dados, isto signica que alguma linha é combinação linear das outras linhas Assim, se efetuar escalonamento nestas matrizes, aparecerá a linha nula Isto ajuda na determinação da dependência linear com vetores de mais de 3 coordenadas (que não será estudado na geometria analítica) ou determinar qual vetores está sobrando no conjunto para ser conjunto li Exercício 113 Através do processo de escalonamento, verique que {(2, 1, 1), (3, 0, 1), (1, 1, 0)} é ld Exemplo 114 Determine um subconjunto li de {(2, 1, 1), (3, 2, 1), (1, 1, 2), ( 1, 0, 2)} com maior número de vetores Como tem mais vetores que número de coordenadas, é ld, mas precisamos saber quais vetores estão sobrando, ou seja, quem vai anular pelo escalonamento Colocando os vetores nas linhas e montando a matriz, temos 2

3 Escalonando A matriz do sistema é 1a 2a 3a 4a L 2 2L 2 3L 1 L 3 2L 3 L 1 L 4 2L 4 + L 1 2L 2 : L 1 : ( ) 1a 2a 3a 4a 1a 2a 3a 4a 1a 2a 4a 3a L 3 : L 1 : ( ) 2L 4 : L 1 : (+) L 3 L 3 L 2 L 4 L 4 L 2 L 3 L A linha que anulou corresponde ao terceiro vetor Logo, 3o vetor que está sobrando Então o gerador li é {(2, 1, 1), (3, 2, 1), ( 1, 0, 2)} que é o maior subconjunto li 2 ases e coordenadas Um conjunto li de vetores que gera todo plano ou espaço é chamado de base do plano ou do espaço Proposição 21 Dois vetores li gera o plano Demonstração Considere os vetores{ v 1, v 2 } Sejam v 1 (a 1, b 1 ) e v 2 (a 2, b 2 ) Dado (x, y) R 2, queremos que (x, y) { α v 1 + β v 2 α(a 1, b 1 ) + β(a 2, b 2 ) para algum a, b Isto signica que a 1 α + a 2 β x queremos que o sistema tenha pelo menos uma solução Como o conjunto é b 1 α + b 2 β y li, o matriz do sistema tem determinante não nula e consequentemente, tem uma única solução (logo, tem solução) Teorema 22 { v 1,, v n } no R n for li, então é uma base 3

4 Demonstração Considere o vetor v (x 1,, x n ) R n Queremos que v α 1 v α n v n para algum α i Isto signica que o sistema [[v 1 ] [ v n ]] α 1 α n [ v] tenha uma solução Como o conjunto é li, o matriz do sistema que é matriz formado pelos vetores tem o determinante diferente de zero Logo, tem pelo menos uma solução (logo, tem solução) Proposição 23 Um único vetor não gera o plano { x λa Demonstração Seja dado um vetor v (a, b) e (x, y) λ(a, b) Então implica que y λb ay bx Como existem pontos do plano que não satisfaz a equação ay bx que é equação da reta Os pontos que são soluções da equação ay bx + 1 não é gerado pelo vetor v Assim, um único vetor não deve gerar o plano todo Assim, a base do plano é composta exatamente de 2 vetores li coordenadas Isto acontece para n Teorema 24 Se um conjunto S { v 1,, v n } gera R m, então qualquer conjunto com mais de n vetores é ld Demonstração Considere S { w 1,, w p } com p > n e queremos mostrar que S é ld, isto é, se α 1 w 1 + α p w p 0 tendo algum α i diferente de zero Como S gera R m, podemos escrever w 1 w p a 11 v a n1 v n a 1p v a np v n Assim, α 1 (a 11 v a n1 v n ) + + α p (a 1p v a np v n ) 0 de onde (α 1 a α p a 1p ) v (α 1 a n1 + + α p a np ) v n 0 Para isso, basta que α 1 a α p a 1p 0 na qual tem pelo menos uma solução (solução nula) Como α 1 a n1 + + α p a np 0 p > n, tem mais equações do que incógnitas e consequentemente tem innitas soluções Consequentemente, tem a solução não nula para α i e portanto S é ld Com isso, temos que Corolário 25 A base de R n tem exatamente n vetores li Em particular, a base de espaço é composta de exatamente três vetores li Em virtude da Proposição 13, os vetores é escrito unicamente como combinação linear dos elementos da base Denição 26 Seja { v 1,, v n }, uma base Se v a 1 v a n v n então ( v) (a 1,, a n ) é denominado de coordenada do vetor v na base e escrevemos v (a 1,, a n ) O vetor em coordenadas também pode ser denotado como sendo matriz coluna [ v] a 1 a n 4

5 a 1 ou v a n Quando a base estiver evidente, podemos abreviar o e escrever simplesmente como sendo v (a 1,, a n ) a 1 a n Exemplo 27 Seja {(1, 1), (1, 1)} Escreva { o vetor (2, 3) em coordenadas da base 2 a + b Queremos que (2, 3) a(1, 1) + b(1, 1) então 3 a b Assim, 5 2a a 5 2 Daí, b 2 a Portanto, v ( [ 5, ) 5 ] e sua forma matricial é v Matriz mudança de base Para calcular as coordenadas de um vetor, costumamos usar a matriz mudança de base Considere a base A {v 1,, v n } e {w 1,, w n }, bases de R n Então podemos escrever os vetores de como sendo combinação linear dos elementos de A w 1 a 11 v a n1 v n w n a 1n v a nn v n Dado um vetor v (b 1,, b n ), temos que v b 1 w 1 + +b n w n b 1 (a 11 v 1 + +a n1 v n )+ + b n (a 1n v a nn v n ) Fatorando em v i 's, temos que v (b 1 a b n a 1n )v b 1 a b n a 1n (b n a n1 + + b n a nn )v n e as coordenadas de v na base A será [ v] A b n a 1n + + b n a nn a 11 a 1n b 1 a 11 a 1n MA [ v] onde MA [[ w 1 ] A [ w n ] A ] é chamado a n1 a nn b n a n1 a nn de matriz mudança de base de base para A, pois a multiplicação deste matriz nas coordenadas escrito na base fornece as coordenadas escrito na base A Note que existem autores que invertem esta nomenclatura, denominando MA de matriz mudança de base de A para, o que requer cuidados No entanto, independente do nome dado, [ v] A MA [ v] Observação ( 31 A matriz mudança de base é inversível (exercício) e como [ v] A MA [ v] implica que MA) 1 [ v]a [ v] de modo que M A ( 1 MA) Também temos que, se A, e C são bases, então MC A M C M A Caso particular da mudança de base quando uma das bases é base canônica tem interesse especial Dado uma base { v 1,, v n }, então M β [[ v 1 ][ v n ]] é a matriz mudança de base de para canônica, tendo a propriedade de [v] M [v] Pela observação anterior, também [v], o que permite obter rapidamente as coordenadas do vetor na base M 1 M A temos que [v] M 1 dada Também podemos obter a mudança de base A para por M A Exemplo 32 Obtenha a matriz mudança de base de A {(1, 1), (1, 1)} para [ ] 1 1 {( 1, 1), (1, 1)} Colocando os vetores da base nas colunas, temos que M A 1 1 [ ] [ ] e M Como M 1 1 A M 1 M A, calculemos o M 1 M

6 [ 1 1 det M [ ] 1 ] [ ] 1 1 Logo, M 1 1 A M 1 M A 1 2 [ ] [ ] [ ] Dado uma base { v 1,, v n },dizemos que ele é uma base ortonormal se v i v j 0 para i j (vetores da base são ortogonais entre si) e v i 1 (todos são versores) Uma base no plano é de orientação positiva se a rotação do primeiro vetor para o segundo for no sentido anti-horário (para esquerda) e no espaço, uma base é positiva quando satisfaz a regra da mão direita Para R n, considera-se que a base canônica tem a orientação positiva e é positiva se det M > 0 Apesar da fórmula da soma e do produto por escalar em coordenadas funcionar em qualquer base, a fórmula de cálculo das normas ( (x 1,, x n ) x x 2 n ) e do produto escalar ( (x 1,, x n ) (y 1,, y n ) x 1 y x n y n ) requer que as coordenadas estejam na base ortonormal e a fórmula do cálculo do produto vetorial como determinante requer que a base seja ortonormal positiva Quando está escrito na base qualquer, podemos obter a coordenada na base canônica através da mudança de base e efetuar cálculos Exemplo 33 Seja {(1, 1), (1, 1)} uma base Obtenha (1, 2) (2, 1) Temos que (1, 2) (1, 1)+2(1, 1) (3, 1) e (2, 1) 2(1, 1)+(1, 1) (3, 1) Logo, (1, 2) (2, 1) (3, 1) (3, 1) Exercício 34 Considere a base {(1, 1, 1), (1, 0, 1), (0, 1, 1)} uma base (1, 2, 1) (0, 2, 1) escrito como coordenadas na base Obtenha Referências [1] oldrini, José L et al, "Álgebra Linear", Editora Harbra Ldta, 1986 [2] Santos, Reginaldo J, "Matrizes, Vetores e Geometria Analítica", Imprensa Universitária da UFMG, 2010 [3] oulos, Paulo e Camargo, Ivan de, "Geometria Analítica, um tratamento vetorial", McGraw-Hill, 1987 [4] aldin, Yuriko Y e Furuya, Yolanda, Geometria Analítica para Todos e Atividades com Octave e GeoGebra, EdUFSCar,

Produto Misto, Determinante e Volume

Produto Misto, Determinante e Volume 15 Produto Misto, Determinante e Volume Sumário 15.1 Produto Misto e Determinante............ 2 15.2 Regra de Cramer.................... 10 15.3 Operações com matrizes............... 12 15.4 Exercícios........................

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR. Base e Dimensão de um Espaço Vetorial. Prof. Susie C. Keller

ÁLGEBRA LINEAR. Base e Dimensão de um Espaço Vetorial. Prof. Susie C. Keller ÁLGEBRA LINEAR Base e Dimensão de um Espaço Vetorial Prof. Susie C. Keller Base de um Espaço Vetorial Um conjunto B = {v 1,..., v n } V é uma base do espaço vetorial V se: I) B é LI II) B gera V Base de

Leia mais

Álgebra Linear Exercícios Resolvidos

Álgebra Linear Exercícios Resolvidos Álgebra Linear Exercícios Resolvidos Agosto de 001 Sumário 1 Exercícios Resolvidos Uma Revisão 5 Mais Exercícios Resolvidos Sobre Transformações Lineares 13 3 4 SUMA RIO Capítulo 1 Exercícios Resolvidos

Leia mais

Espaço Dual, Transposta e Adjunta (nota da álgebra linear 2)

Espaço Dual, Transposta e Adjunta (nota da álgebra linear 2) Espaço Dual, Transposta e Adjunta nota da álgebra linear 2) Sadao Massago Outubro de 2009 1 Espaço Dual Dado um espaço vetorial V sobre o corpo F, o espaço dual V é o espaço de todas transformações lineares

Leia mais

Escalonamento. Sumário. 1 Pré-requisitos. 2 Sistema Linear e forma matricial. Sadao Massago a Pré-requisitos 1

Escalonamento. Sumário. 1 Pré-requisitos. 2 Sistema Linear e forma matricial. Sadao Massago a Pré-requisitos 1 Escalonamento Sadao Massago 2011-05-05 a 2014-03-14 Sumário 1 Pré-requisitos 1 2 Sistema Linear e forma matricial 1 3 Forma escalonada 3 4 Método de eliminação de Gauss (escalonamento) 5 5 A matriz inversa

Leia mais

Roteiros e Exercícios - Álgebra Linear v1.0

Roteiros e Exercícios - Álgebra Linear v1.0 Roteiros e Exercícios - Álgebra Linear v1.0 Robinson Alves Lemos 14 de janeiro de 2017 Introdução Este material é um roteiro/apoio para o curso de álgebra linear da engenharia civil na UNEMAT de Tangará

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR. Combinação Linear, Subespaços Gerados, Dependência e Independência Linear. Prof. Susie C. Keller

ÁLGEBRA LINEAR. Combinação Linear, Subespaços Gerados, Dependência e Independência Linear. Prof. Susie C. Keller ÁLGEBRA LINEAR Combinação Linear, Subespaços Gerados, Dependência e Prof. Susie C. Keller Combinação Linear Sejam os vetores v 1, v 2,..., v n do espaço vetorial V e os escalares a 1, a 2,..., a n. Qualquer

Leia mais

Equação Geral do Segundo Grau em R 2

Equação Geral do Segundo Grau em R 2 8 Equação Geral do Segundo Grau em R Sumário 8.1 Introdução....................... 8. Autovalores e autovetores de uma matriz real 8.3 Rotação dos Eixos Coordenados........... 5 8.4 Formas Quadráticas..................

Leia mais

Tópicos de Matemática Elementar

Tópicos de Matemática Elementar Revisão Básica de Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior Universidade Federal de Alfenas 26 de novembro de 2014 Revisão de Definição 1 (Espaço Vetorial) Um conjunto V é um espaço vetorial sobre R, se em

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA PARFOR PLANO E APRENDIZAGEM I IDENTIFICAÇÃO: PROFESSOR (A) DA DISCIPLINA:

Leia mais

Álgebra Linear Teoria de Matrizes

Álgebra Linear Teoria de Matrizes Álgebra Linear Teoria de Matrizes 1. Sistemas Lineares 1.1. Coordenadas em espaços lineares: independência linear, base, dimensão, singularidade, combinação linear 1.2. Espaço imagem (colunas) - Espaço

Leia mais

Notações e revisão de álgebra linear

Notações e revisão de álgebra linear Notações e revisão de álgebra linear Marina Andretta ICMC-USP 17 de agosto de 2016 Baseado no livro Introduction to Linear Optimization, de D. Bertsimas e J. N. Tsitsiklis. Marina Andretta (ICMC-USP) sme0211

Leia mais

II Lista de Álgebra Linear /02 Espaços Vetoriais Prof. Iva Zuchi Siple

II Lista de Álgebra Linear /02 Espaços Vetoriais Prof. Iva Zuchi Siple . Verique se R com as operações denidas por: II Lista de Álgebra Linear - / Espaços Vetoriais Prof. Iva Zuchi Siple i. (x y) + (s t) (s y + t) onde u (x y) e v (s t) pertencem a R ii. α(x y) (αx y) onde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 2 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear II/2005 1 Resolva os seguintes sistemas lineares utilizando o Método

Leia mais

com 3 Incógnitas A interseção do plano paralelo ao plano yz, passando por P, com o eixo x determina a coordenada x.

com 3 Incógnitas A interseção do plano paralelo ao plano yz, passando por P, com o eixo x determina a coordenada x. Interpretação Geométrica de Sistemas Lineares com 3 Incógnitas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática Instituto de Ciências Eatas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi

Leia mais

I Lista de Álgebra Linear /02 Matrizes-Determinantes e Sistemas Prof. Iva Zuchi Siple

I Lista de Álgebra Linear /02 Matrizes-Determinantes e Sistemas Prof. Iva Zuchi Siple 1 I Lista de Álgebra Linear - 2012/02 Matrizes-Determinantes e Sistemas Prof. Iva Zuchi Siple 1. Determine os valores de x e y que tornam verdadeira a igualdade ( x 2 + 5x x 2 ( 6 3 2x y 2 5y y 2 = 5 0

Leia mais

Aula 3 A Reta e a Dependência Linear

Aula 3 A Reta e a Dependência Linear MÓDULO 1 - AULA 3 Aula 3 A Reta e a Dependência Linear Objetivos Determinar a equação paramétrica de uma reta no plano. Compreender o paralelismo entre retas e vetores. Entender a noção de dependência

Leia mais

Lista de exercícios 7 Independência Linear.

Lista de exercícios 7 Independência Linear. Universidade Federal do Paraná semestre 6. Algebra Linear Olivier Brahic Lista de exercícios 7 Independência Linear. Exercício : Determine se os seguintes vetores são linearmente independentes em R : (

Leia mais

Sistemas de equações lineares com três variáveis

Sistemas de equações lineares com três variáveis 18 Sistemas de equações lineares com três variáveis Sumário 18.1 Introdução....................... 18. Sistemas de duas equações lineares........... 18. Sistemas de três equações lineares........... 8

Leia mais

1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC, calcule A = X 2 = 2X. 3. Mostre que se A e B são matrizes que comutam com a matriz M = 1 0

1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC, calcule A = X 2 = 2X. 3. Mostre que se A e B são matrizes que comutam com a matriz M = 1 0 Lista de exercícios. AL. 1 sem. 2015 Prof. Fabiano Borges da Silva 1 Matrizes Notações: 0 para matriz nula; I para matriz identidade; 1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC calcule A(B + C) B t A

Leia mais

Universidade Federal Fluminense - GAN

Universidade Federal Fluminense - GAN Solimá Gomes Pimentel Universidade Federal Fluminense IM - GAN Solimá Gomes Pimentel, ****- Matemática para Economia III/Solimá Gomes Pimentel 2pt, ; 31cm Inclui Bibliografia. 1. Matemática para Economia

Leia mais

Álgebra Linear - 2 a lista de exercícios Prof. - Juliana Coelho

Álgebra Linear - 2 a lista de exercícios Prof. - Juliana Coelho Álgebra Linear - 2 a lista de exercícios Prof. - Juliana Coelho 1 - Verifique que os conjuntos V abaixo com as operações dadas não são espaços vetoriais explicitando a falha em alguma das propriedades.

Leia mais

Produto Interno - Mauri C. Nascimento - Depto. de Matemática - FC UNESP Bauru

Produto Interno - Mauri C. Nascimento - Depto. de Matemática - FC UNESP Bauru 1 Produto Interno - Mauri C. Nascimento - Depto. de Matemática - FC UNESP Bauru Neste capítulo vamos considerar espaços vetoriais sobre K, onde K = R ou K = C, ou seja, os espaços vetoriais podem ser reais

Leia mais

ESPAÇOS VETORIAIS. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga

ESPAÇOS VETORIAIS. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga ESPAÇOS VETORIAIS Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga INTRODUÇÃO Sabe-se que o conjunto 2 ( x, y) / x, y é interpretado geometricamente como o plano cartesiano. O par ordenado (x,y)

Leia mais

Matriz Hessiana e Aplicações

Matriz Hessiana e Aplicações Matriz Hessiana e Aplicações Sadao Massago Dezembro de 200 Sumário Introdução 2 Matriz Jacobiana 3 Matriz hessiana 2 4 Talor de primeira e segunda ordem 2 5 Classicação dos pontos críticos 3 A Procedimeno

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT 17 1. Suponha que uma força de 1 newtons é aplicada em um objeto ao longo do

Leia mais

Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n

Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n 1. Descrição do método e alguns exemplos Colocamos o seguinte problema: dado um conjunto finito: A = {a 1, a 2,...,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica. ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos.

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica. ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos (Período: 2016.1) Notas de Aula Capítulo 1: VETORES Ivan Menezes ivan@puc-rio.br

Leia mais

Matrizes Semelhantes e Matrizes Diagonalizáveis

Matrizes Semelhantes e Matrizes Diagonalizáveis Diagonalização Matrizes Semelhantes e Matrizes Diagonalizáveis Nosso objetivo neste capítulo é estudar aquelas transformações lineares de R n para as quais existe pelo menos uma base em que elas são representadas

Leia mais

Unicidade da Forma Escalonada Reduzida de uma Matriz

Unicidade da Forma Escalonada Reduzida de uma Matriz 1 Unicidade da Forma Escalonada Reduzida de uma Matriz Reginaldo J Santos Departamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais http://wwwmatufmgbr/~regi 1 de maio de 24 Definição 1 Uma

Leia mais

Noções de Álgebra Linear

Noções de Álgebra Linear Noções de Álgebra Linear 1. Espaços vetoriais lineares 1.1. Coordenadas 2. Operadores lineares 3. Subespaços fundamentais 4. Espaços normados 5. Espaços métricos 6. Espaços de Banach 7. Espaços de Hilbert

Leia mais

- identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades;

- identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades; DISCIPLINA: ELEMENTOS DE MATEMÁTICA AVANÇADA UNIDADE 3: ÁLGEBRA LINEAR. OPERADORES OBJETIVOS: Ao final desta unidade você deverá: - identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades;

Leia mais

(x 1 + iy 1 ) + (x 2 + iy 2 ) = x 1 + x 2 + i(y 1 + y 2 ) a(x + iy) = ax + i(ay)

(x 1 + iy 1 ) + (x 2 + iy 2 ) = x 1 + x 2 + i(y 1 + y 2 ) a(x + iy) = ax + i(ay) Espaços Vetoriais Definição. Um espaço vetorial sobre R é um conjunto V no qual se tem definida uma adição e uma multiplicação de seus elementos por escalares (isto é, por números reais), ou seja, dados

Leia mais

São tabelas de elementos dispostos ordenadamente em linhas e colunas.

São tabelas de elementos dispostos ordenadamente em linhas e colunas. EMENTA (RESUMO) Matrizes Matrizes, determinantes e suas propriedades, Multiplicação de matrizes, Operações com matrizes, Matrizes inversíveis. Sistemas de Equações Lineares Sistemas equações lineares,

Leia mais

Determinantes. Prof. Márcio Nascimento

Determinantes. Prof. Márcio Nascimento Determinantes Prof. Márcio Nascimento Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Licenciatura em Matemática Disciplina: Álgebra Matricial - 2015.2 4 de fevereiro

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES

ÁLGEBRA LINEAR SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES ÁLGEBRA LINEAR SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES Luís Felipe Kiesow de Macedo Universidade Federal de Pelotas - UFPel 1 / 14 Sistemas de Equações Lineares 1 Sistemas e Matrizes 2 Operações Elementares 3 Forma

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas UFAL Centro de Tecnologia - CTEC Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil - PPGEC

Universidade Federal de Alagoas UFAL Centro de Tecnologia - CTEC Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil - PPGEC Universidade Federal de Alagoas UFAL Centro de Tecnologia - CTEC Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil - PPGEC Introdução à Mecânica do Contínuo Tensores Professor: Márcio André Araújo Cavalcante

Leia mais

n. 35 AUTOVALORES e AUTOVETORES ou VALORES e VETORES PRÓPRIOS ou VALORES CARACTERÍSTICOS e VETORES CARACTERÍSTICOS

n. 35 AUTOVALORES e AUTOVETORES ou VALORES e VETORES PRÓPRIOS ou VALORES CARACTERÍSTICOS e VETORES CARACTERÍSTICOS n. 35 AUTOVALORES e AUTOVETORES ou VALORES e VETORES PRÓPRIOS ou VALORES CARACTERÍSTICOS e VETORES CARACTERÍSTICOS Aplicações: estudo de vibrações, dinâmica populacional, estudos referentes à Genética,

Leia mais

. (1) Se S é o espaço vetorial gerado pelos vetores 1 e,0,1

. (1) Se S é o espaço vetorial gerado pelos vetores 1 e,0,1 QUESTÕES ANPEC ÁLGEBRA LINEAR QUESTÃO 0 Assinale V (verdadeiro) ou F (falso): (0) Os vetores (,, ) (,,) e (, 0,) formam uma base de,, o espaço vetorial gerado por,, e,, passa pela origem na direção de,,

Leia mais

Álgebra Linear. Sérgio L. Zani

Álgebra Linear. Sérgio L. Zani Álgebra Linear Sérgio L Zani Segundo Semestre de 2001 2 Sumário 1 Espaços Vetoriais 5 11 Introdução e Exemplos 5 12 Propriedades 8 2 Subespaços Vetoriais 9 21 Introdução e Exemplos 9 22 Propriedades 10

Leia mais

x 1 3x 2 2x 3 = 0 2 x 1 + x 2 x 3 6x 4 = 2 6 x x 2 3x 4 + x 5 = 1 ( f ) x 1 + 2x 2 3x 3 = 6 2x 1 x 2 + 4x 3 = 2 4x 1 + 3x 2 2x 3 = 4

x 1 3x 2 2x 3 = 0 2 x 1 + x 2 x 3 6x 4 = 2 6 x x 2 3x 4 + x 5 = 1 ( f ) x 1 + 2x 2 3x 3 = 6 2x 1 x 2 + 4x 3 = 2 4x 1 + 3x 2 2x 3 = 4 INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO MAT-47 Álgebra Linear para Engenharia I Primeira Lista de Exercícios - Professor: Equipe da Disciplina EXERCÍCIOS. Resolva os seguintes sistemas:

Leia mais

ficha 1 matrizes e sistemas de equações lineares

ficha 1 matrizes e sistemas de equações lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha matrizes e sistemas de equações lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2/2

Leia mais

Espaços vectoriais reais

Espaços vectoriais reais ALGA - 00/0 - Espaços Vectoriais 49 Introdução Espaços vectoriais reais O que é que têm em comum o conjunto dos pares ordenados de números reais, o conjunto dos vectores livres no espaço, o conjunto das

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática. Geometria. Prof. Thales Vieira

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática. Geometria. Prof. Thales Vieira Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática Geometria Prof. Thales Vieira 2014 Geometria Euclidiana Espaço R n R n = {(x 1,...,x n ); x i 2 R} Operações entre elementos de R n Soma: (x 1,x

Leia mais

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear MÓDULO 1 - AULA 4 Objetivos Compreender os conceitos de independência e dependência linear. Estabelecer condições para determinar quando uma coleção

Leia mais

n. 33 Núcleo de uma transformação linear

n. 33 Núcleo de uma transformação linear n. 33 Núcleo de uma transformação linear Chama-se núcleo de uma transformação linear f: V W ao conjunto de todos os vetores v V que são transformados em 0 W. Indica-se esse conjunto por N(f) ou Ker (f).

Leia mais

Capítulo 3: Espaços Vetoriais

Capítulo 3: Espaços Vetoriais 3 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 3: Espaços Vetoriais Sumário 1 Subespaços Vetoriais................. 58 1.1 Caracterização dos Subespaços

Leia mais

Geometria Analítica. Cleide Martins. Turmas E1 e E3. DMat - UFPE Cleide Martins (DMat - UFPE ) VETORES Turmas E1 e E3 1 / 22

Geometria Analítica. Cleide Martins. Turmas E1 e E3. DMat - UFPE Cleide Martins (DMat - UFPE ) VETORES Turmas E1 e E3 1 / 22 Geometria Analítica Cleide Martins DMat - UFPE - 2017.1 Turmas E1 e E3 Cleide Martins (DMat - UFPE - 2017.1) VETORES Turmas E1 e E3 1 / 22 Objetivos 1 Entender a denição de VETOR 2 Aprender a somar dois

Leia mais

Matrizes e sistemas de equações algébricas lineares

Matrizes e sistemas de equações algébricas lineares Capítulo 1 Matrizes e sistemas de equações algébricas lineares ALGA 2007/2008 Mest Int Eng Biomédica Matrizes e sistemas de equações algébricas lineares 1 / 37 Definições Equação linear Uma equação (algébrica)

Leia mais

Resolução da 1ª Prova de Álgebra Linear II da UFRJ, período

Resolução da 1ª Prova de Álgebra Linear II da UFRJ, período www.engenhariafacil.net Resolução da 1ª Prova de Álgebra Linear II da UFRJ, período 2013.1 OBS: Todas as alternativas corretas são as letras A. 1) Para ter ao menos uma solução devemos escalonar para ver

Leia mais

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir:

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir: MATRIZES CONCEITO: Um conjunto de elementos algébricos dispostos em uma tabela retangular com linhas e colunas é uma Matriz. A seguir, vemos um exemplo de Matriz de 3 linhas e 4 colunas, e que representaremos

Leia mais

4.1 posição relativas entre retas

4.1 posição relativas entre retas 4 P O S I Ç Õ E S R E L AT I VA S Nosso objetivo nesta seção é entender a posição relativa entre duas retas, dois planos e ou uma reta e um plano, isto é, se estes se interseccionam, se são paralelos,

Leia mais

Sistemas de Equações Diferenciais Lineares

Sistemas de Equações Diferenciais Lineares Capítulo 9 Sistemas de Equações Diferenciais Lineares Agora, estamos interessados em estudar sistemas de equações diferenciais lineares de primeira ordem: Definição 36. Um sistema da linear da forma x

Leia mais

Álgebra Linear. Determinantes, Valores e Vectores Próprios. Jorge Orestes Cerdeira Instituto Superior de Agronomia

Álgebra Linear. Determinantes, Valores e Vectores Próprios. Jorge Orestes Cerdeira Instituto Superior de Agronomia Álgebra Linear Determinantes, Valores e Vectores Próprios Jorge Orestes Cerdeira Instituto Superior de Agronomia - 200 - ISA/UTL Álgebra Linear 200/ 2 Conteúdo Determinantes 5 2 Valores e vectores próprios

Leia mais

GRUPOS CÍCLICOS. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo

GRUPOS CÍCLICOS. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo Professora: Elisandra Bär de Figueiredo GRUPOS CÍCLICOS Potências e Múltiplos DEFINIÇÃO 1 Seja G um grupo multiplicativo. Dado a G dene-se a potência m-ésima de a, para todo inteiro m, ˆ se m 0, por recorrência

Leia mais

Vetores e Geometria Analítica

Vetores e Geometria Analítica Vetores e Geometria Analítica Vetores ECT2102 Prof. Ronaldo Carlotto Batista 28 de março de 2016 Sistema de coordenadas e distâncias Nesse curso usaremos o sistema de coordenadas cartesiano destro em três

Leia mais

Lista de exercícios cap. 2

Lista de exercícios cap. 2 Lista de exercícios cap. 2 Nos problemas de 1 a 7 apresenta-se um conjunto com as operações de adição e multiplicação por escalar nele definidas. Verificar quais deles são espaços vetoriais. Para aqueles

Leia mais

Resolução de algumas questões do Exame Nacional para Ingresso na Pós-Graduação em Computação (PosComp) entre os anos de 2002 e 2013

Resolução de algumas questões do Exame Nacional para Ingresso na Pós-Graduação em Computação (PosComp) entre os anos de 2002 e 2013 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Ciências Eatas e Tecnológicas Resolução de algumas questões do Eame Nacional para Ingresso na Pós-Graduação em Computação PosComp entre os anos

Leia mais

MAT 1202 ÁLGEBRA LINEAR II SUBESPACCOS FUNDAMENTAIS E TRANSF. LINEARES 23/08/12 Profs. Christine e Pedro

MAT 1202 ÁLGEBRA LINEAR II SUBESPACCOS FUNDAMENTAIS E TRANSF. LINEARES 23/08/12 Profs. Christine e Pedro MAT 1202 ÁLGEBRA LINEAR II 2012.2 SUBESPACCOS FUNDAMENTAIS E TRANSF. LINEARES 23/08/12 Profs. Christine e Pedro 1. Subespaços Fundamentais de uma Matriz (1.1) Definição. Seja A uma matriz retangular m

Leia mais

MAT Álgebra Linear I Física - Diurno Exercícios para a 1ªProva

MAT Álgebra Linear I Física - Diurno Exercícios para a 1ªProva MAT - 122 - Álgebra Linear I Física - Diurno Exercícios para a 1ªProva Paulo F. Leite, com a colaboração de Jéssica C. Paixão Fevereiro de 2012 1 Espaços Vetoriais e Subespaço Vetoriais Denição 1 Dizemos

Leia mais

Álgebra Linear. Alan Anderson

Álgebra Linear. Alan Anderson Álgebra Linear Alan Anderson 9 de abril de 2016 1 Espaço Euclidiano Denimos o espaço euclidiano n dimensional R n como sendo o conjunto das listas de n números reais. R n = {(x 1,..., x n ) : x 1,...,

Leia mais

Notas em Álgebra Linear

Notas em Álgebra Linear Notas em Álgebra Linear 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Definições básicas Uma equação linear, nas variáveis é uma equação que pode ser escrita na forma: onde e os coeficientes são números reais ou complexos,

Leia mais

Da aula passada... Posição relativa entre duas retas no espaço: { paralelas concorrentes COPLANARES. NÃO COPLANARES = reversas

Da aula passada... Posição relativa entre duas retas no espaço: { paralelas concorrentes COPLANARES. NÃO COPLANARES = reversas Simulados Na semana passada foi divulgado o primeiro simulado de gaal: vetores e produto escalar. Hoje será divulgado o segundo simulado: retas, planos e produto vetorial. Procure Monitoria GAAL 2013/1

Leia mais

3 Espaços com Produto Interno

3 Espaços com Produto Interno 3 Espaços com Produto Interno 3.1 Produtos Internos em Espaços Vetoriais Seja V um espaço vetorial. Um produto interno em V é uma função, : V V R que satisfaz P1) = v, u para todos u, v V ; P2) u, v +

Leia mais

Lista de Álgebra Linear Aplicada

Lista de Álgebra Linear Aplicada Lista de Álgebra Linear Aplicada Matrizes - Vetores - Retas e Planos 3 de setembro de 203 Professor: Aldo Bazán Universidade Federal Fluminense Matrizes. Seja A M 2 2 (R) definida como 0 0 0 3 0 0 0 2

Leia mais

Fundamentos de Álgebra Linear

Fundamentos de Álgebra Linear Fundamentos de Álgebra Linear Jonathan Tejeda Quartuccio Instituto de Pesquisas Científicas SISTEMAS DE EQUAÇÕES Uma equação linear com n incógnitas é descrita como a x + a x + a 3 x 3 + + a n x n = b

Leia mais

Um Curso de Nivelamento. Instituto de Matemática UFF

Um Curso de Nivelamento. Instituto de Matemática UFF Introdução à Álgebra Linear Um Curso de Nivelamento Jorge Delgado Depto. de Matemática Aplicada Katia Frensel Depto. de Geometria Instituto de Matemática UFF Março de 2005 J. Delgado - K. Frensel ii Instituto

Leia mais

ÍNDICE MATRIZES SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ÍNDICE MATRIZES SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA ÍNDICE MATRIZES Definição 1 Igualdade 2 Matrizes Especiais 2 Operações com Matrizes 3 Classificação de Matrizes Quadradas 9 Operações Elementares 11 Matriz Equivalente por Linha 11 Matriz na Forma Escalonada

Leia mais

Vetores no plano Cartesiano

Vetores no plano Cartesiano Vetores no plano Cartesiano 1) Definição de vetor Um vetor (geométrico) no plano R² é uma classe de objetos matemáticos (segmentos) com a mesma direção, mesmo sentido e mesmo módulo (intensidade). 1. A

Leia mais

Processo de ortogonalização de Gram-Schmidt. Mudança de Base. Doherty Andrade. DMA - F67 - Sala 205

Processo de ortogonalização de Gram-Schmidt. Mudança de Base. Doherty Andrade. DMA - F67 - Sala 205 DMA - F67 - Sala 205 e-mail:doherty@uem.br Em muitas situações trabalhar com uma base particular de V 3 pode simplificar o trabalho. Dado uma base β = { u 1, u 2, u 3 } e outra base β = { w 1, w 2, w 3

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE LINHARES Prof. Esp. Thiago Magalhães

FACULDADE PITÁGORAS DE LINHARES Prof. Esp. Thiago Magalhães VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO INTRODUÇÃO Cumpre de início, distinguir grandezas escalares das grandezas vetoriais. Grandezas escalares são aquelas que para sua perfeita caracterização basta informarmos

Leia mais

Transformações geométricas planas

Transformações geométricas planas 9 Transformações geométricas planas Sumário 9.1 Introdução....................... 2 9.2 Transformações no plano............... 2 9.3 Transformações lineares................ 5 9.4 Operações com transformações...........

Leia mais

Autovalores e Autovetores

Autovalores e Autovetores Autovalores e Autovetores Maria Luísa B. de Oliveira SME0300 Cálculo Numérico 24 de novembro de 2010 Introdução Objetivo: Dada matriz A, n n, determinar todos os vetores v que sejam paralelos a Av. Introdução

Leia mais

Capítulo 6: Transformações Lineares e Matrizes

Capítulo 6: Transformações Lineares e Matrizes 6 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 6: Transformações Lineares e Matrizes Sumário 1 Matriz de uma Transformação Linear....... 151 2 Operações

Leia mais

Álgebra Linear I - Aula 5. Roteiro

Álgebra Linear I - Aula 5. Roteiro 1. Produto vetorial. 2. Aplicações. 3. Produto misto. Álgebra Linear I - Aula 5 1 Produto vetorial Roteiro Definição: Dados vetores ū = (u 1, u 2, u 3 ) e v = (v 1, v 2, v 3 ) de R 3 definimos o produto

Leia mais

1 Segmentos orientados e vetores, adição e multiplicação

1 Segmentos orientados e vetores, adição e multiplicação MAP2110 Modelagem e Matemática 1 o Semestre de 2007 Resumo 1 - Roteiro de estudos - 07/05/2007 Espaços vetoriais bi e tri-dimensionais (plano ou espaço bidimensional E 2, e espaço tridimensional E 3 )

Leia mais

Notas de Aula Álgebra Linear. Elton José Figueiredo de Carvalho Escola de Ciências e Tecnologia Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Notas de Aula Álgebra Linear. Elton José Figueiredo de Carvalho Escola de Ciências e Tecnologia Universidade Federal do Rio Grande do Norte Notas de Aula Álgebra Linear Elton José Figueiredo de Carvalho Escola de Ciências e Tecnologia Universidade Federal do Rio Grande do Norte Versão 201608221232c de 22 de agosto de 2016 Parte I Espaços vetoriais

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 2 Formas Quadráticas

Cálculo Diferencial e Integral 2 Formas Quadráticas Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Cálculo Diferencial e Integral 2 Formas Quadráticas 1 Formas quadráticas Uma forma quadrática em R n é um polinómio do

Leia mais

[a11 a12 a1n 7. SISTEMAS LINEARES 7.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo

[a11 a12 a1n 7. SISTEMAS LINEARES 7.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo 7. SISTEMAS LINEARES 7.1. CONCEITO Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 1 a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 2... a n1 x 1 + a

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 7 ISOMORFISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 7 ISOMORFISMO INRODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBRA LINERAR CAPÍULO 7 ISOMORFISMO A pergunta inicial que se faz neste capítulo e que o motiva é: dada uma transformação linear : V W é possível definir uma transformação linear

Leia mais

Aula 19 Operadores ortogonais

Aula 19 Operadores ortogonais Operadores ortogonais MÓDULO 3 AULA 19 Aula 19 Operadores ortogonais Objetivos Compreender o conceito e as propriedades apresentadas sobre operadores ortogonais. Aplicar os conceitos apresentados em exemplos

Leia mais

Álgebra Linear II Apostila 2

Álgebra Linear II Apostila 2 Álgebra Linear II Apostila 2 1 SISTEMAS LINEARES Um sistema linear é um conjunto de equações de primeiro grau, que se escrevem em função de certas variáveis. A resolução do sistema visa encontrar justamente

Leia mais

Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez. Capítulo 10: Soluções e Respostas

Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez. Capítulo 10: Soluções e Respostas 10 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 10: Soluções e Respostas 263 264 CAPÍTULO 10. SOLUÇÕES E RESPOSTAS Capítulo 1 2.1* Temos 2 4 6 3 6 0 2A =,

Leia mais

Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta

Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta Capítulo 3 Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta Nesta aula vamos caracterizar de forma algébrica a posição relativa de duas retas no plano e de uma reta e de um círculo

Leia mais

Álgebra Linear Transformações Lineares

Álgebra Linear Transformações Lineares Álgebra Linear Transformações Lineares Prof. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br cabm@cin.ufpe.br 1 Transformações Lineares Funções lineares descrevem o tipo mais simples de dependência entre variáveis

Leia mais

Algebra Linear S ergio Lu ıs Zani

Algebra Linear S ergio Lu ıs Zani Álgebra Linear Sérgio Luís Zani 2 Sumário 1 Espaços Vetoriais 7 1.1 Introdução e Exemplos.......................... 7 1.2 Propriedades............................... 12 1.3 Exercícios.................................

Leia mais

G1 de Álgebra Linear I Gabarito

G1 de Álgebra Linear I Gabarito G1 de Álgebra Linear I 2013.1 6 de Abril de 2013. Gabarito 1) Considere o triângulo ABC de vértices A, B e C. Suponha que: (i) o vértice B do triângulo pertence às retas de equações paramétricas r : (

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR

EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR IST - 1 o Semestre de 016/17 MEBiol, MEAmbi EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR FICHA - Vectores e valores próprios 1 1 Vectores e valores próprios de transformações lineares Dada uma transformação linear T V!

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: ÁLGEBRA LINEAR E CÁLCULO VETORIAL Código da Disciplina: NDC152 Curso: Engenharia Civil Semestre de oferta da disciplina: 2 Faculdade responsável: NÚCLEO DE DISCIPLINAS

Leia mais

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES SISTEMAS LINEARES

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES SISTEMAS LINEARES MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES SISTEMAS LINEARES SISTEMAS LINEARES Equação linear Equação linear é toda equação da forma: a 1 x 1 + a 2 x 2 + a 3 x 3 +... + a n x n = b em que a 1, a 2, a

Leia mais

Álgebra Linear e Geometria Analítica Bacharelados e Engenharias Parte II Matrizes (continuação)

Álgebra Linear e Geometria Analítica Bacharelados e Engenharias Parte II Matrizes (continuação) Álgebra Linear e Geometria Analítica Bacharelados e Engenharias Parte II Matrizes (continuação) Prof.a Tânia Preto Departamento Acadêmico de Matemática UTFPR - 2014 Importante Material desenvolvido a partir

Leia mais

PROGRAMA ÁLGEBRA LINEAR, MEEC (AL-10) Aula teórica 32

PROGRAMA ÁLGEBRA LINEAR, MEEC (AL-10) Aula teórica 32 ÁLGEBRA LINEAR, MEEC (AL-10) Aula teórica 32 PROGRAMA 1. Sistemas de equações lineares e matrizes 1.1 Sistemas 1.2 Matrizes 1.3 Determinantes 2. Espaços vectoriais (ou espaços lineares) 2.1 Espaços e subespaços

Leia mais

Mudança de bases. Juliana Pimentel. juliana.pimentel. Sala Bloco A, Torre 2

Mudança de bases. Juliana Pimentel.  juliana.pimentel. Sala Bloco A, Torre 2 Mudança de bases Juliana Pimentel juliana.pimentel@ufabc.edu.br http://hostel.ufabc.edu.br/ juliana.pimentel Sala 507-2 - Bloco A, Torre 2 Um corpo se movendo no plano xy, com trajetória descrita pela

Leia mais

1 Matrizes Ortogonais

1 Matrizes Ortogonais Álgebra Linear I - Aula 19-2005.1 Roteiro 1 Matrizes Ortogonais 1.1 Bases ortogonais Lembre que uma base β é ortogonal se está formada por vetores ortogonais entre si: para todo par de vetores distintos

Leia mais

Lista de Exercícios III. junho de 2005

Lista de Exercícios III. junho de 2005 ÁLGEBRA LINEAR II Prof Amit Bhaya Lista de Exercícios III junho de 2005 Ortogonalidade, espaços fundamentais 1 Se Ax = b possui solução e A T y = 0, então y é perpendicular a 2 Se Ax = b não possui solução

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS AVANÇADO DE NATAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ÁLGEBRA LINEAR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS AVANÇADO DE NATAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ÁLGEBRA LINEAR UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS AVANÇADO DE NATAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ÁLGEBRA LINEAR PROFESSOR: MARCELO SILVA 1. Introdução No ensino fundamental você estudou

Leia mais

1 Cônicas Não Degeneradas

1 Cônicas Não Degeneradas Seções Cônicas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 11 de dezembro de 2001 Estudaremos as (seções) cônicas,

Leia mais

Planos e espaços coordenados e vetores

Planos e espaços coordenados e vetores Planos e espaços coordenados e vetores Sadao Massago 2011-05-05 a 2014-03-14 Sumário 1 Coordenadas no plano e no espaço 1 2 A distância entre dois pontos 3 3 vetor 4 4 soma e produto por escalar 7 5 produto

Leia mais

1 Vetores no Plano. O segmento de reta orientada P Q tem P como ponto inicial, Q como ponto nal e

1 Vetores no Plano. O segmento de reta orientada P Q tem P como ponto inicial, Q como ponto nal e Vetores no Plano Resumo 1 - Vetores no Plano 2. Componentes de um vetor; 3. Vetor nulo e vetores unitários; 4. Operações algébricas com vetores; 5. Exercícios; 6. Questões de Revisão 1 Vetores no Plano

Leia mais

PLANO DE ENSINO e APRENDIZAGEM Álgebra Linear

PLANO DE ENSINO e APRENDIZAGEM Álgebra Linear UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA PLANO DE ENSINO e APRENDIZAGEM Álgebra Linear I IDENTIFICAÇÃO 1.1. Disciplina:

Leia mais