Sistemas de equações lineares com três variáveis

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de equações lineares com três variáveis"

Transcrição

1 18 Sistemas de equações lineares com três variáveis Sumário 18.1 Introdução Sistemas de duas equações lineares Sistemas de três equações lineares Exercícios

2 Unidade 18 Introdução 18.1 Introdução Neste capítulo vamos estudar os sistemas de equações lineares com três variáveis tanto do ponto de vista algébrico quanto geométrico. Uma equação linear nas variáveis x, y e z é uma equação da forma ax + by + cz = d, (18.1) onde a, b, c, d R são constantes, sendo pelo menos um dos números a, b ou c diferentes de zero. As constantes a, b e c são os coecientes e a constante d é o termo independente da equação (18.1). Um sistema de n equações lineares a três variáveis é um conjunto de n equações do tipo (18.1): a 1 x + b 1 y + c 1 z = d 1 a x + b y + c z = d a n x + b n y + c n z = d n. (18.) Um terno ordenado de números reais (x 0, y 0, z 0 ) é uma solução do sistema (18.) se a k x 0 + b k y 0 + c k z 0 = d k, para todo k = 1,,..., n. Como os pontos do espaço são representados por ternos ordenados de números reais, em relação a um sistema de eixos ortogonais O, dizemos também que um ponto P = (x 0, y 0, z 0 ) é uma solução do sistema (18.) quando o terno ordenado de suas coordenadas (x 0, y 0, z 0 ) é uma solução. O conjunto de todas as soluções de (18.) é o conjunto solução do sistema. Dizemos que o sistema (18.) é determinado quando possui uma única solução; indeterminado quando possui mais de uma solução; impossível quando não possui soluções. 18. Sistemas de duas equações lineares com três variáveis No Capítulo 17 vimos que cada uma das equações do sistema (18.) é a equação de um plano.

3 Sistemas de equações lineares com três variáveis Unidade 18 Para n = 1, o conjunto solução do sistema (18.) é o plano representado pela equação a 1 x + b 1 y + c 1 z = d 1. Para n =, o conjunto solução S do sistema: { a 1 x + b 1 y + c 1 z = d 1 a x + b y + c z = d (18.) é o conjunto dos pontos que pertencem, simultaneamente, aos planos π 1 : a 1 x + b 1 y + c 1 z = d 1 e π : a x + b y + c z = d. Ou seja, S = π 1 π. O estudo do sistema (18.) será feito analisando as equivalências entre as possíveis posições relativas dos planos π 1 e π e as possíveis relações algébricas dos coecientes e dos termos independentes das equações do sistema. Do ponto de vista algébrico, as possibilidades para os vetores normais n 1 = (a 1, b 1, c 1 ) e n = (a, b, c ) aos planos π 1 e π, respectivamente, e os termos independentes d 1 e d são: (A1) Existe λ R tal que n = λ n 1 e d = λ d 1 ; (A) Existe λ R tal que n (A) Os vetores n e n 1 = λ n 1, mas d λ d 1 ; não são colineares. Por outro lado, pela Proposição 7 do Capítulo 17, há exatamente três posições relativas possíveis entre os planos π 1 e π : (G1) π 1 e π são coincidentes: π 1 = π ; (G) π 1 e π são paralelos: π 1 π = ; (G) π 1 e π se intersectam ao longo de uma reta l: π 1 π = l. As posições relativas (G1), (G) e (G) entre os planos π 1 e π são equivalentes, respectivamente, às alternativas algébricas (A1), (A) e (A) para os vetores n 1 = (a 1, b 1, c 1 ) e n = (a, b, c ) e os termos independentes d 1 e d das equações do sistema (18.). Proposição 1 (A1)= (G1) Se n = λ n 1 e d = λd 1, a equação do plano π é obtida multiplicando por λ ambos os membros da equação do plano π 1. Consequêntemente, um ponto que satisfaz a primeira deve, necessariamente, satisfazer a segunda e, reciprocamente. Portanto, um ponto pertence ao plano π 1 se, e só se, pertence ao plano π. Ou seja, os planos π 1 e π coincidem e o conjunto solução do sistema é: S = π 1 = π (Figura 18.1). Demonstração

4 Unidade 18 Sistemas de duas equações lineares... π π 1 P n1 n Figura 18.1: S = π 1 = π (A)= (G) Suponhamos que n = λ n 1 P = (x, y, z) pertence ao plano π 1 se, e só se, e d λd 1. Então, um ponto a 1 x + b 1 y + c 1 z = d 1 λa 1 x + λb 1 y + λc 1 z = λd 1 a x + b y + c z = λd 1. (18.4) Como d λd 1, temos, por (18.4), que P π. Logo, π 1 π =, ou seja, π 1 e π são planos paralelos e S = (Figura 18.). n n 1 π 1 π Figura 18.: S =, pois π 1 π (A)= (G) Neste caso, a hipótese implica que n 1 n = (b 1 c b c 1, a c 1 a 1 c, a 1 b a b 1 ) (0, 0, 0). Sem perda de generalidade, suponhamos que a última coordenada D = a 1 b a b 1 do produto vetorial n 1 n é diferente de zero. O sistema (18.) pode ser escrito na forma: a 1 x + b 1 y = d 1 c 1 z a x + b y = d c z. 4

5 Sistemas de equações lineares com três variáveis Unidade 18 Sendo o determinante D = a 1 b a b 1 0 da matriz do sistema acima diferente de zero, ele pode ser resolvido de forma única para cada valor de z: x = 1 D [(d 1 c 1 z)b (d c z)b 1 ] y = 1 D [(d c z)a 1 (d 1 c 1 z)a ]. Portanto, os planos π 1 e π se intersectam ao longo da reta x = 1 (d D 1b d b 1 ) + 1 (b D 1c b c 1 )t l : y = 1 (d D a 1 d 1 a ) + 1 (a D c 1 a 1 c )t; t R, z = t que é paralela ao vetor u = ( 1 D (b 1c b c 1 ), 1 D (a c 1 a 1 c ), 1 ). Multiplicando o vetor u por D, obtemos que l é uma reta paralela ao produto vetorial n 1 n (Figura 18.). n 1 π π 1 n u l Figura 18.: S = π 1 π = l Reciprocamente, (G1)= (A1), (G)= (A) e (G)= (A), porque as condições (G1), (G) e (G) se excluem mutuamente e as alternativas (A1), (A) e (A) esgotam todas as possibilidades. Suponhamos, por exemplo, que vale (G1), isto é, que os planos π 1 e π coincidem. Então, existe λ R tal que n = λ n 1 e d = λd 1, pois, caso contrário, valeria (A) ou (A). Mas se valesse (A), teríamos que π 1 e π seriam paralelos, uma contradição, e se valesse (A), π 1 e π se intersectariam ao longo de uma reta, novamente uma contradição. 5

6 Unidade 18 Sistemas de duas equações lineares... Observação Além de ser descrita por suas equações paramétricas ou simétricas, como vimos no Capítulo 16, a equivalência (A) (A) nos dá outra maneira de representar analiticamente uma reta no espaço. Ou seja, uma reta r pode ser caracterizada como o conjunto dos pontos P = (x, y, z) cujas coordenadas são as soluções do sistema a 1 x + b 1 y + c 1 z = d 1 a x + b y + c z = d, se os vetores n 1 = (a 1, b 1, c 1 ) e n = (a, b, c ), normais aos planos π 1 : a 1 x + b 1 y + c 1 z = d 1 e π : a x + b y + c z = d, não são múltiplos um do outro. Neste caso, n 1 n é um vetor paralelo à reta r. Para determinar as equações paramétricas de r, basta obter um ponto A qualquer que satisfaz ao sistema. Feito isso, r = {A + t ( n 1 n ) ; t R}. Exemplo 1 Determine o conjunto solução S dos sistemas. { x + y + z = (a) 1 x + 1 y + z = 1. Solução. As equações correspondem aos planos π 1 : x + y + z = perpendicular ao vetor n 1 = (1, 1, ) e π : 1x + 1 y + z = 1 perpendicular ao vetor n = ( 1, 1, 1). Como n = 1 n 1 e 1 = d = 1 d 1 = 1, os planos são coincidentes e, portanto, S = π 1 = π. Logo, o sistema é indeterminado, com um número innito de soluções. { x + y + z = 1 (b) 1 x + y + z = 0. Solução. Nesse sistema, as equações correspondem aos planos π 1 : x + y + z = 1 e π : 1 x + y + z = 0, normais aos vetores n 1 = (1,, ) e n = ( 1, 1, 1), respectivamente. Sendo n = 1 n 1 e 0 = d 1 d 1 = 1 1 = 1, os planos π 1 e π são paralelos. Logo, o sistema não possui solução, isto é, o sistema é impossível. 6

7 Sistemas de equações lineares com três variáveis Unidade 18 (c) { x + y + z = 0 x + y + z =. Solução. As equações do sistema representam os planos π 1 : x + y + z = 0 e π : x+y +z = perpendiculares aos vetores n 1 = (1, 1, ) e n = (1, 1, 1), respectivamente. Como os vetores n 1 e n não são múltiplos, temos que π 1 π = l é uma reta paralela ao vetor v = n 1 n = (1, 1, 0). Fazendo x = 0 nas equações, obtemos y = 4 e z =. Logo, A = (0, 4, ) l. Assim, l = S = {(t, 4 + t, ) ; t R} e, portanto, o sistema é indeterminado, com um número innito de soluções. Mostre que, para todo m R, a solução do sistema abaixo é uma reta r m : mx + y + z = 1 (18.5) x + my + z =. Exemplo Obtenha, caso exista, m R de modo que a reta r m seja perpendicular ao plano π : x z = 0. Caso armativo, determine o ponto P de interseção da reta r com o plano π. Solução. Sejam n 1 = (m, 1, ) e n planos π 1 : mx + y + z = 1 e π : x + my + z =. Como u = n1 n = = (1, m, 1) os vetores normais aos 1 m e 1 m 1 e + e m m = (1 m, m +, m 1) (0, 0, 0), temos, pela Proposição 1, que a solução do sistema é uma reta r m paralela ao vetor u, para todo m R. Para que a reta r m seja perpendicular ao plano π, o vetor u deve ser um múltiplo do vetor v = (1, 0, 1), normal a π. Logo, u v = 0, ou seja, u m + m v = e 1 1 m m e + 1 m m e = (m, m( m), m ) = (0, 0, 0). Segue que m = e u = (14, +, 41) = (, 0, ). Fazendo x = 0 e m = em (18.5), obtemos o sistema 7

8 Unidade 18 Sistemas de três equações lineares... y + z = 1 y + z, cuja solução é y = 1 e z = 0. Logo, A = (0, 1, 0) r e as equações paramétricas de r são x = t r : y = 1 ; t R z = t. Seja r π = {P }. Então, P = (t, 1, t) e as coordenadas x = t, y = 1 e z = t de P satisfazem à equação de π : x z = t t = 0 t = 0. Assim, P = A = (0, 1, 0) π A u r é o ponto de interseção de r com π (Figura 18.4). Figura 18.4: r π, com r π = {A} 18. Sistemas de três equações lineares com três variáveis Consideremos agora um sistema de três equações lineares com três variáveis x, y, z: a 1 x + b 1 y + c 1 z = d 1 a x + b y + c z = d a x + b y + c z = d. (18.6) As equações do sistema (18.6) representam os planos π k : a k x+b k y+c k z = d k, normais aos vetores n k = (a k, b k, c k ), k = 1,,. Do ponto de vista geométrico, existem oito possibilidades para a posição relativa entre os planos π 1, π e π : (G1) Os três planos coincidem: π 1 = π = π ; 8

9 Sistemas de equações lineares com três variáveis Unidade 18 (G) Dois dos planos coincidem e o terceiro é paralelo a eles: π 1 = π e π π 1 = ; (G) Os planos são paralelos dois a dois: π π = ; π 1 π =, π 1 π = e (G4) Dois dos planos coincidem e o terceiro os intersecta ao longo de uma reta l: π 1 = π e π π 1 = l; (G5) Dois dos planos são paralelos e o terceiro os intersecta segundo retas paralelas l 1 e l : π 1 π =, π 1 π = l 1 e π π = l ; (G6) Os três planos são distintos e se intersectam ao longo de uma reta l: π 1 π, π 1 π, π π e π 1 π π = l; (G7) Os três planos se intersectam, dois a dois, segundo retas paralelas entre si: π 1 π = l 1, π π = l, π 1 π = l, l 1 l l ; (G8) Os três planos têm um único ponto em comum: π 1 π π = {P }; Por outro lado, sob o ponto de vista algébrico, há apenas oito alternativas possíveis a respeito dos vetores linha n i d i, i = 1,,, das equações do sistema (18.6): (A1) Existem λ, µ R tais que n d = µd 1 ; (A) Existem λ, µ R tais que n d µd 1 ; (A) Existem λ, µ R tais que n d µd 1 e d µ λ d ; (A4) Existe λ R tal que n múltiplos; (A5) Existe λ R tal que n múltiplos; = λ n 1 = (a i, b i, c i ) e os termos independentes = λ n 1, n = µ n 1, d = λd 1 e = λ n 1, n = µ n 1 e d = λd 1, mas = λ n 1 e n e d = λd 1, mas n 1 = µ n 1, mas d λd 1, e n não são = λ n 1, mas d λd 1 e n 1 e n não são (A6) Nenhum dos vetores n 1, n e n é múltiplo do outro, mas existem λ, µ R tais que n = λ n 1 + µ n e d = λd 1 + µd ; (A7) Os vetores n 1, n e n são dois a dois não colineares, mas existem λ, µ R tais que n = λ n 1 (A8) Os vetores n 1, n e n são LI. + µ n e d λd 1 + µd ; 9

10 Unidade Sistemas de três equações lineares Proposição Demonstração As posições relativas G1 G8 entre os três planos π1, π e π representados pelas equações correspondentes do sistema (18.6) equivalem, respectiva mente, às alternativas algébricas A1 A8 para os vetores linha i = (ai, bi, ci ) e os termos independentes di, i = 1,,, das equações do sistema (18.6). As equivalências Ai Gi, i = 1,..., 5, seguem diretamente das equivalências (Aj) (Bj), j = 1,,, da Proposição 1, aplicadas aos pares de planos π1 e π, π1 e π, π e π, do sistema (18.6). (Figuras 18.5 a 18.9). k n k n n 1 Figura 18.5: G1: n π1 = π = π π 1 k n π1 π π π π1 1 Figura 18.6: G: π1 = π e π1 k π Figura 18.7: G: π1 k π, π1 k π π 1 k n ` π k π e π1 π = ` Figura 18.9: G5: π 1 `1 π1 π1 = π e π π1 Figura 18.8: G4: π π1 π π ` π1 k π, π1 π = `1 k ` = π π Resta, ainda, mostrar as equivalências Ai Gi, i = 6, 7, 8. 10

11 Sistemas de equações lineares com três variáveis A6 = G6 Suponhamos que os vetores 1, n e n são dois a dois não colineares. Pela implicação G = A da Proposição 1, os planos π1 e π se intersectam ao longo de uma reta `. Sejam P = (x, y, z) um ponto da reta ` = π1 π e λ, µ R. Então: a1 x + b 1 y + c 1 z = d 1 n 1 π π1 ` π e Unidade a x + b y + c z =π1d π π = ` Figura 18.10: G6: = λa1 x + λb1 y + λc1 z = λd1 e µa x + µb y + µc z = µd = (λa1 + µa )x + (λb1 + µb )y + (λc1 + µc )z = λd1 + µd. Se, além disso, existem λ, µ R tais que = λn1 + µn e d = λd + µd1, então a x + b y + c z = d e, portanto, P π. Logo, ` π. Como os planos π1 e π, pela Proposição 1, também se intersectam ao longo de uma reta e ` π1 π, obtemos que π1 π = `. Então, π1 π π = ` (Figura 18.10). A7 = G7 Pelo provado acima, π1 e π se intersec ` tam ao longo de uma reta `1 n n1 n1 e essa reta não intersecta o plano π, pois, por hipótese, ` existem λ, µ R tais que ` π1 = λn1 +µn, mas d 6= `1 λd1 + µd. Logo, π1 π π π =. π Sejam ` e ` as retas tais que π π = ` e π1 Figura 18.11: G7: π1 π = `1, π π = `, π1 π = `, π = `. Como π1 π `1 k `, ` k ` e `1 k ` π =, segue que `1 ` = `1 ` = ` ` =, ou seja, as retas `1, ` e ` são duas a duas paralelas. A8 = G8 Como os vetores 1, n e n são LI, temos que 6 0. [ 1, n, n ] = hn1 n, n i = 11 18

12 Unidade 18 Sistemas de três equações lineares... Em particular, nenhum desses vetores é múltiplo do outro. Logo, pela Observação, π 1 π = r é uma reta paralela ao vetor n 1 n. E, sendo n 1 n, n 0, temos, pela Proposição 1 do Capítulo 17, que r π consiste de um único ponto P. Logo π 1 π π 18.1). = {P } (Figura l l P n1 n π 1 l 1 π Figura 18.1: Posição G8 π n Uma vez que as posição relativas G1 G8 dos planos π 1, π e π se excluem mutuamente e as alternativas algébricas A1 A8 esgotam todas as possibilidades, as implicações Gi = Ai, para todo i = 1,..., 8, são também verdadeiras. Suponhamos, por exemplo que vale G8, isto é, que π 1 π π consiste de um único ponto. Então, nenhum dos vetores n 1, n e n é múltiplo do outro, pois, caso contrário, satisfariam a uma das condições dadas por A1 A5 e o sistema seria, portanto, impossível ou indeterminado. Não pode ocorrer também que um dos vetores n 1, n e n seja combinação linear dos outros dois, pois, neste caso, teríamos, pelas implicações A6 = G6 e A7 = G7, que o sistema seria indeterminado ou impossível. Assim, como nenhum dos vetores n 1, n e n é combinação linear dos outros dois, obtemos que eles são LI. Observação 4 Um sistema de três equações lineares com três incógnitas é homogêneo quando todos os termos independentes são iguais a zero: a 1 x + b 1 y + c 1 z = 0 a x + b y + c z = 0 a x + b y + c z = 0. (18.7) Note que um sistema linear homogêneo sempre possui a solução trivial (x, y, z) = (0, 0, 0). Então, decorre da Proposição, que o sistema (18.7) possui apenas a solução trivial se, e só se, o determinante da matriz A do sistema é diferente de zero, isto é, se, e só se, os seus vetores linha são LI. 1

13 Sistemas de equações lineares com três variáveis Unidade 18 Equivalentemente, o sistema homogêneo possui uma solução não trivial se, e só se, det A = 0. Neste caso, o conjunto solução são os pontos do plano π 1 que passa pela origem, quando π 1 = π = π, e são os pontos da reta r = π 1 π π que passa pela origem, nos outros casos, onde π i : a i x+b i y+c i z = 0, i = 1,,, são os planos representados pela equações do sistema. Antes de darmos alguns exemplos, provaremos a seguinte aplicação geométrica da equivalência A8 G8. Por quatro pontos não coplanares no espaço passa uma única esfera. Proposição 5 Se existir uma esfera S de centro P 0 e raio R > 0 que passa pelos pontos não coplanares A, B, C e D, devemos ter d(a, P 0 ) = d(b, P 0 ) = d(c, P 0 ) = d(d, P 0 ) = R, ou seja, o centro P 0 da esfera S é um ponto equidistante dos pontos A, B, C e D. Sejam π 1 o conjunto dos pontos equidistantes de A e B, π o conjunto dos pontos equidistantes de A e C e π o conjunto dos pontos equidistantes de A e D. Pelo Exemplo, do Capítulo 1, π 1 é o plano perpendicular ao vetor AB que passa pelo ponto médio do segmento AB, π é o plano normal ao vetor AC que contém o ponto médio do segmento AC e π é o plano perpendicular ao vetor AD que contém o ponto médio do segmento AD. Como os pontos A, B, C e D não são coplanares, os vetores AB, AC e AD são LI. Logo, pela equivalência A8 G8, os planos π 1, π e π se intersectam num único ponto P 0. Assim, a esfera S de centro P 0 e raio R = d(a, P 0 ) é a única esfera que passa pelos pontos não coplanares A, B, C e D. Demonstração Analise o sistema, exibindo o seu conjunto solução. x y z = 1 x y + z = 0 x y + z =. Solução. Sejam n 1 = (,, ), n = (1,, ) e n = (1, 1, 1) os vetores normais dos planos π 1 : x y z = 1, π : x y + z = 0 e Exemplo 1

14 Unidade 18 Sistemas de três equações lineares... π : x y + z = representados pelas equações do sistema. Estes vetores são LI, pois = det( n 1, n, n ) = det = 5. Logo, o sistema tem uma única solução P = (x, y, z), cujas coordenadas podem ser obtidas, por exemplo, usando a regra de Cramer: x= 1 1 det 0, y = 1 1 det 1 0 e z = 1 1 det Calculando os determinantes, obtemos: x = 5, y = 16 5 e z = 5. Vamos obter agora uma solução geométrica mais simples do sistema. Pela Observação, π 1 π = r é uma reta paralela ao vetor u = n 1 n = (1, 9, ). Fazendo z = 0 nas equações dos planos π 1 e π, obtemos x = 1 e y = 1 (. Logo, A = 1, 1 ), 0 é um ponto da reta r, cujas equações paramétricas são, portanto, x = 1t + 1, y = 9t + 1 e z = t; t R. Substituindo as coordenadas de um ponto P = (1t + 1, 9t + 1 ), t da reta r na equação do plano π, obtemos que P r π se, e só se, ( (1t + 1) 9t + 1 ) + (t) =. Logo, t = ( 6 10 e, portanto, P = 7 + 1, , ) ( = 5 5, 16 5, ). 5 Exemplo 4 Determine a interseção entre os planos π 1 : x + y + z =, π : x y z = 0 e π : x y z =. Solução. Sejam n 1 = (1, 1, 1), n = (1, 1, 1) e n = (, 1, 1) vetores normais aos planos π 1, π e π, respectivamente. Como n 1 n = (0,, ) (0, 0, 0), obtemos, pela Observação, que π 1 e π se intersectam ao longo de uma reta r paralela ao vetor n 1 n. Fazendo y = 0 nas equações dos planos π 1 e π, obtemos x = 1 e z = 1. Então, o ponto A = (1, 0, 1) pertence à reta r, cujas equações paramétricas são 14

15 Sistemas de equações lineares com três variáveis Unidade 18 x = 1, y = t e z = t + 1; t R. Substituindo as coordenadas de um ponto P = (1, t, t + 1) da reta r na equação do plano π, obtemos 1 t (t + 1) =, para todo t R. Logo, r π e, portanto, π 1, π e π se intersectam ao longo da reta r. Observe que n = n 1 + n e que d = d 1 + d, onde d 1 =, d = 0 e d = são os termos independentes das equações dos planos π 1, π e π. Logo, n 1, n, n, d 1, d e d satisfazem à alternativa A6. Portanto, pela Proposição, os planos π 1, π e π se encontram na posição relativa G6, ou seja, π 1 π π é uma reta. Obtenha os possíveis valores para α e β de modo que os planos π 1 : x + αy + z = 1, π : x y + z = 0 e π : x y + z = β. (a) se intersectem, dois a dois, ao longo de três retas paralelas; (b) se intersectem ao longo de uma reta. Solução. Sejam n 1 = (, α, 1), n = (1, 1, ) e n = (1, 1, 1) os vetores normais aos planos π 1, π e π. É fácil vericar que, qualquer que seja o valor de α R, nenhum desses vetores é múltiplo do outro. Para eles serem LD, devemos ter: α 1 det 1 1 = 4 + α = 0, ou seja, α = Então, para α =, n 1 é combinação linear de n e n, isto é, existem a, b R tais que n 1 = a n + b n (,, 1) = a(1, 1, ) + b(1, 1, 1) a + b =, a b =, a + b = 1. Resolvendo o sistema a + b = a + b = 1, obtemos a = 1 e b = 5. Logo, n 1 = 1 n + 5 n. Finalmente, analisando os termos independentes d 1 = 1, d = 0 e d = β das equações que representam os planos π 1, π e π, respectivamente, obtemos, Exemplo 5 15

16 Unidade 18 Sistemas de três equações lineares... pela equivalência A6 G6, que π 1, π e π se intersectam ao longo de uma reta se, e só se, 1 = d 1 = 1 d + 5 d = β = 5 β, ou seja, se, e só se, β =. Então, pela equivalência A7 G7, os planos se intersectam, dois 5 a dois, segundo retas paralelas umas às outras se, e somente se, β 5. Exemplo 6 Encontre a equação da esfera S que passa pelos pontos A = (1,, ), B = (1, 4, 1), C = (,, 1) e D = (0, 4, 1). Solução. Sejam π 1, π e π os conjuntos dos pontos equidistantes dos pontos A e B, A e C, e A e D, respectivamente. Então, π 1 é o plano normal ao vetor AB = (,, 4) que passa pelo ponto médio M AB = (0,, 1) do segmento AB, π é o plano normal ao vetor AC = (4, 4, 4) que contém o ponto médio M AC = (1, 0, 1) do segmento AC, e π é o plano perpendicular ao vetor AD = (1,, ) que passa pelo ponto médio M AD = ( 1 ),, do segmento AD. Assim, π 1 : x+y4z =, π : 4x4y4z = 0 e π : x+yz =. Como os vetores AB e AC não são colineares, π 1 π é uma reta paralela ao vetor AB AC = (4, 8, 16). Fazendo z = 0 nas equações dos planos π 1 e π, obtemos x = y = 1 ( 1. Logo, E =, 1 ), 0 é um ponto da reta r e, portanto x = 4t + 1, y = 8t + 1 são equações paramétricas da reta r. e z = 16t; t R, O centro P 0 da esfera S é o ponto onde a reta r intersecta o plano π. Para obtermos P 0, devemos substituir as coordenadas x = 4t + 1, y = 8t + 1 e z = 16t, de um ponto da reta r, na equação do plano π : x + y z = ( : 4t + 1 ) ( + 8t + 1 ) (16t) = 8t = 1 1 = 0 t = 0. ( 1 Então, P 0 =, 1 ), 0 é o centro, (1 ) ( 1 ) R = d(a, P 0 ) = (0 ) = 4 = 7 é o raio e ( x 1 ) ( + y 1 ) + z = 7 é a equação da única esfera S que passa pelos pontos não coplanares A, B, C e D. 16

17 Sistemas de equações lineares com três variáveis Unidade Exercícios 1. Determine todos os pontos de interseção dos planos (a) π 1 : x + y = e π : x + y z = 0; (b) π 1 : x + y + z = 1 e π : x + y z = 1; (c) π 1 : x y + z = 0 e π : 4x y z = 1.. Sejam os planos π 1 : x y + az = b e π : ax + y + z = 1. Descreva a posição relativa entre os planos π 1 e π em termos de a e b.. Ache o conjunto solução do sistema e determine em qual dos casos, G1 a G8, ele se enquadra: x + y + z = 1 (a) x + y + z = x 4y + z = 6. x + y + 5z = 1 (c) x + y + z = x y + z = 0. x + y + z = (b) 4x + y + z = x + y + = 0. x + y + z = 1 (d) x + y + z = 1 x + y + z =. 4. Considere os planos π 1 : ax + by + z = 0, π : x y + z = e π : x + y z = 1. Obtenha todos os valores de a e b, caso existam, de modo que a interseção dos planos π 1, π e π seja: (a) um único ponto; (b) uma reta; (c) o conjunto vazio. 5. Que relação deve haver entre λ, α e γ para que o sistema 4x y + z = λ x + y + z = α x + 4y + z = γ possua solução? 6. Mostre que o sistema abaixo possui uma única solução quaisquer que sejam a, b, c, d R: 17

18 Unidade 18 Exercícios x + y + z = b x + 9y + z = c ax + y + z = d. 7. Encontre os números reais λ, α e γ a m de que o conjunto solução do sistema λx + αy + z = γ x + y z = γ x + y + z = γ seja uma reta que passa pelo ponto A = (0, 1, 1). 8. Determine os valores de λ R para os quais o sistema abaixo tem uma única solução e obtenha essa solução em função do parâmetro λ: λx y z = 1 x y + z = x y =. 9. Ache a equação da esfera S que passa pelos pontos A = (, 5, 1), B = (5, 1, 1), C = (1, 1, ) e D = (7,, 1). 10. Considere os planos π 1 : mx ny + z = e π : nx my + nz = 4, onde m, n R. Determine m, n R, de modo que (a) π 1 e π sejam paralelos; (b) π 1 π seja uma reta que passa pelo ponto A = (0, 0, ) e é perpendicular ao vetor v = (, 1, 1). 11. Ache as equações das esferas de raio igual a A = (, 0, 5), B = (1,, 1) e C = (1, 0, 1). 0 que contêm os pontos 1. Considere os pontos A = (1,, 1), B = (, 4, ) e o plano π : x y +z = 1. Determine: (a) o conjunto dos pontos equidistantes de A e B; (b) o ponto C = (x, y, z) pertencente a π tal que CA = CB = 11 e x + y z < 0; (c) a área do triângulo de vértices A, B e C, e o plano que contém esse triângulo. 18

19 Sistemas de equações lineares com três variáveis Unidade Prove as implicações G6 = A6 e G7 = A7, usando apenas a Proposição 1 e a Observação. 14. Encontre todas as soluções do sistema de três equações lineares com quatro incógnitas x, y, z e t, em função da variável t: x + y + z + t = 7 x + y z + t = 0 x + y + z + 5t = Dê uma condição algébrica necessária e suciente para que quatro planos no espaço se intersectem (a) ao longo de uma reta; (b) dois a dois ao longo de quatro retas paralelas. 16. Sejam n 1 Prove que o sistema = (a 1, b 1, c 1 ), n = (a, b, c ) e n a 1 x + b 1 y + c 1 z = d 1 = (a, b, c ) vetores LI. a x + b y + c z = d a x + b y + c z = d a 4 x + b 4 y + c 4 z = d 4 admite solução se, e somente se, existem constantes α, β, γ R tais que o vetor n 4 = (a 4, b 4, c 4 ) e o escalar d 4 satisfazem: n 4 = α n 1 + β n + γ n e d 4 = αd 1 + βd + γd. 19

Equações da reta no plano

Equações da reta no plano 3 Equações da reta no plano Sumário 3.1 Introdução....................... 2 3.2 Equação paramétrica da reta............. 2 3.3 Equação cartesiana da reta.............. 7 3.4 Equação am ou reduzida da reta..........

Leia mais

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que Capítulo 11 1. Equações da reta no espaço Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que AP = t AB Fig. 1: Reta r passando por A e B. Como o ponto

Leia mais

4.1 posição relativas entre retas

4.1 posição relativas entre retas 4 P O S I Ç Õ E S R E L AT I VA S Nosso objetivo nesta seção é entender a posição relativa entre duas retas, dois planos e ou uma reta e um plano, isto é, se estes se interseccionam, se são paralelos,

Leia mais

x 1 3x 2 2x 3 = 0 2 x 1 + x 2 x 3 6x 4 = 2 6 x x 2 3x 4 + x 5 = 1 ( f ) x 1 + 2x 2 3x 3 = 6 2x 1 x 2 + 4x 3 = 2 4x 1 + 3x 2 2x 3 = 4

x 1 3x 2 2x 3 = 0 2 x 1 + x 2 x 3 6x 4 = 2 6 x x 2 3x 4 + x 5 = 1 ( f ) x 1 + 2x 2 3x 3 = 6 2x 1 x 2 + 4x 3 = 2 4x 1 + 3x 2 2x 3 = 4 INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO MAT-47 Álgebra Linear para Engenharia I Primeira Lista de Exercícios - Professor: Equipe da Disciplina EXERCÍCIOS. Resolva os seguintes sistemas:

Leia mais

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira: Aula 1 1. Ângulo entre duas retas no espaço Definição 1 O ângulo (r1, r ) entre duas retas r1 e r se define da seguinte maneira: (r1, r ) 0o se r1 e r são coincidentes, Se as retas são concorrentes, isto

Leia mais

Geometria Analítica - Aula

Geometria Analítica - Aula Geometria Analítica - Aula 19 246 IM-UFF K. Frensel - J. Delgado Aula 20 Vamos analisar a equação Ax 2 + Cy 2 + Dx + Ey + F = 0 nos casos em que exatamente um dos coeficientes A ou C é nulo. 1. Parábola

Leia mais

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias 4 Posição relativa entre retas e círculos e distâncias Sumário 4.1 Distância de um ponto a uma reta.......... 2 4.2 Posição relativa de uma reta e um círculo no plano 4 4.3 Distância entre duas retas no

Leia mais

Lembremos que um paralelogramo é um quadrilátero (figura geométrica com quatro lados) cujos lados opostos são paralelos.

Lembremos que um paralelogramo é um quadrilátero (figura geométrica com quatro lados) cujos lados opostos são paralelos. Capítulo 5 Vetores no plano 1. Paralelogramos Lembremos que um paralelogramo é um quadrilátero (figura geométrica com quatro lados) cujos lados opostos são paralelos. Usando congruência de triângulos,

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia 2ª Lista de Exercícios - Geometria Analítica

Bacharelado em Ciência e Tecnologia 2ª Lista de Exercícios - Geometria Analítica MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS Bacharelado em Ciência e Tecnologia ª Lista de Exercícios - Geometria Analítica 008. ) São dados os pontos

Leia mais

Lista de Exercícios de Geometria

Lista de Exercícios de Geometria Núcleo Básico de Engenharias Geometria - Geometria Analítica Professor Julierme Oliveira Lista de Exercícios de Geometria Primeira Parte: VETORES 1. Sejam os pontos A(0,0), B(1,0), C(0,1), D(-,3), E(4,-5)

Leia mais

1 Geometria Analítica Plana

1 Geometria Analítica Plana UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAMPUS DE CAMPO MOURÃO Curso: Matemática, 1º ano Disciplina: Geometria Analítica e Álgebra Linear Professora: Gislaine Aparecida Periçaro 1 Geometria Analítica Plana A Geometria

Leia mais

2.1 Equações do Plano

2.1 Equações do Plano 2.1 Equações do Plano EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 2.1 1. Classi que as a rmações em verdadeiras V) ou falsas F), justi cando cada resposta. a) ) Um ponto A x; y; z) pertence ao eixo z se, e somente se, x

Leia mais

0 < c < a ; d(f 1, F 2 ) = 2c

0 < c < a ; d(f 1, F 2 ) = 2c Capítulo 14 Elipse Nosso objetivo, neste e nos próximos capítulos, é estudar a equação geral do segundo grau em duas variáveis: Ax + Bxy + Cy + Dx + Ey + F = 0, onde A 0 ou B 0 ou C 0 Para isso, deniremos,

Leia mais

APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA

APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA 4 APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA Gil da Costa Marques 4.1 Geometria Analítica e as Coordenadas Cartesianas 4. Superfícies 4..1 Superfícies planas 4.. Superfícies limitadas e não limitadas 4.3 Curvas

Leia mais

3. Obter a equação do plano que contém os pontos A = (3, 0, 1), B = (2, 1, 1) e C = (3, 2, 2).

3. Obter a equação do plano que contém os pontos A = (3, 0, 1), B = (2, 1, 1) e C = (3, 2, 2). Lista II: Retas, Planos e Distâncias Professora: Ivanete Zuchi Siple. Equação geral do plano que contém o ponto A = (,, ) e é paralelo aos vetores u = (,, ) e v = (,, ).. Achar a equação do plano que passa

Leia mais

Da aula passada... Posição relativa entre duas retas no espaço: { paralelas concorrentes COPLANARES. NÃO COPLANARES = reversas

Da aula passada... Posição relativa entre duas retas no espaço: { paralelas concorrentes COPLANARES. NÃO COPLANARES = reversas Simulados Na semana passada foi divulgado o primeiro simulado de gaal: vetores e produto escalar. Hoje será divulgado o segundo simulado: retas, planos e produto vetorial. Procure Monitoria GAAL 2013/1

Leia mais

6. Calcular as equações paramétricas de uma reta s que passa pelo ponto A(1, 1, 1) e é ortogonal x 2

6. Calcular as equações paramétricas de uma reta s que passa pelo ponto A(1, 1, 1) e é ortogonal x 2 Lista 2: Retas, Planos e Distâncias - Engenharia Mecânica Professora: Elisandra Bär de Figueiredo x = 2 + 2t 1. Determine os valores de m para que as retas r : y = mt z = 4 + 5t sejam: (a) ortogonais (b)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 2 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear II/2005 1 Resolva os seguintes sistemas lineares utilizando o Método

Leia mais

Ponto 1) Representação do Ponto

Ponto 1) Representação do Ponto Ponto 1) Representação do Ponto Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Plano Cartesiano, sistemas de coordenadas: pontos e retas Na geometria

Leia mais

Dependência linear e bases

Dependência linear e bases Dependência linear e bases Sadao Massago 2014 Sumário 1 Dependência linear 1 2 ases e coordenadas 3 3 Matriz mudança de base 5 Neste texto, introduziremos o que é uma base do plano ou do espaço 1 Dependência

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 2011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b. a) a = 3, b, b R. b) a = 3 e b = 1. c) a = 3 e b 1. d) a 3

Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b. a) a = 3, b, b R. b) a = 3 e b = 1. c) a = 3 e b 1. d) a 3 01 Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b a) a = 3, b, b R b) a = 3 e b = 1 c) a = 3 e b 1 d) a 3 1 0 y = 3x + 1 m = 3 A equação que apresenta uma reta com o mesmo coeficiente angular

Leia mais

MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE

MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE 1. Seja X = (x ij ) uma matriz quadrada de ordem 2, onde i + j para i = j ;1 - j para i > j e 1 se i < j. A soma dos seus elementos é igual a: a. -1 b. 1 c. 6 d. 7 e. 8 2. Se

Leia mais

(x 1 + iy 1 ) + (x 2 + iy 2 ) = x 1 + x 2 + i(y 1 + y 2 ) a(x + iy) = ax + i(ay)

(x 1 + iy 1 ) + (x 2 + iy 2 ) = x 1 + x 2 + i(y 1 + y 2 ) a(x + iy) = ax + i(ay) Espaços Vetoriais Definição. Um espaço vetorial sobre R é um conjunto V no qual se tem definida uma adição e uma multiplicação de seus elementos por escalares (isto é, por números reais), ou seja, dados

Leia mais

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2006 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja E um ponto externo a uma circunferência. Os segmentos e interceptam essa circunferência nos pontos B e A, e, C

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT 17 1. Suponha que uma força de 1 newtons é aplicada em um objeto ao longo do

Leia mais

Aula 18 Cilindros quádricos e identificação de quádricas

Aula 18 Cilindros quádricos e identificação de quádricas MÓDULO 2 - AULA 18 Aula 18 Cilindros quádricos e identificação de quádricas Objetivos Estudar os cilindros quádricos, analisando suas seções planas paralelas aos planos coordenados e estabelecendo suas

Leia mais

O PLANO...> Equação do Plano

O PLANO...> Equação do Plano Equação do Plano O PLANO...> Equação vetorial de um Plano Equações Paramétricas do Plano Equações Geral de um Plano Casos Particulares da Equações Geral de um Plano Vetor normal a um plano Feixe de Planos

Leia mais

Figura disponível em: <http://soumaisenem.com.br/fisica/conhecimentos-basicos-e-fundamentais/grandezas-escalares-egrandezas-vetoriais>.

Figura disponível em: <http://soumaisenem.com.br/fisica/conhecimentos-basicos-e-fundamentais/grandezas-escalares-egrandezas-vetoriais>. n. 7 VETORES vetor é um segmento orientado; são representações de forças, as quais incluem direção, sentido, intensidade e ponto de aplicação; o módulo, a direção e o sentido caracterizam um vetor: módulo

Leia mais

EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO - MATEMÁTICA - RETA

EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO - MATEMÁTICA - RETA EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO - MATEMÁTICA - RETA - 015 1. (Unicamp 015) Seja r a reta de equação cartesiana x y 4. Para cada número real t tal que 0 t 4, considere o triângulo T de vértices em (0, 0),

Leia mais

Capítulo 4. Retas e Planos. 4.1 A reta

Capítulo 4. Retas e Planos. 4.1 A reta Capítulo 4 Retas e Planos Neste capítulo veremos como utilizar a teoria dos vetores para caracterizar retas e planos, a saber, suas equações, posições relativas, ângulos e distâncias. 4.1 A reta Sejam

Leia mais

NOTAÇÕES. R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos

NOTAÇÕES. R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos NOTAÇÕES R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos i : unidade imaginária: i = 1 z : módulo do número z C Re(z) : parte real do número z C Im(z) : parte imaginária do número z C

Leia mais

Axiomas da Geometria Diferencial: Incidência Axioma I 1 : Para todo ponto P e para todo ponto Q distinto de P, existe uma única reta l que passa por

Axiomas da Geometria Diferencial: Incidência Axioma I 1 : Para todo ponto P e para todo ponto Q distinto de P, existe uma única reta l que passa por GEOMETRIA ESPACIAL Axiomas da Geometria Diferencial: Incidência Axioma I 1 : Para todo ponto P e para todo ponto Q distinto de P, existe uma única reta l que passa por P e Q. Axioma I 2 : Toda reta possui

Leia mais

Controle do Professor

Controle do Professor Controle do Professor Compensou as faltas CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: GEOMETRIA ANALÍTICA VETORIAL E INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA LINEAR SÉRIE: 2º ANO TRABALHO DE COMPENSAÇÃO DE FALTAS DOS ALUNOS

Leia mais

Curso de Álgebra Linear

Curso de Álgebra Linear Curso de Álgebra Linear Fundamentos e Aplicações Terceira Edição 25 de Outubro de 2012 Marco Cabral PhD Indiana University, EUA Paulo Goldfeld PhD Courant Institute, EUA Departamento de Matemática Aplicada

Leia mais

Superfícies e Curvas no Espaço

Superfícies e Curvas no Espaço Superfícies e Curvas no Espaço Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 11 de deembro de 2001 1 Quádricas Nesta

Leia mais

Álgebra Linear Exercícios Resolvidos

Álgebra Linear Exercícios Resolvidos Álgebra Linear Exercícios Resolvidos Agosto de 001 Sumário 1 Exercícios Resolvidos Uma Revisão 5 Mais Exercícios Resolvidos Sobre Transformações Lineares 13 3 4 SUMA RIO Capítulo 1 Exercícios Resolvidos

Leia mais

MAP2110 Matemática e Modelagem

MAP2110 Matemática e Modelagem 1 Reta e Plano MAP2110 Matemática e Modelagem Folha de Estudos 4 1 o semestre de 2010 Prof. Claudio H. Asano 1.1 Encontre as equações paramétricas e simétricas da reta que passa pelos pontos A e B. Em

Leia mais

matemática geometria analítica pontos, baricentro do triângulo, coeficiente angular e equações da reta Exercícios de distância entre dois pontos

matemática geometria analítica pontos, baricentro do triângulo, coeficiente angular e equações da reta Exercícios de distância entre dois pontos Exercícios de distância entre dois pontos 1. (FUVEST 1ª fase) Sejam A = (1, ) e B = (3, ) dois pontos do plano cartesiano. Nesse plano, o segmento AC é obtido do segmento AB por uma rotação de 60º, no

Leia mais

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula

Geometria Analítica II - Aula Geometria Analítica II - Aula 0 94 Aula Coordenadas Cilíndricas e Esféricas Para descrever de modo mais simples algumas curvas e regiões no plano introduzimos anteriormente as coordenadas polares. No espaço

Leia mais

Ângulos entre retas Retas e Planos Perpendiculares. Walcy Santos

Ângulos entre retas Retas e Planos Perpendiculares. Walcy Santos Ângulos entre retas Retas e Planos Perpendiculares Walcy Santos Ângulo entre duas retas A idéia do ângulo entre duas retas será adaptado do conceito que temos na Geometria Plana. Se duas retas são concorrentes

Leia mais

6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 47 6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Na figura abaixo, seja a reta r e o ponto F de um determinado plano, tal que F não pertence a r. Consideremos as seguintes questões: Podemos obter,

Leia mais

Sistemas de Equações Lineares e Matrizes

Sistemas de Equações Lineares e Matrizes Sistemas de Equações Lineares e Matrizes. Quais das seguintes equações são lineares em x, y, z: (a) 2x + 2y 5z = x + xy z = 2 (c) x + y 2 + z = 2 2. A parábola y = ax 2 + bx + c passa pelos pontos (x,

Leia mais

MATEMÁTICA II. Aula 13. 3º Bimestre. Sistemas Lineares Professor Luciano Nóbrega

MATEMÁTICA II. Aula 13. 3º Bimestre. Sistemas Lineares Professor Luciano Nóbrega 1 MATEMÁTICA II Aula 13 Sistemas Lineares Professor Luciano Nóbrega 3º Bimestre 2 INTRODUÇÃO Em uma partida de basquete, dois jogadores marcaram juntos 42 pontos. Quantos pontos marcou cada um? Para responder

Leia mais

A Reta. Docente Pedro Macário de Moura

A Reta. Docente Pedro Macário de Moura A Reta Docente Pedro Macário de Moura A Matemática é a única linguagem que temos em comum com a natureza. Hawking. A Matemática é a honra do espírito 2 Equação Vetorial da Reta Seja r uma reta que passa

Leia mais

Geometria Analítica - AFA

Geometria Analítica - AFA Geometria Analítica - AFA x = v + (AFA) Considerando no plano cartesiano ortogonal as retas r, s e t, tais que (r) :, (s) : mx + y + m = 0 e (t) : x = 0, y = v analise as proposições abaixo, classificando-

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012 Prof. Luiz Antonio do Nascimento luiz.anascimento@sp.senac.br www.lnascimento.com.br Conjuntos Propriedades das operações de adição e multiplicação: Propriedade comutativa: Adição a + b = b + a Multiplicação

Leia mais

ALUNO(A): Prof.: André Luiz Acesse: 02/05/2012

ALUNO(A): Prof.: André Luiz Acesse:  02/05/2012 1. FUNÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO Uma função é um conjunto de pares ordenados de números (x,y) no qual duas duplas ordenadas distintas não podem ter o mesmo primeiro número, ou seja, garante que y seja único para

Leia mais

Programa. 3. Curvas no Plano: equação de lugar geométrico no plano; equações reduzidas da elipse,

Programa. 3. Curvas no Plano: equação de lugar geométrico no plano; equações reduzidas da elipse, Programa 1. Vetores no Plano e no Espaço: conceito; adição de vetores; multiplicação de vetor por n real; combinação linear de vetores; coordenadas; produto interno; produto vetorial; produto misto. 2.

Leia mais

Intersecção de duas rectas

Intersecção de duas rectas 3.6. Intersecções Geometria Descritiva 2006/2007 Intersecção de duas rectas É condição necessária e suficiente para que duas rectas sejam concorrentes que as suas projecções homónimas se intersectem sobre

Leia mais

Distância entre duas retas. Regiões no plano

Distância entre duas retas. Regiões no plano Capítulo 4 Distância entre duas retas. Regiões no plano Nesta aula, veremos primeiro como podemos determinar a distância entre duas retas paralelas no plano. Para isso, lembramos que, na aula anterior,

Leia mais

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2,

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2, AV1 - MA 11-01 Questão 1. Prove que se a, b, c e d são números racionais tais que a + b 3 = c + d 3 então a = c e b = d. A igualdade a + b 3 = c + d 3 implica que (a c) = (d b) 3. Suponha que tenhamos

Leia mais

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA (UFCG- CUITÉ)

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA (UFCG- CUITÉ) P L A N O S PARALELOS AOS EIXOS E AOS PLANOS COORDENADOS Casos Particulares A equação ax + by + cz = d na qual a, b e c não são nulos, é a equação de um plano π, sendo v = ( a, b, c) um vetor normal a

Leia mais

Geometria Analítica. Superfícies. Prof Marcelo Maraschin de Souza

Geometria Analítica. Superfícies. Prof Marcelo Maraschin de Souza Geometria Analítica Superfícies Prof Marcelo Maraschin de Souza Superfícies Quadráticas A equação geral do 2º grau nas três variáveis x,y e z ax 2 + by 2 + cz 2 + 2dxy + 2exz + 2fyz + mx + ny + pz + q

Leia mais

Soluções do Capítulo 8 (Volume 2)

Soluções do Capítulo 8 (Volume 2) Soluções do Capítulo 8 (Volume 2) 1. Não. Basta considerar duas retas concorrentes s e t em um plano perpendicular a uma reta r. As retas s e t são ambas ortogonais a r, mas não são paralelas entre si.

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica. ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos.

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica. ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos (Período: 2016.1) Notas de Aula Capítulo 1: VETORES Ivan Menezes ivan@puc-rio.br

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA II

GEOMETRIA ANALÍTICA II Conteúdo 1 O PLANO 3 1.1 Equação Geral do Plano............................ 3 1.2 Determinação de um Plano........................... 7 1.3 Equação Paramétrica do Plano........................ 11 1.4 Ângulo

Leia mais

Na figura acima, o vetor tem origem no ponto A e extremidade no ponto B. Notação usual: 1 O ESPAÇO R3

Na figura acima, o vetor tem origem no ponto A e extremidade no ponto B. Notação usual: 1 O ESPAÇO R3 VETORES E R3 Ultra-Fast Prof.: Fábio Rodrigues fabio.miranda@engenharia.ufjf.br Obs.: A maioria das figuras deste texto foram copiadas do livro virtual álgebra vetorial e geometria analítica, 9ª edição,

Leia mais

O Plano. Equação Geral do Plano:

O Plano. Equação Geral do Plano: O Plano Equação Geral do Plano: Seja A(x 1, y 1, z 1 ) um ponto pertencente a um plano π e n = (a, b, c), n 0, um vetor normal (ortogonal) ao plano (figura ao lado). Como n π, n é ortogonal a todo vetor

Leia mais

Professor Mascena Cordeiro

Professor Mascena Cordeiro www.mascenacordeiro.com Professor Mascena Cordeiro º Ano Ensino Médio M A T E M Á T I C A. Determine os valores de m pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que os pontos (0, -), (, m) e (-, -)

Leia mais

Geometria Euclidiana Espacial e Introdução à Geometria Descritiva

Geometria Euclidiana Espacial e Introdução à Geometria Descritiva UNIVERSIDDE ESTDUL PULIST DEPRTMENTO DE MTEMÁTIC Geometria Euclidiana Espacial e Introdução à Geometria Descritiva Material em preparação!! Última atualização: 28.04.2008 Luciana F. Martins e Neuza K.

Leia mais

Escola Secundária de Alberto Sampaio Ficha Formativa de Matemática A Geometria II O produto escalar na definição de lugares geométricos

Escola Secundária de Alberto Sampaio Ficha Formativa de Matemática A Geometria II O produto escalar na definição de lugares geométricos Escola Secundária de Alberto Sampaio Ficha Formativa de Matemática A Geometria II O produto escalar na definição de lugares geométricos º Ano No plano Mediatriz de um segmento de reta [AB] Sendo M o ponto

Leia mais

Sistemas de Equações lineares

Sistemas de Equações lineares LEIC FEUP /4 Sistemas- Sistemas de Equações lineares SEL- Dado o sistema coeficientes + + + +, resolva-o invertendo a matriz dos SEL- SEL- Considere o seguinte sistema de equações lineares: + + + a + a

Leia mais

2. Pré-requisitos do 3. Ciclo. 7. ano PR 7.1. Resolução

2. Pré-requisitos do 3. Ciclo. 7. ano PR 7.1. Resolução 7. ano PR 7.1. Dados dois conjuntos A e B fica definida uma função 1ou aplicação2 f de A em B, quando a cada elemento de A se associa um elemento único de B representado por f 1x2. Dada uma função numérica

Leia mais

3. Achar a equação da esfera definida pelas seguintes condições: centro C( 4, 2, 3) e tangente ao plano π : x y 2z + 7 = 0.

3. Achar a equação da esfera definida pelas seguintes condições: centro C( 4, 2, 3) e tangente ao plano π : x y 2z + 7 = 0. Universidade Federal de Uerlândia Faculdade de Matemática Disciplina : Geometria Analítica (GMA00) Assunto: Superfícies, Quádricas, Curvas e Coordenadas Professor Sato 4 a Lista de exercícios. Determinar

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS AVANÇADO DE NATAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ÁLGEBRA LINEAR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS AVANÇADO DE NATAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ÁLGEBRA LINEAR UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS AVANÇADO DE NATAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ÁLGEBRA LINEAR PROFESSOR: MARCELO SILVA 1. Introdução No ensino fundamental você estudou

Leia mais

Geometria Analítica retas equações e inclinações, distância entre dois pontos, área de triângulo e alinhamento de 3 pontos.

Geometria Analítica retas equações e inclinações, distância entre dois pontos, área de triângulo e alinhamento de 3 pontos. Geometria Analítica retas equações e inclinações, distância entre dois pontos, área de triângulo e alinhamento de pontos. 1. (Ufpr 014) A figura abaixo apresenta o gráfico da reta r: y x + = 0 no plano

Leia mais

A primeira coisa a fazer é saber quais são as equações das curvas quando elas já se encontram na melhor

A primeira coisa a fazer é saber quais são as equações das curvas quando elas já se encontram na melhor Identificação de Cônicas Uma equação do segundo grau ax + bxy + cy + dx + ey + f = 0 define de maneira implícita uma curva no plano xy: o conjunto dos pontos (x, y) que satisfazem a equação. Por exemplo,

Leia mais

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS BANCO DE EXERCÍCIOS - HORAS 9º ANO ESPECIALIZADO/CURSO ESCOLAS TÉCNICAS E MILITARES FOLHA Nº GABARITO COMENTADO ) A função será y,5x +, onde y (preço a ser pago) está em função de x (número de quilômetros

Leia mais

Posição Relativa. 1. Quatro pontos distintos e não coplanares determinam exatamente: (A) 1 plano (B) 2 planos (C) 3 planos (D) 4 planos (E) 5 planos.

Posição Relativa. 1. Quatro pontos distintos e não coplanares determinam exatamente: (A) 1 plano (B) 2 planos (C) 3 planos (D) 4 planos (E) 5 planos. SEI Ensina MILITAR Matemática Posição Relativa 1. Quatro pontos distintos e não coplanares determinam exatamente: (A) 1 plano (B) 2 planos (C) 3 planos (D) 4 planos (E) 5 planos. 2. Considere as seguintes

Leia mais

Quantos números pares, formados por algarismos distintos, existem entre 500 e 2000?

Quantos números pares, formados por algarismos distintos, existem entre 500 e 2000? PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - AGOSTO DE 011. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 01 Quantos

Leia mais

APLICAÇÃO DE AUTOVALORES E AUTOVETORES NAS POTÊNCIAS DE MATRIZES

APLICAÇÃO DE AUTOVALORES E AUTOVETORES NAS POTÊNCIAS DE MATRIZES Universidade Federal de Goiás Câmpus de Catalão Departamento de Matemática Seminário Semanal de Álgebra APLICAÇÃO DE AUTOVALORES E AUTOVETORES NAS POTÊNCIAS DE MATRIZES Aluno: Ana Nívia Pantoja Daniela

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão Um tapete deve ser bordado sobre uma tela de m por m, com as cores marrom, mostarda, verde e laranja, da seguinte forma: o padrão quadrado de 8 cm por 8 cm, mostrado abaio, será repetido tanto

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

TESTE DE DIAGNÓSTICO

TESTE DE DIAGNÓSTICO TESTE DE DIAGNÓSTICO 9.º 10.º ANO NOME: N.º: TURMA: ANO LETIVO: / DURAÇÃO DO TESTE: 90 MINUTOS DATA: / / O teste é constituído por dois grupos. No Grupo I, são indicadas quatro opções de resposta para

Leia mais

Vetor Tangente, Normal e Binormal. T(t) = r (t)

Vetor Tangente, Normal e Binormal. T(t) = r (t) CVE 0003 - - CÁLCULO VETORIAL - - 2011/2 Vetor Tangente, Normal e Binormal Lembre-se que se C é uma curva suave dada pela função vetorial r(t), então r (t) é contínua e r (t) 0. Além disso, o vetor r (t)

Leia mais

Preparação para o Teste de Maio 2012 (GEOMETRIA)

Preparação para o Teste de Maio 2012 (GEOMETRIA) Nº8 Matemática: ºA Preparação para o Teste de Maio (GEOMETIA) Grupo I. Num referencial o.n. Oy, considera um ponto A pertencente ao semieio positivo O e um ponto B pertencente ao semieio positivo Oy. Quais

Leia mais

Planos e Retas. Equações do Plano e da Reta. Anliy Natsuyo Nashimoto Sargeant José Antônio Araújo Andrade Solange Gomes Faria Martins

Planos e Retas. Equações do Plano e da Reta. Anliy Natsuyo Nashimoto Sargeant José Antônio Araújo Andrade Solange Gomes Faria Martins Planos e Retas Uma abordagem exploratória das Equações do Plano e da Reta Anliy Natsuyo Nashimoto Sargeant José Antônio Araújo Andrade Solange Gomes Faria Martins Na geometria, um plano é determinado se

Leia mais

Capítulo 6: Transformações Lineares e Matrizes

Capítulo 6: Transformações Lineares e Matrizes 6 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 6: Transformações Lineares e Matrizes Sumário 1 Matriz de uma Transformação Linear....... 151 2 Operações

Leia mais

VETORES NO ² E NO ³. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga

VETORES NO ² E NO ³. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga VETORES NO ² E NO ³ Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga 2.1 DECOMPOSIÇÃO DE UM VETOR NO PLANO Dados dois vetores v 1 e v 2, não colineares, qualquer vetor v (coplanar com v 1 e v 2

Leia mais

Simulado Nacional ITA

Simulado Nacional ITA Simulado Nacional ITA Matemática Durate o simulado é proibido consultar qualquer tipo de material e o uso de calculadora. As respostas devem ser submetidas em paperx.com.br em até duas horas a partir do

Leia mais

Exercícios. setor Aula 39 DETERMINANTES (DE ORDENS 1, 2 E 3) = Resposta: 6. = sen 2 x + cos 2 x Resposta: 1

Exercícios. setor Aula 39 DETERMINANTES (DE ORDENS 1, 2 E 3) = Resposta: 6. = sen 2 x + cos 2 x Resposta: 1 setor 0 00508 Aula 39 ETERMINANTES (E ORENS, E 3) A toda matriz quadrada A de ordem n é associado um único número, chamado de determinante de A e denotado, indiferentemente, por det(a) ou por A. ETERMINANTES

Leia mais

Sumário. VII Geometria Analítica Jorge Delgado Katia Frensel Lhaylla Crissaff

Sumário. VII Geometria Analítica Jorge Delgado Katia Frensel Lhaylla Crissaff 1 Coordenadas no plano 1 1.1 Introdução........................................ 2 1.2 Coordenada e distância na reta............................ 3 1.3 Coordenadas no plano.................................

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema II Introdução ao Cálculo Diferencial I Funções Racionais e com Radicais

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema II Introdução ao Cálculo Diferencial I Funções Racionais e com Radicais Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema II Introdução ao Cálculo Diferencial I Funções Racionais e com Radicais Taxa de Variação e Derivada TPC nº 9 (entregar em 11-03-011)

Leia mais

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Raciocínio Lógico-Quantitativo para Traumatizados Aula 07 Matrizes, Determinantes e Solução de Sistemas Lineares. Conteúdo 7. Matrizes, Determinantes e Solução de Sistemas Lineares...2 7.1. Matrizes...2

Leia mais

Aula 7 Complementos. Exercício 1: Em um plano, por um ponto, existe e é única a reta perpendicular

Aula 7 Complementos. Exercício 1: Em um plano, por um ponto, existe e é única a reta perpendicular MODULO 1 - AULA 7 Aula 7 Complementos Apresentamos esta aula em forma de Exercícios Resolvidos, mas são resultados importantes que foram omitidos na primeira aula que tratou de Conceitos Básicos. Exercício

Leia mais

Geometria Descritiva 28/08/2012. Elementos Primitivos da Geometria

Geometria Descritiva 28/08/2012. Elementos Primitivos da Geometria Geometria Descritiva Prof. Luiz Antonio do Nascimento ladnascimento@gmail.com www.lnascimento.com.br A Geometria, como qualquer outra ciência, fundamenta-se em observações e experiências para estabelecer

Leia mais

AULA 2 DO PLANO DE TRABALHO

AULA 2 DO PLANO DE TRABALHO AULA 2 DO PLANO DE TRABALHO Nº 9 Rosa Canelas EQUAÇÃO REDUZIDA DE UMA RETA Voltemos a uma das retas da aula anterior x,y 1,4 k 3,1,k IR (equação vetorial) 3,1 são as coordenadas de um vetor diretor desta

Leia mais

ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) TURNO. 01. Determine a distância entre dois pontos A e B do plano cartesiano.

ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) TURNO. 01. Determine a distância entre dois pontos A e B do plano cartesiano. SÉRIE ITA/IME ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) ALUNO(A) TURMA MARCELO MENDES TURNO SEDE DATA Nº / / TC MATEMÁTICA Geometria Analítica Exercícios de Fixação Conteúdo: A reta Parte I Exercícios Tópicos

Leia mais

Capítulo 7. 1. Bissetrizes de duas retas concorrentes. Proposição 1

Capítulo 7. 1. Bissetrizes de duas retas concorrentes. Proposição 1 Capítulo 7 Na aula anterior definimos o produto interno entre dois vetores e vimos como determinar a equação de uma reta no plano de diversas formas. Nesta aula, vamos determinar as bissetrizes de duas

Leia mais

Resolução do exemplo 8.6a - pág 61 Apresente, analítica e geometricamente, a solução dos seguintes sistemas lineares.

Resolução do exemplo 8.6a - pág 61 Apresente, analítica e geometricamente, a solução dos seguintes sistemas lineares. Solução dos Exercícios de ALGA 2ª Avaliação EXEMPLO 8., pág. 61- Uma reta L passa pelos pontos P 0 (, -2, 1) e P 1 (5, 1, 0). Determine as equações paramétricas, vetorial e simétrica dessa reta. Determine

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Eercícios de Matemática Geometria Analítica. (UFRGS) Considere um sistema cartesiano ortogonal e o ponto P(. ) de intersecção das duas diagonais de um losango. Se a equação da reta que contém uma das diagonais

Leia mais

e B =, determine a, b, c e d para que A = B. Tabela 1: vendas em Maio P M G camisas camisetas calças paletós

e B =, determine a, b, c e d para que A = B. Tabela 1: vendas em Maio P M G camisas camisetas calças paletós Lista 01: Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares Prof: Iva Zuchi Siple [ ] [ ] a + 2b 2a b 9 2 1. Dadas as matrizes A = e B =, determine a, b, c e d para que A = B. 2c + d c 2d 4 7 2. Uma fábrica

Leia mais

Aula 9 Cônicas - Rotação de sistemas de coordenadas

Aula 9 Cônicas - Rotação de sistemas de coordenadas MÓDULO 1 - AULA 9 Aula 9 Cônicas - Rotação de sistemas de coordenadas Objetivos Entender mudanças de coordenadas por rotações. Identificar uma cônica rotacionada a partir da sua equação geral. Identificar

Leia mais

MAT Poli Cônicas - Parte I

MAT Poli Cônicas - Parte I MAT2454 - Poli - 2011 Cônicas - Parte I Uma equação quadrática em duas variáveis, x e y, é uma equação da forma ax 2 +by 2 +cxy +dx+ey +f = 0, em que pelo menos um doscoeficientes a, b oucénão nulo 1.

Leia mais

/~~ rvt~ V7 irnl. favvt~ ca~ p. A.,.

/~~ rvt~ V7 irnl. favvt~ ca~ p. A.,. , I I j, I/ t' /~~ rvt~ V7 ids @ irnl. favvt~ ca~ p. A.,. 4~ Lista de Exercicios - MA-141-20/04/06 VETORES NO PLANO E NO ESPAQO 1. Determine a extremidade au a origem do segmento orientado nos seguintes

Leia mais

III CAPÍTULO 21 ÁREAS DE POLÍGONOS

III CAPÍTULO 21 ÁREAS DE POLÍGONOS 1 - RECORDANDO Até agora, nós vimos como calcular pontos, retas, ângulos e distâncias, mas não vimos como calcular a área de nenhuma figura. Na aula de hoje nós vamos estudar a área de polígonos: além

Leia mais

Exercícios de testes intermédios

Exercícios de testes intermédios Exercícios de testes intermédios 1. Na figura abaixo, está representado, num referencial o.n. Oxyz, o cubo [OPQRSTUV] de aresta 2. Os pontos, P, R e T pertencem aos semieixos positivos. Numa das opções

Leia mais

Vetores e Geometria Analítica

Vetores e Geometria Analítica Vetores e Geometria Analítica ECT2102 Prof. Ronaldo Carlotto Batista 4 de maio de 2016 Círculo Denição Círculo é o conjunto de pontos P (x, y) a uma distância a, chamada de raio, de um ponto C (x o, y

Leia mais