A MITOLOGIA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MITOLOGIA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO"

Transcrição

1 A MITOLOGIA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO Volmir Antonio Silveira 1 Referência: BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico - o que é, como se faz. 49ª ed. São Paulo: Loyola, p. Dados sobre o autor: Marcos Bagno, nasceu em 21 de agosto de 1961, em Cataguases (MG). Ao longo de sua trajetória, muda-se para as cidades de Salvador, Rio de Janeiro e Brasília. É Doutor em Filologia e Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP) e atua como professor de Linguística no Instituto de Letras da Universidade de Brasília, correlacionando esta atividade com a tradução e a escrita. Dados sobre a obra: A obra Preconceito linguístico - o que é, como faz, traz uma reflexão acerca dos mitos que envolvem a língua falada no Brasil. O autor discorre sobre a importância de desmistificar a imagem equivocada de que a língua correta é a língua escrita (formal), considerando que, é preciso respeitar às particularidades de cada região do país, dentro das quais existem singularidades, que refletem seus valores culturais. Marcos Bagno, nessa obra, atenta ainda para a importância de buscar o real contexto, em que se inserem às variações linguísticas, salientando que educar para às diferenças é compreender que o Brasil é formado a partir das variações do português falado, para além da norma culta. Resumo: A obra Preconceito Linguístico - o que é, como se faz é dividida em quatro partes, nas quais são tratados assuntos referentes ao preconceito linguístico. Para efeito deste trabalho será resenhada apenas a parte I, que é subdividida em oito parte menores. O mito I, intitulado A língua portuguesa falada no Brasil apresenta uma unidade surpreendente, refere-se à existência de um padrão verbal no Brasil, desconsiderando, para tanto, todas as variações linguísticas que compõem o português falado, existindo assim uma unificação da norma culta. O autor contrapõe 1 Acadêmico do 3º período do curso de Ciências Contábeis da Celer Faculdades. REVISTA CONVERSATIO / XAXIM SC / Vol. 1 / Número 1 / Jan. /Jun. / 2016 Página 201

2 o mito, por se tratar de uma visão distorcida, perante a realidade vivenciada no país, salientando que a educação é a maior prejudicada com esta mitologia arcaica, tendo em vista que a grande maioria dos alunos, emana de situações socioeconômicas desprivilegiadas e de ambientes familiares impróprios para o desempenho verbal da norma culta. Marcos Bagno, ressalta que a linguagem falada no Brasil é o português, no entanto, alerta acerca da impossibilidade de coexistir uma padronização verbal, devido as diversas variações linguísticas, provenientes dos diferentes aspectos culturais, sendo, portanto incoerente tal mito, por não compreender a realidade vivenciada pelos brasileiros. O mito II, tem por título Brasileiro não sabe português / Só em Portugal se fala bem português, onde, o autor faz menção ao complexo de inferioridade vivenciado pelos brasileiros, em que persiste a diminuição valorativa do português falado no país em contraste com o português de Portugal. Esquece-se que a época de colônia de Portugal, foi deixada no passado, menosprezando a rica dicção do país. O mito, Consiste em um equívoco, uma vez que tratam-se de duas línguas distintas, ambas com suas ortografias, regras gramaticais e pronúncias. Marcos Bagno, atenta para o (pre)conceito com a língua portuguesa pronunciada no Brasil em relação à falada em Portugal baseando-se nos exemplos do inglês americano e o britânico, onde cada um tem as suas variações, mas o que prevalece para o mundo dos negócios é o americano, situação análoga ocorre entre o português do Brasil e o de Portugal. Nota-se que já está na hora das pessoas saírem de suas realidades paralelas de inferioridade, e respeitar a riqueza de sua diversidade linguística. O mito III, titulado Português é muito difícil, é um mito que adverte para às dificuldades encontradas por brasileiros na pronúncia e escrita dentro da norma culta. O autor frisa que todas as pessoas já nascem com o domínio de sua linguagem materna, todavia, no decorrer de sua vida, muitas regras gramaticais importadas, são impostas, tornando mais complexo o aprendizado. No Brasil, grande parte da população, não tem propriedade sobre a linguagem letrada, e com isso afirmar que os brasileiros não sabem falar português, torna-se um equívoco, pois todo ser tem amplo conhecimento sobre a linguagem que foi lhe apresentada, desde o seu nascimento, o que difere do aprendizado, são as inúmeras regras importadas. REVISTA CONVERSATIO / XAXIM SC / Vol. 1 / Número 1 / Jan. /Jun. / 2016 Página 202

3 O mito IV, traz por tema As pessoas sem instrução falam tudo errado, o autor contraria esta mitologia, por defender a tese que todas as pessoas falam corretamente, variando apenas à maneira como lhe foi apresentado a linguagem. Um ponto que o autor considera são as inúmeras variações linguísticas regionais, que ocasionam diferenças na pronúncia. O autor sustenta a premissa que, toda pessoa é capaz de obter o aprendizado e se adaptar a norma culta. Logo, como seria possível afirmar que a dicção não está correta? O simples fato de um indivíduo não ter instrução, não significa que não saiba falar corretamente, mas sim que a pronúncia e conhecimento está de acordo com os moldes vivenciados, que lhe foram ensinados. O mito V, intitulado O lugar onde melhor se fala português no Brasil é o Maranhão, Neste assunto o autor demonstra a ineficiência do mito, por não possuir nada de concreto que formalize o estado maranhense como sendo o lugar que melhor se fala português no Brasil. Apreciando as inúmeras variações linguísticas que o nosso país possui devido as diferentes culturas, é inviável ter a afirmação que este ou aquele estado brasileiro se fala melhor ou pior o português, mas é possível perceber as diferenças contidas nas pronúncias. Deve-se levar em consideração o respeito a toda a forma de expressão, seja ela culta ou coloquial. Entretanto ao se falar que um estado possui a linguagem correta, torna-se um equívoco, pois cria um pré-conceito para uma determinada região, e como é possível avaliar o quão correto é a pronúncia, se não tiver amplo conhecimento da dicção regional. O mito VI, intitulado O certo é falar assim porque se escreve assim, neste conceito o autor traz para debate a dificuldade de padronização linguística em nosso país, devido as inúmeras variações culturais, que sofrem alterações dependendo à região que a palavra é pronunciada. Um ponto defendido é referente a uma padronização da escrita, para que haja concordância e fácil interpretação dos textos descritos. Entretanto em nenhum momento é possível, a obrigatoriedade de padronizar a pronúncia. Um exemplo possível, que foi abordado é referente ao sistema público de ensino, onde não tem a probabilidade de um professor obrigar o aluno a pronunciar uma palavra de forma correta, pois há inúmeros fatores linguísticos envolvidos. O autor avisa como o professor irá avaliar, se o estudante está ou não, efetuando a pronúncia correta, se o que é possível de ser cobrado é uma escrita padronizada, mas nunca uma pronúncia padronizada. REVISTA CONVERSATIO / XAXIM SC / Vol. 1 / Número 1 / Jan. /Jun. / 2016 Página 203

4 O mito VII, que traz por tema É preciso saber gramática para falar e escrever bem, neste ponto o autor contrapõe o mito com exemplos de escritores renomados, e de grande destaque da língua portuguesa, que não tinham conhecimento gramatical, e mesmo assim realizaram obras de grandes destaque para a literatura brasileira. Um dos problemas vivenciados é a superestimação da gramática, inibindo assim todo o poder criativo. A gramática, tem por objetivo a padronização e a facilitação na escrita, mas escritores têm se tornado reféns dela, e acabam deixando de lado a inspiração e o dom natural da escrita. O mito VIII, traz por tema O domínio da norma culta é um instrumento de ascensão social, em um primeiro momento o autor faz menção ao fato de grande parte das pessoas bem sucedidas e com um padrão culto de linguística, defenderem este modelo de ensino em escolas por pensarem que este é o motivo de se obter a ascensão social. Porém, a partir dos inúmeros exemplos, citados pelo autor, é possível observar a incoerência deste mito. Sendo assim não haveria disparidade salariais entre um fazendeiro e um professor. Em um primeiro momento, se atentarmos para a norma culta, é possível dizer que o professor é o que mais se destaca e é bem mais sucedido, pois faz uso da mais alta linguagem culta da atualidade, e por isso, faria jus aos mais altos salários, e ao confortarmos a realidade do português falado pelos fazendeiros, que em sua grande maioria, não possuem o domínio da norma culta, sendo, portanto, subjugados como pessoas que não são bem sucedidas, em função de não falarem um português rebuscado. Entretanto a realidade vivenciada é totalmente contrária, pois para uma pessoa obter a sua ascensão social não é preciso, necessariamente, ter amplo conhecimento linguístico. O trabalho desenvolvido por Bagno, na escrita do livro Preconceito Linguístico o que é como se faz, traz para debate oito mitos que notoriamente ainda fazem sentido para algumas pessoas. No decorrer da obra é perceptível a desmistificação de tais, onde o autor utiliza de uma abordagem detalhada, com citações que permitem a verdadeira compreensão do preconceito linguístico. Todos os mitos foram baseados em estudos do autor, o que facilita a percepção do préconceito existente, que assola e discrimina quem não tem domínio da pronúncia padrão. A partir da leitura da obra do autor, foi possível perceber a quebra de REVISTA CONVERSATIO / XAXIM SC / Vol. 1 / Número 1 / Jan. /Jun. / 2016 Página 204

5 mitologias ultrapassadas, e uma visão rebuscada perante as variações linguísticas, incluindo ao contexto todas as formas de expressão verbal. Palavras-chave: Crítica. Preconceito Linguístico. REFERÊNCIAS BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico - o que é, como se faz. 49. ed. São Paulo: Loyola, p. REVISTA CONVERSATIO / XAXIM SC / Vol. 1 / Número 1 / Jan. /Jun. / 2016 Página 205

A linguagem no âmbito social

A linguagem no âmbito social A linguagem no âmbito social A linguagem no âmbito social Sócio-linguística e preconceito linguístico A sócio linguística, estuda todas as relações existentes entre dois meios distintos. São eles: sociais

Leia mais

PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL?

PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL? PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL? ELAINE HELENA NASCIMENTO DOS SANTOS O objetivo deste trabalho é discutir sobre o preconceito

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais

a. A língua possui uma única forma, representa o idioma que não se modifica e por isso devemos considerar o padrão como a representação da língua.

a. A língua possui uma única forma, representa o idioma que não se modifica e por isso devemos considerar o padrão como a representação da língua. 1 de 6 28/3/2013 00:36 A vidade de estudo 1- Nivelamento Português- 2012A Período: 11/03/2013 17:00 à 09/05/2013 23:59 (Horário de Brasília) Status: ABERTO Valor: 1.00 Gabarito: Gabarito não está liberado!

Leia mais

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Título Contextualização Ementa Objetivos gerais CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A língua portuguesa,

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRAMÁTICA

ANAIS 2010 ISSN LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRAMÁTICA LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRMÁTIC rnaldo Nogari Júnior G-CLC-UENP/ CJ) arnaldo_nogarijr@hotmail.com Layane Suellen Miguel G-CLC-UENP/ CJ) lala.wordshipper@hotmail.com Michelle ndressa Vieira G-CLC-UENP/

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

CENTRO DE HUMANIDADES DEPARTAMENTO DE LETRAS - CAMPUS III CURSO DE LETRAS ELANY PEREIRA DA SILVA PRECONCEITO LINGUÍSTICO E ENSINO DE LÍNGUA

CENTRO DE HUMANIDADES DEPARTAMENTO DE LETRAS - CAMPUS III CURSO DE LETRAS ELANY PEREIRA DA SILVA PRECONCEITO LINGUÍSTICO E ENSINO DE LÍNGUA CENTRO DE HUMANIDADES DEPARTAMENTO DE LETRAS - CAMPUS III CURSO DE LETRAS ELANY PEREIRA DA SILVA PRECONCEITO LINGUÍSTICO E ENSINO DE LÍNGUA GUARABIRA - PB 2014 ELANY PEREIRA DA SILVA PRECONCEITO LINGUÍSTICO

Leia mais

A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA

A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA Daiane de Abreu Ribeiro Jeane Silva Freire Jucilene Aparecida Ribeiro da Silva Procópio Daiane de Abreu Ribeiro Faculdade Sumaré Ex-aluna de Pós-Graduação Jeane Silva

Leia mais

Conscientização sociolinguística

Conscientização sociolinguística L.E. Semana 2 Segunda Feira Conscientização sociolinguística Relação entre a estrutura linguística e os aspectos sociais e culturais da produção linguística o português não é homogêneo Produção linguística

Leia mais

Língua Falada e Língua Escrita

Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada é a linguagem que usamos para nos comunicar, pronunciada pela boca, muitas vezes de modo informal, sem muitas regras e com algumas gírias; muito diferente da

Leia mais

A LÍNGUA PORTUGUESA DO SÉCULO XVI NUMA PERSPECTIVA HISTORIOGRÁFICA Jefferson Santos da Silva

A LÍNGUA PORTUGUESA DO SÉCULO XVI NUMA PERSPECTIVA HISTORIOGRÁFICA Jefferson Santos da Silva A LÍNGUA PORTUGUESA DO SÉCULO XVI NUMA PERSPECTIVA HISTORIOGRÁFICA Jefferson Santos da Silva professorjefferson22@yahoo.com.br 1. Introdução Basicamente, esse projeto é dirigido a professores de língua

Leia mais

ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS

ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS 1 ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS Resumo Karina Ávila Pereira Universidade Federal de Pelotas Este artigo refere se a um recorte de uma tese de Doutorado em Educação

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL Autora: DINIZ, Ana Maria C. Almeida Universidade Estadual da Paraíba UEPB e-mail: ana_diniz_4@hotmail.com 1 RESUMO O presente artigo objetiva

Leia mais

Não considerada: 0 pontos Precário: 40 pontos Insuficiente: 80 pontos Mediano: 120 pontos Bom: 160 pontos Ótimo: 200 pontos

Não considerada: 0 pontos Precário: 40 pontos Insuficiente: 80 pontos Mediano: 120 pontos Bom: 160 pontos Ótimo: 200 pontos Competências ENEM Antes de relacionarmos as cinco competências do ENEM, esclarecemos que a prova de redação vale 1000 pontos no total (dividindo esse valor entre os 5 aspectos, cada um deles tem peso de

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO: TRADICIONALISMO OU INTERAÇÃO? RESUMO

ANAIS 2010 ISSN GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO: TRADICIONALISMO OU INTERAÇÃO? RESUMO GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO: TRADICIONALISMO OU INTERAÇÃO? Flávia Barbosa Ilídio Luma de Fátima Sanches (Gdas-CLCA-UENP/CJ.) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) RESUMO Uma

Leia mais

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos. 3/6/5AD836_1.jpg

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos.  3/6/5AD836_1.jpg Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos http://images.quebarato.com.br/photos/thumbs/ 3/6/5AD836_1.jpg Olá, Pessoal, Vamos acompanhar mais uma aula da prof. Alessandra. Hoje falaremos sobre alguns gêneros

Leia mais

Um bicho de sete cabeças

Um bicho de sete cabeças Um bicho de sete cabeças Meiry Peruchi Mezari Curso de Letras da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Resumo: Neste artigo, discute-se o entendimento de gramática normativa de alunos de Ensino

Leia mais

O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 5º A 8º SÉRIES

O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 5º A 8º SÉRIES O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 5º A 8º SÉRIES Ariany Maldonado Querino Lucélia de Fátima Ribeiro Mônica Tironi Silvana Tangleica Taymara Daiane Ribeiro

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PRONÚNCIA ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA

A UTILIZAÇÃO DA PRONÚNCIA ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A UTILIZAÇÃO DA PRONÚNCIA ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA *Ananda Cristina de Morais¹ (IC); Márcia Arantes do Vale². 1. Acadêmica - UEG Campus Morrinhos, ananda1929@hotmail.com; 2. Professor Orientador

Leia mais

Palavras-chave: formas linguísticas tradicionais; formas linguísticas inovadoras; democratização das relações linguísticas no Brasil.

Palavras-chave: formas linguísticas tradicionais; formas linguísticas inovadoras; democratização das relações linguísticas no Brasil. 339 RESENHA BAGNO, Marcos. Não é errado falar assim! Em defesa do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. Roberta Gleyciângela Souza LOPES 1 Palavras-chave: formas linguísticas tradicionais;

Leia mais

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem, escrita e alfabetização. 1 0 Ed. São Paulo: Editora Contexto, p.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem, escrita e alfabetização. 1 0 Ed. São Paulo: Editora Contexto, p. Carolina Coelho Aragon 92 FARACO, Carlos Alberto. Linguagem, escrita e alfabetização. 1 0 Ed. São Paulo: Editora Contexto, 2016. 192p. Carolina Coelho Aragon (UCB) Linguagem, escrita e alfabetização, obra

Leia mais

Variação social ou diastrática

Variação social ou diastrática L.E. Semana 3 Sábado Variação social ou diastrática Variação linguística a partir da posição social ocupada pelo falante A idade do falante é um importante elemento na produção do discurso oral e escrito.

Leia mais

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12:

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: Com a publicação do texto revisado da Norma Regulamentadora 12, em Dezembro de 2010 pela Portaria SIT 197 do Ministério do Trabalho e Emprego, surgiram

Leia mais

MARÇO MATUTINO Estudo dirigido de Espanhol: 102, 202, 301, 302 Conteúdo:

MARÇO MATUTINO Estudo dirigido de Espanhol: 102, 202, 301, 302 Conteúdo: MARÇO Dia 01 02 03 MATUTINO Estudo dirigido de Espanhol: 102, 202, 301, 302 Caderno Avaliação de História: 8º Anos Avaliação de Português: 6º Ano A e B Compreensão de texto; Linguagem comunicação; Fala

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

O TEXTO JORNALÍSTICO NA SALA DE AULA TEMA: MUNDO DO TRABALHO

O TEXTO JORNALÍSTICO NA SALA DE AULA TEMA: MUNDO DO TRABALHO CAMPUS BAGÉ CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PIBID LETRAS 2014 O TEXTO JORNALÍSTICO NA SALA DE AULA TEMA: MUNDO DO TRABALHO Bolsista: Pâmela Oliveira de Castro. Coordenadora: Fabiana Giovani Supervisora:

Leia mais

A língua portuguesa e o ensino gramatical

A língua portuguesa e o ensino gramatical PARTE I A língua portuguesa e o ensino gramatical O objetivo da primeira parte deste livro é levantar questionamentos e reflexões acerca do estudo da língua portuguesa no ensino superior, bem como orientar

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 15/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 15/2015 Campus São João del-rei Tema 01: CONCEPÇÕES DE LÍNGUA E LINGUAGEM Leia os trechos a seguir: [...] a política curricular deve ser entendida como expressão de uma política cultural, na medida em que seleciona conteúdos e práticas

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE LETRAS HORÁRIO 2017

PROPOSTA CURSO DE LETRAS HORÁRIO 2017 CURSO DE LETRAS 1 ANO - 1º SEMESTRE - PERÍODO DIURNO E NOTURNO Estudos Literários I LTE5028 Variação e Mudança Linguísticas LNG5027 Língua Alemã I *LEM5108 Introdução à Língua Italiana: noções gerais *LEM5152

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE 2014 1º ANO/1º SEMESTRE 2 aulas) Observação: Leitura e Produção de Textos I * * (LNG1050) Habilidades Básicas Integradas do Inglês: Produção

Leia mais

POR UMA EDUCAÇÃO LINGÜÍSTICA: O TRABALHO COM A GRAMÁTICA NORMATIVA

POR UMA EDUCAÇÃO LINGÜÍSTICA: O TRABALHO COM A GRAMÁTICA NORMATIVA POR UMA EDUCAÇÃO LINGÜÍSTICA: O TRABALHO COM A GRAMÁTICA NORMATIVA Norma Barbosa Novaes (Faculdades Integradas FAFIBE) Gleice Fernanda Ferreira (G- Faculdades Integradas FAFIBE) José Carlos Constantin

Leia mais

STREET, Brian V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad.

STREET, Brian V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. STREET, Brian V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. 115 Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2014. Ariane Alhadas Cordeiro * alhadas.ariane@gmail.com

Leia mais

SETEMBRO. Dia 01 MATUTINO 02 VESPERTINO VESPERTINO

SETEMBRO. Dia 01 MATUTINO 02 VESPERTINO VESPERTINO SETEMBRO Dia 01 MATUTINO Prova de Recuperação Paralela Matemática: 9º Anos B e C Semelhança; Teorema de Tales; Teorema de Pitágoras; Equações; Sistemas; Questões das avaliações anteriores E lista de férias;

Leia mais

V Jornada das Licenciaturas da USP/IX Semana da Licenciatura em Ciências Exatas - SeLic: A

V Jornada das Licenciaturas da USP/IX Semana da Licenciatura em Ciências Exatas - SeLic: A O LIVRO INFANTIL UTILIZADO PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIO DO PROFESSOR Autoras: Camila Karolina de Freitas, Adriana Aparecida da Silva e Juliana Renovato Vizza Orientador: Luís

Leia mais

INDAGAÇÕES SOBRE A GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO

INDAGAÇÕES SOBRE A GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO INDAGAÇÕES SOBRE A GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO Flávia Barbosa ILÍDIO Flavia-ilidio@bol.com.br Luma de Fátima SANCHES (G-UENP/Campus Jac.) Marilúcia dos Santos Domingos STRIQUER (orientadora - UENP/Jac.)

Leia mais

UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 5- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014

UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 5- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 5- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 Nivel 5 No português 5, continuará a realizar o trabalho iniciado no

Leia mais

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Anexo 5 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo 5 Trabalhando com textos na Alfabetização (Marlene Carvalho, 2005) Muitas professoras

Leia mais

PORTUGISISKA Currículo para o ensino da língua sueca para imigrantes

PORTUGISISKA Currículo para o ensino da língua sueca para imigrantes PORTUGISISKA Currículo para o ensino da língua sueca para imigrantes Objetivos do ensino O programa de ensino da língua sueca para imigrantes é um programa de formação linguística qualificado que visa

Leia mais

EU CHEGUI : NADA NA LÍNGUA É POR ACASO

EU CHEGUI : NADA NA LÍNGUA É POR ACASO EU CHEGUI : NADA NA LÍNGUA É POR ACASO Edna Ranielly do Nascimento CH/UEPB niellyfersou@hotmail.com Jobson Soares Da SILVA CH/UEPB jobsonsoares@live.com Janaína da Costa BARBOSA janne3010@hotmail.com PIBID/CH/UEPB

Leia mais

Hábitos de Estudo. 1. Onde estudar?

Hábitos de Estudo. 1. Onde estudar? Hábitos de Estudo Queridos alunos, Você sabe estudar? Estudar deve ser um hábito como escovar os dentes, comer e dormir? Qual o lugar apropriado para estudar? É adequado estudar da mesma forma para as

Leia mais

Variações linguísticas: Norma Padrão e Norma culta

Variações linguísticas: Norma Padrão e Norma culta L.E. Semana 2 Segunda Feira Variações linguísticas: Norma Padrão e Norma culta Diferença entre a norma padrão e a norma culta o português não é homogêneo O português, como todas as línguas, é heterogêneo:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Cristina Barcelos Dora Rufo Guaciara Alves Leandro Paiva Luciano João Sirlene Araújo Dias Apresentação de Seminário sobre o livro Preconceito Linguístico:

Leia mais

Da fala para a escrita: atividades de retextualização

Da fala para a escrita: atividades de retextualização Da fala para a escrita: atividades de retextualização Luiz Antônio Marcuschi, professor titular da Universidade Federal do Pernambuco, pós-doutor pela Universitat Freiburg na Alemanha e Doutor em Letras

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA: O QUE PREVALECE NAS PRÁTICAS DOCENTES ATUAIS?

O ENSINO DA GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA: O QUE PREVALECE NAS PRÁTICAS DOCENTES ATUAIS? O ENSINO DA GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA: O QUE PREVALECE NAS PRÁTICAS DOCENTES ATUAIS? Tatielle Kayenne de Morais¹; Maria Santíssima da Trindade Paiva²; Aleksandra Nogueira de Oliveira Fernandes³

Leia mais

INGLÊS INSTRUMENTAL: uma abordagem.

INGLÊS INSTRUMENTAL: uma abordagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÁS INGLÊS INSTRUMENTAL: uma abordagem. Mislainy Patricia de Andrade i (UEG UnU/GOIÁS) mislainypaf@hotmail.com JUSTIFICATIVA O termo inglês instrumental

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA: A PRÁXIS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

ENSINO DE GRAMÁTICA: A PRÁXIS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO DE GRAMÁTICA: A PRÁXIS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Sueilton Junior Braz de Lima Graduando da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) Josefa Lidianne de Paiva

Leia mais

MINHA VIDA E A REVISTA AO PÉ DA LETRA

MINHA VIDA E A REVISTA AO PÉ DA LETRA MINHA VIDA E A REVISTA AO PÉ DA LETRA Cinthya Torres Melo 1 Universidade Federal de Pernambuco 1. Uma Breve Retrospectiva ao Fim dos Anos 90... Tudo começou em 1998 com uma bolsa de Aperfeiçoamento Científico

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Português Instrumental Código: FAR- 402 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1

Leia mais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Darlinda Moreira Universidade Aberta ProfMat-2003 Santarém A complexidade da realidade social O mundo foi sempre multicultural, sempre coexistiram

Leia mais

DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA AUDITIVA Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC CONTEUDO - Conceitos; - Filosofias de Comunicação; - Atendimentos Educacionais especializados; - Surdez e L2; - Legislação. OBJETIVOS

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA Língua Estrangeira I- Inglês 5ºANO Oral / Listening Compreender sons, entoações e ritmos da língua. Leitura / Reading Compreender palavras, conceitos simples e frases isoladas. Compreender palavras, frases

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1 METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1 A Redação Quando se fala em redação, em geral se associa a uma composição literária ou a uma dissertação de tese. No primeiro caso, relaciona-se a um trabalho fantasioso;

Leia mais

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009 Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p. 187-191, jan./abr. 2009 RESENHA DE INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM: DISCURSO E TEXTUALIDADE [ORLANDI, E.P.; LAGAZZI- RODRIGUES, S. (ORGS.) CAMPINAS, SP:

Leia mais

LISTA DE LÍNGUA PORTUGUESA P1

LISTA DE LÍNGUA PORTUGUESA P1 LISTA DE LÍNGUA PORTUGUESA P1 Aluno (a): Série: 1º BIMESTRE Professor (a): Leila de Souza Goiânia, / / 2015. _ Referências para estudo: Capítulos 1 (Linguagem e Variação Linguística) e 2 (Oralidade e Escrita)

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

Resenha. Narrativas, crenças e experiências de aprender inglês

Resenha. Narrativas, crenças e experiências de aprender inglês Universidade Federal de Uberlândia - Mestrado em Estudos Linguísticos Disciplina: Tópicos em Linguística Aplicada 1: Crenças no ensino/aprendizagem de línguas: interfaces afetivas e contextuais Docente:

Leia mais

SEMANA DO ESPANHOL DE VERDADE MATERIAL DE APOIO AULA 2

SEMANA DO ESPANHOL DE VERDADE MATERIAL DE APOIO AULA 2 SEMANA DO ESPANHOL DE VERDADE MATERIAL DE APOIO AULA 2 O que você vai encontrar neste material? Hola! Neste material complementar da Aula 2 da Semana do Espanhol de Verdade eu vou te mostrar : Revisão

Leia mais

UNIDADES TEMÁTICAS PARA A PROVA 1º BIMESTRE - 23/02/2012 DISCIPLINA: PRODUÇÃO DE TEXTO (REDAÇÃO) 1ª SÉRIE DISCIPLINA: MATEMÁTICA 1ª SÉRIE

UNIDADES TEMÁTICAS PARA A PROVA 1º BIMESTRE - 23/02/2012 DISCIPLINA: PRODUÇÃO DE TEXTO (REDAÇÃO) 1ª SÉRIE DISCIPLINA: MATEMÁTICA 1ª SÉRIE Prova P1 24/02 Progressão Textual 2ª Chamada P1 17/03 Progressão Textual Prova P2 14/03 Elaboração de Narrativa 2ª Chamada P2 31/03 Elaboração de Narrativa Prova P3 04/04 Transposição de Linguagem 2ª Chamada

Leia mais

RESENHA. Protesto: uma abordagem culturalista. Suelen de Aguiar Silva. Universidade Metodista de São Paulo

RESENHA. Protesto: uma abordagem culturalista. Suelen de Aguiar Silva. Universidade Metodista de São Paulo Suelen de Aguiar Silva Doutoranda em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo RESENHA Protesto: uma abordagem culturalista 355 356 JASPER, James M. Protesto: uma introdução aos movimentos

Leia mais

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO PORTUGUÊS DE OLHO NO MUNDO DO TRABALHO

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO PORTUGUÊS DE OLHO NO MUNDO DO TRABALHO A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO PORTUGUÊS DE OLHO NO MUNDO DO TRABALHO Simone dos Santos França (PPG-LETRAS UEMS) anhin.1@hotmail.com Adriana Lúcia de Escobar Chaves de Barros (UEMS) chaves.adri@hotmail.com

Leia mais

Linguagem Coloquial e Culta. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci

Linguagem Coloquial e Culta. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci Linguagem Coloquial e Culta Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci Introdução Os critérios que determinam a norma (padrões de uso)de uma língua se estabelecem ao longo do tempo principalmente pela ação da

Leia mais

Vestibular ª Fase REDAÇÃO. Aguarde a autorização para abrir o caderno e iniciar a prova

Vestibular ª Fase REDAÇÃO. Aguarde a autorização para abrir o caderno e iniciar a prova Vestibular 2010 1ª Fase REDAÇÃO Instruções Gerais: Aguarde a autorização para abrir o caderno e iniciar a prova No dia de hoje (01/11), você deverá elaborar uma Redação e responder às questões de Língua

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior PAES/ DOCV/PROG/UEMA FILOSOFIA

Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior PAES/ DOCV/PROG/UEMA FILOSOFIA FILOSOFIA 1. Sobre o evento Rock In Rio, o cantor da banda U2, Bono Vox, afirmou o seguinte: O Brasil está no centro do mundo. Esta é uma afirmação sobre a atuação do Brasil no cenário político mundial?

Leia mais

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES):

Leia mais

Gramática. Barro Branco 2017 Profª Bia

Gramática. Barro Branco 2017 Profª Bia Gramática Barro Branco 2017 Profª Bia It matters not how strait the gate, How charged with punishments the scroll, I am the master of my fate: I am the captain of my soul. Invictus, de William Ernest Henley

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: POSSÍVEIS ABORDAGENS

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: POSSÍVEIS ABORDAGENS ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: POSSÍVEIS ABORDAGENS Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com RESUMO: Diante do fracasso educacional que estamos vivenciando

Leia mais

ENSINO E ORALIDADE: ENCONTROS E DESENCONTROS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

ENSINO E ORALIDADE: ENCONTROS E DESENCONTROS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO E ORALIDADE: ENCONTROS E DESENCONTROS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Anderson Rany Cardoso da Silva (UEPB) 1 Professor (a) orientador (a): Francicleide Liberato Instiuição: Universidade Estadual

Leia mais

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas.

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas. Resolução Unesp-41, de 12-7-2007 Publicada no D.O.E. de 13/07/2007 - Seção I pag 53 (Alterada pela Resolução UNESP 20 de 31-3-2009 Publicada no D.O.E. de 01/04/2009, Seção I, página 42 e Resolução UNESP

Leia mais

GUIMARÃES, Cleusa Divina 1. Palavras-chave: Competência redacional, aperfeiçoamento, desenvolvimento, aprendizagem.

GUIMARÃES, Cleusa Divina 1. Palavras-chave: Competência redacional, aperfeiçoamento, desenvolvimento, aprendizagem. Produção de Textos Científicos e Técnicas de Comunicação. GUIMARÃES, Cleusa Divina 1 Palavras-chave: Competência redacional, aperfeiçoamento, desenvolvimento, aprendizagem. Introdução O Curso Produção

Leia mais

Exame Nacional do Ensino Médio. pág Anais do XVI CNLF. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2012.

Exame Nacional do Ensino Médio. pág Anais do XVI CNLF. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2012. MARCAS DA ORALIDADE NAS PRODUÇÕES TEXTUAIS DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DO CENTRO DE ENSINO HUMBERTO DE CAMPOS NA CIDADE DE HUMBERTO DE CAMPOS MA Vandinalva Coelho Campos (UFMA) dinalva_coelho@hotmail.com

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

A SINTAXE NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS ANÁLISE E DEBATE: UM DIÁLOGO COM O ENSINO

A SINTAXE NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS ANÁLISE E DEBATE: UM DIÁLOGO COM O ENSINO A SINTAXE NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS ANÁLISE E DEBATE: UM DIÁLOGO COM O ENSINO Pâmela da SILVA; Michaela Andréa Bette CAMARA, Vânia Carmem LIMA. Universidade Federal de Goiás UFG Campus Jataí CAJ.

Leia mais

Como Aprender Inglês: O Guia Prático

Como Aprender Inglês: O Guia Prático Como Aprender Inglês: O Guia Prático Elaboramos um sistema passo-a-passo para você aprender inglês de maneira mais simples e efetiva! Lucas Campos Introdução Ao Guia...3 Passo 1 As 4 Habilidades...4 Passo

Leia mais

Fonética e Fonologia: modos de operacionalização

Fonética e Fonologia: modos de operacionalização Fonética e Fonologia: modos de operacionalização Encontro sobre Terminologia Linguística: das teorias às práticas Faculdade de Letras da Universidade do Porto 12 e 13 de Setembro de 2005 Sónia Valente

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

ANTUNES, Irandé. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

ANTUNES, Irandé. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. ANTUNES, Irandé. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. Ensinar ou não ensinar gramática? Eis a questão... To teach or not to teach

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Enquadramento legal da avaliação

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL

EXTENSÃO DE ESPANHOL 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE ESPANHOL Ivana Cristina Ribas Abrão 1 Sebastião

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos AS DIMENSÕES DO LETRAMENTO Giselly Duarte Ferreira (UERJ) giselly.duartee@gmail.com.br RESUMO O objetivo deste trabalho é refletir sobre a complexidade do processo de letramento. Diante disso, acreditamos

Leia mais

Vivemos em dias em que um número cada vez maior de pessoas demonstra, das mais variadas maneiras, que nada sabem sobre Deus.

Vivemos em dias em que um número cada vez maior de pessoas demonstra, das mais variadas maneiras, que nada sabem sobre Deus. Vivemos em dias em que um número cada vez maior de pessoas demonstra, das mais variadas maneiras, que nada sabem sobre Deus. Questiona-se muito se as escolas devem ou não ter em sua grade curricular a

Leia mais

O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO LÍNGUA PORTUGUESA - IDEIAS E LINGUAGENS 6º ANO

O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO LÍNGUA PORTUGUESA - IDEIAS E LINGUAGENS 6º ANO O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO LÍNGUA PORTUGUESA - IDEIAS E LINGUAGENS 6º ANO Maria Iara Ferreira de Amorim Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Bolsista PIBIC UERN) Ana

Leia mais

Atividade 1. Uma miscigenação ainda maior A Copa do Mundo e as crônicas de humor

Atividade 1. Uma miscigenação ainda maior A Copa do Mundo e as crônicas de humor Atividade 1 Uma miscigenação ainda maior A Copa do Mundo e as crônicas de humor Tema Por meio da temática Copa do Mundo no Brasil, aproveitando situações engraçadas e cômicas que acontecem entre estrangeiros

Leia mais

6LET012 LINGÜÍSTICA II Introdução à teoria sintática funcionalista. Categorias gramaticais e relações

6LET012 LINGÜÍSTICA II Introdução à teoria sintática funcionalista. Categorias gramaticais e relações HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA 1ª Série 6LEM008 LÍNGUA ESPANHOLA I A Noções introdutórias de compreensão e expressão (oral e escrita) da língua espanhola. Discussões sobre o espanhol como

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA FRAGMENTO 1

LÍNGUA PORTUGUESA FRAGMENTO 1 LÍNGUA PORTUGUESA As questões da prova de Língua Portuguesa deverão ser respondidas com base nos dois fragmentos que seguem, adaptados do texto Falar & escrever bem (Margot Cardoso, Revista Vencer, fevereiro

Leia mais

Quando o ENEM foi criado? O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998.

Quando o ENEM foi criado? O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998. Quando o ENEM foi criado? O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998. Qual era o objetivo inicial do ENEM? Avaliar o desempenho do estudante ao fim da educação básica. Qual é o objetivo do ENEM

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 2 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LETRAMENTO E DESENVOLVIMENTO: A IMPORTÂNCIA DA ALFABETIZAÇÃO PARA A FORMAÇÃO DO SUJEITO

LETRAMENTO E DESENVOLVIMENTO: A IMPORTÂNCIA DA ALFABETIZAÇÃO PARA A FORMAÇÃO DO SUJEITO LETRAMENTO E DESENVOLVIMENTO: A IMPORTÂNCIA DA ALFABETIZAÇÃO PARA A FORMAÇÃO DO SUJEITO Rafaela Dayne Ribeiro Lucena (UEPB/PPGLI/CAPES) Rafela-dayne-bb@hotmail.com RESUMO Na contemporaneidade, o letramento

Leia mais

ROTEIRO DE REDAÇÃO. Professor da Disciplina: Mª Cristina Peixoto Data: / /2017 2º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Nota:

ROTEIRO DE REDAÇÃO. Professor da Disciplina: Mª Cristina Peixoto Data: / /2017 2º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Nota: ROTEIRO DE REDAÇÃO Professor da Disciplina: Mª Cristina Peixoto Data: / /2017 2º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Nota: 9º ano [A ] [B] Ensino Médio Período: Matutino Conteúdo: Artigo de opinião O que é o artigo

Leia mais

Comunicação e linguagens. Carlos Straccia ATO DE COMUNICAÇÃO. Referências bibliográficas

Comunicação e linguagens. Carlos Straccia ATO DE COMUNICAÇÃO. Referências bibliográficas ATO DE COMUNICAÇÃO Referências bibliográficas INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto: curso prático de leitura e redação. 5 ed. São Paulo: Scipione, 1998, p. 17. PEREIRA, José Haroldo. Curso básico de teoria

Leia mais

Tarefas 07 e 08 Professora Vanessa

Tarefas 07 e 08 Professora Vanessa 01. (UNIRG TO) Leia a charge a seguir. Tarefas 07 e 08 Professora Vanessa (Disponível em: < http://descomplicandoared.blogspot. com. br/2011/10/variedades-inguisticas.html>. Acesso em: 16 set. 2015.) Com

Leia mais

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e MORFOSSINTAXE Quando analisamos a que classe gramatical pertencem as palavras de determinada frase, estamos realizando sua análise morfológica. A morfologia é a parte da gramática que estuda a classificação,

Leia mais

Workshops and games on linguistic variation

Workshops and games on linguistic variation Oficinas e jogos de variação linguística Workshops and games on linguistic variation Monique Débora Alves de Oliveira, mestranda, FAPERJ/UFRJ/SME, mnqdbr@gmail.com. Resumo Este trabalho tem a preocupação

Leia mais

Pernambuquês 1. Marbson Figueiredo ALVES 2 Paula Mendes COSTA 3 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE

Pernambuquês 1. Marbson Figueiredo ALVES 2 Paula Mendes COSTA 3 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE Pernambuquês 1 Marbson Figueiredo ALVES 2 Paula Mendes COSTA 3 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Com o principal intuito de naturalizar as particularidades linguísticas do falar pernambucano

Leia mais

COMO COMBATER O PRECONCEITO LINGUÍSTICO: A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA PRESENTE NO LIVRO DIDÁTICO

COMO COMBATER O PRECONCEITO LINGUÍSTICO: A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA PRESENTE NO LIVRO DIDÁTICO COMO COMBATER O PRECONCEITO LINGUÍSTICO: A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA PRESENTE NO LIVRO DIDÁTICO Francisca Bruna de Oliveira Peixoto Graduanda do Curso de Letras - Habilitação em Língua Espanhola da Universidade

Leia mais