Aula 05 MECANISMOS DE CONSTRUÇÃO TEXTUAL. Caro(a) aluno(a),

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 05 MECANISMOS DE CONSTRUÇÃO TEXTUAL. Caro(a) aluno(a),"

Transcrição

1 Aula 05 MECANISMOS DE CONSTRUÇÃO TEXTUAL Caro(a) aluno(a), Dando continuidade aos nossos estudos, esta aula abordará questões pontuais sobre o texto! Você deve estar se perguntando por que sobre ainda o texto?! Bem, o motivo é porque esta disciplina tem o grande objetivo de propiciar condições para que vocês se tornem leitores e redatores críticos; que dominem a norma culta, os recursos expressivos da língua que viabilizam a elaboração textual coesa e coerente. Daí, insistentemente, em nossas aulas, não nos distanciaremos da teoria da linguística textual que investiga o texto como unidade básica de manifestações da linguagem. Bons estudos! Que tal!? Disposto a começar?? Comecemos, então, analisando os objetivos e verificando as seções que serão desenvolvidas ao longo desta aula. Bom trabalho! Objetivos de aprendizagem Ao término desta aula, você será capaz de: Compreender o que é Linguística textual e perceber a sua importância para os estudos do e no texto; Entender os mecanismos do texto escrito; Entender e reconhecer os elementos da textualidade. 99

2 Seções de estudo Linguagem e Argumentação - Nara Sgarbi - UNIGRAN Seção 1 Seção 2 Seção 3 Linguística Textual O ato de escrever Textualidade Então, vamos em frente?! Escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é palavra. [Elena Losada Soler] Ok! Vamos em frente! Nesta aula abordaremos os estudos sobre os mecanismos de construção textual. Para tal, faremos uso de trechos de um texto de Maria da Graça Costa Val (1999), que é considerada referência em tais estudos. Pensamos que essas ideias auxiliarão a todos vocês na concretude da ação de tecer seus textos com qualidade. Antes vamos, de maneira bastante rápida, abordar alguns temas que circundam a ciência da linguística textual. Seção 1 Linguística Textual Ribeiro (2006), em seu texto Gramática Aplicada da Língua Portuguesa, nos Linguagem e Argumentação - Nara Maria Fiel de quevedo Sgarbi UNIGRAN, lembra que há um bom tempo vem crescendo o número de pesquisadores que se interessam sobre as questões pertinentes ao texto, ou melhor, os pesquisadores que estudam as teorias da Linguística textual têm crescido consideravelmente. Quando enveredamos pelos caminhos da Linguística textual (LT), acabamos por perceber muitos pontos que se encaixam com a Análise do Discurso (AD), por isso alguns teóricos não pontuam grandes diferenças entre a AD e a LT, porém os usos variam e há, então, a possibilidade de se distinguir o texto e o discurso. O texto seria o produto físico e o discurso um processo eficaz, dinâmico de expressão e interpretação. Como assim? Entenderam? Então vamos pensar um pouco mais! 100

3 O discurso, com sua função e modo de operação, pode ser observado com técnicas psicolinguísticas e sociolinguísticas, além das técnicas linguísticas habituais. Outros apontamentos entre os dois conceitos são bastante comuns em variados textos que discorrem sobre os temas; mas o que pretendemos apresentar para você acadêmico do curso de Serviço Social é, justamente, uma posição que o conduza ao entendimento adequado à diversidade textual com que se deparará ao longo de seu curso e de sua vida profissional. Há também o estudo da análise conversacional, nesse estudo o foco são as construções textuais que perfazem a prática comum no dia a dia de todos nós, além de investigar, também, o espaço privilegiado para a construção de identidades sociais no contexto real. Um dos grandes teóricos que trabalha com a análise da conversação é Luis Antônio Marcuschi (vale a pena ler seus textos!). Mas, especificamente, em nossa aula, a preocupação ou a linha de investigação que seguimos toma a direção do texto escrito. Para isso vamos começar a pensar nesse texto e em sua organização, em sua construção. Podemos definir texto como uma situação comunicativa, seja escrita ou falada, ou ainda, se formos além e adentrarmos ao texto não verbal, podemos expandir essa ideia afirmando que o texto é uma situação comunicativa, também icônica e imagológica, entre outras formas não verbais. A icônica está ligada a um texto produzido por meio de símbolos, como forma de representação, a imagológica está ligada à produção de texto através de imagens. Por uma questão metodológica, nesta aula abordaremos o texto escrito. O texto é necessário à vida de cada um, pois ele serve para que as pessoas possam expor seus pensamentos, ideias e críticas, enfim, é uma unidade de linguagem que visa a informar, a transmitir conhecimentos, além de passar ao receptor uma unidade semântica de modo que faça com que ele entenda o assunto abordado percebendo-o como um todo significativo. 101

4 É importante ressaltarmos que nem todas as pessoas conceituam o texto dessa forma, cada autor (a) pensa e expressa de uma forma o seu entendimento, uns aprofundando mais e outros menos, sendo mais simples em suas considerações. É com respaldo nessas diferenciações de pensamentos que procuramos abordar a seguir o que é texto na visão de, pelo menos, três autores para mostrar a diferença no conceito de cada um. Vamos aos conceitos? Ainda têm dúvidas? Para Costa Val (1999,p.3), [...] texto ou discurso [...] é uma ocorrência linguística falada ou escrita, de qualquer extensão, dotada de unidade sócio comunicativa, semântica e formal. Segundo Elisa Guimarães (1992,p.14), Em sentido amplo, a palavra texto designa um enunciado qualquer, oral e escrito, longo ou breve, antigo ou moderno. Para Ulisses Infante(1996,p.49), a palavra texto provém do latim textum, que significa tecido, entrelaçamento. O texto resulta de um trabalho de tecer de entrelaçar várias partes menores a fim de se obter um todo inter-relacionado. Percebe-se, então, que há diferenças nos conceitos demonstrados pelos autores; para Val, o texto tem um significado maior, pois ela ressalta que o texto, não é só um discurso falado ou escrito, mas, além disso, ele comunica, dá sentido e tem uma forma de ser expresso. É importante ressaltarmos, também, que Costa Val faz sua definição de texto enfocando o discurso, permitindo, assim, enxergar que o texto é uma unidade de linguagem em uso e que o que as pessoas têm para dizer uma às outras não são palavras nem frases isoladas, são textos. Já Guimarães (1992), conceitua o texto como algo mais simples e amplo, sem dar ênfase às características a mais que o texto contém, ou seja, ela não especifica maiores esclarecimentos sobre o texto como Costa Val o faz. Infante (1996) também tem sua forma de conceituar texto, ele aborda o texto como uma rede de relações de ideias que se entrelaçam para formar um todo significativo. Podemos observar que ele tem um modo de conceituar como o de Elisa Guimarães, pois simplesmente dá sua visão, não se aprofundando em muitas explicações. Vimos que cada um desses autores revelam sua maneira de conceber o texto com base em diferentes pressupostos, a partir de suas vivências, experiências e linhas teóricas adotadas. Vale lembrar que escrever não significa apenas preencher o papel com frases, pois do mesmo modo que a frase não pode ser vista como um amontoado de palavras, também não podemos dizer que o texto é um simples amontoado de frases, uma vez que ao escrever um texto, esse precisa ser claro, conciso e objetivo para parecer lógico, para se compreensível. 102

5 Val (1999) ainda nos recorda que o texto não pode ser somente um amontoado de frases, como já salientamos há pouco, precisa passar a quem recebe um sentido, para que o assunto abordado possa ser percebido pelo recebedor como significativo. Para uma pessoa entender um texto, o mesmo tem que revelar suas ideias de maneira clara, para que aquele que as está recebendo possa entender e identificar como um texto compreensível. Muitas vezes, as maiores dificuldades estão na concretização das ideias no papel, pois escrever pode não ser fácil para muitas pessoas e ainda não inventaram mágicas e fórmulas para apreender a escrever. Na verdade, esse é um trabalho que depende muito do interesse e empenho de cada um. Vocês, como alunos, já devem ter passado por experiências como essa, não é mesmo? Faz-se importante ressaltar que a leitura e a atualização de informações também colaboram muito na qualidade do texto, pois a pessoa que escreve necessita ter bastante informações e transformá-las em conhecimentos, para assim poder escrever sobre um determinado assunto, e a isso chamamos de intertextualidade. A intertextualidade é, dessa maneira, a relação que se faz com outros textos, em que a pessoa se baseia em outras obras e autores para escrever o seu texto, é uma espécie de ajuda e um forma de conhecer os pensamentos, as ideias e conhecimentos dos diversos autores. Segundo Ângela Kleiman (1996,p.26): O significado de um texto não se limita ao que apenas está nele; seu significado resulta da interseção com outros. Assim, a intertextualidade refere-se às relações entre os diferentes textos que permitem que o texto derive seus significados de outros. Os textos incorporam modelos, vestígios, até estilos de outros textos e de outros gêneros. O que vemos, às vezes, são textos sem sentido que não provocam em nós leitores nenhum interesse e, consequentemente, nenhum entendimento. Muitas vezes, tanto o texto oral com o escrito são feitos de forma inadequada, o que nos leva a entender que só foram feitos para suprir as exigências do momento do ato comunicativo. O que seria adequado é que fosse dada importância maior ao ensino da produção textual, pois, muitas vezes, esse ensino é marginalizado, quase se tornando despercebido, e isso faz com que o aluno, mais tarde, sinta dificuldades na hora da escrita não tendo nenhuma noção de como escrever, para quem escrever e por que escrever; situação que não deveria acontecer, pois o ato comunicativo está presente e é necessário na vida de todos, seja ele um ato formal ou informal. 103

6 E vocês, como se sentem como produtores de textos? Linguagem e Argumentação - Nara Sgarbi - UNIGRAN Disponível em Acessado em 15 de julho de 2012, às 15 horas. Sabemos que existem textos mais formais e menos formais, e cada um desses textos deve ser escrito fazendo uso da coerência e da coesão. Os elementos da coesão e da coerência são fundamentais dentro de um texto (vocês sabem disso), pois não se pode dizer que um texto seja texto sem haver sentido nas ideias e ligação dessas ideias, porque é depositando o sentido e fazendo a ligação das ideias que o receptor busca entender a intenção do que foi escrito ou falado. Existem características que diferem os textos escritos dos orais, e, a grande diferença que se percebe na construção de um texto escrito e de um texto falado é que o texto escrito exige muito mais na hora de ser formulado, uma vez que não tem o seu interlocutor a sua disposição. Ele é elaborado a partir de um planejamento mais minucioso, exige-se uma boa estruturação, levando em conta que necessita conter ideias explícitas e bem articuladas, usando a clareza e a informatividade para que, assim, o leitor possa buscar o seu sentido e interpretá-lo com maior tranquilidade. Já o texto falado, muitas vezes, não é planejado com antecedência, ele é incompleto, porque se constrói a partir da interlocução, uma vez que na maioria dos casos é feito no improviso momentâneo; é um texto que pode ser interrompido e explicado, mas, mesmo assim, é um texto difícil de se fazer, pois não são todas as pessoas que possuem o dom da fala e a facilidade em articular ideias com clareza. Podemos exemplificar como texto verbal, portanto, uma frase, um fragmento de um diálogo, um provérbio, um verso, uma estrofe, uma poesia, um poema, um romance, pode definir com ato comunicativo, ato que por meio de levantamentos de ideias e pensamentos expõe interesses, informações e conhecimentos. É importante ressaltar que cada um desses gêneros possui formas diferentes de realização e são utilizados, também, por pessoas diferentes, em diferentes meios. Notamos essa diferença ao percebermos, muitas vezes, que uma notícia de jornal, dependendo do assunto, é vista de vários modos por diversas pessoas em lugares diferenciados, e é por isso que damos ênfase à importância de escrever um texto bem estruturado e compreensível levando em conta os diferentes meios de manifestação. 104

7 Segundo Kleiman (1996,p.62): Texto é toda construção cultural que adquire um significado devido a um sistema de códigos e convenções: um romance, uma carta, uma palestra, um quadro, uma foto, uma tabela são atualizações desses sistemas de significados, podendo ser interpretados como texto. E como fica então, diante dessas noções de textos, o ato de escrever, o fazer textual? É exatamente disso que trataremos na seção seguinte!!! Seção 2 O Ato de Escrever Ao escrever um texto é importante lembrar que esse para ser bem estruturado, precisa conter elementos que são necessários para sua formação, há que se pensar em o que escrever, ler sobre o assunto/tema, construir a introdução, o desenvolvimento e a conclusão, sempre tendo em mente que um tópico segue o outro, e, não se esquecer do título. É claro que essa sequência apresentada não é rígida, é apenas uma possibilidade de procedimento dentre tantas outras possibilidades existentes. Podem pensar, por exemplo, o título como uma expressão curta que designe o assunto/ tema do texto; a introdução como o primeiro parágrafo e, nela, pôr a informação do que será abordado no decorrer do texto. O desenvolvimento, por sua vez, é o texto propriamente dito, nessa etapa os assuntos serão tratados e/ou discutidos e a conclusão é o encerramento do texto, nela se deve reafirmar com outras palavras, tudo o que foi abordado no parágrafo inicial e, finalmente, concluí-lo. É claro que aqui apenas pincelamos as partes básicas possíveis de serem expostas em um texto. Temos a clareza de que elas não são tão pontuais como foram dispostas, lembrando que não só com esses elementos se constrói um texto, pois não adianta colocar em um papel o título, a introdução, o desenvolvimento e a conclusão, sem fazer o uso da coerência, da coesão, apenas jogando ideias soltas, vagas e incompreensíveis. Como já salientamos: um texto exige muito mais. Segundo José Luiz Fiorin (2002, p.15): [...] as frases não têm significado autônomo: num texto, o sentido de uma frase é dado pela correlação que ele mantém com as demais. A boa compreensão de um texto advém da boa escrituração; o produtor precisa ter em mente que sua escrita tem que parecer lógica e suas ideias necessitam estar relacionadas umas com as outras; se tal relação não acontece, podemos julgar que não existe um texto, mais sim um amontoado de ideias soltas. Além de boa escrituração, a compreensão de um texto se dá também quando houver uma perfeita interação entre o autor e o leitor/receptor. Segundo Kleiman (1999) para uma boa 105

8 compreensão de um texto é necessário que quem o receba, busque o conhecimento prévio, o conhecimento linguístico, o textual e o de mundo, esses facilitarão o entendimento, uma vez que fazem parte da vivência de cada um. Entendemos que o conhecimento prévio é o conhecimento adquirido ao longo da vida, ou seja, a pessoa, ao ler ou ouvir um texto utiliza seus conhecimentos guardados para atingir uma boa compreensão. Sem esse, dificilmente o leitor chegaria a compreender um texto. Já pararam para pensar quantas vezes fizeram uso desse conhecimento e não perceberam que o utilizavam? O conhecimento linguístico, por sua vez, é outro conhecimento que nos ajuda no momento da compreensão, pois é o conhecimento de vocabulário e regras da língua. Esse conhecimento nos permite enxergar os elementos linguísticos e sua organização, ou seja, como cada um encaixa se no texto, o modo como se inter-relacionam para veicular sentido aos receptores. Outro conhecimento, também muito importante e que deve ser ativado na hora da compreensão, é o textual, pois se o receptor tiver acesso aos diversos tipos de textos ele, com certeza, terá mais facilidade na hora da compreensão. Quando lemos um texto pela primeira vez, pode ocorrer a não compreensão daquilo que o texto quer expressar, e isso pode acontecer pelo desconhecimento dos conceitos textuais ali existentes ou da tipologia do texto adotada. Por fim, um grande conhecimento a ser mencionado é o conhecimento de mundo, que é o conhecimento que temos acerca do mundo, o qual representa tudo o que conhecemos e que se encontra armazenado em nossa memória. Quando uma pessoa está lendo um texto deve ativar em sua memória seu conhecimento de mundo, pois enquanto lê, esse conhecimento facilitará o entendimento, o que despertará o prazer pela leitura. Assim para se ter uma boa compreensão, tais conhecimentos devem ser ativados no momento do ato comunicativo, pois nos auxiliarão fazendo enxergar que quanto maior for nossa bagagem de conhecimentos, maior compreensão teremos sobre o que lemos, segundo Kleimam (1999, p.25-26): A ativação do conhecimento prévio e, então, essencial à compreensão, pois é o conhecimento que o leitor tem sobre o assunto que lhe permite fazer as inferências necessárias para relacionar diferentes partes descritas do texto num todo coerente. O conhecimento linguístico, o conhecimento textual, o conhecimento de mundo devem ser ativados durante a leitura para poder chegar ao momento da compreensão, momento esse que passa desapercebido, em que as partes descritas se juntam para fazer um significado. Ainda a respeito da aquisição da compreensão de um texto, é necessário também identificar sua tipologia, ou seja, se é um texto descritivo, narrativo ou dissertativo/ argumentativo. Não há como confundir esses três tipos de textos, cada um deles possui suas características próprias. A narração, por exemplo, é um tipo de texto que conta fatos reais ou não, que ocorreram 106

9 em um tempo e lugar que envolve personagens envoltos em um conflito, enquanto a descrição é um tipo de texto que descreve um lugar, uma pessoa, um animal, descreve sensações,sentimentos, entre outras questões. Já a dissertação/ argumentação é um estilo de texto que retrata opiniões pessoais e exposições de ideias seguidas de argumentos que os comprovem; esse bastante utilizado por vocês!!!!!!!!!!! É importante essa abordagem sobre a tipologia textual, pois é por meio dela que identificamos com qual tipo de texto vamos nos deparar para que possamos construí-lo de maneira adequada. Essa adequação na construção do texto gera facilidades para o leitor poder entender o que lê. Após todas as considerações expostas sobre o texto e sua tecitura, podemos chegar à conclusão de que texto é tudo o que o ser humano quer manifestar, informar ou transmitir, seja na escrita ou na fala, e que quando o texto é escrito de maneira adequada, utilizando todos os elementos possíveis para a compreensão, ele é melhor entendido e aceito por todos que o recebem. Continuando nossa aula, vamos, na seção seguinte, apresentar um resumo do texto de Maria da Graça Costa Val (1999), Como avaliar a textualidade? que, como citamos no início desta aula, irá abordar o tópico referente à avaliação da textualidade. Leiam com cuidado, com calma, voltem ao que, por acaso, não tenham entendido e verão como será de grande valia para todos vocês, ok?? Quando terminarem de ler o texto que segue, por gentileza, façam a atividade referente a esta aula, certo??? Boa leitura, vamos lá????? Seção 3 Textualidade Utilizaremos, nesta seção, trechos retirados do capítulo I do livro Redação e textualidade, da autora Maria da Graça Costa Val, que aborda o assunto texto, textualidade, coerência e coesão, fatores pragmáticos da textualidade e coloca alguns critérios para a análise da coerência e da coesão, como: a continuidade, a progressão, a não contradição, a articulação. Ainda, neste primeiro capítulo, temos os critérios para a análise da informatividade, tais como: imprevisibilidade, suficiência de dados. Esses elementos abordados pela autora são os que elegemos para finalizarmos a nossa quinta aula. Vejamos, de forma sucinta, o que eles representam na construção da textualidade de um texto. 107

10 Inicialmente vejamos o que é um texto para Costa Val (1999): Linguagem e Argumentação - Nara Sgarbi - UNIGRAN Para que um texto seja considerado texto, é necessário que possua uma relação sociocomunicativa, semântica e formal. Assim, um texto será bem compreendido quando ele atingir os seguintes fatores: O pragmático tem a ver com seu funcionamento enquanto atuação informacional e comunicativa; O semântico-conceitual é a base da coerência do texto; O formal refere-se à sua coesão. Entre os cinco fatores pragmáticos estudados, os dois primeiros se referem aos protagonistas do ato de comunicação são a intencionalidade e a aceitabilidade. T E X T U A L I D A D E A intensionalidade quer dizer a capacidade do produtor do texto produzi-lo de maneira coesa, coerente, capaz de alcançar os objetivos que tinha em mente, em uma determinada situação de comunicação. A aceitabilidade é se o que o produtor produziu pode ser considerado um texto, se alcançou o objetivo proposto quando chegou até o locutor, ou seja, pode ser considerado um texto, possui coerência, coesão, é relevante, traz informatividade, é útil para o leitor, tudo isso vai direcionar se realmente é um texto. A situacionalidade diz respeito à pertinência e relevância entre o texto e o contexto onde ele ocorre, isto é, é a adequação do texto à situação sociocomunicativa. É o que diz Maria da Graça Costa Val, O contexto pode, realmente, definir o sentido do discurso e, normalmente, orienta tanto a produção quanto a recepção. Em determinadas circunstâncias, um texto menos coeso e aparentemente menos claro pode funcionar melhor, ser mais adequado do que outro de configuração mais completa. (Costa Val, 1999, p.12) A situacionalidade diz respeito à pertinência e relevância entre o texto e o contexto onde ele ocorre, isto é, é a adequação do texto à situação sociocomunicativa. É o que diz Maria da Graça Costa Val, O contexto pode, realmente, definir o sentido do discurso e, normalmente, orienta tanto a produção quanto a recepção. Em determinadas circunstâncias, um texto menos coeso e aparentemente menos claro pode funcionar melhor, ser mais adequado do que outro de configuração mais completa. (Costa Val, 1991, p.12) 108

11 A informatividade refere-se ao interesse do recebedor, pois, depende do grau de informação, para existir o interesse do leitor. Entretanto, Val faz um alerta, se o texto permanecer com elementos muito inusitados, correrá o risco do leitor não conseguir processá-la, então, fica o alerta, de produzir um texto mediano de informatividade. Já o aspecto da intertextualidade é a capacidade de relacionar o texto com outros textos já produzidos, assim, a utilização de um texto, depende do conhecimento de outros textos que já circulam socialmente. Muitos textos só têm sentido quando relacionados a outros textos. O semântico-conceitual, de que depende sua coerência. A coerência do texto deriva de sua lógica interna, é o sentido do texto. A esse respeito menciona Costa Val: É considerada fator fundamental da textualidade, porque é responsável pelo sentido do texto. Envolve não só fatores lógicos e semânticos, mas também cognitivos na medida em que depende do partilhar de conhecimentos entre os interlocutores. (Costa Val, 1999, p. 05) Nessa perspectiva, um texto é considerado coerente quando partilhar informações também conhecidos pelo recebedor, isto é, conhecimentos que fazem parte da realidade de mundo desse leitor. Isso equivale a dizer que o texto não é pronto e acabado, mas vai adquirir sua complementação quando chega ao seu leitor. Assim, o leitor tem que deter de algumas informações para conseguir dá sentido ao texto. O formal, que diz respeito à sua coesão, que é a manifestação linguística da coerência. Mas ela não é condição nem suficiência de coerência. Ela é responsável pela unidade formal do texto, constrói-se através de mecanismos gramaticais e lexicais. Finalmente, no aspecto referente à articulação, a autora fala como os fatos e conceitos se encadeiam no texto, ou seja, se as ideias se articulam umas com as outras; isso acontece quando o produtor do texto faz comentários, no entanto, não articula esses comentários, deixando o recebedor, leitor com dificuldade de entendimento. Ufa, acabamos!? Não, ainda não! Vamos, no item Retomando a Conversa Inicial, fazer um breve resumo dos conteúdos estudados nesta quinta aula!? Retomando a conversa inicial Chegamos, assim, ao final da oitava aula. Esperamos que vocês tenham compreendido o que é Linguística Textual e quais elementos estão englobados nesta grande teoria! 109

12 Seção 1 Linguística Textual A Linguística Textual trata da construção e dos elementos que compõem um texto, que é definido como uma situação comunicativa, seja escrita ou falada, ou ainda, se formos além e adentrarmos ao texto não verbal, podemos expandir essa ideia afirmando que o texto é uma situação comunicativa, também icônica e imagológica, entre outras formas não verbais. A icônica está ligada a um texto produzido por meio de símbolos, como forma de representação, a imagológica está ligada à produção de texto através de imagens. Por uma questão metodológica, nesta aula abordaremos o texto escrito. Seção 2 O ato de escrever Ao escrever um texto é importante lembrar que esse para ser bem estruturado, precisa conter elementos que são necessários para sua formação, há que se pensar em o que escrever, ler sobre o assunto/tema, construir a introdução, o desenvolvimento e a conclusão, sempre tendo em mente que um tópico segue o outro, e, não se esquecer do título. É claro que essa sequência apresentada não é rígida, é apenas uma possibilidade de procedimento dentre tantas outras possibilidades existentes. Seção 3 Textualidade A textualidade é construída a partir de elementos que fazem de um texto um texto, ou seja, da coerência e da coesão, dos fatores pragmáticos da textualidade, tais como: a continuidade, a progressão, a não contradição, a articulação. Sugestões de Leituras, Sites e Filmes: Leituras: FÁVERO, Leonor. L. Coesão e coerência textuais. 3. ed. São Paulo: Editora Ática: KOCH, Ingedore G. Villaça; Travaglia, Luiz Carlos. A coerência textual. 12. ed. São Paulo: Contexto, CITELLI, A. O texto argumentativo. São Paulo: Scipione, VAL, Maria da Graça Costa. Redação e Textualidade. São Paulo: Martins Fontes, Sites:

13 a/resenha_ato_ler.html. lologia.org.br/ soletras/12/08.htm Filmes Narradores de Javé Meu pé esquerdo OBS: Não esqueçam! Em caso de dúvidas, acessem as ferramentas Fórum ou Quadro de avisos para se comunicar com o(a) professor(a) ou com seus colegas! Lembre-se, você é o protagonista da sua aprendizagem! Bons estudos. 111

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º PARÂMETROS GERAIS DE AVALIAÇÃO Integração escolar e profissionalizante Intervenções e Atividades na sala de aula: PESOS PARÂMETROS ESPECÍFICOS INSTRUMENTOS Peso 2 Peso 5 Comportamento-assiduidade-pontualidadecumprimento

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Mairiporã Etec: Mairiporã Código: 27 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de

Leia mais

Aula 08. Resenha e Resumo. Caro(a) aluno(a),

Aula 08. Resenha e Resumo. Caro(a) aluno(a), Aula 08 Resenha e Resumo Caro(a) aluno(a), Estamos em nossa oitava aula e nos dedicaremos mais a um assunto de grande interesse para vocês: veremos como proceder para elaborar resumos e resenhas. Bom trabalho!

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

Dicas EPIS ALUNOS. Balanço e Resultados Escolares Dica 1/3

Dicas EPIS ALUNOS. Balanço e Resultados Escolares Dica 1/3 Janeiro Balanço e Resultados Escolares Balanço e Resultados Escolares Dica 1/3 Aproveita o início deste período para fazeres um balanço do teu comportamento e dos teus resultados escolares no 1º Período.

Leia mais

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação Domínios a desenvolver Descritores

Leia mais

Redação. O assunto é mais abrangente; o tema, por sua vez, é a delimitação de um aspecto a ser trabalhado.

Redação. O assunto é mais abrangente; o tema, por sua vez, é a delimitação de um aspecto a ser trabalhado. Redação E aí, galera do Me Salva! Tudo bem? Está chegando o grande dia, não é?! As provas do ENEM acontecerão logo logo, portanto, cá estamos para revisar este assunto: REDAÇÃO. A ideia é traçarmos um

Leia mais

Aula 03. Níveis de leitura de um texto. A Importância da leitura

Aula 03. Níveis de leitura de um texto. A Importância da leitura Aula 03 Níveis de leitura de um texto A aula de hoje tratará mais um pouco sobre a importância do ato de ler. Estudamos e começamos a perceber como a leitura é importante em nossas vidas, vimos que é interessante

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA 1. Confrontar opiniões e pontos de vista sobre as diferentes manifestações da linguagem verbal e não verbal. 1.2. Depreender, através de leitura do texto,

Leia mais

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 8º ANO A Ano Letivo: 2012/2013 Introdução /Metas Consigna-se no Despacho n.º 5306/2012, de 18 de abril de 2012, que o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA II NOME DO CURSO: PEDAGOGIA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA II NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 2º CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA II NOME DO CURSO: PEDAGOGIA CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 2. EMENTA Leitura do mundo e leitura de

Leia mais

Lição 2 O Hábito da Leitura

Lição 2 O Hábito da Leitura Redação Técnica 43 Ao fi nal desta lição, esperamos que você possa: reconhecer o conceito de leitura; identifi car os principais objetivos da leitura; selecionar alguns recursos utilizados para efetuar

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais?

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Gêneros Textuais E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Para começar, vamos observar as imagens abaixo, reproduções de uma receita, uma manchete de

Leia mais

Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade

Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade Introdução Relativamente ao Curso Técnico Superior Profissional em Assessoria e Comunicação Organizacional, a área a que se refere o n. 1 do

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Eventos FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês Aprender a ser / Aprender a viver com os outros Pilar de Aprendizagem Aprender a conhecer / Aprender a fazer CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de 2.º Ciclo ED. SETEMBRO DE 2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA Nome: Nº 9º Data: / /2015 Professores: Belisa, Natália e Willian Nota: A - Introdução Neste ano, sua média final foi inferior a 6,0, o que revela

Leia mais

1) Devemos proceder a primeira leitura de reconhecimento ininterrupta.

1) Devemos proceder a primeira leitura de reconhecimento ininterrupta. TRABALHOS CIENTÍFICOS ACADÊMICOS Muitas vezes, o estudante ou pesquisador, ao ser abordado para fazer um trabalho científico acadêmico, tem muitas dificuldades de diferenciar as características quanto

Leia mais

Revisão da literatura / Fundamentação teórica

Revisão da literatura / Fundamentação teórica Revisão da literatura / Fundamentação teórica Reunir obras relevantes Descrever o objeto analisado Expôr o que se pensa sobre o objeto Criticar o que se pensa sobre o objeto Página 1 PARTES PRINCIPAIS

Leia mais

Testes Sumativos Peso 3*

Testes Sumativos Peso 3* I. INTEGRAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONALIZANTE Participação no contexto escolar de forma responsável e cooperativa Assiduidade e pontualidade Material (portefólio, outro material necessário) Sentido de responsabilidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Competências de Interpretação CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo do Ensino Básico 7º Ano Departamento de Línguas Disciplina: Inglês Domínios Objeto de avaliação Domínios/ Metas de aprendizagem Instrumentos

Leia mais

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º 1.º CEB Agrupamento de Escolas Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º Saber escutar para reproduzir pequenas mensagens e Compreensão do oral Leitura Escrita para cumprir ordens e pedidos Prestar

Leia mais

INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014

INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014 Prova 358 2014 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Introdução. 3 º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro)

Introdução. 3 º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro) INFORMAÇÃO PROVA LÍNGUA ESTRANGEIRA I INGLÊS Escrita e Oral 2016 Prova 21 3 º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro) Introdução O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

I. Dominar linguagens (DL): Dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica.

I. Dominar linguagens (DL): Dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica. As cinco grandes competências do ENEM Apresentaremos a seguir as grandes competências do Exame Nacional do Ensino Médio. Elas exigem dos estudantes e dos educadores uma série de novos procedimentos no

Leia mais

Período Gênero textual Expectativa

Período Gênero textual Expectativa DISCIPLINA: Produção de texto ANO DE REFERÊNCIA: 2016 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: 6ºano Período Gênero textual Expectativa P35 Compreender o papel do conflito gerador no desencadeamento dos episódios narrados.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS. Planificação Anual / Mensal 2º ANO

Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS. Planificação Anual / Mensal 2º ANO Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS Planificação Anual / Mensal 2º ANO 2014/2015 Agrupamento PARA O de Escolas Piscinas - Olivais PLANIFICAÇÃO ANUAL / MENSAL DE PORTUGUÊS 2º ANO 1.º PERÍODO

Leia mais

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 69 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10 / 09 /2015 Etec Tiquatira Código: Município: São Paulo Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 1º BIMESTRE 2º SEMESTRE A/B LINGUAGEM JURÍDICA II - PROF. OSVALDO O TEXTO JURÍDICO E SUAS PRINCIPAIS PROPRIEDADES COESÃO REFERENCIAL, RECORRENCIAL

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru Curso 1503 / 1504 - Licenciatura em Matemática 1701 - Bacharelado em Meteorologia 3002 / 3003 - Licenciatura em Pedagogia Ênfase Identificação Disciplina 0004460A - Leitura e Produção Textual Docente(s)

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA -

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - Rio de Janeiro / 2014 0 SUMÁRIO Público-alvo p. 2 Justificativa p.2 Objetivos Gerais p. 3 Objetivos Específicos

Leia mais

Português. 1º Período Mês Competência Descritores de Desempenho Conteúdos

Português. 1º Período Mês Competência Descritores de Desempenho Conteúdos Português 1º Período Mês Competência Descritores de Desempenho Conteúdos Setembro Prestar atenção ao que ouve de modo a cumprir instruções. Manifestar sensações e sentimentos pessoais, suscitados pelos

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

A REDAÇÃO NO ENEM INSTITUTO SANTA LUZIA COMPONENTE CURRICULAR: REDAÇÃO PROFESSOR: EDUARDO BELMONTE 2º ANO ENSINO MÉDIO

A REDAÇÃO NO ENEM INSTITUTO SANTA LUZIA COMPONENTE CURRICULAR: REDAÇÃO PROFESSOR: EDUARDO BELMONTE 2º ANO ENSINO MÉDIO A REDAÇÃO NO ENEM INSTITUTO SANTA LUZIA COMPONENTE CURRICULAR: REDAÇÃO PROFESSOR: EDUARDO BELMONTE 2º ANO ENSINO MÉDIO FATOS SOBRE A PROVA DE REDAÇÃO Todas as redações desenvolvidas no ENEM são avaliadas;

Leia mais

Programa de Português 4º Ano

Programa de Português 4º Ano Programa de Português 4º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve. PORTUGUÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPREENSÃO DO ORAL Compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. * Capacidade de extrair

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Língua Portuguesa - (1ª série)

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Língua Portuguesa - (1ª série) Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Língua Portuguesa - (1ª série) COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. Compreender/Interpretar textos 1. Distinguir textos descritivos,

Leia mais

1. Introdução. Prova de Equivalência à Frequência de: 3.º Ciclo do Ensino Básico. Informação n.º 01 /2014. Prova 16 / 2014.

1. Introdução. Prova de Equivalência à Frequência de: 3.º Ciclo do Ensino Básico. Informação n.º 01 /2014. Prova 16 / 2014. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 Informação n.º 01 /2014 Prova 16 / 2014 Prova de

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ TÓPICOS EM GRAMÁTICA NORMATIVA PROFESSORA: CLAUDETE LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ TÓPICOS EM GRAMÁTICA NORMATIVA PROFESSORA: CLAUDETE LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ TÓPICOS EM GRAMÁTICA NORMATIVA PROFESSORA: CLAUDETE LIMA Sequência Didática Tema: Estudo dos artigos. Delimitação do tema: O uso do artigo definido e indefinido na língua

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS DO 2º CICLO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS DO 2º CICLO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS-2ºCICLO (PROVA 1. INTRODUÇÃO ESCRITA) Prova nº 06 O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico

Leia mais

Projeto 1000 no Enem. Conclusão. Bruna Camargo (67) (Aulas particulares)

Projeto 1000 no Enem. Conclusão. Bruna Camargo (67) (Aulas particulares) Projeto 1000 no Enem Conclusão OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Nas dissertações, a conclusão é a parte final que condensa os pontos centrais da discussão, inclusive o posicionamento apresentado na tese. A conclusão

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

Onde se lê: O processo classificatório será constituído por uma prova de Redação.

Onde se lê: O processo classificatório será constituído por uma prova de Redação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROCESSO SELETIVO CONCURSO VESTIBULAR EAD - UAB/UFSM (2º Semestre) EDITAL N. 042/2016 RETIFICAÇÃO DO EDITAL 040/2016

Leia mais

Curso: 1ºciclo Disciplina: Inglês Ano(s): 4º

Curso: 1ºciclo Disciplina: Inglês Ano(s): 4º Domínios Objetivos Instrumentos de avaliação Peso Domínio Intercultural Compreensão / Listening Interação Leitura / Reading e Escrita / Writing - Conhecer-se a si e ao outro. - Conhecer o dia a dia na

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência. Espanhol Prova 15 / Ciclo do Ensino Básico

Informação - Prova de Equivalência à Frequência. Espanhol Prova 15 / Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO Espanhol Prova 15 / 2015 3 Ciclo do Ensino Básico INTRODUÇÃO O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos

Leia mais

O programa da disciplina em causa preconiza atividades linguísticas, estratégias e tarefas reportadas a usos comunicativos da língua.

O programa da disciplina em causa preconiza atividades linguísticas, estratégias e tarefas reportadas a usos comunicativos da língua. INFORMAÇÃO Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS 2016 11º Ano de Escolaridade O presente documento divulga informação relativa à Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Inglês, a realizar

Leia mais

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio Escola E.B. 2, 3 professor Gonçalo Sampaio Departamento de línguas Português - 8ºano Planificação anual simplificada 2014/2015 1º Período Unidade 0 Uma nova viagem

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

EBSERH E D I I T T R A

EBSERH E D I I T T R A EBSERH E D I T R A APRESENTAÇÃO...3 INTERPRETAÇÃO DE TEXTO...5 1. Informações Literais e Inferências possíveis...6 2. Ponto de Vista do Autor...7 3. Significado de Palavras e Expressões...7 4. Relações

Leia mais

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Ensino Médio 1º ano O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino Fundamental Língua Portuguesa 2) Inferir o sentido

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2016 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA CONTEÚDOS Efetuar cálculos com números reais envolvendo as operações

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO DE RELATÓRIOS

ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO DE RELATÓRIOS ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO DE RELATÓRIOS A redação de um relatório científico tem como um de seus principais objetivos registrar com exatidão e clareza como o experimento foi realizado e compreendido.

Leia mais

Ensino Secundário (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Ensino Secundário (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês Maio de 2015 Prova 358 12º Ano (continuação) Escrita e Oral Ensino Secundário (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Introdução O presente documento

Leia mais

NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS

NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS CRIXÁS 2016 NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS Projeto de Pesquisa

Leia mais

Planificação anual Português 6º ano

Planificação anual Português 6º ano Planificação anual Português 6º ano Unidades / Textos Unidade 0 Leitura 1.º período Domínios / Conteúdos Nº de aulas previstas Começar de novo Apresentação Texto não literário Texto narrativo. 65 Avaliação

Leia mais

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares Aulas de

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares Aulas de Identificação Plano de Ensino Curso: Direito Disciplina: Língua Portuguesa Ano/semestre: 2012/01 Carga horária: Total: 80h Semanal: 4h Professor: Michelle Teixeira da Silva Período/turno: matutino e noturno

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA.

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. ANEXO 02 DA RESOLUÇÃO CGESA Nº 001, DE 27 DE MARÇO DE 2013. NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. A estrutura do TCC deverá ser composta por pré-texto,

Leia mais

GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS.

GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS. GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS http://2.bp.blogspot.com/_xt877irfia4/sk5y57pimsi/aaaaaaaaada/syk10agvmbw/s320/genero.jpg GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS Olá, Pessoal! Vamos acompanhar uma aula da Prof. Alessandra sobre

Leia mais

Dicas do livro Como gerenciar s, David Brake

Dicas do livro Como gerenciar  s, David Brake Dicas do livro Como gerenciar e-mails, David Brake Etiqueta na rede O e-mail é um meio de comunicação diferente dos demais. Ao redigir suas mensagens, observe as instruções a seguir e crie uma impressão

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Inglês - (Continuação) Formação Geral

Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Inglês - (Continuação) Formação Geral Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Inglês - (Continuação) Formação Geral Prova 367 2016 10º/11º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Introdução O presente documento visa

Leia mais

Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base.

Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base. Esquema Textual Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base. Assim esquema é a apresentação do texto, colocando em destaque

Leia mais

Produção de texto Ensino Fundamental - anos iniciais

Produção de texto Ensino Fundamental - anos iniciais Produção de texto Ensino Fundamental - anos iniciais Você ensina Língua Portuguesa ou Práticas de Linguagem? Túnel do tempo Anos 1950 Nessa época, as escolas costumavam pedir composições livres ou com

Leia mais

Gênero Textual e Sequência Textual

Gênero Textual e Sequência Textual Gênero Textual e Sequência Textual Os gêneros textuais são os textos que circulam na sociedade e que desempenham diferentes papéis comunicativos. São tipos relativamente estáveis de enunciados produzidos

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (05) 5-6 - Fax (05) 79-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: PROGRAMA

Leia mais

Língua Portuguesa 8º ano

Língua Portuguesa 8º ano Escutar para Aprender e Construir Conhecimento Tipologia textual: texto conversacional. Variação e normalização linguística. Língua padrão (traços específicos). Língua Portuguesa 8º ano Conteúdos 1º Período

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 aprovado pela portaria Cetec nº 774 de 24 / 09 / 2015. ETEC de Tiquatira Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Editora Dedo de Prosa Foco

Editora Dedo de Prosa Foco Editora Dedo de Prosa Foco O principal objetivo da editora Dedo de Prosa é oferecer material de suporte para professores, ajudando a canalizar a curiosidade dos alunos através de leitura, a princípio de

Leia mais

Cada autor traz em suas obras uma indicação para tal. Algumas pequenas alterações podem ser percebidas e não fazem diferença no corpo do texto.

Cada autor traz em suas obras uma indicação para tal. Algumas pequenas alterações podem ser percebidas e não fazem diferença no corpo do texto. 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 5: Formatação de trabalhos acadêmicos Para uma melhor visualização, interpretação, estética e organização, todo trabalho acadêmico precisa ser organizado de forma

Leia mais

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros:

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros: 3º ciclo Oferta Complementar: Apoio ao estudo da disciplina de Português Domínios Ponderação Componente cognitiva (capacidades e conhecimentos) Oralidade Leitura Escrita Gramática 80% Componente socioafetiva

Leia mais

Estudos Linguísticos e Literários: Saberes e Expressões Globais ISSN X Foz do Iguaçu, 2011

Estudos Linguísticos e Literários: Saberes e Expressões Globais ISSN X Foz do Iguaçu, 2011 A COERÊNCIA TEXTUAL A PARTIR DOS DICIONÁRIOS SCHWAAB, Ricardo (G Unioeste) 1. INTRODUÇÃO O presente artigo foi produzido durante a disciplina optativa O Uso de Dicionário na Produção Escrita, ofertada

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL Escola Secundária Dr. Solano de Abreu Abrantes ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 11º ANO LETIVO 2012/2013 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS

Leia mais

Sequência Didática e o Ensino do Gênero Artigo de Opinião. Ana Luiza M. Garcia

Sequência Didática e o Ensino do Gênero Artigo de Opinião. Ana Luiza M. Garcia Sequência Didática e o Ensino do Gênero Artigo de Opinião Ana Luiza M. Garcia Organização do Encontro O TRABALHO COM SD A SD DO GÊNERO ARTIGO DE OPINIÃO JOGOS (VIRTUAIS e QP BRASIL ) Questões-chave O que

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: FRANCÊS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: FRANCÊS Interação Produção Interação CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: FRANCÊS Ensino Básico Ano letivo: 2016/2017 7º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: O aluno identifica

Leia mais

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto dissertativo-argumentativo

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto dissertativo-argumentativo Caro Aluno, Oficina inaugural de produção textual Oficina inaugural de produção textual sobre o texto dissertativo-argumentativo Esta oficina tem como objetivo geral criar a oportunidade para ter o primeiro

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Extensão E.E Índia Vanuíre Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional:

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2017 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA HABILIDADES CONTEÚDOS Identificar padrões numéricos ou princípios

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS/PORTUGUÊS Gêneros textuais como ferramenta para o ensino de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO De acordo com os objetivos do programa, conforme portaria 096/2013 Capes, essa proposta de

Leia mais

Formador Residente, Maurício Ferreira

Formador Residente, Maurício Ferreira A Compreensão do Oral A compreensão do oral consiste na atribuição de significado a cadeias fónicas produzidas de acordo com a gramática da língua. Formador Residente, Maurício Ferreira Factores de compreensão

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 9 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Docente: Marcela Rodriguês dos Santos/ Rubinaldo da Silva Araújo Carga horária: 80h Disciplina: Produção Textual Serie: 6 Ano Plano de Curso I Unidade Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Metas/Domínios Objetivos gerais Conteúdos Programáticos Critérios 2º Ano Oralidade O2 Comprensão do oral Expressão oral Respeitar regras da interação discursiva Respeitar o princípio de cortesia

Leia mais

TCC EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO. Aula 1-Análise Crítica do Projeto TCC

TCC EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO. Aula 1-Análise Crítica do Projeto TCC Aula 1-Análise Crítica do Projeto TCC OBJETIVO DESTA AULA Nesta primeira aula estaremos apresentando todas as regras da disciplina. Explicaremos o que deve ser desenvolvido como produto final, bem como

Leia mais

Planificação Semanal

Planificação Semanal Planificação Semanal Local de estágio: EB nº31 do Lumiar Professora Cooperante: Cecília Mergulhão Turma: 3º ano C Coordenadora de Estágio: Mestre Maria de Fátima Santos Discente: Maria de Fátima Ferreira

Leia mais

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

Redação Profa. Raquel

Redação Profa. Raquel Aula Enem 2016 Redação Profa. Raquel O que sua dissertação deve apresentar: DISSERTAÇÃO Como você que será avaliado(a)? Competência 1 NORMA Demonstrar CULTA domínio da modalidade escrita formal da Língua

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Manual para a elaboração do TCC em formato Monografia Curso de Publicidade e Propaganda 1º/2015. Monografia: disposições gerais Monografia é uma das alternativas oferecidas pela UPM como Trabalho de Conclusão

Leia mais

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz Asociedade depende fundamentalmente da linguagem. O que é a linguagem, porém?

Leia mais