O MARKETING A SERVIÇO DA QUALIDADE TOTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MARKETING A SERVIÇO DA QUALIDADE TOTAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E SENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE O MARKETING A SERVIÇO DA QUALIDADE TOTAL RENATA PINHEIRO FIALHO Orientador Prof. Nilson Guedes de Freitas Rio de Janeiro, fevereiro de 2002.

2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E SENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE O MARKETING A SERVIÇO DA QUALIDADE TOTAL RENATA PINHEIRO FIALHO Trabalho monográfico apresentado como requisito parcial para obtenção do Grau de Especialista em Marketing. Rio de Janeiro, fevereiro de 2002.

3 Agradeço à meus pais, que mantiveram- se sempre ao meu lado. E à Deus, pela orientação na escolha do caminho correto.

4 SUMÁRIO. Pág 1 INTRODUÇÃO SIGNIFICADO DE QUALIDADE Qualidade Total; Gestão de qualidade Elementos da Qualidade Total Um modelo para o Gerenciamento da Qualidade O MARKETING COMO INSTRUMENTO PARA A QUALIDADE Gerenciamento de Marketing O ambiente Operacional do Marketing Comunicação da Estratégia da Qualidade Total Habilidades do Marketing em Qualidade Total IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE QUALIDADE Porque Implementar um Sistema de Qualidade Como Implementar um Sistema de Qualidade Como Implementar um Sistema de Qualidade Educação para a Qualidade Solução de Problemas Quanto tempo pode o Sistema de Qualidade pode Sobreviver CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA

5 1- INTRODUÇÃO Examinando as várias formas de mercado e as situações de equilíbrio pertinentes a cada uma, nota-se passando do monopólio à concorrência perfeita, diminuem os graus de liberdade do operador no concernente à natureza de determinação do preço. É evidente como, do ponto de vista empresarial, existe a conveniência de propender, quanto mais seja possível, à realização de situações de monopólio puro ou de concorrência. Com este fim, por conseguinte, é necessário ter um conhecimento claro da atual situação do mercado e basear nela um plano idôneo de desenvolvimento e de qualificação dos produtos. Um tal conhecimento é evidentemente, essencial nos estudos de novas iniciativas e na avaliação da conveniência de investir em uma determinada empresa. Um elemento, não de natureza econômica, mas de relevante importância para os fins da decisão de investimento é a composição e a qualidade do grupo de dirigentes e da administração da empresa na qual se pretende investir. A qualidade do grupo, é de fato um fator que condiciona, qualquer desenvolvimento futuro das atividades empresariais. Uma consideração a respeito do trabalho pela qualidade é a importância da

6 capacidade de manipular grandes volumes de informações quantitativas e de obter delas os elementos essenciais exigidos pela administração. Quando uma empresa se expande e as duas operações assumem aspectos sempre mais complexos, aumento a necessidade de dispor de dados significativos e sintáticos da situação. O volume de dados a elaborar e a complexidade das elaborações exigidas podem, todavia, representar um obstáculo difícil de superar empregando os sistemas normais. As modernas formas de encarar o problema na elaboração de dados oferecem à administração a possibilidade de utilizar o meio mais convincente, em função das dimensões e das características empresariais. Colocando em evidência as situações principais, sobre as quais a administração deve concentrar a sua atenção, obtém-se a aplicação do princípio da Qualidade Total. Realizar o princípio significa concentrar a atenção da administração somente nos pontos onde uma ação é necessária, evitando desperdício de tempo e dificuldades de interpretação de situações complexas, assim como avaliando custos, lucros e perdas. Neste trabalho monográfico, discutiremos alguns dos fatores poderosos que podem auxiliar a administração nas tarefas de operar com excelência de qualidade. O objetivo desta monografia é, portanto, proporcionar um modesto entendimento da Qualidade Total como instrumento decisivo no impulsionamento de uma empresa.

7 2- SIGNIFICADO DE QUALIDADE Existem variadas definições acerca do processo de qualidade. Uma das formas mais esclarecedoras de definir talvez seja a de que este consiste em um processo de busca dupla. Isto quer dizer que os consumidores procuram satisfazer suas necessidades, de forma cada vez mais exigente e os fornecedores precisam desses consumidores. O processo de qualidade exige uma técnica que visa conjugar uma série de instrumentos objetivando um melhor aproveitamento das oportunidades de mercado, com vistas a alcançar as metas empresariais com um mínimo de desperdício de custos e recursos. O significado de qualidade se correlaciona com a colocação em funcionamento de planos mercadológicos, isto é, partindo do pressuposto de gerar produtos e serviços cujos objetivos sejam as necessidades e os desejos dos consumidores. A empresa realmente voltada para a busca da qualidade total procura não dissipar recursos, selecionando seus mercados, fugindo de segmentos em que fique vulnerável, analisando sua rentabilidade.

8 A finalidade principal da busca pela qualidade é satisfazer as necessidades do consumidor através do produto ou serviço, bem como de um grupo de fatores econômicos, psicológicos, sociais, éticos que integram a escala de valores utilizada pelo consumidor para sua maior satisfação individual. Esses fatores se relacionam à criação dos produtos, à comunicação com diversos tipos de públicos e ao consumo final. A noção do que seja qualidade depende fundamentalmente da percepção de cada um. O que tem qualidade para uns, pode não atender às necessidades de outros. Entretanto, podem ser considerados alguns aspectos que ajudam na percepção da qualidade: a) Transcendental qualidade é excelência em produtos e serviços; b) Baseada no produto qualidade tem a ver com características e atributos do produto; é fazer a coisa certa e isenta de defeitos; c) Baseada no processo qualidade é fazer a coisa certa de forma certa, conforme padrões pré-estabelecidos; d) Baseada no valor econômico a qualidade de um produto ou serviço tem a ver com seu valor econômico; e) Baseada no usuária qualidade é atender à satisfação do usuário. Seja qual for a abordagem adotada, do ponto de vista do cliente pode-se considerar que um produto ou serviço de qualidade é aquele cujas características sejam adequadas ao uso e seja isento de defeitos. Na realidade, esta é uma postura em relação ao significado da qualidade que tem a ver com a adequação do uso.

9 Assim a qualidade é a totalidade de atributos que deve ter um produto ou serviço para que atenda às expectativas do usuário final ou supereas Qualidade Total Qualidade total é o conjunto de todas as ações ou atividades desenvolvidas numa organização, para ela atenda às expectativas de seus clientes ou supere-as. Este conceito pode ser observado a partir de uma simples estação de trabalho, ao longo de processos, dentro dos sistemas ou como política no relacionamento das empresas com seus clientes externos. Estendendo o conceito aos processos, vê-se que, através da gestão, pode-se assegurar a interação adequada das estações de trabalho, mantendo o ambiente da qualidade total. Esse gerenciamento envolve ações de planejamento, controle e aprimoramento contínuo de cada processo. Visam a proporcionar a manutenção do vetor

10 qualidade/custo/atendimento/moral/segurança, em todos os relacionamentos entre estações de trabalho fornecedoras e estações de trabalho clientes. De maneira análoga, pode-se raciocinar dentro dos sistemas. O objetivo de gerenciamento dos sistemas deve ser prover meios através de ações planejadas, controladas e aprimoradas constantemente, para que o ambiente da qualidade total seja mantido, não só nos relacionamentos fornecedores clientes internos, mas sobretudo no relacionamento com clientes externos. Assim, também deve-se ter como política nas empresas assegurar o ambiente da qualidade total no relacionamento com seus clientes externos e internos. Isto requer o estabelecimento claro dos objetivos do negócio, a definição de autoridade e responsabilidade, o estabelecimento de estratégias adequadas através de sistemas bem determinados e o planejamento, controle e aprimoramento dos processos. A qualidade total pode ser melhor descrita como tudo que uma organização, uma sociedade ou uma comunidade faz, que aos olhos de outrem determina a sua reputação numa base comparativa com as melhores alternativas.

11 2.1.1 Gestão da Qualidade Total Gerenciar a qualidade total é agir de forma planeja e sistemática para implantar e implementar um ambiente no qual, em todas as relações fornecedor-cliente da organização, sejam elas internas ou externas, exista a satisfação mútua. A gestão da qualidade total requer: - Conhecimento do próprio negócio; - Conhecimento de todas as necessidades e expectativas dos clientes externos;

12 - Planejamento do desdobramento das necessidades do cliente, traduzindo-as em linguagem própria, por todos os sistemas e processos da organização; - Estabelecimento de critérios para avaliação e indicadores que permitam o controle de todas as fases ou etapas de processos, que visem a transformar os insumos em produtos e serviços que atendam à satisfação do cliente. - Aprimorar continuamente as pessoas, processos, gestão e sistemas, buscando agir de maneira a prevenir a ocorrência de não conformidades, eliminar desperdícios, reduzir os custos e aumentar a produtividade, adequando os produtos aos mercados.

13 2.2 Elementos da Qualidade Total Os elementos chaves da qualidade total são: - Sistemas e controle de Processo (garantia da qualidade, controle da qualidade e inspeção): O objetivo mais importante é estabelecer sistemas e procedimentos por toda organização, que permitam a identificação, monitoramento e a eventual eliminação das deficiências relacionadas ao produto. A garantia da qualidade, o controle da qualidade e a inspeção se relacionam especificamente ao produto ou serviço que está sendo vendido.

14 - Gerenciamento e Pessoas: Aqueles que apenas relacionam qualidade com deficiências em produtos e serviços e não com aspectos mais amplos de gerenciamento se encontrarão, no futuro próximo, em sérias dificuldades, se é que isto já não ocorre hoje. É de se esperar que sobrevivam apenas aqueles que compreendem que o verdadeiro objetivo das ciências e disciplinas que se relacionam à qualidade é criar organizações onde todos estejam comprometidos com as atividades que visam torná-la a melhor no seu campo de atuação. O objeto da Qualidade Total é fazer uso do poder da mente, da criatividade e da experiência da totalidade da sua força de trabalho para criar uma organização imbatível no seu mercado. Uma organização com qualidade total é um competidor global porque apenas o melhor é suficientemente bom.

15 2.3 Um modelo para o Gerenciamento da Qualidade Total O conceito de gerenciamento da qualidade total é muito simples. Cada setor da organização tem clientes, sejam internos ou externos; a necessidade de identificar os requisitos dos clientes, para, em seguida, procurar satisfazê-los constitui o núcleo da abordagem da qualidade total. Para isso, são utilizados os três elementos necessários à gerência: um bom sistema

16 de gerenciamento da qualidade, ferramentas como o controle estatístico de processo e o trabalho em grupos. Esses são, de muitos modos, complementares e participam da mesma exigência de um inflexível comprometimento do pessoal de marketing. Este deve começar com a gerência mais alta e fluir no sentido descendente através da organização. Isso significa que todos os três elementos podem ser usados como ponta de lança para implantar o sistema de qualidade total em uma organização. A atenção a muitos aspectos das operações de uma empresa - de compras à distribuição do registro de dados à plotagem de gráficos de controle necessários à implantação bem sucedida concentrará a atenção de todos na interface cliente/fornecedor, tanto no interior como no exterior da organização. O gerenciamento da qualidade total envolve a consideração dos processos de marketing de forma importantíssima. É claro que cada área requer considerável desenvolvimento e análise; porém se for dada atenção a todas as áreas, usando os princípios do gerenciamento da qualidade total, muito pouco será deixado ao acaso. Muitas empresas industriais e comerciais podem beneficiar-se dos melhoramentos da qualidade efetuadas pela abordagem do marketing. Essa abordagem assegura a implementação do comprometimento da gerência na política da qualidade, e proporciona o ambiente e a base de informações em que se desenvolve o trabalho em grupos.

17 QUALIDADE 3- O MARKETING COMO INSTRUMENTO PARA A Segundo a definição dada por Levitt,

18 Marketing é um processo em dois sentidos: envio à empresa dos fatos reveladores do que o cliente desejam para que ela possa desenvolver e enviar para fora os produtos e serviços apropriados. Fazendo isso, empresa deve, obviamente, fazer também tudo que se refere a estabelecimento de preços, serviços, assistência e entregas, que efetivamente equilibrará a satisfação do cliente com as empresas. O consumidor é o centro da atração das atividades empresariais e a orientação mercadológica procura satisfazê-lo e conquistá-lo. O conceito da empresa orientada para o cliente tem como pano de fundo o marketing ¹Levitt, Theodore. Innovation in Marketing. New York, McGraw-Hill, P. 16 integrado. A história das atividades comerciais apresenta como evolução que, partindo de uma mera operação de vendas, se orienta para um estágio de programação de diversos instrumentos para atender os anseios da sociedade. As muitas tentativas de definir o marketing são em geral, definições formais com o intuito de esclarecer o fenômeno mercadológico e o técnico de enfrentá-lo.

19 3.1 Gerência de Marketing

20 Cabe aos gerentes de marketing reduzir, discutir ou evitar a perda do valor pecuniário dos produtos e serviços durante a sua comercialização. A isso chama-se administração de riscos. Tais perdas podem ocorrer pela deterioração física, roubo, avarias na oferta ou na procura, ou pela variações dos níveis de preços, e ainda pela não observância da eficiência da qualidade, não só dos produtos e serviços, mas também da assistência e relacionamento com os clientes. Temos que a tarefa da gerência de marketing na busca pela qualidade é: a) Construir a organização de marketing e determinar as suas relações com outros departamentos da empresa; b) Pesquisar o mercado; c) Planejar o produto; d) Definir as políticas de compra, venda, suprimento físico, propaganda, promoção de vendas e relações públicas; e) Estudar o financiamento das operações de marketing; f) Zelar pela redução dos riscos do negócio; g) Controlar os custos das operações mercadológicas de forma a torná-las as mais econômicas. Comandar os vários setores que compões o marketing é tarefa da gerência de marketing que não quer dizer só da gerência de vendedores.

21 A tarefa de administrar, envolve os clássicos conceitos de Prever, Organizar, Comandar, Coordenar e Controlar. No caos do marketing, poderíamos acrescentar a essas cinco atividades básicas mais o de Planejar porque depois de prever o gerente de marketing precisa planejar a ação a ser desenvolvida. Segundo Carlos Espinalt, o objetivo do marketing é obter satisfatório volume de vendas a custo razoável ². É evidente que esse objetivo pode ser conseguido de numerosas maneiras, algumas inteiramente diferentes de outras. Tais caminhos poderão ser mais ou menos onerosos. Além disso, eles serão resultantes de muitos fatores e diferentes proporções. Em outras palavras, o gerente de marketing tem muita coisa diferente com que trabalhar para atingir os objetivos do marketing. Seu sucesso na gestão complementar do processo de implementação da qualidade total dependerá muito da habilidade em selecionar e combinar as coisas certas, nas proporções exatas. ²Espinalt, Carlos M. Manual de Propaganda Moderna. São Paulo, Hemus, 1979 pp32.

22 3.2 O ambiente Operacional do Marketing O ambiente operacional do marketing é o mercado, com suas necessidades, anseios, perspectivas e angústias. É a concorrência, agressiva ou não, com o objetivo de perturbar e alterar a composição ambiental. O marketing, quando direcionado para a gestão da qualidade total, deve estimular a capacidade dos administradores à adaptação, em função das alterações ambientais e das leis que regem os mercados. No passado a grande preocupação dos empresários era com a produção quando mercado se caracterizava escassez. Mas a orientação para a produção deixa de ser válida quando um concorrente lança um produto mais adequado para o consumidor. O significado das atividades empresariais se autua em função da competição, das mudanças tecnológicas e das modificações nas necessidades do consumidor. Daí, a importância da utilização das operações de marketing na gestão pela qualidade.

23 3.3 Comunicação da Estratégia da Qualidade Total As atitudes e o comportamento das pessoas podem ser influenciados pela comunicação, e a essência da mudança de atitudes é ganhar aceitação por meio de processos de comunicação excelentes. A estratégia e as mudanças implantadas através do marketing devem ser clara e diretamente comunicadas pela alta administração a todos os funcionários da equipe/empregados. O primeiro passo é divulgar uma mensagem da qualidade total, que deve ser seguida por uma diretriz assinada. As pessoas devem saber quando e como elas vão se engajar no processo de implementação de um sistema de qualidade, o que constitui o processo, e, os sucessos e vantagens obtidos. A supervisão de primeira linha tem um papel importante na comunicação das mensagens-chave e a superação das resistências e mudanças. A complexidade e o jargão na linguagem usada ente grupos funcionais deve ser reduzida em muitas organizações. Simplificar e abreviar são os princípios orientadores. Métodos de comunicação abetos e participação devem ser usados em todos os níveis. Barreiras podem precisar ser destruídas pela concentração no processo em vez de assuntos departamentais. A gerência

24 sênior deve assegurar que cada grupo veja o plano de Qualidade Total pelos seus aspectos vantajoso. A boa liderança é, na maior parte, constituída por boas comunicações, cujas técnicas podem ser aprendidas pelo treinamento, mas devem ser adquiridas com a prática.

25 3.4 Habilidades do Marketing em Qualidade Total Para o programa de qualidade ter sucesso em qualquer organização, é importante que todos os gerentes, supervisores e pessoal reconheçam o valor e a influência da boa comunicação, como elos vitais na criação e na manutenção dos padrões de qualidade. Além disso devem aprender as características dos vários métodos de comunicação e selecionar o mais apropriado à situação. Esse processo é muito acelerado, quando se compreende como as pessoas aprendem a assimilar conhecimento, por isso estimula a usar todos os sentidos, quando empenhados em comunicar. Todos os exercícios de educação e treinamento devem ser planejados como operações militares, nada deixando ao sabor do acaso. Ao lidar com pessoas particularmente quando verificam o trabalho ou aconselham, os gerentes e supervisores devem ser sensíveis ao efeito obtido. Para se comunicarem com o pessoas, eles podem precisar de um tipo

26 de treinamento, que faça todos se sentirem mais capazes, mais necessários e mais dignos de mérito. O plano de Qualidade Total exige melhoramento contínuo do setor de marketing e cada realização deve definir metas para novos melhoramentos no futuro. Se acontecer algum conflito, como é inevitável em qualquer trabalho de marketing, ele deve ser conduzido de forma a ajudar, em vez de retardar o trabalho. O líder tem um importante papel em tais situações, o que vai ajudar para: Reconhecer todos os que contribuíram com idéias, não apenas aqueles cujas idéias foram usadas; Ressaltar que tanto a organização como os funcionários se beneficiam quando os melhoramentos são realizados. Esclarecer o que é esperado de cada membro do grupo em termos das metas comuns e tarefas atribuídas individualmente; Intervir como mediador, quando os membros dominantes fazem com que os outros se sintam desajustados ou reprimidos; Apoiar as características positivas dos membros, tais como cooperação, abertura, capacidade de ouvir, contribuição, etc... Desestimular as críticas, justificações excessivas, agressividade, mentes fechadas, interrupções, etc...

27 Estas habilidades são o ponto de partida para qualquer grupo de marketing chegar ao sucesso. A finalidade e as regras são dirigidas no sentido de se conseguir acordo nos planos de ação. QUALIDADE 4- A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE 4.1 Porque Implementar um Sistema de Qualidade A questão básica é a seguinte: se a organização não possui um sistema de Qualidade, como demonstrar aos clientes, por evidências objetivas, que os requisitos especificados serão atendidos? Alguns poderão responder que existem diversas maneiras para se acordar com os clientes os critérios de garantia. Como por exemplo: 1.Inspecionando 100% os produtos a serem fornecidos;

28 2. Inspecionando, por amostragem as cartas de controle dos processos produtivos. Com certeza isso poderá ser feito. Entretanto, outras perguntas seguem-se àquela. Como prover confiança à sua própria administração de que as perdas e desperdícios, oriundos daqueles critérios de garantia da qualidade, são os menores possíveis? Como assegurar-se que os insumos utilizados são os mais adequados para minimizar os custos totais? Como prover uma base que auxilie a observação e o aprimoramento dos processos? A resposta a essas perguntas é simples: sendo preventivo. E isto se consegue: a) sistematizando as atividades produtivas através da padronização das rotinas de trabalho; b) sistematizando as atividades de gerenciamento dessas rotinas; c) criando uma base para avaliação periódica dessas rotinas;

29 4.2 Como implementar um sistema de Qualidade Implementar um sistema de qualidade significa fazer com que as atividade padronizadas sejam executas conforme planejado. É o gerenciamento e execução das rotinas de trabalho. Entretanto, para assegurar sua efetiva implementação, deve-se lançar mão de atividades de verificação e avaliação periódica de sua conformidade (eficiência) e adequação (eficácia). Isso é conseguido pela

30 realização de auditorias internas, análises críticas por parte do gerenciamento do sistema e pesquisas da administração de marketing. Através do sistema da qualidade documentado, é possível prover confiança aos clientes em que as atividades produtivas serão realizados conforme os requisitos especificados. É base para avaliação da garantia da qualidade requerida e para gestão dos processos. Muitas são as formas que podem ser utilizadas para implantação de sistemas de qualidade. Algumas empresas buscam atender aos critérios estabelecidos por prêmios nacionais ou internacionais tais como: Prêmio Deming no Japão; Prêmio Europeu da Qualidade; Prêmio Nacional da Qualidade. Outras buscam seus próprios caminhos planejando a sistematização de forma a atender aos requisitos mais prementes, utilizando os conceitos que lhes pareçam mais convenientes, não importando de quem sejam. Outras buscam descobrir na concorrência o que está sendo feito, para que possam estabelecer seus rumos. Seja qual for o caminho escolhido, torna-se mandatório ouvir a voz dos clientes para que, com foco em suas expectativas, possa então ser desenvolvido o sistema de qualidade. Uma das exigências que tem sido feita pelos clientes, no mercado nacional e internacional, é a implantação de sistemas de qualidade atendendo aos requisitos mínimos exigidos das normas Iso série Esta estratégia atende aos requisitos mínimos exigidos pela maioria dos clientes, que em geral estão interessados na garantia da qualidade dos produtos e serviços fornecidos.

31 , entretanto, que esta estratégia se limita aos processos produtivos e a todos aqueles que os influenciaram diretamente. Dentro de um ambiente da qualidade total é preciso expandir e integrar esse sistema para todas as áreas da organização. A dimensão do sistema de qualidade deve sempre ser ditada pelos interesses e contingências da organização do fornecedor que o implanta Pesquisas de Opinião

32 Em algumas empresas são efetuadas pesquisas da opinião dos empregados através do pessoal de marketing, como parte dos planos de implementação da Qualidade Total. Se forem planejados com cuidado, devem medir a percepção do programa pelos empregados. A experiência mostra que, em empresas que implantaram o programa de Qualidade Total e fizerem as pesquisas de modo correto, os resultados confirmaram uma resposta positiva. Em uma empresa: 83% da força de trabalho era favorável à atitude de seu gerente para com a qualidade; 86% acreditava que a qualidade do serviço fornecido pelo seu departamento tinha crescido; 73% estava convencido de que a produção de seu departamento tinha melhorado; Pesquisas junto ao pessoal da empresa podem acabar como focos de interesse e constituir meio de causar impacto e maior operacionalidade e consequentemente, produtividade.

33

34 4.3 Educação para a Qualidade Para a implantação e implementação de um ambiente da qualidade total, torna-se obrigatória a preparação de pessoas. Os esforços de educação para qualidade objetivaram estabelecer novo padrão de hábitos e atitudes nas organizações. Englobam a busca da conscientização e do comprometimento com a qualidade, a uniformização de conceitos básicos, a divulgação e esclarecimento dos objetivos e diretrizes da organização, a capacitação na utilização de ferramentas gerenciais e no emprego de técnicas para controle de processos, o conhecimento das normas e requisitos do sistema de qualidade e o conhecimento da influencia exercida pelos custos da má qualidade no desempenho da empresa. As maiores barreiras à mudança cultural encontram-se no nível estratégico das organizações e nas funções de média gerência e supervisão. Assim, o foco dos esforços de educação para a qualidade deve ser ao nível de chefia. Entretanto, ninguém pode ser excluído desse esforço e os níveis de base das organizações também devem receber a atenção devida. Mesmo porque, aqueles que hoje realizam tarefas, amanhã podem gerenciar processos.

35

36 4.4- Solução de Problemas Algumas vezes, resume-se o processo de implementação da qualidade total em três fases: - estabelecer padrões; - identificar desvios; - fazer; Tudo muito simples e fácil: identificar o problema, analisar a causa e desenvolver a ação corretiva indicada. Tudo muito simples, mas nem sempre muito fácil. Ao contrário, a grande facilidade está em se desviar da causa real do problema, introduzindo novos problemas, acrescentando novos desperdícios, retrabalhos, não-produtividade e ineficiência. Existem alguns métodos, técnicas e ferramentas para o atendimento dos problemas e suas soluções definitivas: o uso das seguintes ferramentas básicas: - Fluxograma;

37 - Diagrama de cauda e efeito; - Histograma; - Gráfico de dispersão; - Gráfico de tendência; - Gráfico de controle; - Perfil de necessidade; Existem outras aqui não citadas, mas podem ser encontradas na literatura sobre o assunto. Nesta fase, a proposta de trabalho para a equipe operacional tem o sentido principal de prevenção. Aliás, não só para aqueles responsáveis pela supervisão e execução das tarefas rotineiras, mas também para todos os funcionários da organização será importante esta abordagem. Esta etapa, a nível funcional, complementa o processo de retroalimentação do sistema. É parte da minoria que, vindos debaixo para cima, complementam e garantem o sucesso de qualquer processo de qualidade total. As principais fases de implementação de um sistema de solução de problemas são: a)identificar o problema através de dados reais;

38 b) capturar e direcionar todos os problemas; c)priorizar os problemas pela quantificação do desperdício ou de não conformidade; d) utilizar times para identificar, reduzir e eliminar as caudas raízes ou de origem;

39 Sobreviver 4.5 Quanto Tempo Pode o Sistema de Implementação Durante a implantação do sistema de qualidade total, ou diversos anos após sua implementação, podem aparecer problemas. As empresas têm experimentado diferentes tipos de dificuldades, porém as principais tem sido: a) A gerência não está completamente comprometida e se volta para os ganhos de curto prazo; b) Ceticismo devido à falta de integração e focalização organizacional na qualidade; c) Perda de credibilidade do sistema de qualidade, que se transforma em algo ultrapassado; d) Os grupos ficam tratando de assuntos triviais, em vez de atacar os problemas importantes;

40 Após vários anos de gerenciamento de qualidade total, as organizações podem considerar útil fazer pesquisas para assegurar-se de que o comprometimento no topo ainda existe. O conselho da qualidade ou a gerência devem ser interrogados a respeito de: comprometimento, estratégias, trabalho em grupo, problemas e resultados. Os requisitos dos métodos de manutenção do programa de qualidade total são basicamente de comunicação. São eles: A mesma mensagem enviada a todos; A rapidez; O planejamento cuidadoso de tempo; Aproveitamento de informações; Regularizar ações, procedimentos, sistemas, regras etc... O uso dos meios corretos significa claramente que a comunicação bem feita pode Ter um enorme sucesso, especialmente quando combinados de maneira ordenada. Também são indicados treinamento e discussões em grupo, nos quais os auxílios devem ser usados de modo liberal. A comunicação em igualdade de condições, podem se ruma ajuda eficaz na maioria das discussões.

41 5-CONCLUSÃO Colocada nos termos mais simples, a Qualidade total representa nada mais nada menos do que o profissionalismo coletivo de todos em uma empresa. Todos os conceitos individuais que fazem parte da qualidade total têm existido há décadas e possivelmente, e, alguns casos, há séculos. O que é diferente é a maneira pela qual todos estes conceitos e estas técnicas são colocadas juntas em uma estrutura em que há apoio mútuo, mantido unido por algumas crenças fundamentais. A essência destas crenças está contida no desafio a percepção ocidental de gerenciar pessoas, e na descrição do papel da equipe de cúpula. É

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 PROBLEMAS PARA CLIENTES SÃO PROVOCADOS POR: PROPRIETÁRIOS GERENTES SUPERVISORES SINTOMAS DE MAU ATENDIMENTO VOCÊ PODE TER CERTEZA

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Gestão da Qualidade Total (TQM) Conjunto de ideias e

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Professor Djair Picchiai Campus São Paulo Março 2010 AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Todo diretor, gerente, chefe e encarregado exercem estas sete funções administrativas, a saber:

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 São Paulo, 17 de junho de 2010 1 Retrospectiva Dezembro de 2003 - Criado o ABNT/GTRS para discutir posição brasileira em relação ao desenvolvimento de uma norma

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS Introdução Nos últimos seis anos, tem ocorrido no Brasil uma verdadeira revolução na área de gestão empresarial. Praticamente, todas as grandes

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Estamos presentes em 20 estados

Estamos presentes em 20 estados http://goo.gl/7kuwo O IDEBRASIL é voltado para compartilhar conhecimento de gestão com o empreendedor do pequeno e micro negócio, de forma prática, objetiva e simplificada. A filosofia de capacitação é

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais