Estatística e Probabilidade EST202 Prof.:Anderson Ribeiro Duarte Lista de Exercícios 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatística e Probabilidade EST202 Prof.:Anderson Ribeiro Duarte Lista de Exercícios 1"

Transcrição

1 Estatística e Probabilidade EST202 Prof.:Anderson Ribeiro Duarte Lista de Exercícios 1 1. Foram registradas as seguintes medidas para o tempo de secagem, em horas, de uma certa marca de tinta látex: 3, 5 2, 6 4, 8 2, 9 3, 6 2, 8 3, 3 5, 6 3, 7 2, 8 4, 4 4, 0 5, 2 3, 0 4, 8 Suponha que os dados anteriores sejam uma amostra aleatória simples. (a) Calcule a média amostral para este conjunto de dados; (b) Calcule a mediana amostral; (c) Calcule a variância amostral e o desvio padrão amostral; (d) Calcule os quartis amostrais. 2. De acordo com o jornal Chemical Engineering, uma importante propriedade da fibra é sua absorção de água. Uma amostra aleatória de 20 pedaços de fibra de algodão foi retirada e a absorvação de cada pedaço foi medida. Temos os seguintes valores de absorção: 18, 71 21, 41 20, 72 21, 81 19, 29 22, 43 20, 17 23, 71 19, 44 20, 50 18, 92 20, 33 23, 00 22, 85 19, 25 21, 77 22, 11 19, 77 18, 04 21, 12 (a) Calcule a média e a mediana amostral para este conjunto de dados; (b) Calcule a variância amostral e o desvio padrão amostral; (c) Calcule os quartis amostrais. 3. As seguintes pontuações representam as notas no exame final de um curso de Estatística e Probabilidade:

2 2 (a) Estabeleça uma tabela de frequências com 5 classes; (b) Construa um histograma; (c) Calcule a média, a mediana, o desvio padrão, quartis amostrais utilizando sua tabela de frequências; (d) Calcule a média, a mediana, o desvio padrão, quartis amostrais utilizando os dados e compare com os resultados anteriores; (e) Construa um gráfico Box-plot para os dados e escreva um pequeno texto explicativo sobre suas conclusões com base neste gráfico. 4. O teor de nicotina, em miligramas, em 40 cigarros de certa marca foi registrado como segue: 1, 09 1, 92 2, 31 1, 79 2, 28 1, 74 1, 47 1, 97 0, 85 1, 24 1, 58 2, 03 1, 70 2, 17 2, 55 2, 11 1, 86 1, 90 1, 68 1, 51 1, 64 0, 72 1, 69 1, 85 1, 82 1, 79 2, 46 1, 88 2, 08 1, 67 1, 37 1, 93 1, 40 1, 64 2, 09 1, 75 1, 63 2, 37 1, 75 1, 69 (a) Estabeleça uma tabela de frequências com 5 classes (utilize um tamanho de classe inferior a 1); (b) Construa um histograma; (c) Calcule a média, a mediana, o desvio padrão, quartis amostrais utilizando sua tabela de frequências; (d) Construa um gráfico Box-plot (considerando os valores extremos) para os dados e escreva um pequeno texto explicativo sobre suas conclusões com base neste gráfico; (e) Retire os valores extremos da amostra e reconstrua o gráfico Box-plot (considerando somente os valores não extremos) para os dados e escreva um pequeno texto comparativo sobre suas conclusões com base neste gráfico em relação ao anterior.

3 3 5. (Exercício Computacional) Na tabela abaixo são mostrados os tempos de ocupação (em segundos) para 3 tipos de máquinas ATM (1, 2 e 3) instaladas em Bancos em 3 locais distintos na cidade (A, B e C). Máquina Local A Local B Local C Para cada combinação entre tipo de máquina e local calcule a média e o desvio-padrão e comente diferenças aparentemente significativas.

4 4 6. Uma instituição de ensino está oferecendo um curso tecnólogo, para este curso, são ofertadas 8 disciplinas básicas {B 1, B 2,..., B 8 }, e 10 disciplinas especiais {E 1, E 2,..., E 10 }. O curso necessita de 5 disciplinas básicas e 4 disciplinas especiais para ser integralizado. (a) Quantos opções de escolha de disciplinas existem para integralização do curso? (b) Se considerarmos que B 1 é pré-requisito para {E 1, E 2,..., E 5 } e que B 2 e B 3 são pré-requisitos para {E 6, E 7,..., E 10 }. Quantas opções de escolha de disciplinas existem para integralização do curso? 7. Um par de dados é lançado. Determine a probabilidade de se obter: (a) Um total de 8; (b) No máximo, um total de Quatro bits são transmitidos em um canal digital de comunicações. Cada bit é distorcido ou recebido sem distorção. Seja A i, o evento em que o i-ésimo bit é distorcido, i = 1, 2, 3, 4. (a) Descreva o espaço amostral para esse experimento; (b) Os eventos A i são disjuntos? (c) Descreva o evento (A 1 A 2 ) (A 3 A 4 ). 9. Em replicação controlada, células são replicadas em um período de dois dias. DNA recém-sintetizado não pode ser replicado novamente até que a mitose esteja completa. Dois mecanismos de controle foram identificados - um positivo e um negativo. Suponha que uma replicação seja observada em três células. Seja A o evento em que todas as células são identificadas como positivas e B o evento em que todas células são negativas. Descreva o espaço amostral e mostre os seguintes eventos: (a)a (b)b (c)a B (d)a B

5 5 10. Amostras de uma peça de alumínio fundido são classificadas com base no acabamento (em micropolegadas) da superfície e no acabamento de borda. Os reultados de 100 peças são resumidos a seguir: borda excelente bom superfície excelente 80 2 bom 10 8 (a) Seja A o evento em que um item da amostra tem excelente acabamento da superfície e seja B o evento em que um item da amostra tem excelente acabamento de borda. Determine o número de itens em Ā B; B e A B; (b) Determine os possíveis resultados para uma sequência de dois itens considerando o acabamento de superfície e de borda. 11. O tempo de enchimento de um reator é medido em minutos (e frações de minutos). Seja o espaço amostral formado por números reais e positivos.defina os eventos A e B como segue: A = {x R + x < 72, 5} B = {x R + x > 52, 5} Descreva os seguintes eventos: (a)ā (b) B (c)a B (d)a B 12. Em uma planta química, 24 tanques de retenção são usados para a armazenagem do produto final. Quatro tanques são selecionados ao acaso e sem reposição. Suponha que seis dos tanques contenham material em que a viscosidade exceda os requerimentos dos consumidores. (a) Qual a probabilidade de exatamente um tanque na amostra conter material com alta viscosidade? (b) Qual é a probabiliade de no mínimo um tanque na amostra conter material com alta viscosidade? (c) Em adição aos seis tanques com altos níveis de viscosidade, quatro tanques diferentes contêm materiais com altos níveis de impureza. Qual a probabilidade de exatamente um tanque na amostra conter material com alta viscosidade e exatamente um tanque na amostra conter materia com altos níveis de impureza?

6 6 13. O espaço amostral de um experimento aleatório é {a, b, c, d, e} com probabilidades 0, 1; 0, 1; 0, 2; 0, 4 e 0, 2, respectivamente. Faça A denotar o evento {a, b, c} e B denotar o evento {c, d, e}. Determine: (a) P (A) (b) P (B) (c) P (Ā) (d) P (A B) (e) P (A B) 14. Pedidos de compras de um computador são sumarizados pelos itens opcionais solicitados como segue: proporção de pedidos de compras nenhum item opcional 0, 3 um item opcional 0, 5 mais de um item opcional 0, 2 (a) Qual é a probabilidade de um pedido de compras solicitar no mínimo um item opcional? (b) Qual a probabilidade de um pedido de compras não solicitar mais de um item opcional? 15. Suponha que seu veículo seja licenciado em um estado que emita placas que consistam em três dígitos (entre 0 e 9), seguidos de três letras (entre A e Z).Se um número de placa for selecionado aleatoriamente, qual a probabilidade de seu veículo ser selecionado? 16. Cabos de fio de cobre, provenientes de um fabricante, são analisados em relação à resistência e à condutividade. os resultados de 100 cabos são dados a seguir: resistência alta baixa alta condutividade 74 8 baixa condutividade 15 3 (a) Se um cabo for selecionado ao acaso, qual a probabilidade de seu condutividade ser alta ou sua resistência ser alta? (b) Se um cabo for selecionado ao acaso, qual a probabilidade de seu condutividade ser baixa ou sua resistência ser baixa? (c) Considere o evento em que o cabo selecionado ao acaso tem baixa condutividade e o o evento em que o cabo selecionado ao acaso tem baixa resistência. Esses eventos são disjuntos?

7 7 17. Um sistema de computadores usa senhas, que são de seis caracteres (entre 26 letras ou 10 dígitos numéricos). Letras são maiúsculas não são usadas. Seja A o evento em que uma senha comece com uma vogal e seja B em que uma senha termine com um número par. Suponha que um invasor selecione uma senha ao acaso, determine: (a) P (A) (b) P (B) (c) P (A B) (d) P (A B) 18. Discos de plástico de policarbonato, provenientes de um fornecedor, são analisados com relação à resistência a aranhões e a choques. Os resultados de 100 discos analisados são: resistência a choques alta baixa resistência alta (arranhões) 70 9 resistência baixa (arranhões) 16 5 Seja A o evento em que o disco tenha alta resistência a choque e seja B o evento em que o disco tenha alta resistência a arranhões. Determine: (a) P (A) (b) P (B) (c) P (A B) (d) P (B A) 19. A análise de resultados de um experimento de transmutação de uma folha (tornando uma folha em uma pétala) é resumido pelo tipo de transformação completada: transformação textura alta não transformação cor (sim) transformação cor (não) (a) Se a folha completar a transformação da cor, qual é a probabilidade de que ela completará a transformação textural? (b) Se a folha não completar a transformação textural, qual é a probabilidade de que ela completará a transformação da cor?

8 8 20. Um lote de 100 chips semicondutores contém 20 itens defeituosos. Dois deles são selecionados, ao acaso e sem reposição. (a) Qual a probabilidade de que o primeiro selecionado seja defeituoso? (b) Qual a probabilidade de que o segundo selecionado seja defeituoso, dado que o primeiro foi defeituoso? (c) Qual a probabilidade de que ambos sejam defeituosos? 21. Uma batelada de 350 mitocôndrias rejuvenescidas contém 8 que são mutáveis (defeituosas). Duas são selecionadas ao acaso e sem reposição da batelada. (a) Qual a probabilidade de que a segunda selecionada seja defeituosa, dado que a primeira foi defeituosa? (b) Qual a probabilidade de que ambas sejam defeituosas? (c) Qual a probabilidade de que ambos sejam aceitáveis? 22. Se P (A B) = 1, a igualdade A = B tem de ser verdadeira? 23. Suponha que P (A B) = 0, 4 e P (B) = 0, 5. Determine P (A B) e P (Ā B). 24. Uma batelada de 25 peças moldadas por injeção contém 5 delas que sofreram excessivo encolhimento. (a) Se duas peças forem selecionadas ao acaso e sem reposição, qual será a probabilidade de que a segunda peça tenha sofrido excessivo encolhimento? (b) Se três peças forem selecionadas ao acaso e sem reposição, qual será a probabilidade de que a terceira peça tenha sofrido excessivo encolhimento?

9 9 25. O circuito a segur opera se, e somente se, houver um caminho de dispositivos funcionais, da esquerda para a direita. A probabilidade de cada aparelho funcionar é mostrada. Suponha que a probabilidade de um dos dispositivos ser funcional não dependa dos demais dispositivos. Qual será a probabilidade do circuito operar? 26. Consumidores são usados para avaliar projetos iniciais de produtos. No passado 95% dos produtos altamente aprovados recebiam boas revisões, 60% dos produtos moderadamente aprovados recebiam boas revisões e 10% dos produtos ruins recebiam boas revisões. Além disso 40% dos produtos tinham sido altamente aprovados, 35% moderadamente aprovados e 25% tinham sido prosutos ruins. (a) Qual a probabilidade de um produto atingir uma boa revisão? (b) Se um novo projeto atingir uma boa revisão, qual será a probabilidade de que ele se torne um produto altamente aprovado? (c) Se um produto não atingir uma boa revisão, qual será a probabilidade de que ele se torne um produto altamente aprovado? 27. Prove que P ( Ā B ) = 1 + P (A B) P (A) P (B)

10 10 Soluções 1. (a) X = 3, 8 (b) X = 3, 6 (c) S 2 = 0, 92 e S = 0, (d)q 1 = 2, 9, Q 2 = X e Q 3 = 4, 8 2. (a) X = 20, 7675 e X = 20, 61 (b) S 2 = 2, e S = 1, (c)q 1 = 19, 365, Q 2 = X e Q 3 = 21, 96 (max min) (98 10) 3. (a) t c = = = 18 5 q c classe freq.abs. freq.rel. freq.abs.acum. freq.rel.acum. ponto médio , , , , , , , , , , (b) (c) X = 65, 5 X = 69, 76 S 2 = 453, 508 S = 21, 296 Q 1 = 49, 27 Q 2 = X Q 3 = 80, 56 (d) X = 65, 483 X = 71, 5 S 2 = 446, 627 S = 21, 134 Q 1 = 54, 5 Q 2 = X Q 3 = 80, 6

11 11 (e) O gráfico anterior confirma as medidas descritivas já obtidas (max min) (2, 55 0, 72) 4. (a) t c = = = 0, 366 = 1 q c 5 por obviedade, utilizaremos t c = 0, 4 classe freq.abs. freq.rel. freq.abs.acum. freq.rel.acum. ponto médio 0, 72 1, , , 075 0, 92 1, 12 1, , , 200 1, 32 1, 52 1, , , 675 1, 72 1, 92 2, , , 925 2, 12 2, 32 2, , , 000 2, 52 (b) (c) X = 1, 77 X = 1, 773 S 2 = 0, 157 S = 0, 397 Q 1 = 1, 562 Q 2 = X Q 3 = 2, 040 (d) Existe uma presença de valores extremos do lado esquerdo do gráfico.

12 12 (e) A retirada dos valores extremos do gráfico anterior aumenta a simetria da distribuição dos dados. 5. XA,1 = , 2 S A,1 = 94049, 565 X A,2 = , 1 S A,2 = 22972, 238 X A,3 = , 0 S A,3 = 27023, 208 X B,1 = , 3 S B,1 = 95178, 588 X B,2 = , 9 S B,2 = 57696, 450 X B,3 = , 0 S B,3 = 8914, 605 X C,1 = , 5 S C,1 = 29457, 425 X C,2 = , 8 S C,2 = 2509, 275 X C,3 = , 6 S C,3 = 4952, 797 Quando consideramos os tipos de máquinas, quanto a média temos a máquina 3 com maior tempo de ocupação no local A, as outras máquinas tem ocupação média similar no local A; a máquina 1 com maior tempo de ocupação no local B, as outras máquinas tem ocupação média similar no local A; as máquinas apresentam tempos similares no local C. Quando consideramos os locais, quanto a média temos o local B exigindo tempos maiores de ocupação e os locais A e C com ocupações médias semelhantes. Quando consideramos os tipos de máquinas, quanto ao desvio-padrão temos a máquina 1 com alta variabilidade no local A, as outras máquinas tem variabilidade similar no local A; a máquina 1 com grande variabilidade no local B, a máquina 2 tem variabilidade alta no local B porém

13 13 menor que a máquina 1, já a máquina 3 apresenta variabilidade bastante inferior; a máquina 1 com enorme variabilidade no local C, a máquina 3 tem variabilidade no superior a máquina 2 no local C. É fácil ver que os valores de variabilidade para máquina 1 independente do local são bastante elevados. Quando consideramos os locais, quanto a variabilidade, temos o local C com variabilidade bem baixa e o local A com as variabilidades mais elevadas. 6. (a) C 8,5 C 10,4 = (b) B 1, não B 2, não B 3 ; C 5,4 C 5,4 = 25 B 1, B 2, não B 3 ; C 5,3 C 5,4 = 50 B 1, B 3, não B 2 ; C 5,3 C 5,4 = 50 B 2, B 3, não B 1 ; C 5,3 C 5,4 = 50 B 1, B 2, B 3 ; C 5,2 C 10,4 = 2100 Totalizando então 2275 possibilidade de integralizar o curso. 7. (a) 5 36 (b) (a) Seja D bit distorcido e D bit não distorcido. Ω A = A 1 A 2 A 3 A 4 { D D D D} A 1 = {DDDD, DDD D, DD DD, D DDD, DD D D, D DD D, D D DD, D D D D} A 2 = {DDDD, DDD D, DD DD, DDDD, DD D D, DDD D, DD DD, DD D D} A 3 = {DDDD, DDD D, D DDD, DDDD, D DD D, DDD D, D DDD, D DD D} A 4 = {DDDD, DD DD, D DDD, DDDD, D D DD, DD DD, D DDD, D D DD} (b) Os eventos A i não são disjuntos. (c) {DDDD} 9. Ω = {+ + +, + +, + +, + +, +, +, +, } (a) A = {+ + +} (b) B = { } (c) A B = (d) A B = {+ + +, } 10. (a) 10, 10 e 92 (b) EE, EB, BE, BB 11. (a) Ā = {x R+ x 72, 5} (b) B = {x R + x 52, 5} (c) A B = {x R + 52, 5 < x < 72, 5} (d) A B = R +

14 (a) 0, 461 (b) 0, 712 (c) 0, (a) 0, 4 (b) 0, 8 (c) 0, 6(d) 1 (e) 0, (a) 0, 7 (b) 0, (a) 0, 97 (b) 0, 26 (c) não 17. (a) 5 36 (b) 5 36 (c) (a) 0, 86 (b) 0, 79 (c) (a) 0, 903 (b) 0, (a) 0, 2 (b) (c) 0, 038 (d) (d) (a) 0, 02 (b) 0, (c) 0, Não, basta que B seja um subconjunto de A 23. (a) 0, 2 (b) 0, (a) 0, 2 (b) 0, , (a) 0, 615 (b) 0, 618 (c) 0, P (Ā B) [ ] = P (A B) = 1 P (A B) = 1 P [P (A) + P (B) P (A B)] = 1 + P (A B) P (A) P (B)

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 7 11/2014 Variáveis Aleatórias Variáveis Aleatórias Probabilidade e Estatística 3/41 Variáveis Aleatórias Colete

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 5 09/2014 Probabilidade Espaços Amostrais e Eventos Probabilidade e Estatística 3/41 Experimentos Aleatórios Experimento

Leia mais

Probabilidade ESQUEMA DO CAPÍTULO. UFMG-ICEx-EST Cap. 2- Probabilidade 1

Probabilidade ESQUEMA DO CAPÍTULO. UFMG-ICEx-EST Cap. 2- Probabilidade 1 Probabilidade ESQUEMA DO CAPÍTULO 2.1 ESPAÇOS AMOSTRAIS E EVENTOS 2.2 INTERPRETAÇÕES DE PROBABILIADE 2.3 REGRAS DE ADIÇÃO 2.4 PROBABILIDADE CONDICIONAL 2.5 REGRAS DA MULTIPLICAÇÃO E DA PROBABILIDADE TOTAL

Leia mais

2. Probabilidade. Aula 3

2. Probabilidade. Aula 3 Aula 3 2. Probabilidade 2-1 Espaços de amostragem e eventos 2-1.1 Experimentos randômicos 2-1.2 Espaços de amostragem 2-1.3 Eventos 2-2 Interpretações de probabilidade 2-2.1 Introdução 2-2.2 Axiomas de

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatística Descritiva ESQUEMA DO CAPÍTULO 6.1 IMPORTÂNCIA DO SUMÁRIO E APRESENTAÇÃO DE DADOS 6.2 DIAGRAMA DE RAMO E FOLHAS 6.3 DISTRIBUIÇÕES DE FREQUÊNCIA E HISTOGRAMAS 6.4 DIAGRAMA DE CAIXA 6.5 GRÁFICOS

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE CONJUNTAS DISTRIBUIÇÕES CONJUNTAS ROTEIRO DISTRIBUIÇÃO CONJUNTA. Estatística Aplicada à Engenharia

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE CONJUNTAS DISTRIBUIÇÕES CONJUNTAS ROTEIRO DISTRIBUIÇÃO CONJUNTA. Estatística Aplicada à Engenharia ROTEIRO DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE CONJUNTAS 1. Distribuições conjuntas 2. Independência 3. Confiabilidade 4. Combinações lineares de variáveis aleatórias 5. Referências Estatística Aplicada à Engenharia

Leia mais

CAP1: Estatística Descritiva para análise da variabilidade uma amostra de dados quantitativos

CAP1: Estatística Descritiva para análise da variabilidade uma amostra de dados quantitativos CAP1: Estatística Descritiva para análise da variabilidade uma amostra de dados quantitativos O aluno deverá utilizar calculadora científica Resumo Numérico dos dados Suponha que os dados sejam representados

Leia mais

EXPERIMENTO ALEATÓRIO : Experimento que pode fornecer diferentes resultados, embora seja repetido toda vez da mesma maneira.

EXPERIMENTO ALEATÓRIO : Experimento que pode fornecer diferentes resultados, embora seja repetido toda vez da mesma maneira. EXPERIMENTO ALEATÓRIO : Experimento que pode fornecer diferentes resultados, embora seja repetido toda vez da mesma maneira. ESPAÇO AMOSTRAL : O conjunto de todos os resultados possíveis de um experimento

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES LISTA DE EXERCÍCIOS 1 ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES 1- Ordene os dados indicando o 1º, 2º e 3º quartil 45, 56, 62, 67, 48, 51, 64, 71, 66, 52, 44, 58, 55, 61, 48, 50, 62, 51, 61, 55 2- Faça a análise da

Leia mais

Distribuições Amostrais

Distribuições Amostrais Distribuições Amostrais 1 Da população, com parâmetro, retira-se k amostras de tamanho n e calcula-se a estatística. Estas estatísticas são as estimativas de. As estatísticas, sendo variáveis aleatórias,

Leia mais

Probabilidade - aula III

Probabilidade - aula III 2012/02 1 Regra da Multiplicação 2 3 4 5 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Usar a regra da multiplicação para calcular probabilidade de eventos Usar a. Regra da Multiplicação Frequentemente

Leia mais

Noções de Probabilidade parte I

Noções de Probabilidade parte I Noções de Probabilidade parte I 5 de Março de 2012 Site: http://ericaestatistica.webnode.com.br/ e-mail: ericaa_casti@yahoo.com.br Referências: Probabilidae Aplicações à Estatística - Mayer (Capítulo 1)

Leia mais

Bioestatística CE001 Prof. Fernando de Pol Mayer Departamento de Estatística DEST Exercícios: probabilidade

Bioestatística CE001 Prof. Fernando de Pol Mayer Departamento de Estatística DEST Exercícios: probabilidade Bioestatística CE001 Prof. Fernando de Pol Mayer Departamento de Estatística DEST Exercícios: probabilidade Nome: GRR: 1. Para cada um dos eventos abaixo, escreva o espaço amostral correspondente e conte

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA PROBABILIDADES

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA PROBABILIDADES PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA PROBABILIDADES Bruno Baierle Maurício Furigo Prof.ª Sheila Regina Oro (orientadora) Edital 06/2013 - Produção de Recursos Educacionais Digitais Revisando - Análise combinatória

Leia mais

Introdução à Probabilidade - parte III

Introdução à Probabilidade - parte III Introdução à Probabilidade - parte III Erica Castilho Rodrigues 02 de Outubro de 2012 Eventos Independentes 3 Eventos Independentes Independência Em alguns casos podemos ter que P(A B) = P(A). O conhecimento

Leia mais

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS Ferramentas da Qualidade CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS (3/4) Gráficos de controle Gráfico de controle de variáveis Gráfico de controle de atributos Gráficos de Controle

Leia mais

Grupo A - 1 semestre de 2012 Lista de exercícios 2 - Estatística Descritiva II C A S A (gabarito)

Grupo A - 1 semestre de 2012 Lista de exercícios 2 - Estatística Descritiva II C A S A (gabarito) Exercício 1. (1,0 ponto) Considere os dados abaixo sobre a distribuição de salário em (reais) num grupo de 1000 indivíduos. Tabela 1: Distribuição de frequências dos salários Classe de Salário Total Frequência

Leia mais

EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 4: Variáveis Aleatórias Unidimensionais

EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 4: Variáveis Aleatórias Unidimensionais EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 4: Variáveis Aleatórias Unidimensionais Prof. Clécio da Silva Ferreira Depto Estatística - UFJF Introdução Considere o experimento: Lançamento de uma moeda. Resultados

Leia mais

MAE0219 Introdução à Probabilidade e Estatística I

MAE0219 Introdução à Probabilidade e Estatística I Exercício 1 Para cada um dos experimentos abaixo, descreva o espaço amostral e dê o número de seus elementos. (a) Numa linha de produção conta-se o número de peças defeituosas num intervalo de uma hora.

Leia mais

2. EXERCÍCIOS PROPOSTOS SOBRE V.A. E DISTRIB.PROBAB.

2. EXERCÍCIOS PROPOSTOS SOBRE V.A. E DISTRIB.PROBAB. 2. EXERCÍCIOS PROPOSTOS SOBRE V.A. E DISTRIB.PROBAB. 1) Classifique as seguintes variáveis aleatórias como discretas ou contínuas. X : o número de acidentes de automóvel por ano na rodovia BR 116. Y :

Leia mais

MAE116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 semestre de 2015

MAE116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 semestre de 2015 MAE116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 semestre de 2015 Gabarito Lista 4 - Probabilidade - CASA Exercício 1. (2 pontos) Para cada um dos experimentos abaixo, descreva o espaço amostral e apresente

Leia mais

Para cada um dos experimentos abaixo, descreva o espaço amostral e dê o número de seus elementos.

Para cada um dos experimentos abaixo, descreva o espaço amostral e dê o número de seus elementos. 1 Exercício 1 Para cada um dos experimentos abaixo, descreva o espaço amostral e dê o número de seus elementos. (a) Numa linha de produção conta-se o número de peças defeituosas num intervalo de uma hora.

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ENVOLVENDO PROBABILIDADE

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ENVOLVENDO PROBABILIDADE QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ENVOLVENDO PROBABILIDADE 1) Uma moeda não tendenciosa é lançada quatro vezes. A probabilidade de que sejam obtidas duas caras e duas coroas é: (A) 3/8 (B) ½ (C) 5/8 (D) 2/3

Leia mais

Introdução à probabilidade e estatística I

Introdução à probabilidade e estatística I Introdução à probabilidade e estatística I Variáveis Aleatórias Prof. Alexandre G Patriota Sala: 298A Email: patriota@ime.usp.br Site: www.ime.usp.br/ patriota Probabilidade Daqui por diante utilizaremos

Leia mais

TEORIA DA PROBABILIDADE

TEORIA DA PROBABILIDADE TEORIA DA PROBABILIDADE Lucas Santana da Cunha lscunha@uel.br http://www.uel.br/pessoal/lscunha/ Universidade Estadual de Londrina 22 de maio de 2017 Introdução Conceitos probabiĺısticos são necessários

Leia mais

Teoria das Probabilidades

Teoria das Probabilidades Capítulo 2 Teoria das Probabilidades 2.1 Introdução No capítulo anterior, foram mostrados alguns conceitos relacionados à estatística descritiva. Neste capítulo apresentamos a base teórica para o desenvolvimento

Leia mais

Inferência Estatística:

Inferência Estatística: Inferência Estatística: Amostragem Estatística Descritiva Cálculo de Probabilidade Inferência Estatística Estimação Teste de Hipótese Pontual Por Intervalo Conceitos básicos Estimação É um processo que

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix

Unidade II ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix Unidade II ESTATÍSTICA APLICADA Prof. Luiz Felix Distribuição de frequências - média Cálculo da Média x = X i. f i n Onde: x média aritmética da distribuição de frequência X i ponto médio de cada classe

Leia mais

Inferência Estatística: DEEST/UFOP Prof.: Spencer Barbosa da Silva

Inferência Estatística: DEEST/UFOP Prof.: Spencer Barbosa da Silva Inferência Estatística: Prof.: Spencer Barbosa da Silva Amostragem Estatística Descritiva Cálculo de Probabilidade Inferência Estatística Estimação Teste de Hipótese Pontual Por Intervalo Conceitos básicos

Leia mais

1 Definição Clássica de Probabilidade

1 Definição Clássica de Probabilidade Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Estatística Básica - 2013 Aula 4 Professor: Carlos Sérgio UNIDADE 2 - Probabilidade: Definições (Notas de aula) 1 Definição Clássica

Leia mais

Estatística. Probabilidade. Conteúdo. Objetivos. Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal.

Estatística. Probabilidade. Conteúdo. Objetivos. Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal. Estatística Probabilidade Profa. Ivonete Melo de Carvalho Conteúdo Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal. Objetivos Utilizar a probabilidade como estimador

Leia mais

3 NOÇÕES DE PROBABILIDADE

3 NOÇÕES DE PROBABILIDADE 3 NOÇÕES DE PROILIDDE 3.1 Conjuntos Um conjunto pode ser considerado como uma coleção de objetos chamados elementos do conjunto. Em geral denota-se conjunto por letras maiúsculas,, C,... e a sua representação

Leia mais

Variáveis Aleatórias. Prof. Luiz Medeiros Departamento de Estatística - UFPB

Variáveis Aleatórias. Prof. Luiz Medeiros Departamento de Estatística - UFPB Variáveis Aleatórias Prof. Luiz Medeiros Departamento de Estatística - UFPB Introdução Ao descrever o espaço amostral de um experimento aleatório, não especificamos que um resultado individual seja um

Leia mais

Probabilidade e Estatística 2008/2. Regras de adicão, probabilidade condicional, multiplicação e probabilidade total.

Probabilidade e Estatística 2008/2. Regras de adicão, probabilidade condicional, multiplicação e probabilidade total. Probabilidade e Estatística 2008/2 Prof. Fernando Deeke Sasse Problemas Resolvidos Regras de adicão, probabilidade condicional, multiplicação e probabilidade total. 1. Um fabricante de lâmpadas para faróis

Leia mais

4ª LISTA DE EXERCÍCIOS - LOB1012. Variáveis Aleatórias Contínuas, Aproximações e TLC

4ª LISTA DE EXERCÍCIOS - LOB1012. Variáveis Aleatórias Contínuas, Aproximações e TLC 4ª LISTA DE EXERCÍCIOS - LOB1012 Variáveis Aleatórias Contínuas, Aproximações e TLC Assunto: Função Densidade de Probabilidade Prof. Mariana Pereira de Melo 1. Suponha que f(x) = x/8 para 3

Leia mais

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Agora,

Leia mais

ANOVA - parte I Conceitos Básicos

ANOVA - parte I Conceitos Básicos ANOVA - parte I Conceitos Básicos Erica Castilho Rodrigues 9 de Agosto de 2011 Referências: Noções de Probabilidade e Estatística - Pedroso e Lima (Capítulo 11). Textos avulsos. Introdução 3 Introdução

Leia mais

mat.ufrgs..ufrgs.br br/~viali/ mat.ufrgs..ufrgs.br

mat.ufrgs..ufrgs.br br/~viali/ mat.ufrgs..ufrgs.br Prof. Lorí Viali, Dr. http://www. ://www.mat mat.ufrgs..ufrgs.br br/~viali/ viali@mat mat.ufrgs..ufrgs.br Média Uma amostra Proporção Variância Dependentes Diferença de médias m Duas amostras Independentes

Leia mais

PROBABILIDADE. Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti

PROBABILIDADE. Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti PROBABILIDADE Dizemos que a probabilidade é uma medida da quantidade de incerteza que existe em um determinado experimento.

Leia mais

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II 2012/02 1 Diagrama de Ramo e Folhas 2 3 4 5 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Construir e interpretar disposições gráficas dos

Leia mais

Bioestatística CE001 Prof. Fernando de Pol Mayer Departamento de Estatística DEST Exercícios: medidas resumo Nome: GABARITO

Bioestatística CE001 Prof. Fernando de Pol Mayer Departamento de Estatística DEST Exercícios: medidas resumo Nome: GABARITO Bioestatística CE001 Prof. Fernando de Pol Mayer Departamento de Estatística DEST Exercícios: medidas resumo Nome: GABARITO GRR: 1. Estime as medidas de centro (média, mediana, moda) para amostras de altura

Leia mais

Probabilidade e Estatística 2011/2

Probabilidade e Estatística 2011/2 Probabilidade e Estatística 2011/2 Prof. Fernando Deeke Sasse Exercícios resolvidos sobre distribuições discretas Distribuição Binomial 1. Lotes de 50 peças são examinados. O número médio de peças não-conformes

Leia mais

Conceito de Estatística

Conceito de Estatística Conceito de Estatística Estatística Técnicas destinadas ao estudo quantitativo de fenômenos coletivos, observáveis. Unidade Estatística um fenômeno individual é uma unidade no conjunto que irá constituir

Leia mais

1 Definição de Probabilidade 2 Principais Teoremas 3 Probabilidades dos Espaços Amostrais 4 Espaços Amostrais Equiprováveis. Francisco Cysneiros

1 Definição de Probabilidade 2 Principais Teoremas 3 Probabilidades dos Espaços Amostrais 4 Espaços Amostrais Equiprováveis. Francisco Cysneiros Probabilidade 1 Definição de Probabilidade 2 Principais Teoremas 3 Probabilidades dos Espaços Amostrais 4 Espaços Amostrais Equiprováveis Francisco Cysneiros Introdução 1 - Conceito Clássico Se uma experiência

Leia mais

2. Lança-se ao acaso uma moeda 4 vezes e conta-se o número de faces obtidas. Escreva o espaço amostral da experiência.

2. Lança-se ao acaso uma moeda 4 vezes e conta-se o número de faces obtidas. Escreva o espaço amostral da experiência. Escola Superior de Tecnologia de Viseu Fundamentos de Estatística 2010/2011 Ficha nº 2 1. Lançam-se ao acaso 2 moedas. a) Escreva o espaço de resultados da experiência. b) Descreva os acontecimentos elementares.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Probabilidade Departamento de Estatística UFPB Luiz Medeiros Introdução Encontramos na natureza dois tipos de fenômenos Determinísticos: Os resultados são sempre os mesmos

Leia mais

Variáveis Aleatórias. Prof. Tarciana Liberal Departamento de Estatística - UFPB

Variáveis Aleatórias. Prof. Tarciana Liberal Departamento de Estatística - UFPB Variáveis Aleatórias Prof. Tarciana Liberal Departamento de Estatística - UFPB Introdução Ao descrever o espaço amostral de um experimento aleatório, não especificamos que um resultado individual seja

Leia mais

O Papel da Estatística em áreas do conhecimento

O Papel da Estatística em áreas do conhecimento O Papel da Estatística em áreas do conhecimento 2012/02 Site: http://www.est.ufmg.br/ marcosop e-mail: marcosop@est.ufmg.br 1 O Pensamento Estatístico 2 3 4 Distribuição de Pontos 3 provas - 30, 35 e 35

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva C E N T R O D E M A T E M Á T I C A, C O M P U T A Ç Ã O E C O G N I Ç Ã O UFABC Estatística Descritiva Centro de Matemática, Computação e Cognição March 17, 2013 Slide 1/52 1 Definições Básicas Estatística

Leia mais

Elementos de Estatística

Elementos de Estatística Elementos de Estatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2013 Medidas Resumo Medidas Resumo Medidas que sintetizam informações contidas nas variáveis em um único

Leia mais

Exercício 4 Calcule média e o desvio padrão distribuição de frequências dada abaixo:

Exercício 4 Calcule média e o desvio padrão distribuição de frequências dada abaixo: Exercício 2 Um paciente fez seis exames de sangue em 6 meses consecutivos para medir seu nível de fosfato por decilitro de sangue. Os resultados obtidos foram: 5,6 5,2 4,6 4,9 5,7 6,4. Calcule a média,

Leia mais

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios.

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios. PROBABILIDADE Prof. Aurimenes A teoria das Probabilidades é o ramo da Matemática que cria, desenvolve e em geral pesquisa modelos que podem ser utilizados para estudar experimentos ou fenômenos aleatórios.

Leia mais

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística INTERVALOS DE CONFIANÇA: Diferentes pesquisadores, selecionando amostras de uma mesma

Leia mais

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios.

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios. PROBABILIDADE A teoria das Probabilidades é o ramo da Matemática que cria, desenvolve e em geral pesquisa modelos que podem ser utilizados para estudar experimentos ou fenômenos aleatórios. Os experimentos

Leia mais

2 a Lista de PE Solução

2 a Lista de PE Solução Universidade de Brasília Departamento de Estatística 2 a Lista de PE Solução 1. a Ω {(d 1, d 2, m : d 1, d 2 {1,..., 6}, m {C, K}}, onde C coroa e K cara. b Ω {0, 1, 2,...} c Ω {(c 1, c 2, c 3, c 4 : c

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO DOUTORADO - TURMA 20 VERSÃO

Leia mais

ESTATÍSTICA I LISTA DE EXERCÍCIOS 2 GABARITO

ESTATÍSTICA I LISTA DE EXERCÍCIOS 2 GABARITO ESTATÍSTICA I LISTA DE EXERCÍCIOS 2 GABARITO 1. (Magalhães e Lima, pg 40) Para cada um dos casos abaixo, escreva o espaço amostral correspondente e conte seus elementos: (a) Uma moeda é lançada duas vezes

Leia mais

Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuição de Probabilidade

Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuição de Probabilidade Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuição de Probabilidades - parte IV 2012/02 1 Distribuição Poisson Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Ententer suposições para cada uma das

Leia mais

Conforme o conjunto de valores X(S) uma variável aleatória poderá ser discreta ou contínua.

Conforme o conjunto de valores X(S) uma variável aleatória poderá ser discreta ou contínua. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ s KKK CKK KKC KCK CCK CKC KCC CCC S X X(s) R X(S) Uma função X que associa a cada elemento de S (s S) um número real X(s) é denominada

Leia mais

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Prof. Gilberto Rodrigues Liska UNIPAMPA 24 de Agosto de 2017 Material de Apoio e-mail: gilbertoliska@unipampa.edu.br Local: Sala dos professores

Leia mais

CE Estatística I

CE Estatística I CE 002 - Estatística I Agronomia - Turma B Professor Walmes Marques Zeviani Laboratório de Estatística e Geoinformação Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná 1º semestre de 2012 Zeviani,

Leia mais

Prof. Luiz Alexandre Peternelli

Prof. Luiz Alexandre Peternelli Exercícios propostos 1. Numa prova há 7 questões do tipo verdadeiro-falso ( V ou F ). Calcule a probabilidade de acertarmos todas as 7 questões se: a) Escolhermos aleatoriamente as 7 respostas. b) Escolhermos

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 4 09/2014 Estatística Descritiva Medidas de Variação Probabilidade e Estatística 3/42 Medidas de Variação Vamos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística - CCEN Professora: Tatiene C. de Souza

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística - CCEN Professora: Tatiene C. de Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística - CCEN Professora: Tatiene C. de Souza Lista de Exercícios - Pesquisa Aplicada à Estatística João Pessoa, 23 de fevereiro de 2016 1. A v.a. X

Leia mais

Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística

Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba Prof. Tarciana Liberal (UFPB) Aula Probabilidade Condicional 03/14 1 / 48 É provável que você

Leia mais

Variáveis aleatórias discretas

Variáveis aleatórias discretas Probabilidades e Estatística + Probabilidades e Estatística I Colectânea de Exercícios 2002/03 LEFT + LMAC Capítulo 3 Variáveis aleatórias discretas Exercício 3.1 Uma caixa contém 6 iogurtes dos quais

Leia mais

Distribuições de Probabilidade Conjuntas

Distribuições de Probabilidade Conjuntas Distribuições de Probabilidade Conjuntas 1. Duas variáveis aleatórias discretas Exemplo 1. No desenvolvimento de um novo receptor para transmissão digital de informação, cada bit é classificado como aceitável,

Leia mais

Probabilidade - aula II

Probabilidade - aula II 25 de Março de 2014 Interpretações de Probabilidade Amostras Aleatórias e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular probabilidades de eventos conjuntos. Interpretar e calcular

Leia mais

Probabilidade - aula II

Probabilidade - aula II 2012/02 1 Interpretações de Probabilidade 2 3 Amostras Aleatórias e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular probabilidades de eventos conjuntos. Interpretar e calcular probabilidades

Leia mais

Probabilidades- Teoria Elementar

Probabilidades- Teoria Elementar Probabilidades- Teoria Elementar Experiência Aleatória Experiência aleatória é uma experiência em que: não se sabe exactamente o resultado que se virá a observar, mas conhece-se o universo dos resultados

Leia mais

NOÇÕES DE PROBABILIDADE

NOÇÕES DE PROBABILIDADE NOÇÕES DE PROBABILIDADE ALEATORIEDADE Menino ou Menina me? CARA OU COROA? 3 Qual será o rendimento da Caderneta de Poupança no final deste ano? E qual será a taxa de inflação acumulada em 014? Quem será

Leia mais

Probabilidade. Probabilidade e Estatística. Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva

Probabilidade. Probabilidade e Estatística. Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva Probabilidade e Estatística Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva http://paginapessoal.utfpr.edu.br/ngsilva Probabilidade Probabilidade Experimento Aleatório Um experimento é dito aleatório quando satisfaz

Leia mais

UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA

UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Organizamos esta unidade para orientá-lo na revisão dos conteúdos trabalhados ao longo da disciplina. Siga as orientações, reveja os conteúdos

Leia mais

Variáveis Discretas e Distribuições de Probabilidade. Distribuição Binomial

Variáveis Discretas e Distribuições de Probabilidade. Distribuição Binomial Variáveis Discretas e Distribuições de Probabilidade Distribuição Binomial Experimentos aleatórios e variáveis aleatórias: 1. Jogue uma moeda ao ar 10 vezes. X é o número de caras obtidas. 2. Uma máquina

Leia mais

Lista de Exercícios 1 Probabilidades Escola Politécnica, Ciclo Básico

Lista de Exercícios 1 Probabilidades Escola Politécnica, Ciclo Básico Lista de Exercícios 1 Probabilidades 0303200 Escola Politécnica, Ciclo Básico 1 o semestre 2017 1) Historicamente sabe-se que 10% dos artigos de uma firma são de segunda qualidade. Um inspetor de controle

Leia mais

1 Variáveis Aleatórias

1 Variáveis Aleatórias Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Estatística Básica - 2013 Aula 5 Professor: Carlos Sérgio UNIDADE 3 - VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS (Notas de aula) 1 Variáveis

Leia mais

2 Conceitos Básicos de Probabilidade

2 Conceitos Básicos de Probabilidade CE003 1 1 Introdução No capítulo anterior, foram mostrados alguns conceitos relacionados à estatística descritiva. Neste capítulo apresentamos a base teórica para o desenvolvimento de técnicas estatísticas

Leia mais

CAPÍTULO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES

CAPÍTULO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES CAPÍTULO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES. INTRODUÇÃO - Conceito de população desconhecida π e proporção da amostra observada P. π P + pequeno erro Perguntas: - Qual é o pequeno erro?

Leia mais

Aula 2 Planejamento e Análise de Experimentos

Aula 2 Planejamento e Análise de Experimentos Aula 2 Planejamento e Análise de Experimentos Professores Miguel Antonio Sovierzoski, Dr. miguelaso@utfpr.edu.br; Vicente Machado Neto, Dr. vmachado@utfpr.edu.br; Revisão da aula anterior Fatores níveis

Leia mais

Cálculo das Probabilidades e Estatística I

Cálculo das Probabilidades e Estatística I Cálculo das Probabilidades e Estatística I Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Variáveis Aleatórias Ao descrever um espaço

Leia mais

6ª Lista de Probabilidade I Professor: Spencer

6ª Lista de Probabilidade I Professor: Spencer 6ª Lista de Probabilidade I Professor: Spencer 1) Em um determinado processo de fabricação, 10% das peças são consideradas defeituosas. As peças são acondicionadas em caixas com 5 unidades cada uma, Pergunta-se:

Leia mais

Aula-6 Corrente e resistência. Curso de Física Geral F o semestre, 2008

Aula-6 Corrente e resistência. Curso de Física Geral F o semestre, 2008 Aula-6 Corrente e resistência Curso de Física Geral F-328 1 o semestre, 2008 Corrente elétrica e resistência a) A condição para que exista uma corrente elétrica através de um condutor é que se estabeleça

Leia mais

6.3 Valor Médio de uma Variável Aleatória

6.3 Valor Médio de uma Variável Aleatória 6. 3 V A L O R M É D I O D E U M A V A R I Á V E L A L E A T Ó R I A 135 1. Considere uma urna contendo três bolas vermelhas e cinco pretas. Retire três bolas, sem reposição, e defina a v.a. X igual ao

Leia mais

AMOSTRAGEM. É a parte da Teoria Estatística que define os procedimentos para os planejamentos amostrais e as técnicas de estimação utilizadas.

AMOSTRAGEM. É a parte da Teoria Estatística que define os procedimentos para os planejamentos amostrais e as técnicas de estimação utilizadas. AMOSTRAGEM É a parte da Teoria Estatística que define os procedimentos para os planejamentos amostrais e as técnicas de estimação utilizadas. Nos planejamentos amostrais, a coleta dos dados deve ser realizada

Leia mais

Definição. Os valores assumidos pelos estimadores denomina-se estimativas pontuais ou simplesmente estimativas.

Definição. Os valores assumidos pelos estimadores denomina-se estimativas pontuais ou simplesmente estimativas. 1. Inferência Estatística Inferência Estatística é o uso da informção (ou experiência ou história) para a redução da incerteza sobre o objeto em estudo. A informação pode ou não ser proveniente de um experimento

Leia mais

Lista Estimação Pontual Estatística Aplicada à Engenharia de Produção Prof. Michel H. Montoril

Lista Estimação Pontual Estatística Aplicada à Engenharia de Produção Prof. Michel H. Montoril Exercício 1. (Kokoska, 2013) Estudos indicam que residências canadenses desperdiçam, aproximadamente, de 389 a 513 quilowatts-hora de eletricidade por ano. Esse desperdício é causado por aparelhos eletrônicos

Leia mais

3.3. Diga qual é o número médio e a variância dos animais que sobrevivem?

3.3. Diga qual é o número médio e a variância dos animais que sobrevivem? 1. Um treinador de andebol tem à sua disposição 20 jogadores dos quais deve selecionar 10 para formar uma equipa para um jogo. 12 dos jogadores são atacantes e os restantes saõ defesas. 1.1. Se o selecionador

Leia mais

Capítulo 3. Introdução à Probabilidade E à Inferência Estatística

Capítulo 3. Introdução à Probabilidade E à Inferência Estatística Capítulo 3 Introdução à Probabilidade E à Inferência Estatística definições e propriedades: Propriedade 5: A probabilidade condicional reflete como a probabilidade de um evento pode mudar se soubermos

Leia mais

T o e r o ia a da P oba ba i b lida d de

T o e r o ia a da P oba ba i b lida d de Teoria da Probabilidade Prof. Joni Fusinato Teoria da Probabilidade Consiste em utilizar a intuição humana para estudar os fenômenos do nosso cotidiano. Usa o princípio básico do aprendizado humano que

Leia mais

EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 3: Probabilidade Condicional e Independência

EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 3: Probabilidade Condicional e Independência EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 3: Probabilidade Condicional e Independência Prof. Clécio da Silva Ferreira Depto Estatística - UFJF 1 Perguntas 1. Um novo aparelho para detectar um certo tipo de

Leia mais

Conceitos básicos de teoria da probabilidade

Conceitos básicos de teoria da probabilidade Conceitos básicos de teoria da probabilidade Experimento Aleatório: procedimento que, ao ser repetido sob as mesmas condições, pode fornecer resultados diferentes Exemplos:. Resultado no lançamento de

Leia mais

MB-210 Probabilidade e Estatística

MB-210 Probabilidade e Estatística Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MB-210 Probabilidade e Estatística Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br 2o. semestre/2013 Variáveis

Leia mais

PROVA MODELO Duração da prova: 120 minutos

PROVA MODELO Duração da prova: 120 minutos Página 1 de 10 Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 23 anos, Decreto-Lei n.º 64/2006, de 21 de Março AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES BERNOULLI E BINOMIAL

DISTRIBUIÇÕES BERNOULLI E BINOMIAL DISTRIBUIÇÕES BERNOULLI E BINOMIAL Lucas Santana da Cunha email: lscunha@uel.br http://www.uel.br/pessoal/lscunha/ Universidade Estadual de Londrina 26 de junho de 2017 Distribuição Bernoulli Nos experimentos

Leia mais

Teste Anova. Prof. David Prata Novembro de 2016

Teste Anova. Prof. David Prata Novembro de 2016 Teste Anova Prof. David Prata Novembro de 2016 Tipo de Variável Introduzimos o processo geral de teste de hipótese. É hora de aprender a testar a sua própria hipótese. Você sempre terá que interpretar

Leia mais

Caixa concentradora de disjuntores

Caixa concentradora de disjuntores FIGURA 1 - CAIXA COM TAMPA 532 15 4 2,5 162 120 42 DETALHE 1 VISTA SUPERIOR DETALHE 2 49 ALINHAMENTO ENTRE A JANELA PARA DISJUNTOR E O TRILHO PARA DISJUNTOR TAMPA DA JANELA PARA DISJUNTOR JANELA VENEZIANA

Leia mais

Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS

Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS INTRODUÇÃO O que é uma variável aleatória? Um tipo de variável que depende do resultado aleatório de um experimento aleatório. Diz-se que um experimento é

Leia mais

1 Exercícios da Parte 1 Introdução. Lista de Exercícios 01 - Introdução e Camada Física

1 Exercícios da Parte 1 Introdução. Lista de Exercícios 01 - Introdução e Camada Física BCC361 Redes de Computadores (2012-02) Departamento de Computação - Universidade Federal de Ouro Preto - MG Professor Reinaldo Silva Fortes (www.decom.ufop.br/reinaldo) Lista de Exercícios 01 - Introdução

Leia mais

Lista de Exercícios STRING LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PROF. EDUARDO SILVESTRI.

Lista de Exercícios STRING LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PROF. EDUARDO SILVESTRI. Lista de Exercícios STRING LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PROF. EDUARDO SILVESTRI. ATUALIZADO EM: 29/10/2007 1. Faça um programa que inverta uma string: leia a string com gets e armazene-a invertida em outra

Leia mais