O DESENHO ANIMADO E OS JOGOS DE COMPUTADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESENHO ANIMADO E OS JOGOS DE COMPUTADOR"

Transcrição

1 O DESENHO ANIMADO E OS JOGOS DE COMPUTADOR Renê Dalton Heluany Raposo Game Designer Rua Almerina Cemoline Rebulce, 86 Paulicéia São Bernardo do Campo SP. Introdução Apenas com pouco mais de cem anos de existência, o desenho animado atinge hoje um papel de grande importância na era da informática. Este irmão mais velho do cinema, já foi honrado por homens como Norman Mclaren, que no início da década de 40 transformou e revolucionou a técnica, animando direto na película. Comprovando que o desenho animado também pode ser uma forma de arte, Mclaren realizou trabalhos fantásticos e entre os seus 60 filmes recebeu 200 prêmios. O desenho animado também rivalizou com lendas e mitologias, tal Midas, o rei grego que transformava em ouro tudo aquilo que tocava, um rapaz de nome Walter Elias Disney Jr. fez do desenho animado a sua fonte milagrosa, transformando simples papéis com desenhos em seqüência, em milhões de dólares e dando a um de seus personagens quase a mesma fama de Jesus Cristo. A exemplo desta afirmativa, uma pesquisa da Universidade Paul Valéry, de Montpellier, na França, constatou que o camundongo Mickey é o segundo nome mais conhecido entre os franceses, com um índice de 97,7%, entre tipos bíblicos, mitológicos, literários, cinematográficos e das histórias em quadrinhos, perdendo apenas para Jesus. No mercado brasileiro, o desenho animado também desempenhou sua parte, começando com o cartunista Seth, que em 1917 criou charges animadas para os cinejornais da época; Luís Sá, famoso pelos seus desenhos no Tico-Tico, animou diversos curtas na década de 40; Anélio Lattini, o autor de Sinfonia Amazônica, primeiro longa metragem tupiniquim feito em 1953 e, até os dias de hoje, programas como Castelo Rá-Tim-Bum produziram animações nacionais premiadas no exterior. Desde a antiga Lanterna Mágica, um tipo de projetor de slides iluminado por vela e com desenhos imóveis pintado no vidro, até os dias de hoje, nas grandes estações gráficas como a Silicon, mesmo num Macintosh ou num simples PC, este velhinho centenário ainda promete alegrar muitas crianças e ser a inspiração de muitos heróis

2 idealistas e sonhadores, Batmans da vida, combatendo Curingas da insanidade humana, desafiando as leis da física, ensaindo gêneses bizarras. O Desenho Animado Teria Pernalonga realmente falado : Ei, o que é que há velhinho?. Tom e Jerry dançaram mesmo com Gene Kelly em Anchors Aweigh?. Roger Rabbit desmantelou a quadrilha de doninhas? A grande diferença entre o cinema tradicional e o de animação é que, enquanto no primeiro, o cinema live action, as coisas realmente acontecem, no desenho animado, que é produzido artesanalmente frame a frame, a impressão de movimento se dá apenas no momento de sua projeção, quer seja no cinema, televisão ou vídeo. Isto se torna possível graças ao fenômeno da persistência retínica, capacidade que o ser humano tem de reter as imagens no fundo do olho por um breve período de tempo. A persistência retínica ou retiniana foi estudada pelo físico belga Joseph Plateau, que fixou o sol por vinte segundos, tendo por esta razão ficado cego anos mais tarde. Constatou, assim, que o olho humano conserva a impressão do objeto luminoso até um terço de segundo após esse desaparecer. Utilizando esta descoberta, Plateau fez os primeiros ensaios de animação e em 1832 inventou o fenakistoscópio, um disco com pequenas aberturas nas bordas, tendo entre elas um desenho em posições diferentes. 1 Roteiro ETAPAS DA ANIMAÇÃO No roteiro de um desenho animado encontramos a sua essência ainda em história, à maneira em que é narrado coincide com a mesma narração que encontramos em livros, ou em roteiros comuns. O autor nesta fase, começa a dar personalidade ao trabalho, relatando todos os fatos importantes, características dos personagens envolvidos e a história em si, a mensagem que deve ser passada, aonde ela acontece e de que maneira, sequenciando o trabalho em começo, meio e fim.

3 2 Planejamento No planejamento a história começa a se dividir, o fator utilizado para regrar esta divisão se baseia na importância da seqüência narrativa. Tendo então a história se dividido em peças importantes, surgem as cenas. Cada cena equivale a uma seqüência da história, o planejador desenha estas cenas como numa história em quadrinhos e, é nesta fase do planejamento, que é feito o story board. Com o story board pronto, o planejador faz o estudo de cada cena individualmente, definindo assim o tempo da cena, posições de enquadramento, cenários, personagens e definitivamente a ação da cena. Depois de tudo definido, o planejador divide a cena em duas etapas: Cenários e Animação. Na etapa de cenário, o planejador envia ao cenarista todas as informações específicas ao fundo e, na etapa de animação, as informações são passadas ao animador através de uma ficha de animação. Nesta ficha o animador encontrará informações técnicas sobre a cena, relativas ao tempo, sincronismo de fala, movimento de câmera, conteúdo dramático e uma cópia do cenário. Ao iniciar o seu trabalho, o animador vai acrescentando informações nesta ficha. Estas mesmas informações vão servir de orientação ao intervalador e à fase de filmagem. A partir desta fase, o cenarista dá andamento a pintura dos fundos separando em overlay e underlay, se a cena assim necessitar. É chamado de underlay toda a parte do cenário que se localizar ao fundo dos personagens, e overlay o complemento de cenário que estiver à frente. Esta técnica permite aos personagens passar atrás de quaisquer objetos, sem a necessidade de estar repetindo os objetos em todos os desenhos. 3 Animação Nesta etapa, o desenho começa a ganhar vida, a magia do movimento é desenhada artesanalmente, frame a frame pelo animador. O animador torna-se, aqui, um ator interpretando emoções e atitudes que o personagem deve tomar na cena em questão. Uma boa animação depende de boas soluções de movimento, de tempo, dinamismo, linha de ação, antecipação e outras características, que fazem de um personagem no papel, um ser com vida. Todas estas informações são fornecidas pelo animador,

4 desenhando o que em animação é chamado de ponta-chave, ou mais conhecido como keyframes. A ponta-chave define o movimento extremo de cada ação, é na ponta-chave que reside toda a essência do movimento, assim uma ponta-chave mal resolvida resulta em um movimento também mal resolvido. Entre uma ponta e outra, o animador define a quantidade de desenhos intermediários e necessários para o complemento da ação; tais desenhos intermediários são indicados na ficha e na própria animação, sendo chamados de intervalação ou breakdown. A animação pode ser limitada ou full animation. É chamada de full animation toda a animação que tiver um desenho para cada fotograma, o que equivale em cinema a 24 desenhos para um segundo de projeção. Este estilo de animação normalmente se limita às produções para o cinema, devido ao seu custo animadores e produtores de curtas para tv, decidiram criar um padrão de 12 desenhos para um segundo de projeção, fotografando 2 frames para cada desenho, nascendo, assim, a animação limitada, técnica muito bem utilizada pela produtora Hanna-Barbera. 4 Intervalação A intervalação se resume no complemento da animação, orientado pela pontachave e pelo diagrama de intervalo, o intervalador vai desenhando a seqüência do movimento entre uma ponta e os seus intervalos, ou seja, temos duas pontas de animação: Ponta 01 e Ponta 05 O intervalador fará o desenho do meio 03 Entre o 03 e 01 fará o desenho 02 Entre o 03 e 05 fará o desenho 04 Finalizando assim uma seqüência de intervalo entre duas pontas. 5 Cenários

5 Os cenários ou backgrounds são de extrema importância a uma cena. Mesmo sendo fixos, eles devem conter uma infinidade de informações que valorizam e complementam a narração da cena. Estas verdadeiras obras de arte podem receber tratamentos dos mais simples pintura em aquarela ou guache, indo até os mais complexos aerografia. A arte de criar cenários, insere ao desenho animado, uma série de conhecimentos, que vão além de uma pintura bonita. Saber escolher a melhor combinação de cores, sem chegar a roubar a cena ou mesmo confundí-la, tem sido o maior desafio dos cenaristas. A composição do cenário, no seu geral, deve colaborar com o conteúdo dramático da cena, deste modo, apenas para exemplo e regra básica, teremos em uma cena de suspense um cenário sombrio, e em uma cena alegre, um cénario colorido. 6 Traço final Após a animação estar devidamente intervalada, a cena passa à fase de limpeza de traço. Nesta etapa o cleaner, como é chamado o profissional desta área, finaliza o traço da animação, definindo melhor os personagens e acrescentando detalhes dos mesmos. Um pequeno botão, ou outro detalhe do personagem pode vir a passar despercebido pela animação e intervalação, cabendo ao cleaner a checagem do modelo do personagem e todas as suas características gráficas. 7 Cópia em Acetato Todos os desenhos após serem devidamente checados, entram em fase de cópia. No desenho animado tradicional, estas cópias são feitas em acetato, com o avanço da tecnologia o computador tornou esta etapa mais rápida e mais acessível, onde os desenhos são digitalizados por scanner. 8 Arte Final Quando as cópias são feitas em acetato, os arte-finalistas trabalham pintando os desenhos por trás, como o acetato é transparente, permite um bom acabamento, conseguindo ótimos resultados finais.

6 Quando a cópia é feita via scanner, o arte-finalista pode atingir resultados impossíveis na técnica de pintura em acetato, pois sendo feita a pintura pelo computador, o arte-finalista tem a sua disposição softwares que aplicam diversos filtros e efeitos especiais. 9 Filmagem e Sonorização Seguindo a ficha de animação, a filmagem é feita em uma mesa especial conhecida por tabletop. Nesta etapa, o filmador fotografa um a um cada desenho do filme. Tendo a filmagem finalizada, o desenho entra em sua fase de sonorização. Esta é uma das fases mais delicadas do desenho animado, qualquer erro na filmagem, ou na sonorização resultará em refação da mesma. Tendo o computador como aliado, os estúdios atualmente finalizam seus filmes digitalmente, softwares de edição são usados, resultando em qualidade, quantidade e melhor custo-benefício. A ANIMAÇÃO NOS JOGOS DE COMPUTADOR O mercado de entretenimento vem crescendo muito nos últimos anos e o computador se tornando algo tão familiar como a televisão. Os jogos de ontem, não passam de simples rascunhos perto dos que são produzidos atualmente. As técnicas avançadas de 3d poligonais se tornam tão reais, que temos a impressão de fazermos parte do jogo. Mundos virtuais, fantasia e realidade se misturam na mente do usuário, envolvendo, seduzindo, convidando a se despir dos limites e a se tornar herói. Mas, como isto é possível? Como que num simples tocar em uma tecla, um personagem qualquer dispara algo, pula ou até voa? Da mesma maneira em que o desenho animado é produzido para cinema ou televisão, é feito na área de jogos para computador. O que difere um do outro é a sua interface, já que no primeiro não passamos de simples e passivos expectadores, enquanto no segundo, interagimos da forma que o jogo nos permite. No mercado de jogos para computador, podemos encontrar uma diversidade de títulos, os quais são divididos em:

7 Ação: Os jogos de ação são os mais cotados no mercado. Variam de simples interfaces até produções cinematográficas. Arcade: Os jogos de arcade são bem ao estilo dos jogos mais antigos que encontrávamos em fliperamas. Pac-Man, Donkey Kong e Super Mário são um exemplo de jogos arcade. Aventura: Estilo de jogo onde o usuário deve resolver enigmas. Este tipo de jogo não requer interação imediata, permitindo ao usuário tempo para raciocinar com mais calma. Esportes: Como o próprio nome já diz este tipo de jogo requer um pouco mais de habilidade e desenvoltura, entre os mais comuns temos os jogos de futebol. Estratégia: Os jogos de estratégia vão de simples jogos de tabuleiro até complicadas missões de guerra espaciais. Luta: Aparentemente a grande coqueluche de jogos de luta deu uma acalmada, mas a garotada ainda prefere este estilo de jogo. Entre estas classes de jogos, existem e ainda podem vir a existir diversos subtítulos, no geral esta classificação é usada tanto por quem produz, como por quem consome. Para que um jogo possa passar sua informação de uma maneira efetiva e convincente, três coisas são extremamente importantes: Sua programação, seus gráficos e áudios. A parte gráfica em jogos para computador se divide em cenários, animações e caracteres. Todos estes gráficos são armazenados em arquivos e vão sendo trocados conforme o andamento do jogo, ou os comandos dados pelo usuário. A trilha sonora de um jogo também pode influenciar em seu sucesso, requerendo assim extrema dedicação e atenção.

8 O áudio da mesma forma que a parte gráfica, também é armazenado em arquivos e muda em sincronismo com a ação do jogo. Para que tudo aconteça como planejado, a programação do jogo não pode ter nenhum problema quanto a sua configuração no hardware onde vai ser instalado e na execução do software. TERMOS TÉCNICOS NOS JOGOS DE COMPUTADOR Background: Cenários básicos elaborados em função de receber arquivos de animação ou sprites. Sprite: Bitmaps que são montados sobre o background, podendo ser em seqüência de animação ou fixos. Palete: A coordenação de cores é necessária para que se possa conseguir uma boa qualidade de cor, como o padrão do computador se limita a 256 cores, podemos reservar um espaço de cor para cada objeto do jogo. Estas informações relativas a cor recebem o nome de palete. Tile: Esta técnica nos permite criar várias fases de um mesmo jogo com mais facilidade, os graficos são feitos em forma de tijolos da maneira em que se encaixem em todos os lados. Com um único tile podemos preencher uma área grande sem muitos problemas. Texture: Quando trabalhamos com objetos em 3d necessitamos de um mapa que possa preencher suas áreas. Estes mapas recebem o nome de texture. Trabalhar com texture é muito parecido com tile, mas existem diferenças quanto a sua iluminação e composição. A palete de um jogo em 3d deve ser muito bem estudada, devendo ter uma grande quantidade de degradê ou gradient de uma mesma cor.

9 Os jogos que utilizam a técnica 3d tem crescido muito, e a criação de textures tem sido o principal objetivo dos artistas gráficos desta área. Saber como explorar uma cor no sentido de volume, profundidade e iluminação é uma das características básicas para aqueles que um dia querem dominar esta técnica. A tendência atual nos jogos de computador tem sido a técnica 3d, independente do título e estilo de jogo. As animações hoje mais apuradas e muito bem auxiliadas por softwares que contém uma interface desta técnica são de uma importância muito grande no geral, enquanto a programação evolui em relação a velocidade de processamento de informações, os gráficos crescem em relação a beleza e híperrealísmo. Trabalhando em conjunto, animadores e programadores são capazes de gerar mundos e personagens que acabam atuando fortemente no inconsciente de parte da população. Termos usados em jogos, falas de personagens, tornam-se gírias na comunicação entre crianças e adolescentes, expressando idéias e efetivando a influência deste mercado até na comunicação coletiva. A importância dos jogos e influência dos mesmos no desenvolvimento educacional vem a ser uma boa aplicação para esta área, a velocidade de raciocínio, percepção visual, orientação sinestésica, e outros importantes fatores de desenvolvimento e relação podem ser treinados e aprimorados com o uso de softwares de entretenimento. Cabe aos empresários e possíveis produtores encarar o produto não somente como uma máquina de dinheiro, mas sim como um aliado na educação e na comunicação cultural. CONSIDERAÇÕES FINAIS O desenho animado em si já exprime o seu objetivo final: animação, passar informações através de movimentos. Dar vida a um personagem, conseguir com que ele cative um público e venha até a influenciar gerações não é um trabalho tão simples assim. A utilização do desenho animado na área de informática, seja em multimídia ou jogos, demonstrou a sua capacidade e sua necessidade, pois nenhum jogo poderia ser

10 tão interessante sem o uso de animação. As possibilidades de utilização do desenho animado não são exploradas em sua totalidade. A capacidade de uma animação envolver o público, doutrinar e educar é de extrema importância. Situações de difícil controle podem ser analisadas e simuladas em animação, análises de física, quanto a inércia, velocidade, têm no desenho animado um forte aliado. A continuidade e a comunhão de uma época quanto a sua cultura e folclore, pode ser transmitida através de animação de uma maneira simples, bonita e objetiva. O desenho animado, que há mais de cem anos atrás era apenas experiência de sonhadores, hoje se tornou um universo grandioso, mas como próprio universo, ainda inexplorado e pouco conhecido.

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com JOGOS DIGITAIS DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com Bacharel em Sistema de Informação Pós Graduado em Games : Produção

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 3 princípios da animação professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Animação - conceito É a técnica que cria a ilusão de movimento a partir de uma sequência de desenhos ou imagens.

Leia mais

Formação em Pintura Digital. (enfoque em Concept Art) PINTURA DIGITAL 1

Formação em Pintura Digital. (enfoque em Concept Art) PINTURA DIGITAL 1 1 Formação em Pintura Digital (enfoque em Concept Art) Com o rápido e crescente desenvolvimento do mercado da computação gráfi ca, cada vez mais exigente, um profi ssional que possui um diferencial na

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA

ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA 1. DO OBJETO Constitui-se como objeto da Ata de Registro de Preço a aquisição de materiais didáticos e paradidáticos em tecnologia educacional para

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

Animação. Animação História da Animação (Instrumentos óticos) Algumas técnicas Stop Motion

Animação. Animação História da Animação (Instrumentos óticos) Algumas técnicas Stop Motion Animação Animação História da Animação (Instrumentos óticos) Algumas técnicas Stop Motion O que é animar? Significa alma, sopro de vida Animar é : Dar vida Ação Movimento A história da animação vai desde

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Desvendando Jogos 2D. Por Marcos Romero Setembro / 2008. Cyborg Arena - RHGames

Desvendando Jogos 2D. Por Marcos Romero Setembro / 2008. Cyborg Arena - RHGames Desvendando Jogos 2D Por Marcos Romero Setembro / 2008 Cyborg Arena - RHGames Jogos Casuais Paciência Windows XP Paciência deve ser o jogo mais usado no PC. O mercado de jogos casuais tem um grande potencial,

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso

Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso Os 12 Princípios Fundamentais da Animação São 12 conceitos estabelecidos pro Walt Disney como essenciais para a criação de uma

Leia mais

Animação. Animação. Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais

Animação. Animação. Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais Em sentido literal: Dar vida P.ex. Produzir uma sequência de desenhos em papel nos quais a posição de personagens muda ligeiramente em cada

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Introdução à Arte da Ciência da Computação

Introdução à Arte da Ciência da Computação 1 NOME DA AULA Introdução à Arte da Ciência da Computação Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 15 minutos Principal objetivo: deixar claro para os alunos o que é a ciência da computação e

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Game Design e Tecnologia na Incubadora

Game Design e Tecnologia na Incubadora Game Design e Tecnologia na Incubadora INCUBADORA versão final Introdução Inspirado em jogos de simulação como The Sims, INCUBADORA versão final é um espetáculo-jogo, que promove a reflexão sobre os modos

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte I

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte I Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário Parte I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Lembre-se! Ao programar um software, o usuário

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

Regulamento das oficinas

Regulamento das oficinas Regulamento das oficinas As oficinas oferecidas pelo Cine Festival Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo de Mariana são gratuitas e abertas à participação da comunidade; Cada pessoa poderá

Leia mais

DESIGN DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com

DESIGN DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com DESIGN DE GAMES DESIGN DE GAMES APRESENTAÇÃO MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com Bacharel em Sistema de Informação Pós Graduado em Games : Produção e Programação

Leia mais

REGRAS GERAIS REDE 2 horas e 30 minutos. Os desafios deverão ser entregues conforme instrução: Exemplo: desafio1_equipepentagrama

REGRAS GERAIS REDE 2 horas e 30 minutos. Os desafios deverão ser entregues conforme instrução: Exemplo: desafio1_equipepentagrama 2 REGRAS GERAIS REDE 1. Número de desafios da competição: 5. 2. Tempo máximo da competição: 2 horas e 30 minutos. Os desafios deverão ser entregues conforme instrução: a) Salvar em um arquivo, identificando

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG JornaVista: entrevista em quadrinhos 1 Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG RESUMO O presente trabalho pretende apresentar como se deu a

Leia mais

Multimédia. 3.2. Animação. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Multimédia. 3.2. Animação. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Multimédia 3.2. Animação Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Não é mais do que uma sequência de imagens Ao contrário do vídeo, as imagens são geradas e não gravadas Muito usada nos mais

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 12 Animação 12.1 - Criando Animação O 3Ds Max prevê uma série de maneiras diferentes para criar animação, e um conjunto de ferramentas para a gestão e edição de animação. Com o 3Ds Max, você pode criar

Leia mais

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local.

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Segundo Pré-teste Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Duas salas de aula da Pós-graduação do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da EESC/USP. Duração: 4 horas. Dos objetivos. Envolveu

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 02 Introdução ao Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo?

Leia mais

A animação acrescenta informação importante às cenas modeladas.

A animação acrescenta informação importante às cenas modeladas. Introdução Animação por computador é o conjunto de técnicas que utilizam o computador para gerar cenas que produzam a sensação de movimento. Origens: apoio aos desenhadores auxiliares da animação tradicional.

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Você pode dizer isso de novo! Compressão de Texto

Você pode dizer isso de novo! Compressão de Texto Atividade 3 Você pode dizer isso de novo! Compressão de Texto Sumário Desde que os computadores possuíam apenas uma quantidade limitada de espaço para armazenar informações, estes precisavam armazená-las

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima <edirlei.lima@uniriotec.br> Jogos Eletrônicos Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo? Introdução

Leia mais

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012 EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação Porto Alegre 2012 Jacqueline Gomes de Aguiar jacqueaguiar@smed.prefpoa.com.br Profª de Educação Infantil, alfabetizadora, de Língua e Literatura,

Leia mais

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez Roteiro 1 Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Autor Professor Conteudista Rafael Moralez PACC Programa Anual de Capacitação Continuada Curso: Produção de Vídeo. de Massetto, F. I.,

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 2 3D Studio Max - Inicie desenhando na vista de topo uma base Box e duas esferas Sphere. Posicione-as conforme o desenho aplicando o comando move na

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

Microsoft Power Point 2007

Microsoft Power Point 2007 Microsoft Power Point 2007 Sumário Layout e Design 4 Formatação de Textos 8 Salvando um arquivo do PowerPoint 15 Plano de Fundo 16 Marcadores 18 Réguas e grade 19 Tabelas 20 Gráficos 21 Imagens 22 Smart

Leia mais

Personagens no Autodesk Sketchbook Pro

Personagens no Autodesk Sketchbook Pro Personagens no Autodesk Sketchbook Pro Humberto Thimoteo da Cunha Descrição da Classe: Uma demonstração de como desenhar, pintar e dar vida aos personagens utilizando o Sketchbook Pro, demonstrando os

Leia mais

MULTIMÍDIA - GIMP TRABALHANDO COM TEXTOS

MULTIMÍDIA - GIMP TRABALHANDO COM TEXTOS MULTIMÍDIA - GIMP TRABALHANDO COM TEXTOS Utilizando Camadas As camadas representam uma forma efetiva para organização do trabalho. Podemos imaginar as camadas como películas sobrepostas onde podemos desenhar.

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Projeto de Jogos Parte II Gráficos

Projeto de Jogos Parte II Gráficos Projeto de Jogos Parte II Gráficos Paulo V. W. Radtke pvwradtke@gmail.com http://www.ppgia.pucpr.br/~radtke/jogos Conteúdo Introdução Vídeo Considerações (PC e celular) O Mundo em Blocos de Imagem Sprites

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa. Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio

Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa. Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio Disciplinas/Áreas do Conhecimento: Língua Portuguesa; Arte; Inglês; Projeto Interdisciplinar;

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época.

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época. IMAGEM E HISTÓRIA Os diferentes modos de registro imagético expressam o espírito de seu tempo utilizando materiais e meios que são produtos próprios da época. Pintura Rupestre mãos pincéis de penas e pêlos

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.2.Animação. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.2.Animação. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.2.Animação Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Não é mais do que uma sequência de imagens Ao contrário do vídeo, as imagens são geradas e não gravadas Muito

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

GRÁFICOS Exemplos de jogos 2D (com simulação do 3D)

GRÁFICOS Exemplos de jogos 2D (com simulação do 3D) Femur Online GRÁFICOS Exemplos de jogos 2D (com simulação do 3D) Como resultado de buscas na internet, tendo como base os jogos 2D mais famosos do mundo, obtive como resultado três tipos diferentes de

Leia mais

Da Prancheta ao Computador...

Da Prancheta ao Computador... Da Prancheta ao Computador... Introdução Como necessidade básica de se localizar ou mesmo para detalhar projetos de quaisquer obras, ao longo do tempo inúmeras formas de representar paisagens e idéias

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa G eoff Rees Be neat h t he re ef, 199 2, s er igr af i a Fot o: Fau st o Fleur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL PROGRAMA Tronco Comum SESSÃO 1 Apresentação do Workshop e Introdução à Linguagem Audiovisual 3 horas Apresentação dos intervenientes (formador e formandos). Apresentação

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

5.3.6 Impressão de Dados Variáveis Para concluir essa fase de testes práticos, resolveu-se testar uma solução para um tipo de produto gráfico que

5.3.6 Impressão de Dados Variáveis Para concluir essa fase de testes práticos, resolveu-se testar uma solução para um tipo de produto gráfico que 105 5.3.6 Impressão de Dados Variáveis Para concluir essa fase de testes práticos, resolveu-se testar uma solução para um tipo de produto gráfico que está se tornando cada vez mais disseminado e requisitado

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL N. 001/15.

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL N. 001/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL N. 001/15. O procedimento licitatório em testilha deverá estabelecer, por se tratar de bens de natureza divisível, cota de até 25% (vinte e cinco por cento)

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

Trilhando um Blues 1

Trilhando um Blues 1 Trilhando um Blues 1 Cristian Giovani Belló ROSA 2 Eduarda de Oliveira dos SANTOS 3 Francielle CARMINATTI 4 Mayara BOHNENBERGER 5 Mariana Dalpizzo DORINI 6 Robison FLEMMING 7 Arnaldo Telles FERREIRA 8

Leia mais

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação Formação em game programming: Para que um jogo eletrônico funcione adequadamente como foi projetado, é necessário que ele esteja corretamente programado. Todas as funções de controle de personagens e objetos

Leia mais

Periféricos, dispositivos de entrada e dispositivos de saída

Periféricos, dispositivos de entrada e dispositivos de saída URCAMP Universidade da Região da Campanha Tecnologia da Informação Professor: Franco Sampaio Periféricos, dispositivos de entrada e dispositivos de saída Alunos: Geovani Silveira, Kellen Botino, Karen

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo 1 Habilidades: Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho de produção dos artistas em seus meios culturais. 2 Romantismo Designa uma tendência

Leia mais

Trabalho GA - Editor de Cenário Parallax

Trabalho GA - Editor de Cenário Parallax Objetivo A tarefa consiste em criar um editor gráfico de cenários para jogos 2D com visão lateral. O editor deve permitir que o usuário trabalhe com camadas, para simular o efeito parallax. O usuário pode

Leia mais

dicas para usar o celular nas aulas

dicas para usar o celular nas aulas E-book 11 dicas para usar o celular nas aulas Sugestões de atividades com os aplicativos mais básicos e simples de um aparelho Por Talita Moretto É permitido compartilhar e adaptar este material, desde

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda)

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) NÚCLEO DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FACULDADE DA CIDADE DE MACEIÓ Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação I INTRODUÇÃO: O Núcleo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Projeto Gene: Ambiente de Apoio à Aprendizagem de Genética Baseado em Tamagotchi

Leia mais

Oficina de Edição Atividade Extensiva

Oficina de Edição Atividade Extensiva Oficina de Edição Atividade Extensiva 1. Introdução A oficina de edição é uma atividade extensiva, pois dá continuidade ao trabalho realizado nas oficinas básicas, onde aprendemos a fazer um vídeo passo

Leia mais

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE GUARULHOS

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

Nosso foco é alertar quando necessário e recuperar rapidamente os dados corretos. Análise Inteligente de Vídeo

Nosso foco é alertar quando necessário e recuperar rapidamente os dados corretos. Análise Inteligente de Vídeo Nosso foco é alertar quando necessário e recuperar rapidamente os dados corretos Análise Inteligente de Vídeo Adição de sentido e estrutura Quando se trata de vigilância por vídeo, a tendência é IP. Embora

Leia mais

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional? página 01 Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional A definição de Objeto Educacional, adotada pela equipe do projeto Arte com Ciência, é um

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Organizando Voluntariado na Escola Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Objetivos 1 Entender a importância de fazer um planejamento. 2 Aprender como planejar o projeto de voluntariado. 3 Conhecer ferramentas

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Cargo: AGENTE DE TELECOMUNICAÇÕES PC Polícia Civil do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. 3º Caderno.

Apostilas OBJETIVA Cargo: AGENTE DE TELECOMUNICAÇÕES PC Polícia Civil do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. 3º Caderno. 3º Caderno Índice Pg. Editor de Apresentações MS-PowerPoint 2010... Exercícios pertinentes... Edição de textos, planilhas e apresentações BROffice... Exercícios pertinentes... Conceitos, ferramentas, aplicativos

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi Design Digital MB3

Universidade Anhembi Morumbi Design Digital MB3 Universidade Anhembi Morumbi Design Digital MB3 FELIPE GIORDANO FERNANDO THOMÉ GABRIEL OLIVEIRA GIOVANNA ZANETTIM PITTER MARQUES RODRIGO CHISTÉ TOMMY KEPPK São Paulo 2010/1 Introdução A partir do tema

Leia mais

1 EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM A GALINHA RUIVA. Guia Didático do Objeto Educacional Digital

1 EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM A GALINHA RUIVA. Guia Didático do Objeto Educacional Digital Guia Didático do Objeto Educacional Digital LINGUAGEM 1 EDUCAÇÃO INFANTIL A GALINHA RUIVA Este Objeto Educacional Digital (OED) está relacionado ao tema da Unidade 3 do Livro do Aluno. LINGUAGEM A GALINHA

Leia mais

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação Universidade de São Paulo/Faculdade de Saúde Pública Curso de Saúde Pública Disciplina: HEP 147 - Informática Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação 1 Introdução ao Microsoft PowerPoint

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais