UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL"

Transcrição

1 UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores: tamanho da produção, quantidade de recurso envolvido, estilo da produção. Aqui tentamos sistematizar um pouco da experiência do Coletivo Catarse no que diz respeito à organização das suas produções. O importante aqui é servir como um exemplo já que não existe cartilha para isso, ou seja, tudo pode ser subvertido e reinventado. Trabalhamos com ficção e documentário. Duas naturezas diferentes que demandam diferentes dinâmicas de trabalho e em alguns momento a prática é completamente diferente. Procuramos indicar abaixo quando isso acontece. Ideia Tudo começa com a vontade de contar uma história. Então, a ideia inicial é o disparador para passarmos às outras fases. Argumento Detalhamento da história. Descrição dos personagens, situações, contexto, relação entre os personagens, indicação de início, meio (clímax) e fim. Roteiro É o guia do filme que tenta projetar no papel o que veremos editado. Em documentários: trabalha-se com um pré-roteiro já que as situações e conteúdos não podem ser previstos. Indica-se os entrevistados, locais e situações que devem ser registrados para que se conte a história. O roteiro de fato se faz quando uma parte significativa da captação acontece e o filme está prestes a ser editado. Em filmes de ficção: desde a concepção o ideal é pensar num roteiro bastante detalhado, trabalhando a decupagem da história que significa estabelecer divisão de cenas, locações, posicionamento de câmera (chamado de plano), indicações de falas, imagens de cobertura, cenas de respiro. Esse planejamento é importante para poder pensar não somente os custos do filme mas para organizar o cronograma de produção. * Diegética: realidade ficcional do filme. Produção Diz respeito à parte de planejamento logístico das filmagens e as filmagens em si. Edição Transformação do material bruto no filme final. Distribuição Quem vai assistir esse filme? Onde ele vai passar? Como ele vai chegar ao seu objetivo e qual o formato para isso?

2 ALGUMAS FUNÇÕES DE UMA EQUIPE CINEMATOGRÁFICA (Aqui vamos abrir um grande parênteses para falar sobre as funções numa equipe audiovisual. Lembrando que cada realizador tem a sua maneira de trabalhar e é muito importante fazer uma conversa com a equipe toda definindo os papéis e a responsabilidade de cada um dentro da produção que está por começar. Isso pode evitar ruídos na comunicação, brigas e conflitos.) Produção executiva: pessoa responsável pela parte burocrática do projeto a ser desenvolvido, sendo a função que executa o planejamento financeiro norteado por um orçamento. Faz os pagamentos e planeja as saídas de recurso. * Orçamento: detalhamento financeiro que pode prever o valor das remunerações, transporte, alimentação, hospedagem, custos com objetos, figurino, telefone e quaisquer outros custos que envolvam a produção. Além dos pagamentos, controla os comprovantes e notas fiscais para montar a prestação de contas. Junto com o diretor de produção e diretor pensa na logística da produção a partir do valor que tem disponível. Equipe de produção: Em produções maiores pode ser constituída pelo diretor de produção, produtor e assistente(s) de produção. É o núcleo responsável por fazer com que se tenha as condições necessárias para as filmagens, marcando entrevistas, corendo atrás da liberação de locações, marcando as viagens, executando na prática o cronograma das atividades, desatando os nós que vão aparecendo ao longo do trabalho desde as situações grandes quanto coisas pequenas como objetos, figurinos ou necessidades como pilhas e fitas crepe. Pode-se dizer, também, que é a produção que cuida da comunicação interna do grupo. É uma equipe de apoio importantíssima sem a qual o filme não tem como acontecer. O perfil de um produtor deve ser de uma pessoa totalmente consciente do projeto, que conhece os detalhes e consegue enxergar antes o que pode dar certo ou errado, se adiantando sempre. * Desenho de produção: É um mapa da produção que determina o que deve ser feito, em quanto tempo, como e por quem. Esse acompanhamento pode ser feito através de tabela, listagem, com o produtor se sentir mais confortável. O desenho de produção é imprescindível para que todos os integrantes da equipe tenham conhecimento o ponto em que a produção se encontra. Bem abaixo nesse documento tem um exemplo de desenho de produção (ANEXO 1). Direção: É a função que vai pensar em como a história vai ser contada. Vai definir a estética e linguagem do filme que incluem textura e cor da imagem, estilo de atuação, efeitos visuais. É atribuída à direção a maneira como a obra será filmada e isso é feito a partir da decupagem do roteiro. * Decupagem do roteiro: divisão das cenas com indicação dos planos. ** Cenas: conjunto de planos situados num mesmo local ou num mesmo cenário, e que se desenrolam dentro de um tempo determinado - Dicionário de Cinema, de Jean Mitry ** Planos: É um conjunto ordenado de fotogramas, limitado espacialmente por um enquadramento e temporalmente por uma duração. No momento da filmagem, o plano inicia-se sempre que a câmera é ligada para a captação de imagens e termina quando ela é desligada. Neste

3 sentido, a noção de plano confunde-se muitas vezes com a de tomada. No entanto, no cinema ficcional, um mesmo trecho narrativo pode ser encenado e filmado várias vezes de um mesmo ponto de vista, constituindo várias tomadas de um mesmo plano. Portanto, na filmagem, cada TOMADA é uma tentativa de rodar um plano. - Wikipedia A direção trabalha, com a ajuda do assistente de direção na análise técnica do roteiro. * Análise técnica (para um filme de ficção): detalhamento das demandas a partir de um roteiro que significa prever objetos, figurinos, locações, condições climáticas e outras especificidades que dependerão da história. Existem diversas outras funções que trabalham junto com o diretor para garantir a linguagem e estética do filme: direção de arte, figurino, cenografia, produção de objetos, direção de atores...podem ser inúmeras as funções numa equipe de cinema. Tudo vai depender da verba envolvida ou do potencial de mobilização da equipe se for um filme de baixo orçamento ou mesmo sem recurso Assistente de direção: Além de ajudar na análise técnica a importância do asssitente de direção está no tabelamento do conteúdo captado. Nesta tabela o assistente vai indicar quais as tomadas estão valendo ou não além de fazer outros apontamentos determinados pelo diretor. Direção de fotografia: responsável por executar, a partir do plano do diretor, a iluminação do set. Quais as fontes de luz a serem utilizadas, onde elas serão posicionadas. * Set: ambiente de filmagem em documentário ou ficção. Operação de câmera: é a pessoa que opera a câmera e executa o que é determinado pelo diretor e diretor de fotografia. Pode ser feito pelo próprio diretor ou até mesmo diretor de fotografia. Direção de áudio: determina quais os equipamentos necessários para a captação do áudio da produção. No set é responsável por montar o equipamento e posicionar os microfones, além de fazer o monitoramento do que é captado. A direção de áudio também tem o poder de cortar a filmagem se perceber que alguma coisa não vai bem com o áudio. Microfonista: auxilia a direção de áudio na hora de segurar e posicionar os microfones. Pode auxiliar no monitoramento da captação também. Direção de trilha: é o profissional que pesquisa e/ou cria a trilha sonora do filme. É aquele que pensa os climas e procura compôr e aprofundar os significados das imagens com o som. Desenho de som: É ele que desenvolve um estilo, explora as possibilidades expressivas do som, cria ligações dramáticas entre personagens, locais e objectos através de elementos sonoros, alargando a resposta emocional do filme através da sutil transformação do material sonoro, moldando-o. - wikipedia Editor: é o profissional que recebe o material bruto e o transforma no filme acabado. Trazemos aqui o conceito de que o editor apenas executa como um instrumentista as determinações da direção junto, ou não, ao roteirista.

4 Montador: o montador também é o profissional que recebe o material bruto e o transforma no filme acabado porém tem liberdade para criar sem que o diretor num primeiro momento interfira no processo criativo. Ele pode subverter o roteiro e até mesmo editar sem ter um roteiro prévio definido (no caso dos documentários). * Material bruto: sequência de imagens ou áudios captados que não sofreram edição. * Corte (1,2,3,4...): No processo da edição pode-se chegar a inúmeros cortes até que se sinta que o filme está pronto. Neste momento o filme passa para a finalização. No anexo 2, trazemos um exemplo de corte na linha do tempo do programa de edição. * Finalização: ajuste fino do filme. Neste momento normalmente colocamos efeitos, créditos, transições é, também, feito o tratamento final do áudio (masterização: nivelamento). Todas as informações contidas nesse material são de livre utilização desde que citada a fonte: Conteúdo didático elaborado pelo Coletivo Catarse de Comunicação para a oficina de produção audiovisual do Ponto de Cultura e Saúde Ventre Livre.

5 ANEXO 1 DESENHO DE PRODUÇÃO DO PROJETO CARIJO ANEXO 2 CORTE DO CURTA-METRAGEM RETRATO DA ATRIZ ENQUANTO CORPO

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL PROGRAMA Tronco Comum SESSÃO 1 Apresentação do Workshop e Introdução à Linguagem Audiovisual 3 horas Apresentação dos intervenientes (formador e formandos). Apresentação

Leia mais

As diversas fases da produção publicitária e institucional

As diversas fases da produção publicitária e institucional As diversas fases da produção publicitária e institucional Roteiro Projeto Preparação Pré-produção Filmagem Desprodução Finalização Projeto Uma vez finalizado o roteiro pela agência, o produtor (da produtora)

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

PRÉ-PRODUÇÃO E PRODUÇÃO Marilia Mello Pisani

PRÉ-PRODUÇÃO E PRODUÇÃO Marilia Mello Pisani O presente teto faz parte do curso de Produção de Vídeo e é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição Não Comercial 3.0. Não Adaptada. Permissões além do escopo dessa licença podem estar disponíveis

Leia mais

Apostila Artes Audiovisuais

Apostila Artes Audiovisuais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CAMPUS SERTÃOZINHO Apostila Artes Audiovisuais ROTEIRO Cinema,Televisão e Vídeo 3a. Revisão 2010 Prof. MS. Ricardo Stefanelli 1 Projeto para Roteiro Audiovisual Vídeo Artes

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais

Curta-metragem Se Houver Quórum 1

Curta-metragem Se Houver Quórum 1 Curta-metragem Se Houver Quórum 1 Marcelo GERNHARDT 2 Giancarlo Backes COUTO 3 Luan Menezes KONRATH 4 Lucas de Quadros POOCH 5 Leonardo COUTO 6 Fábio SCHMITZ 7 Donesca CALLIGARO 8 José Francisco Mendonça

Leia mais

AULA I: O processo de produção audiovisual. Visão geral

AULA I: O processo de produção audiovisual. Visão geral AULA I: O processo de produção audiovisual Visão geral Etapas da criação audiovisual IDEIA Roteiro Projeto Captação Preparação Pré-Produção Filmagem Desprodução Finalização A PRODUÇÃO Fases: PRÉ-PRODUÇÃO

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Regulamento das oficinas

Regulamento das oficinas Regulamento das oficinas As oficinas oferecidas pelo Cine Festival Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo de Mariana são gratuitas e abertas à participação da comunidade; Cada pessoa poderá

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

Aula 05. CINEMA: profissões

Aula 05. CINEMA: profissões Aula 05 CINEMA: profissões Profissões do Cinema O cinema pode ser dividido em diversos processos, onde se envolvem diferentes tipos de profissionais: Roteiro Produção Realização Decupagem Decupagem de

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda)

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) NÚCLEO DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FACULDADE DA CIDADE DE MACEIÓ Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação I INTRODUÇÃO: O Núcleo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 12035351 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA LINGUAGEM DO SOM E DA IMAGEM II (Áudio/Vídeo)

Leia mais

Prefácio... 9 Introdução... 11

Prefácio... 9 Introdução... 11 SUMÁRIO Prefácio... 9 Introdução... 11 1. Um caminho para a produção em vídeo de baixo orçamento: cinema de grupo... 15 Criando um curta-metragem em vídeo...17 2. O roteiro... 20 A ideia (imagem geradora)...20

Leia mais

Produção Eletrônica em Rádio e TV

Produção Eletrônica em Rádio e TV Produção Eletrônica em Rádio e TV Conceitos de Produção Audiovisual Etapas de Produção Sinopse, Roteiro, Análise Técnica Equipe Técnica / Produção Planos e Movimentos de Câmera Prof. Dirceu Lemos dirceulemos@yahoo.com.br

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 Gabriela Viero GARCIA 2 Jana GONÇALVES 3 Samira Tumelero VALDUGA 4 Luciano MATTANA 5 Universidade Federal

Leia mais

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional? página 01 Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional A definição de Objeto Educacional, adotada pela equipe do projeto Arte com Ciência, é um

Leia mais

Passo a passo para fazer um bom vídeo. 1. Escolher a história

Passo a passo para fazer um bom vídeo. 1. Escolher a história Passo a passo para fazer um bom vídeo 1. Escolher a história Os vídeos devem relatar histórias verídicas de cidadania vivida em função da correta aplicação das normas previstas no Estatuto da Criança e

Leia mais

GUIA BÁSICO PARA PRODUÇÃO DE UM FILME DIGITAL

GUIA BÁSICO PARA PRODUÇÃO DE UM FILME DIGITAL A Filmagem O roteiro foi preparado, a câmera está pronta e então chegou o grande dia de se começar a filmar. Ótimo, mas antes de ligar a câmera, temos que atentar para alguns detalhes básicos. Mas espere

Leia mais

a p r e s e n t a CARTILHA EXPO.GRITO

a p r e s e n t a CARTILHA EXPO.GRITO a p r e s e n t a CARTILHA EXPO.GRITO ÍNDICE Pré Produção 04 Produção 11 Pós Produção 12 Contatos 13 PRÉ PRODUÇÃO 1) Levantamento do SPOT Foto boa, Medidas, Características do ponto, Tratamento do local

Leia mais

Coordenação de (CAC) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO SFO

Coordenação de (CAC) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO SFO Coordenação de Acompanhamento de Projetos (CAC) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO SFO Coordenação de Acompanhamento de Projetos - CAC Prorrogação do Prazo de Captação Controle do Prazo de conclusão/execução

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014 Curso Profissional Técnico Multimédia Planificação Disciplina: Design, Comunicação e Audiovisuais Ano: 11º Conteúdos Objetivos Estratégias/Atividas

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

Pós-Produção. Prof. Adriano Portela

Pós-Produção. Prof. Adriano Portela Pós-Produção Prof. Adriano Portela Pós-Produção A pós-produção pode ser o aspecto menos compreendido pelo produtor. É nessa fase que as cenas e o áudio são editados e mixados para criar uma obra coerente

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO: WINDOWS MOVIE MAKER TUTORIAL

NÚCLEO DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO: WINDOWS MOVIE MAKER TUTORIAL NÚCLEO DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO: WINDOWS MOVIE MAKER TUTORIAL O que é o Windows Movie Maker? É um programa que permite criar nossos próprios filmes com som, músicas, transição e efeito de vídeo.

Leia mais

CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA

CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA Carlos Gerbase 1 Resumo Este ensaio mostra as diversas fontes que podem ser utilizadas na crítica genética de roteiros de cinema (incluindo não só textos, mas também

Leia mais

II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Anexo II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR I Orientações Gerais (Qualquer área) a) Projeto com duração superior a seis meses deverá apresentar, pelo menos, 25% (vinte e cinco

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRODUZIR VÍDEOS PARA AS INICITAIVAS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY,

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRODUZIR VÍDEOS PARA AS INICITAIVAS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY, Termo de Referência CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRODUZIR VÍDEOS PARA AS INICITAIVAS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY, EM SÃO FÉLIX DO XINGU, NO ESTADO DO PARÁ. INTRODUÇÃO E CONTEXTO A The Nature

Leia mais

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez Roteiro 1 Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Autor Professor Conteudista Rafael Moralez PACC Programa Anual de Capacitação Continuada Curso: Produção de Vídeo. de Massetto, F. I.,

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Trilhando um Blues 1

Trilhando um Blues 1 Trilhando um Blues 1 Cristian Giovani Belló ROSA 2 Eduarda de Oliveira dos SANTOS 3 Francielle CARMINATTI 4 Mayara BOHNENBERGER 5 Mariana Dalpizzo DORINI 6 Robison FLEMMING 7 Arnaldo Telles FERREIRA 8

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

VÍDEO. Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui

VÍDEO. Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui VÍDEO Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui O QUE É VÍDEO? Vídeo do latim eu vejo é uma a tecnologia de processamento de sinais eletrônicos (analógicos ou digitais) para capturar, armazenar

Leia mais

TREINAMENTOS DE ÁUDIO CUSTOMIZADOS PARA

TREINAMENTOS DE ÁUDIO CUSTOMIZADOS PARA TREINAMENTOS DE ÁUDIO CUSTOMIZADOS PARA TV Técnicas de captação VIDEO Desenho de som CINEMA Pós-produção DESTINADOS A A evolução da resolução dos arquivos nas mídias digitais (TV digital, cinema DIRETORES

Leia mais

Projeto Revelando Brasília

Projeto Revelando Brasília Consulta de Preços N 032/2013 RETIFICADO A Fundação Assis Chateaubriand, inscrita no CNPJ sob o n 03.657.848/0001-86, com sede no SIG/SUL Quadra 02, Nº 340, Bloco 01, Térreo, Brasília/DF, torna pública

Leia mais

REGULAMENTO do Prêmio Griô na Escola, na Internet e na TV Concurso de propostas de realização de vídeos, registros audiovisuais e oficinas

REGULAMENTO do Prêmio Griô na Escola, na Internet e na TV Concurso de propostas de realização de vídeos, registros audiovisuais e oficinas REGULAMENTO do Prêmio Griô na Escola, na Internet e na TV Concurso de propostas de realização de vídeos, registros audiovisuais e oficinas 1. O Concurso e seus objetivos 1.1. O Prêmio Griô na Escola, na

Leia mais

3.1. MOSTRA ESTUDANTIL

3.1. MOSTRA ESTUDANTIL REGULAMENTO 2015 1 - O EVENTO O 14º Festival Nacional de Cinema Estudantil de Guaíba / RS, o CinestudantilGuaíba acontece de 20 a 29 de novembro de 2015, em Guaíba, Rio Grande do Sul. O evento tem por

Leia mais

EDIÇÃO Marilia Mello Pisani

EDIÇÃO Marilia Mello Pisani O presente texto faz parte do curso de Produção de Vídeo e é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição Não Comercial 3.0. Não Adaptada. Permissões além do escopo dessa licença podem estar

Leia mais

ENCUENTRO LATINOAMERICANO DE DISEÑO. Universidad de Palermo. Para ser publicado en Actas de Diseño.

ENCUENTRO LATINOAMERICANO DE DISEÑO. Universidad de Palermo. Para ser publicado en Actas de Diseño. ENCUENTRO LATINOAMERICANO DE DISEÑO. Universidad de Palermo. Para ser publicado en Actas de Diseño. Autores: HOMMERDING, Tales. ; BERARD, Rafael de Moura. ; MERINO, Eugênio. Título: A contribuição do design

Leia mais

Oficina de Edição Atividade Extensiva

Oficina de Edição Atividade Extensiva Oficina de Edição Atividade Extensiva 1. Introdução A oficina de edição é uma atividade extensiva, pois dá continuidade ao trabalho realizado nas oficinas básicas, onde aprendemos a fazer um vídeo passo

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DOS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

Prêmio Respostas para o Amanhã O Vídeo na Prática Educativa

Prêmio Respostas para o Amanhã O Vídeo na Prática Educativa Prêmio Respostas para o Amanhã O Vídeo na Prática Educativa Sumário 1. Apresentação 2. O vídeo como ferramenta de transformação 3. Orientações técnicas 3.1. Roteiro: o planejamento do vídeo 3.2. Recursos

Leia mais

WORKSHOPS CINE DESIGN 2010. Workshop 1 FIGURINO Com Luciana Buarque (PE/RJ)

WORKSHOPS CINE DESIGN 2010. Workshop 1 FIGURINO Com Luciana Buarque (PE/RJ) WORKSHOPS CINE DESIGN 10 Workshop 1 FIGURINO Com Luciana Buarque (PE/RJ) A oficina tem como proposta mapear o processo de criação de um figurino, seja qual for a mídia ao qual se destine, desde a compreensão

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

APÊNDICE Como se faz Cinema PARTE 2 Etapas da Produção

APÊNDICE Como se faz Cinema PARTE 2 Etapas da Produção Apostila de Cinematografia Prof. Filipe Salles 103 APÊNDICE Como se faz Cinema PARTE 2 Etapas da Produção 1.Pré-Produção A etapa de pré-produção de um filme começa quando há verba disponível; e portanto,

Leia mais

Instituto CARANGUEJO

Instituto CARANGUEJO Apresenta: OFICINA DE ANIMAÇÃO STOP MOTION O que é Stop Motion? Stop Motion é uma técnica de animação feita quadro a quadro através de fotos. Desse modo um objeto inanimado ganha vida, através de uma ilusão

Leia mais

CONCEITOS. Artes História do retrato-pintura. História do retrato-fotografia. Arte e tecnologia. Matemática Transformações.

CONCEITOS. Artes História do retrato-pintura. História do retrato-fotografia. Arte e tecnologia. Matemática Transformações. Sala de Professor MESTRE JÚLIO: RETRATO PINTADO CONCEITOS Artes História do retrato-pintura. História do retrato-fotografia. Arte e tecnologia. Matemática Transformações. Sociologia Indústria cultural.

Leia mais

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã Oficina de Roteiro - Onda Cidadã ---Pesquisa Todo vídeo necessita de pesquisa para ser produzido. Isto ajuda a organizar as ideias e facilita a produção. Faça a sua própria pesquisa (...) você deve fazer

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1134 EDITAL Nº 001/2014 1. Perfil: I - Consultoria para monitoramento e avaliação acerca de como se dá a apropriação de conteúdos, conceitos e novas

Leia mais

bgreen // ecological film festival

bgreen // ecological film festival bgreen // ecological film festival GUIA TÉCNICO PARA A CRIAÇÃO DE UM SPOT APRESENTAÇÃO Este guião pretende ajudar os jovens na elaboração um spot de vídeo de modo a participarem no Bgreen ecological film

Leia mais

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR 1 Projeto Básico da Contratação de Serviços: 1.1 O presente Projeto Básico consiste na contratação de empresa para realizar serviços de filmagem, edição e produção de vídeos para

Leia mais

Preparação Corporal para Dança Iniciação ao Piano e Teclado Página 1 de 5

Preparação Corporal para Dança Iniciação ao Piano e Teclado Página 1 de 5 Preparação Corporal para Dança Trabalha as noções básicas do corpo com relação à dança, abordando aspectos físicos e estéticos da linguagem do movimento. 11/11 (Terça-feira) Iniciação ao Piano e Teclado

Leia mais

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som Imagens Sonoras por Caio Amon A Expansão da Imagem pelo Som Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Aprenda a produzir som e trilha para seus projetos. Imagens Sonoras A Expansão

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

De Ponto a Ponto: a experiência de um roteiro vivo 1

De Ponto a Ponto: a experiência de um roteiro vivo 1 De Ponto a Ponto: a experiência de um roteiro vivo 1 Aline Guerra SANTOS 2 Vanessa Matos dos SANTOS 3 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO O roteiro do programa De ponto a ponto tem

Leia mais

CURSO DE CINEMA CINEMALOGIA. da Ideia ao Filme PRÉ-PRODUÇÃO RODAGEM PÓS-PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO

CURSO DE CINEMA CINEMALOGIA. da Ideia ao Filme PRÉ-PRODUÇÃO RODAGEM PÓS-PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO CURSO DE CINEMA CINEMALOGIA da Ideia ao Filme PRÉ-PRODUÇÃO RODAGEM PÓS-PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO Novembro de 2014 a Junho de 2015 curso de cinema CINEMALOGIA 4 da Ideia ao Filme Novembro de 2014 a Junho

Leia mais

Como fazer o seu curta transformador!

Como fazer o seu curta transformador! Como fazer o seu curta transformador! Se você é jovem e conhece alguém - pode ser você mesmo! - que tem uma história ou uma ideia que mudou, vem mudando ou pode mudar para melhor a vida das pessoas e a

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO Ano Lectivo 2008/2009 TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO Em nenhuma época histórica o homem teve tantas possibilidades de transportar e comunicar ideias. Francisco Gutierrez Na

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 2012

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 2012 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 2012 CARGO: OPERADOR DE CÂMERA DE CINEMA E TV ETAPA 1 - MANHÃ Horário de sorteio da prova: 07h45min Horário de início da

Leia mais

Filmes com muitas vontades

Filmes com muitas vontades Filmes com muitas vontades Clarisse Alvarenga Desde a década de 1970, vêm sendo empreendidas algumas tentativas ainda autorais e incipientes, partindo de cineastas brasileiros, como Andrea Tonacci e Aluysio

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Condições. A nova edição de Macau - O Poder da Imagem arranca agora! Uma aventura para os sentidos!

Condições. A nova edição de Macau - O Poder da Imagem arranca agora! Uma aventura para os sentidos! A nova edição de Macau - O Poder da Imagem arranca agora! Uma aventura para os sentidos! Macau - O Poder da Imagem está de volta para continuar a estimular o cinema local, incentivando os nossos artistas

Leia mais

Como produzir um. Vídeo. .com. propaganda>marketing>web

Como produzir um. Vídeo. .com. propaganda>marketing>web 1 - ROTEIRO O que é? Como fazer - exemplo. 2 - STORYBOARD O que é? Como fazer - exemplo 3 - CAPTAÇÃO DE IMAGENS Cenas, planos, modos, etc. 4 - LOCUÇÃO Abordagem dramática. 5 - EDIÇÃO DE AUDIO E VÍDEO O

Leia mais

11ª MOSTRA ABD CINE GOIÁS LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD-GO 2ª EDIÇÃO

11ª MOSTRA ABD CINE GOIÁS LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD-GO 2ª EDIÇÃO 11ª MOSTRA ABD CINE GOIÁS LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD-GO 2ª EDIÇÃO REGULAMENTO DATA E LOCAL Artigo 1º O LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD- GO 2ª EDIÇÃO ocorrerá simultaneamente

Leia mais

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA 1 VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA Curitiba PR Maio 2014 Alexandre Oliveira Universidade Positivo Online alexandre@alexandreoliveira.com Pâmella de Carvalho Stadler Universidade

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: 108-16

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: 108-16 SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: 108-16 Em conformidade com o Regulamento de Compras e Contratações de Obras e Serviços da Organização Social de Cultura Associação Amigos do Projeto Guri, decreto nº.

Leia mais

Fazendo cinema na escola

Fazendo cinema na escola Fazendo cinema na escola Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Alex Moletta FAZENDO CINEMA NA ESCOLA Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Copyright 2014 by Alex Moletta Direitos desta

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL DEINTER PROEXT 2014

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL DEINTER PROEXT 2014 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL DEINTER PROEXT 2014 EDITAL 02/2014 SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA PROGRAMA DE EXTENSÃO O Departamento de

Leia mais

Guerra dos Mundos em São Luís 1

Guerra dos Mundos em São Luís 1 Guerra dos Mundos em São Luís 1 Ana Paula Silva de SOUSA 2 Dara de Sousa SANTOS 3 Silvanir Fernandes da SIVA 4 Polyana AMORIM 5 Universidade Federal do Maranhão, MA RESUMO O documentário Guerra dos Mundos

Leia mais

A Identidade do Anjo 1. Raquel MÜTZENBERG 2 Isadora SPADONI 3 Mariana MARIMON 4 Marluce SCALOPPE 5 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT

A Identidade do Anjo 1. Raquel MÜTZENBERG 2 Isadora SPADONI 3 Mariana MARIMON 4 Marluce SCALOPPE 5 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT A Identidade do Anjo 1 Raquel MÜTZENBERG 2 Isadora SPADONI 3 Mariana MARIMON 4 Marluce SCALOPPE 5 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT RESUMO Documentário expositivo de 10 minutos que aborda

Leia mais

multipliquem vídeos redes sociais Blog da sua escola curta-metragem Como contar uma história em vídeo usando o celular e câmeras digitais simples?

multipliquem vídeos redes sociais Blog da sua escola curta-metragem Como contar uma história em vídeo usando o celular e câmeras digitais simples? O Programa Vídeo-Interatividade pretende introduzi-los no universo audiovisual-digital de forma que multipliquem as experiências que passarão durante o projeto Jovens Turistas, e explorem as diferentes

Leia mais

FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL BIÊNIO 2011/2012

FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL BIÊNIO 2011/2012 FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL BIÊNIO 2011/2012 ANEXO I: REGULAMENTO: PRODUÇÃO DE LONGAS-METRAGENS 1. DO OBJETO DO PATROCÍNIO 1.1 Serão aceitos projetos inéditos para a produção de

Leia mais

Seo Tuta, Um homem de som e imagem 1

Seo Tuta, Um homem de som e imagem 1 Seo Tuta, Um homem de som e imagem 1 Paulo Harison Lima Maia 2 Carlos Fernanda Guiraldo 3 Gilmar Aparecido Fernandes 4 Beatris Felício Paschoalini 5 Vitor Bergamo Nunes 6 Renata Boutin Becate 7 Centro

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS. De 04 a 08 de novembro de 2015

10º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS. De 04 a 08 de novembro de 2015 10º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS De 04 a 08 de novembro de 2015 REGULAMENTO I DA DATA E LOCAL Art. 1º: O 10º ENCONTRO

Leia mais

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br O Projeto O Homem e a Bolsa é uma investigação documental a partir das principais bolsas de valores mundiais, incluindo-se aí a do Brasil. Em nossos levantamentos preliminares, buscamos as Bolsas de Nova

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Curso: 50 CINEMA Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: criado pela Resolução n 008/CEG/2003, de 18 de dezembro de 2003 Resolução nº 020/CEG/2008, de 26/11/2008 Reconhecido

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Tutorial de animação

Tutorial de animação Tutorial de animação Uma animação nada mais é que uma sequência de imagens estáticas que, quando mostradas rapidamente, dão a ilusão de movimento. Selecionamos um conjunto de dicas para você, professor(a),

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare CONCEITOS A EXPLORAR L íngua Portuguesa Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. Signos lingüísticos verbais e não-verbais. A rte O teatro elisabetano. Dramaturgia (conflito dramático

Leia mais

CONCURSO. Curtas-Metragens de Animação em Língua Portuguesa. - CurtMAR - Tema Centralizador: OCEANO

CONCURSO. Curtas-Metragens de Animação em Língua Portuguesa. - CurtMAR - Tema Centralizador: OCEANO CONCURSO Curtas-Metragens de Animação em Língua Portuguesa - CurtMAR - Tema Centralizador: OCEANO Regulamento: Condições gerais 1. As Curtas-Metragens de animação ou documentário devem ser originais e

Leia mais

Guia Básico para Produção Audiovisual

Guia Básico para Produção Audiovisual Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/b/98/ca/mnemocine/public_html/libraries/gantry/core/gantrytemplate.class.php on line 645 Warning: array_key_exists() [function.array-key-exists]:

Leia mais

ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL Nº 10036/2010. Contratação de Empresa de Consultoria

ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL Nº 10036/2010. Contratação de Empresa de Consultoria ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL Nº 10036/2010 Contratação de Empresa de Consultoria 1. Antecedentes O Programa Bolsa Família, lançado em outubro de 2003, constitui-se em um programa de transferência

Leia mais

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa.

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa. Pare de assistir e comece a escrever, criar e produzir para a televisão! A arte de contar histórias é a força cultural dominante no mundo contemporâneo, e as séries televisivas são o meio mais atraente

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

Vídeo institucional para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá: apoio e solidariedade 1

Vídeo institucional para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá: apoio e solidariedade 1 Vídeo institucional para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá: apoio e solidariedade 1 Welytton Cesar Cabral Mazzer HERRERA 2 Ailton Pereira BARBOSA 3 Gilson Moraes da COSTA 4 Antonio Carlos do AMARAL

Leia mais