Sintomas e doenças comuns

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sintomas e doenças comuns"

Transcrição

1 CAPÍTULO 16 Sinomas e doenças comuns Nese capíulo se descreem os sinomas e as doenças mais comuns referidos pelos doenes. A febre, apesar de ser um sinoma comum, é descria no capíulo 17, juno com a malária. Ouros sinomas comuns, por exemplo os relacionados com os problemas da boca, olhos e pele, são ambém descrios em ouros capíulos. Se não enconrar o sinoma ou doença comum nese capíulo, procure no Índice de Assunos ou no Índice. Dor Dee-se procurar sempre a causa da dor. A dor crónica acompanha as doenças crónicas, como SIDA, cancro, arrie/reumaismo e pode proocar depressão e cansaço. Um doene com dor necessia de ser escuado e compreendido. Os familiares deem ser orienados sobre a dor, suas causas e como apoiar e dar conforo ao doene. Formas de aliiar a dor 1. Medicamenos: as dores simples podem ser aliiadas com paraceamol ou AAS. Dee ser aaliado o horário da dor, para se conhecer em que momeno ela é mais inensa e assim adapar as omas, para ober um bom efeio no momeno das dores. É imporane dar os medicamenos conra a dor anes do momeno em que ela é mais inensa. 2. Dee eiar-se as causas de desconforo ais como sons alos, lues fores. Mas a disracção araés da música ou da rádio pode ajudar. Pode ambém pedirse ao doene que se concenre a pensar num aconecimeno feli da sua ida, ou numa paisagem de que ele gose, e para pensar nisso apenas. 3. A massagem suae pode aliiar alguns ipos de dores. 4. A respiração profunda e lena pode ajudar o doene a relaxar, aliiando a dor. 5. Em ceros casos, pode ajudar a aplicação de compressas quenes ou geladas. 282

2 Se a dor é grae ou crónica, o doene dee ser ransferido para uma consula do clínico. Se é acompanhada por conulsões ou confusão menal, dee-se ransferir o doene para uma unidade saniária com mais recursos. Dores de cabeça (cefaleias) e enxaqueca Uma simples dor de cabeça pode passar com repouso e AAS ou paraceamol. Um pano molhado em água quene e colocado na nuca ou uma massagem suae (esfregar) na nuca e nos ombros pode aliiar a dor. Para uma simples dor de cabeça ou ensão, os remédios caseiros funcionam ão bem como os medicamenos modernos. Remédio caseiro AAS Há muias causas de dor de cabeça. A dor de cabeça é frequene em qualquer doença que cause febre, por exemplo malária. Uma dor muio fore, pode significar meningie. Procure os sinais de meningie, incluindo rigide da nuca (er pág. 376). A dor de cabeça causada por sinusie pode ser acompanhada por corrimeno nasal. Frequenemene, a dor de cabeça esá ligada a ansiedade (nerosismo). Nese caso, a dor é crónica, bilaeral, criando sensação de peso, de apero ou de ferida que se acenua com deerminadas aciidades (ler, escreer) ou siuações emocionais (enrar no seriço). A resposa aos analgésicos neses casos é geralmene fraca. Traar com aconselhameno. Técnicas de relaxameno podem ambém ajudar. Dores de cabeça que se repeem com frequência, podem ser sinal de doença crónica. Se a dor não passa, dee ransferir o doene para uma unidade saniária com mais recursos. A enxaqueca é uma dor de cabeça fore, de carácer laejane, muias ees acompanhada de náusea e ómios, ou sensibilidade à lu. Algumas ees aparece dum só lado da cabeça. Pode durar 6 a 48 horas. 283

3 Às ees o aaque começa com perurbações isuais, ais como cinilações em frene dos olhos. A enxaqueca prooca muias dores, mas não é perigosa. Um aaque de enxaqueca pode ocorrer muias ees, ou apenas 1 e por mês ou por ano. A enxaqueca pode ser precipiada por muias causas: ceras comidas e bebidas, sress, mensruação. Dee-se aconselhar o doene a idenificar e afasar as causas que precipiam o aaque, como por exemplo: comida e bebida, sress. Quando surgem os primeiros sinomas de enxaqueca aconselhar: Deiar-se num lugar escuro e sossegado. Relaxar o melhor possíel. Não pensar nos problemas. Tomar muios líquidos. Colocar na esa um pano molhado em água fria. Tomar um analgésico: AAS, paraceamol, ibuprofeno ou diclofenac. AAS A erapia é mais efica se iniciada logo que surgem os primeiros sinomas de enxaqueca. Se os doenes sofrem de enxaquecas graes e frequenes, deem ser ransferidos para uma unidade saniária com mais recursos. Medicamenos mais fores podem ajudar. Dores nas ariculações (arrie/reumaismo) Arrie aguda Geralmene não há hisória anerior de dor nas ariculações. As ariculações aingidas esão inchadas e quenes. O doene em dor e dificuldade em moimenar a ariculação. Causas: Há 2 causas principais de arrie aguda: 1. infecção deido a ários micróbios 2. inflamação deido a ouras doenças 284

4 Se apenas uma ariculação esá inchada ou quene, proaelmene esá infecada principalmene se o doene em febre. Ariculações dolorosas podem ser um sinal de ouras doenças graes como a febre reumáica (principalmene em crianças, er pág. 467), a gonorreia (er pág. 443) ou a uberculose (er pág. 380). Traameno: Dar AAS ou paraceamol para as dores e um anibióico como a genamicina (er pág. 701) e ransferir urgenemene para uma unidade saniária com mais recursos. Transferir odos os doenes com arrie aguda. Arrie crónica A arrie crónica é mais frequene nas pessoas idosas. Os mais joens podem conraí-la depois de fracuras de ossos. As ariculações enolidas são: coluna, anca, joelho e dedos. Há dor e dificuldade nos moimenos, que inicia lenamene. Traa-se duma doença de eolução crónica. A dor agraa-se com as mudanças de emperaura e ao leanar ou carregar pesos; melhora com o descanso. Traameno: Para aliiar, dar os seguines conselhos ao doene: Repousar. Se possíel, eiar rabalho e exercícios pesados que causem dores nas ariculações. Mas não parar de faer exercício, porque ai ficar mais fraco. Não repousar por mais duma semana. É ambém imporane faer exercícios simples para ajudar a maner ou aumenar a exensão dos moimenos nas ariculações doridas. Colocar compressas mornas nas ariculações que doem. Paraceamol e AAS ajudam a aliiar a dor. Tomar as ouras medidas simples já recomendadas para o alíio da dor. Se o doene for obeso, reduir o peso com diea. Se as dores não aliiam com esas medidas, usar ibuprofeno (er pág. 720) ou diclofenac (er pág. 720). Quando o doene esier melhor, reduir a dose ou passar a AAS ou paraceamol. 285

5 Dores nas cosas A dor nas cosas é uma queixa muio frequene e as causas ariam desde uma simples disensão muscular por carregar objecos pesados aé a causas mais graes como a uberculose e umores com paralisia. Causas: As dores nas cosas em crianças e joens êm geralmene uma causa definida. Homens e mulheres êm frequenemene dores nas cosas deidas ao rabalho, paricularmene se carregarem objecos pesados. As pessoas mais elhas êm com frequência arrie que causa dor recorrene e inensa. Ter em aenção que dores nas cosas podem ser deidas a uberculose da coluna (er pág. 380), principalmene se a coluna dorsal em uma eleação ou caroço. Como disinguir a dor de cosas grae com a que desaparece com o repouso e analgésicos? Há 4 combinações possíeis de sinomas: 1. Dor nas cosas apenas Inesigar: i) Quando começou ii) Como começou iii) Grau de inensidade, por exemplo, impede de dormir à noie? Impede de rabalhar? Necessidade de medicamenos conra a dor? 2. Dor nas cosas e dor na perna i) Irradia para a nádega? ii) Irradia aé abaixo do joelho? iii) É uma dor inensa ou em ponada? 3. Dor nas cosas com formigueiro e fraquea na perna 4. Dor nas cosas com dificuldade de urinar ou defecar. 286

6 Cada conjuno de sinomas mosra um ipo de dor nas cosas de graidade crescene. Exame físico O exame físico não fornece grande ajuda, a não ser que exisam sinais eidenes. Obseração Obserar a forma geral da coluna. É normal haer uma cura na região superior da coluna. Na região inferior da coluna (lombar) obsera-se o oposo, a barriga da cura esá para denro. Tudo que alere esa forma normal significa a exisência duma doença. Exemplo: um doene em uma saliência que sobressai niidamene da coluna. É proaelmene uberculose da coluna. Moimenos Colocar o doene de pé, de cosas para si, e pedir-lhe para se dobrar para baixo deagar e suaemene com os braços esicados e solos na frene dele. Quase oda a gene consegue faer iso sem dificuldade e as ponas dos dedos podem chegar ao níel dos joelhos ou mais abaixo. Os joens, por ees, conseguem ocar nos pés. Uma pessoa com dor de cosas dificilmene se dobra mais que uns poucos cenímeros. Compressão nerosa Deiar o doene e leanar-lhe a perna esendida. Verificar aé onde consegue chegar sem causar dor. As pessoas normais permiem que as suas pernas sejam eleadas pelo menos 70 graus. Se iso não aconece, significa que há compressão nerosa. 287

7 Fraquea Depois, dee-se faer as seguines manobras para erificar a força muscular dos membros, comparando sempre os dois lados: Empurrar e puxar os pés do doene conra a sua mão. Deiar o doene e pedir-lhe para leanar uma perna e depois a oura. Sensibilidade Examinar o doene para fala de sensibilidade (er pág. 84). Traameno e decisão sobre quando ransferir para uma unidade saniária com mais recursos: Exisem muios doenes com dor nas cosas e não podem ser odos ransferidos. Um grande número de doenes com dor nas cosas apenas, melhorará com AAS ou paraceamol. Deem coninuar com as suas aciidades habiuais. Às ees o repouso ajuda a melhorar. Se o doene em dor nas cosas e nas pernas, dee ser obserado com mais frequência mas o raameno é ambém AAS ou paraceamol. Os doenes com dor nas cosas, nas pernas, fraquea e perda de sensibilidade êm um problema grae e deem ser ransferidos para uma unidade saniária com mais recursos. Os doenes com odas as queixas acima e que não conseguem urinar e esão com obsipação há 3 dias ou mais deem ser ransferidos urgenemene para uma unidade saniária com mais recursos. Os doenes que êm a forma de coluna alerada deem ser ransferidos para uma unidade saniária com mais recursos. 288

8 Anemia Uma pessoa com anemia em o sangue fraco. Iso aconece quando ela perde sangue ou os glóbulos ermelhos (células que dão cor ao sangue) são desruídos mais depressa do que a capacidade do corpo em produi-los. Os glóbulos ermelhos são desruídos na malária e na anemia falciforme. Uma alimenação em que falem alimenos ricos em ferro (er pág. 160) pode causar ou piorar a anemia. A perda de sangue por árias causas pode resular em anemia. Exemplos são: parasias inesinais (ancilosoma e richuris, bilhariose, feridas profundas, úlcera pépica, e diseneria. Na perda de sangue pelo raco gasroinesinal, as fees podem ser escuras. Também podem causar anemia: o sangrameno mensal na mulher (mensruação), as graidees repeidas e o aboro. A anemia é muio frequene durane a graide e é perigosa para a mãe e para o bebé. A anemia é frequene nos doenes com SIDA, por ees deido a infecções oporunisas, malnurição, oxicidade dos medicamenos ou umores malignos. Os sinais de anemia são: palide na palma da mão na pare inerior das pálpebras na língua na pare inerna dos lábios unhas esbranquiçadas fraquea e cansaço se a anemia é muio grae, a pessoa pode ficar com o roso e pernas inchados, baimeno rápido do coração e respiração rápida A anemia pode ser confirmada medindo o níel de hemoglobina no sangue. O alor normal de hemoglobina aria enre 12 a 15 g/dl na mulher e 13 a 17 g/dl no homem. Nas mulheres gráidas e crianças de 6 meses aé aos 5 anos de idade, a anemia é definida como sendo hemoglobina menor de 11 g/dl. Para ajudar a preenir e raar a anemia, comer alimenos ricos em ferro (er pág. 160). 289

9 Traameno: Adminisrar comprimidos de sal ferroso (er pág. 726), ou sal ferroso e ácido fólico (er pág. 725), para raar a anemia. Adminisrar mebendaol (er pág. 717) para raar as parasioses. Adminisrar um animalárico, caso haja malária (er pág. 711). Se a anemia é grae (mucosas muio pálidas, fraquea e cansaço) ou muio grae (baimeno rápido do coração e respiração rápida) dee-se ransferir o doene com urgência para uma unidade saniária com mais recursos. Pica (comer erra) Exise o hábio, em alguns países, de comer areia aermelhada para preenir e raar a anemia. Embora a erra possa coner ferro, não é um bom hábio, porque a erra pode esar conaminada (por exemplo, com oos de parasias). É melhor ober o ferro araés dos alimenos, em e de gasar dinheiro comprando erra. Cansaço Ese sinoma é muio frequene e esá relacionado com ouras condições. Ese sinoma não esá relacionado com aciidade ou exercício físico do indiíduo e, geralmene, não é aliiado pelo descanso. Dee-se aaliar as possíeis causas, como por exemplo: Malnurição Anemia Infecções, como, por exemplo, a uberculose Efeios adersos dos medicamenos Dor crónica Insónia HIV e SIDA Depressão (er pág. 666) Cancro O raameno do cansaço depende da sua causa. Se não exisir uma causa aparene pode ser manejado com apoio emocional, fisioerapia, relaxameno, e eiar o que pode agraar o cansaço. 290

10 Conulsões (aaques) Diemos que uma pessoa em conulsões quando, de repene, ela perde a consciência e em conracções e sacudidelas inolunárias do corpo. As conulsões são causadas por um problema cerebral. Em crianças pequenas, as causas mais frequenes de conulsões são a malária cerebral, a meningie e ouras causas de febre eleada. Para conselhos sobre as conulsões no recém-nascido, er pág Nas gráidas, a causa mais frequene é a oxemia (eclampsia, er pág. 291). Se uma pessoa em conulsões frequenemene, pode ser que sofra de epilepsia (er pág. 478). As conulsões são um sinal de perigo. O doene dee ser ransferido para uma unidade saniária com mais recursos. COMO E O QUE FAZER DURANTE A CONVULSÃO? Colocar o doene na posição laeral de segurança (er pág. 246). Não inroduir nada na boca para manê-la abera. Aspirar as secreções, quando necessário. Se ier febre ala, baixá-la imediaamene faendo arrefecimeno corporal. Eiar que a pessoa se magoe. Afasar odos os objecos coranes ou poniagudos. 291

11 PARA TRATAR AS CONVULSÕES: Dar diaepam (er pág. 727) por ia recal nas crianças e por ia E.V. lena no adulo. No adulo, se não se consegue dar por ia E.V., pode-se usar a ia recal. Após o conrolo das conulsões, se possíel, dar glicose 30% no adulo e 10% na criança (er pág. 729) por ia E.V. lena, porque as conulsões podem ser deidas à baixa de açúcar no sangue (hipoglicemia). Se o doene coninua com conulsões após as doses recomendadas de diaepam, pode-se adminisrar fenobarbial (er pág. 726), anes de ransferir o doene. Anes de o doene ser ransferido, adminisrar medicamenos para raar as possíeis causas, como esá indicado para cada doença e no capíulo sobre os Sinais de Perigo (er pág. 86). AVISO: Quando uma pessoa esá com conulsões não se dee adminisrar medicamenos orais como o paraceamol, deido ao risco de aspiração. Reacções alérgicas Uma alergia é uma sensibilidade ou reacção anormal que afeca apenas ceras pessoas quando as subsâncias a que são sensíeis ou alérgicas são: inaladas ingeridas injecadas ocam a pele As reacções alérgicas podem ser ligeiras ou graes, e incluem: erupções com comichão, ou uricária nari a pingar, ardor e comichão nos olhos (febre-dos-fenos) irriação na gargana, dificuldade em respirar, ou asma choque alérgico (er pág. 128) 292

12 Uma alergia não é uma infecção e não se ransmie duma pessoa para oura, mas as crianças que êm pais alérgicos ambém êm endência para er alergias. Muias ees as pessoas alérgicas sofrem mais em deerminadas esações do ano ou sempre que enram em conaco com as subsâncias a que são sensíeis. As causas comuns de reacções alérgicas são: pólen de ceras flores e eras penas de galinha pó almofadas de palha ou penas manas e roupas com mofo alimenos específicos, principalmene peixe, mariscos, ec. pêlos de gaos e ouros animais ceros medicamenos, principalmene injecções de penicilina ou anioxinas feias do soro de caalo Preenção: Tenar descobrir o que prooca a alergia e procurar eiá-lo. Traameno: Para raar os sinomas, usar um ani-hisamínico como a clorfeniramina (er pág. 722). O choque alérgico é uma urgência, e dee ser raado com adrenalina (er pág. 721) e ransferido com urgência para uma unidade saniária com mais recursos. 293

13 Sinomas e doenças gasroinesinais Dores abdominais Abdómen agudo é o nome dado a doenças agudas e graes do abdómen, que precisam de ransferência para uma unidade saniária com mais recursos. Esas doenças são descrias no capíulo 15. Há muias ouras causas de dores abdominais, que são raadas ao longo dese liro e nas páginas seguines. Seguir as insruções do capíulo 3 sobre como faer a hisória e o exame do abdómen. O ipo de dor (cólicas ou persisene), a localiação, e a presença de ouros sinomas ajudam a faer o diagnósico. Aia, fl aulência, indigesão, gasrie e úlceras do esômago Sinomas e sinais: A indigesão e aia muias ees começam quando se come comidas pesadas ou gordurosas ou se bebe muio álcool e café. Iso lea a que o esômago produa ácido em excesso, o qual causa um mal-esar ou um ardor no esômago ou no meio do peio. Algumas pessoas confundem a dor no peio, chamada aia, com problemas de coração, em e da indigesão. Se a dor piora quando se esá deiado, proaelmene é aia. Uma indigesão frequene ou prolongada pode ser um sinal de úlcera. A flaulência é a presença de gás no esômago, que muias ees acompanha a aia. A úlcera é uma ferida crónica do esômago ou pare inicial do inesino delgado (duodeno). A úlcera é causada pela infecção por uma bacéria ou medicamenos ais como AAS, diclofenac, ibuprofeno ou, raramene, por cancro. A bacéria e os medicamenos enfraquecem o reesimeno do esômago ou duodeno e enão o ácido ainge a parede dos mesmos. 294

14 Iso pode causar uma dor crónica, inensa, às ees aguda, na boca do esômago. Muias ees a dor diminui quando a pessoa come. A dor piora 2 ou 3 horas depois de comer, se a pessoa não comer à hora da refeição ou após omar álcool ou comer alimenos gordurosos ou muio emperados. A dor muias ees piora à noie. Sem se faer um exame especial (endoscopia) é difícil saber se a pessoa com dores frequenes do esômago em úlcera. Uma úlcera é uma ferida abera do esômago ou duodeno. Se a úlcera é grae, pode causar ómios, às ees com sangue io, ou sangue digerido (escuro como café). As fees duma pessoa com úlcera que sangra, geralmene são preas como o alcarão. Aiso: Algumas úlceras não proocam dores e são silenciosas. Os primeiros sinais são ómios com sangue io ou escuro, ou fees preas e pegajosas. Iso é uma urgência médica. A pessoa pode er uma hemorragia rápida e morrer. Transferir o doene urgenemene para uma unidade saniária com mais recursos. Preenção e raameno: Quer a dor de esômago ou peio seja causada por aia, indigesão ácida, ou uma úlcera, algumas recomendações básicas proaelmene ajudarão a aliiar a dor: Não comer demasiado. Comer pequenas refeições e peiscar enre as refeições. Comer principalmene alimenos que aliiem e não causem dor. Comer deagar e masigar bem odos os alimenos. Comer muio empo anes de ir para a cama. Esperar pelo menos 2 horas após a refeição anes de se deiar. Obserar quais os alimenos ou bebidas que pioram a dor e eiá-los. Geralmene eses incluem bebidas alcoólicas, café, emperos, pimena, refrescos e alimenos gordurosos ou oleosos. Eiar caris e alimenos frios. Eiar alimenos que proocam gases, como o feijão, coue, repolho, cebola e refrescos com gás durane o período em que se sofre de flaulência. Se a aia piora à noie quando se esá na cama deiado, experimenar dormir com a pare superior do corpo um pouco eleada. 295

15 Beber muia água. Beber 2 grandes copos de água anes e após cada refeição. Beber ambém muia água frequenemene enre as refeições. Se a dor ola consanemene, coninuar a beber água assim, mesmo quando não há dor. Parar os medicamenos que podem causar aia, por exemplo AAS. Eiar o abaco. Fumar ou masigar abaco aumena a acide e agraa a siuação. A irriação, ensão e nerosismo aumenam a acide no esômago. Aprender a relaxar e a maner a calma. Tomar aniácido, como o hidróxido de alumínio (er pág. 732). No caso de suspeia duma úlcera, ransferir para uma unidade saniária com mais recursos para aaliação, diagnósico e raameno. É imporane raar a úlcera logo de início. De ouro modo ela pode lear a uma hemorragia perigosa ou a perionie. É necessária a manuenção dos cuidados depois da cura para a úlcera não olar. Eiar os problemas causados pela acide do esômago não comendo demasiado, não bebendo muio álcool ou café e não fumando. Eiar apanhar a bacéria que causa a úlcera, seguindo as medidas de higiene indicadas no capíulo 11. AVISO: No passado o leie era recomendado para o raameno das úlceras. Embora o leie possa aliiar a dor inicialmene, poseriormene causa um aumeno de acide no esômago, o que ai agraar a siuação. Não beber leie para o raameno de úlceras. Problemas da esícula A esícula é um pequeno saco ligado ao fígado. Acumula um líquido amargo e erde, chamado bílis, que ajuda a digerir alimenos gordurosos. A doença da esícula é mais comum nas pessoas gordas, a parir dos 40 anos. Sinomas e sinais: Dor aguda no abdómen no quadrane superior direio (a pare superior da barriga à direia). Esa dor às ees chega aé ao lado direio do alo das cosas. A dor pode ir 1 hora depois de se comerem comidas gordurosas. Dores agudas podem proocar ómios. Algumas ees surge a febre. Às ees os olhos ficam amarelos (icerícia). 296

16 Preenção: Comer uma diea saudáel, em paricular não comer alimenos gordurosos. As pessoas gordas deem perder peso. Traameno: Tomar um analgésico como ibuprofeno (er pág. 720). Se a pessoa em febre, dee omar amoxicilina (er pág. 697). Transferir para uma unidade saniária com mais recursos. Às ees é necessária uma operação. Se as dores são inensas, ransferir com urgência. Obsipação (prisão de enre) Obsipação ou prisão de enre, significa que uma pessoa em fees duras e eacua 3 ees ou menos por semana. A obsipação é causada por uma alimenação incorreca (especialmene por não se comer suficiene frua e egeais ou beber líquidos) ou por fala de exercício. Por ees é causada por medicamenos. CONSELHOS QUE AJUDAM A PREVENIR A OBSTIPAÇÃO Comer regularmene. Comer alimenos com muia fibra (er capíulo 12) e eiar alimenos refinados ou processados. Beber muios líquidos (cerca de 8 copos por dia). Eiar a cafeína (café e chá) e o álcool. Ser mais acio e faer exercícios regularmene. Escuar o organismo. Não resisir à onade de ir à casa de banho. Eiar o uso de laxaios e cliseres (er páginas erdes e capíulo 2). Causam a perda de água e sais do organismo e o uso crónico e abusio pode conduir a que o inesino não execue bem os seus moimenos. O méodo mais saudáel e suae de se eacuarem fees mais moles e mais frequenes é comer alimenos ricos em fibra naural, eiar alimenos refinados ou processados, e beber muios líquidos. 297

17 Hemorróidas As hemorróidas são aries nas eias do ânus ou do reco que se parecem com pequenos caroços ou bolinhas. Podem ser dolorosas. Aparecem muias ees durane a graide e após o paro podem desaparecer. Algumas hemorróidas podem ser causadas por obsipação. Complicações As principais complicações são: 1. Prolapso recal (a saída dum pedaço do inesino pelo ânus). 2. Hemorragia. 3. As hemorróidas ambém podem dificular a eacuação. TRATAMENTO: Examinar o doene. Se houer uma grande hemorróida que enha saído recenemene do canal anal, empurrá-la suaemene para denro. Se ier ficado fora do canal anal por mais de 12 horas, pedir ao doene para se deiar de lado com os pés eleados. Deixar nesa posição durane 24 horas para que haja chance da hemorróida se reduir (enrar) por si. Todas as hemorróidas com prolapso recal deem ser ransferidas a uma unidade saniária com mais recursos. Hemorróidas muio grandes podem necessiar ser operadas. Dee-se ransferir o doene para uma unidade saniária com mais recursos. Nos ouros casos, o creme ou suposiório ani-hemorroidal (er pág. 733) pode ajudar a aliiar o desconforo. Comer alimenos que conenham fibra pode ajudar a ornar as fees mais moles. Soluços Aaques ocasionais de soluços são normais. Os soluços são frequenes nas pessoas que se enconram na fase erminal de SIDA e ouras doenças como cancro e doenças dos rins. TRATAMENTO: Beber água do lado oposo do copo. Inspiração profunda e coner a expiração durane alguns segundos. Beber líquidos frios. Encolher os joelhos conra o peio. 298

18 Sinomas e doenças respiraórias Tosse A osse em si não é uma doença, mas um sinoma frequene de árias doenças que afecam o sisema respiraório. No quadro abaixo, indicamos alguns problemas que causam osse: Tosse aguda consipação ou gripe bronquie aguda pneumonia sarampo osse conulsa (coqueluche) pode ornar-se crónica asma parasioses quando os parasias araessam os pulmões corpo esranho nas ias aéreas (início súbio) Tosse crónica ou persisene (2 ou mais semanas): uberculose osse conulsa bronquie crónica/enfisema cancro do pulmão osse de fumador ou pessoa que rabalhou nas minas SIDA Sinusie Tosse com expecoração amarela/ eserdeada: pneumonia bronquie aguda bronquie crónica uberculose Tosse com expecoração com sangue (hemopises): uberculose pneumonia bronquie crónica cancro do pulmão Tosse com dificuldade em respirar (dispneia): pneumonia asma uberculose bronquie aguda bronquie crónica laringie aguda osse conulsa aspiração de corpo esranho problemas do coração 299

19 Tenar descobrir qual é a doença que esá a proocar a osse e raá-la Nas crianças e adulos com osse em que se pergunar: Há quano empo esá com osse? Tem expecoração, de que ipo, cor e cheiro? Tem dispneia (fala de ar ou dificuldade em respirar)? Nos adulos, ambém em que se pergunar: Tem dispneia quando fica deiado? Tem hemopises (expecoração com sangue)? Tem dor orácica (dor no peio)? Tem suores nocurnos? Esá a omar algum medicameno? Fuma? Obserar e erificar a presença de dificuldade em respirar (dispneia). A causa mais frequene de osse aguda é uma infecção respiraória aguda (IRA). Na maioria dos casos, as crianças e adulos com osse êm apenas uma ligeira infecção. Não esão graemene doenes e não necessiam de raameno com anibióicos. Podem ser raados em casa. Na osse aguda, êm que ser idenificados os adulos e crianças graemene doenes e que necessiam de raameno com anibióicos ou ransferência para uma unidade saniária com mais recursos. Para faer o diagnósico de pneumonia, baseado no quadro clínico, er pág Os doenes que êm sinais gerais de perigo (er capíulo 4), deem ser ransferidos para uma unidade saniária com mais recursos. Na osse crónica e na osse com expecoração com sangue (hemopises), a causa em que ser inesigada, e o doene ransferido para uma unidade saniária com mais recursos, para aaliação. Pensar sempre na uberculose neses casos. Se a osse dura há 2 ou mais semanas ou se há expecoração com sangue, se a pessoa esá a perder peso, se em suores nocurnos ou febre no fim de arde ou sofre consanemene de dispneia, dee ir ao laboraório da unidade saniária mais próxima para faer o exame da expecoração. Pode ser uberculose. 300

20 Traameno da osse: A osse é um meio de defesa do aparelho respiraório para expulsar o muco, corpos esranhos e os micróbios da gargana ou das ias aéreas. Por isso, quando a osse produ expecoração, não se dee omar nenhum medicameno para parar a osse, mas dee-se faer algo para fluidificar (ornar mais líquida) e expulsar a expecoração. 1. Maner o quaro de dormir arejado, eiando coinhar ou fumar no quaro. 2. Maner o doene na posição mais cómoda. Para ober a posição senada, ponha almofadas nas cosas. Dormir com a cabeça eleada. 3. Para fluidificar o muco e aliiar qualquer ipo de osse, dee-se beber muia água. Iso é mais efica do que qualquer medicameno. 4. No adulo, respirar apor de água quene (amosfera húmida ou aporiação). Ferer água. Depois, querendo, pode adicionar-se à água folhas de eucalipo, limoeiro, quinina ou Vicks. 5. Senar o doene numa cadeira com um balde de água conendo esa misura muio quene enre os pés (ambém pode ser na cama ou na eseira). Colocar uma capulana sobre a cabeça de forma a cobrir ambém o balde. O doene dee respirar o apor durane minuos. Pode-se repeir árias ees ao dia. 6. Nas crianças, pode ser difícil faer uma aporiação. Colocar um lençol molhado e escorrido a cobrir a cama mas sem ocar no corpo da criança. 7. Desobsruir o nari, se esier obsruído. Pode-se preparar xaropes caseiros: Xarope de cebola: Corar 1 cebola em rodelas finas, pôr numa igela pequena e misurar com 2 colheres de sopa de açúcar ou de mel, e 1 colher de água. Deixar 15 minuos apado, à emperaura ambiene. Xarope de cenoura: Se ier cenoura pode faer um xarope com cenoura, da mesma maneira. É mais saboroso. Xarope de mel e limão: Tomar uma misura de: 1 pare de mel, 1 pare de sumo de limão, 1 pare de água. Para bebés com menos de 1 ano, usar açúcar em e de mel nesas receias. 301

21 Misure: 1 colher de mel 1 colher de sumo de limão 1 colher de água As crianças podem omar 1 colher de chá cada 2 ou 3 horas e os adulos 1 colher de sopa cada 2 ou 3 horas. A expecoração dee ser recolhida em lainhas com areia e ampa; enerrar a laa quando esier cheia. Se ier osse, não fume. Fumar prejudica os pulmões e ouros órgãos ambém. Para preenir a osse, não fume. Para curar a osse, rae a doença que a prooca e não fume. Para aliiar a osse, e solar a expecoração, beba muia água e não fume. Os medicamenos conra a osse à enda nas farmácias não funcionam e podem ser perigosos, paricularmene nas crianças. Eiá-los. Nas crianças, nunca usar medicamenos que conenham subsâncias que possam faer mal, ais como aropina, codeína ou deriados de codeína ou álcool. Esas podem faer com que a criança durma demais e se alimene mal. Também podem inerferir com a capacidade de a criança expulsar o muco araés da osse. Como irar muco dos pulmões (drenagem posural) Quando a pessoa que esá com muia osse é muio idosa ou fraca e não consegue eliminar o muco espesso dos brônquios, faer ambém o seguine: Em primeiro lugar, respirar apores de água para solar o muco. Cabeça e o peio fora da cama. Baer-lhe com os dedos leemene nas cosas por 10 minuos, árias ees ao dia se necessário. Isso ajudará a solar o muco. 302

22 Difi culdade em respirar (dispneia) Os doenes com dispneia queixam-se, em geral, de diferenes maneiras. Tale digam fala-me o ar, canso-me ao andar ou a subir escadas, quando respiro faço ruídos. A dificuldade em respirar pode ser deida a uma infecção respiraória aguda, ou a uma doença crónica. A seguir esão algumas causas frequenes de dificuldade em respirar. CAUSAS FREQUENTES DE DIFICULDADE EM RESPIRAR Infecção respiraória aguda Adulos e crianças: Pneumonia Bronquie aguda Crianças: Laringie aguda (crupe) Doenças crónicas Adulos e crianças: Asma Tuberculose Adulos: Bronquie crónica Doenças de coração (raro em crianças) Nas crianças e adulos com dispneia em que se pergunar: Há quano empo esá com dispneia? Tem osse? Nos adulos, ambém em que se pergunar: Tem dificuldade em respirar quando esá deiado ou ao andar? Tem dor orácica? Tem suores nocurnos? As pernas incham? Esá a omar algum medicameno? Fuma? Têm que ser idenificados os adulos e crianças graemene doenes e que necessiam de raameno com anibióicos ou ransferência urgene para uma unidade saniária com mais recursos. Para faer o diagnósico de pneumonia baseado no quadro clínico, er pág Os doenes que êm sinais gerais de perigo (er capíulo 4), deem ser ransferidos para uma unidade saniária com mais recursos. 303

Sintomas e doenças comuns

Sintomas e doenças comuns CAPÍTULO 16 Sinomas e doenças comuns Nese capíulo se descreem os sinomas e as doenças mais comuns referidos pelos doenes. A febre, apesar de ser um sinoma comum, é descria no capíulo 17, juno com a malária.

Leia mais

Doenças infecciosas da criança

Doenças infecciosas da criança Doenças infecciosas da criança CAPÍTULO 30 Sarampo Esa infecção causada por írus é muio perigosa em crianças malnuridas ou que êm uberculose ou HIV e SIDA. Transmie-se de uma criança para oura por meio

Leia mais

Infecções respiratórias agudas e meningite

Infecções respiratórias agudas e meningite CAPÍTULO 19 Infecções respiraórias agudas e meningie Toda a infecção aguda (início súbio ou há poucos dias) que envolve o aparelho respiraório é designada infecção respiraória aguda (IRA). Uma IRA pode

Leia mais

Doenças da boca. O cuidado dos dentes e das gengivas é importante porque:

Doenças da boca. O cuidado dos dentes e das gengivas é importante porque: CAPÍTULO 27 Doenças da boca Cuidar dos denes e gengivas O cuidado dos denes e das gengivas é imporane porque: z z z Denes fores e saudáveis são necessários para masigar e digerir bem os alimenos. Denes

Leia mais

Infecções de transmissão sexual (ITS)

Infecções de transmissão sexual (ITS) CAPÍTULO 22 Infecções de ransmissão sexual (ITS) As infecções de ransmissão sexual (ITS) são doenças causadas por micróbios que se ransmiem por conaco sexual. Esas infecções podem er consequências graes

Leia mais

Outras doenças graves

Outras doenças graves Ouras doenças graes CAPÍTULO 23 As doenças descrias nese capíulo são difíceis de raar sem ajuda do clínico. Algumas precisam de medicamenos especiais, que não se enconram disponíeis nas onas rurais. Os

Leia mais

Doenças crónicas. Os idosos

Doenças crónicas. Os idosos Doenças crónicas CAPÍTULO 24 As doenças crónicas são doenças que, após surgirem, geralmene duram aé ao fim da ida. As pessoas com esas doenças precisam de raameno para o reso da ida e podem lear uma ida

Leia mais

Doenças diarreicas. A diarreia é mais frequente e perigosa em crianças menores de 5 anos, principalmente

Doenças diarreicas. A diarreia é mais frequente e perigosa em crianças menores de 5 anos, principalmente CAPÍTULO 18 Doenças diarreicas As doenças diarreicas consiuem um grae problema de saúde nos países em desenolimeno, onde as condições económicas e de ida das populações são muio precárias. Nesas comunidades

Leia mais

Estilos de vida saudáveis

Estilos de vida saudáveis Esilos de vida saudáveis CAPÍTULO 12 Muios problemas de saúde da meia-idade e da velhice resulam da forma como a pessoa viveu ao longo dos anos. Maus hábios alimenares, a ingesão de álcool em excesso e

Leia mais

Saúde mental. Saúde mental significa a sensação de bem-estar emocional, quando se fala em felicidade, alegria de viver, prazer e satisfação.

Saúde mental. Saúde mental significa a sensação de bem-estar emocional, quando se fala em felicidade, alegria de viver, prazer e satisfação. CAPÍTULO 33 Saúde menal Saúde menal significa a sensação de bem-esar emocional, quando se fala em felicidade, alegria de ier, prazer e saisfação. Os problemas de saúde menal podem afecar ano os adulos,

Leia mais

Doenças dos olhos. 2. Mancha acinzentada na córnea, com olho avermelhado ao redor da córnea e com dor (úlcera de córnea).

Doenças dos olhos. 2. Mancha acinzentada na córnea, com olho avermelhado ao redor da córnea e com dor (úlcera de córnea). Doenças dos olhos CAPÍTULO 26 glândula lacrimal pupila íris canal lacrimal leva as lágrimas do olho para o nariz A conjuniva é um ecido fino que cobre a pare branca do olho A córnea é a camada ransparene

Leia mais

Febre e malária. Febre. z constipações z gripe z bronquite aguda z otite z amigdalite z infecções urinárias z hepatite z brucelose

Febre e malária. Febre. z constipações z gripe z bronquite aguda z otite z amigdalite z infecções urinárias z hepatite z brucelose Febre e malária CAPÍTULO 17 Febre Quando o corpo duma pessoa está quente, di-se que ela tem febre. A febre eleada pode ser perigosa, principalmente numa criança pequena. Se possíel, a febre dee ser medida

Leia mais

Porque é importante aprender os primeiros socorros?

Porque é importante aprender os primeiros socorros? CAPÍTULO 15 Primeiros socorros O que são primeiros socorros? Os primeiros socorros são um conjuno de medidas que deem ser omadas rapidamene, em caso de acidenes ou de ouras emergências. São, porano, a

Leia mais

As causas das doenças

As causas das doenças CAPÍTULO 2 As causas das doenças As pessoas têm maneiras diferentes de explicar a causa duma doença. Um bebé está com diarreia. Mas porquê? Em certas comunidades, talve digam que isso aconteceu porque

Leia mais

Doenças da pele. Se um problema da pele é grave ou se piora apesar do tratamento, enviar o doente para uma unidade sanitária com mais recursos.

Doenças da pele. Se um problema da pele é grave ou se piora apesar do tratamento, enviar o doente para uma unidade sanitária com mais recursos. CAPÍTULO 25 Doenças da pele Alguns problemas de pele são causados por doenças que afecam apenas a pele ais como a ínea, a sarna, ou as errugas. Ouros são sinais de doenças que aacam o corpo odo como o

Leia mais

HIV e SIDA. Vírus HIV SIDA

HIV e SIDA. Vírus HIV SIDA CAPÍTULO 21 HIV e SIDA Vírus HIV O írus HIV (em inglês, Human ImmunoDeficiency Virus, que significa Vírus da ImunoDeficiência Humana) é um micróbio que só se consegue er com um microscópio especial. O

Leia mais

Uso correcto dos medicamentos

Uso correcto dos medicamentos Uso correcto dos medicamentos CAPÍTULO 6 Curar sem medicamentos Para curar a maioria das doenças, não é necessário utilizar medicamentos. O organismo tem as suas defesas próprias, ou maneiras de resistir

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Higiene e saúde ambiental

Higiene e saúde ambiental Higiene e saúde ambienal CAPÍTULO 11 Mais vale prevenir do que remediar! A higiene pessoal, a limpea da casa e da comunidade, o conrolo dos insecos, e um esilo de vida saudável são esraégias simples, mas

Leia mais

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aiidades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 3 1.1 Velocidade.............................. 3 1.2 Represenações do moimeno................... 7 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Como examinar um doente

Como examinar um doente CAPÍTULO 3 Como examinar um doente Quando um doente procura ajuda, é necessário começar por lhe faer algumas perguntas importantes e examiná-lo cuidadosamente, de modo a perceber quais são as suas preocupações

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

Como cuidar de um doente

Como cuidar de um doente Como cuidar de um doente CAPÍTULO 5 A doença enfraquece o corpo. Para uma pessoa recuperar as forças e sentir-se melhor, são precisos cuidados especiais. Muitas ees, não há necessidade de tomar medicamentos,

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

A família acolhe a mãe e o bebê em casa

A família acolhe a mãe e o bebê em casa Mãe e bebê em casa A família acolhe a mãe e o bebê em casa Hoje vou ter uma nova idéia A família deve receber mãe e bebê num ambiente de amor e respeito. Cuidado e protegido, o bebê se sente seguro e com

Leia mais

Infecção respiratória aguda

Infecção respiratória aguda O bebê de 2 e 3 meses Infecção respiratória aguda Toda idéia é boa ou má, dependendo de como se desenvolve. As infecções respiratórias são doenças responsáveis por grande número de internações e mortes

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

Saúde da criança ALIMENTAÇÃO ADEQUADA HIGIENE VACINAÇÕES

Saúde da criança ALIMENTAÇÃO ADEQUADA HIGIENE VACINAÇÕES CAPÍTULO 28 Saúde da criança ALIMENTAÇÃO ADEQUADA HIGIENE VACINAÇÕES Estes são os três protectores mais importantes do corpo que mantêm as crianças saudáeis e preinem muitas doenças! Poderá aprender sobre

Leia mais

Gripe: o que você pode fazer. Cuidados em casa

Gripe: o que você pode fazer. Cuidados em casa Gripe: o que você pode fazer Cuidados em casa Para mais informações, confira: www.mass.gov/dph/flu Gripe: o que você pode fazer Cuidados em casa ÍNDICE: O que é a gripe? 2 Prevenção da gripe 6 Cuidados

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

Doenças do recém-nascido e doenças congénitas

Doenças do recém-nascido e doenças congénitas Doenças do recém-nascido e doenças congénitas CAPÍTULO 29 É muito importante identificar, logo após o nascimento, qualquer problema ou doença no recém-nascido e agir imediatamente. Doenças que leam dias

Leia mais

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza raga Índice Cinemáica...1 Exercícios... Gabario...6 Cinemáica (Não se esqueça de adoar uma origem dos espaços, uma origem dos empos e orienar a rajeória) M.R.U. =

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros:

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros: Primeiros socorros Os primeiros socorros é o tratamento inicial dado a alguém que se magoou ou sofreu um acidente. Se o acidente for grave, não deves mexer na pessoa lesionada e chamar o 112, explicando-lhe

Leia mais

AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012

AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012 AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012 Formador: Enfermeiro Paulo Oliveira (HUC) Síntese elaborada por Ana Sofia Frias Quando ligamos para o 112, quem atende a nossa

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos PORTUGUÊS 78 ÍNDICE Página CORO TIPO BLOQUEIO ROSC... 80 CERTO D HOR... 81 CERTO DO DI DO MÊS... 82 CRONÓMETRO... 83 OPERÇÃO DO BOTÃO DE BLOQUEIO DE SEGURNÇ... 85 TQUÍMETRO... 86 TELÉMETRO... 88 SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Como administrar medicamentos

Como administrar medicamentos Como administrar medicamentos CAPÍTULO 8 Os medicamentos podem ser administrados aos doentes atraés de diferentes ias de administração: pela boca ia oral; pelo recto ia rectal; pela agina ia aginal; ou

Leia mais

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE SAÚDE BUCAL Para ter um sorriso bonito, saudável e com hálito bom, é preciso: Escovar os dentes, utilizando uma escova de dente de tamanho adequado

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Doença do Refluxo Gastroesofágico. O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago (comida ou acido clorídrico)

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Quando ocorre uma Onda de Calor emitem-se Alertas: Amarelo ou Vermelho, com menos e mais gravidade, respectivamente. Devem adoptar-se cuidados

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib)

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este guia destina-se a doentes a quem tenha sido receitado

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor MINISTÉRIO DA SAÚDE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ALGARVE DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Durante os meses de Verão as temperaturas podem

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Índice Tratando seu diabetes tipo 2 com DAPAGLIFLOZINA 3 Como funciona? 4 Como devo utilizar? 5 Quais são os principais efeitos colaterais do tratamento com DAPAGLIFLOZINA?

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Ondas de calor medidas de prevenção Recomendações dirigidas à população Conhecimento de todos os estabelecimentos

Leia mais

Risco infecção. Coisas que podem ajudar a prevenir infecções: Baixo número de glóbulos brancos no sangue (leucopenia)

Risco infecção. Coisas que podem ajudar a prevenir infecções: Baixo número de glóbulos brancos no sangue (leucopenia) INFECÇÃO 2 Risco infecção Baixo número de glóbulos brancos no sangue (leucopenia) Ter um número baixo de leucócitos (glóbulos brancos) no sangue diminui a capacidade do corpo combater contra infecções.

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

A família acolhe a mãe e o bebê em casa

A família acolhe a mãe e o bebê em casa Mãe e bebê em casa A família deve receber mãe e bebê num ambiente de amor e respeito. Cuidado e protegido, o bebê se sente seguro e com energia para viver. Ajudada nas tarefas da casa, a mãe pode cuidar

Leia mais

COMO AMAMENTAR SEU FILHO

COMO AMAMENTAR SEU FILHO COMO AMAMENTAR SEU FILHO Cabeça e corpinho do bebê ficam alinhados em uma mesma reta. Barriga do bebê fica encostada na barriga da mãe. Apoiar o bumbum do bebê. Mãe segura a mama com seu dedão acima da

Leia mais

Diarréia e desidratação

Diarréia e desidratação 2 e 3 meses Diarréia e desidratação Coloque seus projetos num círculo. É a única maneira de acertar o alvo. A diarréia é uma doença que pode ser causada por micróbios, presentes nas fezes, que contaminam

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg OMENAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg tratar dispepsia, condição que causa acidez, azia, arrotos ou indigestão. Pode ser usado também para evitar sangramento do trato gastrintestinal

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico Será solicitado que você coloque uma bata cirúrgica. Poderá receber um sedativo pela boca. Será então transferido para a mesa de operações. Você será submetido a uma anestesia peridural ou

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Ataque cardíaco. Os homens têm uma probabilidade três vezes maior de sofrerem um ataque cardíaco do que as mulheres.

Ataque cardíaco. Os homens têm uma probabilidade três vezes maior de sofrerem um ataque cardíaco do que as mulheres. Ataque cardíaco Introdução Um ataque cardíaco, também conhecido como enfarte do miocárdio, ou trombose coronária, ocorre quando parte do músculo cardíaco morre por falta de oxigénio. O ataque cardíaco

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Governo do Estado da Bahia Jacques Wagner Secretário de Saúde do Estado da Bahia Jorge José Santos Pereira Solla Superintendência de Atenção

Leia mais

Def de Qi do Rim -etiologia

Def de Qi do Rim -etiologia PADRÕES DO RIM Funções energéticas Estoca a essência Fonte do Yin e Yang Domina o metabolismo Recebe o Qi dos Pulmões Controla os orifícios Domina os ossos Abre-se nos ouvidos e manifesta-se nos cabelos

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

Preparando a casa para receber o bebê

Preparando a casa para receber o bebê Preparando a casa Preparando a casa para receber o bebê Vamos ensinar aos pais os direitos das crianças? Está chegando a hora do bebê nascer. A família deve ajudar a gestante a preparar a casa para a chegada

Leia mais

RYODORAKU. Mensuração Diagnóstica Eletrônica POR DENISE DARIN

RYODORAKU. Mensuração Diagnóstica Eletrônica POR DENISE DARIN RYODORAKU Mensuração Diagnóstica Eletrônica POR DENISE DARIN SIGNIFICADO DO RYODORAKU Ryo significa boa, Do conduzir e Raku linha ou canal. Caminhos Permeáveis (Linha de boa eletrocondutividade). É um

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

Diabetes. Introdução. Sintomas

Diabetes. Introdução. Sintomas Diabetes Introdução A diabetes desenvolve-se quando o organismo não consegue controlar a quantidade de glicose (açúcar) no sangue. Isto pode acontecer se o corpo não produzir quantidades suficientes da

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

APROVADO EM 06-08-2010 INFARMED. FOLHETO INFORMATIVO: Informação para o Utilizador. STREPFEN 8,75 mg Pastilhas. Flurbiprofeno

APROVADO EM 06-08-2010 INFARMED. FOLHETO INFORMATIVO: Informação para o Utilizador. STREPFEN 8,75 mg Pastilhas. Flurbiprofeno FOLHETO INFORMATIVO: Informação para o Utilizador STREPFEN 8,75 mg Pastilhas Flurbiprofeno Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. - Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

Viva Bem! Cuide da Sua Saúde!

Viva Bem! Cuide da Sua Saúde! Viva Bem! Cuide da Sua Saúde! O Serviço Social da Construção Alimentação Saudável Quanto mais colorida for a sua alimentação, maior a presença de nutrientes no seu corpo e melhor será a sua saúde. 50%

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL Universidade Federal do Acre Centro de Ciências da Saúde e do Desporto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS PROF. DR. CRESO MACHADO LOPES Tutor NOVEMBRO AZUL CAMPANHA DE

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Criatividade é ousadia, trabalho, curiosidade e... A família. O papel da família

Criatividade é ousadia, trabalho, curiosidade e... A família. O papel da família A família O papel da família Criatividade é ousadia, trabalho, curiosidade e... Família é o grupo de pessoas que convivem unidas por laços de compromissos ou não e podem ter responsabilidades mútuas. A

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você:

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: CANCRO MOLE Pode ser chamada também de cancro venéreo. Popularmente é conhecida como cavalo. Manifesta-se

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

N DO. Bairro Distrito/ Povoado Telefone. mãe pai irmão(ã) outro. chás comprimidos sonda coquetéis injetáveis não sabe

N DO. Bairro Distrito/ Povoado Telefone. mãe pai irmão(ã) outro. chás comprimidos sonda coquetéis injetáveis não sabe MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde Formulário 1 Autópsia verbal Criança menor de um ano AV1 Ficha de Investigação de Óbito Infantil Complemento

Leia mais