Doenças crónicas. Os idosos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doenças crónicas. Os idosos"

Transcrição

1 Doenças crónicas CAPÍTULO 24 As doenças crónicas são doenças que, após surgirem, geralmene duram aé ao fim da ida. As pessoas com esas doenças precisam de raameno para o reso da ida e podem lear uma ida normal se ierem apoio. Algumas doenças crónicas, por exemplo, a hiperensão arerial e as doenças do coração, são proocadas pelo esilo de ida e hábios da pessoa. As chances de ier mais empo e de se maner bem ao longo da ida são maiores se a pessoa ier uma ida saudáel (er capíulo 12). Os idosos As pessoas idosas êm com frequência doenças crónicas, mas elas raramene ão raar-se nas unidades saniárias. Às ees elas êm dificuldade em caminhar longas disâncias aé às unidades saniárias e precisam da ajuda da sua família e comunidade. Às ees, quando chegam às unidades saniárias, elas não são bem raadas porque alguns profissionais assumem que as pessoas idosas não esão doenes, mas apenas elhas. As pessoas idosas podem ser ajudadas pelo raameno, às ees mais do que as pessoas joens. Por exemplo, o raameno da arrie crónica ou uma operação às caaraas numa pessoa idosa permiir-lhe-ão ir buscar água, lenha, preparar a comida e faer machamba. As pessoas idosas deem ser encorajadas a er um esilo de ida saudáel, com uma alimenação nuriia e práica regular de exercício. DOENÇAS CRÓNICAS 477

2 Epilepsia A epilepsia aparece em qualquer idade e prooca aaques ou conulsões com perda da consciência (desmaio) e sacudidelas iolenas do corpo em pessoas que parecem saudáeis. As conulsões podem ocorrer com ineralos de horas, dias, semanas, ou meses. Nos ipos mais lees de epilepsia, a pessoa pode er aaques repeninos de perda de consciência que duram poucos segundos, ou comporameno esquisio. A epilepsia pode ser causada por dano no cérebro, por exemplo, durane o paro, após um raumaismo craniano, ou por quisos de énia (parasia inesinal) no cérebro. Muias ees não há causa eidene, mas dee-se sempre procurar e raar as possíeis causas. Há muias crenças radicionais acerca de epilepsia. Por exemplo, no sul de Moçambique, as conulsões são popularmene conhecidas como a doença da lua. A epilepsia não é conagiosa, ninguém a pode apanhar pelo conaco com um epilépico. É uma doença como oura qualquer, não dee ser considerada uma desgraça ou ergonha para a família. O rabalhador de saúde dee dar carinho e mosrar compreensão ao doene e seus familiares. A maior pare dos epilépicos pode er uma ida normal, podendo esudar e rabalhar. A compreensão da doença denro da família do epilépico é muio imporane para se poder ajudar o doene. Em muios casos, a epilepsia é um problema para oda a ida. Conudo, algumas crianças podem ficar curadas. Um episódio de conulsões pode ser proocado por árias causas: suso fome fala de sono febre ingesão excessia de álcool e/ou ouras drogas barulho inenso lu piscando fogueira, especialmene à noie. É muio comum ouir-se falar sobre um aaque que surgiu quando o doene se senou ao lado duma fogueira à noie: a lu brilhane das chamas pode esimular as conulsões e o doene cai no fogo. A epilepsia esá frequenemene associada a queimaduras, principalmene em crianças. 478 DOENÇAS CRÓNICAS

3 O que se dee faer durane a conulsão: Colocar o doene na posição laeral de segurança. (er pág. 246). Não inroduir nada na boca para manê-la abera. Aspirar as secreções, quando necessário. Se o doene ier febre, baixar a febre com arrefecimeno corporal e, quando passarem as conulsões, dar AAS ou paraceamol e lear à unidade saniária pois pode er uma infecção ou malária. Eiar que a pessoa se magoe: afasar odos os objecos duros ou poniagudos. Lear o doene para a unidade saniária se o aaque coninua. Na unidade saniária, raar com diaepam (er pág. 727). Preenção dos aaques epilépicos: O doene dee eiar: ficar muio pero de fogueiras qualquer siuação de risco na casa e/ou no ambiene de rabalho exposição aos facores que causam os aaques (barulho, fala de sono, ec.) bebidas alcoólicas Traameno preenio: É imporane recordar que os medicamenos não curam a epilepsia, mas ajudam a preenir os aaques. Muias ees o medicameno dee ser omado durane oda a ida. Os medicamenos deem ser adminisrados com regularidade e em doses adequadas para conrolar os aaques. É imporane encorajar o doene e seus familiares a maner o raameno regular. Se o raameno é feio ocasionalmene ou de forma irregular, os aaques coninuarão a ocorrer. DOENÇAS CRÓNICAS 479

4 Se exisirem rabalhadores de saúde reinados, medicamenos disponíeis, e o doene esier moiado, dee-se começar com fenobarbial (er pág. 726). Se o fenobarbial não for efica (não fier efeio) e as conulsões persisirem, dee-se eniar o doene para uma unidade saniária com mais recursos. Os medicamenos proocam efeios adersos, mas nunca se dee parar de repene porque isso pode agraar a epilepsia (o doene em conulsões repeidas). Todo o doene que apresene efeios adersos dee ser eniado a uma consula especialiada. Traameno na graide: O raameno da mulher epilépica não dee ser suspenso durane a graide. Dee-se consular o médico para er as alernaias do raameno. Asma Uma pessoa com asma em crises ou aaques de fala de ar e opressão no peio. Oue-se um som do ipo assobio (pieira ou sibilos). Muias ees há osse. A asma começa muias ees na infância e pode ser um problema para oda a ida ou desaparecer na adolescência. Ouros doenes, em especial as mulheres, iniciam crises de asma na idade adula, sobreudo depois dos 40 anos. senar-se para respirar melhor A asma não é conagiosa. É mais frequene em filhos de pais asmáicos ou com alergias. É geralmene pior em ceros meses do ano, paricularmene no período de floração das árores. Alguns doenes com asma sofrem ambém de ouras doenças alérgicas, como ecema, rinie e febre-do-feno. A frequência das crises aria muio de pessoa para pessoa: algumas pessoas êm 1 a 2 crises por ano enquano ouras esão permanenemene em crise. Esas crises são mais frequenes durane a noie ou de madrugada. Algumas crises são esponâneas e ouras são proocadas por diersos facores. Fora das crises o doene não em nem sinomas nem sinais. Uma crise de asma pode ser causada por respirar alguma coisa a que a pessoa é alérgica, por exemplo, ácaros domésicos (parasias que não são isíeis a olho nu, que iem no pó das casas, roupa de cama, apees e corinados), animais com pêlo, baraas, pólen, mofo. 480 DOENÇAS CRÓNICAS

5 Em ouras pessoas a crise pode ser proocada pelo ar que não é puro poluição amosférica deida ao fumo de abaco, coinhar em ambienes fechados, ou fumo de carros e camiões ou de queimadas no mao. Mudanças bruscas de emperaura ambém podem proocar a crise de asma. A crise de asma pode surgir após uma gripe ou infecção respiraória aguda. Em algumas pessoas, o nerosismo ou preocupação (sress) podem proocar uma crise de asma. O exercício físico inenso, não conrolado, ambém pode proocar uma crise. Traameno da crise asmáica: Em casa Se a asma piora denro de casa, o doene dee sair e procurar um lugar onde o ar eseja mais puro. A família dee acalmar e ser meiga com a pessoa. Animá-la. Dar muios líquidos. Iso sola o muco faciliando a respiração. Respirar apor de água ambém pode ajudar. Se ier medicamenos já prescrios, omá-los imediaamene. Se não consegue conrolar em casa, lear imediaamene à unidade saniária mais próxima. No Cenro de Saúde Dar salbuamol (er pág. 735) inalado por nebuliador. Na urgência, se não houer nebuliador, usar salbuamol em inalação por aerossol pressuriado ( bombinha ). Se não há nebuliador ou aerossol pressuriado disponíel, dar salbuamol (er pág. 735) ou aminofilina (er pág. 734) em comprimidos. Se a crise for grae, ou o doene não melhora, ransferir para uma unidade saniária com mais recursos. Adminisrar prednisolona (er pág. 736) por ia oral anes de ransferir. Excepcionalmene, pode-se adminisrar adrenalina por ia subcuânea (er pág. 721) nos aaques graes, quando os ouros medicamenos não esão disponíeis, anes de ransferir. Se o doene em febre, ou expecoração (escarro) de cor erde ou amarela, associar amoxicilina (er pág. 697) ou corimoxaol (er pág. 699). DOENÇAS CRÓNICAS 481

6 A crise é grae quando o doene: Tem fala de ar em repouso, inclinando-se para a frene Fala pausadamene sem conseguir formar frases compleas Esá agiado, sonoleno ou confuso Esá exauso (cansado) Esá em pânico (em medo) Tem frequência cardíaca > 120 baimenos/minuo Tem frequência respiraória de 30/minuo ou mais, no adulo; 40/ minuo ou mais, dos 12 meses aos 5 anos; 50/minuo ou mais, dos 2 aos 12 meses e 60/minuo ou mais, nos menores de 2 meses Os bebés param de mamar Como eiar ou diminuir a frequência das crises Se o doene em aaques frequenes (2 ou mais por mês), ransfira para uma unidade saniária com mais recursos. Exisem medicamenos que deem ser inalados diariamene. Eses podem conrolar melhor a asma, e eiar que ocorram crises. Porém eles são muio caros e pode ser necessário usá-los por muios anos. Frequenemene não são usados correcamene. USO CORRECTO DO INALADOR (AEROSSOL PRESSURIZADO). Reirar a ampa e agiar bem o inalador. Deiar, deagar, o ar fora pela boca, o máximo que se consegue. Colocar o bocal do inalador na boca, com os lábios foremene aperados à sua ola, de forma a não deixar enrar ar. Inspirar profundamene pela boca e pressionar o inalador para liberar o produo. Coninuar a inspirar aé não enrar mais ar. Suspender a respiração por 10 segundos ou o que consegue aguenar. Reirar o inalador da boca e expirar lenamene. Descansar 1 a 2 minuos e repeir os passos, se esier indicada mais de uma inalação. 482 DOENÇAS CRÓNICAS

7 É imporane erificar com regularidade se os doenes usam correcamene os inaladores pedindo aos doenes para faerem uma demonsração e corrigir de imediao os erros. As câmaras expansoras são aparelhos que criam um espaço enre o inalador e a boca. São úeis, principalmene em crianças pequenas e nos doenes que êm dificuldade em usar o inalador. Elas são fornecidas nos hospiais, mas podem ser feias com garrafas de plásico. O salbuamol (er pág. 735) e a aminofilina (er pág. 734) em comprimidos são usados quando os inaladores não esão disponíeis ou o doene não consegue uiliá-los. Preenção: A pessoa que sofre de asma dee eiar inalar subsâncias que podem proocar uma crise A casa e o local de rabalho deem ser bem limpos e lires de objecos que acumulam poeiras (apees, bonecos de peluche, manas com pelos, ec.) Não arrer a casa mas limpar com pano húmido Não colocar alcaifas nas casas As corinas deem ser de ecido lee e laadas com frequência As roupas de cama deem ser posas a arejar ao sol Forrar o colchão da cama com um plásico Não deixar os animais domésicos e as galinhas enrarem denro de casa Impedir os morcegos de faerem ninhos no elhado Eliminar as baraas e ouros insecos Algumas ees ajuda dormir ao ar lire As pessoas com asma podem melhorar quando mudam para um lugar diferene onde o ar em menos poluição Não fumar e não permiir que ouros fumem pero do doene Faer exercícios físicos. Consular o clínico sobre os medicamenos que deem ser omados se a aciidade física piorar a asma. Comer muia frua e egeais (banana e omae são recomendados) Não sair de casa quando houer muio eno Eiar o sress e aprender a relaxar. DOENÇAS CRÓNICAS 483

8 Bronquie crónica/enfi sema A bronquie crónica e o enfisema são doenças crónicas que afecam os pulmões e são proocados pelo uso de abaco ou por se coinhar a carão ou lenha em locais pouco enilados. A bronquie crónica ocorre frequenemene em pessoas de idade que fumam muio. Esas pessoas podem desenoler enfisema se coninuarem a fumar. O rabalho nas minas pode ambém danificar as pulmões e proocar a silicose, que em os mesmos sinomas e sinais que a bronquie crónica e enfisema. Sinomas e sinais: Tosse com expecoração que dura muios meses ou anos. Às ees a osse piora, e pode haer febre. A pessoa com enfisema em dificuldade em respirar, principalmene quando se moimena. Algumas pessoas desenolem o chamado órax em barril. A pessoa com osse crónica, sem oura doença, como o HIV e SIDA, uberculose, ou asma, proaelmene em bronquie crónica. Traameno: Deixar de fumar e eiar ambienes com poeira e fumos. O enfisema pode ser causado por bronquie crónica, ou por fumar. Se a pessoa em dificuldade em eliminar a expecoração espessa, faê-la respirar apor de água e depois ajudá-la a faer drenagem posural (er pág. 302). Adminisrar um medicameno aniasmáico como o salbuamol (er pág. 735). As pessoas que sofrem de bronquie crónica ou enfisema deem omar amoxicilina (er pág. 697) odas as ees que esierem consipadas ou ierem gripe com febre, para eiar uma infecção. Se em osse crónica (ou quer eiá-la), não fume! 484 DOENÇAS CRÓNICAS

9 Hiperensão arerial A hiperensão arerial é a presença de ensão arerial (TA) ala, medida com um aparelho especial chamado esfigmomanómero (er pág. 73). Considera-se que a pessoa em ensão ala quando a ensão máxima (sisólica) é maior que 140 ou a ensão mínima (diasólica) é maior que 90 mm Hg, depois de medida em dias diferenes, com o doene calmo. O doene é considerado hiperenso depois de rês medições com ensão arerial eleada (ala). A maioria das pessoas hiperensas não sabe que sofre desa doença, pois a hiperensão arerial não prooca sinomas. As pessoas que são obesas (gordas) ou desconfiam que êm a ensão ala deem medi-la regularmene ou, pelo menos, 1 e por ano. Os filhos de pais hiperensos êm maior probabilidade de sofrer de hiperensão arerial, por isso deem medir a TA, pelo menos, 1 e por ano. Sempre que possíel, dee-se medir a TA a odos os doenes que ão à unidade saniária, sobreudo Pessoas com mais de 25 anos de idade Pessoas obesas Pessoas com: dificuldade em respirar, dores de cabeça frequenes, edema (inchaço) das pernas, problemas de coração, AVC (rombose), diabees, problemas urinários, pais com TA ala ou diabees. DOENÇAS CRÓNICAS 485

10 O que faer para preenir as complicações e cuidar da ensão arerial ala não fumar consumir bebidas alcoólicas com moderação er uma diea saudáel e com pouco sal faer exercício físico regularmene (pelo menos 3 ees por semana durane 30 minuos) maner o peso ideal omar os medicamenos odos os dias da sua ida A hiperensão arerial pode causar muios problemas, por exemplo doenças do coração, cérebro, rins, e olhos. Por isso, uma e diagnosicada a hiperensão arerial, é imporane o raameno correco e conínuo para preenir o desenolimeno de complicações. Traameno: APARELHO DE TENSÃO para medir a ensão arerial Para fins erapêuicos, a ensão arerial ala é classificada conforme o níel da ensão arerial sisólica. Se a ensão arerial sisólica é menos do que 140, aconselhar o doene sobre como preenir a ensão ala. Se a ensão arerial sisólica é maior do que 140 (repeida a medição após 5-10 minuos) e o doene em menos de 40 anos, ransferir para uma unidade saniária com mais recursos. Se a ensão arerial sisólica é (repeida a medição após 5-10 minuos): aconselhar raameno não medicamenoso (diea saudáel com pouco sal, exercício físico regular, deixar de fumar) e conrolar a TA após 3 meses. Se o doene em problemas do coração, AVC, diabees, iniciar hidrocloroiaida (er pág. 736) e ransferir para uma unidade saniária com mais recursos. Se a ensão arerial sisólica é 170 ou mais, iniciar hidrocloriaida e ransferir para uma unidade saniária com mais recursos. 486 DOENÇAS CRÓNICAS

11 Os ouros doenes deem olar para o conrolo (medir a ensão) 3 meses depois. Se a ensão sisólica coninua maior que 140, iniciar raameno com hidrocloroiaida (er pág. 736), e educar o doene sobre a sua doença. Transferir o doene para uma unidade saniária com mais recursos se depois de 6 meses a TA não baixar (dee er a cerea que o doene fe o raameno regularmene). Coninuar a igiar os ouros doenes, medindo a ensão arerial com regularidade (de 3 em 3 meses). Os medicamenos para conrolar a ensão ala são receiados por écnico ou médico. Os doenes deem ser aconselhados a omar o medicameno odos os dias aé ao fim da sua ida e aaliar a ensão arerial regularmene (de 3 em 3 meses). O raameno da ensão arerial é, em geral, para oda a ida. É imporane encorajar os doenes a coninuar o raameno. Dee ser explicado ao doene os riscos que corre se não omar os medicamenos odos os dias. Doenças do coração Os adulos que êm excesso de peso, fumam, bebem em excesso, não faem exercício físico regular ou êm hiperensão arerial êm mais riscos de sofrer de doenças do coração. Os bebés que nascem com defeios no coração e as crianças que ieram febre reumáica ambém podem er problemas do coração. Sinomas e sinais: Ansiedade e dificuldade em respirar após esforço físico (por ex., subir escadas); aaques ipo asma que pioram quando o doene se deia (asma cardíaca) Dor súbia no peio, ombro e braço esquerdo após exercício, que desaparece com o repouso (angina de peio) Pulso rápido, fraco ou irregular Edema (inchaço) dos membros inferiores Uma dor ipo apero no meio do peio que não desaparece com repouso (aaque cardíaco) DOENÇAS CRÓNICAS 487

12 Traameno: Se suspeiar que uma pessoa em um problema do coração, ransfira para a consula de Medicina. É imporane que a pessoa receba raameno adequado. As pessoas com problemas do coração não deem realiar rabalhos que prooquem dores no peio ou dificuldade em respirar. Mas faer exercícios ligeiros com regularidade eia o aaque cardíaco. As pessoas com problemas do coração deem er um diea saudáel, não fumar, não beber bebidas alcoólicas e faer exercícios regularmene (er capíulo 12). Se a pessoa em angina de peio ou um aaque cardíaco, dee ficar em repouso absoluo num lugar fresco, aé que a dor desapareça. Se a dor no peio é muio fore e não passa com repouso, ou se a pessoa mosra sinais de choque (er pág. 243), proaelmene em um aaque cardíaco (enfare agudo do miocárdio) O doene precisa de ser ransferido para uma unidade saniária com mais recursos, com urgência. Preenção: Para preenir problemas cardíacos no adulo, siga as recomendações para uma ida saudáel (er capíulo 12). Conrole a ensão arerial. Trombose (acidene ascular cerebral - AVC) A rombose ou acidene ascular cerebral (AVC) é geralmene causada por uma hemorragia cerebral ou por uma obsrução nas arérias que irrigam o cérebro. As pessoas com hiperensão arerial êm maior risco de sofrer uma rombose. A rombose surge de repene. O doene pode cair ou ficar inconsciene durane horas ou dias. 488 DOENÇAS CRÓNICAS

13 Se o doene sobreie, pode ficar com dificuldade em falar, andar, er, ou pensar, ou um lado do roso e corpo pode ficar paralisado. Nas romboses ligeiras, os mesmos problemas podem ocorrer sem que a pessoa perca a consciência. Os problemas causados pela rombose algumas ees melhoram com o empo. Isso depende dos cuidados de enfermagem, do raameno precoce das complicações (sobreudo infecções respiraórias) e do início precoce da fisioerapia. Traameno: Colocar o doene deiado na cama, com a cabeça um pouco mais eleada do que os pés. Virar o doene de lado, na posição laeral de segurança (er pág. 246) e aspirar as secreções. Virar o doene de lado de 2 em 2 horas. Enquano a pessoa esier inconsciene não dar comida, bebidas ou medicamenos pela boca. Dee-se ransferir o doene para uma unidade saniária com mais recursos o mais urgene possíel. Começar exercícios diários passios (pedir apoio à família acompanhane se possíel). A reabiliação é obrigaória para odos os doenes que recuperam do AVC e inclui: fisioerapia apropriada limiação do sal, álcool e gorduras conrolo da ensão arerial oma regular de medicamenos absenção do fumo conrolo do peso Se depois da rombose a pessoa coninua paralisada de um lado, ajudá-la a andar com uma bengala e a uiliar a mão boa para se cuidar soinha. Não se dee er medo de faer exercícios, e gradualmene dee-se aumenar a disância que o doene consegue caminhar e o número de coisas que pode faer soinho. Dee-se dar carinho e ânimo, pois a recuperação pode coninuar durane ários meses. Mesmo que a fala coninue a ser um problema, lembre-se que a pessoa compreende perfeiamene o que os ouros diem na sua presença. DOENÇAS CRÓNICAS 489

14 Dee-se maner a ensão arerial denro dos limies normais omando os medicamenos com regularidade (odos os dias). Se o doene parar de omar os medicamenos, poderá sofrer oura rombose. Acidene isquémico ransiório (AIT) Os acidenes isquémicos ransiórios são episódios de rombose de cura duração (poucos minuos aé 1 hora) em que o doene em diminuição da força num lado do corpo, ou paralisia facial, ou dificuldade na fala, seguidos por recuperação esponânea sem sequelas. A eses acidenes pode seguir-se um AVC. Dee-se eniar o doene para uma unidade saniária com mais recursos, com urgência. A preenção consise em seguir as medidas mencionadas no capíulo 12 e no conrolo da TA. Diabees A diabees é uma doença crónica em que as pessoas êm muio açúcar no sangue. Ela pode começar quando a pessoa é joem (diabees Tipo I) ou na idade adula (diabees Tipo II). O Tipo I é mais grae e o doene precisa de insulina para ier. O Tipo II é mais frequene depois dos 40 anos de idade e nas pessoas obesas. Um doene com suspeia de diabees dee ser aaliado numa unidade saniária com mais recursos. Sinomas precoces da diabees: sede consane (bebe muia água) urinar muio cansaço e fraquea consanes perda de peso (Tipo I) isão ura infecções repeidas da pele comichão nos órgãos geniais impoência sexual Um exame de urina ajuda a saber se uma pessoa sofre de diabees. 490 DOENÇAS CRÓNICAS

15 O diabéico apanha frequenemene infecções que não curam facilmene. Para saber se uma pessoa em diabees, dee-se analisar a urina, para er se em açúcar, ou o sangue, para er se em um níel eleado de açúcar. Exisem umas fias especiais para medir o açúcar na urina. Se a fia muda de cor quando mergulhada na urina, esa coném açúcar. Para medir o açúcar no sangue pode-se usar um aparelho especial chamado glucómero. Ese aparelho mede o níel de açúcar e mosra um número que dee ser menor de 7 mmol/l ou 126 mg/dl. Traameno: O raameno da diabees em rês componenes: Diea equilibrada e sem açúcar (doces, bolos, chocolaes, ec.) Exercício físico regular Medicamenos (insulina, glibenclamida, meformina) Diea para diabéicos A diea normal precisa de ser modificada. A diea dee ser seguida com muio cuidado para o reso da ida. O doene não dee engordar nem emagrecer demais. O diabéico obeso ou com excesso de peso dee perder peso. Iso conseguese com: Reduir a quanidade de comida (comer meade do que comia normalmene) Não comer comida gordurosa (eiar os frios) Não comer açúcar ou comidas doces Comer egeais e fruas (1 peça) e peixe à onade Faer exercício físico diariamene O diabéico não dee comer açúcar e comidas doces (excepo para raar a hipoglicemia), por exemplo, açúcar, chá adoçado, rebuçados, gelados, refrescos, bolachas açucaradas, leie condensado, bolos, chocolaes, jam. DOENÇAS CRÓNICAS 491

16 O diabéico dee reduir o consumo das comidas com gordura: alguns óleos egeais, como o de coco, amendoim e o de palma, casanha de caju; leie gordo e seus deriados: queijo e maneiga; carnes gordas, banha de porco, gema de oo, comidas processadas (por exemplo, nicknacks, hambúrgueres, pias, cachorros-quenes, enlaados, bolos, baaas frias). Se possíel, dee comer comida com fibra: fruas como papaia, legumes crus como cenouras e nabos, pão inegral, maçaroca coida, mandioca e semenes como as de abóbora ou girassol. O farelo em muia fibra e pode ser adicionado à alimenação. Não se dee abusar deses alimenos pois ambém êm açúcar. Alimenos com fibra Alimenos que se pode comer liremene Peixe e carne branca (galinha e peixe são os melhores) Fruas: papaia, melancia, oranja, pêra-abacae Vegeais: folhas erdes, coue, repolho, alface, abóbora, omae, cebola, pepino É aconselháel comer frua nos ineralos das refeições (1 peça). Nos doenes com diabees Tipo I, é muio imporane comer num horário cero e regular e não ficar muias horas sem comer (dee er pelo menos 6 refeições por dia). Exisem alguns remédios radicionais para adulos com diabees, como beijo-de-mulaa. 492 DOENÇAS CRÓNICAS

17 Além da diea, odos os doenes com diabees deem seguir as recomendações para uma ida saudáel do cap. 12. O doene dee faer exercício físico regular. Os doenes que omam insulina, deem faer um pequeno lanche (por exemplo, papas ou pão) anes do exercício. Se o exercício é inenso ou prolongado, dee comer qualquer coisa (pão, frua, leie). O doene dee conhecer os sinomas de hipoglicemia, para a poder raar logo que surjam. Diabees Tipo II É melhor conrolar a doença sem medicamenos, comendo correcamene e faendo exercício físico regular. As pessoas gordas com diabees deem emagrecer aé que o peso ole aos alores normais (peso ideal). A maior pare dos diabéicos adulos podem ser conrolados com diea. Se coninuam com os sinomas e com açúcar na urina, ransferir para uma unidade saniária com mais recursos, onde o clínico decidirá se o doene precisa de medicamenos. Eses doenes não precisam de insulina. Diabees Tipo I As crianças e joens com diabees deem ser inernados ao níel de hospial rural ou superior aé que esejam conrolados e saibam como usar insulina. Dee-se ensinar ao doene e a um familiar da confiança do doene como adminisrar insulina. Traameno com insulina A insulina dee ser conserada de forma a eiar o calor excessio e a lu solar. Dee maner-se o frasco na geleira, eiando congelá-lo. Se isso não for possíel, dee ser conserada num lugar fresco ao abrigo da lu solar, por exemplo um poe de barro com um pano em cima ou enerrado num lugar fresco do quinal. Usar a seringa durane 2-3 semanas. Após cada uiliação dee ser laada com água limpa e sabão, e manida seca. Não é preciso eseriliá-la. DOENÇAS CRÓNICAS 493

18 Técnica da injecção Anes da injecção, limpar com água e secar a pele da área (barriga ou coxa). Não limpar com álcool porque iso endurece a pele. Injecar o coneúdo da seringa pela ia subcuânea (er pág. 134). Mudar periodicamene o local da injecção. Ensinar ao doene e aos seus familiares a reconhecer os sinomas e sinais de hipoglicemia e de hiperglicemia. Todos os doenes com diabees precisam de conrolo regular numa unidade saniária a cada 3 meses. Complicações Se a diabees não for bem conrolada, o doene pode desenoler complicações a longo prao: Perda de sensibilidade nos pés, com feridas e úlceras que não saram Danos no coração, rins Problemas de circulação de sangue nas pernas AVC (rombose) Cegueira Impoência sexual nos homens e perda da líbido (desejo sexual) nas mulheres 494 DOENÇAS CRÓNICAS

19 Hipoglicemia Um doene diabéico que esá a omar insulina ou medicamenos pode, em algumas siuações, er sinomas e sinais de hipoglicemia (açúcar baixo no sangue). Eses consisem em: sensação de fome suores frios confusão menal irriabilidade perda súbia de consciência (desmaio) A hipoglicemia exige um raameno urgene logo que aparecem os primeiros sinais. Tomar algum açúcar ou produo açucarado imediaamene e descansar minuos. Os doenes que omam medicamenos ou insulina deem er sempre consigo rebuçados ou açúcar e omá-los imediaamene se ierem eses sinomas. Quando o doene perde a consciência, dee ser raado com urgência numa unidade saniária com recursos para adminisrar: no adulo, glicose 30% E.V. (er pág. 729), seguida por glicose 10% E.V. (er pág. 729), e na criança, glicose 10% E.V. Hiperglicemia A hiperglicemia grae (açúcar em excesso no sangue) pode causar perda de consciência. Anes de perder a consciência, o doene pode apresenar os seguines sinomas: aumeno da sede e urinar com frequência náuseas, ómios e dores abdominais sonolência respiração rápida e profunda O doene com eses sinomas dee ser ransferido com urgência para uma unidade saniária com mais recursos. DOENÇAS CRÓNICAS 495

20 Preenção e raameno das complicações nos pés: Examinar os pés diariamene, procurando cores, feridas, bolhas, ou arranhões. Uiliar um espelho para er bem a plana do pé e enre os dedos. Laar os pés diariamene, secando cuidadosamene enre os dedos. Não deixar os pés de molho na água. Qualquer infecção pequena da pele enre os dedos dee ser raada imediaamene. Se houer uma úlcera, não colocar curaios que se colam à pele, mas usar gae (ligadura) seca. Se a pele dos pés ficar seca, colocar creme (aselina) ou óleo de bebé, mas não enre os dedos. Não raar a pele dos pés com produos químicos, por exemplo, para remoer errugas ou calos. Corar e limar os calos com muio cuidado. Não andar descalço, especialmene em superfícies quenes como cimeno ou asfalo. Ser caueloso com sapaos e sandálias noos: eles deem ser conforáeis e do amanho cero (comprar sapaos noos no final do dia). Examinar o inerior dos sapaos anes de calçá-los, isualmene e com a mão para descobrir pedrinhas, pregos, ou ouras coisas que possam criar bolhas ou feridas. Calçar sempre os sapaos com meias. Trocar as meias diariamene e eiar meias rasgadas, remendadas ou aperadas. Corar as unhas recas, não curas, para preenir unhas encraadas. Se ier problemas de circulação nos pés (cor escura e pé dormene), dee er muio cuidado com os pés. Descanse e elee os pés frequenemene. Não pôr os pés em água quene. Higiene geral Os diabéicos deem er cuidado com a higiene geral para preenção das infecções: Laar sempre os denes depois de comer Banho diário 496 DOENÇAS CRÓNICAS

21 Carão de idenifi cação Todos os diabéicos deeriam er um carão de idenificação de doene diabéico permanenemene consigo. Exemplo de carão: NOME: MORADA: NOME DE UM FAMILIAR: TELEFONE: Eu sou diabéico a omar insulina odos os dias. Se for enconrado doene, por faor dar-me duas colherinhas de açúcar, de preferência com água. Deo er açúcar no meu bolso ou pasa. Se esou inconsciene ou não recupero, por faor lee-me a uma unidade saniária e aise o meu familiar. Conaco em caso de urgência: Os diabéicos podem ambém conacar e faer pare das associações de diabéicos. Nas associações êm informação e educação sobre a doença. Cirrose do fígado A cirrose é o resulado final de dano prolongado do fígado, muias ees deido a hepaie na infância. O consumo de bebidas alcoólicas em excesso durane muios anos ambém pode causar cirrose do fígado. A cirrose geralmene aparece nas pessoas com mais de 40 anos de idade. Sinomas e sinais: A cirrose começa como a hepaie, com fraquea, perda de apeie, mal-esar no esômago e dor abdominal. À medida que a doença piora, a pessoa fica cada e mais magra e pode er náuseas e ómios (por ees ómios com sangue). Nos casos graes, os pés e o abdómen incham. O abdómen com líquido parece um ambor (ascie). Os olhos e a pele podem ficar amarelados (icerícia). Alguns doenes podem eoluir para o cancro do fígado. Na fase final da doença, o doene em confusão menal e enra em coma. DOENÇAS CRÓNICAS 497

Estilos de vida saudáveis

Estilos de vida saudáveis Esilos de vida saudáveis CAPÍTULO 12 Muios problemas de saúde da meia-idade e da velhice resulam da forma como a pessoa viveu ao longo dos anos. Maus hábios alimenares, a ingesão de álcool em excesso e

Leia mais

Doenças infecciosas da criança

Doenças infecciosas da criança Doenças infecciosas da criança CAPÍTULO 30 Sarampo Esa infecção causada por írus é muio perigosa em crianças malnuridas ou que êm uberculose ou HIV e SIDA. Transmie-se de uma criança para oura por meio

Leia mais

Doenças da boca. O cuidado dos dentes e das gengivas é importante porque:

Doenças da boca. O cuidado dos dentes e das gengivas é importante porque: CAPÍTULO 27 Doenças da boca Cuidar dos denes e gengivas O cuidado dos denes e das gengivas é imporane porque: z z z Denes fores e saudáveis são necessários para masigar e digerir bem os alimenos. Denes

Leia mais

Sintomas e doenças comuns

Sintomas e doenças comuns CAPÍTULO 16 Sinomas e doenças comuns Nese capíulo se descreem os sinomas e as doenças mais comuns referidos pelos doenes. A febre, apesar de ser um sinoma comum, é descria no capíulo 17, juno com a malária.

Leia mais

Infecções respiratórias agudas e meningite

Infecções respiratórias agudas e meningite CAPÍTULO 19 Infecções respiraórias agudas e meningie Toda a infecção aguda (início súbio ou há poucos dias) que envolve o aparelho respiraório é designada infecção respiraória aguda (IRA). Uma IRA pode

Leia mais

Saúde mental. Saúde mental significa a sensação de bem-estar emocional, quando se fala em felicidade, alegria de viver, prazer e satisfação.

Saúde mental. Saúde mental significa a sensação de bem-estar emocional, quando se fala em felicidade, alegria de viver, prazer e satisfação. CAPÍTULO 33 Saúde menal Saúde menal significa a sensação de bem-esar emocional, quando se fala em felicidade, alegria de ier, prazer e saisfação. Os problemas de saúde menal podem afecar ano os adulos,

Leia mais

Sintomas e doenças comuns

Sintomas e doenças comuns CAPÍTULO 16 Sinomas e doenças comuns Nese capíulo se descreem os sinomas e as doenças mais comuns referidos pelos doenes. A febre, apesar de ser um sinoma comum, é descria no capíulo 17, juno com a malária.

Leia mais

Outras doenças graves

Outras doenças graves Ouras doenças graes CAPÍTULO 23 As doenças descrias nese capíulo são difíceis de raar sem ajuda do clínico. Algumas precisam de medicamenos especiais, que não se enconram disponíeis nas onas rurais. Os

Leia mais

Doenças diarreicas. A diarreia é mais frequente e perigosa em crianças menores de 5 anos, principalmente

Doenças diarreicas. A diarreia é mais frequente e perigosa em crianças menores de 5 anos, principalmente CAPÍTULO 18 Doenças diarreicas As doenças diarreicas consiuem um grae problema de saúde nos países em desenolimeno, onde as condições económicas e de ida das populações são muio precárias. Nesas comunidades

Leia mais

Porque é importante aprender os primeiros socorros?

Porque é importante aprender os primeiros socorros? CAPÍTULO 15 Primeiros socorros O que são primeiros socorros? Os primeiros socorros são um conjuno de medidas que deem ser omadas rapidamene, em caso de acidenes ou de ouras emergências. São, porano, a

Leia mais

Infecções de transmissão sexual (ITS)

Infecções de transmissão sexual (ITS) CAPÍTULO 22 Infecções de ransmissão sexual (ITS) As infecções de ransmissão sexual (ITS) são doenças causadas por micróbios que se ransmiem por conaco sexual. Esas infecções podem er consequências graes

Leia mais

Febre e malária. Febre. z constipações z gripe z bronquite aguda z otite z amigdalite z infecções urinárias z hepatite z brucelose

Febre e malária. Febre. z constipações z gripe z bronquite aguda z otite z amigdalite z infecções urinárias z hepatite z brucelose Febre e malária CAPÍTULO 17 Febre Quando o corpo duma pessoa está quente, di-se que ela tem febre. A febre eleada pode ser perigosa, principalmente numa criança pequena. Se possíel, a febre dee ser medida

Leia mais

Doenças dos olhos. 2. Mancha acinzentada na córnea, com olho avermelhado ao redor da córnea e com dor (úlcera de córnea).

Doenças dos olhos. 2. Mancha acinzentada na córnea, com olho avermelhado ao redor da córnea e com dor (úlcera de córnea). Doenças dos olhos CAPÍTULO 26 glândula lacrimal pupila íris canal lacrimal leva as lágrimas do olho para o nariz A conjuniva é um ecido fino que cobre a pare branca do olho A córnea é a camada ransparene

Leia mais

HIV e SIDA. Vírus HIV SIDA

HIV e SIDA. Vírus HIV SIDA CAPÍTULO 21 HIV e SIDA Vírus HIV O írus HIV (em inglês, Human ImmunoDeficiency Virus, que significa Vírus da ImunoDeficiência Humana) é um micróbio que só se consegue er com um microscópio especial. O

Leia mais

Saúde da criança ALIMENTAÇÃO ADEQUADA HIGIENE VACINAÇÕES

Saúde da criança ALIMENTAÇÃO ADEQUADA HIGIENE VACINAÇÕES CAPÍTULO 28 Saúde da criança ALIMENTAÇÃO ADEQUADA HIGIENE VACINAÇÕES Estes são os três protectores mais importantes do corpo que mantêm as crianças saudáeis e preinem muitas doenças! Poderá aprender sobre

Leia mais

Doenças da pele. Se um problema da pele é grave ou se piora apesar do tratamento, enviar o doente para uma unidade sanitária com mais recursos.

Doenças da pele. Se um problema da pele é grave ou se piora apesar do tratamento, enviar o doente para uma unidade sanitária com mais recursos. CAPÍTULO 25 Doenças da pele Alguns problemas de pele são causados por doenças que afecam apenas a pele ais como a ínea, a sarna, ou as errugas. Ouros são sinais de doenças que aacam o corpo odo como o

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

Uso correcto dos medicamentos

Uso correcto dos medicamentos Uso correcto dos medicamentos CAPÍTULO 6 Curar sem medicamentos Para curar a maioria das doenças, não é necessário utilizar medicamentos. O organismo tem as suas defesas próprias, ou maneiras de resistir

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Ondas de calor medidas de prevenção Recomendações dirigidas à população Conhecimento de todos os estabelecimentos

Leia mais

As causas das doenças

As causas das doenças CAPÍTULO 2 As causas das doenças As pessoas têm maneiras diferentes de explicar a causa duma doença. Um bebé está com diarreia. Mas porquê? Em certas comunidades, talve digam que isso aconteceu porque

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO PROBLEMAS CAUSADOS PELO DIABETES MELLITUS CORAÇÃO: Doença arterial coronariana e risco de infarto do miocárdio RINS: Nefropatia CÉREBRO: Acidente vascular cerebral

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Como cuidar de um doente

Como cuidar de um doente Como cuidar de um doente CAPÍTULO 5 A doença enfraquece o corpo. Para uma pessoa recuperar as forças e sentir-se melhor, são precisos cuidados especiais. Muitas ees, não há necessidade de tomar medicamentos,

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

Higiene e saúde ambiental

Higiene e saúde ambiental Higiene e saúde ambienal CAPÍTULO 11 Mais vale prevenir do que remediar! A higiene pessoal, a limpea da casa e da comunidade, o conrolo dos insecos, e um esilo de vida saudável são esraégias simples, mas

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Quando ocorre uma Onda de Calor emitem-se Alertas: Amarelo ou Vermelho, com menos e mais gravidade, respectivamente. Devem adoptar-se cuidados

Leia mais

Por Enf. Benvinda Brito

Por Enf. Benvinda Brito Por Enf. Benvinda Brito Os primeiros socorros são a primeira ajuda ou assistência dada a uma vítima de acidente ou doença súbita antes da chegada de uma ambulância ou do médico. A finalidade dos primeiros

Leia mais

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros:

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros: Primeiros socorros Os primeiros socorros é o tratamento inicial dado a alguém que se magoou ou sofreu um acidente. Se o acidente for grave, não deves mexer na pessoa lesionada e chamar o 112, explicando-lhe

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor MINISTÉRIO DA SAÚDE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ALGARVE DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Durante os meses de Verão as temperaturas podem

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Diabetes. Introdução. Sintomas

Diabetes. Introdução. Sintomas Diabetes Introdução A diabetes desenvolve-se quando o organismo não consegue controlar a quantidade de glicose (açúcar) no sangue. Isto pode acontecer se o corpo não produzir quantidades suficientes da

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2009 RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA A POPULAÇÃO Nº: 24/DA DATA: 09/07/09 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos de Saúde Divisão de Saúde Ambiental

Leia mais

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Governo do Estado da Bahia Jacques Wagner Secretário de Saúde do Estado da Bahia Jorge José Santos Pereira Solla Superintendência de Atenção

Leia mais

Como viver bem com diabetes

Como viver bem com diabetes Como viver bem com diabetes Sumário 3 5 7 8 10 12 14 15 16 17 19 O que é diabetes? Como saber se tenho diabetes? Por que controlar bem o diabetes? Alimentação Por que fazer exercícios físicos? Tratamento

Leia mais

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos PORTUGUÊS 78 ÍNDICE Página CORO TIPO BLOQUEIO ROSC... 80 CERTO D HOR... 81 CERTO DO DI DO MÊS... 82 CRONÓMETRO... 83 OPERÇÃO DO BOTÃO DE BLOQUEIO DE SEGURNÇ... 85 TQUÍMETRO... 86 TELÉMETRO... 88 SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Ataque cardíaco. Os homens têm uma probabilidade três vezes maior de sofrerem um ataque cardíaco do que as mulheres.

Ataque cardíaco. Os homens têm uma probabilidade três vezes maior de sofrerem um ataque cardíaco do que as mulheres. Ataque cardíaco Introdução Um ataque cardíaco, também conhecido como enfarte do miocárdio, ou trombose coronária, ocorre quando parte do músculo cardíaco morre por falta de oxigénio. O ataque cardíaco

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS 2013 Diretoria Executiva Diretor-Presidente: Cassimiro Pinheiro Borges Diretor Financeiro: Eduardo Inácio da Silva Diretor de Administração: André Luiz de Araújo Crespo

Leia mais

Como administrar medicamentos

Como administrar medicamentos Como administrar medicamentos CAPÍTULO 8 Os medicamentos podem ser administrados aos doentes atraés de diferentes ias de administração: pela boca ia oral; pelo recto ia rectal; pela agina ia aginal; ou

Leia mais

A família acolhe a mãe e o bebê em casa

A família acolhe a mãe e o bebê em casa Mãe e bebê em casa A família acolhe a mãe e o bebê em casa Hoje vou ter uma nova idéia A família deve receber mãe e bebê num ambiente de amor e respeito. Cuidado e protegido, o bebê se sente seguro e com

Leia mais

Entendendo a lipodistrofia

Entendendo a lipodistrofia dicas POSITHIVAS Entendendo a lipodistrofia O que é a lipodistrofia? Lipodistrofia é quando o corpo passa a absorver e a distribuir as gorduras de maneira diferente. Diminui a gordura nas pernas, braços,

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Sono com qualidade apresentação Uma boa noite de sono nos fazer sentir bem e com as forças renovadas. O contrário também vale. Uma péssima noite

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Infecção respiratória aguda

Infecção respiratória aguda O bebê de 2 e 3 meses Infecção respiratória aguda Toda idéia é boa ou má, dependendo de como se desenvolve. As infecções respiratórias são doenças responsáveis por grande número de internações e mortes

Leia mais

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aiidades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 3 1.1 Velocidade.............................. 3 1.2 Represenações do moimeno................... 7 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza raga Índice Cinemáica...1 Exercícios... Gabario...6 Cinemáica (Não se esqueça de adoar uma origem dos espaços, uma origem dos empos e orienar a rajeória) M.R.U. =

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL Que conseqüências a pressão alta pode trazer? O que é hipertensão arterial ou pressão alta?

HIPERTENSÃO ARTERIAL Que conseqüências a pressão alta pode trazer? O que é hipertensão arterial ou pressão alta? HIPERTENSÃO ARTERIAL O que é hipertensão arterial ou pressão alta? A hipertensão arterial ou pressão alta é quando a pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias para se movimentar é muito forte,

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL

HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL O que é hipertensão arterial ou pressão alta? A hipertensão arterial ou pressão alta é quando a pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias para se movimentar é muito forte,

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

Gripe: o que você pode fazer. Cuidados em casa

Gripe: o que você pode fazer. Cuidados em casa Gripe: o que você pode fazer Cuidados em casa Para mais informações, confira: www.mass.gov/dph/flu Gripe: o que você pode fazer Cuidados em casa ÍNDICE: O que é a gripe? 2 Prevenção da gripe 6 Cuidados

Leia mais

Nutrição. Doenças causadas por uma má alimentação

Nutrição. Doenças causadas por uma má alimentação CAPÍTULO 10 Nutrição Doenças causadas por uma má alimentação É necessário ter uma boa alimentação para que uma criança se desenola bem e as pessoas se mantenham saudáeis e com boa disposição para o trabalho

Leia mais

Tudo sobre Detox em apenas 5 minutos mais 3 receitas Bônus

Tudo sobre Detox em apenas 5 minutos mais 3 receitas Bônus 2 Opa, aqui é Augusto Marmo idealizador do #Dietadafibra e neste e-book vou te mostrar um ponto chave para você atingir o seu peso ideal de forma fácil e saborosa. Eu utilizei os sucos detox para a desintoxicação

Leia mais

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib)

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este guia destina-se a doentes a quem tenha sido receitado

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais.

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais. Depressão Introdução A depressão é uma doença séria. Se estiver deprimido, pode ter sentimentos de tristeza extrema que duram longos períodos. Esses sentimentos são muitas vezes suficientemente severos

Leia mais

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls Galinhas saudáveis

Leia mais

Tudo sobre Detox em apenas 5 minutos mais 3 receitas Bônus

Tudo sobre Detox em apenas 5 minutos mais 3 receitas Bônus 2 Opa, aqui é Augusto Marmo idealizador do #Dietadafibra e neste e-book vou te mostrar um ponto chave para você atingir o seu peso ideal de forma fácil e saborosa. Eu utilizei os sucos detox para a desintoxicação

Leia mais

ANEXO I - RESPOSTA FISIOLÓGICA AO CALOR INTENSO

ANEXO I - RESPOSTA FISIOLÓGICA AO CALOR INTENSO ANEXOS 28 ANEXO I - RESPOSTA FISIOLÓGICA AO CALOR INTENSO Resposta fisiológica ao calor intenso A temperatura corporal é constantemente regulada mantendo-se num intervalo relativamente estreito (35ºC 39ºC),

Leia mais

Guia de Doenças Cro nicas Para os Lí deres comunita rios formadores

Guia de Doenças Cro nicas Para os Lí deres comunita rios formadores Page1 Guia de Doenças Cro nicas Para os Lí deres comunita rios formadores Fortalecimento das Comunidades através da Programação Integrada (Strengthening Communities through Integrated Programing SCIP)

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Doença do Refluxo Gastroesofágico. O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago (comida ou acido clorídrico)

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Como examinar um doente

Como examinar um doente CAPÍTULO 3 Como examinar um doente Quando um doente procura ajuda, é necessário começar por lhe faer algumas perguntas importantes e examiná-lo cuidadosamente, de modo a perceber quais são as suas preocupações

Leia mais

MODIFICAÇÕES ESPERADAS DURANTE A GRAVIDEZ

MODIFICAÇÕES ESPERADAS DURANTE A GRAVIDEZ CORPO DA GRÁVIDA À medida que a gravidez evolui e o bebé se desenvolve, o corpo da mãe modifica-se, adaptando-se à nova situação. Nem sempre é fácil aceitar a transformação rápida que o corpo sofre durante

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes?

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes? Quais são os sintomas? Muita sede, muita fome, muita urina, desânimo e perda de peso. Esses sintomas podem ser observados antes do diagnóstico ou quando o controle glicêmico está inadequado. O aluno com

Leia mais

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão!

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão! Praticando vitalidade Sedentarismo corra desse vilão! O que é sedentarismo? Sedentarismo é a diminuição de atividades ou exercícios físicos que uma pessoa pratica durante o dia. É sedentário aquele que

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Viva Bem! Cuide da Sua Saúde!

Viva Bem! Cuide da Sua Saúde! Viva Bem! Cuide da Sua Saúde! O Serviço Social da Construção Alimentação Saudável Quanto mais colorida for a sua alimentação, maior a presença de nutrientes no seu corpo e melhor será a sua saúde. 50%

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro. A Escolha é Somente Tua

Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro. A Escolha é Somente Tua Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro A Escolha é Somente Tua 1 Tabagismo significa abuso de tabaco. É o vício de fumar regularmente um número considerável de cigarros, cigarrilhas, charutos ou tabaco

Leia mais

A B C. Manter-se saudável Como controlar a diabetes tipo 2 (Type 2 Diabetes)

A B C. Manter-se saudável Como controlar a diabetes tipo 2 (Type 2 Diabetes) 1 Manter-se saudável Como controlar a diabetes tipo 2 (Type 2 Diabetes) Conhece o ABCDEs? Fale com o profissional de saúde familiar sobre as metas mais saudáveis para si, bem como a forma de as alcançar

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

www.500receitasparaemagrecer.com.br SUPER 9 DIETAS 500 Receitas para Emagrecer Dicas Dietas sobre Metabolismo

www.500receitasparaemagrecer.com.br SUPER 9 DIETAS 500 Receitas para Emagrecer Dicas Dietas sobre Metabolismo SUPER 9 DIETAS Esta dieta é baseada principalmente na ingestão de alimentos que aumentam a densidade nutricional e diminuir a densidade calórica. É uma das dietas mais equilibradas, uma vez que não se

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Prevenção de infecções nas unidades sanitárias

Prevenção de infecções nas unidades sanitárias CAPÍTULO 9 Preenção de infecções nas unidades sanitárias Risco de transmissão de infecções Quando prestam cuidados aos doentes, os trabalhadores de saúde podem entrar em contacto com líquidos do corpo,

Leia mais