Doenças da pele. Se um problema da pele é grave ou se piora apesar do tratamento, enviar o doente para uma unidade sanitária com mais recursos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doenças da pele. Se um problema da pele é grave ou se piora apesar do tratamento, enviar o doente para uma unidade sanitária com mais recursos."

Transcrição

1 CAPÍTULO 25 Doenças da pele Alguns problemas de pele são causados por doenças que afecam apenas a pele ais como a ínea, a sarna, ou as errugas. Ouros são sinais de doenças que aacam o corpo odo como o sarampo e a pelagra. Ceros ipos de problemas da pele podem ser sinais de doenças graes ais como o HIV e SIDA, a uberculose, a sífilis, ou a lepra. Exisem numerosas doenças da pele, mas ese capíulo raa apenas dos problemas mais comuns. Algumas doenças são ão parecidas enre si que é difícil diferenciá-las. No enano, as suas causas e o seu raameno podem ser compleamene diferenes. Quando ocorre uma erupção generaliada, purulena ou muio dolorosa ou quando aparece uma reacção na pele (erupção, pele aermelhada, ou comichão), logo depois da oma de algum medicameno, o doene dee ser raado numa unidade saniária. Se um problema da pele é grae ou se piora apesar do raameno, eniar o doene para uma unidade saniária com mais recursos. Regras gerais para raar problemas de pele Quando se raa doenças da pele, dee-se laar sempre as mãos, com água e sabão, anes e depois de efecuar o raameno. Proeger as mãos com luas (se houer) ou com plásicos. Maner as unhas do doene curas, para eiar que, ao coçar, ese arranhe a pele, o que pode alasrar a infecção. Laar a área afecada, pelo menos uma e por dia, com água e sabão. Apesar de muios problemas da pele precisarem de raameno específico, exisem algumas regras gerais que podem ajudar: 500

2 REGRA Nº 1 Quando há feridas: Aliiar o desconforo do doene e preenir a infecção laando a área afecada com uma solução diluída de permanganao de poássio (er pág. 737) ou cerimida e clorexidina (er pág. 739). Não endo eses produos, use uma solução de água com um pouco de sal. Iniciar a laagem pelos bordos da ferida; depois, laar a parir do meio da ferida para a pare de fora com um moimeno único. Se a ferida for grande, uiliar um noo pano limpo ou compressa iniciando do pono onde se parou anes. Se a ferida ier sangue ou pus, cobrir a ferida com um penso para preenir a infecção, proeger ouras pessoas e eiar a dor. Os pensos não deem comprimir a ferida. Se a ferida é seca pode ser deixada abera. Se a ferida esier na perna ou no pé, maner a pare afecada imóel e em posição eleada (mais ala do que o reso do corpo). REGRA Nº 2 Se a área afecada esá quene e dolorosa, raar a área com calor. Colocar uma compressa ou um pano húmido e quene sobre o local (compressa quene). REGRA Nº 3 Se a área afecada fa comichão, arde, ou em pus, raar a área com frio. Colocar uma compressa ou um pano molhado e frio sobre o local (compressa fria). Regra nº 2 (em maior dealhe) Se a pele mosra sinais de infecção como, por exemplo: pele ermelha inchaço dor calor pus 501

3 Faer o seguine: Maner a pare afecada imóel e em posição eleada (mais ala do que o reso do corpo). Aplicar panos húmidos e quenes. Se a infecção é grae, ou a pessoa em febre, dar penicilina oral (pág. 694). Os sinais de perigo são os seguines: gânglios linfáicos inchados ou mau cheiro. Se eses sinais não melhoram com o raameno, o doene dee ser referido para uma unidade saniária com mais recursos. Regra nº 3 (em maior dealhe) Se a pele afecada forma bolhas ou crosa, começa a deiar pus, fa comichão, pica ou arde, faer o seguine: Aplicar uma compressa embebida em água fria, ou em permanganao de poássio diluído, se ier (er pág. 737). REGRA Nº 4 Se as áreas afecadas se enconram em pares do corpo que esão geralmene exposas ao sol, esas deem ser proegidas do sol. 502

4 COMO FAZER E APLICAR PACHOS DE ÁGUA QUENTE 1. Ferer a água e deixar arrefecer aé que se consiga colocar a mão denro. 4. Cobrir o pano (pacho) com um plásico fino, se ier. 2. Dobrar um pedaço de pano limpo, de modo a que fique um pouco maior do que a área da pele que se ai raar. Mergulhar o pano na água morna e espremer o excesso da água. 5. Enoler o pacho com uma oalha para conserar o calor. 6. Maner eleada a ona afecada. 3. Colocar o pano (pacho) sobre a área afecada. 7. Aplicar o pacho quene sobre a ferida durane 20 minuos, 4 ees ao dia. Exise uma endência de as pessoas aplicarem pomadas de anibióicos quando surge algum problema na pele. Esa pomadas são caras, pouco eficaes e podem produir alergias. 503

5 Problemas de pele uma lisa para idenifi cá-los Se a pele em: E se apresena assim: O doene pode er: Lesões pequenas, que parecem borbulhas Pequenas lesões ou borbulhas com muia comichão que aparecem primeiro enre os dedos, nos pulsos, ou na cinura. Sarna Borbulhas com pus (púsulas) ou inflamadas, geralmene causadas por se er coçado mordeduras de insecos. Podem causar aumeno dos gânglios linfáicos. Infecção por bacérias Borbulhas irregulares com pus e crosas amarelas e um pouco brilhanes, que ão alasrando pelo corpo. Impeigo (infecção por bacérias) Borbulhas no roso de adolescenes, às ees ambém localiadas no peio e nas cosas, muias ees com ponos de pus. Vermelhidão exensa, com borbulhas, às ees com comichão. Linha serpiginosa com prurido. Acne, borbulhas, ponos negros Reacção aos medicamenos Dermaie serpiginosa 504

6 Se a pele em: E se apresena assim: O doene pode er: Úlcera crónica (que não cicaria) rodeada por pele arroxeada, na ona dos ornoelos. Úlcera ropical ou, nos elhos, úlcera causada por má circulação (possielmene diabees). Cancro Ferida abera grande ou uma úlcera da pele Feridas que se formam na ona dos ossos e ariculações de pessoas muio doenes e acamadas. Escaras Feridas com perda de sensibilidade nos pés ou mãos (não doem). Lepra Nódulo (caroço) debaixo da pele Nódulo inchado, doloroso e quene que, às ees, rebena esponaneamene. Abcesso ou furúnculo Nódulo doloroso e quene que aparece na mama da mulher que esá a amamenar. Masie (infecção por bacérias) 505

7 Se a pele em: E se apresena assim: O doene pode er: Um ou mais nódulos arredondados, na cabeça, pescoço, ou pare superior do corpo (ou no meio do corpo e nas coxas). Oncocercose (cegueira do rio) Nódulos aermelhados de amanhos diferenes e de crescimeno leno. Lepra Gânglios linfáicos aumenados Nódulos num lado do pescoço (que podem rebenar e cicariar). Escrófula (uberculose ganglionar) Nódulos nas irilhas que rebenam e cicariam coninuamene. Linfogranuloma enéreo 506

8 Se a pele em: E se apresena assim: O doene pode er: Manchas a descamar e placas no couro cabeludo, roso, ronco, axila, irilhas. Dermaie seborreica Manchas escuras Manchas com bolhas no roso, nos braços, ou nos pés. Muia comichão. Manchas bem demarcadas nas dobras da pele, com secreção branca, como leie coalhado. Dermaie aópica (ecema) Candidíase (infecção por fungo) Uma ona inchada, dolorosa e quene em qualquer pare do corpo. Abcesso ou infecção a alasrar, erisipela ou celulie Áreas com manchas descamadas que parecem queimaduras de sol. Pelagra (um ipo de malnurição) Manchas nas pernas; e em ouras pares do corpo, manchas grossas que parecem casca de laranja, ou enrugadas como a pele duma pessoa idosa. Manchas escuras na pele ou na boca. Oncocercose (cegueira do rio) Sarcoma de Kaposi 507

9 Se a pele em: E se apresena assim: O doene pode er: Manchas claras Manchas claras no roso, pescoço, ou peio. A superfície da pele é normal (achaada) e não esá dormene Manchas mais claras no roso, corpo, nádegas, ec. Normalmene não êm sensibilidade. Manchas brancas, com áreas bem marcadas que começam nas mãos, ao redor da boca ou enre as pernas e que ão alasrando para a perda complea de cor. Piiríase ersicolor (infecção por fungos) Lepra Viiligo Manchas por descamação da pele, com edema (inchaço) das pernas e braços. Cabelo casanho aermelhado. Malnurição (kwashiorkor) Sinais e perda de pare da cor nas pernas ( pele de leopardo ) Esado aançado de oncocercose 508

10 Se a pele em: E se apresena assim: O doene pode er: Verrugas Verrugas simples, não muio grandes. Verruga ulgar (infecção por írus) Pequenos anéis que crescem coninuamene ou alasram e podem causar comichão. Tínea Anéis (manchas com bordos ermelhos ou eleados, geralmene mais claras no cenro) Grandes círculos, com bordos espessos que não faem comichão. Sífilis (esado aançado) Anéis grandes sem sensibilidade no cenro (uma picada de agulha não causa dor). Lepra Pequenos anéis escuros que aparecem nas faces e nari, às ees com uma pina no meio. Cancro da pele 509

11 Se a pele em: E se apresena assim: O doene pode er: Bolhas com inchaço, com muia comichão e húmidas (com secreção). Dermaie de conaco Vesículas e bolhas (esículas grandes) Vesículas (pequenas bolhas) e pinas sobre o corpo odo que começam nas cosas e peio. Varicela Área com esículas muio dolorosas, localiadas numa ona do corpo, geralmene em forma de faixa ou de cacho. Herpes oser (ona) Uma área cinena ou enegrecida, com mau cheiro, bolhas e bolsas de ar que alasram. Gangrena gasosa (infecção muio grae por bacérias) 510

12 Se a pele em: E se apresena assim: O doene pode er: Erupção fina em odo o corpo, geralmene em crianças que se apresenam muio doenes. Começa arás das orelhas e no pescoço, com a superfície da pele a ornar-se áspera, e alasra-se depois para o roso, ronco e membros; febre. Sarampo Erupção no corpo odo, ou ponos pequenos aermelhados Erupção em odo o corpo, mais frequene em crianças que não esão muio doenes, acompanhada de aparecimeno de gânglios linfáicos aumenados (adenopaias) no pescoço e na nuca. Rubéola Erupção generaliada com pequenas pápulas e esículas que causam comichão. Não esá doene. Erupção por calor (líquen) Uricária Manchas salienes (pápulas), ou erupção, com muia comichão (podem aparecer e desaparecer rapidamene). Reacção alérgica Doenças da pele causadas por insecos Sarna A sarna é uma doença frequene, principalmene em crianças. Causa borbulhas ou feridas pequenas que faem muia comichão e que podem aparecer em odo o corpo. As feridas são causadas, principalmene, porque o doene se coça muio. Enre as lesões aparecem crosas de cor negra do amanho duma cabeça de alfinee. O HIV pode esar associado a sarna persisene. 511

13 É mais comum: enre os dedos nos pulsos à ola da cinura nos geniais Pequenas feridas que proocam comichão, localiadas no pénis e escroo dos rapaes São quase sempre causadas pela sarna. A sarna é causada por pequenos ácaros (parasias) parecidos com uma carraça ou pulga que perfuram a superfície da pele e formam úneis onde deposiam os seus oos. É ransmiida araés do conaco com a pele ou roupa (incluindo da cama) duma pessoa infecada. O coçar pode causar infecção, ou proocar feridas com pus, e às ees os gânglios linfáicos ficam aumenados ou aparece febre. Traameno e recomendações: Anes de começar o raameno, é preciso laar bem oda a roupa, incluindo a da cama, e oalhas que deem ser esendidas ao sol e passadas a ferro. A higiene pessoal é muio imporane. Se uma pessoa em sarna, odos as pessoas da família deem ser raadas. Tomar banho e mudar de roupa odos os dias. Os banhos deem ser com água quene e sabão, do queixo à plana dos pés, insisindo onde há lesões ou comichão e esfregando bem a pele. Depois do banho, aplicar loção de benoao de benilo (er pág. 738) ou hexacloreo de beneno (er pág. 737) da seguine maneira: Espalhar a loção pelo corpo odo, excepo no roso: deixar ficar durane 24 horas; e depois omar banho. Mudar de roupa, incluindo a da cama; esa roupa dee ser muio bem laada e passada a ferro. Repeir o raameno após 1 semana. As pessoas deem corar bem as unhas, para não faerem feridas quando se coçam. 512

14 Piolhos Piolhos da cabeça e do corpo (incluindo os da região púbica) proocam comichão, e às ees infecções da pele e aumeno dos gânglios linfáicos. Para eiar os piolhos, é preciso er boa higiene pessoal e domésica: oda a família dee omar banho odos os dias e laar a cabeça com frequência; a roupa de cama, almofadas e berços, deem ser posos a arejar ao sol odos os dias. É necessário er uma aenção paricular com as crianças, examinando frequenemene as suas cabeças. Se ierem piolhos, deem ser raadas imediaamene e não deem dormir com as ouras crianças, porque os piolhos ransmiem-se com muia facilidade. Traameno: Aplicar benoao de benilo (er pág. 738) ou hexacloreo de beneno (er pág. 737) no couro cabeludo, na região púbica ou em ouras áreas afecadas. Laar passadas 12 a 24 horas. Repeir o raameno com hexacloreo de beneno ou benoao de benilo, após 1 semana. Para remoer as lêndeas (oos dos piolhos): laar o cabelo com água e sabão ou champô. aplicar sobre o cabelo uma oalha embebida duma misura de água e inagre em pares iguais, durane cerca de 1 hora. laar o cabelo noamene e depois passar um pene fino molhado em inagre. Carraças Quando se reirar uma carraça que esá firmemene grudada na pele, é preciso omar cuidado para que a cabeça do parasia não fique debaixo da pele. Isso pode causar uma infecção. Nunca se dee puxar o corpo da carraça, mas sim faer com que ela se desprenda: pôr álcool sobre ela Para ajudar a eiar as picadas de carraça, pode-se usar roupa comprida e aplicar repelene, se houer, anes de ir para o mao. 513

15 Maequenha (unguíase) É proocada pela peneração dum ipo de pulga, chamada Tunga penerans, na plana ou nos dedos dos pés. A pulga penera e põe os oos debaixo da pele. No local aparece uma pápula (que corresponde ao ninho da pulga) que dá muia comichão e que por ees é um pouco dolorosa. Ocorre frequenemene nos camponeses que cosumam andar descalços em erreno arenoso. O raameno consise na exracção do parasia com uma agulha eseriliada sem causar rupura da cápsula onde se aloja o parasia. Se esa rebena, os oos espalham-se e causam noas lesões. Dee-se alargar o orifício de enrada, aplicando de seguida uma compressão laeral. Depois, laar a área da lesão com uma solução desinfecane de permanganao de poássio (er pág. 737) ou de cerimida e clorexidina (er pág. 739). No caso de haer uma infecção secundária raar como piodermie (er abaixo). Míase São lesões proocadas por uma mosca, semelhane a uma mosca domésica, que põe os seus oos quando pousa na pele duma pessoa. A lara que sai dos oos aninha-se e cresce debaixo da pele, causando uma ou mais lesões que parecem pequenos furúnculos. No opo do furúnculo ê-se um orifício, por onde a lara respira, e por onde se pode ê-la a moimenar. É mais frequene em crianças e muias ees as lesões são no couro cabeludo. O raameno é simples e consise em: Aplicar aselina no opo das lesões. A lara não consegue respirar e acaba por sair. Desinfecar a ferida com cerimida e clorexidina (er pág. 637). Infecções da pele Piodermie: pequenas borbulhas com pus As infecções da pele sob a forma de pequenas borbulhas com pus (púsulas) aparecem quando a pessoa coça, com as unhas sujas, picadas de insecos, as lesões da sarna, ou ouras lesões da pele. 514

16 Traameno e recomendações: Laar bem as borbulhas com água morna e sabão. Faer isso odos os dias, enquano houer pus. Se houer feridas pequenas, deixar aberas. As feridas grandes deem ser coberas e o penso mudado com frequência. Se a pele à ola esá inchada e quene, se a pessoa em febre, ou se os gânglios linfáicos esão aumenados e dolorosos, adminisrar um anibióico: por exemplo, penicilina oral (er pág. 694). Não coçar as borbulhas e feridas. As feridas ão piorar e isso pode faer alasrar a infecção para ouras pares do corpo. Corar bem rene as unhas das crianças pequenas ou colocar umas luas, ou umas meias, nas suas mãos para que não se possam coçar. Nunca deixar uma criança com piodermie ou com qualquer oura infecção da pele brincar ou dormir com ouras crianças. Esas infecções ransmiem-se muio facilmene. Impeigo É uma infecção produida por bacérias que causam borbulhas com pus e feridas com crosas amarelas. Aparece muias ees no roso das crianças, e alasra rapidamene a ouras onas do corpo. O impeigo ransmie-se muio facilmene a ouras pessoas, por conaco com as feridas ou por dedos conaminados. Traameno e recomendações: Laar a área afecada com água morna e sabão, embebendo cuidadosamene as crosas para as reirar. Também se pode uiliar permanganao de poássio diluído (er pág. 737), ou cerimida e clorexidina (er pág. 739). Se a infecção alasra por uma área grande ou causa febre, dar anibióico: eriromicina (er pág. 698). 515

17 Preenção: Seguir as regras de higiene pessoal. Laar as crianças diariamene e er cuidado com as oalhas, roupas de cama e ouras roupas, que deem ser mudadas com frequência. Não deixar as crianças com impeigo brincar ou dormir com ouras crianças. Proeger as crianças das picadas de mosquios, perceejos e moscas. Se uma criança apanha sarna, dee ser raada imediaamene. Furúnculos e abcessos Um abcesso é uma infecção que forma uma bolsa de pus debaixo da pele. Às ees é causado por uma ferida proocada por uma injecção dada com uma agulha suja. A área fica inchada, quene, dolorosa, a laejar, e pode causar adenopaias (gânglios linfáicos aumenados) localiadas. Nas pessoas de pele clara, esa fica aermelhada. Ao fim de ários dias, o abcesso pode rebenar esponaneamene e deiar pus, o que aliia a dor. Um furúnculo é um abcesso localiado ao redor da rai de um pêlo. Dá uma dor aguda bem localiada. Traameno: Aplicar pachos de água quene árias ees ao dia (er indicações na pág. 503). Se for um abcesso: drenar ou puncionar com um bisuri ou uma agulha grossa eseriliada. Aplicar primeiro cloreo de eilo. Se for um furúnculo: deixar que o furúnculo rebene por si. Depois de rebenar, coninuar a aplicar os pachos quenes. Ajudar a drenar bem o pus, mas nunca aperar muio ou espremer o furúnculo, porque isso pode faer com que a infecção se alasre para ouras pares do corpo. Adminisrar anibióico: penicilina oral (er pág. 694) ou eriromicina (er pág. 698). 516

18 Celulie e erisipela São infecções exensas da pele que se alasram. A área afecada apresena-se inchada, quene, com a pele mais escura, acompanhada de dor e febre ala. Se as margens da área infecada são bem demarcadas e eleadas, raa-se duma infecção superficial chamada erisipela. Se as margens são indisinas, a infecção é mais profunda e chama-se celulie. Traameno: Penicilina oral (er pág. 694) ou penicilina procaína (er pág. 696). No caso de alergia à penicilina, usar eriromicina (er pág. 698). O repouso na cama, com a área infecada eleada, ajudará basane à cura. Erupções com comichão, pápulas ou uricária Quando as pessoas alérgicas comem, injecam, ou respiram ceras subsâncias, podem er uma erupção ou uricária. A uricária produ manchas ou pápulas grandes (babas), eleadas, parecidas com as pápulas proocadas por picada de abelha, e que faem muia comichão. Podem aparecer e desaparecer rapidamene, ou mudar dum lugar para ouro do corpo. Aenção a qualquer reacção causada por ceros medicamenos, principalmene injecções de penicilina e anioxinas produidas a parir do soro de caalo. Uma erupção cuânea ou uma uricária podem aparecer poucos minuos, ou aé 10 dias, depois de um medicameno ser injecado na pessoa. Uma pessoa a quem aparece uricária, erupção cuânea, ou qualquer oura reacção alérgica, depois de omar um medicameno oral ou injecáel, nunca mais dee omar esse medicameno na ida! Isso é muio imporane para eiar o perigo dum choque alérgico (anafilácico) que pode ser faal! 517

19 Os doenes com o HIV e SIDA podem desenoler comichão grae, principalmene no ronco e membros. Há lesões em diferenes esados de eolução: pápulas inflamadas e lesões mais anigas, escuras. Traameno da comichão: Tomar banho com água fria ou colocar pachos frios panos embebidos em água fria ou gelada. Colocar loção de calamina (er pág. 737), para acalmar. Se a comichão é muio fore: usar um ani-hisamínico, como a clorfeniramina (er pág. 722). Para que os doenes não se arranhem, as unhas deem ser coradas renes. Nos bebés, pode-se pôr luas ou meias nas mãos. Planas e ouras coisas que causam comichão ou queimaduras na pele Muias planas ou a sua seia, quando enram em conaco com a pele, podem causar erupções, queimaduras, ou pápulas com comichão. Alguns insecos podem produir reacções idênicas. Nas pessoas alérgicas, erupções ou manchas dolorosas com secreção, podem ser causadas por ceras subsâncias que ocam ou que são colocadas sobre a pele. Sapaos de borracha, correias de relógio, medicamenos, cremes de belea, perfumes, ou sabonees, podem causar ais problemas. Traameno: Todas essas irriações desaparecem por si sós quando as subsâncias que causaram o problema deixam de ocar na pele. Calamina (er pág. 737) pode ajudar a aliiar a comichão. Um ani-hisamínico, como clorfeniramina (er pág. 722), ambém pode ajudar. Em casos mais graes, mandar o doene para uma unidade saniária com mais recursos. 518

20 Erupção do calor O calor pode causar uma erupção fina e comichão, que aparece nas crianças, paricularmene no pescoço e no peio. Maner o local afecado arejado ajuda a melhorar. Dermaie serpiginosa A dermaie serpiginosa é causada pela lara dos parasias dos cães e gaos que enram na pele. Em 2 ou 3 dias, desenolem-se úneis finos, em forma de serpene (cobra, serpiginosa). A comichão é inensa, e pode infecar. Traameno: Pomada de iabendaol (er pág. 717) ou albendaol oral (er pág. 717). Por ees, nas infecções ligeiras, a aplicação do cloreo de eilo em aerossol, sobre as lesões, é úil na imobiliação da lara. Herpes-oser (ona) Sinais: Uma faixa ou mancha com esículas dolorosas que aparecem de repene numa área do corpo, proaelmene é ona. Isso é mais frequene nas cosas, no peio, no pescoço ou no roso. As esículas duram geralmene 2 ou 3 semanas, e depois desaparecem por si próprias. Às ees a dor persise, ou ola muio depois de as esículas já erem desaparecido. A ona é causada pelo mesmo írus que causa a aricela (er pág. 590) e geralmene aaca as pessoas que já ieram aricela. Não é perigosa. Conudo, principalmene em adulos joens, pode muias ees ser o primeiro sinal de infecção pelo HIV. Nas pessoas com o HIV, pode ser mais exensa e mais grae. 519

21 Traameno: Laar com água e sabão ou permanganao de poássio diluído (er pág. 737). Colocar uma compressa fina sobre a erupção, para eiar que a roupa roce na área. Tomar AAS ou paraceamol para a dor. Se o dor persise, ransferir para uma unidade saniária com mais recursos. Não dar anibióicos, a não ser que haja infecção. O doene adulo joem dee ser aconselhado a faer o ese do HIV. Para raar a ona exise apenas um medicameno muio caro, chamado acicloir (er pág. 705), mas mesmo ese só é efica se for adminisrado (omado) na fase inicial da infecção. Por ees, as lesões na cara podem ambém afecar os olhos. A afecação dos olhos é muio grae podendo lear à cegueira do olho em causa. Dee ransferir imediaamene para uma unidade saniária com mais recursos um doene que apresenar risco de afecação dos olhos. O acicloir (er pág. 705) esá indicado neses doenes. Infecções da pele por fungos Tíneas As íneas ou micoses (infecções por fungos) podem aparecer em qualquer pare da pele, incluindo o couro cabeludo, enre os dedos dos pés, nas unhas e enre as pernas: no couro cabeludo (inea capiis) na pele enre os dedos das mãos e pés (pé de alea) enre as pernas A maior pare das íneas apresenam lesões em forma dum anel. Geralmene faem comichão. A ínea da cabeça pode proocar manchas brancas com crosas e queda do cabelo. Quando as unhas são afecadas pelo fungo, esas ornam-se quebradiças. 520

22 Traameno e recomendações: Laar a área afecada odos os dias com água e sabão, pode ser udo o que é preciso. Faer o possíel para maner a área afecada bem seca e exposa ao sol e ao ar. Mudar a roupa inerior ou as meias com frequência, principalmene quando há suor. Maner as unhas curas e limpas. Aplicar pomada de enxofre e ácido salicílico (er pág. 705), aé 2 semanas depois das lesões desaparecerem. No caso de ínea grae do couro cabeludo, ínea das unhas ou oura ínea que não melhora depois de 3 semanas com ese raameno: ransferir o doene para uma unidade saniária com mais recursos. Muias íneas do couro cabeludo desaparecem quando a criança alcança a puberdade (enre os 11 e 14 anos). Infecções graes que formam manchas grandes com pus deem ser raadas com pachos de água morna. É imporane corar o cabelo bem rene. Como preenir as íneas Para preenir íneas, é muio imporane seguir as regras de higiene pessoal (omar banho odos os dias e usar roupa limpa). As íneas são conagiosas (ransmiem-se facilmene duma pessoa para oura). Para eiar a ransmissão enre as crianças: Não deixar uma criança com ínea dormir juno com ouras. Não deixar uma criança usar o pene, ou as roupas de oura, a não ser que esejam laadas ou que enham sido bem limpos anes. Traar uma criança infecada imediaamene. Piiríase ersicolor Manchas claras com bordos níidos e irregulares, que muias ees são isíeis no pescoço, peio e cosas, podem ser uma infecção por fungo chamada piiríase ersicolor. Geralmene não faem comichão. 521

23 Traameno: Aplicar pomada de iodo e ácido salicílico (er pág. 706) nas manchas aé 2 semanas depois do desaparecimeno das lesões. Para eiar que as manchas olem, é necessário muias ees repeir ese raameno de 2 em 2 semanas. Viiligo (áreas brancas na pele) Em algumas pessoas, algumas áreas da pele perdem a sua cor naural e começam a aparecer manchas compleamene brancas. Isso aconece mais ao redor da boca, nas mãos e pés, ou ao redor do ânus ou geniais. Mas, muias ees, as manchas alasram e eoluem para grandes áreas que ficam compleamene brancas. É imporane que a pessoa saiba que a perda de cor não é um sinal de lepra, nem oura doença grae. O iiligo pode ser comparado com o cabelo branco das pessoas idosas. Não exise um raameno específico. Em alguns casos a cor ola a reaparecer sem raameno. Ouras causas de manchas brancas na pele Qualquer mancha de cor mais clara ou mais escura na pele, e que, quando se espea um alfinee, não em sensibilidade, proaelmene é lepra (er pág. 386). Muias lesões, principalmene as queimaduras, causam perda emporária da superfície da pele e da sua camada de cor escura (pigmeno). Quando as feridas cicariam, às ees não há pigmeno na área da cicari. As infecções, como o sarampo (er pág. 585), que descamam a pele, ambém causam perda emporária de pigmenação nas áreas afecadas. A oncocercose (er pág. 471), em esado aançado, pode faer aparecer áreas de manchas brancas nas pernas, muias ees chamadas pele de leopardo. Perda geral ou parcial da cor da pele e/ou do cabelo A causa mais ulgar, em crianças enre os 9 meses e os 2 anos de idade, é um ipo de malnurição conhecida por kwashiorkor (er pág. 165). As ouras causas frequenes são a uberculose e o SIDA. 522

24 Albinismo Algumas crianças nascem sem a cor normal (pigmenação) da pele, do cabelo e da íris dos olhos. É um problema grae, porque esas pessoas não êm a proecção normal conra os raios solares e êm dificuldades de isão. Quando saem de casa, deem usar sempre um chapéu de abas largas, óculos escuros e um esuário adequado a cobrir as superfícies da pele exposa ao sol. As crianças deem frequenar a escola e podem precisar de apoio especial em relação à isão. A pele das pessoas albinas dee ser igiada de e em quando, numa unidade saniária, para deecar problemas da pele e o aparecimeno de cancro da pele. Quando for possíel, usar cremes de proecção solar. Problemas da pele causados por malnurição A pelagra é uma forma de malnurição causada pela fala de nicoinamida (iamina PP) na diea. Às ees ambém é conhecida pela doença dos rês D s porque afeca a pele (Dermaie), o sisema digesio (Diarreia) e o sisema neroso (Demência). Na pele afeca as pares do corpo mais exposas ao sol (a pele parece queimada). É frequene em lugares onde as pessoas comem muio milho ou ouros alimenos ricos em amido e não comem quanidades adequadas de alimenos ricos em proeínas (ex.: feijão, peixe, oos, carne) e em iaminas e minerais (horaliças e fruas). Em adulos com pelagra a pele fica seca e rugosa, principalmene nas pares onde apanha sol. nos braços arás das pernas na cura do pescoço 523

25 Traameno: Nicoinamida (iamina PP, er pág. 724). Ouras iaminas do complexo B (er pág. 724), uma e que a carência de iamina PP esá geralmene associada à de ouras iaminas. Embora a adminisração de iaminas do complexo B ajude a raar a pelagra, o mais imporane para a sua cura consise numa boa alimenação com uma diea equilibrada. Também nas crianças com kwashiorkor, a pele das pernas (e às ees dos braços) pode er marcas escuras (como conusões), ou mesmo feridas com crosa; e os pés podem ficar inchados. As pessoas com esas deficiências alimenares ambém mosram muias ees ouros sinais de malnurição (alguns deido à fala de ouras iaminas): feridas no cano da boca; língua ermelha, em ferida; fraquea; fala de apeie; incapacidade de ganhar peso; barriga inchada; ec. Uma pessoa dee comer odos os dias alimenos para as diferenes funções no corpo: alimenos energéicos, consruores (proeínas) e proecores (iaminas e sais minerais). Por exemplo: milho com caril de peixe ou amendoim e horaliças ou frua. É imporane inceniar o consumo de farinha de milho com um pouco de farelo e de pão de farinha inegral. Verrugas (craos) A maior pare das errugas, em especial nas crianças, duram de 3 a 5 anos e desaparecem por si próprias. Formações achaadas, dolorosas e parecidas com errugas e que surgem na sola do pé, geralmene são errugas planares. (Ou podem ser calos. Ver abaixo.) Traameno e recomendações: Medidas caseiras muias ees faem desaparecer as errugas. Mas não se dee aplicar ácidos fores ou planas enenosas que podem queimar a pele e faer feridas que são muio piores do que as errugas. 524

26 Mergulhar as errugas planares em água quene, durane 5 a 10 minuos, e secar com oalha. Esfregar cuidadosamene a superfície da erruga com uma pedra pomes ou com uma lima de manicura. Se a erruga incomoda muio, ransferir para uma unidade saniária com mais recursos. Para as errugas geniais, na agina ou no pénis, er pág Calos O calo é uma pare dura e espessa da pele. Ele forma-se onde os sapaos ou sandálias aperam a pele, ou quando um dedo do pé comprime o ouro. Os calos podem ser muio dolorosos. Traameno e recomendações: Não usar sapaos que aperem os calos. Para o calo doer menos: 1. Mergulhar o pé em água morna durane 15 minuos. 2. Com uma lima ou lixa, esfregar (suaemene) o calo aé que fique fino. 525

27 Ainhum Ocorre principalmene em camponeses e pessoas que andam descalças. É deido a problemas de circulação do sangue nos dedos pequenos dos pés, que causam uma deformidade que ai eoluindo gradualmene. Começa por se desenoler um anel que comprime a rai do dedo. Torna-se muio doloroso andar e depois de sofrer a dor durane muios meses, o dedo acaba por cair. Podem ser afecados os dedos pequenos de ambos os pés. É preciso procurar ajuda, na unidade saniária mais próxima, para a remoção anecipada do dedo ou dos dedos afecados. É aconselháel a acinação conra o éano. Quelóide É o ecido duma cicari que cresce anormalmene. Pode ocorrer quando uma lesão fica cronicamene infecada, mas muias ees ocorre em pessoas cuja cicariação eolui desa maneira, sem qualquer causa aparene. O resulado duma cicari com quelóide pode ser muio desfigurane. Se o curandeiro enar eliminar a massa fibrosa, esa enaia pode resular num quelóide ainda maior. O quelóide muias ees recidia (ola a aparecer) e é difícil de eliminar. É preciso eniar a pessoa para uma unidade saniária com seriço de cirurgia, mas dar-lhe a informação de que a cura pode não ser possíel. Borbulhas e ponos negros (acne) Os joens, por ees, êm borbulhas no roso, no peio, ou nas cosas principalmene os que êm a pele muio oleosa. As borbulhas são pequenos caroços que formam uma cabecinha branca com pus, ou há ambém ponos negros de sujidade. Às ees, as borbulhas podem ornar-se basane grandes e dolorosas. 526

Porque é importante aprender os primeiros socorros?

Porque é importante aprender os primeiros socorros? CAPÍTULO 15 Primeiros socorros O que são primeiros socorros? Os primeiros socorros são um conjuno de medidas que deem ser omadas rapidamene, em caso de acidenes ou de ouras emergências. São, porano, a

Leia mais

HIV e SIDA. Vírus HIV SIDA

HIV e SIDA. Vírus HIV SIDA CAPÍTULO 21 HIV e SIDA Vírus HIV O írus HIV (em inglês, Human ImmunoDeficiency Virus, que significa Vírus da ImunoDeficiência Humana) é um micróbio que só se consegue er com um microscópio especial. O

Leia mais

Como cuidar de um doente

Como cuidar de um doente Como cuidar de um doente CAPÍTULO 5 A doença enfraquece o corpo. Para uma pessoa recuperar as forças e sentir-se melhor, são precisos cuidados especiais. Muitas ees, não há necessidade de tomar medicamentos,

Leia mais

Como administrar medicamentos

Como administrar medicamentos Como administrar medicamentos CAPÍTULO 8 Os medicamentos podem ser administrados aos doentes atraés de diferentes ias de administração: pela boca ia oral; pelo recto ia rectal; pela agina ia aginal; ou

Leia mais

Doenças do recém-nascido e doenças congénitas

Doenças do recém-nascido e doenças congénitas Doenças do recém-nascido e doenças congénitas CAPÍTULO 29 É muito importante identificar, logo após o nascimento, qualquer problema ou doença no recém-nascido e agir imediatamente. Doenças que leam dias

Leia mais

Prevenção de infecções nas unidades sanitárias

Prevenção de infecções nas unidades sanitárias CAPÍTULO 9 Preenção de infecções nas unidades sanitárias Risco de transmissão de infecções Quando prestam cuidados aos doentes, os trabalhadores de saúde podem entrar em contacto com líquidos do corpo,

Leia mais

Caderneta de Saúde da Criança Menino

Caderneta de Saúde da Criança Menino MINISTÉRIO DA SAÚDE Caderneta de Menino PASSAPORTE DA CIDADANIA 8ª edição Brasília DF 2013 sumário Parabéns! Acaba de nascer um cidadão brasileiro... Identificação... Mudanças de endereço... Registro civil

Leia mais

Uso correcto dos antibióticos

Uso correcto dos antibióticos CAPÍTULO 7 Uso correcto dos antibióticos Quando usados correctamente, os antibióticos são medicamentos extremamente úteis e importantes. Eles combatem diversas infecções e doenças causadas por bactérias.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Canil Pugs Marines www.pugsmarines.com.br Tel.: (21) 3518-9123/ (21) 7893-6366 Priscila Cristina / José Claudio Manual de Instruções - Canil Pugs Marines Página 1 MENU Cuidados Gerais

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE QUIMIOTERAPIA

ORIENTAÇÕES SOBRE QUIMIOTERAPIA Este Manual foi elaborado pela Equipe de Enfermagem e Com o apoio da Equipe Médica da Clínica ONCOSUL. MANUAL DO PACIENTE ORIENTAÇÕES SOBRE QUIMIOTERAPIA Equipe de Enfermagem: Rozilda Maurício Enfermeira

Leia mais

Serviço de Pediatria. Varicela

Serviço de Pediatria. Varicela Varicela O que é a Varicela? É uma doença da infância muito frequente, das mais contagiosas, que surge principalmente no Inverno e na Primavera afectando todos os anos em Portugal milhares de crianças.

Leia mais

O seu guia para o tratamento com BOTOX (Toxina Botulínica Tipo A)

O seu guia para o tratamento com BOTOX (Toxina Botulínica Tipo A) O seu guia para o tratamento com BOTOX (Toxina Botulínica Tipo A) Este folheto irá fornecer-lhe mais informações sobre BOTOX e a forma como este pode ser utilizado em tratamentos médicos. Índice Leia este

Leia mais

Guia Prático do Cuidador

Guia Prático do Cuidador MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Guia Prático do Cuidador Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília - DF 2008 2008 Ministério

Leia mais

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros:

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros: Primeiros socorros Os primeiros socorros é o tratamento inicial dado a alguém que se magoou ou sofreu um acidente. Se o acidente for grave, não deves mexer na pessoa lesionada e chamar o 112, explicando-lhe

Leia mais

Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja

Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja CAPÍTULO 32 Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja Alguns casais desejam ter muitos filhos, principalmente em famílias pobres dos países em desenvolvimento, onde os filhos são

Leia mais

Manual de Primeiros Socorros no Trânsito

Manual de Primeiros Socorros no Trânsito Manual de Primeiros Socorros no Trânsito DETRAN/GO 2 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CPI) Biblioteca Goiandira Ayres de Couto Departamento Estadual de Trânsito de Goiás. Manual de primeiros

Leia mais

Trabalhos para Discussão. Um Conto de Três Hiatos: Desemprego, Utilização da Capacidade Instalada da Indústria e Produto

Trabalhos para Discussão. Um Conto de Três Hiatos: Desemprego, Utilização da Capacidade Instalada da Indústria e Produto ISSN 1519-1028 Um Cono de Três Hiaos: Desemprego, Uilização da Capacidade Insalada da Indúsria e Produo Sergio Afonso Lago Alves e Arnildo da Silva Correa Dezembro, 2013 Trabalhos para Discussão 339 ISSN

Leia mais

HIPÓFISE SISTEMA NERVOSO PARASSIMPÁTICO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO

HIPÓFISE SISTEMA NERVOSO PARASSIMPÁTICO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO ? A saúde básica é muito simples: o corpo funciona bem e você dorme bem, come bem, pensa bem, a energia vital circula direitinho e você vê a vida com entusiasmo, iluminada por dentro. O corpo é uma máquina

Leia mais

MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO

MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO 1 MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO Edição Comité Português para a UNICEF/Comissão Nacional Iniciativa Hospitais Amigos dos Bebés Edição Revista de 2008 2 Leonor Levy e Helena

Leia mais

V A L I D A Ç Ã O primeiros_socorros.p65 1 2/8/2005, 11:26

V A L I D A Ç Ã O primeiros_socorros.p65 1 2/8/2005, 11:26 primeiros_socorros.p65 1 V A L I D A Ç Ã O CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Armando de Queiroz Monteiro Neto Presidente SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI Conselho nacional Fernando

Leia mais

A creche A creche deve promover e facilitar a participação da família e respeitar a opinião dos pais.

A creche A creche deve promover e facilitar a participação da família e respeitar a opinião dos pais. O bebê de 2 a 11 meses A creche Acumule conhecimentos. Interesse-se por tudo. Uma boa creche deve ter: Cabe aos pais decidir se matriculam ou não seu bebê na creche. Antes de escolher uma creche, é bom

Leia mais

CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL

CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL Organização Mundial de Saúde DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR, ZOONOSES E DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA

Leia mais

As causas das doenças

As causas das doenças CAPÍTULO 2 As causas das doenças As pessoas têm maneiras diferentes de explicar a causa duma doença. Um bebé está com diarreia. Mas porquê? Em certas comunidades, talve digam que isso aconteceu porque

Leia mais

MINISTÉRO DA SAÚDE COMO AJUDAR AS MÃES A AMAMENTAR F. SAVAGE KING

MINISTÉRO DA SAÚDE COMO AJUDAR AS MÃES A AMAMENTAR F. SAVAGE KING MINISTÉRO DA SAÚDE COMO AJUDAR AS MÃES A AMAMENTAR F. SAVAGE KING TRADUÇÃO: Zuleika Thomsom Orides Navarro Gordon Brasília 2001 1998. Ministério da Saúde 1985 African Medical and Research Foundation 4ª

Leia mais

PROTOCOLO DE ASSISTÊNCIA AOS PORTADORES DE FERIDAS

PROTOCOLO DE ASSISTÊNCIA AOS PORTADORES DE FERIDAS Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida 0 Sistema Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Políticas Sociais Secretaria Municipal de Gerência de Assistência Coordenação

Leia mais

meu filho TEm artrite um guia para famílias www.acredite.org.br

meu filho TEm artrite um guia para famílias www.acredite.org.br meu filho TEm artrite www.acredite.org.br um guia para famílias ÍNDICE INTRODUÇÃO... TIPOS DE AIJ... DIAGNÓSTICO... TRATAMENTO... DICAS PARA OS PACIENTES... ACOMPANHAMENTO CLÍNICO... O IMPACTO DA DOENÇA...

Leia mais

Espondilite Anquilosante

Espondilite Anquilosante Espondilite Anquilosante CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Espondiloartrites CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://omurtlak.bloguez.com/ EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br

Leia mais