Infecções respiratórias agudas e meningite

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Infecções respiratórias agudas e meningite"

Transcrição

1 CAPÍTULO 19 Infecções respiraórias agudas e meningie Toda a infecção aguda (início súbio ou há poucos dias) que envolve o aparelho respiraório é designada infecção respiraória aguda (IRA). Uma IRA pode ser reconhecida aravés de vários sinomas e sinais: osse; dificuldade respiraória; pieira ou sibilos (um som parecido com um assobio) ou esridor (um som áspero produido quando se inspira); nari que pinga ou enupido. laringe brônquios (ubos de ar) raqueia Consipação e gripe Consipações e gripes são infecções por vírus que podem causar corrimeno do nari, osse, dor de gargana e algumas vees febre e dores ariculares. pulmões Pode haver diarreia ligeira, principalmene em crianças pequenas. Raramene, poderão surgir gripes mais perigosas, e nese caso as auoridades saniárias darão o alera. As consipações e gripes quase sempre passam sem se omar nenhum medicameno. Não usar penicilina ou ouros anibióicos. Só se gasa dinheiro, e não ajudam. 368 INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE

2 Aconselhar a: Beber muios líquidos e repousar basane. Paraceamol ou AAS (ese só nos adulos) aliviam as dores do corpo e da cabeça. Não há necessidade de diea especial. Os sumos de fruas, como laranja, faem bem. Para raar a osse e o nari enupido que surge com as consipações, ver acima. Comprimidos ani-gripais são mais caros e não são melhores do que o AAS e paraceamol. Para quê gasar dinheiro? Se a gripe dura mais do que 1 semana, ou se a pessoa em febre, osse com expecoração amarela, dificuldade em respirar ou dor no peio, ela pode esar a desenvolver bronquie aguda (ver pág. 371) ou pneumonia (ver pág. 371). Pode ser necessário um anibióico. O perigo de uma gripe se ransformar em pneumonia é maior nas pessoas com infecção pelo HIV, nos idosos e em pessoas que êm doenças crónicas do pulmão, como bronquie crónica (ver pág. 484). A dor de gargana muias vees fa pare da consipação. Não há necessidade de raameno especial, mas gargarejar com água salgada morna pode ajudar a aliviar a dor. Alguns bebés e crianças êm pieira quando êm gripe. Esas crianças podem beneficiar do salbuamol (ver pág. 735) durane os episódios de pieira. Se persisem, ransferir para o clínico, para deerminar se a criança em asma (ver pág. 480). Prevenção da consipação e gripes: Dormir e comer bem ajuda a eviar as gripes. Ao conrário das crenças radicionais, as consipações não se apanham por se er apanhado frio ou se er molhado. A consipação é apanhada de ouras pessoas que esão infecadas e ossem ou espirram, solando os vírus para o ar. Para eviar passar a consipação aos ouros, a pessoa que esá doene deve cobrir a boca e o nari com um lenço ou capulana quando osse ou espirra. INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE 369

3 Dor de gargana Ese problema muias vees começa com uma consipação ligeira. A gargana pode ficar avermelhada e doer quando se engole. As amígdalas (dois gânglios que se vêem como saliências no fundo da gargana, um de cada lado) podem aumenar de amanho e ficar doridas e com pus. A febre pode aingir os 40º. Isso chama-se amigdalie. Traameno: Gargarejar com água quene e sal (1 colher de chá de sal num copo de água) Tomar paraceamol para as dores. Dor de gargana e o perigo da febre reumáica Para a dor de gargana que ocorre com uma consipação ligeira ou gripe, os anibióicos não devem ser usados porque não faem efeio. Exise um ipo de dor de gargana provocada por uma bacéria chamada esrepococo que deve ser raada com penicilina. É comum em crianças e adolescenes. Geralmene começa de repene, com uma fore dor de gargana e febre, muias vees sem sinal de consipação ou osse. A gargana e as amígdalas ficam muio avermelhadas, com uma secreção esbranquiçada, e os gânglios linfáicos debaixo da mandíbula podem inchar e ficar doridos. Recomenda-se penicilina oral (ver pág. 694) durane 10 dias para prevenir a febre reumáica. Se a penicilina for dada logo no início, há menos perigo de conrair febre reumáica. A criança com inflamação na gargana por esrepococo deve comer e dormir separada das ouras crianças, para eviar a ransmissão da doença. AVISO: Não dar amoxicilina no raameno de amigdalie. Pode provocar uma erupção generaliada da pele. 370 INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE

4 Bronquie aguda É uma infecção dos brônquios (ubos que levam o ar aos pulmões). Provoca osse e pieira, muias vees com expecoração. A bronquie geralmene é causada por vírus, e por isso, em geral, os anibióicos não ajudam. Traameno: Uso de inalações com vapor quene (ver pág. 301). Usar anibióicos se houver hisória de doença pulmonar crónica, expecoração amarelada, SIDA ou febre que persise por mais de 3 dias. Os anibióicos indicados são corimoxaol (ver pág. 699) ou amoxicilina (ver pág. 697). Se o doene iver pieira, usar salbuamol (ver pág. 735). Pneumonia A pneumonia é uma infecção dos pulmões, geralmene causada por bacérias. Ocorre frequenemene após oura doença respiraória como o sarampo, a osse convulsa, a gripe, a bronquie, a asma ou após uma doença muio grave, principalmene em bebés ou pessoas idosas. O doene com o HIV e SIDA pode desenvolver facilmene uma pneumonia. Sinomas e sinais: v A pessoa parece muio doene. v Tosse (muias vees com expecoração amarela, esverdeada, cor de ferrugem, ou com raios de sangue). v Febre (algumas vees, recém-nascidos, pessoas idosas e fracas êm pneumonia com pouca ou sem febre). v Respiração rápida. v Pequenos gemidos, às vees sibilos ou pieira. As narinas abrem-se quando a pessoa respira. v Dor no peio (às vees). Podem aparecer feridas no roso ou lábios. Considera-se que um doene em uma pneumonia quando apresena sinais de infecção respiraória com respiração rápida. Para a definição de respiração rápida, ver a pág. 72, Frequência respiraória. Os doenes com pneumonia devem ser raados com um anibióico (ver adiane). No caso dos recém-nascidos, devem ser sempre ransferidos para uma unidade saniária com mais recursos. INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE 371

5 Considera-se que um doene em pneumonia grave e precisa de ransferência rápida para uma unidade saniária com mais recursos, quando apresena os seguines sinais: Nas crianças com menos de 5 anos, se apresenam qualquer sinal geral de perigo (ver pág. 86) ou esridor em repouso. Nas crianças maiores de 5 anos e nos adulos, se apresenam qualquer sinal geral de perigo ou: Dificuldade respiraória Febre ala ( 38ºC) Pulso rápido ( 120/minuo) Desconforo ao deiar Dor orácica inensa Anes de ransferir o doene, deve-se adminisrar: Paraceamol para a febre ala ( 38,5ºC) ou para aliviar a dor A primeira dose de anibióico, para os doenes graves (ver pág. 88) Traameno da pneumonia: 1. Adminisrar anibióicos. Os anibióicos recomendados variam de acordo com a idade: De 1 semana aé 2 meses de idade: penicilina crisalina (ver pág. 695) e genamicina (pág. 701) De 2 meses aé 5 anos de idade: corimoxaol (ver pág. 699), por via oral Adulos e crianças com mais de 5 anos: penicilina crisalina (ver pág. 695) Nos doenes HIV-posiivos, (ver pág. 418) 2. Adminisrar paraceamol, para baixar a emperaura e aliviar a dor. 3. Dar muios líquidos por via oral. Eviar dar líquidos por via E.V., a não ser que haja uma indicação muio específica, como, por exemplo, o choque. 372 INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE

6 4. Se for uma criança, é preciso encorajar a mãe a coninuar o aleiameno maerno, se a criança não iver dificuldade respiraória. 5. Para aliviar a osse e solar a expecoração, o doene deve faer amosfera húmida (respirar vapores de água). A drenagem posural ambém pode ajudar (ver pág. 302). 6. Desobsruir o nari, caso eseja obsruído. Na criança pequena, o nari obsruído pode inerferir com a alimenação. Pode-se usar uma seringa sem agulha para aspirar, suavemene, as secreções do nari da criança. O muco seco ou espesso pode ser desalojado, limpando o nari com um pano macio e humedecido em água salgada. 7. Se o doene esá com uma respiração sibilane (como se esivesse a assobiar), um medicameno aniasmáico, como salbuamol (ver pág. 735) ou aminofilina, poderá ajudar. Depois duma pneumonia, uma criança pode er fala de crescimeno ou malnurição. Deve, por isso, ser seguida na Consula da Criança em Risco (ver pág. 570). Esridor e obsrução das vias aéreas O esridor produ-se quando há inflamação das vias aéreas superiores que dificula a enrada de ar nos pulmões. Pode ser uma ameaça moral, especialmene se a inflamação ainge o laringe (laringie ou crupe). Uma criança que em esridor, quando esá em repouso, em uma doença perigosa. A criança deve ser rapidamene ransferida para uma unidade saniária com mais recursos, para ser raada como uma pneumonia grave. Cuidado: Não examinar a gargana da criança! Perigo de obsrução complea! Se a criança apresena esridor só quando esá agiada e não em sinais de perigo (ver pág. 86): não se preocupe. Nese caso, não se deve dar anibióicos. Experimene o raameno com inalações de vapores. INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE 373

7 Dor e infecção do ouvido (oie) As infecções de ouvidos são comuns em crianças pequenas. A infecção muias vees começa alguns dias depois duma consipação ou do nari enupido. pus Quando uma criança em infecção do ouvido, o pus acumula-se arás do ímpano, causando dor e frequenemene febre. Sinomas e sinais: Muias vees a criança chora ou esfrega um lado da cabeça ou puxa a orelha. Caso não se rae a infecção, o ímpano pode romper. Aí, surge a secreção purulena e a criança sene menos dor. A febre e os ouros sinomas provavelmene desaparecem, porém a criança não ouve bem. Geralmene o ímpano sara logo. Ouras vees a secreção coninua, o ímpano não sara e a criança fica com surde. Às vees a infecção esende-se do ouvido ao osso masóide, arás da orelha, causando masoidie. A infecção ambém pode esender-se do ouvido para o cérebro, causando meningie (ver pág. 376). Esas são doenças graves. Requerem aenção e ransferência urgene para um hospial. Observar se há saída de líquido ou pus do ouvido ou inchaço e dor ao oque arás da orelha. Traameno: É imporane raar a infecção do ouvido o mais cedo possível. Dar um anibióico como amoxicilina (ver pág. 697) durane 10 dias e ambém paraceamol para as dores. Na ausência de amoxicilina, pode dar-se a penicilina oral (ver pág. 694). Limpar e secar cuidadosamene o pus do ouvido com um pano limpo (pona de capulana), pelo menos 3 vees ao dia. Torcer a pona de capulana limpa, formando um rolo. Colocar a pona da capulana no ouvido e reirar quando esiver molhada. Repeir as vees que forem necessárias, aé que o ouvido eseja seco. 374 INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE

8 O que não se deve faer : Não usar algodão, um lenço de papel, um coonee ou um palio, que se desmanche ou se desfaça denro do ouvido. Não colocar nada no ouvido (óleos, líquidos e ouras subsâncias). Não nadar ou mergulhar durane pelo menos 2 semanas após er melhorado. Pode omar banho normalmene. O mais imporane, quando sai pus do ouvido, é: limpar e maner o ouvido seco. Se se enconrar um inchaço doloroso arás do ouvido, ransferir para avaliação numa unidade saniária com mais recursos. Dar a primeira dose de anibióico (penicilina crisalina, ver pág. 695, e cloranfenicol, ver pág. 700) e paraceamol, anes de ransferir. Se a infecção dura 2 semanas ou mais, é uma infecção crónica. Os anibióicos de adminisração oral geralmene não são eficaes conra as infecções crónicas. Não adminisrar anibióicos de forma repeida. O raameno mais imporane e efica é maner o ouvido seco (ver acima). Transfira o doene. Infecção no canal do ouvido Para saber se o canal ou ubo do ouvido esá infecado, puxar a orelha com jeiinho. Se isso causar dor, o canal esá infecado. Limpe o ouvido como esá descrio em cima. Colocar um pano morno conra a orelha pode reduir a dor. Tomar paraceamol para as dores. Se houver febre ou pus, usar ambém um anibióico (amoxicilina, ver pág. 697, ou corimoxaol, ver pág. 699). Se os sinomas persisirem, ransferir o doene para uma unidade saniária com mais recursos. Proeger os ouvidos de fuuros danos. Não arranhar os ouvidos ou inroduir pedaços de algodão ou ouros objecos nos ouvidos. Maner os ouvidos limpos e secos e não deixar enrar água nos ouvidos quando se oma banho ou se lava a cabeça. Secar o ouvido depois de exposição à água. INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE 375

9 Meningie É uma infecção grave das meninges (membrana que envolve o cérebro), mais comum em crianças. Pode começar como uma complicação de oura doença, como pneumonia, ou infecção nos ouvidos. As crianças cujas mães êm uberculose, às vees podem apanhar meningie uberculosa nos primeiros meses de vida. A meningie é mais frequene nas pessoas com o HIV e SIDA. Por vees, podem surgir epidemias. A meningie é causada por diferenes agenes, incluindo bacérias, fungos e vírus. Sinomas e sinais: v Febre. v Dores de cabeça fores. v Não gosar da lu. v Rigide de nuca (ver pág. 75). v Às vees, o doene deia-se com a cabeça e o pescoço inclinados para rás: v Náuseas e vómios. v Vonade de dormir (sonolência). v Confusão menal, agiação. v Inconsciência (coma). v Convulsões (aaques). v Movimenos esranhos. v Choro persisene em crianças pequenas. A mãe não consegue faer calar a criança dando-lhe de mamar. v A criança piora cada ve mais e só fica sossegada quando perde compleamene a consciência. v A presença de erupção cuânea ou manchas arroxeadas quase sempre indica meningie devida ao meningococo, que causa epidemias. v A meningie uberculosa e a causada por fungos êm uma evolução lena. As ouras formas de meningie êm uma evolução mais rápida (em horas ou dias). Crianças com menos de 1 ano: A meningie pode ser difícil de diagnosicar nesa idade. Deve-se suspeiar se exisem sinais gerais de perigo (ver pág. 86). Muias vees não há rigide da nuca, mas a fonanela (área mole no cimo da cabeça) pode ficar saliene. 376 INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE

10 Traameno Transfira o doene urgenemene para uma unidade saniária com mais recursos cada minuo é imporane! Anes de ransferir: Adminisre penicilina crisalina (ver pág. 695) e genamicina (ver pág. 701) nos menores de 2 meses; cloranfenicol I.M. (ver pág. 700) nas crianças com 2 meses e mais. Se há febre, adminisre paraceamol, e faça arrefecimeno corporal, se for necessário. Na meningie, os anibióicos devem ser sempre iniciados à enrada. O diagnósico é confirmado com a punção lombar. Se o líquido cefaloraquidiano (LCR) que sai é urvo ou puruleno o diagnósico de meningie é confirmado. O líquido ambém deve ser examinado ao microscópio. O TRATAMENTO É COM DOSES ALTAS DE ANTIBIÓTICOS: Nos adulos e crianças maiores de 7 anos: penicilina crisalina (ver pág. 695) ou cloranfenicol (ver pág. 700). Nas crianças de 2 meses a 7 anos: ampicilina (ver pág. 698) ou penicilina crisalina (ver pág. 695) mais cloranfenicol (ver pág. 700). No recém-nascido: ampicilina (ver pág. 698) e genamicina (ver pág. 701). Nas unidades saniárias com cuidados de enfermagem rudimenares ou nas epidemias, é recomendado cloranfenicol oleoso (ver pág. 700) nos maiores de 2 meses. Uma grande aenção deve ser dada aos cuidados gerais: adminisrar líquidos e dar comida suficiene. Sempre que possível, esimular a mãe a maner o aleiameno maerno ou garanir a adminisração do leie maerno pela sonda nasogásrica. Para o raameno das convulsões, ver pág. 292, e para os cuidados necessários no doene inconsciene, ver pág Os doenes com meningie podem ficar com sequelas físicas e menais, e precisam de reabiliação para recuperar. As crianças que iveram meningie devem ser seguidas na Consula da Criança em Risco (ver pág. 570). Prevenção: Para prevenir e conrolar epidemias, deve-se omar as medidas indicadas adiane. Para eviar a meningie uberculosa, odos os recém-nascidos devem ser vacinados com BCG logo após o nascimeno. INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE 377

11 Epidemias de meningie As epidemias de meningie são causadas por uma bacéria chamada meningococo (Neisseria meningiidis). Normalmene ocorrem na época fria e seca. A via de ransmissão é a via respiraória. As epidemias são mais frequenes em comunidades fechadas, principalmene quaréis. Mas podem ocorrer em qualquer comunidade onde as pessoas vivem em más condições, com muias pessoas dormindo no mesmo quaro e fala de venilação. Durane as epidemias de meningie devida ao meningococo podem morrer muias pessoas. Sempre que surja um caso de meningie deve-se pensar na possibilidade duma epidemia. Deve-se er sempre presene que um caso de meningie meningocócica pode ser indicaivo do início duma epidemia, especialmene nos lugares onde muias pessoas esão junas, como os quaréis, creches, inernaos, orfanaos, acampamenos. Numa ona rural, apenas um caso é sinal de alera dum possível epidemia. Procure raameno com urgência. O raameno precoce pode salvar a vida do doene. Traameno: O raameno recomendado nas epidemias é o cloranfenicol oleoso (ver pág. 700), 1 injecção I.M., com uma segunda dose 48 horas depois se o doene não melhora. A primeira dose deve ser dada à enrada, mesmo anes da punção lombar. Na fala de cloranfenicol oleoso na unidade saniária, podem ser uiliados os ouros anibióicos. Noifi cação Todos os casos de meningie devem ser noificados aravés do sisema de vigilância epidemiológica. Se aparece mais de um caso, ou um só caso num lugar onde as pessoas esão concenradas (quarel, creche, orfanao, acampameno), devem ser noificados com urgência. Pode ser o início duma epidemia. Em condições de epidemia, os casos e óbios de meningie deverão ser reporados diariamene. 378 INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE

12 Exemplo de definição do caso de meningie: Qualquer pessoa com início súbio de febre (>38,5ºC recal ou 38º axilar) e um dos seguines sinais: rigide da nuca, aleração da consciência, ou ouro qualquer sinal meníngeo. Quimioprofi laxia (adminisração de comprimidos para proecção) As pessoas que vivem na mesma casa podem omar rifampicina para proecção. No caso duma comunidade fechada, por exemplo um quarel, as pessoas que dormem no mesmo quaro ou dormiório devem omar rifampicina. Só vale a pena omar rifampicina nas primeiras 48 horas após o conaco. A adminisração de rifampicina deve ser conrolada pelos rabalhadores de saúde. Se não, pode surgir resisência ao medicameno. Por si só, a quimioprofilaxia não é suficiene para conrolar uma epidemia. Deve ser acompanhada de medidas para melhorar as condições das casas ou dormiórios. Melhoria das condições das casas. Melhorar a venilação e limpea das casas e dormiórios. Eviar que muias pessoas durmam no mesmo quaro. Vacinação Exise uma vacina, que é adminisrada para prevenir ou conrolar epidemias. Não dá proecção às crianças menores de 2 anos de idade. A proecção de vacina dura mais ou menos 3 anos. INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS E MENINGITE 379

Doenças infecciosas da criança

Doenças infecciosas da criança Doenças infecciosas da criança CAPÍTULO 30 Sarampo Esa infecção causada por írus é muio perigosa em crianças malnuridas ou que êm uberculose ou HIV e SIDA. Transmie-se de uma criança para oura por meio

Leia mais

Doenças da boca. O cuidado dos dentes e das gengivas é importante porque:

Doenças da boca. O cuidado dos dentes e das gengivas é importante porque: CAPÍTULO 27 Doenças da boca Cuidar dos denes e gengivas O cuidado dos denes e das gengivas é imporane porque: z z z Denes fores e saudáveis são necessários para masigar e digerir bem os alimenos. Denes

Leia mais

Doenças dos olhos. 2. Mancha acinzentada na córnea, com olho avermelhado ao redor da córnea e com dor (úlcera de córnea).

Doenças dos olhos. 2. Mancha acinzentada na córnea, com olho avermelhado ao redor da córnea e com dor (úlcera de córnea). Doenças dos olhos CAPÍTULO 26 glândula lacrimal pupila íris canal lacrimal leva as lágrimas do olho para o nariz A conjuniva é um ecido fino que cobre a pare branca do olho A córnea é a camada ransparene

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Estilos de vida saudáveis

Estilos de vida saudáveis Esilos de vida saudáveis CAPÍTULO 12 Muios problemas de saúde da meia-idade e da velhice resulam da forma como a pessoa viveu ao longo dos anos. Maus hábios alimenares, a ingesão de álcool em excesso e

Leia mais

Outras doenças graves

Outras doenças graves Ouras doenças graes CAPÍTULO 23 As doenças descrias nese capíulo são difíceis de raar sem ajuda do clínico. Algumas precisam de medicamenos especiais, que não se enconram disponíeis nas onas rurais. Os

Leia mais

Doenças diarreicas. A diarreia é mais frequente e perigosa em crianças menores de 5 anos, principalmente

Doenças diarreicas. A diarreia é mais frequente e perigosa em crianças menores de 5 anos, principalmente CAPÍTULO 18 Doenças diarreicas As doenças diarreicas consiuem um grae problema de saúde nos países em desenolimeno, onde as condições económicas e de ida das populações são muio precárias. Nesas comunidades

Leia mais

Sintomas e doenças comuns

Sintomas e doenças comuns CAPÍTULO 16 Sinomas e doenças comuns Nese capíulo se descreem os sinomas e as doenças mais comuns referidos pelos doenes. A febre, apesar de ser um sinoma comum, é descria no capíulo 17, juno com a malária.

Leia mais

Sintomas e doenças comuns

Sintomas e doenças comuns CAPÍTULO 16 Sinomas e doenças comuns Nese capíulo se descreem os sinomas e as doenças mais comuns referidos pelos doenes. A febre, apesar de ser um sinoma comum, é descria no capíulo 17, juno com a malária.

Leia mais

As causas das doenças

As causas das doenças CAPÍTULO 2 As causas das doenças As pessoas têm maneiras diferentes de explicar a causa duma doença. Um bebé está com diarreia. Mas porquê? Em certas comunidades, talve digam que isso aconteceu porque

Leia mais

Doenças crónicas. Os idosos

Doenças crónicas. Os idosos Doenças crónicas CAPÍTULO 24 As doenças crónicas são doenças que, após surgirem, geralmene duram aé ao fim da ida. As pessoas com esas doenças precisam de raameno para o reso da ida e podem lear uma ida

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Infecções de transmissão sexual (ITS)

Infecções de transmissão sexual (ITS) CAPÍTULO 22 Infecções de ransmissão sexual (ITS) As infecções de ransmissão sexual (ITS) são doenças causadas por micróbios que se ransmiem por conaco sexual. Esas infecções podem er consequências graes

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

HIV e SIDA. Vírus HIV SIDA

HIV e SIDA. Vírus HIV SIDA CAPÍTULO 21 HIV e SIDA Vírus HIV O írus HIV (em inglês, Human ImmunoDeficiency Virus, que significa Vírus da ImunoDeficiência Humana) é um micróbio que só se consegue er com um microscópio especial. O

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Saúde mental. Saúde mental significa a sensação de bem-estar emocional, quando se fala em felicidade, alegria de viver, prazer e satisfação.

Saúde mental. Saúde mental significa a sensação de bem-estar emocional, quando se fala em felicidade, alegria de viver, prazer e satisfação. CAPÍTULO 33 Saúde menal Saúde menal significa a sensação de bem-esar emocional, quando se fala em felicidade, alegria de ier, prazer e saisfação. Os problemas de saúde menal podem afecar ano os adulos,

Leia mais

Porque é importante aprender os primeiros socorros?

Porque é importante aprender os primeiros socorros? CAPÍTULO 15 Primeiros socorros O que são primeiros socorros? Os primeiros socorros são um conjuno de medidas que deem ser omadas rapidamene, em caso de acidenes ou de ouras emergências. São, porano, a

Leia mais

Higiene e saúde ambiental

Higiene e saúde ambiental Higiene e saúde ambienal CAPÍTULO 11 Mais vale prevenir do que remediar! A higiene pessoal, a limpea da casa e da comunidade, o conrolo dos insecos, e um esilo de vida saudável são esraégias simples, mas

Leia mais

Doenças da pele. Se um problema da pele é grave ou se piora apesar do tratamento, enviar o doente para uma unidade sanitária com mais recursos.

Doenças da pele. Se um problema da pele é grave ou se piora apesar do tratamento, enviar o doente para uma unidade sanitária com mais recursos. CAPÍTULO 25 Doenças da pele Alguns problemas de pele são causados por doenças que afecam apenas a pele ais como a ínea, a sarna, ou as errugas. Ouros são sinais de doenças que aacam o corpo odo como o

Leia mais

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos PORTUGUÊS 78 ÍNDICE Página CORO TIPO BLOQUEIO ROSC... 80 CERTO D HOR... 81 CERTO DO DI DO MÊS... 82 CRONÓMETRO... 83 OPERÇÃO DO BOTÃO DE BLOQUEIO DE SEGURNÇ... 85 TQUÍMETRO... 86 TELÉMETRO... 88 SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Janeiro * 2014 Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais, IP-RAM Gripe medidas de auto cuidado newsletter Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Ficha Técnica Newsletter - Janeiro de 2014

Leia mais

Uso correcto dos medicamentos

Uso correcto dos medicamentos Uso correcto dos medicamentos CAPÍTULO 6 Curar sem medicamentos Para curar a maioria das doenças, não é necessário utilizar medicamentos. O organismo tem as suas defesas próprias, ou maneiras de resistir

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013)

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Damoiseaux RAMJ, Van Balen FAM, Leenheer WAM, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

Febre e malária. Febre. z constipações z gripe z bronquite aguda z otite z amigdalite z infecções urinárias z hepatite z brucelose

Febre e malária. Febre. z constipações z gripe z bronquite aguda z otite z amigdalite z infecções urinárias z hepatite z brucelose Febre e malária CAPÍTULO 17 Febre Quando o corpo duma pessoa está quente, di-se que ela tem febre. A febre eleada pode ser perigosa, principalmente numa criança pequena. Se possíel, a febre dee ser medida

Leia mais

8 passos da consulta da criança para o APE

8 passos da consulta da criança para o APE 8 passos da consulta da criança para o APE 1 Cumprimentar Perguntar a idade da criança 2-11 meses 1-5 anos Perguntar o que tem a criança Febre Diarreia Tosse Outro 1 2 Tem Sinais Gerais de perigo? SIM!

Leia mais

Atendimento de retorno

Atendimento de retorno Algumas crianças doentes têm de retornar para que o médico as veja de novo. Terá de ser dito às mães quando elas devem regressar para a consulta de retorno. Nessa consulta, o médico pode ver se a criança

Leia mais

Uso correcto dos antibióticos

Uso correcto dos antibióticos CAPÍTULO 7 Uso correcto dos antibióticos Quando usados correctamente, os antibióticos são medicamentos extremamente úteis e importantes. Eles combatem diversas infecções e doenças causadas por bactérias.

Leia mais

Secretaria Regional da Saúde. Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s

Secretaria Regional da Saúde. Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s Secretaria Regional da Saúde Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s Na sequência dos comunicados emitidos pela Direcção Regional da Saúde e atendendo à informação oficial disponível,

Leia mais

CARTÕES DE IEC EM CONTROLE DAS ENDEMIAS - CE

CARTÕES DE IEC EM CONTROLE DAS ENDEMIAS - CE CARTÕES DE IEC EM CONTROLE DAS ENDEMIAS - CE Os CARTÕES DE ZEC - CE - Informação, Educação e Comunicação para o Controle das Endemias, compõem - se de um conjunto de cartões com informações técnicas, desenhos

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS EPIDEMIOLOGIA

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS EPIDEMIOLOGIA IRA (definição) São infecções de etiologia viral ou bacteriana que podem acometer qualquer segmento do aparelho respiratório, com duração aproximada de 7 dias. Correspondem a diversas síndromes clínicas

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

A família acolhe a mãe e o bebê em casa

A família acolhe a mãe e o bebê em casa Mãe e bebê em casa A família acolhe a mãe e o bebê em casa Hoje vou ter uma nova idéia A família deve receber mãe e bebê num ambiente de amor e respeito. Cuidado e protegido, o bebê se sente seguro e com

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1 Doentes com Diabetes mellitus 1 Estas recomendações complementam outras orientações técnicas para protecção individual e controlo da infecção pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009. Destaques - Os procedimentos

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Gripe: o que você pode fazer. Cuidados em casa

Gripe: o que você pode fazer. Cuidados em casa Gripe: o que você pode fazer Cuidados em casa Para mais informações, confira: www.mass.gov/dph/flu Gripe: o que você pode fazer Cuidados em casa ÍNDICE: O que é a gripe? 2 Prevenção da gripe 6 Cuidados

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Objectivos Pedagógicos

Objectivos Pedagógicos Programa de Ciências da Natureza 6º Ano Tema: Ambiente de Vida Capítulo II- Agressões do meio e integridade do organismo 1) A Higiene No Capítulo 3, Tratamento das Infecções, fala-se sobre a utilização

Leia mais

GRIPE SUÍNA E GRAVIDEZ:

GRIPE SUÍNA E GRAVIDEZ: PORTUGUESE GRIPE SUÍNA E GRAVIDEZ: Como pode proteger-se e ao seu bebé Este folheto informa-a sobre: a vacinação contra a gripe suína (gripe A H1N1), que pode receber durante a gravidez, para a ajudar

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

N DO. Bairro Distrito/ Povoado Telefone. mãe pai irmão(ã) outro. chás comprimidos sonda coquetéis injetáveis não sabe

N DO. Bairro Distrito/ Povoado Telefone. mãe pai irmão(ã) outro. chás comprimidos sonda coquetéis injetáveis não sabe MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde Formulário 1 Autópsia verbal Criança menor de um ano AV1 Ficha de Investigação de Óbito Infantil Complemento

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A)

Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A) Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A) Essas são recomendações do CDC (Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos) sobre o tempo

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Semana Europeia da Vacinação

Semana Europeia da Vacinação Diverte-te com esta Sopa de Letras sobre Vacinação: N A J I X S E B I G D F P O U M E R L H F S Q B I K R C W U O T A B H I G I E N E Y SAÚDE VACINA PREVENÇÃO BACTÉRIA IMUNIDADE CONTÁGIO HIGIENE INFEÇÃO

Leia mais

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

HCV: Um estudo do tempo de tratamento

HCV: Um estudo do tempo de tratamento H: Um esudo do empo de raameno José Anonio Salvador e Sadao Massago Deparameno de Maemáica - Universidade Federal de São Carlos Via Washingon Luis, km 23, CP 676 36-9 São Carlos - SP salvador@dm.ufscar.br

Leia mais

A família acolhe a mãe e o bebê em casa

A família acolhe a mãe e o bebê em casa Mãe e bebê em casa A família deve receber mãe e bebê num ambiente de amor e respeito. Cuidado e protegido, o bebê se sente seguro e com energia para viver. Ajudada nas tarefas da casa, a mãe pode cuidar

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

Participação USF Terras de Santa Maria Serviço de Pediatria do CHEDV AS Design

Participação USF Terras de Santa Maria Serviço de Pediatria do CHEDV AS Design Elaboração Isabel Nunes Coordenação Eduarda Vidal Orientadora da Isabel Participação USF Terras de Santa Maria Serviço de Pediatria do CHEDV AS Design Colaboração Alice Oliveira Ana Quelhas Carina Pereira

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Ondas de calor medidas de prevenção Recomendações dirigidas à população Conhecimento de todos os estabelecimentos

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Quando ocorre uma Onda de Calor emitem-se Alertas: Amarelo ou Vermelho, com menos e mais gravidade, respectivamente. Devem adoptar-se cuidados

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE SUÍNA:

VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE SUÍNA: Portuguese VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE SUÍNA: informação para pais de crianças com mais de seis meses e menos de cinco anos de idade Gripe. Proteja-se a si e aos outros. 1 Índice Sobre este folheto 3 O que

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE DENGUE A palavra dengue tem origem espanhola e quer dizer "melindre", "manha". O nome faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

Vacinação para o seu filho do 6º ano do ensino básico (P6) Portuguese translation of Protecting your child against flu - Vaccination for your P6 child

Vacinação para o seu filho do 6º ano do ensino básico (P6) Portuguese translation of Protecting your child against flu - Vaccination for your P6 child Proteger o seu filho da gripe Vacinação para o seu filho do 6º ano do ensino básico (P6) Portuguese translation of Protecting your child against flu - Vaccination for your P6 child Proteger o seu filho

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

USF DE VALONGO. Guia de Informação para os Utentes. Guias de Saúde Processo de Febre na Criança. [ E s c r e v a o e n d e r e ç o d a e m p r e s a ]

USF DE VALONGO. Guia de Informação para os Utentes. Guias de Saúde Processo de Febre na Criança. [ E s c r e v a o e n d e r e ç o d a e m p r e s a ] USF DE VALONGO Guia de Informação para os Utentes Guias de Saúde Processo de Febre na Criança 2012 [ E s c r e v a o e n d e r e ç o d a e m p r e s a ] Este guia informativo visa fornecer informações

Leia mais

Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI)

Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI) Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI) Esse livro tem o apoio de: Caros pacientes, familiares e cuidadores, Informação espaço para outras informações/link do site e pode ser adaptado ao país em que vai ser

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2009 RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA A POPULAÇÃO Nº: 24/DA DATA: 09/07/09 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos de Saúde Divisão de Saúde Ambiental

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Capiulo V SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 5.1 - INTRODUÇÃO I - QUALIDADE DA ÁGUA A água em sua uilização obedece a padrões qualiaivos que são variáveis de acordo com o seu uso (domésico, indusrial,

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Objectivos Pedagógicos

Objectivos Pedagógicos Programa de Ciências da Natureza 6º Ano Tema: Ambiente de Vida Capítulo II- Agressões do meio e integridade do organismo 1) Os Micróbios No Capítulo 1.3, Micróbios Nocivos, são apresentadas várias situações

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor MINISTÉRIO DA SAÚDE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ALGARVE DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Durante os meses de Verão as temperaturas podem

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE XAROPE BULA PACIENTE FRUTOSSE cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES Xarope adulto de 6 mg/ml: frasco

Leia mais

GRIPE sempre deve ser combatida

GRIPE sempre deve ser combatida GRIPE sempre deve ser combatida Aviária Estacional H1N1 SAZONAL suína GRIPE = INFLUENZA Que é a INFLUENZA SAZONAL? É uma doença própria do ser humano e se apresenta principalmente durante os meses de inverno

Leia mais

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Staphylococcus

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Staphylococcus O Capítulo 1.3, Micróbios Nocivos, apresenta aos alunos a multiplicidade de doenças contagiosas provocadas por micróbios perigosos. Os alunos devem actuar como cientistas e agrupar uma série de doenças

Leia mais

Risco infecção. Coisas que podem ajudar a prevenir infecções: Baixo número de glóbulos brancos no sangue (leucopenia)

Risco infecção. Coisas que podem ajudar a prevenir infecções: Baixo número de glóbulos brancos no sangue (leucopenia) INFECÇÃO 2 Risco infecção Baixo número de glóbulos brancos no sangue (leucopenia) Ter um número baixo de leucócitos (glóbulos brancos) no sangue diminui a capacidade do corpo combater contra infecções.

Leia mais

VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE SUÍNA: o que precisa de saber

VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE SUÍNA: o que precisa de saber Portuguese VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE SUÍNA: o que precisa de saber Gripe. Proteja-se a si e aos outros. 1 Índice O que é a gripe suína? 3 Sobre a vacina contra a gripe suína 3 Que mais preciso de saber?

Leia mais

Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida

Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida Portuguese translation of Immunisation for babies just after their first birthday Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida Introdução Este folheto contém fatos sobre a primeira vacina VASPR

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais