Como cuidar de um doente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como cuidar de um doente"

Transcrição

1 Como cuidar de um doente CAPÍTULO 5 A doença enfraquece o corpo. Para uma pessoa recuperar as forças e sentir-se melhor, são precisos cuidados especiais. Muitas ees, não há necessidade de tomar medicamentos, mas os cuidados são sempre importantes. Muitas pessoas com doenças prolongadas precisam de ser cuidadas em casa. Muitas ees, os cuidados que uma pessoa doente recebe, são a parte mais importante do seu tratamento. Abaixo se referem os princípios a seguir para cuidar bem dum doente, em casa ou numa unidade sanitária: Conforto da pessoa doente A pessoa que está doente dee repousar num lugar sossegado e confortáel, com muito ar fresco e claridade. Não dee sentir nem muito calor nem muito frio. Se o ar é frio ou a pessoa sente calafrios, dee-se cobri-la com um lençol, uma capulana ou uma manta. Mas se o tempo está quente ou a pessoa está com febre, então ela não deerá ser coberta. Higiene pessoal É importante que a pessoa doente se mantenha limpa. Dee tomar banho todos os dias. Se está muito doente para se leantar da cama, dee ser ajudada a tomar banho. A pessoa doente dee ser laada todos os dias. COMO CUIDAR DE UM DOENTE 91

2 Como dar banho na cama Ajudar a despir a roupa do doente e cobri-lo com uma capulana. Manter coberta a parte que não esteja a ser laada. Permitir que o doente lae as partes do corpo que conseguir e quiser. Ajudar o doente a laar-se: 1. Começar pelo pescoço, e depois sucessiamente, os membros superiores, tórax, axilas, abdómen, membros inferiores e genitais. 2. Virar o doente para um lado e laar a parte posterior e lateral. Depois, irar o doente para o outro lado, e laar a parte posterior e lateral que ficou por laar. Por último, limpar bem a área inter-nadegueira, da frente para trás. No fim, laar as mãos do doente e cuidar das suas unhas. 3. Começar sempre da parte limpa para a parte mais suja. Mudar a roupa de cama A roupa, os lençóis e as mantas deem estar sempre limpos. Mudar a roupa de cama diariamente e sempre que estier suja. A roupa suja dee ser tratada como se descree abaixo. Como mudar a roupa de cama suja a um doente acamado, durante o banho: Virar a pessoa de lado. Enrolar o lençol debaixo sujo em direcção às costas. Limpar e secar a pele. Colocar um lençol laado e enrolado no sentido do comprimento a meio da cama, contra as costas da pessoa. Virar a pessoa para o outro lado, para cima do lençol laado. Retirar o lençol sujo. Desenrolar o lençol limpo de modo a cobrir o resto da cama. O lençol dee ficar bem esticado, sem rugas. Verificar se o doente tem feridas. Se tier, laar com água morna com compressas ou um pano limpo, usando luas ou plásticos. Secar a pele. 92 COMO CUIDAR DE UM DOENTE

3 Pode aproeitar-se este momento para faer exercícios com o doente: Moimentar as articulações. Respirar profundamente. Leantar-se e andar um pouco, se conseguir. Conersar com o doente, enquanto se trata dele. Limpar a boca Os cuidados da boca são muito importantes para preenir infecções. O doente dee escoar os dentes 2 ees por dia. Para isso, pode precisar da ajuda da família. Para mais detalhes sobre os cuidados da boca, er capítulo 27, Doenças da Boca. Cuidar das unhas e do cabelo É importante manter as unhas cortadas porque as bactérias podem ier debaixo destas. Cortar as unhas cuidadosamente. Eitar cortar a pele do doente. Manter o cabelo e a barba bem tratados, curtos e limpos. Mudar de posição na cama Uma pessoa que está muito fraca e não se pode irar soinha na cama, dee ser ajudada a mudar de posição na cama a cada 1-2 horas, e a faer exercícios. Isto ajuda a eitar feridas e úlceras (escaras) que aparecem quando se está deitado na mesma posição durante muito tempo. As feridas formam-se nas regiões ósseas do corpo onde há maior pressão contra a cama, tais como as nádegas e as ancas. A pessoa acamada pode desenoler prisão de entre e problemas pulmonares. Mudar frequentemente a posição da pessoa ajuda a eitar a pneumonia (er pág. 371), que é um perigo para alguém que está muito fraco ou doente, e que tem de ficar muito tempo na cama. A falta de moimentos lea à rigide e enfraquecimento dos músculos. COMO CUIDAR DE UM DOENTE 93

4 Como preenir as escaras Mudar a posição do doente na cama, com jeito, de hora a hora, ou tão frequentemente quanto possíel: sucessiamente de costas, de barriga para baixo, ou dum lado e do outro. Se possíel, leantar ou sentar o doente, todos os dias. Ajudar a sentar na cadeira de e em quando, dependendo do seu estado. Leantar o doente em e de arrastá-lo. Estimular a marcha sempre que possíel. Ensinar o doente a respirar profundamente algumas ees. Moimentar as 7 articulações principais (pulso, joelho, cotoelo, tornoelo, ombro, anca, pescoço), deagar, todos os dias, 2 sessões por dia, 5 ees cada exercício. Se o doente sente dores, não forçar. Os exercícios não deem causar dor ao doente. Faer massagens diárias com aselina nas áreas acima mencionadas, para estimular a circulação do sangue. Confirmar que o doente não está deitado numa área molhada. Caso tenha incontinência urinária (dificuldade em reter a urina), usar aselina nesta ona para eitar assadura da pele. Mudar a roupa de cama todos os dias e todas as ees que se sujar com urina, fees, ómito, etc. Usar roupa de cama e traesseiros fofos, se houer. Colocar panos ou almofadas entre as pernas ou outros sítios onde os ossos são salientes ou a pele é muito fina. Se alguém estier fraco e não for capa de andar muito, ter cuidado que as suas pernas não estejam dobradas por longos períodos de tempo. Uma criança com uma doença crónica grae dee ser leantada e andar ao colo árias ees ao dia. 94 COMO CUIDAR DE UM DOENTE

5 Tratamento das escaras t t t Laar as escaras com água e sabão. Preencher as escaras com compressas esteriliadas ou um pano limpo humedecidos com água ou água salgada (1 colher de chá de sal para 1 litro de água). Estas compressas deem ser trocadas por noas, 2 ees por dia. Laagem de roupa contaminada A roupa do doente que esteja contaminada com sangue, pus, fees, ómito, salia, ou sémen, dee ser laada com lixíia (jael). A concentração de lixíia nos produtos que se encontram à enda é ariáel. Por isso, deem seguir-se as instruções para laagem de roupa que estão escritas no frasco da lixíia, ou as instruções nas páginas erdes (er pág. 740). Usar luas ou plásticos para proteger as mãos durante a laagem da roupa. Deixar a roupa mergulhada na lixíia durante 10 minutos. Depois, passar bem por água limpa. Laar então, com água e sabão, da mesma maneira que a outra roupa. Se não houer lixíia, ferer a roupa durante 20 minutos. Outros objectos contaminados com secreções do doente deem também ser mergulhados em lixíia, ou enterrados, queimados ou deitados na latrina. Preenção de infecção Sangue, feridas abertas, fees ou ómitos podem conter micróbios e portanto, transmitir doenças. Por isso, deem usar-se luas de borracha ou de plástico antes de tocar na pele com lesões, sangue ou outros líquidos corporais, ou itens contaminados com estes líquidos. Se não houer luas, poderá improisar-se um saco de plástico que não tenha furos. Deem calçar-se luas ou saco de plástico sempre que se despejar urina ou fees na latrina. Se tier feridas nas mãos, a pessoa que cuida do doente dee proteger as feridas com um penso ou pano limpo. A pessoa que cuida do doente dee laar as mãos antes e depois de prestar cada cuidado! COMO CUIDAR DE UM DOENTE 95

6 Como laar as mãos Usar água e sabão. Se não há água corrente, depois de laar com sabão, uma segunda pessoa dee erter a água limpa para remoer o sabão. Não usar toalha, mas deixar secar as mãos ao ar. Não usar a mesma água outra e. Uma criança doente como esta, dee dormir separada das crianças que estão saudáeis. As crianças doentes ou com feridas, comichão no corpo, ou piolhos, deem dormir sempre separadas das crianças que estão bem. Se alguma criança tier uma doença contagiosa, como papeira, sarampo, ou constipação, não se dee deixá-la aproximar-se de bebés ou de outras crianças pequenas. Enquanto tier tosse, a pessoa que tem tuberculose dee comer e dormir afastada das crianças. Se for possíel, dee dormir num quarto separado. Líquidos Em quase todas as doenças, a pessoa doente dee tomar muitos líquidos, como por exemplo: água, chá, sumos, caldos, etc. Se ela só consegue beber um pouco de cada e, dee dar-se pequenas quantidades árias ees. Se ela não consegue engolir, dar um pequeno gole de 5 em 5, ou de 10 em 10 minutos. Se a pessoa está muito doente, dee medir-se a quantidade de líquido que a pessoa bebe cada dia. Um adulto precisa de beber pelo menos 2 litros por dia, e dee urinar pelo menos 3 ou 4 ees por dia. Se o doente não está a beber e a urinar o suficiente, ou se começa a ter sinais de desidratação (er pág. 342), dee faer-se com que beba mais. Tratar como recomendado para a desidratação. A diarreia e os ómitos causam perda de líquidos e sais minerais. A transpiração também causa perda de grandes quantidades de água. Esta água perdida dee ser reposta e recomenda-se a ingestão de cerca de 8 copos de líquido por dia, no adulto. A criança também dee beber muita água. A quantidade dee ser maior quando a pessoa tem diarreia ou ómitos. É aconselháel que, sempre que possíel, a água, principalmente a do rio, dos poços e furos, seja ferida e arrefecida antes de se a consumir. 96 COMO CUIDAR DE UM DOENTE

7 Boa alimentação Dar de comer e beber o máximo que o doente puder. É preciso ter paciência. Uma criança ou adulto doente, muitas ees não quer comer muito. Portanto, dar alguma coisa para comer muitas ees por dia. A pessoa doente dee ter uma alimentação equilibrada (er pág. 153). Se o doente está muito fraco, dar estes mesmos alimentos amassados ou bem passados, em forma de sopas ou papas, mais frequentemente durante o dia (4 a 5 ees). Podem encontrar-se boas receitas para papas enriquecidas na pág Algumas bebidas e comidas não fornecem nutrientes e por isso, é melhor eitá-las. É o caso dos refrescos, rebuçados e gelinhos. Como regra geral: Os alimentos que são bons para nós quando estamos saudáeis são também bons quando estamos doentes. As coisas que nos faem mal quando estamos saudáeis faem pior quando estamos doentes. Quando se está melhor, dee-se comer mais para recuperar o peso. As pessoas doentes muitas ees não têm apetite. Por isso, dee-se tentar melhorar o sabor da comida. Mas dee-se ter cuidado com o que se usa, porque pode proocar náusea ou dor do estômago. Melhorar o sabor da comida Melhorar o sabor dos alimentos com eras e condimentos. Juntar cebola e alho aos guisados e sopas, para dar sabor. Tomar a refeição acompanhada de pequenos goles de líquidos. Mastigar bem os alimentos e moimentá-los dentro da boca. COMO CUIDAR DE UM DOENTE 97

8 Beber água misturada com uma pequena quantidade de sumo de limão, antes das refeições, estimula o apetite. Abaixo se descreem alguns conselhos a dar aos doentes que têm problemas em alimentar-se: Perda de apetite Tentar não comer soinho. Comer sempre que tier ontade. Comer pequenas porções de alimentos lees, dos que mais gosta. Faer lanches nutritios sempre que possíel. Escolher alimentos energéticos e construtores (er pág. 157). Tomar bebidas ricas em energia e proteínas, como o leite e o maheu. Eitar comidas com cheiro forte. Faer exercício físico. Tentar faer caminhadas diárias, antes das refeições. Perda de peso Tentar faer pequenos lanches fora do horário normal das refeições, mesmo que isso signifique comer 4 ou 5 ees por dia. Uma peça de fruta é um óptimo lanche. Comer alimentos ricos em proteínas (er pág. 157) para fortalecer os músculos. Adicionar gordura aos alimentos, se for tolerada. A gordura torna a comida mais apetitosa e fornece mais energia. Náuseas e ómitos Esperar até ficar um pouco melhor antes de faer uma refeição, mas não deixar de se alimentar. Faer refeições lees ao longo do dia. Tomar líquidos entre as refeições. Beber bebidas frias aos poucos. Os sumos puros de fruta (caseiros) são melhor tolerados. Comer alguns alimentos frios. Coer os alimentos em água e sal. Comer alimentos secos tais como bolachas de água e sal, pão torrado, bananas. Eitar alimentos muito temperados ou condimentados. 98 COMO CUIDAR DE UM DOENTE

9 Eitar frutos ácidos, tais como laranjas e outros citrinos, ananás. Eitar cafeína (café e chá) e álcool. Escolher alimentos que não sejam muito gordos ou muito doces. Eitar preparar a comida quando estier com náuseas. Não se deitar logo após ter comido. Se tier de se deitar, recostar-se sobre almofadas. Fadiga, letargia Aceitar a ajuda de familiares e amigos na preparação da comida. Comer alimentos que sejam fáceis de comer e não precisem de preparação, por exemplo, banana, abacate, amendoim e castanha de caju, fruta fresca. Se precisar de ficar na cama, manter os alimentos à mão. Lembrar que a fadiga pode ser o resultado de anemia (er pág. 289). Algumas doenças exigem conselhos especiais. Estes são dados nas páginas seguintes: feridas na boca e garganta pág. 553 diarreia pág. 341 úlcera do estômago, aia e flatulência pág. 294 diabetes pág. 490 problemas do coração pág. 487 prisão de entre pág. 297 Aliiar as dores O alíio das dores é importante para o conforto do doente. Existem meios para aliiar a dor, que são descritos na pág Tabaco e álcool O tabaco e o álcool são substâncias que prejudicam o corpo. Aconselhar o doente a não fumar, eitar bebidas alcoólicas e a procurar ajuda para deixar de fumar (er pág. 221) e beber (er pág. 680). COMO CUIDAR DE UM DOENTE 99

10 Falta de sono A falta de sono é muito frequente, por exemplo, deido às dores ou preocupações. Para o tratamento, er pág Confusão mental A confusão mental pode ser difícil para a família, que necessita de muito apoio. Dee-se manter o doente num lugar familiar, na presença de pessoas conhecidas, calmas e simpáticas. Os conselhos para cuidar dum doente com confusão mental em casa encontram-se na pág Dee-se excluir cuidadosamente a presença de doenças físicas que possam ser tratadas, intoxicações, ou deficiência de itaminas (pelagra), er pág Apoio moral e social Estar acamado, e não poder realiar as suas actiidades do dia a dia, fa com que o doente fique triste e preocupado, principalmente quando ele é quem sustenta a família. É importante estar atento a estes problemas, dando conselhos, carinho e apoio. Sinais de perigo É muito importante procurar sinais que o aisem de que a doença da pessoa é grae ou perigosa. Uma lista de sinais que mostram que a doença é grae, encontra-se no capítulo 4. Se o doente tem um destes sinais, proceder à sua transferência. 100 COMO CUIDAR DE UM DOENTE

11 Cuidados especiais com a pessoa que está muito doente Muitas ees, os familiares preferem que o doente fique em casa, se está muito grae. Neste caso, dee organiar-se aconselhamento e apoio prático para os doentes e para os familiares que prestam cuidados. Em algumas doenças, como o HIV e SIDA, existem grupos de apoio organiados em associações de oluntários. Obseração das alterações Dee obserar-se se ocorre alguma mudança no doente que indique se está a melhorar ou a piorar. Dee aaliar-se o estado geral do doente e faer as seguintes obserações: Falta de apetite? Está a comer/beber? Tem diarreia, ómitos? Tem dor? Tem tosse? Tem febre, suor? Dorme bem? Tem prisão de entre, urina bem? Como está a pele? Há algum sinal de inflamação (está inchada, quente ou ermelha)? Tem feridas, pus ou escaras? Sabe onde está, e com quem, qual é o dia? Preparação para a morte A triste realidade é que nem todos os doentes ão ficar curados. A morte é o fim natural da ida. Muitas ees cometemos o erro de, a todo custo, faermos todos os possíeis para tentar manter ia uma pessoa moribunda. Às ees este esforço aumenta o sofrimento e a tensão para a própria pessoa e familiares. Há muitas ocasiões em que a melhor coisa a faer é não procurar desesperadamente um medicamento melhor ou um médico melhor mas ficar perto da pessoa que está a morrer e dar-lhe carinho, apoio e conforto. Nas últimas horas, o amor e a aceitação são muito mais importantes do que os medicamentos. COMO CUIDAR DE UM DOENTE 101

12 Ajudar uma pessoa e a sua família a aceitar e preparar-se para a morte não é fácil. Podemos ajudar, tendo em conta alguns assuntos que podem surgir em relação ao processo da morte: Desejo de reconciliação com membros da família ou outras pessoas; Diminuição da capacidade de trabalhar e cuidar de si mesmo; Desejo de apoio espiritual; Necessidade de preparação para proteger os sobreientes, como crianças e esposo/a; Diisão dos bens (terreno, casa, propriedades); Documentação dos últimos desejos (como última ontade). Quanto mais aançada a doença parece, mais urgente é a necessidade de falar destes assuntos. Se a família recusa enfrentar estas coisas a tempo, dee ser conencida de que enfrentará problemas maiores, mais tarde. É importante que o doente seja estimulado a falar sobre a sua morte e planeá-la. Isto pode ajudar a atenuar a dor. Como manusear o cadáer O manuseamento do cadáer é particularmente importante em algumas doenças infecciosas, em que as pessoas que o manuseiam correm o perigo de apanhar a doença, por exemplo, cólera (er pág. 357) e doenças de Marburg e Ébola (er pág. 463). Regra geral: nas doenças transmissíeis, tomar as mesmas precauções que usou com o doente em ida. 102 COMO CUIDAR DE UM DOENTE

Doenças do recém-nascido e doenças congénitas

Doenças do recém-nascido e doenças congénitas Doenças do recém-nascido e doenças congénitas CAPÍTULO 29 É muito importante identificar, logo após o nascimento, qualquer problema ou doença no recém-nascido e agir imediatamente. Doenças que leam dias

Leia mais

Prevenção de infecções nas unidades sanitárias

Prevenção de infecções nas unidades sanitárias CAPÍTULO 9 Preenção de infecções nas unidades sanitárias Risco de transmissão de infecções Quando prestam cuidados aos doentes, os trabalhadores de saúde podem entrar em contacto com líquidos do corpo,

Leia mais

Como administrar medicamentos

Como administrar medicamentos Como administrar medicamentos CAPÍTULO 8 Os medicamentos podem ser administrados aos doentes atraés de diferentes ias de administração: pela boca ia oral; pelo recto ia rectal; pela agina ia aginal; ou

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE QUIMIOTERAPIA

ORIENTAÇÕES SOBRE QUIMIOTERAPIA Este Manual foi elaborado pela Equipe de Enfermagem e Com o apoio da Equipe Médica da Clínica ONCOSUL. MANUAL DO PACIENTE ORIENTAÇÕES SOBRE QUIMIOTERAPIA Equipe de Enfermagem: Rozilda Maurício Enfermeira

Leia mais

Guia Prático do Cuidador

Guia Prático do Cuidador MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Guia Prático do Cuidador Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília - DF 2008 2008 Ministério

Leia mais

Caderneta de Saúde da Criança Menino

Caderneta de Saúde da Criança Menino MINISTÉRIO DA SAÚDE Caderneta de Menino PASSAPORTE DA CIDADANIA 8ª edição Brasília DF 2013 sumário Parabéns! Acaba de nascer um cidadão brasileiro... Identificação... Mudanças de endereço... Registro civil

Leia mais

Orientações aos Cuidadores de Pacientes Acamados

Orientações aos Cuidadores de Pacientes Acamados Orientações aos Cuidadores de Pacientes Acamados SUMÁRIO Prezado cuidador....................... 03 Algumas Sugestões Sobre Higiene Bucal e Corporal........ 04 Banho.......................................

Leia mais

Alimentação e Nutrição para Pessoas que Vivem com HIV e Aids

Alimentação e Nutrição para Pessoas que Vivem com HIV e Aids 2006 Alimentação e Nutrição para Pessoas que Vivem com HIV e Aids Alimentação e Nutrição para Pessoas que Vivem com HIV e Aids 2006 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Secretaria de Atenção

Leia mais

Incentivando a boa higiene e o saneamento

Incentivando a boa higiene e o saneamento Incentivando a boa higiene e o saneamento Guia PILARES Escrito por Isabel Carter Pelos Idiomas Locais: Associação em REcursoS Incentivando a boa higiene e o saneamento Guia PILARES Escrito por Isabel Carter

Leia mais

A creche A creche deve promover e facilitar a participação da família e respeitar a opinião dos pais.

A creche A creche deve promover e facilitar a participação da família e respeitar a opinião dos pais. O bebê de 2 a 11 meses A creche Acumule conhecimentos. Interesse-se por tudo. Uma boa creche deve ter: Cabe aos pais decidir se matriculam ou não seu bebê na creche. Antes de escolher uma creche, é bom

Leia mais

meu filho TEm artrite um guia para famílias www.acredite.org.br

meu filho TEm artrite um guia para famílias www.acredite.org.br meu filho TEm artrite www.acredite.org.br um guia para famílias ÍNDICE INTRODUÇÃO... TIPOS DE AIJ... DIAGNÓSTICO... TRATAMENTO... DICAS PARA OS PACIENTES... ACOMPANHAMENTO CLÍNICO... O IMPACTO DA DOENÇA...

Leia mais

MINISTÉRO DA SAÚDE COMO AJUDAR AS MÃES A AMAMENTAR F. SAVAGE KING

MINISTÉRO DA SAÚDE COMO AJUDAR AS MÃES A AMAMENTAR F. SAVAGE KING MINISTÉRO DA SAÚDE COMO AJUDAR AS MÃES A AMAMENTAR F. SAVAGE KING TRADUÇÃO: Zuleika Thomsom Orides Navarro Gordon Brasília 2001 1998. Ministério da Saúde 1985 African Medical and Research Foundation 4ª

Leia mais

Alimentação. em Tempos de

Alimentação. em Tempos de Alimentação em Tempos de Gripe Ficha Técnica Título: Edição: Concepção: ISBN: Alimentação em Tempos de Gripe Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto - FCNAUP Bela Franchini,

Leia mais

Tuberculose. Perguntas

Tuberculose. Perguntas Tuberculose Perguntas e Respostas Tuberculose PERGUNTAS E RESPOSTAS Elaboração: Divisão de Tuberculose CVE Av.Dr. Arnaldo 351, 6ºAndar Fone: 3066-8294 3066-8291 Internet : www.cve.saude.sp.gov.br Capa

Leia mais

As causas das doenças

As causas das doenças CAPÍTULO 2 As causas das doenças As pessoas têm maneiras diferentes de explicar a causa duma doença. Um bebé está com diarreia. Mas porquê? Em certas comunidades, talve digam que isso aconteceu porque

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Canil Pugs Marines www.pugsmarines.com.br Tel.: (21) 3518-9123/ (21) 7893-6366 Priscila Cristina / José Claudio Manual de Instruções - Canil Pugs Marines Página 1 MENU Cuidados Gerais

Leia mais

MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO

MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO 1 MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO Edição Comité Português para a UNICEF/Comissão Nacional Iniciativa Hospitais Amigos dos Bebés Edição Revista de 2008 2 Leonor Levy e Helena

Leia mais

Cartilha do profissional de saúde

Cartilha do profissional de saúde Ministério da Saúde Grupo Hospitalar Conceição Gerência de Saúde Comunitária PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL Cartilha do profissional de saúde Vivendo bem, até mais que 100! Orientações sobre hábitos

Leia mais

GAPsi FCUL PRISÃO DE FUMO

GAPsi FCUL PRISÃO DE FUMO PRISÃO DE FUMO Eu um dia vou deixar de fumar.fumar faz-me mal tenho que deixar isto Quantas vezes já pensaste isto para ti? Ainda que não estejas realmente convencido que queres deixar de fumar, mas se

Leia mais

CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL

CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL Organização Mundial de Saúde DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR, ZOONOSES E DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA

Leia mais

Uso correcto dos antibióticos

Uso correcto dos antibióticos CAPÍTULO 7 Uso correcto dos antibióticos Quando usados correctamente, os antibióticos são medicamentos extremamente úteis e importantes. Eles combatem diversas infecções e doenças causadas por bactérias.

Leia mais

Acompanhar até ao fim

Acompanhar até ao fim Acompanhar até ao fim Conselhos aos familiares de pessoas gravemente doentes Service des Soins Palliatifs Centre Hospitalier du Nord - 120, Avenue Salentiny - L-9080 Ettelbruck Tél. : 8166-1 - Fax : 8166-3080

Leia mais

N. O. T. A P. R. É. V. I. A

N. O. T. A P. R. É. V. I. A N. O. T. A P. R. É. V. I. A F. I. C. H. A Ficha Técnica T. É. C. N. I. C. A Título A Protecção Civil em Casa Copyrigth Serviço Nacional de Protecção Civil 6 Autor SNPC Design gráfico Ricardo Nogueira Pré-impressão

Leia mais

Quando um. Está Morrendo. O Que Você Pode Esperar e Como Você Pode Ajudar

Quando um. Está Morrendo. O Que Você Pode Esperar e Como Você Pode Ajudar Quando um Ente Querido Está Morrendo O Que Você Pode Esperar e Como Você Pode Ajudar Introdução à versão brasileira O texto aqui apresentado nasceu no Canadá e nós o traduzimos e adaptamos para a realidade

Leia mais

Doenças da pele. Se um problema da pele é grave ou se piora apesar do tratamento, enviar o doente para uma unidade sanitária com mais recursos.

Doenças da pele. Se um problema da pele é grave ou se piora apesar do tratamento, enviar o doente para uma unidade sanitária com mais recursos. CAPÍTULO 25 Doenças da pele Alguns problemas de pele são causados por doenças que afecam apenas a pele ais como a ínea, a sarna, ou as errugas. Ouros são sinais de doenças que aacam o corpo odo como o

Leia mais

Comida que cuida1. Mais cor no prato e na vida durante o tratamento do câncer

Comida que cuida1. Mais cor no prato e na vida durante o tratamento do câncer Comida que cuida1 Mais cor no prato e na vida durante o tratamento do câncer Comida que cuida1 Mais cor no prato e na vida durante o tratamento do câncer Projeto e realização Diretoria de Comunicação

Leia mais

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros:

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros: Primeiros socorros Os primeiros socorros é o tratamento inicial dado a alguém que se magoou ou sofreu um acidente. Se o acidente for grave, não deves mexer na pessoa lesionada e chamar o 112, explicando-lhe

Leia mais

Comida. que cuida. Dicas de alimentação durante o tratamento do câncer

Comida. que cuida. Dicas de alimentação durante o tratamento do câncer Comida que cuida Dicas de alimentação durante o tratamento do câncer Comida que cuida Dicas de alimentação durante o tratamento do câncer COMIDA DE ALMA É AQUELA QUE CONSOLA... DÁ SEGURANÇA, ENCHE O

Leia mais

Porque é importante aprender os primeiros socorros?

Porque é importante aprender os primeiros socorros? CAPÍTULO 15 Primeiros socorros O que são primeiros socorros? Os primeiros socorros são um conjuno de medidas que deem ser omadas rapidamene, em caso de acidenes ou de ouras emergências. São, porano, a

Leia mais

5 ESTRATÉGIAS PARA UMA BOA NOITE DE SONO

5 ESTRATÉGIAS PARA UMA BOA NOITE DE SONO 5 ESTRATÉGIAS PARA UMA BOA NOITE DE SONO Necessidades de sono A capacidade de dormir bem é fundamental ao bem-estar do indivíduo. Este «dormir bem» é relativo, sendo que as frequentemente referidas oito

Leia mais