L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu"

Transcrição

1 5

2 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo. Eu calar, mudar cara d Eu para vento e cheirar vento. Vento cheirar nada, e vir de tão longe. Barriga d Eu doer, em meio d Eu. Ar em barriga sair em boca, e sabor ser nada. Sangue seco mudar em caroço preto em joelho d Eu e picar. Eu esfregar e haver mais sangue. Eu ter em cima d Eu muitos bichos-céu, grandes e cinzentos. Andar lentos, não ter força em eles. Eles buscar comida como Eu, eles ter fome. Bicho-céu ter nada em barriga de ele, cabeça de ele fugir, ele correr depressa para apanhar cabeça. Em baixo d Eu, erva. Mato grande ir longe. Eu ver mais-monte e atrás em mais-monte ver árvores baixas em Fim-de-Terra. Eu olhar em baixo em erva em monte e ver porcos. Porcos grandes pôr osso de vontade de eles dentro em porcas. Eu ver e osso d Eu crescer. Em barriga d Eu haver nada. Em alma d Eu, Eu correr monte abaixo e bater com pedra e fazer porca não-viver e comer porca inteira. Agora Eu fazer que ver em alma d Eu. Em cima em monte haver nada que terra seca, e Eu correr depressa, em cima de erva fria para baixo em monte. Eu querer che- 13

3 gar depressa em porca, para porca não mudar em bicho que não ser bom, como rato que Eu apanhar e mudar em pedra pequena. Eu correr depressa, porca ser porca agora. Vontade d Eu crescer, osso d Eu abanar em baixo em barriga d Eu. Eu correr depressa Oh! Pés d Eu voar em cima em erva e Eu cair Oh! Cair em monte em baixo. Levantar depressa, para apanhar porcos. Cair fazer Eu lento, e porcos poder mudar, que Eu não cheirar porcos. Barriga d Eu ter medo dentro em ela. Eu correr mais depressa e procurar porcos Oh! Porca sozinha mudar, pernas de ela desaparecer. Eu ver nada, porca dentro em buraco escuro, Eu ver cara preta de ela. Eu correr mais depressa que eles e haver porcos que eu chegar! Oh! Porcos não mexer mais e não mais cheirar mal. Eu andar e porcos ficar mais pequenos. Eu chegar a porcos e porcos ser madeira branca em cima de madeira branca. Olhos em porcos ser buracos em madeira. Pernas em porcos ser ramos. Ah!... Sentar em madeira mais baixa, em cima de erva em baixo de monte, e fazer água quente em cara d Eu. Osso de vontade d Eu não mudar. Esfregar água de olhos d Eu e levantar de madeira. Mijar em madeira, e fazer alma de madeira querer mudar para porco! Osso de vontade d Eu mudar, ficar pequeno e esconder em baixo em barriga. Eu sentar em madeira, fumo cinzento sair de mijo d Eu. Oh! Bando d Eu mandar Eu embora, Eu não ver bando haver muitas noites. Bando não querer Eu. Nada haver em barriga d Eu e Eu sentar sozinho em madeira velha. Eu olhar céu em cima d Eu e ver rebanho de bichos-céu cinzentos. Eles ir para Fim-de-Terra. Escuro chegar depressa, coisa-preta que é alma d Eu, que estar em chão, desaparecer e Eu ficar sozinho. Bando d Eu não querer Eu e dizer que Eu não buscar comida para Eu e comer comida de Bando. Em barriga d Eu, Eu escutar voz de mãe d Eu dizer que Eu é preguiçoso. Eu não dizer nada e ela bater em cabeça e pernas d Eu, e Eu fazer barulho. Ah, mãe, bater ser não-bom: alma d Eu não ser boa para buscar comida e encher barriga, como alma de bando. Mãe dizer que não-bom ser ela buscar comida d Eu. Ela dizer que bando não gostar d Eu, e que ter Eu dentro de bando por mãe viver. Mas mãe d Eu é não-viver. Estranho. Ter dias que alma d Eu trabalhar muito, e mais dias que alma d Eu calar. E dias que Eu ter coisas em alma d Eu, e alma d Eu encontrar mais-coisas que parecer coisas em atrás de ago- 14

4 ra, e mais-mais-coisas vir que ser como coisas e mais-coisas, como bando d Eu inteiro andar em baixo de árvores. E em alma d Eu coisas mudar, e ser diferentes que mais-coisas, como porcos mudar em madeira. Alma d Eu mostrar mãe bater em pernas d Eu e ser mau, mas alma d Eu mudar e mostrar Eu e mãe em cama e ser bom: cabeça d Eu em cima de terra, cabeça esfregar em pedaços duros de terra, e pedaços magoar Eu, que ter cabelo de bebé: como cabelo fraco em amora. Boca d Eu cheia de leite de mãe d Eu. Não haver mais terra que Eu querer ver, nada em Eu quer ir longe de bando. Eu em baixo em peles-de-bichos que cheirar como mãe d Eu, e ela estar. Quente. Bafo de mãe cheirar como raiz amarga. Ela ser grande e eu ser pequeno, como Urk. Alma d Eu mostrar Eu grande e mãe pequena. Nós estar em mato. Luz aparecer e Eu abrir olhos e ver mãe sentar em árvore branca, em atrás de ela. Luz pequena cair, de ramos em árvore, para cima de cara de mãe, em olhos de mãe. Ela não mexer e olhos cheios de luz. Eu dizer, Mãe, vir com Eu, e mãe não mexer. Eu ter medo. Mãe, Eu dizer, não enganar Eu! Bando levantar e ir longe. Acordar e ir com bando. Eu esfregar mão d Eu em perna de ela. Mãe estar fria como pedra e haver bichinhos-terra em cima de mãe. Eu falar mais forte. Eu levantar, agarrar ela e puxar e bater. Eu ser fraco e ela cair. Luz cair de olhos e voltar para ramos de árvore. Cabeça de mãe d Eu em poça de chuva, cabelo estar em cima de água. Eu não ver como ajudar ela em alma d Eu. Eu pular em cima de mãe e querer pôr osso de vontade d Eu dentro de ela, para pôr quente em ela e fazer ela andar. Pernas de mãe d Eu ser duras, joelho com joelho. Eu não ser forte para mexer pernas de ela e osso d Eu não crescer. Eu deitar em barriga cabeluda de ela e empurrar osso mole d Eu. Cabeça de ela mexer em poça de chuva. Barriga cabeluda de ela ser fria e não cheirar como ela. Eu empurrar e empurrar. Homem de bando d Eu aparecer e ele puxar Eu de mãe d Eu. Ele dizer que Eu ser merda, e querer bater em Eu e Eu fugir para árvores. Bando d Eu chegar em mãe. Eles dizer não haver calor em ela, não haver bafo e haver nada. Homem-Alma chegar e ir ver mãe d Eu. Ele baixar, e Eu ver penas de cinto mexer em cu de ele e ver ele coçar. Ele dizer que mãe d Eu estar não-viver e culpa ser de trabalhar. Ele dizer para bando pôr ela em baixo de terra para bando ir longe. 15

5 Eu escutar mulher com boca feia dizer culpa de mãe d Eu estar não-viver ser d Eu. Eu ser mandrião, Eu fazer mãe buscar comida d Eu dia inteiro. Bando achar que mulher com boca feia falar bom. Agora ela falar mais forte que dever ser Eu que pôr mãe em baixo de terra, que ser trabalho d Eu. Agora Eu escutar homem que falar que Eu ser merda dizer sim, que dever ser Eu que pôr mãe em baixo de terra e trabalhar para mãe d Eu, que ela fazer muito para Eu. Homem-Alma dizer sim, e coçar cu de ele. Encontrar menino!, Eu escutar ele dizer. Eu correr. Ah, eles ser homens. Eles ter pernas mais grandes que pernas d Eu, e Eu ter medo grande, correr e cair em silvas. Silvas arranhar e bando puxar Eu de silvas e arrastar Eu para Cu-de-Penas e mãe d Eu. Ela ter cabeça em poça de chuva. Luz cair de árvore e rastejar em erva para chegar em olhos de ela. Homem-Alma coçar cu de ele e pôr machado de pedra de mãe em mão d Eu. Eu ser fraco e machado cair de mãos, e Homem- -Alma bater em cara d Eu e haver sangue em nariz d Eu. Apanhar!, ele dizer. Mandar Eu fazer buraco para mãe d Eu, para bichos-almas não vir buscar ela e mudar bando d Eu em não-bem com bafo que cheirar mal. Que ave-podre ou cão-podre não vir buscar nós. Terra dever aceitar que terra ser, e ser bom terra não ser dura em baixo de pés, Homem-Alma dizer. Eu fazer buraco em cima de terra e lamber sangue em cara d Eu. Em baixo de erva estar terra fofa e cinzenta, e Eu empurrar terra inteira. Eu fazer buraco em raiz e pedra, e Eu fazer devagar. Sol voltar em cara de mãe d Eu, luz em baixo de olho e luz fugir devagar para cima de erva e flores. Eu tirar pedra em frente d Eu e ver muitas minhocas em baixo de ela. Eu fazer buraco com machado de pedra de mãe d Eu e haver mais-minhocas que em atrás de agora. E haver mais-mais. Eu cortar dedos d Eu para fazer buraco. Sangue d Eu em machado de mãe. Sangue d Eu em buraco de mãe. Bando d Eu estar em pé sozinho e em mais-pé sozinho, e calar que Eu fazer buraco. Bando calar e querer ir embora. Querer ir andar volta grande de bando, em Fim-de-Terra, que tempo de gelo em atrás de agora, e caçar rato-espinho e porco e raiz amarga. Sol andar em cima d Eu e bando, e bichos-céu fugir dele e ter medo que Sol quente mudar bichos em céu. Homem-Alma zangar com Eu, Eu fazer buraco devagar, e dizer que Eu calar que buraco bom. Eu estar em buraco, e buraco em umbigo d Eu. Ele dizer para Eu sair e pôr mãe dentro de buraco. 16

6 Eu sair, joelhos cinzentos de terra e olhar mãe d Eu. Estar branca. Estar nua. Estar nada. Eu andar pequeno. Mais-andar pequeno. Cabelo de cabeça de mãe ser cor-de-terra. Cu-de-Penas dizer para Eu ser rápido e agarrar ela. Eu andar pequeno e ela mexer. Eu baixar e agarrar pé de ela. Estar mais fria, agora, e luz em cima de ela desaparecer. Eu levantar pernas de ela, brancas em cima de ela, e Eu ver que ela ser escura em baixo de ela, como cor-desangue. Eu puxar e ela sair de buraco-de-chuva, cabelo de ela como erva-de-água, e ela fazer barulho com cu de ela. Eu puxar ela de buraco. Cu-de-Penas dizer para Eu pôr mãe d Eu dentro de buraco e tapar com terra. Eu pôr mãe dentro de buraco. Ela ser mais grande que buraco. Perna de ela sair de buraco e não querer entrar. Eu tapar mãe com terra e mãos d Eu cinzentas de terra. Terra cair em olhos de mãe, em boca e umbigo, e cara de mãe desaparecer. Braços e tetas de mãe desaparecer. Mãe ser pé branco, fora de buraco. Eu tapar pé com terra, e tocar devagar dedos em pé de mãe. Eu levantar de buraco tapado e Cu-de-Penas atirar machado de pedra de mãe em cima de terra. Machado cair em frente de pé de mãe. Pé de mãe parecer monte-ninho de bichinhos-terra. Eu dizer bando que mãe d Eu estar em terra e Eu e bando poder ir longe e caçar rato-espinho e porco e raiz amarga. E bando não olhar em Eu e calar. Cu-de-Penas olhar em Eu e fazer olho-mau. Ele abanar cabeça de ele. Abanar não. Eu ficar sozinho com pé de mãe d Eu. Bando d Eu não estar com Eu, estar longe em baixo de árvores, em atrás de monte e bando não vir mais. Terra cinzenta em mãos e pés d Eu estar dura e fria, e Eu tirar terra em pedaços pequenos. Terra que Eu deitar em cima de pé de mãe ficar dura e cair. Terra cair de dedos de pé de mãe e Eu ver dedos. Eu ver pé mudar em coisa que ser não-dedos. Mãe! Eu ver em alma d Eu que escuro chegar, e Eu sentar perto de pé de mãe e não ver em alma d Eu que Eu fazer. Eu ficar com mãe luz inteira e não querer ir longe de mãe. Mas barriga d Eu doer, coisa estranha estar em alma d Eu. Eu não ver em ela Eu estar ou Eu ir. Levantar. Eu caminhar para longe e vir. Sentar. Levantar e andar. Saltar em cima de terra e bater em árvore e arrancar erva e falar muitas coisas para pé de mãe. Sentar e calar em escuro, e escutar ruído longe que cão com rabo de fogo fazer em erva, mais bandos de cães em cima de monte. Eu ter medo, e dor em barriga d Eu mudar 17

7 mais forte. Eu cagar em raiz de árvore e merda d Eu como água. Luz aparecer e haver nada dentro de barriga d Eu. Eu dizer para pé de mãe calar que Eu ir buscar comida para Eu e ele. Pé calar. Pé mostrar que mãe querer escutar e não querer buscar comida. Eu andar longe devagar e andar muitas árvores. Eu calar e olhar em atrás de Eu. Pé calar. Eu levantar braço e abanar mão d Eu. Tudo estar bom. Ir. Árvores mudar pequenas e silvas mudar grandes. Caminhar para silvas. Olhar em atrás de Eu e não ver pé. Mas eu cheirar merda d Eu e buscar mãe d Eu. Eu não ter medo. Caminhar em mato: árvores, silvas. Eu ver amoras e cair chuva forte: muitos bichos-céu mijar agora. Depressa, Eu esconder dentro de buraco, em baixo de arbusto com amoras, e entrar dentro de silvas. Sentar seco em silvas e comer amoras. Fora de silvas cair chuva forte. Eu estar seco, ter luz, ter amoras em barriga d Eu dentro de silvas, e ser bom. Limpar sangue de amoras em cima de boca d Eu. Fechar olhos. Escutar chuva cair. Em alma d Eu haver nada, e em frente de agora tudo ficar estranho. Eu não estar dentro de silvas e Eu estar em baixo de árvores. Tudo ser escuro, mas árvores brancas brilhar e não ser escuro inteiro. Alma d Eu não mostrar como mudar em escuro depressa e como eu estar em árvores brancas. Eu ter medo e olhar em volta d Eu e Eu ver coisa em árvores. Coisa ser mãe d Eu. Mãe pôr mão de ela em cima de árvore branca e olhar em Eu. Eu fazer cara-boa e ir para ela, mas Eu ver pernas de ela e uma perna de ela estar rasgada e haver muito sangue: perna estar rasgada em baixo de joelho. Eu olhar perna e cara de mãe, e ela zangar grande. Eu ver que mãe não gostar d Eu. Ela querer conhecer onde estar pé de ela. Eu escutar e berrar forte com medo, e berro d Eu mandar escuro ir longe e Eu estar em silvas. Em luz. Tudo ser rápido e não ficar em alma d Eu. Eu não escutar chuva, e sair de dentro de silvas e buraco. Tudo estar molhado e chuva fazer buracos em cima de terra. Chuva fazer cheirar bem e forte como terra e erva. Cheiro novo. Eu não cheirar merda d Eu. Chuva levar cheiro de ela e Eu não cheirar ela. Merda d Eu estar em árvore onde estar pé de mãe d Eu. Eu correr em arbusto e mato, buscar erva que Eu pisar para descobrir caminho d Eu. Eu ver que chuva forte mais-pisar tudo e Eu não ver caminho d Eu. Eu correr em baixo de árvores, cheirar erva. Correr em volta d Eu. Correr em frente de Eu. Em árvore, em silva e falar pé e falar mãe. Em volta, Eu descer em baixo de buraco 18

8 grande, subir em cima de pedras e erva gorda. Eu cair em cima de terra e alma d Eu não mostrar onde Eu estar. Eu não ver pé. Eu não ver arbusto com amoras. Eu ir caminho diferente, em baixo de muito escuro e luz, e Eu não conhecer onde estar pé e arbusto. Eu ir em campo e passar rio. Eu ir em mato, muitas árvores e Eu pisar peles de elas. Eu encontrar cogumelos que nascer em erva, e Eu comer cogumelos escuros em baixo. Eu ver luz ir embora e Eu ter nada que fazer. Eu andar e andar, e nada. E escuro e luz, mais escuro e mais luz. Eu andar e não ver terra em baixo de erva alta. Em barriga d Eu estar nada, e Eu encontrar ave que não-viver e querer comer ave. Eu ver ave com minhocas dentro de ela e Eu cagar de boca e em pernas d Eu abaixo. Escuro, luz, andar. Bando d Eu dizer que haver comida pequena agora, e que andar ser duro. Dizer que gelo desaparecer inteiro e bandos que não- Eu estar em tudo inteiro. Dizer que homem de bando que não-eu ser Homen-que-Sentar. Dizer que haver bandos d Eu pequenos que andar agora. E eu conhecer que barriga d Eu cheia de nada, mais- -sozinho, que Eu não ter valor. Luz. Eu ver bando que não-eu. Eles viver em ninhos de pele de bicho e madeira em cima de monte. Eu ter mais dedos em mão que cima de monte ter ninhos de pele e madeira. Cheirar fogo, e carne em fogo que Eu querer pôr agora em barriga d Eu. Subir monte, e Eu ver homem em cima de monte e ele ver Eu sujo de sangue e merda d Eu. Ele dizer que Eu parecer porco-sujo. Querer conhecer que Eu fazer onde estar bando. Ele falar estranho, com coisas que alma d Eu não conhecer. Eu ver mais-homem gordo que olhar Eu chegar em cima de monte. Em baixo em barriga de ele estar pequeno osso de vontade de ele. Mais-pequeno. Eu dizer mãe d Eu não-viver e bando d Eu pôr Eu longe. Que Eu querer pôr comida dentro de barriga d Eu, e que barriga d Eu ter coisa-má dentro de ela. Homem olhar mais-homem. Osso-Pequeno baixar e agarrar pau. Ele dizer que pau ser coisa-má e que Eu querer pau dentro de barriga d Eu. Mais-homem baixar e agarrar pedra, atirar forte pedra em Eu. Pedra bater em perna d Eu e haver sangue em cima de joelho. Eu fazer barulho e cair, perna d Eu mais-doer. Homem apanhar mais-pedra e mandar Eu ir longe. Chamar porco-sujo, dizer não querer cheirar Eu onde estar bando. Gordo levantar pau que atirar em Eu. 19

9 Eu levantar, haver dor em perna d Eu, em passo estranho correr em monte em baixo, que Eu mudar em cão ferido. Atrás d Eu, homem atirar mais-pedra, e não bater em Eu, mais-pedra cair e calar em erva. Eu correr depressa e não olhar atrás d Eu. Falar-não com bando que não-eu! Eu andar devagar, arrastar pé atrás d Eu. Escuro chegar e Eu encontrar árvore onde crescer maçãs pequenas, como tetas de meninas. Maçãs ser muito pequenas e duras e Eu não comer maçãs inteiras. Eu ver perna d Eu: joelho sujo de merda e sangue secar, ser bom não haver sangue. Eu pôr árvore em atrás d Eu e fechar olhos e Eu ver nada. Nada estar dentro de alma d Eu. Luz. Eu ter que andar mais. Picar dentro de perna d Eu, mas Eu poder andar em terra com perna. Eu mais-andar e chegar em mato com árvores brancas, e Sol mais quente em céu em cima d Eu. Mato ter nada que erva alta e preta e árvores. Em erva alta, Eu ver grande pedra velha, pedra de pele rasgada. Rasgar em pedra ser como minhocas dentro de terra, ser como pegada que bichinho-terra fazer em cima de terra. Eu fechar olhos d Eu, haver muito medo dentro de alma d Eu, e Eu faltar ar. Bando d Eu dizer que rasgado não ser bom. Que rasgado como árvore e cão não ser árvore e cão e ser rasgado! Que homem olhar em rasgado e alma de ele não conhecer Terra e não conhecer rasgado: homem ficar mais-estranho. Eu escutar bandos-de-urks, e bandos-que ser como-urks, fazer rasgado, em grande gelo em atrás de agora. Bandos-de-Urks não-viver em Terra agora, Eu escutar bandos-que ser como-urks viver dentro em baixo de monte, viver dentro de buracos. Eles caçar nós que viver em cima. Olhar em rasgado ser não-bom. Eu fechar olhos, andar em cima de caminho que não ser caminho de pedra rasgada. Eu cair em raiz de árvore e cara d Eu arranhar em silva em cima de terra. Eu não abrir olhos, pedra longe atrás d Eu. Sair de mato e subir em cima de monte, Sol ser fogo atrás d Eu. Eu ver porcos e correr em monte em baixo, e porcos mudar em madeira. Eu sentar em madeira, e ver nada em frentes de agoras, e em atrás de agoras, dentro de alma d Eu. Eu esfregar caroço-de-sangue em perna d Eu e olhar em cima em céu. Escuro chegar, e Eu não conhecer como não ver bichos-céu agora. Só ver olhos de bichos-céu em escuro, olhos de eles brilhar em escuro. Eu ter frio, e deitar em madeira com vento atrás d Eu. Eu fechar olhos e escuro em Terra estar dentro de Eu. 20

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS COPYRIGHT MIKAEL SANTIAGO mikael@mvirtual.com.br RUA ITUVERAVA, 651/305 JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO - RJ (21)9879-4890 (21)3186-5801

Leia mais

Carcará composição: João do Vale/José Cândido

Carcará composição: João do Vale/José Cândido 104 A FLOR E O CARCARÁ Carcará Lá no sertão É um bicho que avoa que nem avião É um pássaro malvado Tem o bico volteado que nem gavião... trecho da canção Carcará composição: João do Vale/José Cândido Ana?

Leia mais

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se A VOZ DAS COISAS Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se Marta, naquela noite, a sós na cama. Há as línguas que as pessoas falam: francês, alemão, espanhol, chinês, italiano. Para indicar a mesma

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

Rui-Rádio. e a sua luta contra as células más

Rui-Rádio. e a sua luta contra as células más Rui-Rádio e a sua luta contra as células más Rui-Rádio e a sua luta contra as células más Texto original holandês: Radio-Robin en zijn gevecht tegen de slechte kankercellen Texto e ideia: Estudantes de

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Trabalho Individual. Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo

Trabalho Individual. Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo Trabalho Individual Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo Destinatários Alunos com idades entre os cinco, seis anos a frequentar o Ensino Pré-Escolar pela terceira vez. Local da Sessão de leitura

Leia mais

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12 NA PIOR Moggle? sussurrou Aya. Você está acordada? Algo se moveu na escuridão. Uma pilha de uniformes de dormitório se mexeu como se houvesse um pequeno animal embaixo. Então uma silhueta saiu das dobras

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

O céu tinha se afastado pelo menos dez metros. Eu permanecia sentada, sem pressas. O choque devia ter partido as pedras, a minha mão direita tacteava

O céu tinha se afastado pelo menos dez metros. Eu permanecia sentada, sem pressas. O choque devia ter partido as pedras, a minha mão direita tacteava o astrágalo CAPÍTULO I O céu tinha se afastado pelo menos dez metros. Eu permanecia sentada, sem pressas. O choque devia ter partido as pedras, a minha mão direita tacteava pedaços soltos. À medida que

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. Trabalho Avaliativo Valor: 30 % Nota: Minhas Férias Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro

Leia mais

João e o pé de feijão ESCOLOVAR

João e o pé de feijão ESCOLOVAR João e o pé de feijão ESCOLOVAR Era uma vez um rapaz chamado João que vivia com a sua mãe numa casa muito modesta. A mãe era desempregada e só tinha uma pequena horta onde cultivava todo o tipo de legumes.

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

Figuras de Linguagem

Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem Aspectos semânticos Metáfora: transposição de significado com base em semelhanças. Você é um bicho, Fabiano. (Graciliano Ramos) Itabira é apenas um retrato na parede (...) (Drummond)

Leia mais

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA C. S. LEWIS O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA ILUSTRAÇÕES DE PAULINE BAYNES Martins Fontes São Paulo 1997 CAPÍTULO I Uma estranha descoberta ERA uma vez duas meninas e dois meninos: Susana, Lúcia,

Leia mais

Uma menina chamada Celeste saiu das labaredas e voou pelos céus além.

Uma menina chamada Celeste saiu das labaredas e voou pelos céus além. FOI NO TEMPO DAS GUERRAS: A ÁFRICA ERA UM CORAÇÃO A ARDER NO OCEANO Uma menina chamada Celeste saiu das labaredas e voou pelos céus além. Partiu esta menina, Celeste, dentro dum dragão de prata que voava

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol?

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol? Domingo Cocoricóóó! Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! Urrggghhoquefoi? Eu disse que já é de manhã e está na hora de você sair da cama. De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

Como preparar sua casa após cirurgia de quadril

Como preparar sua casa após cirurgia de quadril PÓS-OPERATÓRIO Como preparar sua casa após cirurgia de quadril Retire os tapetes, extensões e fios telefônicos, pois eles podem ocasionar quedas. Caso ainda não tenha, instale corrimãos em pelo menos um

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Tema: Comemoração do Dia da Conservação do Solo Destinatários: Crianças dos 6 aos 10 anos - 1º ciclo Objectivo: Pretende-se que no final das actividades as crianças

Leia mais

Morte no Nilo. Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia.

Morte no Nilo. Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia. Morte no Nilo Vais ficar como uma Múmia Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia. Foge da Terrorlândia Morte no Nilo Vais ficar como uma Múmia Vais passar à História! Anda

Leia mais

COLACIO. J SLIDES APRESENTA

COLACIO. J SLIDES APRESENTA COLACIO. J SLIDES APRESENTA A LIÇÃO RECEBIDO POR E-MAIL DESCONHEÇO A AUTORIA DO TEXTO: CASO VOCÊ CONHEÇA O AUTOR, ENTRE EM CONTATO QUE LHE DAREI OS DEVIDOS CRÉDITOS Éramos a única família no restaurante

Leia mais

Relógio D Água Editores Rua Sylvio Rebelo, n.º 15 1000 282 Lisboa tel.: 218 474 450 fax: 218 470 775 relogiodagua@relogiodagua.pt www.relogiodagua.

Relógio D Água Editores Rua Sylvio Rebelo, n.º 15 1000 282 Lisboa tel.: 218 474 450 fax: 218 470 775 relogiodagua@relogiodagua.pt www.relogiodagua. Aquário Relógio D Água Editores Rua Sylvio Rebelo, n.º 15 1000 282 Lisboa tel.: 218 474 450 fax: 218 470 775 relogiodagua@relogiodagua.pt www.relogiodagua.pt AQUARIUM 2015 by David Vann Título: Aquário

Leia mais

O LAVA JATO MACABRO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA

O LAVA JATO MACABRO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA O LAVA JATO MACABRO Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA Rua alameda dom Pedro II n 718 Venda da cruz São Gonçalo. e-mail:jfigueiredo759@gmail.com TEL: (21)92303033 EXT.LAGE DA CASA.DIA Renam está sentado na

Leia mais

Relato de parto: Nascimento do Thomas

Relato de parto: Nascimento do Thomas Relato de parto: Nascimento do Thomas Dia 15 de dezembro de 2008, eu já estava com 40 semanas de gestação, e ansiosa para ter meu bebê nos braços, acordei as 7h com uma cólica fraca, dormi e não senti

Leia mais

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA TESTE DE ELENCO COM UMA CENA Por VINICIUS MOURA * Embora seja uma cena que contenha dois atores os candidatos serão avaliados individualmente. Os critérios de avaliação se darão a partir da performace

Leia mais

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria,

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, O Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, preocupada, pois nunca tinha visto o primo assim tão mal

Leia mais

trou - de deitar. A escrita sempre foi uma descarga de qual vou naquela tarde. Curava feridas velhas como... Suspirou.

trou - de deitar. A escrita sempre foi uma descarga de qual vou naquela tarde. Curava feridas velhas como... Suspirou. ENTRE O AMOR E O SILÊNCIO Capítulo 1 trou de deitar. A escrita sempre foi uma descarga de qual nov vou naquela tarde. Curava feridas velhas como... Suspirou. es ensoparem o rosto, o traves infantilidade.

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

AQUECIMENTO E MOTIVAÇÃO

AQUECIMENTO E MOTIVAÇÃO AQUECIMENTO E MOTIVAÇÃO DINÂMICAS DE GRUPO Nesta categoria as atividades caracterizam-se, de um modo geral, por terem uma componente lúdica acentuada. Podem ser utilizadas em quase todos as fases do trabalho

Leia mais

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS Bom dia a todos. Preparados para mais um dia de aulas?! Muito bem! Hoje vamos falar como é importante dar comida a quem não

Leia mais

LITUÂNIA Candle (Vela)

LITUÂNIA Candle (Vela) LITUÂNIA Candle (Vela) Materiais: - 1 Bola Jogadores o maior número possível Regras - Escolhem-se duas pessoas que ficarão nas pontas e o resto vai para o meio do campo. Os jogadores que estão nas pontas

Leia mais

Pensar incomoda como andar à chuva Quando o vento cresce e parece que [chove mais.

Pensar incomoda como andar à chuva Quando o vento cresce e parece que [chove mais. I Eu nunca guardei rebanhos, Mas é como se os guardasse. Minha alma é como um pastor, Conhece o vento e o sol E anda pela mão das Estações A seguir e a olhar. Toda a paz da Natureza sem gente Vem sentar-se

Leia mais

O despertador ainda não havia tocado quando abri os

O despertador ainda não havia tocado quando abri os I O despertador ainda não havia tocado quando abri os olhos na manhã do dia cinco de abril de mil novecentos e noventa e nove. Abri os olhos por intuição e virei o rosto na direção do relógio que estava

Leia mais

1 O que é terapia sexual

1 O que é terapia sexual 1 O que é terapia sexual Problemas, das mais diversas causas, estão sempre nos desafiando, dificultando o nosso diaa-dia. A vida é assim, um permanente enfrentamento de problemas. Mas existem alguns que

Leia mais

Usa As Minhas Mãos. Intro: C9 G/B Bb/Eb D. Sei que queres tocar cada um que se abrir D/F# C/E D G Sei que queres agir com poder neste lugar

Usa As Minhas Mãos. Intro: C9 G/B Bb/Eb D. Sei que queres tocar cada um que se abrir D/F# C/E D G Sei que queres agir com poder neste lugar Usa As Minhas Mãos Intro: C9 G/B Bb/Eb D G C/G Sei que queres tocar cada um que se abrir D/F# C/E D G Sei que queres agir com poder neste lugar G Am Sei que queres curar cada coração aqui D Am G/B C E

Leia mais

como a DT200 da Yamaha.

como a DT200 da Yamaha. Para os iniciantes, é melhor optar por uma moto de menor potência, como a 125cc, porque elas são mais leves e dão mais chances. As 250cc são mais violentas e qualquer erro pode causar um tombo. Para o

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

O meu nome é PLIM. Tenho o nome do som de uma gota de água a cair. Sou a mascote em forma de gota de água, da empresa Águas de Coimbra.

O meu nome é PLIM. Tenho o nome do som de uma gota de água a cair. Sou a mascote em forma de gota de água, da empresa Águas de Coimbra. DESCOBRIR COM A ÁGUA DESCOBRIR COM A ÁGUA 2 Olá, O meu nome é PLIM. Tenho o nome do som de uma gota de água a cair. Sou a mascote em forma de gota de água, da empresa Águas de Coimbra. Eu e os meus irmãos

Leia mais

QUESTIONÁRIO UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE ESTUDOS DA CRIANÇA MESTRADO EM ESTUDOS DA CRIANÇA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DO MEIO AMBIENTE

QUESTIONÁRIO UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE ESTUDOS DA CRIANÇA MESTRADO EM ESTUDOS DA CRIANÇA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DO MEIO AMBIENTE QUESTIONÁRIO UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE ESTUDOS DA CRIANÇA MESTRADO EM ESTUDOS DA CRIANÇA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DO MEIO AMBIENTE INVESTIGADORA: ISABEL ALVES ESTEVES ORIENTADORA: DOUTORA ZÉLIA ANASTÁCIO

Leia mais

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente De entre todas as coisas que podem entupir os canos lá em casa, um mamífero do Ártico com excesso de peso é provavelmente a pior. Isto porque, embora

Leia mais

Violeiro afina a viola Começando a cantoria Faz ferver sua cachola Ferver do povo a alegria

Violeiro afina a viola Começando a cantoria Faz ferver sua cachola Ferver do povo a alegria Violeiro afina a viola Começando a cantoria Faz ferver sua cachola Ferver do povo a alegria A história que eu vou contar É verdadeira, acontecida Não é preciso pensar Por nada nada da vida O tema cantado

Leia mais

Bloco Mauricio Diogo. Agora não há como voltar atrás.

Bloco Mauricio Diogo. Agora não há como voltar atrás. Bloco Mauricio Diogo Vejo um bloco de mármore branco. A rocha dura. A rocha é dura. O mármore tem textura. É duro. Resistente. Sincero. Tem caráter. Há mármore rosa, bege, azul, branco. O escultor doma

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

Coleção Amigos da Floresta. Festa na Floresta. Patrícia Engel Secco. Ilustrações Maria Eugênia

Coleção Amigos da Floresta. Festa na Floresta. Patrícia Engel Secco. Ilustrações Maria Eugênia Coleção Amigos da Floresta Festa na Floresta Patrícia Engel Secco Ilustrações Maria Eugênia Coleção Amigos da Floresta Festa na Projeto Folclore, Alegria e Tradição Coleção Amigos da Floresta Floresta

Leia mais

ANUNCIAÇÃO. Caçávamos. Digo caçávamos porque estava acompanhado,

ANUNCIAÇÃO. Caçávamos. Digo caçávamos porque estava acompanhado, ANUNCIAÇÃO Caçávamos. Digo caçávamos porque estava acompanhado, mas, na realidade, deveria dizer que caçava. A minha companheira era quem dirigia, e quem atirava era eu. A garota no banco do motorista

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

DONA ARANHA ELA É TEIMOSA E DESOBEDIENTE SOBE, SOBE, SOBE NUNCA ESTÁ CONTENTE

DONA ARANHA ELA É TEIMOSA E DESOBEDIENTE SOBE, SOBE, SOBE NUNCA ESTÁ CONTENTE DONA ARANHA A DONA ARANHA SUBIU PELA PAREDE VEIO A CHUVA FORTE E A DERRUBOU JÁ PASSOU A CHUVA E O SOL JÁ VAI SURGINDO E A DONA ARANHA NA PAREDE VAI SUBINDO ELA É TEIMOSA E DESOBEDIENTE SOBE, SOBE, SOBE

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

pinter 1/2/16 9:11 Página 11 O Quarto

pinter 1/2/16 9:11 Página 11 O Quarto pinter 1/2/16 9:11 Página 11 O Quarto The Room foi estreado pela primeira vez no Drama Studio da Universidade de Bristol em Maio de 1957, numa encenação de Duncan Ross e com interpretação de Claude Jenkins

Leia mais

Nasci com água no cérebro. Tudo bem, esta não é exatamente a verdade. De fato, nasci com excesso de fluido cerebroespinhal dentro do crânio.

Nasci com água no cérebro. Tudo bem, esta não é exatamente a verdade. De fato, nasci com excesso de fluido cerebroespinhal dentro do crânio. O Clube do Olho Roxo do Mês * Nasci com água no cérebro. Tudo bem, esta não é exatamente a verdade. De fato, nasci com excesso de fluido cerebroespinhal dentro do crânio. Mas fluido cerebroespinhal é apenas

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA 1ºano 1.1 HISTÓRIA E GEOGRAFIA 1º período 8 de abril de 2015 1. LEIA O TEXTO COM A AJUDA DA SUA PROFESSORA. LIVRO DA FAMÍLIA ALGUMAS FAMÍLIAS SÃO GRANDES. ALGUMAS FAMÍLIAS SÃO PEQUENAS. EM ALGUMAS FAMÍLIAS,

Leia mais

PORTUGUÊS 1. Portuguese 1 FAIRFIELD LANGUAGE TECHNOLOGIES

PORTUGUÊS 1. Portuguese 1 FAIRFIELD LANGUAGE TECHNOLOGIES PORTUGUÊS 1 Portuguese 1 FAIRFIELD LANGUAGE TECHNOLOGIES TRS-PORTI-1.1 ISBN 1-883972-84-1 Copyright 1997 1999 Fairfield Language Technologies. All rights reserved. Unauthorized duplication is prohibited.

Leia mais

1. PODEMOS ENGOLIR CHICLETE?

1. PODEMOS ENGOLIR CHICLETE? 1. PODEMOS ENGOLIR CHICLETE? O hábito de mascar chicletes não é muito saudável. Primeiro, seus dentes ficam expostos ao açúcar, que é um dos agressores que os dentistas mais respeitam na formação de placas

Leia mais

Divergencias. Revista de estudios lingüísticos y literarios. Volumen 4 Número 1, Primavera 2006.

Divergencias. Revista de estudios lingüísticos y literarios. Volumen 4 Número 1, Primavera 2006. Almas secas Aquele verão não choveu. Isto era quase normal. Era o deserto. Desta vez o céu não deixou que nehuma gota caísse na terra. O ar evaporava a água antes de tocar no chão. As pessoas não tinham

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

1) O LIVRO DO ANIMAIS

1) O LIVRO DO ANIMAIS O LIVRO Muitos de nós fomos influenciados por um livro quando crianças, porque ele traz o conhecimento do mundo, do homem, das coisas, da natureza, etc. Os livros, além de auxiliares na aprendizagem do

Leia mais

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17 Capítulo 1 No qual o Mumintroll, o Farisco e o Sniff encontram o Chapéu do Papão; como aparecem inesperadamente cinco pe quenas nuvens e como o Hemulo arranja um novo passatempo. Numa manhã de primavera

Leia mais

Gosto muito de alimentos diferentes!

Gosto muito de alimentos diferentes! Gosto muito de alimentos diferentes! Débora Cláudio, Nuno Pereira de Sousa, Rui Tinoco, Ângela Menezes Gosto muito de alimentos diferentes! Débora Cláudio, Nuno Pereira de Sousa, Rui Tinoco, Ângela Menezes

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Como crescer soja em Moçambique

Como crescer soja em Moçambique Como crescer soja em Moçambique A soja é uma excelente safra de levantar em sua fazenda A soja é muito nutritivo e é um bom substituto para a carne. Ela pode ser feita em vários tipos diferentes de alimentos,

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões 1 e 2. O MELHOR DE CALVIN /Bill Watterson MÃE, O

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Apresentação. Tá na hora! O momento é de felicidade. Tudo indica que seu bebê está para nascer! É tempo de cuidados mais que especiais.

Apresentação. Tá na hora! O momento é de felicidade. Tudo indica que seu bebê está para nascer! É tempo de cuidados mais que especiais. Apresentação Tá na hora! O momento é de felicidade. Tudo indica que seu bebê está para nascer! É tempo de cuidados mais que especiais. A gravidez dura 280 dias ou 40 semanas, de acordo com os médicos,

Leia mais

Fábula trágica em único ato

Fábula trágica em único ato Copyright Ricardo L. N. Moebus Editora ROBERTHA BLASCO Coordenação Editorial ÁLVARO GENTIL Projeto Gráfico ALEXANDRE BICIATI Ilustrações SOPHIA FELIPE Fábula trágica em único ato Personagens: Catalogação

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

GUIÃO DE RELAXAMENTO PARA CRIANÇAS

GUIÃO DE RELAXAMENTO PARA CRIANÇAS GUIÃO DE RELAXAMENTO PARA CRIANÇAS Sofia de Melo 2008 Regras para obter as melhores sensações e bem-estar com estes exercícios: Deves fazer exactamente aquilo que eu digo; Deves esforçar-te por fazer o

Leia mais

DIANTE DA LEI O ROTEIRO Baseado em conto homônimo de Franz Kafka - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM.

DIANTE DA LEI O ROTEIRO Baseado em conto homônimo de Franz Kafka - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM. 1 - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM.BR SEQ.01 A RECEPÇÃO DA LEI 2 (CENA 01 - INT. PORTARIA DA LEI.INDIFERENTE) O camponês toca uma campainha que está sobre um balcão.

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito

O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito Era uma vez um boneco de neve chamado Bonifácio, que vivia numa terra distante onde fazia muito frio. Ele era um boneco especial, porque podia

Leia mais

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA 1 Mês: Sucção vigorosa Levanta a cabeça e rasteja as pernas, se deitado de frente Sustenta a cabeça momentaneamente Preensão de objetos que vão à mão Aquieta-se com

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Fruta em Taça de Meloa (4 a 6 doses) Iogurte Tropical Gelado (6 a 8 doses) Preparação: 10m

Fruta em Taça de Meloa (4 a 6 doses) Iogurte Tropical Gelado (6 a 8 doses) Preparação: 10m Fruta em Taça de Meloa (4 a 6 doses) ½ meloa grande 150-200g de fruta cortada: ameixas, alperces frescos, uvas, morangos, amoras, nectarinas, pêssegos, laranjas, maçãs ou kiwis. 4 c. sopa de sumo de laranja

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

Septuaginta: As lendas dos crentes

Septuaginta: As lendas dos crentes Septuaginta: As lendas dos crentes A Septuaginta é uma lenda, assim como a Caipora 1, boi tatá 2, mula sem cabeça 3, negrinho do pastoreio 4, cobra grande 5 e saci pererê 6. Os crentes ignoram que muitas

Leia mais