I - TEORIA GERAL DO DIREITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I - TEORIA GERAL DO DIREITO"

Transcrição

1 Direito Penal Parte Geral Sumário Direito Penal - Série Objetiva Título I - TEORIA GERAL DO DIREITO Capítulo I Noções introdutórias 1. Conceito de Direito Penal Denominação Posição enciclopédica do Direito Penal Classificação doutrinária a) Direito Penal objetivo e subjetivo b) Direito Penal comum e especial c) Direito Penal material e formal d) Direito Penal da Vontade e) Direito Penal do Autor e do Fato f) Direito Penal do Subterrâneo e Direito Penal Paralelo Características do Direito Penal Fontes do Direito Penal Conceito Classificação (re) Classificação doutrinária Funções (missões) do Direito Penal Capítulo II Evolução do Direito Penal 1. O direito penal nos povos primitivos o período da vingança Vingança divina Vingança privada Vingança pública Direito Grego Direito Romano O direito penal na Idade Média a) Direito penal germânico b) Direito penal canônico O período humanista ou humanitário Escolas penais a) Primeira escola - Escola Clássica ou Idealista b) Escola Positivista ou Positiva c) Terceira escola - Escola Crítica, Eclética, Sociológica ou do Naturalismo Crítico

2 d) Escola Moderna Alemã e) Outras Escolas Evidências da estruturação do sistema penal na Bíblia Sagrada Capítulo III História do Direito Penal Brasileiro 1. Período Colonial Ordenações Afonsinas ( ) Ordenações Manuelinas ( ) Ordenações Filipinas ( ) O Império Código Criminal de A República da proclamação aos dias atuais Código Penal de A Consolidação das Leis Penais Código Piragibe O Código Penal de O frustrado Código Penal de A reforma de A reforma de Microrreformas alterações pontuais na Legislação Penal Capítulo IV Relações do Direito Penal Seção I - Relação entre os atores da ciência penal Dogmática penal Criminologia A criminologia crítica A criminologia minimalista ou minimalismo penal A Criminologia abolicionista ou abolicionismo penal Política Criminal Vitimologia Penologia Direito Penal Quântico Seção II - Relação do Direito Penal com outros ramos da ciência jurídica Direito Constitucional Direitos Humanos Direito Processual Penal Direito Administrativo Direito Civil Direito do Trabalho

3 Direito Penal Parte Geral 7. Direito Comercial Direito Tributário Direito Internacional Seção III - Ciências (órgãos) auxiliares do Direito Penal Instituto (ou departamento) de criminalística Instituto (ou departamento) médico legal Instituto (ou departamento) de identificação Laboratório de perícias Estatística criminal Capítulo V Princípios penais e constitucionais Seção I - Princípios limitadores da função punitiva Princípio da legalidade Princípio da dignidade da pessoa humana ou da humanidade Princípio da intervenção mínima, suficiência ou necessidade de tutela penal fragmentariedade e subsidiariedade Princípio da exclusiva proteção de bens jurídicos Princípio da secularização (ou laicização) Princípio da submissão constitucional Princípio da proporcionalidade Seção II - Princípios relacionados à penologia Princípio da pessoalidade (impessoalidade, personalidade, intransmissibilidade, intranscendência, incontagiabilidade) da pena Princípio da individualização da pena Princípio da proporcionalidade das penas Princípio da proibição de dupla responsabilização decorrente de fato único - non bis in idem ou ne bis in idem Princípio da vedação à conta corrente carta de crédito carcerário Princípio da necessidade e suficiência concreta da pena Seção III - Princípios relacionados ao fato Princípio da ofensividade ou lesividade Princípio da materialização (ou exteriorização) do fato Princípio da adequação social Princípio da confiança Princípio da alteridade ou transcendentalidade

4 6. Princípio da insignificância (criminalidade de bagatela ou delito de lesão ínfima ou mínima) Seção IV - Princípios relacionados ao agente do fato Princípio da culpabilidade Princípio da igualdade ou isonomia Capítulo VI A expansão do Direito Penal Seção I - Velocidades do Direito Penal Primeira velocidade Segunda velocidade Terceira velocidade Direito Penal do Cidadão x Direito Penal do Inimigo Quarta velocidade Seção II - Sistemas ou modelos de Direito Penal Modelos de Direito penal máximo (maximalista ou simbólico) Law and Order (Lei e Ordem) The Theory of Broken Windows (teoria das janelas quebradas) e a Tolerância Zero Three strikes laws (three strikes and you re out) Ticking Bomb Scenario (cenário da bomba-relógio) Modelo de Direito penal mínimo (minimalista ou garantista) Axiomas principiológicos (ou simplesmente princípios ) da doutrina garantista Garantismo negativo x garantismo positivo pólos indissociáveis Seção III - A expansão e a legitimação do Direito Penal na sociedade de risco - a espiritualização dos bens jurídicos e os delitos de acumulação Título II - TEORIA DA LEI PENAL Capítulo I Noções introdutórias 1. Positivismo jurídico-penal Diferença entre lei penal e norma penal Vigência da lei penal Classificação Caracteres ou características da lei penal Leis penais completas (ou tipos penais fechados) Leis penais incompletas Leis penais incompletas em sentido lato (amplo ou genérico)

5 Direito Penal Parte Geral Tipos penais abertos Lei penal em branco (ou primariamente remetida) Leis penais incompletas em sentido estrito (restrito ou específico) Lei penal incompleta de dupla face (ou de estrutura duplamente incompleta) Descriminante em branco Anomia e antinomia jurídica Interpretação da lei penal Analogia Equidade Capítulo II Tempo do crime 1. Vigência da lei penal Teorias que explicam o tempo do crime (tempus commissi delicti) Teoria adotada pelo Código Penal e suas consequências penais Lei processual penal no tempo princípio do efeito imediato Extra-atividade Sucessão de leis penais no tempo conflitos e soluções a) Lex gravior Novatio legis incriminadora (novatio criminis ou novatio delicti) Novatio legis in pejus b) Lex mitior Abolitio criminis (descriminalização) Revogação formal e abolitio criminis Vacatio Legis indireta x abolitio criminis temporária Novatio legis in mellius c) Aplicação de lex mitior em vacatio legis [im]possibilidade d) Competência para a aplicação da lei benéfica e) Aplicação de lei penal benéfica intermediária - Lex intermedia f) Combinação / conjugação de leis penais - construção de lei híbrida - Lex tertia g) Leis intermitentes - temporária ou excepcional h) Irretroatividade da lex gravior e medida de segurança i) As leis penais em branco e o conflito de leis no tempo Aplicação da lei penal nos crimes permanentes, continuados e habituais

6 Capítulo III Lugar do crime 1. Teorias que explicam o lugar do crime locus commissi delicti Teoria adotada pelo Código Penal Local do crime x foro competente distinção Aplicação da lei penal no espaço a) Conceitos de território nacional b) Critérios (regras ou princípios) de aplicação da lei penal no espaço 174 b.1) Princípio da territorialidade (art. 5º, CP) b.2) Princípio da extraterritorialidade (art. 7º, CP) Capítulo IV Pessoas do crime Subseção I - Disposições preliminares Introdução Melhor denominação: privilégio, prerrogativa ou garantia? Subseção II - Imunidades diplomáticas Introdução Origem e evolução Fundamento Convenções de Viena Beneficiários das imunidades Classificação das imunidades Renunciabilidade Sede da embaixada: território nacional ou estrangeiro? Princípio do primado do direito local Subseção II - Imunidades parlamentares Introdução Origem e evolução Vigência das imunidades marcos temporais Melhor denominação: imunidades ou inviolabilidades? Da irrenunciabilidade das imunidades parlamentares Imunidade material, penal, absoluta, real, substantiva ou inviolabilidade Imunidade formal, relativa, processual, adjetiva ou imunidade propriamente dita

7 Direito Penal Parte Geral 8. Prerrogativa de foro competência especial Imunidade relativa à prisão garantia de não ser preso Imunidade relativa ao processo garantia de não ser processado Imunidades diversas e foros privilegiados Subseção III - Imunidades profissional Subseção IV - Extradição Conceito Expulsão e deportação diferenças Restrições Espécies, regulamentação e requisitos Pressupostos Prisão Princípios aplicáveis Subseção V - Estatuto de Roma - Tribunal Penal Internacional (TPI) Jurisdição (complementar ou subsidiária) Competência ratione materiae Competência ratione temporis Competência ratione personae Principiologia Imprescritibilidade Penas aplicáveis Entrega de pessoas ao TPI Prisão Preventiva Capítulo V Disposições finais Seção I - Pena cumprida no estrangeiro Ne bis in idem Detração penal Consequências Homologação Seção II - Prazo penal Forma de contagem características Infrações que não se computam na pena

8 Seção III - Conflito aparente de normas Configuração do conflito aparente de normas Elementos do conflito aparente de normas Princípios aplicáveis ao conflito aparente Título III - TEORIA DA INFRAÇÃO PENAL Capítulo I Disposições preliminares Seção I - Introdução Conceito de infração penal a) Conceito unitário (monista) b) Conceito bipartido (binário, dualista ou dicotômico) c) Conceito é tripartido (tricotômico ou tripartite) Diferenciação entre crime e contravenção penal Seção II - Conceitos de crime Conceito legal (formal-descritivo) Conceito formal (nominal ou formal-sintético) Conceito material (ou substancial) Conceitos formal-material Conceito analítico (dogmático, operacional ou formal-analítico) Sistema unitário Sistema bipartido a) Teoria do injusto penal b) Teoria dos elementos negativos do tipo c) Teoria finalista brasileira dissidente d) Teoria teleológica Sistema tripartido a) Teoria tripartida clássica b) Teoria constitucionalista do delito Sistema quadripartido Sistema quintupartido Seção III - Sujeitos do crime Sujeito ativo Sujeito passivo Seção IV - Objetos do crime Objeto material

9 Direito Penal Parte Geral 2. Objeto jurídico Seção V - Classificação esquematizada de crime Quanto aos sujeitos Quanto à conduta Quanto ao momento consumativo Quanto ao resultado naturalístico Quanto ao resultado normativo Quanto à quantidade de condutas Quanto às formas de execução Quanto à quantidade de atos necessários para realizar o tipo Quanto ao número de sujeitos ativos (concurso de pessoas) Quanto ao bem jurídico lesado Quanto ao local da consumação Quanto aos vestígios Quanto ao percurso no iter criminis, possibilidade de consumação e punição Quanto à fonte Quanto à autonomia Quanto à exigência de condições Quanto ao caráter [trans]nacional Quanto à posição topográfica Quanto à existência do crime Quanto ao estado anímico da vítima Quanto ao estado anímico do autor do crime Quanto à ligação com outro(s) crime(s) Outras classificações Capítulo II Fato típico Subseção I - Disposições preliminares Conceito Elementos do fato típico Subseção II - Tipo penal Conceito Estrutura do tipo penal Elementos constitutivos do tipo penal Funções do tipo penal Espécies de tipo penal

10 Seção I Conduta (ação e omissão) Subseção I - Conceitos / teorias da conduta Teoria pré-clássica conceito hegeliano Teoria clássica conceito causal-naturalista Teoria neoclássica conceito causal-valorativo Teoria finalista da ação Teoria social da ação Teoria funcional da ação a) Funcionalismo moderado, valorativo ou teleológico-racional de Claus Roxin - Escola de Munique b) Funcionalismo radical, estratégico, normativo de Günther Jakobs Escola de Bonn Teoria Jurídico-penal da conduta Teoria constitucionalista (teleológica-constitucional) Teoria da ação significativa Subseção II - Conduta Formas de conduta Classificação dos crimes omissivos a) Omissivos próprios, puros, simples ou propriamente omissivos b) Omissivos impróprios, qualificados, impuros, espúrios, promíscuos ou comissivos por omissão c) Omissivos por comissão Requisitos da conduta na concepção finalista Causas que excluem a conduta (ausência de ação ou omissão) Causas que não excluem a conduta a) Atos habituais (mecânicos, automáticos ou instintivos): São os b) Ações em curto circuito (atos impulsivos ou explosivos): Seção II Resultado 1. Referência legal Conceito - teorias (critérios) Seção III Nexo causal 1. Conceito Nexo causal nos crimes materiais, formais e de mera conduta Subseção I - Teorias do nexo causal Equivalência dos antecedentes causais (conditio sine qua non) Causalidade adequada

11 Direito Penal Parte Geral 3. Imputação objetiva Outras teorias a) Teoria da relevância jurídica Subseção II - Concausas Absolutamente independentes Relativamente independentes Subseção III - Causalidade normativa Omissão juridicamente relevante a figura do garantidor Dever de agir Poder agir A omissão diante da tortura Seção IV Tipicidade 1. Conceito Evolução histórica (fases) do conceito de tipicidade (ou do tipo) A unidade da tipicidade - tatbestand (corpus delicti) Teoria da independência da tipicidade ou do tipo (Ernest Beling ) Teoria da tipicidade indiciária - caráter indiciário da ilicitude ou da ratio cognoscendi (Max Ernest Mayer ) A tipicidade como essência ou razão de ser (ou da ratio essendi) da ilicitude (Edmund Mezger ) Teoria dos elementos negativos do tipo (Hellmuth Von Weber) A tipicidade na concepção finalista Teoria da tipicidade conglobante (tipicidade penal = tipicidade legal + tipicidade conglobante) Teoria Constitucionalista do Delito Formas de adequação (ou subordinação) típica Causas de exclusão da tipicidade atipificantes a) Princípio da insignificância b) Princípio da adequação social c) Imunidade parlamentar material d) Consentimento do ofendido e) Tipicidade conglobante Seção V Dolo Subseção I - Disposições gerais Conceito

12 2. Teorias que definem o dolo Elementos do dolo Subseção II - Espécies de dolo Direto, imediato ou determinado a) Dolo direto de 1º grau b) Dolo direto de 2º grau Eventual, indireto, mediato ou indeterminado Teoria (tese) da cegueira deliberada (ou da avestruz) Dolo alternativo a) Dolo de alternatividade objetiva b) Dolo de alternatividade subjetiva Dolo de dano Dolo de perigo Dolo natural ou neutro Dolo normativo, jurídico ou híbrido (dolus malus) Dolo genérico Dolo específico Dolo geral (dolus generali) Dolo cumulativo Dolo antecedente Dolo concomitante Dolo subsequente Dolo de propósito Dolo de ímpeto Dolo presumido Dolo substituído (substituição de dolo) Dolo abandonado (abandono de dolo) Seção VI Culpa 1. Conceito Graduação (graus de culpa) Tipo aberto Tipo fechado Elementos do crime culposo Modalidades (formas) de culpa Espécies de culpa a) Culpa inconsciente (sem previsão, ex ignorantia ou negligentia ) 292 b) Culpa consciente (com previsão, ex lascivia ou luxuria )

13 Direito Penal Parte Geral c) Culpa própria d) Culpa imprópria e) Culpa direta (imediata) f) Culpa indireta (mediata) g) Culpa presumida h) Culpa concorrente Causas (situações) que excluem a culpa a) Infelicitas facti b) Erro profissional (culpa profissional ou falha da ciência) c) Princípio da confiança Compensação de culpas Concurso de pessoas no crime culposo Seção VII - Preterdolo 1. Conceito Natureza jurídica Tentativa Seção VIII - Agravação pelo resultado 1. Responsabilidade penal Crimes qualificados pelo resultado A questão do latrocínio Seção IX Erro de tipo Subseção I - Disposições preliminares Conceito Espécies de erro de tipo Formas de erro de tipo Erro de tipo invertido Subseção II - Erro de tipo essencial Conceito Espécies Modalidades e efeitos Subseção III - Erro de tipo acidental Conceito Consequências Espécies

14 a) Erro sobre o objeto ( error in objecto ) b) Erro sobre a pessoa ( error in persona ) c) Erro sobre o nexo causal ( aberratio causae ) d) Erro na execução ou erro de golpe ( aberratio ictus ) e) Resultado diverso do pretendido ( aberratio criminis ou aberratio delicti ) Subseção IV - Erro determinado por terceiro Previsão legal Conceito Consequências Subseção V - Erro mandamental Esclarecimento inicial Configuração Subseção VI - Descriminantes putativas 1. Esclarecimento inicial Hipóteses que caracterizam as descriminantes putativas Natureza jurídica das descriminantes putativas identificação do erro de tipo ou de proibição a) Teoria extremada da culpabilidade b) Teoria limitada da culpabilidade Seção X Consumação e tentativa Subseção I - iter criminis 1. Conceito Fases Diferença entre atos preparatórios e executórios Subseção II - Consumação Conceito Momento consumativo Subseção III - Tentativa Conceito Natureza jurídica Elementos da tentativa Classificação espécies de tentativa Infrações penais que não admitem a tentativa

15 Direito Penal Parte Geral 6. Punição da tentativa a) Exceções b) Teorias aplicáveis à punibilidade da tentativa c) Natureza jurídica da punibilidade da tentativa d) Critério para a diminuição da pena da tentativa e) A influência da tentativa na competência do JECrim Subseção IV - Desistência voluntária e arrependimento eficaz Conceito Natureza jurídica Características da desistência voluntária Características do arrependimento eficaz Voluntariedade espontaneidade Crimes formais e de mera conduta Comparação entre desistência voluntária e arrependimento eficaz Subseção V - Arrependimento posterior Conceito e natureza jurídica Requisitos Reparação posterior ao recebimento da peça acusatória Comunicabilidade (extensão do benefício) Critério para a diminuição da pena Comparação entre arrependimento eficaz e arrependimento posterior Subseção VI - Crime impossível Conceito Natureza jurídica Outras denominações Flagrante preparado, provocado, delito de ensaio, delito de experiência, delito putativo por obra do agente provocador Teorias aplicáveis ao crime impossível Elementos do crime impossível Capítulo III Ilicitude Subseção I - Disposições gerais 1. Conceitos

16 2. Terminologia: ilicitude ou antijuridicidade? Relação entre tipicidade e ilicitude a) Teoria da ratio essendi ou da tipicidade como essência ou razão de ser da ilicitude b) Teoria da ratio cognoscendi ou da tipicidade indiciária Subseção II - Excludentes de ilicitude Outras denominações das causas excludentes da ilicitude Espécies de causas excludentes da ilicitude Causas legais a) Gerais (ou genéricas) b) Específicas Causa supralegal Requisito subjetivo Subseção III - Excesso Conceito / configuração Alcance Sistema da eximente incompleta x sistema do excesso Espécies Classificação legal Excesso doloso em sentido estrito Excesso doloso em virtude de descriminante putativa por erro de proibição (erro de proibição indireto) b) Culposo Excesso culposo em sentido estrito Excesso culposo em virtude de descriminante putativa por erro de tipo Classificação doutrinária a) Excesso exculpante b) Excesso acidental (fortuito) c) Excesso extensivo d) Excesso intensivo e) Excesso na causa Seção I Estado de necessidade 1. Conceito jurídico Pressuposto Natureza jurídica

17 Direito Penal Parte Geral 4. Sacrifício de bem jurídico de maior valor Espécies (ou formas) de estado de necessidade Causador da situação de perigo Requisitos do estado de necessidade Situação de necessidade Fato necessitado Causa de diminuição de pena Estado de necessidade com aberratio Seção II Legítima defesa 1. Conceito jurídico Requisitos objetivos Requisito subjetivo - animus defendendi Espécies (ou formas) de legítima defesa Diferenças entre estado de necessidade e legítima defesa Seção III Estrito cumprimento do dever legal 1. Conceito Natureza jurídica Atipificante Espécies Requisitos Beneficiários Dever legal de matar Hipóteses caracterizadoras Seção IV Exercício regular de direito 1. Conceito Classificação Natureza jurídica Atipificante Espécies Requisitos Hipóteses caracterizadoras Seção V Ofendículos 1. Conceito Espécies

18 3. Natureza jurídica Excesso Pessoa inocente Seção VI Consentimento do ofendido 1. Alcance Configuração Condição de validade / capacidade para consentir Capítulo IV Culpabilidade 1. Conceito Evolução histórica - teorias que explicam a culpabilidade Sistema causal Sistema finalista Sistema social Sistema funcional Sistema constitucionalista do delito Elementos da culpabilidade Causas de exclusão da culpabilidade A teoria da coculpabilidade Coculpabilidade tradicional Coculpabilidade às avessas Seção I Imputabilidade 1. Conceito Elementos da inimputabilidade Critérios para aferir a inimputabilidade Causas de exclusão da imputabilidade Causas que não excluem a imputabilidade Subseção I Incapacidade psíquica Espécies de anomalias psíquicas (distúrbios mentais) Meio de comprovar a inimputabilidade Desnecessidade de cumulação das incapacidades Incapacidades x consequências penais

19 Direito Penal Parte Geral Subseção II - Menoridade Legislação aplicável Código Penal Militar Momento da cessação da menoridade Subseção III - Embriaguez Conceito Espécies Classificação Graus Fases da embriaguez Embriaguez x consequências penais Subseção IV - Dependência / influência de drogas Antecedente legislativo Caracterização da dependência e do efeito proveniente de caso fortuito ou força maior Desnecessidade dos dispositivos Critério adotado biopsicológico Inimputabilidade absoluta ou relativa por dependência de droga Inimputabilidade absoluta ou relativa proveniente de caso fortuito ou força maior Meios de comprovar Seção II Potencial consciência da ilicitude Subseção I - Disposições preliminares Conceito Desconhecimento da lei Classificação da "consciência da ilicitude" Subseção II - Erro de proibição Causa de exclusão da potencial consciência da ilicitude erro de proibição Espécies de erro de proibição Erro de direito Delito putativo por erro de proibição Seção III Exigibilidade de conduta diversa Subseção I - Disposições preliminares

20 1. Conceito Causas de exclusão da culpabilidade por inexigibilidade de conduta diversa Subseção II - Coação moral Espécies: resistível e irresistível Consequências jurídicas Subseção III - Obediência hierárquica Espécies Requisitos Consequências Subseção IV - Causas supralegais de exclusão da culpabilidade Excesso exculpante ou acidental Inexigibilidade de conduta diversa stricto sensu Objeção (imperativo) de consciência Coculpabilidade Capítulo V Concurso de pessoas 1. Conceito Outras designações Natureza jurídica e finalidade Espécies de concursos de pessoas Classificação dos crimes quanto ao concurso de pessoas Natureza jurídica do concurso eventual de pessoas teorias aplicáveis Exceções à teoria monista Requisitos do concurso de pessoas Formas de concurso de pessoas Subseção I - Autoria Teorias que explicam o conceito de autor Principais espécies (modalidades) de autoria: Subseção II - Participação Teorias que explicam a participação Formas de participação

21 Direito Penal Parte Geral 3. Principais espécies (modalidades) de participação Punibilidade no concurso de agentes Comunicabilidade de elementares e circunstâncias Concurso em crimes culposos: participação ou coautoria? Título IV - TEORIA DA SANÇÃO PENAL Capítulo I Disposições preliminares 1. Sanção penal Pena como critério diferenciador das infrações penais Finalidade das penas teorias aplicáveis Princípios aplicáveis às penas Capítulo II Das espécies de penas 1. Rol não-taxativo Classificação legislativa Classificação doutrinária Seção I Penas privativas de liberdade 1. Espécies Limites Sistemas penitenciários Subseção I - Progressão de regime Conceito Requisitos para a progressão de regime Início da progressão de regime Regime inicialmente fechado Progressão de regime por saltos Subseção II - Regressão de regime Conceito Hipóteses Regressão de regime por saltos Subseção III - Locais de cumprimento de pena 1. Regra geral Presídios Federais Contravenções penais

22 Subseção IV - Regime disciplinar diferenciado RDD A quem se destina Hipóteses de cabimento quando se aplica Duração Local de recolhimento Direitos do preso Processamento Subseção V - Fixação do regime inicial Critérios da fixação Regime inicial Regime inicial obrigatoriamente fechado Subseção VI - Regras do regime fechado Exame criminológico obrigatório Trabalho do preso regramento Local de cumprimento da pena Permissão de saída Subseção VII - Regras do regime semi-aberto Exame criminológico facultativo Trabalho do preso regramento Local de cumprimento da pena Permissão de saída Saída temporária Subseção VIII - Regras do regime aberto Exame criminológico dispensável Autodisciplina e senso de responsabilidade Trabalho do preso regramento Local de cumprimento da pena Regime aberto como prêmio Subseção IX - Regime especial para as mulheres Subseção X - Direitos do preso Subseção XI - Trabalho do preso

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 XXSumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 1. Conceito de direito penal... 29 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal... 32 1.2. Conceito

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4.

SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4. SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4. Dogmática penal, criminologia e política criminal 1.5. Direito Penal objetivo

Leia mais

Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21

Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21 Sumário Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21 Prefácio de um Amigo-Editor a um Amigo-Autor... 25 PARTE 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL CAPÍTULO 1 NOÇÕES GERAIS DE DIREITO PENAL... 29 1. Definição... 29 2. Direito

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL (D-11) Área: Ciências Sociais Período: Segundo Turno: matutino/noturno Ano: 2013-1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04

Leia mais

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito.

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-09 PERÍODO: 3 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I NOME DO CURSO: DIREITO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 2. EMENTA Introdução:

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I (1ª PARTE- TEORIA DO CRIME) NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Ciências Penais,

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito criminal? 1.4. Código penal (Decreto-lei 2.848, de 7

Leia mais

As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade.

As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade. Programa de DIREITO PENAL II 3º período: 80h/a Aula: Teórica EMENTA As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade. OBJETIVOS Habilitar o futuro

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS.

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS. 1. PRINCÍPIOS. Princípio da Legalidade: os tipos penais só podem ser criados através de lei em sentido estrito. Princípio da Anterioridade: a lei penal só pode ser aplicada quando tem origem ANTES da conduta

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

5IJmário. Sumário PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL. Capítulo I - Introdução... 1. Conceito de direito penal...

5IJmário. Sumário PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL. Capítulo I - Introdução... 1. Conceito de direito penal... 5IJmário Sumário Nota do Autor............... PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL Capítulo I - Introdução...... 1. Conceito de direito penal........... 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito

Leia mais

LEI PENAL X NORMA PENAL VIGÊNCIA A PERSECUÇÃO PENAL. -A persecução penal no Brasil é dividia em 5 fases: LEIS PENAIS INCOMPLETAS

LEI PENAL X NORMA PENAL VIGÊNCIA A PERSECUÇÃO PENAL. -A persecução penal no Brasil é dividia em 5 fases: LEIS PENAIS INCOMPLETAS 1 DIREITO PENAL PONTO 1: LEI PENAL X NORMA PENAL PONTO 2: VIGÊNCIA PONTO 3: FASES DA PERSECUÇÃO PENAL PONTO 4: LEIS PENAIS INCOMPLETAS PONTO 5: APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO PONTO 6: LEIS INTERMINTENTES

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 27 Guia de leitura da Coleção... 29. Parte I INTRODUÇÃO

Coleção Sinopses para Concursos... 27 Guia de leitura da Coleção... 29. Parte I INTRODUÇÃO Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 27 Guia de leitura da Coleção... 29 Parte I INTRODUÇÃO Capítulo I DIREITO PENAL... 33 1. Conceito de Direito Penal... 33 1.1. Conceito formal... 33 1.2. Conceito

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2012 PREFÁCIO Publiquei em 1998 o Direito Penal Português, II, Teoria do

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) Identificação Disciplina Direito Penal II - NOTURNO Carga horária

Leia mais

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

Capítulo I INQUÉRITO POLICIAL E AÇÃO PENAL Seção I REQUERIMENTO DE INSTAURAÇÃO DE INQUÉRITO POLICIAL (OU NOTITIA CRIMINIS )

Capítulo I INQUÉRITO POLICIAL E AÇÃO PENAL Seção I REQUERIMENTO DE INSTAURAÇÃO DE INQUÉRITO POLICIAL (OU NOTITIA CRIMINIS ) Manual de Prática Penal Sumário Manual de Prática Penal Capítulo I INQUÉRITO POLICIAL E AÇÃO PENAL Seção I REQUERIMENTO DE INSTAURAÇÃO DE INQUÉRITO POLICIAL (OU NOTITIA CRIMINIS ) Fundamento Legal... 33

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

SUMÁRIO SOBRE OS AUTORES... 5 APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 25 PARTE GERAL

SUMÁRIO SOBRE OS AUTORES... 5 APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 25 PARTE GERAL SUMÁRIO S SOBRE OS AUTORES... 5 APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 25 PARTE GERAL CAPÍTULO I TEORIA GERAL DA NORMA PENAL... 29 1. Fontes do direito penal... 29 1.1. Conceito e distinção... 29 1.2. Fonte material

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

CURSO JURÍDICO FMB CURSO APOSTILADO DELEGADO ESTADUAL - MATÉRIAS FUNDAMENTAIS

CURSO JURÍDICO FMB CURSO APOSTILADO DELEGADO ESTADUAL - MATÉRIAS FUNDAMENTAIS CURSO JURÍDICO FMB CURSO APOSTILADO DELEGADO ESTADUAL - MATÉRIAS FUNDAMENTAIS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS Sumário LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL... DIREITO PENAL PARTE GERAL... DIREITO PENAL PARTE ESPECIAL...

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal Direito Penal 1. Apresentação José Nabuco Filho: Advogado criminalista em São Paulo, mestre em Direito Penal 1 (UNIMEP), professor de Direito Penal desde 2000. Na Universidade São Judas Tadeu, desde 2011,

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 Disciplina: Direito Penal II Departamento III Penal e Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 3º ano Docente Responsável: José Francisco Cagliari

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

PONTO 1: TEORIA DO CRIME...CONTINUAÇÃO PONTO a): EXIGIBILIDADE DE CONDUTA DIVERSA

PONTO 1: TEORIA DO CRIME...CONTINUAÇÃO PONTO a): EXIGIBILIDADE DE CONDUTA DIVERSA 1 DIREITO PENAL PONTO 1: TEORIA DO CRIME...CONTINUAÇÃO PONTO a): EXIGIBILIDADE DE CONDUTA DIVERSA 8 CULPABILIDADE 8.1 IMPUTABILIDADE 8.2 POTENCIAL CONSCIÊNCIA DA ILICITUDE 8.3 EXIGIBILIDADE DE CONDUTA

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

VALTER KENJI ISHIDA ... PRATICA ]URIDICA DE EXECUÇAO PENAL INCLUINDO (RERMISSÃO

VALTER KENJI ISHIDA ... PRATICA ]URIDICA DE EXECUÇAO PENAL INCLUINDO (RERMISSÃO VALTER KENJI ISHIDA ~...... PRATICA ]URIDICA DE - EXECUÇAO PENAL INCLUINDO (RERMISSÃO Sumário Abreviaturas, xiii Abreviaturas típicas da execução penal, xv Prefácio, xvii Nota do autor à 1 ~ edição, xix

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade...

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... Sumário Título I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL Capítulo I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... 35 Capítulo II APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL

Leia mais

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal III Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 4º ano Docente Responsável: Gustavo

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina

Plano de Ensino de Disciplina UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito Departamento de Direito e Processo Penal Plano de Ensino de Disciplina DISCIPLINA: DIREITO PE AL I CÓDIGO: DIN101 PRÉ-REQUISITO: DIT027 DEPARTAMENTO:

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

DIREITO PENAL. Teoria, legislação, jurisprudência, dicas e exercícios.

DIREITO PENAL. Teoria, legislação, jurisprudência, dicas e exercícios. 1 DIREITO PENAL Teoria, legislação, jurisprudência, dicas e exercícios. Prof. Pereira MATERIAL DE DEMONSTRAÇÃO - Alguns tópicos da matéria Significa que foi excluído conteúdo. Para comprar acesse: www.editoradince.com.br

Leia mais

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio...

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio... ÍNDICE Alguns estudos do autor................... Prefácio..................................... 5 11 Capítulo I - CONCEITO DE DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Direito financeiro e direito tributário........ 23 2.

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

ESTUDOS DE DIREITO PENAL AVANÇADO TEORIA GERAL DO CRIME

ESTUDOS DE DIREITO PENAL AVANÇADO TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME Davi André Costa Silva Neste módulo CAUSAS DE EXCLUSÃO DO CRIME Estrutura do crime na teoria finalista Crime Fato típico Conduta (objetiva e subjetiva) resultado naturalístico nexo

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

PARTE I O DIREITO DA VÍTIMA OU OFENDIDO EM FASE A CONSEQUÊNCIA DA PRÁTICA DO DELITO CAPÍTULO I DOS DIREITOS HUMANOS

PARTE I O DIREITO DA VÍTIMA OU OFENDIDO EM FASE A CONSEQUÊNCIA DA PRÁTICA DO DELITO CAPÍTULO I DOS DIREITOS HUMANOS PARTE I O DIREITO DA VÍTIMA OU OFENDIDO EM FASE A CONSEQUÊNCIA DA PRÁTICA DO DELITO CAPÍTULO I DOS DIREITOS HUMANOS 1, Os Direitos Humanos...,...,...,... 01 2. Comentários sobre Alguns Artigos da Declaração

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

Manual de Prática Penal

Manual de Prática Penal Felipe Novaes Rodrigo Bello Manual de Prática Penal 2. a edição revista, atualizada e ampliada Coordenação Vauledir Ribeiro Santos *** ~ SÃO PAULO ~ A EDITORA MÉTODO se responsabiliza pelos vícios do produto

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13-

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DE FORMAÇÃO FUNDAMENTAL,

Leia mais

Aula de Direito Penal. 2015.02. Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático.

Aula de Direito Penal. 2015.02. Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático. Aula de Direito Penal. 2015.02 Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático. Conceito analítico do crime. A teoria bipartida e tripartida do crime. Crime é uma conduta típica, ilícita

Leia mais

CENTRO DE DIREITOS HUMANOS DE CRISTALÂNDIA Filiado ao Movimento Nacional de Direitos Humanos Luta pela vida, contra a violência

CENTRO DE DIREITOS HUMANOS DE CRISTALÂNDIA Filiado ao Movimento Nacional de Direitos Humanos Luta pela vida, contra a violência TEMA Direitos Humanos, Cidadania e Relações Humanas Constitucional CURSO DE CAPACITAÇÃO DE AGENTE JURÍDICO POPULAR I MÒDULO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA Conceito de Direitos

Leia mais

MINISTERIO DA EDUACAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACUDADE DE DIREITO COLEGIADO DO CURSO

MINISTERIO DA EDUACAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACUDADE DE DIREITO COLEGIADO DO CURSO MINISTERIO DA EDUACAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACUDADE DE DIREITO COLEGIADO DO CURSO CRITÉRIOS DE REINGRESSO E TRANSFERÊNCIA PARA O ANO LETIVO DE 2012 Os critérios foram aprovados em Ad Referendum

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Penal II Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO EMENTA A prática do crime

Leia mais

VERSÃO CURRICULAR: 2008/1. EME TA Teoria da Pena. Sistema penal sancionatório e valores constitucionais. Extinção da punibilidade.

VERSÃO CURRICULAR: 2008/1. EME TA Teoria da Pena. Sistema penal sancionatório e valores constitucionais. Extinção da punibilidade. 1 U IVERSIDADE FEDERAL DE MI AS GERAIS Faculdade de Direito Departamento de Direito e Processo Penal Plano de Ensino de Disciplina VERSÃO CURRICULAR: 2008/1 DISCIPLINA: DIREITO PE AL II CÓDIGO: DIN102

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

PONTO 1: Crime, Delito e Contravenção PONTO 2: Conceito de Crime

PONTO 1: Crime, Delito e Contravenção PONTO 2: Conceito de Crime PONTO 1: Crime, Delito e Contravenção PONTO 2: Conceito de Crime DIREITO PENAL PONTO 3: Fato Típico PONTO 4: Conduta PONTO 5: Do Resultado PONTO 6: Nexo Causal ou relação de Causalidade TEORIA GERAL DO

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

(E) contra a vida ou a liberdade do Presidente da República. II. Da Aplicação da Lei Penal. 1. (Delegado PC-MA FCC) Tem efeito retroativo a lei que

(E) contra a vida ou a liberdade do Presidente da República. II. Da Aplicação da Lei Penal. 1. (Delegado PC-MA FCC) Tem efeito retroativo a lei que II. Da Aplicação da Lei Penal 1. (Delegado PC-MA FCC) Tem efeito retroativo a lei que (A) elimina circunstância atenuante prevista na lei anterior. (B) comina pena mais grave, mantendo a definição do crime

Leia mais

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 Sumário Lista de abreviaturas 25 Apresentação 31 Introdução 35 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 1.1. Do surgimento do Instituto 41 1.2. O Instituto na legislação

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL TEORIA DO CRIME 2 Teoria do crime INFRAÇÃO PENAL; Critério bipartido; Art. 1 da LICP Crime é infração penal

Leia mais

INCIDÊNCIA DE QUESTÕES - Ministério Público Estadual. Penal. Tema %

INCIDÊNCIA DE QUESTÕES - Ministério Público Estadual. Penal. Tema % INCIDÊNCIA DE QUESTÕES - Ministério Público Estadual Penal Crimes contra o patrimonio 10,29 Causas de extinção da punibilidade 5,88 Tipicidade 5,88 Estatuto do desarmamento 4,41 Maria da Penha 4,41 Concurso

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR É possível um finalismo corrigido? Saymon Mamede Várias teorias sobre o fato típico e a conduta surgiram no Direito Penal, desde o final do século XIX até hodiernamente. A pretensão deste artigo é expor

Leia mais

Parte I - Conceitos Fundamentais, 1

Parte I - Conceitos Fundamentais, 1 Parte I - Conceitos Fundamentais, 1 1 O Estado e o poder-dever de punir, 3 1 O Estado e o direito, 3 1.1 Explicação preliminar, 3 1.2 Identidade entre Direito e Estado: a tese de Kelsen, 4 1.3 Distinção

Leia mais

ARTHUR TRIGUEIROS e WANDER GARCIA. Edição 2013. Coordenadores CONCURSOS POLICIAIS. 2 a Edição 2013 2.000 QUESTÕES COMENTADAS

ARTHUR TRIGUEIROS e WANDER GARCIA. Edição 2013. Coordenadores CONCURSOS POLICIAIS. 2 a Edição 2013 2.000 QUESTÕES COMENTADAS Edição 2013 ARTHUR TRIGUEIROS e WANDER GARCIA Coordenadores CONCURSOS POLICIAIS 2 a Edição 2013 2.000 QUESTÕES COMENTADAS SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Direito Constitucional 13 1. PODER CONSTITUINTE... 13 2. TEORIA

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS BARBOSA, Lenires Terezinha de Oliveira Toledo1 JARDIM, Edeveraldo Alessandro da Silva2 NASCIMENTO, Rogerio3 SILVA, Cristiane

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 Tabela de Correspondência de Questões: XIII EXAME UNIFICADO OAB 1ª. ETAPA TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 PROVA TIPO 1 Questão

Leia mais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais Capítulo II Princípios penais e político-criminais Sumário 1. Princípio da legalidade penal: 1.1. Previsão; 1.2. Origem; 1.3. Denominação e alcance; 1.4. Funções 2. Princípio da fragmentariedade 3. Princípio

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Sumário Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Capítulo I LIÇÕES PRELIMINARES... 23 1. Introdução... 23 2. Proteção

Leia mais

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas.

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. CONCURSO DE PESSOAS Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. Nos crimes unisubjetivos o concurso

Leia mais

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal Pedro Melo Pouchain Ribeiro Procurador da Fazenda Nacional. Especialista em Direito Tributário. Pósgraduando em Ciências Penais

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar ao aluno contato com toda a teoria do delito, com todos os elementos que integram o crime.

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar ao aluno contato com toda a teoria do delito, com todos os elementos que integram o crime. DISCIPLINA: Direito Penal II SEMESTRE DE ESTUDO: 3º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR118 1. EMENTA: Teoria Geral do Crime. Sujeitos da ação típica. Da Tipicidade. Elementos.

Leia mais

O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004]

O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004] O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004] Salo de Carvalho Advogado e Professor da PUC/RS Após a tramitação dos Processos de Execução Penal

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO CAS Nº 34/2010 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FEMA.

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO CAS Nº 34/2010 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FEMA. RESOLUÇÃO CAS Nº 34/2010 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FEMA. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR, face ao disposto no Artigo

Leia mais

CAP 01 - Princípios...15

CAP 01 - Princípios...15 Sumário CAP 01 - Princípios...15 1.1. PRINCÍPIOS BÁSICOS:...16 1.1.1. Princípio da Supremacia do Interesse Público Sobre o Privado...16 1.1.2. Princípio da Indisponibilidade do Interesse Público...16 1.2.

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 DIREITO ADMINISTRATIVO...17 Fernando Ferreira Baltar Neto e Ronny Charles Lopes de Torres 1. Direito Administrativo e o Regime Jurídico-Administrativo...17

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL Ementa aula 18 de abril de 2013. ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL Professor: Leandro França Advogado criminal; Sócio do Escritório Corsetti & França

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. QUESTÕES DE DIREITO PENAL Aplicação da Lei Penal: princípios da legalidade e da anterioridade; a lei penal no tempo e no espaço;

Leia mais

SUMÁRIO COMO USAR O LIVRO? 13. 7. Nacionalidade...40

SUMÁRIO COMO USAR O LIVRO? 13. 7. Nacionalidade...40 SUMÁRIO SUMÁRIO COMO USAR O LIVRO? 13 1. Direito Constitucional 15 1. Poder Constituinte...15 2. Teoria Da Constituição e Princípios Fundamentais...16 3. Hermenêutica Constitucional e Eficácia das Normas

Leia mais