FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES"

Transcrição

1 FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material de fato típico? R vejamos a construção a seguir. Inúmeros são os fatos que ocorrem no mundo. São fatos humanos e fatos da natureza. O direito penal é seletivo, de modo que interessam apenas os fatos humanos. Esses fatos humanos podem ser desejados (sociais) e indesejados (antissociais). O direito penal é seletivo (peneira), não interessam os fatos humanos desejados. Só interessam para o direito penal os fatos humanos indesejados. Todos os fatos humanos indesejados interessam para o direito penal? Não. Andar na contramão é um fato indesejado que não interessa para o direito penal porque o direito penal é anunciado pelo princípio da intervenção mínima, é dizer, o direito penal é subsidiário e fragmentário. Fato típico é a prática de um fato humano indesejado, orientado pelo princípio da intervenção mínima, que consisti em uma conduta produtora de um resultado, com nexo causal entre eles (conduta e o resultado) e que se ajusta formal e materialmente a um tipo penal (ajuste a uma lei penal incriminadora). É o conceito material de fato típico. A partir daí eu não tenho só um fato, eu tenho um fato típico, pois o fato é tipificado em lei. O oposto é o fato atípico. O Crime, no entanto, para ser praticado depende dos seguintes elementos: a) Fato típico primeiro substrato do crime; b) Ilicitude segundo substrato do crime; c) Culpabilidade terceiro substrato do crime. 1

2 Se o fato for típico + lícito + culpável, nasce à punibilidade. Vejam que a punibilidade não é substrato do crime, mas sua consequência jurídica. 1 ELEMENTOS DO FATO TÍPICO Para os crimes materiais: a) CONDUTA b) RESULTADO c) NEXO CAUSAL d) TIPICIDADE FORMAL E MATERIAL. Para os crimes formais e de mera conduta: CONDUTA + TIPICIDADE FORMAL E MATERIAL Tipicidade não se confunde com tipo penal: Tipicidade é uma operação de ajuste entre o fato e o tipo penal. Ex: Art. 121 (matar alguém) e ocorreu o fato de A matar B o fato se ajusta ao tipo penal (tipicidade). Tipo penal é o modelo criado pela lei de conduta proibida. Os tipos penais são construídos com os seguintes elementos: a) Subjetivos: indicam a finalidade especial buscada pelo agente. Normalmente vem acompanhada com a expressão...com o fim de.... b) Objetivos: referem-se ao fato em si mesmo. Podem ser: b.1) Descritivos: são elementos facilmente percebidos pelos sentidos (elementos sensíveis). b.2) Normativos: necessitam juízo de valor do juiz. Obs: Nem todos os tipos penais são dotados de elementos subjetivos e nem de elementos objetivos normativos. Mas todos os tipos penais são compostos de elementos objetivos descritivos. 2

3 Ex1: art. 121 só tem elementos objetivos descritivos, pois não precisa de finalidade especial e não demanda juízo de valor. Ex2: Art. 154, CP: necessita de juízo de valor, para ver se a causa é justa ou não. Ex3: Art. 299, CP: tem finalidade especial ( com o fim de ). a) CONDUTA É o movimento (ação ou omissão) humano, consciente e voluntário, psicologicamente dirigido a uma finalidade. O conceito de conduta varia conforme a teoria adotada: 1ª) Conduta para a Teoria CAUSALISTA, NATURALISTA OU MECANICISTA Adotam Von Liszt e Beling. Inicialmente, para a teoria causalista, crime é constituído por: - Fato típico (ação, resultado, nexo causal e tipicidade); - Ilicitude; - Culpabilidade. Necessariamente, para a teoria causalista o conceito analítico de crime é tripartido, pois o dolo e a culpa estão na culpabilidade. A culpabilidade é formada por imputabilidade + exigibilidade de conduta diversa + dolo e culpa (estes dois passam a ser elementos da culpabilidade, e não mais espécies de culpabilidade). Dolo e a culpa estão na culpabilidade (teoria psicológica da culpabilidade). Conceito: conduta (ação) é um movimento humano voluntário (apenas ação) que causa modificação no mundo exterior (mundo físico). Assim, a conduta não é dirigida a nada 3

4 (aquilo que eu quis com minha conduta é analisada apenas na culpabilidade), pois tal finalidade é estudada apenas na culpabilidade. É objetiva, sendo desprovida de dolo e de culpa. Observações: 1 Dolo e culpa pertencem a culpabilidade (espécies); 2 Os tipos penais devem ser meramente descritivos, sem elementos normativos e subjetivos), pois o dolo e culpa só serão estudados na culpabilidade os elementos subjetivos não serão analisados na conduta. Isto se dá pois, para a teoria clássica, os tipos penais são objetivos, ou seja, não admitem valoração (elementos normativos) e não tem que perquirir finalidade de ninguém (elementos subjetivos). Um tipo penal objetivo. Matar alguém, ponto. Tipo normal e tipo anormal: essa classificação tem interesse para o causalismo: - Tipo normal é composto apenas por elementos objetivos descritivos. - Tipo anormal é composto de elementos objetivos descritivos, normativos e/ou subjetivos. O nome é anormal, pois os seus elementos são incompatíveis com os ditames da teoria causalista. Críticas: omissivos); - Diz que conduta é apenas ação, esquecendo-se da omissão (não abrange os crimes - Dolo e culpa, que deveriam estar na base da conduta, mas estão da culpabilidade; - Não reconhece elementos subjetivos e normativos no tipo; - Não resolvem o problema da coação moral irresistível; - Não resolvem o problema do delito tentado (ver no livro do André Stefan) 4

5 2º) Conduta para a Teoria NEOKANTISTA OU NEOCLÁSSICA Tem base causalista. Tem adeptos, como Rickert e Lisk. Para a teoria neokantista crime também tem três substratos: - Fato típico (conduta, resultado, nexo e tipicidade); - Ilicitude; - Culpabilidade. O fato típico é formado de conduta (ao invés de ação), incluindo também a omissão. Assim, os neokantistas preferiam falar em comportamento, para incluir a ação e a omissão (primeira diferença para a teoria clássica). Necessariamente, para a teoria Neokantista o conceito analítico de crime é tripartido, pois o dolo e a culpa estão na culpabilidade. Conceito: conduta é o comportamento humano voluntário que causa modificação no mundo exterior (mundo físico). (igual a teoria clássica) Observações: 1 Abrange ação e omissão ( comportamento ); 2 Dolo e culpa permanecem na culpabilidade (elementos, e não espécies); 3 Admite elementos não descritivos no tipo (subjetivos e normativos), o que é uma contradição, pois o dolo e a culpa estão na culpabilidade e a base é causalista. Adota a teoria normativa da culpabilidade (culpabilidade com elemento normativo, que é a exigibilidade de conduta diversa). Admite elementos objetivos e subjetivos do tipo (teoria dos elementos subjetivos do injusto), mas mantém o dolo e a culpa na culpabilidade. (2ª diferença para a teoria clássica). 5

6 algumas evoluções. Importante: a teoria neokantista adota os conceitos principais do causalismo, com Críticas à Teoria Neokantista: - Partindo de conceitos naturalistas, ficou contraditória quando reconhece elementos normativos e subjetivos do tipo, porém, mantém o dolo e a culpa na culpabilidade comete o mesmo erro do causalismo; - Dolo e culpa na culpabilidade. c) Conduta para a Teoria FINALISTA DA AÇÃO Hans Welzel. Crime é formado por: - Fato típico (conduta, resultado, nexo e tipicidade); - Ilicitude; - Culpabilidade. Essa teoria também é tripartite. A culpabilidade é formada por imputabilidade + potencial consciência da ilicitude + exigibilidade de conduta diversa. Dolo e culpa não estão mais na culpabilidade, mas sim no fato típico. um fim. Conceito: conduta é o comportamento humano voluntário psiquicamente dirigido a está na base. O dolo e a culpa migraram da culpabilidade para o fato típico, uma vez que a finalidade Admite que o tipo tenha elementos objetivos, subjetivos e normativos. 6

7 Com tudo isto fica clara a diferença com as teorias clássica e neokantista, pois estas são cegas, já que analisam a conduta sem saber o que o agente queria (finalidade). O finalismo é vidente, pois exerga na conduta aquilo que se quer com ela. É chamada de teoria finalista tradicional. Críticas: omissivos. - A finalidade não explica os crimes culposos, sendo frágil também nos crimes - Só se preocupa com conduta, ignorando o resultado. d) Conduta para a Teoria FINALISTA DISSIDENTE René Ariel Dotti. É aquela que diz que crime é constituído apenas de dois substratos: - Fato típico; - Ilicitude. de aplicação da pena. A culpabilidade não é elemento do crime, é um juízo de censura, um mero pressuposto No mais, é idêntica à finalista tradicional. A única diferença da finalista dissidente para a outra, é a natureza jurídica da culpabilidade. No mais, o conceito de conduta é o mesmo. O fato típico também é constituído de: conduta, resultado, nexo e tipicidade. Conceito de conduta é igual ao finalismo tradicional. Crítica: retirando a culpabilidade do crime admite a hipótese de crime sem censura, quando ausente a culpabilidade. e) Conduta para a Teoria SOCIAL DA AÇÃO 7

8 Wessels. É tripartite. Crime é formado por: - Fato típico (conduta, resultado, nexo e tipicidade); - Ilicitude; - Culpabilidade. A culpabilidade é formada por imputabilidade + potencial consciência da ilicitude + exigibilidade de conduta diversa. no final. Adota a mesma estrutura do finalismo tradicional ou clássico, mas com uma diferença Conceito: Conduta é comportamento humano voluntário dirigido psiquicamente dirigido a um fim socialmente relevante. Observações: - Dolo e culpa no fato típico; - Dolo e culpa são analisados mais uma vez (além do fato típico) no juízo de censura. Crítica: não há clareza no que significa socialmente relevante. Dependerá da análise do caso concreto, de acordo com o princípio da adequação social, o que pode modificar de acordo com a interpretação de cada juiz. Todas as teorias até agora analisam o crime com base em estruturas jurídicas. Entretanto, a partir de 1970 nasce na Alemanha as teorias funcionalistas, que analisam a finalidade do direito penal com base em estruturas sociológicas. 8

9 O funcionalismo penal surgiu na Alemanha a partir de 1970, com forma de submeter a dogmática penal aos fins específicos do direito penal. A teoria deve ser atrelado aos fins do direito penal. Tudo depende da função, finalidade, missão do direito penal. f) Conduta para a Teoria FUNCIONALISTA TELEOLÓGICA (OU MODERADA) Claus Roxin. O crime é constituído por: - Fato típico (conduta, resultado, nexo e tipicidade); - Ilicitude; - Reprovabilidade. A reprovabilidade é composta de: imputabilidade + potencial consciência da ilicitude + exigibilidade de conduta diversa + necessidade da pena. Se a pena é desnecessária o fato deixa de ser reprovável e, consequentemente, deixa de ser crime. Para o funcionalismo teleológico, a reprovabilidade entrou no lugar da culpabilidade. Ex: marido bate na esposa esposa presta BO e instaura IP por LC (APPI) MP denuncia e antes da audiência a esposa procura o MP e quer encerrar o processo, pois estavam juntos e ela aduz que ela deu causa a agressão, e que o ama e está grávida do marido o marido, na audiência, confessou e se mostrou arrependido pelo que fez para Roxin a pena não seria necessária, de modo que falta reprovabilidade e crime. O que eles fizeram com a culpabilidade? Aqui, a culpabilidade passa a ser limite da pena, não sendo elemento integrante do crime. É a culpabilidade funcional. A missão (fim) do direito penal para Roxin é a proteção de bens jurídicos indispensáveis ao homem. Conceito: conduta é o comportamento humano voluntário causador de relevante lesão ou perigo de lesão a bens jurídicos tutelados. 9

10 Dolo e culpa estão no fato típico. O funcionalismo teleológico trabalha com o princípio da insignificância, pois só haverá conduta se o comportamento humano causar relevante lesão a bens jurídicos tutelados. Se a lesão for irrelevante (insignificante) não haverá conduta e, por conseguinte, fato típico. Críticas: a única crítica que se faz a essa teoria é colocar a reprovabilidade como elemento do crime, ao invés da culpabilidade. g) Conduta para a Teoria FUNCIONALISTA RADICAL ou SISTÊMICA Gunter Jakobs. Elementos do crime: - Fato típico (conduta, resultado, nexo e tipicidade); - Ilicitude; - Volta para a culpabilidade. A culpabilidade é formada por: IMPUTABILIDADE + POTENCIAL CONSCIÊNCIA DA ILICITUDE + EXIGIBILIDADE DE CONDUTA DIVERSA. A missão do Direito Penal é resguardar o sistema (o império da norma). Conceito: conduta é o movimento humano voluntário que viola o sistema, frustrando as expectativas da norma. Para Jakobs, quando a pena é aplicada ela faz um exercício de fidelidade ao direito, e comprova que o direito é mais forte que a sua violação. Ele se preocupa com a não violação ao sistema, apenas isto. Foi nessa teoria que nasceu o Direito Penal do Inimigo: aquele que violou o sistema deve ser tratado como inimigo, devendo ser reduzido o rol de direitos e garantias. Direito Penal do Inimigo tem as seguintes características: 10

11 - Antecipação da punibilidade com a tipificação de atos preparatórios: o legislador quer antecipar a punição. Impaciência do legislador, que não aguarda o início da execução. O Brasil tem um pouco disso no delito de quadrilha ou bando, pois busca punir os atos meramente preparatórios. - Criação de tipo de mera conduta: o Brasil tem crimes de mera conduta, como violação de domicílio, etc. - Criação de tipo de perigo abstrato: o Brasil tem os crimes previsto na lei de drogas (Lei /06), de modo que tem um pouco de DP do Inimigo. - Flexibilização do princípio da legalidade (em relação à taxatividade): descrição vagas dos crimes e das penas, visando englobar maior número de comportamentos. Ex: Crime: causar tumulto, em que pode englobar uma série de comportamentos. - Inobservância do princípio da ofensividade: pois, como dito acima, o DP Inimigo trabalha muito com os crimes de perigo abstrato. - Inobservância do princípio da exteriorização do fato, predominando o direito penal do autor: quer punir o inimigo do Estado, e não aquele que praticou um fato delituoso. - Desproporcionalidade das penas: penas excessivas para punir o inimigo do Estado. - Surgimento das Leis de luta e de combate : a lei de crimes hediondos é exemplo, pois busca combater os comportamentos mais graves. RDD é exemplo disso. - Endurecimento da execução penal: maior tempo de regime cumprimento de pena. O - Restrição de garantias penais e processuais. Dolo e a culpa continuam no fato típico. O funcionalista radical admite princípio da insignificância? Não. Ele está preocupado com o sistema. O furto de um sabonete, apesar de insignificante, merece ser punido, pois violou o sistema. Quem viola o sistema deve ser tratado como inimigo. 11

12 Crítica: as características da teoria funcionalista radical serve apenas aos Estados Totalitários, e não aos países Democráticos, como é o caso do Brasil. - HIPÓTESES DE AUSÊNCIA DE CONDUTA: Antes de falar das hipóteses, é importante falar que do causalismo até o funcionalismo, a conduta tem em comum o fato de ser o movimento humano voluntário (voluntário é o movimento dominável pela vontade). Assim, se o movimento humano não for dominável pela vontade não existirá conduta para qualquer das teorias. - Caso Fortuito ou força maior; irresistível. - Coação física irresistível: obrigar alguém a fazer algo por meio de força física Obs: a coação moral irresistível é obrigar alguém a fazer algo por meio de grave ameaça. Neste caso, há vontade (apesar de viciada), pois o coagido tem opção de agir ou não agir. Mas como não é exigível a prática de comportamento diverso do efetivamente realizado, excluirá a culpabilidade, e não a conduta; - Movimentos reflexos. Obs: os movimentos reflexos previsíveis, que não excluem a conduta. Ex: limpa arma ao alcance de crianças e na sua casa ouve-se muito trovão toma susto e morre haverá conduta. - Estados de inconsciência. Ex: sonambulismos, não há conduta pois o seu movimento não é dominável pela vontade. 12

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR É possível um finalismo corrigido? Saymon Mamede Várias teorias sobre o fato típico e a conduta surgiram no Direito Penal, desde o final do século XIX até hodiernamente. A pretensão deste artigo é expor

Leia mais

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Espécies de Conduta a) A conduta pode ser dolosa ou culposa. b) A conduta pode ser comissiva ou omissiva. O tema dolo e culpa estão ligados à

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Teorias da conduta no Direito Penal Rodrigo Santos Emanuele * Teoria naturalista ou causal da ação Primeiramente, passamos a analisar a teoria da conduta denominada naturalista ou

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável 1. O FATO TÍPICO 1 CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável Elementos do FATO TÍPICO: FATO TÍPICO 1) CONDUTA DOLOSA OU CULPOSA Conceito: É fato material que se amolda perfeitamente aos elementos constantes

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Conceito. Causa. É elemento do fato típico. É o vínculo entre conduta e resultado. O estudo da causalidade busca concluir se o resultado decorreu da conduta

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL TEORIA DO CRIME 2 Teoria do crime INFRAÇÃO PENAL; Critério bipartido; Art. 1 da LICP Crime é infração penal

Leia mais

O CONSENTIMENTO DO OFENDIDO

O CONSENTIMENTO DO OFENDIDO O CONSENTIMENTO DO OFENDIDO Rodrigo Fragoso O consentimento do ofendido constitui objeto de intenso debate entre os penalistas que, divergindo quanto à sua posição na estrutura do delito, atribuem efeitos

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

CULPABILIDADE RESUMO

CULPABILIDADE RESUMO CULPABILIDADE Maira Jacqueline de Souza 1 RESUMO Para uma melhor compreensão de sanção penal é necessário a análise levando em consideração o modo sócio-econômico e a forma de Estado em que se presencie

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE CRIMES

TEMA: CONCURSO DE CRIMES TEMA: CONCURSO DE CRIMES 1. INTRODUÇÃO Ocorre quando um mesmo sujeito pratica dois ou mais crimes. Pode haver um ou mais comportamentos. É o chamado concursus delictorum. Pode ocorrer entre qualquer espécie

Leia mais

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências Jurídicas e Ciências Sociais DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3 Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA 2013 2 DÉBORA DE

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal Pedro Melo Pouchain Ribeiro Procurador da Fazenda Nacional. Especialista em Direito Tributário. Pósgraduando em Ciências Penais

Leia mais

Fabio André Guaragni AULA 1. Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes Ciências Penais - Danilo Meneses Pós-graduação Página 1. 1 A tradução literal é dívida.

Fabio André Guaragni AULA 1. Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes Ciências Penais - Danilo Meneses Pós-graduação Página 1. 1 A tradução literal é dívida. Fabio André Guaragni AULA 1 FUNDAMENTO MATERIAL DA CULPABILIDADE E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA - Princípio da culpabilidade: - é o princípio da nulla poena sine culpa -> essa expressão (princípio) possui três

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

Parte I - Conceitos Fundamentais, 1

Parte I - Conceitos Fundamentais, 1 Parte I - Conceitos Fundamentais, 1 1 O Estado e o poder-dever de punir, 3 1 O Estado e o direito, 3 1.1 Explicação preliminar, 3 1.2 Identidade entre Direito e Estado: a tese de Kelsen, 4 1.3 Distinção

Leia mais

O SISTEMA CLÁSSICO DA TEORIA DO DELITO- A ANÁLISE DA TEORIA CAUSAL- NATURALISTA DA AÇÃO E DA TEORIA PSICOLÓGICA DA CULPABILIDADE

O SISTEMA CLÁSSICO DA TEORIA DO DELITO- A ANÁLISE DA TEORIA CAUSAL- NATURALISTA DA AÇÃO E DA TEORIA PSICOLÓGICA DA CULPABILIDADE O SISTEMA CLÁSSICO DA TEORIA DO DELITO- A ANÁLISE DA TEORIA CAUSAL- NATURALISTA DA AÇÃO E DA TEORIA PSICOLÓGICA DA CULPABILIDADE José Carlos de Oliveira Robaldo 1 Vanderson Roberto Vieira 2 Resumo: Os

Leia mais

Inexigibilidade de conduta diversa e exclusão da culpabilidade penal

Inexigibilidade de conduta diversa e exclusão da culpabilidade penal Inexigibilidade de conduta diversa e exclusão da culpabilidade penal Aurora Tomazini de Carvalho Doutora PUC/SP e Professora UEL Introdução Em razão da situação econômica, muitas empresas passam por severas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO EXMO.SR(a).DR(a). JUIZ(a) DE DIREITO DA 2 ª SECRETARIA CRIMINAL DO JUIZADO ESPECIAL DE BELO HORIZONTE -MG Réu: Autor: Ministério Público Processo n. APELAÇÃO O Ministério Público do Estado de Minas Gerais,

Leia mais

A descrição do fato típico na acusação penal

A descrição do fato típico na acusação penal A descrição do fato típico na acusação penal Hugo Nigro Mazzilli Advogado, Consultor jurídico, Procurador de Justiça aposentado, Professor da Escola Superior do Ministério Público (SP) A denúncia ou a

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL SIDIO ROSA DE MESQUITA JÚNIOR http://www.sidio.pro.br http://sidiojunior.blogspot.com sidiojunior@gmail.com IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido.

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA CONCEITO Dispõe o art. 288 do CP: Associarem-se três ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. No delito em apreço, pune-se

Leia mais

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 XXSumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 1. Conceito de direito penal... 29 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal... 32 1.2. Conceito

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade NEXO DE CAUSALIDADE O nexo causal ou relação de causalidade é o elo que une

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina

Plano de Ensino de Disciplina UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito Departamento de Direito e Processo Penal Plano de Ensino de Disciplina DISCIPLINA: DIREITO PE AL I CÓDIGO: DIN101 PRÉ-REQUISITO: DIT027 DEPARTAMENTO:

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO ALOYSIO NUNES FERREIRA

VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO ALOYSIO NUNES FERREIRA (PROJETO DE LEI Nº 4.747, DE 1998) Acrescenta artigo ao Código Civil (Lei nº 3.071, de 1º de janeiro de 1916) e parágrafo ao art. 129 do Código Penal (Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940). VOTO

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

Embriaguez e Responsabilidade Penal

Embriaguez e Responsabilidade Penal Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que

Leia mais

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA 2129275$7$0(1723(1$/$23257('($50$'()2*2$ 7(1'Ç1&,$'(75$16)250$d 2'23257('($50$(0&5,0( +(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA Estagiário do Ministério Público Federal atuando na Procuradoria da República

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. RESPONSABILDADE CIVIL DO DANO AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO Evolução da sociedade: séc. XX (novas tecnologias x modelo de vida); Inércia do Estado: auto-tutela;

Leia mais

PRINCÍPIO DA TIPICIDADE CONGLOBANTE E A VIOLAÇÃO DE DIREITO AUTORAL: INAPLICABILIDADE

PRINCÍPIO DA TIPICIDADE CONGLOBANTE E A VIOLAÇÃO DE DIREITO AUTORAL: INAPLICABILIDADE PRINCÍPIO DA TIPICIDADE CONGLOBANTE E A VIOLAÇÃO DE DIREITO AUTORAL: INAPLICABILIDADE Luís Alberto Safraider Procurador de Justiça Os i. Desembargadores da Segunda Turma do E. Tribunal de Justiça do Mato

Leia mais

PONTO 1: Teoria Geral do Crime - continuação. 1. TEORIA GERAL DO CRIME:

PONTO 1: Teoria Geral do Crime - continuação. 1. TEORIA GERAL DO CRIME: 1 PONTO 1: Teoria Geral do Crime - continuação. 1. TEORIA GERAL DO CRIME: No Brasil, adotamos a teoria finalista desde 1984. Devido uma interpretação em face do erro do tipo (Art. 20, CP), se o erro incide

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL

COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL A Universidade Estadual de Goiás, por meio do Núcleo de Seleção, vem perante aos candidatos que fizeram a prova

Leia mais

NORMA PENAL EM BRANCO

NORMA PENAL EM BRANCO NORMA PENAL EM BRANCO DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 NORMAS PENAIS EM BRANCO 1. Conceito. Leis penais completas são as que

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL Ementa aula 18 de abril de 2013. ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL Professor: Leandro França Advogado criminal; Sócio do Escritório Corsetti & França

Leia mais

Responsabilidade Civil

Responsabilidade Civil Responsabilidade Civil Trabalho de Direito Civil Curso Gestão Nocturno Realizado por: 28457 Marco Filipe Silva 16832 Rui Gomes 1 Definição: Começando, de forma, pelo essencial, existe uma situação de responsabilidade

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

DANO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE CIVIL

DANO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE CIVIL DANO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE CIVIL DANO AMBIENTAL PODE TRAZER CONSEQUÊNCIAS DE ORDEM CIVIL ADMINISTRATIVA E PENAL DANO É O PREJUÍZO CAUSADO A ALGUÉM PELA DETERIORAÇÃO OU INUTILIZAÇÃO DE BENS SEUS

Leia mais

Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21

Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21 Sumário Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21 Prefácio de um Amigo-Editor a um Amigo-Autor... 25 PARTE 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL CAPÍTULO 1 NOÇÕES GERAIS DE DIREITO PENAL... 29 1. Definição... 29 2. Direito

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal Peça O examinando deverá redigir uma petição de relaxamento de prisão, fundamentado no art. 5º, LXV, da CRFB/88, ou art. 310, I, do CPP (embora os

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COMENTÁRIOS SOBRE A TEORIA DO FUNCIONALISMO PENAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COMENTÁRIOS SOBRE A TEORIA DO FUNCIONALISMO PENAL COMENTÁRIOS SOBRE A TEORIA DO FUNCIONALISMO PENAL Mary Mansoldo 1 Junho/2011 RESUMO: Trata-se de síntese introdutória sobre a Teoria do Funcionalismo Penal. Sem o propósito de aprofundamento, alguns conceitos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) considerações sobre a responsabilidade "penal" da pessoa jurídica Dóris Rachel da Silva Julião * Introdução É induvidoso que em se tratando da criminalidade econômica e

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES DIREITO PENAL Apostila 01 Assunto 01: Conceito, aplicação ão, fontes Assunto 02: Crimes: definição ão, sujeitos, formas de punição Profº.. HEBER LIMA NEVES A lei penal deve ser clara, precisa, atual e

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

Empregador é responsável por danos ao ambiente de trabalho e à saúde

Empregador é responsável por danos ao ambiente de trabalho e à saúde REFLEXÕES TRABALHISTAS Empregador é responsável por danos ao ambiente de trabalho e à saúde 01 de agosto de 2014, 08:00h Por Raimundo Simão de Melo No Brasil, até 1988, o enfoque principal sobre o meio

Leia mais

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 Sumário Lista de abreviaturas 25 Apresentação 31 Introdução 35 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 1.1. Do surgimento do Instituto 41 1.2. O Instituto na legislação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A figura do delinquente / transtornos da personalidade Vania Carmen de Vasconcelos Gonçalves* 1. INTRODUÇÃO Atualmente é comum nos depararmos diariamente com casos e relatos de violência,

Leia mais

MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL

MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL RECADO AO ALUNO As matérias desta apostila foram reunidas e consolidadas para estudo dos alunos Instituto Marconi. A leitura e estudo deste conteúdo não exclui a consulta

Leia mais

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO DIREITO ELETRÔNICO Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO Este trabalho tem como finalidade o estudo do direito eletrônico, devido a ser um assunto bastante recente, bem como a sua aplicação

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL O ordenamento jurídico pátrio, em matéria ambiental, adota a teoria da responsabilidade civil objetiva, prevista tanto no art. 14, parágrafo 1º da Lei 6.938/81

Leia mais

CDs Atualizado em 08-Mar-2011

CDs Atualizado em 08-Mar-2011 CDs Atualizado em 08-Mar-2011 Informações : info@proconsciencia.com.brâ Loja virtual: Â http://www.marcosdearaujo.com.br/index.php?option=com_virtuemart&page=shop.browse&category_id=2&itemid=6 Remetemos

Leia mais

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ÁREA CRIMINAL CRIMES CONTRA OS COSTUMES 1. CRIMES CONTRA OS COSTUMES. ESTUPRO E ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. TODAS AS FORMAS. CRIMES HEDIONDOS.

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

Legislação e tributação comercial

Legislação e tributação comercial 6. CRÉDITO TRIBUTÁRIO 6.1 Conceito Na terminologia adotada pelo CTN, crédito tributário e obrigação tributária não se confundem. O crédito decorre da obrigação e tem a mesma natureza desta (CTN, 139).

Leia mais

DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE À LUZ DOS CRIMES DE TRÂNSITO

DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE À LUZ DOS CRIMES DE TRÂNSITO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE DIREITO MICHEL MERÊNCIO COSTA DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE À LUZ DOS CRIMES DE TRÂNSITO CRICIUMA, DEZEMBRO 2009 MICHEL MERÊNCIO COSTA DOLO EVENTUAL

Leia mais

O STF E O ANO DE 2013

O STF E O ANO DE 2013 O STF E O ANO DE 2013 ( Digesto Econômico, Nov/Dez/2013 Pgs. 44 a 47 ) No campo do direito, o ano de 2013 foi marcado pelo julgamento do mensalão, onde a discussão recaiu, fundamentalmente, sobre se caberiam

Leia mais

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO MEMORIAIS (OAB/SP 133 - ADAPTADO) Pedro foi acusado de roubo qualificado por denúncia do Promotor de Justiça da comarca, o dia 1 de julho de 2006. Dela constou que

Leia mais

EVOLUÇÃO E REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS DA CULPABILIDADE

EVOLUÇÃO E REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS DA CULPABILIDADE EVOLUÇÃO E REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS DA CULPABILIDADE Cezar Roberto Bitencourt Catedrático de Direito Penal da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Brasil 1. Considerações introdutórias

Leia mais