Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21"

Transcrição

1 Sumário Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS Prefácio de um Amigo-Editor a um Amigo-Autor PARTE 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL CAPÍTULO 1 NOÇÕES GERAIS DE DIREITO PENAL Definição Direito Penal, Ciência do Direito Penal, Criminologia e Política Criminal Funcionalismo Categorias do Direito Penal Privatização do Direito Penal As velocidades do Direito Penal CAPÍTULO II EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO PENAL Introdução Vingança Penal Vingança divina Vingança privada Vingança pública Direito Penal na Grécia Antiga Direito Penal em Roma Direito Penal Germânico Direito Penal na Idade Média Escolas Penais História do Direito Penal Brasileiro CAPÍTULO III FONTES DO DIREITO PENAL Introdução Fonte material do Direito Penal

2 ROGÉRIO SANCHES CUNHA 3. Fonte formal do Direito Penal Fonte formal do Direito Penal à luz da doutrina moderna Fonte informal do Direito Penal (costumes) Características e classificação da lei penal Capítulo IV INTERPRETAÇÃO DA LEI PENAL Introdução Interpretação extensiva Interpretação analógica Integração da lei penal (analogia) CAPÍTULO V TEORIA GERAL DA NORMA PENAL Princípios e sua relação com o Direito Penal Princípios gerais do Direito Penal Princípios relacionados com a missão fundamental do Direito Penal Princípio da exclusiva proteção de bens jurídicos Princípio da intervenção mínima Princípios relacionados com o fato do agente Princípio da exteriorização ou materialização do fato Princípio da legalidade Princípio da legalidade, tipo aberto e a norma penal em branco Princípio da ofensividade ou lesividade Princípios relacionados com o agente do fato Princípio da responsabilidade pessoal Princípio da responsabilidade subjetiva Princípio da culpabilidade Princípio da igualdade Princípio da presunção de inocência (ou da não culpa) Princípios relacionados com a pena Princípio da dignidade da pessoa humana Princípio da individualização da pena Princípio da proporcionalidade Princípio da pessoalidade Princípio da vedação do "bis in idem"

3 Sumário CAPÍTULO VI EFICÁCIA DA LEI PENAL NO TEMPO Introdução Tempo do crime Sucessão de leis no tempo Sucessão de lei incriminadora Novatio legis in pejus Abolitio criminis Novatio legis in mellius Princípio da continuidade normativo-típica Lei temporária e lei excepcional Constitucionalidade das leis temporárias e excepcionais Lei penal no tempo: questões complementares Retroatividade da jurisprudência Retroatividade da lei penal no caso de norma penal em branco Lei intermediária CAPÍTULO VII EFICÁCIA DA LEI PENAL NO ESPAÇO Princípios aplicáveis e territorialidade Lugar do crime Extraterritorialidade Pena cumprida no estrangeiro CAPÍTULO VIII EFICÁCIA DA LEI PENAL EM RELAÇÃO ÀS PESSOAS Introdução Imunidades diplomáticas Imunidades parlamentares Imunidade parlamentar absoluta (freedom of speech) Imunidade parlamentar relativa Relativa ao foro Relativa à prisão Relativa ao processo Relativa à condição de testemunha Imunidades parlamentares e o estado de sítio Imunidades do parlamentar licenciado Imunidades dos deputados estaduais

4 ROGÉRIO SANCHES CUNHA 3.6. Imunidades dos vereadores Foro por prerrogativa de função x Tribunal do Júri CAPÍTULO IX DISPOSIÇÕES FINAIS Eficácia da sentença estrangeira Contagem do prazo Frações não computáveis da pena Conflito aparente de normas Especialidade (lex specialis derogat legi generali) Subsidiariedade (lex primaria derogat legi subsidiariae) Consunção (lex consumens derogat legi consumptae) PARTE 2 TEORIA GERAL DO CRIME CAPÍTULO I INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DO CRIME Introdução Infração penal, crime, delito e contravenção penal Diferenças entre crime e contravenção penal Quanto à pena privativa de liberdade imposta Quanto à espécie de ação penal Quanto à admissibilidade da tentativa Quanto à extraterritorialidade da lei penal brasileira Quanto à competência para processar e julgar Quanto ao limite das penas Quanto ao período de prova do sursis Quanto ao cabimento de prisão preventiva e temporária Quanto à possibilidade confisco Sujeitos (ativo e passivo) do crime Objetos (material e jurídico) do crime material Substratos do crime CAPÍTULO II FATO TÍPICO Introdução Conduta

5 Sumário 2.1. Teoria Causalista Teoria Neokantista Teoria Finalista Teoria social da ação Teorias funcionalistas Funcionalismo Teleológico, Dualista, Moderado ou da Política Criminal Funcionalismo Radical, Sistêmico ou Monista Características e elementos da conduta Causas de exclusão da conduta Caso Fortuito ou de Força Maior Involuntariedade Coação física irresistível (vis absoluta) Formas de conduta Quanto à voluntariedade do agente Do crime doloso Do crime culposo Do crime preterdoloso Erro de tipo Erro de tipo x Erro de proibição Erro de tipo: espécies Erro de tipo: questões complementares Quanto ao modo de execução Crime comissivo Crime omissivo Crime de conduta mista Resultado Nexo causal Conceito Concausas A teoria da imputação objetiva Criação ou incremento de um risco proibido Realização do risco no resultado Resultado se encontra dentro do alcance do tipo Causalidade nos crimes omissivos Tipicidade penal

6 ROGÉRIO SANCHES CUNHA Evolução da tipicidade penal Tipicidade conglobante Espécies de tipicidade formal Tipo penal: elementos e modalidades CAPÍTULO III ILICITUDE Conceito Relação entre tipicidade e ilicitude Causas excludentes da ilicitude (descriminantes ou justificantes) Estado de necessidade Requisitos do estado de necessidade Legítima defesa Requisitos da legítima defesa Legítima defesa e erro na execução Estrito cumprimento de um dever legal Exercício regular de um direito A problemática dos ofendículos Consentimento do ofendido Excesso nas justificantes Descriminante putativa CAPÍTULO IV CULPABILIDADE Conceito Teorias da culpabilidade Teoria psicológica da culpabilidade Teoria psicológica normativa Teoria normativa pura da culpabilidade (ou extremada da culpabilidade) Teoria limitada da culpabilidade Teoria da coculpabilidade A culpabilidade do autor x culpabilidade do fato Culpabilidade formal e material Elementos da culpabilidade Imputabilidade Causas de inimputabilidade A imputabilidade do índio não integrado

7 Sumário A emoção e paixão Potencial consciência da ilicitude Erro de proibição Espécies de erro de proibição Erro de proibição e erro de tipo Exigibilidade de conduta Coação irresistível Requisitos da coação irresistível Obediência hierárquica Requisitos da obediência hierárquica Dirimentes supralegais Síntese das causas legais de exclusão da culpabilidade CAPÍTULO V PUNIBILIDADE Conceito Causas de extinção da punibilidade Morte do agente Anistia, graça e indulto Anistia, graça e indulto e os crimes hediondos e equiparados Abolitio criminis Decadência Perempção Prescrição Conceito Hipóteses de imprescritibilidade Prescrição: fundamentos Prescrição: espécies Prescrição pretensão punitiva Prescrição da pretensão executória (PPE) Prescrição e atos infracionais A prescrição da pena de multa A redução dos prazos prescricionais Renúncia ao direito de agir Perdão (aceito) do ofendido

8 ROGÉRIO SANCHES CUNHA Retratação do agressor Perdão judicial CAPÍTULO VI ITER CRIMINIS Introdução Fases do crime Cogitação Atos preparatórios Atos executórios Consumação Crime consumado Da tentativa Infrações penais que não admitem tentativa Desistência voluntária e arrependimento eficaz Desistência voluntária Arrependimento eficaz Arrependimento posterior Situações especiais de reparação do dano ou restituição da coisa Crime impossível CAPÍTULO VII CONCURSO DE PESSOAS NA PRÁTICA DE CRIMES Introdução Conceito Requisitos Formas de praticar o crime quanto ao sujeito Autoria Autoria mediata Autoria colateral Multidão delinquente Coautoria Participação Participação em cadeia e participação sucessiva Participação negativa Concurso de pessoas em crimes culposos Concursos nos crimes omissivos

9 Sumário 7. Punibilidade no concurso de pessoas Participação de menor importância Participação dolosamente distinta Comunicabilidade das circunstâncias, condições e elementares Participação impunível... PARTE 3 TEORIA GERAL DA PENA CAPÍTULO I CONCEITO E FUNDAMENTOS DE PENA Introdução Finalidades (ou funções) da pena Finalidade da pena no Brasil Justiça restaurativa Princípios informadores da pena Penas proibidas no Brasil Penas permitidas no Brasil CAPÍTULO II APLICAÇÃO DA PENA Introdução Fixação da pena privativa de liberdade Primeira fase de aplicação da pena Culpabilidade do agente Antecedentes do agente Conduta social do agente Personalidade do agente Motivos do crime Circunstâncias do crime Consequências do crime Comportamento da vítima Segunda fase de aplicação da pena Das agravantes Reincidência (art. 61, I) Motivo fútil ou torpe (art. 61, II, a )

10 ROGÉRIO SANCHES CUNHA Crime cometido para facilitar ou assegurar a execução ou ocultação, a impunidade ou a vantagem de outro crime (art. 61, II, b ) Crime cometido com traição, emboscada, dissimulação ou outro recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa do ofendido (art. 61, II, c ) Crime praticado com emprego de veneno, fogo, explosivo, tortura ou outro meio insidioso ou cruel, de o que possa resultar perigo comum (art. 61, II, d ) Crime praticado contra descendente, ascendente, irmão ou cônjuge (art. 61, II, e ) Crime praticado com abuso de autoridade ou prevalecendo-se de relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade ou com violência contra a mulher, na forma da lei específica (art. 61, II, f ) Crime praticado com abuso de poder ou violação de dever inerente a cargo, ofício, ministério ou profissão (art. 61, II, g ) Crime praticado contra criança, maior de 60 anos, enfermo ou mulher grávida (art. 61, II, h ) Crime praticado quando o ofendido estava sob imediata proteção da autoridade (art. 61, II, i ) Crime praticado em ocasião de incêndio, naufrágio, inundação ou qualquer calamidade pública ou desgraça particular do ofendido (art. 61, II, j ) Crime praticado em estado de embriaguez preordenada (art. 61, II, l ) Agravantes nos crimes praticados por duas ou mais pessoas (art. 62) Das atenuantes Menoridade (art. 65, I, 1ª parte) Senilidade (art. 65, I, 2ª parte) O desconhecimento da lei (art. 65, II) Motivo de relevante valor moral ou social (art. 65, III, a ) Procurado, por sua espontânea vontade e com eficiência, logo após o crime, evitar-lhe ou 14

11 Sumário minorar-lhe as consequências, ou ter, antes do julgamento reparado o dano (art. 65, III, b ) Cometido o crime sob coação a que podia resistir, ou em cumprimento de ordem de autoridade superior, ou sob a influência de violenta emoção, provocada por ato injusto da vítima (art. 65, III, c ) Confessado espontaneamente perante a autoridade, a autoria do crime (art. 65, III, d ) Cabe a atenuante quando a confissão é qualificada (ou somente quando simples)? Cometido o crime sob a influência de multidão em tumulto, se não o provocou (art. 65, III, e ) Circunstâncias atenuantes inominadas (art. 66) Terceira fase de aplicação da pena Concurso (homogêneo) de causas de aumento Concurso (homogêneo) de causas de diminuição Concurso (heterogêneo) de causas de aumento e de diminuição Regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdade Regime fechado Regime semiaberto Regime aberto Pena de reclusão Pena de detenção Pena de prisão simples Regime de cumprimento de pena do índio Regime especial para o cumprimento de pena pela mulher Fixação do regime inicial de cumprimento da pena e detração Penas e medidas alternativas à prisão As penas restritivas de direitos Introdução Restritivas de direitos: espécies Restritivas de direitos: características Restritivas de direitos: requisitos Penas restritivas de direitos x crimes hediondos (ou equiparados) Penas restritivas de direitos x delitos de ameaça, lesão corporal leve e constrangimento ilegal

12 ROGÉRIO SANCHES CUNHA Penas restritivas de direitos x crime de roubo Penas restritivas de direitos x crimes militares Restritivas de direitos: regras da substituição Restritivas de direitos: conversão A pena de multa Introdução Aplicação da pena de multa Pagamento (voluntário) da multa Não pagamento da pena de multa Causas de suspensão e interrupção da prescrição da pena de multa Cumulação de penas de multa A multa e a Lei Maria da Penha Pena de multa e prestação pecuniária: distinções A suspensão condicional da pena ( sursis ) Conceito e natureza jurídica Sistemas Espécies, requisitos e condições Revogação Cassação Prorrogação Extinção Livramento condicional Conceito e natureza jurídica Requisitos Objetivos Subjetivos Condições Obrigatórias Facultativas Concessão e execução Revogação Obrigatória Facultativa Prorrogação Extinção

13 Sumário CAPÍTULO III CONCURSO DE CRIMES Conceito Sistemas de aplicação da pena para o concurso de crimes Concurso material Condenação a penas de reclusão e detenção Condenação a pena privativa de liberdade e restritiva de direitos Concurso material e penas restritivas de direitos Concurso formal Continuidade delitiva Crime continuado genérico ou comum Crime continuado específico Questões complementares Concurso de crimes e prescrição Concurso de crimes e suspensão condicional do processo Concurso de crimes e pena de multa Concurso de crimes e Juizados Especiais Criminais Concurso de crimes e Lei nº / Concurso de crimes na execução penal CAPÍTULO IV DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA Conceito, fundamentos e finalidade das medidas de segurança Princípios informadores das medidas de segurança Espécies de medida de segurança Pressupostos da medida de segurança Aplicação das medidas de segurança Duração da medida de segurança Perícia médica Desinternação ou liberação condicional Reinternação do agente Conversão da pena em medida de segurança Internação cível Extinção da punibilidade e medida de segurança Medida de segurança provisória CAPÍTULO V EFEITOS DA CONDENAÇÃO

14 ROGÉRIO SANCHES CUNHA 1. Introdução Efeitos penais extrapenais genéricos Tornar certa a obrigação de indenizar Confisco dos instrumentos e produtos do crime Efeitos extrapenais específicos Perda de cargo, função pública ou mandato eletivo Efeitos administrativos da condenação Efeitos políticos da condenação Incapacidade para o exercício do pátrio poder (poder familiar), tutela ou curatela A inabilitação para dirigir veículo, quando utilizado como meio para a prática de crime doloso Efeito da condenação na legislação extravagante Lei de Tortura Lei nº 7.716/89 preconceito racial Lei de Lavagem de Capitais Lei de Falência Lei nº alteração ao Código de Processo Penal CAPÍTULO VI REABILITAÇÃO Conceito e Cabimento Assegurar sigilo das condenações Suspensão condicional dos efeitos extrapenais específicos da condenação (art. 92 do CP) Requisitos Revogação Competência e recurso Reabilitação e pluralidade de condenações CAPÍTULO VII AÇÃO PENAL Introdução Características do direito de ação Condições da ação Classificação da ação penal Ação penal pública incondicionada Ação penal pública condicionada

15 Sumário Da representação do ofendido Da requisição do Ministro da Justiça Ação penal de iniciativa privada Ação penal exclusivamente privada Ação penal privada personalíssima Ação penal privada subsidiária da pública Institutos que ensejam a extinção da punibilidade nos crimes perseguidos mediante ação penal privada: Ação penal nos crimes complexos (art. 101 do CP) Ação penal nos crimes contra a honra Ação penal nos crimes contra a dignidade sexual Bibliografia

16

17 Índice de Perguntas Índice de Perguntas PARTE 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL Costumes criam infrações penais? Costumes revogam infrações penais? Qual, então, a finalidade do costume no ordenamento jurídico-penal?.. 54 Como admitir que alguém, presumidamente inocente, seja preso na fase de investigação policial ou no curso da instrução criminal, leia-se, sem a haver sentença penal condenatória? Qual lei deve ser aplicada se, no decorrer da prática de um crime permanente ou crime continuado, sobrevém lei mais grave? Como ficam os efeitos da condenação na hipótese de abolitio criminis? Depois do trânsito em julgado, qual o juiz competente para aplicar a lei penal mais benéfica? É possível a aplicação da lei penal mais benéfica durante o seu período de vacatio legis? Como proceder em caso de dúvida sobre qual a lei penal mais benéfica? Para beneficiar o réu, admite-se combinação de leis penais? Embaixada é extensão do território que representa? Aplica-se a lei brasileira ao crime cometido a bordo de embarcação privada estrangeira de passagem pelo mar territorial brasileiro? O diplomata não deve obediência à nossa Lei? Quais os limites da imunidade parlamentar material? Cabe prisão civil contra o Congressista devedor de alimentos? PARTE 2 TEORIA GERAL DO CRIME Quais as consequências ao se adotar (ou optar) pela etiqueta de crime ou contravenção penal para determinado comportamento humano indesejado pelo meio social? Pessoa jurídica pode figurar como sujeito ativo de crime? Pode o homem ser, ao mesmo tempo, sujeito ativo e passivo do crime?

18 ROGÉRIO SANCHES CUNHA É possível crime sem objeto material? Qual teoria (da conduta) foi seguida pelo nosso Código Penal? Quais as diferenças entre a culpa consciente e dolo eventual? E o racha (competição de veículos automotores em via pública sem autorização legal)? Dolo eventual ou culpa consciente? Como tratar o atropelamento praticado por motorista embriagado? Existe compensação de culpas no Direito Penal? E a concorrência de culpas? O reincidente em crime preterdoloso deve ser tratado como reincidente em crime doloso ou culposo? Como aferir a (in)evitabilidade do erro? Qual resultado (naturalístico ou normativo) integra o crime? Na relação tipicidade x ilicitude, qual teoria norteia nosso ordenamento jurídico? Cabe estado de necessidade em crime habitual e permanente? O furto famélico é crime? É possível estado de necessidade contra estado de necessidade? É possível legítima recíproca? Admite-se legítima defesa contra quem age em estado de necessidade? O particular pode invocar a descriminante do estrito cumprimento do dever legal? O sonambulo é considerado portador de doença mental? E o surdo-mudo? Então é possível crime sem punibilidade (sem efeito)? O que vem a ser crime exaurido? Como se dá a punição do crime tentado? É possível tentativa na culpa imprópria? É possível tentativa no dolo eventual? A violência imprópria (que, sem o emprego efetivo de força física ou grave ameaça, também atinge a capacidade de resistência da vítima,) impede a causa de redução de pena prevista no art. 16 do CP?. 336 A reparação do dano, requisito do arrependimento posterior, se comunica ao corréu? A recusa da vítima, não aceitando o valor de reparação ofertado pelo autor, impede o arrependimento posterior? Qual a diferença entre crime impossível e delito putativo? Todos os concorrentes do evento ilícito responderão pela mesma infração penal?

19 Índice de Perguntas Qual a teoria adotada pelo nosso Código Penal na definição de autor do crime? É possível autoria mediata nos crimes culposos? E nos crimes próprios e de mão própria? É possível coautoria em crime próprio? E nos crimes de mão própria? É possível coautoria em crime omissivo próprio? E a participação? E nos crimes omissivos impróprios? Cabe coautoria? Cabe participação em crime omissivo impróprio? PARTE 3 TEORIA GERAL DA PENA E se ficar contatado o concurso entre circunstâncias judiciais favoráveis e desfavoráveis? Então o que configura maus antecedentes? Existe limitação temporal para a condenação anterior ser considerada para efeitos de maus antecedentes (a exemplo do que já acontece com a agravante da reincidência)? Qual a ordem de preponderância no concurso de agravantes e atenuantes? As agravantes sempre agravam a pena? As agravantes incidem em todos os crimes? Agravante não articulada na denúncia pode ser reconhecida? Condenação passada pode servir como maus antecedentes e, ao mesmo tempo, agravante da reincidência? O instituto da reincidência, por si só, não caracteriza bis in idem? A vingança é motivo torpe? As atenuantes sempre atenuam a pena? As atenuantes incidem em todos os crimes? É possível a compensação entre a circunstância agravante da reincidência e a circunstância atenuante da confissão espontânea do réu? O sursis é direito subjetivo do condenado ou faculdade do juiz sentenciante? Qual o prazo da pena restritiva? O autor de crime preterdoloso, para valer-se dos benefícios da substituição da prisão por penas alternativas, deve preencher os requisitos do crime doloso ou culposo?

20 ROGÉRIO SANCHES CUNHA Nesse caso, de quem é a competência para a execução forçada da pena? Presentes os requisitos legais, pode o magistrado substituir a pena de prisão por outra multa, cumulando, portanto, a multa substitutiva da prisão com a multa principal? A substituição da prisão por penas alternativas é direito subjetivo do condenado ou faculdade do juiz sentenciante? Existe algum tipo de sursis incondicionado? É possível "sursis" sucessivos e simultâneos? Cabe a medida alternativa do sursis para estrangeiro? Pode JOÃO recorrer para pleitear o aumento da pena em um mês, a fim de preencher o requisito objetivo em exame? A falta grave interrompe o prazo para o livramento? No crime continuado é indispensável a homogeneidade subjetiva? Qual lei deve ser aplicada se, no decorrer da prática de um crime continuado, sobrevém lei mais grave? Aplica-se continuidade delitiva em crimes contra a vida? Admite-se, no mesmo contexto fático, crime continuado e concurso formal? E no caso de agente capaz na data da conduta, mas que desenvolve anomalia psíquica no curso da execução da pena (superveniência de doença mental)? O que fazer quando escoado o limite e a periculosidade do agente persistir? E se o produto ou proveito do crime não for encontrado ou estiver localizado no exterior? Ora, se a LEP já assegura o sigilo, bastando o cumprimento ou extinção da pena, qual é a utilidade da reabilitação nesse ponto? A reabilitação impede a reincidência de crime futuro? Como saber qual ação penal a ser utilizada para perseguir a pena de determinado crime? E no caso de vítima com 17 anos casada, quem representa? Nos casos em que a ação penal de iniciativa privada passou para pública, devem os fatos anteriores ser descritos em queixa-crime, oferecida pela vítima, ou em denúncia, proposta pelo Ministério Público? Por fim, qual a ação penal nos casos em que da violência resulta na vítima lesão grave ou morte?

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 XXSumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 1. Conceito de direito penal... 29 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal... 32 1.2. Conceito

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 Disciplina: Direito Penal II Departamento III Penal e Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 3º ano Docente Responsável: José Francisco Cagliari

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

5IJmário. Sumário PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL. Capítulo I - Introdução... 1. Conceito de direito penal...

5IJmário. Sumário PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL. Capítulo I - Introdução... 1. Conceito de direito penal... 5IJmário Sumário Nota do Autor............... PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL Capítulo I - Introdução...... 1. Conceito de direito penal........... 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

DIREITO PENAL ÍNDICE. CAPÍTULO 03... 34 Concurso de Crimes... 34 Concurso Material...34 Concurso Formal...34 Crime Continuado...35

DIREITO PENAL ÍNDICE. CAPÍTULO 03... 34 Concurso de Crimes... 34 Concurso Material...34 Concurso Formal...34 Crime Continuado...35 DIREITO PENAL ÍNDICE CAPÍTULO 01... 7 Introdução ao Direito Penal e Aplicação da Lei Penal... 7 Introdução ao Estudo do Direito Penal...7 Teoria do Crime...8 Princípio da Legalidade (Anterioridade - Reserva

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4.

SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4. SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4. Dogmática penal, criminologia e política criminal 1.5. Direito Penal objetivo

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ÍNDICE

LÍNGUA PORTUGUESA ÍNDICE LÍNGUA PORTUGUESA ÍNDICE CAPÍTULO 01... 11 Níveis de Análise da Língua... 11 Morfologia - 10 Classes de Palavras... 11 Artigo...11 Adjetivo...12 Advérbio...15 Conjunção...15 Interjeição...17 Numeral...17

Leia mais

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 Sumário Lista de abreviaturas 25 Apresentação 31 Introdução 35 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 1.1. Do surgimento do Instituto 41 1.2. O Instituto na legislação

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito criminal? 1.4. Código penal (Decreto-lei 2.848, de 7

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13-

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DE FORMAÇÃO FUNDAMENTAL,

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO PARA INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA

O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO PARA INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA EDITAL Nº 018/2011 O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO PARA INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA,no uso de suas atribuições legais, torna público os Pontos da Prova Oral do Concurso

Leia mais

CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940.

CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: Anterioridade da lei PARTE

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL (D-11) Área: Ciências Sociais Período: Segundo Turno: matutino/noturno Ano: 2013-1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04

Leia mais

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

Parte I - Conceitos Fundamentais, 1

Parte I - Conceitos Fundamentais, 1 Parte I - Conceitos Fundamentais, 1 1 O Estado e o poder-dever de punir, 3 1 O Estado e o direito, 3 1.1 Explicação preliminar, 3 1.2 Identidade entre Direito e Estado: a tese de Kelsen, 4 1.3 Distinção

Leia mais

Fonte significa a origem de algo. Fonte do Direito Penal significa a origem do direito penal (como surge, como nasce o direito penal).

Fonte significa a origem de algo. Fonte do Direito Penal significa a origem do direito penal (como surge, como nasce o direito penal). NOÇÕES GERAIS Antes de entrarmos no estudo das principais questões sobre o Direito Penal, é necessário conhecermos algumas noções básicas desse ramo do direito, que são imprescindíveis para a correta compreensão

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade...

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... Sumário Título I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL Capítulo I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... 35 Capítulo II APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL

Leia mais

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito.

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-09 PERÍODO: 3 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I NOME DO CURSO: DIREITO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 2. EMENTA Introdução:

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS.

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS. 1. PRINCÍPIOS. Princípio da Legalidade: os tipos penais só podem ser criados através de lei em sentido estrito. Princípio da Anterioridade: a lei penal só pode ser aplicada quando tem origem ANTES da conduta

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira QUESTÕES PROCESSO PENAL 1- É possível a incomunicabilidade do indiciado na atual conjuntura constitucional brasileira? Segundo o art.

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL TEORIA DO CRIME 2 Teoria do crime INFRAÇÃO PENAL; Critério bipartido; Art. 1 da LICP Crime é infração penal

Leia mais

Prova: PC-SP - 2011 - PC-SP - Delegado de Polícia Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura;

Prova: PC-SP - 2011 - PC-SP - Delegado de Polícia Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura; Prova: FGV - 2012 - OAB - Exame de Ordem Unificado - IX - Primeira Fase Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura; Com relação à Convenção Interamericana

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I (1ª PARTE- TEORIA DO CRIME) NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Ciências Penais,

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17 Direito Processual Penal Militar - 4ª Edição SUMÁRIO CAPÍTULO I Princípios... 13 1 Princípios aplicados no processo penal militar... 13 2 Lei do processo penal militar e sua aplicação... 15 3 Aplicação

Leia mais

Resumo PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO

Resumo PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO Fases de aplicação da pena: 1ª) Fixação da pena-base: artigo 59 do CP; Resumo PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO 2ª) Sobre a pena-base, o juiz busca a pena intermediária: arts. 61/62 (circunstâncias agravantes)

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina

Plano de Ensino de Disciplina UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito Departamento de Direito e Processo Penal Plano de Ensino de Disciplina DISCIPLINA: DIREITO PE AL I CÓDIGO: DIN101 PRÉ-REQUISITO: DIT027 DEPARTAMENTO:

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Crimes da lei de tóxicos: (Lei 6368, de 21 de outubro de 1976)...

ÍNDICE. Apresentação. Crimes da lei de tóxicos: (Lei 6368, de 21 de outubro de 1976)... ÍNDICE Apresentação. Crimes da lei de tóxicos: (Lei 6368, de 21 de outubro de 76)... Aspectos gerais H""""""""""""""""""""""" H H Lei penal em branco H"""" H""""" H""" H.. H"""""'" H "Abolitiocriminis"

Leia mais

As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade.

As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade. Programa de DIREITO PENAL II 3º período: 80h/a Aula: Teórica EMENTA As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade. OBJETIVOS Habilitar o futuro

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II II 2ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 II Acessem!!!!!! www.rubenscorreiajr.blogspot.com 2 1 O : É o conjunto de atos cronologicamente concatenados (procedimentos), submetido a princípios e regras

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo ESPÉCIES DE PRISÃO: 1. P. Penal sentença condenatória transitada em julgado 2. P. Processuais, cautelares ou provisórias antes da formação da culpa

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal Direito Penal 1. Apresentação José Nabuco Filho: Advogado criminalista em São Paulo, mestre em Direito Penal 1 (UNIMEP), professor de Direito Penal desde 2000. Na Universidade São Judas Tadeu, desde 2011,

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade Milton Campos Curso: Direito Departamento: Ciências Penais FACULDADE MILTON CAMPOS Disciplina: Direito Processual Penal II Carga Horária: 80 h/a Área: Direito PLANO DE ENSINO EMENTA Atos processuais:

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa

SUMÁRIO. Língua Portuguesa Língua Portuguesa Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados... 3 Reconhecimento de tipos e gêneros textuais... 12 Domínio da ortografia oficial... 23 Domínio dos mecanismos de coesão textual

Leia mais

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução:

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução: 1 PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal 1. Introdução: - Teoria da dupla imputação art. 225, 3º 1, CF. - STF RE 628582. - INF 639, J.

Leia mais

MINISTERIO DA EDUACAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACUDADE DE DIREITO COLEGIADO DO CURSO

MINISTERIO DA EDUACAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACUDADE DE DIREITO COLEGIADO DO CURSO MINISTERIO DA EDUACAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACUDADE DE DIREITO COLEGIADO DO CURSO CRITÉRIOS DE REINGRESSO E TRANSFERÊNCIA PARA O ANO LETIVO DE 2012 Os critérios foram aprovados em Ad Referendum

Leia mais

Mini Curículo: Graduado pela UNIT (2002), pós-graduado em Direito

Mini Curículo: Graduado pela UNIT (2002), pós-graduado em Direito Contatos: Site: www.diogocalasans.com E-mail: contato@diogocalasans.com Facebook: www.facebook.com/ diogocalasans Twitter: http://twitter.com/@diogocalasans 1 Mini Curículo: Graduado pela UNIT (2002),

Leia mais

SUMÁRIO. NOTAÀ9. a EDIÇÃO... LISTA DE ABREVIATURAS... INTRODUÇÃO...

SUMÁRIO. NOTAÀ9. a EDIÇÃO... LISTA DE ABREVIATURAS... INTRODUÇÃO... SUMÁRIO NOTAÀ9. a EDIÇÃO... 5 LISTA DE ABREVIATURAS................................. 13 INTRODUÇÃO... 17 l. PROTEÇÃO JURÍDICA DO MEIO AMBIENTE... 19 l.1 Meio ambiente. Breves considerações...... 19 l.2

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES DIREITO PENAL Apostila 01 Assunto 01: Conceito, aplicação ão, fontes Assunto 02: Crimes: definição ão, sujeitos, formas de punição Profº.. HEBER LIMA NEVES A lei penal deve ser clara, precisa, atual e

Leia mais

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ÁREA CRIMINAL CRIMES CONTRA OS COSTUMES 1. CRIMES CONTRA OS COSTUMES. ESTUPRO E ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. TODAS AS FORMAS. CRIMES HEDIONDOS.

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais

Concurso Virtual LTDA

Concurso Virtual LTDA Concurso Virtual LTDA Banca Virtual Simulado Virtual para Ingresso no Quadro Permanente dos Serviços Auxiliares do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro Edital Virtual O Presidente da Comissão

Leia mais

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências Jurídicas e Ciências Sociais DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3 Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA 2013 2 DÉBORA DE

Leia mais

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável 1. O FATO TÍPICO 1 CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável Elementos do FATO TÍPICO: FATO TÍPICO 1) CONDUTA DOLOSA OU CULPOSA Conceito: É fato material que se amolda perfeitamente aos elementos constantes

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL LEGISLAÇÃO PERTINENTE AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL; RESPONSABILIDADE ÉTICA; RESPONSABILIDADE TÉCNICA; REPONSABILIDADE CIVIL; RESPONSABILIDADE

Leia mais

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença:

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: 1. Qualidade da redação: 1.1. Com observância, inclusive, de ortografia e gramática além de completo domínio do vernáculo. 1.2. Valor: 2,0

Leia mais

Sumário. Palavras Prévias (Apresentação da 10ª edição)... 21 Prefácio... 27 Apresentação... 25

Sumário. Palavras Prévias (Apresentação da 10ª edição)... 21 Prefácio... 27 Apresentação... 25 Sumário Palavras Prévias (Apresentação da 10ª edição)... 21 Prefácio... 27 Apresentação... 25 Capítulo I Introdução ao Direito Civil... 29 1. Noções Conceituais sobre o Direito... 29 2. Acepções da Palavra

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

Ementário do curso de

Ementário do curso de Introdução ao Estudo de I Fase: I Carga Horária: 60 h/a Créditos: 04 A sociedade. e ordem jurídica. Conceito de justiça. e moral. Fontes do. Positivo. objetivo e subjetivo. Público e Privado. Capacidade

Leia mais

CADERNO 1 - ADMINISTRATIVO > MINISTÉRIO PÚBLICO > PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA > SECRETARIA GERAL EDITAL Nº 006/2016

CADERNO 1 - ADMINISTRATIVO > MINISTÉRIO PÚBLICO > PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA > SECRETARIA GERAL EDITAL Nº 006/2016 Diário nº 1589 de 15 de janeiro de 2016 CADERNO 1 - ADMINISTRATIVO > MINISTÉRIO PÚBLICO > PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA > SECRETARIA GERAL EDITAL Nº 006/2016 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA

Leia mais