Sumário NOTA DO AUTOR PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29"

Transcrição

1 XXSumário NOTA DO AUTOR PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO Conceito de direito penal Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal Conceito de Direito: limites de um conceito Conceito de Direito: o Direito não existe Leis são necessárias? Direito e arte Direito: uma ficção? Direito penal, criminologia e política criminal Direito penal e política criminal: há distinção realmente? Direito penal e controle social Direito penal e moral Deus e o Direito Caráter subsidiário do direito penal Caráter fragmentário do direito penal Ilícito penal e ilícito não penal Legislação especial Sobre a legislação em vigor Contagem dos prazos penais e processuais penais PRINCÍPIOS PENAIS Introdução Bem jurídico Princípio da legalidade e irretroatividade da norma penal mais severa. Nullum crimen, nulla poena sine praevia lege Princípio da taxatividade (certeza ou determinação) Princípios da anterioridade e da irretroatividade da lei penal Leis penais em branco e princípio da reserva legal Princípio da proporcionalidade (em sentido amplo)

2 Paulo Queiroz Princípio da necessidade (nullum crimen, nulla poena sine necessitate) Princípio da adequação (ou exigibilidade ou idoneidade) Princípio da proporcionalidade das penas (proporcionalidade em sentido estrito) O princípio ne bis in idem Princípio da insignificância Princípio da humanidade Princípio da responsabilidade pessoal ou de culpabilidade Princípio de lesividade (ou ofensividade) Princípio da igualdade (ou isonomia) Direito e Interpretação Introdução Interpretar é compreender e argumentar O chamado círculo hermenêutico Limites da interpretação Interpretação e garantismo Prevalência da Constituição Existe a resposta juridicamente correta? Direito e analogia Analogia e interpretação analógica? Concurso de TIPOS penais ou conflito aparente denormas Introdução Princípio da especialidade Princípio da subsidiariedade Princípio da consunção ou absorção Crime complexo ou composto Crime progressivo e progressão criminosa em sentido estrito Primazia do princípio da especialidade A LEI PENAL NO TEMPO Princípio da legalidade e consectários lógicos: anterioridade e irretroatividade da lei penal mais severa Introdução Hipóteses de irretroatividade Neocriminalização (novatio legis incriminadora) Lei nova mais severa (novatio legis in pejus) Irretroatividade da jurisprudência? Hipóteses de retroatividade

3 3.1. Descriminalização (abolitio criminis) Abolitio criminis temporalis? Lei penal mais branda (novatio legis in mellius) Combinação de leis penais (lex tertia)? Sucessão de leis penais: a lei intermediária Lei temporária e excepcional Irretroatividade da lei processual Irretroatividade da Lei de Execução Penal Leis penais em branco Aplicação da lei e vacatio legis Tempo do crime A LEI PENAL NO ESPAÇO Introdução Conceito de território Lugar do crime Extraterritorialidade Pena cumprida no estrangeiro Eficácia da sentença penal estrangeira Imunidade diplomática Extradição Extradição x entrega PARTE 2 TEORIA DO DELITO 01 INTRODUÇÃO GERAL Conceito e instrumentalidade da teoria do delito Crítica da razão técnico-jurídica Funcionalismo (sistema racional-final, teleológico ou funcional) Evolução da teoria do delito: causalismo, finalismo e funcionalismo Introdução A teoria causal da ação (causalismo ou naturalismo) A teoria final da ação (finalismo) Funcionalismo Responsabilidade penal da pessoa jurídica Responsabilidade penal da pessoa jurídica no STJ Responsabilidade penal da pessoa jurídica no STF

4 Paulo Queiroz O2 CONCEITO DE CRIME Introdução Posse de droga para consumo pessoal: descriminalização ou despenalização? Conceito doutrinário de crime Conceito analítico de crime Tipicidade Expansão do conceito de tipicidade Ilicitude Culpabilidade Relação entre os conceitos definitorial e analítico de crime Elementos não valorativos do tipo? EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE TIPO Sistema tripartido: o tipo como indício de antijuridicidade Sistema bipartido: a teoria dos elementos negativos do tipo Posição aqui adotada: teoria dos elementos negativos do tipo (sistema bipartido) Teoria da tipicidade conglobante Para uma configuração monista-funcional da teoria do delito Culpabilidade como exigibilidade, tendo em vista os fins de prevenção geral e especial CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES Crimes dolosos, culposos e preterdolosos Crimes materiais, formais e de mera conduta Crimes comissivos, omissivos próprios e omissivos impróprios Crimes comuns e especiais Crimes principais e acessórios Crimes instantâneos, permanentes e de estado Crimes simples e compostos ou complexos Crimes de dano e de perigo Constitucionalidade dos crimes de perigo abstrato Crimes unissubjetivos e plurissubjetivos Crimes de ação única e de ação múltipla Crimes habituais CAUSALIDADE E IMPUTAÇÃO OBJETIVA

5 1. Introdução Teoria da equivalência dos antecedentes causais ou da conditio sine qua non Alcance Interrupção do processo causal Causas absoluta e relativamente independentes Causas absoluta e relativamente independentes: irrelevância da distinção Causa superveniente relativamente independente Crítica à teoria da equivalência dos antecedentes causais Relação causal nos crimes omissivos Crimes omissivos próprios e omissivos impróprios: distinção Causalidade nos crimes omissivos impróprios: requisitos Dolo e culpa nos crimes omissivos Inconstitucionalidade dos crimes omissivos impróprios? A moderna teoria da imputação objetiva Significado e posição sistemática Conceito de risco permitido Crítica à teoria da imputação objetiva Conclusão TEORIA DO DOLO Introdução Dolo: conceito e elementos Espécies Dolo eventual e culpa consciente Dolo eventual e culpa consciente: teorias Dolo e consciência da ilicitude: dolo normativo versus dolo natural Conceito que adotamos: dolo é dolus malus Atualidade do dolo Elementos subjetivos do tipo? Crime qualificado pelo resultado: preterdolo ou preterintencionalidade Inconstitucionalidade dos crimes qualificados pelo resultado? Ausência de dolo: erro de tipo Erro de tipo ou erro de proibição? Espécies de erro de tipo: erro inevitável e evitável Ausência do conhecimento da ilicitude do fato: erro de proibição Conceito Espécies de erro: inevitável e evitável

6 Paulo Queiroz Posição sistemática Desconhecimento da lei e desconhecimento da ilicitude do fato: distinção Objeto da consciência da ilicitude Divisibilidade do erro Erro sobre causas de justificação (descriminantes putativas) Conceito Espécies: erro inevitável e evitável Descriminantes putativas por erro de proibição Posição sistemática Unificação dos erros Erro provocado por terceiro Erro sobre a pessoa (error in persona) e aberratio ictus Erro sobre a pessoa e processo penal Crítica da teoria da equivalência Resultado diverso do pretendido (aberratio delicti) TEORIA DO CRIME CULPOSO Introdução Excepcionalidade do crime culposo Conceito de culpa: requisitos Princípio da confiança Estrutura do crime culposo Estrutura do crime culposo: excludentes de ilicitude e culpabilidade Espécies: culpa consciente e culpa inconsciente Imprudência, negligência e imperícia Autocolocação em perigo CONSUMAÇÃO E TENTATIVA Introdução Crime consumado: significado Consumação nos crimes materiais, formais, de mera conduta e outros Consumação e exaurimento Tentativa: conceito e requisitos Tentativa e dolo eventual: incompatibilidade? Preparação e tentativa: distinção Crimes que não admitem tentativa Punição da tentativa: fundamento político-criminal

7 4.5. Tentativa e princípios da ofensividade e proporcionalidade Desistência voluntária Arrependimento eficaz Posição sistemática Tentativa inidônea ou crime impossível Crime impossível em razão de Provocação de flagrante Interpretação da Súmula 145 do STF Provocação do flagrante Impossibilidade de consumação Flagrante retardado Arrependimento posterior CONCURSO DE AGENTES: AUTORIA E PARTICIPAÇÃO Introdução Conceito e iter criminis Requisito: adesão subjetiva ou nexo psicológico Desistência voluntária e arrependimento eficaz Autoria e participação: distinção Teoria unitária (ou monista) Teoria objetivo-formal Teoria subjetiva A teoria do domínio do fato A teoria do domínio do fato segundo Roxin Formas de autoria Coautoria Coautoria em crimes culposos Autoria mediata Autoria mediata por domínio de aparato organizado de poder? Participação (em sentido estrito): acessoriedade Adoção da teoria da acessoriedade extremada da participação Formas de participação: instigação e cumplicidade Coautoria e participação nos crimes omissivos Participação de menor importância Participação dolosamente diversa (ou desvio subjetivo de conduta) Comunicabilidade das circunstâncias de caráter pessoal CAUSAS DE JUSTIFICAÇÃO OU EXCLUDENTES DE ILICITUDE Introdução

8 Paulo Queiroz 2. Requisito subjetivo nas causas de justificação Excesso nas causas de justificação Efeitos Erro sobre causas de justificação Causas de justificação em espécie Legítima defesa Requisitos Estado de necessidade Significado e posição sistemática Estrito cumprimento do dever LEGAL Exercício regular de direito Consentimento válido do ofendido TEORIA DA CULPABILIDADE: CAUSAS DE EXCLUSÃO DE CULPABILIDADE Introdução Conceito e elementos Neurociência e culpabilidade Culpabilidade segundo a doutrina causalista: concepção psicológica da culpabilidade Concepção normativa da culpabilidade Culpabilidade segundo a doutrina finalista: concepção normativa pura Culpabilidade segundo o funcionalismo: culpabilidade como limite à prevenção Causas de exclusão de culpabilidade em espécie Inimputabilidade decorrente de alienação mental Significado e pressupostos Efeito Redução de pena no caso de imputabilidade diminuída Menoridade penal Coação moral irresistível (CP, art. 22) Obediência hierárquica (CP, art. 22) Embriaguez Embriaguez involuntária Embriaguez voluntária Emoção e paixão CONCURSO DE CRIMES Concurso material (ou real): pluralidade de ações e crimes

9 2. Concurso formal (ou ideal): unidade de ação e pluralidade de crimes Crime continuado: pluralidade de ações e unidade de crime Requisitos Estupro e atentado violento ao pudor na Lei nº / Pena Crime continuado específico Pena PARTE 3 CONSEQUÊNCIAS JURÍDICO-PENAIS 01 CONSEQUÊNCIAS JURÍDICO-PENAIS DO CRIME: FUNÇÕES DO DIREITO PENAL (TEORIAS DA PENA) Introdução TEORIAS LEGITIMADORAS Teorias absolutas Crítica Teorias relativas (prevenção geral e prevenção especial) ou prevencionistas Introdução Prevenção geral negativa Crítica Prevenção geral positiva Crítica Prevenção especial ou individual Crítica Teorias ecléticas (ou unitárias ou mistas) Introdução A teoria dialética unificadora de Claus Roxin O garantismo de Luigi Ferrajoli TEORIAS DESLEGITIMADORAS: ABOLICIONISMO E MINIMALISMO RADICAL Introdução O crime não existe: caráter definitorial do delito Inidoneidade preventiva ou motivadora Excepcionalidade da intervenção penal as cifras ocultas da criminalidade

10 Paulo Queiroz 1.4. Igualdade formal versus desigualdade material: seletividade arbitrária do sistema penal Caráter consequencial (sintomatológico), e não causal (etiológico), da intervenção penal Caráter criminógeno do sistema penal Reificação do conflito (do delito): neutralização da vítima pelo sistema penal O sistema penal intervém sobre pessoas e não sobre situações Conclusão PENA DE PRISÃO Falência da pena de prisão? INDIVIDUALIZAÇÃO JUDICIAL DA PENA Significado e importância Individualização da pena e pessoa jurídica Individualização e garantismo Concurso de agentes e concurso de crimes Emendatio e mutatio libelli Sistema acusatório e emendatio libelli Pode o juiz fixar pena abaixo do mínimo legal? Erros frequentes na aplicação da pena Modelo de sentença MÉTODO DE FIXAÇÃO DA PENA Primeira fase: fixação da pena-base Segunda fase: fixação da pena provisória Concurso de agravantes e atenuantes Qualificadoras e agravantes Terceira fase: fixação da pena definitiva Causas de aumento de pena e qualificadoras: distinção Limites máximos e mínimos decorrentes das causas de aumento e diminuição Concurso de causas de aumento e diminuição de pena: possibilidades DE COMO SE PROCEDE AO CÁLCULO DA PENA

11 09 MÉTODO PARA INCIDÊNCIA DAS CAUSAS DE AUMENTO E DIMINUIÇÃO CIRCUNSTÂNCIAS JUDICIAIS EM ESPÉCIE Introdução Culpabilidade Antecedentes do réu Conduta social Personalidade do réu Motivos do crime Circunstâncias e consequências do crime Comportamento da vítima SEGUNDA FASE: FIXAÇÃO DA PENA PROVISÓRIA CIRCUNSTÂNCIAS AGRAVANTES EM ESPÉCIE Introdução Reincidência Motivo fútil ou torpe Para facilitar ou assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou a vantagem de outro crime Traição, emboscada, dissimulação ou qualquer recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido Emprego de veneno, explosivo etc Embriaguez preordenada Ascendente, descendente, irmão ou cônjuge Contra criança, maior de sessenta anos, enfermo e mulher grávida Abuso de poder ou violação inerente a cargo, ofício, ministério ou profissão Ofendido sob proteção de autoridade Ocasião de incêndio, naufrágio, inundação ou qualquer calamidade pública, ou de desgraça particular do ofendido Abuso de autoridade ou prevalecimento de relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade, ou com violência contra a mulher na forma da lei específica Agravantes em concurso de pessoas Agente que promove, organiza a cooperação ou dirige a atividade dos demais agentes Agente que coage ou induz outrem à execução material do crime

12 Paulo Queiroz Agente que instiga ou determina a cometer o crime alguém sujeito à sua autoridade ou não punível em virtude de condição ou qualidade pessoal Paga ou promessa de recompensa CIRCUNSTÂNCIAS ATENUANTES EM ESPÉCIE Introdução Idade do agente Desconhecimento da lei Motivo de relevante valor social ou moral Evitação das consequências ou reparação do dano Coação resistível, cumprimento de ordem hierárquica etc Confissão espontânea Influência de multidão em tumulto, se não o provocou REGIMES PRISIONAIS Progressão e regressão de regime Regime disciplinar diferenciado Progressão nos crimes hediondos Execução provisória da sentença DETRAÇÃO Conceito e cabimento Conexão processual DIREITOS E DEVERES DO CONDENADO REMIÇÃO LIMITE MÁXIMO DA PENA DE PRISÃO Significado e justificação Alcance Superveniência de nova condenação PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS Introdução Requisitos para a substituição Vedação de pena restritiva de direito na nova Lei de Drogas

13 3. Conversão em pena privativa da liberdade Penas restritivas de direito em espécie Prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas Interdição temporária de direitos Limitação de final de semana Perda de bens e valores Prestação pecuniária Substituição por prestação de outra natureza Multa substitutiva PENA DE MULTA Significado e crítica Individualização da pena: limites máximo e mínimo Pagamento e execução da multa MEDIDAS DE SEGURANÇA Conceito e pressupostos A Lei de Reforma Psiquiátrica ou Lei Antimanicomial Finalidade Prazos máximo e mínimo Penas e medidas de segurança se distinguem realmente? Natureza jurídica da sentença Espécies Conversão regressiva e progressiva Extinção SUSPENSÃO CONDICIONAL DA EXECUÇÃO DA PENA SURSIS LIVRAMENTO CONDICIONAL Conceito e requisitos Pena igual ou superior a dois anos Cumprimento de parte da pena Reincidência específica em crime hediondo Reparação do dano Presunção de não reincidência Comportamento satisfatório etc Revogação do livramento

14 Paulo Queiroz Revogação obrigatória Revogação facultativa Efeitos da revogação Extinção da pena DA AÇÃO PENAL Conceito e legitimidade de agir Ação penal no atual crime de estupro qualificado Ação penal pública Princípios que a regem Irretratabilidade da representação Ação penal privada Renúncia do ofendido Perdão do ofendido Ação penal privada subsidiária Decadência do direito de queixa e de representação CAUSAS DE EXTINÇÃO DE PUNIBILIDADE Introdução Causas de extinção em espécie Morte do agente Anistia, graça e indulto Perempção Retratação Perdão judicial Abolitio criminis e outras Prescrição Conceito e fundamento Espécies de prescrição Prazos Causas de aumento e de diminuição de pena Reincidência Concurso de crimes Prescrição (ordinária) da pretensão punitiva Prescrição (extraordinária) retroativa e superveniente Prescrição retroativa antecipada Termo inicial da prescrição

15 Termo inicial da prescrição da pretensão punitiva Termo inicial da prescrição da pretensão executória Causas impeditivas ou suspensivas da prescrição Causas interruptivas da prescrição DOS EFEITOS DA CONDENAÇÃO Significado Efeitos genéricos Dever de indenizar Confisco em favor da União dos instrumentos e produtos do crime Efeitos específicos Perda de cargo, função pública ou mandato eletivo Incapacidade para o exercício do poder familiar, tutela ou curatela Inabilitação para dirigir veículo REABILITAÇÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

5IJmário. Sumário PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL. Capítulo I - Introdução... 1. Conceito de direito penal...

5IJmário. Sumário PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL. Capítulo I - Introdução... 1. Conceito de direito penal... 5IJmário Sumário Nota do Autor............... PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL Capítulo I - Introdução...... 1. Conceito de direito penal........... 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21

Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21 Sumário Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21 Prefácio de um Amigo-Editor a um Amigo-Autor... 25 PARTE 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL CAPÍTULO 1 NOÇÕES GERAIS DE DIREITO PENAL... 29 1. Definição... 29 2. Direito

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 Disciplina: Direito Penal II Departamento III Penal e Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 3º ano Docente Responsável: José Francisco Cagliari

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4.

SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4. SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4. Dogmática penal, criminologia e política criminal 1.5. Direito Penal objetivo

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13-

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DE FORMAÇÃO FUNDAMENTAL,

Leia mais

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 Sumário Lista de abreviaturas 25 Apresentação 31 Introdução 35 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 1.1. Do surgimento do Instituto 41 1.2. O Instituto na legislação

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito criminal? 1.4. Código penal (Decreto-lei 2.848, de 7

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto

Leia mais

O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO PARA INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA

O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO PARA INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA EDITAL Nº 018/2011 O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO PARA INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA,no uso de suas atribuições legais, torna público os Pontos da Prova Oral do Concurso

Leia mais

Parte I - Conceitos Fundamentais, 1

Parte I - Conceitos Fundamentais, 1 Parte I - Conceitos Fundamentais, 1 1 O Estado e o poder-dever de punir, 3 1 O Estado e o direito, 3 1.1 Explicação preliminar, 3 1.2 Identidade entre Direito e Estado: a tese de Kelsen, 4 1.3 Distinção

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal Direito Penal 1. Apresentação José Nabuco Filho: Advogado criminalista em São Paulo, mestre em Direito Penal 1 (UNIMEP), professor de Direito Penal desde 2000. Na Universidade São Judas Tadeu, desde 2011,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL (D-11) Área: Ciências Sociais Período: Segundo Turno: matutino/noturno Ano: 2013-1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I (1ª PARTE- TEORIA DO CRIME) NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Ciências Penais,

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina

Plano de Ensino de Disciplina UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito Departamento de Direito e Processo Penal Plano de Ensino de Disciplina DISCIPLINA: DIREITO PE AL I CÓDIGO: DIN101 PRÉ-REQUISITO: DIT027 DEPARTAMENTO:

Leia mais

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito.

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-09 PERÍODO: 3 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I NOME DO CURSO: DIREITO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 2. EMENTA Introdução:

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

DIREITO PENAL ÍNDICE. CAPÍTULO 03... 34 Concurso de Crimes... 34 Concurso Material...34 Concurso Formal...34 Crime Continuado...35

DIREITO PENAL ÍNDICE. CAPÍTULO 03... 34 Concurso de Crimes... 34 Concurso Material...34 Concurso Formal...34 Crime Continuado...35 DIREITO PENAL ÍNDICE CAPÍTULO 01... 7 Introdução ao Direito Penal e Aplicação da Lei Penal... 7 Introdução ao Estudo do Direito Penal...7 Teoria do Crime...8 Princípio da Legalidade (Anterioridade - Reserva

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ÁREA CRIMINAL CRIMES CONTRA OS COSTUMES 1. CRIMES CONTRA OS COSTUMES. ESTUPRO E ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. TODAS AS FORMAS. CRIMES HEDIONDOS.

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL TEORIA DO CRIME 2 Teoria do crime INFRAÇÃO PENAL; Critério bipartido; Art. 1 da LICP Crime é infração penal

Leia mais

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ÍNDICE

LÍNGUA PORTUGUESA ÍNDICE LÍNGUA PORTUGUESA ÍNDICE CAPÍTULO 01... 11 Níveis de Análise da Língua... 11 Morfologia - 10 Classes de Palavras... 11 Artigo...11 Adjetivo...12 Advérbio...15 Conjunção...15 Interjeição...17 Numeral...17

Leia mais

CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940.

CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: Anterioridade da lei PARTE

Leia mais

MINISTERIO DA EDUACAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACUDADE DE DIREITO COLEGIADO DO CURSO

MINISTERIO DA EDUACAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACUDADE DE DIREITO COLEGIADO DO CURSO MINISTERIO DA EDUACAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACUDADE DE DIREITO COLEGIADO DO CURSO CRITÉRIOS DE REINGRESSO E TRANSFERÊNCIA PARA O ANO LETIVO DE 2012 Os critérios foram aprovados em Ad Referendum

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade Milton Campos Curso: Direito Departamento: Ciências Penais FACULDADE MILTON CAMPOS Disciplina: Direito Processual Penal II Carga Horária: 80 h/a Área: Direito PLANO DE ENSINO EMENTA Atos processuais:

Leia mais

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS.

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS. 1. PRINCÍPIOS. Princípio da Legalidade: os tipos penais só podem ser criados através de lei em sentido estrito. Princípio da Anterioridade: a lei penal só pode ser aplicada quando tem origem ANTES da conduta

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 27 Guia de leitura da Coleção... 29. Parte I INTRODUÇÃO

Coleção Sinopses para Concursos... 27 Guia de leitura da Coleção... 29. Parte I INTRODUÇÃO Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 27 Guia de leitura da Coleção... 29 Parte I INTRODUÇÃO Capítulo I DIREITO PENAL... 33 1. Conceito de Direito Penal... 33 1.1. Conceito formal... 33 1.2. Conceito

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade...

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... Sumário Título I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL Capítulo I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... 35 Capítulo II APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL

Leia mais

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira QUESTÕES PROCESSO PENAL 1- É possível a incomunicabilidade do indiciado na atual conjuntura constitucional brasileira? Segundo o art.

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Crimes da lei de tóxicos: (Lei 6368, de 21 de outubro de 1976)...

ÍNDICE. Apresentação. Crimes da lei de tóxicos: (Lei 6368, de 21 de outubro de 1976)... ÍNDICE Apresentação. Crimes da lei de tóxicos: (Lei 6368, de 21 de outubro de 76)... Aspectos gerais H""""""""""""""""""""""" H H Lei penal em branco H"""" H""""" H""" H.. H"""""'" H "Abolitiocriminis"

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

SUMÁRIO. NOTAÀ9. a EDIÇÃO... LISTA DE ABREVIATURAS... INTRODUÇÃO...

SUMÁRIO. NOTAÀ9. a EDIÇÃO... LISTA DE ABREVIATURAS... INTRODUÇÃO... SUMÁRIO NOTAÀ9. a EDIÇÃO... 5 LISTA DE ABREVIATURAS................................. 13 INTRODUÇÃO... 17 l. PROTEÇÃO JURÍDICA DO MEIO AMBIENTE... 19 l.1 Meio ambiente. Breves considerações...... 19 l.2

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2012 PREFÁCIO Publiquei em 1998 o Direito Penal Português, II, Teoria do

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

CADERNO 1 - ADMINISTRATIVO > MINISTÉRIO PÚBLICO > PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA > SECRETARIA GERAL EDITAL Nº 006/2016

CADERNO 1 - ADMINISTRATIVO > MINISTÉRIO PÚBLICO > PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA > SECRETARIA GERAL EDITAL Nº 006/2016 Diário nº 1589 de 15 de janeiro de 2016 CADERNO 1 - ADMINISTRATIVO > MINISTÉRIO PÚBLICO > PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA > SECRETARIA GERAL EDITAL Nº 006/2016 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA

Leia mais

I - TEORIA GERAL DO DIREITO

I - TEORIA GERAL DO DIREITO Direito Penal Parte Geral Sumário Direito Penal - Série Objetiva Título I - TEORIA GERAL DO DIREITO Capítulo I Noções introdutórias 1. Conceito de Direito Penal... 41 2. Denominação... 41 3. Posição enciclopédica

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES DIREITO PENAL Apostila 01 Assunto 01: Conceito, aplicação ão, fontes Assunto 02: Crimes: definição ão, sujeitos, formas de punição Profº.. HEBER LIMA NEVES A lei penal deve ser clara, precisa, atual e

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE CRIMES

TEMA: CONCURSO DE CRIMES TEMA: CONCURSO DE CRIMES 1. INTRODUÇÃO Ocorre quando um mesmo sujeito pratica dois ou mais crimes. Pode haver um ou mais comportamentos. É o chamado concursus delictorum. Pode ocorrer entre qualquer espécie

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

Concurso Virtual LTDA

Concurso Virtual LTDA Concurso Virtual LTDA Banca Virtual Simulado Virtual para Ingresso no Quadro Permanente dos Serviços Auxiliares do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro Edital Virtual O Presidente da Comissão

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

DIREITO PENAL II PROGRAMA. 3º Ano, Turma da Noite

DIREITO PENAL II PROGRAMA. 3º Ano, Turma da Noite DIREITO PENAL II PROGRAMA 3º Ano, Turma da Noite Professor Doutor João Curado Neves Professora Doutora Carlota Pizarro Almeida I A. A teoria geral do crime: validade e funções B. Evolução histórica da

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa

SUMÁRIO. Língua Portuguesa Língua Portuguesa Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados... 3 Reconhecimento de tipos e gêneros textuais... 12 Domínio da ortografia oficial... 23 Domínio dos mecanismos de coesão textual

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Ponto 1 - Das pessoas naturais. Das pessoas jurídicas. Direitos da personalidade. Desconsideração da Personalidade Jurídica. Do domicílio. - Princípios e conceitos gerais do Código de Defesa do Consumidor

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 4 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I I (2ª PARTE TEORIA DA PENA) NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Das Penas:

Leia mais

CDs Atualizado em 08-Mar-2011

CDs Atualizado em 08-Mar-2011 CDs Atualizado em 08-Mar-2011 Informações : info@proconsciencia.com.brâ Loja virtual: Â http://www.marcosdearaujo.com.br/index.php?option=com_virtuemart&page=shop.browse&category_id=2&itemid=6 Remetemos

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

Embriaguez e Responsabilidade Penal

Embriaguez e Responsabilidade Penal Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que

Leia mais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais Capítulo II Princípios penais e político-criminais Sumário 1. Princípio da legalidade penal: 1.1. Previsão; 1.2. Origem; 1.3. Denominação e alcance; 1.4. Funções 2. Princípio da fragmentariedade 3. Princípio

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução:

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução: 1 PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal 1. Introdução: - Teoria da dupla imputação art. 225, 3º 1, CF. - STF RE 628582. - INF 639, J.

Leia mais

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Conceito. Causa. É elemento do fato típico. É o vínculo entre conduta e resultado. O estudo da causalidade busca concluir se o resultado decorreu da conduta

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL SIDIO ROSA DE MESQUITA JÚNIOR http://www.sidio.pro.br http://sidiojunior.blogspot.com sidiojunior@gmail.com IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

Leia mais

DICAS DE DIREITO PENAL. Parte Geral. - art. 5º, XXXIX, XL, XLII, XLIII, XLIV, XLV, XLVI, XLVII, CF

DICAS DE DIREITO PENAL. Parte Geral. - art. 5º, XXXIX, XL, XLII, XLIII, XLIV, XLV, XLVI, XLVII, CF DICAS DE DIREITO PENAL Parte Geral - art. 5º, XXXIX, XL, XLII, XLIII, XLIV, XLV, XLVI, XLVII, CF - diferenciar meios de INTERPRETAÇÃO da lei penal e MEIOS DE INTEGRAÇÃO da lei penal - princípio da legalidade

Leia mais