TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO"

Transcrição

1 TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas uma pessoa, são realizados por só uma pessoa. Mas pode ocorrer de vários agentes praticarem o crime. Não é raro, pelos seguintes motivos: pode assegurar a execução do crime (êxito do empreendimento delituoso); impunidade; proveito coletivo do resultado do crime; circunstâncias pessoais; Pode ocorrer desde a elaboração intelectual até a consumação do delito. RESPONDEM PELO ILÍCITO O QUE AJUDOU A PLANEJÁ-LO, O QUE FORNECEU OS MEIOS MATERIAIS PARA A EXECUÇÃO, O QUE INTERVÉM NA EXECUÇÃO E MESMO OS QUE COLABORAM NA CONSUMAÇÃO DO DELITO ; CP anteriores: o CP de 1940 falava em co-autoria, que apenas é espécie do gênero codelinqüência; o CP 1969 CONCURSO DE AGENTES o CP 1984 CONCURSO DE PESSOAS (agentes abrange também agentes físicos, que causam modificação no mundo exterior). DISTINÇÃO ENTRE CRIMES PLURISSUBJETIVOS (concurso necessário de pessoas) E UNISSUBJETIVOS (concurso eventual): o UNISSUBJETIVOS (possível de ser executado por uma só pessoa). Ex: homicídio, furto, roubo etc. o PLURISSUBJETIVOS (só podem ser cometidos por duas ou mais pessoas). Ex: Bigamia - 235, antigo adultério - 240, rixa - 137, quadrilha ou bando mais de 3, etc. CONCEITO: Concurso de pessoas é a ciente e voluntária participação de duas ou mais pessoas na mesma infração penal (Mirabete).

2 TEORIAS SOBRE O CONCURSO DE PESSOAS Teoria Pluralística: Para cada participante corresponde uma conduta própria, um elemento psicológico próprio e um resultado próprio. Haverá tantos crimes quanto for o número de agentes. É uma teoria subjetiva. Crítica: A ação de cada um dos agentes converge para uma ação única, por isso não corresponde a atividade autônoma. Objetivos e resultados são os mesmos. Teoria Dualística: Aqui haveria 2 crimes: Autores (Co-autores): Realizam a atividade principal (núcleo, verbo); Partícipes: Realizam atividade secundária, não a conduta nuclear descrita no tipo penal. Crítica: Mesmo com a concepção dupla, o crime continua sendo um só. Ocorre até da ação do autor ser menos importante que do partícipe. Teoria Monística/Unitária: Não distingue autor/partícipe, nem instigação e cumplicidade. Todo aquele que concorre para o crime causa-o em sua totalidade e por ele responde integralmente. CRIME UNO E INDIVISÍVEL. BRASIL: Desde o CP de 40 adotou esta teoria. No entanto, distingue a punibilidade entre autoria e participação. Regra: caput, 29 (teoria monística). Exceção: 1.º (teoria dualística). Fala-se então em TEORIA UNITÁRIA/MONISTA/MONÍSTICA TEMPERADA (MISTA) João Mestieri.

3 CAUSALIDADE FÍSICA E PSÍQUICA Com relação ao concurso, como visto, a teoria da equivalência das condições (conditio sine qua non) auxilia. Mas é um elemento material, objetivo do concurso. Deve haver também um elemento subjetivo. Deve haver a consciência, a vontade de participar da empreitada criminosa. Não precisa haver acordo prévio. Pode até ser desconhecida do verdadeiro autor. Ex: alguém quer matar pessoa de difícil acesso. Outro escuta e libera os caminhos. Mas a adesão deve ser com relação à ação e ao resultado. DEVE HAVER, PORTANTO, CAUSALIDADE FÍSICA E PSÍQUICA (liame subjetivo). Ex: empresta arma para matar alguém e instiga: a pessoa não mata e não altera sua vontade sem causalidade física; esquece a porta aberta e facilita o homicídio - sem liame subjetivo. REQUISITOS DO CONCURSO DE PESSOAS PLURALIDADE DE PARTICIPANTES E DE CONDUTAS; RELEVÂNCIA CAUSAL DE CADA CONDUTA; VÍNCULO SUBJETIVO ENTRE OS PARTICIPANTES; IDENTIDADE DE INFRAÇÃO PENAL. AUTORIA Não só quem pratica o núcleo do tipo penal, como também que se serve de outra pessoa como instrumento (autoria mediata). Pode ocorrer de mais de uma pessoa praticar a mesma infração penal. Se ignora que colabora, trata-se de co-autoria colateral. Se consciente e voluntariamente adere ao empreendimento criminoso:

4 Atos de execução Co-autoria Instiga, induz ou auxilia Participação CONCEITO DE AUTOR TEORIAS CONCEITO RESTRITO DE AUTOR (OBJETIVA): Autor é quem pratica a conduta nuclear do tipo penal. Nem todo que interpõe uma causa realiza o tipo penal, já que causação não é realização do delito. Assim, participação, instigação e cumplicidade são causas de extensão da punibilidade. o TEORIA OBJETIVO-FORMAL: Leva em consideração características exteriores do agir, a conformidade da ação com a descrição formal do tipo. Autor é aquele cujo comportamento se amolda ao tipo penal. Partícipe é quem contribui de qualquer outra forma. o TEORIA OBJETIVO-MATERIAL: Nem sempre o tipo penal descreve com clareza o tipo de ação, especialmente em crimes de resultado. O critério seria a maior perigosidade do autor com relação ao partícipe. Desconsiderando o critério subjetivo e sendo difícil diferenciar causa e condição, esse critério foi abandonado. CONCEITO EXTENSIVO DE AUTOR (SUBJETIVA): Leva em consideração a teoria da equivalência das condições, não distinguindo autoria de participação. Assim, p. ex., cúmplice e instigador seriam autores. Mas há tratamento diferenciado, que esta teoria classifica como sendo causas de restrição ou limitação da punibilidade. Assim, a teoria deve ser aplicada somando-se a um critério subjetivo (teoria subjetiva da participação) autor vontade de ser autor (quer o fato como próprio animus auctoris); partícipe vontade de ser partícipe (quer o fato como alheio animus socii). TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO: diferencia autor de executor. Facilita o instituto da co-autoria e da autoria mediata. Ao contrário das outras teorias, ela é objetivosubjetiva. AUTOR É QUEM TEM O PODER DE DECISÃO SOBRE A REALIZAÇÃO OU PARALISAÇÃO DO FATO. É QUEM EXECUTA A AÇÃO TÍPICA OU SE UTILIZA DE OUTREM, COMO INSTRUMENTO (AUTORIA MEDIATA). CONSEQÜÊNCIAS:

5 1. A REALIZAÇÃO PESSOAL E PLENAMENTE RESPONSÁVEL DE TODOS OS ELEMENTOS DO TIPO FUNDAMENTAM SEMPRE A AUTORIA; 2. AUTOR É QUEM EXECUTA O FATO UTILIZANDO A OUTREM COMO INSTRUMENTO (AUTORIA MEDIATA); 3. É AUTOR O CO-AUTOR QUE REALIZA UMA PARTE NECESSÁRIA DO PLANO GLOBAL ( DOMÍNIO FUNCIONAL DO FATO), EMBORA NÃO SEJA UM FATO TÍPICO, DESDE QUE INTEGRE A RESOLUÇÃO DELITIVA COMUM. Esta teoria aplica-se aos crimes dolosos (no culposo se perde o domínio do fato). Delito doloso: conceito restritivo (teoria objetivo-formal) + teoria do domínio do fato; Delito culposo: conceito unitário de autor (não distingue autoria de participação). AUTORIA MEDIATA Autor mediato é quem realiza o tipo penal servindo-se, para execução da ação típica, de outra pessoa como instrumento. O outro atua sem culpabilidade. Não ocorre quando: 1. O terceiro não é instrumento, mas autor plenamente responsável (dolo o autor mediato pode ser, no máximo, co-autor ou partícipe); 2. Nos tipos de mão-própia, que exigem a realização corporal da ação típica pelo autor; 3. Nos tipos especiais próprios, que exigem autores com qualificação especial; 4. Nos tipos culposos, por ausência de domínio do fato. Hipóteses em que ocorre a autoria mediata, quando ao autor atua em: a) erro; b) sem dolo; c) conforme o direito; d) sem capacidade de culpabilidade;

6 e) em erro de proibição inevitável; f) sem liberdade por força de coação ou de obediência hierárquica; g) sem intenção especial. Os pressupostos de punibilidade devem estar no autor mediato. Crimes especiais ou próprios: possível, desde que o autor mediato reunia as condições exigidas pelo tipo; CO-AUTORIA É A REALIZAÇÃO CONJUNTA, POR MAIS DE UMA PESSOA, DE UMA MESMA INFRAÇÃO PENAL. Não precisa de acordo prévio. A consciência de que atua em uma unidade delitiva é suficiente para o liame psicológico. PARTICIPAÇÃO EM SENTIDO ESTRITO O CP não diz o que é. Mas indica isso no 1.º do art. 29. Pontos importantes: 1. Trata-se da intervenção em fato alheio onde se presume haver autor; 2. Não pratica o núcleo do tipo, mas sim uma conduta secundária que facilita, ajuda, contribui com a execução; 3. Para que a participação tenha relevância, o autor ou co-autores devem ter, ao menos, iniciado a execução da infração penal.

7 ESPÉCIES DE PARTICIPAÇÃO Várias são as formas de participação: instigação, determinação, chefia, organização, ajuste, cumplicidade etc. A doutrina divide em apenas duas formas: INSTIGAÇÃO E CUMPLICIDADE. INTIGAÇÃO CUMPLICIDADE PARTICIPAÇÃO MORAL (SUBJETIVA) PARTICIPAÇÃO MATERIAL INSTIGAÇÃO: PARTICIPAÇÃO MORAL -> Atua sobre a vontade do autor. Ele estimula, anima, reforça uma idéia já existente. Não participa da execução e não tem o domínio do fato. Não importa a forma para instigação (persuasão, conselho etc.). Deve se dirigir a um fato determinado e a autor(es) determinado(s). INDUZIR X INSTIGAR (aqui, induzir é espécie de instigar). Induzir = induzimento/determinação (cria a idéia). CUMPLICIDADE: PARTICIPAÇÃO MATERIAL -> O agente exterioriza a contribuição, auxilia. Ex: empresta uma arma de fogo, o carro para a fuga, a casa etc. Pode ocorrer desde a fase de preparação até a execução (VEJA, NÃO PARTICIPA DA FASE DE EXECUÇÃO, AUXILIA NA FASE DE PREPARAÇÃO). Pode ocorrer na hipótese de omissão: QUANDO HÁ DEVER DE AGIR (ex: vigilante deixa a porta aberta do estabelecimento para facilitar o furto). Basta dolo eventual. QUESTÕES COMUNS À INSTIGAÇÃO E À CUMPLICIDADE Em qualquer das formas, precisa haver eficácia causal e consciência de participar da ação de outra pessoa.

8 Não há relevância se o crime não for ao menos tentado. FUNDAMENTO DA PUNIBILIDADE DA PARTICIPAÇÃO DUAS TEORIAS 1- TEORIA DA PARTICIPAÇÃO NA CULPABILIDADE 2 - TEORIA DO FAVORECIMENTO OU DA CAUSAÇÃO 1 Teoria da Participação na culpabilidade: o partícipe era punido por corromper o autor, por convertê-lo em delinqüente. No entanto, basta que o autor cometa um ato típico e antijurídico. CRÍTICAS CULPABILIDADE É PESSOAL ADOÇÃO DA TEORIA DA ACESSORIEDADE LIMITADA T/A 2 Teoria do Favorecimento ou da causação: o partícipe era punido por favorecer ou induzir a prática de um injusto. É punido porque sua ação ou omissão contribui para o resultado/injusto, independentemente de culpabilidade. A vontade do partícipe está voltada para a execução do fato principal. O injusto do fato do partícipe depende do injusto do fato principal. É aplicada no BRASIL. PRINCÍPIO DA ACESSORIEDADE DA PARTICIPAÇÃO Assim, a participação é secundária que adere à principal, pois só assim terá relevância.

9 TEORIA DA ACESSORIEDADE EXTREMA TEORIAS TEORIA DA ACESSORIEDADE MÍNIMA TEORIA DA ACESSORIEDADE LIMITADA 1 Teoria da Acessoriedade Extrema: O fato principal deveria ser típico, antijurídico e culpável, excetuando-se agravantes e atenuantes. Assim, sempre que fosse inculpável o autor, também seria o partícipe. Acessoriedade absoluta! 2 Teoria da Acessoriedade Mínima: Basta o fato principal ser típico. Assim, quem induz o autor a agir em legítima defesa, p ex., responde pelo crime e o autor direto é absolvido. 3 Teoria da Acessoriedade Limitada: Exige o injusto (tipicidade e antijuridicidade). Assim, a acessoriedade com o fato principal é apenas quanto ao injusto. Já a culpabilidade é um fator pessoal/individual. Questão: pessoa que forja uma legítima defesa? Por essa teoria não seria partícipe. Solução: teoria do domínio do fato. É autor mediato. CONCURSO EM CRIME CULPOSO A doutrina alemã não admite. Jescheck diz que não é possível pela falta de acordo comum. Assim, a contribuição de cada um deve ser avaliada individualmente (cada um é autor acessório). Isto decorre da Teoria do domínio do fato; A doutrina espanhola admite, tanto para co-autores quanto para os partícipes. Aqui, o acordo não seria quanto ao resultado, mas quanto à conduta imprudente; No BRASIL, alguns autores dizem que é possível apenas para os co-autores, mas a visão mais acertada é a que nega a possibilidade. Não há vínculo psicológico nem domínio do fato. Bitencourt chega a dizer que é unânime a possibilidade na co-autoria, pelo mesmo argumento da doutrina espanhola. Ex: passageiro que instiga motorista a acelerar e este atropela alguém; acidente da gol. Não é. Juarez Cirino dos Santos, Nilo Batista etc. dizem que não há a possibilidade.

10 CONCURSO EM CRIMES OMISSIVOS Participação em crime omissivo é diferente de participação por omissão em crime comissivo. 1. PARTICIPAÇÃO EM CRIME OMISSIVO 2. PARTICIPAÇÃO POR OMISSÃO EM CRIME COMISSIVO PARTICIPAÇÃO EM CRIME OMISSIVO -> A participação ocorre através de um agir positivo que favorece o descumprimento do comando legal por parte do autor. Ex: paciente instiga o médico a não comunicar a existência de uma enfermidade contagiosa às autoridades competentes. Ele não é autor de delito autônomo, é partícipe do crime omissivo. A co-autoria não é possível para Ishida (Nucci admite). PARTICIPAÇÃO POR OMISSÃO EM CRIME COMISSIVO -> A participação ocorre pelo não agir. Ex: caixa que deixa o cofre aberto para facilitar o furto. Ele, com uma conduta omissiva, será partícipe de um crime comissivo. PARTICIPAÇÃO POR OMISSÃO EM CRIME OMISSIVO -> Sob a modalidade de instigação é impossível, pela falta de eficácia causal da inatividade. AGENTE IGUALMENTE OBRIGADO A AGIR EM CRIME OMISSIVO PRÓPRIO: Não há participação, mas autoria. Bitencourt e Ishida dizem que se houver anuência com a omissão do outro, poderia haver co-autoria. Ex: art. 246 (abandono intelectual) pais. Ex2: duas pessoas deixam de prestar socorro a pessoa ferida se não o fazem, individualmente, praticam, autonomamente o crime de omissão de socorro. Se houve acordo para não socorrer, serão co-autores. Mirabete diz que não é possível. CRIMES OMISSIVOS IMPRÓPRIOS (comissivos por omissão): Bitencourt entende ser possível também, mesmo que o partícipe não tenha o dever de não se omitir. Se tivesse, seria autor ou co-autor (com vínculo subjetivo). O terceiro pode instigar o garante para que ele não impeça o resultado. Sua atividade é acessória/secundária e ele não tinha domínio da ação final, logo é partícipe. Já o

11 garante que não agiu é o autor, pois tinha domínio final do fato e dever jurídico de evitar o resultado. AUTORIA COLATERAL Duas ou mais pessoas realizam condutas convergentes, ignorando umas as outras, visando a execução do mesmo crime. Há ausência do vínculo subjetivo. A responsabilidade de cada um dos autores é limitada pelo dolo de cada um, individualmente considerados. Ex: homicídio atrás da moita. Autoria incerta: ignora-se quem produziu o resultado: abstrai-se o resultado e pune ambos por tentativa. MULTIDÃO DELINQUENTE Fato rotineiro. Linchamentos, brigas de torcida, invasão de propriedades etc. Normalmente, há o vínculo psicológico. Deve-se individualizar a participação de cada um dos intervenientes. Atenua-se a pena: art. 65, e. Agrava-se a pena: art. 62, I. PARTICIPAÇÃO IMPUNÍVEL Dois elementos principais: eficácia causal e consciência de participar na ação comum. Mas, conforme o artigo 31, não será punida se o crime não foi ao menos tentado. Assim, as duas primeiras fases do iter criminis não são puníveis: elaboração mental e preparação do crime (desde que a última não constitua crime autônomo). Assim, não há eficácia causal e, como a participação é acessória, não será ela punível. Welzel diz que a tentativa de participação não é punível.

12 A exceção é quando os atos constitutivos da participação constituem crimes autônomos. Ex: incitação ao crime e formação de quadrilha. PUNIBILIDADE DO CONCURSO DE PESSOAS Como visto, adota-se a teoria monística, mas também a teoria restritiva do autor (distinguindo autor de partícipe). Abstratamente, todos concorrem a mesma pena. Mas no caso em concreto, cada um responde na medida de sua culpabilidade (art. 29) e, no caso do partícipe, de acordo com a importância causal de sua participação (art. 29, 1.º). Para o co-autor não precisaria este artigo. Mas é importante para o partícipe, pois a tipicidade se dá por norma de extensão. PARTICIPAÇÃO DE MENOR IMPORTÂNCIA ( 1.º, art. 29, CP): Vale apenas para o partícipe, não para o co-autor. Como o co-autor contribui com a efetiva execução do crime, ele responde nos moldes do caput. Já o participe, quando sua contribuição for de menor importância, poderá ter a pena reduzida de 1/6 a 1/3, ficando inclusive aquém do mínimo legal. Esta diminuição é facultatica? Dotti e Mirabete entendem que sim (o partícipe poderia até ter uma intensidade de vontade igual à dos intervenientes). Bitencourt diz que a faculdade se dá dentro do limite legal, ou seja, 1/6 a 1/3, mas a redução se impõe. COOPERAÇÃO DOLOSAMENTE DISTINTA: É o desvio subjetivo de condutas. Ex: A determina que B dê uma surra em C. B vai lá e mata C por razões pessoais. Aplicase o parágrafo 2.º do art. 29. A responde por lesões corporais (a pena pode ser elevada até a metade se era previsível o homicídio). PROBLEMAS:

13 1. Crimes preterdolosos: há dolo no antecedente e culpa no conseqüente. Ex: lesão corporal seguida de morte. Assim, o autor responde pelo 129, 3.º e o partícipe pelo 129. A doutrina buscou distinguir para tornar mais justo: a. Excesso nos meios: O meio utilizado foi diferente do combinado com o partícipe. b. Excesso nos fins: se o resultado mais grave decorre de circunstância natural do fato ou de simples culpa do executor, a responsabilidade se comunica ao partícipe. Isso porque o partícipe concordou dolosamente com os meios utilizados que poderiam produzir o resultado mais grave. c. Por fim, se o excesso decorre de dolo especial do executor, somente este é responsável pelo crime mais grave. COMUNICABILIDADE DAS CIRCUNSTÂNCIAS, CONDIÇÕES E ELEMENTARES O artigo 30 do CP diz que não se comunicam as circunstâncias e as condições de caráter pessoal, salvo quando elementares do crime. O problema está na distinção entre circunstâncias e condições. Circunstâncias: dados, elementos que circundam o fato principal. Não é a figura típica, mas pode aumentar ou diminuir sua gravidade. Podem ser objetivas fato objetivamente considerado (tempo, lugar, modo, meio de execução etc.) e subjetivas - relativas ao agente (qualidades, estado, parentesco, motivos do crime). Condições de caráter pessoal: relações do agente com o mundo exterior. Elementares do crime: dados, fatos, elementos e condições que integram o próprio tipo penal. As circunstâncias de caráter pessoal não se comunicam, já as objetivas comunicam. É a seguinte regra:

14 Circunstâncias e condições de caráter pessoal não se comunicam; Circunstâncias objetivas e elementares do tipo se comunicam, se entrarem na esfera de conhecimento dos participantes. Cada participante deve ter agido, ao menos, culposamente em relação à circunstância objetiva ou elementar do crime para haver a comunicabilidade. ARREPENDIMENTO DO PARTÍCIPE Só não será responsabilizado se conseguir evitar que o autor pratique o ato criminoso. Caso contrário, a participação é ineficaz Rogério Greco. PARTICIPAÇÃO DE PARTICIPAÇÃO Ex: A induz B para induzir C a matar D. PARTICIPAÇÃO SUCESSIVA Ex: A induz B a matar C. D induz B a matar C. Um não sabia da conduta do outro.

TEMA: CONCURSO DE CRIMES

TEMA: CONCURSO DE CRIMES TEMA: CONCURSO DE CRIMES 1. INTRODUÇÃO Ocorre quando um mesmo sujeito pratica dois ou mais crimes. Pode haver um ou mais comportamentos. É o chamado concursus delictorum. Pode ocorrer entre qualquer espécie

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 Disciplina: Direito Penal II Departamento III Penal e Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 3º ano Docente Responsável: José Francisco Cagliari

Leia mais

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Conceito. Causa. É elemento do fato típico. É o vínculo entre conduta e resultado. O estudo da causalidade busca concluir se o resultado decorreu da conduta

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido.

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA CONCEITO Dispõe o art. 288 do CP: Associarem-se três ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. No delito em apreço, pune-se

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Espécies de Conduta a) A conduta pode ser dolosa ou culposa. b) A conduta pode ser comissiva ou omissiva. O tema dolo e culpa estão ligados à

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 XXSumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 1. Conceito de direito penal... 29 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal... 32 1.2. Conceito

Leia mais

Distinção entre concurso eventual e necessário

Distinção entre concurso eventual e necessário Conceito O concurso de pessoas é o encontro de duas ou mais pessoas para a prática de crimes, vulgarmente intituladas de cúmplices, comparsas, parceiros, amigos, companheiros, irmãos, manos, enfim, recebem

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade NEXO DE CAUSALIDADE O nexo causal ou relação de causalidade é o elo que une

Leia mais

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável 1. O FATO TÍPICO 1 CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável Elementos do FATO TÍPICO: FATO TÍPICO 1) CONDUTA DOLOSA OU CULPOSA Conceito: É fato material que se amolda perfeitamente aos elementos constantes

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA ROTEIRO DE ESTUDO. ART. 289, CP: moeda falsa. - tipo objetivo : FALSIFICAR : FABRICAR (CONTRAFAÇÃO) OU ALTERAR

CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA ROTEIRO DE ESTUDO. ART. 289, CP: moeda falsa. - tipo objetivo : FALSIFICAR : FABRICAR (CONTRAFAÇÃO) OU ALTERAR CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA ROTEIRO DE ESTUDO - bem jurídico tutelado : fé pública - sujeito ativo : qualquer pessoa - sujeito passivo : Estado ART. 289, CP: moeda falsa - tipo objetivo : FALSIFICAR : FABRICAR

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA Karina Nogueira Alves A legítima defesa é um direito natural, intrínseco ao ser humano e, portanto, anterior à sua codificação, como norma decorrente da própria constituição do

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL SIDIO ROSA DE MESQUITA JÚNIOR http://www.sidio.pro.br http://sidiojunior.blogspot.com sidiojunior@gmail.com IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

Leia mais

Embriaguez e Responsabilidade Penal

Embriaguez e Responsabilidade Penal Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Fabio André Guaragni AULA 1. Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes Ciências Penais - Danilo Meneses Pós-graduação Página 1. 1 A tradução literal é dívida.

Fabio André Guaragni AULA 1. Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes Ciências Penais - Danilo Meneses Pós-graduação Página 1. 1 A tradução literal é dívida. Fabio André Guaragni AULA 1 FUNDAMENTO MATERIAL DA CULPABILIDADE E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA - Princípio da culpabilidade: - é o princípio da nulla poena sine culpa -> essa expressão (princípio) possui três

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13-

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DE FORMAÇÃO FUNDAMENTAL,

Leia mais

COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL

COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL A Universidade Estadual de Goiás, por meio do Núcleo de Seleção, vem perante aos candidatos que fizeram a prova

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

^ g -, ,fitt.à r '4 4.44. kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA

^ g -, ,fitt.à r '4 4.44. kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ^ g -,,fitt.à r '4 4.44 kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e In. Wh& i* 1 "#. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL: 016.2000.000691-2/001

Leia mais

DIREITO PENAL II e III MATERIAL DE APOIO E ORIENTAÇÃO SOBRE CONCURSO DE PESSOAS OU AGENTES

DIREITO PENAL II e III MATERIAL DE APOIO E ORIENTAÇÃO SOBRE CONCURSO DE PESSOAS OU AGENTES CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO UNIFRA CURSO DE DIREITO DIREITO PENAL II e III MATERIAL DE APOIO E ORIENTAÇÃO SOBRE CONCURSO DE PESSOAS OU AGENTES Professor Fábio Freitas Dias Santa Maria, março de 2012

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Teorias da conduta no Direito Penal Rodrigo Santos Emanuele * Teoria naturalista ou causal da ação Primeiramente, passamos a analisar a teoria da conduta denominada naturalista ou

Leia mais

SUMÁRIO. NOTAÀ9. a EDIÇÃO... LISTA DE ABREVIATURAS... INTRODUÇÃO...

SUMÁRIO. NOTAÀ9. a EDIÇÃO... LISTA DE ABREVIATURAS... INTRODUÇÃO... SUMÁRIO NOTAÀ9. a EDIÇÃO... 5 LISTA DE ABREVIATURAS................................. 13 INTRODUÇÃO... 17 l. PROTEÇÃO JURÍDICA DO MEIO AMBIENTE... 19 l.1 Meio ambiente. Breves considerações...... 19 l.2

Leia mais

CONCURSO FORMAL CONCURSO DE CRIMES CONCURSO MATERIAL CONCURSO MATERIAL CONCURSO FORMAL CRIME CONTINUADO

CONCURSO FORMAL CONCURSO DE CRIMES CONCURSO MATERIAL CONCURSO MATERIAL CONCURSO FORMAL CRIME CONTINUADO DIREITO PENAL MÓDULO DE PREPARAÇÃO CONCURSO POLÍCIA FEDERAL CONCURSO DE CRIMES CONCURSO MATERIAL CONCURSO FORMAL PRÓPRIO IMPRÓPRIO CRIME CONTINUADO AULA 8 Prof. Caupolican CONCURSO DE CRIMES CONCURSO MATERIAL

Leia mais

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 Sumário Lista de abreviaturas 25 Apresentação 31 Introdução 35 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 1.1. Do surgimento do Instituto 41 1.2. O Instituto na legislação

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

CONCURSO DE PESSOAS NO INFANTICÍDIO

CONCURSO DE PESSOAS NO INFANTICÍDIO CONCURSO DE PESSOAS NO INFANTICÍDIO Thyara Galante Alvim SOARES 1 Antenor Ferreira PAVARINA 2 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo analisar a punibilidade dos agentes que, em concurso, praticam

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I (1ª PARTE- TEORIA DO CRIME) NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Ciências Penais,

Leia mais

DIREITO PENAL ÍNDICE. CAPÍTULO 03... 34 Concurso de Crimes... 34 Concurso Material...34 Concurso Formal...34 Crime Continuado...35

DIREITO PENAL ÍNDICE. CAPÍTULO 03... 34 Concurso de Crimes... 34 Concurso Material...34 Concurso Formal...34 Crime Continuado...35 DIREITO PENAL ÍNDICE CAPÍTULO 01... 7 Introdução ao Direito Penal e Aplicação da Lei Penal... 7 Introdução ao Estudo do Direito Penal...7 Teoria do Crime...8 Princípio da Legalidade (Anterioridade - Reserva

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

CULPABILIDADE RESUMO

CULPABILIDADE RESUMO CULPABILIDADE Maira Jacqueline de Souza 1 RESUMO Para uma melhor compreensão de sanção penal é necessário a análise levando em consideração o modo sócio-econômico e a forma de Estado em que se presencie

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A OMISSÃO DE SOCORRO E A PERICLITAÇÃO DA VIDA Juliane Drebel 1 Taís Bianca Bressler 2 Rogério Cezar Soehn 3 SUMARIO: 1 RESUMO. 2 CONCEITO. 3 SUJEITOS DO DELITO. 4 ELEMENTOS OBJETIVOS DO CRIME. 5 ELEMENTOS

Leia mais

Apologia de crime ou criminoso

Apologia de crime ou criminoso 1. CRIMES CONTRA A PAZ PÚBLICA O iter criminis é dividido em três fases: cogitação, preparação e execução. O ponto que inicia a execução é aquele no qual se atinge o núcleo do tipo, saindo da esfera do

Leia mais

DIREITO PENAL II PROGRAMA. 3º Ano, Turma da Noite

DIREITO PENAL II PROGRAMA. 3º Ano, Turma da Noite DIREITO PENAL II PROGRAMA 3º Ano, Turma da Noite Professor Doutor João Curado Neves Professora Doutora Carlota Pizarro Almeida I A. A teoria geral do crime: validade e funções B. Evolução histórica da

Leia mais

FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS

FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS DIREITO CHEYENNE BERNARDES CLÁUDIO GUALANDE JALLON NOGUEIRA KARINA CAVICHINI MARCELO NUNES DE JESUS MARCO ANTÔNIO TEIXEIRA MAYRA RAMOS PAULO RODRIGO MARTINS PEDRO LEMGRUBER

Leia mais

Qual a regra do CP domínio funcional do fato

Qual a regra do CP domínio funcional do fato DIREITO PENAL II CONCURSO DE PESSOAS(29, CP): A princípio, esse dispositivo só teria aplicação no que tange aos crimes unissubjetivos, já que diante da necessidade do concurso de duas ou mais pessoas nos

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65)

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65) 1 PONTO 1: Crimes contra Administração Pública PONTO 2: Introdução aos crimes em espécie PONTO 3: Crimes em espécie 1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina

Plano de Ensino de Disciplina UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito Departamento de Direito e Processo Penal Plano de Ensino de Disciplina DISCIPLINA: DIREITO PE AL I CÓDIGO: DIN101 PRÉ-REQUISITO: DIT027 DEPARTAMENTO:

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE

RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE Diz a Resolução 237/97 do Conama que o empreendedor e os profissionais que subscreverem os estudos necessários ao processo de licenciamento serão responsáveis

Leia mais

MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL

MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL RECADO AO ALUNO As matérias desta apostila foram reunidas e consolidadas para estudo dos alunos Instituto Marconi. A leitura e estudo deste conteúdo não exclui a consulta

Leia mais

DIREITO PENAL CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO)

DIREITO PENAL CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO) DIREITO PENAL PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO) PONTO 2: FURTO QUALIFICADO PONTO 3: ROUBO CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO) FURTO QUALIFICADO: ART. 155 1, 4º CP. I ROMPIMENTO/DESTRUIÇÃO

Leia mais

CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO

CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado Discutem-se nesse

Leia mais

Do Dano. Do Dano. Artigo 163 CP ( Dano Simples) Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.

Do Dano. Do Dano. Artigo 163 CP ( Dano Simples) Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa. Direito Penal - Parte Especial Professor Sandro Caldeira Dos - Parte II Crimes Contra o Patrimônio Artigo 163 CP ( Dano Simples) Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

DOLO EVENTUAL OU CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO

DOLO EVENTUAL OU CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO DOLO EVENTUAL OU CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO CAMARGO, Henrique Giorgiani 1 MARCHI, William Ricardo de Almeida 2 O presente artigo pretende analisar a aplicabilidade do dolo eventual ou da culpa

Leia mais