Embriaguez e Responsabilidade Penal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Embriaguez e Responsabilidade Penal"

Transcrição

1 Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que é o direito à liberdade. Por isso, uma questão de real interesse em Direito Penal é saber o porquê da não exclusão da culpabilidade do sujeito que pratica um delito em estado de embriaguez não acidental ou não provocada por caso fortuito ou força maior, uma vez que, no momento da conduta delitiva, por não ter a capacidade de entendimento do caráter criminoso do fato, nem a capacidade de determinar sua conduta de acordo com esse entendimento, o sujeito não poderia ser considerado imputável. Cabe aqui lembrar a lição de Heleno Cláudio Fragoso, que definia imputabilidade como a condição pessoal de maturidade e sanidade mental que confere ao agente a capacidade de entender o caráter ilícito do fato ou de se determinar segundo esse entendimento *1. Ou seja, a imputabilidade é a capacidade que o agente deve ter de, no momento da prática do delito, entender o caráter criminoso do fato e de se determinar de acordo com esse entendimento, resistindo ou inibindo o impulso criminoso. Muito embora o Código Penal não tenha definido o instituto da imputabilidade, seu conceito é extraído do caput do seu artigo 26, que trata da inimputabilidade, assim dispondo: Art.26. É isento de pena o agente que, por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento. E, pacífico é o entendimento de que foi adotado o sistema biopsicológico-normativo, que exige para a conceituação de inimputáveis certos estados mentais anormais elencados pela lei, e que destes estados resulte completa incapacidade de entendimento da ilicitude ou da autodeterminação. Um desses estados mentais anormais é a situação do agente que se encontra em estado de embriaguez, já que esta é a intoxicação aguda e transitória causada pelo álcool ou substância de efeitos análogos que privam o sujeito da capacidade normal de entendimento *2. Ocorre que o Código Penal, em seu artigo 28, determina que apenas a embriaguez fortuita completa é causa de exclusão da imputabilidade, afastando expressamente este benefício para os casos de embriaguez voluntária ou culposa. A embriaguez fortuita completa exclui a imputabilidade porque o agente não se embriagou por vontade própria, sendo que o delito fora praticado no momento em que não tinha capacidade de entender o caráter criminoso do fato, nem de determinar-se de acordo com esse entendimento. Em sendo incompleta a embriaguez fortuita, será uma causa de diminuição da pena*3, uma vez que o sujeito conserva, de forma diminuída, sua capacidade de entendimento e autodeterminação. Para os casos de embriaguez pré-ordenada, voluntária ou culposa não haverá, por ficção jurídica, exclusão da imputabilidade ou diminuição da pena. Isso porque, conforme a Exposição de Motivos do Código Penal de 1940, foi adotada a teoria da actio libera in causa, segundo a qual não deixa de ser imputável quem se pôs em situação de inconsciência ou de incapacidade de autocontrole, dolosa ou culposamente, e nessa situação comete o crime*4. A explicação da teoria da actio libera in causa é perfeitamente válida para a hipótese de embriaguez pré-ordenada, e até mesmo para os casos de embriaguez voluntária ou culposa nos quais o agente, antes de se embriagar, assumiu o risco de cometer um delito, ou pelo menos era previsível a prática desse crime. Porém, na hipótese de embriaguez voluntária ou culposa em que o agente, no momento em que se embriagou não queria praticar o delito, ou não previu essa possibilidade, ou sequer era previsível tal evento, a aplicação da teoria da actio libera in causa se torna inconciliável com o conceito de imputabilidade penal. Isso porque a teoria da actio libera in causa ou da ação livre na sua causa é aplicada para justificar a imputabilidade do sujeito que livremente desejou a conduta criminosa, tendo praticado o delito quando se encontrava em estado de inimputabilidade.

2 Ou seja, no momento da prática criminosa momento em que se apura a imputabilidade o sujeito não possuía a capacidade de entender o caráter criminoso do fato e de determinar-se de acordo com esse entendimento. O agente, contudo, é imputável porque é livre na causa, que, praticada em pleno uso e gozo das faculdades mentais, já é ato executivo do delito *5. A maior parte da doutrina fundamenta a punibilidade da actio libera in causa na causalidade mediata, caso em que o agente faz de si um instrumento para a prática do crime, embriagando-se para cometer o delito em um estado de inconsciência. Assim, êle é ao mesmo tempo um agente mediato imputável e um instrumento inimputável *6. Depreende-se, assim, que a forma típica de actio libera in causa na embriaguez é a da ebriedade pré-ordenada, hipótese em que o agente, atuando como mandante na fase de imputabilidade, embriaga-se para melhor cometer o delito, fazendo de si um instrumento para a prática criminosa na fase de inimputabilidade. O italiano Manzini, citado pelo Ministro Nélson Hungria, afirmava que no tornar-se ou fazer-se tornar a si mesmo um meio atualmente inconsciente da própria vontade a princípio consciente, está a concomitância do dolo com um momento da execução do crime o que basta para a imputação deste *7. É importante lembrar que no início a teoria da actio libera in causa era aplicada somente na hipótese da embriaguez pré-ordenada. Modernamente, porém, a aplicação da citada teoria foi estendida a todos os casos em que o agente se coloca, dolosa ou culposamente, em estado de inimputabilidade para cometer o delito. Assim, a teoria da actio libera in causa passou a ser aplicada também nas hipóteses de embriaguez voluntária em que o agente embriaga-se prevendo a possibilidade de praticar o delito, aceitando o risco da produção do resultado, e nos casos de embriaguez culposa em que o sujeito embriaga-se tendo a previsão do resultado, mas esperando que ele não se produza, ou não tendo a previsão do resultado delituoso, deveria prevê-lo, uma vez que se encontrava em circunstâncias especiais. O que é importante ressaltar é que, para um fato ser considerado como de actio libera in causa, é necessário que o resultado criminoso tenha sido querido ou previsto pelo sujeito na fase de imputabilidade, ou ao menos que esse resultado fosse previsível para o agente. Ou seja, é preciso que na fase livre (resolução) esteja presente o elemento dolo ou culpa ligado ao resultado. Não é suficiente que se tenha colocado voluntariamente em estado de inimputabilidade, exigindo-se que tenha querido ou assumido o risco de produzir o resultado (dolo), ou que este seja previsível (culpa) *8. Além disso, o crime praticado na fase de inimputabilidade deve ser certo e determinado, ou seja, o elemento subjetivo do agente deve referir-se a um resultado criminoso certo e determinado. Já se manifestou desta forma o Prof. Magalhães Noronha ao afirmar que não se pode, em nome dessa teoria, responsabilizar alguém pelo só fato de poder genericamente delinqüir, pois é preciso acentuar que quando, na citada teoria, se fala em dolo ou culpa em relação ao crime que se segue, é sempre certo e determinado delito *9. Desta forma, podemos concluir que a falta de elemento subjetivo em relação ao fato criminoso quando o agente ainda é imputável não permite a aplicação da teoria da actio libera in causa. Assim, nos casos de embriaguez voluntária ou culposa em que o sujeito não quis, não previu, nem havia elementos para a previsão da ocorrência do resultado criminoso hipótese de imprevisibilidade -, inaplicável é a citada teoria, uma vez que falta o elemento subjetivo na fase de imputabilidade. O Código Penal, porém, ao tratar da embriaguez admitiu a plena aplicação da teoria da actio libera in causa, conforme mostra a Exposição de Motivos do Ministro Campos, de seguinte teor: Ao resolver o problema da embriaguez (pelo álcool ou substância de efeitos análogos), do ponto de vista da responsabilidade penal, o projeto aceitou em toda a sua plenitude a teoria da actio libera in causa seu ad libertatem relata, que, modernamente, não se limita ao estado de inconsciência preordenado, mas a todos os casos em que o agente se deixa arrastar ao estado de inconsciência *10. Ocorre que ao se referir à embriaguez o Código Penal não fez a devida distinção entre os tipos de embriaguez, principalmente entre as duas hipóteses de embriaguez voluntária e culposa, pois é possível que nesses casos o agente tenha previsto e aceito o risco de produzir o resultado, ou tenha previsto o resultado, mas acreditado que ele não ocorresse, ou que nem sequer tenha previsto a ocorrência do resultado, como também pode acontecer que nenhuma dessas situações tenha ocorrido. Assim, foi dada à teoria da actio libera in causa uma extensão que ela não comporta, uma vez que tal teoria vem sendo aplicada para os casos de embriaguez voluntária e culposa em que o sujeito não previu o resultado e nem tinha condições de previsibilidade. Ou seja, a citada teoria vem sendo aplicada para os delitos cometidos em estado de

3 embriaguez voluntária ou culposa em que não há, na fase de imputabilidade, dolo ou culpa em relação ao resultado criminoso. Essa incorreta aplicação da teoria da actio libera in causa tem levantado indagações sobre a compatibilidade ou não do artigo 28 do Código Penal com o conceito de imputabilidade adotado pelo referido estatuto penal. Vários doutrinadores, porém, tentam explicar a punibilidade do fato na referida hipótese de imprevisibilidade como um caso de actio libera in causa, variando apenas a fundamentação para a punibilidade desta. Uns afirmam que o ato de embriagar-se já é ato executivo do delito, ou seja, o sujeito já estaria praticando o delito quando começou a embriagar-se. Desta forma já se manifestou o Ministro Nélson Hungria, conforme segue: O que legitima a punição na espécie, sem abstração do nulla poena sine culpa, é a inegável referência da ação ou omissão imediatamente produtiva do resultado antijurídico ao momento em que o agente se coloca em estado de inconsciência ou de abolição de self control *11. E citava o professor de medicina legal Rinaldo Pellegrini: O ébrio, que cometeu crime, é punível porque era livre na sua atuação relativamente ao fato inicial, isto é, ao primeiro anel da cadeia que constituiu, a seguir, o nexo de causalidade entre a embriaguez e o crime; a sucessiva atividade criminosa do agente, ainda que alheada ao contrôle deste, foi, portanto, provocada por uma ação voluntária (o abuso inconsiderado do álcool), que resultou na embriaguez e à qual pode ser referido o evento *12. Porém, não é correto afirmar que o ato de pôr-se em estado de inimputabilidade já seja ato executivo do resultado criminoso, pois o colocar-se em inimputabilidade não passa de um simples ato preparatório, uma vez que se o iter criminis se interrompe nessa fase, não há nada a punir, nem sequer a título de tentativa *13. Ademais, conforme já foi dito, é necessário que o resultado criminoso tenha sido querido ou previsto, ou que fosse previsível pelo sujeito quando ainda imputável, pois o elemento subjetivo na fase de imputabilidade é indispensável para a caracterização da actio libera in causa. Na citada hipótese de imprevisibilidade, falta ao agente o elemento subjetivo em relação a um crime certo e determinado, uma vez que, no momento em que se embriaga, não tem sequer a previsão de que irá cometer um delito. O elemento subjetivo existe somente em relação à embriaguez (o ato de embriagar-se é livre), porém, esta não é causa do delito. Há ainda autores que fundamentam a punibilidade da hipótese de imprevisibilidade na actio libera in causa, afirmando que o caso se enquadra na figura da autoria mediata. Porém, a falta do elemento subjetivo na fase de imputabilidade não permite a utilização dessa figura, uma vez que o agente não pode fazer de si instrumento para um crime que nem sequer tinha a possibilidade de prever. Por fim, há autores que fundamentam a punibilidade na teoria da actio libera in causa com base em uma vontade residual que permaneceria no agente embriagado, que, assim, seria imputável quando da prática do delito. Esta é a posição adotada pelo Código Penal que, por uma ficção jurídica fundada em Política Criminal, considera que o elemento subjetivo do agente embriagado permanece imune à influência do álcool na hipótese de embriaguez não acidental*14. Isso porque o referido estatuto penal considera que o sujeito embriagado conserva um resquício de vontade e consciência que não lhe retiraria a imputabilidade. Nesse sentido é o entendimento do Ministro Nélson Hungria que, citando Manzini, afirma:... desde que o estado de perturbação da consciência não suprime a faculdade de movimento corpóreo, sempre fica, segundo a lição científica, um resquício de subconsciência, bastante para que a ação, ao invés de um puro fortuito psicológico, se ligue à vontade originária *15. Desta forma, o delito será considerado doloso ou culposo conforme o elemento subjetivo do momento da prática do crime (momento em que o agente está embriagado), sendo que de uma embriaguez dolosa pode resultar um crime culposo, como de uma embriaguez culposa pode resultar um crime doloso*16. Porém, aceitando-se que o ébrio conserva o elemento subjetivo imune aos efeitos do álcool, não há porque se falar em actio libera in causa *17, pois, se o agente possui capacidade de entender e de autodeterminar-se no momento da prática criminosa, sua imputabilidade está plenamente caracterizada. Isso porque, diferentemente do que ocorre na teoria da actio libera in causa, na qual o elemento subjetivo do sujeito é analisado na fase de imputabilidade, na hipótese da vontade residual o elemento subjetivo é avaliado no momento da conduta delitiva, quando o agente já se encontra na fase de inconsciência. Ademais, essa teoria da vontade residual não explica a hipótese quando a embriaguez voluntária ou culposa é completa, uma vez que nessa situação o agente não apresenta nenhum resíduo de vontade e consciência.

4 Apesar das críticas acima mostrarem que não se aplica a teoria da actio libera in causa com fundamento na vontade residual à hipótese de imprevisibilidade do resultado criminoso pelo agente embriagado, o Ministro Nélson Hungria adotou esse entendimento, tendo afirmado que existe uma vontade residual no estado de ebriedade. Para Hungria, a responsabilidade do sujeito é por ampliação do critério voluntarístico, sendo que tal ampliação é ditada por motivos de índole social. Ou seja, estende-se o critério de vontade para abranger os atos praticados pelo ébrio, considerando-se que ele ainda possa ter um resíduo de vontade e consciência, para proteger os interesses sociais contra os atos praticados por pessoas que, pela Ciência Penal, seriam consideradas inimputáveis e não responderiam pelos delitos que praticassem. Para justificar sua posição, Hungria afirma que: 1) segundo a lição da experiência, a vontade do ébrio não é tão profundamente conturbada que exclua por completo o poder da inibição, como acontece nas perturbações psíquicas de fundo patológico *18; 2) a embriaguez quase sempre revela o indivíduo na sua verdadeira personalidade, e precisamente o objetivo da teoria da culpabilidade é tornar-se responsável o indivíduo pelos atos que são expressão de sua personalidade *19; 3) a ameaça penal será um motivo inibitório a mais no sentido de prevenir a embriaguez, com os seus eventuais efeitos maléficos *20. Todavia, nenhuma dessas justificativas tem relação com a teoria da actio libera in causa. Somente servem para amparar a ficção jurídica criada pelo Código Penal que considera imputável o sujeito que pratica um delito em estado de embriaguez voluntária ou culposa, quando o resultado criminoso não era sequer previsível pelo agente. Ademais, como muitos outros doutrinadores, o Ministro Nélson Hungria não fez a necessária distinção entre as duas hipóteses de embriaguez voluntária ou culposa, tendo desconsiderado a hipótese da imprevisibilidade. Assim, por faltar ao agente o elemento subjetivo no momento da prática delitiva, a imputabilidade somente lhe pode ser atribuída a título de responsabilidade penal objetiva, fato que os autores do Código de 1940, não querem, de forma alguma, confessar ter acolhido *21. Segundo o Prof. Damásio Evangelista de Jesus, dá-se o nome de responsabilidade penal objetiva à sujeição de alguém à imposição de pena sem que tenha agido com dolo ou culpa ou sem que tenha ficado demonstrada sua culpabilidade, com fundamento no simples nexo de causalidade material *22. Apesar de o Código Penal, em seu artigo 18, ter estabelecido o princípio do nullum crime sine culpa, isto é, o princípio de que não há delito sem dolo ou culpa stricto sensu, baseando a responsabilidade penal na vontade humana, é inegável o acolhimento da responsabilidade objetiva no caso de embriaguez voluntária ou culposa em que o resultado criminoso não é sequer previsível. Nesse sentido já se manifestou Aníbal Bruno ao afirmar que o Código Penal pune o ato do ébrio pelo seu efeito objetivo, desprezando a circunstância da ausência do elemento subjetivo, que, no sistema do Código, seria necessário para a incriminação do fato *23. Apesar das críticas, a responsabilidade penal objetiva foi adotada por razões de Política Criminal*24, pois, entre proteger os interesses sociais contra a ação delinqüente dos ébrios e a obediência à Ciência Penal, os legisladores optaram por salvaguardar os interesses sociais. E, justificando essa atitude, muitos doutrinadores afirmam que os ébrios quando praticam delitos quase nunca se encontram na fase de embriaguez completa, conservando, assim, vontade e consciência. Cumpre ainda destacar que a disposição legal para a embriaguez voluntária ou culposa referente ao caso em que o resultado não é sequer previsível fere a Constituição Federal que, em seu artigo 5.º, inciso XLV, estabelece o Princípio da Personalidade da Pena, segundo o qual ninguém poderá, em verdade, responder por fato delituoso que não seja expressão de seu atuar *25, consagrando o caráter pessoal da responsabilidade. Não pode, deste modo, existir responsabilidade penal pelo simples nexo material entre uma ação e um resultado. Na hipótese em que o sujeito pratica um delito em estado de embriaguez voluntária ou culposa em que o resultado não é previsível, a responsabilidade do agente determinada pelo Código Penal contraria a Constituição Federal, uma vez que não há vinculação pessoal entre o agente e o fato delituoso, já que ausente um dos elementos que fundamentam a responsabilidade penal. Deste modo, a ausência da imputabilidade acarreta a responsabilidade do sujeito apenas pelo nexo entre a ação e o resultado delituoso, caracterizando uma hipótese de responsabilidade penal objetiva, única solução para atender os interesses sociais. Marcelo Ferreira de Camargo

5 Advogado OAB/SP , formado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, especialista em direito Econômico e Empresarial pela FGV, mestrando em Direito das Relações Econômicas Internacionais. *1- Heleno Cláudio FRAGOSO, Lições de Direito Penal, p *2- Júlio Fabbrini MIRABETE, Manual de Direito Penal, p *3- Basileu GARCIA, Em torno do novo Código Penal, Revista dos Tribunais, 425:260. *4- Júlio Fabbrini MIRABETE, Manual de Direito Penal, p.222. *5- E. Magalhães NORONHA, Direito Penal, p *6- Aníbal BRUNO, Direito Penal, p. 53. *7- Vicenzo MANZINI, Trattato di Diritto Penale, I, p.618, apud Nélson HUNGRIA, Comentários ao Código Penal, p *8- DAMÁSIO E. de Jesus, Direito Penal, I, p *9- E. Magalhães NORONHA, Direito Penal, p *10- Nélson HUNGRIA, Comentários ao Código Penal, p *11- Ibid., p *12- Ibid., p *13- Aníbal BRUNO, Direito Penal, p. 54. *14- Basileu GARCIA, Instituições de Direito Penal, p *15- Vicenzo MANZINI, Trattato di Diritto Penale, I, p. 618 apud Nélson HUNGRIA, Comentários ao Código Penal, p *16- Basileu GARCIA, Instituições de Direito Penal, p *17- E. Magalhães NORONHA, Direito Penal, p *18- Nélson HUNGRIA, Comentários ao Código Penal, p *19- Ibid., p *20- Ibid., p *21- Basileu GARCIA, Instituições de Direito Penal, p *22- DAMÁSIO E. de Jesus, Direito Penal, I, p *23- Aníbal BRUNO, Direito Penal, p *24- Antônio Sérgio C. de Camargo ARANHA e outros, A reforma do Código Penal Parte Geral, Justitia 120:112. *25- Alberto Silva FRANCO, Código Penal e sua Interpretação Jurisprudencial, p Referências Bibliográficas: ARANHA, Antonio Sérgio Caldas de Camargo e outros. A reforma do Código Penal Parte Geral, Justitia, São Paulo, 120:112, jan./mar BRUNO, Aníbal. Direito Penal, volume I, tomo II, 3 ed. Rio de Janeiro, Forense, 1967, 317 p. FRAGOSO, Cláudio Heleno. Lições de Direito Penal, parte geral, 3 ed. Rio de Janeiro, Forense, 1993, 470 p. FRANCO, Alberto Silva e outros, Código Penal e sua Interpretação Jurisprudencial, volume I, tomo I, 6 ed. São Paulo, Revista dos Tribunais, 1997, p. GARCIA, Basileu. Instituições de Direito Penal, volume I, 5 ed. São Paulo, Max Limonad, 1978, 396 p.. Em torno do novo Código Penal, Revista dos Tribunais, São Paulo, 425:260, mar HUNGRIA, Nélson. Comentários ao Código Penal, volume I, tomo 2, 4 ed. Rio de Janeiro, Forense, 1958, 552 p. JESUS, Damásio E. de, Direito Penal, volume I, parte geral, 22 ed. São Paulo, Saraiva, 1999, 756 p. MIRABETE, Júlio Fabbrini. Manual de Direito Penal, volume I, 10 ed. São Paulo, Atlas, 1996, 454 p. NORONHA, E. Magalhães. Direito Penal, parte geral, volume I, 25 ed. São Paulo, Saraiva, 1987, 220 p.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A figura do delinquente / transtornos da personalidade Vania Carmen de Vasconcelos Gonçalves* 1. INTRODUÇÃO Atualmente é comum nos depararmos diariamente com casos e relatos de violência,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13-

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DE FORMAÇÃO FUNDAMENTAL,

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

Maria Regina Rocha Ramos

Maria Regina Rocha Ramos CONSIDERAÇÕES ACERCA DA SEMI- IMPUTABILIDADE E DA INIMPUTABILIDADE PENAIS RESULTANTES DE TRANSTORNOS MENTAIS E DE COMPORTAMENTO ASSOCIADOS AO USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS Maria Regina Rocha Ramos Sumário:

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Embriaguez: uma análise dos artigos 26 e 28 Código Penal brasileiro. Nathalia Botelho Portugal

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Embriaguez: uma análise dos artigos 26 e 28 Código Penal brasileiro. Nathalia Botelho Portugal Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Embriaguez: uma análise dos artigos 26 e 28 Código Penal brasileiro Nathalia Botelho Portugal Rio de Janeiro 2013 NATHALIA BOTELHO PORTUGAL Embriaguez:

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

Internação Compulsória para Dependentes Químicos. Quais Vantagens e Desvantagens? Hewdy Lobo Ribeiro

Internação Compulsória para Dependentes Químicos. Quais Vantagens e Desvantagens? Hewdy Lobo Ribeiro Internação Compulsória para Dependentes Químicos. Quais Vantagens e Desvantagens? Hewdy Lobo Ribeiro Coordenador Pós Saúde Mental UNIP Psiquiatra Forense ABP ProMulher IPq HCFMUSP Dependência Química Uso

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina

Plano de Ensino de Disciplina UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito Departamento de Direito e Processo Penal Plano de Ensino de Disciplina DISCIPLINA: DIREITO PE AL I CÓDIGO: DIN101 PRÉ-REQUISITO: DIT027 DEPARTAMENTO:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Responsabilidade civil do cirurgião-dentista Por Ricardo Emilio Zart advogado em Santa Catarina 1. Introdução Tendo em vista a quantidade cada vez mais crescente de ações judiciais

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL

MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL RECADO AO ALUNO As matérias desta apostila foram reunidas e consolidadas para estudo dos alunos Instituto Marconi. A leitura e estudo deste conteúdo não exclui a consulta

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

CULPABILIDADE RESUMO

CULPABILIDADE RESUMO CULPABILIDADE Maira Jacqueline de Souza 1 RESUMO Para uma melhor compreensão de sanção penal é necessário a análise levando em consideração o modo sócio-econômico e a forma de Estado em que se presencie

Leia mais

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências Jurídicas e Ciências Sociais DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3 Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA 2013 2 DÉBORA DE

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E A ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE AFERIÇÃO DA IMPUTABILIDADE PENAL Á LUZ DO ORDENAMENTO JURÍDICO.

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E A ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE AFERIÇÃO DA IMPUTABILIDADE PENAL Á LUZ DO ORDENAMENTO JURÍDICO. 1 REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E A ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE AFERIÇÃO DA IMPUTABILIDADE PENAL Á LUZ DO ORDENAMENTO JURÍDICO. VAGULA, J. E. M. Resumo No decorrer desta pesquisa buscou-se a melhor forma, dentre

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 Disciplina: Direito Penal II Departamento III Penal e Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 3º ano Docente Responsável: José Francisco Cagliari

Leia mais

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal Pedro Melo Pouchain Ribeiro Procurador da Fazenda Nacional. Especialista em Direito Tributário. Pósgraduando em Ciências Penais

Leia mais

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável 1. O FATO TÍPICO 1 CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável Elementos do FATO TÍPICO: FATO TÍPICO 1) CONDUTA DOLOSA OU CULPOSA Conceito: É fato material que se amolda perfeitamente aos elementos constantes

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

LEI FEDERAL CONCEDE ANISTIA PARA POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DA BAHIA QUE PARTICIPARAM DE MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS

LEI FEDERAL CONCEDE ANISTIA PARA POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DA BAHIA QUE PARTICIPARAM DE MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS LEI FEDERAL CONCEDE ANISTIA PARA POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DA BAHIA QUE PARTICIPARAM DE MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS Fabiano Samartin Fernandes * O Presidente da República sancionou a Lei n. 12.191,

Leia mais

Setor de Recursos Extraordinários e Especiais Criminais Modelo da Tese nº 320

Setor de Recursos Extraordinários e Especiais Criminais Modelo da Tese nº 320 OBS: Na jurisprudência citada, sempre que não houver indicação do tribunal, entenda-se que é do Superior Tribunal de Justiça. Índices Ementas ordem alfabética Ementas ordem numérica Índice do CD Tese 320

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido.

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA CONCEITO Dispõe o art. 288 do CP: Associarem-se três ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. No delito em apreço, pune-se

Leia mais

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Espécies de Conduta a) A conduta pode ser dolosa ou culposa. b) A conduta pode ser comissiva ou omissiva. O tema dolo e culpa estão ligados à

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 XXSumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 1. Conceito de direito penal... 29 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal... 32 1.2. Conceito

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A OMISSÃO DE SOCORRO E A PERICLITAÇÃO DA VIDA Juliane Drebel 1 Taís Bianca Bressler 2 Rogério Cezar Soehn 3 SUMARIO: 1 RESUMO. 2 CONCEITO. 3 SUJEITOS DO DELITO. 4 ELEMENTOS OBJETIVOS DO CRIME. 5 ELEMENTOS

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar ao aluno contato com toda a teoria do delito, com todos os elementos que integram o crime.

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar ao aluno contato com toda a teoria do delito, com todos os elementos que integram o crime. DISCIPLINA: Direito Penal II SEMESTRE DE ESTUDO: 3º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR118 1. EMENTA: Teoria Geral do Crime. Sujeitos da ação típica. Da Tipicidade. Elementos.

Leia mais

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Conceito. Causa. É elemento do fato típico. É o vínculo entre conduta e resultado. O estudo da causalidade busca concluir se o resultado decorreu da conduta

Leia mais

JORGE Luís de CAMARGO 1

JORGE Luís de CAMARGO 1 O ELEMENTO SUBJETIVO NAS EXCLUDENTES DE ILICITUDE E A NECESSIDADE DE SUA QUESITAÇÃO NOS PROCESSOS A SEREM JULGADOS PELO CONSELHO DE SENTENÇA NO TRIBUNAL DO JÚRI JORGE Luís de CAMARGO 1 Sumário: 1. Conceito

Leia mais

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo A figura do crime continuado surgiu na antigüidade por razões humanitárias, a fim de que fosse evitada

Leia mais

O CÓDIGO PENAL E AS CAUSAS DE INIMPUTABILIDADE

O CÓDIGO PENAL E AS CAUSAS DE INIMPUTABILIDADE 1 O CÓDIGO PENAL E AS CAUSAS DE INIMPUTABILIDADE Roberto Elias Rodrigues 1 Valquíria Belomo 2 Francisco Carlos Giovanetti³ José Moreira Barbosa Neto RESUMO A legislação penal aborda hipóteses em que a

Leia mais

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO 331 A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL Cícero Oliveira Leczinieski 1 Ricardo Cesar Cidade 2 Alberto Wunderlich 3 RESUMO Este artigo visa traçar breves comentários acerca da compatibilidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Teorias da conduta no Direito Penal Rodrigo Santos Emanuele * Teoria naturalista ou causal da ação Primeiramente, passamos a analisar a teoria da conduta denominada naturalista ou

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA O Princípio da Territorialidade Temperada informa a aplicação da lei penal brasileira aos crimes cometidos no território nacional I, mas não é absoluta, admitindo

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES DIREITO PENAL Apostila 01 Assunto 01: Conceito, aplicação ão, fontes Assunto 02: Crimes: definição ão, sujeitos, formas de punição Profº.. HEBER LIMA NEVES A lei penal deve ser clara, precisa, atual e

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal I. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal I. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Processual Penal I Código PRO0065 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º II Ementário O direito processual penal. A norma: material

Leia mais

Teresina, 08 de junho de 2015.

Teresina, 08 de junho de 2015. Faculdade Estácio CEUT Coordenação do Curso de Bacharelado em Direito Disciplina: História do Direito Professor: Eduardo Albuquerque Rodrigues Diniz Turma: 1 B Alunas: Alice Brito, Larissa Nunes, Maria

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Imputabilidade José Luiz Junior ANÁLISE JURÍDICA O termo imputar significa atribuir culpa ou delito a outro, portanto, imputar é o mesmo que atribuir à outro, diferentemente do simples

Leia mais

A Inadmissibilidade da Tentativa em Crimes Preterdolosos. Felipe Moraes Forjaz de Lacerda Bacharel em Direito/MG

A Inadmissibilidade da Tentativa em Crimes Preterdolosos. Felipe Moraes Forjaz de Lacerda Bacharel em Direito/MG A Inadmissibilidade da Tentativa em Crimes Preterdolosos Felipe Moraes Forjaz de Lacerda Bacharel em Direito/MG RESUMO: A exposição temática desenvolvida no presente trabalho tem por finalidade explicitar

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

DOLO EVENTUAL OU CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO

DOLO EVENTUAL OU CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO DOLO EVENTUAL OU CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO CAMARGO, Henrique Giorgiani 1 MARCHI, William Ricardo de Almeida 2 O presente artigo pretende analisar a aplicabilidade do dolo eventual ou da culpa

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL SIDIO ROSA DE MESQUITA JÚNIOR http://www.sidio.pro.br http://sidiojunior.blogspot.com sidiojunior@gmail.com IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito

PLANO DE ENSINO. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Processo Penal I PLANO DE ENSINO Código

Leia mais

&RQFHLWRGH'ROR. Descaracterizando o DOLO de uma conduta, tornando o ato de doloso para culposo, a extensão da pena diminui drasticamente.

&RQFHLWRGH'ROR. Descaracterizando o DOLO de uma conduta, tornando o ato de doloso para culposo, a extensão da pena diminui drasticamente. &RQFHLWRGH'ROR 3RU$QGUp5LFDUGRGH2OLYHLUD5LRV(VWXGDQWHGH'LUHLWR Tão importante no Direito Penal, o conceito de DOLO, deve estar sempre presente na cabeça do advogado Criminalista. Pois, quem conhece e sabe

Leia mais

CURSO DE DIREITO DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE EM HOMICÍDIOS DECORRENTES DE ACIDENTES DE TRÂNSITO

CURSO DE DIREITO DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE EM HOMICÍDIOS DECORRENTES DE ACIDENTES DE TRÂNSITO CURSO DE DIREITO DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE EM HOMICÍDIOS DECORRENTES DE ACIDENTES DE TRÂNSITO ANA REGINA CAMPOS DE SICA R.A: 456077/5 TURMA: 3109-A FONE: (11) 3666-0447 E-MAIL: anasica@globo.com

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE CRIMES

TEMA: CONCURSO DE CRIMES TEMA: CONCURSO DE CRIMES 1. INTRODUÇÃO Ocorre quando um mesmo sujeito pratica dois ou mais crimes. Pode haver um ou mais comportamentos. É o chamado concursus delictorum. Pode ocorrer entre qualquer espécie

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL TEORIA DO CRIME 2 Teoria do crime INFRAÇÃO PENAL; Critério bipartido; Art. 1 da LICP Crime é infração penal

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL

COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL A Universidade Estadual de Goiás, por meio do Núcleo de Seleção, vem perante aos candidatos que fizeram a prova

Leia mais

Relatório de Pesquisa 4.4.1

Relatório de Pesquisa 4.4.1 Relatório de Pesquisa 4.4.1 REQUISIÇÃO DE PRONTUÁRIO MÉDICO. SIGILO PROFISSIONAL. RELATIVIDADE. REQUISIÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. ORDEM JUDICIAL. O dever de sigilo não é absoluto, conforme as exceções

Leia mais

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira QUESTÕES PROCESSO PENAL 1- É possível a incomunicabilidade do indiciado na atual conjuntura constitucional brasileira? Segundo o art.

Leia mais

CONCURSO DE PESSOAS NO INFANTICÍDIO

CONCURSO DE PESSOAS NO INFANTICÍDIO CONCURSO DE PESSOAS NO INFANTICÍDIO Thyara Galante Alvim SOARES 1 Antenor Ferreira PAVARINA 2 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo analisar a punibilidade dos agentes que, em concurso, praticam

Leia mais

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA Karina Nogueira Alves A legítima defesa é um direito natural, intrínseco ao ser humano e, portanto, anterior à sua codificação, como norma decorrente da própria constituição do

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I (1ª PARTE- TEORIA DO CRIME) NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Ciências Penais,

Leia mais

PAULO ROBERTO COSTA SUBSIDIOS PARA A DISCUSSÃO DE PARADIGMAS REFERENTES AO HOMICIDIO NA CONDUÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR

PAULO ROBERTO COSTA SUBSIDIOS PARA A DISCUSSÃO DE PARADIGMAS REFERENTES AO HOMICIDIO NA CONDUÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR PAULO ROBERTO COSTA SUBSIDIOS PARA A DISCUSSÃO DE PARADIGMAS REFERENTES AO HOMICIDIO NA CONDUÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR Belo Horizonte 2008 PAULO ROBERTO COSTA SUBSIDIOS PARA A DISCUSSÃO DE PARADIGMAS REFERENTES

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) considerações sobre a responsabilidade "penal" da pessoa jurídica Dóris Rachel da Silva Julião * Introdução É induvidoso que em se tratando da criminalidade econômica e

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal Direito Penal 1. Apresentação José Nabuco Filho: Advogado criminalista em São Paulo, mestre em Direito Penal 1 (UNIMEP), professor de Direito Penal desde 2000. Na Universidade São Judas Tadeu, desde 2011,

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Decorre da transgressão de normas administrativas pelo servidor,

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

PROFESSORES: Selma Santana, Gamil Föppel, Thaís Bandeira e Fábio Roque SEMESTRE DE ESTUDO: 2º Semestre

PROFESSORES: Selma Santana, Gamil Föppel, Thaís Bandeira e Fábio Roque SEMESTRE DE ESTUDO: 2º Semestre DISCIPLINA: Direito Penal I CH total: 36h PROFESSORES: Selma Santana, Gamil Föppel, Thaís Bandeira e Fábio Roque SEMESTRE DE ESTUDO: 2º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR012 1. EMENTA: Propedêutica

Leia mais

DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE À LUZ DOS CRIMES DE TRÂNSITO

DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE À LUZ DOS CRIMES DE TRÂNSITO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE DIREITO MICHEL MERÊNCIO COSTA DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE À LUZ DOS CRIMES DE TRÂNSITO CRICIUMA, DEZEMBRO 2009 MICHEL MERÊNCIO COSTA DOLO EVENTUAL

Leia mais

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO Palavras-chaves: Controle. E-mail. Empregado. Matheus Diego do NASCIMENTO

Leia mais

A IMPUTABILIDADE PENAL

A IMPUTABILIDADE PENAL A IMPUTABILIDADE PENAL Ariádine Defendi VICENTINI 1 Guilherme Prado Bohac de HARO 2 RESUMO: O presente artigo científico tem como objetivo realizar uma análise didática sobre a imputabilidade penal e suas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO E DIREITO PENAL

CONSTITUIÇÃO E DIREITO PENAL CONSTITUIÇÃO E DIREITO PENAL ROQUE DE BRITO ALVES 1 I - INTRODUÇÃO 1 Infelizmente, no Brasil, a Constituição existe mais para ser violada e não aplicada, o que ocorreu, historicamente, desde a Constituição

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

Logo, se conclui que imputar é atribuir a responsabilidade de um fato a alguém que tenha condições de discernimento do seu ato.

Logo, se conclui que imputar é atribuir a responsabilidade de um fato a alguém que tenha condições de discernimento do seu ato. Conceito Em princípio, todos são responsáveis pelos seus atos e por suas condutas, devendo receber a devida sanção penal quando praticam atos tidos como criminosos. A exceção se dá com os inimputáveis,

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

Distinção entre concurso eventual e necessário

Distinção entre concurso eventual e necessário Conceito O concurso de pessoas é o encontro de duas ou mais pessoas para a prática de crimes, vulgarmente intituladas de cúmplices, comparsas, parceiros, amigos, companheiros, irmãos, manos, enfim, recebem

Leia mais