Distinção entre concurso eventual e necessário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Distinção entre concurso eventual e necessário"

Transcrição

1 Conceito O concurso de pessoas é o encontro de duas ou mais pessoas para a prática de crimes, vulgarmente intituladas de cúmplices, comparsas, parceiros, amigos, companheiros, irmãos, manos, enfim, recebem uma série de adjetivos populescos. Também recebe o nome de codelinquência, concurso de agentes, coautoria etc. O concurso de pessoas está dividido em três artigos, que encerram questões estritamente penais sobre o concursus delinquentium, a começar pelo artigo 29 do Código Penal 1. Regra geral o crime pode ser praticado por uma pessoa isoladamente ou por mais de uma pessoa, seja na fase da ideação da infração criminosa, na preparação do crime, na execução do crime ou, ainda, até mesmo na fase de exaurimento de um crime. Quando duas pessoas se unem estaremos diante de uma coautoria delinquente, ou codelinquência, ou, como diz o Código Penal: concurso de agentes. Distinção entre concurso eventual e necessário 1 Art. 29. Quem, de qualquer modo, concorre para o crime incide nas penas a ele cominadas, na medida de sua culpabilidade. 1.º Se a participação for de menor importância, a pena pode ser diminuída de um sexto a um terço. 2.º Se algum dos concorrentes quis participar de crime menos grave, ser-lhe-á aplicada a pena deste; essa pena será aumentada até metade, na hipótese de ter sido previsível o resultado mais grave. Há crimes que só podem ser praticados por mais de uma pessoa. A estes crimes é dado o nome de concurso necessário, ou seja, é obrigatória a presença de um número de pessoas para o reconhecimento do crime. São os chamados crimes coletivos bilaterais ou coletivos recíprocos. Ex.: a rixa (CP, art. 137), a formação de quadrilha ou bando (CP, art. 288), o esbulho possessório (CP, art. 161, II) etc., que são crimes nos quais sempre se exige um número determinado de pessoas para a prática da conduta. No concurso eventual, há o encontro casual de duas ou mais pessoas para a prática de um crime. É a grande maioria dos crimes, onde o legislador apena da mesma forma, na maioria dos casos, a participação de um ou de mais de um autor do delito. Exemplo: no estelionato (CP, art. 171), para se obter vantagem ilícita, não é preciso mais de uma pessoa. Se houver outro participante, a mesma pena será aplicada. 109

2 Porém, há exceções quando o legislador prevê que o crime será qualificado em decorrência da participação de mais uma pessoa, como se vê nos artigos 146, 1.º; 150, 1.º; 155, 4.º, IV; 157, 2.º, II do CP, entre outros. Teorias da coautoria delinquente Há várias teorias a respeito da coautoria delinquente, sendo que acabaram por se destacar três: Teoria monista ou monística, ou teoria unitária ou teoria igualitária, onde se considera como um crime único, igual a todos os participantes, ainda que tenha sido praticado por um conjunto de pessoas, sem se distinguir entre as várias categorias de pessoas, que praticaram a conduta típica. Assim, autor, partícipe, instigador, cúmplice, informante etc. são todos autores do crime, ou, em outras palavras, são todos coautores do crime. Pela teoria pluralista ou pluralística são vários os crimes cometidos, sendo que cada um dos participantes responderá pela prática de seu próprio crime, autonomamente. Por essa teoria, são diversas as formas de apenação de cada um dos integrantes do delito. Assim, se um apenas fornece meios, não iria responder pelo crime como um todo, exemplificadamente. Pela teoria dualista ou dualística há um crime para os autores e outro para os partícipes do mesmo crime. Se for possível cindir a conduta em principal e acessória teríamos, então, duas penas aplicadas a dois elementos que, num mesmo momento, praticaram uma conduta típica. Assim, se na ação principal um dos elementos pratica a conduta e é auxiliado pelo segundo agente, deverá haver uma diminuição da pena. Pelo artigo 25 do Código Penal em 1940 o Brasil havia adotado a teoria monista, que perdurou até a Reforma da Parte Geral do Código Penal, em 1984, principalmente diante da redação do artigo 29, caput, c/c os seus 1.º e 2.º, sendo que para alguns autores houve aproximação com a teoria dualista, ao distinguir a coautoria da participação, ou, como prefere a maioria dos doutrinadores, o Brasil adotou uma teoria monista mitigada, ou uma teoria monista temperada, pois abrandou a fórmula estanque da teoria monista, seguindo a tendência das legislações modernas (Portugal, Alemanha etc.). 110

3 Relação de causalidade Concurso de pessoas Conforme já asseveramos anteriormente, só poderá sofrer a sanção penal aquele que der causa ao resultado, lembrando que causa é toda a ação ou omissão sem a qual o resultado não teria eclodido (CP, art. 13). Daí chamado de nexo de causalidade, sendo que alguém só poderá responder pelo crime cometido por outrem quando existir uma ligação, uma ponte entre a conduta e o resultado. Esse nexo de causalidade, essa ligação, pode ser física, material, como também psíquica ou moral. Assim, responderá pela conduta típica tanto aquele que efetivamente praticou o fato típico, por exemplo, num homicídio, aquele que disparou a arma de fogo (nexo de causalidade físico ou material), como também aquele que, cônscio da situação, instigou, incentivou, planejou a morte de uma pessoa (nexo de causalidade moral ou psíquico). Lembremos que não é necessária a presença física do agente no local do crime para se imputar uma conduta criminosa a terceiro. Ex.: a extorsão mediante sequestro. Teremos várias pessoas em concurso, cada um agindo de uma maneira: A e B idealizaram. C passou para os atos preparatórios; D pela execução material; E pela ocorrência do resultado e F recebeu a vantagem indevida, ou seja, o exaurimento do crime, recebendo o dinheiro pedido pelo resgate. Note-se que A, B e C não participaram da parte material do delito. Mas todos estavam envolvidos nas diversas fases do processo criminoso, existindo o nexo de causalidade (psíquico ou físico), estará o agente respondendo pelo crime em seu todo. Nos crimes permanentes, enquanto permanecer a estabilidade permanente, haverá concurso de pessoas; nos crimes habituais, enquanto estiverem praticando atos reiterados da habitualidade, haverá, também, a coautoria delinquente; nos crimes continuados, enquanto houver a colaboração ou participação em mais de uma conduta típica, estará existindo a coautoria criminosa. Distinção entre coautoria e participação Genericamente, há duas formas ou maneiras de participação num crime, ou seja, coautoria e participação. Vejamos cada uma isoladamente. Coautoria propriamente dita: haverá a coautoria quando diversas pessoas, ou, pelo menos, mais de uma pessoa, prestam mútuo auxílio e 111

4 todos, dividindo as tarefas do grupo delinquente, realizam a conduta considerada típica e antijurídica. Ex.: A quer matar B. Poderá fazê-lo só. Porém, se convida para a prática criminosa C e este anui, fornecendo meios e contribuindo para o resultado, evidentemente, estaremos diante de um crime de homicídio, consumado ou tentado, em coautoria delinquente. A e C agiram em conjunto. São chamados de executores do crime. A coautoria do delito possui algumas nuances, com denominações próprias: autorias mediatas, autorias colaterais, autorias incertas, autorias desconhecidas ou ignoradas, e que, em realidade, não são formas de coautoria. Autoria mediata: se dá quando um agente faz com que terceira pessoa atue por erro de tipo essencial, sem que essa terceira pessoa tenha conhecimento da existência da real intenção do agente, posto que, se soubesse, seria coautoria. O exemplo clássico é do médico que, pretendendo matar seu paciente, manda que sua enfermeira ministre veneno ao invés de remédio. A enfermeira, por desconhecer a situação, assim o faz. Autoria colateral: se dá quando não há a conciliação de vontade dos agentes, devendo cada um responder por sua conduta, separadamente. O exemplo clássico é do caso de duas pessoas, A e B, cada uma desconhecendo por completo a intenção da outra, que pretendem matar C. Na mesma hora e local, armam-se e se amoitam em trechos separados da estrada, aguardando a passagem de C. Quando C passa, ambos disparam ao mesmo tempo, vindo a atingir e matar C. Porém, descobre-se que somente os projéteis de B foram eficientes para a morte de C, sendo que os projéteis de A não atingiram C. Nesse caso, B responde pelo crime consumado enquanto A responde pelo crime tentado de homicídio. Autoria incerta: se dá quando, no mesmo exemplo acima, não se tem condições de descobrir quem foi o verdadeiro autor do delito, ou, em outras palavras, quem, dos dois atiradores, efetivamente, contribuiu decisivamente para o resultado morte. Nesse caso, seria ilógico condenar os dois pelo resultado, pois somente um dos dois matou. Absolver a ambos é outro absurdo maior ainda, posto que, nesse caso, deixaria de existir uma reprimenda para a conduta criminosa. 112

5 Seria um prêmio para o criminoso. O Código Penal não soluciona a questão, sendo que a melhor solução é punir ambos pela tentativa de homicídio. A autoria desconhecida ou ignorada: se dá quando não se consegue apurar quem realizou a conduta, ou seja, não se descobre, por mais que se queira, saber quem foi o autor do delito. Na autoria desconhecida ou ignorada não há ninguém a que se possa indicar o resultado. Supondo-se que todos os agentes tenham praticado a conduta, cada um responderá de per si pelo resultado. A segunda forma de participação no crime chama-se participação ou participação propriamente dita. Existirá a participação quando um dos sujeitos efetivamente não pratica atos executórios do crime, não é considerado o executor do delito, mas, de qualquer modo, concorre para o crime, ou seja, de alguma maneira, concorreu para a realização da conduta típica e antijurídica. A segunda pessoa, por assim dizer, não realizou qualquer um dos atos executórios do delito, mas, tendo uma ligação com o agente, também responderá pela prática da conduta. A este elemento é dado o nome de partícipe. O partícipe não executa os atos próprios, porém, também responderá pela conduta. Ex.: A pretende matar D, porém, não o faz pessoalmente, incutindo na cabeça de R a intenção de matar. Envida todos os esforços para que R efetivamente mate D. R, então, encorajado por A, acaba matando D. Por isso, A responderá pela conduta de R como sendo o partícipe, enquanto R será o autor material da ação. O Código Penal não prevê nenhuma disposição em que o agente deverá responder pela conduta de mandar fazer, ou instigar a fazer (exceção, no suicídio). A lei é omissa nesse ponto, mas, com razão. Não há, pois, uma adequação típica da conduta. Mas há punição por meio da fórmula da adequação típica de subordinação mediata, expressa no artigo 29 do Código Penal com a frase de qualquer modo. Em contrapartida, a conduta típica e antijurídica do executor é a adequação típica de subordinação imediata. Natureza jurídica da participação: Pela teoria causal não se poderia fazer distinção entre autores e partícipes, posto que ambos deveriam responder pela conduta crimi- 113

6 nosa, sendo que o partícipe responderia pelo crime alheio como se fosse dele próprio, enquanto o executor do delito seria responsabilizado na mesma medida que o partícipe. Pela teoria da acessoriedade o partícipe responderia pela conduta do executor em razão de sua acessão ao crime, isto é, o partícipe acede ao tipo penal que será executado, contribuindo, de alguma maneira, para a prática da conduta. É verdadeira regra de ampliação pessoal do Código Penal. Por força disso, surgiram quatro categorias de acessoriedade: Acessoriedade mínima onde o agente partícipe será responsabilizado, por menor que tenha sido sua contribuição para a prática do crime. Não pode ser aceita tal colocação, posto que o partícipe, nesse caso, responderia por toda uma conduta quando não quisesse o resultado final. Acessoriedade extrema requer que o fato seja típico, antijurídico e culpável, tanto com relação ao agente como com relação ao partícipe. Exemplo: supondo-se que A mande um louco matar B, dando arma e munição suficiente. O louco mata. Perante a nossa lei o louco é inimputável. Assim, o mandante A estaria impune. Acessoriedade máxima ou hiperacessoriedade requer que todas as circunstâncias do crime sejam passadas, também, ao partícipe. Assim, se incidissem circunstâncias de agravação da pena para o executor, o partícipe também por ele responderia. Acessoriedade limitada na qual o agente partícipe somente responde pela conduta, desde que o fato principal praticado pelo executor seja típico e antijurídico. Não há necessidade de que o fato seja culpável, também, ao autor do crime. É esta a categoria de acessoriedade aceita pelo nosso ordenamento jurídico-penal. No exemplo do louco, independentemente da situação do louco, A responderá pela conduta. Requisitos no concurso de pessoas 114 Os doutrinadores não divergem sobre os requisitos básicos para a existência de concurso de pessoas. Para que exista o concurso é necessário:

7 Pluralidade de condutas - tanto na coautoria delinquente como na participação há a necessidade de que existam condutas convergentes para o mesmo fim, do ponto de vista objetivo, advindo daí o resultado. Na coautoria todos praticam condutas, mutuamente trabalhando para a eclosão do resultado. Relevância causal de cada uma das condutas é preciso que cada uma das condutas tenha uma importância para o Direito Penal, seja, pois, relevante para a prática do crime. Assim, quando o agente, sabendo da intenção criminosa, empresta solidariedade física à prática do delito, evidentemente sua conduta terá relevância para o delito, devendo responder por coautoria. Na participação, há necessidade de que saibam da intenção delituosa e adiram à mesma, auxiliando na prática da conduta. Liame subjetivo entre os agentes é preciso que exista um paralelo entre o nexo objetivo do crime (relação de causalidade) com o vínculo subjetivo (vontade de contribuir para a realização do tipo penal). É dispensável, porém, o prévio acordo de vontades, não é preciso que preexista o pactum sceleris, ou seja, no Direito Penal brasileiro basta que exista uma vontade em participar da conduta do outro, ou seja, que um agente, sabendo que o outro irá participar de uma conduta criminosa, adira a essa vontade. O liame subjetivo é exigido do partícipe, não do autor principal da conduta. Ex.: E, sabendo que F vai matar G, faz-se de amiga de G, deixa abertos os cadeados da residência de G, desligando o alarme da casa, permitindo que o trabalho de F seja executado com maior facilidade. F desconhecia por completo a intenção de E ; porém, houve adesão de vontade por parte de E na prática criminosa, motivo pelo qual deverá responder pela conduta criminosa, como partícipe do crime. Porém, supondo que no mesmo exemplo acima, descobre-se que E não sabia da real intenção de F ou, simplesmente, tinha esquecido de ligar o alarme da residência, e, culposamente, facilitou o trabalho de F. F agiu dolosamente e E culposamente. Diante disso, surge outra regra, demonstrando a impossibilidade de um agente responder pela conduta culposa e o outro dolosamente. Não há participação dolosa em crime culposo, assim como não há participação culposa em crime doloso. Por exemplo, não há crime de furto culposo ou de estelionato culposo. Logo, não se pode condenar o partícipe que culposamente pratica uma conduta dessa forma. Pode existir, porém, participação em crime culposo. 115

8 Identidade da conduta para todos os participantes em regra, todos os participantes do delito respondem pela prática de um mesmo crime. Assim, por força de circunstâncias elementares do crime de peculato, por exemplo, todos os que praticaram a conduta com o funcionário público, sem o ser, respondem pelo peculato, também, conforme se vê no artigo 30 do Código Penal. Se operar a desclassificação do crime para o autor principal, evidentemente, todos os comparsas também serão aquinhoados pela modificação. Por exemplo, se o agente funcionário público, denunciado por peculato (CP, art. 312) vem a obter a desclassificação para o crime de apropriação indébita (CP, art. 168), todos os seus comparsas serão beneficiados. Formas de participação Pela disposição geral do artigo 29 do CP quem, de qualquer modo, concorre para o crime [...] quer dizer que o legislador procurou elencar todas as hipóteses possíveis e imagináveis de participação num crime, eis que o próprio crime conta com incomensuráveis facetas. Logo, a expressão de qualquer modo deve ser entendida como sendo aquela em que o agente presta qualquer tipo de colaboração, auxílio, ajuda, instigação ou determinação na prática do crime, seja auxiliando, cooperando, contribuindo com a realização da conduta etc. A participação no crime pode ser: Moral (ou psíquica) quando o agente (partícipe) instiga, determina, ajusta a prática da conduta criminosa com o agente principal (executor); Material (ou física) quando o partícipe fornece meios para que o iter criminis tenha um resultado final satisfatório às pretensões do executor. A forma de concorrência poderá existir, também, de maneira omissiva, não apenas comissiva, como à primeira vista parece. Porém, para que exista a concorrência no crime, de maneira negativa, também chamada de conivência ou participação negativa, é necessário que o agente tenha o dever de agir, de procurar impedir o resultado. Isso de acordo com o artigo 13, 2.º do CP. 116

9 Punibilidade diminuída na participação Concurso de pessoas Dispõe a lei penal formas especiais de diminuição da pena, nas hipóteses previstas nos 1.º e 2.º do artigo 29 do Código Penal. Vejamos: Quando o agente tiver uma participação de somenos importância na eclosão do resultado final, evidentemente o partícipe não poderá sofrer a mesma pena daquele que, efetivamente, mais violentamente, conduziu o resultado. A participação de menor importância tem que ser vinculada àquela que de pouco ou quase nada serviria para a eclosão do resultado. A participação tem que ser muito pequena, quase um nonada, para que possa ser intitulada de menor importância. A menor participação pode ser moral ou material e só deve ser aceita quanto ao partícipe que demonstre sua insignificante participação no crime. Quando o agente não desejava praticar o crime de maior gravidade que aquele praticado pelo executor. Houve um desvio de objetividade jurídica praticada por um dos participantes do delito. Ex.: dois assaltantes planejam um roubo. Um fica do lado de fora enquanto o outro adentra à residência. No interior da residência, ao ser surpreendido pela vítima, para evitar a delação da ocorrência, a mata, passando agora a se tratar de latrocínio. O bandido que ficou do lado de fora, sem qualquer participação, não poderia receber a mesma pena que o autor do latrocínio, posto que não teve qualquer intenção nesse sentido. Por isso, diz a lei que ao concorrente que quis participar de um crime menos grave será a este imputada tal pena. No entanto, se fosse possível ao agente prever a ocorrência de um resultado mais grave do que aquele que o agente pensou em participar, a pena será, então, aumentada, conforme dispõe a parte final do 2.º do artigo 29 do CP. O participante tinha a consciência de que sua conduta poderia cominar um resultado mais gravoso do que aquele esperado. Desse modo, não se contém na realização de sua conduta, ajudando ou instigando o coautor do crime. Mesmo sabendo da possibilidade de ocorrer um resultado mais grave, o agente, ainda assim, participa da conduta. 117

10 Logo, embora não tenha querido a prática do crime mais grave, tinha a previsibilidade de que o mesmo pudesse ocorrer. Diante disso, sua pena será aumentada. Ex.: A manda M dar uma surra em R. M, porém, se excede, vindo a matar R. Diante desse fato, M responderá pelo homicídio e A por lesões corporais dolosas, tendo sua pena aumentada até a metade. Circunstâncias incomunicáveis 2 Art. 30. Não se comunicam as circunstâncias e as condições de caráter pessoal, salvo quando elementares do crime. Nos termos do artigo 30 do Código Penal 2 apenas são comunicadas ao partícipe as circunstâncias elementares do delito, lembrando que circunstâncias são os elementos agregados ao tipo penal que lhe informam sua característica, aumentando ou diminuindo a pena que será imposta. Há circunstâncias objetivas: como o tempo, ocasião, lugar, objeto do crime, qualificação do ofendido etc. e subjetivas: também consideradas como morais, em razão da situação em que o crime é cometido, por exemplo, por meio de emoção, motivos do crime (fútil ou torpe) etc. As circunstâncias podem ser condições pessoais como as relações de estados, empregos, qualificações, situações de fato ou de direito que fazem com que o crime seja considerado mais ou menos grave, influenciando na dosagem da pena e, principalmente, na sua própria classificação penal. Por exemplo, são situações de fato: o estado gravídico da mulher, ser o ofendido maior de setenta anos, ser o ofendido menor de idade. Logo, não se comunicam as condições de natureza subjetiva, pois são personalíssimas, ao passo que as circunstâncias objetivas não são creditadas ao partícipe se este não ingressou na esfera de seu conhecimento. As elementares sempre se comunicam aos fatos cometidos pelos participantes, desde que tenham ingressado na esfera de seu conhecimento. Casos de impunibilidade 3 Art. 31. O ajuste, a determinação ou instigação e o auxílio, salvo disposição expressa em contrário, não são puníveis, se o crime não chega, pelo menos, a ser tentado. Pela regra do artigo 31 do Código Penal 3 há necessidade de que um crime tenha, ao menos, sido iniciado, para que o mesmo seja perseguido e apenado. Pode ocorrer que o agente nem sequer tenha iniciado a prática de um crime, ficando apenas na fase da cogitatio. Nesse caso, não haverá punição alguma, eis que o crime nem sequer chegou a ser tentado. 118

11 Se o crime imaginado (cogitatio) estiver na esfera de outro delito, por certo, será crime de per si. Ex.: se o agente pretende matar uma pessoa, e vai até a direção da residência do seu desafeto, armado com uma arma de fogo. Porém, no caminho, é preso com a referida arma ilegal, haverá crime de per si. Quanto ao homicídio não existirá punição, eis que o crime nem se iniciou. Questões para debates 1. Descreva as modalidades de participação num crime. 2. Qual teoria é a aceita pelo Código Penal brasileiro para o concurso de pessoas? 3. É possível existir participação dolosa em crime culposo? 4. Quais os requisitos para o reconhecimento do concurso de pessoas? 5. Quais os tipos de acessoriedade que existem na participação? Atividade de aplicação 1. (TRF-2) No caso de crime praticado em concurso de pessoas, se algum concorrente quis praticar crime menos grave, não sendo previsível o resultado mais grave, ele receberá a pena: a) do crime menos grave. b) igual a dos outros comparsas. c) do crime mais grave, reduzida de metade. d) do crime menos grave aumentada de metade. e) do crime mais grave reduzida de dois terços. Dica de estudo Observar sempre que o concurso de agentes se divide em coautoria e participação. Existem diversas formas de participação em crimes, não sendo necessária a presença física do coautor na cena criminosa. 119

12 Referências FRAGOSO, Heleno Cláudio. Lições de Direito Penal Parte Geral. 10. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, GARCIA, Basileu. Instituições de Direito Penal. Volume 1, Tomo I. 4. ed. São Paulo: Ed. Max Limonad, HUNGRIA, Nélson. Comentários ao Código Penal. Volume 1, Tomo I. Rio de Janeiro: Forense, JESUS, Damasio Evangelista de. Direito Penal. Volume I, Parte Geral. 31. ed. São Paulo: Saraiva, MAGALHÃES NORONHA, Edgard de. Direito Penal. Volume I. 2. ed. São Paulo: Saraiva, MARQUES, José Frederico. Tratado de Direito Penal. Campinas: Bookseller, MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de Direito Penal. 24. ed. São Paulo: Atlas, PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro. Volume I, Parte Geral, arts. 1.º a ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Manual de Derecho Penal Parte General. Buenos Aires: Ediar, Gabarito Questões para debates 1. As modalidades de participação num crime se dão, genericamente, de duas formas ou maneiras: coautoria e participação. A coautoria propriamente dita se dá quando mais de uma pessoa presta mútuo auxílio e todos, dividindo as tarefas do grupo delinquente, realizam a conduta considerada típica e antijurídica. São chamados de executores do crime. Pode ser por meio de autoria mediata ou autoria colateral, autoria incerta, autoria desconhecida ou ignorada. A segunda forma de participação no 120

13 crime chama-se participação ou participação propriamente dita e existirá quando um dos sujeitos efetivamente não pratica atos executórios do crime, não é considerado o executor do delito, mas, de qualquer modo, concorre para o crime, ou seja, de alguma maneira concorreu para a realização da conduta típica e antijurídica. 2. O Código Penal brasileiro adotou a teoria monista mitigada, ou uma teoria monista temperada, pois abrandou a fórmula estanque da teoria monista ao descrever que cada agente concorrerá para o crime, na medida de sua culpabilidade. 3. Não há participação dolosa em crime culposo, assim como não há participação culposa em crime doloso. 4. Para o reconhecimento do concurso de pessoas é preciso que sejam preenchidos os seguintes requisitos: a) pluralidade de condutas; b) relevância causal de cada uma das condutas; c) liame subjetivo entre os agentes; d) identidade da conduta para todos os participantes. 5. Há quatro categorias de acessoriedade: a) mínima onde o agente partícipe será responsabilizado por menor que tenha sido sua contribuição para a prática do crime. b) extrema requer que o fato seja típico, antijurídico e culpável, tanto com relação ao agente como com relação ao partícipe. c) acessoriedade máxima ou hiperacessoriedade requer que todas as circunstâncias do crime sejam passadas, também, ao partícipe. Assim, se incidissem circunstâncias de agravação da pena para o executor, o partícipe também por ele responderia. d) acessoriedade limitada na qual o agente partícipe somente responde pela conduta, desde que o fato principal praticado pelo executor seja típico e antijurídico. Não há necessidade de que o fato seja culpável, também, ao autor do crime. É esta a categoria de acessoriedade aceita pelo nosso ordenamento jurídico-penal. Gabarito Atividade de aplicação 1. A 121

14

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas.

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. CONCURSO DE PESSOAS Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. Nos crimes unisubjetivos o concurso

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

Chamamos esses fenômenos jurídicos de ultratividade da lei penal e retroatividade

Chamamos esses fenômenos jurídicos de ultratividade da lei penal e retroatividade Conceito A lei penal, quanto à sua obrigatoriedade e efetiva vigência, está subordinada às mesmas regras que disciplinam as leis em geral: publicação oficial no Diário Oficial e decurso de eventual prazo

Leia mais

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO Significado: Terminar, acabar. Importância: Termo inicial da prescrição e na competência territorial (não esquecer da teria da ubiqüidade quanto ao

Leia mais

CONCURSO DE PESSOAS DIREITO PENAL II 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO.

CONCURSO DE PESSOAS DIREITO PENAL II 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. CONCURSO DE PESSOAS DIREITO PENAL II 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 EMENTA: Concurso de pessoas. Conceito. Teorias. Distinção entre coautoria

Leia mais

Lugar do crime, relação de causalidade e relevância da omissão. Lugar do crime. Conceito. Teorias sobre o lugar do crime

Lugar do crime, relação de causalidade e relevância da omissão. Lugar do crime. Conceito. Teorias sobre o lugar do crime Lugar do crime, relação de causalidade e relevância da omissão Lugar do crime Conceito É preciso fixar o local em que ocorre a infração penal para se saber qual é a lei penal que deve ser aplicada. É preciso

Leia mais

Crime consumado, crime tentado, desistência voluntária e arrependimento eficaz

Crime consumado, crime tentado, desistência voluntária e arrependimento eficaz Crime consumado, crime tentado, desistência voluntária e arrependimento eficaz Crime consumado Nos termos do artigo 14 do Código Penal há uma definição legal do que se considera crime consumado e tentado

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes

PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes DIREITO PENAL PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes PONTO 1 CONCURSO DE PESSOAS 1- Introdução 2- Requisitos 2.1 Exigem-se, pelo menos, duas condutas: ou duas condutas principais (coautoria)

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal Direito Penal 1. Apresentação José Nabuco Filho: Advogado criminalista em São Paulo, mestre em Direito Penal 1 (UNIMEP), professor de Direito Penal desde 2000. Na Universidade São Judas Tadeu, desde 2011,

Leia mais

1. CONCURSO DE PESSOAS.

1. CONCURSO DE PESSOAS. 1. CONCURSO DE PESSOAS. Conceito: ciente e voluntária cooperação de duas ou mais pessoas na mesma infração penal (Noronha). Trata-se, portanto, da convergência de vontades para um fim comum, ou seja, a

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

CURSO DE DIREITO O CONCURSO DE PESSOAS NO ATUAL CÓDIGO PENAL BRASILEIRO VICTOR VINICIUS MENDONÇA DE FREITAS

CURSO DE DIREITO O CONCURSO DE PESSOAS NO ATUAL CÓDIGO PENAL BRASILEIRO VICTOR VINICIUS MENDONÇA DE FREITAS CURSO DE DIREITO O CONCURSO DE PESSOAS NO ATUAL CÓDIGO PENAL BRASILEIRO VICTOR VINICIUS MENDONÇA DE FREITAS RA: 488972/0 TURMA: 3109A02 FONE: (11) 7215-9926 E-MAIL: victormendonca@ig.com.br SÃO PAULO 2008

Leia mais

FACULDADE EXPONENCIAL FIE Curso de Pós-Graduação (Lato Sensu) em Nível de Especialização em Direito Público e Privado: material e processual

FACULDADE EXPONENCIAL FIE Curso de Pós-Graduação (Lato Sensu) em Nível de Especialização em Direito Público e Privado: material e processual FACULDADE EXPONENCIAL FIE Curso de Pós-Graduação (Lato Sensu) em Nível de Especialização em Direito Público e Privado: material e processual A AUTORIA NO DIREITO PENAL BRASILEIRO E A TEORIA DO DOMÍNIO

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

Embriaguez e Responsabilidade Penal

Embriaguez e Responsabilidade Penal Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I (1ª PARTE- TEORIA DO CRIME) NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Ciências Penais,

Leia mais

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA.

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios XL Concurso Público para Provimento de Cargos de Juiz de Direito Substituto da Justiça do Distrito Federal SEGUNDA PROVA

Leia mais

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo A figura do crime continuado surgiu na antigüidade por razões humanitárias, a fim de que fosse evitada

Leia mais

Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 3. Professor: Marcelo Uzeda. Monitor: Marcelo Coimbra

Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 3. Professor: Marcelo Uzeda. Monitor: Marcelo Coimbra Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 3 Professor: Marcelo Uzeda Monitor: Marcelo Coimbra 1) Concurso de Pessoas (continuação): Na aula passada estávamos falando no concurso

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira Saudações aos amigos concurseiros que realizaram a prova do TRE PB. Analisei as questões de Direito Penal (área judiciária e área administrativa) e estou disponibilizando o comentário das mesmas. Na minha

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar ao aluno contato com toda a teoria do delito, com todos os elementos que integram o crime.

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar ao aluno contato com toda a teoria do delito, com todos os elementos que integram o crime. DISCIPLINA: Direito Penal II SEMESTRE DE ESTUDO: 3º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR118 1. EMENTA: Teoria Geral do Crime. Sujeitos da ação típica. Da Tipicidade. Elementos.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio)

CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) RESUMO Há várias classificações para os crimes, ora se referindo à gravidade do fato, ora à forma de

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO 331 A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL Cícero Oliveira Leczinieski 1 Ricardo Cesar Cidade 2 Alberto Wunderlich 3 RESUMO Este artigo visa traçar breves comentários acerca da compatibilidade

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 Disciplina: Direito Penal II Departamento III Penal e Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 3º ano Docente Responsável: José Francisco Cagliari

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL (D-11) Área: Ciências Sociais Período: Segundo Turno: matutino/noturno Ano: 2013-1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04

Leia mais

Julio 2008 O CRIME DE PARTICIPAÇÃO EM SUICÍDIO NO CÓDIGO PENAL

Julio 2008 O CRIME DE PARTICIPAÇÃO EM SUICÍDIO NO CÓDIGO PENAL Julio 2008 O CRIME DE PARTICIPAÇÃO EM SUICÍDIO NO CÓDIGO PENAL Marcelo Nunes Apolinário Para citar este artículo puede utilizar el siguiente formato: Nunes Apolinário, M.: O crime de participação em suicídio

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES

1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES DIREITO PENAL Classificação dos Crimes RESUMO DA AULA 1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES; 2 QUESTÕES COMENTADAS. INTRODUÇÃO 1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES O CRIME PODE SER VISTO POR INÚMEROS ÂNGULOS E, DEPENDENDO

Leia mais

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito.

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-09 PERÍODO: 3 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I NOME DO CURSO: DIREITO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 2. EMENTA Introdução:

Leia mais

DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan. Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.)

DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan. Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.) DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.) 1. HOMICÍDIO SIMPLES ART. 121 CAPUT DO C.P. 1.1. Homicídio Simples: 1.1.1. Objeto jurídico (bem jurídico tutelado):

Leia mais

Qual a regra do CP domínio funcional do fato

Qual a regra do CP domínio funcional do fato DIREITO PENAL II CONCURSO DE PESSOAS(29, CP): A princípio, esse dispositivo só teria aplicação no que tange aos crimes unissubjetivos, já que diante da necessidade do concurso de duas ou mais pessoas nos

Leia mais

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido.

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA CONCEITO Dispõe o art. 288 do CP: Associarem-se três ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. No delito em apreço, pune-se

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13-

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DE FORMAÇÃO FUNDAMENTAL,

Leia mais

Art. 1º, LICP as infrações penais representam um gênero que se divide em duas espécies:

Art. 1º, LICP as infrações penais representam um gênero que se divide em duas espécies: DO CRIME Introdução O Brasil adotou somente dois tipos de infrações penais como a doutrina denomina de sistema dicotômico ou bipartido, conforme se extrai da leitura do art. 1º da Lei de Introdução ao

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE CRIMES

TEMA: CONCURSO DE CRIMES TEMA: CONCURSO DE CRIMES 1. INTRODUÇÃO Ocorre quando um mesmo sujeito pratica dois ou mais crimes. Pode haver um ou mais comportamentos. É o chamado concursus delictorum. Pode ocorrer entre qualquer espécie

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Penal II Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO EMENTA A prática do crime

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA DA DISCIPLINA OBJETIVOS DA DISCIPLINA. 1-Identificar os bens jurídicos tutelados no Código Penal Brasileiro.

PLANO DE ENSINO EMENTA DA DISCIPLINA OBJETIVOS DA DISCIPLINA. 1-Identificar os bens jurídicos tutelados no Código Penal Brasileiro. FACULDADE: FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO: DIREITO DISCIPLINA: DIREITO PENAL PARTE ESPECIAL I CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 075 4º- SEMESTRE: 2013 PROFESSOR(A): LÁSARO MOREIRA DA SILVA PLANO

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE MS Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE MS Autor: Dicler Forestieri Ferreira Caros amigos batalhadores pela aprovação no concurso público, abaixo segue a resolução das provas de Direito Penal aplicadas pela Fundação Carlos Chagas (FCC) no último fim de semana em virtude do concurso

Leia mais

TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO

TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO me PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Direito TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO Autora: Francileide Pereira de Sousa Orientador: Hailton da Silva Cunha FRANCILEIDE PEREIRA DE SOUSA TEORIA

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Penal III Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO EMENTA Introdução ao

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Í N D I C E Código Disciplina Página DIR 05-00188 Direito Penal I 2 DIR 05-00361 Direito Penal II 3 DIR 05-00528 Direito Penal III 4 DIR 0-00684 Direito Penal IV 5 DIR 05-07407

Leia mais

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Direito Penal Parte Especial do

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal III Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 4º ano Docente Responsável: Gustavo

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

&RQFHLWRGH'ROR. Descaracterizando o DOLO de uma conduta, tornando o ato de doloso para culposo, a extensão da pena diminui drasticamente.

&RQFHLWRGH'ROR. Descaracterizando o DOLO de uma conduta, tornando o ato de doloso para culposo, a extensão da pena diminui drasticamente. &RQFHLWRGH'ROR 3RU$QGUp5LFDUGRGH2OLYHLUD5LRV(VWXGDQWHGH'LUHLWR Tão importante no Direito Penal, o conceito de DOLO, deve estar sempre presente na cabeça do advogado Criminalista. Pois, quem conhece e sabe

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade NEXO DE CAUSALIDADE O nexo causal ou relação de causalidade é o elo que une

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009 9ª Aula: Parte Especial: Homicídio, Infanticídio, Participação no Suicídio, Aborto e Lesão Corporal. 1. HOMICIDIO 1. Homicídio simples: Caput pena de 6 a 20 anos de reclusão. É crime hediondo? Não, salvo

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 DOS CRIMES CONTRA A VIDA HOMICÍDIO Camila Beatriz Herschaft 1 Jenifer Maldaner 2 Marciele Burg 3 Rogério Cézar Soehn 4 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 HOMICÍDIO. 2.1 O PRIMEIRO HOMICÍDIO. 2.2 OBJETO JURÍDICO.

Leia mais

Arthur Migliari Júnior

Arthur Migliari Júnior Arthur Migliari Júnior Doutorando pela Universidade de Coimbra. Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professor universitário e de cursos preparatórios para concursos.

Leia mais

DIREITO PENAL II e III MATERIAL DE APOIO E ORIENTAÇÃO SOBRE CONCURSO DE PESSOAS OU AGENTES

DIREITO PENAL II e III MATERIAL DE APOIO E ORIENTAÇÃO SOBRE CONCURSO DE PESSOAS OU AGENTES CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO UNIFRA CURSO DE DIREITO DIREITO PENAL II e III MATERIAL DE APOIO E ORIENTAÇÃO SOBRE CONCURSO DE PESSOAS OU AGENTES Professor Fábio Freitas Dias Santa Maria, março de 2012

Leia mais

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Conceito. Causa. É elemento do fato típico. É o vínculo entre conduta e resultado. O estudo da causalidade busca concluir se o resultado decorreu da conduta

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

AULA 3 23/02/11 A ANÁLISE TIPOLÓGICA DO ART. 121

AULA 3 23/02/11 A ANÁLISE TIPOLÓGICA DO ART. 121 AULA 3 23/02/11 A ANÁLISE TIPOLÓGICA DO ART. 121 1 CÓDIGO PENAL, ART. 121, CAPUT O caput do art. 121, do Código Penal 1, trata da forma simples do crime de homicídio. É a forma basilar do tipo, desprovida

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2012 PREFÁCIO Publiquei em 1998 o Direito Penal Português, II, Teoria do

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

JORGE Luís de CAMARGO 1

JORGE Luís de CAMARGO 1 O ELEMENTO SUBJETIVO NAS EXCLUDENTES DE ILICITUDE E A NECESSIDADE DE SUA QUESITAÇÃO NOS PROCESSOS A SEREM JULGADOS PELO CONSELHO DE SENTENÇA NO TRIBUNAL DO JÚRI JORGE Luís de CAMARGO 1 Sumário: 1. Conceito

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

SUPERVENIÊNCIA DE CAUSA INDEPENDENTE CAUSAS INDEPENDENTES

SUPERVENIÊNCIA DE CAUSA INDEPENDENTE CAUSAS INDEPENDENTES RETA FINAL MINISTÉRIO PÚBLICO DE SP Direito Penal André Estefam Data: 1º/09/2012 Aula 2 RESUMO SUMÁRIO 1) Relação de Causalidade (continuação) 2) Superveniência de Causa Independente 3) Relevância Penal

Leia mais

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo Art. 316 CONCUSSÃO 1. CONCEITO Reza o artigo 316, caput, do Código Penal: Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função, ou antes, de assumi-la, mas em razão dela, vantagem

Leia mais

CONCURSO DE PESSOAS NO INFANTICÍDIO

CONCURSO DE PESSOAS NO INFANTICÍDIO CONCURSO DE PESSOAS NO INFANTICÍDIO Thyara Galante Alvim SOARES 1 Antenor Ferreira PAVARINA 2 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo analisar a punibilidade dos agentes que, em concurso, praticam

Leia mais

ITER CRIMINIS CAPÍTULO 4 ITER CRIMINIS

ITER CRIMINIS CAPÍTULO 4 ITER CRIMINIS LEIA A LEI: ͳͳ arts. 14, 15, 16 e 17 do Código Penal. ͳͳ art. 4 do Dec.-Lei 3.688/41 CAPÍTULO 4 ITER CRIMINIS 1. NOÇÕES PRELIMINARES Alguns institutos complementam o fato típico e são capazes, inclusive,

Leia mais

Direito Penal. Teoria do Crime. Prof. Saulo Cerutti

Direito Penal. Teoria do Crime. Prof. Saulo Cerutti Direito Penal Teoria do Crime Prof. Saulo Cerutti A necessidade da teoria do delito consiste na maior facilidade na averiguação da presença ou não do delito em cada caso concreto. A teoria do delito é

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21 SUMÁRIO Parte 1 Aspectos gerais da atividade policial Capítulo 1 Distinção entre a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a Guarda Municipal...3 Capítulo 2

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

TRIBUNAL DO JÚRI: A NOVA QUESITAÇÃO

TRIBUNAL DO JÚRI: A NOVA QUESITAÇÃO TRIBUNAL DO JÚRI: A NOVA QUESITAÇÃO Delmar Pacheco da Luz Procurador de Justiça 1 Questionário Seguramente este é um dos tópicos do Procedimento do Júri que sofreu as mudanças mais profundas. Há muito

Leia mais

Arthur Migliari Júnior

Arthur Migliari Júnior Arthur Migliari Júnior Doutorando pela Universidade de Coimbra. Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professor universitário e de cursos preparatórios para concursos.

Leia mais

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 XXSumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 1. Conceito de direito penal... 29 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal... 32 1.2. Conceito

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes:

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes: 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito 3) Espécies de concursos de crimes 4) Natureza Jurídica 5) Sistemas de aplicação da pena 6) Concurso Material ou Real 7) Concurso

Leia mais

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Espécies de Conduta a) A conduta pode ser dolosa ou culposa. b) A conduta pode ser comissiva ou omissiva. O tema dolo e culpa estão ligados à

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL TEORIA DO CRIME 2 Teoria do crime INFRAÇÃO PENAL; Critério bipartido; Art. 1 da LICP Crime é infração penal

Leia mais

1. CONCURSO MATERIAL OU REAL

1. CONCURSO MATERIAL OU REAL DO CONCURSO DE CRIMES C V D Sumário 1. Concurso material ou real; 1.2 Espécies; 1.3 Aplicação das penas 2. Concurso formal ou ideal: 2.1 Espécies; 2.2 Aplicação das penas 3. Crime continuado: 3.1 Requisitos;

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material 01 MOEDA FALSA Sumário: 1. Moeda falsa 2. Crimes assimilados ao de moeda falsa 3. Petrechos para falsificação de moeda 4. Emissão de título ao portador sem permissão legal. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução

Leia mais

TCU ACE 2008 DIREITO PENAL Prof. Dicler Forestieri

TCU ACE 2008 DIREITO PENAL Prof. Dicler Forestieri Caros concurseiros, é com imensa satisfação que hoje trago os comentários da prova de Direito Penal do cargo de Analista de Controle Externo do TCU, aplicada pelo CESPE/UnB no último fim de semana. Tenha

Leia mais

Aula de Direito Penal. 2015.02. Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático.

Aula de Direito Penal. 2015.02. Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático. Aula de Direito Penal. 2015.02 Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático. Conceito analítico do crime. A teoria bipartida e tripartida do crime. Crime é uma conduta típica, ilícita

Leia mais

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO SUMÁRIO Parte 1 ASPECTOS GERAIS DA ATIVIDADE POLICIAL Capítulo 1 Distinção entre a Política Militar,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Crime de Aborto e Suas Principais Características Carlos Valfrido Aborto Conceito: Aborto é a interrupção de uma gestação com a conseqüente morte do feto. Do latim ab (privação),

Leia mais

DIREITO PENAL CURSO COMPLEMENTAR P/ ICMS-SP CURSOS ON-LINE PROFESSOR JULIO MARQUETI

DIREITO PENAL CURSO COMPLEMENTAR P/ ICMS-SP CURSOS ON-LINE PROFESSOR JULIO MARQUETI 8.2. DA APLICAÇÃO DAS PENAS. Agora vamos tratar das regras gerais para aplicação das penas. Nas linhas anteriores já falamos da aplicação das penas de multa e restritivas de direitos (itens 8.1.3.1 e 8.1.2.6).

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina

Plano de Ensino de Disciplina UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito Departamento de Direito e Processo Penal Plano de Ensino de Disciplina DISCIPLINA: DIREITO PE AL I CÓDIGO: DIN101 PRÉ-REQUISITO: DIT027 DEPARTAMENTO:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA Karina Nogueira Alves A legítima defesa é um direito natural, intrínseco ao ser humano e, portanto, anterior à sua codificação, como norma decorrente da própria constituição do

Leia mais

VERSÃO CURRICULAR: 2008/1. EME TA Teoria da Pena. Sistema penal sancionatório e valores constitucionais. Extinção da punibilidade.

VERSÃO CURRICULAR: 2008/1. EME TA Teoria da Pena. Sistema penal sancionatório e valores constitucionais. Extinção da punibilidade. 1 U IVERSIDADE FEDERAL DE MI AS GERAIS Faculdade de Direito Departamento de Direito e Processo Penal Plano de Ensino de Disciplina VERSÃO CURRICULAR: 2008/1 DISCIPLINA: DIREITO PE AL II CÓDIGO: DIN102

Leia mais