DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES"

Transcrição

1 DIREITO PENAL Apostila 01 Assunto 01: Conceito, aplicação ão, fontes Assunto 02: Crimes: definição ão, sujeitos, formas de punição Profº.. HEBER LIMA NEVES

2 A lei penal deve ser clara, precisa, atual e sincera. A lei penal, quanto à sua obrigatoriedade, é encarada em relação ao tempo, às pessoas a que se aplica e ao lugar em que o crime foi cometido. É o ramo do direito público que define as infrações penais, estabelecendo as penas e as medidas de segurança aplicáveis aos infratores. Distingue-se o direito penal objetivo, que é o conjunto de normas penais em vigor no país, do direito penal subjetivo, que é o direito de punir (jus puniendi) que surge para o estado com a prática de uma infração penal

3 Fontes do direito penal Código Penal e o Código de Processo Penal de cada país, bem como a legislação penal complementar. Fontes auxiliares doutrina (conjunto de teses e correntes jurídicas defendidas por juristas e estudiosos do Direito) jurisprudência (conjunto de decisões judiciais concretas, formando os precedentes judiciais), acumuladas em determinada jurisdição. Dentro do chamado Direito material, aquele derivado das leis, essas são as fontes primordiais do Direito Penal.

4 Fontes secundárias do Direito Penal costumes; prática social reiterada do comportamento e o animus, que consiste na convicção subjetiva ou psicológica de obrigatoriedade desses comportamentos enquanto representativos de valores essenciais, analogia; Consiste em aplicar a um caso não previsto de modo direto por uma norma jurídica, uma norma prevista para um hipótese distinta, mas semelhante ao caso concreto. formas a analogia: a primeira como "in bonam partem" que é aquela que não prejudica o agente, não gerando soluções absurdas. A segunda como "in malam partem", é aquela que de alguma forma prejudica o agente, por isso não é admitida no Direito Penal.

5 Fontes secundárias do Direito Penal Eqüidade: consiste na adaptação da regra existente à situação concreta, observando-se os critérios de justiça e igualdade. Pode-se dizer, então, que a eqüidade adapta a regra a um caso específico, a fim de deixa-la mais justa. Princípios gerais do Direito; são enunciações normativas de valor genérico, que condicionam e orientam a compreensão do ordenamento jurídico em sua aplicação, integração e a elaboração de novas normas. - não estão definidos em nenhuma norma legal. Ex: Falar e não provar é o mesmo que não falar Ninguém pode causar dano e quem causar terá que indenizar Ninguém pode se beneficiar da própria torpeza etc Tratados e convenções internacionais. tratado é um meio pelo qual sujeitos de direito internacional principalmente os Estados nacionais e as Organizações Internacionais estipulam direitos e obrigações entre si.

6 Penas DAS PENAS conforme art 32 do CP são as seguintes espécies Privativas de liberdade. Reclusão (cumprida em regime fechado semi-aberto ou aberto), detenção (cumprida em regime semi-aberto ou aberto, salvo a hipótese de regressão de pena para o regime fechado) prisão simples ( sós para as contravenções regimes semi-aberto ou aberto); Restritivas de direito: : prestação pecuniária, perda de bens e valores, prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas, interdição temporária ria de direitos e limitação de fim de semana; e Multa

7 Infrações Penais infrações penais dividem-se em: a) ) crimes ou delitos e b) contravenções ões. é um crime que causa menores danos e com sanções menos graves Diferença art 1º 1 da Lei de Introdução ao CP Considera Considera-se se crime ta infração penal a que a lei comina pena de reclusão ou de detenção, quer isoladamente, que alternativa ou cumulativamente com a pena de multa; contravenção, a infração penal a que a lei comina, isoladamente, pena de prisão simples (cumprida no regime semi- aberto ou aberto) ou multa, ou ambas, alternativa ou cumulativamente

8 Crime (conceito( conceito) Conceito formal: É a previsão de uma conduta delituosa sob o aspecto da técnica jurídica, ou seja, do ponto de vista da Lei. É o fato típico e ilícito Conceito material. Vê o crime sob o ponto de vista ontológico, ou seja, qual a razão que levou o legislador a determinar como criminosa uma conduta humana, sua natureza danosa e suas conseqüências. Conceito analítico. É o fato humano típico e ilícito em que a culpabilidade é o pressuposto da pena e a periculosidade o pressuposto da medida de segurança. Para alguns há ainda o elemento culpabilidade, que é a reprovação da ordem jurídica ao fato antijurídico e típico.

9 Fato típicot É o comportamento humano previsto em lei como infração penal, e que produz, em regra, um resultado. Ex: Art 121 do CP Matar Alguém (comportamento humano) Pena: reclusão de 6[seis] a 20 [vinte] anos de (resultado). ELEMENTOS a) conduta: ação ou omissão dirigida a um fim de fazer ou não fazer de forma voluntária b) resultado: exceto nos crimes de tentativa, é a modificação no mundo exterior provocada pelo comportamento humano voluntário. Ressalte-se que nem todo crime produz resultado, ou seja, não há qualquer alteração no mundo natural) c) relação de causalidade: toda ação ou omissão sem o qual o resultado não teria ocorrido; e d) tipicidade: correspondência ou a adequação perfeita entre o fato natural, concreto e a descrição contida na lei penal

10 Fato ilícito, ou ilicitude. É a contradição entre a conduta do agente (fato) e o ordenamento jurídico (Lei), ou seja, é a realização de um fato proibido pelo ordenamento legal. Não há escalonamento. Um furto é tão ilícito quanto um latrocínio. causas legais que excluem a ilicitude: a. Legítima defesa, b. Estado de necessidade, c. Estrito cumprimento do dever legal e d. Exercício regular do direito Mesmo que o agente pratique uma conduta proibida (matar alguém, que é um fato típico), desde que em legítima defesa, não há o requisito da ilicitude, portanto, não há crime.

11 Culpabilidade. É um juízo de censura ou a reprovabilidade que se realiza sobre alguém quando da prática de um fato típico e ilícito. elementos: imputabilidade que é a capacidade do agente entender o caráter ilícito do fato ou determinar-se de acordo com esse entendimento. - Exclusão da culpabilidade pela 1. doença mental (qualquer perturbação mórbida á saúde mental) 2. desenvolvimento mental incompleto (é o caso dos menores de 18 anos) 3. desenvolvimento mental retardado ( são os oligofrênicos como os imbecis idiotas surdos-mudos etc e 4. embriagues completa proveniente de caso fortuito ou força maior (intoxicação aguda causada pelo álcool ou qualquer substância de efeitos análogos)

12 Culpabilidade (continuação) ão) b) Potencial consciência da ilicitude Aqui se refere ao erro de proibição que será visto mais adiante c) exigibilidade de conduta diversa. Funda-se no princípio de que só podem ser punidas condutas que poderiam ser evitadas. A conduta do agente por não poder agir de outro modo não é censurável. 1. coação moral irresistível e 2. obediência hierárquica

13 SUJEITOS DO CRIME Os sujeitos do crime são: a) Sujeito ativo. É a pessoa que pratica a conduta típica prevista na lei b) Sujeito passivo. É o titular do bem jurídico lesado ou ameaçado.pode ser pessoa física ou jurídica (Ex o proprietário da coisa no crime de furto) c) Objeto jurídico do crime. È o bem jurídico protegido pela Lei penal (Ex: vida, integridade física, honra patrimônio etc) d) Objeto material. É a pessoa ou coisa que rezai a conduta

14 2. DA APLICAÇÃO DA LEI PENAL Art. 1º- Não há crime sem lei anterior que o defina, não há pena sem a prévia cominação legal. (Nullum crimem nulla puena sine previa lege). Trata-se do princípio da Legalidade, que se encontra, também, no art 5º da CF/88. Contudo, a doutrina divide este princípio em: Princípio da anterioridade. Uma pessoa só pode ser punida se, à época do fato por ela praticado, já estava em vigor a lei que descrevia o delito, desta forma consagra-se a irretroatividade da lei penal. Princípio da reserva legal. Apenas a lei em sentido formal pode descrever condutas criminosas, sendo vedado ao legislador utilizar-se de decretos, medidas provisórias ou quaisquer outras formas legislativas..

15 Art. 2º - Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença condenatória. Parágrafo Único. A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda decididos por sentença condenatória transitado em julgado. O Artigo 2ª trata da retroatividade da lei mais benéfica, e irretroatividade da lei menos favorável. Em regra a lei mais benéfica é sempre retroativa, ou seja, volta no tempo para beneficiar o autor do crime. Em sentido contrário a lei menos favorável, não volta no tempo, exceto em duas exceções...

16 . crime permanente aquele em que a ação do criminoso se prolonga no tempo, exemplo, um caso de seqüestro, sendo que quando a vítima em cativeiro, surge uma lei que aumenta a pena do seqüestrador, face a tal tipo de delito o seqüestrador será punido com a lei mais severa. lei temporária ou ultrativa. Leis ultrativas são aquelas em que a sua vigência é vinculada a determinado período de tempo, exemplo, uma lei que utilizada quando da ocorrência de um estado de sítio, neste caso quando cessados os efeitos do estado de sítio, os transgressores de determinada norma presos na sua vigência, continuarão cumprido a pena que lhes foi imposta mesmo que posteriormente surja uma lei penal benéfica.

17 Tempo do crime Art. 4º - Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que outro seja o momento do resultado. tempo do crime. existem três teorias: Atividade: (pelo momento da conduta, isto é da ação ou da omissão ainda que outro seja o momento do resultado); Resultado: ( considera-se tempo do crime o de seu resultado); Mista: ( atende-se tanto a data da conduta como do resultado). O nosso Código Penal adota a teoria da Atividade, assim considera-se o crime praticado no momento da ação ou da omissão, pouco importando o seu resultado. Cabe salientar que a idade da responsabilidade penal é 18 anos, desta forma se um indivíduo com 17 anos, 11 meses e 23 horas de vida comete um crime, eventualmente este será inimputável, haja vista sua menoridade.

18 Tempo do crime (exceções) ões) crimes permanentes, cuja ação se prolonga no tempo (Ex.: seqüestrador a data do crime, possuía 17 anos, 11 meses de vida, demora dois meses para devolver a vítima, será imputável) crimes habituais (Ex.: furta residências quando menor, vai furtando até adquirir a maioridade penal, será punido por todos os crimes como se fosse imputável a data destes) crimes continuados

19 Aplicação da lei penal Art. 3º 3 - A lei excepcional ou temporária, ria, embora decorrido o período de sua duração ou cessadas as circunstâncias que a determinaram, aplica-se ao fato praticado durante sua vigência. Tal artigo serve para convalidar a tese relativa as leis ultrativas,, ou seja, as leis excepcionais ou temporárias rias leis excepcionais são aquelas que surgem durante situações de emergência como calamidades públicas, p enchentes, furacões, comoção intestina As leis temporárias rias são aquelas que possuem vigência previamente fixada pelo legislador, ou seja, têm vigência delimitada quando da sua promulgação, por períodos passageiros, ao seu término, t ocorre a sua auto-revoga revogação independente de lei posterior.

20 Normas penais em branco Existe uma norma penal em branco, quando determinada lei precisa de um complemento, não possuindo uma definição integral, As normas penais em branco, dividem-se em: homogêneas ( quando a norma complementar vem do mesmo órgão legislador da lei principal) e heterogêneas ( quando a norma complementar, advém m de uma órgão legislador alienígena). O princípio pio da retroatividade, atinge também m as normas penais em branco, sendo que se do complemento da lei principal for retirado o a elemento incriminador, eventualmente não existirá mais crime, Exemplo: Se por ventura é liberada uma portaria do Ministério da Saúde, estabelecendo que a maconha não é substância entorpecente que cause dependência física f ou psíquica, todos que foram presos com este tipo de material serão beneficiados pela lei. l

21 territorialidade Embarcações e aeronaves Dividem-se em públicas p e privadas. São considerados navios ou aviões públicos p aqueles de guerra ou em serviço o militar, bem como os que estão a serviço o oficial. Por seu turno considera embarcações ou aeronaves privadas, aquelas particulares ou mercantes. Assim aos crimes cometidos dentro de embarcações públicas p em território rio estrangeiro ou em alto-mar, é aplicada a lei penal brasileira.

22 Territorialidade. Art 5º 5 CP A aplicação da lei dentro de seu território, rio, é um dos pressupostos de soberania, sendo a própria pria soberania que impede que outro Estado aplique a sua lei dentro do território rio brasileiro. Aplicando-se a lei brasileira a todos os crimes cometidos dentro do território rio brasileiro, independendo da nacionalidade do autor ou da vítima. v Para aplicação entretanto da lei brasileira dentro do nosso território rio contra o cidadão estrangeiro, deve-se porém m observar uma ressalva as regras e tratados de direito internacional. ional. Território rio Nacional Para efeito da aplicação da lei penal, sentido jurídico, compreendendo com todo o espaço o alcançado ado terrestre, fluvial, marítimo e aéreo onde o Brasil é soberano. Tratando-se de lagos e rios fronteiriços, os, conhecidos também como exteriores a soberania é definida por tratados e convenções. Mar territorial doze milhas marítimas, contadas a partir da baixa-mar, como espaço o aéreo a entende-se todo aquele sobrejacente ao nosso território, rio, incluindo o mar territorial. O Código C faz entender como continuidade do território rio brasileiro, as aeronaves e embarcações de natureza pública p ou a serviço o do governo brasileiro, onde quer que se encontrem.

23 Lugar do crime Art. 6º 6 Considera-se se o praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação a ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria produzir se o resultado. teorias para se determinar o lugar do crime: Teoria da atividade: : onde ocorreu a ação a ou omissão; Teoria do resultado: onde ocorreu o resultado; Teoria da ubiqüidade idade: : considera-se se o lugar do crime tanto o local em que ocorreu a ação, a bem como onde ocorreu o resultado. O nosso Código C Penal adotou a teoria da ubiqüidade, idade, considerando colo local do crime, o lugar onde ocorreu a ação a ou omissão, bem como onde ocorreu o seu resultado.

24 Crimes a distância São infrações em que a ação a ou omissão se dád em um país s e o resultado ocorre em outro. Exemplo: um estelionato ocorrido no Brasil porém m consumado na Argentina. Nos termos deste Art. 6º 6 incide a lei brasileira, desde que: 1) aqui tenham sido praticados todos ou alguns dos atos executórios, 2) aqui tenha se produzido o resultado do comportamento criminoso, No caso de tentativa também m incide a lei penal brasileira na hipótese de tentativa ou seja, quando a conduta embora pratica em outro país, deveria ter aqui se consumado. Ex.: Carta Infernal.

25 Extraterritorialidade / art 7º 7 CP Tal artigo trata da aplicação da lei penal, fora do território rio nacional considerando que tais crimes envolvem o interesse brasileiro, motivo pelo qual devem ter a aplicação de nossa lei. A Extraterritorialidade é subdivida em: condicionada e incondicionada,, sendo regida por 4 princípios, pios, sendo estes: o da defesa, da nacionalidade, da justiça a universal e da representação. Extraterritorialidade incondicionada: esta elencada nas hipóteses do Inciso I aplicando-se o princípio pio da proteção ou defesa (a, b e c) e justiça universal (letra d). Nos casos das letra a, b e c, pouco importa a nacionalidade do autor a do crime, interessa sim a nacionalidade do bem jurídico protegido pela lei, no item d,, tal crime é punido por todos os países que participam da ONU, face a sua gravidade, não podendo o Brasil deixar de punir quem o pratica, utilizando para talo princípio pio da Justiça a Universal.

26 extraterritorialidade Extraterritorialidade condicionada: nas hipóteses do inciso II, letras a, b e c e do 3º deste artigo 7º, 7, a extraterritorialidade fica na dependência de certos requisitos ou condições, indicados nas alíneas do 2º e 3º. 3 Os casos de extraterritorialidade condicionada fundam-se nos princípios pios da justiça a universal (II, a), da nacionalidade ou personalidade (II, b) da representação (II, c) e da proteção ou defesa ( ( 3º), sendo estas as quatro hipóteses de extraterritorialidade condicionada. Ainda existem dentro da territorialidade condicionada a dependência dos seguintes pressupostos ou requisitos: 1. Nos casos previsto no Art. 7º, 7, II, a, b e c, as condições indicadas pelo 2º letras a e e. No caso previsto pelo Art. 7º, 7 3º,, háh duas condições extras, além daquelas mencionadas no 2º,, letras a e e, sendo elas apontadas pelas alíneas do 3º.

27 Contagem de prazo Art.10 O dia do começo o inclui-se no cômputo do prazo. Contam-se os dias, os meses e os anos pelo calendário comum. A contrário rio do que ocorre com os prazos processuais, na contagem dos previstos pelo Código Penal, o próprio prio dia do começo o inclui-se no cômputo do cálculo. c Ex.: preso por prisão de alimentos pelo prazo de 30 dias, data da prisão da 18 de janeiro, será solto em 17 de fevereiro. (dia 18 é o primeiro dia independente do horário rio da prisão)

28 Relação de causalidade Art.13 - O resultado, de que depende a existência do crime, somente é imputável a quem lhe deu causa. Considera-se se causa a ação ou omissão sem a qual o resultado não teria ocorrido. É a relação existente entre a conduta do agente e o resultado dela decorrente. Teoria do equivalente dos antecedentes (conditio sine qua non) Causa é toda circunstãncia antecedene sem o qual o resultado não ocorreria

29 Superveniência causal (art 13 1º,, CP) Concausa é uma causa que concorre paralelamente, contribuindo para a produção do resultado. Não diferença a prática entre causa em concausa Concausa podem ser: Dependentes (linha normal dos acontecimentos Independentes absolutamente independentes preexistentes concomitantes supervenientes Relativamente independentes preexistente concomitantes superveniente

30 Relevância causal (art 13 2º,, CP) Crimes omissivos impróprios prios (comissivos por omissão) A simples omissão é atípica, mas o agente tinha o dever de evitar o resultado e não o fez Responde pelo resultado delituoso

31 Classificação doutrinaria dos crimes quanto ao resultado os crimes se classificam em: Crimes materiais: Crimes formais: Crimes de mera conduta: Quanto ao meio de execução Crimes comissivos: omissivos próprios prios: Crimes omissivos impróprios prios: Quanto á duração do momento consumativo Crimes instantâneos: Crimes permanentes: Crime instantâneo de efeitos permanentes Crime de dano Crime de perigo crimes de perigo abstrato Crime de perigo concreto, Quanto ao sujeito ativo da infração penal Crime comum Crimes próprios, prios, Crime de mão própria pria. Quanto ao bem jurídico tutelado. Crime simples Crimes complexos. Crime continuado; Crime monossubjetivo: : aquele que somente pode ser praticado por uma sós pessoa; Crime Plurissubjetivo: : aquele que somente pode ser praticado por um grupo de pessoas.

32 Crime consumado (art 14, I CP) O crime é consumado quando o agente realizou todos os elementos que compõem a descrição do tipo penal. Ex.: Homicídio, elemento compra a arma e mata seu desafeto.

33 Crime tentado (art 14 II CP) Eexecução começada de um crime, que não chega a sua consumação por circunstâncias e motivos alheios a vontade do agente. Para falar-se em tentativa devemos traçar ar os parâmetros do iter criminis.. O termo iter criminis,, significa fases do ato criminoso, que são: 1ª fase Cogitação ão: 2ª fase Atos preparatórios rios: 3ª fase Execução ão: 1) o agente não consegue realizá-la la por circunstâncias alheias a sua vontade, quando o crime será tentado. 2) o agente pode desistir voluntariamente de prosseguir no ato de d execução, respondendo m tão-somente, pelos atos jáj praticados, quando ocorrerá a desistência voluntária 3) o agente consuma o crime. consumo a prática criminosa traçada ada em todo o iter,, (relevante penalmente). 4ª fase Consumação

34 Espécies de tentativa perfeita,, ou acabada ou crime falho quando o agente realiza todos os atos de execução, mas não consuma o crime. Tentativa imperfeita, é aquela em que o agente não pratica todos os atos de execução, háh uma interrupção do processo executório por circunstâncias alheias a sua vontade. Quanto ao resultado, ainda diz-se que a tentativa pode ser: Tentativa branca: Tentativa cruenta: quando a vítima v é atingida. Tentativa idônea: é a tentativa propriamente dita descrita no artigo 14, II do CP. Tentativa inidônea: assemelha-se se ao crime impossível,

35 Crime doloso (art 18, I do CP) teorias: Teoria da vontade.. Dolo é a vontade de realizar a conduta e produzir o resultado. Teoria da representação ão,, Dolo é a vontade de realizar a conduta, prevendo a possibilidade de produção do resultado Teoria do assentimento.. Dolo é a vontade de realizar a conduta assumindo risco da produção do resultado. O nosso código c diz que háh crime doloso quando o agente quer o resultado (dolo( direto, adotando a teoria da vontade) ) ou quando assume o risco de produzi-lo (dolo eventual,, adotando a teoria do assentimento)

36 Espécies de dolo dolo natural Dolo direto ou determinado Dolo indireto ou indeterminado - Dolo eventual - Dolo alternativo Dolo de dano Dolo de perigo. Dolo genérico Dolo específico, Dolo geral

37 Crime culposo (art 18, II do CP) Culpa A teoria adotada pelo Código C Penal em relação a culpa, gira em torno da não observância do dever de cuidado ao sujeito, causando o o resultado e tornando punível o seu comportamento. Modalidades de Culpa imperícia imprudência negligência Espécies de Culpa Culpa consciente: Culpa inconsciente:. Culpa própria pria: Culpa imprópria pria ou culpa por extensão:

38 Graus de culpa A culpa se divide em: grave, leve e levíssima, a Lei não faz nenhuma distinção entre ambas que sós têm relevância na aplicação da pena. Parágrafo único - Salvo os casos expressos em lei, ninguém m pode ser punido por fato previsto como crime, senão quando o pratica dolosamente.

39 Erro de tipo O erro de tipo é aquele que faz com que o agente, no caso concreto, imagine não estar presente uma elementar ou circunstância da figura típica. t Elementares, Circunstâncias No erro de tipo, o agente não quer praticar o crime, mas por erro acaba praticando. Não confundir com Delito putativo por erro de tipo. Nesta situação o agente quer praticar o crime, mas por errada percepção da realidade, acaba cometendo um fato atípico. Ex A furta uma mala e depois descobre que a mala é sua.

40 Formas de erro de tipo Erro Essencial 1)Venc encível ou inescusável 2) Invencível vel ou inescusável Erro acidental 1) Erro sobre o objeto 2) Erro sobre a pessoa. 3) Erro na execução ou aberratio ictus 4) Resultado diverso do pretendido ou aberratio criminis 5) Erro sobe o nexo causal ou aberratio causae.

41 Exclusão de ilicitude Art.23 - Não háh crime quando o agente pratica o fato: I - em estado de necessidade; II - em legítima defesa; III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício cio regular de

42 Estrito Cumprimento do Dever Legal - seu comportamento não é antijurídico - devendo ser imposto por qualquer norma legal (lei, decreto etc.). Admite-se que o dever seja referente não sós a funcionário público, p como também m a particular. Ex: policial que lesiona assaltante em fuga, Oficial de justiça a que apreende bens, boxeador que lesiona seu oponente etc.

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

Questões Potenciais de Prova Direito Penal Emerson Castelo Branco

Questões Potenciais de Prova Direito Penal Emerson Castelo Branco Questões Potenciais de Prova Direito Penal Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL - QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA! 1. Aplicação

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Conceito. Causa. É elemento do fato típico. É o vínculo entre conduta e resultado. O estudo da causalidade busca concluir se o resultado decorreu da conduta

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

Fonte significa a origem de algo. Fonte do Direito Penal significa a origem do direito penal (como surge, como nasce o direito penal).

Fonte significa a origem de algo. Fonte do Direito Penal significa a origem do direito penal (como surge, como nasce o direito penal). NOÇÕES GERAIS Antes de entrarmos no estudo das principais questões sobre o Direito Penal, é necessário conhecermos algumas noções básicas desse ramo do direito, que são imprescindíveis para a correta compreensão

Leia mais

DIREITO PENAL MILITAR

DIREITO PENAL MILITAR DIREITO PENAL MILITAR Objetivos: Definir direito penal e direito penal militar; Distinguir direito penal militar das demais denominações do direito e dos demais direitos e ciências afins; Distinguir lei

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE CRIMES

TEMA: CONCURSO DE CRIMES TEMA: CONCURSO DE CRIMES 1. INTRODUÇÃO Ocorre quando um mesmo sujeito pratica dois ou mais crimes. Pode haver um ou mais comportamentos. É o chamado concursus delictorum. Pode ocorrer entre qualquer espécie

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Espécies de Conduta a) A conduta pode ser dolosa ou culposa. b) A conduta pode ser comissiva ou omissiva. O tema dolo e culpa estão ligados à

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 Sumário Lista de abreviaturas 25 Apresentação 31 Introdução 35 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 1.1. Do surgimento do Instituto 41 1.2. O Instituto na legislação

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 Disciplina: Direito Penal II Departamento III Penal e Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 3º ano Docente Responsável: José Francisco Cagliari

Leia mais

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 XXSumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 1. Conceito de direito penal... 29 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal... 32 1.2. Conceito

Leia mais

NORMA PENAL EM BRANCO

NORMA PENAL EM BRANCO NORMA PENAL EM BRANCO DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 NORMAS PENAIS EM BRANCO 1. Conceito. Leis penais completas são as que

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL O ordenamento jurídico pátrio, em matéria ambiental, adota a teoria da responsabilidade civil objetiva, prevista tanto no art. 14, parágrafo 1º da Lei 6.938/81

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL TEORIA DO CRIME 2 Teoria do crime INFRAÇÃO PENAL; Critério bipartido; Art. 1 da LICP Crime é infração penal

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável 1. O FATO TÍPICO 1 CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável Elementos do FATO TÍPICO: FATO TÍPICO 1) CONDUTA DOLOSA OU CULPOSA Conceito: É fato material que se amolda perfeitamente aos elementos constantes

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade NEXO DE CAUSALIDADE O nexo causal ou relação de causalidade é o elo que une

Leia mais

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA O Princípio da Territorialidade Temperada informa a aplicação da lei penal brasileira aos crimes cometidos no território nacional I, mas não é absoluta, admitindo

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

Embriaguez e Responsabilidade Penal

Embriaguez e Responsabilidade Penal Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que

Leia mais

CULPABILIDADE RESUMO

CULPABILIDADE RESUMO CULPABILIDADE Maira Jacqueline de Souza 1 RESUMO Para uma melhor compreensão de sanção penal é necessário a análise levando em consideração o modo sócio-econômico e a forma de Estado em que se presencie

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido.

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA CONCEITO Dispõe o art. 288 do CP: Associarem-se três ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. No delito em apreço, pune-se

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

DIREITO PENAL I. Prof. Mário Miguel da Rosa Muraro mario@muraro.adv.br

DIREITO PENAL I. Prof. Mário Miguel da Rosa Muraro mario@muraro.adv.br DIREITO PENAL I Prof. Mário Miguel da Rosa Muraro mario@muraro.adv.br 3º Semestre Sistema de Avaliação: Prova Parcial em 03.05.2012 Prova Final em 05.07.2012 Participação: Aula e Trabalhos Prof. Mário

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO DIREITO ELETRÔNICO Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO Este trabalho tem como finalidade o estudo do direito eletrônico, devido a ser um assunto bastante recente, bem como a sua aplicação

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE A vida em sociedade somente é possível através dos relacionamentos entre as pessoas. Seja do ponto de vista pessoal ou profissional, todos os atos praticados implicam

Leia mais

Inexigibilidade de conduta diversa e exclusão da culpabilidade penal

Inexigibilidade de conduta diversa e exclusão da culpabilidade penal Inexigibilidade de conduta diversa e exclusão da culpabilidade penal Aurora Tomazini de Carvalho Doutora PUC/SP e Professora UEL Introdução Em razão da situação econômica, muitas empresas passam por severas

Leia mais

Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21

Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21 Sumário Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21 Prefácio de um Amigo-Editor a um Amigo-Autor... 25 PARTE 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL CAPÍTULO 1 NOÇÕES GERAIS DE DIREITO PENAL... 29 1. Definição... 29 2. Direito

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL LEGISLAÇÃO PERTINENTE AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL; RESPONSABILIDADE ÉTICA; RESPONSABILIDADE TÉCNICA; REPONSABILIDADE CIVIL; RESPONSABILIDADE

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL SIDIO ROSA DE MESQUITA JÚNIOR http://www.sidio.pro.br http://sidiojunior.blogspot.com sidiojunior@gmail.com IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17 Direito Processual Penal Militar - 4ª Edição SUMÁRIO CAPÍTULO I Princípios... 13 1 Princípios aplicados no processo penal militar... 13 2 Lei do processo penal militar e sua aplicação... 15 3 Aplicação

Leia mais

Responsabilidade Civil

Responsabilidade Civil Responsabilidade Civil Trabalho de Direito Civil Curso Gestão Nocturno Realizado por: 28457 Marco Filipe Silva 16832 Rui Gomes 1 Definição: Começando, de forma, pelo essencial, existe uma situação de responsabilidade

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE

RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE Diz a Resolução 237/97 do Conama que o empreendedor e os profissionais que subscreverem os estudos necessários ao processo de licenciamento serão responsáveis

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Teorias da conduta no Direito Penal Rodrigo Santos Emanuele * Teoria naturalista ou causal da ação Primeiramente, passamos a analisar a teoria da conduta denominada naturalista ou

Leia mais

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências Jurídicas e Ciências Sociais DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3 Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA 2013 2 DÉBORA DE

Leia mais

Prof. Alexandre Lugon LEI FATO GERADOR DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO

Prof. Alexandre Lugon LEI FATO GERADOR DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO UNIDADE IV OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI FATO GERADOR SUJEITO ATIVO SUJEITO PASSIVO DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO Obrigação Trib Principal Prestação DE DAR: TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO PENALIDADE PECUNIÁRIA

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016 Altera a Resolução Normativa RN nº 124, de 30 de março de 2006, que dispõe sobre a aplicação de penalidades para as infrações à legislação dos

Leia mais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Equifax do Brasil Ltda., empresa com mais de 100 anos de existência e presente em mais de 15 países, tendo iniciado suas atividades

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo ESPÉCIES DE PRISÃO: 1. P. Penal sentença condenatória transitada em julgado 2. P. Processuais, cautelares ou provisórias antes da formação da culpa

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL

MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL MODULO 2 NOÇÕES DE DIREITO PENAL RECADO AO ALUNO As matérias desta apostila foram reunidas e consolidadas para estudo dos alunos Instituto Marconi. A leitura e estudo deste conteúdo não exclui a consulta

Leia mais

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ O Tribunal Penal Internacional Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ Conceitos Básicos É o primeiro tribunal penal internacional permanente Os tribunais internacionais criados até então

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR MÓDULO 01 AULA 03 RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL Temos a satisfação de apresentar o módulo de RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL em nosso Programa de Excelência em Projetos. Nele será possível entender as obrigações

Leia mais

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação 10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação Mesa Redonda: CRIMES DIGITAIS Recife/PE, 1º de Dezembro de 2004. Apresentação: Omar Kaminski Direitos e Garantias Constituicionais: II - ninguém será obrigado

Leia mais

TRANSPORTE. 1. Referência legal do assunto. Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte

TRANSPORTE. 1. Referência legal do assunto. Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte 1. Referência legal do assunto Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte TRANSPORTE O CC define o contrato de transporte no art. 730: Pelo contrato de transporte alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940.

CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: Anterioridade da lei PARTE

Leia mais

Osvaldo Albuquerque Sousa Filho Presidente do Coren-CE

Osvaldo Albuquerque Sousa Filho Presidente do Coren-CE Osvaldo Albuquerque Sousa Filho Presidente do Coren-CE História / Relação: (Antiguidade) (Início séc. XX) (Atualmente) Relação religiosa/ mágico/ desígnios de Deus. Relação de amigo/ confiança conselheiro

Leia mais

DIREITO PENAL. CONCURSO: Departamento Penintenciario Nacional CARGO: Agente PROFESSOR: Fabiana Höfke

DIREITO PENAL. CONCURSO: Departamento Penintenciario Nacional CARGO: Agente PROFESSOR: Fabiana Höfke CONCURSO: Departamento Penintenciario Nacional CARGO: Agente PROFESSOR: Fabiana Höfke Este curso é protegido por direitos autorais (copyright), nos termos da Lei n.º 9.610/1998, que altera, atualiza e

Leia mais

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença:

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: 1. Qualidade da redação: 1.1. Com observância, inclusive, de ortografia e gramática além de completo domínio do vernáculo. 1.2. Valor: 2,0

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ( ) CAPÍTULO VII DISPOSIÇÕES PENAIS Seção I Dos Crimes em

Leia mais

FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS

FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS FACULDADE METROPOLITANA SÃO CARLOS DIREITO CHEYENNE BERNARDES CLÁUDIO GUALANDE JALLON NOGUEIRA KARINA CAVICHINI MARCELO NUNES DE JESUS MARCO ANTÔNIO TEIXEIRA MAYRA RAMOS PAULO RODRIGO MARTINS PEDRO LEMGRUBER

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO

CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado Discutem-se nesse

Leia mais