Questões de Processo Penal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questões de Processo Penal"

Transcrição

1 Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração penal. 2º) São modalidades de prisão cautelar/provisória, exceto: a) ( ) Prisão em flagrante; b) ( ) Prisão preventiva; c) ( ) Prisão penal condenatória irrecorrível; d) ( ) Prisão resultante de pronúncia. 3º) São modalidades de prisão cautelar/provisória, exceto: a) ( ) Prisão decorrente de sentença penal condenatória recorrível; b) ( ) Prisão preventiva; c) ( ) Prisão temporária; d) ( ) Prisão penal condenatória irrecorrível. 4º) É modalidade de prisão cautelar/provisória apenas: a) ( ) Reclusão; b) ( ) Prisão para averiguação; c) ( ) Prisão em flagrante; d) ( ) Prisão penal condenatória irrecorrível. 5º) Assinale a alternativa incorreta: a) ( ) Qualquer pessoa pode efetuar a prisão de quem quer que seja encontrado em flagrante delito; b) ( ) O Policial Militar pode efetuar a prisão de quem quer que seja encontrado em flagrante delito; c) ( ) Ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem judicial (nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar definido em lei); d) ( ) A prisão em flagrante é ato administrativo. 6º) Constitui flagrante, exceto: a) ( ) C foi perseguido logo após ter praticado um latrocínio, mas só foi pego dois dias depois sem ter sido cessada a perseguição; b) ( ) A foi pego praticando um estupro em pleno ato; c) ( ) B foi pego logo depois com objetos do crime; d) ( ) D praticou um homicídio qualificado e foi pego no dia seguinte quando tentava fugir para outro país.

2 2 7º) Assinale a alternativa incorreta: a) ( ) Não podem ser submetidos à prisão em flagrante pelo policial os Chefes de Estado e representantes diplomáticos; b) ( ) Os Magistrados somente poderão ser presos em flagrante se estiverem praticando crimes inafiançáveis; c) ( ) Os Deputados Federais e Estaduais e os Senadores somente poderão ser presos em flagrante se estiverem praticando crimes inafiançáveis; d) ( ) Os Membros do Ministério Público da União não podem ser submetidos à prisão em flagrante pelo policial. 8º) Assinale a alternativa correta: a) ( ) Não podem ser submetidos à prisão em flagrante pelo policial os Chefes de Estado e representantes diplomáticos; b) ( ) Os Magistrados não poderão ser presos em flagrante nem mesmo se estiverem praticando crimes inafiançáveis; c) ( ) Os Deputados Federais e Estaduais e os Senadores somente poderão ser presos em flagrante se estiverem praticando crimes contra a vida; d) ( ) Os vereadores nunca poderão ser presos em flagrante, pois eles possuem imunidade material no que diz respeito as suas opiniões, palavras e votos no exercício do mandato e na circunscrição do município. 9º) Assinale a alternativa correta: a) ( ) Podem ser submetidos à prisão em flagrante pelo policial os Chefes de Estado e representantes diplomáticos quando estiverem em flagrante de crimes inafiançáveis; b) ( ) Os Magistrados poderão ser presos em flagrante se estiverem praticando crimes afiançáveis; c) ( ) Os Deputados Federais e Estaduais e os Senadores somente poderão ser presos em flagrante se estiverem praticando crimes inafiançáveis; d) ( ) Advogados, por motivos de profissão, não podem ser submetidos à prisão em flagrante pelo policial, independente do tipo de crime praticado. 10º) Se um Deputado Federal ou Senador forem encontrados na prática de um crime afiançável, desobediência, por exemplo, o policial militar deverá: a) ( ) Dar voz de prisão; b) ( ) Explicar que a seguir a lei é importante e tentar, a todo custo, fazer valer a lei e, caso não consiga convencê-lo da situação, dispensa-lo-á sem maiores formalidades; c) ( ) Deverá tão somente lavrar o boletim de ocorrência, a fim de encaminhá-lo ao chefe da instituição ministerial, o Procurador-Geral de Justiça, para que tome as providências necessárias;

3 3 d) ( ) Não caberá feitura de boletim de ocorrência. 11º) Com relação à Prisão em Flagrante, é incorreto afirmar que: a) ( ) É a prisão do indivíduo quando a infração penal está ocorrendo ou acaba de ocorrer; b) ( ) É a prisão daquele que é surpreendido no instante mesmo da consumação da infração penal; c) ( ) Pode ser praticada por qualquer do povo, sem a necessidade de mandado judicial; d) ( ) Só pode ser praticada pela polícia militar, sem a necessidade de mandado judicial. 12º) Com relação à Prisão em Flagrante, é correto afirmar que: a) ( ) É espécie de prisão cautelar, exigindo para a sua configuração, os requisitos de toda e qualquer medida cautelar, quais sejam: o fumus bonis iuris (fumaça do bom direito probabilidade da existência do delito) e o periculum libertatis (perigo da liberdade); b) ( ) A prisão deve ser comunicada imediatamente à autoridade judicial. Se não houver a comunicação a prisão será ilegal, cabendo o relaxamento e o coator estará cometendo abuso de autoridade; c) ( ) A prisão deve ser comunicada à autoridade judicial dentro do prazo de 5 dias; d) ( ) Só pode ser praticada pela polícia militar, sem a necessidade de mandado judicial. 13º) Assinale a alternativa incorreta, no que diz respeito a condução de um infrator à delegacia até a fase processual. a) ( ) Chegando à presença da autoridade policial com um conduzido (infrator), o policial (condutor) será o primeiro a ser ouvido, em um termo apartado do auto de prisão em flagrante; b) ( ) Para a segurança do policial que estiver conduzindo um infrator à delegacia, após ser ouvido, receberá uma cópia do termo de suas declarações, bem como o recibo de entrega do preso, quando, basicamente, termina a sua função; c) ( ) Ao ser requisitado para prestar declarações pela autoridade judiciária, na fase processual, não pode o policial, que conduziu o agora réu à delegacia, calar-se, sob pena de ser responsabilizado pelo crime de falso testemunho (art. 342, CP); d) ( ) Após receber cópia do termo de suas declarações e o recibo de entrega do preso, o policial condutor será requisitado para prestar declarações pela autoridade judiciária, na fase processual, podendo se negar a responder as perguntas que lhe forem formuladas. 14º) Com relação ao ato infracional praticado por criança ou adolescente, é correto afirmar que:

4 4 a) ( ) O adolescente jamais poderá ser preso em flagrante em virtude da prática de ato infracional, considerando-se este, a conduta descrita como crime ou contravenção penal (art. 103 da Lei n.º 8.069/90 ECA); b) ( ) A prisão em flagrante somente poderá ser realizada se o policial estiver diante de uma criança (aquele que tem menos de 12 anos de idade incompletos) ou de um adolescente (aquele que tem de 12 a 18 anos de idade incompletos) cometendo o ato infracional; c) ( ) Os menores de 12 anos são considerados crianças pelo ECA e não poderão ser presos em flagrante, devendo ser submetidos às medidas protetivas constantes do art. 101 do mesmo diploma legal; d) ( ) Segundo a Súmula Vinculante n.º 11 do STF, jamais poderá ser utilizada algemas no adolescente infrator. 15º) Com relação ao uso de algemas, é incorreto afirmar que: a) ( ) Poderá ser utilizada algemas no adolescente infrator, desde que se verifiquem as condições exigidas para tanto; b) ( ) Se fizer uso de algemas, a excepcionalidade terá que ser justificada por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal do agente ou da autoridade, mas não enseja a nulidade da prisão ou do ato processual; c) ( ) Só é lícito o uso de algemas em caso de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros; d) ( ) Se fizer uso de algemas, a excepcionalidade terá que ser justificada por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal do agente ou da autoridade. 16º) Assinale a opção correta: I A regra é que não será permitido o uso da força quando da efetivação da prisão. O artigo 284 do CPP prevê as exceções: a) poderá ser usada a força indispensável no caso de resistência; e b) no caso de tentativa de fuga do preso. Frisa-se que é somente a força necessária, indispensável para vencer a resistência, podendo o agente responder pelo excesso, na forma da Lei n.º 4.898/65, pelo abuso de autoridade. II com o advento da Lei n.º /2006 (nova Lei Antidrogas), o art. 28 continuou a incriminar o consumo de drogas, mas não prevê qualquer pena de privação da liberdade. Em decorrência disto, o 2º do art. 48 proibiu a prisão em flagrante do usuário, ressalvando, contudo, que o autor do fato deve ser imediatamente encaminhado ao juízo competente ou, na falta deste, assumir o compromisso de a ele comparecer, lavrando-se termo circunstanciado e providenciando-se as requisições dos exames e perícias necessárias. III O papel do policial que efetua a abordagem do indivíduo que porta a droga é de fundamental importância, já que é o primeiro a ter contato com ele, por isso deverá narrar a situação encontrada com todos os detalhes, pois será a quantidade, a natureza do material e as condições que determinarão se a droga destina-se ou não a consumo pessoal (art. 28, 2º da Lei). a) ( ) Todas as afirmativas estão corretas;

5 5 b) ( ) Todas as afirmativas estão erradas; c) ( ) Somente as afirmativas I e II estão corretas; d) ( ) Somente a afirmativa I está errada. 17º) Com relação à Prisão temporária, é correto afirmar que: a) ( ) É espécie de prisão-pena, exigindo para a sua configuração, os requisitos de toda e qualquer medida cautelar, quais sejam: o fumus bonis iuris (fumaça do bom direito probabilidade da existência do delito) e o periculum libertatis (perigo da liberdade); b) ( ) A finalidade é possibilitar as investigações a respeito de crimes de menor potencial ofensivo durante o inquérito policial; c) ( ) O momento da prisão só pode ser durante o inquérito policial, já que no curso da instrução criminal a prisão aplicável é a preventiva; d) ( ) a prisão temporária só pode ser mantida pelo lapso de 5 (cinco) dias, prorrogável por mais 15 (quinze). 18º) Em relação à prisão temporária, assinale a opção correta: I A prisão temporária só pode ser mantida pelo lapso de 10 (dez) dias, prorrogáveis por mais 10 (dez), em caso de extrema e comprovada necessidade. II Nos crimes hediondos, de prática de tortura, de tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, e de terrorismo, o prazo é de 30 (trinta) dias, prorrogáveis por mais 30 dias. III Cabimento da prisão temporária será: a) quando imprescindível para as investigações do inquérito policial; b) quando o indiciado não tiver residência fixa ou não fornecer elementos necessários ao esclarecimento de sua identidade; c) quando houver fundadas razões, de acordo com qualquer prova legalmente admitida, de autoria ou participação do indiciado nos crimes elencados pelo art. 1º da citada lei. IV Finalidade da prisão é possibilitar as investigações a respeito de crimes graves durante o inquérito policial. a) ( ) As afirmativas I, III e IV estão corretas; b) ( ) Somente as afirmativas II e IV estão corretas; c) ( ) As afirmativas I e III estão corretas; d) ( ) Somente a afirmativa I está errada. 19º) O prazo para a prisão temporária é de: a) ( ) 15 (quinze) dias, prorrogáveis por mais 15 (quinze); b) ( ) 10 (dez) dias, prorrogáveis por mais 10 (dez); c) ( ) 8 (oito) dias, prorrogáveis por mais 8 (oito); d) ( ) 5 (cinco) dias, prorrogáveis por mais 5 (cinco). 20º) O prazo para a prisão temporária nos crimes hediondos é de: a) ( ) 15 (quinze) dias, prorrogáveis por mais 15 (quinze); b) ( ) 10 (dez) dias, prorrogáveis por mais 10 (dez);

6 6 c) ( ) 30 (trinta) dias, prorrogáveis por mais 30 (trinta); d) ( ) 5 (cinco) dias, prorrogáveis por mais 5 (cinco). 21º) O prazo para a prisão temporária para os crimes de tráfico de drogas é de: a) ( ) 15 (quinze) dias, prorrogáveis por mais 15 (quinze); b) ( ) 30 (trinta) dias, prorrogáveis por mais 30 (trinta); c) ( ) 10 (dez) dias, prorrogáveis por mais 10 (dez); d) ( ) 5 (cinco) dias, prorrogáveis por mais 5 (cinco). 22º) O prazo para a prisão temporária para os crimes de tortura é de: a) ( ) 30 (trinta) dias, prorrogáveis por mais 30 (trinta); b) ( ) 15 (quinze) dias, prorrogáveis por mais 15 (quinze); c) ( ) 10 (dez) dias, prorrogáveis por mais 10 (dez); d) ( ) 5 (cinco) dias, prorrogáveis por mais 5 (cinco). 23º) Com relação à Prisão Preventiva, é correto afirmar que: a) ( ) É espécie de prisão cautelar, exigindo para a sua configuração, os requisitos de toda e qualquer medida cautelar, quais sejam: o fumus bonis iuris (fumaça do bom direito probabilidade da existência do delito) e o periculum libertatis (perigo da liberdade), que é aplicada somente durante o inquérito policial; b) ( ) a prisão preventiva só pode ser mantida pelo lapso de 5 (cinco) dias, prorrogável por mais 5 (cinco), em caso de extrema e comprovada necessidade; c) ( ) modalidade de prisão cautelar de natureza processual, decretada pelo juiz antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória (quando ainda cabe recurso da sentença) e durante o inquérito ou instrução criminal em face da existência de pressupostos legais, para resguardar os interesses sociais de segurança; d) ( ) É uma medida obrigatória, devendo ser decretada quando houver indícios de autoria e materialidade do crime, tendo atribuição para requerer ao juiz sua decretação apenas o órgão do Ministério Público. 24º) Tem atribuição para requerer ao juiz a decretação da Prisão Preventiva, exceto: a) ( ) O órgão do Ministério Público; b) ( ) O querelante (o ofendido); c) ( ) A autoridade policial; d) ( ) O policial militar condutor do infrator. 25º) Em relação à prisão Preventiva, assinale a opção correta: I É uma medida facultativa, devendo ser decretada apenas quando necessária, segundo os requisitos legais, tendo atribuição para requerer ao juiz sua decretação: o órgão do Ministério Público, o querelante (o ofendido) e a autoridade policial (art. 311 do CPP).

7 7 II A prisão preventiva não pode ser decretada pelo magistrado como garantia da ordem pública e da ordem econômica (ex.: crimes de colarinho branco). III A prisão preventiva pode ser decretada pelo magistrado por conveniência da instrução criminal (ex.: quando há possibilidade de coação de testemunhas). IV A prisão preventiva pode ser decretada pelo magistrado para assegurar a aplicação da lei penal (ex.: quando há risco de fuga do réu). a) ( ) As afirmativas II, III e IV estão corretas; b) ( ) Somente as afirmativas II e IV estão corretas; c) ( ) As afirmativas I e III estão corretas; d) ( ) Somente a afirmativa II está errada. 26º) A prisão aplicada no curso do Inquérito Policial é a: a) ( ) Prisão Temporária; b) ( ) Prisão Preventiva; c) ( ) Prisão decorrente de sentença recorrível; d) ( ) Prisão resultante de pronúncia. 27º) A Prisão Preventiva não pode ser decretada quando: a) ( ) Quando o acusado tiver profissão definida e residência fixa; b) ( ) por conveniência da instrução criminal; c) ( ) para assegurar a aplicação da lei penal; d) ( ) como garantia da ordem pública e da ordem econômica. 28º) A Prisão Preventiva só pode ser decretada: a) ( ) Nos casos de legítima defesa; b) ( ) Nos casos de contravenções penais; c) ( ) Nos casos de crimes culposos; d) ( ) Nos casos de crimes dolosos. 29º) A Prisão Preventiva pode ser decretada, exceto: a) ( ) Nos crimes dolosos punidos com reclusão; b) ( ) Nos crimes dolosos punidos com detenção, quando se apurar que o indiciado é vadio, ou, havendo dúvida sobre a sua identidade, não fornecer ou não indicar elementos para esclarecê-la; c) ( ) Nos crimes culposos; d) ( ) Nos casos de violência doméstica, para garantir as medidas protetivas de urgência. 30º) O prazo para a prisão temporária é de: a) ( ) Não tem prazo fixado em lei. Pode ser decretada assim que se fizer necessária, pelo tempo necessário; b) ( ) 120 (cento e vinte dias) dias, prorrogáveis por mais 120 (cento e vinte); c) ( ) 30 (trinta) dias, prorrogáveis por mais 30 (trinta);

8 8 d) ( ) 5 (cinco) dias, prorrogáveis por mais 5 (cinco). 31º) Com relação à Prisão Preventiva, é correto afirmar que: I A prisão preventiva é legal, e se os motivos que embasaram desaparecerem a mesma deverá ser revogada e se retornarem, poderá ser novamente decretada, quantas vezes forem necessárias. II A prisão preventiva é legal, e se os motivos que embasaram desaparecerem a mesma deverá ser mantida até a sentença transitar em julgado. III A prisão preventiva é legal, e se os motivos que embasaram desaparecerem a mesma deverá ser revogada e se retornarem, só poderá ser novamente mais uma vez. a) ( ) Todas as afirmativas são falsas;. b) ( ) Todas as afirmativas são verdadeiras; c) ( ) A afirmativa II é verdadeira; d) ( ) As afirmativas II e III são falsas. 32º) Com relação à Prisão resultante de Pronúncia, é correto afirmar que: a) ( ) É espécie de prisão cautelar, exigindo para a sua configuração, os requisitos de toda e qualquer medida cautelar, quais sejam: o fumus bonis iuris (fumaça do bom direito probabilidade da existência do delito) e o periculum libertatis (perigo da liberdade); b) ( ) Ocorre em casos de crimes dolosos contra a vida, os quais são processados pelo Tribunal do Júri. Portanto, tal prisão só ocorre nesta modalidade de rito processual; c) ( ) modalidade de prisão cautelar de natureza processual, decretada pelo juiz antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória (quando ainda cabe recurso da sentença) e durante o inquérito ou instrução criminal em face da existência de pressupostos legais, para resguardar os interesses sociais de segurança; d) ( ) Ocorre em casos de crimes dolosos contra a vida, os quais são processados nos Juizados Especiais Criminais. Portanto, tal prisão só ocorre nesta modalidade de rito processual. 33º) Assinale a alternativa que contem a sequência correta: 1 Prisão Temporária 2 Prisão Preventiva 3 Prisão resultante de pronúncia ( ) Ocorre em casos de crimes dolosos contra a vida, os quais são processados pelo Tribunal do Júri. Portanto, tal prisão só ocorre nesta modalidade de rito processual. ( ) É espécie de prisão cautelar, exigindo para a sua configuração, os requisitos de toda e qualquer medida cautelar, quais sejam: o fumus bonis iuris (fumaça do bom direito probabilidade da existência do delito) e o periculum libertatis (perigo da liberdade).

9 9 ( ) Modalidade de prisão cautelar de natureza processual, decretada pelo juiz antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória (quando ainda cabe recurso da sentença) e durante o inquérito ou instrução criminal em face da existência de pressupostos legais, para resguardar os interesses sociais de segurança. a) ( ) 1, 2 e 3; b) ( ) 2, 3 e 1; c) ( ) 3, 1 e 2; d) ( ) 3, 2 e 1. 34º) Com relação à Prisão decorrente de sentença penal condenatória recorrível, é correto afirmar que: a) ( ) Modalidade de prisão cautelar de natureza processual, decretada pelo juiz antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória (quando ainda cabe recurso da sentença) e durante o inquérito ou instrução criminal em face da existência de pressupostos legais, para resguardar os interesses sociais de segurança; b) ( ) É espécie de prisão cautelar, exigindo para a sua configuração, os requisitos de toda e qualquer medida cautelar, quais sejam: o fumus bonis iuris (fumaça do bom direito probabilidade da existência do delito) e o periculum libertatis (perigo da liberdade); c) ( ) Ocorre em casos de crimes dolosos contra a vida, os quais são processados pelo Tribunal do Júri. Portanto, tal prisão só ocorre nesta modalidade de rito processual; d) ( ) É aquela em que o juiz, no final do processo, condena o réu e manda prendê-lo, negando-lhe o direito de apelar em liberdade, como regular efeito da sentença. 35º) Com relação à Prisão decorrente de sentença penal condenatória recorrível, é incorreto afirmar que: a) ( ) Em crimes hediondos, juiz na sentença condenatória, de forma fundamentada, pode conceder ao condenado o direito de apelar em liberdade; b) ( ) É vedado que o condenado por tráfico de drogas apele em liberdade, salvo se for primário e de bons antecedentes, assim reconhecidos na sentença condenatória. c) ( ) É admitidas formas substitutivas de prisão provisória, ou seja, maneiras de se desfrutar da liberdade provisória, que podem ser: a prisão domiciliar; a fiança e; o compromisso de comparecer perante a autoridade competente quando da prática de atos processuais ou simples comparecimento periódico (liberdade provisória vinculada sem fiança); d) ( ) É aquela em que o juiz, no final do processo, condena o réu e manda prendê-lo, não cabendo mais recurso. 36º) Com relação à Fiança, é correto afirmar que:

10 10 a) ( ) É uma garantia real ou caução que visa a assegurar a liberdade do acusado, mas também a sua presença aos atos do processo, só podendo ser prestada pelo próprio acusado; b) ( ) É uma garantia real ou caução que visa a assegurar a liberdade do acusado, mas também a sua presença aos atos do processo, podendo ser prestada pelo próprio ou por terceiro em seu benefício, por meio de depósito em dinheiro (em conta com correção monetária), pedras, objetos ou metais preciosos, títulos da dívida pública, federal, estadual ou municipal, ou hipoteca inscrita em primeiro lugar; c) ( ) Não podendo ser prestada por terceiro em seu benefício, por meio de depósito em dinheiro (em conta com correção monetária); d) ( ) Somente se aceita moeda corrente, mais nenhuma outra forma de valor. 37º) Com relação à Fiança, é incorreto afirmar que: a) ( ) Compete à autoridade policial arbitrar a fiança nos casos de infração punida com detenção e prisão simples (art. 322, CPP). Nos demais casos o arbitramento é exclusivo do juiz, podendo ser prestada em qualquer fase do inquérito ou do processo, enquanto não transitar em julgado a sentença condenatória.; b) ( ) Caso o réu seja condenado, tendo cumprido todas as obrigações impostas, pagas as custas, eventual multa e satisfação do dano, se for o caso, o saldo será repassado ao fundo penitenciário; c) ( ) Para o valor da fiança, deverão ser consideradas a natureza da infração, as condições financeiras e vida pregressa do acusado, as circunstâncias indicativas de sua periculosidade, devendo ser consideradas as causas de aumento e diminuição de pena, além das qualificadoras (art. 325, CPP); d) ( ) Se o réu for absolvido, se o inquérito for arquivado ou se julgada extinta a punibilidade, a fiança será restituída com correção. 38º) Com relação à Liberdade Provisória vinculada sem fiança, é correto afirmar que: a) ( ) Há a exigência da caução e o acusado não fica vinculado ao cumprimento das obrigações impostas; b) ( ) Pode-se dar quando a infração é afiançável, mas é impossível ao acusado pagar a fiança, por motivo de pobreza (art. 350, CPP); c) ( ) Não poderá ser dado quando o juiz verificar pelo auto de prisão em flagrante que o agente praticou a conduta em legítima defesa, estado de necessidade, estrito cumprimento de dever legal ou exercício regular de direito; d) ( ) Não será dado quando a infração for inafiançável, sob a condição de cumprimento da obrigação pelo acusado de comparecer a todos os atos do processo. 39º) Com relação à Liberdade Provisória vinculada sem fiança, é assinale a alternativa correta:

11 11 I Na Liberdade provisória vinculada sem fiança não há a exigência da caução, mas o acusado fica vinculado ao cumprimento das obrigações impostas. II Pode-se dar quando a infração é afiançável, mas é impossível ao acusado pagar a fiança, por motivo de pobreza (art. 350, CPP); III Quando o juiz verificar pelo auto de prisão em flagrante que o agente praticou a conduta em legítima defesa, estado de necessidade, estrito cumprimento de dever legal ou exercício regular de direito não será possível conceder a Liberdade Provisória vinculada sem fiança. a) ( ) As afirmativas II e III estão corretas; b) ( ) As afirmativas II e III estão erradas; c) ( ) As afirmativas I e III estão corretas; d) ( ) As afirmativas I e II estão corretas. 40º) Com relação à Liberdade Provisória desvinculada sem fiança, é assinale a alternativa correta: I Ocorre quando o réu se livra solto (art. 321, CPP), ou seja, quando não há pena privativa de liberdade cominada para a infração penal ou quando a máxima cominada não excede 3 meses, respondendo o processo em liberdade. II Após a lavratura do auto de prisão em flagrante, o acusado é imediatamente colocado em liberdade, sem o pagamento de qualquer fiança e sem se sujeitar ao cumprimento de obrigações. III Quando o juiz verificar pelo auto de prisão em flagrante que o agente praticou a conduta em legítima defesa, estado de necessidade, estrito cumprimento de dever legal ou exercício regular de direito (art. 310, caput, CPP), concederá a Liberdade Provisória desvinculada sem fiança. a) ( ) As afirmativas II e III estão corretas; b) ( ) As afirmativas II e III estão erradas; c) ( ) As afirmativas I e III estão corretas; d) ( ) As afirmativas I e II estão corretas. 41º) Marque a alternativa que não cabe fiança: a) ( ) Nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; b) ( ) Nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade, se o réu já tiver sido condenado por outro crime doloso, em sentença transitada em julgado; c) ( ) Em qualquer caso, se houver no processo prova de ser o réu vadio; d) ( ) Nas contravenções, que provoquem clamor público ou que tenham sido cometidos com violência contra a pessoa ou grave ameaça. 42º) Com relação à concessão de fiança, é assinale a alternativa correta: I Não será concedida fiança nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for inferior a 2 (dois) anos e o réu for primário e não vadio.

12 12 II Não será concedida fiança aos que, no mesmo processo, tiverem quebrado fiança anteriormente concedida ou infringido, sem motivo justo, qualquer das obrigações a que se refere o art III Não será concedida fiança em caso de prisão por mandado do juiz do cível, prisão disciplinar, administrativa ou militar. a) ( ) As afirmativas II e III estão corretas; b) ( ) As afirmativas II e III estão erradas; c) ( ) As afirmativas I e III estão corretas; d) ( ) As afirmativas I e II estão corretas. 43º) Com relação à concessão de fiança, é assinale a alternativa correta: I Não será concedida fiança quando presentes os motivos que autorizam a decretação da prisão preventiva. II Não será concedida fiança ao que estiver no gozo de suspensão condicional da pena ou de livramento condicional, salvo se processado por crime culposo ou contravenção que admita fiança. III Não caberá fiança para os crime de racismo; tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, terrorismo e crimes hediondos; ação de grupos armados, civis ou militares contra a ordem constitucional e o Estado Democrático; e os crimes contra o sistema financeiro. a) ( ) Todas as afirmativas estão erradas; b) ( ) Todas as afirmativas estão corretas; c) ( ) Somente as afirmativas I e III estão corretas; d) ( ) Somente as afirmativas I e II estão corretas.

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo ESPÉCIES DE PRISÃO: 1. P. Penal sentença condenatória transitada em julgado 2. P. Processuais, cautelares ou provisórias antes da formação da culpa

Leia mais

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5.

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5. Art. 323. Não será concedida fiança: I nos crimes punidos com pena de reclusão, salvo ao réu maior de setenta anos ou menor de vinte e um, no caso de não ser superior a dois anos o máximo da pena cominada;

Leia mais

Liberdade Provisória

Liberdade Provisória Liberdade Provisória CF, art. 5º, inciso LXVI: ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança; Natureza jurídica: trata-se de uma contracautela

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011.

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. Jorge Assaf Maluly Procurador de Justiça Pedro Henrique Demercian Procurador de Justiça em São Paulo.

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II II 2ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 II Acessem!!!!!! www.rubenscorreiajr.blogspot.com 2 1 O : É o conjunto de atos cronologicamente concatenados (procedimentos), submetido a princípios e regras

Leia mais

4 A LIBERDADE PROVISÓRIA

4 A LIBERDADE PROVISÓRIA 4 A LIBERDADE PROVISÓRIA 4.1 O Tratamento Atual da Liberdade Provisória Para a compreensão plena do instituto jurídico da liberdade provisória, fazse necessário reportar à redação original do Código de

Leia mais

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES.

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. CURSO DIREITO DISCIPLINA PROCESSO PENAL II SEMESTRE 7º Turma 2015.1 ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. 1. DO CONCEITO DE PRISAO A definição da expressão prisão para fins processuais.

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO

SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO - Verifique se este caderno contém 20 questões objetivas e 2 temas de redação. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala outro caderno. - A resposta deve ser marcada com caneta

Leia mais

PONTO 1: Prisão em flagrante continuação. 1. Prisão em flagrante continuação:

PONTO 1: Prisão em flagrante continuação. 1. Prisão em flagrante continuação: 1 DIREITO PROCESSUAL PENAL PONTO 1: Prisão em flagrante continuação 1. Prisão em flagrante continuação: 5) Espécies de flagrante: B) Flagrantes legais: B.1) Flagrante próprio/em sentido próprio/propriamente

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade...

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... Sumário Título I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL Capítulo I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... 35 Capítulo II APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Diretoria de Modernização Judiciária

MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Diretoria de Modernização Judiciária MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA Diretoria de Modernização Judiciária Aracaju, 29 de agosto de 2008 1 1 APRESENTAÇÃO Este Manual tem por escopo apresentar

Leia mais

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º PROCEDIMENTO DA AUTORIDADE POLICIAL DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS CONHECIMENTO DA NOTITIA CRIMINIS delegado deve agir de acordo comoart.6º e 7º do CPP, (não exaustivo

Leia mais

BUSCA E APREENSÃO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL

BUSCA E APREENSÃO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL POLICIA FEDERAL DO BRASIL BUSCA E APREENSÃO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL VISÃO GERAL Com o intuito de que não desapareçam am as provas do crime, o que tornaria impossível ou problemático o seu aproveitamento,

Leia mais

Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec"

RtgukfípekcfcTgrûdnkec Página 1 de 8 Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec" Ecuc"Ekxkn" Uudejghkc"rctc"Cuuupvqu"Lutîfkequ NGK"P "340625."FG"6"FG"OCKQ"FG"42330 Vigência Altera dispositivos do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA 1) A prova terá duração máxima de 3 horas. 2) Cada questão possui apenas uma resposta correta e, a marcação de mais de uma assertiva, implicará em sua nulidade. 3) Durante

Leia mais

OAB COMO PASSAR. ATUALIZAÇÃO N o 2 WANDER GARCIA. Lei 12.403/11 Prisão e Medidas Cautelares. Lei 12.433/11 Execução Penal

OAB COMO PASSAR. ATUALIZAÇÃO N o 2 WANDER GARCIA. Lei 12.403/11 Prisão e Medidas Cautelares. Lei 12.433/11 Execução Penal 7 a EDIÇÃO 2011 WANDER GARCIA COMO PASSAR NA Um dos maiores especialistas em Exame de Ordem do País OAB 1 ATUALIZAÇÃO N o 2 a FASE Lei 12.403/11 Prisão e Medidas Cautelares Lei 12.433/11 Execução Penal

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

BREVE MANUAL PARA USO DE ALGEMAS

BREVE MANUAL PARA USO DE ALGEMAS BREVE MANUAL PARA USO DE ALGEMAS Recordando do curso de Direitos Humanos e Direito Internacional Humanitário para Forças Policiais e de Segurança, que fiz pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha CICV,

Leia mais

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

2 a edição. Wander Garcia. Um dos maiores especialistas em Concursos Públicos do País. como passar. concursos. atualização 01.

2 a edição. Wander Garcia. Um dos maiores especialistas em Concursos Públicos do País. como passar. concursos. atualização 01. 2 a edição como passar em Wander Garcia Um dos maiores especialistas em Concursos Públicos do País concursos JURÍDICOS! atualização 01 julho/2011 Lei 12.403/11 Prisão e Medidas Cautelares Lei 12.433/11

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 4.208, DE 2001

PROJETO DE LEI Nº 4.208, DE 2001 PROJETO DE LEI Nº 4.208, DE 2001 Altera dispositivos do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal - relativos à prisão, medidas cautelares e liberdade, e dá outras providências.

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. LEONARDO P. DE CASTRO, advogado inscrito na OAB sob o nº 4.329, com escritório nesta Comarca, na Avenida

Leia mais

Processo Penal DA PRISÃO, DAS MEDIDAS CAUTELARES E DA LIBERDADE PROVISÓRIA Prof. Gladson Miranda. www.gladsonmiranda.jur.adv.br

Processo Penal DA PRISÃO, DAS MEDIDAS CAUTELARES E DA LIBERDADE PROVISÓRIA Prof. Gladson Miranda. www.gladsonmiranda.jur.adv.br Processo Penal DA PRISÃO, DAS MEDIDAS CAUTELARES E DA LIBERDADE PROVISÓRIA Prof. Gladson Miranda www.gladsonmiranda.jur.adv.br Admissibilidade da Prisão Ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Cargo: AGENTE DE TELECOMUNICAÇÕES PC Polícia Civil do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015 CADERNO 2.

Apostilas OBJETIVA Cargo: AGENTE DE TELECOMUNICAÇÕES PC Polícia Civil do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015 CADERNO 2. CADERNO 2 Índice Da Prisão. Conceito e espécies; mandado de prisão; execução do mandado; prisão em domicílio; prisão em perseguição; emprego de força... 02 Prisão em flagrante; prisão preventiva; prisão

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA Nº 17/2015

PORTARIA CONJUNTA Nº 17/2015 PORTARIA CONJUNTA Nº 17/2015 A Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Acre, Desembargadora Cezarinete Angelim, e a Corregedora-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargadora Regina Ferrari,

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940 DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940 Código Penal O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte lei: CÓDIGO PENAL PARTE ESPECIAL

Leia mais

01 Direito da Criança e do Adolescente

01 Direito da Criança e do Adolescente 01 Direito da Criança e do Adolescente Constitui-se em um direito dos pais ou responsáveis, assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, a) adentrar no prédio escolar até as salas de aula em qualquer

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO N.º102 /97 - P.G.J. Estabelece normas para o exercício do controle externo da atividade de Polícia Judiciária pelo Ministério Público, previsto no artigo 129, inciso VII, da Constituição Federal

Leia mais

MEDIDAS CAUTELARES. NEREU JOSÉ GIACOMOLLI nereu@giacomolli.com

MEDIDAS CAUTELARES. NEREU JOSÉ GIACOMOLLI nereu@giacomolli.com MEDIDAS CAUTELARES NEREU JOSÉ GIACOMOLLI nereu@giacomolli.com ENCARCERAMENTO RS 11/2012: 29.713 presos 20.680 vagas 9.083 de déficit RS 12/2011: 29.113 presos 6.364 provisórios: 34,35% 20.315 vagas 8.798

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador DEMÓSTENES TORRES PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 Altera dispositivos da Lei nº 7.492, de 16 de junho de 1986, e do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941

Leia mais

Prova: PC-SP - 2011 - PC-SP - Delegado de Polícia Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura;

Prova: PC-SP - 2011 - PC-SP - Delegado de Polícia Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura; Prova: FGV - 2012 - OAB - Exame de Ordem Unificado - IX - Primeira Fase Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura; Com relação à Convenção Interamericana

Leia mais

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11.

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro Recentemente publicamos um artigo no qual

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICA PENAL

MANUAL DE PRÁTICA PENAL 2010 MANUAL DE PRÁTICA PENAL Estudo dedicado ao Exame de Ordem 2010.1. Carlos Rafael Ferreira Liberdade Provisória SEM Fiança Previsão legal: art. 5º, LXVI, CF. Probabilidade: média. Fase: pré processual.

Leia mais

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996.

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Interceptação Telefônica. II) Legislação correlata LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

http://www.concursovirtual.com.br/professores/rodrigo-menezes.html

http://www.concursovirtual.com.br/professores/rodrigo-menezes.html Direito Constitucional Professor Rodrigo Menezes XLII - RACISMO XLIV - GOLPE XLIII - T T T H* Questões FCC Art. 5º fb.com/prof.rodrigomenezes Os crimes no art. 5º XLI a lei punirá qualquer discriminação

Leia mais

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença:

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: 1. Qualidade da redação: 1.1. Com observância, inclusive, de ortografia e gramática além de completo domínio do vernáculo. 1.2. Valor: 2,0

Leia mais

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira QUESTÕES PROCESSO PENAL 1- É possível a incomunicabilidade do indiciado na atual conjuntura constitucional brasileira? Segundo o art.

Leia mais

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO SUMÁRIO Parte 1 ASPECTOS GERAIS DA ATIVIDADE POLICIAL Capítulo 1 Distinção entre a Política Militar,

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS SOBRE A NOVA LEI DE MEDIDAS CAUTELARES NO PROCESSO PENAL (Lei n. 12.403/11)

BREVES APONTAMENTOS SOBRE A NOVA LEI DE MEDIDAS CAUTELARES NO PROCESSO PENAL (Lei n. 12.403/11) BREVES APONTAMENTOS SOBRE A NOVA LEI DE MEDIDAS CAUTELARES NO PROCESSO PENAL (Lei n. 12.403/11) Fernando Célio de Brito Nogueira e Aluisio Antonio Maciel Neto, Promotores de Justiça em Barretos 1 Introdução

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Subseção Judiciária de Itapeva-SP

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Subseção Judiciária de Itapeva-SP Classe 0064 - COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE nº 001259-42.2011.403.6139 (IPL 15-00441/2011-4-DPF/SOD/SP) AUTORIDADE: INDICIADO(S): DELEGACIA DA POLÍCIA FEDERAL EM SOROCABA/SP ANTONIO MOACIR DA CONCEIÇÃO

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21 SUMÁRIO Parte 1 Aspectos gerais da atividade policial Capítulo 1 Distinção entre a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a Guarda Municipal...3 Capítulo 2

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL 1ª Questão (Tráfico de entorpecentes

Leia mais

pena pode chegar a 5 (cinco) anos de detenção, mas são destituídos de periculosidade e, em geral, recaindo na modalidade culposa.

pena pode chegar a 5 (cinco) anos de detenção, mas são destituídos de periculosidade e, em geral, recaindo na modalidade culposa. 1 COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI No 1.903, DE 2011 Acrescenta incisos e altera a redação do caput do art. 322, do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941

Leia mais

Medidas cautelares pessoais e a Lei nº 12.403, de 04 de maio de 2.011, uma abordagem prática 1

Medidas cautelares pessoais e a Lei nº 12.403, de 04 de maio de 2.011, uma abordagem prática 1 1 Medidas cautelares pessoais e a Lei nº 12.403, de 04 de maio de 2.011, uma abordagem prática 1 Válter Kenji Ishida Promotor de Justiça das Execuções Criminais da Capital de São Paulo Mestre e Doutor

Leia mais

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. Define os procedimentos para apuração da responsabilidade administrativa e para celebração do acordo de leniência de que trata a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz da Vara Criminal de Medianeira/PR

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz da Vara Criminal de Medianeira/PR Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz da Vara Criminal de Medianeira/PR PONTE, por seu defensor que esta subscreve, vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, requerer a concessão de LIBERDADE PROVISÓRIA

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Autores: Bruno Shimizu, Patrick Lemos Cacicedo, Verônica dos Santos Sionti e Bruno Girade Parise

Autores: Bruno Shimizu, Patrick Lemos Cacicedo, Verônica dos Santos Sionti e Bruno Girade Parise TESE: 01/13 (ÁREA CRIMINAL) Autores: Bruno Shimizu, Patrick Lemos Cacicedo, Verônica dos Santos Sionti e Bruno Girade Parise Súmula: A fixação de fiança pelo juízo ou a manutenção da fiança arbitrada pela

Leia mais

Marcos Paulo de Souza Miranda Promotor de Justiça

Marcos Paulo de Souza Miranda Promotor de Justiça Marcos Paulo de Souza Miranda Promotor de Justiça 225, 3º - As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas,

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

Prisão Preventiva e Clamor Público

Prisão Preventiva e Clamor Público Prisão Preventiva e Clamor Público José Carlos Fragoso 1. A prisão preventiva é medida excepcional, que se funda exclusivamente na imperiosa necessidade. O normal é que as pessoas recebam a pena depois

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. (Do Supremo Tribunal Federal) Acrescenta o inciso I ao 1º do artigo 4º da Lei nº 11.416, de 15 de dezembro

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade Milton Campos Curso: Direito Departamento: Ciências Penais FACULDADE MILTON CAMPOS Disciplina: Direito Processual Penal II Carga Horária: 80 h/a Área: Direito PLANO DE ENSINO EMENTA Atos processuais:

Leia mais

2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO

2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO 2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO 2. 1 HIPÓTESES DE CABIMENTO - Decisão que rejeitar a denúncia ou queixa - Decisão que concluir pela incompetência do juízo - Decisão que julga procedente alguma das exceções,

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 01/2013

RECOMENDAÇÃO Nº 01/2013 RECOMENDAÇÃO Nº 01/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO, neste ato representado pela Promotora de Justiça da Comarca Sanclerlândia - GO, Dra. Andréia Zanon Marques Junqueira que subscreve ao final, no uso de suas

Leia mais

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e RESOLUÇÃO Nº 20/2004 - CPJ Cria a CENTRAL DE ACOMPANHAMENTO DE INQUÉRITOS POLICIAIS E CONTROLE EXTERNO DA ATIVIDADE POLICIAL, no âmbito do Ministério Público do Estado de Mato Grosso e dá outras providências.

Leia mais

REQUERIMENTO DE PRODUÇÃO ANTECIPADA DE PROVA (Inciso I do artigo 156 do Código de Processo Penal)

REQUERIMENTO DE PRODUÇÃO ANTECIPADA DE PROVA (Inciso I do artigo 156 do Código de Processo Penal) EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA a. VARA DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DA COMARCA DE PORTO ALEGRE/RS: REQUERIMENTO DE PRODUÇÃO ANTECIPADA DE PROVA (Inciso I do artigo 156 do Código de Processo Penal) Postula-se

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE CONCURSO POLÍCIA MILITAR CFO / Julho 2009 PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE CONCURSO POLÍCIA MILITAR CFO / Julho 2009 PARECER DOS RECURSOS 65) Sobre o crime de homicídio, segundo o Direito Penal Militar, analise as afirmações a seguir. l Comete crime militar de homicídio o soldado PM da ativa que mata outro soldado PM da ativa, em plena via

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

OS EFEITOS RETROATIVOS DA LEI 10.259/01 NO STATUS LIBERTATIS DO INDIVÍDUO

OS EFEITOS RETROATIVOS DA LEI 10.259/01 NO STATUS LIBERTATIS DO INDIVÍDUO OS EFEITOS RETROATIVOS DA LEI 10.259/01 NO STATUS LIBERTATIS DO INDIVÍDUO I INTRODUÇÃO A atividade laborativa do Defensor Público extrapola os limites da interpretação e operacionalidade da lei, porque

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 Dá nova redação aos artigos que menciona, entre outras providências, da Lei Complementar n. 3, de 12 de janeiro de 1981, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.613, DE 3 DE MARÇO DE 1998. Dispõe sobre os crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização

Leia mais

Deontologia Jurídica. Professor Roberto Morgado rnmorgado@hotmail.com www.morgadodeontologia.blogspot.com Aula 1

Deontologia Jurídica. Professor Roberto Morgado rnmorgado@hotmail.com www.morgadodeontologia.blogspot.com Aula 1 Deontologia Jurídica Professor Roberto Morgado rnmorgado@hotmail.com www.morgadodeontologia.blogspot.com Aula 1 ATIVIDADE PRIVATIVA QUESTÃO Nº01 A empresa Consumidor Ltda., composta por contadores, despachantes,

Leia mais

Art. 1º O Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, passa a vigorar acrescido dos seguintes artigos:

Art. 1º O Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, passa a vigorar acrescido dos seguintes artigos: DECRETO Nº 028, de 1º de fevereiro de 2011 Altera o Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, que veda a nomeação de cônjuge, companheiro(a) ou parente, para cargo em comissão, de confiança ou de função

Leia mais

TÍTULO: A FIANÇA CRIMINAL COMO MEDIDA CAUTELAR DIVERSA DA PRISÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE BARRETOS

TÍTULO: A FIANÇA CRIMINAL COMO MEDIDA CAUTELAR DIVERSA DA PRISÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE BARRETOS TÍTULO: A FIANÇA CRIMINAL COMO MEDIDA CAUTELAR DIVERSA DA PRISÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE BARRETOS AUTOR(ES): ROBSON APARECIDO MACHADO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Durante o carnaval do ano de 2015, no mês de fevereiro, a família de Joana resolveu viajar para comemorar o feriado, enquanto Joana, de 19 anos, decidiu ficar em

Leia mais

SÚMULA VINCULANTES SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL 08/03/2012 SÚMULA VINCULANTE Nº 1

SÚMULA VINCULANTES SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL 08/03/2012 SÚMULA VINCULANTE Nº 1 SÚMULA VINCULANTE Nº 1 OFENDE A GARANTIA CONSTITUCIONAL DO ATO JURÍDICO PERFEITO A DECISÃO QUE, SEM PONDERAR AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO CONCRETO, DESCONSIDERA A VALIDEZ E A EFICÁCIA DE ACORDO CONSTANTE

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) ANEXO VI (Edital n. 02/2014-2) CRONOGRAMA SEMESTRAL 9.º PERÍODO DEPENDÊNCIA N. DATAS ATIVIDADES EQUIVALÊNCIA Disponibilização do Cronograma Semestral de atividades no átrio

Leia mais

JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA CONFORMAÇÃO CONSTITUCIONAL Constituição Federal (OBS: o Decreto 4.346/02 exige o cumprimento do contraditório na apuração das infrações disciplinares) Art. 92.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DO PLANTÃO CRIMINAL DA COMARCA DE MANAUS AM.

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DO PLANTÃO CRIMINAL DA COMARCA DE MANAUS AM. fls. 65 EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DO PLANTÃO CRIMINAL DA COMARCA DE MANAUS AM. Autos: 0225155-11.2015.8.04.0001 JOAQUIM RAMOS NASCIMENTO, já qualificado nos autos do

Leia mais

XVII PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO DE DIREITO AGOSTO DE 2013 CADERNO DE PROVA OBJETIVA

XVII PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO DE DIREITO AGOSTO DE 2013 CADERNO DE PROVA OBJETIVA JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU NO RN Rua Dr. Lauro Pinto nº 245 Candelária Natal/RN CEP 59.064 250 PABX: (0XX84) 3235 7400 e 4005 7400 FAX: (0XX84) 3231 9230 XVII PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO

Leia mais