Fonte significa a origem de algo. Fonte do Direito Penal significa a origem do direito penal (como surge, como nasce o direito penal).

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fonte significa a origem de algo. Fonte do Direito Penal significa a origem do direito penal (como surge, como nasce o direito penal)."

Transcrição

1 NOÇÕES GERAIS Antes de entrarmos no estudo das principais questões sobre o Direito Penal, é necessário conhecermos algumas noções básicas desse ramo do direito, que são imprescindíveis para a correta compreensão da matéria. FONTES DO DIREITO PENAL Fonte significa a origem de algo. Fonte do Direito Penal significa a origem do direito penal (como surge, como nasce o direito penal). As fontes do direito penal são classificadas em: Fonte material (fonte de produção ou substancial). A única fonte de produção do direito penal é o Estado 1. Só o Estado pode produzir, criar o Direito Penal. E no Brasil, apenas a União (que representa o Estado Brasileiro) pode criar (produzir) o Direito Penal, ou seja, só a União pode ser fonte material do Direito Penal (art. 22, I, da CF/88). Isso significa o seguinte: Os estados-membros, os municípios e o Distrito Federal não podem fazer leis penais (não podem criar ou revogar crimes e contravenções penais; prever penas, aumentá-las ou diminuí-las etc). Não existe lei penal municipal, estadual ou do DF!. Só existe lei penal federal (nacional), feita pelo Congresso Nacional (composto de Deputados Federais e Senadores) EXCEÇÃO: O artigo 22, único, da CF/88 prevê que Lei Complementar poderá autorizar os estados-membros a produzirem leis penais sobre questões específicas (questões de interesse local do estado-membro) de direito penal. Ex. proteção da Vitória-Régia na Amazônia. Mesmo assim a lei penal do estado-membro não poderá criar crimes ou penas. Fontes formais (de conhecimento, ou de cognição) As fontes formais são subdivididas em: Imediata (direta ou principal): Lei Penal Mediatas (indiretas ou secundárias): costumes e princípios gerais do Direito. Alguns autores incluem ainda a doutrina (comentários dos juristas sobre as leis) e a jurisprudência (decisões judiciais no mesmo sentido). Lei Penal 2 A principal fonte formal do Direito é a lei penal. E a principal lei penal brasileira é o Código Penal. Além do CP há também as chamadas leis penais especiais (Código de Defesa do Consumidor; Código de Trânsito Brasileiro, Lei de Drogas; Estatuto do Desarmamento etc) 3. 1 A expressão Estado significa o Estado Brasileiro; a expressão estados-membros significa as estados da Federação Brasileira (Acre, Amazonas, Roraima, Santa Catarina, Rio de Janeiro etc) 2 Há uma diferença entre lei e norma. Lei é a regra escrita pelo legislador; norma é a ordem (a norma de comportamento) decorrente da lei. Na prática, entretanto, os autores utilizam ambas as expressões para se referir à lei. 3 É importante destacar que as leis especiais não cuidam apenas de questões penais; cuidam também de questões civis, administrativas, ambientais etc. Mas como também tratam de questões penais são chamadas, no direito penal, de leis penais especiais. - 1

2 O Código Penal Brasileiro é dividido em duas partes: a Parte Geral (que cuida de questões gerais, como por exemplo, aplicação da lei penal no tempo e no espaço; teoria do crime; teoria da pena, concurso de pessoas; concurso de crimes; extinção da punibilidade etc) e a Parte Especial, que traz o rol dos crimes e as respectivas penas (a Parte Especial do CP é o catálogo, o menu dos crimes). Características da lei penal: Exclusividade: só a lei penal pode criar infrações penais e cominar (prever) penas; Generalidade: a norma penal se dirige a todas as pessoas (aplica-se erga omnes, ou seja, a qualquer pessoa); Impessoalidade: não se dirige a uma pessoa determinada ou a um grupo de pessoas (= impessoalidade). A lei penal não pode ser feita para punir, ou beneficiar uma determinada pessoa ou algumas pessoas especificamente. Imperatividade: a lei penal é imposta às pessoas, sendo obrigatório seu cumprimento. O descumprimento da lei penal autoriza a aplicação da respectiva sanção penal ao infrator. Costumes e Princípios Gerais de Direito. São as fontes formais secundárias do Direito Penal. As fontes secundárias não podem criar infrações penais e penas (só a lei pode!) Costume: é um comportamento realizado por todas as pessoas, de forma repetida e constante, de tal forma que passa a ser respeitado como se fosse obrigatório. Exemplo: fila em órgãos públicos. Ainda que não haja uma lei obrigando alguém a ficar na fila em órgãos públicos, todos consideram obrigatório ficar na fila. OBSERVAÇÃO: Há uma diferença entre hábito e costume. O hábito não é visto como algo obrigatório, enquanto o costume é. Exemplo: lavar calçada é apenas um hábito, porque todos sabem que não são obrigados a isso. Não é um costume. Os costumes no direito penal: Não podem criar infrações penais ou penas (isso só a lei penal pode); Não podem ser utilizados para o descumprimento de uma lei (costume contra legem contra a lei); somente podem ser utilizados para suprir a falta, a lacuna da lei (costume praeter legem); ou para auxiliar na interpretação ou aplicação de uma lei (costume secundum legem). Princípios gerais do direito: são premissas gerais extraídas do ordenamento jurídico (do conjunto de leis ou normas jurídicas). Podem ser escritos (expressos) ou não escritos (implícitos). Os princípios gerais também não podem criar uma infração penal ou uma sanção penal (só a lei penal pode). Auxiliam na interpretação e aplicação da lei penal; Podem ser utilizados em favor do agente, para tornar atípica uma conduta descrita como crime ou para isentar o agente de pena. Ex. pelo princípio da insignificância ou bagatela o juiz pode não considerar crime o furto de R$ 0,50 (cinqüenta centavos) do caixa de um grande supermercado. ANALOGIA Conceito: A analogia consiste em aplicar a um caso não regulado em lei, uma outra lei que regula hipótese semelhante. - 2

3 A analogia, portanto, não é fonte do direito! (ATENÇÃO) A analogia é apenas o mecanismo utilizado para suprir uma lacuna (ausência) da lei e aplicar uma outra lei. O que está sendo aplicado na analogia, portanto, nada mais é do que uma outra lei. A analogia é forma de auto-integração da lei (forma de suprir a lacuna da lei) Aplicação da analogia: A analogia somente pode ser utilizada para beneficiar o agente 4 (analogia in bonam partem); A analogia, no direito penal, jamais pode ser utilizada para prejudicar o agente (analogia in malam partem). No direito penal só existe analogia in bonam partem. Não existe analogia in malam partem. INFRAÇÃO PENAL (ILÍCITO PENAL). No direito penal brasileiro temos duas espécies de infração penal (ou ilícito penal): crime e contravenção penal. Crime é infração mais grave; contravenção penal é infração mais leve (é também chamada de crime anão ). Diferenças entre crime e contravenção penal: o crime tem pena de reclusão ou detenção, acompanhada ou não de pena de multa (reclusão; detenção; reclusão e multa; ou detenção e multa); A contravenção tem pena de prisão simples, a- companhada ou não de multa (prisão simples; prisão simples e multa; multa); Diferencia-se, portanto, o crime da contravenção pela espécie de pena cominada (pelo preceito secundário); A tentativa de crime é punida (art. 14, II, CP); a tentativa de contravenção não é punida (art. 4º, da LCP); Os crimes podem ser de ação penal pública incondicionada ou condicionada, ou de ação penal privada (art. 100, do CP); as contravenções são sempre de ação penal pública incondicionada (art. 17, da LCP). A lei penal brasileira, em algumas hipóteses, pode ser aplicada a um crime cometido no estrangeiro (art. 7º, do CP); mas não pode ser aplicada a uma contravenção praticada no estrangeiro (só nas contravenções praticada no nosso território art. 7º, da LCP); No caso de crime o tempo máximo de cumprimento da pena aplicada é de 30 anos (art. 75, do CP); no caso de contravenção o tempo máximo é de 5 anos (art. 10, da LCP); Os crimes são dolosos ou culposos (art. 18, do CP); nas contravenções basta a conduta voluntária (art. 3º, da LCP) Aos crimes aplica-se o erro de tipo e o erro de proibição (arts. 20 e 21, do CP); às contravenções aplica-se apenas o erro de direito (art. 8º, da LCP). APLICAÇÃO DA LEI PENAL O CP trata da aplicação da lei penal nos seus artigos 1º a 12. PRINCÍPIO DA LEGALIDADE 4 Agente é o autor da conduta descrita como infração penal. Aquele que pratica a conduta prevista como infração penal (na fase da investigação o agente é denominado investigado ou indiciado; na fase do processo é denominado réu ou acusado). - 3

4 O princípio da legalidade está expresso no artigo 1º, do CP 5 : Não há crime sem lei anterior que o defina; não há pena sem prévia cominação legal. ATENÇÃO (IMPORTANTE): apesar do artigo 1º, do CP usar as expressões crime e pena, o princípio da legalidade se aplica também às contravenções penais e às medidas de segurança. Só lei em sentido estrito pode criar uma contravenção penal ou impor uma medida de segurança. Do artigo 1º, do CP podemos extrair três regras: 1ª) somente a Lei (lei em sentido estrito) pode criar infrações penais e cominar (prever) penas. E tem de ser uma lei federal ordinária ou complementar (somente essas duas espécies normativas podem criar infrações penais e penas). As infrações penais e as penas não podem, portanto, ser criadas por: Lei Estadual, Municipal ou do DF (salvo a exceção vista no item anterior art. 22, único da CF/88); Lei Delegada (porque a Lei Delegada é feita pelo Presidente da República e não pelo Congresso Nacional ATENÇÃO!); Atos normativos ou administrativos (Decreto; Decreto Legislativo, resoluções, portarias etc); Emenda Constitucional (nem Emenda Constitucional!); Medida Provisória (o Presidente da República não pode criar infrações e penas, nem por Decreto, nem por Medida Provisória, nem por Lei Delegada); Costumes; Princípios gerais do direito; Analogia (pois não existe analogia in malam partem). 2ª) essa lei deve ser anterior ao fato; não pode ser aplicada a fatos ocorridos antes da sua entrada em vigor (não pode retroagir; não pode ser aplicada para trás). Só pode ser aplicada a fatos ocorridos após a sua entrada em vigor. 3ª) essa lei deve descrever detalhadamente a conduta considerada infração penal. O artigo 1º exige que a lei defina o crime (definir = descrever com detalhes). A lei deve ser detalhada para que as pessoas possam saber, de antemão, quais os comportamentos que não podem praticar (questão de segurança jurídica). Por isso os doutrinadores dizem que a lei não é proibitiva, mas descritiva. Ex.: o artigo 155 do CP não diz é proibido furtar ; ele descreve (define) o que é o furto: subtrair, para si ou para outrem coisa alheia móvel. Ex.: o artigo 33, da Lei de Drogas não diz é proibido traficar. Diz, com detalhes, o que é o tráfico. No princípio da legalidade, portanto, estão embutidos outros três princípios: Princípio da reserva legal ou da estrita legalidade: somente a lei em sentido estrito pode criar infrações e penas; Princípio da anterioridade: a lei deve ser anterior ao fato: Princípio da taxatividade: a lei deve descrever de forma completa, clara e detalhada, qual é a conduta considerada criminosa (a lei deve ser taxativa, precisa). ABOLITIO CRIMINIS E LEI NOVA MAIS FAVORÁVEL. 5 Este princípio está também no artigo 5º, XXXIX, da CF/88. É, portanto, cláusula pétrea, ou seja, não pode ser suprimido ou modificado nem mesmo por uma Emenda Constitucional. - 4

5 Como vimos, a lei penal incriminadora não pode retroagir, não pode ser aplicada a fatos ocorridos antes de sua entrada em vigor (princípio da legalidade). Mas a lei pode e deve retroagir quando, de alguma forma, beneficiar o réu. É o que dispõe o artigo 2º, caput e único, do CP: Art. 2º. Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença condenatória Parágrafo único: A lei posterior, que de qualquer forma favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que decididos por sentença condenatória transitada em julgado. São duas hipóteses, portanto, em que a lei penal retroage: 1ª) Abolitio criminis (art. 2º, caput, do CP): é a lei que deixa de considerar um fato como infração penal. Ela revoga a lei que considerava a conduta como criminosa (faz desaparecer a infração penal e a pena). A abolitio criminis retroage e alcança todas as infrações penais já praticadas antes de sua vigência. Assim sendo: Beneficia todos os agentes que praticaram a infração, mesmo aqueles que já estão definitivamente condenados e mesmo aqueles que já estão cumprindo a pena (cessa a execução da pena). Faz desaparecer todos os efeitos penais da sentença condenatória (os efeitos civis, administrativos, trabalhistas etc da condenação não desaparecem!). Uma sentença penal gera efeitos penais (aplicação de pena ou medida de segurança, reincidência etc) e efeitos extrapenais (civis, administrativos, trabalhistas etc). Exemplo: em , a abolitio criminis n revogou os crimes de sedução, adultério e rapto (esses fatos deixaram de ser crimes). Essa lei foi aplicada, retroativamente, a todos os crimes de adultério, sedução e rapto praticados antes de Os inquéritos e processos que apuravam esses crimes foram arquivados; as condenações desapareceram; os efeitos penais das condenações desapareceram (reincidência, pena aplicada etc). Os efeitos civis, entretanto, permaneceram (ex.: obrigação de indenizar as vítimas; perda do pátrio poder; perda do cargo público; demissão por justa causa etc). OBS.: quando a pessoa é definitivamente condenada ela tem seus direitos políticos suspensos, enquanto durar os efeitos da condenação (art. 15, III, CF/88). Como a abolitio criminis extingue o crime e a pena, os direitos políticos retornam para a pessoa. 2ª) Lei nova mais favorável ou novatio legis in mellius (art. 2º, único, do CP): é a lei que não faz desaparecer a infração penal, mas de alguma forma beneficia o agente. Ex. diminui a pena. O fato continua sendo infração penal, mas a lei nova é mais favorável que a lei anterior. Ela também retroage, ou seja, aplica-se a todas as infrações praticadas antes da sua entrada em vigor, até mesmo aos casos já com condenações definitivas (transitadas em julgado). Ex. o artigo 157, do CP prevê pena de 4 a 10 anos de reclusão e multa para o crime de roubo. Suponhamos que em entra em vigor a Lei A, que diminui a pena do roubo para 1 a 3 anos de reclusão e multa. Essa lei será aplicada retroativamente a todos os roubos praticados antes de Mesmo no caso das condenações definitivas as penas terão de ser revistas e diminuídas. - 5

6 LEI EXCEPCIONAL E LEI TEMPORÁRIA As leis penais (assim como as leis em geral) não têm prazo certo de vigência (duração). Uma lei vigora até o dia em que é revogada por uma outra lei. Se nunca for revogada por outra lei nunca perderá vigência. Somente uma lei pode revogar outra lei. Há duas exceções, entretanto, de leis que são auto-revogáveis: Lei excepcional: é feita para vigorar durante uma situação excepcional, anormal (ex.: calamidade pública, guerra, seca, epidemias etc). A lei vigora enquanto existir a situação anormal; cessada a situação excepcional, cessa a vigência da lei. Exemplo: durante um período de grave seca entra em vigor a Lei A, considerando crime a conduta de lavar automóveis na própria residência. Essa lei só terá vigência enquanto perdurar a seca e houver necessidade de racionamento de água. Lei temporária: é feita para vigorar durante um período certo e determinado. No próprio texto da lei consta a data de sua revogação. Exemplo: durante a Copa do Mundo no Brasil, entra em vigor a Lei A, considerando crime fazer comemorações com aparelhos sonoros após as 23h00 ou em frente de hospitais ou colégios. Na própria Lei constará que ela só terá vigência até o jogo final da Copa do Mundo. Lembre-se: a lei excepcional e a lei temporária são leis auto-revogáveis. Ambas tem vigência temporária. Essas duas espécies de leis continuam sendo aplicadas aos fatos ocorridos durante a sua vigência, mesmo depois de revogadas (artigo 3º, do CP). Se assim não fosse todos descumpririam a lei excepcional e a lei temporária, por saber que elas perderiam vigência em breve (a lei seria inútil). ATENÇÃO: elas são aplicadas depois de revogadas, mas apenas aos fatos que foram praticados durante o tempo em que estavam em vigor. TEMPO DO CRIME Pode ser que uma conduta criminosa seja praticada em um momento, mas o resultado dela só o- corra algum tempo depois. Ex. o agente agride a vítima hoje e ela morre depois de dois meses. Nesse caso, em qual momento deve ser considerado praticado o crime? No momento da conduta (da agressão) ou no momento do resultado (da morte da vítima)? Há três teorias a esse respeito: a) Teoria da Atividade: considera-se praticado o crime no momento da conduta, da atividade (da ação ou omissão), ainda que o resultado ocorra em outro momento posterior; b) Teoria do Resultado: considera-se praticado o crime no momento do resultado (consumação), ainda que a conduta (ação ou omissão) tenha sido praticada em momento bem anterior; c) Teoria mista ou da ubiqüidade: considera-se praticado o crime tanto no momento da conduta, como no momento do resultado. O CP adotou a TEORIA DA ATIVIDADE. Art. 4º, do CP: Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que outro seja o momento do resultado. - 6

7 Ex. A, que tem 17 anos e 11 meses agride B ; B morre dois meses depois no hospital, quando A já está com 18 anos e 1 mês. A não responderá pelo crime porque quando praticou a conduta (a atividade) era menor de 18 anos. Se o CP tivesse adotado a Teoria do Resultado, A responderia pelo crime, porque quando ocorreu o resultado (a morte) ele era maior de 18 anos. OBSERVAÇÃO: no caso de crime permanente, se o agente completar 18 anos antes de cessar a prática do crime ele responderá pelo delito. Ex. A, com 17 anos e 11 meses, seqüestra uma vítima e a mantém seqüestrada por 5 meses. Ele responderá pelo crime, pois a conduta (a ação) começou a ser praticada quando ele tinha 17 anos e 11 meses, mas se estendeu até ele completar 18 anos. (crime permanente é aquele em que a conduta criminosa se prolonga no tempo). LUGAR DO CRIME Pode ser que a conduta criminosa (ou parte dela) seja praticada no Brasil e o resultado ou a possibilidade do resultado (no caso de crime tentado) ocorra em outro país; ou vice-versa. Nesses casos pode-se considerar que a infração foi praticada no Brasil e então aplicar a lei penal brasileira? Sim, pois quanto ao lugar do crime o CP adotou a TEORIA MISTA OU DA UBIQÜIDADE. Artigo 6º do CP: considera-se praticado o crime no lugar em que foi ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria produzir o resultado. Basta que ocorra no Brasil apenas a conduta criminosa (ou parte dela), ou apenas o resultado (ou a possibilidade dele) para que o crime seja considerado no Brasil. Exemplo: o agente agride a vítima no Brasil e ela morre na Argentina. Conduta no Brasil, resultado na Argentina. O crime é considerado praticado no Brasil. ATENÇÃO (NÃO CONFUNDIR!): Tempo do crime Teoria da Atividade (art. 4º, do CP); Lugar do crime Teoria da Ubiqüidade ou Mista (art. 6º, do CP). TERRITORIALIDADE E EXTRATERRITORIALIDADE DA LEI PENAL BRASILEIRA. Territorialidade da lei penal A lei penal é feita para ser aplicada no território do respectivo país (cada país tem suas próprias leis penais). Isso se chama territorialidade da lei penal. O artigo 5º do CP dispõe que: Aplica-se a lei brasileira, sem prejuízo de convenções, tratados e regras de direito internacional, ao crime cometido no território nacional. Regra geral: Aplica-se a lei penal brasileira a todo e qualquer crime (ou contravenção) cometido no território nacional PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE. Exceção: Excepcionalmente, aplica-se a lei estrangeira (em vez da lei brasileira) a um crime cometido no território brasileiro, quando isso estiver previsto em convenções, tratados e regras de direito internacional (que o Brasil tenha assinado ou aderido). - 7

8 Essas exceções são as imunidades diplomáticas (previstas em convenções, tratados e regras de direito internacional). Se uma pessoa com imunidade diplomática praticar qualquer infração penal em nosso território, não será aplicada a ela a lei penal brasileira, mas a lei penal do país de origem dessa pessoa. Têm imunidade diplomática: agentes diplomáticos (embaixadores, secretários de embaixadas, pessoal técnico e administrativo das embaixadas); familiares dos agentes diplomáticos; funcionários de organizações internacionais (ONU, OEA etc); Chefes de Estado ou Governo Estrangeiro em visita ao Brasil e os membros de sua comitiva (Ex. Presidentes da República; Primeiros-Ministros etc). Ex. Presidente dos Estados Unidos comete qualquer crime no Brasil. Será processado nos EUA, segundo a lei penal norte-americana. Ex.: esposa do embaixador argentino comete crime no Brasil. Ela será processada na Argentina, segundo a lei penal de lá. Conclusão: a lei penal brasileira aplica-se a todas as pessoas que cometerem uma infração penal no Brasil, exceto àquelas que têm imunidade diplomática (exceção à generalidade da lei penal). Observações: 1) Os empregados particulares dos agentes diplomáticos não têm imunidade diplomática. 2) As embaixadas não são consideradas território estrangeiro e sim território brasileiro (ATEN- ÇÃO!). Assim, se, por exemplo, um empregado particular do diplomata, ou um carteiro brasileiro comete um crime no interior da embaixada, será julgado pela lei penal brasileira, porque essas pessoas não têm imunidade diplomática e o crime foi cometido em território nacional. Extraterritorialidade da lei penal Como dissemos, a lei penal é feita para ser aplicada apenas às infrações penais praticadas dentro do território do país. Mas o artigo 7º, I, II e 3º, do CP prevê casos em que a nossa lei penal será, excepcionalmente, aplicada a crimes cometidos fora do território brasileiro é o que se denomina EXTRATERRITORIA- LIDADE DA LEI PENAL BRASILEIRA. Artigo 7º.: Ficam sujeitos à lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro: I os crimes: contra a vida ou a liberdade do Presidente da República. Ex. um americano, lá nos EUA, mata o nosso Presidente da República. Será aplicada a nossa lei brasileira a esse homicídio cometido nos EUA. contra o patrimônio ou a fé pública da União, do Distrito Federal, de Estado, de território, de Município, de empresa pública, de sociedade de economia mista, autarquia ou fundação instituída pelo Poder Público. Ex. uma pessoa, na Inglaterra, furta um automóvel pertencente à União ou ao Estado de São Paulo. Aplica-se a lei penal brasileira a esse furto ocorrido na Inglaterra, porque atingiu patrimônio da União ou de estado-membro brasileiro; contra a administração pública, por quem está a seu serviço. Ex. um servidor público brasileiro (a serviço da administração brasileira), na Argentina, apropria-se ilegalmente de dinheiro pertencente - 8

9 à União. Será aplicada a lei penal brasileira a esse crime de peculato ocorrido na Argentina, porque ele foi praticado contra a nossa administração pública, e por quem estava a serviço dela. de genocídio, quando o agente for brasileiro ou domiciliado no Brasil. Ex. um crime de genocídio é praticado no México. Será aplicada a lei penal brasileira desde que o agente seja brasileiro, ou seja estrangeiro residente no Brasil. (OBS.: genocídio é crime praticado com a intenção de destruir total ou parcialmente um grupo nacional, étnico, racial ou religioso). Ocorrido qualquer um desses crimes previstos no inciso I, do artigo 7º, do CP não é exigida nenhuma condição para que seja aplicada a lei penal brasileira. Basta que o crime seja praticado (em qualquer outro País). É o que se chama de extraterritorialidade incondicionada da lei penal brasileira. E mais. A lei penal brasileira será aplicada mesmo que o agente seja também processado no País onde ele cometeu o crime, independentemente de lá ter sido condenado ou absolvido (art. 7º, 1º, CP). Mas se o agente for condenado no estrangeiro e for condenado também no Brasil, a pena cumprida no estrangeiro atenuará a pena aplicada no Brasil, se forem penas diferentes; ou será computada na pena aplicada no Brasil, se forem penas idênticas (art. 8º, do CP). Ex. o agente cumpriu 10 meses de prestação de serviços à comunidade nos EUA. No Brasil foi condenado a 2 anos de prisão. A pena de prisão no Brasil será atenuada (diminuída) pelos 10 meses de prestação de serviços já cumpridos nos EUA. Ex. O agente cumpriu 1 ano de prisão nos EUA. No Brasil foi condenado a 2 anos de prisão. Cumprirá apenas 1 ano de prisão no Brasil, sendo computado a pena 1 ano já cumprida nos EUA. A regra do art. 8º, do CP evita que uma pessoa seja punida duas vezes pelo mesmo crime. II os crimes a) que, por tratado ou convenção, o Brasil se obrigou a reprimir. Ex. tráfico internacional praticado entre a Bolívia e o Paraguai. Será aplicada a lei penal brasileira se o traficante entrar em nosso território. O Brasil assinou Convenção Internacional comprometendo-se a punir o tráfico internacional praticado em qualquer lugar do mundo. b) praticados por brasileiro. Se um brasileiro (nato ou naturalizado) praticar qualquer crime em qualquer outro país do mundo, será aplicada a ele a lei penal brasileira. É nossa obrigação punir nossos cidadãos. c) praticados em aeronaves e embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade privada, quando em território estrangeiro e aí não sejam julgados. Ex. ocorre um furto no interior de um navio brasileiro de propriedade privada que está em um porto do Chile. Será aplicada a lei do Chile. Mas se o Chile não se interessar pelo crime (não julgar o infrator), aí então será aplicada a lei penal brasileira. No caso desses crimes do inciso II, para que seja aplicada a lei penal brasileira são necessárias as seguintes condições (atenção: são necessárias todas as condições cumulativamente): 1º) o agente entrar no território brasileiro. No exemplo do tráfico internacional ocorrido entre a Bolívia e o Paraguai só será aplicada a lei brasileira se o traficante entrar no Brasil. 2º) o fato deve ser considerado crime também no país em que foi praticado. Ex. brasileiro dirige um automóvel sem habilitação em um país onde esse fato não é considerado crime. Quando retornar ao Brasil não poderá ser processado aqui por essa infração, embora no Brasil essa conduta caracteriza crime de trânsito. 3º) o crime tem de estar incluído entre aqueles que o Brasil autoriza a extradição. O Brasil não autoriza a extradição por crimes políticos ou de opinião. - 9

10 4º) não ter sido o agente absolvido no estrangeiro ou lá cumprido a pena. Se o agente já foi processado e absolvido no estrangeiro, ou foi condenado, mas já cumpriu a pena, não poderá ser aplicada a lei penal brasileira (diferente dos crimes do inciso I, aos quais será aplicada a lei brasileira mesmo que o agente tenha sido processado, absolvido ou condenado no estrangeiro.) 5º) não ter sido o agente perdoado no estrangeiro ou não estar extinta a punibilidade, segundo a lei mais favorável. Se o agente foi perdoado no estrangeiro pelo crime cometido, ou se estiver extinta a punibilidade (considerando a lei mais favorável), não poderá ser processado no Brasil. Ex. um brasileiro pratica um crime de desacato nos EUA e lá não é processado. Suponhamos nos EUA o crime de desacato prescreve em 10 anos e no Brasil, em 4 anos. Ele retorna ao Brasil depois de 5 anos que cometeu o crime. Não poderá mais ser processado, porque de acordo com a lei mais favorável no caso a lei brasileira o crime já prescreveu em 4 anos (já está extinta a punibilidade). Somente se ocorrerem essas 5 condições poderá ser aplicada a lei penal brasileira aos crimes do artigo 7º, inciso II, cometidos no estrangeiro. São casos de extraterritorialidade condicionada. 3º A lei penal aplica-se também ao crime cometido contra brasileiro fora do Brasil, se, reunidas as condições previstas no parágrafo anterior: não foi pedida ou foi negada a extradição; houve requisição do Ministro da justiça. Pode, ainda, ser aplicada a lei penal brasileira ao estrangeiro que praticar crime contra brasileiro em outro país. Exemplo: um australiano, na Austrália, mata um brasileiro. Mas para ser aplicada a lei brasileira nesse caso são necessárias as cinco condições vistas acima e mais duas: a) que o país de origem do infrator não tenha pedido a extradição dele, ou se pediu o Brasil negou a extradição e; b) que o nosso Ministro da Justiça requisite ao Ministério Público processar o infrator. É também um caso de extraterritorialidade condicionada. ATENÇÂO: Conforme já vimos, a lei penal brasileira não se aplica às contravenções praticadas fora do Brasil; aplica-se somente aos crimes praticados fora do Brasil. Não existe extraterritorialidade da lei penal em relação às contravenções penais! Conceito de Território Brasileiro O território brasileiro, no sentido jurídico, é composto do território físico (geográfico) mais o território por ficção jurídica: Território brasileiro = território geográfico + território por ficção jurídica. Compreende: o espaço terrestre até as fronteiras nacionais; o espaço aéreo correspondente ao espaço terrestre (coluna atmosférica imaginária que sai do chão brasileiro e vai até o espaço); o mar territorial brasileiro (12 milhas contadas da faixa litorânea média); as aeronaves e embarcações públicas ou a serviço do governo brasileiro, onde quer que se encontrem (art. 5º, 1º, do CP); as aeronaves e embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade privada, quando estiverem em alto-mar ou no espaço aéreo correspondente ao alto-mar (sobrevoando o alto-mar) (art. 5º, 1º, do CP). É que o alto-mar e o espaço aéreo correspondente não pertence a nenhum Estado. - 10

11 As aeronaves e embarcações estrangeiras de propriedade privada quando estiverem no nosso território nacional (art. 5º, 2º, do CP). Se a embarcação ou aeronave estrangeira for pública ou estiver a serviço do seu governo é considerada território estrangeiro. - 11

Questões Potenciais de Prova Direito Penal Emerson Castelo Branco

Questões Potenciais de Prova Direito Penal Emerson Castelo Branco Questões Potenciais de Prova Direito Penal Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL - QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA! 1. Aplicação

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA O Princípio da Territorialidade Temperada informa a aplicação da lei penal brasileira aos crimes cometidos no território nacional I, mas não é absoluta, admitindo

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

DIREITO PENAL. CONCURSO: Departamento Penintenciario Nacional CARGO: Agente PROFESSOR: Fabiana Höfke

DIREITO PENAL. CONCURSO: Departamento Penintenciario Nacional CARGO: Agente PROFESSOR: Fabiana Höfke CONCURSO: Departamento Penintenciario Nacional CARGO: Agente PROFESSOR: Fabiana Höfke Este curso é protegido por direitos autorais (copyright), nos termos da Lei n.º 9.610/1998, que altera, atualiza e

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

DIREITO PENAL MILITAR

DIREITO PENAL MILITAR DIREITO PENAL MILITAR Objetivos: Definir direito penal e direito penal militar; Distinguir direito penal militar das demais denominações do direito e dos demais direitos e ciências afins; Distinguir lei

Leia mais

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES.

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. CURSO DIREITO DISCIPLINA PROCESSO PENAL II SEMESTRE 7º Turma 2015.1 ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. 1. DO CONCEITO DE PRISAO A definição da expressão prisão para fins processuais.

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

FONTES DO PROCESSO FONTE MATERIAL E FORMAL

FONTES DO PROCESSO FONTE MATERIAL E FORMAL FONTES DO PROCESSO PENAL FONTE MATERIAL E FORMAL FONTES LUGARES DE ONDE PROVEM A NORMA OU LUGARES DE ONDE PROVEM A NORMA OU DIREITO. PODEM SER: - MATERIAIS - FONTES CRIADORAS - FORMAIS FONTES DE EXPRESSÃO

Leia mais

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B # Noções Introdutórias Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B Direito Internacional O direito internacional privado é o ramo do Direito, que visa regular os conflitos de leis

Leia mais

NORMA PENAL EM BRANCO

NORMA PENAL EM BRANCO NORMA PENAL EM BRANCO DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 NORMAS PENAIS EM BRANCO 1. Conceito. Leis penais completas são as que

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL EFICÁCIA JURÍDICA Atualizado em 12/01/2016 NACIONALIDADE: ARTS. 12 E 13 CF88 A nacionalidade é o vínculo jurídico-civil que liga o indivíduo a um determinado território e é considerada

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2015

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 PROJETO DE LEI Nº DE 2015 Incluir Sinais de Tvs a Cabo ao 3º do art. 155, do Decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Inclua-se sinais de Tvs à cabo ao 3º,

Leia mais

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ O Tribunal Penal Internacional Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ Conceitos Básicos É o primeiro tribunal penal internacional permanente Os tribunais internacionais criados até então

Leia mais

PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO

PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO Celso Duarte de MEDEIROS Júnior 1 Claudete Martins dos SANTOS 2 João Aparecido de FREITA 3 PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO Este trabalho mostrará as tratativas

Leia mais

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011.

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. Jorge Assaf Maluly Procurador de Justiça Pedro Henrique Demercian Procurador de Justiça em São Paulo.

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2006. (Do Sr. Ivo José) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N O, DE 2006. (Do Sr. Ivo José) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N O, DE 2006 (Do Sr. Ivo José) Regulamenta o inciso LI do Art. 5º da Constituição Federal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 o Esta lei regulamenta o inciso LI do Art. 5º da Constituição

Leia mais

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação 10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação Mesa Redonda: CRIMES DIGITAIS Recife/PE, 1º de Dezembro de 2004. Apresentação: Omar Kaminski Direitos e Garantias Constituicionais: II - ninguém será obrigado

Leia mais

MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Diretoria de Modernização Judiciária

MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Diretoria de Modernização Judiciária MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA Diretoria de Modernização Judiciária Aracaju, 29 de agosto de 2008 1 1 APRESENTAÇÃO Este Manual tem por escopo apresentar

Leia mais

Das Questões Preliminares

Das Questões Preliminares Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 06- Prescrição Penal Professor Sandro Caldeira Das Questões Preliminares Das Causas de Extinção da Punibilidade Art. 107 do CP Prescrição penal Da Prescrição Penal Conceito:

Leia mais

I - NOÇÕES GERAIS SOBRE A REMESSA E MANUTENÇÃO DE VALORES NO EXTERIOR

I - NOÇÕES GERAIS SOBRE A REMESSA E MANUTENÇÃO DE VALORES NO EXTERIOR Foi publicada, no dia 13 de Janeiro de 2016, a Lei nº 13.254/2016, que dispõe sobre a regularização de recursos, bens ou direitos remetidos ou mantidos no exterior de forma ilegal. Vamos conhecer um pouco

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

Instituições do Direito Público e Privado

Instituições do Direito Público e Privado Instituições do Direito Público e Privado Professora conteudista: Cristiane Nagai Sumário Instituições do Direito Público e Privado Unidade I 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO...1 1.1 Conceitos gerais de direito...2

Leia mais

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Espécies de Conduta a) A conduta pode ser dolosa ou culposa. b) A conduta pode ser comissiva ou omissiva. O tema dolo e culpa estão ligados à

Leia mais

ta. No processo penal, se ela piorar ou melhorar a situação do réu, ela pode ser interpretada de forma material, que foi o que aconteceu.

ta. No processo penal, se ela piorar ou melhorar a situação do réu, ela pode ser interpretada de forma material, que foi o que aconteceu. Aula 06 Destinatário das leis excepcionais e temporárias: apesar de não haver nenhuma lei desses tipos, esse artigo é muito importante, senão não teria sido editado. Existem as chamadas leis penais em

Leia mais

LEI PENAL X NORMA PENAL VIGÊNCIA A PERSECUÇÃO PENAL. -A persecução penal no Brasil é dividia em 5 fases: LEIS PENAIS INCOMPLETAS

LEI PENAL X NORMA PENAL VIGÊNCIA A PERSECUÇÃO PENAL. -A persecução penal no Brasil é dividia em 5 fases: LEIS PENAIS INCOMPLETAS 1 DIREITO PENAL PONTO 1: LEI PENAL X NORMA PENAL PONTO 2: VIGÊNCIA PONTO 3: FASES DA PERSECUÇÃO PENAL PONTO 4: LEIS PENAIS INCOMPLETAS PONTO 5: APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO PONTO 6: LEIS INTERMINTENTES

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016 Altera a Resolução Normativa RN nº 124, de 30 de março de 2006, que dispõe sobre a aplicação de penalidades para as infrações à legislação dos

Leia mais

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES DIREITO PENAL Apostila 01 Assunto 01: Conceito, aplicação ão, fontes Assunto 02: Crimes: definição ão, sujeitos, formas de punição Profº.. HEBER LIMA NEVES A lei penal deve ser clara, precisa, atual e

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

Resumo PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO

Resumo PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO Fases de aplicação da pena: 1ª) Fixação da pena-base: artigo 59 do CP; Resumo PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO 2ª) Sobre a pena-base, o juiz busca a pena intermediária: arts. 61/62 (circunstâncias agravantes)

Leia mais

SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO

SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO - Verifique se este caderno contém 20 questões objetivas e 2 temas de redação. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala outro caderno. - A resposta deve ser marcada com caneta

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 70.436, DE 18 DE ABRIL DE 1972. Regulamenta a aquisição pelos portugueses, no Brasil, dos direitos e obrigações previstos

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

www.concursovirual.com.br

www.concursovirual.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: CONHECIMENTOS GERAIS CORREIOS/2015 CONHECIMENTOS GERAIS ESTADO UNITÁRIO - PODER CENTRAL (França) ESTADO COMPOSTO ESTADO UNITÁRIO (Formação histórica) ESTADO REGIONAL MENOS

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

LEI FEDERAL CONCEDE ANISTIA PARA POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DA BAHIA QUE PARTICIPARAM DE MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS

LEI FEDERAL CONCEDE ANISTIA PARA POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DA BAHIA QUE PARTICIPARAM DE MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS LEI FEDERAL CONCEDE ANISTIA PARA POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DA BAHIA QUE PARTICIPARAM DE MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS Fabiano Samartin Fernandes * O Presidente da República sancionou a Lei n. 12.191,

Leia mais

A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas

A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas 1 www.oxisdaquestao.com.br A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas Texto de CARLOS CHAPARRO A transcrição jornalística de conversas telefônicas violadas é, sem dúvida, uma questão complicada.

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 389, DE 25 DE ABRIL DE 1938.

DECRETO-LEI Nº 389, DE 25 DE ABRIL DE 1938. DECRETO-LEI Nº 389, DE 25 DE ABRIL DE 1938. Regula a Nacionalidade Brasileira. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, DECRETA: Art. 1º São considerados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 76, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1998.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 76, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1998. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 76, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1998. Dispõe sobre o arquivamento de atos de empresas mercantis ou de cooperativas em que participem estrangeiros residentes e domiciliados no Brasil, pessoas

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Decreto-lei nº 7.661, de 21 de junho de 1945 Lei de Falências revogado. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de

Leia mais

PROJETO DE LEI N 4.596/09

PROJETO DE LEI N 4.596/09 1 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI N 4.596/09 (Do Sr. Capitão Assumção) Altera os artigos 3 e 41 da Lei n 9.474, de 22 de julho de 1997, que "Define mecanismos para a

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Nacionalidade é vínculo que liga um indivíduo a determinado Estado soberano. Natureza jurídica

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ÁREA CRIMINAL CRIMES CONTRA OS COSTUMES 1. CRIMES CONTRA OS COSTUMES. ESTUPRO E ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. TODAS AS FORMAS. CRIMES HEDIONDOS.

Leia mais

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil DIALOGANDO SOBRE JUSTICIA MILITAR BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil 1. De acordo com as leis de seu País, qual

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa

SUMÁRIO. Língua Portuguesa Língua Portuguesa Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados... 3 Reconhecimento de tipos e gêneros textuais... 12 Domínio da ortografia oficial... 23 Domínio dos mecanismos de coesão textual

Leia mais

Prescrição da pretensão punitiva

Prescrição da pretensão punitiva PRESCRIÇÃO PENAL 1 CONCEITO É o instituto jurídico mediante o qual o Estado, por não fazer valer o seu direito de punir em determinado tempo, perde o mesmo, ocasionando a extinção da punibilidade. É um

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo ESPÉCIES DE PRISÃO: 1. P. Penal sentença condenatória transitada em julgado 2. P. Processuais, cautelares ou provisórias antes da formação da culpa

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil Interpretação do art. 966 do novo Código Civil A TEORIA DA EMPRESA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E A INTERPRETAÇÃO DO ART. 966: OS GRANDES ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA DEVERÃO TER REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL? Bruno

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2004

PROJETO DE LEI N O, DE 2004 PROJETO DE LEI N O, DE 2004 (Do Sr. Wladimir Costa) Dispõe sobre o atendimento educacional especializado em classes hospitalares e por meio de atendimento pedagógico domiciliar. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969

DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969 DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969 Dispõe sobre exercício da profissão de jornalista. OS MINISTROS DA MARINHA DE GUERRA, DO EXÉRCITO E DA AERONÁUTICA MILITAR, usando das atribuições que lhes

Leia mais

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996.

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Interceptação Telefônica. II) Legislação correlata LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL LEGISLAÇÃO PERTINENTE AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL; RESPONSABILIDADE ÉTICA; RESPONSABILIDADE TÉCNICA; REPONSABILIDADE CIVIL; RESPONSABILIDADE

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

Lei nº. 109/91 de 17 de Agosto Lei da criminalidade informática

Lei nº. 109/91 de 17 de Agosto Lei da criminalidade informática Lei nº. 109/91 de 17 de Agosto Lei da criminalidade informática A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164º, alínea d), 168º, nº 1, alínea c), e 169º, nº. 3, da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados.

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. DECRETO Nº 5.006, DE 8 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Teresina, 08 de junho de 2015.

Teresina, 08 de junho de 2015. Faculdade Estácio CEUT Coordenação do Curso de Bacharelado em Direito Disciplina: História do Direito Professor: Eduardo Albuquerque Rodrigues Diniz Turma: 1 B Alunas: Alice Brito, Larissa Nunes, Maria

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ( ) CAPÍTULO VII DISPOSIÇÕES PENAIS Seção I Dos Crimes em

Leia mais

DEVERES DOS AGENTES PÚBLICOS

DEVERES DOS AGENTES PÚBLICOS AGENTES PÚBLICOS José Carlos de Oliveira Professor de Direito Administrativo na graduação e no Programa de Pós-Graduação do Curso de Direito da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Unesp/Franca No

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS VALADARES I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2008. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS VALADARES I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 370, de 2008, do senador Papaléo Paes, que altera o Código Penal, para incluir o crime de induzir

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO RACIAL (DECRETO Nº 65.810, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1969)

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO RACIAL (DECRETO Nº 65.810, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1969) Normas internacionais sistema global DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE DIREITOS HUMANOS Art. 2º - Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidas nesta Declaração, sem distinção de

Leia mais

TRATE E ADMINISTRE CON SEXO E $. ADMINISTRE Crimes contra a administração. CON Contrabando de armas e munições

TRATE E ADMINISTRE CON SEXO E $. ADMINISTRE Crimes contra a administração. CON Contrabando de armas e munições BIZUZÃO FINAL DO VALENTE Prof. Lúcio Valente 1. MEMORIZE OS CRIMES ANTECEDENTES DA LAVAGEM DE DINHEIRO: Como se trata uma mulher? TRATE E ADMINISTRE CON SEXO E $. TRA Tráfico de drogas TE Terrorismo ADMINISTRE

Leia mais

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO DIREITO ELETRÔNICO Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO Este trabalho tem como finalidade o estudo do direito eletrônico, devido a ser um assunto bastante recente, bem como a sua aplicação

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE CRIMES

TEMA: CONCURSO DE CRIMES TEMA: CONCURSO DE CRIMES 1. INTRODUÇÃO Ocorre quando um mesmo sujeito pratica dois ou mais crimes. Pode haver um ou mais comportamentos. É o chamado concursus delictorum. Pode ocorrer entre qualquer espécie

Leia mais

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.016-F DE 2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.016-F DE 2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.016-F DE 2015 Regulamenta o disposto no inciso XLIII do art. 5º da Constituição Federal, disciplinando o terrorismo, tratando de disposições investigatórias e processuais

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Define os crimes resultantes de discriminação e preconceito de raça, cor, etnia, religião ou origem. Seção I Disposição preliminar Art. 1º Serão punidos, na forma desta

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA 1) A prova terá duração máxima de 3 horas. 2) Cada questão possui apenas uma resposta correta e, a marcação de mais de uma assertiva, implicará em sua nulidade. 3) Durante

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, no uso de suas atribuições

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO Aula 01 Servidores PúblicosP Profº.. Francisco De Poli de Oliveira 1. INTRODUÇÃO Trata o nosso estudo sobre os servidores públicos, quando abordaremos os elementos introdutórios

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais