DISCUTINDO FORMAS DE GESTÃO ORGANIZACIONAL: a autogestão e a co-gestão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCUTINDO FORMAS DE GESTÃO ORGANIZACIONAL: a autogestão e a co-gestão"

Transcrição

1 DISCUTINDO FORMAS DE GESTÃO ORGANIZACIONAL: a autogestão e a co-gestão Camila Tais Moura dos Santos Carlos Eduardo de Oliveira Diniz Kelly Cristina de Souza Lucilene da Conceição Mendes Domênico Caputo Belo Horizonte 2008

2 Camila Tais Moura dos Santos Carlos Eduardo de Oliveira Diniz Kelly Cristina de Souza Lucilene da Conceição Mendes Domênico Caputo DISCUTINDO FORMAS DE GESTÃO ORGANIZACIONAL: a autogestão e a co-gestão Relatório final do projeto interdisciplinar, apresentado ao Curso de Administração da Faculdade Novos Horizontes como requisito parcial para aprovação nas disciplinas do 2º semestre. Orientadora: Maria Helena Michel Belo Horizonte Maio de 2008

3

4 Dedicamos este trabalho aos nossos pais pelo apoio, dedicação e amor. A todos que contribuíram para o desenvolvimento deste projeto que transparecerem sabedoria e confiança.

5

6 AGRADECIMENTOS Agradecemos, primeiramente, a Deus por ter dado ao homem a capacidade de pensar e questionar. Aos nossos mestres; principalmente, à orientadora do grupo, pela paciência e o repasse de seus conhecimentos. E, finalmente, aos alunos deste grupo, que se envolveram de corpo e alma, para desenvolver este trabalho.

7

8 Ser dirigente é como reger uma orquestra, onde as partituras mudam a cada instante e os músicos têm liberdade para marcar seu próprio compasso". (MOTTA, 1991, pág. 28)

9 SUMÁRIO RESUMO 1 INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO Gerência Gerente Organização Empreendedorismo Hierarquia Motivação Gestão Autogestão Co-gestão METODOLOGIA ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE DADOS Pesquisa realizada com condôminos Pesquisa realizada com síndico CONCLUSÃO...33 REFERÊNCIAS...35 GRAMIGNA, Maria Rita. Modelos de Competências e Gestão dos Talentos, 2ª edição São Paulo: Prentice-Hall, APÊNDICE A...37 ENTREVISTA DIRECIONADA AO SÍNDICO EM SUA OPINIÃO, OS CONDÔMINOS DEVERIA TER MAIS ESPAÇO PARA OPINAR E SUGERIR?POR QUÊ?...38

10 2.VOCÊ ACHA QUE OS SÍNDICOS, DE UM MODO GERAL, TOMAM DECISÕES POR CONTA PRÓPRIA? SE ISSO OCORRE, PARA VOCÊ, SERIA PORQUE OS CONDÔMINOS NÃO SE ENVOLVEM NOS PROBLEMAS DA ADMINISTRAÇÃO DO PRÉDIO? VOCÊ COMPARECE A TODAS AS REUNIÕES?...38 APÊNDICE B...38 ENTREVISTA DIRECIONADA AOS CONDÔMINOS EM SUA OPINIÃO, OS CONDÔMINOS DEVERIAM TER MAIS ESPAÇO PARA OPINAR E SUGERIR NA ADMINISTRAÇÃO DO CONDOMÍNIO? O SÍNDICO COSTUMA TOMAR DECISÕES SOZINHO, SEM A OPINIÃO DOS CONDÔMINOS? HÁ CONFLITOS INTERNOS ENTRE MORADORES E SÍNDICOS, EM RELAÇÃO À TOMADA DE DECISÃO? QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS ENCONTRADOS NA CONTRATAÇÃO DE UMA ADMINISTRADORA DE CONDOMÍNIOS?...39 ANEXO A...40

11 RESUMO Neste trabalho, relatam-se as funções gerenciais e as formas de gestão da autogestão e co-gestão. Busca-se estabelecer uma relação entre as formas de gestão e reestruturação das organizações que possibilite ao profissional em administração aplicar em cada empresa o tipo certo de gestão, se adaptando aos meios modernos de se gerenciar, dando aos funcionários a importância que possuem por serem membros da empresa e não meros participantes. Investigam-se as ações e efeitos que a aplicação da co-gestão e autogestão produzem. Pesquisase a ocorrência das duas formas de gestão em um condomínio, aplicando uma entrevista voltada ao síndico e duas entrevistas a condôminos do edifício focalizado neste trabalho. Os resultados indicam um forte destaque da autogestão e da cogestão no auxílio da administração dos condomínios. Palavra-chave: Gerência, autogestão, co-gestão

12 1 INTRODUÇÃO O projeto interdisciplinar, cujo relatório final é apresentado neste trabalho, foi elaborado por alunos do 2º período do curso de Administração da Faculdade Novos Horizontes. Vinculado a todas as disciplinas do semestre letivo, abordou o tema Gerência e Gerentes, tendo como sub-tema As formas de gestão organizacional da autogestão e co-gestão. O mundo atual convive com uma diversidade de paradigmas que influenciam e refletem na estrutura empresarial. As diferenças nesse ambiente são demarcadas pelas formas organizacionais, dentre elas a autogestão e a co-gestão. As diversidades no ambiente empresarial são determinadas pela multiplicidade de teorias organizacionais, gerando conflitos e necessitando de alternativas produtivas para os administradores. Devido a estas circunstâncias, várias empresas optam pela administração nas formas da autogestão e co-gestão, que são baseadas nos princípios do Cooperativismo e nas relações econômicas em conjunto, fazendo com que haja redução dos conflitos. Diversas empresas, ao entrarem em conflitos internos pela má administração, acabam falindo. Várias delas são reassumidas pelos próprios funcionários, como a única alternativa de sobrevivência; então se observa a necessidade da autogestão e da co-gestão. Na atualidade, estas formas de organização vêm sendo bastante utilizadas, já que são maneiras de permitir ao trabalhador opinar e participar sobre as tomadas de decisão, fazendo com que fiquem mais motivados e gerem melhores retornos às empresas. A importância do estudo deste tema é entender a relação entre as formas de gestão e reestruturação que possibilite aos administradores se adequarem a um cenário que seja propício à sobrevivência e do crescimento da organização. É de grande importância o conhecimento desse tema para os futuros administradores, pois o mercado de trabalho e as empresa estão cada vez mais voltadas para as novas formas de gestão, onde os funcionários têm grande importância para a organização. 8

13 Considerando o exposto, investigou-se: Uma empresa pode escolher o melhor modo de gestão ou isso depende do tipo de empresa? O que seriam os processos de autogestão ou co-gestão? Quais os efeitos causados pela implantação da autogestão e da co-gestão? O objetivo geral que conduziu está pesquisa foi: Investigar as ações e efeitos das diferentes formas organizacionais de gestão, aprofundando nos conceitos e aplicações da autogestão e da co-gestão. Já os objetivos específicos foram assim definidos: 1. Traçar o perfil das organizações que utilizam como forma de gestão a autogestão. 2. Identificar as vantagens e as dificuldades da autogestão. 3. Identificar competências gerenciais necessárias para o melhor gerenciamento dessa formas de gestão. Almejando atingir o objetivo proposto, este trabalho foi realizado em três etapas, primeiramente foi feita a elaboração de uma proposta e a criação de um referencial de teoria para embasar a discussão. Em seguida realizou-se pesquisa de campo em uma empresa do ramo de administração de condomínios. Posteriormente, procedeu-se à analise dos dados pesquisados, evidenciando-se as conclusões deste estudo. 9

14 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Gerência De acordo com a Wikipédia, gerência designa o desempenho de tarefas de gestão dos assuntos de um grupo. No dicionário Aurélio, gerência está definida como funções de gerente, o lugar onde ele exerce suas funções. Para Chiavenato (2000), o termo gerência tem sido usado como um sinônimo de administração que estabelece a função de direção no nível intermediário, subordinando-se a outros executivos do nível institucional (diretores) e dirigindo outros trabalhadores no nível operacional (supervisores). A função gerencial é composta por diversas atividades que testam o poder de liderança e aprimoram os conhecimentos daquele que ocupa o cargo de gerente. Fayol (1958) descreve os cinco elementos para definir os papéis e as ações da gerência da seguinte forma: 1. Prever: é visualizar o futuro e traçar o programa de ação. 2. Organizar: constituir o material e o social da empresa. 3. Comandar: dirigir e orientar o pessoal. 4. Coordenar: ligar, unir, harmonizar todos os atos e todos os esforços coletivos. 5. Controlar: verificar que tudo ocorra de acordo com as regras estabelecidas e as ordens dadas. Fayol (1958, pag. 299) elaborou os 14 princípios da gerência, destacando-os assim: 1. Divisão do trabalho. A especialização permite que o indivíduo construa acima da experiência, e melhore continuamente suas habilidades. Menor esforço e maior produtividade. 2. Autoridade. Emissão de comandos. 10

15 3. Disciplina. Os empregados obedecerão somente se a gerência fornecer uma liderança boa. 4. Unidade do comando. Cada trabalhador deve responder somente à um chefe. 5. Unidade do sentido. Os povos agrupados no mesmo tipo de atividades devem ter os mesmos objetivos em uma única direção. 6. Subordinação do interesse individual. A gerência deve ver que os objetivos da empresa vêem em primeiro lugar. 7. Remuneração. O pagamento é um motivador importante. 8. Centralização (ou Descentralizarão). Depende da condição do negócio e da qualidade de seu pessoal. 9. Corrente escalar (linha de autoridade). Uma hierarquia é necessária para a unidade do sentido. Mas uma comunicação lateral é também fundamental. 10. Pedido. O pedido material e o pedido social são necessários. 11. Patrimônio. Tratar empregados bem é importante para conseguir o patrimônio desejado. 12. Estabilidade do pessoal. Os empregados trabalham mais e melhor se as ações de trabalho e o progresso da carreira lhes forem assegurados. 13. Iniciativa. Permitir que todo o pessoal mostre sua iniciativa de alguma maneira é fonte para dar força para a organização. 14. Espírito de Corpo. A gerência deve promover o moral de seus empregados, recompensando cada mérito. Para Chiavenato (2000) a gerência é muito importante na estruturação das organizações por ser parte dos domínios das ciências comportamentais que analisam a motivação, liderança e comunicação. 2.2 Gerente Ribeiro (2002, pág. 51) define gerente como indivíduo que, em razão do controle acionário, de conhecimento técnico, de envolvimento político ou de confiança adquirida junto à direção da empresa, é conduzido à posição de comando. Ele é o individuo responsável pelo controle, coordenação e planejamento de tarefas a serem cumpridas por seus subordinados dentro de uma determinada organização. Para Maximiano (1992), gerente é o principal ator do processo administrativo. São os membros de uma organização que são responsáveis pelo trabalho de outros membros organizações. Podem ser chamados de chefes ou dirigentes sendo que devem possuir suas competências gerenciais para o controle das organizações. Para Gramigna (2007, pág. 89): 11

16 Competências são repertórios de comportamentos que algumas pessoas e/ou organizações dominam, o que as faz destacar de outras em contextos específicos. As competências gerenciais básicas para o autor são: liderança, persuasão, trabalho em equipe, criatividade, tomada de decisão, planejamento e organização, e determinação. Para Reis (2008), o desenvolvimento dessas competências gerencias direciona ao objetivo alvo de tornar as organizações preparadas para enfrentar os desafios e dificuldades, logo, torna-se necessário desenvolve-las. O importante é que as competências gerenciais expressem o espírito da organização e a ajudem a alcançar maiores e melhores resultados. 2.3 Organização Fox (1980, pág. 18) define uma organização como um padrão descrevendo como os seus integrantes estão em relação e interagem para atingir um objetivo comum Segundo Montana (2003, p. 170) organizar é o processo de juntar recursos físicos e humanos essenciais à consecução dos objetivos de uma empresa para se alcançar suas metas.a organização deve possuir um organograma que represente a sua estrutura formal, onde é mostrada a hierarquia da empresa,como estão dispostos os órgãos ou setores e as relações de comunicação existentes entre eles. Segundo Maximiano (1992, pág. 112) "uma organização é uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos coletivos. Por meio dela, torna-se possível alcançar metas que seriam inatingíveis para uma só pessoa realizar. O autor cita que uma grande empresa ou uma pequena oficina, um condomínio ou o corpo de bombeiros, um hospital ou uma escola são todos exemplos de organizações, sendo que uma organização é formada pelo soma de pessoas,máquinas e outros equipamentos,recursos financeiros e outros. Logo, a organização é o resultado da combinação de todos estes elementos direcionados a um fim comum, sendo que a qualidade é o resultado de um trabalho de organização. 12

17 Segundo Baeijs (1998), existem modelos organizacionais diferentes que caracterizam o tipo de organização. A mais simples das organizações é aquela de um membro único. Para ele, dá se o nome de grupo, a organização que permite uma coordenação a fim de atingir um objetivo comum, onde a tomada de decisão é coletiva. Modelo organizacional de hierarquia simples é aquele baseado na relação de mestre/escravo e a hierarquia multinível é o modelo onde a organização é descentralizada e o objetivo é ter uma tomada de decisão mais descentralizada, onde os responsáveis de mais alto nível só têm preocupação quanto à estratégia a longo termo. Conforme o modelo organizacional de Gutknetch (1998), a organização é o conjunto de grupos e agentes com papéis nestes grupos. Sendo que cada grupo tem um conjunto de papéis necessários e fundamentais para o seu funcionamento e consequentemente atingir seus objetivos. O papel é um conjunto de funções a serem desempenhadas pelos agentes que assumem ao entrar em um grupo ou determinada organização. De acordo com Gaia (1999) cada papel organizacional é determinado pelas funções que o agente deve realizar para o sistema, definidas por meio de atividades e protocolos, ou seja, as responsabilidades eles assumem ao fazer parte da equipe. Para Garijo et. al. (2001), toda organização é composta por um propósito da organização,um conjunto de metas que devem ser atingidas. Deve, também, possuir uma estrutura de workflow que é a relação entre as tarefas, suas dependências e os agentes responsáveis; possuir uma estrutura organizacional, entidade de controle, recursos e relações organizacionais para formação de hierarquias entre os papéis. Segundo a Wikipédia em Administração, a organização pode ser entendida em dois sentidos: 1)Onde o grupo de indivíduos associados com um objetivo comum, como as empresas, ou seja, qualquer entidade pública ou privada. Sendo que as organizações são compostas de estrutura física, tecnológica e pessoas. 2)Modo como foi dividido e sequenciado o trabalho. 13

18 Em sentido amplo, organização é a maneira como se organiza um sistema, a forma escolhida para arranjar, alocar, classificar objetos, documentos e informações. 2.4 Empreendedorismo Segundo Hirsch (2001), a partir da década de 1990, durante a abertura da economia, o empreendedorismo começou a ganhar força no Brasil. Com a entrada de produtos importados, houve o controle dos preços o que condicionou o país a voltou a crescer, trazendo, porém, problemas para setores que nao conseguiam competir com os importados. Um dos setores mais afetados foi o de brinquedos e de confecções,logo,foi preciso que o país mudasse, empresas de todo tamanho e setores tiveram que se modernizar e se adequar para que voltasse a competição e as organizações crescessem. Aos poucos o país começou a ganhar estabilidade, planejamento, conquistar o respeito e a economia voltou a crescer. Em 2000, surgiram várias oportunidades de trabalho, os investidores de outros países voltaram a aplicar seu dinheiro no Brasil e as exportações aumentaram. Segundo publicação da Wikipédia, as habilidades requeridas de um empreendedor podem ser classificadas em 3 áreas: técnicas, gerenciais e pessoais. 1-Técnicas: envolve saber escrever, ouvir as pessoas e captar informações, ser organizado,saber liderar e trabalhar em equipe.2- Gerenciais: incluem as áreas envolvidas na criação e gerenciamento da empresa (marketing, administração, finanças, operacional, produção, tomada de decisão,3-características pessoais: ser disciplinado, assumir riscos, ser inovador, ter ousadia, persistente, visionário, ter iniciativa, coragem, humildade e principalmente ter paixão pelo que faz. Ainda conforme a Wikipédia, nos Estados Unidos, pesquisas recentes demostram que o sucesso nos negócios nao depende tanto do conhecimento técnico de gestão quanto se imaginava até pouco tempo atrás mas principalmente de nossos próprios comportamentos, características e atitudes. Ressalta-se ainda que, no Brasil apenas 14% dos empreendedores têm formação superior e 30% sequer concluíram o ensino fundamental, enquanto que nos países desenvolvidos, 58% dos empreendedores possuem formação superior, o que 14

19 possibilita a entendimento de que quanto mais alto for o nível de escolaridade de um país, maior será a proporção de empreendedorismo por oportunidade. Segundo Hirsch (2001, pág 289): É o processo de criar algo diferente e com valor, dedicando tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes e recebendo as consequentes recompensas da satisfação econômica e pessoal Para Lima (2008), diante desta definição de Hirsch, pode-se entender que empreendedorismo é algo benéfico,além de nos recompensar pessoalmente também nos beneficia financeiramente, transformando trabalho em algo prazeroso de se praticar. Conforme Lima (2008), a palavra empreendedor (entrepreneur) tem origem francesa e quer dizer aquele que assume riscos e começa algo de novo, ou seja é a pessoa que está sempre inovando, deixa sua marca por onde passa,identifica oportunidades, antecede novidades, mantém-se sempre aquém dos seus concorrentes. Na opinião da autora acima, a forma de agir de um empreendedor é o que o difere das outras pessoas, acreditarem no potencial que têm superar seus limites e confiar em sua capacidade de sucesso são peças chaves para atingir o objetivo dos empreendedores. De acordo com Hirch (2001), nem sempre um administrador é um empreendedor, e nem sempre um empreendedor é um administrador, como também ambos podem não ser a mesma pessoa, não sendo necessariamente uma regra. Logo, no campo em que informação, conhecimento e tecnologia caminham juntos, a habilidade é uma questão de aprimoramento nos conhecimentos adquiridos, sabendo o que se quer e tendo em mente como colocar em prática é o que vale no mundo do empreendedorismo. Segundo Chiavenato (2005), empreendedorismo é mais do que criar empresas, significa criar e colocar em prática novas idéias e tem vantagens a vários níveis. 15

20 Para Chiavenato (2005, pág 30): 1- Contribui para a criação de emprego; 2-Funciona como um meio de integração de desempregados e desfavorecidos no meio laboral; 3-Pode contribuir para reforçar a coesão econômica e social das regiões menos desenvolvidas; 4-Constitui um caminho para a inovação; 5-É crucial para a competitividade. 2.5 Hierarquia Segundo Maltez (1988), hierarquia vem do grego hieros (sagrado) e arquia (ser chefe), ou seja, o mesmo que comando sagrado. O termo veio do latim eclesiástico hierachia, talvez através do francês hierarchie. Designava, no cristianismo primitivo, o poder dado por Cristo aos apóstolos para formarem e governarem a Igreja. Designa, hoje, qualquer sistema onde a distribuição do poder é desigual, através de um sistema de graus, de linha de comando. Segundo a Wikipédia, hierarquia é a ordenação de elementos em ordem de importância, significa específicamente: Distribuição ordenada dos poderes. Graduação das diferentes categorias de funcionários ou membros de uma organização, instituição ou Igreja. Ordenação de elementos visuais para tornar a informação mais facilmente inteligível ou para destacar elementos de uma composição. Para Motta (2001), o ethos burocrático taylorista define-se, entre outras coisas, pela separação entre direção, execução e pela visão da harmonia possível de interesses entre empregadores e operários. Fayol, citado por Motta (2001), defende a tese de que cada homem deve restringirse a seu papel em uma estrutura ocupacional parcelada mas monocráica. Segundo Fayol (1958), administrar é planejar, organizar, coordenar, comandar e controlar; por isso ele é o pai da administração e também é considerado o homem das funções e operações. Para ele, a concentração de poder na cupula,a centralização de decisão,a ordem,a disciplina, a hierarquia e a unidade de comando são fundamentais 16

21 Para Chiavenato (2005, pág. 400), hierarquia nas organizações e primordial, a partir seguintes fatores: Figura 1 - Pirâmide Hierárquica Em toda organização formal existe uma hierarquia. Uma organização precisa, além de uma estrutura de funções, de uma estrutura hierárquica. A missão dessa estrutura hierárquica é dirigir as operações dos níveis que lhe são subordinados. Evidentemente, à medida em que se sobe na escala hierárquica, aumenta o volume de autoridade do ocupante do cargo. Quanto maior a organização, maior tende a ser o número de níveis hierárquicos de sua estrutura. Chiavenato (2005, pág. 400) 2.6 Motivação Segundo o dicionário Aulete, motivação é a exposição de motivos ou causas; animação; entusiasmo. Para Chiavaneto (2005, pág.505), motivação é: Desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer alguma necessidade individual. Para o autor acima, o conceito de motivação é foco de várias teorias, mas ainda assim continua sendo muito complexo, devido às variadas formas de aplicações. Estas aplicações devem ser específicas para cada situação e tipo de atividade empresarial. 17

22 Segundo Tomaz (2005), a motivação é a força ou impulso que leva o indivíduo a agir de uma forma específica, baseando-se nas Teorias de Maslow e Hezberg. De acordo com o autor, a teoria de Maslow, para ser atingida, a motivação depende de uma pirâmide hierárquica de necessidades. Essas necessidades são hierarquizadas de forma que os indivíduos caminhem linearmente para satisfação das mesmas. Baseando-se na Teoria de Maslow, as condições básicas dos indivíduos são as funções fisiológicas, como a remuneração. Em seguida as condições de segurança, sociais, auto-estima, como planos de carreira e por fim a auto-realização. Segundo Bergamini e Coda (1997, pág. 145): O fator motivacional envolve a liberação de uma energia vital no indivíduo, gerando uma tensão a partir da qual o mesmo buscará soluções e agirá para satisfazer a um dado tipo de necessidade específica que possui. De acordo com a teoria de Hezberg, citado por Silva (2001), a motivação pode ser estimulada por fatores higiênicos de satisfação ou fatores motivacionais/ intrínsecos. Os fatores higiênicos são as condições mínimas de trabalho, a fim de satisfazer às necessidades de segurança e fatores mínimos para o desenvolvimento do trabalho. Em contrapartida, os fatores intrínsecos dependem de necessidades relacionadas à auto-realização e a auto-estima. Segundo Silva (2001), após o desenvolvimento da Teoria das Relações Humanas, passou-se a valorizar mais a motivação humana, tendo como propósito, a garantia de realizações e alcance de metas e objetivos organizacionais. Depois da elaboração de várias teorias sobre a motivação, tende-se a levá-las para a prática, a vida real, como por exemplo, através de recompensas salariais. Chiavenato (2005, pág.498) relata que: O dinheiro motiva o desempenho na medida em que ocorram duas condições: a crença da pessoa de que o dinheiro satisfará as suas necessidade e a crença da pessoa de que a obtenção do dinheiro exige algum desempenho ou esforço de sua parte. 18

23 Para o autor acima, o fator motivacional pode ser também um fator problemático para o administrador, já que cada funcionário tem uma maneira de ser motivado, podendo gerar conflitos a partir de uma tomada de decisão mal elaborada. Segundo Chiavenato (2005), os três aspectos básicos das Teorias motivacionais que o administrador deve incentivar seus funcionários são: a expectância, a instrumentalidade e a valência. Segundo o autor, o administrador deve buscar uma forma de motivação que alcance a capacitação das pessoas e a oportunidade para um melhor desempenho. De acordo com Tadin (2005), atualmente as participações dos trabalhadores vêm sendo o fator primordial para as soluções e análise de problemas, tornando-se uma excelente técnica de motivação, e sendo bastante utilizada pelos gestores. Para a autora, quando as pessoas são consultadas sobre seu ponto de vista, em relação à empresa, sentem-se mais importantes, conduzindo-os a um maior nível de satisfação de suas necessidades, proporcionando motivação e gerando maior desempenho no trabalho. Para Bergamini (2002, pág. 250), ninguém motiva ninguém, o potencial motivacional já existe dentro de cada um, o importante é não desperdiça-lo. Segundo a autora, é impossível alcançar a fórmula da motivação, sendo necessário um estudo aprofundado e pesquisas com os funcionários para saber qual caminho seguir. Os indivíduos são motivados à medida que eles satisfazem suas necessidades pessoais. Na opinião de Murray (2008. pág. 199): É claro que diferentes teóricos têm diferentes concepções sobre motivação. (...) A motivação distingue-se de outros fatores que também influem no comportamento tais como a experiência e a situação ambiente em que a pessoa se encontra, se bem que esses fatores possam influenciar a motivação. Chiavenato (2005) defende que, a motivação pode ser alcançada através de vários fatores como: Financeiros: 19

24 aumento de salário participação nos lucros alcance de metas. De sobrevivência: como alimentação e descanse estima sentir-se bem na função/cargo e na ausência de ameaças físicas, verbais ou comparação Mas, para o autor, o mais importante é o fator da auto-realização como sentir-se realizado naquilo que faz bem. Tadin (2005) vem demonstrar que Cabe ao administrador, determinar o nível de motivação que cada funcionário de organização está ou pretende alcançar, para que seja feita uma elaboração para uma gestão eficiente. 2.7 Gestão Segundo Rezende (2007), ao se pensar na palavra gestão pode-se estar se referindo à gestão de pessoas, gestão de projetos, gestão do conhecimento, gestão financeira e outras mais. Importante seria refletir sobre sua abrangência e identificar quando é genérico e quando é específico. Considerando que na administração a gestão possui na sua formação elementos das diversas vertentes, para o seu sucesso, torna-se necessária uma ação harmônica e equilibrada. Conforme Sá (2005) gestão é um termo genérico que sugere a idéia de dirigir e de decidir. Cita ainda, que no rigor vernacular as expressões administração, gerência e gestão são sinônimas. Para Motta (1991, pág. 151), a gerência é a arte de pensar, de decidir e de agir; a arte de fazer acontecer, de obter resultados. O aprendizado gerencial é o processo pelo qual o indivíduo adquire novos conhecimentos, atitudes e valores e fortalece sua capacidade de análise de problemas, envolvendo quatro dimensões básicas: 20

25 (1) a cognitiva, habilidade de compreender o particular por meio do conhecimento do geral; (2) a analítica, habilidade de saber a utilidade e a potencialidade das técnicas administrativas e adquirir mais realismo, profundidade e criatividade na solução de problemas; (3) a comportamental, habilidade de adquirir novas maneiras de interação humana, dentre padrões alternativos conhecidos e validados socialmente; e (4) a de ação, denota a capacidade de interferir intencionalmente no sistema organizacional. Para Matos (1979) há várias definições para administração, procurando-se valorizar um aspecto ou enfatizar um outro elemento essencial. De um modo geral administrase para tornar rentável um negócio, para assegurar o êxito de um empreendimento. Ao procurar definir administração, Matos (1979, pág. 258) apresenta diversas proposições básicas que enfatizam a motivação, o esforço integrado, ao posicionamento diante das mudanças e o desenvolvimento dos recursos humanos: Administrar é fixar objetivos e motivar o pessoal para atingi-los: é imprescindível que estes sejam fixados, pois embora teóricos, são as diretrizes, os indicadores para a ação coerente; Administrar é obter resultados através do esforço coletivo orientado: os resultados dependem da integração; Administrar é saber interpretar tendências e estar sempre á frente dos acontecimentos; Administrar é desenvolver recursos humanos para a expansão, portanto administrar é educar. 2.8 Autogestão Dellangnelo (2006) vem demonstrar que, diante das variadas formas organizacionais, nota-se que cada uma possui suas vantagens e benefícios, porém nem sempre há transparência, competência e dedicação por parte do corpo administrativo, portanto o gestor deve saber avaliar qual a melhor forma de administração deverá implantar em sua organização. Segundo Viana (2006), autogestão é um modelo de organização onde todos participam da direção e dos resultados obtidos. As idéias defendidas pelo autor sugerem que na autogestão, grande parte do capital permanece com os trabalhadores, geralmente 100%. Torna-se formalizada através de empresas de sociedade limitada ou anônima (S/A), onde os funcionários a controlam por meio de uma associação ou formação de cooperativas. 21

26 De acordo com o autor, considera-se como uma empresa autogerida, aquela onde as tomadas de decisão são obtidas de forma coletiva, e todos os colaboradores chegam a uma opinião conjunta, extinguindo a autoridade burocrática ou a hierarquia formal. Existe a autoridade, mas esta funciona por respeito e reconhecimento dos membros do grupo. Segundo a União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (UNIDAS), existem dois tipos de autogestão, a patrocinada e a não-patrocinada. A autogestão patrocinada é aquela em que uma empresa arca com as responsabilidades do pagamento de parte dos custos da organização. Em contrapartida, na nãopatrocinada, os funcionários/colaboradores são responsáveis por arcar com todas as despesas. Segundo Gutierrez (1988, pág. 9): A autogestão só pode viabilizar-se através da vontade coletiva dos membros envolvidos numa produção comunitária e após uma revisão crítica da história e constituição da empresa moderna. Não se pode desconhecer nem à vontade e nem tampouco o caráter técnico do que é administração. Infelizmente, na prática, parece que os que têm vontade não possuem a paciência necessária para discutir a técnica, e os que sabem a técnica não tem a vontade. De acordo com o autor acima, a autogestão é condicionada por elementos externos, como situação social, tecnologia, tradições e hábitos, mas a escolha posterior deve ser autônoma e completamente livre. Segundo o mesmo autor, o conceito de autogestão muitas vezes é relacionado à forma política do comunismo, com a democracia direta. Pode-se observar na história, que todas as revoluções socialistas (exceto a chinesa e cubana), foram tentativas de se estabelecer a autogestão, onde o poder é igual para todos. Segundo Viana (2003), a autogestão não possui o mesmo significado que participação, controle operário ou cooperativismo, e explica que a participação se distingue da autogestão, pois significa participar de algo já existente. De acordo 22

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

(Re)Empreendedorismo

(Re)Empreendedorismo (Re)Empreendedorismo A escolha é nossa Empreendedorismo Processo de criar algo diferente e com valor, dedicando tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO BEATRIZ APARECIDADE MOURA JOYCE SOARES RIBAS JUCIELE OTTONE MALAQUIAS MARTINS LUANA PÉRSIA DINIZ MÍRIAN DUARTE MACHADO GONZAGA DA SILVA O PAPEL DO GESTOR E A AUTO-ESTIMA DOS FUNCIONÁRIOS UMA ANÁLISE DA

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua A Ciência e a Arte de Ser Dirigente Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1 INTRODUÇÃO Este tema traz a tona uma grande questão que vamos tentar responder nestas poucas paginas, ser um dirigente requer grande

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

LIDERANÇA COMO FATOR DE SUCESSO EMPRESARIAL (2006)

LIDERANÇA COMO FATOR DE SUCESSO EMPRESARIAL (2006) 11. AUTORES: LILIAN DA SILVA ALVES LÍVIA SANCHEZ PONTES DA FONSECA TÍTULO: LIDERANÇA COMO FATOR DE SUCESSO EMPRESARIAL (2006) Orientador : Silvio Montes Pereira Dias Co-orientadora : Sônia Maria de Barros

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Gestão Estratégica de Recursos Humanos

Gestão Estratégica de Recursos Humanos Gestão Estratégica de Recursos Humanos Professor conteudista: Ricardo Shitsuka Sumário Gestão Estratégica de Recursos Humanos Unidade I 1 INTRODUÇÃO...1 1.1 Organizações...1 1.2 Modelos de organizações...4

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO Administração do latim ad(direção, tendência para) e minister(subordinação

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Gestão de Talentos. Aula 01. Contextualização. Instrumentalização

Gestão de Talentos. Aula 01. Contextualização. Instrumentalização Gestão de Talentos Aula 01 Prof. Me. Maria Tereza F. Ribeiro 1. Contextualização Apresentação dos tópicos a serem abordados atualidades 2. Instrumentalização Conceitos principais 3. Aplicação Exemplos

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Introdução às teorias organizacionais.

Introdução às teorias organizacionais. Curso: Teologia Prof. Geoval Jacinto da Silva. Introdução às teorias organizacionais. Boas vindas Apresentação. Iniciamos hoje, com o Tema: Introdução às teorias organizacionais. Portanto, espero contar

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais