MODELO DE GERENCIAMENTO DA ATIVIDADE DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS EM INDÚSTRIAS MOVELEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO DE GERENCIAMENTO DA ATIVIDADE DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS EM INDÚSTRIAS MOVELEIRAS"

Transcrição

1 MODELO DE GERENCIAMENTO DA ATIVIDADE DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS EM INDÚSTRIAS MOVELEIRAS Renata Magalhães Schneider 1 Eugenio Merino 2 RESUMO A competitividade crescente e acirrada no mercado moveleiro resulta em uma busca frequente de alternativas e estratégias de diferenciação por parte das empresas. Enquanto antes a vantagem competitiva de um produto era consequência de sua qualidade e preço, hoje é resultado do design. Competir com design, entretanto, não significa dizer que os produtos se diferenciam apenas pela sua estética, pois o designer, profissional do design, está envolvido com questões que vão além da ornamentação de projetos. As indústrias moveleiras no Brasil têm apresentado queda no crescimento e para reverter este quadro precisam investir não só em design, mas também em uma boa gestão. No geral, estas indústrias utilizam para seu próprio gerenciamento os softwares chamados de ERP, entretanto, estes sistemas não abordam questões estratégicas e sequer àquelas relacionadas ao design. Com o intuito de solucionar este problema e melhorar o processo viu-se a necessidade de propor um modelo de gerenciamento com objetivo de incluir a atividade de desenvolvimento de produtos em um sistema maior de gestão. O processo de desenvolvimento envolve integração de diferentes profissionais e pode ser dividido em quatro etapas principais: oportunidade, elaboração do produto, lançamento e uso/experimentação. A etapa de elaboração do produto é a que o designer está mais envolvido, por este motivo, ela é o foco deste trabalho. Acreditase que este modelo servirá de auxílio na estruturação de departamentos de design, bem como, no entendimento real da função do designer de produtos na indústria moveleira. Palavras-chave: Modelos de Gerenciamento. Desenvolvimento de Produtos. Indústria Moveleira. Sistemas ERP. 1 Tecnóloga em Design de Produto. Pós-graduanda do curso de Gestão de Design, do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Design da UFSC. 2 Doutor. Docente do curso de Gestão de Design do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Design da UFSC. PAGE \* MERGEFORMAT 1

2 ABSTRACT The growing and ruthless competitiviness in the furniture market results in a frequent search of alternatives and differentiation strategies by the companies. While before the competitive advantage of a product was a consequence of its price, nowadays is the result of its design. Competing against design, however, it does not mean to say that the products distinguish only by the appearance, because the designer, the design professional, is involved with questions that go beyond the project ornamentation. The furniture industries in Brazil have presented a decrease in their growth and to revert this picture it is needed to invest not only in design, but also in a good management. In general, these industries use for their own management softwares called ERP, even though, these systems do not approach strategic questions and not even those related to design. With the aim to solve this problem and help the process, the necessity of proposing a management model with the objective of including the product developing activity in a bigger management system was found. The process of product developing involves the integration of several professional and it can be divided in four main steps: opportunity, product creation, product release and use/experimentation. The product creation step is where the designer is more involved, because of this, it is the focus of this article. It is believed that this model will help the structuring of design departments, as well, in the real understanding of the product designer function in the furniture industry. Key words: Management models. Product development. Furniture industry. ERP system. PAGE \* MERGEFORMAT 2

3 1 INTRODUÇÂO As indústrias de móveis no Brasil, em especial as situadas na região Sul do país, têm apresentado queda de crescimento nos últimos anos, fato este que pode ser consequência de crises internacionais e assuntos relacionados à questão cambial. Segundo a 6ª edição do Estudo Setorial do APL (Arranjo Produtivo Local) Moveleiro da Região do Alto Vale do Rio Negro, indústrias moveleiras, que em 2009 faturaram R$ 815 milhões, tiveram em 2010 um faturamento de R$ 702 milhões, comprovando tal queda. Para subverter este quadro as empresas precisam ir em busca de novas alternativas e, principalmente, devem iniciar investimentos que visam modernizar suas gestões. A gestão de uma empresa está relacionada diretamente a administração e controle dos mais diversos assuntos e atividades exercidos dentro de uma organização. Investir em seu aperfeiçoamento resulta em muitos benefícios, dentre eles, segurança na tomada de importantes decisões. Denk (2011, p.2) acredita que muitas empresas já iniciaram tais aprimoramentos, porém há muito trabalho na profissionalização de gestão das empresas e investimentos para obtenção de maior produtividade e qualidade. O gerenciamento de uma empresa é feito por determinados profissionais, que muitas vezes contam com o auxílio de softwares 3 informatizados na passagem do ano de 1999 para específicos. Nas indústrias moveleiras o mais comum é o chamado ERP 4. De acordo com Sousa (2003, p.15), estes sistemas integrados de gestão são, na sua maioria, desenvolvidos para o segmento de grandes empresas, no entanto, no início dos anos 90 estes mesmos sistemas apresentaram-se também às PMEs 5. Nesta época as empresas preocupavam-se com o armazenamento de dados importantes, devido ao medo do bug do milênio 6. Do ponto de vista de Sousa (2003, p.12) foi por meio desta visualização das possíveis dificuldades a serem enfrentadas pelas PMEs, que os fornecedores de ERPs apresentaram-se no mercado como soluções seguras para que este segmento passasse sem maiores dificuldades. Logo, estes sistemas 3 Entende-se por software um programa de computador composto por sequência de instruções interpretadas e executadas por meio de um processador ou máquina virtual. 4 Sigla de Enterprise Resource Planning que traduzida literalmente, significa Planejamento dos Recursos da Empresa, mas no Brasil é conhecido como Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. 5 Sigla de Pequenas e Médias Empresas. 6 O bug do milênio foi o termo usado para se referir ao problema previsto ocorrer em todos os sistemas PAGE \* MERGEFORMAT 3

4 passaram a ser uma das principais opções de gestão para as empresas moveleiras, sejam elas de pequeno, médio ou grande porte. Os sistemas integrados de gestão em questão têm por principal objetivo gerenciar assuntos relacionados ao processo produtivo da empresa, integrando os diferentes departamentos existentes e tendo como resultado final um produto produzido de forma correta, dentro do prazo estabelecido e com o menor custo possível. Percebe-se, porém, que estes aspectos, por si só, não garantem a lucratividade e crescimento da indústria moveleira, visto que hoje, mediante Nascimento (2001, p.11) as empresas que primeiro competiam por preço, passaram a competir por qualidade, migrando para a competição por design e marca. Acredita-se que para modernizar o sistema de gestão nas indústrias moveleiras e investir em qualidade é preciso, antes de tudo, inserir a cultura do design no ambiente corporativo, isto é, incluir no sistema de gerenciamento as atividades relacionadas ao design, como desenvolvimento de novos produtos, por exemplo. Isto fará com que o designer esteja integrado a todo o processo. A dificuldade em integrar a área de design ocorre, segundo Nascimento (2001, p.12), pelo desconhecimento que a maioria dos empresários tem sobre o que é o design e como este pode contribuir para a melhoria de seus produtos e de seu sistema produtivo. A autora ainda credita este fato pela falha de comunicação dos próprios designers que muitas vezes não tem nem eles próprios uma visão muito clara do que seja a profissão ou como agir diante de um problema real, de uma indústria real (p.12). O papel do designer no desenvolvimento de novos produtos em uma indústria moveleira não consiste apenas em aperfeiçoar a estética do mesmo, envolve, além disso, o estudo de aspectos ergonômicos, técnicos, produtivos, mercadológicos e estratégicos. É uma profissão interdisciplinar, por isto necessita da integração com outras áreas. Com base nesta situação, define-se que o problema do presente artigo está em resolver a seguinte questão: Como gerenciar a atividade de desenvolvimento de produtos em uma indústria moveleira? Acredita-se que a solução para isso está em propor agilidade e segurança no desenvolvimento de novos produtos dentro desta indústria por meio de um modelo PAGE \* MERGEFORMAT 4

5 de gerenciamento, de forma que o mesmo possibilite a integração com outros departamentos. Este é, inclusive, o objetivo geral deste trabalho. Para se atingi-lo, no entanto, é imprescindível: (a) Compreender os conceitos de gestão do design; (b) Compreender a atividade de desenvolvimento de produtos na indústria moveleira, bem como o departamento em que está inserida; (c) Compreender o fluxo de informações deste departamento com os demais; (d) Identificar os pontos fracos do processo de gestão de design das indústrias moveleiras; (e) Compreender como ocorre a integração de sistemas de gerenciamentos com sistemas ERP; (f) Visualizar os benefícios que a empresa terá com um modelo de gerenciamento. O foco deste estudo está nas indústrias moveleiras de pequeno e médio porte que contam com profissionais efetivos para a elaboração e desenvolvimento de novos produtos, ou seja, possuem um departamento de design, mesmo que este ainda não esteja totalmente estruturado. O processo de desenvolvimento envolve integração de diferentes profissionais e pode ser dividido em quatro etapas principais, entretanto, é na etapa de elaboração, a segunda do ciclo, que o designer está mais envolvido. Anteriormente a elaboração do produto existe a etapa de oportunidade e por fim, existem etapas de lançamento e uso/experimentação, que serão melhores detalhadas no decorrer deste artigo. Para a delimitação da pesquisa estudou-se os conceitos e critérios apresentados por Marconi e Lakatos (2009) e por Gil (2002). Com base neles podese afirmar que a pesquisa aqui apresentada é aplicada, pois tem por objetivo gerar conhecimentos para aplicação prática a fim de solucionar problemas específicos. A abordagem do problema é de caráter qualitativo, por não necessitar de métodos e técnicas estatísticas e principalmente por ser um estudo no qual o ambiente natural é a principal fonte para coleta de dados e o pesquisador se posiciona como instrumento-chave. Esta pesquisa ainda pode ser considerada como descritiva, do ponto de vista dos seus objetivos, por priorizar, segundo GIL (2002, p.42) a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relações entre variáveis. PAGE \* MERGEFORMAT 5

6 Por fim, a classificação da pesquisa, com base nos procedimentos técnicos utilizados, é definida como participante e bibliográfica, pois as informações aqui contidas foram adquiridas por meio de pesquisas bibliográficas, bem como experiência de indústria moveleira da autora, que vivencia a realidade da situação apresentada. O trabalho está dividido em três etapas. A primeira apresenta os conceitos de design, gestão e ERPs, com base no ponto de vista de alguns autores. A segunda relata a atividade do designer como desenvolvedor de produtos dentro da indústria moveleira, bem como as suas principais necessidades. Por fim, a última etapa mostra o funcionamento do modelo de gerenciamento, apontando os requisitos básicos para o mesmo. Os métodos 7 utilizados para realizar o estudo foram: (a) Levantamento de informações acerca do designer e da atividade de desenvolvimento de produtos nas indústrias moveleiras em geral; (b) Análise real de uma indústria moveleira, identificando os pontos a serem melhorados; (c) Identificação das principais necessidades do designer, no que se refere à elaboração de novos produtos; (d) Entendimento sobre os requisitos básicos para o bom funcionamento do modelo. 2 REFERENCIAL TEÓRICO O referencial teórico tem por objetivo apresentar os conceitos de outros autores sobre o tema proposto, a fim de dar mais consistência ao estudo proposto. Acredita-se que para melhor entendimento do desenvolvimento da pesquisa seja necessário ter um conhecimento, mesmo que breve, sobre design, sistemas ERPs e gestão de design. 2.1 O Design A palavra design deriva do termo latim designare, traduzido como designar e desenhar. Mozota (2011, p.15) acredita que dependendo do contexto este termo Entende- se por método o conjunto de atividades e etapas, organizadas de forma a permitir o alcance a determinado objetivo. PAGE \* MERGEFORMAT 6

7 possa significar plano, projeto, intenção, processo ou esboço, modelo, motivo, decoração, composição visual, estilo. O segundo significado, porém, é o mais conhecido, principalmente por leigos que relacionam o design apenas com funções estéticas. O profissional de design desenvolve ao longo de sua profissão diversas habilidades. Mozota (2011), que se baseia na árvore do design proposta por David Walker, acredita que algumas dessas habilidades como percepção, geometria, testes, processos e visualização tem suas raízes no artesanato. Essa relação com o artesanato faz com que o designer muitas vezes seja comparado a um artista, até porque antes da Revolução Industrial o trabalho de conceber e produzir, que hoje pode ser feito pelo profissional de design, cabia a um só indivíduo, o próprio artesão. Nascimento (2001, p.17) acredita que a equivocada visão do designer como um artista deixa-o fora das atividades de muitas empresas. Desta maneira a interação do trabalho do designer com outras áreas envolvidas no desenvolvimento do produto fica enfraquecida e prejudicada. A falta de conhecimento dos empresários e até mesmo dos próprios profissionais faz com que muitas vezes o design, do ponto de vista de FERREIRA (2008, p.27), seja visto como maquiagem empresarial, que pode ser aplicada na última hora para dar ilusão de qualidade, envolvendo o cliente com o interesse de persuadi-lo na decisão de compra. Há quatro tipos de design, que correspondem aos principais domínios por meio dos quais a profissão é integrada na sociedade (MOZOTA, 2011, P.18): design gráfico, design de ambiente, design de embalagem e design de produto (ou industrial). O designer industrial, segundo Mozota (2011, p.19), comparado com os outros tipos de designers é aquele que mais se aproxima do saber do engenheiro, em particular da engenharia mecânica. Sua função visa elaborar uma solução original para um sistema (fábrica, cadeia de junção, máquina, produto), para uma função idêntica ou uma nova função. Um bom designer Industrial ocupa-se em compreender as percepções e comportamento dos clientes, somente desta maneira, pode manipular o desejo de compra, tornando hábeis os processos tecnológicos e de fabricação, para satisfazer as necessidades com maior economia de produção possível. (FERREIRA, p.27) PAGE \* MERGEFORMAT 7

8 O gerenciamento de todo o processo tecnológico da empresa, bem como o seu processo produtivo pode ser feito por meio de sistemas de gerenciamento, com a participação do designer. 2.2 Sistemas Integrados de Gestão Empresarial (ERPs) Os Sistemas Integrados de Gestão Empresarial podem ser definidos, de acordo com Sousa (2003, p.22), como sistemas de informação integrados, adquiridos na forma de pacotes comerciais de software, com a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma empresa, como suprimentos, engenharia, contabilidade, manutenção, produção, entre outras. A falha destes sistemas, no entanto, está em oferecer apenas informações operacionais, deixando de lado as informações estratégicas. Acredita-se que o controle e gerenciamento dessas informações sejam imprescindíveis, fato este que é justificável do ponto de vista de Sousa (2003, p.22) que afirma que a informação passou da condição de elemento complementar para o status de ferramenta competitiva, portanto, o armazenamento, o tratamento e a consulta destas informações são cada vez mais necessários para que a empresa continue competitiva no mercado. As empresas que implantam um sistema ERP em sua organização entendem que o mesmo oferece as seguintes perspectivas, de acordo com a pesquisa realizada por Mendes (2002, p.289): (a) Possui um banco de dados único; (b) Permite a integração entre os setores da empresa; (c) Permite o acesso fácil e imediato às informações; (d) Agiliza o fluxo das informações entre as diversas áreas; (e) Possibilita melhor gerenciamento das informações; (f) Permite a racionalização e a agilidade de processos; (g) Automatiza várias tarefas administrativas, garantindo maior controle; (h) Oferece suporte à tomada de decisão; (i) Possibilita a atualização do parque tecnológico da empresa. Vale lembrar, ainda, que quando o ERP se integra a outros tipos de softwares, ele é chamado de ERP II, que permite que o enfoque inicial seja expandido para parceria e processos externos a organização. Com base na importância do gerenciamento de informações a fim de obter competitividade no mercado é possível identificar que áreas envolvidas com a parte PAGE \* MERGEFORMAT 8

9 estratégica da empresa, como o design, por exemplo, não podem ser deixadas de lado. 2.3 Gestão do Design Mozota (2011, p.92) explica que o processo de gestão do design teve origem na Grã-Bretanha na década de 1960, quando o termo referia-se ao gerenciamento de relação entre a agência de design e seus clientes. Foi na própria Grã-Bretanha que surgiu a consciência do papel crucial que o designer poderia ter na indústria e na economia. Na mesma época, segundo Bürdek (2006, p.358), refletia-se sobre como as empresas deveriam trabalhar todas as informações necessárias e conduzir o desenvolvimento de produtos (ao invés do método corrente da tentativa e erro) mandatório para um desenvolvimento empresarial de sucesso. Dos anos 80 em diante, a gestão do design começou a se fortalecer em ambientes empresariais. Isto aconteceu quando administradores reconheceram que o design não se resume a questões estéticas, mas especialmente por sua participação relevante nas questões econômicas (BÜRDEK, p. 359). Os dois principais objetivos da gestão do design, segundo Mozota (2011, p.92) são: (1) Treinar parceiros/gerentes e designers. Isso implica familiarizar os gerentes com o design e os designers com a gestão; (2) Desenvolver métodos de integração do design no ambiente corporativo. Acredita-se que o modelo de gerenciamento proposto no presente artigo auxiliará na conquista do segundo objetivo da gestão do design, citado anteriormente. Espera-se ainda que ele seja um facilitador para a estruturação e fortalecimento dos departamentos de design existentes nas indústrias moveleiras. Mozota ainda saliente que a meta de um departamento de design é criar um contexto administrativo favorável para o desenvolvimento da prática do design na empresa e buscar conceber suas próprias ferramentas de administração. Tornar visível o processo de design e permitir que outras áreas de integrem a ele torna este processo mais rico em informações e acaba expandindo a prática do design de forma geral. A importância da implantação de um modelo de gerenciamento permite que o departamento de design estabeleça as suas próprias ferramentas de administração. PAGE \* MERGEFORMAT 9

10 3 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS EM UMA INDÚSTRIA MOVELEIRA A atuação do designer de produtos na indústria pode ocorrer de forma interna ou externa. A atuação interna acontece quando o designer é funcionário efetivo e faz parte de um departamento. Este profissional possui mais acesso as informações da empresa se comparado a um profissional externo, que geralmente trabalha por conta própria ou em agências. Nascimento (2001, p.33) relata que o desenvolvimento de um produto por parte de uma agência ou um profissional externo apresenta alguns pontos críticos, dentre os quais, destacam-se: (a) Dificuldade na interpretação do conceito de design por parte dos empresários, dificultando o envolvimento da empresa nas atividades uma vez que não se compreende sua importância estratégica; (b) Ausência de objetivos bem definidos do projeto; (c) Falta de documentação escrita buscando uma uniformidade de critérios, estabelecendo prioridades e condicionantes; (d) Carência de recursos que a empresa deseja potencializar ou oportunidades de mercado; (e) Tempos e custos incompatíveis. Entende-se que o profissional que trabalha de modo efetivo na empresa não encontra o mesmo nível de dificuldades, pois estas são amenizadas, visto que a proximidade deste designer de produtos com áreas de engenharia, marketing, produção e suprimentos facilita o acesso aos mais diversos tipos de informações. O desenvolvimento de produtos de uma indústria moveleira é um processo cíclico que conta com a participação de diferentes profissionais de diferentes departamentos e pode ser dividido em quatro etapas principais: oportunidade, elaboração do produto, lançamento e uso/experimentação. Este processo de desenvolvimento de produto (PDP) é cíclico e tem início com a etapa de oportunidade. Nesta etapa surgem as necessidades para se projetar um novo produto ou aperfeiçoar outro já existente. A etapa consecutiva é a de elaboração do produto, que engloba desde a ideação do projeto até o seu detalhamento final. É a etapa que o designer mais está envolvido, além de ser uma das mais longas do processo. Cabe aqui ressaltar que, em se tratando de indústrias moveleiras, a elaboração do produto consiste não só na geração de alternativas, mas também na escolha, definição e integração, por parte do designer, de complementos e acessórios de outros fornecedores. PAGE \* MERGEFORMAT 10

11 No geral, as indústrias de móveis possuem maquinários e tecnologias suficientes para produzir peças com matérias-primas derivadas da madeira 8, entretanto, do ponto de vista comercial, não há interesse em vendê-las sem os devidos complementos. Em um gaveteiro, por exemplo, as inúmeras peças derivadas da madeira, que constituem o produto, são produzidas pela fábrica, enquanto os dispositivos de montagem, as corrediças, os divisores internos e os puxadores são considerados complementos ou acessórios. Cabe ao designer, dentro da etapa de elaboração, incorporar a mesma qualidade e os mesmos valores em toda a composição do móvel final, seja em produtos produzidos internamente ou por terceiros. É importante destacar que o designer, além de definir, escolher e integrar complementos e acessórios ao projeto, pode desenvolvê-los em parceria com outros fornecedores. Esta parceria resulta na maioria das vezes em exclusividade para a empresa moveleira, fato este que ajuda na diferenciação da mesma perante os concorrentes. O produto pronto para comercialização é o resultado da etapa de elaboração, que tem como sequência a etapa de lançamento. Esta etapa envolve questões de marketing e publicidade, bem como a organização de amostras para envio a representantes ou unidades franqueadas, de acordo com a política da empresa. Por fim, há a etapa de uso/experimentação que envolve o contato direto entre usuário/consumidor e produto. É neste momento que ocorrem os estágios de crescimento, maturidade e declínio, denominamos de ciclo de vida do produto. As empresas que costumam acompanhar este ciclo conseguem identificar e determinar as próximas necessidades e oportunidades do mercado, e consequentemente, conseguem lançar em tempo hábil outras novidades aos seus consumidores. A identificação de novas oportunidades faz com que o PDP volte ao seu ponto inicial (primeira etapa), tornando-o um processo cíclico e não linear, conforme indica a figura abaixo. É comum a utilização de chapas de MDF, compensado multilaminado ou aglomerado na composição destes móveis. PAGE \* MERGEFORMAT 11

12 Figura 1 - Processo de desenvolvimento de produtos. Fonte: a autora Com estas quatro etapas do processo de desenvolvimento de produtos bem definidas é possível entender a evolução de um projeto de produto específico, entretanto, em uma situação real o designer terá não só uma, mas inúmeras solicitações de projetos, que muitas vezes são realizados de forma simultânea. O uso de modelos de gerenciamento para a atividade de desenvolvimento de novos produtos será válido, principalmente, se englobar todas as circunstâncias citadas anteriormente, inclusive àquela que se refere a execução de projetos simultâneos, entretanto, o foco deste estudo está em propor um modelo de gerenciamento para a etapa de elaboração do produto. Etapa na qual o designer está mais envolvido. Diversos são os métodos de projetos existentes para a elaboração e criação de um produto, contudo, percebe-se que os projetos existentes nas indústrias moveleiras são diferentes de projetos de agências ou de trabalhos independentes, portanto, acredita-se que eles devem ser tratados de forma divergente. A preparação de um novo produto, em agências ou de forma independente, geralmente envolve etapas como: planejamento do projeto, projeto informacional, projeto conceitual, projeto detalhado, preparação para a produção e lançamento do produto. Esta, inclusive, é a metodologia sugerida por Rozenfeld (2006). PAGE \* MERGEFORMAT 12

13 Já na indústria, o projeto de produto requer um modelo de gerenciamento mais específico, mais prático, mais ágil, mais integrador e de preferência aplicado em um software. 3.1 Pontos a serem observados Para se propor um modelo de gerenciamento, é preciso, antes de tudo identificar os pontos a serem melhorados durante o processo estudado. Tais aspectos serão apresentados a seguir e estarão divididos em três grupos: Competitividade, Diferenciação e Sustentabilidade. Estes três pontos-chaves fazem parte de um modelo de avaliação proposto pelo Núcleo de Gestão de Design da Universidade Federal de Santa Catarina, que tem por objetivo, segundo Merino (2011, p.76), propiciar uma avaliação integrada das três dimensões e suas relações, além de proporcionar a visualização prática de aspectos de um processo que podem ser melhorados. O modelo CDS, como é chamado, é uma ferramenta de diagnóstico, no qual, avaliam-se os pontos críticos em uma situação pré e pós aplicação de determinado estudo, a fim de comprovar quais os reais resultados do mesmo, sejam eles positivos ou negativos. Apesar do presente estudo não abordar o diagnóstico do estudo na prática, o mesmo apresentará os pontos a serem melhorados, com base no modelo CDS. Agilidade, inovação, qualidade e segurança da informação são os principais pontos críticos referentes a Competitividade. Empresas que utilizam modelos comuns e simples, sem inovação, estão submetidas a processos onde as informações transitam de forma lenta e insegura. Quanto a Diferenciação, percebe-se que há o que melhorar na integração, comunicação, organização e clareza das informações. Tais aspectos influenciam no bom relacionamento do designer com outros departamentos, bem como no funcionamento correto do sistema, visto que sistemas confusos e complicados tendem a não ser utilizados de forma correta. É comum identificar, até mesmo nos softwares ERP, que os usuários realizam suas atividades muitas vezes sem entendê-las. PAGE \* MERGEFORMAT 13

14 Por fim, os pontos críticos que envolvem a Sustentabilidade são aqueles relacionados a questões sociais, econômicas e ambientais. Um processo que não aborda tais questões pode gerar perda de tempo e retrabalho. Entende-se por sustentabilidade não só aspectos que visam o cuidado com o meio ambiente, mas também a organização social, interna ou externa, e consequentemente o melhor aproveitamento de recursos que resultam na economia de todo o processo. O modelo de gerenciamento ideal é aquele que conseguir contemplar todos os pontos acima, entretanto, sabe-se que em uma situação real alguns destes aspectos apresentarão melhor ou pior resultado. É importante, porém, ter consciência que, em uma indústria real, se algum destes aspectos tiver sucesso com a aplicação do modelo de gerenciamento, já resultará em benefícios para a empresa. 4 NECESSIDADES DO DESIGNER NA ELABORAÇÃO DO PRODUTO O designer de produto inserido na indústria moveleira possui claramente algumas necessidades, entre elas as que mais se destacam são: bom relacionamento com fornecedores, controle e armazenamento de amostras, avaliação de testes e protótipos, organização e conhecimento das informações técnicas e gerenciamento de projetos simultâneos. Tais necessidades serão abordadas no modelo de gerenciamento proposto neste estudo e estão melhores explicadas abaixo. O bom relacionamento do designer com outros fornecedores resulta em parcerias. Estas parcerias consistem no desenvolvimento de determinados produtos por meio da indústria moveleira com o seu fornecedor. Tal desenvolvimento implica, muitas vezes, em produtos exclusivos, mesmo que por tempo determinado. As empresas que investem em parcerias conseguem oferecer produtos diferenciados aos seus clientes, que aprovam tal acontecimento, isto porque exclusividade e personalização são tendências de consumo. PAGE \* MERGEFORMAT 14

15 Além da parceria, o designer, quando em contato com diferentes fornecedores, tem acesso e conhecimento sobre os mais diferentes produtos do mercado, conseguindo, inclusive, identificar as suas principais tendências. A Linha de Produtos de uma empresa moveleira consiste em todos os produtos fornecidos por ela, seja os fabricados internamente ou aqueles comprados de terceiros. O objetivo do fornecedor é inserir ou seu produto nesta Linha mais ampla, para isso, além da realização de reuniões, os mesmos oferecem amostras, a fim de serem testadas e avaliadas por profissionais específicos. Entende-se que o controle de recebimento e até mesmo de armazenamento destas amostras é de responsabilidade do designer, que definirá se as mesmas se adéquam ao padrão de qualidade oferecido pela empresa de móveis, na qual atua. Tal avaliação é realizada por meio de testes, que identificam os pontos negativos e positivos de cada amostra. O designer participa dos testes, bem como de sua avaliação, e ao final de todo o processo, ele, junto com outros profissionais, decidem se o produto testado está aprovado ou não. Essa aprovação depende de questões comerciais, além das questões técnicas. O controle e, principalmente, o armazenamento das informações destas amostras e destes testes permitem que o designer tenha conhecimento, mesmo que em situações futuras, sobre as vantagens e desvantagens do uso de determinados produtos, evitando assim a realização de um novo teste de um mesmo produto, sem necessidade. Dentro de um modelo de gestão é essencial que tais informações estejam interligadas entre si, para que este gerenciamento ocorra de forma eficiente. Após o contato com o fornecedor, o recebimento da amostra, a realização do teste, bem como sua avaliação, é possível obter informações necessárias para a tomada de decisão na qual indica se o produto fará ou não parte de Linha de Produtos da empresa. Caso a decisão seja positiva é necessário elaborar um documento técnico contendo todas as instruções e orientações do produto para o seu lançamento. Entre a etapa de definição do produto e a de lançamento existe a tarefa de cadastramento do produto no software ERP, executada pelo departamento de Engenharia de Produtos. A documentação técnica prevista anteriormente garante PAGE \* MERGEFORMAT 15

16 que as informações cadastradas no ERP sejam corretas e compatíveis com o que foi desenvolvido. As orientações contidas no documento englobam questões como: a que linha pertence o produto, as dimensões, a aplicação, o nome comercial 9, o acabamento, a garantia, se possui ou não exclusividade, o custo de fábrica, entre outros. As respostas destas questões serão fornecidas por profissionais de diferentes departamentos, por isso é um processo integrado. Cabe ao designer organizá-las e validá-las. Vale ressaltar ainda, que as necessidades mencionadas acima se referem a produtos fornecidos por outros fornecedores e vendidos pela empresa de móveis. Caso o produto em questão seja totalmente produzido pela indústria, as etapas de contato com fornecedor e armazenamento de amostras podem ser ignoradas. Por fim, além de todas as necessidades específicas relatadas até então, existe a principal delas: gerenciar os projetos simultâneos. Para realizar isso de forma eficiente o designer precisa, antes de tudo, conhecer as prioridades de cada projeto e organizar as diferentes tarefas, mesmo aquelas que envolvem outros profissionais. Tendo uma visão geral do projeto será possível estimar prazos corretamente, de forma que os mesmos sejam cumpridos com sucesso. 4 PROPOSTA DE MODELO DE GERENCIAMENTO O modelo de gerenciamento proposto neste artigo consiste na explicação lógica das atividades de um departamento de design na etapa de elaboração de um novo produto, a fim de suprir suas carências. O modelo apresenta um roteiro de tarefas a serem seguidas pelos profissionais envolvidos nesta etapa. A figura a seguir permite que seja entendida a abordagem do modelo de gerenciamento proposto e as suas principais tarefas. Geralmente é dado um nome comercial ao produto, para que ele não seja vendido com o nome do fornecedor PAGE \* MERGEFORMAT 16

17 Figura 2 - Modelo de gerenciamento da etapa de elaboração do produto Fonte: a autora Nos subcapítulos que se seguem é possível identificar o que um sistema de gerenciamento deve conter para suprir as necessidades identificadas no modelo acima. O ideal é que este modelo esteja inserido em um software e seja munido de informações de forma manual, por usuários específicos. O local de cada tarefa dentro do software será chamado de ambiente virtual. 4.1 Fornecedores O ambiente virtual Fornecedores deverá ser abastecido com as seguintes informações: (a) Nome do fornecedor; (b) Produto que fornece; (c) Serviço que presta; (d) Contato do representante; (e) Site; (f) ; (g) Telefone; (g) Local para anexar atas de reuniões realizadas. Recomenda-se que estes campos permitam buscas por filtros. PAGE \* MERGEFORMAT 17

18 O item (g) é importante para que se tenha acesso a todas as definições fixadas nas reuniões. 4.2 Amostras No ambiente das amostras as informações necessárias são: (a) Nome do produto e código do fornecedor; (b) Breve descrição, indicando a finalidade da amostra; (c) Data de recebimento; (d) Fornecedor; (e) Responsável pela amostra na empresa; (f) Situação da amostra: apenas armazenar ou testar?; (g) imagem da amostra. No caso das amostras, seria interessante o item f ter relação direta com os campos de testes, desta forma, assim que a amostra for testada a situação da mesma será atualizada automaticamente. As informações relacionadas aos fornecedores também deverão estar interligadas. 4.3 Testes Para um bom controle dos testes é preciso que o sistema contenha informações como: (a) Solicitação de teste, informando o solicitado e o solicitante; (b) Data de solicitação, que poderá ser automática; (c) Descrição do teste; (d) Prioridade, definida por escala; (e) Situação do teste, informando se está aguardando retorno ou se já foi testado; (f) Avaliação do teste, indicando os pontos positivos e negativos; (g) Status final, com a definição do produto. Dentre as informações citadas, vale ressaltar que no item a a solicitação pode ser efetuada mediante um , isto é, ao preencher as informações o solicitado recebe um automático com a solicitação do teste por parte do solicitante. No item d aparecerão todos os testes solicitados e não concluídos, neste local deverá ser definida a prioridade de cada teste, por meio de uma escala numérica. No item e, deverá ser previsto um local para inserir informações a respeito do teste realizado, indicando os pontos positivos e negativos que o mesmo apresentou. PAGE \* MERGEFORMAT 18

19 Por fim, o status final do teste indica se o mesmo foi aprovado ou não aprovado. Dentre os aprovados deverá ser feita uma distinção dos que entrarão em linha ou não. 4.4 Documento técnico O documento técnico, que reunirá todas as informações aqui citadas, também deverá estar vinculado ao software, inclusive, todo o seu preenchimento pode ser feito dentro dele, entretanto, é interessante que o documento final possa ser exportado, a fim de facilitar o compartilhamento dessas informações com outras áreas que não necessariamente estarão envolvidas no processo. As informações contidas neste documento são: (a) Nome do produto; (b) Data em que foi testado, neste caso o sistema pode informar automaticamente; (c) Código do fornecedor; (d) Aplicação recomendada; (e) Dimensões; (f) Acabamento; (g) Característica do produto; (h) Garantia; (i) Exclusividade; (j) Espaço destinado a questões complementares, se necessário. Grande parte dessas informações já consta no sistema e podem ser atualizadas automaticamente se houver ligação entre elas. As informações faltantes deverão ser preenchidas pelos departamentos responsáveis, para isso, deve-se assim que necessário, solicitar que o sistema envie um a estes profissionais para que atualizem o documento com as informações ausentes. Assim que o documento estiver completo será possível exportá-lo e divulgá-los aos demais interessados. O ideal é que o documento, assim que exportado, só possa ser modificado novamente pelo responsável pelo projeto. Os documentos incompletos que ficarão no sistema deverão ser destacados dos demais com outra cor, por exemplo. Isto facilita o entendimento e separação de quais produtos ainda faltam definição e quais já estão prontos para o cadastramento. 4.5 Gerenciamento de projetos simultâneos Além de todas as informações anteriores, é de extrema importância que o sistema permita o gerenciamento das informações referentes ao diferentes projetos solicitados simultaneamente. Para isso é necessário preencher os campos com as PAGE \* MERGEFORMAT 19

20 seguintes definições: (a) Nome do projeto e/ou produto; (b) Data de início; (c) Prioridade, definida por escala; (d) Tempo estimado, calculado de forma automática; (e) Tarefas/atividades, indicando o tempo previsto de cada uma; (f) Tempo executado, informando o tempo real em que a tarefa foi executada. O cálculo de tempo estimado será definido pela soma do tempo previsto para cada tarefa. Essa lista das tarefas a ser realizada deverá seguir uma ordem de execução e estar acompanhada do responsável por cada uma delas, além disso, ela deve ser flexível, a fim de permitir a inclusão ou retirada de alguma delas ao longo do processo. Ao lado do tempo previsto para cada tarefa deverá ser preenchido o tempo real de execução, é com base nele que será possível identificar o tempo real do projeto após o mesmo ser finalizado. O controle e visualização deste tempo são importantes para que projetos futuros possam ser organizados da melhor maneira, sabendo com mais precisão quanto tempo levará para ser concluído, com base no armazenamento dos tempos de projetos antigos. A prioridade de cada projeto será definida pela diretoria ou pelo superior do departamento. Neste campo será possível visualizar todos os demais projetos em andamento e assim, colocá-los em ordem de prioridade. Por fim, para melhor entendimento de todas as etapas definidas para o desenvolvimento de um projeto específico, recomenda-se que seja possível gerar um Gráfico de Gantt 10, que consiste na apresentação das etapas de um cronograma de forma visual. As tarefas pontuais listadas acima definem o modelo de gerenciamento proposto para a atividade de desenvolvimento de produtos exercida por um designer que atua internamente em pequenas e médias indústrias moveleiras e tem por objetivo auxiliar na estruturação de um novo departamento de design. As necessidades foram definidas e as tarefas foram identificadas, entretanto, para que o sistema realmente possa ser utilizado de forma eficiente, e Usado para ilustrar a ordem e o tempo previsto para diferentes etapas de um projeto. Os intervalos de HYPERLINK "http://pt.wikipedia.org/wiki/tempo" \o "Tempo" tempo são visualizados por meio de barras coloridas. PAGE \* MERGEFORMAT 20

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso Professor: Fernando Zaidan PROJETO - Elaboração de um projeto é de grande importância

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

CA Clarity PPM. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Clarity PPM. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DO PRODUTO CA Clarity PPM agility made possible O CA Clarity Project & Portfolio Management (CA Clarity PPM) o ajuda a inovar com agilidade, a transformar seu portfólio com confiança e a manter os

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos de controle ou gestão da qualidade de sistemas ERP ou MES X sistemas para automação e gestão de laboratórios LIMS e suas diferenças conceituais

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

Engenharia de Requisitos, Manutenção Corretiva e Acordo de Nível de Serviço.

Engenharia de Requisitos, Manutenção Corretiva e Acordo de Nível de Serviço. Engenharia de Requisitos, Manutenção Corretiva e Acordo de Nível de Serviço. Nilton Ferreira Caetano, Francinaldo de Paula Santos, Thiago Lopes de Godoi Barbosa Centro Universitário de Brasília (UNICEUB)

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA EMPRESA EM UM PLANO EXECUTÁVEL

CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA EMPRESA EM UM PLANO EXECUTÁVEL CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA EMPRESA EM UM PLANO EXECUTÁVEL SERVIÇOS PROFISSIONAIS DA MOTOROLA PARA OPERAÇÕES EMPRESARIAIS O DESAFIO NECESSIDADES URGENTE. TECNOLOGIAS MUTÁVEIS. SOLUÇÕES COMPLEXAS. A maioria

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações Ítalo Camilo da Silva Nogueira Faculdade Nossa Senhora Aparecida /GO - italocamilo@hotmail.com Karlla Junara Cintra Azambuja Soares

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA 1 PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA Florianópolis SC - 05/2015 Giovana Schuelter FabriCO Educare giovana.schuelter@fabrico.com.br Norton

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas Publicado em XXXXX Data: XX/XX/XXXX 1. Introdução É evidente a necessidade de interação

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO EPR 707 Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO O que é o PDP PDP é o processo de negócio que: Busca as especificações de projeto

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

Olá, Somos Ideatera - Studio Tecnológico

Olá, Somos Ideatera - Studio Tecnológico Olá, Somos Ideatera - Studio Tecnológico O parceiro certo para aumentar a produtividade, visibilidade e alcance de sua marca e/ou website! Breve descrição do que oferecemos: Web Analytics: Este serviço

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 8 Favor colocar

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira

Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores A sua empresa sabe como se preparar para as incertezas do futuro? Conheça

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais