A Saúde de São Paulo entra na era do bit!!!!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Saúde de São Paulo entra na era do bit!!!!"

Transcrição

1 A Saúde de São Paulo entra na era do bit!!!! Medeiros, Rogerio 1, Heloisa Helena A. Corral 2 1 Pós-graduando do Departamento de Informática em Saúde (DIS) da Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina (UNIFESP/EPM), 2 Coordenadora da Área de Implantação da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo SMS-SP. Resumo - O presente artigo apresenta o resumo da experiência dos autores no processo de implantação de sistema de Gestão, baseado em software livre - SIGA Saúde, na cidade de São Paulo. O artigo passa pelos diferentes modelos e técnicas de implantação e, as principais dificuldades encontradas nesse processo. Ainda de forma subliminar, evidencia como projetos cujo modelo e implantação seria um sucesso em qualquer organização privada, encontrou dificuldades para sua consolidação no setor público e, em especial da maior cidade do país. Palavras-chave: Gestão Informática Saúde; Implantação Sistemas Abstract - This article presents a summary of the author s experience in the process of implementation of the Management System, based on free software SIGA Saúde, in Sao Paulo city. The article discusses on the different models, and, on the different implementation techniques, and, on the main difficulties have found in this process. In a subliminal way; it gives evidence as projects, whose model and implementation would be a success in any private organization; has found difficulties for its consolidation in public organization and, in special, in the biggest city of the country. Key-words: Computer science Health administration; Systems implantation. Introdução Quando da nossa fase das carteiras escolares, qualquer processo de planejamento e desenvolvimento de sistemas, tem se mostrado fácil de realizar e implantar, enquanto empresa virtual ou de papel. Começamos este artigo desta forma, para deixar evidenciado que está foi uma fase doce, para não dizer ingênua. A cidade de São Paulo se encontra no grupo das 10 maiores cidades do mundo. Portanto, há de esperar, que falar em informatização e em especial na área de saúde, de um cenário totalmente high-tech, ou seja, de alta disponibilidade de equipamentos e sistemas de última geração, entretanto não é o caso de São Paulo. O cenário encontrado é exatamente o oposto. A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo SMS-SP, vem ao longo das últimas três ou quatro gestões, ou seja, 12 a 16 anos, com prioridades totalmente distintas daquelas que envolvam Tecnologia de Informação e Comunicação TIC. Isto não quer dizer que as prioridades estabelecidas nestas gestões estavam erradas, até porque, como não participamos à época da gestão, não temos elementos e propriedades para fundamentar uma discussão. Em 2005, o cenário apresentado a nós, contava com um parque tecnológico de aproximadamente 7000 microcomputadores, sendo que destes, podemos afirmar que 95% em obsolescência. Estamos falando de micros AT386 à Pentium II sendo estes últimos, somente de uso nos Gabinetes do Secretário e Assessores. Para falar do processo de informatização da SMS-SP, foram abordados dois focos fundamentais. O primeiro, voltado a infraestrutura tecnológica e, o segundo ao software. Em relação ao último, a opção da SMS-SP, foi pelo desenvolvimento de sistema que atendesse as suas necessidades, em especial, contemplasse o conjunto de sistemas obrigatórios para o DATASUS e Ministério da Saúde, até porque, estes são os agentes controladores e financiadores do SUS. Quadro Pessoal SMS-SP Categoria Qtdd Médicos Enfermeiros Auxiliar Enfermagem Outros Servidores Total Fonte: SMS-SP; mai/06

2 Para a realização deste trabalho, ou seja, o desenvolvimento e implantação de uma nova solução de gestão da SMS foi um processo que consumiu aproximadamente 3 anos, entre a especificação, desenvolvimento e, implementação, do SIGA Saúde. No quadro de servidores, fica evidente que o sistema deveria atingir e dar conta deste contingente populacional Consultas Básicas Internações Consultas Especializadas Atendimentos de Urgência Procedimentos de Baixa, Média e Alta Complexidade Fonte: SMS-SP ; Mai/06 Além do quadro de servidores, o sistema deveria ser capaz de atender a volumetria anual de transações, ou melhor, atendimentos realizados pela SMS-SP. Ao final de 2004, com o sistema em processo de homologação, já havia sido implantado em regime de piloto em 40 Unidades Básicas de Saúde UBS. Por conta deste cenário, foi estabelecido como Meta pelo gestor à época Secretário Municipal de Saúde, que ao final de 2005, precisamente em Outubro, o sistema deveria estar implantando em 460 UBS s. Diante deste contexto, foram desenvolvidas atividades voltadas a atingir a meta proposta, bem como assegurar a consolidação do sistema, ou seja, o fim da fase piloto. Metodologia Para a realização deste trabalho, primeiro procurou-se mapear a SMS-SP, portanto, número e distribuição das Unidades de Saúde existentes no município, estrutura administrativa e, definição da força de trabalho existente. Ainda como critério de mapeamento para implantação, adotou-se a divisão administrativa da SMS, composta por cinco Coordenadorias Regionais de Saúde, a saber; Norte, Sul, Leste, Sudeste e Centro-Oeste (Figura 1). Sob estas Coordenadorias, havia 24 Supervisões Técnicas de Saúde, 31 Supervisões de Vigilância à Saúde, 16 Ambulatórios de Especialidades e 384 UBS s. Além destas unidades, há também 193 unidades especializadas em: Atendimento em DST/AIDS, Saúde do Trabalhador, Centro de Convivência, Atendimentos Médicos Ambulatoriais, Centro de Apoio Psicosocial, Serviço de Atendimento Médico de Urgência, entre outras. Figura 1- Coordenadorias Regionais de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo O município de São Paulo, tinha como meta, o cadastramento do CNS Cartão Nacional Saúde, de 60% da população SUS dependente, definida pelo MS. Isto equivale a uma população de aproximadamente O SIGA Saúde, foi desenvolvido contemplando os seguintes módulos: a) Cadastro Usuários cadastro do Cartão Nacional de Saúde; b) CMES Cadastro Municipal dos Estabelecimentos de Saúde; c) Agenda Local Agenda dos atendimentos na Unidade de Saúde; d) Agenda Regulada Agenda entre Unidades de Saúde Regulação do acesso em função da complexidade; e) APAC Autorização de Procedimentos de Alta Complexidade f) Atendimento Registro e histórico do atendimento prestado aos pacientes, portanto, embrião de projeto de prontuário eletrônico do paciente; g) Outras funcionalidades como, Perfil de Acesso; Central Marcação Consultas, etc... Para a implantação do SIGA Saúde, a equipe de técnico da SMS era composta de 12 profissionais que, tinham como papel e/ou função de gestores e coordenadores do processo de implantação. Quanto ao controle e acompanhamento do processo de implantação, foi elaborada uma planilha contendo pontos que deveriam ser

3 observados ao longo do processo, bem como, a evolução do mesmo, numa escala de tempo, de forma a prever o cumprimento da meta estabelecida. Este instrumento, ainda que de forma diminuta, permitiria a execução de monitoramento, semelhante aos propostos pelos cursos de PMBOK (PMI). A SMS contava também, com a parceria de quatro empresas: a Associação Saúde da Família, responsável por suprir a mão de obra de treinamento e implantação; a Atech, empresa responsável pelo desenvolvimento e ajustes do sistema (programa); a Cobra Tecnologia, empresa responsável pelo provimento da infraestrutura (hardware e link s) e a PRODAM, empresa de processamento de dados do município de São Paulo, responsável pela papel de hosting, treinamento e, suporte a infraestrutura. Estas empresas em conjunto com a equipe interna da SMS-SP, foram divididas em grupos de trabalho por região. A idéia básica, foi de criar representantes por região que, facilitaria o processo de conhecimento e delineamento da região, bem como, criar um elo de comunicação fixo e conhecido entre a região e a SMS. Estas equipes possuíam um roteiro de visita diária as UBS, visando à implantação do sistema e, portanto, suporte e treinamento in loco, com mapeamento das barreiras de entrada e/ou oportunidades de utilização por parte da unidade. Foi definido que, deveriam promover a implantação dos módulos básicos (CNS, CMES, Agenda Local). A partir do instante que estes módulos estivessem implantados e consolidados, seria realizada uma nova rodada de implantação, portanto, ampliação para os módulos e/ou funcionalidades. Os resultados, que adiante serão apresentados, correspondem a este foco de implantação, isto porque, a fase piloto não teve sucesso esperado com a implantação completa. Como solução, o SIGA Saúde esta baseada em Web, portanto, foi definido também que cada UBS, receberia para operar o sistema, além do treinamento, um kit mínimo de equipamentos, composto em média por: 8 thin Client; 3 leitoras ópticas (CNS Código Barra); 2 impressoras laser; Estes equipamentos, uma vez instalados, representariam um incremento ao parque atual da SMS de aproximadamente 4000 máquinas, ou seja, um aumento de 60%. A opção de uso de Thin Client, adotado pela SMS, considerou dentre vários fatores, o valor médio do equipamento, o custo de implantação e manutenção e, ainda que seja um absurdo considerar mas é um variável presente no cotidiano das UBS s, o número de roubo de equipamentos. Foram também realizadas entrevistas, não estruturada, com os servidores e, pacientes das UBS s., para avaliar o reflexo do sistema para a gestão da unidade e, atendimento dos pacientes. Resultados A primeira resposta é que, Sim, conseguimos implantar o sistema; Sim, ainda tem muito por fazer; Sim, ainda há erros no programa; Sim, ele já esta produzindo resultados interessantes, alguns mensuráveis e outros, nem tanto, dado o valor qualitativo da informação. Inicialmente, destacamos que, o processo de eleger somente os módulos principais para implantação foi significativo, dado que, o cenário encontrado, ou seja, aproximadamente 90% dos servidores, não possuíam conhecimento de informática e, portanto, muitas funções informatizadas ainda não tinham valor a atividade diária destes profissionais, associada à dificuldade de operação do sistema. Para ilustrar a afirmação acima, ainda que hoje seja tratado como anedota nos corredores da SMS, mas o fato é que, muitos dos usuários sequer jamais haviam acessado a Internet e, muito menos utilizado um mouse. Esta dificuldade, foi constatada que muitos técnicos após treinamento realizado na PRODAM, não conseguiam aplicar o aprendizado no dia seguinte ao término do curso. Como alternativa de solução, iniciou um processo de treinamento in loco, modernamente, chamado de treinamento in company, com as equipes de multiplicadores dos servidores da SMS. Aqui, merece destacar que foi o pontapé inicial da inclusão digital dos servidores da SMS-SP, em especial os de linha de frente no atendimento direto ao usuário. De forma complementar, articulou-se a montagem de uma força tarefa com, a contratação de 300 estagiários (estudantes de ciência da computação), para realizar a atividade de facilitadores desse processo de aprendizado (cujo detalhe, e resultados estão contidos em artigo específico) Base CNS de São Paulo Inicial Migração Novos Cadastros Fases Gráfico 1- Taxa de Cadastramento do CNS, via SIGA Saúde Base Atual Detendo-nos aos módulos implantados, a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde - cadastramento CNS, foi atingida, à medida que,

4 foram unificados os cadastros municipais de tal sorte que, quando um usuário comparecesse a uma UBS, ele teria apenas com a confirmação de seus dados e, retirar o CNS que seria emitido na hora. Ainda de forma complementar, novos cadastros era feitos mensalmente (Tabela 1), em virtude de pessoas não localizadas nos cadastros municipais e/ou invasão de municípios vizinhos, visto que, São Paulo é referência para o Brasil. A taxa média de crescimento do cadastramento foi da ordem de 130% ao mês (Gráfico 1). nº de nº de usuários Cadastrados Cadastros de usuários Mês/Ano atualizados jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ Total Tabela 1 - Número de CNS cadastrados no SIGA - SMS-SP Fonte: SMS-SP - Mai/06 - Base PRODAM (SIGA) Outro ponto de destaque em relação a este sucesso do cadastramento foi o apelo mercadológico, ou seja, o usuário possuiria a partir daquele instante um cartão que garantiria o acesso aos serviços de saúde, bem como, medicação gratuita. Em alguns casos, o CNS se tornou o único documento que o usuário possuía, ou seja, este documento era e é mal comparando, mais importante que ter endereço, RG, etc... Mês/Ano Qtdd Tx Cresc fev/ mar/ ,7 abr/ ,1 jun/ ,6 jul/ ,6 ago/ ,4 set/ ,6 out/ ,4 nov/ ,3 dez/ ,0 jan/ ,4 fev/ ,7 mar/ ,7 abr/ ,6 mai/ ,5 Tabela 2 Número de Agendas Programadas Mês Fonte: SMS-SP; mai/06 O segundo módulo a nosso ver, fundamental a estratégia da implantação do SIGA Saúde, é a Agenda Local. Em a UBS, realizando a programação, ou melhor, o agendamento dos horários de atendimento dos profissionais de sua unidade e, por conseguinte, a marcação dos pacientes em horários conhecidos, resultaria num dos benefícios mais desejados pela população e, desta forma o fim das filas. Além destes resultados junto aos usuários, outro benefício, no nível central, é que seria possível acompanhar a produtividade da unidade; a assiduidade dos profissionais; a avaliação da necessidade de aumento de quadro de profissionais e/ou redistribuição dos horários de atendimento, enfim, um mundo de oportunidades e, melhoria na gestão da saúde municipal. Como pode ser observada na Tabela 2, a taxa de crescimento do número de agendas programadas, é surpreendente. Estamos falando de uma taxa média de 132%, nos últimos 12 meses (Gráfico 2). Sem dúvida esta muito aquém do desejado, ou seja, 100% das agendas estarem registradas no sistema, mas considerando um cenário como o da cidade de São Paulo, que sai do AT386 para Thin Client, isto é fascinante. Quando São Paulo atingir os 10 milhões de agendas, acreditamos que, seja bem provável que o problema da saúde pública municipal não esteja na falta de oferta de profissionais e serviços e, sim na distribuição destes

5 Qtdd Taxa Crescimento de Agendas UBS cruzamentos nos permite inferir que os ganhos relacionados à fraudes praticadas pelos prestadores, estão com seus dias contados para terminar Solicitações de APAC Meses Gráfico 2 Taxa crescimento de Agendas realizadas nas UBS s No foco da SMS, o módulo APAC, não estava na linha de frente das equipes de implantação. Entretanto, o departamento responsável pela emissão de APAC Autorização de Procedimento de Alta Complexidade (Tabela 3) entendeu que a ferramenta agregaria em ganhos operacionais as suas atividades, bem como, com a rede conveniada ao SUS que, dependia desta autorização prévia para realização de um procedimento e, portanto, para ter garantido o pagamento do procedimento. Mês/Ano SIGA Saúde Método Tradicional Papel jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ Total Tabela 3- Número de APAC s emitidas, via SIGA Saúde e, Papel - Fonte: SMS-SP; mai/06 A partir do momento que começaram a implantar a operação eletrônica de solicitação e autorização de APAC via SIGA Saúde, além do ganho de tempo na operacionalização, foi percebida também, ganhos nos controles dos procedimentos autorizados, ou seja, o sistema já tinha por de trás de seu programa, consistência de pedidos em duplicidade ou, em desacordo com o permitido pelo SUS, etc... Estes Qtdd jan/05 mar/05 mai/05 jul/05 SIGA Saúde set/05 Meses nov/05 jan/06 mar/06 mai/06 Método Tradicional Papel Gráfico 3- Número de APAC s solicitadas via SIGA e Método tradicional Das questões colocadas inicialmente e, portanto, ainda resultados de processo de implantação merece destacar que, a opção dos Thin Client, considerando a variável roubo, foi acertada. Durante o ano de 2005, há registro de apenas 25 equipamentos, o que, no conjunto e história pregressa da SMS, é um excelente resultado. Com relação aos usuários finais, nas entrevistas não estruturadas, excetuando a fase de implantação do sistema e, que havia uma lentidão por conta do balanceamento do sistema e banco de dados, os usuários tem tido percepção positiva. A leitura deles se baseia na associação de que a tecnologia trás consigo, a melhoria e o progresso, portanto, transfere ao ambiente UBS, um ar de organização e eficiência para com a população. Sem dúvida o processo de implantação do SIGA Saúde, não foi tão simples e eficiente como apresentamos acima. Há inúmeros problemas e erros, muitos dos quais, além de terem sido solucionados, gerou um excelente curva de aprendizado para toda a equipe da SMS-SP. Para ilustrar, poderíamos mencionar que um dos fornecedores de serviços, teve o seu pagamento suspenso ao longo do ano, por ter cumprido o contratado. Este fato, ocasionou um atraso no processo de implantação, portanto, prejudicando a implantação em 100% das unidades, com 100% da infra-estrutura contratada. Outro exemplo podemos citar a contratação de links (ADSL/Frame Relay). A cidade de São Paulo ainda não conseguiu levar acesso a Internet via banda larga a muitos pontos. Isto não é um privilégio exclusivo da SMS. Este é um problema estrutural da cidade que teve sua urbanização mal planejada.

6 Discussão e Conclusões Quando partimos para implantação de qualquer ERP, em geral, utilizamos a metodologia clássica ensinada nos bancos escolares. No caso da SMS-SP, esta formula não foi possível, porém o resultado, em nossa opinião, foi tão bom quanto. Os pontos de aprendizado e, portanto, comuns a qualquer implantação, podem facilmente ser percebidos, tanto nos relatos acima, como nos pontos que iremos abordar neste momento. O aprendizado e pontos de atenção da gestão do projeto foram: Tempo registrar e acompanhar todas as fases do projeto, de tal sorte que, a cada check point seria possível ajustar a rota traçada. Um bom exemplo é o número de unidades informatizadas. A meta inicial de 460 unidades, atingimos um total de 440, portanto, uma performance de 96%; Riscos alto índice de turn over da equipe de técnicos e estagiários, além é claro, dos servidores nas unidades. Foram treinados ao longo do processo, direta e indiretamente, aproximadamente pessoas; Outro destaque, é o processo de comunicação moroso, pois nem todas unidades utilizavam , ainda que para todos estavam disponível; Pessoas a contratação de uma equipe de surpevisores para as regiões; reuniões mensais com as regiões para check point; contratação dos 300 estagiários; contratação de 360 técnicos de suporte a microinformática; permite-nos afirmar que foram fundamentais no atingimento dos resultados que alcançamos; Recursos - terceirização dos serviços de implantação aquisição de software, rede lógica e física; link s de comunicação e Help Desk, não foi o melhor modelo, pois a atividade não estava centralizada. Aprendemos, portanto, uma única operadora para o município ou no máximo um por região, poderá fazer a diferença na excelência do atendimento e suporte as unidades; Etc... Como próximos passos, a nossa sugestão;e revisitar todo o planejamento inicial e, reforçar o treinamento e comunicação das unidades. Em nossa percepção, ainda há atividades não padronizadas sob o mesmo sistema. Os anos de 2006 e 2007 deveriam reforçar a implantação dos módulos básicos, portanto, assegurar a estabilidade dos bits!!!!! Para o biênio 2007/2008, uma nova equipe deveria entrar em paralelo com atual, para iniciar o processo de implementação dos demais módulos do sistema e, portanto, entrarmos na era do bite. Agradecimentos A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, em especial ao Dr Cláudio Giulliano, pela liberação dos dados e autorização para publicação e, a todos os colaboradores que de alguma forma, direta ou indiretamente, participaram deste processo de implantação. Referências [1] Planilhas com indicadores de produtividade do Sistema SIGA Saúde da, Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo; Mai/06; [2] Base dados da PRODAM Sistema SIGA Saúde; Mai/06 Contato Rogerio Medeiros Sociólogo, Mestre em Administração em Empresas PUC-SP; r Joaquim Maciel Filho, 53, Jd Londrina São Paulo SP ; Fone ; e- mail:

A importância dos estagiários na implantação do sistema de informação da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo.

A importância dos estagiários na implantação do sistema de informação da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. A importância dos estagiários na implantação do sistema de informação da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. Medeiros, Rogerio 1, Silva, Luzia Conceição 2 1 Pós-graduando do Departamento de Informática

Leia mais

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP)

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Sistemas de Informação em Saúde Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de

Leia mais

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP?

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Projeto de Informatização Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria Técnica

Leia mais

Telebrasil 2006. TeleComunicações para a Inclusão Social. Prefeitura Municipal de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde (SMS-SP)

Telebrasil 2006. TeleComunicações para a Inclusão Social. Prefeitura Municipal de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde (SMS-SP) Telebrasil 2006 PANORAMA DA REGULAÇÃO SMS-SP Diagnóstico Não possui dados sistematizados; TeleComunicações para a Inclusão Social não existe uma uniformidade nas ações; as atividades da área, não estão

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria

Leia mais

Módulo Autorizador de Procedimentos

Módulo Autorizador de Procedimentos Módulo Autorizador de Procedimentos Lucia Beatriz de A. L. Alves, César O. Polachini, Miguel L. E. Montania Atech Tecnologias Críticas, São Paulo, SP Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, São Paulo,

Leia mais

SISAB SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE E ATENÇÃO BÁSICA

SISAB SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE E ATENÇÃO BÁSICA Manual Prático Resumido de Instalação, Configuração e Uso dos Sistemas e-sus CDS (Coleta de Dados Simplificado), e-sus PEC (Prontuário Eletrônico do Cidadão) e e-sus PEC Centralizador (Centralizador de

Leia mais

PJe-Processo Judicial Eletrônico. Gestão 2013/2015. Ministro Carlos Alberto Reis de Paula

PJe-Processo Judicial Eletrônico. Gestão 2013/2015. Ministro Carlos Alberto Reis de Paula PJe-Processo Judicial Eletrônico Gestão 2013/2015. Ministro Carlos Alberto Reis de Paula Agenda 1 O PJe no Brasil 2 Desafios 3 4 Ações Estruturantes Próximos Passos Os números do PJe no Brasil Número de

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS Março/2014 V 1.1 REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO

Leia mais

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas.

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. BENATO, L. Informática dos Municípios Associados (IMA) Resumo Campinas-SP conta com mais de 1 milhão de usuários do SUS, incluindo os munícipes de Campinas

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Compras de Software do Governo. eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br

Compras de Software do Governo. eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Compras de Software do Governo eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Modelos de Negócios O que você vende? Qual é o modelo de negócios da sua empresa? Quanto você está faturando?

Leia mais

A REESTRUTURAÇÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES NA ASSISTÊNCIA À SAÚDE EM CONTAGEM DE 2005 A 2008.

A REESTRUTURAÇÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES NA ASSISTÊNCIA À SAÚDE EM CONTAGEM DE 2005 A 2008. 1 A REESTRUTURAÇÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES NA ASSISTÊNCIA À SAÚDE EM CONTAGEM DE 2005 A 2008. O trabalho consistiu na criação de um plano de ação para aumentar o percentual de acompanhamento

Leia mais

SIGA Saúde. Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde. Manual operacional. Módulo Agenda Agendamento Local

SIGA Saúde. Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde. Manual operacional. Módulo Agenda Agendamento Local SIGA Saúde Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde Manual operacional Módulo Agenda Agendamento Local Sumário Introdução... 3 Agendamento... 4 Pesquisa de vagas... 5 Perfil de Agenda... 6 Dados

Leia mais

Especificação do KAPP-PPCP

Especificação do KAPP-PPCP Especificação do KAPP-PPCP 1. ESTRUTURA DO SISTEMA... 4 1.1. Concepção... 4 2. FUNCIONALIDADE E MODO DE OPERAÇÃO... 5 3. TECNOLOGIA... 7 4. INTEGRAÇÃO E MIGRAÇÃO DE OUTROS SISTEMAS... 8 5. TELAS E RELATÓRIOS

Leia mais

ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Secretaria Municipal da Saúde, visando a modernização da gestão, investiu na implantação de um Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde,

Leia mais

Informática 11. INFORMÁTICA

Informática 11. INFORMÁTICA INFORMATICA 11. INFORMÁTICA A UINFOR Unidade organizacional de no campus de Vitória da Conquista, juntamente com as coordenações setoriais de informática dos campi de Jequié e Itapetinga, representa uma

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Projeto de Expansão do Cartão Nacional de Saúde. Veralice Gonçalves Gilson Fraga Guimarães

Projeto de Expansão do Cartão Nacional de Saúde. Veralice Gonçalves Gilson Fraga Guimarães Projeto de Expansão do Cartão Nacional de Saúde Veralice Gonçalves Gilson Fraga Guimarães Histórico do Cadastramento Portaria GM/MS 17, de 4 de janeiro de 2001 Fase de cadastramento de 2001 a 2003 Cadastro

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO A Secretaria Municipal da Saúde, gestora do Sistema Único de Saúde no Município, é responsável pela formulação e implantação de políticas, programas e projetos

Leia mais

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Tecnologia da Informação CAASP DIS Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Introdução...03 Projetos e Fatos Relevantes 2008...03 Raio X de Investimentos e Custos...10 Considerações

Leia mais

CGSI/DRAC/SAS/MS SISRCA

CGSI/DRAC/SAS/MS SISRCA Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Sistemas de Informação CGSI/DRAC/SAS/MS SISRCA - Sistema de Regulação,

Leia mais

CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS

CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS Maria Leila Casagrande Angeliki Natsoulis Cestari Ana Paula P. Delfino Motta II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 32: Qualidade do gasto público

Leia mais

MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL

MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL Manual de Procedimentos - SISPREV WEB MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL 1/15 O treinamento com o Manual de Procedimentos É com muita satisfação que a Agenda Assessoria prepara este manual para você que trabalha

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS O sistema GSUS é uma aplicação WEB para gestão operacional da assistência de saúde executada a nível hospitalar ou ambulatorial, tendo como foco

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos.

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos. CONHEÇA A VALECARD Soluções completas e integradas para a gestão de benefícios, gestão financeira e de frotas. Cartões aceitos em todo território nacional, por meio da Redecard, Cielo e ValeNet, o que

Leia mais

Análise de dados e uso da informação no SUS

Análise de dados e uso da informação no SUS Análise de dados e uso da informação no SUS Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo E-mail : cgcosta@prefeitura.sp.gov.br ou claudio.giulliano@gmail.com

Leia mais

Programa de Inclusão Digital dos Conselhos de Saúde. O que é. Objetivo. Como se estrutura

Programa de Inclusão Digital dos Conselhos de Saúde. O que é. Objetivo. Como se estrutura MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA/SGEP CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE/CNS Programa de Inclusão Digital dos Conselhos de Saúde O que é O Programa de Inclusão Digital dos Conselhos

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

Soluções em TI ao alcance de todos

Soluções em TI ao alcance de todos Você sabia que a sua prefeitura, independentemente do tamanho, pode ser beneficiada com o uso de mais de 50 aplicações que fazem parte do Portal do Software Público Brasileiro? Soluções em TI ao alcance

Leia mais

Pompeia Santana Ipiranga

Pompeia Santana Ipiranga Pompeia Santana Ipiranga Apresentação dos Resultados Gerenciamento de Leitos Gerenciamento de leitos Significa buscar a utilização dos leitos disponíveis em sua capacidade máxima dentro dos critérios

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

aumentar a arrecadação?

aumentar a arrecadação? Como aumentar a arrecadação? Como economizar recursos públicos? Como modernizar a Gestão Pública? Como oferecer melhores serviços ao cidadão? Melhoria da Gestão com o uso de Tecnologia da Informação Melhore

Leia mais

GSUS Sistema de Gestão da Assistência de Saúde do SUS

GSUS Sistema de Gestão da Assistência de Saúde do SUS GSUS Sistema de Gestão da Assistência de Saúde do SUS Sigla do Sistema: GSUS Nome do Sistema: Sistema de Gestão da Assistência de Saúde do SUS Responsável pelo Projeto: Antonio Francisco Peixoto Baptista

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

A Modernização Tecnológica no Setor Público: a experiência de cooperação

A Modernização Tecnológica no Setor Público: a experiência de cooperação A Modernização Tecnológica no Setor Público: a experiência de cooperação Clarice Stella Porciuncula 1 Analista de Sistemas da PUC-RS Especialista em Sistemas de Informação e Telemática na UFRGS Analista

Leia mais

Missão dada pelo Prefeito

Missão dada pelo Prefeito Paradigmas AÇÕES SETOR PÚBLICO Direcionadas de acordo com o que é determinado ou autorizado por lei SETOR PRIVADO Direcionadas de acordo com o que não é proibido por lei PESSOAS Instabilidade da Gerência

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

CASE - Implantação de Gestão de Projetos com Software Colaborativo

CASE - Implantação de Gestão de Projetos com Software Colaborativo CASE - Implantação de Gestão de Projetos com Software Colaborativo Alcides Pietro, PMP 1 Objetivos da Palestra Divulgar o caso Principais Passos Principais Decisões Principais Resultados Servir de exemplo

Leia mais

Nova Plataforma Tecnológica. Barramento/Cartão SUS. XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO 05 a 08 de Março de 2013

Nova Plataforma Tecnológica. Barramento/Cartão SUS. XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO 05 a 08 de Março de 2013 Nova Plataforma Tecnológica A construção atual feita pelo DATASUS: Barramento/Cartão SUS XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO 05 a 08 de Março de 2013 Principais ações

Leia mais

GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO

GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO 1. Introdução O Sistema de Inventário CACIC foi desenvolvido pela DATAPREV [1] e registrado como software livre no INPI [2] no mês de maio de 2005. Em função dos 6 meses de existência da Comunidade CACIC

Leia mais

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS)

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Debates GVSaúde Acreditação Operadoras de Planos de Saúde Helton Marcondes Coordenação de Processos e Qualidade - GEPP Roteiro Unimed-BH em Números;

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios à população. Quando usada de maneira saudável e inteligente, auxilia na

Leia mais

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO Tipo: 1 - Finalístico Programa: 5224 - NÚCLEO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO Objetivo: CRIAR UM NÚCLEO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPAZ DE MAPEAR, CATEGORIZAR, ORGANIZAR E DISTRIBUIR INFORMAÇÕES PARA OS DIVERSOS

Leia mais

SBIS 2012 Relato de Experiência Organização, Política, Economia e Gestão em Saúde

SBIS 2012 Relato de Experiência Organização, Política, Economia e Gestão em Saúde AMG SIGA Cadastro e Acompanhamento de Portadores de Diabetes mellitus em SMS SP Autores: Ilkiu S(1); Corral H H A (2); Solera A(2); Lima M O (2) (1) Atenção Básica Programa AMG (2) - Assessoria Técnica

Leia mais

Gestão de Serviços Remotos

Gestão de Serviços Remotos Gestão de Serviços Remotos Leonardo Duarte e Alfredo Filho Co-located with: Agenda A Coelce Descrição Vantagens O Processo Fluxo de Comunicação Passos da Implantação Principais Problemas Principais Benefícios

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DO INSS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DO INSS A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DO INSS Visão estratégica do Governo Federal Inclusão Social No contexto da Previdência Social, inclusão se reflete em dois aspectos: Fortalecimento do diálogo social, com

Leia mais

Estabelecer a sistemática para controle de acesso e proteção de dados do sistema SMART e INTRANET através de usuário e senha.

Estabelecer a sistemática para controle de acesso e proteção de dados do sistema SMART e INTRANET através de usuário e senha. 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para controle de acesso e proteção de dados do sistema SMART e INTRANET através de usuário e senha. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO Service Desk é um sistema desenvolvido

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS Aprovado através da Resolução nº 06/CMS/2010, de 09 de março de 2010, Ananindeua PA Capítulo I DO CADASTRAMENTO

Leia mais

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS 6º FÓRUM NACIONAL DE ESTRATÉGIA NA PRÁTICA & GESTÃO POR PROCESSOS Conteúdo da Apresentação Modelo de Gestão de Porto Alegre Alinhamento Planejamento Estratégico e Orçamento

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Agendamento Regulado Unidades Solicitantes Manual de Operação

Leia mais

11.253.503. 3.100.000 Contribuintes. São Paulo em Números 60.000 200.000. 70.000 Logradouros Públicos. 2.000.000 Lotes. Quadras.

11.253.503. 3.100.000 Contribuintes. São Paulo em Números 60.000 200.000. 70.000 Logradouros Públicos. 2.000.000 Lotes. Quadras. São Paulo em Números 3.100.000 Contribuintes 2.000.000 Lotes 25 Secretarias 1.530 km 2 Área Municipal 96 Distritos 31 Subprefeituras 34 Autarquias, Empresas e outros 11.253.503 Habitantes 60.000 Quadras

Leia mais

Experiência: Implantação da Política de Materiais

Experiência: Implantação da Política de Materiais Experiência: Implantação da Política de Materiais Nome da Instituição: Grupo Hospitalar Conceição Nome do Responsável: Delson Luiz Martini Cargo : Diretor Administrativo e Financeiro GHC Endereço: Rua

Leia mais

Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE

Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE Belo Horizonte Pop. estimada: 2.375.151 hab. (estimativas IBGE 2010) Informatização da Rede

Leia mais

Controle e Venda com o PN Consig O MERCADO

Controle e Venda com o PN Consig O MERCADO O MERCADO Controle e Venda com o PN Consig Mais de 40 milhões de consumidores Deste mercado, estima-se que 58% já realizaram no mínimo uma operação de crédito com desconto consignado. COMO CONTROLAR E

Leia mais

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança.

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda Managed Office Protection É fato, tanto pequenas e médias e grandes empresas enfrentam os mesmos riscos

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes 2013

Gerenciamento de Incidentes 2013 Descrição do Gerenciamento de Incidentes: Níveis de : Técnico º nível: ServiceDesk, análise inicial através do Sistema GLPI, Categorização do Chamado Incidente ou Incidente Grave / Requisição, Verificação

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Relatório de Gestão 2011 GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA UTFPR A Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação (DIRGTI) é responsável pelas atividades

Leia mais

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO Universidade Corporativa Ministério da Fazenda Responsável: Margareth Alves de Almeida - Chefe

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento das comunicações

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento das comunicações PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES COMMUNICATIONS MANAGEMENT PLAN Preparado por Tarcísio Viana Tavares Membro do time Versão 2 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do

Leia mais

10.000.000,00 9.154.690,15 9.000.000,00 8.000.000,00 7.195.564,56

10.000.000,00 9.154.690,15 9.000.000,00 8.000.000,00 7.195.564,56 10.000.000,00 9.154.690,15 9.000.000,00 8.543.230,16 8.000.000,00 7.195.564,56 7.000.000,00 6.000.000,00 5.000.000,00 4.000.000,00 3.000.000,00 2.000.000,00 1.000.000,00 0,00 1.959.125,59 1.347.665,60

Leia mais

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação.

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. IGS INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO Ciclo 2012 Case: Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. A. A OPORTUNIDADE A.1. Qual foi a oportunidade de

Leia mais

Sumário. Antecedentes legais. Atividades relevantes. O que é o SIGAP. Estrutura simplificada do SIGAP. Principais benefícios

Sumário. Antecedentes legais. Atividades relevantes. O que é o SIGAP. Estrutura simplificada do SIGAP. Principais benefícios Sumário Antecedentes legais Atividades relevantes O que é o SIGAP Relevância do SIGAP para o acompanhamento de projetos Estrutura simplificada do SIGAP Principais benefícios Atividades em desenvolvimento

Leia mais

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6.1 Introdução Esse capítulo tem o objetivo de descrever todos os ganhos observados após a implantação do

Leia mais

NORMA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA

NORMA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 13 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. PADRONIZAÇÃO DOS RECURSOS DE T.I. 4 5. AQUISIÇÃO

Leia mais

AME. Levando mais saúde para o cidadão. Junho 2009. PROCERGS - Centro de Soluções em Governo Eletrônico. Prêmio CONIP de Excelência

AME. Levando mais saúde para o cidadão. Junho 2009. PROCERGS - Centro de Soluções em Governo Eletrônico. Prêmio CONIP de Excelência PROCERGS - Centro de Soluções em Governo Eletrônico AME Levando mais saúde para o cidadão Prêmio CONIP de Excelência Categoria: Administração Pública Eficiente e Eficaz - Aplicações Voltadas para o Cidadão

Leia mais

Levantamento de Requisitos de Software. Sistema Integrado de ATendimento (SIAT)

Levantamento de Requisitos de Software. Sistema Integrado de ATendimento (SIAT) Levantamento de Requisitos de Software Sistema Integrado de ATendimento (SIAT) o 1. Técnicas Levantamento de Requisitos 3 1.1 Levantamento Orientado a Ponto de Vista-----------------------------------------------

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA ADMINISTRATIVA DO INSTITUTO EMATER - REGIÃO DE CORNÉLIO PROCÓPIO

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA ADMINISTRATIVA DO INSTITUTO EMATER - REGIÃO DE CORNÉLIO PROCÓPIO CONCURSO: PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL EXTENSIONISTA GESTÃO PARA RESULTADOS. RECONHECIMENTO CATEGORIA: INOVAÇÃO EM PROCESSOS ADMINISTRATIVOS AUTOR: VALDIMIR DE JESUS PASSOS CO-AUTOR PRINCIPAL: WANDER ADRIANO

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

Resultados Alcançados

Resultados Alcançados Resultados Alcançados Planejamento de TI 2008 Acompanhamento da DIRTI Janeiro 28/Jan Realizar o Planejamento da 1ª Projeto Básico DIRTI 2008-2010 DIR_P040 Acompanhamento da DIRTI Fevereiro 13/Fev Adoção

Leia mais

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento Roland Artur Salaar Junior Companhia Paulista

Leia mais

Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015)

Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015) Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015) Secretária Executiva Dezembro de 2015 Resultado da Gestão Janeiro à Dezembro de 2015 Gestão Voltada para Resultados Secretaria Executiva Z Resultado da Gestão Janeiro

Leia mais

Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM

Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Responsável: Juliana Monteiro da Cruz, Gerente de Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DE ATIVIDADES. 2013 Campus XXXXXXX

RELATÓRIO DESCRITIVO DE ATIVIDADES. 2013 Campus XXXXXXX 1 RELATÓRIO DESCRITIVO DE ATIVIDADES 2013 Campus 2 1. CAMPUS 2012. Oferta de 600 vagas, com captação de beneficiários iniciada em 2011 e finalizada em Ações e etapas propostas Para o período de 07 (sete)

Leia mais

DHCP com IP Amarrado ao MAC e Filtro de MAC nos Switches

DHCP com IP Amarrado ao MAC e Filtro de MAC nos Switches DHCP com IP Amarrado ao MAC e Filtro de MAC nos Switches Ricardo Boamorte Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo A estrutura

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV 1. Identificação do proponente Nome: Moeses Andrigo Danner Vínculo com a instituição: Docente permanente

Leia mais

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO 1 - Descrição do Plano de Gerenciamento detempo (PMBOK) O gerenciamento de tempo do projeto inclui os processos necessários para realizar o término do projeto no prazo.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL MANUAL PARA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE BUCAL DO SUS PORTO ALEGRE Julho 2007 1- APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

BH PARK Software de Estacionamento

BH PARK Software de Estacionamento BH PARK Software de Estacionamento WWW.ASASSOFTWARES.COM.BR Índice 1 Informações Básicas... 1 1.1 Sair da aplicação... 1 1.2 Travar aplicação... 1 1.3 Licenciando a aplicação... 1 1.4 Contrato de Manutenção...

Leia mais

INFORMÁTIC INFORMÁ TIC INFORMÁTICA

INFORMÁTIC INFORMÁ TIC INFORMÁTICA NFORM Infra-estrutura Administrativa e Operacional da Área de Informática da UESB 9.2 A UINFOR está organizada em quatro áreas de trabalho: 9.2.1 Desenvolvimento de Sistemas: Esta área é a responsável

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO N 62/CSJT.GP.SG, DE 22 DE MARÇO DE 2012

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO N 62/CSJT.GP.SG, DE 22 DE MARÇO DE 2012 CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO N 62/CSJT.GP.SG, DE 22 DE MARÇO DE 2012 Aprova o cronograma das atividades relacionadas à implantação do Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho

Leia mais

MANUAL SIGA-SAÚDE CMES CADASTRO AGENDA LOCAL. Núcleo Educacional PRODAM e Secretaria Municipal de Saúde

MANUAL SIGA-SAÚDE CMES CADASTRO AGENDA LOCAL. Núcleo Educacional PRODAM e Secretaria Municipal de Saúde PORTAL SAÚDE MANUAL SIGA-SAÚDE CMES CADASTRO AGENDA LOCAL Obra redigida e organizada por: Núcleo Educacional PRODAM e Secretaria Municipal de Saúde Versão 4.0 Abril/2010 Todos os nomes de produtos referenciados

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS

Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Comissão Nacional de Ética em Pesquisa 256ª Reunião Ordinária CNS Jorge Alves de Almeida Venancio 09/04/2014

Leia mais

DIRETORIA DE SAÚDE GABINETE

DIRETORIA DE SAÚDE GABINETE 1 DIRETORIA DE SAÚDE GABINETE ORDEM DE SERVIÇO 9.3/2010 Dispõe sobre a utilização da Leitora do Cartão Magnético do IPE Saúde (PIN PAD) O DIRETOR DE SAÚDE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRONIM, IMPLANTAÇÃO SQL SERVER GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA Cliente GOVBR, UEM-MARINGA / Prefeitura Municipal de PEROLA Data 10/09/2015 Versão 1.0 Objeto:

Leia mais

VISÃO GERAL POR QUE ADQUIRIR A SOLUÇÃO SCOLA? CATÁLOGO D ESCRITIVO

VISÃO GERAL POR QUE ADQUIRIR A SOLUÇÃO SCOLA? CATÁLOGO D ESCRITIVO CATÁLOGO D ESCRITIVO VISÃO GERAL A solução SCOLA (Sistema de Controle Laboratorial) é um sistema de gestão de alto nível voltado para Laboratórios de Análises Clinicas, que controla desde o atendimento

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2009 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2009 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Tecnologia da Informação CAASP DIS Relatório Anuário 2009 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Introdução... 03 Projetos e Fatos Relevantes 2009... 03 Raio X de Investimentos e Custos... 09 Considerações

Leia mais

NORMA ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I.

NORMA ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I. ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I. Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 8 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I. 4 4.1. Diretrizes:

Leia mais