NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA AGENTE ADMINISTRATIVO DA POLÍCIA FEDERAL AULA 01 PROF. BRUNO DAVANTEL AULA 01

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA AGENTE ADMINISTRATIVO DA POLÍCIA FEDERAL AULA 01 PROF. BRUNO DAVANTEL AULA 01"

Transcrição

1 AULA 01 Conteúdo 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DAS ORGANIZAÇÕES FORMAIS MODERNAS: TIPOS DE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, NATUREZA, FINALIDADES E CRITÉRIOS DE DEPARTAMENTALIZAÇÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS QUESTÕES SEM COMENTÁRIOS OUTRAS QUESTÕES COMENTADAS CONSIDERAÇÕES FINAIS QUESTÕES APRESENTADAS EM AULA

2 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Olá pessoal! NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Meu nome é Bruno Davantel, e é com imensa satisfação que apresento a vocês o nosso curso de Noções de Administração Pública para Agente Administrativo do Departamento de Polícia Federal (DPF). Antes de conversarmos sobre o concurso, vou fazer uma breve apresentação sobre mim: vivo nessa vida de concurseiro/concursado desde 2002, quando fui aprovado na seleção do Banco do Brasil. De lá pra cá me preparei e realizei provas de diversos certames. Como qualquer mortal, fui aprovado em vários deles e não obtive sucesso em tantos outros. Além do BB, acho relevante citar os cargos exercidos de agente da SEFAZ/MT e de Agente de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura (MAPA). Há poucos dias atrás, toda a minha dedicação aos estudos foi recompensada: fui aprovado para o cargo de Auditor-Fiscal do Trabalho. Agora posso me dedicar a passar um pouco da minha experiência e conhecimentos adquiridos ao longo do tempo a vocês, futuros agentes administrativos da PF! Nosso edital foi lançado há poucos dias, e o concurso está previsto para o dia 16/02/2014, portanto, teremos tempo suficiente para nos prepararmos muito bem para arrebentar na hora da prova! Lembre-se que teremos mais de 1200 classificados e a remuneração inicial é de R$ 3.316,77!!! A banca responsável pelo concurso é o CESPE. Desse modo, trabalharemos em cima de todo o conteúdo do edital, dando ênfase nos itens mais cobrados por eles. Não se preocupem também, para aqueles que ainda não conhecem a banca, com o sistema de uma errada anula uma certa. Isso só atrapalha a quem não está preparado, e este certamente não será o caso de vocês. Vamos ver como o CESPE exigiu o conhecimento da nossa disciplina: NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: 1 Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. 2 Organização administrativa: centralização, descentralização, concentração e desconcentração; organização administrativa da União; administração direta e indireta. 3 Gestão de processos. 4 Gestão de contratos. 5 Noções de processos licitatórios 2

3 Assim, de acordo com os tópicos e os dias faltantes para a prova, o nosso cronograma de aulas ficou definido desta forma: NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DATA AULA CONTEÚDO 18/12 Aula Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. 27/12 Aula Organização administrativa: centralização, descentralização, concentração e desconcentração; organização administrativa da União; administração direta e indireta. 06/01 Aula Gestão de processos 17/01 Aula Gestão de contratos 27/01 Aula Noções de processos licitatórios 03/02 Aula 06 Simulado final com questões comentadas 09/02 Aula 07 Bizú com dicas para a prova Pessoal, peço a vocês que não guardem dúvidas, por menores que elas sejam. Estou à disposição para falar com vocês sempre que necessário, pelos seguintes canais: Facebook: https://www.facebook.com/bruno.davantel.7 Então é isso, vamos começar! Muita atenção a esta aula, pois do conteúdo a ser tratado hoje devem sair muitas questões da sua prova. 3

4 2. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DAS ORGANIZAÇÕES FORMAIS MODERNAS: TIPOS DE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, NATUREZA, FINALIDADES E CRITÉRIOS DE DEPARTAMENTALIZAÇÃO Inicialmente, devemos entender que todas as instituições possuem uma determinada estrutura. Essa estrutura é dividida em formal e informal. A estrutura formal é a base de todo o funcionamento, organização, distribuição e divisão de trabalho de uma instituição. É aquela em que os setores, cargos, e até mesmo a linha hierárquica e de relação entre os departamentos são demonstrados. Isso geralmente é divulgado no organograma, sites e outros documentos da empresa. Sem essa formalidade documental, percebemos a existência da estrutura informal. Ela é criada involuntariamente dentro da instituição, de acordo com os grupos de afinidade formados entre as pessoas que se relacionam internamente. Membros da mesma idade e com a mesma formação, por exemplo, criam uma relação que acaba por influenciar no próprio funcionamento da organização. Percebam, portanto, que, apesar de invisível na organização da empresa, a estrutura informal tem grande importância no sucesso ou fracasso da instituição. Estrutura Formal Nos organogramas, documentos, site Mostra a divisao do trabalho, hierarquia, etc Estrutura Informal Grupos de relacionamento, pessoas com afinidades Influência positiva (melhora a comunicaçao) e negativamente (fofocas e boatos) Vamos começar a trabalhar as questões? Questão 01 (CESPE - TRE-BA - Técnico Judiciário - Área Administrativa 2010) Uma estrutura organizacional, privada ou pública, pode ser entendida como a integração entre as estruturas formal e informal. A estrutura formal da organização é oficialmente constituída de seus padrões vigentes, normas e composições. ( ) Certo ( ) Errado COMENTÁRIOS: A estrutura forma é aquela visível, incluída em documentos, etc. GABARITO DA QUESTÃO: correta. 4

5 2.1 CARACTERÍSTICAS DAS ORGANIZAÇÕES FORMAIS Uma organização empresarial é um conjunto de encargos funcionais e hierárquicos, orientados para o objetivo econômico de produzir bens ou serviços. A estrutura orgânica deste conjunto de encargos está condicionada à natureza do ramo de atividade, aos meios de trabalho, às circunstâncias socioeconômicas da comunidade e à maneira de conceber a atividade empresarial. Olhem esta questão: Questão 02 (CESPE TCU AUDITOR 2006) Constitui característica básica das organizações formais o agrupamento das atividades necessárias para a consecução dos objetivos. ( ) Certo ( ) Errado COMENTÁRIOS: Como vimos, essa é exatamente a definição das organizações formais. GABARITO DA QUESTÃO: CORRETA. As principais características da organização formal são: Divisão do Trabalho A cadeia de comando Caracteristicas das organizações formais Amplitude de Controle Descentralização e delegação Racionalismo e Formalismo Departamentalização Questão 03 (FCC / TRT/8ª Região/ adaptada) Ao definir a estrutura organizacional de uma empresa, seus administradores devem considerar estes seis elementos básicos: mão de obra necessária; características dos clientes; amplitude do negócio; concentração do trabalho; funções essenciais e agrupamento das tarefas. ( ) Certo ( ) Errado COMENTÁRIOS: é só olhar o gráfico acima. Nada a ver, não é? Estes elementos constantes da questão exercem outros papéis na organização da instituição, mas não fazem parte das características. GABARITO DA QUESTÃO: errada. a) Divisão do Trabalho (ou Especialização do Trabalho) 5

6 A especialização do trabalho nada mais é do que a maneira pela qual um processo complexo pode ser decomposto em uma série de pequenas tarefas. Com a divisão do trabalho, os profissionais podem focar somente em algumas atividades, se especializando naqueles serviços. O procedimento de divisão o trabalho nasceu no século XX, com a Revolução Industrial, como uma maneira de aumentar a produção das organizações, incrementando a eficiência e diminuindo os custos. Essa divisão do trabalho visa simplificar e padronizar as tarefas, de modo que cada posto de trabalho possa ser ocupado por pessoas comuns, sem nenhuma característica especial. Ao tornar as tarefas mais simples, a instituição consegue treinar rapidamente qualquer pretendente ao cargo, o que facilita inclusive a substituição de trabalhadores. Assim, deduz-se que a divisão de trabalho é responsável por melhorar o desempenho dos funcionários, pois, ao invés de executar diversas tarefas, ele se concentra apenas nas suas obrigações. Observem que, se aplicada de maneira excessiva, a especialização se torna um fator negativo. Ao trabalhar por um período de tempo apenas em uma tarefa, o ofício ficaria muito repetitivo e pouco estimulante, o que contraria a natureza humana de buscar desafios. Fatalmente o funcionário ficaria desmotivado, o que refletiria negativamente no seu desempenho. Atualmente os gerentes sabem que a necessidade de divisão do trabalho é necessária e benéfica apenas para certos cargos, se tornando prejudicial para outros. Atenção! Se a questão de prova disser que em todos os casos que quanto maior a especialização maior a produtividade, ela está INCORRETA. A especialização do trabalho gera ganhos de produtividade até o ponto que o trabalho se torna especializados demais, passando a gerar insatisfação nos funcionários. Analisem esta questão: Questão 04 - (CESPE ABIN / OFICIAL TÉCNICO 2010) A divisão do trabalho, cuja finalidade é produzir mais e melhor, com o mesmo esforço, é a maneira pela qual um processo complexo pode ser decomposto em uma série de tarefas. ( ) Certo ( ) Errado COMENTÁRIOS: Vimos que a especialização do trabalho é a maneira pela qual um processo complexo pode ser decomposto em uma série de pequenas tarefas. Exatamente conforme a assertiva! GABARITO DA QUESTÃO: Correto 6

7 Segundo a Teoria Clássica, a divisão do trabalho pode dar-se em duas direções: Verticalmente: Ocorre quando se verifica a necessidade de aumentar a qualidade da supervisão ou chefia acrescentando mais níveis hierárquicos na estrutura. É definida pelos níveis de autoridade e responsabilidade, determinando os diferentes escalões da organização que detêm diferentes níveis de autoridade. Esta aumenta à medida que se sobe na hierarquia da organização. É a hierarquia que define a graduação das responsabilidades, conforme os diferentes graus de autoridade. Em toda organização deve haver uma escala hierárquica de autoridade (princípio escalar); Horizontalmente: Ocorre quando se verifica a necessidade de aumentar a perícia, a eficiência e a qualidade do trabalho em si. Corresponde a uma especialização de atividade e de conhecimentos. Surge segundo os diferentes tipos de atividades da organização. Em um mesmo nível hierárquico, cada departamento ou seção passa a ser responsável por uma atividade específica e própria. A especialização horizontal se caracteriza sempre pelo crescimento horizontal do organograma, e é conhecida pelo nome de departamentalização. Departamentalização ocorre quando se aumenta o número de unidades de gerenciamento sem aumento do número de níveis hierárquicos. Estudaremos os critérios de departamentalização ainda nesta aula. Na visão de Chiavenato (2001), o princípio da divisão do trabalho, iniciado ao nível dos operários com a Administração Científica, ampliou-se para os escalões hierárquicos mais altos da organização com o advento da Teoria Clássica. Com a especialização do trabalho, a organização empresarial passa a desdobrar-se em três níveis administrativos: Nível institucional, composto por dirigentes e diretores da organização; Nível intermediário, ou nível do meio do campo, composto dos gerentes; Nível operacional, composto dos supervisores que administram a execução das tarefas e operações da empresa. b) A Cadeia de Comando (Hierarquia) A divisão do trabalho traz como consequência a diversificação funcional dentro da organização. Contudo, uma pluralidade de funções desarticuladas entre si não forma uma organização eficiente. Assim, como decorrência da especialização das funções, torna-se inevitável que certas pessoas exerçam comando sobre outras, coordenando e direcionando os esforços. Essa relação de comando determina como é a hierarquia dentro da instituição e é definida como cadeia de comando. Sendo uma linha contínua de autoridade que se estende do topo da organização até o mais baixo escalão, a cadeia de comando esclarece quem se reporta a quem. 7

8 Dois conceitos são intimamente ligados à cadeia de comando e merecem uma atenção especial: o de autoridade e o de unidade de comando. Autoridade Direito inerente ao detentor de posição hierárquica superior dar ordens e exigir que estas sejam atendidas pelo subordinado, quando legítimas Unidade de Comando Determina que cada subordinado deve ter apenas um chefe direto O conceito de unidade de comando perdeu relevância com o surgimento de novas estruturas organizacionais, conforme veremos adiante. c) A Amplitude de Controle A definição de amplitude de controle é extremamente intuitiva, o que facilita o entendimento do tópico. É relacionada ao número de subordinados comandados por um determinado chefe. Quanto maior a equipe, maior também a amplitude de controle. Segundo Schermerhorn Jr. (2008), a amplitude de controle se relaciona com o número de subordinados que os superiores comandam em uma organização. Assim, se tal chefe possui uma equipe com oitenta comandados, sua amplitude de controle é muito grande. Por outro lado, se um chefe comanda apenas três pessoas, por exemplo, a amplitude é menor. Amplitudes de controle pequenas são conhecidas como agudas, por possuírem um aspecto mais vertical, dado o menor número de subordinados por chefia. Trazem como vantagem o relacionamento mais pessoal entre o gestor e seus comandados. Em contrapartida, uma estrutura com baixa amplitude de controle insere vários níveis gerenciais entre os operários e o alto escalão da organização, aumentando os custos com salários, dificultando a comunicação vertical e promovendo uma supervisão rígida, com pouca autonomia para os subordinados. Observe o gráfico para entender melhor: Superintendente Chefe de divisão A Chefe de divisão B Coordenador X Coordenador Y Coordenador Z 8

9 Vejam que cada chefe possui no máximo dois subordinados, configurando a chamada estrutura aguda. Já as amplitudes de controle maiores são mais adequadas ao comportamento administrativo contemporâneo, pois pregam a redução de seus níveis hierárquicos, promovendo o achatamento da pirâmide organizacional. Isso reduz imediatamente os custos, pois a organização necessitará de um número menor de gerentes intermediários. Dessa forma, a comunicação vertical flui melhor, os custos são reduzidos, os processos decisórios passam a ser mais ágeis e a organização se torna mais flexível. As estruturas achatadas forçariam o gestor a delegar mais, pois tem menos tempo para dar para cada funcionário, garantindo maior autonomia de trabalho para os funcionários. A delegação é a transferência de autoridade e responsabilidade para outros membros da organização. Com isso, atualmente muitas organizações buscam achatar suas estruturas, reduzindo os níveis hierárquicos para que o fluxo de comunicação seja facilitado e acelerado. Superintendente Chefe de divisão X Chefe de divisão Y Gerente A Gerente B Gerente C Gerente D Gerente E Gerente F Gerente G Gerente H O gráfico acima representa uma estrutura achatada. Vejam como aumenta o número de subordinados para cada chefe. Para fechar o item, apresentamos uma tabela comparativa entre os tipos de amplitude de controle. Nela estão catalogadas as principais características de cada uma delas. Amplitude de controle menor Estrutura Aguda Menor n de subordinados Menor autonomia Regras menos rígidas Maior orientação individual Tratamento pessoal Custo maior (muitos gerentes intermediários) Amplitude de controle maior Estrutura Achatada Maior n de subordinados Maior delegação Flexibilidade e agilidade Comunicação mais rápida Tratamento impessoal Custo menor (poucos gerentes intermediários) 9

10 d) Descentralização e a delegação NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Pessoal, se vocês repararem no edital, perceberão que a banca cobrou este tópico de forma mais ampla no item 2 da nossa matéria. Por isso, trataremos do tema na Aula 02, oportunidade em que poderemos nos aprofundar um pouco mais no assunto, evitando que o CESPE nos pregue alguma peça, ok? e) Racionalismo e Formalismo Uma vez que uma instituição é composta de cargos e funções, podemos deduzir que o racionalismo é parte integrante da organização formal. Todos ali dentro estão sujeitos a regras de atuação e comportamento, o que caracteriza o formalismo. É claro que, entre organizações e até mesmo funções diversas, teremos um grau de formalização mais (ou menos) rígido. Quanto mais formais forem as normas para uma função, menos autonomia o profissional terá. Ao contrário, se a função exigir um grau menor de formalidade, mais flexibilidade e autonomia existirão. Imagine uma empresa de marketing. Obviamente seu diretor de criação deverá ter toda a liberdade para produzir seu trabalho, enquanto que a chefe do RH terá suas tarefas padronizadas pelas regras da instituição. O racionalismo segue a mesma linha, pois, de acordo com a exigência de formalidade, os funcionários se comportarão de forma padrão, ou seja, de acordo com as regras de comportamento determinadas para cada um deles. f) A departamentalização Quando estamos em uma dessas grandes lojas sempre tentamos localizar o produto que queremos por meio dos departamentos, certo? Funciona da mesma forma para as organizações! Já estudamos que uma das características das organizações formais é a divisão do trabalho. Depois que ele é separado de acordo com a especialização, a empresa busca alocar pessoas e funções em setores os departamentos. Esse agrupamento é chamado de departamentalização. Ao criar um departamento, a instituição busca melhorar o gerenciamento das tarefas. Ora, se o departamento já tem previamente definido o objeto de atuação, certamente o aproveitamento das pessoas e dos recursos disponíveis será mais efetivo. Esses departamentos podem estar em posições de linha ou posição de staff. As funções de linha estariam relacionadas com as atividades fim da empresa. Já as funções de staff seriam associadas às atividades-meio da organização. Também podemos separar essas posições com base no poder de comando que elas exercem. A posição de linha tem comando direto sobre os seus funcionários. 10

11 Já o pessoal de staff é composto por especialistas em uma área e atua de forma consultiva, agem como assessores internos da organização, como é o caso da área de Gestão de Pessoas, estando ligados aos níveis decisórios competentes. Neste sentido, as organizações podem se organizar com base nesses dois tipos de posições, constituindo a organização linha-staff, que combina a especialização com a capacidade de decisão. Vejam que, nesta estrutura mista, o conhecimento não é tão especializado quanto na estrutura em staff, nem a tomada de decisão é tão rápida quanto na estrutura em linha. Veja, na figura a seguir, um exemplo padrão de organograma básico de organização em linha e staff. Presidência Staff (assessoria) Diretoria Operações (Órgão de execução) Diretoria de Manutenção (Órgão de execução) Diretoria de Compras (Órgão de execução) Esta questão nos ajudará a entender melhor: Questão 05 (CESPE MPU 2010) A adoção, pelo diretor, da estrutura linha-staff aceleraria o processo decisório. ( ) Certo ( ) Errado COMENTÁRIOS: A estrutura linha-staff é uma evolução da estrutura linear, que veremos mais adiante. O órgão de staff (assessoramento, consultoria) não tem poder de decisão, mas os demais responsáveis devem consultá-lo antes de tomar decisões. Dessa forma, o processo decisório se torna mais demorado, ao contrário do que diz a assertiva. GABARITO DA QUESTÃO: errada. Existem inúmeras maneiras de departamentalizar uma organização. Para o nosso concurso, as mais importantes e cobradas são: Departamentalização funcional: A Departamentalização funcional agrupa funções comuns ou atividades semelhantes para formar uma unidade. É quando as atividades são organizadas e divididas de acordo com a função desenvolvida, como vendas, estocagem, controle, compras etc. DIRETORIA DEPARTAMENTO COMPRAS DEPARTAMENTO VENDAS DEPARTAMENTO FINANÇAS 11

12 Vantagens: a especialização do trabalho, o que facilita a integração entre os membros. Deve ser utilizada em organizações mais estáveis. Desvantagens: departamentos isolados ; tendência a descumprir prazos e orçamentos, pois não se vê a empresa como um todo. i. Departamentalização por produto ou serviço: É quando a instituição divide os departamentos de acordo com os produtos ou serviços oferecidos à sociedade. Geralmente surgem quando a empresa atua com diferentes produtos/serviços, o que, consequentemente, atrai diversos tipos de clientes. Dessa forma, o direcionamento das ações a serem tomadas fica mais fácil. Por exemplo: divisão de química, divisão de embalagens, divisão de motores etc. Diretoria do grupo Divisão de bebidas Divisão de confecções Divisão de tecnologia Vantagens: maior capacidade de adaptação e flexibilidade. Direcionamento das ações conforme os produtos/clientes. Desvantagens: especialistas não estão concentrados em um só departamento, o que prejudica seu desenvolvimento profissional. ii. Departamentalização territorial/geográfica: Geralmente é utilizada por empresas que atuam em diversas regiões do país ou do mundo. Busca otimizar o sistema de gerenciamento quando grandes distâncias separam o departamento e a administração central. DIRETORIA GERAL Região Sul Região Nordeste Agência do RS Agência do PR Agência da BA Agência do RN Agência de PE Vantagens: maior acesso aos profissionais, recursos e matéria prima. Atuação conforme o mercado local. 12

13 Desvantagem: aumento de custos, pois há a repetição de cargos em cada um dos departamentos. iii. Departamentalização por cliente: É implementada sempre que a organização trabalha com ma carteira de clientes muito específicos, mas diferentes entre si. O foco é a necessidade do cliente, o que leva a empresa a se adequar ao seu perfil. Departamentalizações desse tipo são muito vistas em estabelecimentos bancários. Veja o exemplo abaixo: GERÊNCIA GERAL Pessoa Jurídica (empresas) Pessoa Jurídica (governo) Pessoa Física (aposentados) Pessoa Física (demais) Vantagem: atendimento condizente com a demanda do cliente. Desvantagem: aumento de custos, pois há a repetição de cargos em cada um dos departamentos. iv. Departamentalização por processo: Esse modelo de departamentalização é muito usado por empresas que funcionam com um fluo contínuo de processos de produção. Os departamentos são divididos de acordo com cada fase do processo, direcionando as atividades dos funcionários. Observem o exemplo de uma indústria de bebidas: DIVISÃO DE PRODUÇÃO Recepção Beneficiamento Envase Distribuição Esse modelo de departamentalização é mais adequado aos níveis mais baixos da hierarquia, com foco nas áreas de produção e logística. Além das características de cada tipo de departamentalização, podemos citar vantagens e desvantagem gerais, que atingem a todos. Vantagens da Departamentalização: especialização do trabalho, implicando economia de escala e maior produção, o que impacta na economia de escala. O tempo de produção também pode ser reduzido de acordo com o planejamento e controle da produção. Desvantagens da Departamentalização: podem surgir impactos negativos como a competição desleal entre os departamentos, a perda da visão do todo pela dedicação exclusiva ao departamento e a resistência a mudanças, pela incerteza que estas trazem ao pessoal especializado. 13

14 Atençao! As organizaçoes podem adotar diferentes tipos de departamentalizaçao ao mesmo tempo. Por exemplo: Geográfica em um primeiro nível; e Por Produto no nível logo abaixo. Vamos resolver algumas questões sobre departamentalização? Isso ajudará a fixar e a complementar a matéria. Lembrando que ao final da aula serão disponibilizadas essas e outras questões adicionais para você treinar. Lá vai! Questão 06 (CESPE TRE-MS - Analista Judiciário - Área Judiciária) A estrutura organizacional que adota uma estratégia de maior segurança na execução de tarefas e relacionamento entre colegas, busca a especialização de recursos em virtude de possuir poucas linhas de produtos ou serviços e evita que pessoas recebam atribuições temporárias ou técnicas, mesmo tendo ciência de que essas pessoas podem perder a comunicação rápida de aspectos técnicos, é identificada como departamentalização funcional. A departamentalização funcional deve ser utilizada em organizações mais estáveis, que buscam segurança. Tem como vantagem a especialização do trabalho, o que facilita a integração entre os membros. GABARITO DA QUESTÃO: correta. Questão 07 (CESPE MPU / Técnico Administrativo 2010) A departamentalização por produto permite uma visão única acerca da organização e o controle eficaz sobre seu conjunto. COMENTÁRIOS: Veja bem pessoal, falamos que na departamentalização por produto há o direcionamento das ações conforme os produtos/clientes. Portanto, a empresa fica dividida por setores autônomos, conforme cada público alvo. Assim, esta visão única da organização não é aplicada aqui, já que cada divisão atua de forma independente. GABARITO DA QUESTÃO: errada Questão 08 (CESPE MPU / Técnico Administrativo 2010) A departamentalização por processos favorece a rápida adaptação da empresa às mudanças organizacionais. 14

15 COMENTÁRIOS: Na departamentalização por processos, a empresa fica preocupada em melhorar os aspectos internos da produção. Busca-se sempre uma maior eficiência e eficácia em cada etapa desse processo. Assim, acaba se esquecendo de olhar para as mudanças que ocorrem no ambiente externo, o que retarda o processo de adaptação às mudanças organizacionais, por exemplo. GABARITO DA QUESTÃO: errada Questão 09 (CESPE MPU / Técnico Administrativo 2010) O enfraquecimento da especialização constitui uma desvantagem da departamentalização geográfica. COMENTÁRIOS: A departamentalização geográfica busca atuar conforme o mercado local, a demanda daquela região. É aí que a especialização fica prejudicada. Não há grandes trocas de informações e conhecimento entre os diversos escritórios de uma empresa, por exemplo. Deixa-se de investir no profissional para se focar na organização da instituição. GABARITO DA QUESTÃO: correta Questão 10 (CESPE MPU / Técnico Administrativo 2010) A departamentalização por clientes atende de forma mais apropriada a organização cujos objetivos principais sejam o lucro e a produtividade. COMENTÁRIOS: A departamentalização por clientes visa agradar ao cliente, conhecer as suas demandas e ganhar a sua confiança. O lucro e a produtividade não são os principais objetivos de uma organização com este tipo de organização. GABARITO DA QUESTÃO: errada Questão 11 (CESPE MPU / Técnico Administrativo 2010) De acordo com um dos princípios da departamentalização, as atividades de controle devem estar separadas das que serão objeto de controle. COMENTÁRIOS: A assertiva sintetiza um princípio básico da departamentalização. É fundamental que controlador e controlado não estejam próximos, para que a imparcialidade não seja afetada. GABARITO DA QUESTÃO: correta 15

16 2.2 TIPOS DE ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS Pessoal, muita dedicação a este tópico. O CESPE sempre cobra conhecimentos sobre a relação entre o tipo de estrutura e suas características, como vocês verão nas questões comentadas. As estruturas organizacionais têm por base as características de alocação das pessoas na cadeia hierárquica da instituição. A posição de um único funcionário ou um grupo deles, como se dá a relação de comando entre os chefes e os subordinados e até mesmo a forma de comunicação interna, tudo isso define o melhor modelo de estrutura a ser utilizado pela organização. O objetivo final é sempre a melhora da eficiência na coordenação e organização das tarefas. Schermerhorn Jr. (2008) afirma que o desenho estrutural é o resultado de várias decisões a respeito dos aspectos de autoridade, da comunicação interna e da departamentalização na organização. Os tipos de estruturas organizacionais mais cobrados nos certames são: a) Estrutura Simples ou Linear Essa estrutura possui como peculiaridade a unidade de comando. A autoridade é bem definida e concentrada na pessoa do chefe. Ele se utiliza do seu poder de comando para exercer o medo entre seus subordinados, direcionando as tarefas para o objetivo almejado, às vezes mesmo com falhas estruturais. É o modelo mais utilizado nas pequenas empresas, com certo grau de estabilidade, e apresenta as características de baixo grau de departamentalização, grande amplitude de controle, dificuldade no fluxo de informação e pouca formalização. Gerente Chefe 1 Chefe 2 empregado a empregado b empregado c empregado d Vantagens: estrutura piramidal; simplicidade; agilidade; flexibilidade; manutenção barata e clareza das responsabilidades. Desvantagens: rigidez; chefes autoritários; dificuldade de inovação; adaptação e comunicação. Uma questão sobre o tema: 16

17 Questão 12 - (CESPE MPU / TÉCNICO ADMINISTRATIVO 2010) Chefias generalistas, estabilidade e constância nas relações são características próprias da estrutura organizacional linear. COMENTÁRIOS: A estrutura linear, também conhecida por militar, tem por base a unidade de comando. Por isso, não há como se falar em divisão por funções, já que o chefe tem que ser responsável por várias áreas. Este modelo de estrutura tem como premissa para o seu correto funcionamento, a existência de um ambiente estável. GABARITO DA QUESTÃO: correta. Vamos ver mais uma: Questão 13 - (CESPE MPS - ADMINISTRADOR 2010) Organizações horizontais e não burocráticas se utilizam, mais comumente, de uma estrutura linear, basicamente caracterizada por flexibilidade estrutural, favorecimento do trabalho em equipes de cooperação e descentralização de autoridade/responsabilidade. COMENTÁRIOS: As organizações burocráticas se utilizam de formalidade e de um ambiente quase que imutável, características da estrutura linear. Por consequência, as organizações não burocráticas necessitam de uma estrutura flexível, o que não se encontra na linear. Aí está o erro da questão. GABARITO DA QUESTÃO: errada. a) Estrutura Funcional A estrutura funcional se utiliza do atributo da especialização das funções. Adaptada às organizações mais simples e estáveis, apresenta funcionamento muito claro. Não é a toa que podemos dizer que esse é o modelo estrutural mais utilizado atualmente. A divisão de cada departamento é realizada de acordo com determinadas funções. Assim, cada setor se torna responsável por uma área, o que facilita a aplicação do conhecimento e, consequentemente, o alcance das metas estabelecidas. Temos como exemplo as funções de contabilidade, vendas, recursos humanos, etc. Apesar de cada setor ser responsável por uma área, eles são interdependentes entre si. Determinado trabalho só poderá ser bem feito por uma área se o setor anterior a ele cumpriu com as funções determinadas. Fiquem atentos a um aspecto fundamental desse tipo de estrutura: o chefe de cada um destes setores específicos só pode expedir ordens sobre o conhecimento de sua competência, sob pena de invadir a área de conhecimento de outro departamento. Observem o gráfico: 17

18 Diretor Geral Gerente de vendas Gerente de RH Setor A Setor B Setor C Vantagens: comunicação direta; especialização; economia de escala. Desvantagens: perda da visão do todo; dificuldade de controle; confusão para definir responsabilidade e medir o desempenho. Observem como o CESPE já cobrou: Questão 14 - (CESPE MPU / TÉCNICO ADMINISTRATIVO 2010) A organização estruturada de forma simples e centralizada em torno de uma autoridade máxima adota estrutura funcional. COMENTÁRIOS: Uma instituição organizada dessa forma adota a estrutura linear. GABARITO DA QUESTÃO: errada. b) Estrutura Matricial Meus queridos concurseiros, estudem a estrutura matricial até cansarem! As questões sobre este tema são mais frequentes do que chuva em Manaus. Porém, fiquem tranquilos, vocês sairão desta aula preparados para gabaritar qualquer assertiva acerca do assunto. Esta estrutura mescla dois outros tipos de estrutura, com o intuito de, temporariamente, se dedicar a um projeto específico. Geralmente se combina uma departamentalização por processos com uma departamentalização funcional, mas nada impede que sejam utilizadas outras combinações. Este modelo organizacional seleciona determinados profissionais já alocados em seus respectivos departamentos para integrarem uma ou mais equipes interdisciplinares supervisionadas por líderes de projetos. Assim, os funcionários na matriz possuem dois chefes o gerentes de departamento funcional e o gerentes do projeto. A matriz impede o uso da unidade de comando. Desse modo, o profissional inserido na estrutura matricial terá dupla função na organização: executar as tarefas do seu cotidiano, e participar, de acordo com a 18

19 sua especialização, do desenvolvimento do projeto temporário. Visualizando o gráfico vocês entenderão melhor. Diretor Geral Gerente Administr. Gerente Financeiro Gerente Marketing Projeto Obras Equipe administr. obras Equipe financ. obras Equipe marketing obras Projeto Máquinas Equipe administr. máquinas Equipe financ. máquinas Equipe marketing máquinas VANTAGENS: incrementa as qualidades de cada tipo de estrutura utilizados; gera visão global da instituição; promove a adaptação aos ambientes menos estáveis e aloca os especialistas com eficiência. DESVANTAGENS: viola a unidade de comando; dificulta a apuração de responsáveis; baixo nível de autoridade devido à dupla chefia pode gerar confusão entre chefes e entre funcionários. Vamos ver umas questões: Questão 15 - (CESPE/TCU/AUDITOR/2008) Caso se tivesse uma estrutura matricial na organização em estudo, se teria como vantagem o desenvolvimento da coesão do grupo e a facilitação da comunicação do líder de um projeto com sua equipe. COMENTÁRIOS: Como vimos no gráfico, o gestor de um determinado projeto passa a dividir a chefia de uma equipe com aquele da estrutura normal da empresa. Portanto, realmente há o aumento na coesão e a melhora da comunicação. GABARITO DA QUESTÃO: correta. Questão 16 - (CESPE/DPF/PAPILOSCOPISTA/2000) Estruturas matriciais são disfuncionais porque geram conflitos de competências. COMENTÁRIOS: Isso mesmo, errada! Se você não prestou atenção no enunciado, leia de novo. Percebeu? 19

20 A banca afirmou que a estrutura matricial é disfuncional por conta do conflito de competências. Não é nada disso. Primeiro porque a estrutura matricial não pode ser genericamente chamada de disfuncional. Depois porque a dupla subordinação, que gera o conflito de competências, é uma desvantagem da estrutura, e não responsável por ela ser disfuncional, ok? GABARITO DA QUESTÃO: errada. c) Estrutura Divisional Essa estrutura promove a segmentação da instituição em divisões, conforme a importância de determinados produtos, clientes e/ou regiões de atuação. Empresta a ideia já vista por nós em alguns tipos de departamentalização, ao agrupar as pessoas e recursos mais indicados. A estrutura divisional é aplicada frequentemente quando as empresas começam a crescer, o que torna complicada a utilização da estrutura funcional. O grande diferencial desta estrutura é a independência quase que total concedida a cada divisão. Apesar de ainda vinculadas à alta direção da organização, as divisões atuam de maneira livre, promovendo a sua própria gestão. Prova disso é que setores como de aquisições e logístico, dentre outros, existem em cada uma das divisões, conforme podemos verificar no gráfico abaixo: Presidência Divisão de bebidas Divisão de embalagens Gerência de aquisições Gerência de aquisições Gerência de marketing Gerência de marketing Gerência logística Gerência logística Dessa maneira, cada divisão da empresa pode atuar de acordo com seu público alvo, sem, contudo, deixar de observar as normas e diretrizes emanadas pela direção central. Inclusive, devemos lembrar que atividades-meio, como recursos humanos e finanças, continuam operando na matriz, conforme nos ensina Daft (2005). 20

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a.

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Para a abordagem clássica, a base fundamental da organização é a divisão do trabalho. À medida que uma organização

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais Módulo 4.Estruturas Organizacionais Como vimos anteriormente, a Abordagem Contingencial afirma que a forma de atuar da organização deve levar em conta o ambiente onde está inserida. Sua estrutura, igualmente,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

Organograma Linear. O organograma linear de responsabilidade revela:

Organograma Linear. O organograma linear de responsabilidade revela: 1 Organograma Linear O organograma linear de responsabilidade revela: 1. A atividade ou decisão relacionada com uma posição ou cargo organizacional, mostrando quem participa e em que grau, quando uma atividade

Leia mais

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa - Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa A teoria clássica

Leia mais

Acerca das características básicas das organizações formais modernas, julgue os itens subseqüentes.

Acerca das características básicas das organizações formais modernas, julgue os itens subseqüentes. Administração Pública- Prof. Claudiney Silvestre 1- CESPE - 2012 - TRE-RJ - Técnico Judiciário - Área Administrativa Disciplina: Administração Acerca de noções de administração pública, julgue os itens

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 12 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS: Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. Definir responsabilidade e autoridade e suas implicações especialização,

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema.

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema. Gráficos Os gráficos podem ser divididos em dois grupos: Gráficos Informacionais Gráfico é a representação de dados sobre uma superfície plana, através de diferentes formas, de modo a facilitar a visualização

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

Cursos de Gestão Tecnológica Disciplina: Teoria das Organizações

Cursos de Gestão Tecnológica Disciplina: Teoria das Organizações Função Organização Aspectos Administrativos Objetivos Dividir o trabalho Designar as atividades e especialização Administração Desempenho Organizacional Planejar Agrupar as Organizar atividades em órgãos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organização, Processo e Estruturas 1 Organização Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis tendo em vista os objectivos que a empresa como um todo se propõe atingir. 2

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA E ADMINISTRAÇÃO DE PROCESSOS. Prof. Marcos Eduardo de Mattos

Unidade II ESTRUTURA E ADMINISTRAÇÃO DE PROCESSOS. Prof. Marcos Eduardo de Mattos Unidade II ESTRUTURA E ADMINISTRAÇÃO DE PROCESSOS Prof. Marcos Eduardo de Mattos Ciclo de vida organizacional Assim como o ciclo de vida dos seres humanos, as organizações surgem como seres vivos, para

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO Aula 0 Olá, pessoal! Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO DE PROJETOS E GESTÃO SOCIAL para o concurso de ANALISTA DE POLÍTICAS SOCIAIS do MPOG. Esta é uma carreira nova,

Leia mais

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS Djair Picchiai Revisado em 05/04/2010 1 MODELOS DE ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS As organizações têm sido estruturadas de acordo com as funções exercidas pelos seus respectivos

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Estrutura Organizacional É o sistema de organização de tarefas onde se estabelecem

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Questões comentadas sobre Estruturas Organizacionais

Questões comentadas sobre Estruturas Organizacionais Esquemaria.com.br / Dicas de estudos / Matérias / Administração Geral / Estruturas organizacionais Questões comentadas sobre Estruturas Organizacionais 27 questões comentadas sobre estruturas organizacionais

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE Tópicos a serem apresentados: O que é? Para que serve? Objetivos do Curso. Conteúdo Programático. Empresa As Pessoas O Produto O serviço Atendimento Competitividade Tipos de Clientes

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 PROBLEMAS PARA CLIENTES SÃO PROVOCADOS POR: PROPRIETÁRIOS GERENTES SUPERVISORES SINTOMAS DE MAU ATENDIMENTO VOCÊ PODE TER CERTEZA

Leia mais

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa.

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. DEPARTAMENTALIZAÇÃO CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. Ou Departamentalização é o agrupamento, de acordo com um critério específico de

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

Estrutura organizacional. Psicossociologia do Trabalho. Definição de Estrutura Organizacional. Especialização do trabalho. pnoriega@fmh.utl.

Estrutura organizacional. Psicossociologia do Trabalho. Definição de Estrutura Organizacional. Especialização do trabalho. pnoriega@fmh.utl. Psicossociologia do Trabalho Estrutura Organizacional Estrutura organizacional Questões fundamentais para a sua concepção Estruturas tradicionais Estruturas organizacionais alternativas Definição de Estrutura

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I DATA:

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12ºAno de secretariado TECS. Departamento Comercial e Marketing

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12ºAno de secretariado TECS. Departamento Comercial e Marketing Departamento Comercial e Marketing As inovações na gestão empresarial O desenvolvimento económico actual e a necessidade das empresas serem competitivas estão gerando inovações constantes na gestão empresarial.

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com 1 Distribuição Gratuita. Este e-book em hipótese alguma deve ser comercializado ou ter seu conteúdo modificado. Nenhuma parte deste e-book pode ser reproduzida ou transmitida sem o consentimento prévio

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Professor Djair Picchiai Campus São Paulo Março 2010 AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Todo diretor, gerente, chefe e encarregado exercem estas sete funções administrativas, a saber:

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Organização em Enfermagem

Organização em Enfermagem Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I Organização em Enfermagem Prof. Thiago C. Nascimento Objetivos: Discorrer

Leia mais