OFÍCIO CEL N 313/2009. Brasília, 06 de maio de 2009.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OFÍCIO CEL N 313/2009. Brasília, 06 de maio de 2009."

Transcrição

1 OFÍCIO CEL N 313/2009. Brasília, 06 maio Ref.: Processo n / CC 001/2009 Ass.: Contratação pessoa jurídica para prestação serviços especializados em Tecnologia da Informação (TI), na área senvolvimento e manutenção sistemas informação. Prezados Senhores, Informamos que essa Comissão Especial Licitação, recepcionou os questionamentos formulados por empresa interessada no certame e elaborou as respostas transcritas abaixo: - Quanto à pontuação referente à comprovação parceria com fabricantes software prevista no item 1.1 do Fator 1 Suporte Serviços da Pontuação Técnica R.: Consiramos que a existência parcerias tecnológicas por parte das Licitantes com os fabricantes plataformas software empregadas pelo CNPq geram benefícios diretos para o Órgão, na medida em que a existência um canal formal interação técnica e do acesso ao suporte e às bases conhecimento problemas e soluções envolvendo os produtos utilizados no ambiente computacional do CNPq, implicam em redução do tempo necessário à solução sses problemas bem como na aplicação soluções contorno, caso se façam necessárias. Entretanto, consiramos parcialmente pertinentes as argumentações apresentadas pela Recorrente quanto ao peso ste item em relação ao dos mais itens da pontuação técnica. Assim, buscando oferecer condições mais aquadas para promover uma maior competitivida no certame, recomendamos que a pontuação relativa à cada subitem do item 1.1 do Fator Suporte Serviços seja 1 (um) ponto, passando o total máximo pontuação ste item, ser igual à 4 (quatro) pontos, e que seja consirado apenas a existência das parcerias, inpennte do tipo ou nível das mesmas. Assim, a tabela pontuação para o item passaria a ser a seguinte:

2 Item Descrição Forma Comprovação 1.1 A licitante será pontuada pela comprovação Cópia da claração ou contrato parceria emitida por fabricante em nome da Licitante. parceria com fabricante software. Subitem Parceria Tecnológica Microsoft Oracle Redhat Adobe/ 1 Macromedia Pontuação Máxima 4 Pontuação Pontuação Licitante Comprovação - Quanto à comprovação da prestação serviços nos Atestados Capacida Técnica previstos nos itens 1.2, 1.3, 1.4, 1.5, 1.6, 1.7 e 1.8 do Fator 1 Suporte Serviços da Pontuação Técnica R.: Conforme resposta já fornecida à questionamento anterior formulado por empresa interessada na participação no certame, recomendamos que sejam aceitos os Atestados Capacida Técnica sem a lista profissionais, para a comprovação da pontuação referente aos itens 1.2, 1.3, 1.4, 1.5, 1.6, 1.7 e 1.8 do Fator 1 Suporte Serviços da Pontuação Técnica, s que o documento comprovação da certificação do profissional seja acompanhado documento que comprove o seu vínculo com a Licitante durante o período execução do serviço a que se refere o Atestado Capacida Técnica. A apresentação cópia dos registros em Carteira Trabalho e Previdência Social - CTPS será aceita como comprovação vínculo profissional com a Licitante. Desta forma, consiramos que o entendimento da Recorrente está correto em relação a esse item. - Quanto à comprovação Certificação ISO 9001:2000 referente ao item 2.1 do Fator 2 Suporte Serviços da Pontuação Técnica R.: O Capability Maturity Mol for Software (SW-CMM) senvolvido pelo Software Engineering Institute (SEI), e a norma ISO 9001 senvolvido pela International Standarts Institute, compartilham preocupação comum com o gerenciamento da qualida e dos processos. No entanto, a ISO 9001 e o CMM possuem características distintas que comprovadamente não se equivalem e sim se complementam. Ambas são adotadas em conjunto e forma integrada por diversas organizações que buscam qualida no gerenciamento seus processos. A Norma ISO 9001 é um conjunto planejado atividas, que se adiciona ao processo natural fornecimento um dado produto ou serviço, com o objetivo reduzir o risco falhas.

3 O ponto chave sta norma é a documentação do sistema da qualida. Esta documentação po ser dividida nos documentos da qualida (que screvem o processo) e nos registros da qualida (que registram os resultados do processo). É também nesta documentação que é tectada a maior parte das não-conformidas à norma. O propósito principal do molo CMM é mensurar a maturida uma área senvolvimento softwares. O CMM screve as etapas necessárias para que uma área senvolvedora software produza, consistentemente e previsivelmente, produtos qualida assegurada. O molo possibilita analisar o quanto o processo implantado em uma organização é capaz assegurar a qualida dos produtos gerados. Enquanto o CMM sugere uma gran quantida documentos e reuniões com o cliente para o entendimento do requerimento e explicação da solução proposta, a ISO certifica se o processo senvolvimento software usado atualmente pela empresa é padronizado para todos os projetos. O CMM auxilia na finição do processo levantamento talhado dados com o usuário, ajudando assim, no planejamento um cronograma com atividas e datas bem estruturadas. Este plano possibilita a intificação caminhos críticos forma que atrasos na entrega do produto são bastante minimizados. Com isso, o custo para alocação recursos ten a estar próximo do estimado para o projeto. O CMM apresenta contribuição para redução erros no senvolvimento projetos. Os softwares, após serem senvolvidos, são revisados por outros analistas que não participaram do senvolvimento inicial. Nesta nova verificação, o código é talhadamente reexaminado com o objetivo garantir o correto funcionamento dos programas. A ISO 9001 po ser entendida como uma certificação voltada para a documentação e padronização processos qualida uma empresa, enquanto o CMM sugere ações e novos processos para a documentação e melhoria contínua do processo senvolvimento software. O entendimento do TCU parace ser o mesmo, como po ser comprovado através item 12 seu acórdão número 1944/2006, que prevê que, no que tange às Certificações ISO9001 e CMMI, não há improprieda na previsão pontuação simultânea aplicada aos mesmos, uma vez que estes certificados são complementares. Esse assunto já foi abordado pelo Tribunal em outras ocasiões, a exemplo, no Acórdão 167/2006 Plenário, tendo sido consirado que não há exigência simultânea certificações, mas sim, critério pontuação técnica diferenciado àquelas empresas que possuam ambos os certificados. Importante ressaltar que as certificações não são obrigatórias e a Licitante ixa apenas ser pontuada no caso não possuí-las.

4 A fim evitar restrição ao caráter competitivo ou subjetivida na avaliação do item 2.1 referente à Certificação ISO 9001:2000, sugerimos que seja conferida a pontuação máxima do item para todas as licitantes que apresentarem comprovação certificação na prestação serviços informática ou tecnologia da informação pela empresa, vendo-se neste caso, ser sconsirada a pontuação atribuída à cada subitem ste item. - Quanto à valorização do nível maturida CMMI ou MPS.BR previsto no item 2.2 do Fator 2 Suporte Serviços da Pontuação Técnica R.: A diferença crucial entre os níveis maturida CMMI 2 e 3 é o escopo padrões, scrições processos e procedimentos. No nível maturida 2, os padrões, scrições processos e procedimentos pom ser bastante diferentes em cada instância do processo (por exemplo, em um projeto específico). No nível maturida 3, os padrões, scrições processos e procedimentos para um projeto são adaptados do conjunto processos padrão da organização para se aquar a um projeto ou unida organizacional específicos. O conjunto processos padrão da organização inclui os processos tratados nos níveis maturida 2 e 3. Conseqüentemente, os processos que são executados em toda a organização são consistentes, exceto pelas diferenças permitidas pelas instruções adaptação. Outra diferença crítica é que no nível maturida 3, os processos são geralmente scritos mais talhadamente e com maior rigor que no nível maturida 2. No nível maturida 3, os processos são gerenciados forma mais pró-ativa, utilizando um entendimento dos inter-relacionamentos das atividas processos e medidas talhadas do processo, seus produtos trabalho e seus serviços. Desta forma, consiramos improcentes os argumentos apresentados pela Recorrente a respeito ste item. - Quanto à aceitação Atestados da Capacida Técnica especificados em pontos função para comprovação pontuação para o item 3.1 do Fator 3 Compatibilida da Pontuação Técnica R.: Como forma ampliar o caráter competitivo do certame licitatório, recomendamos que também sejam aceitos atestados com serviços quantificados em pontos função para comprovação da pontuação do item 3.1 utilizando-se, para tanto, o fator conversão 10 (z) horas por ponto função, ou seja, a média conversão atualmente empregada pelo mercado prestação serviços senvolvimento e manutenção sistemas informações. Para os atestados que não discriminam a quantida individual horas serviços técnicos (HST) ou pontos função (PF) prestados por cada fase do ciclo senvolvimento sistemas, será utilizada a Tabela Comparativa e Conversão abaixo, associada às fases previstas no Projeto Básico para o Molo Fábrica Software especificado no seu subitem

5 Tabela Comparativa Fases e Conversão HST / PF Fases do Ciclo Desenvol vimento Sistemas Avaliaçã o Técnica Concepç ão Elaboraç ão Construç ão (**) Transiçã o Todas as Fases do Ciclo Fator Convers ão 0,21 2% % Pontos Função 1,56 13% Subitens do Item 3.1 do Fator 3 Compatibilida ref. à Pontuação Técnica Gerenciamento Projeto 3,12 26% Análise Sistemas 5,78 47% Programação 1,56 13% Teste Software 12,23 100% Fábrica Software Qt Máxima Horas (HST) Acima Acima Acima Acima Acima Qt Máxima Pontos Função (PF) Acima 600 Acima Acima Acima 450 Acima Totais Máximos (**) Foi utilizada a linguagem Java uma vez que esta é a linguagem maior amplitu utilizada nos sistemas senvolvidos no CNPq e empregada como referência (média) nesta tabela. Desta forma, consiramos correto o entendimento da Recorrente em relação a este item, sendo que será observada a tabela acima para efeito conversão horas em pontos função. Quanto à comprovação da experiência envolvendo ambiente tecnológico e abrangência previsto no subitens e do Fator 4 Desempenho da Pontuação Técnica R.: A atribuição pontuação técnica às Licitantes pela experiência comprovada na execução serviços senvolvimento e manutenção sistemas em diferentes ambientes tecnológicos, é importante na medida em que se atribuem pontos às Licitantes que já atuaram em ambientes semelhantes aos que será encontrado no CNPq. Quanto às consirações da Recorrente à respeito dos subitens e 4.2.2, consiramos parcialmente coerentes os argumentos apresentados e sugerimos que o enunciado sses e dos itens e sejam alterados forma a melhor se ajustarem ao objetivo sejado. Assim, recomendamos que os itens 4.2.1, 4.2.2, e do item 4.2 do Fator Desempenho da Pontuação Técnica passem a ter o seguinte enunciado:

6 Su bit em Ambiente Tecnológico e Abrangência Pontu ação Atuação 2 servidores aplicação em cluster 1 De 3 a 5 servidores aplicação em 2 cluster De 6 a 8 servidores aplicação em 3 cluster Acima 8 servidores aplicação 4 em cluster Até 100 usuários simultâneos em 1 sistema com arquitetura web De 101 a 300 usuários simultâneos 2 em sistema com arquitetura web De 301 a 500 usuários simultâneos 3 em sistema com arquitetura web Acima 500 usuários simultâneos 4 em sistema com arquitetura web Até 500 usuários em sistema com 1 arquitetura cliente-servidor De 501 a 750 usuários em sistema 2 com arquitetura cliente-servidor De 751 a usuários em sistema 3 com arquitetura cliente-servidor Acima usuários em sistema 4 com arquitetura cliente-servidor Equipe Técnica Abrangendo até 10 1 profissionais em atividas senvolvimento e manutenção sistemas Equipe Técnica Abrangendo 11 a 2 20 profissionais em atividas senvolvimento e manutenção sistemas Equipe Técnica Abrangendo 21 a 3 30 profissionais em atividas senvolvimento e manutenção sistemas Equipe Técnica Abrangendo mais 4 30 profissionais em atividas senvolvimento e manutenção sistemas. Pontuaç ão da Licitante Comprovação (Páginas da Proposta) Concluímos sugerindo que também sejam promovidos ajustes nos anexos relativos à Pontuação Técnica integrantes dos editais das concorrências 002/2009 e 003/2009, forma à compatibilizá-los com as recomendações aqui contidas, caso esta Administração cida por acatá-las. Quanto aos REQUISITOS DE FORMAÇÃO E QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DOS PROFISSIONAIS NECESSÁRIOS À EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS especificados no Anexo II para as funções Gerente Projeto e Gerente Equipe Manutenção Sistemas

7 R: Uma vez que os projetos e atividas a serem geridos se referem ao senvolvimento e manutenção sistemas informação e sendo a Unified Moling Language (UML) a linguagem especificação adotada pelo CNPq e estabelecida em seu processo senvolvimento, a Certificação UML será requerida para os perfis Gerente Projeto e Gerente Equipe Manutenção Sistemas como forma garantir a capacitação dos profissionais que virão a preencher estes cargos. Assim, consiramos que o entendimento da Recorrente não esta correto com relação a esse item. - Quanto aos REQUISITOS DE FORMAÇÃO E QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DOS PROFISSIONAIS NECESSÁRIOS À EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS especificados no Anexo II para a função Gerente Engenharia Software R: A certificação a ser exigida para o profissional que exercerá o cargo Gerente Engenharia Software esta incorreta, vendo este possuir a certificação UML. Assim, consiramos que o questionamento da Recorrente esta parcialmente correta e sugerimos que seja promovida a correção no item certificações do profissional para o preenchimento ste cargo. Questão 1) Ref à pág. 22 Recorrente solicita disponibilização dos padrões codificação programas utilizados pela CGINF R: Os padrões codificação programas adotados pelo CNPq são os scritos no Java Co Convention da SUN e po ser obtido a partir dos sites : / Questão 2) Ref. à pág. 22 Recorrente solicita informar: 2.1) Sobre possibilida divulgação dos requisitos segurança do ambiente computacional do CNPq. R: Por razões segurança, não disponibilizamos publicamente os requisitos segurança das instalações CNPq. Assim, solicitamos que a Recorrente justifique por quê consira fundamental a divulgação ssas informações para a elaboração sua proposta participação no certame licitatório. 2.2) Se os requisitos performance serão negociados no ANS Acordo Nível Serviços. R: Conforme já estabelecido no Memorial Descritivo/Projeto Básico, os SLA( ou ANS) serão únicos para todos os serviços prestados pela Contratada. 2.3) Se o ANS será único para o contrato ou será finido um ANS para cada sistema informação.

8 R: Im resposta ao item 2.2. Questão 3) Ref. à pág Recorrente solicita informações sobre as Orns Serviço e os Termos Aceite a serem emitidos para os produtos gerados. R: O entendimento da Recorrente esta correto no que diz respeito ao que são os produtos a serem gerados e que constarão em cada Orm Serviço OS. No entanto, o aceite não será dado por produto e sim para toda a OS. Questão 4) Ref. à pág. 22 Recorrente solicita informações sobre o tempo garantia dos produtos gerados. R: O entendimento esta incorreto. A garantia será única para todos os produtos constantes em uma Orm Serviço. Questão 5) Ref. à pág. 25 Recorrente questiona com relação ao Indicador Orns Serviço executadas ntro do orçamento proposto. R: No texto scrito na última faixa ajuste estabelecida para o Indicador Orns Serviço executadas ntro do orçamento proposto a palavra Abaixo não esta correta. Assim, consiramos procentes as observações da Recorrente com relação a este item e sugerimos que o texto referente à ultima faixa ajuste do Indicador Orns Serviço executadas ntro do orçamento proposto seja alterado para Acima 1,50 85% do valor da OS. Questão 6) Ref. à pág. 26 com relação ao pagamento horas ociosas dos profissionais alocados em corrência atrasos finições por parte do CNPq. R: Não esta correto o entendimento da Recorrente. As horas serviço técnico a serem pagas serão as efetivamente dispendidas na execução das OS, não havendo qualquer previsão pagamento por horas ociosas em corrência atrasos finições por parte do CNPq. O que esta previsto no Memorial Descritivo/Projeto Básico é a ocorrência aceite automático para Orns Serviço cujo prazo aceite pelo CNPq tenha excedido em 25% o prazo originalmente previsto. Questão 7) Ref. à pág. 27 com relação ao quociente entre o valor do salário/mensal pelo salário/hora na pesquisa salarial realizada pela RHInfo. R: Esclarecemos que os valores a que se refere a Reclamente são pesquisa realizada pela RH INFO Consultoria Recursos Humanos em Informática, atualizada em julho 2008, e obtida através do site conforme mencionado no Memorial Descritivo/Projeto Básico. Informamos, ainda, que não foram consirados os valores da coluna salário/hora, mas os da coluna salário/mensal da referida pesquisa, para o cálculo da tabela remuneração salarial referência contida no item 13.1 do Memorial Descritivo/Projeto Básico, e que esses valores são compatíveis com os valores praticados pelo Mercado.

9 Assim, sugerimos que a Reclamante encaminhe o questionamento quanto à forma cálculo do salário/hora aos responsáveis pela pesquisa na RH INFO Consultoria Recursos Humanos em Informática, com vistas a obter os esclarecimentos sejados. Questão 8) Referente à execução das fases do ciclo vida do Processo Unificado para serviços manutenção para sistemas sem garantia. R: Os produtos a serem gerados para os serviços manutenção sistemas sem garantia, incluindo os artefatos serão estabelecidos nas Orns Serviço e penrão do tipo da manutenção a ser realizada. Questão 9) Referente ao entendimento do CNPq sobre a ativida administração componentes software R: Trata-se da ativida implementação e administração do repositório componentes software. Questão 10) Referente à ferramenta OLAP utliizada pelo CNPq R: A ferramenta OLAP atualmente utilizada pelo CNPq é o Oracle Discoverer. Questão 11) Ref. a pág. 89 sobre a asão à tabela referência sugerida pelo CNPq R: Esclarecemos que a pontuação a ser conferida à Licitante no caso asão à tabela remuneração referência sugerida pelo CNPq só se fará no caso da asão aos valores sugeridos para todos os cargos previstos na tabela. Questão 12) Ref. à pág. 22 quanto á finição do prazo aceite previstos nas Orns Serviço. R: O prazo execução das Orns Serviço seguirá o disposto nos item e do Memorial Descritivo/Projeto Básico. O prazo aceite será finido em comum acordo com a Contratada. Questão 13) Ref. à pág. 21 quanto aos prazos para início dos trabalhos. R: O entendimento da Recorrente esta correto em relação a este item. Questão 14) Ref. à pág. 22 quanto ao acesso à metodologia senvolvimento da CGINF R: Encaminhamos, em anexo, CD contendo todo o processo senvolvimento adotado pela CGINF, com os artefatos e produtos previstos a cada etapa do ciclo senvolvimento.

10 Questão 15) Ref. à pág. 102 quanto à função Gerente Equipe Sênior R: O entendimento da Recorrente esta correto em relação a este item. Sendo o que temos a consirar, subscrevemo-nos. Rosita Assis Rosa COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO Presinte

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO:

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009 Empresa interessada no certame solicitou PEDIDO DE ESCLLARECI IMENTTO,, aos termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: 1) Com relação

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC Of. n.º 319/2009 Brasília, 11 de maio de 2009. Ref.:

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC Of. n.º 319/2009 Brasília, 11 de maio de 2009. Ref.:

Leia mais

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica 491 ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica Nº Processo 0801428311 Licitação Nº EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 09/2008 [Razão ou denominação social do licitante] [CNPJ] A. Fatores de Pontuação Técnica:

Leia mais

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica 449 ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios Pontos Peso Pontos Ponderados (A) (B) (C) = (A)x(B) 1. Qualidade 115 1 115 2. Compatibilidade 227 681.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Ofício nº 077/2005/CPL/SAA/SE/MEC Brasília, 04 de maio de 2005. Aos interessados REFERÊNCIA: Concorrência

Leia mais

ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO

ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 008/2008 1 1- PLANILHA DE PONTUAÇÃO TÉCNICA FATOR QUALIDADE ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO Item Descrição Peso 2 1.1 A licitante será pontuada pela comprovação de parceria com

Leia mais

Nº Questionamento na íntegra Resposta

Nº Questionamento na íntegra Resposta Ref.: LPI 001/2014 - Fábrica de Software Respostas aos questionamentos Nº Questionamento na íntegra Resposta 1 No Edital em questão, no item 6.1 d Não serão aceitas joint venture, Seção VIII - Condições

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 010/2015

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 010/2015 ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 010/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Hepta Tecnologia em Informática Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: OBJETO: Obter contribuições

Leia mais

A Nota do Fator Suporte de Serviços NS será atribuída com os seguintes critérios:

A Nota do Fator Suporte de Serviços NS será atribuída com os seguintes critérios: ANEXO XIII PONTUAÇÃO TÉCNICA/PREÇO 1 Fatores de Avaliação e Respectivas Pontuações Fator de Avaliação - FA Nota Nota Máxima Peso Pontuação Ponderada Máxima S: Suporte NS 40 3 120 Q: Qualidade NQ 30 2 60

Leia mais

COMUNICADO. CONCORRÊNCIAS n.º 003, 004 e 005

COMUNICADO. CONCORRÊNCIAS n.º 003, 004 e 005 COMUNICADO CONCORRÊNCIAS n.º 00, 00 e 005 Informamos a Vossa Senhoria que realizamos algumas alterações nos Editais de Concorrências n.º 00, 00 e 005 e seus anexos, conforme segue abaixo: PARA AS CONCORRÊNCIAS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO 2.1.3.5 Resultados. a) Aumento da arrecadação tributária do Estado - excluído o crescimento econômico, variações de alíquotas e bases de cálculo, etc; b) Redução do tempo de julgamento administrativo dos

Leia mais

ANEXO III DO EDITAL FAO 001/2008 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DE PONTUAÇÃO TÉCNICA

ANEXO III DO EDITAL FAO 001/2008 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DE PONTUAÇÃO TÉCNICA ANEXO III DO EDITAL FAO 001/2008 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DE PONTUAÇÃO TÉCNICA 1. FATOR DESEMPENHO A nota técnica deste quesito será atribuída à licitante que possuir melhor desempenho na prestação de serviços

Leia mais

Cronograma de Atividades. Processo Seletivo Simplificado Edital 06/2015

Cronograma de Atividades. Processo Seletivo Simplificado Edital 06/2015 Cronograma de Atividades Processo Seletivo Simplificado Edital 06/2015 CRONOGRAMA ATIVIDADE DATAS Publicação de Extrato de Abertura de Inscrições 08 de abril de 2015 Período de Inscrições, Entrega de Títulos

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01)

PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01) CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 001/2010 ANEXO II 1 PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01) I - Atestados, certidões e comprovantes I.1 Todos os documentos, atestados e certificados deverão

Leia mais

ANEXO IV CRITÉRIOS DE JULGAMENTO. O julgamento da presente licitação levará em consideração os seguintes fatores técnicos e respectivos pesos:

ANEXO IV CRITÉRIOS DE JULGAMENTO. O julgamento da presente licitação levará em consideração os seguintes fatores técnicos e respectivos pesos: 1 - PONTUAÇÃO TÉCNICA ANEXO IV CRITÉRIOS DE JULGAMENTO O julgamento da presente licitação levará em consideração os seguintes fatores técnicos e respectivos pesos: FATORES DE PONTUAÇÃO PESO Desempenho

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 235/2013

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 235/2013 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 235/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: Stefanini Consultoria e Assessoria em Informática S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Questão: Entendemos que apenas um atestado atende as duas solicitações. Está correto nosso entendimento?

Questão: Entendemos que apenas um atestado atende as duas solicitações. Está correto nosso entendimento? ILMA. SRA. PREGOEIRA DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE RECURSOS LOGÍSTICOS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 13/2009

Leia mais

ANEXO III CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

ANEXO III CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ANEXO III CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação da Proposta Técnica será computada de acordo com o estabelecido nesse Anexo. A pontuação máxima para a proposta será de 1.000 (um mil pontos). 1. Metodologia

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 01/2014

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 01/2014 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 01/2014 Objeto: Contratação de empresa para prestação de serviços para desenvolvimento de projeto, sustentação, serviço e documentação de sistemas de informação, na modalidade Fábrica

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Métricas e Qualidade de Software

Métricas e Qualidade de Software s e Qualida Software Marcio P. Machado, Sotério F. Souza Mestrado em Informática Departamento Informática Universida Feral do Espírito Santo 1 Introdução Nos últimos anos, empresas têm buscado certificações

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA SUPERVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE SISTEMAS E TECNOLOGIA

SECRETARIA DA FAZENDA SUPERVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE SISTEMAS E TECNOLOGIA LICITAÇÃO PÚBLICA INTERNACIONAL - LPI N 0 001/CELIC/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N 0 0122073-14.00/12-0 RESPOSTAS DO CONTRATANTE Respostas aos questionamentos enviados pela empresa STEFANINI ASSESSORIA

Leia mais

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental UML - Diagramas, Fases e Detalhes Resolvi juntar

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA Anexo III Lote IV

TERMOS DE REFERÊNCIA Anexo III Lote IV 1. FATOR QUALIDADE 1.1 A licitante será pontuada pela comprovação de certificação ISO 9001:2000 nas atividades relacionadas abaixo. A comprovação será feita, exclusivamente, através da apresentação de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA Referência: CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 - BNDES Data: / / Licitante: CNPJ:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação.

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional 1. Função no Projeto: Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. 2. Nosso Número BRA/12/010 3. Antecedentes A missão

Leia mais

Ana Carla Fernandes Maciel 1, Carmem Valls 1, Márcia Maria Savoine 2

Ana Carla Fernandes Maciel 1, Carmem Valls 1, Márcia Maria Savoine 2 ANÁLISE DA QUALIDADE DE SOFTWARE UTILIZANDO AS NORMAS 12207, 15504, ISO 9000-3 E OS MODELOS CMM/CMMI e MPS.BR Ana Carla Fernans Maciel 1, Carmem Valls 1, Márcia Maria Savoine 2 Neste artigo, o objetivo

Leia mais

DIVERSOS QUESTIONAMENTOS COM AS RESPECTIVAS RESPOSTAS ACERCA DA CONCORRÊNCIA N.º 001/2011

DIVERSOS QUESTIONAMENTOS COM AS RESPECTIVAS RESPOSTAS ACERCA DA CONCORRÊNCIA N.º 001/2011 DIVERSOS QUESTIONAMENTOS COM AS RESPECTIVAS RESPOSTAS ACERCA DA CONCORRÊNCIA N.º 001/2011... RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FEITOS PELA EMPRESA AVANSYS TECNOLOGIA LTDA, CNPJ MF sob nº 04.181.950/0001-10,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE MODULO 3 SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE CONTEÚDO 3.1 A ABORDAGEM NBR ISO 9000 3.2 MODELOS DE QUALIDADE DE PRODUTO DE SOFTWARE 3.2.1 NBR ISO/IEC 9126 (SOFTWARE) 3.2.2 NBR ISO/IEC

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00001/2014

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00001/2014 Pregão Eletrônico 926284.12014.9995.5031.568746915954.633 CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00001/2014 Às 09:05 horas do dia 25 de novembro de 2014,

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos Advancedit

Metodologia de Gerenciamento de Projetos Advancedit Metodologia de Gerenciamento de Projetos Advancedit Compromisso Modificando Métodos Roberto Petry roberto.petry@advancedit.com.br Diretor de Tecnologia da AdvancedIT S/A Sponsor do Projeto Rumo ao CMM

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Minuta Relatório de resultados do PDTI anterior

Minuta Relatório de resultados do PDTI anterior RELATÓRIO DE RESULTADOS DO PDTI ANTERIOR Outubro de 2011 Elaborado pelo Grupo de Trabalho Intersetorial para elaboração do Plano Diretor de Tecnologia de Informação PDTI, nos termos da Portaria nº 4551,

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável do Brasil RELATÓRIO DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS TÉCNICAS

VALEC: Desenvolvimento Sustentável do Brasil RELATÓRIO DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS TÉCNICAS RELATÓRIO DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS TÉCNICAS 1. EDITAL: Edital de Concorrência Pública N o 022/2010 Contratação de empresa de consultoria para realização de serviços de apoio técnico ao gerenciamento

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1ª ERRATA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 008/2008

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1ª ERRATA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 008/2008 1ª ERRATA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 008/2008 1) INSTRUÇÕES ÀS LICITANTES ITEM 6.2.4 QUALIFICAÇÃO TÉCNICA Onde se lê: 6.2.4 Qualificação Técnica a) Registro/Certidão de inscrição no CREA e/ou CRA, da empresa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROJETO: ELABORAR ESTUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE PESSOAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Número do Projeto: 04/2011 Código do Projeto: CTC_TI_AVALIA_PESSOAL Versão:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS DA UNITECH 1) No item 5.2 dos critérios de qualidade, entendemos que não será aceita declaração, desacompanhada do certificado de qualidade. É correto o nosso entendimento?

Leia mais

RELATÓRIO. C:\Documents and Settings\Administrador\Meus documentos\downloads\acord_20070830_tc-023-979-2006-0.doc

RELATÓRIO. C:\Documents and Settings\Administrador\Meus documentos\downloads\acord_20070830_tc-023-979-2006-0.doc GRUPO I CLASSE VII Plenário TC-023.979/2006-0 (com 1 volume e 2 anexos) (Sigiloso) Natureza: Denúncia Unidade: Agência Nacional do Cinema - Ancine Interessado: Identidade preservada Advogado constituído

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS

CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS Em reposta a Consulta Pública abaixo indicada, prestamos os seguintes esclarecimentos às contribuições apresentadas:

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Comissão Especial de Licitação Concorrência nº 397/2010 Verificador Independente RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS REALIZADOS EM 08/02/2011

Comissão Especial de Licitação Concorrência nº 397/2010 Verificador Independente RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS REALIZADOS EM 08/02/2011 RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS REALIZADOS EM 08/02/2011 EDITAL DE LICITAÇÃO 1. É dito no item 9.6.3 que os atestados de capacitação técnica a que se refere o item 9.6.1 (I a III) deverão ser fornecidos por

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº. 004/2014. Respostas às Dúvidas e Sugestões

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº. 004/2014. Respostas às Dúvidas e Sugestões AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº. 004/2014 Respostas às Dúvidas e Sugestões Referência: Considerações apresentadas pela empresa xxx 1) Questões do Lote 01: 1.1 - Dúvidas 1.1.1 - Haja vista a lista apresentada no Catálogo

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Agenda: Carlos Simões cs@synapsisbrasil.com.br carlossimoes@cos.ufrj.br

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS EM GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

Projeto de Inovação Tecnológica da sala de apoio à gestão estratégica SAGE

Projeto de Inovação Tecnológica da sala de apoio à gestão estratégica SAGE Projeto de Inovação Tecnológica da sala de apoio à gestão estratégica SAGE PROCESSO DE SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE EQUIPE TÉCNICA EDITAL Nº 03/2014/SAGE Abre inscrições e define normas do processo de seleção

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos conceitos básicos de gerenciamento de projetos e considerando o PMBOK, julgue os itens a seguir. 51 No gerenciamento de um projeto, deve-se utilizar não apenas as ferramentas

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Respostas às Contribuições à Consulta Pública. Contratação de Serviços Especializados na Área de TI

Respostas às Contribuições à Consulta Pública. Contratação de Serviços Especializados na Área de TI TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE SISTEMAS Respostas às Contribuições à Consulta Pública Contratação de Serviços Especializados

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

PROVA DISCURSIVA (P )

PROVA DISCURSIVA (P ) PROVA DISCURSIVA (P ) 2 Nesta prova que vale dez pontos, faça o que se pede, usando os espaços indicados no presente caderno para rascunho. Em seguida, transcreva os textos para as folhas de TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz Especificação de FUNÇÃO Função: Analista Desenvolvedor Código: Cargo Função Superior CBO Analista de Informática Gerente de Projeto Missão da Função - Levantar e prover soluções para atender as necessidades

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Prestação de Serviços de Treinamento para Atendimento a Usuários de TIC

TERMO DE REFERENCIA. Prestação de Serviços de Treinamento para Atendimento a Usuários de TIC TERMO DE REFERENCIA Prestação de Serviços de Treinamento para Atendimento a Usuários de TIC 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviço(s) de treinamento para os servidores da área de atendimento

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

Para/To: N o de páginas/n o of. pages: 06 De/From: Silvana Luz Simões Data/Date: 28 / 08/ 2007 Ref.: Solicitação de proposta ATT.:

Para/To: N o de páginas/n o of. pages: 06 De/From: Silvana Luz Simões Data/Date: 28 / 08/ 2007 Ref.: Solicitação de proposta ATT.: MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq DAD/CGADM/COINF/SERVIÇO DE LICITAÇÃO SELIC SEPN 507, Bloco B, Ed. Sede CNPq, Sala 211, CEP: 70.740-901,

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE TRABALHO TREINAMENTO STATEMENT OF WORK Preparado por Nelson Azevedo Membro do Time Versão 1 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 28/11/2010 Propósito

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA - 01/2007 RELATÓRIO DE APRECIAÇÃO TÉCNICA DOS RECURSOS E CONTRA- RAZÕES APRESENTADOS PELOS LICITANTES

CONCORRÊNCIA AA - 01/2007 RELATÓRIO DE APRECIAÇÃO TÉCNICA DOS RECURSOS E CONTRA- RAZÕES APRESENTADOS PELOS LICITANTES No presente relatório estão as considerações da Equipe Técnica, em ordem alfabética pelo nome da empresa, sobre os recursos e contra-razões apresentados na fase de julgamento das propostas técnicas referentes

Leia mais

Ref: Edital da Concorrência nº. 002/2009. razões a seguir:

Ref: Edital da Concorrência nº. 002/2009. razões a seguir: Ref: Edital da Concorrência nº. 002/2009 Empresa interessada no certame IMPUGNOU I aos termos do edital, pelas razões a seguir: A ora impugnante verificou pela análise feita do Edital em questão, que alguns

Leia mais

ANEXO IV CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO

ANEXO IV CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 007/2008 1 1 - PLANILHA DE PONTUAÇÃO TÉCNICA FATOR QUALIDADE Item Descrição Peso 3 1.1 A licitante será pontuada pela comprovação de parceria com fabricante de produtos de TI.

Leia mais

Atendimento CREA-RO. Plano de Desenvolvimento de Software. Histórico das Reuniões do Grupo

Atendimento CREA-RO. Plano de Desenvolvimento de Software. Histórico das Reuniões do Grupo Plano de Desenvolvimento de Software Histórico das Reuniões do Grupo Data Descrição Integrantes O que foi deliberado. 1 Índice Analítico 1. Introdução 3 1.1 Finalidade 3 1.2 Escopo 3 1.3 Visão geral 3

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Governança de TI no Ministério da Educação

Governança de TI no Ministério da Educação Governança de TI no Ministério da Educação José Henrique Paim Fernandes Secretário Executivo Ministério da Educação Novembro de 2008 Governança de TI no Ministério da Educação Contexto Gestão e Tecnologia

Leia mais

A empresa Linknet Tecnologia & Telecomunicação Ltda. apresentou impugnação datada de 15 de junho de 2009, ao edital do Pregão Eletrônico nº 71/2008.

A empresa Linknet Tecnologia & Telecomunicação Ltda. apresentou impugnação datada de 15 de junho de 2009, ao edital do Pregão Eletrônico nº 71/2008. Decisão de Pregoeiro n 0021/2009-SLC/ANEEL Em 22 de junho de 2009. Processo nº: 48500.003566/2008-44 Licitação: Pregão Eletrônico nº 71/2008 Assunto: Análise da IMPUGNAÇÃO AO EDITAL apresentada pela empresa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

Esclarecimentos aos questionamentos sobre a consulta pública do projeto GRP Minas

Esclarecimentos aos questionamentos sobre a consulta pública do projeto GRP Minas Esclarecimentos aos questionamentos sobre a consulta pública do projeto GRP Minas 1. Produtos. a. Não foram encontradas referencias aos artefatos de fábrica de software que devem ser entregues, somente

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. OBJETIVO GERAL... 3 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 5 DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA... 4 6 PRODUTOS E SERVIÇOS... 4 6.1 RELATÓRIO DE SITUAÇÃO

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 1233/2012 TCU Plenário

ACÓRDÃO Nº 1233/2012 TCU Plenário ACÓRDÃO Nº 1233/2012 TCU Plenário 1. Processo nº TC 011.772/2010-7. 2. Grupo I Classe de Assunto V: Relatório de Auditoria 3. Interessados/Responsáveis: 3.1. Interessada: Secretaria de Fiscalização de

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

PERGUNTA: [...] 1. Entendemos que a abrangência do trabalho deve considerar os seguintes órgãos do MEC:

PERGUNTA: [...] 1. Entendemos que a abrangência do trabalho deve considerar os seguintes órgãos do MEC: ESCLARECIMENTO II AOS INTERESSADOS. Brasília, 24 de outubro de 2008. REFERÊNCIA: PREGÃO 45/2008 Proc. nº: 23000.011534/2008-22 ASSUNTO: Respostas aos Questionamentos. Prezados Senhores interessados, Em

Leia mais

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica 91 ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica Nº Processo 0801426905 Licitação Nº EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 04/2008 [Razão ou denominação social do licitante] [CNPJ] A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios

Leia mais

Uso de Métricas em Contratos de Fábrica de Software Roteiro de Métricas do SISP 2.0

Uso de Métricas em Contratos de Fábrica de Software Roteiro de Métricas do SISP 2.0 Uso de Métricas em Contratos de Fábrica de Software Roteiro de Métricas do SISP 2.0 Claudia Hazan claudia.hazan@serpro.gov.br claudia.hazan@serpro.gov.br 1 Objetivos Definir a Métrica Pontos de Função

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV

RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV Conselho Federal de Contabilidade CPL - Comissão Permanente de Licitação SAS Quadra 05 - Bloco J Edifício CFC CEP: 70070-920 - Brasília-DF E-mail: cpl@cfc.org.br RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV PREGÃO

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC Brasília, 20 de fevereiro de 2009. Ref.: Processo n

Leia mais

Consulta Pública Contratação de Serviços de TI STI - Superintendência de Tecnologia da Informação

Consulta Pública Contratação de Serviços de TI STI - Superintendência de Tecnologia da Informação Consulta Pública Contratação de Serviços de TI STI - Superintendência de Tecnologia da Informação Diretoria de Soluções Tecnológicas Superintendência de Tecnologia da Informação Objeto Objeto: Prestação

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais