ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica"

Transcrição

1 449 ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios Pontos Peso Pontos Ponderados (A) (B) (C) = (A)x(B) 1. Qualidade Compatibilidade Desempenho Suporte de Serviços Total Qualidade Objetiva avaliar a qualificação técnica da licitante em relação à certificação de qualidade e a sua aderência e experiência na utilização das melhores práticas do mercado (ISO 9001:2000, CMMI, MPS-BR, ISO 27001:2005), alinhando-se àquelas implementadas ou em processo de adoção no Banco Central. 2. Compatibilidade Objetiva avaliar a experiência da licitante na execução de serviços compatíveis com o objeto a ser licitado, em características, quantidades e esforço, conforme a plataforma tecnológica existente no Banco Central. Isso com o intuito de mitigar o risco de descontinuidade dos serviços licitados, uma vez que a licitante vencedora assumirá a integralidade da prestação desses serviços que são alta disponibilidade e criticidade.. Desempenho Objetiva avaliar o histórico da licitante no aspecto técnico de execução, com sucesso, de serviços similares ao especificado no Projeto Básico desta licitação, em esforço de horas por ano ou em pontos de função. 4. Suporte de serviços Objetiva a avaliação da experiência, capacidade técnica e agilidade da licitante na solução de problemas complexos, com a utilização de parceria com fabricantes de produtos objeto da licitação, bem como, pela experiência na prestação adequada da garantia dos serviços prestados. Apuração, adicionalmente, do grau de maturidade da licitante quanto ao controle da demanda e no gerenciamento dos serviços demandados pelos clientes.

2 450 B. Cálculo da Pontuação Técnica: P = 1 P + P + 2 P + 1 P T Q C D SS onde: P T - pontuação Total; P Q - total de pontos obtido no critério Qualidade; P C - total de ponto obtido no critério Compatibilidade; P D - total de pontos obtido no critério Desempenho; P SS - total de pontos obtido no critério Suporte de serviço. 1. O licitante deverá apresentar índice de aproveitamento em cada um dos critérios relacionados no item A acima superior a 50%. 2. Será desclassificado o licitante que não atingir o patamar mínimo do item anterior e haverá a devolução da sua proposta de preços, sem que tenha sido violada.

3 451 C. Critérios Pontuação Técnica 1 Qualidade 1.1 ISO 9001:2000 Comprovação de que possui certificado de qualidade na norma Séries ISO-9001:2000, vigente na data de entrega das propostas, emitido por órgão credenciado pelo Inmetro. Modo de comprovação: apresentação de cópia autenticada do certificado. Pontuação máxima: 15 (quinze) pontos. 1.2 Metodologia de Gestão de Segurança da Informação na Licitante Apresentação de documento que comprove a Gestão de Segurança da Informação em vigor na empresa licitante. Modo de comprovação: apresentação do documento referente à política em vigor revisada por instituição certificada ISO/IEC 27001:2005. Pontuação máxima: 15 (quinze) pontos. Cópia do certificado vigente. Existência de Gestão de Segurança da Informação em vigor Metodologia de Gestão de Segurança em Cliente A licitante será pontuada pela comprovação experiência na prestação de serviços de elaboração, implantação e/ou adoção de Gestão de Segurança da Informação (Sistemas, Aplicativos e Dados) no âmbito de seus clientes. Modo de comprovação: atestados de clientes, conforme o Modelo do Pontuação máxima: 15 (quinze) pontos. atestados de clientes. 15

4 452 1 Qualidade 1.4 CMM, CMMI ou MPS.BR Apresentação de documento de avaliação no modelo CMM (Capability Maturity Model) ou CMMI (Capability Maturity Model Integrated), elaborado por avaliador líder autorizado pelo SEI (Software Engineering Institute) para realizar a avaliação. Apresentação de relatório de avaliação do MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) endossado por avaliador líder credenciado pelo SOFTEX (Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro) para realizar a avaliação. Modo de comprovação: apresentação de cópia autenticada do documento ou relatório de avaliação. Somente será considerado 1 (um) documento de avaliação para comprovação da pontuação que se enquadrará em apenas um dos critérios de pontuação. A unidade da licitante avaliada, em qualquer dos modelos citados, obrigatoriamente deve estar no território nacional para que o Licitante obtenha pontuação. Pontuação máxima: 0 (trinta) pontos. Avaliação de nível 2 (por estágio ou equivalente) no modelo CMM ou CMMI; Avaliação de nível F ou E ou D no modelo MPS.BR. Avaliação de nível (por estágio ou equivalente), Nível 4 (por estágio ou equivalente), ou Nível 5 (por estágio ou equivalente) no modelo CMM ou CMMI; Avaliação MPS.BR nível C ou B ou A Processo formal de controle de qualidade por meio de testes de software, suportado por ferramenta(s) com gerenciamento e medição de defeitos O Licitante possui processo formal de controle de qualidade por meio de testes de software, suportado por ferramenta com gerenciamento e medição de defeitos, realizando os testes: unitário, de integração, de usabilidade, de carga e desempenho e de regressão, utilizando-os no desenvolvimento de software para seus clientes. Modo de comprovação: apresentação da documentação detalhada do processo e atestado de capacidade técnica do Licitante. atestados de clientes, conforme o Modelo 4 do Pontuação máxima: 20 (vinte) pontos. Teste unitário 4 Teste de integração 4 Teste de usabilidade 4 Teste de carga e desempenho Teste de regressão Metodologia para o desenvolvimento e manutenção de sistemas informatizados O Licitante adota metodologia de desenvolvimento e manutenção de sistemas informatizados e a utiliza no desenvolvimento para seus clientes. Modo de comprovação: apresentação da documentação detalhada da metodologia e atestado de capacidade técnica do Licitante. atestados de clientes, conforme o Modelo 5 do Pontuação máxima: 20 (vinte) pontos. Documentação da metodologia. atestados de clientes. 20

5 45 2 Compatibilidade 2.1 Experiência em Java 2 Enterprise Edition J2EE Apresentação de atestados de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante na prestação de serviços técnicos de desenvolvimento e/ou manutenção de software utilizando Java 2 Enterprise Edition J2EE e software de gerência de banco de dados relacional (SGBDR), medido em esforço de horas técnicas por ano ou pontos de função. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 6 do Pontuação máxima: 28 (vinte e oito) pontos. Tamanho até pontos de função, com esforço de 950 pontos de função por ano. Tamanho até horas, com esforço maior que horas Tamanho de a.400 esforço maior que 851 Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho de.401 a esforço maior que.401 Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho maior que esforço maior que Tamanho maior que horas, com esforço superior a horas

6 454 2 Compatibilidade 2.2 Experiência em prestação de serviços técnicos em desenvolvimento de software para processamento em servidor de aplicações Apresentação de atestado de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante em prestação de serviços técnicos em desenvolvimento de software para processamento em servidor de aplicações. Modo de comprovação: atestados conforme o Modelo 7 do Pontuação máxima: 28 (vinte e oito) pontos. Servidor de aplicações IBM Websphere Servidor de aplicações BEA Weblogic Servidor de aplicações Microsoft IIS Experiência em prestação de serviços técnicos utilizando a arquitetura em três camadas Apresentação de atestado de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante em prestação de serviços técnicos utilizando a arquitetura em três camadas. Modo de comprovação: atestados conforme o Modelo 8 do Pontuação máxima: 5 (cinco) pontos atestados de clientes 5

7 455 2 Compatibilidade 2.4 Experiência em NATURAL e ADABAS Apresentação de atestado de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante na prestação de serviços técnicos de desenvolvimento e/ou manutenção de software em plataforma alta (ambiente de grande porte mainframe) utilizando NATURAL e ADABAS. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 9 do Pontuação máxima: 28 (vinte e oito) pontos. Tamanho até 850 pontos de função, com esforço de 425 pontos de função por ano. Tamanho até horas, com esforço maior que 6.75 horas Tamanho de 851 a esforço maior que 851 Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho de a esforço maior que Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho maior que esforço maior que Tamanho maior que horas, com esforço superior a horas

8 456 2 Compatibilidade 2.5 Experiência em NATURAL e DB2 Apresentação de atestados de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante na prestação de serviços técnicos de desenvolvimento e/ou manutenção de software em plataforma alta (ambiente de grande porte mainframe) utilizando NATURAL e DB2. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 10 do Pontuação máxima: 28 (vinte e oito) pontos. Tamanho até 850 pontos de função, com esforço de 425 pontos de função por ano. Tamanho até horas, com esforço maior que 6.75 horas Tamanho de 851 a esforço maior que 851 Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho de a esforço maior que Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho maior que esforço maior que Tamanho maior que horas, com esforço superior a horas

9 457 2 Compatibilidade 2.6 Experiência em ASP.Net Apresentação de atestados de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante na prestação de serviços técnicos de desenvolvimento e/ou manutenção de software utilizando linguagem VBScript em ASP (Active Server Pages).Net para Internet, envolvendo atualização de dados em software de gerência de banco de dados relacional (SGBDR) cliente/servidor. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 11 do Pontuação máxima: 28 (vinte e oito) pontos. Tamanho até 850 pontos de função, com esforço de 425 pontos de função por ano. Tamanho até horas, com esforço maior que 6.75 horas Tamanho de 851 a esforço maior que 851 Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho de a esforço maior que Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho maior que esforço maior que Tamanho maior que horas, com esforço superior a horas

10 458 2 Compatibilidade 2.7 Experiência em VB.Net ou C# Apresentação de atestados de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante na prestação de serviços técnicos de desenvolvimento e/ou manutenção de software utilizando linguagem VB.Net ou C# para Internet, envolvendo atualização de dados em software de gerência de banco de dados relacional (SGBDR) cliente/servidor. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 12 do Pontuação máxima: 28 (vinte e oito) pontos. Tamanho até 850 pontos de função, com esforço de 425 pontos de função por ano. Tamanho até horas, com esforço maior que 6.75 horas Tamanho de 851 a esforço maior que 851 Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho de a esforço maior que Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho maior que esforço maior que Tamanho maior que horas, com esforço superior a horas

11 459 2 Compatibilidade 2.8 Experiência em UML utilizando no mínimo três diagramas Apresentação de atestados de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante em prestação de serviços técnicos em desenvolvimento e/ou manutenção de software utilizando no mínimo (três) dos seguintes diagramas da UML Unified Model Language a) Diagrama de Classes, b) Diagrama de Seqüência, c) Diagrama de Componentes, d) Diagrama de Transição de Estados, e) Diagrama de Implantação. Modo de comprovação : atestados conforme o Modelo 1 existente no Pontuação máxima: 12 (doze) pontos Serviços prestados utilizando (três) diagramas. Serviços prestados utilizando 4 (quatro) diagramas. Serviços prestados utilizando 5 (cinco) diagramas. 7 12

12 460 2 Compatibilidade 2.9 Experiência em Rational Unified Process RUP Apresentação de atestados de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante na prestação de serviços técnicos de desenvolvimento e/ou manutenção de processos baseados no Rational Unified Process RUP. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 14 do Pontuação máxima: 12 (doze) pontos. Tamanho até 850 pontos de função, com esforço de 425 pontos de função por ano. Tamanho até horas, com esforço maior que 6.75 horas Tamanho de 851 a esforço maior que 851 Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho de a esforço maior que Tamanho de a horas, com esforço superior a horas Tamanho maior que esforço maior que Tamanho maior que horas, com esforço superior a horas

13 461 2 Compatibilidade 2.10 Experiência em ambiente de ETL Apresentação de atestados de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante na prestação de serviços técnicos de desenvolvimento de sistemas utilizando ferramentas do tipo ETL (Extract Load Transform), em esforço de horas anuais. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 15 do Pontuação máxima: 15 (quinze) pontos. até horas/ano 1 de até horas/ano de até horas/ano de até horas/ano de até horas/ano Mais de horas/ano Experiência em ambiente de consultas OLAP A Apresentação de atestado de capacidade técnica que comprovem a experiência do Licitante em prestação de serviços técnicos em construção de sistemas utilizando módulos de consultas com tecnologia OLAP. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 15 do Pontuação máxima: 15 (quinze) pontos. atestados de clientes 15

14 462 Desempenho.1 Experiência em serviços prestados utilizando a métrica de homem-hora Apresentação de atestados de clientes distintos que comprovem a experiência, em quantidade de horas anuais, do Licitante na prestação de serviços técnicos de desenvolvimento ou manutenção (evolutiva, adaptativa, corretiva e perfectiva) e suporte de sistemas de informação, medido em esforço de no mínimo horas técnicas Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 16 do Pontuação máxima: 28 (vinte e oito) pontos..2 Experiência em serviços prestados utilizando a métrica PONTO DE FUNÇÃO Apresentação de atestados que comprovem a experiência do Licitante na prestação de serviços técnicos de desenvolvimento de software, utilizando a métrica de Análise de PONTOS DE FUNÇÃO do IFPUG (International Function Point Users Group) ou baseado nesse padrão, no modelo de fábrica de software nas instalações do Licitante, medido em pontos de função. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 17 do Pontuação máxima: 28 (vinte e oito) pontos. atestados de clientes Desenvolvimento de sistema com até pontos de função. Desenvolvimento de sistema de a pontos de função. Desenvolvimento de sistema de a pontos de função. Desenvolvimento de sistema de mais de pontos de função Experiência em serviços prestados para diagnóstico de problemas e análise de performance de software Apresentação de atestados que comprovem a experiência do Licitante na prestação de serviços técnicos para diagnóstico de problemas e análise de performance de software. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 18 do Pontuação máxima: 1 (treze) pontos. Diagnóstico de problemas 7 Análise de performance 6

15 46 Desempenho.4 Experiência em aplicação de técnicas de estimativa de mensuração de sistemas de informação em pontos de função Apresentação de atestado que comprove a experiência do Licitante na aplicação de técnicas de estimativa de mensuração de sistemas de informação em pontos de função, baseado no padrão de Análise de PONTOS DE FUNÇÃO do IFPUG (International Function Point Users Group). Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 19 do Pontuação máxima: 1 (treze) pontos..5 Experiência na realização de testes utilizando ferramenta de auditoria de código Apresentação de atestado que comprove a experiência do Licitante na realização de testes utilizando ferramenta de auditoria de código e de debug on-line de Java. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 19 do Pontuação máxima: 1 (treze) pontos..6 Experiência na realização de testes utilizando ferramenta de debug de Java Apresentação de atestado que comprove a experiência do Licitante na realização de testes utilizando ferramenta de debug de Java. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 19 do Pontuação máxima: 1 (treze) pontos..7 Experiência na realização de testes utilizando ferramenta de debug de.net Apresentação de atestado que comprove a experiência do Licitante na realização de testes utilizando ferramenta de debug de.net. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 19 do Pontuação máxima: 1 (treze) pontos. atestados de clientes atestados de clientes atestados de clientes atestados de clientes

16 464 Desempenho.8 Experiência na utilização de processo formal de desenvolvimento de sistemas O Licitante utiliza processo formal, próprio ou de cliente, de desenvolvimento de sistemas baseado no Processo Unificado de desenvolvimento de sistemas, considerando o ciclo de vida completo previsto pela técnica. Modo de comprovação: apresentação da documentação detalhada do processo e atestado de capacidade técnica do Licitante, conforme o Modelo 19 do atestados de clientes 1 Pontuação máxima: 1 (treze) pontos.9 Experiência em administração de componentes de sistemas Apresentação de atestado que comprove a experiência do Licitante na administração de componentes de sistemas. Modo de comprovação: atestado conforme o Modelo 19 do Pontuação máxima: 1 (treze) pontos atestados de clientes 1

17 465 4 Suporte de Serviços 4.1 Parcerias tecnológicas Apresentação de declaração ou cópia de certificado de parceria emitida por fabricante, acompanhada de cópia do respectivo contrato. Observação: Se a licitante pontuar em algum dos itens fica obrigada a manter, durante toda a vigência contratual, a parceria com fabricante em obteve pontuação. Modo de Comprovação: declaração do fabricante acompanhada de respectivo contrato. Pontuação máxima: 10 (dez) pontos. IBM Premier Partner Microsoft Gold Partner HP Partner 2 Microstrategy 1 BEA Ferramenta de Gerenciamento de demandas A licitante possui e utiliza ferramenta customizável de gerenciamento de atendimento e demandas, segura e com disponibilidade para acesso pelo cliente, via Internet ou Extranet, com as funcionalidades: a) acompanhamento dos serviços solicitados e suas respectivas Ordens de Serviço, por meio de consultas, relatórios e gráficos, possibilitando a análise da situação e comparação dos serviços realizados em relação ao previsto; b) acompanhamento dos custos dos serviços contratados e suas respectivas faturas, por meio de consultas, relatórios e gráficos, possibilitando a análise do custo realizado em relação ao previsto, controle de entregas, desembolsos e custos de mudança de escopo; c) acompanhamento dos níveis mínimos de serviço contratados globais ou para uma demanda específica, por meio de consultas, relatórios e gráficos; d) de relatórios gerenciais com informações de ocorrências de atendimento a demandas emergenciais e corretivas; e) consulta ao perfil e competência dos profissionais alocados aos serviços contratados; f) de base histórica com o comparativo entre estimativas e realizado de esforço, prazo, custo e níveis de serviço. Modo de Comprovação: declaração conforme Modelo 20 do Anexo 7, bem como cópia de telas da ferramenta. Ferramenta atende a funcionalidade a. Ferramenta atende a funcionalidade b. Ferramenta atende a funcionalidade c. Ferramenta atende a funcionalidade d. Ferramenta atende a funcionalidade e. Ferramenta atende a funcionalidade f Pontuação máxima: 15 (quinze) pontos.

18 466 4 Suporte de Serviços 4. Acordo de nível de serviço Apresentação de atestado de capacidade técnica que comprove que a Licitante, em prestação de serviços técnicos de desenvolvimento ou manutenção de sistemas de informática similar ao objeto da licitação, utiliza Acordo de Nível de Serviço (ANS) no relacionamento com seus clientes, contendo, no mínimo, indicadores de tempo, qualidade e quantidade. Atestado de cliente. 10 Modo de Comprovação: atestado de capacidade técnica conforme Modelo 21 do Anexo 7, bem como cópia do contrato e do acordo de nível de serviço, com os indicadores apurados. Pontuação máxima: 10 (dez) pontos. 4.4 Garantia de serviços Apresentação de atestado de capacidade técnica que comprove que a Licitante, em prestação de serviços técnicos de desenvolvimento ou manutenção de sistemas de informática similar ao objeto da licitação, cumpre integralmente todos os termos de garantia de seus serviços dentro do prazo contratual ou do acordo de nível de serviço. Atestado de cliente. 25 Modo de Comprovação: atestado de capacidade técnica conforme Modelo 22 do Anexo 7, bem como cópia do contrato. Pontuação máxima: 25 (vinte e cinco) pontos.

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica 491 ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica Nº Processo 0801428311 Licitação Nº EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 09/2008 [Razão ou denominação social do licitante] [CNPJ] A. Fatores de Pontuação Técnica:

Leia mais

ANEXO 7 MODELOS DE ATESTADOS E DECLARAÇÕES

ANEXO 7 MODELOS DE ATESTADOS E DECLARAÇÕES 467 ANEXO 7 MODELOS DE ATESTADOS E DECLARAÇÕES 1. Disposições Gerais A) As declarações devem estar em papel timbrado da licitante, contendo o nome, cargo ou função, dados de identificação (CPF e identidade),

Leia mais

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 04/008 ANEXO PT. 08014905 ANEXO Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios Pontos Peso Pontos Ponderados (A) (B) (C) = (A)x(B)

Leia mais

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica 91 ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica Nº Processo 0801426905 Licitação Nº EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 04/2008 [Razão ou denominação social do licitante] [CNPJ] A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 235/2013

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 235/2013 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 235/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: Stefanini Consultoria e Assessoria em Informática S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO

ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 008/2008 1 1- PLANILHA DE PONTUAÇÃO TÉCNICA FATOR QUALIDADE ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO Item Descrição Peso 2 1.1 A licitante será pontuada pela comprovação de parceria com

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01)

PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01) CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 001/2010 ANEXO II 1 PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01) I - Atestados, certidões e comprovantes I.1 Todos os documentos, atestados e certificados deverão

Leia mais

Respostas às Contribuições à Consulta Pública. Contratação de Serviços Especializados na Área de TI

Respostas às Contribuições à Consulta Pública. Contratação de Serviços Especializados na Área de TI TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE SISTEMAS Respostas às Contribuições à Consulta Pública Contratação de Serviços Especializados

Leia mais

! " # $% & '(% ) %( * (+, -. $ )

!  # $% & '(% ) %( * (+, -. $ ) !" # $%&(%)%(*(+,-. $) ! " # $ %$& $ # ( $ ) # * + $ $ # & $ + $# $ $, - $ # $# ) # $$ # + # * 3) # # $.# # * # # / 0 $ * ) $ * 1 0 * # $ * 2 # ) $ $) # $* 1 $ - $ )! 4 ( # $ $! $ # $ # $ 4$ $# $# $ $

Leia mais

ANEXO III DO EDITAL FAO 001/2008 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DE PONTUAÇÃO TÉCNICA

ANEXO III DO EDITAL FAO 001/2008 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DE PONTUAÇÃO TÉCNICA ANEXO III DO EDITAL FAO 001/2008 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DE PONTUAÇÃO TÉCNICA 1. FATOR DESEMPENHO A nota técnica deste quesito será atribuída à licitante que possuir melhor desempenho na prestação de serviços

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Ofício nº 077/2005/CPL/SAA/SE/MEC Brasília, 04 de maio de 2005. Aos interessados REFERÊNCIA: Concorrência

Leia mais

ANEXO IV CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO

ANEXO IV CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 007/2008 1 1 - PLANILHA DE PONTUAÇÃO TÉCNICA FATOR QUALIDADE Item Descrição Peso 3 1.1 A licitante será pontuada pela comprovação de parceria com fabricante de produtos de TI.

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº. 004/2014. Respostas às Dúvidas e Sugestões

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº. 004/2014. Respostas às Dúvidas e Sugestões AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº. 004/2014 Respostas às Dúvidas e Sugestões Referência: Considerações apresentadas pela empresa xxx 1) Questões do Lote 01: 1.1 - Dúvidas 1.1.1 - Haja vista a lista apresentada no Catálogo

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 010/2015

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 010/2015 ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 010/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Hepta Tecnologia em Informática Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: OBJETO: Obter contribuições

Leia mais

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS As qualificações técnicas exigidas para os profissionais que executarão os serviços contratados deverão ser comprovados por meio dos diplomas, certificados, registros

Leia mais

ANEXO 2 CONDIÇÕES PARA HABILITAÇÃO

ANEXO 2 CONDIÇÕES PARA HABILITAÇÃO 1 1 INSTRUÇÕES GERAIS ANEXO 2 CONDIÇÕES PARA HABILITAÇÃO 1.1 A habilitação do licitante classificado em primeiro lugar será verificada on line, durante a sessão pública, no Sistema de Cadastro Unificado

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA Referência: CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 - BNDES Data: / / Licitante: CNPJ:

Leia mais

OFÍCIO CEL N 313/2009. Brasília, 06 de maio de 2009.

OFÍCIO CEL N 313/2009. Brasília, 06 de maio de 2009. OFÍCIO CEL N 313/2009. Brasília, 06 maio 2009. Ref.: Processo n 001592/2008-4 - CC 001/2009 Ass.: Contratação pessoa jurídica para prestação serviços especializados em Tecnologia da Informação (TI), na

Leia mais

ANEXO IV CRITÉRIOS DE JULGAMENTO. O julgamento da presente licitação levará em consideração os seguintes fatores técnicos e respectivos pesos:

ANEXO IV CRITÉRIOS DE JULGAMENTO. O julgamento da presente licitação levará em consideração os seguintes fatores técnicos e respectivos pesos: 1 - PONTUAÇÃO TÉCNICA ANEXO IV CRITÉRIOS DE JULGAMENTO O julgamento da presente licitação levará em consideração os seguintes fatores técnicos e respectivos pesos: FATORES DE PONTUAÇÃO PESO Desempenho

Leia mais

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO:

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009 Empresa interessada no certame solicitou PEDIDO DE ESCLLARECI IMENTTO,, aos termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: 1) Com relação

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC Of. n.º 319/2009 Brasília, 11 de maio de 2009. Ref.:

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS

CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS Em reposta a Consulta Pública abaixo indicada, prestamos os seguintes esclarecimentos às contribuições apresentadas:

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade proceder as alterações do edital do Pregão PE.DAQ.G.00031.2011, conforme abaixo:

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade proceder as alterações do edital do Pregão PE.DAQ.G.00031.2011, conforme abaixo: PE.DAQ.G.00031.2011 1/7 SUPLEMENTO Nº 02 O presente Suplemento tem por finalidade proceder as alterações do edital do Pregão PE.DAQ.G.00031.2011, conforme abaixo: 1) Na Seção III, subitem 3.3 Documentação

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA Anexo III Lote IV

TERMOS DE REFERÊNCIA Anexo III Lote IV 1. FATOR QUALIDADE 1.1 A licitante será pontuada pela comprovação de certificação ISO 9001:2000 nas atividades relacionadas abaixo. A comprovação será feita, exclusivamente, através da apresentação de

Leia mais

PROJETO BÁSICO ANEXO 1A. Especificações Técnicas

PROJETO BÁSICO ANEXO 1A. Especificações Técnicas 25 PROJETO BÁSICO Especificações Técnicas 1. Objeto 1.1 Disposições gerais 1.1.1 O objeto desta licitação é a prestação de serviços técnicos de informática de desenvolvimento e sustentação de sistemas

Leia mais

ANEXO 7 MODELOS DE ATESTADOS E DECLARAÇÕES

ANEXO 7 MODELOS DE ATESTADOS E DECLARAÇÕES 77 ANEXO 7 MODELOS DE ATESTADOS E DECLARAÇÕES 1. Disposições Gerais A) As declarações devem estar em papel timbrado da licitante, contendo o nome, cargo ou função, dados de identificação (CPF e identidade),

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL CAU/BR

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL CAU/BR ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL CAU/BR CAST INFORMÁTICA S.A., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 03.143.181/0001-01, com sede

Leia mais

Gestão de contratos de Fábrica de Software. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Gestão de contratos de Fábrica de Software. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Gestão de contratos de Fábrica de Software Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Agenda Diretriz (Método Ágil); Objeto de contratação; Volume de serviços estimado; Plataformas de Desenvolvimento;

Leia mais

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, MSc rafael.espinha@primeup.com.br João Condack, MSc condack@primeup.com.br Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Gerenciando Riscos

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE MODULO 3 SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE CONTEÚDO 3.1 A ABORDAGEM NBR ISO 9000 3.2 MODELOS DE QUALIDADE DE PRODUTO DE SOFTWARE 3.2.1 NBR ISO/IEC 9126 (SOFTWARE) 3.2.2 NBR ISO/IEC

Leia mais

ANEXO III CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

ANEXO III CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ANEXO III CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação da Proposta Técnica será computada de acordo com o estabelecido nesse Anexo. A pontuação máxima para a proposta será de 1.000 (um mil pontos). 1. Metodologia

Leia mais

Ferramenta Web para Gerência de Requisitos e de Projetos em Conformidade com o Modelo de Referência do MPS.BR

Ferramenta Web para Gerência de Requisitos e de Projetos em Conformidade com o Modelo de Referência do MPS.BR Ferramenta Web para Gerência de Requisitos e de Projetos em Conformidade com o Modelo de Referência do MPS.BR Instituto Centro-Oeste de Desenvolvimento de Software Cristiano Lehrer cristiano@icodes.org.br

Leia mais

Julgamento de Recurso. Concorrência 01/2009

Julgamento de Recurso. Concorrência 01/2009 Julgamento de Recurso Concorrência /9 Trata-se de recursos hierárquicos apresentados pelas empresas: CWI SOFTWARE LTDA, DBSERVER ASSESSORIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LTDA e HCL (BRAZIL) TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

A Nota do Fator Suporte de Serviços NS será atribuída com os seguintes critérios:

A Nota do Fator Suporte de Serviços NS será atribuída com os seguintes critérios: ANEXO XIII PONTUAÇÃO TÉCNICA/PREÇO 1 Fatores de Avaliação e Respectivas Pontuações Fator de Avaliação - FA Nota Nota Máxima Peso Pontuação Ponderada Máxima S: Suporte NS 40 3 120 Q: Qualidade NQ 30 2 60

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

Banco do Brasil Diretoria de Tecnologia. Fábrica de Projetos - Projeto Básico. Anexo A - Especificação Técnica

Banco do Brasil Diretoria de Tecnologia. Fábrica de Projetos - Projeto Básico. Anexo A - Especificação Técnica Banco do Brasil Diretoria de Tecnologia Fábrica de Projetos - Projeto Básico Anexo A - Especificação Técnica 1. Objeto Contratação de empresa ou consórcio de empresas para a prestação de serviços técnicos

Leia mais

Nº Questionamento na íntegra Resposta

Nº Questionamento na íntegra Resposta Ref.: LPI 001/2014 - Fábrica de Software Respostas aos questionamentos Nº Questionamento na íntegra Resposta 1 No Edital em questão, no item 6.1 d Não serão aceitas joint venture, Seção VIII - Condições

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC Of. n.º 319/2009 Brasília, 11 de maio de 2009. Ref.:

Leia mais

PROVA DISCURSIVA (P )

PROVA DISCURSIVA (P ) PROVA DISCURSIVA (P ) 2 Nesta prova que vale dez pontos, faça o que se pede, usando os espaços indicados no presente caderno para rascunho. Em seguida, transcreva os textos para as folhas de TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Trabalho para a disciplina de Seminários I do curso de Gerência de Projetos de Software para a PUC-Rio.

Trabalho para a disciplina de Seminários I do curso de Gerência de Projetos de Software para a PUC-Rio. Fábrica de Software Trabalho de Seminários I 07 Fábrica de Software Trabalho para a disciplina de Seminários I do curso de Gerência de Projetos de Software para a PUC-Rio. Alam Braga 072.069.003 Bruno

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DA CIA

PROCESSO SELETIVO DA CIA ANEXO 2 CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO PARA CLASSIFICAÇÃO FOLHA 01 PS 01/07 TCB1 - Técnico de Computação com ênfase em Análise e Projeto no ambiente tecnológico Mainframe IBM referentes aos 5 (cinco) itens abaixo,

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA 1. Número e Título do Projeto: OEI BRA09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI

Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI Rogerio Jovaneli, de INFO Online Segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011-15h51 SÃO PAULO - A Cast, fornecedora de soluções e serviços em TI, revela dispor de 1,5

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ASSESSORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ASSESSORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANALISE DA PROPOSTA TÉCNICA DOS PARA EDITAL 0001/010 Profissional: Administrador de Sistemas Alcançada Classificação Habilidades e capacitação Num. De Certificados Pontos a) Descrição do cargo: Atuar como

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

A empresa Linknet Tecnologia & Telecomunicação Ltda. apresentou impugnação datada de 15 de junho de 2009, ao edital do Pregão Eletrônico nº 71/2008.

A empresa Linknet Tecnologia & Telecomunicação Ltda. apresentou impugnação datada de 15 de junho de 2009, ao edital do Pregão Eletrônico nº 71/2008. Decisão de Pregoeiro n 0021/2009-SLC/ANEEL Em 22 de junho de 2009. Processo nº: 48500.003566/2008-44 Licitação: Pregão Eletrônico nº 71/2008 Assunto: Análise da IMPUGNAÇÃO AO EDITAL apresentada pela empresa

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para executar serviços de manutenção evolutiva, corretiva, adaptativa e normativa

Leia mais

Projeto Básico para Contratação de empresa para prestação de serviço especializado de desenvolvimento de sistemas

Projeto Básico para Contratação de empresa para prestação de serviço especializado de desenvolvimento de sistemas ANEXO I SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL ETAPA 01 Projeto Básico para Contratação de empresa para prestação de serviço especializado de desenvolvimento de sistemas SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

ANEXO I - PROJETO BÁSICO

ANEXO I - PROJETO BÁSICO UNIDADE DE COORDENAÇÃO ESTADUAL - UCE/AL COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO FAZENDÁRIA PROMOFAZ- ANEXO I - PROJETO BÁSICO 1. OBJETO 1.1. Prestação de serviços técnicos

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz Especificação de FUNÇÃO Função: Analista Desenvolvedor Código: Cargo Função Superior CBO Analista de Informática Gerente de Projeto Missão da Função - Levantar e prover soluções para atender as necessidades

Leia mais

Questão: Entendemos que apenas um atestado atende as duas solicitações. Está correto nosso entendimento?

Questão: Entendemos que apenas um atestado atende as duas solicitações. Está correto nosso entendimento? ILMA. SRA. PREGOEIRA DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE RECURSOS LOGÍSTICOS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 13/2009

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

1.264 Aula 4. Processo do Software: CMM Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

1.264 Aula 4. Processo do Software: CMM Linguagem de Modelagem Unificada (UML) 1.264 Aula 4 Processo do Software: CMM Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Modelo de Maturidade de Capacidade para Software Desenvolvido pelo (SEI) Instituto de Engenharia de Software, Universidade

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO 18- ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA / PROJETO BÁSICO LICITAÇÃO/MODALIDADE: CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 041/2004 TIPO: TÉCNICA E PREÇO (Execução Global) DADOS DA SOLICITANTE ÓRGÃO/ENTIDADE: DE GOIÁS LOCALIZAÇÃO:

Leia mais

Uso de Métricas em Contratos de Fábrica de Software Roteiro de Métricas do SISP 2.0

Uso de Métricas em Contratos de Fábrica de Software Roteiro de Métricas do SISP 2.0 Uso de Métricas em Contratos de Fábrica de Software Roteiro de Métricas do SISP 2.0 Claudia Hazan claudia.hazan@serpro.gov.br claudia.hazan@serpro.gov.br 1 Objetivos Definir a Métrica Pontos de Função

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos;

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos; Versão 1.1 - Última Revisão 16/08/2006 Porque estudar um Modelo de Maturidade? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para

Leia mais

Qualidade de Software. Aécio Costa

Qualidade de Software. Aécio Costa de Software Aécio Costa A Engenharia pode ser vista como uma confluência de práticas artesanais, comerciais e científicas [SHA90]. Software sem qualidade Projetos de software difíceis de planejar e controlar;

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Edital. A notícia completa pode ser lida no link a seguir: http://idag.jusbrasil.com.br/noticias/2611942/pregao-eletronico-robos-

Edital. A notícia completa pode ser lida no link a seguir: http://idag.jusbrasil.com.br/noticias/2611942/pregao-eletronico-robos- RESPOSTA AS SUGESTÕES ENVIADAS DA MINUTA DE EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS NA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, COMPREENDENDO ASSESSORIA TÉCNICA NA ÁREA DE TI;

Leia mais

CMMI - nível 2: um projeto da MSA para melhoria de processos de desenvolvimento de software Ana Silva e Cássia Leite

CMMI - nível 2: um projeto da MSA para melhoria de processos de desenvolvimento de software Ana Silva e Cássia Leite CMMI - nível 2: um projeto da MSA para melhoria de processos de desenvolvimento de software Ana Silva e Cássia Leite Atualmente, a idéia de utilizar modelos para promover melhorias e capacitação sobre

Leia mais

Boas práticas, vedações e orientações para contratação de serviços de desenvolvimento e manutenção de software (Fábrica de Software)

Boas práticas, vedações e orientações para contratação de serviços de desenvolvimento e manutenção de software (Fábrica de Software) MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Tecnologia da Informação Departamento de Infraestrutura e Serviços de Tecnologia da Informação Departamento de Governança e Sistemas de Informação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE GESTÃO DA POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS EDITAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE GESTÃO DA POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS EDITAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE GESTÃO DA POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO SRP Nº 1/2013 SGPDH/SDH/PR Processo nº: 00005.007535/2012-11 Modalidade:

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

PROJETO BÁSICO ANEXO 1A. Especificações Técnicas

PROJETO BÁSICO ANEXO 1A. Especificações Técnicas 25 PROJETO BÁSICO Especificações Técnicas 1. Objeto 1.1 Disposições gerais 1.1.1 O objeto desta licitação é a prestação de serviços técnicos de infra-estrutura de informática por empresa especializada

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO 2.1.3.5 Resultados. a) Aumento da arrecadação tributária do Estado - excluído o crescimento econômico, variações de alíquotas e bases de cálculo, etc; b) Redução do tempo de julgamento administrativo dos

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

Minuta Relatório de resultados do PDTI anterior

Minuta Relatório de resultados do PDTI anterior RELATÓRIO DE RESULTADOS DO PDTI ANTERIOR Outubro de 2011 Elaborado pelo Grupo de Trabalho Intersetorial para elaboração do Plano Diretor de Tecnologia de Informação PDTI, nos termos da Portaria nº 4551,

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA DOCUMENTAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA DOCUMENTAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS - DAF COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA DAF INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA

Leia mais

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Tiago Domenici Griffo 1, Gothardo Francisco de Magalhães Santos 1, Rodrigo Becke Cabral 1 1

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014

NOTA DE ESCLARECIMENTO CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 NOTA DE ESCLARECIMENTO CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 A JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO tendo em vista o que consta no Processo E-11/006/306/2014, presta esclarecimentos para dirimir dúvidas

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA AA 01/2014 BNDES QUESTIONAMENTO 08

CONSULTA PÚBLICA AA 01/2014 BNDES QUESTIONAMENTO 08 CONSULTA PÚBLICA AA 01/2014 BNDES QUESTIONAMENTO 08 Questionamento 08.1: 1) Considerando que o item 13.1.11. do Anexo I dispõe sobre a possibilidade de fiscalização nos serviços executados. (i) A proponente

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Engenharia Informática Ano letivo 2012/2013 Unidade Curricular Engenharia de Software II ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3º Semestre 1º sem Horas de trabalho globais Docente Maria Clara Silveira Total

Leia mais

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1 VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Elvis Ferreira da Silva* Msc. Marta Alves de Souza** Msc. Helder

Leia mais

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Carlos Oest carlosoest@petrobras.com.br Time Box: 60 minutos Backlog da apresentação: Apresentação do assunto 1 SCRUM 2 Estimativa com Pontos

Leia mais

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX QUALIFICACAO DE PROFISSIONAIS NO MODELO SEI/CMMI CHAMADA PÚBLICA SOFTEX No. CPS/01/2004 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA IMPLANTACAO

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL - TSE SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI ESCRITÓRIO DE PROJETOS EP PROJETO BÁSICO

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL - TSE SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI ESCRITÓRIO DE PROJETOS EP PROJETO BÁSICO PROJETO BÁSICO 1. OBJETO Contratação de serviços de atualização da Ferramenta Corporativa de Antivírus atualmente instalada na plataforma da Justiça Eleitoral, com 27.182 licenças para microcomputadores.

Leia mais

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software 6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software Alunos Filipi Silveira Flávio Knob Orientadores Afonso Orth Rafael Prikladnicki Agenda O problema O processo O projeto

Leia mais

PESQUISA DE PREÇOS 01/2014

PESQUISA DE PREÇOS 01/2014 PESQUISA DE PREÇOS 01/2014 Considerando a necessidade de aquisição de software integrado de gestão, para atender as necessidades desta Prefeitura Municipal de Porto Alegre, solicitamos que as empresas

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS. Sumário

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS. Sumário CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Sumário 1. DIRETRIZES PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APLICATIVOS...172 1.1. INTRODUÇÃO...172

Leia mais

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL Cristiane Machado de Vargas 1 Ana Marcia Debiasi Duarte 2

Leia mais

Gestão de contratos com métricas de resultado (serviços de software)

Gestão de contratos com métricas de resultado (serviços de software) Contratações públicas de TI: encontro com o mercado Gestão de contratos com métricas de resultado (serviços de software) Carlos Oest Tecnologia da Informação e Telecomunicações TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Sumário. Especificações de experiência e conhecimento para as equipes de profissionais... 2. Perfi s Profissionais... 2

Sumário. Especificações de experiência e conhecimento para as equipes de profissionais... 2. Perfi s Profissionais... 2 ANEXO 5 - DO PROJETO BÁSICO Especificações de experiência e conhecimento para as equipes de profissionais disponibilizadas para a execução dos serviços Sumário Especificações de experiência e conhecimento

Leia mais

Qualificação Profissional por Certificação Internacional Análise de Processo CMM Nível 2 na IVIA

Qualificação Profissional por Certificação Internacional Análise de Processo CMM Nível 2 na IVIA Qualificação Profissional por Certificação Internacional Análise de Processo CMM Nível 2 na IVIA Setembro de 2005 Edgy Paiva Diretor de Projetos edgy.paiva@ivia.com.br Tel: (85) 3264 47 47 Apresentação

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1ª ERRATA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 008/2008

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1ª ERRATA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 008/2008 1ª ERRATA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 008/2008 1) INSTRUÇÕES ÀS LICITANTES ITEM 6.2.4 QUALIFICAÇÃO TÉCNICA Onde se lê: 6.2.4 Qualificação Técnica a) Registro/Certidão de inscrição no CREA e/ou CRA, da empresa

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Apresentação PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA APLICADA Qualidade de software WILIAN ANTÔNIO ANHAIA DE QUEIROZ O que é qualidade? A Norma ISO8402 define Qualidade

Leia mais

COMUNICADO. CONCORRÊNCIAS n.º 003, 004 e 005

COMUNICADO. CONCORRÊNCIAS n.º 003, 004 e 005 COMUNICADO CONCORRÊNCIAS n.º 00, 00 e 005 Informamos a Vossa Senhoria que realizamos algumas alterações nos Editais de Concorrências n.º 00, 00 e 005 e seus anexos, conforme segue abaixo: PARA AS CONCORRÊNCIAS

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais