Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI"

Transcrição

1 volume dois coleção DARCY RIBEIRO Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Caderno 5 Noções de Organização Municipal Caderno 7 Noções de Gerenciamento de Crises Caderno 8 Formação de Multiplicador e Educador Político

2 volume dois coleção DARCY RIBEIRO Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Caderno 5 Noções de Organização Municipal do Mandato Caderno 7 Noções de Gerenciamento de Crise Caderno 8 Formação de Multiplicador e Educador Político

3 O nosso lema, trabalhadores do Brasil, é progresso com justiça, e desenvolvimento com igualdade. A maioria dos brasileiros já não se conforma com uma ordem social imperfeita, injusta e desumana. João Goulart Discurso de João Goulart no comício de 13 de março de 1964, na Central do Brasil, Rio de Janeiro.

4 O povo não quer ser acalentado, como criança: sabe por que sofre e prefere dos seus governantes ouvir a verdade dura e nua, a verdade necessária que desperta os inconscientes e retardados, os tolos e comodistas. Luís Carlos Prestes Presidente de Honra do PDT

5 CONSELHO CURADOR Carlos Lupi Presidente Direção Nacional do PDT PRESIDENTE Carlos Lupi 1º VICE-PRESIDENTE Dep. André Figueiredo 2º VICE-PRESIDENTE Dep. Brizola Neto SECRETáRIO GERAL Manoel Dias SECRETáRIO ADjUNTO Dep. Paulo Pereira TESOUREIRO Marcelo Panella CONSULTOR jurídico Prefeito José Queiroz SEC. DE RELAÇõES INTERNACIONAIS Dep. Vieira da Cunha SEC. ADjUNTO DE RELAÇõES INTERNACIONAIS Vereador Márcio Bins VOGAL Dep. Cidinha Campos VOGAL Miguelina Vecchio LíDER NO SENADO FEDERAL Senador Acir Gurgacz LíDER NA CâMARA FEDERAL Dep. André Figueiredo VICE-PRESIDENTES REGIONAIS: REGIONAL SUL Alceu Collares REGIONAL SUDESTE Pref. Sérgio Vidigal REGIONAL CENTRO-OESTE Sen. Cristovam Buarque REGIONAL NORDESTE Ronaldo Lessa REGIONAL NORTE Dep. Sebastião Bala Rocha RELAÇõES PARLAMENTARES Dep. Miro Teixeira SECRETáRIO NACIONAL DE FINANÇAS Francisco Loureiro SECRETáRIO NACIONAL DE DIVULGAÇÃO E PROPAGANDA Mário Heringer MOVIMENTOS DE base: juventude SOCIALISTA Luiz Marcelo AÇÃO DA MULHER TRAbALHISTA Miguelina Vecchio MOVIMENTO NEGRO Ivaldo Paixão MOVIMENTO DOS APOSENTADOS, PENSIONISTAS E IDOSOS Maria José Latge MOVIMENTO DE AGRICULTURA FAMíLIAR Dep. José Silva SECRETARIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Maria Amélia Souza Reis MOVIMENTO SINDICAL Claúdio Janta FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA ALBERTO PASQUALINI (FLB-AP) coleção DARCY RIBEIRO volume dois Cadernos Reinventando o Brasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI DIREÇÃO Manoel Dias André Figueiredo Clairton Schardong Luizinho Martins EQUIPE TÉCNICA André Menegotto Célia Romeiro Josbertini Virgínio Clementino Leonardo Zumpichiatti Ricardo Viana ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Christina Pacca FC Leite Filho Gal Leal Osvaldo Maneschy Paulo Ottaran EQUIPE DE APOIO Ades Oliveira Celia Regina L. da Rocha Fernando Barbosa Sandro Alencar Suely Moraes PROFESSORES CONTEUDISTAS Jorge Bernardi Célia Romeiro Celso Gomes Júlio Rocha Paulo Ottaran Ricardo Viana PARTICIPAÇÃO ESPECIAL Acir Gurgacz André Figueiredo Carlos Lupi Manoel Dias COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO Leonardo Zumpichiatti Ricardo Viana Presidente Vice-presidente Secretário-Geral Tesoureiro DESIGN INSTRUCIONAL Leonardo Zumpichiatti Ricardo Viana DIREÇÃO, GRAVAÇÃO E EDIÇÃO DOS VíDEOS Leonardo Zumpichiatti Rafael Machado Ricardo Viana REVISÃO ORTOGRáFICA Ades Oliveira André Menegotto Célia Romeiro Francisco Leite Filho Leonardo Zumpichiatti COLAbORADORES Ades Oliveira Michele França Pamela Fonseca COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Ricardo Viana DESIGN GRáFICO Haroldo Brito

6 Educação política e partidária como ferramenta para gestores públicos. Palavra do presidente Manoel Dias Presidente Nacional da FLB-AP O processo eleitoral deveria representar, numa democracia verdadeiramente representativa, o ponto alto da decisão popular, quando nos referimos à eleição de representantes para o poder legislativo e executivo. Tais representantes teriam a responsabilidade de, dentro da linha ideológica defendida pelo programa partidário, corresponder às expectativas do eleitorado e principalmente dos habitantes de sua localidade. No entanto, fica uma pergunta no ar: será que os partidos e os seus quadros estão instrumentalizados para exercer adequadamente os mandatos eletivos? Vivemos uma crise política e partidária no Brasil, em grande parte como resultado da não valorização dos processos internos de formação e educação de seus militantes e quadros partidários. Daí a necessidade de se perceber rapidamente que o mundo tem mudado. O processo econômico e social exige novas alternativas, entretanto, o processo político de uma forma geral, pouco tem avançado em seus programas e teses. Como mudar esta realidade? Nosso grande desafio é transformar discurso e programa em prática, aproximando nossos mandatos da população que nos confiou seu voto. Um verdadeiro mandato pedetista deve vivenciar e praticar as boas condutas que foram registradas em nossos documentos, teses, estatuto e programas de governos. É com esse objetivo que lançamos o Caderno II da Coleção Darcy Ribeiro, produzido pela Fundação Leonel Brizola Alberto Pasqualini abordando noções básicas de administração pública e partidária além de temas relevantes que contribuirão com a gestão de todos os pedetistas nos poderes legislativos e executivos. Dedicamos este caderno à memória do Presidente João Goulart, o Jango. Sua morte no exílio, em 6 de dezembro de 1976, como consequência do golpe militar de 1º de abril de 1964, representa o nosso compromisso com as reformas de base e com trabalhadores do Brasil. Seu belo exemplo de gestor público trabalhista será sempre lembrado por todos nós. Carlos Lupi Presidente Nacional do PDT O processo de planejamento e organização partidária, desenvolvido pela Direção Nacional do PDT, através da Fundação Leonel Brizola Alberto Pasqualini confirmaram as expectativas de crescimento eleitoral projetadas, consolidando o PDT como o 5º maior partido nacional. No anacrônico sistema eleitoral brasileiro, com trinta partidos oficializados e que disputaram as eleições em 2012, atingimos mais de 5% do eleitorado nacional, totalizando mais de 7,5 milhões de votos, distribuidos notadamente nos grandes centros urbanos, destacando-se nesse cenário as capitais Porto Alegre, Curitiba e Natal. Mas devemos avançar mais! Sabemos que hoje, grande parte da economia e do trabalho concentra-se, principalmente, nos pequenos e médios municípios brasileiros. São nesses municípios que o trabalho de organização do PDT deve crescer e se fortalecer para que o trabalhismo continue vivo, coerente e lutando pelo povo brasileiro. Nossa principal meta é preparar nossos prefeitos, viceprefeitos e vereadores, para que desenvolvam gestões transparentes, participativas e populares, implementando política públicas adequadas ao momento vivido pelo país e em consonância com as diretrizes do trabalhismo. Um prefeito pedetista tem o dever de enfrentar o dilema da educação no seu município, implementando a Educação em Tempo Integral, bandeira máxima do nosso partido, cabendo aos vereadores eleitos a fiscalização e o acompanhamento dessa grande herança brizolista para o Brasil e para nossas crianças. Por isso, não fugiremos das nossas responsabilidades, como partido que defende os interesses exclusivos e próprios de um povo único e tão misto, que não usufrui em sua plenitude da liberdade que tem, por não ter o cuidado que merece. Precisamos educar para libertar!

7 A metologia Projeto da ULB A história da humanidade é marcada pelo papel determinante da família, do estado e das empresas. Para que todas estas instituições pudessem funcionar, fez-se necessária a existência da Política, sem a qual, as coisas seriam resolvidas mediante o uso da força e fazendo prevalecer a tradicional lei do mais forte. A humanidade evoluiu e com ela suas instituições, até atingirmos a plenitude da Democracia onde todos devem ter direito a voz e vez, independente de suas crenças, origens e costumes. Na chamada democracia representativa o povo escolhe seus representantes através de eleições diretas. Devido a forte influência do poder econômico não tem surgido entre a população elementos providos da qualidade necessária para exercer este papel representativo. A Universidade aberta Leonel Brizola enquanto escola de formação política é destinada a todos os interessados em aprender ou compartilhar conhecimentos para melhorar nosso país cada vez mais sejam eles pedetistas, ou não. Ao acessar o internautas encontrará conteúdos relacionados às áreas do direito, filosofia, economia e outros temas como cursos destinados a formação ideológica dos militantes pedetistas e também voltados à qualificação técnica das tarefas importantes na organização partidária e pública. Abrangendo uma ampla grade de conhecimentos das ciências sociais, estes cursos são ofertados pelo método à distância através dos mais modernos e atualizados recursos da internet. Acesse o site da ULB: Inscreva-se e participe! A ULB é a escola de formação política do PDT, criada para proporcionar educação política e capacitar militantes para transformar o país, protagonizando teses, lutas e reivindicações junto ao povo brasileiro. Aprender política de uma forma correta. Este é o objetivo central dos cursos através da formulação de idéias e ideais. Sendo a política o confronto desses ideais, o sujeito histórico que não conhece a trajetória que herda da humanidade pouco pode interferir em seu destino. Os conteúdos foram elaborados de forma simples, possibilitando o fácil entendimento para pessoas de todos os níveis de escolaridade e situando cursistas ao meio político e na história mundial, dando a eles a necessária dimensão de conhecimentos capazes de superar as contradições que lhe são impostas. Para ilustrar melhor, os conteúdos foram configurados como uma pirâmide: no topo, os vídeo aulas que introduzem os temas; no meio, o material explicativo e, na base, as bibliografias indicadas, para aqueles que desejarem se aprofundar nos temas propostos. Mesmo sendo um material formatado para curso à distância, o cursista não estará isolado. Muito ao contrário. A ULB possui uma plataforma de ensino via internet da qual todos poderão fazer parte, juntando-se a centenas de outras pessoas que compartilham informações e saberes no site Para melhor uso deste material, sugerimos reunir um grupo de militantes e propor um estudo organizado do todos os conteúdos, buscando compartilhar os saberes que cada um possui. Sugere-se, também convidar pessoas que detenham algum saber específico, podendo ser do partido ou não, para fazer uma palestra complementar referente aos conteúdos tratados no nosso material. O cursista pode também reunir alguns companheiros, em casa ou na sede do partido, e convidar um professor para palestrar. Portanto, para aqueles que desejam fazer a diferença na política, este material pretende ser um bom começo. Leonardo Zumpichiatti Secretário Executivo Ricardo Viana Coordenador Pedagógico

8 Sobre o Material Didático A descrença na atividade política é sistêmica em todo o mundo, entretanto as pessoas não compreendem suas causas, tampouco suas consequências. Primeiramente, é preciso entender que o modelo de democracia burguês ocidental, fundada pela Revolução Francesa em 1789, chegou ao seu esgotamento devido à apropriação do Estado por parte de setores que privilegiam interesses de grupos econômicos. Essa é a principal causa dessa descrença generalizada. As consequências nefastas desse esgotamento, podem ser percebidas na qualidade de vida das pessoas: sistema de saúde precário, segurança pública que não protege o cidadão, educação que não ensina, desemprego, etc. Enquanto prevalece a descrença e o afastamento do cidadão comum, permanecem no poder aqueles que o utilizam para benefício próprio e de pequenos grupos privilegiados. O antídoto para isso é a construção de um PODER POPULAR, no qual prevaleçam decisões que atendam prioritariamente o conjunto da população que, afinal, é quem paga a conta. Nada mais justo. Portanto, não existe algo melhor do que desenvolver a consciência críticareflexiva para atingirmos o PODER POPULAR. Assim, a tarefa de formação política é INDISPENSÁVEL para esse propósito. Entretanto, devemos ressaltar que a consciência crítica é formada pelo estudo e pelo debate. Mas esse debate e esse estudo não podem ocorrer de forma aleatória ou esporádica, tampouco sem utilizar de técnicas que potencializem os resultados. Nunca é demais lembrar que os resultados da educação são atingidos no longo prazo, sendo muito difícil quantifica-los. Assim surge a importância do papel do mediador na construção desse conhecimento que forma a base do PODER POPULAR; surge assim a figura do Educador Político, responsável pela mediação e promoção do conhecimento, para desenvolver essa importante atividade: basta vontade de aprender e algum acúmulo de conhecimentos acerca da atividade política. Com o primeiro Caderno da Coleção Darcy Ribeiro a ULB assenta as bases teóricas para a compreensão da política atual, bem como a fundamentação doutrinária e prática do Partido Democrático Trabalhista. Agora, neste segundo Caderno, especialmente nesse curso, são desenvolvidos os recursos teóricos necessários para melhor desempenhar a tarefa de Educador Político. RECOMENDAÇÕES Leia o material; Assista a vídeo aula; Identifique companheiros potenciais para desenvolver as atividades de Educação Política; Promova discussões e debates frequentes; Divulgue as atividades de formação política que desenvolve para todos, inclusive para não filiados; Participe dos grupos de discussão nacional acerca da formação política, promovidos pela ULB. Palavras-chaves, observações rápidas e etc., ficam aqui! Crie as suas! Anoteas para pesquisar depois. Entendendo o PDT Dinâmica do conteúdo Organização Você sabia que planejar e aprender técnicas de estudo aumentam o entendimento em até 30%? Marcadores de páginas Na capa interna, junto aos DVD s, existem adesivos coloridos. Useos para marcar, por exemplo, as páginas iníciais de cada capítulo. Palco principal Aqui os conteúdos aparecem de forma destacada e objetiva. Anotações pessoais Quer fazer suas próprias anotações? Fique a vontade, aqui também é usado para indicar uma leitura complementar (Leia+), links externos ou ainda uma dica! Tem mais a anotar? Vale tudo, só não vale ficar para traz. ;-). 13

9 sumário caderno 5 noções de organização municipal sumário caderno 6 noções de planejamento do mandato apresentação o município e sua organização política O município e sua Origem O município COmO unidade federativa a CriaçãO de novo município a Lei OrgâniCa municipal a autonomia municipal as COmpetênCias do município a intervenção no município os poderes municipais a unidade federativa O poder executivo municipal as atribuições do prefeito a Câmara municipal O vereador proibições e incompatibilidades LiCença e perda do mandato mesa COmissões O plenário as sessões a estrutura administrativa municipal noções de administração pública administração direta administração indireta new public management os bens municipais as espécies de bens CessãO dos bens municipais da alienação dos bens incorporação de bens pelo município referências responda apresentação fui eleito e agora? poder executivo X poder legislativo por onde começar? equipe CapaZ COmO montar a equipe analisar O perfil profissional antes de definir funções CHefe de gabinete secretária de gabinete assessoria de COmuniCaçãO assessoria para COmissões e plenário assessor técnico (projetos no executivo) como receber bem os visitantes? correspondências (cartas, s e fax) ligações telefônicas reuniões de comissões plenário finalidades do gabinete eixo de COOrdenaçãO e dinamização das atividades parlamentares e extra parlamentares Quais são Os ObJetivOs do mandato? elo entre O parlamentar e as demandas sociais e individuais escritório político-eleitoral de ação permanente atividades-fim definição dos ObJetivOs essenciais do mandato intervenção permanente e sistemática vinculada ao CumprimentO dos ObJetivOs do mandato estudos e elaboração de projetos prospectivos de médio e LOngO prazo vinculados ao mandato COntatO permanente e programado COm as bases eleitorais vinculação COm as OrganiZações sociais O relacionamento COm Os demais poderes em níveis federal, estadual e municipal indicações para CargOs no executivo atividades meio O uso da tribuna participação nas COmissões técnicas as articulações no interior da bancada e JuntO a Outras forças políticas a COnvivênCia COm Os meios de COmuniCaçãO COntrOLe sistemático das atividades desenvolvidas a troca de idéias, O diálogo do parlamentar COm assessores a agenda parlamentar O acompanhamento sistemático das resoluções e informações da Casa e de Outras instâncias a Leitura diária de JOrnais e revistas a redação de pronunciamentos CurtOs e de discursos a elaboração de projetos de Lei, de emendas e de pareceres recursos Humanos e materiais a estrutura interna a equipe externa de assessoria O uso do COmputadOr e banco de dados, fax, scanner, biblioteca e arquivos doze dicas gerais responda

10 sumário caderno 7 nocões de gerenciamento de crise apresentação o que é crise de imagem perante a opinião pública? de Onde surgem as Crises? alguns fatores geradores de Crises O Que fazer diante da Crise? COmO evitar Que Crises se instalem? O Que não fazer diante da Crise? os princípios da administração pública princípio da LegaLidade princípio da impessoalidade princípio da moralidade princípio da publicidade princípio da eficiência princípio da transparência assessoria de comunicação (ascom) e relacionamento com a mídia efeitos das mídias sociais na Crise o que fazer diante da crise? gerenciador da Crise COmitê de gerenciamento de Crise porta-voz - Quem poderá assumir a função de porta-voz? responda sumário caderno 8 formação do multiplicador e educador político 1 trabalhando com linhas conceituais multiplicador Ou formador político educador político partidários por Quê? Os partidos buscam O poder pra Quê? como somos vistos ou conhecido pela sociedade? O Que é um partido educativo? a ulb COmO instrumento da ação e prática educativa ideológica partidária estrutura municipal de OrganiZaçãO partidária a responsabilidade do exercício da Liderança a ulb COmO instrumento de formação de multiplicadores e educadores ao exercício da Liderança COmO iniciar um processo de CapaCitaçãO e educação política municipal? COmO Criar uma estrutura de OrganiZaçãO básica partidária? desenvolvimento da inteligência sócio-interacionismo interacionismo e desenvolvimento ulb como prática educativa partidária processo de formação política: eixo do CresCimentO partidário diferenciação de métodos de aprendizagem problemas Que O processo de formação política normalmente encontra mediador no apoio aos COmpanHeirOs de partido aprendizagem em grupo: uma prática ao rocesso de construção do conhecimento e ação partidária Quais as razões para impulsionarmos um processo de aprendizagem COLetivO dentro das estruturas partidárias? COmO planejar ações educativas em grupo? resumo OperaCiOnaL de formação política aperfeiçoando a rede de COmuniCaçãO e elaborando um plano de ação responda

11 Cadernos coleção DARCY RIBEIRO volume dois Reinventando o Brasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Noções de Planejamento 60 61

12 sumário caderno 6 noções de planejamento do mandato apresentação fui eleito e agora? poder executivo X poder legislativo por onde começar? equipe CapaZ COmO montar a equipe analisar O perfil profissional antes de definir funções CHefe de gabinete secretária de gabinete assessoria de COmuniCaçãO assessoria para COmissões e plenário assessor técnico (projetos no executivo) como receber bem os visitantes? correspondências (cartas, s e fax) ligações telefônicas reuniões de comissões plenário finalidades do gabinete eixo de COOrdenaçãO e dinamização das atividades parlamentares e extra parlamentares Quais são Os ObJetivOs do mandato? elo entre O parlamentar e as demandas sociais e individuais escritório político-eleitoral de ação permanente atividades-fim definição dos ObJetivOs essenciais do mandato intervenção permanente e sistemática vinculada ao CumprimentO dos ObJetivOs do mandato estudos e elaboração de projetos prospectivos de médio e LOngO prazo vinculados ao mandato COntatO permanente e programado COm as bases eleitorais vinculação COm as OrganiZações sociais O relacionamento COm Os demais poderes em níveis federal, estadual e municipal indicações para CargOs no executivo atividades meio O uso da tribuna participação nas COmissões técnicas as articulações no interior da bancada e JuntO a Outras forças políticas a COnvivênCia COm Os meios de COmuniCaçãO COntrOLe sistemático das atividades desenvolvidas a troca de idéias, O diálogo do parlamentar COm assessores a agenda parlamentar O acompanhamento sistemático das resoluções e informações da Casa e de Outras instâncias a Leitura diária de JOrnais e revistas a redação de pronunciamentos CurtOs e de discursos a elaboração de projetos de Lei, de emendas e de pareceres recursos Humanos e materiais a estrutura interna a equipe externa de assessoria O uso do COmputadOr e banco de dados, fax, scanner, biblioteca e arquivos Banco 13 doze de Palavras dicas gerais responda volume dois coleção DARCY RIBEIRO apresentação Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI No conjunto da crise de identidade em que o Brasil está mergulhado, uma das vertentes institucionais mais salientes é a do poder legislativo, nos seus três níveis, municipal, estadual e federal. Esse poder é o que melhor representa a ampla gama de interesses contraditórios da sociedade brasileira, ele é a imagem mais completa do que somos enquanto sociedade democrática, com suas qualidades e defeitos que se apresentam, mas em especial em razão do leque de perspectivas e possibilidades que vocês terão para trabalhar. Sobre o autor: júlio Rocha, jornalista, Coordenador Nacional da Seção Brasileira do Serviço Paz e Justiça, atualmente é Assessor de Comunicação Social na prefeitura de Luziânia/GO. Nascido em Porto Alegre/RS, milita política e organicamente desde a juventude. Este trabalho utilizou como texto base Idéias para o Desenvolvimento do mandato Parlamentar IDESC/1995, modificado e acrescido pela experiência do autor em mais de uma década de assessoramento parlamentar

13 1 fui eleito e agora? Temos a certeza que muitos eleitos, logo após o período das comemorações, pensam na resposta para esta pergunta. Obviamente a resposta não será encontrada em curto espaço de tempo e pode surgir outra série de dúvidas que vão desde a organização administrativa do gabinete ao uso da tribuna. Há um misto de euforia com a preocupação em corresponder com a confiança de seus eleitores. Como fazer para manter os seus eleitores fieis ao mandato conquistado e para votação em futuras eleições? Como conquistar novos eleitorados e adeptos as causas defendidas pelo mandato? Será possível aprimorar técnicas político-eleitorais e alcançar voos maiores? O mandato pode ser muito positivo e fundamental não apenas aos que lhe confiaram o voto, mas para toda a população que receberá as ações diretas de seu trabalho. A responsabilidade de exercer um mandato eletivo é grande, e agora cada eleito deverá, com muita simplicidade e dedicação, trabalhar para melhorar a vida da população de seu município. Este curso terá grande foco temático para os eleitos em cargos legislativos municipais, mas podendo, em um processo de adaptação, servir de base a formulação de gabinete dos eleitos no campo majoritário. para tornar o cargo conquistado bem visto pela população? Para que isso seja possível os eleitos devem pensar em plano de mandato, controle e coordenação de atividades extras parlamentares e em planejamento estratégico para intervenção parlamentar. A imagem do político, em geral, está desgastada e todos os eleitos sentirão na pele, ao assumir o mandato, da dificuldade de associar o mandato, a pessoa e o político ao longo da trajetória. Pode ser que existam comentários jocosos logo no início do mandato, através dos meios de comunicação local, mas não existe nada que não possa ser reconstruído através do trabalho devidamente planejado, e o eleito deve trabalhar constantemente para não perder a confiança de seu eleitorado. Percebemos grande número de parlamentares que agem em algum momento de forma negligente na realização de suas atividades, atuando espontaneamente e sem preocupação em racionalizar a prática de seu mandanto. Em resumo, não utilizam bem o seu gabinete. Não concentre as atividades político-eleitorais nas vésperas de um pleito, às pressas, de forma aleatória e sem rumo certo. O trabalho político e eleitoral deve ser permanente, bem planejado, coordenado e controlado. Um dos fatores essenciais dessa ação é a consolidação e ampliação da imagem do parlamentar ou a própria criação dessa imagem, não se esquecendo de suas qualidades humanas e políticas, como a dedicação à causa pública, a competência, a honestidade, a seriedade, e a responsabilidade no cumprimento do mandato. O objetivo central do curso é mostrar que essas ações são e devem ser realizadas pelo gabinete do eleito, podendo e devendo ser cumpridas a risca para alcançar o sucesso! 3 por onde começar? É comum nascer das câmaras municipais os talentos e futuros políticos que darão base e sustentação para o futuro das transformações sociais de que tanto necessitamos. Mas, há de se ressaltar que; as questões comportamentais que traremos aqui serão muito bem aproveitadas em qualquer situação na vida pública e profissional de todos, sendo eleitos ou não. Preparar e qualificar politicamente os nossos quadros partidários para o exercício de cargos públicos, essa é uma preocupação que a direção do PDT possui para formar combatentes das melhores práticas políticas, pois fazemos parte de um partido democrático e progressista que tem um legado que muito nos honra. Pelo espaço físico propriamente dito, o Gabinete! Uma boa estrutura física é importante para a condução dos trabalhos. Normalmente os espaços ofertados pelas câmaras municipais e prefeituras são pequenos, mas com um bom layout é possível deixar toda a equipe de trabalho bem instalada para a execução das tarefas do mandato. Lembre-se que o gabinete deve ser um ambiente salubre e agradável, trazendo conforto aos que visitam e aos que trabalham, pois uma equipe de trabalho contagiada pelo bom humor e pela boa prática da recepção contribui muito para o reflexo social e político do mandato. Assim, é fundamental que o eleito tenha espírito de liderança! 2 poder executivo X poder legislativo 3.1 equipe CapaZ No poder executivo, por força da lei, desenvolveu uma cultura de planejamento administrativo que possibilita o melhor aproveitamento e desenvolvimento ao longo do mandato de seus titulares. Podemos citar alguns dos mecanismos que norteiam o fazer político dos executivos. PLANO DE GOVERNO; PLANO DE METAS; LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (LDO); LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL (LOA); PLANO PLURIANUAL (PPA). No poder legislativo, por sua particularidade e pelo longo período em que esteve anulado pela ditadura militar brasileira, infelizmente esta cultura ainda não está estabelecida em sua plenitude. Mas como tornar o mandato operacional e dinâmico Profissionais bem preparados e motivados são o termômetro do sucesso de seu mandato! Motive e empolgue a sua equipe de trabalho. O trabalho dedicado em anos para alcançar o mandato terá que ser refletido em boas práticas de gestão política, sendo necessário o envolvimento entre o eleito e sua equipe de trabalho. Diga não as ações espontâneas e a subutilização da sua equipe. Todas as ações devem ser executadas de acordo com o perfil de cada contratado e de forma profissional, sem amadorismo. É importante repassar a equipe de gabinete sobre a busca de novos conhecimentos e atualização das habilidades e formação profissional. Ninguém sabe tudo e ao longo do mandato o aprendizado é constante. Lembre-se que a equipe de trabalho será selecionada pelo eleito, para a formação da boa atmosfera de trabalho é fundamental acreditar no potencial de cada um dos escolhidos

14 3.2 COmO montar a equipe A chefia de gabinete deve ser ocupada por uma pessoa com boa relação no cenário político do município. Para o eleito, uma primeira e decisiva providência é não se deixar contaminar pelas pressões familiares e de amigos na montagem da equipe de assessoria para o gabinete parlamentar. O eleito não deve deixar de lado os objetivos mais elevados do mandato, do seu projeto político e dos interesses do partido. Mesmo que sejam competentes e dedicados, deve esforçar-se no sentido de evitar a presença de familiares trabalhando no gabinete ou na estrutura de governo majoritário, caso o eleito seja da base. Aliás, além de ilegal, um dos temas mais explorados pela imprensa, quanto se refere a cargos públicos, é justamente o nepotismo, prática sempre mal vista pelo eleitorado. Evite o nepotismo cruzado. Hoje, com os portais de transparência, é simples de se identificar tal prática. Essa prática é sempre vista como tentativa de enganação. É importante que o (a) ocupante desse cargo tenha bom comportamento e que esteja apto (a) a representar o eleito em qualquer evento ou local. 3.5 secretária de gabinete Os pretendentes ao cargo de secretaria de gabinete devem: Saber ouvir e falar educadamente. Ação fundamental para ocupar tais cargos; A maneira de se comportar, sentar e se vestir refletirão muito no gabinete. A simplicidade ainda é a chave do bom gosto; Ter compromisso com o horário, não permitir que o gabinete fique fechado em horário de expediente; 3.3 analisar O perfil profissional antes de definir funções Ajudar a fiscalizar as despesas do gabinete (Ex: telefone móvel e fixo, TV, internet); Acompanhar a agenda do parlamentar; Criar o hábito de cadastrar os visitantes e formulação de banco de dados; O parlamentar precisa lembrar que o mandato tem um prazo de exatos 4 anos, podendo, ser renovado por tantos outros. Mas ninguém se reelege se não fizer aquilo que se propôs durante a campanha. A população está cansada de políticos que muito falam e pouco fazem, então, escolha a sua equipe com muito critério, pois o seu mandato será avaliado através do seu trabalho e do trabalho de sua equipe. Para cada função a ser desenvolvida no gabinete, se encaixa um perfil profissional. Chame os pretendentes para uma conversa. Analise as experiências anteriores e, se for o caso, peça referências; Além do perfil profissional, deve-se considerar também a empatia entre o parlamentar e o pretendente da vaga. Lembre-se que o convívio deve ser sempre harmônico entre eleito e assessoria; É muito importante que o eleito ouça o seu partido, pois o parlamentar poderá encontrar nos quadros do PDT pessoas que possam desenvolver bem alguma função no gabinete e que tenham o conhecimento partidário sobre os temas tratados na administração pública. Quem busca construir-se como um verdadeiro agente público diante da sociedade, preocupado em contribuir pela mudança dos costumes políticos dominantes do país, e, por esse caminho, projetar seu nome e consolidar uma imagem de político de novo tipo ou prática, precisa, antes de tudo, agir com muita habilidade na constituição de sua equipe, para que possa ter uma atividade parlamentar eficiente. Anotar e acompanhar contatos pessoais e virtuais, além de ligações telefônicas; Criar práticas de retorno aos contatos que chegam ao eleito e ao gabinete. 3.6 assessoria de COmuniCaçãO Comunicar, informar e divulgar as atividades parlamentares para a população. A assessoria de comunicação pode ser montada por um assessor ou mesmo através de contratos com empresas de comunicação. Nesse caso, melhor avaliar as características do seu município. A comunicação do eleito deve ser integrada e explorada ao máximo. Atualmente as formas de divulgação são muito variadas, mesclando desde redes sociais, sites, hot sites, blogs, web tv, tv, web rádios, rádio, jornais, revistas, jornais de associações e ou sindicatos, em síntese, toda entidade organizada, sendo pública ou particular, possui um modelo de comunicação, seja físico ou virtual. 3.4 CHefe de gabinete Esta é uma função que requer muita habilidade política, confiança, sensibilidade e liderança. Pela chefia de gabinete passa-se tudo, quando nos referimos às ações do mandato. Na atualidade as redes sociais possuem um papel importante no contato entre pessoas e na propagação e obtenção de informação (lembrando que a informação configura-se como uma forma de obtenção do poder), mas por se tratar de um modelo 66 67

15 de comunicação popular e sem custos, sendo de fácil manuseio, requer muita atenção quanto ao seu uso. Algumas dicas são importantes no trato com as redes sociais: 4 como receber bem os visitantes? Evite postar assuntos polêmicos. Dinamize a comunicação; A comunicação deve ser composta por pessoas com bom relacionamento com a mídia local da cidade, de maneira que possa facilitar a participação do eleito nos espaços existentes; O seu gabinete é um espaço precioso e a primeira impressão que os visitantes terão de seu mandato é na qualidade do seu ambiente de trabalho. O local de trabalho do mandato deve receber toda a atenção, onde o eleito e seus contratados devem expressar satisfação e pronto atendimento, as pessoas estão sempre na expectativa de serem tratadas com proximidade e cordialidade. Para exercer bem esse trabalho de comunicação, o profissional deve estar equipado com bons e atuais equipamentos como lap top, moldens para acesso rápido a internet, máquina fotográfica digital e gravador de vídeo e áudio; Contrate um profissional para desenvolver um bom programa de cadastramento de visitantes. Nele deverão constar dados básicos: nome, data de aniversário, endereço, , profissão, interesse ou solicitação junto ao gabinete. Sugira a comunicação que integre o seu mandato ao partido. O PDT possui site e uma rádio interna, além de estar presente nas redes sociais. O trabalho que o eleito exercerá poderá ser divulgado nos meios de comunicação do PDT Nacional; A equipe de trabalho do mandato deverá criar o hábito de acessar diariamente as fontes de informação do PDT Nacional e do PDT Estadual, além dos sites da Fundação Leonel Brizola FLB-AP e da Universidade aberta Leonel Brizola - ULB. Nos sites nacionais o eleito e sua equipe poderão extrair assuntos e temas para o uso em discurso e teses. Importante que o mandato seja o link do PDT para a construção de maiores perspectivas de poder local, estadual e nacional; Registro de todos os encontros, eventos ou atuações do eleito, com a devida publicação das imagens e informações, nos modelos de comunicação adotado. Lembre-se de publicar tudo o que for de interesse do mandato. A publicação, seja por mídias livres ou pagas, é a divulgação das ações do mandato. 3.7 assessoria para COmissões e plenário Nesses casos, é importante que o parlamentar tenha um profissional experiente, que conheça a dinâmica da câmara, do processo legislativo e que tenha uma boa visão do ponto de vista partidário. O posicionamento do parlamentar sobre determinados temas não pode ser contraditório ao do seu partido e nem ao programa de mandato; O eleito deve demonstrar coerência entre o discurso, a votação e a relatoria de projetos. 3.8 assessor técnico (projetos no executivo) Ao selecionar o profissional para ocupar essa vaga, o eleito deve estar atento principalmente ao seu comportamento ético. Ele será o representante do mandato na busca de ações e programas que poderão atender as diversas demandas que aparecerão no gabinete. Além disso, é importante que seja um profissional dinâmico e de bom relacionamento com os apoiadores e aliados. 5 correspondências (cartas, s e fax) A comunicação e feedback dos contatos recebidos é tão importante quanto à boa recepção no gabinete. Para isso é importante definir um assessor que tenha a melhor percepção quanto a linha programática do mandato para redigir as respostas. Inicialmente, como não existe uma escala de prioridades no gabinete, todos os assuntos são colocados num mesmo plano e dimensão, o que poderá converter-se em confusão, pois coisas secundárias podem ganhar destaque e coisas importantíssimas podem ser relegadas à gaveta. Isso requer muita atenção! 6 ligações telefônicas O bom atendimento transcende a qualquer tecnologia. Nas ligações para telefone fixo, a identificação do gabinete e um voto de bom dia ou boa tarde ou boa noite são ações básicas para o bom atendimento. Ex. Gabinete do vereador ou prefeito fulano de tal, bom dia! Lembre que todos os contatos telefônicos poderão reverter-se em demandas favoráveis ao mandato e principalmente em banco de dados. Para isso o gabinete deverá desenvolver ações para formar o mailing do eleito. Importante: atendimentos deficientes e a falta de respostas às demandas podem parecer simples, mas são faltas graves. 7 reuniões de comissões Nas reuniões de comissão é que se define o caminho de vários projetos. Nelas são engavetados, votados ou definidos os caminhos e projetos de leis que serão votados pela câmara de vereadores. O bom parlamentar, auxiliado pela sua equipe, deverá, com antecedência: Estando na pauta qualquer projeto de interesse de setores públicos ou privados, associações ou sindicatos, que tenham pedido ajuda ao vereador ou bancada na aprovação, não tenha dúvida, chame todos os interessados para uma reunião e procure estudar e conhecer mais sobre os temas envolvidos nas comissões; O eleito deve ter atenção ao posicionamento do seu partido sobre determinados temas. O mandato não deve ser incoerente as teses, propostas e programas partidários. Discursos e atitudes precisam andar colados com os interesses do partido

16 8 plenário Assim como nas comissões, o eleito deve procurar se inteirar dos temas debatidos em plenário e compartilhar com a sua base e bancada. Caso o tema seja de conhecimento do parlamentar ou de sua plataforma de mandato, converse com o líder da bancada e peça para conduzir a votação. Importante saber o posicionamento do partido sobre os temas em discussão; Em algumas ocasiões, aproveitando um momento singular, o parlamentar tem um bom desempenho em plenário ou numa comissão, defendendo uma causa de grande interesse da sociedade, mas o fato morre entre quatro paredes, pela inexistência de um trabalho de assessoria de comunicação dinâmico e competente. Perde-se com isso uma oportunidade de fortalecer seus vínculos com a sociedade e de projetar positivamente sua imagem. 9 finalidades do gabinete 9.1. eixo de COOrdenaçãO e dinamização das atividades parlamentares e extra parlamentares As iniciativas e ações ligadas ao cumprimento do mandato podem e devem centralizar-se no gabinete parlamentar. sejam coletivos ou mesmo pessoais, ajuda a estabelecer um novo tipo de relacionamento entre o parlamentar e os mais diversos setores sociais, ao lado de ser meio caminho para fortalecer os laços com a comunidade. O eleito deve ser transparente com o grupo social ou com o cidadão que lhe procura, pessoalmente ou por fax, , carta, ou outro meio. Em face de cada solicitação, seja esta de interesse global, ou para defender um direito usurpado ou se tratar de assunto de interesse particular, o eleito deve revelar o real posicionamento do mandato referente a solicitação, e se tal pedido é a favor ou contra aos interesses do mandato ou da comunidade. Para isso, não crie expectativas em face de uma atitude que venha a tomar ou não adotar. Lembrese em preservar sempre a sua dignidade e imagem; A verdade, mesmo que dura ou crua, precisa sempre presidir todas as ações do representante do povo. De uma forma fraterna e elegante, devem-se explicar as razões pela qual não se desenvolveu esforços naquele sentido, pois não há nada mais desgastante do que prometer e não cumprir; Para encaminhar corretamente os inúmeros pedidos que chegam ao gabinete tem que se estabelecer rigorosamente as prioridades. Não há condições de atender a todos os pedidos, muitos dos quais são irreais, absurdos e despropositados. Assim sendo, utilizando o bom senso e as razões maiores do pedido, faz-se uma seleção do que encaminhar; Em certos casos de reivindicações corporativas, deve-se ter a coragem de destacar que um parlamentar não pode se colocar ao lado de um grupo em detrimento do conjunto da sociedade, sobretudo se for para criar ou manter algum privilégio de categoria profissional; 9.2. Quais são Os ObJetivOs do mandato? Antes de qualquer ação, o parlamentar, com o auxílio de seus assessores, deve estabelecer os objetivos do mandato e, a partir deles, definir as prioridades do mandato, para não se perder no emaranhado de assuntos a tratar; A definição das principais bandeiras do eleito servirá para aproximar o mandato das associações, sindicatos e ONG s. Essa definição poderá sofrer alterações no decorrer do mandato, mas é importante não perder o foco; A rotina é básica. Semanal ou mensalmente, deve ser preparada a pauta das atividades internas (reuniões de comissões, plenárias, seções especiais, contatos com lideranças partidárias, reuniões com a base, etc.), destacando-se nessa agenda as questões essenciais e as propostas de posicionamento; Quanto à pauta externa, não deixar de considerar as audiências em instituições, contatos com entidades, sindicatos, igrejas e representantes da comunidade; também registrando os mais importantes, como proposta da assessoria. 9.3 elo entre O parlamentar e as demandas sociais e individuais Não se trata, de maneira alguma, de desenvolver prática política clientelista ou fisiológica. Longe disso. Uma atitude séria e criteriosa diante de pedidos e reivindicações, Se as reivindicações de alguma categoria profissional ou de algum segmento social forem importantes, e se estiver de acordo com as diretrizes do mandato e do partido, o melhor é encaminhá-las e acompanhá-las, manifestando o interesse que elas requerem. Deve-se sempre que possível dar a cobertura que um ou outro caso mereça, através dos meios de comunicação disponíveis; Nunca devemos esquecer que o parlamentar pertence a um partido e que, por sua vez, possui princípios e diretrizes programáticas que devem ser seguidas pelo gabinete. Os assessores, portanto, devem estar atentos as causas que batem a sua porta. Levantar uma bandeira contrária ao programa do partido que elegeu o parlamentar o levará a ser taxado de incoerente, criará sérios problemas internos e dará margem a exploração da imagem negativa por parte da imprensa e de seus opositores; Saber estudar junto às instituições federais, estaduais e outros organismos de fomento, o que podem oferecer, através de inúmeros projetos, ao governo municipal, assim como às entidades sociais. De posse dessas informações, transmitem-nas aos interessados, ao mesmo tempo em que oriente o mandato a obter recursos e ajudas materiais as mais diversas. Nesse sentido, há inúmeros órgãos federais que habitualmente têm como realizar convênios ou outras formas de colaborar com prefeituras, associações de moradores, movimentos ecológicos ou clubes esportivos

17 9.4 escritório político-eleitoral de ação permanente A prática não apenas municipal, mas estadual e federal, assegura que a questão político-eleitoral, por ser complexa e delicada, não pode ser tratada espontaneamente e de última hora. Ela exige atenção e dedicação especiais, como garantia mínima de se obter os resultados que se esperam. Desta forma, o gabinete parlamentar pode e deve servir de escritório político-eleitoral de ação permanente. para tanto, a atividade parlamentar e extraparlamentar tem que estar desde o início articulada com a manutenção e ampliação das bases de sustentação do mandato, que, por sua vez, está vinculado a um determinado projeto de interesse maior da sociedade. Um elemento pouco utilizado, mas de grande importância no processo de construção da democracia e, particularmente, da cidadania é o estabelecimento de contatos formais com os principais apoiadores da candidatura e, consequentemente, do mandato, buscando fortalecer esses laços e ampliar o leque de pessoas envolvidas com o projeto político do parlamentar. Há várias formas como audiências públicas com cidadãos (no caso de vereadores, preferencialmente desenvolvidas nos diversos bairros da cidade) para discutir os problemas que afetam a coletividade; Uma boa sugestão é promover a formação dos núcleos de base - NB. Sugira a sua base, que monte os seus núcleos. Esses grupos com diferentes temas ajudarão o seu mandato a identificar anseios e lutas da comunidade e poderão futuramente ajudar o parlamentar no processo de sua reeleição. Esse é o método mais simples e barato para se fazer política. São nesses encontros que a politização da base e da comunidade será exercida. Promover reuniões públicas é imprescindível para a prestação de contas do parlamentar com a população; Desenvolva contatos com lideranças sociais amplas (associações, sindicatos, clubes de serviço, etc.) e com formadores de opinião pública, particularmente jornalistas, comunidade universitária, intelectuais e artistas, assim como estabelecer relações com parlamentares estaduais e federais, prefeitos e vereadores dos municípios da região onde atua; Atenção especial deve ser dada pelo parlamentar à movimentação da sua bancada ou base. O entrelaçamento com as principais lideranças e com membros da representação no município, no estado e nacionalmente, assim como às atividades do partido a que é filiado. O contato permanente com as lideranças políticas e partidárias deve ser algo que leve em conta a sua importância para o presente e o futuro; Dedique-se também aos poderes públicos, desde o federal, passando pelo estadual e municipal. Caso o parlamentar seja partícipe das forças de apoio e sustentação ao governo, sua atitude será bem diversa da que adotará se atuar como oposição. Em qualquer dos casos, a experiência tem revelado que pode, sem perder a autoridade e o respeito, agir com equilíbrio e atravessar a fronteira na qual se encontra, sempre pelo bem maior da coletividade; Estando bem preparado para falar sobre determinado tema, o parlamentar deve credenciar-se para participar de palestras, debates e outras iniciativas nos meios universitários, assim como junto a outros setores sociais que sejam alvo de sua atenção. 10 atividades-fim 10.1 definição dos ObJetivOs essenciais do mandato Toda e qualquer atividade do gabinete parlamentar não poderá ser correta e racionalmente desenvolvida sem que, através de discussões com o parlamentar, sejam estabelecidos os objetivos essenciais do mandato. Qual o sentido da missão do parlamentar? O parlamentar não deve ser um livre atirador preocupando-se com todas as questões em andamento na câmara municipal. O eleito deve evitar dedicar-se a questões sobre as quais já existem outros especialistas na casa; O eleito deve procurar se especializar em temas dos quais tem mais afinidade, e que esteja inserido no foco do seu mandato. Examine com bastante critério e honestidade o que melhor se adapta ao seu perfil; A situação ideal é sempre partir dos objetivos do mandato, atuando naquelas demandas em que se acredita ter uma contribuição significativa intervenção permanente e sistemática vinculada ao CumprimentO dos ObJetivOs do mandato Definido o que se pretende desenvolver no mandato, deve-se então redigir a estratégia a ser adotada para alcançar os objetivos. O planejamento deve esforçar-se para ser consistente em suas premissas centrais, mas ao mesmo tempo oferecer possibilidade de ajustes e desvios que o aprimorem no processo de implantação. Partindo das questões essenciais do mandato político e dos seus possíveis desdobramentos, o plano de trabalho deve contemplar os aspectos macro e micro de sua colocação em prática. A programação está feita. Para ser desenvolvida deverão ser estabelecidas também as diversas formas de coordenação e de controle do que for projetado, a fim de permitir o máximo de produtividade no cumprimento das tarefas gerais e também individuais. Assim, o parlamentar terá condições de avaliar o desempenho individual de sua equipe

18 10.3 estudos e elaboração de projetos prospectivos de médio e LOngO prazo vinculados ao mandato Ao lado do cumprimento da rotina das questões cotidianas do gabinete parlamentar, a equipe de assessores precisará estar muito atenta para não ficar apenas nas tramitações burocráticas do parlamento, para não se perder nelas. É imprescindível criar uma equipe (ou mesmo uma só pessoa responsável) para estudar as possibilidades apresentadas pela conjuntura e realidades local e regional, e assim elaborar propostas para o eleito COntatO permanente e programado COm as bases eleitorais O centro do relacionamento do parlamentar com suas bases deve ser político e educativo. Ele tem condições especiais para politizar a população, educando-a para o exercício de seus direitos de cidadania, a necessidade de ação organizada, pressão em nível municipal e controle da ação de seus representantes no legislativo e executivo. Isto pode ser feito partindo de problemas locais e concretos vividos pelas pessoas em seu cotidiano, relacionando-as com a política vigente no município, estado e país. Para que tudo fique no compasso da eficiência, é importante utilizar corretamente o computador e todos os meios eletrônicos disponíveis. Manter um cadastro atualizado dos eleitores, apoiadores, dos núcleos de base, assessores, personalidades e entidades sociais; Nas visitas aos bairros é de todo conveniente anunciar a ida do parlamentar com a devida antecedência para que se programem visitas a líderes políticos e sociais, personalidades locais, bem como aos meios de comunicação; O parlamentar não vai apenas ser ouvido. Ele deve ter o cuidado (regra de ouro) especial de ouvir as opiniões e propostas de todos, detendo-se sobre as principais demandas da população local e/ou de um setor social específico, anotando todas as sugestões e propostas; Seja verdadeiro. O parlamentar não deverá dizer que vai fazer tudo o que se reivindica. Não crie a imagem de salvador do povo. A boa imagem se faz prometendo o possível e o cumprindo efetivamente. Motive encontros periódicos (bimestrais, trimestrais, semestrais) entre o parlamentar e sua base eleitoral. Assim o mandato será avaliado e receberá sugestões vinculação COm as OrganiZações sociais O parlamentar deverá evitar ser daqueles políticos copa do mundo, que só se apresentam ao eleitor de quatro em quatro anos. Também não ser daqueles que, após ter conquistado o mandato, retoma o contato quando lhe sobra tempo ou deles necessita. Acredite, a base eleitoral é importantíssima para o sucesso político de qualquer eleito; A expressiva maioria dos que não se reelegem para o parlamento, simplesmente abandonaram ou mantiveram laços muito fracos com suas áreas de sustentação. Há ainda aqueles que nunca conseguem dar um passo adiante em suas carreiras políticas, justamente porque não dão a devida importância ao planejamento da ampliação de sua base. Por isso, a formação do núcleo de base torna-se fundamental, pois garante ao eleito a continuidade do contato e o compartilhamento do mandato. Entre em contato com o PDT local e saiba como organizar sua base eleitoral através de NB, assim, precisa-se ter uma atenção especial para o eleitorado-base, de forma a consolidá-los e, mais do que isso, ampliá-lo. Isso não é difícil, nem custa caro, desde que se cumpra corretamente o mandato e desenvolva um trabalho planejado de visitas e facilidades para algumas ações das bases; Na atividade parlamentar e extraparlamentar não existe nenhuma separação mecânica entre as várias instâncias de relacionamento político, institucional e social. Cada uma delas está estreitamente vinculada com as demais, trabalhando de forma separada ou simultaneamente. Nessas agências de ação social está à força a ser cultivada para toda e qualquer ação política. Daí a necessidade de se aproximar delas. O parlamentar deve fazer contatos sistemáticos, objetivando ser um parceiro ativo e confiável. Esse tipo de intervenção parlamentar é importante para ajudar a definir sua intervenção política entre seus pares na defesa dos interesses da sociedade civil organizada. Além dos contatos pessoais, outro instrumento simples e que deve ser utilizado permanentemente é o da correspondência, mantendo atualizadas as listas de endereços. Toda demanda que chegar ao gabinete deve, ao seu tempo, ser respondida, mesmo que seja para dizer não a uma solicitação. O eleito necessita, porém, educar seus eleitores, mostrando não ser um simples despachante para reivindicações de cargos e benefícios pessoais, ajudando assim a combater a política de clientela ou simplesmente interesseira; É importante que o parlamentar, na sua relação com a sociedade, privilegie o tratamento de questões de interesse geral

19 10.6 O relacionamento COm Os demais poderes em níveis federal, estadual e municipal. Dentro da compreensão de que o executivo, judiciário e legislativo são poderes, deve-se procurar estabelecer relações de igualdade com representantes dessas instituições, nos vários níveis. Na esfera do executivo, a base dessa relação deve ser a de debater propostas ou programas de políticas públicas em execução ou a serem executadas. Há que considerar o governo federal com todos os seus órgãos e ministérios; o governo estadual com suas secretarias e departamentos, e a prefeitura municipal e toda a sua organização administrativa. Saber como se dirigir e atuar nessas várias instâncias é tarefa fundamental para qualquer parlamentar. Evidentemente que a tribuna é uma faca de dois gumes. A sua utilização correta e planejada pode dar excelentes resultados e até ultrapassar expectativas otimistas. Porém o seu uso incorreto, circunstancial, improvisado, pode levar a um desastre, desmoralizando o parlamentar não apenas perante seus pares, mas sendo motivo de cenas de ridicularização e de notinhas na imprensa; É importante que o parlamentar conheça bem o assunto e a posição de sua bancada ou base, ou pelo menos de seus principais líderes, afim de não dar um passo em falso, desafinando com a maioria de seu partido e contrariando os interesses de seu eleitorado. Caso o parlamentar tenha divergência com questões pontuais às linhas de defesas de seu partido ou base de apoio, se for o caso, deverá discutir exaustivamente nas instâncias internas do partido ou com a base aliada antes de tornar pública sua posição. Há de atentar-se para a conjuntura do momento. A atitude a ser adotada durante o mandato está diretamente vinculada à posição do parlamentar, se este é de situação ou oposição; Sendo situacionista, não significa que em tudo se deve estar a favor. Pelo contrário, deve-se procurar manter a independência, levantar a voz de crítica construtiva quando assim entender pertinente. Por outro lado, se da oposição, impõem-se fugir ao comportamento vem do governo sou contra, resumindo-se em um oposicionismo cego, irresponsável, raivoso e emotivo. A atitude correta é daquele que faz oposição, mas sabe apoiar propostas de interesse geral da sociedade com as quais concorda em parte ou no todo quando apresentadas pelo governo; Como referência importante de credibilidade junto a seus pares, deve-se construir pontos de apoio também no legislativo. O parlamentar deve ter atenção especial à mesa diretora, por se tratar do núcleo dirigente da casa, assim como às presidências das comissões técnicas. O parlamentar deve construir pontes com outros legislativos municipais de sua região, com a assembleia legislativa estadual e com a câmara federal participação nas COmissões técnicas Veja onde melhor se encaixa o seu perfil. Pode ser na comissão de agricultura e política rural, ciência e tecnologia, constituição, justiça, trabalho, desenvolvimento urbano, educação, meio ambiente, finanças e tributação. Converse com a bancada e demonstre o seu interesse; Este amplo leque de possibilidades evidencia a importância de participar dos trabalhos dessas comissões, a quem cabe, entre outras funções, discutir e votar projetos de lei, dar pareceres, convocar autoridades para prestarem pessoalmente informações sobre assuntos pertinentes, realizar audiências públicas com entidades da sociedade civil, exercer o controle dos atos normativos do poder executivo, estudar qualquer assunto compreendido no respectivo campo temático ou área de atividade, podendo promover, em seu âmbito, conferências, exposições, palestras ou seminários; Verifica-se aí a possibilidade real para o desenvolvimento de um trabalho técnico legislativo sério e com vários desdobramentos, dependendo da capacidade de trabalho e do projeto político do parlamentar indicações para CargOs no executivo É comum, em uma composição eleitoral vitoriosa, que partidos e eleitos indiquem pessoas a cargos no executivo. Tais profissionais devem ter nível administrativo ou técnico equivalente aos cargos acordados ou ofertados dentro da estrutura de governo, possuindo também perspicácia, habilidade técnica e humana, desenvoltura, gosto pelo estudo e ânimo para busca por novas experiências e aprendizados. 11 atividades meio 11.1 O uso da tribuna 11.3 as articulações no interior da bancada e JuntO a Outras forças políticas Outra atividade política imprescindível, mas subestimada, é a articulação com os companheiros de bancada e de partido. Estabelecer relações políticas e partidárias com todos ou com a maioria é uma atitude vital e que precisa ser cultivada permanentemente. Ela é um instrumento importante no fortalecimento partidário, um dos pilares da construção democrática. Não bastam apenas relações intrapartidárias, é preciso também construir relações com outras bancadas e parlamentares de outras siglas. Essa articulação amplia o debate político e é a base legítima para a criação de alianças estáveis ou temporárias, processo indispensável para o fortalecimento democrático. O palco iluminado da atividade parlamentar é a tribuna. Através dela se projetam nomes, se constroem imagens, se consolidam personalidades do mundo político. Daí sua importância para quem deseja defender posições políticas e ganhar notoriedade

20 11.4 a COnvivênCia COm Os meios de COmuniCaçãO 11.6 a troca de idéias, O diálogo do parlamentar COm assessores Para que a ação parlamentar tenha repercussão na mídia, necessariamente o parlamentar, e seu gabinete, terão que desenvolver um permanente e sistemático contato com os que fazem TV, rádio, jornais e revistas locais, regionais e nacionais. Esta é uma área tão decisiva, e ao mesmo tempo tão exigente, que o ideal é se constituir uma assessoria de comunicação capaz de dar cobertura e sustentação às ideias, propostas e projetos do parlamentar e, ao mesmo tempo, ser capaz o suficiente para criar e desenvolver fatos políticos. Essa é a base real que possibilita acesso à mídia. O parlamentar deve criar condições de ser uma fonte de qualidade política e técnica para a mídia e, a partir daí, cultivar contatos com jornalistas que cobrem os fatos políticos da região. Outra ação importante é escrever (ou assinar) artigos referentes a temas relevantes para o município. O ideal é fazer com que o briefing se torne algo tão natural, tão comum, incorporando-se como um sadio e imprescindível hábito de trabalho. Sua utilização geralmente estimula as pessoas a acostumar-se com a programação, com as ações organizadas, com a coordenação e o controle favorecendo a produtividade. Este método também desenvolve nas pessoas a busca da criatividade, a descoberta da proposta mais adequada, a não aceitação do prato feito, mas a sadia e democrática tentativa de fazer o melhor, do ponto de vista majoritário de quantos se envolvem na apreciação das propostas a agenda parlamentar Uma intervenção eficaz e importante pode ser feita através de jornais e revistas de circulação dirigida: o jornal da associação de bairro, a revista do sindicato, o informativo rural, etc. escrever para esses meios de comunicação sobre a sua atuação parlamentar e as suas posições é simples, barato e surte resultados extraordinários. Outro aspecto importante é o uso da internet como meio de divulgação de sua legislatura. É inaceitável, hoje, o parlamentar não possuir uma página na internet contendo o histórico permanente e atualizado de sua atuação parlamentar, interagindo com seus eleitores através desse meio eletrônico. O facebook é uma febre e o custo é mínimo, o resultado, se bem integrado ao projeto político do mandato, é surpreendente. O parlamentar, como toda personalidade política de evidência, recebe diariamente convites para participar de solenidades, de debates, de atos públicos, de posses em entidades, assim como para casamentos, batizados, lançamentos de livros, espetáculos artísticos, almoços, jantares, etc. esses compromissos políticos ou sociais podem ser no município, na região, ou em qualquer parte do estado. Em qualquer dos casos, impõem-se estabelecer a escala de prioridades, pois não há tempo hábil para atender todas as solicitações. Nessa escolha, também identificar o que é mais importante, dentro da perspectiva do projeto político no qual o parlamentar está inserido. Além desses convites, há também a necessidade de o próprio parlamentar ter suas iniciativas de promover reuniões de caráter político e social COntrOLe sistemático das atividades desenvolvidas Poucos gabinetes exercem controle de suas atividades e ações. O controle regular das atividades desenvolvidas pelo gabinete parlamentar está ligado ao cumprimento dos objetivos do mandato. A ausência de controle está ligada a duas situações polares muito comuns: de um lado há um liberalismo contagiante de permitir que as coisas aconteçam até que surja um problema grave; de outro lado, o mau uso do mecanismo, de forma autoritária e prepotente. O controle, realizado corretamente, deve ter como principal suporte a convicção de todos os membros da equipe sobre sua importância no mandato. O controle não deve ser visto como policiamento do trabalho de ninguém. Pelo contrário, objetiva-se avaliar o andamento das tarefas no seu conjunto e, por consequência, as responsabilidades individuais; 11.8 O acompanhamento sistemático das resoluções e informações da Casa e de Outras instâncias Diariamente chega ao gabinete inúmeros comunicados, resoluções e informações, transmitidas por telefone, fax, etc. É um razoável volume de informações e assuntos que precisam ter um tratamento político e administrativo adequado. Todo material, que em algumas ocasiões chega a ser imenso, deve passar pelo crivo de um funcionário qualificado, que o selecionará em razão das suas prioridades, e o identificará, definindo o encaminhamento que deverá ter. Parte substancial da agenda de trabalho diária do parlamentar deverá ser originada desse tipo de comunicação. Porém, em certos casos, além do comunicado, deve-se juntar alguma informação ou material complementar, facilitando a compreensão do tema enfocando o posicionamento possível a ser adotado a respeito. Estabelecido democraticamente, o controle passa a ser algo natural na vida do gabinete, e aceito como imprescindível no sentido de detectar omissões, desvios, qualidades e defeitos da ação empreendida. O mecanismo passaria a funcionar como um exame periódico que se faria a fim de identificar a saúde do organismo a Leitura diária de JOrnais e revistas Para acompanhar os fatos nacionais ou locais, e manter-se atualizado com o que ocorre a sua volta, torna-se mais do que necessário receber diariamente periódicos de 78 79

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI volume dois coleção DARCY RIBEIRO Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Caderno 5 Noções de Organização Municipal Caderno 7 Noções de Gerenciamento de Crises Caderno

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO 1. Por quê o Plano Municipal de Educação? A idéia de planejamento da educação

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

PROJETO ESTRUTURAÇÃO DE PROMOTORIAS DE JUSTIÇA QUE EFETUAM ATENDIMENTO AO PÚBLICO

PROJETO ESTRUTURAÇÃO DE PROMOTORIAS DE JUSTIÇA QUE EFETUAM ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROJETO ESTRUTURAÇÃO DE PROMOTORIAS DE JUSTIÇA QUE EFETUAM ATENDIMENTO AO PÚBLICO RESUMO GERAL: A qualidade do serviço de atendimento ao público, no contexto da realidade brasileira, tanto no âmbito estatal

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Este guia pretende nortear os Grupos Escoteiros do Brasil a desenvolverem um

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Regimento Interno da Articulação de Esquerda

Regimento Interno da Articulação de Esquerda Regimento Interno da Articulação de Esquerda A Articulação de Esquerda (AE) é uma tendência interna do Partido dos Trabalhadores. Existe para a defesa de um PT de luta, de massa, democrático, socialista

Leia mais

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz;

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz; E-mail marketing, muitas vezes considerada uma forma de marketing pessoal, é uma das mais valiosas ferramentas de web marketing, uma das mais visadas e mais focada pelos marqueteiros. Vamos nos concentrar

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO GUIA DO ALUNO EAD GUIA DO ALUNO EAD Guia do Aluno Seja bem-vindo(a) às disciplinas EAD! Agora que você já está matriculado na disciplina online, chegou o momento de ficar por dentro de informações muito

Leia mais

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI volume dois coleção DARCY RIBEIRO Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Caderno 5 Organização Municipal Caderno 6 Planejamento do Mandato s Caderno 8 Formação de Multiplicador

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

PROPONENTE. Razão Social: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO PARÁ. ANTONIO REIS GRAIM NETO (Presidente da Comissão de Jovens Advogados)

PROPONENTE. Razão Social: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO PARÁ. ANTONIO REIS GRAIM NETO (Presidente da Comissão de Jovens Advogados) PROPONENTE Razão Social: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO PARÁ Nome de Fantasia - OAB-PA CNPJ 05.070.008/0001-48 Endereço: Praça Barão do Rio Branco, 93 CEP 66015-060 Fone: (91) 40068600 Email: gabinetediretoria@oabpa.com.br

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL Lei Nº 05129/99 Tipo: LEI ORDINÁRIA Autor: CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL Data: (13/9/1999) Classificação: REGULAMENTAÇÃO Ementa: Dispõe sobre a Política Municipal do idoso,

Leia mais

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA SALVADOR 2012 GOVERNADOR Jaques Wagner VICE-GOVERNADOR Otto Alencar SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho SUB-SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Aderbal de Castro Meira Filho

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

PROJETO DE CIDADANIA

PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA A Anamatra A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho Anamatra congrega cerca de 3.500 magistrados do trabalho de todo o país em torno de interesses

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA De: Gabinete do Vereador Jimmy Pereira Para: Ação Jovem Brasil Resposta à solicitação de Informações para a formação do Índice de Transparência da Câmara do Rio TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ PROJETO DE LEI Dispõe sobre a instituição do Conselho de Comunicação Social do Canal de Cidadania de Jacareí, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JACAREÍ, USANDO DAS ATRIBUIÇÕES QUE LHE

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1.1. TÍTULO: Viagens de Estudos e Visitas Técnicas Internacionais

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC gdelbem@tre-sc.gov.br ; gdelbem@yahoo.com.br Proposta de valores no Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral Gestão

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

CRA Departamento de Comunicação e Marketing Ata de Reunião 23.10.2008

CRA Departamento de Comunicação e Marketing Ata de Reunião 23.10.2008 CRA Departamento de Comunicação e Marketing Ata de Reunião 23.10.2008 I. Chamada de Ordem Adm. Glaucia Pascoaleto Araujo Conselho Regional dos Administradores de São Paulo. Reunião com Coordenadores dos

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

A SAGA DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO

A SAGA DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO A SAGA DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO Prof. Santo Conterato Diretor da APSERJ Vitória da Sociologia. Com este título o boletim da APSERJ Papo de Sociólogo, Ano I, Nº 0, de novembro de 1989, noticia a inclusão

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra MINISTÉRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI volume dois coleção DARCY RIBEIRO Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Organização Municipal Caderno 6 Planejamento do Mandato Caderno 7 Gerenciamento de Crises Caderno

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA Neste tópico, o monitor do PJ receberá informações básicas sobre a organização do Estado, o Poder e o Processo Legislativos, política e participação, necessárias ao desenvolvimento

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade 10 passos para ganhar a mídia Estudantes Pela Liberdade 2013 10 passos para ganhar a mídia Aqui estão 10 passos para atrair a atenção da mídia para o seu grupo. Siga todos esses passos efetivamente, e

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS "As manifestações são parte indissociável do nosso processo de ascensão

Leia mais

100 Dicas do Presidente do RI Sakuji Tanaka para Fortalecer os Rotary Clubs

100 Dicas do Presidente do RI Sakuji Tanaka para Fortalecer os Rotary Clubs 100 Dicas do Presidente do RI Sakuji Tanaka para Fortalecer os Rotary Clubs 1. Fazer mais atividades humanitárias com maior enfoque. 2. Ajustar o número de comissões ao tamanho do clube. 3. Fazer com que

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25 Planejamento Estratégico GT Educação 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 26 INTRODUÇÃO O tema e nome do Grupo do Trabalho: Educação A educação

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais