PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes"

Transcrição

1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1

2 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas pelo Programa de Jovens. Objetivo Iniciativas Educacionais Criar Grupo de Trabalho de desenvolvimento de Fichas de Atividades Abrir diálogos e trazer materiais de outras entidades ligadas à educação, buscando a inovação Incentivar a participação dos jovens nos cursos de formação Monitorar e internalizar os materiais produzidos pela OMME e outras Associações Abrir espaço para jovens na Equipe Nacional de Gestão de Adultos Aprimorar o processo de participação dos jovens representantes na Equipe Nacional de Atualização Permanente do Programa. Iniciativas Institucionais Apresentar relatórios das representações jovens (CAN, Comissões, Eventos etc). 2 - No âmbito da organização escoteira, com a inserção participativa nos processos de tomadas de decisão. Objetivo Apresentar o planejamento estratégico da UEB à Rede Colaborar junto as Regiões Escoteiras no desenvolvimento do Planejamento Estratégico da UEB Insentivar processos de gestão transparêntes Manter e aprimorar o Projeto Kalabanga Preservar a transparência dos processos seletivos em que se envolvam jovens dos Escoteiros do Brasil. Iniciativas Sociais 3 - No âmbito da sociedade, com a promoção de iniciativas de ação e desenvolvimento comunitário Realizar Conferências Livres sobre temas socialmente relevantes Estimular discussões sobre iniciativas sociais mais sustentáveis Buscar maior envolvimento com o MutCom e MutEco Desenvolver campanhas comunitárias Criar banco de Projetos dentro do Site da Rede. Objetivo Iniciativas de Expansão Publicar o documento Como fazer um Fórum de Jovens. 4 - Crescimento e Expansão da Rede Nacional de Jovens Criar videos institucionais Realizar Encontros Nacionais de Jovens Líderes periodicamente. pág. 2

3 Objetivo 5 - Aumentar a sinergia entre o Núcleo Nacional e os Núcleos Regionais. Iniciativas de Fortalecimento Desenvolver ferramenta de coleta de dados para o Troféu Rede Padrão Incentivar a participação do Núcleos Regionais de Jovens Líderes no Troféu Rede Padrão Envolver os Núcleos Regionais com o Plano de Trabalho da Rede Nacional de Jovens Líderes Acompanhamento de Núcleos Revitalizar os documentos base da Rede Nacional de Jovens Líderes Incentivar a troca de experiências entre os jovens da Rede Nacional de Jovens Líderes. Objetivo Iniciativas de Criar Grupo de Trabalho de Lançar trimestral o Rede em Ação. 6 - Melhorar a comunicação interna e externa Reformular o site da Rede Nacional de Jovens Líderes Fazer melhor uso das redes sociais Buscar meios de comunicação externa Evoluir e expandir o Grupo de Trabalho Conselhos Garantir a divulgação da Carta de Natal Expandir a divulgação dos trabalhos da Rede Nacional de Jovens Líderes a todos os associados da instituição. pág. 3

4 INICIATIVAS EDUCACIONAIS Metas Ações Responsáveis Cronograma 1.1 e 1.6 Ter 2 jovens integrando cada grupo de trabalho da ENAP e contribuir de forma qualitativa e quantitativamente no desenvolvimento dos projetos relacionados ao programa. Abrir contato com a ENAPP; Desenvolver processo seletivo para escolha dos jovens que integrarão as equipes; Apresentar resultados anuais (mostrar como foi a participação): Fórum, Rede em Ação. e ENAPP Jovens Selecionados 2º Semestre/ Aproximação a outras entidades ligadas a educação e trazer ao conhecimento da instituição novas ferramentas e práticas educacionais. E ter jovens trabalhando na ENRInst. Ter jovens capacitados à aplicar e desenvolver o Método Escoteiro e o Projeto Educativo da UEB. Mobilizar a Rede Nacional a fazer um levantamento das entidades de educação que temos interesse; Buscar contato com estas instituições e o método de trabalho que elas utilizam bem como material de apoio; Fomentar o intercambio de boas práticas de instituições educacionais por meio da estrutura da UEB. Incentivar os Núcleos Regionais a divulgar os calendários de formação. e Jovens da Rede e ENRInst e NRJL Criação de um GT para monitorar as publicações; 1.4 Aumentar a troca de experiências e materiais com OMME e outras Associações. Divulgação de materiais internacionais na Rede; Estreitar laços de trabalho do GT com a ENRI; Apresentar resultados anuais (mostrar como foram desenvolvidos os trabalhos): Fórum, Rede em Ação. GT P.I. e GT GT Publicações Internacionais Ter pelo menos 1 jovens integrando a Equipe de Gestão de Adulto. Abrir contato a Equipe de Gestão de Adultos. pág. 4

5 INICIATIVAS INSTITUCIONAIS Metas Ações Responsáveis Cronograma 2.1 Criar uma cultura de trabalho que reforce a necessidade da divulgação de resultados das representações do jovens; Compromisso do em reportar seus compromissos; Buscar garantir que todos os processos seletivos tenham como item obrigatório o report de informações. e Jovens Selecionados nos processos 2.2 Capacitar os jovens a colaborar com o Planejamento Estratégio da UEB. Apresentar o Planejamento Estratégico da UEB à Rede. 2º Semestre/ Ter os NRJL s colaborando junto as Regiões Escoteiras na execução do Planejamento Estratégico da UEB. Alcançar os resultados esperados com o Planejamento Estratégico da UEB. e NRJL 1º semestre/ Transformar todos os processos transparentes e democráticos dentro da instituição. Conscientizar a Rede da necessidade de que os processos de gestão devem ser democráticos e transparentes; Buscar tornar transparente todos os processos que envolvam a Rede Nacional de Jovens Líderes. e Jovens da Rede 2.5 Dar voz as crianças, adolescentes e jovens da instituição abordando temas de interesse destes e tornando o Kalabanga períodico. Renovar a Equipe K; Buscar temas de interesse para serem tratados nos próximos Kalabangas; Fomentar a criação de um plano de ação para o projeto Kalabanga. Equipe K e Equipe K 1º semestre/2014 1º semestre/2014 1º semestre/2014 Preservar a transparência dos processos seletivos em que se envolvam jovens dos Escoteiros do Brasil; 2.6 Maior participação dos jovens nos processos seletivos. Manter a prática de realizar processos seletivos para a escolha dos representantes juvenis; Ter sempre um representante do Núcleo Nacional de Jovens Líderes no Comite de Seleção; Divulgar ao máximo todos os processos seletivos, oferecendo a todos a oportunidade de participação. pág. 5

6 INICIATIVAS SOCIAIS Metas Ações Responsáveis Cronograma 3.1 Ter um documento final a cada conferência, aumentar o uso do espaço de discussão dentro do site da Rede Nacional e estimular a discussão de temas socialmente relevantes. Tornar periódica as Conferência Livres (1 por semestre); Estabelecer parceria com outras instituições afim de enriquecer as discussões e debates nas Conferências Livres; Aprimorar as ferramentas e mecanismos para facilitar os debates nas conferências. e GT 1º Semestre/ Tornar as iniciativas sociais sustentáveis. Propor ambientes de discussão acerca do assunto; Buscar trabalhar a sustentabilidade nos projetos da rede. e Jovens da Rede 1º Semestre/ Ter mais jovens envolvidos nas Equipes Nacionais dos projetos e como representantes regionais do MutCom e aumentar o número de associados da UEB participantes das atividades. Envolver os jovens da rede nos processos de criação e execução do projeto MutCom e MutEco; Incentivar a Rede a divulgar os boletins e informativos das atividades; Incentivar a Rede a enviar ao grupo de s e/ou Rede em Ação, as ações de destaque durante o MutCom e MutEco em suas Regiões Escoteiras. e NRJL 3.4 Aproximar os jovens da comunidade e proporcionar a vivência de valores e princípios escoteiros.e que cada Região Escoteira que possua Núcleo Regional de Jovens Líderes realize projetos comunitários periodicamente. Capacitação dos jovens da Rede durante os Encontro Nacional de Jovens Líderes em 2013 afim de termos no final desse encontro pelos menos 1 projeto social. Estimular os Núcleos Regionais de Jovens Líderes a criarem e desenvolverem ações comunitárias em seus estados. Estimular os jovens a desenvolverem ações comunitárias em seus Grupos Escoteiros. e NRJL 2º Semestre/ Divulgar e tornar accessíveis os projetos de todos os jovens da Rede e facilitar o desenvolvimento de novos projetos. Verificar a viabilidade de criação do banco de projetos dentro site da Rede Nacional junto com o EN e com o Gerente de da Rede; Caso possível criar o banco de dados dentro do Site, se não desenvolver ferramentas;, Gerente de e GT 2º Semestre/2013 Criar GT Banco de Dados. pág. 6

7 INICIATIVAS DE EXPANSÃO Metas Ações Responsáveis Cronograma 4.1 Melhor a qualidade dos fóruns tanto Nacional como os Regionais e orientar as iniciativas de envolvimento de novas regiões na Rede Nacional. Criar o GT Façamos um fórum; Elaborar o documento; Publicar o documento. e GT 2º Semestre/2013 Identificar colaboradores técnicos; 4.2 Publicar 1 vídeo institucional ao ano. Listar os assuntos a serem abordados nos vídeos; Divulgar os vídeos nos meios de comunicação oficiais da UEB. Ação Continua 4.3 Manter a prática de realizar um Encontro Nacional de Jovens Líderes anualmente. Garantir a escolha da sede do evento no Fórum Nacional de Jovens Líderes; Buscar o apoio da Diretoria Executiva Nacional para realização do evento. Ação Continua pág. 7

8 INICIATIVAS DE FORTALECIMENTO Metas Ações Responsáveis Cronograma 5.1 Criar ferramenta de coleta de dados para o Troféu Rede Padrão de fácil utilização e que esteja em constante aprimoração. Buscar o apoio técnico do EN; Criar e testar ferramenta de coleta de dados de acordo com os intens do Troféu Rede Padrão. 1º Semestre/ Ter todos os Núcleos Regionais de Jovens Líderes participando do Troféu Rede Padrão. Divulgar o edital do processo com o máximo de antecedência possível; Ter uma ferramenta de avaliação de fácil utilização; Dar aos agraciados o devido destaque, afim de estimular uma maior participação no processo. 1º Semestre/ Ter todos os NRJL s trabalhando em consonância com o para o desenvolvimento do Plano de Trabalho da RNJL. Divulgar de forma efetiva o Plano de Trabalho da RNJL; Contactar os NRJL s para que estes assumam o Plano de Trabalho como compromisso de trabalho junto ao ; Realizar avaliações periódicas do desenvolvimento do Plano de Trabalho. 1º Semestre/ Realizar periodicamente o acompanhamento dos Núcleos Regionais de maneira eficiente, garantindo a manutenção do trabalho. Atualizar as informações e dados de contatos dos integrantes dos NRJL. Realizar reuniões trimestrais, por Skype com cada NRJL. Nomear um Gerente de Acompanhamento. 5.5 Ter os documentos base da Rede Nacional de Jovens Líderes em uma versão mais moderna e atrativa. Buscar apoio técnico do EN; Buscar apoio técnico da ENIC; Abrir um GT de revitalização dos documentos base. 5.6 Conseguir que o processo de intercâmbio de experiências ocorra de maneira natural e constante na Rede Nacional de Jovens Líderes. Criar um espaço dentro do Rede em Ação onde cada jovem possa falar sobre um assunto que domina, um projeto de sucesso ou uma ideia de ação. Postar na página da Rede Nacional no facebook e na lista de tópicos que fomentem as discussões. pág. 8

9 INICIATIVAS DE COMUNICAÇÃO Metas Ações Responsáveis Cronograma 6.1 Avaliar, desenvolver e aprimorar a comunicação na Rede Nacional. Criar Grupo de Trabalho de. 1º Semestre/ Tornar periódico o lançamento do Rede em Ação, buscando garantir e potencializar a troca de informações e experiência na rede Nacional. Criar cronograma de lançamento do Rede em Ação. Fixar um prazo para o envio das notícias dos NRJL s. Criar um padrão visual para o Rede em Ação, para tornar mais agradável a leitura e facilitar a edição. e GT 6.3 Reformular o site da RNJL para torná-lo mais atraente e informativo. Buscar o apoio do EN para tornar o site da RNJL padrão ao site dos Escoteiros do Brasil. Propor ao EN novas e melhores ferramentas para o site da Rede Nacional. e GT Criar campanha de lançamento do novo site da Rede Nacional. e EN Tornar os meios de comunicação da RNJL mais ativos, atualizados e atrativos, a fim de potencializar a comunicação na Rede Nacional. Divulgar ações e idéias que surgem dentro da Rede para um ambiente externo ao escotismo e ao Brasil, buscando valorizar o protagonismo juvenil e as ações sociais. Identificar todas as Rede Sociais em que a RNJL está presente. Avaliar como a Rede está utilizando essas redes e quão efetivas elas são. Propor melhorias na atuação nessas redes, tornando-as atrativas para os jovens. Aplicar as melhorias nas publicações nas redes sociais. Estabelecer parceria com a ENRInst para melhor desenvolver as divulgações. Estabelecer parceria com a ENIC para desenvolvermos a melhor forma de expor as nossas ações. Estimular que a Rede nas regiões estabeleçam parcerias. Buscar meios para divulgar as ações da RNJL s no âmbito internacional através do novo portal da WOSM. GT GT GT e Gerente de e NRJL 6.6 Fomentar a participação dos jovens da Rede junto aos Conselhos municipais, estaduais e nacionais buscando melhorar a comunicação e as vivências entre o Escotismo e Organizações Governamentais. Divulgar e incentivar a Rede a participação nas Assembléias e encontros dos Conselhos. Estreitar a comunicação entre os jovens conselheiros e a Rede. pág. 9

10 6.7 Garantir que todos os associados e orgãos competentes da Instituição tenham acesso a Carta de Natal/RN. Disponibilizar no site da Rede a Carta de Natal/RN. Apresentar a Carta de Natal/RN ao Conselho de Administração Nacional. Indicar a leitura da Carta de Natal/ RN a todos os membros da Rede. e NRJL 1º Semestre/ Trabalhar com divulgações mais frequentes, dinâmicas e expressivas nos canais de comunicação dos Escoteiros do Brasil. Divulgar mais as ações da Rede no Sempre Alerta Eletrônico. Programar oficinas da Rede nos congressos regionais e nacional com temas atuais e de interesse da instituição. Utilizar mais as fontes oficiais de comunicação dos Escoteiros do Brasil. e Gerente de e NRJL e Gerente de 1º Semestre/ e INICIATIVAS PLANEJADAS - AÇÕES CONTÍNUAS Ações Apresentar resultados anuais (mostrar como foi a participação): Fórum, Rede em Ação. Incentivar os Núcleos Regionais a divulgar os calendários de formação Apresentar resultados anuais (mostrar como foram desenvolvidos os trabalhos): Fórum, Rede em Ação. Compromisso do em reportar seus compromissos; Buscar garantir que todos os processos seletivos tenham como item obrigatório o report de informações. Conscientizar a Rede da necessidade de que os processos de gestão devem ser democráticos e transparentes; Buscar tornar transparente todos os processos que envolvam a Rede Nacional de Jovens Líderes. Preservar a transparência dos processos seletivos em que se envolvam jovens dos Escoteiros do Brasil; Manter a prática de realizar processos seletivos para a escolha dos representantes juvenis; Ter sempre um representante do Núcleo Nacional de Jovens Líderes no Comite de Seleção; Divulgar ao máximo todos os processos seletivos, oferecendo a todos a oportunidade de participação. Tornar periódica as Conferência Livres (1 por semestre); Estabelecer parceria com outras instituições afim de enriquecer as discussões e debates nas Conferências Livres; Buscar trabalhar a sustentabilidade nos projetos da rede. Envolver os jovens da rede nos processos de criação e execução do projeto MutCom e MutEco; Incentivar a Rede a divulgar os boletins e informativos das atividades; Incentivar a Rede a enviar ao grupo de s e/ou Rede em Ação, as ações de destaque durante o MutCom e MutEco em suas Regiões Escoteiras. Responsáveis Jovens Selecionados e NRJL GT Publicações Internacionais e Jovens Selecionados nos processos e Jovens da Rede e Jovens da Rede e NRJL pág. 10

11 Ações Estimular os Núcleos Regionais de Jovens Líderes a criarem e desenvolverem ações comunitárias em seus estados. Estimular os jovens a desenvolverem ações comunitárias em seus Grupos Escoteiros. Identificar colaboradores técnicos; Listar os assuntos a serem abordados nos vídeos; Divulgar os vídeos nos meios de comunicação oficiais da UEB. Garantir a escolha da sede do evento no Fórum Nacional de Jovens Líderes; Buscar o apoio da Diretoria Executiva Nacional para realização do evento. Divulgar o edital do processo com o máximo de antecedência possível; Dar aos agraciados o devido destaque, afim de estimular uma maior participação no processo. Divulgar de forma efetiva o Plano de Trabalho da RNJL; Realizar avaliações periódicas do desenvolvimento do Plano de Trabalho. Responsáveis e NRJL INICIATIVAS PLANEJADAS - 1º SEMESTRE DE 2013 Buscar o apoio técnico do EN; Ações Criar e testar ferramenta de coleta de dados de acordo com os intens do Troféu Rede Padrão. Ter uma ferramenta de avaliação de fácil utilização; Criar Grupo de Trabalho de. Disponibilizar no site da Rede a Carta de Natal/RN. Apresentar a Carta de Natal/RN ao Conselho de Administração Nacional. Indicar a leitura da Carta de Natal/RN a todos os membros da Rede. Responsáveis e NRJL 1.1 e INICIATIVAS PLANEJADAS - 2º SEMESTRE DE 2013 Abrir contato com a ENAPP; Criar o GT Façamos um fórum; Ações Apresentar o Planejamento Estratégico da UEB à Rede. Capacitação dos jovens da Rede durante os Encontro Nacional de Jovens Líderes em 2013 afim de termos no final desse encontro pelos menos 1 projeto social. Responsáveis pág. 11

12 INICIATIVAS PLANEJADAS - 1º SEMESTRE DE e Ações Desenvolver processo seletivo para escolha dos jovens que integrarão as equipes; Mobilizar a Rede Nacional a fazer um levantamento das entidades de educação que temos interesse; Criação de um GT para monitorar as publicações; Divulgação de materiais internacionais na Rede; Estreitar laços de trabalho do GT com a ENRI; Abrir contato a Equipe de Gestão de Adultos. Renovar a Equipe K; Buscar temas de interesse para serem tratados nos próximos Kalabangas; Fomentar a criação de um plano de ação para o projeto Kalabanga. Elaborar o documento; Contactar os NRJL s para que estes assumam o Plano de Trabalho como compromisso de trabalho junto ao ; Atualizar as informações e dados de contatos dos integrantes dos NRJL. Criar um espaço dentro do Rede em Ação onde cada jovem possa falar sobre um assunto que domina, um projeto de sucesso ou uma ideia de ação. Criar cronograma de lançamento do Rede em Ação. Fixar um prazo para o envio das notícias dos NRJL s. Criar um padrão visual para o Rede em Ação, para tornar mais agradável a leitura e facilitar a edição. Buscar o apoio do EN para tornar o site da RNJL padrão ao site dos Escoteiros do Brasil. Propor ao EN novas e melhores ferramentas para o site da Rede Nacional. Avaliar como a Rede está utilizando essas redes e quão efetivas elas são. Propor melhorias na atuação nessas redes, tornando-as atrativas para os jovens. Aplicar as melhorias nas publicações nas redes sociais. Divulgar mais as ações da Rede no Sempre Alerta Eletrônico. Utilizar mais as fontes oficiais de comunicação dos Escoteiros do Brasil. Responsáveis e ENAPP GT P.I NNJ e GT Equipe K e Equipe K e GT e GT e GT GT e Gerente de e Gerente de pág. 12

13 INICIATIVAS PLANEJADAS - 2º SEMESTRE DE Ações Buscar contato com estas instituições e o método de trabalho que elas utilizam bem como material de apoio; Fomentar o intercambio de boas práticas de instituições educacionais por meio da estrutura da UEB. Divulgação de materiais internacionais na Rede; Publicar o documento. Realizar reuniões trimestrais, por Skype com cada NRJL. Nomear um Gerente de Acompanhamento. Buscar apoio técnico do EN; Buscar apoio técnico da ENIC; Abrir um GT de revitalização dos documentos base. Postar na página da Rede Nacional no facebook e na lista de tópicos que fomentem as discussões. Criar campanha de lançamento do novo site da Rede Nacional. Identificar todas as Rede Sociais em que a RNJL está presente. Estabelecer parceria com a ENRInst para melhor desenvolver as divulgações. Estabelecer parceria com a ENIC para desenvolvermos a melhor forma de expor as nossas ações. Estimular que a Rede nas regiões estabeleçam parcerias. Buscar meios para divulgar as ações da RNJL s no âmbito internacional através do novo portal da WOSM. Divulgar e incentivar a Rede a participação nas Assembléias e encontros dos Conselhos. Estreitar a comunicação entre os jovens conselheiros e a Rede. Responsáveis e Jovens da Rede e ENRInst GT P.I e EN GT e NRJL INICIATIVAS PLANEJADAS - 1º SEMESTRE DE 2015 Ações Alcançar os resultados esperados com o Planejamento Estratégico da UEB. Aprimorar as ferramentas e mecanismos para facilitar os debates nas conferências. Propor ambientes de discussão acerca do assunto; Verificar a viabilidade de criação do banco de projetos dentro site da Rede Nacional junto com o EN e com o Gerente de da Rede; Caso possível criar o banco de dados dentro do Site, se não desenvolver ferramentas; Criar GT Banco de Dados. Programar oficinas da Rede nos congressos regionais e nacional com temas atuais e de interesse da instituição. Responsáveis e NRJL e GT e GT pág. 13

14 pág. 14

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

SCOUTWEB 2010. Informativo da Rede Nacional de Jovens da UEB n 1_2010 [1]

SCOUTWEB 2010. Informativo da Rede Nacional de Jovens da UEB n 1_2010 [1] SCOUTWEB 2010 Informativo da Rede Nacional de Jovens da UEB n 1_2010 [1] Olá Rede, Sempre Alerta! Agora vocês tem um periódico nacional dos Jovens Líderes, um documento para para alegrar seus dias e deixa-los

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Processo de seleção do representante brasileiro para o 6º Internacional Scout Gathering

Processo de seleção do representante brasileiro para o 6º Internacional Scout Gathering Processo de seleção do representante brasileiro para o 6º Internacional Scout Gathering Introdução Por ocasião da escolha dos Emirados de Sharjah como capital da cultura islâmica em 2014, e patrocínio

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Processo de seleção e preparação dos representantes brasileiros para a Interamerican Leadership Training.

Processo de seleção e preparação dos representantes brasileiros para a Interamerican Leadership Training. Processo de seleção e preparação dos representantes brasileiros para a Interamerican Leadership Training. Introdução Durante a XXV Conferência Interamericana Escoteira, realizada entre os dias 19 e 21

Leia mais

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP PROJETO A inserção das Famílias no CAMP APRESENTAÇÃO O CAMP-Gna é uma entidade filantrópica sediada em Goiânia, no Setor Central, onde funciona ininterruptamente há 36 anos. Desde 01 de julho de 1973,

Leia mais

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO REGULAMENTO 1. O RECONHECIMENTO PÚBLICO DE OLHO NOS PLANOS 1.1. O Reconhecimento Público é uma ação da iniciativa De Olho nos Planos, composta pelos seguintes parceiros: Ação Educativa, UNICEF, Campanha

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA Campanha Ponto Final na Violência contra as Mulheres e Meninas SEDE NACIONAL DA CAMPANHA REDE NACIONAL FEMINSTA DE SAÚDE, DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS Avenida Salgado Filho, 28, cj 601. Porto

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

grande beleza da nossa parceria é que podemos trabalhar juntos, pela justiça social, sem muita burocracia e hierarquia. E neste início de 2014, a

grande beleza da nossa parceria é que podemos trabalhar juntos, pela justiça social, sem muita burocracia e hierarquia. E neste início de 2014, a A grande beleza da nossa parceria é que podemos trabalhar juntos, pela justiça social, sem muita burocracia e hierarquia. E neste início de 2014, a nossa grande meta continua (e nunca deve ser esquecida):

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA

FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA A beleza de ser um eterno aprendiz. (Gonzaguinha) Por que pensar em formação de lideranças e assessores? A Pastoral da Juventude busca potencializar

Leia mais

CVSP E VOLUNTARIADO NA CIDADE DE SÃO PAULO. Aniversário de 18 anos do CVSP e você faz parte dessa história. Comemore este dia conosco!

CVSP E VOLUNTARIADO NA CIDADE DE SÃO PAULO. Aniversário de 18 anos do CVSP e você faz parte dessa história. Comemore este dia conosco! CVSP E VOLUNTARIADO NA CIDADE DE SÃO PAULO Aniversário de 18 anos do CVSP e você faz parte dessa história. Comemore este dia conosco! FUNDAÇÃO DO CVSP O CVSP foi criado em 6 de maio de 1997, por um grupo

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA. Plano de Ação. Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam

NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA. Plano de Ação. Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA Plano de Ação A - MISSÃO Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam diretamente para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul

OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul Moderação: Graciane Regina Pereira e Katiuscia Wilhelm Kankerski 13h Apresentação dos objetivos e da metodologia de trabalho.

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV)

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) Termo de Referência para contratação de Gestor de Projetos Pleno 14 de Agosto de 2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE GESTOR DE PROJETOS PLENO O presente

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

Revisto e aprovado por Kâmia Preparado por Glayson Ferrari - Coordenador Executivo do PEA

Revisto e aprovado por Kâmia Preparado por Glayson Ferrari - Coordenador Executivo do PEA PNUD Angola PEA - Programa Empresarial Angolano Marco Lógico do Programa - 2011 Resultado Geral Revisto e aprovado por Kâmia Preparado por Glayson Ferrari - Coordenador Executivo do PEA Carvalho - Coordenadora

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Manual com normas para solicitação de produção e publicação de material informativo jornalístico no site, lista de

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM

III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM Faça parte desse abraço A Fundação Solidariedade ponto focal do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento,braço social do Sistema Correio de Comunicação, é uma Associação

Leia mais

MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO PLANEJAMENTO PARA 2014

MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO PLANEJAMENTO PARA 2014 MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO PLANEJAMENTO PARA 2014 Objetivo principal Disseminar, nas escolas do ensino médio, conhecimento e fomentar a prática de ações para o exercício da cidadania; Objetivos específicos

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Regulamento. Foremor

Regulamento. Foremor Regulamento Foremor Preâmbulo O presente projeto decorre de uma candidatura realizada pela MARCA ADL ao programa ERASMUS+, no âmbito da KA1 Learning Mobility for Individuals e está integrada numa iniciativa

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012

Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012 Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012 Índice Apresentação...2 Público-alvo...2 Plataformas utilizadas: Ning...3 Twitter...4 Facebook...5

Leia mais

Communication On Progress (COP) 2012/2013 da Via Gutenberg

Communication On Progress (COP) 2012/2013 da Via Gutenberg Communication On Progress (COP) 2012/2013 da Via Gutenberg Introdução Este documento registra ações realizadas no período de setembro de 2012 a setembro de 2013 pela Via Gutenberg Consultoria em Entretenimento

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

REDE DOS CMDCA s DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA TERMO DE ADESÃO

REDE DOS CMDCA s DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA TERMO DE ADESÃO REDE DOS CMDCA s DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA TERMO DE ADESÃO Os Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA s) da Região Metropolitana da Baixada Santista, Estado

Leia mais

Plano Municipal de Educação

Plano Municipal de Educação Plano Municipal de Educação Denise Carreira I Encontro Educação para uma Outra São Paulo 30 de novembro de 2007 O Plano Municipal de Educação e as reivindicações dos movimentos e organizações da cidade

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

ANEXO Indicadores ENP! Tabela

ANEXO Indicadores ENP! Tabela ANEXO Indicadores ENP! Tabela Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br Diminuir o número de trabalhadores

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

Prepare-se para uma viagem em

Prepare-se para uma viagem em Prepare-se para uma viagem em que você poderá:. conhecer diversas culturas e perspectivas,. desenvolver novas competências,. participar de uma organização estadual,. obter uma rede de contatos diferenciada,

Leia mais

3º EDITAL SULAMÉRICA SEGUROS E PREVIDÊNCIA PARA CAPTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS PELA LEI DE INCENTIVO FISCAL 8.069/1990 NA CIDADE DE SÃO PAULO

3º EDITAL SULAMÉRICA SEGUROS E PREVIDÊNCIA PARA CAPTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS PELA LEI DE INCENTIVO FISCAL 8.069/1990 NA CIDADE DE SÃO PAULO 3º EDITAL SULAMÉRICA SEGUROS E PREVIDÊNCIA PARA CAPTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS PELA LEI DE INCENTIVO FISCAL 8.069/1990 NA CIDADE DE SÃO PAULO I. APRESENTAÇÃO A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

EDITAL 010/2015 FUNDAÇÃO LA SALLE PROCESSO SELETIVO

EDITAL 010/2015 FUNDAÇÃO LA SALLE PROCESSO SELETIVO EDITAL 010/2015 FUNDAÇÃO LA SALLE PROCESSO SELETIVO A Fundação La Salle é uma entidade ligada à Rede La Salle, situada no município de Canoas/RS, com atuação nacional, responsável pela execução de projetos

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO - SNCJS

EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO - SNCJS 1. Apresentação União Brasileira de Educação e Ensino UBEE EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO -

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

EDITAL DE APOIO A INICIATIVAS DE JOVENS PELA PROTEÇAO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014

EDITAL DE APOIO A INICIATIVAS DE JOVENS PELA PROTEÇAO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014 EDITAL DE APOIO A INICIATIVAS DE JOVENS PELA PROTEÇAO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014 INTRODUÇÃO Esse edital é fruto de uma parceria entre a Childhood Brasil e a OAK Foundation

Leia mais

Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo

Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo A Experiência de Belo Horizonte Claudinéia Ferreira Jacinto Secretaria Municipal Adjunta de Planejamento, Orçamento e Informação Prefeitura de Belo

Leia mais

COORDENADORES CARTILHA

COORDENADORES CARTILHA 2016 COORDENADORES CARTILHA 1.1 Coordenador de Negócios Liderar a equipe de negócios da FEJESC, prezar pela excelência na prestação do serviço aos parceiros e buscar novas oportunidades de patrocínio e

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS*

PERGUNTAS E RESPOSTAS* 1. PROJETO CURTA NA EDUCAÇÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS* O que é o Curta na Educação? É o projeto criado e desenvolvido, por iniciativa conjunta da Associação Nacional de Educação Católica ANEC e da Comissão

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras. Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011

O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras. Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011 O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011 Resumo Mesa 1 Questão 1 O que dá significado/contribui para a participação do funcionário

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA Mudança da Marca e Posicionamento Esse boletim explicativo tem o objetivo de esclarecer suas dúvidas sobre a nova marca Evolua e de que forma ela será útil para aprimorar os

Leia mais

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS Um projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades integradas e coordenadas, com o fim de alcançar objetivos específicos dentro dos limites

Leia mais

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento.

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento. A Genzyme do Brasil ( Genzyme ) torna pública a abertura do Edital 001/2015 para o Programa de Apoio aos Projetos de Associações de Pacientes ( PAPAP ) e define o processo seletivo para o ano de 2016,

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor O que é o Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins lucrativos brasileiras organizadas na forma

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Carta de Projetos SÃO PAULO 2016

Carta de Projetos SÃO PAULO 2016 Carta de Projetos SÃO PAULO 2016 1. Parcerias Institucionais Se sua empresa acredita que pode ser agente ativa de uma transformação social, envolvendo moradores de comunidades precárias em todo o Brasil,

Leia mais

Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados. Rio Branco, 10 de Maio de 2013

Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados. Rio Branco, 10 de Maio de 2013 Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados Rio Branco, 10 de Maio de 2013 Processo dos PSA REDD+ em nivel de país 10 etapas 1. Conscientização / Capacitação

Leia mais

Projeto GT de Empresas do Pacto Empresarial pela Integridade e contra a Corrupção

Projeto GT de Empresas do Pacto Empresarial pela Integridade e contra a Corrupção Projeto GT de Empresas do Pacto Empresarial pela Integridade e contra a Corrupção O Pacto Empresarial pela Integridade e Contra a Corrupção Com 3 anos de existência, a secretaria executiva do Pacto Empresarial

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

Capacitação Gerencial PST

Capacitação Gerencial PST Capacitação Gerencial PST Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social SNELIS Ministério do Esporte Direito Social É dever do estado fomentar práticas desportivas formais e não formais:

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA A concepção que fundamenta os processos educacionais das Instituições da Rede Federal de Educação

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

PLANO DE TRABALHO GT PESQUISA VIVA: 2015 2016

PLANO DE TRABALHO GT PESQUISA VIVA: 2015 2016 PLANO DE TRABALHO GT PESQUISA VIVA: 2015 2016 MISSÃO Criar uma cultura de pesquisa no Cultura Viva junto a Pontos de Cultura, gestores públicos e universidades, contribuindo para a gestão participativa

Leia mais

Curta Saneamento Básico

Curta Saneamento Básico Curta Saneamento Básico Justificativa: As temáticas propostas pela Campanha da Fraternidade (CF) têm como objetivo conscientizar a sociedade em relação a problemas sociais que afetam a população brasileira,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Enquadramento e critérios de Candidatura

Enquadramento e critérios de Candidatura Enquadramento e critérios de Candidatura A cidadania ativa constitui um elemento chave do reforço da coesão social. O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011, como Ano Europeu do Voluntariado

Leia mais

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs?

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? QUATRO BARRAS 09/07/2007 Horário: das 13h às 17h30 Local: Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? Grupo 01:

Leia mais