ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL - ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FORMAÇÃO DOCENTE PARA A ATUAÇÃO EM EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL - ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FORMAÇÃO DOCENTE PARA A ATUAÇÃO EM EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL - ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FORMAÇÃO DOCENTE PARA A ATUAÇÃO EM EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA RONILDO APARECIDO FERREIRA A AVALIAÇÃO COMO REFERENCIAL NA CONSTRUÇÃO DO PERFIL DO ALUNO DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE VILA VELHA 2009

2 RONILDO APARECIDO FERREIRA A AVALIAÇÃO COMO REFERENCIAL NA CONSTRUÇÃO DO PERFIL DO ALUNO DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE Monografia apresentada à ESAB Escola Superior Aberta do Brasil, sob orientação do Prof ª Ma. Beatriz Christo Gobbi. VILA VELHA 2009

3 RONILDO APARECIDO FERREIRA A AVALIAÇÃO COMO REFERENCIAL NA CONSTRUÇÃO DO PERFIL DO ALUNO DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE Aprovada em...de...de VILA VELHA 2009

4 A DEUS por me transmitir a luz da sabedoria; aos meus pais pelo amparo constante; a minha esposa Lilian e a minha filha Ana Júlia pelo amor; paciência e compreensão...

5 AGRADECIMENTOS A Luciana Ferreira Baptista pela paciência, interesse e ajuda; aos meus colegas de trabalho Luciano Cricco Peraro, Roberto Matsubara pelo incentivo; a minha orientadora e aos professores, que me auxiliaram nesta jornada.

6 RESUMO O presente trabalho visa conhecer e analisar a efetividade dos processos de avaliação da aprendizagem atualmente em uso, através de uma pesquisa bibliográfica. Buscou-se o significado dos processos de avaliação dentro e fora do meio acadêmico. Outro ponto importante foi a constatação de que as organizações, de um modo geral, também aplicam a seus colaboradores avaliações para admissão ou manutenção do emprego. Verificou-se que a globalização vem influenciando o retorno dos profissionais às escolas através das mudanças tecnológicas. Um novo perfil profissional impera nos meios produtivos, em que competências comportamentais são valorizadas tanto quanto as competências e habilidades técnicas. A escola, o educador, o educando e a própria sociedade sentem a necessidade de repensar os processos de ensino e avaliação, a fim de adequá-los aos novos paradigmas vigentes. Para tal, são propostas reflexões sobre fatores que influenciam no desempenho do educando e, consequentemente, na qualidade final de suas habilidades e competências. O ponto central é propor instrumentos para simplificar o trabalho docente, favorecer a participação do educando no processo avaliatório e trazer para o meio acadêmico sistemas utilizados no mercado de trabalho, objetivando alcançar notas ou conceitos mais justos e próximos do real.

7 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Exemplo de questão com alternativas simples...39 Quadro 2: Alternativas que devem ser evitadas...39 Quadro 3: Exemplo de erro na formulação da questão...40 Quadro 4: Exemplo de questão com maior grau de dificuldade...40 Quadro 5: Primeiro exemplo de questão relacionada ao conteúdo...48 Quadro 6: Segundo exemplo de questão relacionada ao conteúdo...48 Quadro 7: Questão para opinar...49 Quadro 8: Dificuldades relacionadas à avaliação...50 Quadro 9: Reflete a relação do educando com a disciplina...50 Quadro 10: Satisfação com o curso...51 Quadro 11: Questão sobre assuntos do cotidiano do profissional...51 Quadro 12: Avaliação da Apresentação analisada pelo examinador Ex Quadro 13: Avaliação da apresentação com a média das notas dos três examinadores...53 Quadro 14: Formulário para a Avaliação de Desempenho...54 Quadro 15: Planilha de Notas...54 Quadro 16: Legenda da Planilha de Notas...54 Quadro 17: Fórmulas utilizadas nas Planilha de Notas...55

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...8 CAPÍTULO I - O PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO PELO MERCADO PRODUTIVO...10 CAPÍTULO III - ORIGEM E EVOLUÇÃO DAS AVALIAÇÕES...21 CAPÍTULO IV - FORMAS DE AVALIAÇÕES...25 IV.1 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA...25 IV.2 AVALIAÇÃO FORMATIVA...26 IV.3 AVALIAÇÃO SOMATIVA...29 IV.4 AVALIAÇÃO EMANCIPADORA...30 CAPÍTULO V - AS INFORMALIDADES DO PROCESSO AVALIATÓRIO...31 V.1 AVALIANDO A PRÓ ATIVIDADE...34 V.2 AVALIANDO A PONTUALIDADE...35 V.3 AVALIANDO A POSTURA ÉTICA...36 CAPÍTULO VI - APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA...37 VI.1 INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO...37 VI.2 CUIDADOS NA ELABORAÇÃO DOS INSTRUMENTOS AVALIATÓRIOS...38 VI.3 INSTRUMENTOS A SEREM CONSIDERADOS...41 VI.4 APLICAÇÃO DOS INSTRUMENTOS...47 CONCLUSÃO...56 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...57

9 8 INTRODUÇÃO Palavras-chave: Educação, Avaliação da aprendizagem, Formas de avaliação. Qualquer curso, presencial ou à distância, obriga-se a emitir um tipo qualquer de certificado e sendo mais comum o uso de provas ou avaliações para sua validação. A ideia de avaliação como medida já é praticada há tempos nos meios acadêmicos e mais recentemente nas organizações, objetivando apreciar a qualificação de seus colaboradores. A busca pela Qualidade Total exige das organizações melhorias no sistema produtivo e redução de custos. Além de novos equipamentos e novas técnicas produtivas, a certificação de seus colaboradores se faz cada vez mais necessária pela própria dinâmica do mercado corporativo e, em algumas situações, por força de lei. Esta situação pressiona as pessoas a seguirem ou retomarem os estudos, ou mesmo mudar completamente a sua área profissional. A busca por cursos técnicos, tecnológicos, graduação e prós-graduação aliados aos que estão em ascensão escolar, criam turmas heterogêneas, numerosas, com níveis de conhecimentos iniciais diferenciados, dificuldades específicas e interesses diversos, dificultando o processo de ensino-aprendizagem e consequentemente o processo avaliatório. O Certificado formaliza as competências e habilidades adquiridas ao longo do processo. Para fazer jus ao certificado, o aprendiz deve submeter-se a um processo avaliatório. O que e como avaliar está calcado na figura do examinador, sendo, portanto o instrumento de avaliação. Em Hadji (2001), encontra-se a figura do instrumento avaliador envolto em uma série de características humanas como humor, preferências e socialmente aculturado, o que o torna subjetivo. É comum o trabalho docente em mais de uma instituição e, considerando a falta de uniformidade dos critérios de valoração, acaba levando o docente a criar seus próprios critérios, baseando-se em conveniências. Diversos fatores podem influenciar no rigor dos processos avaliatórios aplicados a determinado grupo de educandos. É prática

10 9 comum o uso de notas como controle disciplinar e como instrumento de imposição perante o grupo. Em cursos à distância o docente-tutor pode se esquecer de que do outro lado existe um ser humano, que nem sempre está disposto, tem dificuldades no uso do computador, aplicativos ou acesso às tecnologias; algum familiar pode estar doente, entre outros motivos que influenciarão consideravelmente o seu desempenho. A falta de contato físico pode levar o docente-tutor a tratar seus educandos como máquinas. Tanto o educando como o docente são subjetivos por natureza, característica que influencia drasticamente no processo avaliatório. Através de uma pesquisa bibliográfica, verificar-se-á a existência dos diversos processos de ensino-aprendizagem e avaliatórios e estes são combinados para mensurar o quanto foi assimilado pelo educando no decorrer do processo ensinoaprendizagem. Através de análises e reflexão, pretende-se verificar os métodos avaliatórios que melhor refletem a qualidade do profissional que está sendo formado. Quesitos, critérios e formas de avaliar deverão ser estabelecidos para que, assim, levem o educando a compreender a importância do processo avaliatório para a sua vida profissional.

11 10 CAPÍTULO I - O PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO PELO MERCADO PRODUTIVO As avaliações sempre fizeram parte da vida escolar e, nas últimas décadas, passaram a integrar-se ao meio corporativo. As organizações empregam a Avaliação de Desempenho com o objetivo de apreciar o desempenho e o potencial de desenvolvimento de cada pessoa no cargo. Esta é uma importante ferramenta de Gestão de Pessoas, uma vez que traça um paralelo entre o desempenho do profissional em função das atividades que realiza, das metas estabelecidas, dos resultados alcançados e do seu potencial de desenvolvimento. (CHIAVENATO, 1998). Através da avaliação de desempenho, o empregador pode determinar quais são os cursos e treinamentos mais adequados a cada equipe, verificar como está o relacionamento entre as equipes, coletar informações com intenção de promoção funcional ou transferência de setor. Uma avaliação mais detalhada contém elementos que também avaliam o grau de satisfação e comprometimento com a organização, coleta sugestões referentes aos processos produtivo, de logística, atendimento aos clientes e fornecedores. A competitividade do mercado, obriga os meios produtivos a melhorar a qualidade e reduzir custos. Uma das formas adotadas é garantir que cada produto produzido cumpra as mesmas etapas de fabricação e recebam todas as alterações e modificações da mesma maneira que os demais produtos da linha de produção. Associando, desta forma, o conceito de qualidade ao perfeito cumprimento das especificações técnicas de determinado produto. Para tanto, munem-se de documentações minuciosas e detalhadas dos produtos e serviços, com suas especificações técnicas, os métodos e procedimentos padronizados adotados na cadeia produtiva para a realização desses produtos e/ou serviços. Para obter um certificado, a empresa necessita submeter a documentação gerada durante o processo de implementação da qualidade à análise e, mediante auditoria,

12 11 comprova-se que todos os requisitos descritos na documentação estão implantados adequadamente, de acordo com a norma estabelecida pela International Organization for Standardization (ISO) (RIBEIRO, 2004). Ao adquirir determinado produto, o consumidor está interessado em realizar seus desejos e aspirações e não se importa com os aspectos produtivos, o que confere um novo significado à qualidade, segundo Ribeiro (2004). O conceito adotado anteriormente para distinguir produtos e/ou serviços, baseados no comprimento de etapas produtivas, evoluiu e passou a incluir fatores como benefício, utilidade, praticidade, prazo e pontualidade de entrega, condições de pagamento, assistência técnica, atendimento pré e pós-venda, flexibilidade, etc,. Esses novos elementos ampliaram o conceito de Qualidade. O conceito de produto e/ou serviço cedeu lugar ao Consumidor Final, centrando os esforços em um novo elemento: o ser humano. O Conceito de Qualidade foi ampliado para Qualidade Total (RIBEIRO, 2004). Além das Avaliações Admissionais, exigidas por muitas organizações, as Avaliações de Desempenho surgiram motivadas pela busca da Qualidade Total que, segundo o site (2009), constitui um conjunto de técnicas multidisciplinar formada por Programas, Ferramentas e Métodos que, uma vez aplicados ao controle de processos de produção, visam obter menores custos e melhor qualidade a fim de atender as exigências do mercado consumidor. Atualmente, as organizações exigem como prática produtiva e competitiva uma educação continuada, uma capacidade de propor soluções criativas, novas atitudes além do domínio de habilidades motoras e disposição para cumprir ordens. Esta nova realidade demostra uma dependência mútua e uma tendência cooperativa (PEREIRA, 2007). A dependência das etapas da cadeia produtiva, exige uma maior interação entre as equipes. Um erro em uma das etapas que passe despercebido ao logo do processo,

13 12 pode causar reclamações do usuário final, como a quebra do contrato de prestação de serviços ou até a recusa total de um lote de produtos. A uniformidade de conhecimento entre os envolvidos no processo é fundamental. Tradicionalmente, um iniciante recebia instruções dos colegas mais experientes. As condições em que as empresas estão operando, não permitem que iniciantes aprendam enquanto trabalham. As empresas necessitam de que novos funcionários estejam mais inteirados aos processos produtivos, reduzindo o tempo de adaptação ao trabalho. Esta necessidade confere maior valor ao ser humano, exigindo maior preparação e capacidade de adaptação. Os meios acadêmicos são obrigados a se adaptar, qualificando adequadamente os novos profissionais. Além do conhecimento, a escolha deve incluir novos elementos que moldem o comportamento e preparem o educando para ser auto-motivado e criativo. O capital humano é, sem dúvida, o diferencial de ganho e as organizações passam a privilegiar a integração funcional e organizacional. O profissional deixa de ser o empregado/funcionário e passa a ser considerado um colaborador. Em algumas organizações, ele passa a participar dos lucros e, em outras, os que se destacam, recebem prêmios. O relacionamento entre os colaboradores é cada dia mais incentivado. As organizações tentam criar um ambiente em que o colaborador se sinta responsável pela empresa e com orgulho de fazer parte de seu quadro de funcionários. Estas características humanistas também são passadas para a sociedade através de projetos sociais, esportes e meio ambiente. Esta nova forma de agir do mercado de trabalho, exclui aquele empregado que foi concebido sob um sistema hierárquico vertical, quando seus afazeres refletiam o cumprimento de ordens e um serviço repetitivo. Suas sugestões e reclamações eram ignoradas. O novo padrão produtivo exige uma capacidade de articulação do conhecimento e alguns fatores têm contribuído para a consolidação destes padrões, entre eles: O enfraquecimento dos sindicatos, aliado à retração do mercado de trabalho, permite às organizações maior autonomia no estabelecimento de um perfil profissional adequado aos seus interesses. O trabalhador, além de conviver com a precarização do emprego, com novos arranjos de trabalho, com o desemprego, tem de responder à exigência de maior qualificação. Ampliam-se os requisitos profissionais. Em adição às qualificações formais, são exigidas capacitações tácitas que permitam ao trabalhador atuar como agente integrador na dinâmica pesquisa-produção-vendas, o que leva a um

14 novo perfil profissional que privilegia a criatividade, a interatividade, a flexibilidade e o aprendizado contínuo. (ARRUDA; MARTELETO;SOUZA, 2000). 13 De acordo com a Organização Internacional do Trabalho OIT; Ministério do Trabalho e Emprego MTE; Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT(1999), as transformações econômicas, tecnológicas e socioculturais trazem a à tona questões relacionadas à educação e formação profissional. As novas necessidades do mercado trabalhista, exigem que a escola forneça uma vivência prática ao educando e não apenas o conhecimento técnico teórico. Novos conceitos como o de competência e habilidade fomentam mudanças relacionadas à questão da qualificação profissional. Dúvidas e controvérsias conceituais demostram dificuldades de tomada de decisão por parte da gestão governamental e empresarial que norteiam as políticas de desenvolvimento de recursos humanos bem como a garantia da igualdade de oportunidades de formação e emprego. As novas exigências mecanológicas pressionam a elevação do nível de qualificação do trabalhador. As instituições governamentais e privadas de ensino profissionalizante, influenciadas pelo mercado, investem na capacitação dos docentes e promovem alterações curriculares a fim de aproximarem se dos padrões de qualidade exigidos pelo mercado corporativo. No evento: Desenvolvimento Sustentável Lages, ocorrido em 11/09/2008, promovido pela Federação das Industrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), Jonas Germano Schmidt apud Algeri (2008), gerente de treinamento e desenvolvimento da WEG, uma Multinacional Brasileira, afirma que Agora é hora de manter os investimentos, para permitir a retomada do crescimento depois. A Weg investirá no próximo ano o montante que estava programado. Segundo Algeri (2008), a empresa investiu em média R$ 550 por colaborador, resultando num total de R$ 7 milhões investidos em educação profissional. Observamos que os investimentos na capacitação dos profissionais se traduzem em qualidade e produtividade e conseguimos atingir níveis bastante satisfatórios de desenvolvimento. Nossa companhia cresceu baseada nesta inovação e nos conceitos de treinamento, capacitação e desenvolvimento, afirmou Schmidt. Através de suas palavras demonstram-se todas as mudanças e exigências necessárias ao

15 14 profissional do século 21, bem como a redução do tempo em que o funcionário permanece em uma empresa quando ele diz que : A maioria das empresas está passando por um choque cultural muito grande. Antes, o tempo médio de um funcionário na empresa era de 13 anos e hoje é de 7. O conhecimento tem se deteriorado com muita rapidez, novas tecnologias têm vindo, o mundo está se tornando uma aldeia muito pequena. Nós, particularmente, temos contato com mais de 60 países e precisamos deixar nossos colaboradores preparados para enfrentar este cenário, afirmou Luiz Reitz, gerente de recursos humanos e administração da ArcelorMittal Vega. A empresa possui projetos que atendem a Agenda 21, elaborados em conjunto com com a comunidade do São Francisco do Sul e envolvem saúde, meio ambiente, educação e cultura (ALGERI, 2008). Sem dúvida, as organizações deixaram de ser apenas produtoras de bens e serviços para a sociedade. Assumido um papel ativo dentro da comunidade onde está inserida, agregam valor sentimental/moral em seus produtos/serviços. A educação continuada é um dos grandes desafios não somente para as empresas, mas também para as organizações educacionais privadas e governamentais impulsionadas pela globalização. Em meio às novas tecnologias, a Educação à Distância vem cumprindo um papel significativo neste processo. De acordo com Leonize de Souza Agra, coordenadora de Educação à Distância da Chesf, a modalidade contribui para a democratização e a agilidade da formação profissional. É importante que existam soluções para que as pessoas possam aplicar imediatamente o conhecimento. A educação à distância, de qualidade, favorece essa condição. A autora diz que o ser humano é a peça fundamental na sustentabilidade no entendimento do presidente da FIESC, Alcantaro Corrêa. Segundo Guimarães (2009), o governo do Brasil investirá cerca R$ 1,1 bilhão em infraestrutura, criando cerca de 100 novas escolas técnicas federais em O Ministério da Educação (MEC) tem hoje o maior orçamento dos últimos anos para investir na educação profissional. Os primeiros campis a serem inaugurados serão

16 15 nos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. As 100 novas escolas fazem parte de um projeto inovador que buscou atender às necessidades do arranjo produtivo local em cada região. Os cursos técnicos e superiores que serão oferecidos nessas escolas estão integrados ao mercado de trabalho. Há exemplos, inclusive, de escolas técnicas federais que desenvolveram cursos para atender à demanda por profissionais em seus estados. É o caso do Espírito Santo, que receberá quatro novas escolas técnicas. Lá, a Vale do Rio Doce fechou um convênio com o instituto federal do Espírito Santo para a implantação do curso técnico em ferrovias (nas modalidades integrada e subsequente) na unidade de ensino de Cariacica. A empresa investiu R$ 6 milhões para a construção e aparelhamento das instalações e capacitação de docentes. O curso foi elaborado com o auxílio de especialistas que trabalham na área de ferrovias da Vale (GUIMARÃES, 2009). A carência de oportunidades nos cursos superiores, leva o jovem a deixar a sala de aula ainda no ensino médio. Com a educação profissional, o jovem conclui o ensino médio pronto para o mercado de trabalho (GUIMARÃES, 2009). "Hoje, a educação profissional é tida pelo governo federal como um fator estratégico para o desenvolvimento do país. Faltam profissionais qualificados no mercado", explica o secretário de educação profissional e tecnológica do Ministério da Educação - MEC, Eliezer Pacheco. Guimarães (2009), informa que das 100 escolas que serão entregues este ano, 33 estarão na região Nordeste, 28 no Sudeste, 16 no Sul, 12 no Norte, 12 e o Centro-Oeste, 11. Serão investidos cerca de R$ 5 milhões, entre infraestrutura, equipamentos e mobiliário em cada unidade. Os investimentos então sendo feitos em todo o Brasil. Diz Oliveira (2009), que o secretário estadual de Educação, Antônio José Medeiros, anunciou em um evento ocorrido na cidade de Valença, Sul do Piauí, com a presença dos dezoito gerentes regionais de educação e 35 diretores de escolas profissionalizantes, num investimento de aproximadamente R$ 59 milhões do Programa Brasil Profissionalizado para projetos de reforma e construção de escolas. Estas ações reforçam a importância da qualificação profissional para que as empresas possam ser mais competitivas num mundo globalizado. A educação

17 16 profissional tem a missão de ampliar as oportunidades e democratizar o acesso às vagas oferecidas pelo mercado de trabalho. Não basta criar escolas, é necessário que o educando finalize o processo ensino-aprendizagem e desenvolva as habilidades e competências. Neste sentido, esforçam-se para que o diploma técnico ou certificado profissional de qualquer nível acadêmico, seja reconhecido e corresponda à realidades do mundo do trabalho. O Certificado ou Diploma é um meio legal de reconhecer os conhecimentos, habilidades, atitudes e competências profissionais perante a sociedade e os meios produtivos. Seu objetivo é documentar e averbar as competências individuais e sociais exigidas pelo mercado de trabalho. Diversas empresas oferecem treinamentos específicos para equipamentos, processos produtivos ou gestão, apoiadas e autorizadas pelos próprios fabricantes ou organizações certificadoras criadas para este fim. Ao final de um processo avaliatório é emitido um certificado válido e legitimado por órgão credenciado, evidenciando os aspectos técnicos da certificação. Outro aspecto é o caráter Jurídico e burocrático conferido ao trabalhador pelo certificado. Cabe lembrar que o Diploma é concedido sempre ao final de um curso de formação escolar regular e formal (ALEXIM, 2002). CAPÍTULO II - PROCESSOS AVALIATÓRIOS É evidente a importância da qualificação profissional como meio de ascensão social para o educando e é também um importante diferencial para a empresa inserida no mercado globalizado altamente competitivo que o Diploma ou Certificado sejam resultado dos processos de ensino e de avaliação. Ao longo da história, tanto o processo avaliatório quanto o processo de ensino aprendizagem foram receberam influências de várias correntes filosóficas, interesses sociais e governamentais. Diversas literaturas especializadas fazem referências ao aprendizado por competência, porém, na prática, as mudanças andam a passos lentos, prevalecendo o efeito de mensuração dos processos avaliatórios. Há uma consciência das

18 17 necessidades de mudanças destes paradigmas avaliatórios e seus reais objetivos no processo de ensino-aprendizagem buscando uma forma mais justa e menos classificatória, excludente e principalmente punitiva. Muitas instituições de ensino seguem modelos tradicionais, em que o aluno é tratado com um depósito de conhecimentos que os reproduzirá nas linhas de uma avaliação decorativa e sem significados, cujo centro do processo de ensino-aprendizagem é o professor (COQUI, 2008). Esta posição deve ser revista não só pelo professor, mas por toda a comunidade escolar. Começar a reformular seus conceitos avaliatório e propor uma avaliação realmente processual e contínua. Entretanto, a busca por novas estratégias avaliatórias são frequentes e têm-se mostrado como uma mera máscara para antigos hábitos, visto que os indicativos educacionais como o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE) apontam um baixo índice de aprendizado no geral. A grande evasão escolar, a elevada reprovação praticamente em todos os níveis escolares demonstram a necessidade de mudanças no processo de ensino-aprendizagem. Rever a questão do processo avaliatório é repensar os padrões educacionais, que ainda estão fundamentados em um modelo de educação que visa a classificação dos alunos e os transforma em notas e conceitos, não diferentemente dos processos utilizados nos processos seletivos. Estes processos refletem apenas um momento: o do processo avaliatório; e não medem a capacidade do aluno, não se preocupando com toda a bagagem de conhecimento que é incorporada durante anos de estudos. A consciência do papel da escola na construção de cidadãos é fundamental para que se respeitem os ritmos e o avanços dos alunos sem criar um espírito competitivo desnecessário, as notas altas significam maior status. Nem sempre as maiores notas refletem o quanto o aluno conseguiu caminhar desde que ingressou no processo de ensino-aprendizagem. O baixo desempenho apontado pelo processo avaliatório pode ser decorrente de falhas de aprendizagem anteriores e seriam necessárias aulas extras pra sanar o problema, o que dificilmente ocorrerá. Avaliar sob a ótica qualitativa exige uma maior vivência e conhecimento do aluno, seus

19 pontos fracos e fortes, suas dificuldades e interesses, uma boa capacidade de observação e julgamento. 18 Alterações na Lei de Diretrizes e Bases da Educação(LDB) buscam reafirmar a validade dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos que é questionada por Hoffmann, apud Coqui (2008), quel registra as tímidas mudança em relação à lei anterior: [...] por certo é a atual exigência que a lei impõe aos sistemas públicos e particulares de ensino de efetivarem um processo avaliativo contínuo e qualitativo, mediador, em escolas e universidades, diante dos índices assustadores de evasão e reprovação e denúncias de decisões arbitrárias e ilógicas na avaliação de estudantes em todos os níveis [...] (HOFFMANN, 2003). Para atender os novos conceitos, o processo ensino-aprendizagem vem sendo lapidado para criar indivíduos capazes de ler, interpretar e questionar o mundo à sua volta. No que se refere ao processo avaliatório, ainda continua classificatório. Apesar desta consciência, avaliar ainda significa medir quanto o aluno assimilou durante o processo de ensino-aprendizagem, ignorando que o aprendizado não é igual para todos e que a avaliação reflete apena aquele momento e não a capacidade do aprendiz. Segundo Coqui (2008), avaliar está além de medir conhecimentos, de classificar, de punir; é mediar o conhecimento, respeitar o tempo de cada um, analisar o erro como um degrau para o acerto. O professor deve considerar que não é o centro do conhecimento e sua missão é a de orientar o aluno no processo de pesquisa, avaliação e análise das informações obtidas de forma empírica, através de livros, revistas, jornais, mídia, além das atuais mídias digitais. O aluno deve desenvolver a capacidade de contextualizar as informações que obtém das diversas fontes transformado-as em conhecimento. Esta transformação é que o capacitará a resolver situações-problema, originando habilidades que permitirão seu avanço além dos assuntos tratados no processo de ensino. Ao apossar-se desses conhecimentos, o aluno ganha segurança para a execução de um serviço, sente que é capaz de propor soluções, de inovar e criar. O processo avaliatório deve ser

20 19 trabalhado de forma que não seja muito difícil, a fim de produzir um sentimento de incapacidade no aluno e nem muito fácil aponto de tirar a credibilidade do processo. Novamente temos a figura do professor como fator determinante para o sucesso do aluno. A forma como conduz o processo avaliatório pode determinar o sucesso ou fracasso desse aluno no processo como um todo e o professor deve estar ciente desta responsabilidade. Ter consciência de que não é a única fonte de conhecimento, que é responsável por todo o processo de ensino e avaliação e influência que seus atos exercem sobre o aluno são condições essenciais para atuação deste educador, inserido num mundo globalizado, onde as informações tornam-se obsoletas em pouco tempo. O professor é o elemento quem faz a mediação desses processos, facilitando o acesso às informações. É fácil notar a sua participação na educação, porém, em um contexto mais amplo, o papel do educador está diretamente relacionado à função da escola, que é a transmissão formal de conhecimentos através de disciplinas. A educação sempre passa pelo trabalho dos educadores que têm sua parcela de responsabilidade quando se trata da qualidade da educação como um todo. Claro que esse professor também é um reflexo do sistema escolar no qual está inserido. Mas, além de mudanças na forma de lecionar, outras funções foram e estão sendo incorporadas ao currículo do docente. A ida da mulher para o mercado de trabalho, a reestruturação da família e as rápidas alterações tecnológicas fazem com que os alunos passem cada vez mais tempo dentro da escola, independentemente do nível escolar. Problemas familiares estão influenciando cada vez mais o desempenho do aluno e produzindo comportamentos inadequados ao convívio escolar e, em meio às controvérsias e muitas vezes contra a vontade, o professor acaba por se responsabilizar pela solução. Até onde vai o papel do professor é uma discussão em andamento entre os pensadores e gestores da educação. É certo que o ponto central do papel do professor é trabalhar com o conhecimento. Porém, não tem como ensinar sem desenvolver no aluno determinados hábitos formativos que eram papel da família.

21 20 Esta situação gera a oportunidade de repensar não só o papel do professor, mas a da própria instituição. Além de educar os alunos e dar conta de hábitos de disciplina, é preciso uma ação mais ampla e mais conjunta com outras áreas. Por outro lado, o papel de transmitir informações passa a ser compartilhado pela internet e outras mídias.

22 21 CAPÍTULO III - ORIGEM E EVOLUÇÃO DAS AVALIAÇÕES A situação exige do educador o conhecimento e o uso de uma combinação de instrumentos avaliatórios que o auxiliem na determinação de uma nota ou conceito que seja o mais justo possível, a fim de cumprir com determinações burocráticas para a promoção do aluno e a emissão do certificado que reconhecerá as competências e habilidades adquiridas pelo aluno durante o processo de ensinoaprendizagem. No dicionário Aurélio (1994), avaliar significa: determinar a valia ou o valor de; apreciar ou estimar o merecimento de; determinar a valia ou o valor, o preço, o merecimento,calcular, estimar; fazer a apreciação; ajuizar. Portanto, etimologicamente, avaliar significa atribuir valor a algo. Esse valor pode ser quantitativo e qualitativo e sua análise deve conduzir a uma tomada de decisão. Segundo Depresbiteris (1999) apud Calvo & Borges (2008), a avaliação tem seu inicio como sinônimo de prova, em 2205 a.c., quando um imperador chinês examinava seus oficiais a cada três anos, com o objetivo de promovê-los ou demitilos, principalmente para prover o Estado de homens capacitados. Na Idade Média, eram usadas moedas para indicar satisfação em relação ao desempenho do professor. Em 1920, a grande utilização dos testes avaliatórios acabou gerando uma nova ciência chamada Docimologia. Surgido na França, objetivando o estudo sistemático dos exames e do sistema de atribuição de notas, difundiu-se para outros países como Portugal e Estados Unidos. Associações e comitês foram criados nos Estados Unidos, a fim de estudar, padronizar e difundir os exames que atribuem um caráter instrumental ao processo avaliatório. Outras formas de avaliar formam propostas na década de 50, por Tyler, como as escalas de atitude, inventários, questionários e fichas de registro de observações. Apesar de inovadora, não conseguiu modificar o caráter de mensuração dos objetivos alcançados no processo ensino-aprendizagem (CALVO; BORGES, 2008).

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht Page 1 of 5 e seu sentido de melhoria do processo de ensino-aprendizagem Para que Avaliar? Para conhecer melhor o aluno/a Para julgar a aprendizagem durante o processo de ensino Para julgar globalmente

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem...

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem... 1 2 Sumário Bem Vindo... 4 A Disciplina de Dependência Interativa... 5 A Organização da Disciplina... 7 O Processo de Ensino e Aprendizagem... 10 Sua Semana no Curso... 11 O apoio local ao Ensino Semipresencial...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 A avaliação da escola é um processo pelo qual os especialistas (diretor, coordenador pedagógico) e os professores

Leia mais

AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO

AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO 1 Jussara Hoffmann Sobre a avaliação Para se debater o sistema de avaliação das aprendizagens, primeiro é preciso compreender o termo avaliar com a amplitude

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.325 de 18 de maio de 2004, publicada no DOU em 20 de maio de 2004. Diretor da Faculdade: Elita Grosch Maba Diretor

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

PROCESSO SELETIVO E EVASÃO EM UM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU A DISTÂNCIA. Serra ES Maio 2014

PROCESSO SELETIVO E EVASÃO EM UM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU A DISTÂNCIA. Serra ES Maio 2014 PROCESSO SELETIVO E EVASÃO EM UM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU A DISTÂNCIA Serra ES Maio 2014 Isaura Alcina Martins Nobre Ifes - isaura@ifes.edu.br Vanessa Battestin Nunes Ifes - vanessa@ifes.edu.br

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia Faculdades Integradas Mato - Grossenses de Ciências Sociais e Humanas Missão: Formar cidadãos, através da educação, para atuar de forma transformadora, ética e crítica, no contexto profissional e social

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: DISCENTES:

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS: LIMITES E POSSIBILIDADES.

A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS: LIMITES E POSSIBILIDADES. A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS: LIMITES E POSSIBILIDADES. Maria Erislândia de Aquino Gama Graduanda do Curso de Pedagogia/CAMEAM/UERN. Autora Disneylândia Maria Ribeiro Profª.

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM AUTORA: JUSSARA OLIVEIRA DE

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS

MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS Deise de Lima 1 Orientadora - Fernanda Bertoldo 2 Resumo Este artigo tem por objetivo relatar os caminhos da pesquisa desenvolvida durante o curso

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO 1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Salvador BA Maio de 2012 Letícia Machado dos Santos Secretaria

Leia mais

1 Especialista em Treinamento Físico-Despotivo, UFPI 2 Docente do Departamento de Educação Física, UFPI

1 Especialista em Treinamento Físico-Despotivo, UFPI 2 Docente do Departamento de Educação Física, UFPI A PRÁTICA AVALIATIVA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO NO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA (CEFET) DE TERESINA PI Ayse Suzel Martins 1 Ana Maria da Silva Rodrigues 2 1 Especialista em Treinamento

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2010-2015 - EIXO X EIXO X

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2010-2015 - EIXO X EIXO X UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO X CONSIDERAÇÕES E ASPECTOS PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO X - CONSIDERAÇÕES E ASPECTOS PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 10. Considerações e Aspectos

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE)

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) STE/02 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E POTENCIAL EM 360º NYDIA GUIMARÃES E ROCHA ABB RESUMO

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS

ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS GT 07 Educação Matemática, avaliação e inclusão escolar. Francine Monteiro,

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Pensar e construir o Projeto Político-Pedagógico é refletir, numa primeira instância, sobre questões fundamentais que assegurem uma visão de totalidade

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Inayá Bittencourt e Silva*

PROJETO PEDAGÓGICO. Inayá Bittencourt e Silva* PROJETO PEDAGÓGICO Inayá Bittencourt e Silva* Elaborar um sistema pedagógico é definir um projeto de sociedade e tirar dele as conseqüências pedagógicas B. Charlot A elaboração de um Projeto Pedagógico

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA AVALIAÇÃO

GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA AVALIAÇÃO GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA AVALIAÇÃO Vera Lúcia Martins Gramville 1 Rozane Marcelino de Barros 2 Resumo: O presente Artigo é uma descrição reflexiva que produziu

Leia mais

identificação e detalhamento dos indicadores definidos para mensurar os resultados do projeto.

identificação e detalhamento dos indicadores definidos para mensurar os resultados do projeto. APRESENTAÇÃO O presente documento se refere ao Plano do Projeto de Implantação das Estratégias de Ensino - a ser executado por Instituição de Ensino Superior - IES que se inscreva para fazer parte do Projeto

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL *Drisner, Thales thalesjacmt@hotmail.com *Ferreira, Leandra Diniz Lediniz10@hotmail.com 1 *Oliveira, Elizabete Gaspar elisabetegasparo@hotmail.com 2 RESUMO Este artigo, intitulado

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Satisfação do Cliente aluno em sala de aula. O diálogo como prática para a melhoria dos resultados Histórico da prática eficaz Uma das diretrizes institucionais do

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

EDITAL 01/2015 NEaD-TO Seleção de Tutores a distância e presencial EaD Doctum TO

EDITAL 01/2015 NEaD-TO Seleção de Tutores a distância e presencial EaD Doctum TO EDITAL 01/2015 NEaD-TO Seleção de Tutores a distância e presencial EaD Doctum TO A Diretoria das Faculdades Unificadas de Teófilo Otoni (doravante Doctum-TO) e seu Núcleo de Educação a Distância (doravante

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I Prof. Hugo Souza Voltando alguns [vários] anos atrás, teremos uma breve revisão sobre a história e a contextualização do

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão Educacional

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais