configura-se como garantir ofertas de cuidados domiciliares apoiadoras dos projetos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "configura-se como garantir ofertas de cuidados domiciliares apoiadoras dos projetos"

Transcrição

1 Serviço de Atenção Domiciliar de São Bernardo do Campo Proponente: Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo, SP. CNPJ: / Endereço: Rua Luiz Ferreira da Silva, 172, Parque São Domingo, CEP: , São Bernardo do Campo - SP. Autores: Daniel Gomes Monteiro Beltrammi, Rosemary dos Passos Magalhães. Telefone: (011) ; (011) Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar Eixo: Gestão. Tema: Protocolos assistenciais para a Atenção Título: Sistema de Classificação de Pacientes: ferramenta qualificadora do acesso, equidade e integralidade do cuidado na Atenção Domiciliar. O Serviço de Atenção Domiciliar da Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo iniciou suas operações em 30 de março de 2009 com a missão de atuar como prática substitutiva qualificada. Seu principal desafio, no âmbito do sistema local de saúde, configura-se como garantir ofertas de cuidados domiciliares apoiadoras dos projetos terapêuticos desenvolvidos no âmbito da atenção básica e da atenção hospitalar, seja na promoção, recuperação ou reabilitação da saúde da população elegível. Neste quadriênio de atuação focada na construção do cuidado, centrado nas práticas e ferramentas da clínica ampliada buscou-se ênfase no compartilhamento deste, tecendose a partir das responsabilidades coletivas os meios para o exercício do necessário protagonismo de familiares e cuidadores domiciliares não profissionais.

2 O período de análise da experiência a ser apresentada compreende o ano de 2012, durante o qual foram atendidos munícipes, com importantes variações mensais do número de indivíduos em cuidados domiciliares. No último quadrimestre (setembro a dezembro de 2012) houve uma média de 235 pacientes/mês. O Serviço de Atenção Domiciliar de São Bernardo do Campo (SAD) conta com 04 Equipes Multidisciplinares de Atenção Domiciliar (EMAD) e 01 Equipe Multidisciplinar de Apoio (EMAP) tendo abrangência municipal ( habitantes). As 04 EMAD trabalham territorializadas agrupando cerca de 02 a 03 territórios por equipe. Neste contexto estas equipes, bem como a estrutura de gestão de campo (enfermeiro gestor de intercorrências), na Central SAD, atuam em regime de relações vivas com cada um dos equipamentos de base territorial e de base regional. Desde o início das atividades do SAD, principalmente em função do cenário de restrição oferta de leitos hospitalares identificou-se a necessidade de se qualificar tecnicamente os processos de captação e definição dos projetos terapêuticos singulares de munícipes, no que tange ao planejamento dos cuidados domiciliares em seus aspectos de intensidade e freqüência. Neste contexto elaborou-se, a partir de consistente plataforma de pesquisa em saúde baseada em evidências e da instalação de uma comunidade de práticas (encontro de coletivos para fins de programação dos projetos terapêuticos denominada "sala de situação"), um instrumento denominado Sistema de Classificação de Pacientes (SCP). Este contempla duas matrizes classificadoras gerais, uma para as fases analíticas de captação de munícipes e outra para classificação geral das necessidades de cuidado (integralidade), além de seis matrizes classificadores para contemplar as chaves clinicas

3 das áreas técnicas gestoras do cuidado (enfermagem, fisioterapia, fonoaudiologia, medicina, nutrição e assistência social). Tais matrizes, a partir de pontos de controle clínicos de cada uma das vertentes do cuidado, posteriormente totalizados na matriz classificadora geral, para fins da busca e encontro de consensos para o cuidado, permitem que se dimensione freqüência e intensidade de cuidado, por meio de quatro níveis de ofertas de cuidado que variam entre si, no que tange ao número de visitas domiciliares (VD), como exemplificado na tabela abaixo, para os profissionais de enfermagem e médicos. SCP - SAD Enfermeiro Médico Previsão de Alta 01 VD mensal 01 VD mensal Cuidados Mínimos 01 VD semanal 01 VD quinzenal Cuidados Intermediários 02 VD semanais 01 VD semanal Cuidados Intensivos 03 ou mais VD semanais 02 ou mais VD semanais

4 Cada um dos pontos de controle clínico, ou chaves clínicas recebem uma pontuação possível nas matrizes classificadoras citadas, que varia de acordo com a intensidade do cuidado necessário. A totalização das pontuações atribuídas gera como resultado a classificação final em Previsão de Alta, Cuidados Mínimos, Cuidados Intermediários e Cuidados Intensivos. Diariamente, na sala de situação da atenção domiciliar, os responsáveis pelo cuidado, de posse de suas matrizes classificadoras técnico-assistenciais trabalham no processo de classificação integral do indivíduo em cuidado domiciliar. Este exercício é fundamental para permitir e induzir as atitudes e programações do cuidado em regime de transdisciplinaridade. Isto implica necessariamente em um progressivo apagamento das preponderâncias corporativas culturais, como por exemplo do médico sobre os demais profissionais de saúde, convidando todos os profissionais ao protagonismo e às responsabilidades inerentes aos projetos terapêuticos singulares em vigência no SAD. Como resultados obtidos, em primeiro plano, identificam-se as taxas de distribuição da coorte de indivíduos em cuidados domiciliares, quando analisado os grupos de profissionais que atendem à totalidade destes no SCP no ano de Ao Assistente Social não cabe a Classificação Previsão de Alta, para garantia de gestão das vulnerabilidades enquanto em cuidados domiciliares.

5 SCP - SAD Enfermeiro Médico Assistente Social Previsão de Alta 16% 16% -- Cuidados Mínimos 38% 39% 73% Cuidados Intermediários 40% 37% 24% Cuidados Intensivos 6% 8% 3% Ante aos dados apresentados permite-se constatar um predominância de necessidades em Cuidados Mínimos e Cuidados Intermediários (cerca de 77%) na coorte em questão. Profissionais envolvidos com as áreas de reabilitação e recuperação das autonomias, como fisioterapeutas, fonoaudiólogos e nutricionistas atendem a cerca de 35% da coorte de indivíduos em cuidados domiciliares. Em um segundo plano analítico, quanto aos resultados, o SCP permite a conformação das agendas diárias de visitas das equipes utilizando-se como vetores indutores a gestão de risco e vulnerabilidades. Para além das agendas de VD, as coortes de indivíduos em cuidados domiciliares devidamente classificadas permitem que tanto a sala de situação diária, como os gestores de campo e intercorrências possam programar ações mais proativas visando ao sucesso dos cuidados domiciliares e a evitabilidade das internações ou re-internações hospitalares, por quadros agudos previsíveis ao longo dos percursos da gestão do cuidado nos projetos terapêuticos domiciliares. O Sistema de Classificação de Pacientes, como qualquer ferramenta de cuidado, no âmbito da clínica ampliada, está em constante análise e aprimoramento, condição esta,

6 também fundamental para fomento às autorias desse cuidado, seja na sua produção em ato e em campo, seja na formulação das tecnologias para o amplo sucesso sanitário do cuidado.

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES: FERRAMENTA QUALIFICADORA DO ACESSO, EQUIDADE E INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO DOMICILIAR.

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES: FERRAMENTA QUALIFICADORA DO ACESSO, EQUIDADE E INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO DOMICILIAR. SECRETARIA DE SAÚDE DE SÃO BERNARDO DO CAMPO COMPLEXO HOSPITALAR MUNICIPAL - CHMSBC OFICINA DE TRABALHO DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO DOMICILIAR. MINISTÉRIO DA SAÚDE. ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR NOTA TÉCNICA 02 2006 POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR 1 Brasília, 10 de fevereiro de 2006. I. Introdução: NOTA TÉCNICA 02 2006 O Ministério da Saúde está propondo a implantação da Política Nacional

Leia mais

Hospital Geral de São Mateus

Hospital Geral de São Mateus Hospital Geral de São Mateus Projeto Referência Hospital Amigo do Idoso Perfil Instituição Hospital Geral, de caráter público, subordinado a Secretaria de Estado da Saúde, da administração direta, com

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado.

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Uma maneira diferente de focar a avaliação. Processo interativo,

Leia mais

Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial

Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial Área Técnica da Atenção Básical Gerência de Atenção à Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Vitória Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial Enfª Cláudia

Leia mais

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS Nadia Peresin Perottoni Enfermeira Atenção

Leia mais

VISITA MULTIDISCIPLINAR UTI

VISITA MULTIDISCIPLINAR UTI Pr02 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB,SRPT 1- Introdução A Unidade de Terapia Intensiva é um setor de alta

Leia mais

Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de Enfermagem realizar atendimento domiciliar particular

Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de Enfermagem realizar atendimento domiciliar particular PARECER TÉCNICO COREN-MA-CPE Nº 20/2015 ASSUNTO: Atendimento de Enfermagem particular em domicilio. 1. Do fato Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de

Leia mais

A Gestão do Cuidado e dos Serviços de Saúde

A Gestão do Cuidado e dos Serviços de Saúde A Gestão do Cuidado e dos Serviços de Saúde O processo de descentralização dos serviços de saúde, como princípio organizativo do SUS, não se limita à transferência de responsabilidades e recursos ao gestor

Leia mais

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS MARÍLIA Março/2012 1 REGIONALIZAÇÃO NO SUS ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES 1988: CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1990:

Leia mais

Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013):

Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013): Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013): I - promover a integração operacional e assistencial dos serviços de saúde vinculados ao Ministério

Leia mais

Seminário FGV Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil. A Governança e Gestão do HRTN. O Modelo de Linhas de Cuidado

Seminário FGV Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil. A Governança e Gestão do HRTN. O Modelo de Linhas de Cuidado Seminário FGV Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado MONICA COSTA DIRETORA TÉCNICA ASSISTENCIAL OUTUBRO DE 2014 Reitor

Leia mais

XXVI CONGRESSO DOS SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO

XXVI CONGRESSO DOS SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO XXVI CONGRESSO DOS SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO A implantação do processo de contratualização em serviços hospitalares de distintos portes: A experiência de São Bernardo do Campo

Leia mais

100 QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA PARA AGENTE COMUNITÁRIO

100 QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA PARA AGENTE COMUNITÁRIO Caro Leitor, A equipe técnica do Concurseiro da Saúde empenha-se em desenvolver apostilas e materiais atualizados de acordo com as leis recentemente publicadas a fim de estar sempre em consonância com

Leia mais

115 FÍSICO FÍSICA MÉDICA - RADIOTERAPIA A B A E A C B B C D A E D A A E C D B C B E D A C E E A B D FISIOTERAPIA A B A E A D E B D E A D E C A B

115 FÍSICO FÍSICA MÉDICA - RADIOTERAPIA A B A E A C B B C D A E D A A E C D B C B E D A C E E A B D FISIOTERAPIA A B A E A D E B D E A D E C A B (Gabarito divulgado em 09/12/2013) D E B E B A D D D C D C E A C C B C B E 101 ASSISTENTE SOCIAL A B A E A E A B D C B A E B C B D B D A C E A D D E C E A C 102 - BIÓLOGO A B A E A C A E B E C D A D D

Leia mais

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*)

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Saúde Mental Prof.: Beto Cruz betocais2@gmail.com PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades

Leia mais

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1 Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina - Departamento de Medicina Social Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Monitoramento e Avaliação do Programa de Expansão e Consolidação

Leia mais

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto elaborado para implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família tipo do Município de Mês ano Sumário 1 Apresentação 2 Caracterização do Município

Leia mais

Programa Anti-tabagismo

Programa Anti-tabagismo São Paulo, 4 a 6 de março de 2009 Programa Anti-tabagismo Dra. Nathércia Abrão Diretora de Provimento de Saúde Unimed Juiz de Fora Membro da CTPPS Federação Minas Unimed Juiz de Fora em números Receita:180

Leia mais

Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência - SUS/MG

Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência - SUS/MG Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência - SUS/MG Minas Gerais População: 20.033.665 habitantes Extensão territorial: 586.528,293 km 2 Quantidade de municípios: 853( 80% possuem menos de 20 mil habitantes)

Leia mais

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda ATENÇÃO BÁSICAB SICA: Programa de Saúde da Família (PSF) ou Estratégia de Saúde da Família (ESF) Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Disciplina: SAÚDE PÚBLICA P I (MS-052) Prof. Walfrido K.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL 01/2013

PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL 01/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL 01/2013 O Instituto Brasileiro de Alternativa para Saúde e Meio Ambiente - IBRAAS, em atendimento à determinação da sua Diretora Executiva no pleno exercício

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS

Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS Viver Sem Limite - Marco Legal Nacional e Internacional Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência (NY, 2007) Decreto Presidencial

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA Unidade Dias

Leia mais

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 Situação Atual - Portaria 336/2002 - CAPS - Portaria 245/2005 incentivo implantação

Leia mais

PROGRAMA MELHOR EM CASA E A RESPONSABILIZAÇÃO DE FAMÍLIAS NO CUIDAR

PROGRAMA MELHOR EM CASA E A RESPONSABILIZAÇÃO DE FAMÍLIAS NO CUIDAR PROGRAMA MELHOR EM CASA E A RESPONSABILIZAÇÃO DE FAMÍLIAS NO CUIDAR Larissa Fernandes Telles (Acadêmica do 3 ano de Serviço Social), Suellen Mota Oliveira (Acadêmica do 3 de Serviço Social), Marília Dal

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL APLICADA À NEUROLOGIA

Leia mais

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde SINAIS E SINTOMAS Sinais, sintomas, observações e manifestações clínicas que podem ser tanto objetivas (quando observadas por médicos) como subjetivas (quando

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini-RS

Prefeitura Municipal de Piratini-RS LEI N. 1381/2013 CRIA CATEGORIAS FUNCIONAIS DE AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL, AGENTE DE ENDEMIAS, TÉCNICO DE ENFERMAGEM, FISIOTERAPEUTA E FONOAUDIÓLOGO, COM SEUS RESPECTIVOS CARGOS E PADRÃO DE VENCIMENTOS, NO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR UNIMED-BH CAMILA CARNEIRO DA FONSECA Assistente Social Serviço de Atenção Domiciliar Atenção Domiciliar

Leia mais

##ATO Portaria nº 251/GM, Em 31 de janeiro de 2002.

##ATO Portaria nº 251/GM, Em 31 de janeiro de 2002. 1 de 5 15/5/2009 15:24 ##ATO Portaria nº 251/GM, Em 31 de janeiro de 2002. Estabelece diretrizes e normas para a assistência hospitalar em psiquiatria, reclassifica os hospitais psiquiátricos, define e

Leia mais

Hospital Sofia Feldman: compromisso com a VIDA. Florianópolis, novembro de 2013

Hospital Sofia Feldman: compromisso com a VIDA. Florianópolis, novembro de 2013 Hospital Sofia Feldman: compromisso com a VIDA. Florianópolis, novembro de 2013 Criado há 31 anos, é uma instituição filantrópica de direito privado, conveniado com o Sistema Único de Saúde, prestador

Leia mais

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA INTRODUÇÃO Neste Caso Didático vamos relatar a experiência de organização dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) de um município de grande

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 2,2 2,2 2,2 % 2 1 1,28 1,47 1,79 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 % 1,5 1,21 1,28 1,96,96,96,5

Leia mais

Atenção Domiciliar no Município do Rio de Janeiro. Germana Périssé Girlana Marano Hortense Marcier Brasília Dezembro/2013

Atenção Domiciliar no Município do Rio de Janeiro. Germana Périssé Girlana Marano Hortense Marcier Brasília Dezembro/2013 Atenção Domiciliar no Município do Rio de Janeiro Germana Périssé Girlana Marano Hortense Marcier Brasília Dezembro/2013 COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES Contratadas pelas Organizações Sociais Cada Base: 1 EMAP/2

Leia mais

Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva

Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva - 2009 Programa de Reabilitação Pulmonar Rosângela H. Araújo Santos Divisão Cooperados Total: 838 0,04% Gerência Executiva da Assistência e Promoção à Saúde

Leia mais

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE RESPEITO E SUCESSO EXPERIÊNCIA DE ARACAJU 2002 Ampliação do PSF cobertura de 70% da população; Implantação do Acolhimento; Na Saúde Mental a implantação de equipes

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/15

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/15 PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/15 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

CARTA DE PORTO ALEGRE

CARTA DE PORTO ALEGRE CARTA DE PORTO ALEGRE No período de 26 a 29 de outubro de 2016 a cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, sediou o CONBRAN 2016 - XXIV Congresso Brasileiro de Nutrição, IV Simpósio Iberoamericano

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Fisioterapeuta, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado

Leia mais

EDITAL Nº 26 / PRPGPE

EDITAL Nº 26 / PRPGPE EDITAL Nº 26 /2015 - PRPGPE A Pró-reitoria de Pós-graduação, Pesqui sa e Extensão PRPGPE, do Centro Universitário Franciscano, torna público que estarão abertas, a partir de 06 de novembro de 2015, as

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

Como elaborar campanhas e treinamentos. Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Como elaborar campanhas e treinamentos. Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Como elaborar campanhas e treinamentos Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Por onde começar... Importante definir : Quais os focos de atuação do Controle

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

PROCESSO SAÚDE-DOENÇA E MODELOS DE CAUSALIDADE. M.Sc. Helen Lima Novembro 2009

PROCESSO SAÚDE-DOENÇA E MODELOS DE CAUSALIDADE. M.Sc. Helen Lima Novembro 2009 PROCESSO SAÚDE-DOENÇA E MODELOS DE CAUSALIDADE M.Sc. Helen Lima Novembro 2009 Estrutura Trata-se, aqui, de discutir um sistema de saúde, que tem como objeto de trabalho o processo saúde-doença, em sua

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA

ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA ANEXO I 1. DAS, VENCIMES, E DA INSCRIÇÃO. 1.1 O Candidato concorrerá às vagas oferecidas para apenas um cargo, conforme os seguintes quadros demonstrativos: 1.2 Cargos de Nível Superior - Educação 1001

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014 A MODELAGEM DA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL 1. A análise de situação de saúde 2. A escolha do modelo de 3. A definição do

Leia mais

A Regulação da Atenção

A Regulação da Atenção XXVI CONGRESSO DO COSEMS Marília Março de 2012 Curso de Regulação A Regulação da Atenção Troccoli CONCEITOS Dicionário Houaiss 1. estabelecer regras, sujeitar a regras; 2. regrar; 3. dirigir em conformidade

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD MATRICIAMENTO PEDIÁTRICO EM AD NO DF Colaboradores: Bibiana Coelho Monteiro, Elaine Horta de Souza, Eduardo André Viana Alves e Maria Leopoldina de Castro

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS *

ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS * ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS * Estela Regina Garlet 1 José Luís Guedes dos Santos 2 Maria Alice Dias da Silva

Leia mais

Humanización en Salud porque somos personas que atendemos personas: Desafío del Milenio

Humanización en Salud porque somos personas que atendemos personas: Desafío del Milenio Humanización en Salud porque somos personas que atendemos personas: Desafío del Milenio Allan Jacqueson BarbosaLobo Federação Brasileira de Administradores Hospitalares allan.lobo@prosaude.org.br Humanización

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor Dados de Identificação Questionário PSF Equipe de Saúde da Família Nome da unidade visitada:...data da visita:... Endereço:... Bairro:...Telefone:... Nome do(a) responsável pela Unidade de Saúde:... Qualificação

Leia mais

Caderneta da Gestante

Caderneta da Gestante MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DAS MULHERES Caderneta da Gestante * A assistência pré-natal se constitui em

Leia mais

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro Prefeitura de São Paulo União Européia Histórico do Projeto Cooperação técnica bilateral da Prefeitura de São Paulo com a União Européia com duração de quatro

Leia mais

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001 1- Objetivo Página: 1/10 Estabelecer plano de cuidado e prestar atendimento fisioterapêutico às necessidades imediatas e continuadas do paciente interno e externo. 2- Definições 2.1 Plano de cuidado: visa

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Programa SOS Emergências. Ministério da Saúde Brasil. Lançamento Nacional em 08/11/2011

REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Programa SOS Emergências. Ministério da Saúde Brasil. Lançamento Nacional em 08/11/2011 REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS Programa SOS Emergências Ministério da Saúde Brasil Ação Estratégica do Ministério da Saúde para as Portas de Entrada Hospitalares Prioritárias Lançamento Nacional

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Vigilância Sanitária de Medicamentos, C...

Curso de Pós-Graduação em Vigilância Sanitária de Medicamentos, C... 1 de 6 23/11/2010 09:48 Portal Racine Cursos Agenda de Eventos Revistas Livros Serviços Home Institucional Sobre o Instituto Racine Coordenadores de Cursos Protocolos de Cooperação Educacional Bolsas de

Leia mais

Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS

Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS A região da Serra Gaúcha está localizada no nordeste do estado do Rio Grande do Sul, região sul do Brasil. Área de abrangência

Leia mais

28 a 30/11/2013 PROGRAMA PRELIMINAR: 14:00 às 15:30 Mesa p/pacientes: Quem vê cara, não vê coração. A importância do check up cardiovascular.

28 a 30/11/2013 PROGRAMA PRELIMINAR: 14:00 às 15:30 Mesa p/pacientes: Quem vê cara, não vê coração. A importância do check up cardiovascular. Quinta-feira, 28/11/13 (Programação conjunta para todas as especialidades) 28 a 30/11/2013 PROGRAMA PRELIMINAR: 14:00 às 15:30 Mesa p/pacientes: Quem vê cara, não vê coração. A importância do check up

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

EDITAL Nº 140/2016 INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE RETIFICAÇÃO 03

EDITAL Nº 140/2016 INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE RETIFICAÇÃO 03 EDITAL Nº 0/06 RETIFICAÇÃO 0 Dispõe sobre o Concurso Público para provimento, em caráter efetivo, destinados aos cargos de TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA

RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA 23 - ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA 11 65 5,9 ENFERMAGEM EM CANCEROLOGIA 8 41 5,1 ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA 9 41 4,6 ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO 2 11 5,5 ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA GERAL 5 40 8,0 ENFERMAGEM

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE A FORMAÇÃO DAS CATEGORIAS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DE NÍVEL SUPERIOR PÓS DIRETRIZES CURRICULARES

REFLEXÃO SOBRE A FORMAÇÃO DAS CATEGORIAS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DE NÍVEL SUPERIOR PÓS DIRETRIZES CURRICULARES REFLEXÃO SOBRE A FORMAÇÃO DAS CATEGORIAS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DE NÍVEL SUPERIOR PÓS DIRETRIZES CURRICULARES Prof.ª Drª Dorisdaia C. de Humerez* Prof. Dr. José Vítor Jankevicius ** INTRODUÇÃO A saúde,

Leia mais

Introdução

Introdução 1. 2. 3. 4. Introdução A estratégia Saúde da Família Os princípios organizativos da estratégia Saúde da Família A reorganização da Atenção Primária a partir da Saúde da Família Introdução A Atenção Primária

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Focada na formação intelectual e no desenvolvimento de pessoas para integrarem e inovarem a nova cultura de negócios do XXI, a FAN oferece cursos para graduação e especialização

Leia mais

DISSERTAÇÃO DEFENDIDA EM FEVEREIRO DE 2014... MAIS EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE MESQUITA - RJ

DISSERTAÇÃO DEFENDIDA EM FEVEREIRO DE 2014... MAIS EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE MESQUITA - RJ DISSERTAÇÃO DEFENDIDA EM FEVEREIRO DE 2014... A FORMAÇÃO CONTINUADA NO ÂMBITO DO PROGRAMA A FORMAÇÃO CONTINUADA NO ÂMBITO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE MESQUITA - RJ As novas propostas de educação

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães Departamento de Saúde Coletiva

Fundação Oswaldo Cruz Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães Departamento de Saúde Coletiva Fundação Oswaldo Cruz Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães Departamento de Saúde Coletiva A MICROPOLÍTICA DOS PROCESSOS PRODUTIVOS EM SANEAMENTO E AS INOVAÇÕES SOCIOTÉCNICAS André Monteiro Costa andremc@cpqam.fiocruz.br

Leia mais

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz Perfil O Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos de caráter

Leia mais

ANEXO I Procedimentos incluídos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS para o tratamento da Doença Renal Crônica

ANEXO I Procedimentos incluídos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS para o tratamento da Doença Renal Crônica ANEXO I Procedimentos incluídos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS para o tratamento da Doença Renal Crônica CÓDIGO PROCEDIMENTO 03.01.13.005-1 Acompanhamento multiprofissional em DRC

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO UNCISAL NÍVEL SUPERIOR AVALIAÇÃO DOS CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA 08/09/2015

CONCURSO PÚBLICO UNCISAL NÍVEL SUPERIOR AVALIAÇÃO DOS CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA 08/09/2015 CONCURSO PÚBLICO UNCISAL 2014 - NÍVEL SUPERIOR AVALIAÇÃO DOS CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA 08/09/2015 A Reitoria da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL), através da Pró-reitoria

Leia mais

SGTES. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Ministério da Saúde

SGTES. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Ministério da Saúde SGTES Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde Ministério da Saúde Oficina Pró e PET-Saúde Brasília - DF 10 de agosto de 2012 1 CONTEXTO O Plano

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE CONFERÊNCIA LIVRE DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MODELO DE RELATÓRIO DE CONFERÊNCIA LIVRE DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MODELO DE RELATÓRIO DE CONFERÊNCIA LIVRE DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL IDENTIFICAÇÃO Nome da Conferência: Conferência Livre de Proteção e Defesa Civil: contribuições da Psicologia como ciência e profissão

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Faculdade de Medicina Planejamento e Gerência em Saúde II Estudo de Caso Serviço de Emergência ProntoBaby

Universidade Federal Fluminense Faculdade de Medicina Planejamento e Gerência em Saúde II Estudo de Caso Serviço de Emergência ProntoBaby Universidade Federal Fluminense Faculdade de Medicina Planejamento e Gerência em Saúde II Estudo de Caso Serviço de Emergência ProntoBaby Prof.ª Dra Luciana Alves Pereira Prof. Dr. Túlio Batista Franco

Leia mais

O papel da iniciativa privada no desenvolvimento da gestão pública brasileira

O papel da iniciativa privada no desenvolvimento da gestão pública brasileira O papel da iniciativa privada no desenvolvimento da gestão pública brasileira CONTEXTO BRASIL 1970 90 milhões de habitantes 2010 190 milhões de habitantes... Temos feito muito, mas não o suficiente...

Leia mais

BETIM Leila da Cunha Meneses Maria Aparecida Rodegheri

BETIM Leila da Cunha Meneses Maria Aparecida Rodegheri INTERNAÇÃO DOMICILIAR: EXPERIÊNCIA EM UM MUNICÍPIO DE MINAS GERAIS BETIM Leila da Cunha Meneses Maria Aparecida Rodegheri Betim- Minas Gerais Dados Importantes População : 2010 (IBGE) : 378.089 Orçamento

Leia mais

Atenção Domiciliar no Município do Rio de Janeiro. Germana Périssé Girlana Marano Hortense Marcier Brasília Junho/2013

Atenção Domiciliar no Município do Rio de Janeiro. Germana Périssé Girlana Marano Hortense Marcier Brasília Junho/2013 Atenção Domiciliar no Município do Rio de Janeiro Germana Périssé Girlana Marano Hortense Marcier Brasília Junho/2013 Breve Histórico Os limites administrativos do espaço físico da Cidade do Rio de Janeiro

Leia mais

Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein

Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein Luiz Vicente Rizzo Diretor Superintendente Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein Avaliação de Tecnologia

Leia mais

Desafios e Oportunidades na Logística Hospitalar. Fernando Andreatta Torelly Diretor Executivo

Desafios e Oportunidades na Logística Hospitalar. Fernando Andreatta Torelly Diretor Executivo Desafios e Oportunidades na Logística Hospitalar Fernando Andreatta Torelly Diretor Executivo O Mercado de Saúde Mudou O Brasil viveu anos de desenvolvimento econômico; Este desenvolvimento gerou melhoria

Leia mais

ESTRUTURA REMUNERATÓRIA SESI E SENAI

ESTRUTURA REMUNERATÓRIA SESI E SENAI Superintendente Corporativo Superintendente do Diretor Regional do Executivo Superintendentes e Diretoria Regional 23.668,00 Gerências Corporativas Assessorias I e II Gerente Corporativo de Adm. Controle

Leia mais

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D.

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD.indd 1 19/10/2015 15:30:04 Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD Objetivo: Fornecer suporte ao paciente para que

Leia mais

PROGRAMA DE PO S-GRADUAÇA O EM PROMOÇA O DA SAU DE

PROGRAMA DE PO S-GRADUAÇA O EM PROMOÇA O DA SAU DE PROGRAMA DE PO S-GRADUAÇA O EM PROMOÇA O DA SAU DE 1. Apresentação A saúde é um conceito positivo, que enfatiza os recursos sociais, naturais e pessoais, bem como, as capacidades físicas do indivíduo.

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - RIO Unidade Dias e Horários

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM 41/13 PARECER CFM 34/13 INTERESSADO:

PROCESSO-CONSULTA CFM 41/13 PARECER CFM 34/13 INTERESSADO: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 41/13 PARECER CFM nº 34/13 INTERESSADO: Universidade Federal do Paraná Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Cecan-Sul ASSUNTO: Competência do médico referente à nutrição

Leia mais

Manual de Organização

Manual de Organização ÍNDICE GERAL Descrição Pag. Introdução... 3 II. Plano de Cargos e Vencimentos... 10 1. Quadros de Especificação de Classes de Cargos de Provimento em Comissão... 11 Administrador de Creche... 12 Analista

Leia mais

Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc

Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc ASSISTÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR A VÍTIMAS DE TRAUMAS Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc PRIMEIROS SOCORROS = SOCORROS DE URGÊNCIA = PRONTO SOCORRISMO= ATENDIMENTO PRÉ- HOSPITALAR (APH) TERMINOLOGIA MAIS ADEQUADA

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO (RETORNO) DE VISITA AO CAPSi - INFÂNCIA E JUVENTUDE

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO (RETORNO) DE VISITA AO CAPSi - INFÂNCIA E JUVENTUDE RELATÓRIO DE INSPEÇÃO (RETORNO) DE VISITA AO CAPSi - INFÂNCIA E JUVENTUDE Data: 27/01/2016 1. Identificação Nome da Instituição: Centro de Atenção Psicossocial para Infância e Juventude (CAPSi) Endereço:

Leia mais

SEMINÁRIO ENTÃO PREFEITO!...E A SAÚDE? COSEMS MG

SEMINÁRIO ENTÃO PREFEITO!...E A SAÚDE? COSEMS MG SEMINÁRIO ENTÃO PREFEITO!...E A SAÚDE? COSEMS MG R E G I O N A L I Z A Ç Ã O E O P R O C E S S O D E P L A N E J A M E N T O D O S U S A P A R E C I D A L I N H A R E S P I M E N T A A S S E S S O R A

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto

Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto SECRETARIA DA SAUDE D Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto Darlene Caprari Pires Mestriner Assistente da Secretaria de Saúde Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto 1 PORTARIA

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA NOSSA CASA A importância do Trabalho em Equipe Multidisciplinar Assistente Social Enfermeira Técnicos de enfermagem Fisioterapeuta Nutricionista Médico Psicólogo

Leia mais

Fortaleza. 5ª cidade em população: 2,45 milhões 9ª colocada em PIB 18ª capital em rendimento mensal total domiciliar per capita nominal (R$ 701,00)

Fortaleza. 5ª cidade em população: 2,45 milhões 9ª colocada em PIB 18ª capital em rendimento mensal total domiciliar per capita nominal (R$ 701,00) 5ª cidade em população: 2,45 milhões 9ª colocada em PIB 18ª capital em rendimento mensal total domiciliar per capita nominal (R$ 701,00) Classificação por renda domiciliar per capita Renda Domiciliar Per

Leia mais

Experiências de Educação em Ciências de Saúde para a Atenção Primária em Saúde

Experiências de Educação em Ciências de Saúde para a Atenção Primária em Saúde Experiências de Educação em Ciências de Saúde para a Atenção Primária em Saúde Coordenadora Geral de Ações Técnicas em Educação na Saúde - SGTES/MS/BRASIL Base político-jurídica 1988 Constituição Federal

Leia mais

Brasília, 20 de novembro de

Brasília, 20 de novembro de NOTA TÉCNICA /2012 Redefine as diretrizes e normas para a organização e o funcionamento dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) no âmbito da Atenção Básica, cria a Modalidade NASF 3, e dá outras

Leia mais