LÍDER DO MERCADO EUROPEU DE PRODUTOS SEM GLÚTEN. Pedro Lôbo do vale

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LÍDER DO MERCADO EUROPEU DE PRODUTOS SEM GLÚTEN. Pedro Lôbo do vale"

Transcrição

1 LÍDER DO MERCADO EUROPEU DE PRODUTOS SEM GLÚTEN Pedro Lôbo do vale

2 1922 MARCOS NA HISTÓRIA DA SCHÄR O médico austríaco Dr. A. Schär e o empresário italiano Untertrifaller foram os fundadores da Dr. Schär, alimentos para crianças 1982 Introdução de alimentos sem glúten Dr. Schär. (Ulrich Ladurner) Inicia-se a colaboração com médicos e associações de celíacos 1985 Dr. Schär esforça-se para atingir a liderança no mercado italiano dos produtos sem glúten 1990 Atinge a liderança no mercado italiano. Filiais em Espanha e França. São estabelecidos novos mercados na Áustria, Alemanha, Grã-Bretanha, Bélgica, Holanda e Suiça

3 1996 Dr. Schär procura liderar mercado europeu. Expansão da produção e áreas operacionais 1998 Pesquisas e desenvolvimento intensivo resultam em experiências com novos sabores em todas as áreas produtivas. Avaliações sensoriais e segurança no topo do nosso ranking. Aumento de consumidores a nível da Europa Aquisição da DS-Food GmbH pela primeira vez a empresa dispõe também de inovadores produtos congelados (Gama de produtos congelados muito saborosos, práticos e simples de preparar)

4 2006 Expansão da capacidade produtiva com 2 fábricas na Alemanha. Dreihausen Responsável pela produção novidades em termos de bolachas e biscoitos E a nova fábrica em Apolda com a tecnologia vocacionada para a produção de pão sem glúten Aquisição da empresa Alemã Glutafin

5 5 marcas: Schär, DS Dietary specials, Glutafin, Glutano e Trufree Mais de 100 produtos sem glúten diferentes Sede e Centro de pesquisas em Itália Três locais de produção exclusiva de produtos sem glúten: Itália (Postal) e Alemanha (Apolda e Dreihausen) Mais de 300 funcionários no total

6 A QUALIDADE DA TRADIÇÃO A Schär é líder europeia no desenvolvimento e produção de produtos alimentares sem glúten. A marca distingue-se pela qualidade, segurança e sabor, possibilitando às pessoas com doença celíaca ou com outras intolerâncias alimentares, uma vida sem preocupações e cheia de sabor. SCHÄR DESFRUTAR A VIDA SEM GLÚTEN A marca mais conhecida no mundo dos sem glúten Cerca de 70% dos celíacos diagnosticados a nível Europeu fazem parte da base de dados da Dr. Schär Valores da marca Experiência Segurança e confiança A melhor escolha e inovação A melhor qualidade e sabor

7 CERTIFICADOS Como reconhecimento da qualidade, a Schär obteve os seguintes certificados oficiais: ISO 9001: 2000 para sistemas de gestão da qualidade ISO 14001: 2004 para sistemas de gestão ambiental E ainda, o cumprimento da reconhecida norma para produtos alimentares BRC Global Standard food

8 ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES Nas alergias alimentares o sistema imunitário reage a determinados alimentos como se fossem potencialmente perigosos, através da produção de anticorpos. A resposta mais severa a uma alergia alimentar é um choque anafilático. A intolerância alimentar afecta o metabolismo do organismo mas não implica o sistema imunitário. Os sintomas são semelhantes à alergia alimentar, mas não existe risco de ocorrência de choque anafilático. Retirar da dieta alimentos como os possíveis alergénios No caso de pão, bolos, biscoitos e produtos de pastelaria pode ser necessário ou aconselhável optar por alimentos sem glúten ou outros alergenos

9 NATURALMENTE SEM GLÚTEN, NATURALMENTE SEGURO A Schär é das poucas empresas do ramo com uma produção exclusivamente sem glúten Os produtos são produzidos a partir de ingredientes sem glúten, isto exclui também a utilização de todos os amidos de trigo Desenvolve alimentos naturais sem glúten, com menos de 20ppm de glúten (partes por milhão, ou seja, miligramas por quilo)

10 Para ajudar na identificação fácil e rápida das propriedades de cada produto e na selecção do alimento mais indicado para a dieta específica, a Schär desenvolveu um sistema de símbolos simples. Free from Indica que o alergénio mencionado não está presente no produto. A ausência deste é garantida. Sem adição de descreve os ingredientes que não fazem parte da receita e que não estão presentes no produto. No entanto, não é possível excluir uma contaminação cruzada imprevista.

11

12

13 NA DR. SCHÄR Todos os ingredientes são analisados em relação ao glúten e lactose (todos os lotes) Apenas após um resultado negativo são utilizados na produção Produzem-se apenas produtos isentos de glúten (teor de glúten inferior a 20ppm, de acordo com a lei italiana) Traceabilidade: Através do número do lote é possível ter acesso a toda a informação deste produto, desde a linha de chegada até ao distribuidor final São novamente efectuadas análises ao glúten e à lactose a todos os números de lotes de produtos

14 Dr. Schär e HACCP

15 HACCP Significa Hazard Analysis and Critical Control Points - Análises de Perigos e Pontos Críticos de Controle Metodologia de segurança alimentar que se baseia na identificação de pontos críticos de controle (CCP s) na produção alimentar e processos de preparação Os pontos críticos de controle são monitorizados de modo a garantir que o alimento é seguro e está apto a ser consumido. Segurança e a palatabilidade do produto ao consumidor Com uma prevenção sistemática de problemas de segurança alimentar (físicos, microbiológicos e químicos) em qualquer fase de produção em vez de os reparar e detectar apenas após eles terem ocorrido. Como parte do sistema de monitorização de pontos críticos de controle, cada novo lote de matérias-primas que é entregue é testado em relação ao teor de glúten antes de ser introduzido na linha de produção. Isto significa que a Dr. Schär não corre qualquer risco de ter matérias primas distintas em termos de teor de glúten. TODOS OS INGREDIENTES PRESENTES NA FÁBRICA SÃO 100% ISENTOS DE GLÚTEN

16 FORNECEDORES DE MATÉRIAS-PRIMAS A Dr. Schär trabalha apenas com fornecedores de matérias-primas que recebem informações prévias sobre o glúten. Processo de produção (limpeza das linhas, sensibilização e formação dos trabalhadores do fornecedor). No caso de produção de ingredientes que não se encontrem fisicamente separados da produção de outros produtos os ciclos de produção devem ser alterados. Cada fornecedor é testado em relação à sua capacidade de fornecer matérias-primas com uma qualidade constante. Cada matéria-prima é testada de forma a avaliar as características tecnológicas e o risco de contaminação com glúten. O primeiro passo para a entrada de uma matéria-prima é a análise que vai verificar a ausência de glúten, ou seja um teor inferior a 20 ppm.

17 Após cada limpeza é possível (opcional) verificar de imediato a eficácia da limpeza efectuada usando uma Fita-teste para o glúten : 1 Pode ser introduzida numa amostra ou arrastada sobre uma superfície 2 - Contém anticorpos anti-gliadina 3 Área de reacção 4 A zona onde se pode tocar A presença de uma linha vermelha indica um resultado positivo, estamos na presença de glúten Contaminação com glúten No caso de apenas se apresentar uma linha azul, o resultado é negativo Isento de glúten O produtor tem de enviar uma cópia do plano de HACCP e plano de limpeza para o cliente Dr. Schär.

18 A planta do plano de HACCP foi elaborado pela Dr. Schär e a integração prevê a adição de Pontos Críticos de Controle relativos à presença de glúten nos seguintes sectores: Manuseamento de matérias-primas Armazenamento de matérias-primas sem glúten Processo de produção Planos de limpeza e higienização Para cada uma das matérias-primas, a Dr. Schär solicita o certificado de análises / as especificações do produto, onde deverá estar presente uma declaração comprovando que a matéria-prima é isenta de glúten (teores inferiores a 20ppm) Uma cópia desta declaração assinada é enviada ao fornecedor que deve garantir que estas especificações se irão manter. Embalamento: O produtor envia ao cliente Dr. Schär uma cópia da conformidade das embalagens que vão contactar com o alimento.

19 Armazenamento de matérias-primas isentas de glúten: O sistema de gestão de matérias-primas desenvolvido pela Dr. Schär para garantir que não há qualquer possibilidade de utilizar matérias-primas que não tenham sido autorizadas pelo laboratório interno utiliza uma identificação visual, uma etiqueta de cor vermelha para matérias recém-chegadas que significa que aquela matéria-prima está bloqueada. Para além disto existe um sistema informático que garante que apenas as matériasprimas autorizadas e libertadas pelo laboratório é que podem ser utilizadas e os alimentos posteriormente notificados. Análises e autorização dos produtos finais Em relação às especificações, no final da linha de produção, todos os produtos são testadas duas vezes por dia antes de serem autorizados, de modo a verificar se correspondem à qualidade standard. Todos os produtos finalizados tem a sua peculiaridade e através de testes laboratoriais efectuados na Dr. Schär podemos verificar por exemplo: - ph (indicador de acidez) - aw (actividade da água) - Características sensoriais - Características nutricionais - Quebra (Para os biscoitos) - Testes de confecção culinária/panificação (Para massas/farinhas)

20 Para além da limpeza geral, na produção de alimentos sem glúten é necessário: Efectuar uma fase de aspiração, especialmente para resíduos de produtos tais como as farinhas e etc. Lavagem húmida nos locais em que tal é possível Fazer uma lavagem desinfectante com álcool (60%) em todas as superfícies que contactam com os géneros alimentícios, tendo especial cuidado com superfícies flexíveis que contactem com este. Aplicar um sistema de registos através de Check-list. Estas devem ter registadas todas as limpezas efectuadas com a respectiva assinatura do responsável após o processo de limpeza ter sido efectuado.

21 ANÁLISE E APROVAÇÃO DO PRODUTO FINAL Análises Os instrumentos e materiais devem estar aptos a serem utilizados. O procedimento das análises deve ser conhecido. A eficácia e o factor de instabilidade das análises devem ser constantemente testados. Os resultados das análises devem ser guardados. Análises ao glúten O produtor tem de efectuar este tipo de análise para cada amostra no início de cada ciclo de produção, de acordo com as especificações. As análises podem ser efectuadas através de um teste ELISA ou por teste rápido por Operon O único teste de referência válido no caso de resultados contraditórios é o que é efectuado com a técnica de ELISA Se o teste do glúten for negativo (São feitos testes no inicio, a meio e no final do ciclo de produção), o produtor envia as amostras do produto à Dr. Schär para as análises finais, a libertação do produto final é da responsabilidade da Dr. Schär (cliente), o que não retira a responsabilidade que compete ao fornecedor de fornecer ingredientes de acordo com as especificações desejadas

22 Auditorias Os procedimentos da Dr. Schär, tendo em conta a avaliação dos riscos, para aprovação e monitorização destes fornecedores, críticos para a segurança do produto, legalidade, qualidade e garantia de que os produtos e serviços se encontram em conformidade com os requisitos, incluem os horários das auditorias com objectivos e frequência estabelecidos em relação ao risco associado com a actividade Objectivo da auditoria Avaliar permanentemente a eficiência da aplicação e eficácia das acções, garantindo que o sistema e procedimentos são os correctos e apropriados Planeamento das auditorias A Dr. Schär inicia as auditorias antes do primeiro ciclo de produção de alimentos sem glúten. Posteriormente são planeadas novas auditorias de acordo com o produtor (Dr. Schär) e fornecedor. Todos os relatórios de não conformidades e acções correctivas são registados e guardados e fazem parte dos dados da performance dos respectivos fornecedores.

23 O EMBALAMENTO é em função das características do produto, ou seja, de acordo com aquilo que a Dr. Schär pretende obter do seu produto final. Alguns produtos possuem um alto teor de humidade, sendo por este motivo que estes produtos são trabalhados em atmosfera modificada (CO2) numa sala limpa: Produtos frescos Outros não requerem tanta atenção neste sentido, uma vez que se tratam de produtos mais estáveis e como tal são embaladas em condições atmosféricas: farinhas e biscoitos: Produtos doces

24 ESTUDOS A equipa da Dr. Schär conta com sete peritos num dos mais importantes centros de pesquisa da Europa Contacto imediato com universidades e centros de pesquisa Pesquisas intensivas como parte crucial para o desenvolvimento de novos produtos e melhorias contínuas nas aplicações e receitas culinárias As inovações da Dr. Schär significam também melhorias contínuas: Melhorias na informação sobre as matérias-primas e respectivas propriedades Melhorias nas tecnologias e nas receitas MELHORIAS CONTÍNUAS NO PRODUTOS + NOVOS PRODUTOS TODOS OS ANOS

25 Perto do consumidor e associações de celíacos Há mais de 25 anos que a Schär exclusivamente no desenvolvimento de produtos sem glúten, de forma a oferecer aos clientes uma variedade cada vez maior de produtos fiáveis e cheios de sabor. Contacta com os consumidores em ocasiões diferentes, tem uma relação especial com várias associações de celíacos a nível europeu, usando material de apoio variado. Professional consulting Diagnosi s Meeting s Experience Schär POS Packaging Samples POS Material yourlife Internet/Newsletter Advertisements At home

26 MATERIAL DE APOIO Revista YOURLIFE (distribuída a 180 mil celíacos em cerca de 30 países e 13 línguas, 2 vezes/ano) : uma referência sem glúten na Europa Catálogo de produtos (uma vez por ano é distribuída para 150mil casas de celíacos a nível europeu 20 línguas) Marketing para a pequenada A Milly é a amiga dos pequenos celíacos e está presente nas comunicações, produtos e internet

27 LANÇAMENTO DE PRODUTOS Tirando vantagem da base de dados, a Dr. Schär tenta ter uma rápida cobertura e rotação de produtos. O ciabatta foi um dos exemplos: Foi enviada uma amostra deste produto para cerca de 100mil celíacos a nível da Europa e atingiu o o top 10 de vendas em menos de um mês ESTUDOS DE MERCADO DIAGNÓSTICO E PROFISSIONAIS Uma gama completa de serviços para profissionais Colaboração intensiva com Associações de celíacos Programa de cuidados especiais para novos celíacos diagnosticados Contactos com nutricionistas

28 Desde farinhas para a confecção simples de alimentos a produtos prontos a consumir. Grande variedade de farinhas, pão, massas, snacks e aperitivos, doces e salgados e produtos biológicos cheios de sabor. Schär, desde o pequeno-almoço ao jantar, incluindo as refeições ligeiras.

ACIF CCIM. Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira

ACIF CCIM. Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira ACIF CCIM Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira Objectivos Apoiar os estabelecimentos na implementação dos seus Sistemas de Segurança Alimentar, baseados

Leia mais

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812 Auditorias Consultadoria A Silliker Portugal desenvolve soluções de consultadoria

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração www.apcer.pt AGENDA Apresentação APCER Desenvolvimento ERS3002 Conteúdo da ERS3002 Metodologias de auditorias Associação constituída em Abril 1996

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA HACCP DE SEGURANÇA ALIMENTAR. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof.

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA HACCP DE SEGURANÇA ALIMENTAR. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof. Carlos Marques HACCP IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA ALIMENTAR Ana Rodrigues 2019306 Jhonny Viveiros 2035006 Curso de Gestão

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS SEGURANÇA ALIMENTAR PORQUÊ UMA NORMA ISO DE GESTÃO DA SEGURNAÇA ALIMENTAR? 1,5 Bilhões de casos de toxi- infecções alimentares por ano; Uma das causas mais comuns de mortalidade em Países em desenvolvimento;

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

Gerindo a inocuidade dos alimentos

Gerindo a inocuidade dos alimentos Gerindo a inocuidade dos alimentos ISO 22000 : 2005 Sónia Gonçalves Novembro de 2006 DE QUE TRATA A NORMA A norma ISO 22000 estabelece os requisitos que deve cumprir um sistema de gestão da segurança alimentar

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO. José António Rousseau - Director Geral 1

ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO. José António Rousseau - Director Geral 1 ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO José António Rousseau - Director Geral 1 ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO 2- ROTULAGEM 3- RASTREABLILIDADE 4- DENOMINAÇÃO DE ORIGEM PROTEGIDA 5- PROGRAMA EUROPEU-

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE XIX Serviços de Apoio ÍNDICE SECÇÃO I - ASPECTOS GERAIS... 2 1. Introdução... 2 SECÇÃO II - Especificações dos Serviços de Apoio... 4 2. Serviço de Limpeza... 4 3. Serviço de Alimentação... 5 4. Serviço

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Catálogo da Formação 1/15

Catálogo da Formação 1/15 2014 Catálogo da Formação BioConnection-Consultoria e Formação, Lda. Edifício CiDEB-Escola Superior de Biotecnologia Rua Dr. António Bernardino de Almeida- 4200-072 Porto Contactos: geral@bioconnection.pt

Leia mais

Alimentação Sem Glúten: Tratamento, Abordagem e Principais Dificuldades do Doente Celíaco

Alimentação Sem Glúten: Tratamento, Abordagem e Principais Dificuldades do Doente Celíaco Alimentação Sem Glúten: Tratamento, Abordagem e Principais Dificuldades do Doente Celíaco Unidade de Nutrição. Serviço de Pediatria UAG MC H S João Faculdade Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA. Funchal, 4 Junho

PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA. Funchal, 4 Junho PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA O que é o HACCP? H A C C P Hazard Analysis Critical Control Point Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controlo Análise sistemática para a identificação,

Leia mais

Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade. XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt. Implementação do Sistema HACCP

Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade. XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt. Implementação do Sistema HACCP Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt Implementação do Sistema HACCP O HACCP HACCP - (Hazard Analysis, Critical Control Points) em português Análise dos Perigos e Pontos

Leia mais

O QUE É O GLÚTEN E POR QUE EXISTEM PRODUTOS SEM GLÚTEN?

O QUE É O GLÚTEN E POR QUE EXISTEM PRODUTOS SEM GLÚTEN? Porquê sem glúten? O QUE É O GLÚTEN E POR QUE EXISTEM PRODUTOS SEM GLÚTEN? Grande parte da população consume diariamente produtos de padaria e pastelaria. Por esse motivo, é importante oferecer uma alternativa

Leia mais

Proposta de Serviços XXI. REDE MAQUIJIG Business Solutions. Refª 2097/2014 13-05-2014. a Sua empresa de Serviços

Proposta de Serviços XXI. REDE MAQUIJIG Business Solutions. Refª 2097/2014 13-05-2014. a Sua empresa de Serviços Proposta XXI REDE MAQUIJIG Business Solutions Refª 2097/2014 13-05-2014 a Sua empresa Índice 1. Introdução 2. Medicina do trabalho 3. Segurança no Trabalho 4. Higiene e Segurança Alimentar 5. Formação

Leia mais

APCER. Associação Portuguesa de Certificação. www.apcer.pt

APCER. Associação Portuguesa de Certificação. www.apcer.pt APCER Associação Portuguesa de Certificação www.apcer.pt CERTIFICAÇÃO UM PASSO PARA A EXCELÊNCIA VANTAGENS: Cultura Organizacional; Confiança; Reconhecimento; Valor Acrescentado. QUEM SOMOS Constituída

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 63 Dezembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 63 Dezembro de 2014 EU-OSHA LANÇA GUIA ELETRÓNICO SOBRE GESTÃO DE STRESSE E RISCOS PSICOSSOCIAIS O stresse e os problemas de saúde mental constituem o problema de saúde mais grave no local de trabalho para cerca de um quinto

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Sistema de Segurança Alimentar Operações de Higienização Página 1 de 1. Café da Quinta Sandra & Elisa - Serviços de Restauração, Lda.

Sistema de Segurança Alimentar Operações de Higienização Página 1 de 1. Café da Quinta Sandra & Elisa - Serviços de Restauração, Lda. Operações de Higienização Mês de de Dias/Área 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Sanitários M Sanitários F Sanitários/Vestiários Armazém Mesas/Cadeiras

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

MATRIZ DE COMPARAÇÃO DS 3027E:2002 / NP EN ISO 22000:2005

MATRIZ DE COMPARAÇÃO DS 3027E:2002 / NP EN ISO 22000:2005 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR MATRIZ DE COMPARAÇÃO DOS REQUISITOS DA NORMA DS 3027E:2002 E DA NORMA NP EN ISO 22000:2005 1. OBJECTIVO Este documento tem como objectivo o apoio às organizações

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

NORMAS ISO. Docente: Dr. José Carlos Marques

NORMAS ISO. Docente: Dr. José Carlos Marques NORMAS ISO Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade Nº. 2089206 Maria da Luz Abreu Nº. 2405797 Teodoto Silva Nº. 2094306 Vitalina Cunha Nº. 2010607 Antes do aparecimento das normas ISO,

Leia mais

Referenciais GFSI para as atividades de Logística, Armazenagem e Transporte

Referenciais GFSI para as atividades de Logística, Armazenagem e Transporte Referenciais GFSI para as atividades de Logística, Armazenagem e Transporte AGRO&FOOD é a área de serviços da APCER que se dedica exclusivamente ao sector alimentar: do campo à mesa A alta especificidade

Leia mais

A Importância da Qualificação

A Importância da Qualificação A Importância da Qualificação É UM COZINHEIRO? NÃO! Ele É Eficaz É Sistemático Controla perigos Estabelece medidas Ele é o herói da qualidade na produção, distribuição, transformação e atendimento ao cliente

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇO. Formação. Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812

CATÁLOGO DE SERVIÇO. Formação. Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812 CATÁLOGO DE SERVIÇO Formação Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812 FORMAÇÃO FORMAÇÃO, UM INVESTIMENTO NO CENTRO DA POLITICA DA QUALIDADE. A melhor forma de prevenir

Leia mais

Higiene para a indústria alimentar e farmacêutica

Higiene para a indústria alimentar e farmacêutica Higiene para a indústria alimentar e farmacêutica HIGIENE PARA A INDÚSTRIA ALIMENTAR E FARMACÊUTICA INOVAÇÃO ESPECIALIDADES QUÍMICAS GESTÃO DA HIGIENE ITRAM CLEANING EQUIPMENTS UTENSÍLIOS VIKAN DETECÇÃO

Leia mais

Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura

Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura HACCP aplicado ao pescado História e Definições Princípios Implementação Considerações acerca da aplicação do HACCP ao pescado Fontes: Huss (1992) Development

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO E Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Normas Gerais Objetivos da Unidade de Alimentação e Nutrição Descrição Geral dos Serviços da UAN Dietas gerais e dietas especiais, destinadas

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009 2 Lista de Verificação Geral Selo Alimento Seguro Lista de Verificação Geral com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

HACCP na RESTAURAÇÃO em Portugal

HACCP na RESTAURAÇÃO em Portugal Instituto Politécnico de Coimbra Escola superior Agrária de Coimbra HACCP na RESTAURAÇÃO em Portugal Caracterização do sector Bruno Carramate 20823001 Mestrado em Engenharia Alimentar Introdução Como todos

Leia mais

PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS QUEM SOMOS? Tecnicil Indústria: Empresa de produção e engarrafamento de águas e produtos refrigerantes Sede: Cidade da Praia Fabrica: Trindade Praia Delegações: Assomada, S.Vicente, Sal e Boavista Número

Leia mais

Workshop. Rastreabilidade na Indústria Alimentar. Com a presença de. Évora, 27 de Fevereiro. Definição e regras de rastreabilidade

Workshop. Rastreabilidade na Indústria Alimentar. Com a presença de. Évora, 27 de Fevereiro. Definição e regras de rastreabilidade Workshop Rastreabilidade na Indústria Alimentar Definição e regras de rastreabilidade Legislação aplicável Aplicações em suporte papel e em suporte digital Casos práticos Com a presença de Évora, 27 de

Leia mais

Skincare CUIDADO DA PELE. Aircare. Surface Care

Skincare CUIDADO DA PELE. Aircare. Surface Care Skincare CUIDADO DA PELE Aircare Surface Care CUIDADO DA PELE Com mais de 20 anos de experiência em cuidados da pele, pode confiar nos Sistemas de Cuidado da Pele Rubbermaid para proporcionar o mesmo compromisso

Leia mais

Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos. Brasília, 29 de maio de 2014

Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos. Brasília, 29 de maio de 2014 Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos Brasília, 29 de maio de 2014 Âmbito de aplicação Art. 1º Fica aprovado o Regulamento Técnico que estabelece

Leia mais

Bureau Veritas Certification. Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco

Bureau Veritas Certification. Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco Bureau Veritas Certification Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco A introdução da gestão do risco na ISO

Leia mais

PREFÁCIO. Trata-se de um guia prático de orientação e interpretação dos requisitos deste referencial e não dispensa a leitura atenta do mesmo.

PREFÁCIO. Trata-se de um guia prático de orientação e interpretação dos requisitos deste referencial e não dispensa a leitura atenta do mesmo. PREFÁCIO Este documento tem por objectivo constituir um apoio na interpretação da norma NP EN ISO 22000:2005 Sistemas de gestão da segurança alimentar; Requisitos para qualquer organização que opere na

Leia mais

Gestão visual e Manutenção

Gestão visual e Manutenção 10º Congresso da Manutenção Associação Portuguesa de Manutenção Industrial Figueira da Foz, 19 e 20 de Novembro de 2009 Gestão visual e Manutenção Não é fácil gerir tanta informação 2 Tem a certeza? Os

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar

Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar 29 de Setembro de 2006 Rui Almeida ralmeida@consulai.com Rastreabilidade Higiene e Segurança dos Suplementos Alimentares 29 de Setembro de 2006-1 Agenda Introdução

Leia mais

Análise Sensorial Ensaios com Celíacos

Análise Sensorial Ensaios com Celíacos Análise Sensorial Ensaios com Celíacos Outubro 2008 SENSE TEST Sense Test, Lda Estudos de Análise Sensorial a Produtos Alimentares Estudos de Análise Sensorial a Produtos Não Alimentares Agenda Utilização

Leia mais

Hotelaria e Restauração

Hotelaria e Restauração Hotelaria e Restauração Código Carga UFCD UFCD Horária H 1755 Preparação de cremes de pastelaria e recheios 25 1760 Preparação de massas lêvedas especiais de pastelaria e padaria 50 1761 Preparação de

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 ÁREA DE ACTIVIDADE - SAÚDE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

Avaliação de Risco e Pontos de Controlo Críticos (ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS de CONTROLO CRÍTICOS - HACCP)

Avaliação de Risco e Pontos de Controlo Críticos (ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS de CONTROLO CRÍTICOS - HACCP) Avaliação de Risco e Pontos de Controlo Críticos (ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS de CONTROLO CRÍTICOS - HACCP) A partir de 1 de Janeiro de 2009, as novas Normas de Higiene da Comunidade Europeia substituíram

Leia mais

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente;

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; ISO 9000 A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da Qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS DESTINADOS A UMA ALIMENTAÇÃO ESPECIAL

COMERCIALIZAÇÃO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS DESTINADOS A UMA ALIMENTAÇÃO ESPECIAL COMERCIALIZAÇÃO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS DESTINADOS A UMA ALIMENTAÇÃO ESPECIAL Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde 14 de Outubro 2008 OBJECTIVOS 1. Definição 2. Exemplos de grupos de géneros alimentícios

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009 NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO Maria João Acosta 2009 O que é um SGQ? É uma estrutura organizacional, com políticas, recursos, processos e procedimentos definidos que visam alcançar um determinado

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

APLICAÇÃO DA ISO 22000 BENEFÍCIOS E POTENCIAIS CONSTRANGIMENTOS HIGIENE DOS ALIMENTOS PAPEL DAS EMPRESAS DO SECTOR

APLICAÇÃO DA ISO 22000 BENEFÍCIOS E POTENCIAIS CONSTRANGIMENTOS HIGIENE DOS ALIMENTOS PAPEL DAS EMPRESAS DO SECTOR APLICAÇÃO DA ISO 22000 BENEFÍCIOS E POTENCIAIS CONSTRANGIMENTOS SEMANA TEMÁTICA DE ENGENHARIA ALIMENTAR 09, 10 e 11 de Outubro 2006 Cecília Gaspar A livre circulação de géneros alimentícios seguros e sãos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN

BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN DOENÇA CELÍACA A doença celíaca (DC) é um distúrbio imunemediado que afeta principalmente o trato gastrointestinal. É uma enteropatia glúten induzida.

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES

CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES Monitorização de parâmetros num estabelecimento do sector da panificação e pastelaria Joana Afonso e Manuela V. da Silva Os estabelecimentos de panificação e pastelaria

Leia mais

Impressão por transferência térmica Linha de produtos DataFlex

Impressão por transferência térmica Linha de produtos DataFlex Confiabilidade ideal, máxima produtividade Impressão por transferência térmica Linha de produtos DataFlex 2 Nossa linha DataFlex de Impressoras por Transferência Térmica oferece alto tempo de operação

Leia mais

AEP/APCER FORMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004

AEP/APCER FORMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004 Ed. de Serviços da Exponor, 2º Av. Dr. António Macedo 4450 617 Leça da Palmeira t: 22 999 36 00 f: 22 999 36 01 e-mail: info@apcer.pt www.apcer.pt Formação Empresa 4450-617 Leça da Palmeira t: 22 998 1753

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável Alimentação Saudável O que é a alimentação saudável? A Alimentação Saudável é uma forma racional de comer que assegura variedade, equilíbrio e quantidade justa de alimentos escolhidos pela sua qualidade

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM*

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 1ª Edição - Novembro 2006 Programa de Certificação de Alimentação Humana,

Leia mais

Vida saudável com muito mais sabor

Vida saudável com muito mais sabor 1 Vida saudável com muito mais sabor APAE DE SÃO PAULO, com o objetivo de atender um grande público formado por pessoas que A precisam seguir dietas restritivas, em decorrência de doenças metabólicas,

Leia mais

colas. Qualidade e segurança

colas. Qualidade e segurança Curso Tecnologia Pós-Colheita P e Processamento Mínimo M de Produtos Hortofrutícolas colas. Qualidade e segurança Legislação respeitante à produção e comercialização de produtos minimamente processados

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

CHEFE DE COZINHA (M/F)

CHEFE DE COZINHA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL CHEFE DE COZINHA (M/F) ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO - Organizar, coordenar e controlar o funcionamento do serviço de cozinha em estabelecimentos

Leia mais

GARANTIA DA SEGURANÇA NO TRANSPORTE DE GRANÉIS Uma cadeia de responsabilidades a cumprir

GARANTIA DA SEGURANÇA NO TRANSPORTE DE GRANÉIS Uma cadeia de responsabilidades a cumprir GARANTIA DA SEGURANÇA NO TRANSPORTE DE GRANÉIS Uma cadeia de responsabilidades a cumprir Filipa Almeida Garrett O cereais são produzidos em todo o mundo, em maiores quantidades do que qualquer outro tipo

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO

CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO Princípio Uma boa documentação constitui parte essencial do sistema de garantia de qualidade. Documentos redigidos com clareza impedem erros resultantes da comunicação verbal e

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

5.1 A produção deve ser realizada e supervisionada por pessoas competentes.

5.1 A produção deve ser realizada e supervisionada por pessoas competentes. CAPÍTULO 5 PRODUÇÃO Princípio As operações de produção devem obedecer a procedimentos claramente definidos; devem cumprir os princípios das Boas Práticas de Fabrico, de modo a obter produtos da qualidade

Leia mais

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação . Novas Técnicas de Avaliação Elsa Gonçalves Ano 2003 Objectivos Revisão crítica do estado de conhecimento sobre: A influência do processo de congelação na qualidade dos produtos vegetais; Novas técnicas

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Segurança de Alimentos: visão e legislação

Segurança de Alimentos: visão e legislação S & S Consultoria Implementação em Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Segurança de Alimentos: visão e legislação Nut. Dra. Sabrina Bartz Introdução O mundo tem 7 bilhões de pessoas e a garantia

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 21.8.2013

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 21.8.2013 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 21.8.2013 C(2013) 5405 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 21.8.2013 que altera o Regulamento (UE) n.º 1169/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho relativo

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS DE SERVIÇO. Qualidade do Serviço em Padarias e Pastelarias

ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS DE SERVIÇO. Qualidade do Serviço em Padarias e Pastelarias ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS DE SERVIÇO Qualidade do Serviço em APCER Associação Portuguesa de Certificação Edifício de Serviços da Exponor, 2.º Av. Dr. António Macedo 4450-617 Leça da Palmeira Portugal

Leia mais

e3 comunicação do bem nutrição. esporte. bem-estar

e3 comunicação do bem nutrição. esporte. bem-estar >Sobre a e3>> Agência de comunicação integrada que nasceu segmentada nas áreas de nutrição, bem-estar e esporte que visa promover uma comunicação saudável e promover produtos e serviços que tragam bem-estar

Leia mais

Nutrição Infantil. Paula Veloso / Nutricionista

Nutrição Infantil. Paula Veloso / Nutricionista Nutrição Infantil Paula Veloso / Nutricionista Relação alimentação/saúde é para toda a vida! A mulher grávida preocupa-se com a alimentação. Relação alimentação/saúde é para toda a vida! Os pais preocupam-se

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais